SlideShare uma empresa Scribd logo
Livro Segundo: Do Mundo Espírita ou Mundo dos Espíritos
Capítulo X: Ocupações e Missões dos Espíritos
558 – Os Espíritos têm outra coisa a fazer que melhorar-se
pessoalmente?
Eles concorrem para a harmonia do Universo, executando a vontade de Deus,
do qual são os ministros. A vida espírita é uma ocupação contínua, mas que
nada tem de penosa,como sobre a Terra, porque não há fadigacorporal, nem
as angústias da necessidade.
Comentários:
A vida é constituída de trabalho e não de inércia.
Todos nós temos a nossa missão, a nossa tarefa na obra da criação e quando
a executamos de forma adequada, contribuímos para a plena harmonia do
universo. E assim cada um de nós faz a vontade de Deus, mesmo dentro das
nossas limitações.
Espíritos co-criadores,junto com o pai administrando, criando, participando do
processo contínuo de criação da obra de Deus.
Os ministros de Deus são os Espíritos puros, sem vínculo algum com a
ignorância humana; portanto, eles sabem o que fazem e o Senhor dispensa
confiançaa todos os Seus cooperadores em exercício no universo.A ação dos
Espíritos superiores é intensa, mas, sem a fadiga que conhecemos,pois não
estão ligados a corpos materiais e nem às provas necessárias aos que ainda
não se libertaram das paixões inferiores.
Apesar de sermos ainda tão pequenos, mas também temos os nossos
afazeres, nossas missões a cumprir, conforme a nossa capacidade.
A vida espírita é ocupação contínua, com muito trabalho.
559 – Os Espíritos inferiores e imperfeitos cumprem também um papel
útil no Universo?
Todos têm deveres a cumprir. O último dos pedreiros não concorre para
construir o edifício tão bem como o arquiteto? (540).
Comentários:
Todos nós mesmo nas piores condiçõespodemosser úteis. Temos um papel
a desempenhar aqui na Terra. Cada um recebe uma responsabilidade
conforme a sua capacidade, a sua condição, a sua evolução. Os Espíritos
imperfeitos também fornecem as suas contribuições.
Ex: Nos fenômenos da natureza – trabalham muitos Espíritos, de variados
graus evolutivos. Os mais inexperientes têm seus trabalhos mais
materializados, nas funções de executar e não de comandar ou administrar.
Todos concorrem para a obra da perfeição.
Além de estarmos aquipara evoluir, buscara perfeição.Estamos aquitambém
para contribuir na obra da criação.
- Os elementais (Q. 538-540)
560 – Os Espíritos têm, cada um, atribuições especiais?
Isso quer dizer que todos nós devemos habitar em toda parte e adquirir o
conhecimento de todas as coisas, presidindo sucessivamente a todos os
componentes do Universo.Mas, como está dito no Eclesiastes,há um tempo
para tudo; assim,tal cumpre,hoje,seudestino neste mundo,tal outro cumprirá
ou cumpriu, em outra época, sobre a Terra, na água, no ar, etc.
Comentários:
Não há privilégios.
Não há atribuições especiais no sentido de que determinados Espíritosserem
superiores tenham a preferência de Deus, com determinadas atribuições que
outros possam ter. Isso não existe na justiça divina.
Todos nós somos iguais perante Deus.
Todos nós nascemos simples e ignorantes, com destino à perfeição e à
pureza.
Todos nós precisamospassarpor várias situações,várias experiências nesse
processo evolutivo.
Nesse processo cada um de nós vai ocupando uma tarefa, uma missão, com
responsabilidadeespecial conformea capacidade de cada um e, alternando à
medida que vai ampliando o conhecimento e se depurando moralmente.
Todos temos que habitar em toda parte e adquirir conhecimento de todas as
coisas.
Todos nós precisamos experenciar tudo para que possamos adquirir o
conhecimento de todas as coisas.
O conhecimento completo, tanto intelectual, quanto moral. Portanto,
precisamos ocupar várias posições no decorrer do progresso.
Há tempo para tudo.
Todos os que estão mais avançados já passaram por situações pelas quais
passamos no momento.
Todos que estão porvir também passarão por essas situações.
Cada um ocupa no momento a posição compatível com seu entendimento,
com sua maturidade.
A obrade Deus é grande, os departamentos de trabalho são inúmeros e temos
de passar por todos eles.
Mesmo depois de passar por várias encarnações como ser humano, a escala
continua, pois é infinita. Ainda há muitos segredos na vida que poderão vir à
luz com o nosso amadurecimento espiritual. Não existe nada especial para
uns, que não seja para todos.Deus é bondade.A justiça e o amor nos nivelam
a todos. As diferenças existem apenas no grau de despertamento espiritual.
Aindaque eufalasse aslínguasdos homense dosanjos,e não tivesse amor,seriacomoo metal que soaou
como o sinoque tine.
E ainda que tivesse odomde profecia,e conhecesse todososmistériose todaa ciência,e aindaque tivesse
toda a fé,de maneiratal que transportasse osmontes,e não tivesse amor,nadaseria.
E ainda que distribuísse todaaminhafortunapara sustentodospobres,e aindaque entregasse omeu
corpo para serqueimado,e nãotivesse amor,nadadissome aproveitaria.
O amor é sofredor,é benigno;oamornão é invejoso;oamornão trata com leviandade,nãose
ensoberbece.
Não se porta com indecência,nãobuscaosseusinteresses,nãose irrita,nãosuspeitamal;
Não folgacoma injustiça,masfolgacoma verdade;
Tudo sofre,tudocrê,tudoespera,tudosuporta.
O amor nunca falha;mashavendoprofecias,serãoaniquiladas;havendolínguas,cessarão;havendo
ciência,desaparecerá;
Porque,emparte,conhecemos,e emparte profetizamos;
Mas, quandoviero que é perfeito,entãooque o é em parte será aniquilado.
Quandoeuera menino,falavacomomenino,sentiacomomenino,discorriacomomenino,mas,logoque
cheguei aser homem,acabei comas coisasde menino.
Porque agora vemosporespelhoemenigma,masentãoveremosface aface;agora conheçoemparte, mas
entãoconhecerei comotambémsouconhecido.
Agora,pois,permanecemafé,a esperançae o amor,estestrês,mas o maiordestesé o amor.
1 Coríntios13:1-13
561 – As funções que os Espíritos cumprem na ordem das coisas são
permanentes para cada um e estão nas atribuições exclusivas de certas
classes?
Todos devem percorrer os diferentes graus da escala para se aperfeiçoar.
Deus, que é justo, não poderia querer dar a uns a ciência sem trabalho,
enquanto que outros não a adquirem senão com sacrifício.
Allan Kardec:
Da mesma forma entre os homens, ninguém alcança um supremo grau
de habilidade em uma arte qualquer, sem haver adquirido os
conhecimentos necessários na prática das partes mais íntimas dessa
arte.
Comentários:
Todos percorrem os diferentes graus da escala evolutiva para se
aperfeiçoarem e se encontram em determinadas classes, com determinadas
funções é porque adquiriram o conhecimento, a competência para tal
atividade. Trabalharam, se esforçaram obtendo a responsabilidade para
exercer certas funções dentro do Universo.
Nada vem de forma gratuita, sem trabalho, sem esforço, sem mérito.
Todos nós estamos trilhando o nosso caminho. Quanto mais entendimento,
quanto mais esforço, quanto mais depuração, mais responsabilidade
adquirimos perante Deus.
Todos nós somos iguais perante ao Pai. Ele não prestigia uns em detrimento
dos outros.
Todos nós somos seus filhos.
Se todos temos de percorrer os diferentes graus da escala, sejam eles quais forem, temos de passar pelos
mesmossacrifícios,pelosmesmosesforços,pelasmesmasdorese agressõesdoambiente,mesmoquesejam
diversificadosnaestrutura,mas, com o mesmopesode qualidades.Temosliberdade,de certamaneira,de
escolha conforme o nosso despertamento espiritual, porém, diante de Deus, não temos liberdade; somos
Seusservos,e devemosdargraças a Ele pelanossamarcha. Somente oCriadorpossui a liberdade total.Nós
outros,semescolha,agimosnarelatividade que nospropõe acondiçãode sermosfilhos.(Miramez–vol. XI,
cap. 51)
562 – Os Espíritos de ordem mais elevada, não tendo nada mais a
adquirir, estão num repouso absoluto ou têm também ocupações?
Que quereríeis que eles fizessem durante a eternidade? A ociosidade eterna
seria um suplício eterno.
562.a) Qual a natureza de suas ocupações?
Receber diretamente as ordens de Deus, transmiti-las em todo o Universo, e
velar pela sua execução.
Comentários:
Os Espíritos puros são aqueles que,chegados ao mais alto grau da perfeição.
O esplendor infinito que os envolve não os dispensade serúteis nas obras da
Criação: as funções que devem preencher correspondem à extensão de suas
faculdades.Esses Espíritossão os ministros de Deus;sobsuas ordens,regem
os mundos inumeráveis; dirigem do alto os Espíritos e os humanos; estão
ligados entre si porum amor sem limites, e esse ardor se estende sobre todos
os seres que procuram atrair para se tornarem dignos da suprema felicidade.
Deus se irradia sobre eles e lhes transmite suas ordens.
Trabalho, muito trabalho. Todos nós nascemos para a perfeição.
A Leido trabalho é uma das Leis de Deus que nos fazchegar a essaperfeição.
Sendo a lei do trabalho, a lei do progresso,uma lei divina, ela estará presente
também entre os Espíritos puros, não apenas entre nós, imperfeitos.
Deus,nosso Pai,trabalha incessantemente.Jesusnos deixouisso muito claro:
Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também. (João 5:17).
A ociosidade é um suplício.
Quanto mais evoluído, maiores são as responsabilidades. Maiores são as
condições de exercer com eficiência as ordens de Deus.
Eles são os intermediários de Deus em todo o Universo.
A respeito de Jesus, a primeira informação que apareceu nas obras
fundamentais do Espiritismo foia respostadada pelos instrutores espirituais à
pergunta 625 em O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec:
Qual o tipo mais perfeito que Deus ofereceu ao homem, para lhe servir
de guia e de modelo?
- Vede Jesus.
Allan Kardec:
Jesus é para o homem o tipo da perfeição moral a que pode aspirar a
humanidade na Terra. Deus no-lo oferece como o mais perfeito modelo,
e a doutrina que ele ensinou é a mais pura expressão de sua lei, porque
ele estava animado do espírito divino e foi o ser mais puro que já
apareceu sobre a Terra.
Acerca do caráter divino de sua missão:
O Evangelho segundo o Espiritismo – capítulo 1, item 4, “...não foi
simplesmente o de um legislador moralista sem outra autoridade além da
palavra". "Ele veio cumprir as profecias que haviam anunciado a sua vinda, e
a sua autoridade provinha da natureza excepcional do seu Espírito e da sua
missão divina."
A Gênese – capítulo 15, item 2, pág. 201.
Em nenhum momento Kardec disse em que posição da Escala Espírita Jesus
se enquadraria, mas os termos que ele utilizou na referência ao Mestre e à
sua missão deixam claro que, como “mensageiro direto” de Deus, Jesus já
havia, sem dúvida, alcançado a condição de Espírito Puro,tal como é descrita
nas questões 112 e 113 em O Livro dos Espíritos.
Além de Kardec, três autores respeitados no meio espírita aludiram à
qualidade excepcional de Jesus. Referimo-nos a Léon Denis, J. Herculano
Pires e Emmanuel.
Emmanuel, além de confirmar tudo o que acima se disse, trouxe ao
conhecimento dos espíritas um dado a mais que nos permite entender quem,
de fato, é Jesus:
“Rezam as tradições do mundo espiritual que na direção de todos os
fenômenos, do nosso sistema, existe uma Comunidade de Espíritos Puros e
Eleitos pelo Senhor Supremo do Universo, em cujas mãos se conservam as
rédeas diretoras da vida de todas as coletividades planetárias. Essa
Comunidade de seres angélicos e perfeitos,daqual é Jesus um dos membros
divinos, ao que nos foi dado saber, apenas já se reuniu, nas proximidades da
Terra, para a solução de problemas decisivosda organização e da direção do
nosso planeta, por duas vezes no curso dos milênios conhecidos. A primeira
verificou-se quando o orbe terrestre se desprendiada nebulosa solar, a fim de
que se lançassem, no Tempo e no Espaço, as balizas do nosso sistema
cosmogônico e os pródromos da vida na matéria em ignição, do planeta, e a
segunda, quando se decidiu a vinda do Senhor à face da Terra, trazendo à
família humana a lição imortal do seu Evangelho de amor e redenção”. (A
Caminho da Luz, obra psicografada pelo médium Chico Xavier, cap. 1.)
http://www.oconsolador.com.br/ano11/540/oespiritismoresponde.html
563 – As ocupações dos Espíritos são incessantes?
Incessantes, sim, se se entende que seu pensamento está sempre ativo,
porque eles vivem pelo pensamento. Mas é preciso não comparar as
ocupaçõesdos Espíritosàs ocupações materiais dos homens.Essa atividade
mesma é um prazer, pela consciência que têm de serem úteis.
563.a)Isso se concebe para os bons Espíritos;mas ocorre o mesmocom
os Espíritos inferiores?
Os Espíritos inferiorestêm ocupaçõesapropriadas à sua natureza. Confiais ao
aprendiz e ao ignorante os trabalhos do homem de inteligência?
Comentários:
Ocupações – Não são apenas as ocupações materiais das quais estamos
acostumados a identificarno mundo material, mas a partir do momento que os
Espíritos pensam incessantemente, também é uma ocupação. Quando
estamos pensando, estamos trabalhando, refletindo, crescendo.
A lei do trabalho é uma das leis de Deus. Nos mundos mais evoluídos o
trabalho não é tão material como os nossos aqui na Terra. São
essencialmente,intelectuais. Não deixa de ser trabalho, não deixa de ser uma
ocupação.
Quanto mais evoluído é o Espírito,maior a sua responsabilidade.O pensar é
trabalho.
Os Espíritosinferiores também têm as suas ocupações, ainda pequenas, pois
é conforme o seu nível evolutivo.
Todos contribuem nas obras da criação.
564 – Entre os Espíritos, há os que são ociosos ou que não se ocupem
com alguma coisa útil?
Sim, mas esse estado é temporário e subordinado ao desenvolvimento de sua
inteligência. Certamente há, como entre os homens, os que não vivem senão
para si mesmos;mas essaociosidadelhes pesae, cedo ou tarde, o desejo de
avançar lhes faz experimentar a necessidade da atividade e eles são felizes
em poder se tornar úteis. Falamos dos Espíritos que alcançaram o ponto de
ter consciência de si mesmos e seu livre-arbítrio, pois, em sua origem, são
como crianças que acabam de nascer e que agem mais por instinto que por
uma vontade determinada.
Comentários:
Esses Espíritos que permanecem na ociosidade, que estão voltados para si
mesmos e para os seus interesses,um dia serão despertados e essasituação
mudará.
Vão querer progredir, vão querer caminhar, evoluir.
Deus nos criou simples e ignorantes para prosseguir à perfeição e para a
felicidade. Essa é a nossa destinação.
A lei do progresso é uma lei de Deus que está presente em todo o Universo.
Se um dia atingiremos a perfeição é porque em algum momento sairemos
dessa ociosidade, desse egoísmo.
Não dá para ficar eternamente na ociosidade. Ela cansa.
A centelha divina que há em nosso íntimo, vai pulsar, vai fazer ouvir. O nosso
coração, a nossa mente, num determinado momento vai nos alertar para a
caminhada que devemos prosseguir.
Sairemos da ociosidade para o trabalho útil e construtivo em benefício do
nosso próximo.
O Evangelho é, acima de tudo, um estatuto de trabalho para a humanidade. Trabalhar
para a humanidade é lei de progresso e bem-estar para a vida na Terra, e saber trabalhar
com Jesus é vida que alimenta vidas, é tranquilidade para a consciência. (Miramez)
565 – Os Espíritos examinam nossos trabalhos de arte e se interessam
por eles?
Eles examinam o que possaprovar a elevação dos Espíritose seu progresso.
Comentários:
Quanto mais elevada é a obra artística, maior é o interesse da parte dos
Espíritos.
Há muitas artes no mundo material que são elevadas,que enobrece a criatura,
que nos traz sentimentos elevados quando a apreciamos.
Ao mesmo tempo,há artes que denigrem a criatura, em função muitas vezes,
da imperfeição do próprio artista.
Os Espíritos conforme o progresso que eles têm, vão se interessar pela arte.
Espíritos mais elevados se interessam por coisas nobres.
Espíritos mais materializados se sintonizam com obras artísticas menores,
menos evoluídas que elevem menos a criatura.
Tudo está em consonância com a elevação dos Espíritos que atuam,
observam, admiram essas artes.
O pintor,o escritor,o escultor,enfim,emtodosostrabalhosempreendidospeloshomens,que têmotraço
do progresso, os Espíritos puros os assistem, dando melhor brilho a este exercício, para mostrar cada vez
mais a beleza daquilo que pode fazer o homem.
O artista emgeral pode ser ummédium,noentanto,é de sua alçada escolherqual otipode assistênciaque
lhe convém atrair.
566 – Um Espírito que teve uma especialidade sobre a Terra, um pintor,
um arquiteto, por exemplo, se interessa de preferência pelos trabalhos
que foram objeto de sua predileção durante a vida?
Tudo se confunde num fim geral. Se ele é bom, interessa-se tanto quanto lhe
seja permitido se ocupar para ajudar as almas a se elevarem até Deus.
Esqueceis, aliás, que um Espírito que praticou uma arte na existência que o
conhecestes,podevir a praticar uma outra em uma outra existência, porque é
preciso que ele saiba tudo para ser perfeito. Assim, segundo seu grau de
evolução, pode não haver mais especialidade para ele; é o que entendo
dizendo que tudo se confunde num fim geral. Notai ainda isto: o que é sublime
para vós, em vosso mundo atrasado, não é senão criancice perto dos mundos
mais avançados. Como quereis vós que os Espíritos que habitam esses
mundos,onde existem artes desconhecidas para vós, admirem isso que, para
eles, não é mais que uma obra de escolar? Eu o disse:eles examinam aquilo
que pode provar o progresso.
566.a) Concebemos que deve ser assim para os Espíritos mais
avançados; mas falamos dos Espíritos mais vulgares e que não se
elevaram ainda acima das ideias terrestres.
Para estes é diferente;seuponto de vistaé mais limitado e eles podem admirar
aquilo que vós mesmos admirais.
Comentários:
Considerando a evolução do Espírito são dois aspectos:
- Espíritos mais evoluídos,superiores,podematé se interessarpelos trabalhos
que exerciam antes, se era um pintor, um arquiteto, um escultor, desde que
esse trabalho realizado proporcione o auxílio a outros seres, proporcione o
progresso, que auxilie no progresso espiritual da criatura ou da humanidade,
ou seja, que tenha um objetivo mais sublime.
No plano espiritual as percepções são maiores, portanto, não ficará preso às
artes que desenvolviaaqui ou que outros artistas desenvolvem poraqui. Com
certeza, vai se ocupar com outros trabalhos, outras artes mais enobrecidas.
As artes que existem em mundos e planos mais evoluídos não se comparam
com o que conhecemosaqui.Sequernem se aproximam. Os nossos trabalhos
são de aprendizes (escolares)
- Espíritos mais materializados, mais imperfeito, mais vulgares, podem se
admirar. Ter admiração pelos trabalhos que outros artistas desenvolvem por
aqui. Eles desconhecem outras coisas mais sublimes. Aquilo que eles
vivenciam ou vivenciaram na vida material é motivo de admiração.
Tudo varia em função das qualidades morais do Espírito.
Ex: Quadro do martírio de São Dinis – Livro Os Mensageiros – Cap. 16, pág.
104.
567 – Os Espíritosse misturam,algumasvezes,em nossas ocupaçõese
em nossos prazeres?
Os Espíritos vulgares, como dizes, sim. Estes estão sem cessar ao redor de
vós e tomam, no que fazeis, uma parte, algumas vezes, muito ativa, segundo
sua natureza. Isso é necessário para impelir os homens nos diferentes
caminhos da vida, excitar ou moderar suas paixões.
Allan Kardec:
Os Espíritos se ocupam das coisas deste mundo em razão da sua
elevação ou da sua inferioridade. Os Espíritos superiores têm, sem
dúvida, a faculdade de considerá-las em seus menores detalhes, mas
eles não o fazem senão naquilo que é útil ao progresso.Só os Espíritos
inferioresligam uma importância relativaàs lembrançasque estão ainda
presentes em sua memória e às ideias materiais que não estão ainda
apagadas.
Comentários:
Nós estamos a todo momento rodeados por Espíritos de variados graus
evolutivos.
Conforme os nossos pensamentos,palavras, atitudes, emoções vamos atrair
Espíritos mais inferiores ou mais evoluídos.
Precisamos trabalhar os nossos pensamentos. Somos nós que atraímos os
bons ou os maus Espíritos.
A Espiritualidade superior faz a sua parte, nos orientando, nos protegendo,
mas nós também temos que fazer a nossa parte.
Se eles afastam o Espírito inferiore nós o atraímos de volta ou atraímos outro
com o mesmo procedimento, eles respeitam o nosso livre-arbítrio, embora
permaneça nos acompanhando sempre à distância. Embora sempre
aproveitando as oportunidades para nos fazer seguir o caminho do bem, eles
não podem desrespeitar as nossas escolhas.
568 – Os Espíritos que têm missões a cumprir, as cumprem no estado
errante ou no estado de encarnação?
Eles podem tê-las em um e outro estado;para certos Espíritos errantes,é uma
grande ocupação.
Comentários:
Os Espíritosque têm grandes missõesa cumprir, cumprem na erraticidade ou
encarnados?
Erraticidade – espaço de tempo que o Espírito permanece no plano espiritual
aguardando uma nova reencarnação. É o espaço de tempo entre uma
encarnação e outra.
Espíritos errantes – são aqueles que ainda reencarnam.
Espíritos puros – já chegaram na condição de Espíritos angélicos, não
precisam mais reencarnar. Eles podem encarnar em missão, em trabalhos
pela humanidade, mas não é por necessidade deles. Portanto, não são mais
Espíritos errantes. Não espaço entre reencarnação para eles. O Mundo
Espiritual é o mundo deles.
Nesse período os Espíritos não ficam no plano espiritual ociosos.
A todo momento o Espírito trabalha, se desenvolve, progride, esteja na
erraticidade ou na condição de Espírito encarnado.
As grandes missões só são dadas a Espíritos mais evoluídos e mais
superiores que trabalham constantemente em benefício da humanidade.
Esses Espíritos que têm essas grandes missões trabalham em benefício da
humanidade, onde quer que estejam e estão sempre evoluindo.
Se vierem à Terra para trabalhar em benefício da humanidade como os
grandes nomes e benfeitores da humanidade vão cumprir a sua missão aqui
e ao mesmo tempo evoluindo.
No plano espiritual também desempenham seus trabalhos em função da
humanidade.
Os Espíritos evoluem tanto na matéria, quanto na erraticidade.
Na matéria, a evolução pode ser mais rápida em função da dificuldade que
representa estar encarnado no corpo material, envolvido com o mundo
material. O desafio é um pouco maior.
569 – Em que consistem as missões de que podem estar encarregados
os Espíritos errantes?
Elas são tão variadas que seria impossível descrevê-las, além de que não
podeis compreender.Os Espíritos executam a vontade de Deus e não podeis
penetrar todos os seus desígnios.
Allan Kardec:
As missões dos Espíritos têm sempre o bem por objeto. Seja como
Espíritos, seja como homens, eles estão encarregados de ajudar o
progresso da Humanidade, dos povos ou dos indivíduos, em círculo de
ideias mais ou menos amplas,mais ou menos especiais,de preparar os
caminhos para certos acontecimentos, de velar pelo cumprimento de
certas coisas. Alguns têm missões mais restritas e de alguma sorte
pessoais ou locais, como assistir os enfermos, os agonizantes, os
aflitos, velar por aqueles de quem se fizeram guias protetores, de os
dirigir pelos seus conselhos ou pelos bons pensamentos que lhes
sugerem. Pode-se dizer que há tantos gêneros de missões quantas as
espécies de interesses a vigiar, seja no mundo físico, seja no mundo
moral. O Espírito avança segundo a maneira pela qual ele cumpre sua
tarefa.
Comentários:
A quantidade e os tipos de missões são infinitos conforme a capacidade de
cada um.
Deus só fornece missões aqueles que ele sabe se aquela missão está
condizente com a capacidade daquele filho.
Essas missões,sejam elas menores ou as grandes, estão sempre a favor do
bem, tanto no plano material, quanto no plano espiritual. Nunca a favor de um
objetivo pessoal ou egoísta.
570 – Os Espíritos compreendem sempre os desígnios que estão
encarregados de executar?
Não; há os que são instrumentos cegos, mas outros sabem muito bem com
que objetivo agem.
Comentários:
Os trabalhos dos Espíritos são diversos, mas nem todos os Espíritos são
conscientes do que realizam. Os mais ignorantes são como instrumentos
dirigidos pelos mais despertos, pelas almas mais experimentadas. Eles não
possuem plena consciência daquilo que fazem, não sabem o porquê fazem e
da importância do seu trabalho no todo.
É mais ou menos como nós aqui reencarnados na Terra: uns trabalham por
verem os outros trabalhar, como também, pelas necessidades materiais –
morar, se alimentar, se vestir. Outros já alcançam o valor do trabalho em
dimensão diferente. Estes conhecem que o labor com alegria, e consciente,
leva à libertação espiritual, por ser útil à sociedade.
Os Espíritos a que denominamos errantes, cuja evolução não alcançou ainda
o verdadeiro despertar espiritual, têm obrigações diversas, e a sua escala é
grande. Cada vez que sobem um degrau, sentem na consciênciamais lucidez
e entendem melhor as leis de Deus.
571 – Só os Espíritos elevados desempenham missões?
A importância da missão está em relação com a capacidade e a elevação do
Espírito.O estafetaque leva um despacho, cumpre também uma missão,mas
que não é aquela do general.
Comentários:
Estafeta:
Portador de despachos, encomendas, cartas, que faz a entrega a cavalo.
Funcionário de empresa postal, encarregado de distribuir a correspondência; carteiro.
Os pequenos também desempenham excelentes missões.
Não é o tamanho da missão que a torna melhor ou pior aos olhos de Deus,
mas sim a forma de cumpri-la, procurando executar da melhor maneira
possível.
O portador que leva a correspondência ao seu destinatário está cumprindo
uma missão. É uma missão menor que a do general, no entanto, é importante
e dependendo da forma de cumprir pode ser mais bem vista que a missão do
general que de repente pode não executar a sua missão de forma correta.
As missões, as tarefas são compatíveis com o nosso grau evolutivo, quanto
mais conhecimento, quanto mais entendimento, maior a responsabilidade.
E, apesar de toda a compreensãomão estamos imunes ao erro. Muitas vezes
erramos. Não somos Espíritos perfeitos.
Precisamos estar atentos a todo o momento para que não percamos uma
oportunidade que todos nós temos de crescer e evoluir.
Não importa o tamanho das tarefas a realizar; importa, sim, como fazê-las.
572 – A missão de um Espírito lhe é imposta ou dependede sua vontade?
Ele a pede e fica feliz de a obter.
572.a) A mesma missão pode ser pedida por vários Espíritos?
Sim, frequentemente, há vários candidatos, mas nem todos são aceitos.
Comentários:
As missõessão realizadas tanto no plano espiritual, quanto no plano material.
Quando o Espírito reencarna e tem consciência das suas necessidades e
dificuldades pode pedir determinadas missões para atingir seus objetivos de
crescimento, mas nem a todos é concedido.
Quanto mais entendimento possui a criatura, mais consciência tem do que
pedir, assim como das suas condições para cumprir aquela missão.
A Espiritualidade encarregada do processo evolutivo analisa se o pedido é
condizente com a capacidade, com o merecimento, com a necessidade
evolutiva daquele Espírito e dos outros. Havendo possibilidade vão deferir,
caso contrário não vão deferir e escolhem (determinam) que tipo de missão,
que tipo de tarefa está mais adequada às condições daquele Espírito.
A mesma missão pode ser pedida por muitos Espíritos, mas só vai obter a
permissão aqueles que estiverem em condições de realizar aquela tarefa com
sabedoria, com chances de vitória.
Nem todos os Espíritos podem escolher suas missões; muitas das vindas das almas pelo processo da
reencarnação são impostas. Quantos abusam da liberdade que lhes é dada, depois desejamvoltar à carne
do modo que entendem, mas isso não se dá. Os mentores espirituais, encarregados das programaçõesdas
vidas sucessivas, sabem avaliar, ajudando o reencarnacionista em uma escolha proveitosa, de sorte que o
candidato à volta melhore moralmente suas condições espirituais.
573 – Em que consiste a missão dos Espíritos encarnados?
Instruir os homens,ajudar seuprogresso,melhorarsuas instituições pormeios
diretos e materiais. Mas as missões são mais ou menos gerais e importantes:
aquele que cultiva a terra cumpre uma missão, como aquele que governa ou
aquele que instrui. Tudo se encadeia na Natureza; ao mesmo tempo em que
o Espírito se depura pela encarnação, ele concorre, sob essa forma, para o
cumprimento dos caminhos da Providência. Cada um tem sua missão neste
mundo, posto que cada um pode ser útil para alguma coisa.
Comentários:
Cada um neste mundo tem a sua missão, pois todos tem uma utilidade.
As missões são diversificadas e importantes, conforme a capacidade. Todos
contribuem na obrada criação independente do tamanho da missão,cadaqual
recebe a atribuição conforme a capacidade e todas são necessárias.
A missão dos Espíritos quando encarnados é ajudar o progresso da Terra e
de todos que nela estão despertando os valores morais e espirituais. Busca-
se a teoria na erraticidade e coloca-se em prática na matéria, aqui no chão do
planeta.
- Aquele que cultiva a Terra tem o mesmo valor que aquele que ensina.
Depende da forma como desempenham sua tarefa.
- Os que governam um país se não o faz com todo empenho, com toda a
honestidade vai falhar na sua missão. Não adianta estar com uma missão
maior se não a cumpre adequadamente.
Não é o tamanho da missão, mas a forma como a executa.
O importante é a responsabilidade que temos sobre elas.
A missão dos Espíritos encarnados é:
- Instruir os homens
- Auxiliar o progresso
- Melhorar as instituições
Analisando a história da humanidade, temos exemplos daqueles que usaram
o dinheiro para maiores e melhores benefícios coletivos. Igualmente, temos
muitos exemplos de que a falta do dinheiro não impede dele não impede o
missionário com Jesus de realizar grandes coisas. (Ex: Barão de Mauá / D. Pedro II /
Bezos, Musk e Branson investem bilhões na disputa pela liderança da disputa espacial)
Estamos aqui para auxiliar no crescimento do outro.O nosso crescimento vem
junto, pois a partir do momento que trabalhamos pelo outro, trabalhamos por
nós também. Não podemos trabalhar apenas por nós, pensarmos apenas no
nosso próprio crescimento, na nossa própria evolução.
Precisamos cuidar de cada um daqueles que caminham conosco. Ajudá-los
no seu crescimento para também evoluir.
Deixar de olhar apenas para nós mesmos.
- Amar o próximo
- Extinguir o egoísmo
574 – Qualpode ser a missão das pessoas voluntariamente inúteissobre
a Terra?
Há efetivamente pessoas que não vivem senão para si mesmas e não sabem
se tornar úteis para nada. São pobres seres que é preciso lamentar, porque
expiarão cruelmente sua inutilidade voluntária e seu castigo começa,
frequentemente, desde este mundo, pelo tédio e pelo desgosto da vida.
574.a) Visto que tiveram escolha, por que preferiram uma vida que não
poderia lhes aproveitar em nada?
Entre os Espíritos há também preguiçososque recuam diante de uma vida de
trabalho. Deus o permite, pois compreenderão mais tarde, e às suas custas,
os inconvenientes de sua inutilidade, e serão os primeiros a pedir para reparar
o tempo perdido. Pode ser também que escolheram uma vida mais útil, mas,
uma vez na obra, recuam e se deixam arrastar pelas sugestões dos Espíritos
que os encorajam à ociosidade.
Comentários:
Duas situações:
- Há criaturas que voluntariamente pedem uma vida de inutilidade. Deus e a
Espiritualidade sabem que essa situação não é construtiva para aquela
pessoa,mas permite. Quando a criatura retorna ao plano espiritual e percebe
que perdeu uma reencarnação inteira, uma oportunidade única, na inutilidade
enquanto outros com os quais ele conviveu caminharam, seguiram adiante, se
elevaram e ele continuou estacionado. É uma grande decepção que faz com
que a pessoa implore a Deus para recuperar o tempo perdido. Quando
retornam vem com o trabalho dobrado.Em pouco tempo querem fazer tudo o
que não fizeram. Aquela vida de inutilidade pode parecerum estacionamento,
mas essa é uma situação que servirá de estímulo para um caminhar mais
rápido.
- Muitas vezes o Espírito não escolhe essa vida de inutilidade. Escolhe uma
vida útil, mas diante dos desafios da vida se deixam levar pela ociosidade,
pela preguiça, pelas sugestões de Espíritos infelizes que os induzem a
permanecer naquela condição.
Existem muitos Espíritos encarnados e desencarnados que, julgando-se
inúteis, nada desejam fazer, nem para eles mesmos. São os preguiçosos, e
como a lei une os semelhantes, os preguiçosos se atraem, e uns inspiram os
outros. Os encarnados falam que estão sofrendo influência dos
desencarnados,e estes alegam o contrário. A verdade é que os dois lados da
vida permutam e alimentam a inércia na atmosfera que criam para viver.
Mas há o momento em que cairão na realidade.
Observemos se temos tendência para a preguiça, precisamos esforçar para
sairmos deste campo da inércia, porque depois pagaremos caro, em outra
vida, na qual nos serão impostos duros trabalhos, com a finalidade de
recuperarmos nossas forças.
Se existe algum irmão desencarnado nos inspirando para a ociosidade,
oremos porele,por não sabero que fazer com as possibilidades que Deus lhe
deu.
O trabalho nos faz crescer e nos induz para a esperança e a alegria.
575 – As ocupações vulgares nos parecem mais deveres que missões
propriamente ditas.A missão,segundo a ideia ligada a essa palavra,tem
um característico menos exclusivo e sobretudo menos pessoal. Desse
ponto de vista, como se pode reconhecer que um homem tem uma
missão real sobre a Terra?
Pelas grandes coisas que ele realiza, pelo progresso a que conduz seus
semelhantes.
Comentários:
Como diferenciar missão de dever?
Missão é algo menos exclusivista. É algo que a pessoafaz não pensando em
si, mas no outro, na coletividade.
A missão, seja ela pequena ou grande, é destinada ao outro.
Os verdadeiros missionários são fáceis de serem reconhecidos pelos seus
feitos em favorda coletividade,no entanto, existem missionários menores,aos
quais são entregues pequenas missões,mas de real valor, por dar segurança
a certas pessoas que precisavam de amparo mais direto, ou a um grupo
menor, como a família, o local de trabalho, extrapolando as meras obrigações
por amor ou outro, retirando do íntimo o orgulho e o egoísmo.
A missão é um dever, mas nem sempre o dever é uma missão.
Podemos classificar o dever como sendo obrigações inerentes às nossas
necessidades, onde o bem deixa a sua marca.
A missão,pequenaougrande,é aquela que ultrapassa a nossaárea, atingindo
o próximo no que ele precisa para andar melhor.
Quase sempre o missionário esquece a si mesmo, para beneficiar aos seus
irmãos em sofrimentos, mas, o verdadeiro missionário cuida de si, dos seus
inúmeros deveres e reúne suas forças por todos os meios possíveis e
impossíveis aos olhos do mundo, avançando com alegria e amor, doando
sempre paraa paz de todas as criaturas. Por vezes,ele sacrifica sua vida para
que todos possam viver bem, sempre no clima do amor.
Todos nós temos, por exemplo, o dever de amar sem distinção a todos e a
tudo para o nosso próprio bem; entretanto, o missionário de altas
possibilidades faz do amor um instrumento de vida, de modo a atingir a
humanidade, dando a ela mais vida, mais alegria e esperança em todas as
suas atividades.
A missão tem o mesmo tamanho para todos;o missionário é que a faz crescer
ou estabilizar.
Podemos lembrar, como exemplo, a vida de Francisco de Assis, que fez da
sua missão uma força a atingir todos os povos, e que, ainda hoje, irradia-se
em todas as nações, vibrando nos corações como se ele estivesse presente
na Terra, animando um corpo físico.
O missionário, tudo que ele faz, tudo que ele idealiza, é em favor da
coletividade;não o anima nada pessoal,pois ele destruiuno seu mundo íntimo
o egoísmo e o orgulho, duas chagas terríveis da humanidade. Não podemos
esquecer de falar que os caminhos do missionário são sempre cheios de
espinhos.Todos eles sofrem as reações à ação benfeitorada sua presençae
carregam um pouco da cruz coletiva.
Então, os principais sacerdotes o acusavam de muitas coisas.(Marcos, 15:3)
Nem o Mestre passou ileso da fúria negativa dos sacerdotes,e como Ele era
obediente ao Pai, aceitou sem reclamar o escárnio, as pedradas,a fúria que a
ignorância faz surgir, e a própria cruz. Ele partiu deixando a grande lição
escrita no coração da humanidade encarnada e desencarnada.
Jesus foi um missionário direto de Deus, por amor ao Seu rebanho.
576 – Os homens que têm uma missão importante a ela estão
predestinados antes de seu nascimento, e dela têm conhecimento?
Algumas vezes, sim; mas, frequentemente, a ignoram. Vindo sobre a Terra,
têm um objetivo vago; sua missão se desenha depois do nascimento, e
segundo as circunstâncias. Deus os impele no caminho onde devem cumprir
seus desígnios.
Comentários:
Os Espíritos missionários já são designados antecipadamente, antes de
reencarnarem, para tal empreendimento.
Mas não têm desde a tenra idade a consciênciada missão que assumiram, a
qual vai desenrolando no decorrer da sua existência física.
A grande maioria dos grandes missionários ignoram as suas missões.
Ao sofrer a influência da matéria o Espírito esquece, não tendo o
conhecimento pleno da sua missão, mas há aquela vaga noção chamando
para algo maior, sem o entendimento claro.
À medidaque o servai percorrendo asua trajetória, as coisas vão caminhando
para o desenrolar daquela missão, o vago objetivo vai se fortalecendo dentro
do Espírito e ele vai passando a ter conhecimento das suas missões,daquilo
que ele precisa realizar aqui na Terra.
Com a grande maioria tudo acontece no decorrerda sua existência. Não logo
desde o início.
577 – Quandoum homem faz uma coisa útil é sempreem virtude de uma
missão anterior e predestinada, ou pode receber uma missão não
prevista?
Tudo o que um homem faz não é o resultado de uma missão predestinada.
Ele é frequentemente instrumento do qual um Espírito se serve para executar
uma coisa que crê útil. Por exemplo,um Espírito julga que seria bom escrever
um livro que ele mesmo faria se estivesse encarnado;ele toma o escritormais
apto a compreenderseu pensamento e executá-lo, e lhe dá a ideia e o dirige
na execução. Assim, esse homem não veio sobre a Terra com a missão de
fazer essaobra. Ocorre o mesmo com certos trabalhos de arte ou descoberta.
É necessário dizer ainda que, durante o sono do corpo, o Espírito encarnado
se comunicadiretamente com o Espírito errante e que eles se entendem sobre
a execução.
Comentários:
Nem tudo o que acontece em nossa vida estava previsto, consta no nosso
planejamento reencarnatório.
Há situações, como, trabalhos artísticos, descobertas, trabalhos científicos,
foram pensadas e planejadas durante a reencarnação da pessoa.
Aquela pessoa estando apta, fornecendo as condições de conhecimento e
vontade pode ser utilizada para tal finalidade.
Durante o desdobramento pelo sono, o Espírito encarnado, desdobrado, tem
condições de reunir-se com os Espíritos errantes e, juntos, pensarem,
planejarem, executarem primeiramente, no plano espiritual o projeto que
querem colocar em prática.
No estado de vigília aquela pessoa vai despertando as ideias, as inspirações
vão chegando para que aquele projeto seja realizado.
Há missões que estão predestinadas previamente previstas no planejamento
reencarnatório, como também, pode ocorrer durante a reencarnação da
pessoa.
578 – O Espírito pode falir em sua missão por sua falta?
Sim, se não é um Espírito superior.
578.a) Quais são, para ele, as consequências?
Será necessário recomeçar a tarefa: é essa a sua punição; também, sofrerá
as consequências do mal que haja causado.
Comentários:
Alguns missionários podem ao virem para a Terra não cumprirem a sua
missão, não cumprirem aquilo que se comprometeram planejamento
reencarnatório.
Há missionários que não correm o risco de falhar, de deixar de cumprir a sua
missão. Mas, nesse caso, são Espíritos puros, como Jesus que veio para a
Terra consciente da sua missão e Ele não falharia mais, pois o nível de
perfeição alcançado não permitiria falhar quando encarnado.
Isso não é o que acontece com a maioria dos missionários que vêm à Terra.
A maioria desses Espíritos,mesmoos mais evoluídos aindanão se encontram
nessa faixa de perfeição livres de errar ou falir.
É preciso que se saiba que ninguém falha na sua missão totalmente; sempre
há o que aproveitar para a sua instrução, mesmo porque,o mal que ele causar
responderá por ele, por vezes voltando em outro instrumento físico para
terminar a sua tarefa. O Espírito não retrocede;ele,cada vez mais, cresce em
todos os rumos da verdade.
579 – Visto que o Espírito recebe sua missão de Deus, como Deus pode
confiar uma missão importante e de interesse geral a um Espírito que
poderá nela falir?
Deus não sabe se seu general obterá a vitória ou será vencido? Ele o sabe,
estai seguros, e seus planos, quando são importantes, não repousam sobre
aqueles que devem abandonar a obra no meio do trabalho. Todaquestão está
para vós no conhecimento do futuro, que Deus possui, mas que não vos é
dado.
Comentários:
Deus sabe se iremos falhar ou se iremos cumprir as nossas missões,pois Ele
nos conhece melhor que nós mesmos.Somos sua criação e Ele nos conhece
plenamente. Sabe das nossas capacidades e dos nossos pendores, das
nossas tendências inferiores. Não conseguimos esconder nada de Deus.
Ele sabe se estamos plenamente preparados para realizar determinada
missão.
Muitas vezes, mesmo sabendo que ainda não estamos plenamente
preparados, com toda a sabedoria e discernimento necessários, Ele nos
concede determinadamissão paraque possamos crescer,pois precisamos da
experiência para que pouco a pouco vamos adquirindo o conhecimento
necessário. Por isso mesmo que nem sempre saiamos vitoriosos, nós
precisamos dessas missões.
Mesmo quando nós falhamos não significa a perda completa do trabalho.
Sempre se aprende, nem que seja um aprendizado para a próxima
reencarnação. Nada é inútil na obra da criação.
Deus é infinitamente poderoso, onisciente, justo, bom, conhecedor de tudo.
Tudo o que Ele faz é perfeito.
580 – O Espírito que se encarnapara cumpriruma missão,tem a mesma
apreensão que aquele que o faz como prova?
Não, ele tem a experiência.
Comentários:
O Espírito elevado, ao reencarnar com determinada missão, tem experiência
adquirida em anteriores reencarnações acerca do assunto que assumiu para
desempenhar.Nesse campo,ele tem domínio próprio.Se, porventura, comete
alguns desvios, é conscientemente, e aqueles que têm profunda segurança
trabalham com alegria e certeza de que não irão falhar na sua missão.
Mas, o Espírito que vem na condição de provação, ainda não tem todo
entendimento, todo esclarecimento, toda segurança, toda fé necessária para
bem exercero seucompromisso aquino mundo material. Ele vem à Terra para
saldar compromissos, ou em processo de despertamento em duras provas,
que lhe fazem abrir os olhos para a luz do entendimento.
Os dois passam por provas, no entanto, as reações deles são diferentes,por
ser diferente o seu estado evolutivo. O Espírito evoluído sofre as influências
do ambiente e até paga algumas dívidas, mas é consciente e resignado;
mesmo sofrendo,trabalha em favor dos que padecem.Entretanto, o ignorante
da sua própria vida revolta-se com qualquer arranhão, e as dificuldades da
vida o põem em desespero. Quando já possui um pouco de esclarecimento,
saberá que no amanhã as suas condições irão melhorar, desde quando
adquira experiência, de sorte a acumular na consciênciao que é melhor para
a sua resistência, nos caminhos das provas pelas quais haverá de passar.
Os Espíritos que guiam a humanidade sob a supervisão de Jesus têm muita
paciência com o rebanho do Senhor, por terem passado pelos mesmos
caminhos e feito as mesmas coisas que todos fazem, mas como são Espíritos
mais velhos, já acumularam experiências que lhes garantem a estabilidade
emocional e a tranquilidade imperturbável da consciência.
Nós que estamos aqui hoje poderemos, no amanhã, ser colocado como
ministro do Senhor, a orientar parte do rebanho que Deus e Jesus nos
determinarem. Aí, terá chegado a hora de também tolerar os malfeitos; dos
que vêm na retaguarda, portanto, aprendamos desdehoje a usar a tolerância.
581 – Os homens que sãoa luz do gênero humano, que clareiam peloseu
gênio, têm certamente uma missão; mas entre eles há os que erram e
que, ao lado de grandes verdades, propagam grandes erros. Como se
deve considerar sua missão?
Como enganados por si mesmos. Eles estão abaixo da tarefa que
empreenderam. Entretanto, é preciso ter em conta as circunstâncias; os
homens de gênio devem falar segundo os tempos e tal ensinamento, que
parece errôneo ou pueril em uma época avançada, podia ser suficiente para
seu século.
Comentários:
Cada sociedade estácapacitadapara determinado aspecto daverdade,e não
se pode alterar ou agredir sua capacidade limitada. Muitos dos irmãos não
puderam aceitar, nem mesmo parcialmente,as verdades anunciadas, por falta
de evolução e não são julgados,pois eles não são culpados da sua ignorância.
Há também aqueles que falseiam a verdade em algum momento e vão arcar
com suas próprias responsabilidades.
Às vezes, há Espíritos que estão abaixo da tarefa que solicitaram para
executar e, por isso acabam se equivocando.
Deus sabe da sua capacidade.
Sabe que esses Espíritos missionários têm condições de desempenhar bem
aquela tarefa, mas às vezes, a influência da matéria, do mundo em si, acaba
se perdendo pelocaminho e não cumprem as suas missõesnatotalidade, mas
não significa que eles não eram capazes, apenas se perderam um pouco nos
rumos que deveria percorrer.
O fato de trazerem alguns erros não os desabonacompletamente.Eles podem
ter falhado em parte nas suas missões, mas trouxeram grandes benefícios à
sociedade, à humanidade, auxiliando no processo de crescimento.
O mundo espiritual é consciente destas falhas, ou do que se julga falha. No
entanto, o que esses missionários fizeram já foiuma cooperação em favordos
que desconheciam certas verdades.Nem todos têm a mesmaestrutura moral
dos que já se elevaram, de maneira a serem Espíritos puros.
É de se notar que muitos dos missionários que estiveram na Terra, tiveram
falhas, em se comparando com o progresso dos nossos dias, mas deram o
ensinamento que podiam dar, e o que não fizeram, voltarão depois para
terminar, fazendo-o com amor e pela causa do bem da coletividade.
As verdades são expostas à medida que temos condições de compreender.
Aquilo que antes era verdade não se transforma em uma mentira, mas é
sobreposta por outras verdades que vão surgindo e, dessa forma, são bases
de sustentação para aquilo que vem depois, por isso é importante analisar o
contexto histórico, tecnológico e social.
582 – Pode-se considerar a paternidade como uma missão?
É, sem contradita, uma missão; é ao mesmo tempo um dever muito grande e
que obriga, mais do que o homem pensa, sua responsabilidade pelo futuro.
Deus colocouo filho sob a tutela dos pais para que estes o dirijam no caminho
do bem, e facilitou sua tarefa dando-lhe uma organização frágil e delicada que
o torna acessívela todas as impressões.Mas há os que se ocupam mais em
endireitar as árvores do seu jardim e as fazer produzir muitos e bons frutos,
que endireitar o caráter de seufilho.Se este sucumbe porsuafalta, carregarão
a pena, e os sofrimentos do filho na vida futura recairão sobre eles, porque
não fizeram o que dependiadeles paraseuadiantamento no caminho do bem.
Comentários:
A responsabilidade dos pais para com os filhos.
Os filhos são empréstimos de Deus para nós guiarmos no caminho do bem.
A paternidade e a maternidade é uma missão importantíssima dentro da
sociedade e aos olhos de Deus.
Muitos falham nessa missão sublime:
- Não dão a atenção necessária aos filhos;
- Não trabalham verdadeiramente a educação dos filhos;
- Não os encaminham numa formação espiritual
- Se preocupam mais com o crescimento de bens materiais, com o trabalho,
com os problemas pessoais e deixam os filhos serem criados por outras
pessoas (babás, escolas, televisão, redes sociais, celular), retirando a
responsabilidade da educação.
Educar dá trabalho. Não é fácil moldar a educação,o caráter de uma criança,
mas essa é a função dos pais.
Nós que pedimospara termos uma família, para termos filhos,não pedimosà
toa. Sabíamos das responsabilidades que envolvem esse planejamento
reencarnatório.
Precisamos estarmos conscientes dos nossos deveres.
Se a nossa postura de negligência, de omissão contribuir para um
encaminhamento inadequado dos nossos filhos, temos a nossa grande
parcela de responsabilidade que iremos responder por ela perante Deus.
Reflexão:
Será que estamos agindo para com os nossos filhos como devemos agir?
Será que estamos incluindo no amor que temos por nossos filhos, a atenção,
o cuidado,a preocupação,afirmeza, a fé e outros sentimentos que contribuam
para o crescimento desses empréstimos de Deus para nós?
Será que estamos agindo para com os nossos filhos com o verdadeiro amor
da forma que Deus age conosco? Ele nos ama verdadeiramente e trabalha
incessantemente em nosso benefício, de forma que consigamos os valores
imortais da vida.
Será que estamos elevando espiritualmente os nossos filhos, mostrando os
caminhos da intelectualidade e, acima de tudo os da moralidade e do amor?
Estamos cumprindo com os nossos filhos as responsabilidades que Deus
espera de nós?
Muitas vezes trabalhamos muito, queremos oferecer o melhor estudo, a
melhor profissão aos nossos filhos e deixamos a religiosidade, a parte
espiritual. A religiosidade é a base de valores que fará com que eles tenham
condições de enfrentar o mundo, principalmente, nesse momento de
transição, onde vemos muitas dificuldades, dores e lutas.
Precisamos refletirpara que no amanhã nossos filhos não cometam atitudes,
como o suicídio, ou outras atitudes pelas quais poderemos nos sentirmos
culpados porque não agimos como deveríamos.
Refletir enquanto há tempo para mudar, de renovar.
Precisamos trazerJesus paradentro dos nossos lares,paradentro dos nossos
corações.
O Evangelho de Jesus é fundamental na construção da base de sustentação
de uma família, tanto para nós como pais diante das nossas
responsabilidades, quanto para os filhos.
O principal instrumento para todas as famílias é o Evangelho de Jesus.
Quando ele entrar nos lares como uma cartilha divina de educação, a
harmonia irá chegar aos corações e seus ocupantes tomar-se-ão melhores,
conscientes dos seus deveres junto à família e à sociedade.
O homem tem mais necessidade de Jesus do que de alimento para o corpo.
Devemos sempre buscar orientação através da prece.
583 – Se uma criança se torna má, malgrado os desvelos de seus pais,
estes são responsáveis?
Não; porém, quanto mais as disposições da criança são más, mais é penosa
a tarefa, e maior será o mérito se eles conseguiremdesviá-lado mau caminho.
583.a)Se uma criançaresulta um bom sujeito,malgrado a negligência ou
os maus exemplos dos pais, estes retiram algum fruto?
– Deus é justo.
Comentários:
1.º - Se os pais cumpriram seus deveres ante seus filhos,procurando todos os
meios para educá-los e instruí-los, e esses continuaram negligentes, dada à
falta de amadurecimento espiritual, não há razão que possa condenar esses
pais.
Todos nós temos o livre-arbítrio e os filhos mesmo recebendo uma boa
educação,uma boa orientação dos pais, optaram a seguir o caminho do erro.
Essa foi a sua escolha. Eles é que serão responsabilizados e precisarão
responder por suas más escolhas e não os pais que agiram corretamente.
Quanto maior e mais difícil for a tarefa, maior será o mérito dos pais, se eles
conseguem desviar o filho do mau caminho.
Deus sabe premiá-los pelos seus esforços, mediante seus trabalhos para
elevarem seus filhos.
2.º - Deus é justo. A cada um segundo as suas obras.
Quem terá o mérito é o filho que mesmo em um ambiente pouco ou quase
nada propício ao bem,conseguiupor si mesmo e não por ajuda que cabia aos
pais fazê-lo crescer e evoluir.
Os pais responderão pela sua omissão, pela sua negligência e não tirarão
proveito da atitude do filho.
584 – Qual pode ser a natureza da missão de um conquistador que não
tem em vista senão satisfazer sua ambição e que, para atender ao seu
objetivo, não recua diante de nenhuma das calamidades que arrasta
atrás de si?
Ele não é, o mais frequentemente, senão um instrumento do qual Deus se
serve para o cumprimento dos seus desígnios, e essas calamidades são,
algumas vezes, um meio de fazer um povo avançar mais depressa.
584.a) Aquele que é instrumento dessas calamidades passageiras, é
estranho ao bem que delas pode resultar,visto que não visava senãoum
objetivo pessoal; não obstante, aproveitará desse bem?
Cada um é recompensado segundo suas obras, o bem que quis fazer e a
retidão de suas intenções.
Allan Kardec:
Os Espíritos encarnados têm ocupações inerentes à sua existência
corporal. No estado errante ou de desmaterialização, essas ocupações
são proporcionais ao grau do seu progresso.
Uns percorrem os mundos, se instruem e se preparam para uma nova
encarnação. Outros, mais avançados, se ocupam com o progresso,
dirigindo os acontecimentos e sugerindo pensamentos propícios;
assistem os homens de gênio que concorrem para o adiantamento da
Humanidade.
Outros se encarnam com uma missão de progresso.
Outros tomam sob sua tutela os indivíduos,as famílias,os aglomerados,
as cidades e os povos, dos quais são os anjos guardiães, os gênios
protetores e os Espíritos familiares.
Outros, enfim, presidem aos fenômenos da Natureza, dos quais são os
agentes diretos.
Os Espíritos vulgares se misturam às nossas ocupações, aos nossos
divertimentos.
Os Espíritos impuros ou imperfeitos esperam, nos sofrimentos e nas
angústias,o momento em que praza a Deus proporcionar-lhes os meios
de avançar. Se eles fazem o mal é por despeito ao bem, do qual não
podem ainda gozar.
Comentários:
Cada um é recompensadocom suas obras,com o bem que tentoufazer e com
a retidão das suas atitudes.
Esses conquistadores podem ter vindo com essa missão.
Com a missão de conquistar em benefício da humanidade, livrar a
humanidade de situações como a opressão. Conquista para desenvolver o
progresso da humanidade. Não com o objetivo de satisfazer apenas a sua
ambição e de espalhar calamidades sem se importar com as consequências
dos seus atos.
Ninguém vem com missão de fazer o mal.
A missão é sempre positiva, sempre construtiva, sempre para o bem.
Os conquistadoresque vieram e durante a execução dasua missão cumpriram
parcialmente vão responder parcialmente pelos erros cometidos.
Aqueles que nadafizeram,que se desvirtuaram completamente vão responder
também.
Aqueles que cumpriram bem a sua missão serão agraciados perante ao Pai.
Deus é tão perfeito que quando esses dominadores, esses conquistadores
acabam fazendo o mal, espalhando calamidades em função da sua missão,
Ele permite que aquelas calamidades sejam úteis à humanidade, passando a
ser um meio para que o povo possa progredir mais rapidamente.
É a lei de destruição que vem quando a humanidade está muito lenta. São as
calamidades. São momentos que a humanidade se une para desenvolver a
fraternidade, deixando de pensar somente em si, olhando para o próximo que
está sofrendo,despertando o sentimento de amor e de união, avançando em
poucos anos o que demoraria séculos.
Embora ninguém tenha vindo à Terra para fazer o mal, caso isso aconteça,
Deus permite que essa calamidade seja aproveitada para potencializar o
progresso e o desenvolvimento do homem.
- Questão 745
- Napoleão Bonaparte
- Segunda Guerra Mundial
Kardec elenca algumas observações referentes aos vários níveis evolutivos
dos Espíritos e das missões que às vezes ocupam em função dasuaevolução,
da sua condição.
https://www.apometriaalvorecer.org.br/quem-foi-hitler-na-otica-espirita.html
REFERÊNCIAS:
KARDEC,Allan. A Gênese: Os Milagres e as Predições Segundo o
Espiritismo. Tradução de Salvador Gentile. 52ª Ed. Araras – SP: IDE,2018.
KARDEC,Allan. O EvangelhoSegundo o Espiritismo.Tradução de
Salvador Gentile. 365ª Ed. Araras – SP: IDE, 2009.
KARDEC,Allan. O Livro dos Espíritos.Tradução de Salvador Gentile. 182ª
Ed. Araras – SP: IDE, 2009.
KARDEC,Allan. O Livro dos Médiuns.Tradução de Salvador Gentile. 85ª
Ed. Araras – SP: IDE, 2008.
KARDEC,Allan. Obras Póstumas.Tradução de Guillon Ribeiro. 19ª Ed. Rio
de Janeiro: FEB,1983.
XAVIER,Chico. A Caminho da Luz.21ª ed. Rio de Janeiro: FEB, 1995.Pelo
Espírito Emmanuel.
XAVIER,Chico. Nosso Lar. 61ª ed. Brasília: FEB, 2010.Pelo Espírito André
Luiz.
XAVIER,Chico. Os Mensageiros.47ª ed. Brasília: FEB, 2017.Pelo Espírito
André Luiz.
XAVIER,Chico. Missionáriosda Luz. 43ª ed. Rio de Janeiro: FEB,2009.
Pelo Espírito André Luiz.
XAVIER,Chico. Obreiros da Vida Eterna.35ª ed. Brasília: FEB, 2017.Pelo
Espírito André Luiz.
XAVIER,Chico. No MundoMaior.28ª ed. Brasília: FEB, 2017.Pelo Espírito
André Luiz.
XAVIER,Chico. Libertação.33ª ed. Brasília: FEB,2017.Pelo Espírito André
Luiz.
XAVIER,Chico. Entre a Terrae o Céu.27ª ed. Brasília: FEB, 2018.Pelo
Espírito André Luiz.
XAVIER,Chico. Nos domínios da Mediunidade.36ª ed. Brasília: FEB,
2018.Pelo Espírito André Luiz.
XAVIER,Chico. Ação e Reação.30ª ed. Brasília: FEB, 2017.Pelo Espírito
André Luiz.
XAVIER,Chico & VIEIRA,Waldo. Evolução em dois Mundos.27ª ed.
Brasília: FEB,2017.Pelo Espírito André Luiz.
XAVIER,Chico & VIEIRA,Waldo. Mecanismos da Mediunidade.28ª ed.
Brasília: FEB,2018.Pelo Espírito André Luiz.
XAVIER,Chico & VIEIRA,Waldo. Sexo e Destino.34ª ed. Brasília: FEB,
2018.Pelo Espírito André Luiz.
XAVIER,Chico. E a vida continua....1ª ed. Esp. Rio de Janeiro: FEB,2008.
Pelo Espírito André Luiz.
https://www.bibliaonline.com.br/
http://www.olivrodosespiritoscomentado.com/questoes.html
https://www.youtube.com/user/livrodosespiritos/videos
https://www.youtube.com/watch?v=4xRhAKctMo8&list=PLI-
OgasY7T5tz8FFyT2yr5aKTPbavF7by&index=111
https://www.youtube.com/playlist?list=PLlRlJDlCghdwROpe8PBZF5_wFxlJqq
UnZ
https://espirito.org.br/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!
Leonardo Pereira
 
090408 da lei de conservação–livro iii, cap. 5
090408 da lei de conservação–livro iii, cap. 5090408 da lei de conservação–livro iii, cap. 5
090408 da lei de conservação–livro iii, cap. 5
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Danilo Galvão
 
Mundos Transitórios
Mundos TransitóriosMundos Transitórios
Mundos Transitórios
igmateus
 
Progressão e escala espírita
Progressão e escala espíritaProgressão e escala espírita
Progressão e escala espírita
Izabel Cristina Fonseca
 
Livro dos Espiritos Q 191- Evangelho Cap13 item 16
Livro dos Espiritos Q 191- Evangelho Cap13 item 16Livro dos Espiritos Q 191- Evangelho Cap13 item 16
Livro dos Espiritos Q 191- Evangelho Cap13 item 16
Patricia Farias
 
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª ParteProgressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Denise Aguiar
 
Palestra Espírita - Sede perfeitos
Palestra Espírita - Sede perfeitosPalestra Espírita - Sede perfeitos
Palestra Espírita - Sede perfeitos
Divulgador do Espiritismo
 
A Influência dos Espíritos
A Influência dos EspíritosA Influência dos Espíritos
A Influência dos Espíritos
Fórum Espírita
 
Lei do progresso
Lei do progressoLei do progresso
Lei do progresso
Candice Gunther
 
2.5 consideracoes sobre a pluralidade das existencias
2.5   consideracoes sobre a pluralidade das existencias2.5   consideracoes sobre a pluralidade das existencias
2.5 consideracoes sobre a pluralidade das existencias
Marta Gomes
 
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Denise Aguiar
 
Capitulo VII - Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida CorporalCapitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII - Retorno a Vida Corporal
Marta Gomes
 
Os animais e o homem
Os animais e o homemOs animais e o homem
Os animais e o homem
Ronaldo Gomes
 
A morte na visão espírita.pptx
A morte na visão espírita.pptxA morte na visão espírita.pptx
A morte na visão espírita.pptx
LeandroMoreira198849
 
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan KardecEscala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
marjoriestavismeyer
 
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dorTormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Danilo Galvão
 
Inteligência e instinto
Inteligência e instintoInteligência e instinto
Inteligência e instinto
Izabel Cristina Fonseca
 
Objetivo da encarnação
Objetivo da encarnaçãoObjetivo da encarnação
Objetivo da encarnação
Izabel Cristina Fonseca
 
Eh possivel ser feliz na terra slideshare
Eh possivel ser feliz na terra    slideshareEh possivel ser feliz na terra    slideshare
Eh possivel ser feliz na terra slideshare
Eduardo Manoel Araujo
 

Mais procurados (20)

Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!
 
090408 da lei de conservação–livro iii, cap. 5
090408 da lei de conservação–livro iii, cap. 5090408 da lei de conservação–livro iii, cap. 5
090408 da lei de conservação–livro iii, cap. 5
 
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
Causas anteriores das aflições - palestra espírita - Danilo Galvão SAJ
 
Mundos Transitórios
Mundos TransitóriosMundos Transitórios
Mundos Transitórios
 
Progressão e escala espírita
Progressão e escala espíritaProgressão e escala espírita
Progressão e escala espírita
 
Livro dos Espiritos Q 191- Evangelho Cap13 item 16
Livro dos Espiritos Q 191- Evangelho Cap13 item 16Livro dos Espiritos Q 191- Evangelho Cap13 item 16
Livro dos Espiritos Q 191- Evangelho Cap13 item 16
 
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª ParteProgressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
 
Palestra Espírita - Sede perfeitos
Palestra Espírita - Sede perfeitosPalestra Espírita - Sede perfeitos
Palestra Espírita - Sede perfeitos
 
A Influência dos Espíritos
A Influência dos EspíritosA Influência dos Espíritos
A Influência dos Espíritos
 
Lei do progresso
Lei do progressoLei do progresso
Lei do progresso
 
2.5 consideracoes sobre a pluralidade das existencias
2.5   consideracoes sobre a pluralidade das existencias2.5   consideracoes sobre a pluralidade das existencias
2.5 consideracoes sobre a pluralidade das existencias
 
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
 
Capitulo VII - Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII -  Retorno a Vida CorporalCapitulo VII -  Retorno a Vida Corporal
Capitulo VII - Retorno a Vida Corporal
 
Os animais e o homem
Os animais e o homemOs animais e o homem
Os animais e o homem
 
A morte na visão espírita.pptx
A morte na visão espírita.pptxA morte na visão espírita.pptx
A morte na visão espírita.pptx
 
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan KardecEscala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
 
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dorTormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
 
Inteligência e instinto
Inteligência e instintoInteligência e instinto
Inteligência e instinto
 
Objetivo da encarnação
Objetivo da encarnaçãoObjetivo da encarnação
Objetivo da encarnação
 
Eh possivel ser feliz na terra slideshare
Eh possivel ser feliz na terra    slideshareEh possivel ser feliz na terra    slideshare
Eh possivel ser feliz na terra slideshare
 

Semelhante a Capítulo X - Ocupacoes e Missoes dos Espiritos.docx

Capitulo I Dos Espiritos
Capitulo I   Dos EspiritosCapitulo I   Dos Espiritos
Capitulo I Dos Espiritos
Marta Gomes
 
Que é deus?
Que é deus?Que é deus?
Que é deus?
Leonardo Pereira
 
ESDE - Tomo Único - Módulo I - Roteiro VII.pptx
ESDE - Tomo Único - Módulo I - Roteiro VII.pptxESDE - Tomo Único - Módulo I - Roteiro VII.pptx
ESDE - Tomo Único - Módulo I - Roteiro VII.pptx
Deborah Oliver
 
As 7 leis espirituais para o sucesso
As 7 leis espirituais para o sucessoAs 7 leis espirituais para o sucesso
As 7 leis espirituais para o sucesso
Elmo Batista
 
Altruismo Ferramenta de Progresso do Ser
Altruismo Ferramenta de Progresso do SerAltruismo Ferramenta de Progresso do Ser
Altruismo Ferramenta de Progresso do Ser
Alexandre Rudalov
 
Mediunidade - Parte 2
Mediunidade - Parte 2Mediunidade - Parte 2
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Marta Gomes
 
Espiritismo e mediunidade 04
Espiritismo e mediunidade 04Espiritismo e mediunidade 04
Espiritismo e mediunidade 04
Leonardo Pereira
 
A genese revisao capitulos 1 2 3
A genese revisao capitulos 1 2  3A genese revisao capitulos 1 2  3
A genese revisao capitulos 1 2 3
Fernando Pinto
 
A086 EAE DM - O PLANO DIVINO - A LEI DA EVOLUÇÃO 20170525
A086 EAE DM - O PLANO DIVINO - A LEI DA EVOLUÇÃO 20170525A086 EAE DM - O PLANO DIVINO - A LEI DA EVOLUÇÃO 20170525
A086 EAE DM - O PLANO DIVINO - A LEI DA EVOLUÇÃO 20170525
Daniel de Melo
 
ATRIBUTOS DA DIVINDADE.pptx
ATRIBUTOS DA DIVINDADE.pptxATRIBUTOS DA DIVINDADE.pptx
ATRIBUTOS DA DIVINDADE.pptx
M.R.L
 
Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01
Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01
Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01
Alberto Barth
 
Atributos da Divindade - Instituto Espírita de Educação
Atributos da Divindade - Instituto Espírita de EducaçãoAtributos da Divindade - Instituto Espírita de Educação
Atributos da Divindade - Instituto Espírita de Educação
Instituto Espírita de Educação
 
Fraternidade e Evolução.pptx
Fraternidade e Evolução.pptxFraternidade e Evolução.pptx
Fraternidade e Evolução.pptx
VictorTolentino8
 
2.10 - Ocupacoes e Missoes dos Espiritos.pptx
2.10 - Ocupacoes e Missoes dos Espiritos.pptx2.10 - Ocupacoes e Missoes dos Espiritos.pptx
2.10 - Ocupacoes e Missoes dos Espiritos.pptx
Marta Gomes
 
A pluralidade das existencias.
A pluralidade das existencias.A pluralidade das existencias.
A pluralidade das existencias.
MARILENEAPARECIDABEN
 
Ceuinferno 006 1a. parte_capítulo iii o céu (itens 12 a 18)
Ceuinferno 006 1a. parte_capítulo iii  o céu (itens 12 a 18)Ceuinferno 006 1a. parte_capítulo iii  o céu (itens 12 a 18)
Ceuinferno 006 1a. parte_capítulo iii o céu (itens 12 a 18)
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Capitulo I Deus
Capitulo I   DeusCapitulo I   Deus
Capitulo I Deus
Marta Gomes
 
Capitulo II encarnacao dos espiritos
Capitulo II   encarnacao dos espiritosCapitulo II   encarnacao dos espiritos
Capitulo II encarnacao dos espiritos
Marta Gomes
 
Capitulo IV Pluralidade das existencias
Capitulo IV   Pluralidade das existenciasCapitulo IV   Pluralidade das existencias
Capitulo IV Pluralidade das existencias
Marta Gomes
 

Semelhante a Capítulo X - Ocupacoes e Missoes dos Espiritos.docx (20)

Capitulo I Dos Espiritos
Capitulo I   Dos EspiritosCapitulo I   Dos Espiritos
Capitulo I Dos Espiritos
 
Que é deus?
Que é deus?Que é deus?
Que é deus?
 
ESDE - Tomo Único - Módulo I - Roteiro VII.pptx
ESDE - Tomo Único - Módulo I - Roteiro VII.pptxESDE - Tomo Único - Módulo I - Roteiro VII.pptx
ESDE - Tomo Único - Módulo I - Roteiro VII.pptx
 
As 7 leis espirituais para o sucesso
As 7 leis espirituais para o sucessoAs 7 leis espirituais para o sucesso
As 7 leis espirituais para o sucesso
 
Altruismo Ferramenta de Progresso do Ser
Altruismo Ferramenta de Progresso do SerAltruismo Ferramenta de Progresso do Ser
Altruismo Ferramenta de Progresso do Ser
 
Mediunidade - Parte 2
Mediunidade - Parte 2Mediunidade - Parte 2
Mediunidade - Parte 2
 
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
Espiritismo e mediunidade 04
Espiritismo e mediunidade 04Espiritismo e mediunidade 04
Espiritismo e mediunidade 04
 
A genese revisao capitulos 1 2 3
A genese revisao capitulos 1 2  3A genese revisao capitulos 1 2  3
A genese revisao capitulos 1 2 3
 
A086 EAE DM - O PLANO DIVINO - A LEI DA EVOLUÇÃO 20170525
A086 EAE DM - O PLANO DIVINO - A LEI DA EVOLUÇÃO 20170525A086 EAE DM - O PLANO DIVINO - A LEI DA EVOLUÇÃO 20170525
A086 EAE DM - O PLANO DIVINO - A LEI DA EVOLUÇÃO 20170525
 
ATRIBUTOS DA DIVINDADE.pptx
ATRIBUTOS DA DIVINDADE.pptxATRIBUTOS DA DIVINDADE.pptx
ATRIBUTOS DA DIVINDADE.pptx
 
Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01
Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01
Atributosdadivindade 22jan09-100217071318-phpapp01
 
Atributos da Divindade - Instituto Espírita de Educação
Atributos da Divindade - Instituto Espírita de EducaçãoAtributos da Divindade - Instituto Espírita de Educação
Atributos da Divindade - Instituto Espírita de Educação
 
Fraternidade e Evolução.pptx
Fraternidade e Evolução.pptxFraternidade e Evolução.pptx
Fraternidade e Evolução.pptx
 
2.10 - Ocupacoes e Missoes dos Espiritos.pptx
2.10 - Ocupacoes e Missoes dos Espiritos.pptx2.10 - Ocupacoes e Missoes dos Espiritos.pptx
2.10 - Ocupacoes e Missoes dos Espiritos.pptx
 
A pluralidade das existencias.
A pluralidade das existencias.A pluralidade das existencias.
A pluralidade das existencias.
 
Ceuinferno 006 1a. parte_capítulo iii o céu (itens 12 a 18)
Ceuinferno 006 1a. parte_capítulo iii  o céu (itens 12 a 18)Ceuinferno 006 1a. parte_capítulo iii  o céu (itens 12 a 18)
Ceuinferno 006 1a. parte_capítulo iii o céu (itens 12 a 18)
 
Capitulo I Deus
Capitulo I   DeusCapitulo I   Deus
Capitulo I Deus
 
Capitulo II encarnacao dos espiritos
Capitulo II   encarnacao dos espiritosCapitulo II   encarnacao dos espiritos
Capitulo II encarnacao dos espiritos
 
Capitulo IV Pluralidade das existencias
Capitulo IV   Pluralidade das existenciasCapitulo IV   Pluralidade das existencias
Capitulo IV Pluralidade das existencias
 

Mais de Marta Gomes

Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxCapitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Marta Gomes
 
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
Marta Gomes
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Marta Gomes
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Marta Gomes
 
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxApresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Marta Gomes
 
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxCapítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Marta Gomes
 
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
Marta Gomes
 
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
Marta Gomes
 
4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx
Marta Gomes
 
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Marta Gomes
 
4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx
Marta Gomes
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
Marta Gomes
 
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
Marta Gomes
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docx
Marta Gomes
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
Marta Gomes
 
O Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxO Homem de bem.docx
O Homem de bem.docx
Marta Gomes
 
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
Marta Gomes
 
PASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docxPASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docx
Marta Gomes
 
PASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptxPASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptx
Marta Gomes
 
Capítulo XII - Perfeição Moral.docx
Capítulo XII - Perfeição Moral.docxCapítulo XII - Perfeição Moral.docx
Capítulo XII - Perfeição Moral.docx
Marta Gomes
 

Mais de Marta Gomes (20)

Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxCapitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
 
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
 
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxApresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
 
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxCapítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
 
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
 
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
 
4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx
 
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
 
4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
 
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docx
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
 
O Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxO Homem de bem.docx
O Homem de bem.docx
 
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
 
PASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docxPASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docx
 
PASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptxPASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptx
 
Capítulo XII - Perfeição Moral.docx
Capítulo XII - Perfeição Moral.docxCapítulo XII - Perfeição Moral.docx
Capítulo XII - Perfeição Moral.docx
 

Último

Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 

Último (10)

Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 

Capítulo X - Ocupacoes e Missoes dos Espiritos.docx

  • 1. Livro Segundo: Do Mundo Espírita ou Mundo dos Espíritos Capítulo X: Ocupações e Missões dos Espíritos 558 – Os Espíritos têm outra coisa a fazer que melhorar-se pessoalmente? Eles concorrem para a harmonia do Universo, executando a vontade de Deus, do qual são os ministros. A vida espírita é uma ocupação contínua, mas que nada tem de penosa,como sobre a Terra, porque não há fadigacorporal, nem as angústias da necessidade. Comentários: A vida é constituída de trabalho e não de inércia. Todos nós temos a nossa missão, a nossa tarefa na obra da criação e quando a executamos de forma adequada, contribuímos para a plena harmonia do universo. E assim cada um de nós faz a vontade de Deus, mesmo dentro das nossas limitações. Espíritos co-criadores,junto com o pai administrando, criando, participando do processo contínuo de criação da obra de Deus. Os ministros de Deus são os Espíritos puros, sem vínculo algum com a ignorância humana; portanto, eles sabem o que fazem e o Senhor dispensa confiançaa todos os Seus cooperadores em exercício no universo.A ação dos Espíritos superiores é intensa, mas, sem a fadiga que conhecemos,pois não estão ligados a corpos materiais e nem às provas necessárias aos que ainda não se libertaram das paixões inferiores. Apesar de sermos ainda tão pequenos, mas também temos os nossos afazeres, nossas missões a cumprir, conforme a nossa capacidade. A vida espírita é ocupação contínua, com muito trabalho. 559 – Os Espíritos inferiores e imperfeitos cumprem também um papel útil no Universo? Todos têm deveres a cumprir. O último dos pedreiros não concorre para construir o edifício tão bem como o arquiteto? (540).
  • 2. Comentários: Todos nós mesmo nas piores condiçõespodemosser úteis. Temos um papel a desempenhar aqui na Terra. Cada um recebe uma responsabilidade conforme a sua capacidade, a sua condição, a sua evolução. Os Espíritos imperfeitos também fornecem as suas contribuições. Ex: Nos fenômenos da natureza – trabalham muitos Espíritos, de variados graus evolutivos. Os mais inexperientes têm seus trabalhos mais materializados, nas funções de executar e não de comandar ou administrar. Todos concorrem para a obra da perfeição. Além de estarmos aquipara evoluir, buscara perfeição.Estamos aquitambém para contribuir na obra da criação. - Os elementais (Q. 538-540) 560 – Os Espíritos têm, cada um, atribuições especiais? Isso quer dizer que todos nós devemos habitar em toda parte e adquirir o conhecimento de todas as coisas, presidindo sucessivamente a todos os componentes do Universo.Mas, como está dito no Eclesiastes,há um tempo para tudo; assim,tal cumpre,hoje,seudestino neste mundo,tal outro cumprirá ou cumpriu, em outra época, sobre a Terra, na água, no ar, etc. Comentários: Não há privilégios. Não há atribuições especiais no sentido de que determinados Espíritosserem superiores tenham a preferência de Deus, com determinadas atribuições que outros possam ter. Isso não existe na justiça divina. Todos nós somos iguais perante Deus. Todos nós nascemos simples e ignorantes, com destino à perfeição e à pureza. Todos nós precisamospassarpor várias situações,várias experiências nesse processo evolutivo. Nesse processo cada um de nós vai ocupando uma tarefa, uma missão, com responsabilidadeespecial conformea capacidade de cada um e, alternando à medida que vai ampliando o conhecimento e se depurando moralmente. Todos temos que habitar em toda parte e adquirir conhecimento de todas as coisas. Todos nós precisamos experenciar tudo para que possamos adquirir o conhecimento de todas as coisas.
  • 3. O conhecimento completo, tanto intelectual, quanto moral. Portanto, precisamos ocupar várias posições no decorrer do progresso. Há tempo para tudo. Todos os que estão mais avançados já passaram por situações pelas quais passamos no momento. Todos que estão porvir também passarão por essas situações. Cada um ocupa no momento a posição compatível com seu entendimento, com sua maturidade. A obrade Deus é grande, os departamentos de trabalho são inúmeros e temos de passar por todos eles. Mesmo depois de passar por várias encarnações como ser humano, a escala continua, pois é infinita. Ainda há muitos segredos na vida que poderão vir à luz com o nosso amadurecimento espiritual. Não existe nada especial para uns, que não seja para todos.Deus é bondade.A justiça e o amor nos nivelam a todos. As diferenças existem apenas no grau de despertamento espiritual. Aindaque eufalasse aslínguasdos homense dosanjos,e não tivesse amor,seriacomoo metal que soaou como o sinoque tine. E ainda que tivesse odomde profecia,e conhecesse todososmistériose todaa ciência,e aindaque tivesse toda a fé,de maneiratal que transportasse osmontes,e não tivesse amor,nadaseria. E ainda que distribuísse todaaminhafortunapara sustentodospobres,e aindaque entregasse omeu corpo para serqueimado,e nãotivesse amor,nadadissome aproveitaria. O amor é sofredor,é benigno;oamornão é invejoso;oamornão trata com leviandade,nãose ensoberbece. Não se porta com indecência,nãobuscaosseusinteresses,nãose irrita,nãosuspeitamal; Não folgacoma injustiça,masfolgacoma verdade; Tudo sofre,tudocrê,tudoespera,tudosuporta. O amor nunca falha;mashavendoprofecias,serãoaniquiladas;havendolínguas,cessarão;havendo ciência,desaparecerá; Porque,emparte,conhecemos,e emparte profetizamos; Mas, quandoviero que é perfeito,entãooque o é em parte será aniquilado. Quandoeuera menino,falavacomomenino,sentiacomomenino,discorriacomomenino,mas,logoque cheguei aser homem,acabei comas coisasde menino. Porque agora vemosporespelhoemenigma,masentãoveremosface aface;agora conheçoemparte, mas entãoconhecerei comotambémsouconhecido. Agora,pois,permanecemafé,a esperançae o amor,estestrês,mas o maiordestesé o amor. 1 Coríntios13:1-13 561 – As funções que os Espíritos cumprem na ordem das coisas são permanentes para cada um e estão nas atribuições exclusivas de certas classes?
  • 4. Todos devem percorrer os diferentes graus da escala para se aperfeiçoar. Deus, que é justo, não poderia querer dar a uns a ciência sem trabalho, enquanto que outros não a adquirem senão com sacrifício. Allan Kardec: Da mesma forma entre os homens, ninguém alcança um supremo grau de habilidade em uma arte qualquer, sem haver adquirido os conhecimentos necessários na prática das partes mais íntimas dessa arte. Comentários: Todos percorrem os diferentes graus da escala evolutiva para se aperfeiçoarem e se encontram em determinadas classes, com determinadas funções é porque adquiriram o conhecimento, a competência para tal atividade. Trabalharam, se esforçaram obtendo a responsabilidade para exercer certas funções dentro do Universo. Nada vem de forma gratuita, sem trabalho, sem esforço, sem mérito. Todos nós estamos trilhando o nosso caminho. Quanto mais entendimento, quanto mais esforço, quanto mais depuração, mais responsabilidade adquirimos perante Deus. Todos nós somos iguais perante ao Pai. Ele não prestigia uns em detrimento dos outros. Todos nós somos seus filhos. Se todos temos de percorrer os diferentes graus da escala, sejam eles quais forem, temos de passar pelos mesmossacrifícios,pelosmesmosesforços,pelasmesmasdorese agressõesdoambiente,mesmoquesejam diversificadosnaestrutura,mas, com o mesmopesode qualidades.Temosliberdade,de certamaneira,de escolha conforme o nosso despertamento espiritual, porém, diante de Deus, não temos liberdade; somos Seusservos,e devemosdargraças a Ele pelanossamarcha. Somente oCriadorpossui a liberdade total.Nós outros,semescolha,agimosnarelatividade que nospropõe acondiçãode sermosfilhos.(Miramez–vol. XI, cap. 51) 562 – Os Espíritos de ordem mais elevada, não tendo nada mais a adquirir, estão num repouso absoluto ou têm também ocupações? Que quereríeis que eles fizessem durante a eternidade? A ociosidade eterna seria um suplício eterno. 562.a) Qual a natureza de suas ocupações? Receber diretamente as ordens de Deus, transmiti-las em todo o Universo, e velar pela sua execução.
  • 5. Comentários: Os Espíritos puros são aqueles que,chegados ao mais alto grau da perfeição. O esplendor infinito que os envolve não os dispensade serúteis nas obras da Criação: as funções que devem preencher correspondem à extensão de suas faculdades.Esses Espíritossão os ministros de Deus;sobsuas ordens,regem os mundos inumeráveis; dirigem do alto os Espíritos e os humanos; estão ligados entre si porum amor sem limites, e esse ardor se estende sobre todos os seres que procuram atrair para se tornarem dignos da suprema felicidade. Deus se irradia sobre eles e lhes transmite suas ordens. Trabalho, muito trabalho. Todos nós nascemos para a perfeição. A Leido trabalho é uma das Leis de Deus que nos fazchegar a essaperfeição. Sendo a lei do trabalho, a lei do progresso,uma lei divina, ela estará presente também entre os Espíritos puros, não apenas entre nós, imperfeitos. Deus,nosso Pai,trabalha incessantemente.Jesusnos deixouisso muito claro: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também. (João 5:17). A ociosidade é um suplício. Quanto mais evoluído, maiores são as responsabilidades. Maiores são as condições de exercer com eficiência as ordens de Deus. Eles são os intermediários de Deus em todo o Universo. A respeito de Jesus, a primeira informação que apareceu nas obras fundamentais do Espiritismo foia respostadada pelos instrutores espirituais à pergunta 625 em O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec: Qual o tipo mais perfeito que Deus ofereceu ao homem, para lhe servir de guia e de modelo? - Vede Jesus. Allan Kardec: Jesus é para o homem o tipo da perfeição moral a que pode aspirar a humanidade na Terra. Deus no-lo oferece como o mais perfeito modelo, e a doutrina que ele ensinou é a mais pura expressão de sua lei, porque ele estava animado do espírito divino e foi o ser mais puro que já apareceu sobre a Terra. Acerca do caráter divino de sua missão: O Evangelho segundo o Espiritismo – capítulo 1, item 4, “...não foi simplesmente o de um legislador moralista sem outra autoridade além da palavra". "Ele veio cumprir as profecias que haviam anunciado a sua vinda, e a sua autoridade provinha da natureza excepcional do seu Espírito e da sua missão divina."
  • 6. A Gênese – capítulo 15, item 2, pág. 201. Em nenhum momento Kardec disse em que posição da Escala Espírita Jesus se enquadraria, mas os termos que ele utilizou na referência ao Mestre e à sua missão deixam claro que, como “mensageiro direto” de Deus, Jesus já havia, sem dúvida, alcançado a condição de Espírito Puro,tal como é descrita nas questões 112 e 113 em O Livro dos Espíritos. Além de Kardec, três autores respeitados no meio espírita aludiram à qualidade excepcional de Jesus. Referimo-nos a Léon Denis, J. Herculano Pires e Emmanuel. Emmanuel, além de confirmar tudo o que acima se disse, trouxe ao conhecimento dos espíritas um dado a mais que nos permite entender quem, de fato, é Jesus: “Rezam as tradições do mundo espiritual que na direção de todos os fenômenos, do nosso sistema, existe uma Comunidade de Espíritos Puros e Eleitos pelo Senhor Supremo do Universo, em cujas mãos se conservam as rédeas diretoras da vida de todas as coletividades planetárias. Essa Comunidade de seres angélicos e perfeitos,daqual é Jesus um dos membros divinos, ao que nos foi dado saber, apenas já se reuniu, nas proximidades da Terra, para a solução de problemas decisivosda organização e da direção do nosso planeta, por duas vezes no curso dos milênios conhecidos. A primeira verificou-se quando o orbe terrestre se desprendiada nebulosa solar, a fim de que se lançassem, no Tempo e no Espaço, as balizas do nosso sistema cosmogônico e os pródromos da vida na matéria em ignição, do planeta, e a segunda, quando se decidiu a vinda do Senhor à face da Terra, trazendo à família humana a lição imortal do seu Evangelho de amor e redenção”. (A Caminho da Luz, obra psicografada pelo médium Chico Xavier, cap. 1.) http://www.oconsolador.com.br/ano11/540/oespiritismoresponde.html 563 – As ocupações dos Espíritos são incessantes? Incessantes, sim, se se entende que seu pensamento está sempre ativo, porque eles vivem pelo pensamento. Mas é preciso não comparar as ocupaçõesdos Espíritosàs ocupações materiais dos homens.Essa atividade mesma é um prazer, pela consciência que têm de serem úteis. 563.a)Isso se concebe para os bons Espíritos;mas ocorre o mesmocom os Espíritos inferiores? Os Espíritos inferiorestêm ocupaçõesapropriadas à sua natureza. Confiais ao aprendiz e ao ignorante os trabalhos do homem de inteligência?
  • 7. Comentários: Ocupações – Não são apenas as ocupações materiais das quais estamos acostumados a identificarno mundo material, mas a partir do momento que os Espíritos pensam incessantemente, também é uma ocupação. Quando estamos pensando, estamos trabalhando, refletindo, crescendo. A lei do trabalho é uma das leis de Deus. Nos mundos mais evoluídos o trabalho não é tão material como os nossos aqui na Terra. São essencialmente,intelectuais. Não deixa de ser trabalho, não deixa de ser uma ocupação. Quanto mais evoluído é o Espírito,maior a sua responsabilidade.O pensar é trabalho. Os Espíritosinferiores também têm as suas ocupações, ainda pequenas, pois é conforme o seu nível evolutivo. Todos contribuem nas obras da criação. 564 – Entre os Espíritos, há os que são ociosos ou que não se ocupem com alguma coisa útil? Sim, mas esse estado é temporário e subordinado ao desenvolvimento de sua inteligência. Certamente há, como entre os homens, os que não vivem senão para si mesmos;mas essaociosidadelhes pesae, cedo ou tarde, o desejo de avançar lhes faz experimentar a necessidade da atividade e eles são felizes em poder se tornar úteis. Falamos dos Espíritos que alcançaram o ponto de ter consciência de si mesmos e seu livre-arbítrio, pois, em sua origem, são como crianças que acabam de nascer e que agem mais por instinto que por uma vontade determinada. Comentários: Esses Espíritos que permanecem na ociosidade, que estão voltados para si mesmos e para os seus interesses,um dia serão despertados e essasituação mudará. Vão querer progredir, vão querer caminhar, evoluir. Deus nos criou simples e ignorantes para prosseguir à perfeição e para a felicidade. Essa é a nossa destinação. A lei do progresso é uma lei de Deus que está presente em todo o Universo. Se um dia atingiremos a perfeição é porque em algum momento sairemos dessa ociosidade, desse egoísmo. Não dá para ficar eternamente na ociosidade. Ela cansa.
  • 8. A centelha divina que há em nosso íntimo, vai pulsar, vai fazer ouvir. O nosso coração, a nossa mente, num determinado momento vai nos alertar para a caminhada que devemos prosseguir. Sairemos da ociosidade para o trabalho útil e construtivo em benefício do nosso próximo. O Evangelho é, acima de tudo, um estatuto de trabalho para a humanidade. Trabalhar para a humanidade é lei de progresso e bem-estar para a vida na Terra, e saber trabalhar com Jesus é vida que alimenta vidas, é tranquilidade para a consciência. (Miramez) 565 – Os Espíritos examinam nossos trabalhos de arte e se interessam por eles? Eles examinam o que possaprovar a elevação dos Espíritose seu progresso. Comentários: Quanto mais elevada é a obra artística, maior é o interesse da parte dos Espíritos. Há muitas artes no mundo material que são elevadas,que enobrece a criatura, que nos traz sentimentos elevados quando a apreciamos. Ao mesmo tempo,há artes que denigrem a criatura, em função muitas vezes, da imperfeição do próprio artista. Os Espíritos conforme o progresso que eles têm, vão se interessar pela arte. Espíritos mais elevados se interessam por coisas nobres. Espíritos mais materializados se sintonizam com obras artísticas menores, menos evoluídas que elevem menos a criatura. Tudo está em consonância com a elevação dos Espíritos que atuam, observam, admiram essas artes. O pintor,o escritor,o escultor,enfim,emtodosostrabalhosempreendidospeloshomens,que têmotraço do progresso, os Espíritos puros os assistem, dando melhor brilho a este exercício, para mostrar cada vez mais a beleza daquilo que pode fazer o homem. O artista emgeral pode ser ummédium,noentanto,é de sua alçada escolherqual otipode assistênciaque lhe convém atrair. 566 – Um Espírito que teve uma especialidade sobre a Terra, um pintor, um arquiteto, por exemplo, se interessa de preferência pelos trabalhos que foram objeto de sua predileção durante a vida? Tudo se confunde num fim geral. Se ele é bom, interessa-se tanto quanto lhe seja permitido se ocupar para ajudar as almas a se elevarem até Deus. Esqueceis, aliás, que um Espírito que praticou uma arte na existência que o
  • 9. conhecestes,podevir a praticar uma outra em uma outra existência, porque é preciso que ele saiba tudo para ser perfeito. Assim, segundo seu grau de evolução, pode não haver mais especialidade para ele; é o que entendo dizendo que tudo se confunde num fim geral. Notai ainda isto: o que é sublime para vós, em vosso mundo atrasado, não é senão criancice perto dos mundos mais avançados. Como quereis vós que os Espíritos que habitam esses mundos,onde existem artes desconhecidas para vós, admirem isso que, para eles, não é mais que uma obra de escolar? Eu o disse:eles examinam aquilo que pode provar o progresso. 566.a) Concebemos que deve ser assim para os Espíritos mais avançados; mas falamos dos Espíritos mais vulgares e que não se elevaram ainda acima das ideias terrestres. Para estes é diferente;seuponto de vistaé mais limitado e eles podem admirar aquilo que vós mesmos admirais. Comentários: Considerando a evolução do Espírito são dois aspectos: - Espíritos mais evoluídos,superiores,podematé se interessarpelos trabalhos que exerciam antes, se era um pintor, um arquiteto, um escultor, desde que esse trabalho realizado proporcione o auxílio a outros seres, proporcione o progresso, que auxilie no progresso espiritual da criatura ou da humanidade, ou seja, que tenha um objetivo mais sublime. No plano espiritual as percepções são maiores, portanto, não ficará preso às artes que desenvolviaaqui ou que outros artistas desenvolvem poraqui. Com certeza, vai se ocupar com outros trabalhos, outras artes mais enobrecidas. As artes que existem em mundos e planos mais evoluídos não se comparam com o que conhecemosaqui.Sequernem se aproximam. Os nossos trabalhos são de aprendizes (escolares) - Espíritos mais materializados, mais imperfeito, mais vulgares, podem se admirar. Ter admiração pelos trabalhos que outros artistas desenvolvem por aqui. Eles desconhecem outras coisas mais sublimes. Aquilo que eles vivenciam ou vivenciaram na vida material é motivo de admiração. Tudo varia em função das qualidades morais do Espírito. Ex: Quadro do martírio de São Dinis – Livro Os Mensageiros – Cap. 16, pág. 104. 567 – Os Espíritosse misturam,algumasvezes,em nossas ocupaçõese em nossos prazeres?
  • 10. Os Espíritos vulgares, como dizes, sim. Estes estão sem cessar ao redor de vós e tomam, no que fazeis, uma parte, algumas vezes, muito ativa, segundo sua natureza. Isso é necessário para impelir os homens nos diferentes caminhos da vida, excitar ou moderar suas paixões. Allan Kardec: Os Espíritos se ocupam das coisas deste mundo em razão da sua elevação ou da sua inferioridade. Os Espíritos superiores têm, sem dúvida, a faculdade de considerá-las em seus menores detalhes, mas eles não o fazem senão naquilo que é útil ao progresso.Só os Espíritos inferioresligam uma importância relativaàs lembrançasque estão ainda presentes em sua memória e às ideias materiais que não estão ainda apagadas. Comentários: Nós estamos a todo momento rodeados por Espíritos de variados graus evolutivos. Conforme os nossos pensamentos,palavras, atitudes, emoções vamos atrair Espíritos mais inferiores ou mais evoluídos. Precisamos trabalhar os nossos pensamentos. Somos nós que atraímos os bons ou os maus Espíritos. A Espiritualidade superior faz a sua parte, nos orientando, nos protegendo, mas nós também temos que fazer a nossa parte. Se eles afastam o Espírito inferiore nós o atraímos de volta ou atraímos outro com o mesmo procedimento, eles respeitam o nosso livre-arbítrio, embora permaneça nos acompanhando sempre à distância. Embora sempre aproveitando as oportunidades para nos fazer seguir o caminho do bem, eles não podem desrespeitar as nossas escolhas. 568 – Os Espíritos que têm missões a cumprir, as cumprem no estado errante ou no estado de encarnação? Eles podem tê-las em um e outro estado;para certos Espíritos errantes,é uma grande ocupação. Comentários: Os Espíritosque têm grandes missõesa cumprir, cumprem na erraticidade ou encarnados?
  • 11. Erraticidade – espaço de tempo que o Espírito permanece no plano espiritual aguardando uma nova reencarnação. É o espaço de tempo entre uma encarnação e outra. Espíritos errantes – são aqueles que ainda reencarnam. Espíritos puros – já chegaram na condição de Espíritos angélicos, não precisam mais reencarnar. Eles podem encarnar em missão, em trabalhos pela humanidade, mas não é por necessidade deles. Portanto, não são mais Espíritos errantes. Não espaço entre reencarnação para eles. O Mundo Espiritual é o mundo deles. Nesse período os Espíritos não ficam no plano espiritual ociosos. A todo momento o Espírito trabalha, se desenvolve, progride, esteja na erraticidade ou na condição de Espírito encarnado. As grandes missões só são dadas a Espíritos mais evoluídos e mais superiores que trabalham constantemente em benefício da humanidade. Esses Espíritos que têm essas grandes missões trabalham em benefício da humanidade, onde quer que estejam e estão sempre evoluindo. Se vierem à Terra para trabalhar em benefício da humanidade como os grandes nomes e benfeitores da humanidade vão cumprir a sua missão aqui e ao mesmo tempo evoluindo. No plano espiritual também desempenham seus trabalhos em função da humanidade. Os Espíritos evoluem tanto na matéria, quanto na erraticidade. Na matéria, a evolução pode ser mais rápida em função da dificuldade que representa estar encarnado no corpo material, envolvido com o mundo material. O desafio é um pouco maior. 569 – Em que consistem as missões de que podem estar encarregados os Espíritos errantes? Elas são tão variadas que seria impossível descrevê-las, além de que não podeis compreender.Os Espíritos executam a vontade de Deus e não podeis penetrar todos os seus desígnios. Allan Kardec: As missões dos Espíritos têm sempre o bem por objeto. Seja como Espíritos, seja como homens, eles estão encarregados de ajudar o progresso da Humanidade, dos povos ou dos indivíduos, em círculo de ideias mais ou menos amplas,mais ou menos especiais,de preparar os caminhos para certos acontecimentos, de velar pelo cumprimento de
  • 12. certas coisas. Alguns têm missões mais restritas e de alguma sorte pessoais ou locais, como assistir os enfermos, os agonizantes, os aflitos, velar por aqueles de quem se fizeram guias protetores, de os dirigir pelos seus conselhos ou pelos bons pensamentos que lhes sugerem. Pode-se dizer que há tantos gêneros de missões quantas as espécies de interesses a vigiar, seja no mundo físico, seja no mundo moral. O Espírito avança segundo a maneira pela qual ele cumpre sua tarefa. Comentários: A quantidade e os tipos de missões são infinitos conforme a capacidade de cada um. Deus só fornece missões aqueles que ele sabe se aquela missão está condizente com a capacidade daquele filho. Essas missões,sejam elas menores ou as grandes, estão sempre a favor do bem, tanto no plano material, quanto no plano espiritual. Nunca a favor de um objetivo pessoal ou egoísta. 570 – Os Espíritos compreendem sempre os desígnios que estão encarregados de executar? Não; há os que são instrumentos cegos, mas outros sabem muito bem com que objetivo agem. Comentários: Os trabalhos dos Espíritos são diversos, mas nem todos os Espíritos são conscientes do que realizam. Os mais ignorantes são como instrumentos dirigidos pelos mais despertos, pelas almas mais experimentadas. Eles não possuem plena consciência daquilo que fazem, não sabem o porquê fazem e da importância do seu trabalho no todo. É mais ou menos como nós aqui reencarnados na Terra: uns trabalham por verem os outros trabalhar, como também, pelas necessidades materiais – morar, se alimentar, se vestir. Outros já alcançam o valor do trabalho em dimensão diferente. Estes conhecem que o labor com alegria, e consciente, leva à libertação espiritual, por ser útil à sociedade. Os Espíritos a que denominamos errantes, cuja evolução não alcançou ainda o verdadeiro despertar espiritual, têm obrigações diversas, e a sua escala é grande. Cada vez que sobem um degrau, sentem na consciênciamais lucidez e entendem melhor as leis de Deus.
  • 13. 571 – Só os Espíritos elevados desempenham missões? A importância da missão está em relação com a capacidade e a elevação do Espírito.O estafetaque leva um despacho, cumpre também uma missão,mas que não é aquela do general. Comentários: Estafeta: Portador de despachos, encomendas, cartas, que faz a entrega a cavalo. Funcionário de empresa postal, encarregado de distribuir a correspondência; carteiro. Os pequenos também desempenham excelentes missões. Não é o tamanho da missão que a torna melhor ou pior aos olhos de Deus, mas sim a forma de cumpri-la, procurando executar da melhor maneira possível. O portador que leva a correspondência ao seu destinatário está cumprindo uma missão. É uma missão menor que a do general, no entanto, é importante e dependendo da forma de cumprir pode ser mais bem vista que a missão do general que de repente pode não executar a sua missão de forma correta. As missões, as tarefas são compatíveis com o nosso grau evolutivo, quanto mais conhecimento, quanto mais entendimento, maior a responsabilidade. E, apesar de toda a compreensãomão estamos imunes ao erro. Muitas vezes erramos. Não somos Espíritos perfeitos. Precisamos estar atentos a todo o momento para que não percamos uma oportunidade que todos nós temos de crescer e evoluir. Não importa o tamanho das tarefas a realizar; importa, sim, como fazê-las. 572 – A missão de um Espírito lhe é imposta ou dependede sua vontade? Ele a pede e fica feliz de a obter. 572.a) A mesma missão pode ser pedida por vários Espíritos? Sim, frequentemente, há vários candidatos, mas nem todos são aceitos. Comentários: As missõessão realizadas tanto no plano espiritual, quanto no plano material.
  • 14. Quando o Espírito reencarna e tem consciência das suas necessidades e dificuldades pode pedir determinadas missões para atingir seus objetivos de crescimento, mas nem a todos é concedido. Quanto mais entendimento possui a criatura, mais consciência tem do que pedir, assim como das suas condições para cumprir aquela missão. A Espiritualidade encarregada do processo evolutivo analisa se o pedido é condizente com a capacidade, com o merecimento, com a necessidade evolutiva daquele Espírito e dos outros. Havendo possibilidade vão deferir, caso contrário não vão deferir e escolhem (determinam) que tipo de missão, que tipo de tarefa está mais adequada às condições daquele Espírito. A mesma missão pode ser pedida por muitos Espíritos, mas só vai obter a permissão aqueles que estiverem em condições de realizar aquela tarefa com sabedoria, com chances de vitória. Nem todos os Espíritos podem escolher suas missões; muitas das vindas das almas pelo processo da reencarnação são impostas. Quantos abusam da liberdade que lhes é dada, depois desejamvoltar à carne do modo que entendem, mas isso não se dá. Os mentores espirituais, encarregados das programaçõesdas vidas sucessivas, sabem avaliar, ajudando o reencarnacionista em uma escolha proveitosa, de sorte que o candidato à volta melhore moralmente suas condições espirituais. 573 – Em que consiste a missão dos Espíritos encarnados? Instruir os homens,ajudar seuprogresso,melhorarsuas instituições pormeios diretos e materiais. Mas as missões são mais ou menos gerais e importantes: aquele que cultiva a terra cumpre uma missão, como aquele que governa ou aquele que instrui. Tudo se encadeia na Natureza; ao mesmo tempo em que o Espírito se depura pela encarnação, ele concorre, sob essa forma, para o cumprimento dos caminhos da Providência. Cada um tem sua missão neste mundo, posto que cada um pode ser útil para alguma coisa. Comentários: Cada um neste mundo tem a sua missão, pois todos tem uma utilidade. As missões são diversificadas e importantes, conforme a capacidade. Todos contribuem na obrada criação independente do tamanho da missão,cadaqual recebe a atribuição conforme a capacidade e todas são necessárias. A missão dos Espíritos quando encarnados é ajudar o progresso da Terra e de todos que nela estão despertando os valores morais e espirituais. Busca- se a teoria na erraticidade e coloca-se em prática na matéria, aqui no chão do planeta. - Aquele que cultiva a Terra tem o mesmo valor que aquele que ensina. Depende da forma como desempenham sua tarefa.
  • 15. - Os que governam um país se não o faz com todo empenho, com toda a honestidade vai falhar na sua missão. Não adianta estar com uma missão maior se não a cumpre adequadamente. Não é o tamanho da missão, mas a forma como a executa. O importante é a responsabilidade que temos sobre elas. A missão dos Espíritos encarnados é: - Instruir os homens - Auxiliar o progresso - Melhorar as instituições Analisando a história da humanidade, temos exemplos daqueles que usaram o dinheiro para maiores e melhores benefícios coletivos. Igualmente, temos muitos exemplos de que a falta do dinheiro não impede dele não impede o missionário com Jesus de realizar grandes coisas. (Ex: Barão de Mauá / D. Pedro II / Bezos, Musk e Branson investem bilhões na disputa pela liderança da disputa espacial) Estamos aqui para auxiliar no crescimento do outro.O nosso crescimento vem junto, pois a partir do momento que trabalhamos pelo outro, trabalhamos por nós também. Não podemos trabalhar apenas por nós, pensarmos apenas no nosso próprio crescimento, na nossa própria evolução. Precisamos cuidar de cada um daqueles que caminham conosco. Ajudá-los no seu crescimento para também evoluir. Deixar de olhar apenas para nós mesmos. - Amar o próximo - Extinguir o egoísmo 574 – Qualpode ser a missão das pessoas voluntariamente inúteissobre a Terra? Há efetivamente pessoas que não vivem senão para si mesmas e não sabem se tornar úteis para nada. São pobres seres que é preciso lamentar, porque expiarão cruelmente sua inutilidade voluntária e seu castigo começa, frequentemente, desde este mundo, pelo tédio e pelo desgosto da vida. 574.a) Visto que tiveram escolha, por que preferiram uma vida que não poderia lhes aproveitar em nada? Entre os Espíritos há também preguiçososque recuam diante de uma vida de trabalho. Deus o permite, pois compreenderão mais tarde, e às suas custas, os inconvenientes de sua inutilidade, e serão os primeiros a pedir para reparar o tempo perdido. Pode ser também que escolheram uma vida mais útil, mas,
  • 16. uma vez na obra, recuam e se deixam arrastar pelas sugestões dos Espíritos que os encorajam à ociosidade. Comentários: Duas situações: - Há criaturas que voluntariamente pedem uma vida de inutilidade. Deus e a Espiritualidade sabem que essa situação não é construtiva para aquela pessoa,mas permite. Quando a criatura retorna ao plano espiritual e percebe que perdeu uma reencarnação inteira, uma oportunidade única, na inutilidade enquanto outros com os quais ele conviveu caminharam, seguiram adiante, se elevaram e ele continuou estacionado. É uma grande decepção que faz com que a pessoa implore a Deus para recuperar o tempo perdido. Quando retornam vem com o trabalho dobrado.Em pouco tempo querem fazer tudo o que não fizeram. Aquela vida de inutilidade pode parecerum estacionamento, mas essa é uma situação que servirá de estímulo para um caminhar mais rápido. - Muitas vezes o Espírito não escolhe essa vida de inutilidade. Escolhe uma vida útil, mas diante dos desafios da vida se deixam levar pela ociosidade, pela preguiça, pelas sugestões de Espíritos infelizes que os induzem a permanecer naquela condição. Existem muitos Espíritos encarnados e desencarnados que, julgando-se inúteis, nada desejam fazer, nem para eles mesmos. São os preguiçosos, e como a lei une os semelhantes, os preguiçosos se atraem, e uns inspiram os outros. Os encarnados falam que estão sofrendo influência dos desencarnados,e estes alegam o contrário. A verdade é que os dois lados da vida permutam e alimentam a inércia na atmosfera que criam para viver. Mas há o momento em que cairão na realidade. Observemos se temos tendência para a preguiça, precisamos esforçar para sairmos deste campo da inércia, porque depois pagaremos caro, em outra vida, na qual nos serão impostos duros trabalhos, com a finalidade de recuperarmos nossas forças. Se existe algum irmão desencarnado nos inspirando para a ociosidade, oremos porele,por não sabero que fazer com as possibilidades que Deus lhe deu. O trabalho nos faz crescer e nos induz para a esperança e a alegria. 575 – As ocupações vulgares nos parecem mais deveres que missões propriamente ditas.A missão,segundo a ideia ligada a essa palavra,tem um característico menos exclusivo e sobretudo menos pessoal. Desse
  • 17. ponto de vista, como se pode reconhecer que um homem tem uma missão real sobre a Terra? Pelas grandes coisas que ele realiza, pelo progresso a que conduz seus semelhantes. Comentários: Como diferenciar missão de dever? Missão é algo menos exclusivista. É algo que a pessoafaz não pensando em si, mas no outro, na coletividade. A missão, seja ela pequena ou grande, é destinada ao outro. Os verdadeiros missionários são fáceis de serem reconhecidos pelos seus feitos em favorda coletividade,no entanto, existem missionários menores,aos quais são entregues pequenas missões,mas de real valor, por dar segurança a certas pessoas que precisavam de amparo mais direto, ou a um grupo menor, como a família, o local de trabalho, extrapolando as meras obrigações por amor ou outro, retirando do íntimo o orgulho e o egoísmo. A missão é um dever, mas nem sempre o dever é uma missão. Podemos classificar o dever como sendo obrigações inerentes às nossas necessidades, onde o bem deixa a sua marca. A missão,pequenaougrande,é aquela que ultrapassa a nossaárea, atingindo o próximo no que ele precisa para andar melhor. Quase sempre o missionário esquece a si mesmo, para beneficiar aos seus irmãos em sofrimentos, mas, o verdadeiro missionário cuida de si, dos seus inúmeros deveres e reúne suas forças por todos os meios possíveis e impossíveis aos olhos do mundo, avançando com alegria e amor, doando sempre paraa paz de todas as criaturas. Por vezes,ele sacrifica sua vida para que todos possam viver bem, sempre no clima do amor. Todos nós temos, por exemplo, o dever de amar sem distinção a todos e a tudo para o nosso próprio bem; entretanto, o missionário de altas possibilidades faz do amor um instrumento de vida, de modo a atingir a humanidade, dando a ela mais vida, mais alegria e esperança em todas as suas atividades. A missão tem o mesmo tamanho para todos;o missionário é que a faz crescer ou estabilizar. Podemos lembrar, como exemplo, a vida de Francisco de Assis, que fez da sua missão uma força a atingir todos os povos, e que, ainda hoje, irradia-se em todas as nações, vibrando nos corações como se ele estivesse presente na Terra, animando um corpo físico. O missionário, tudo que ele faz, tudo que ele idealiza, é em favor da coletividade;não o anima nada pessoal,pois ele destruiuno seu mundo íntimo
  • 18. o egoísmo e o orgulho, duas chagas terríveis da humanidade. Não podemos esquecer de falar que os caminhos do missionário são sempre cheios de espinhos.Todos eles sofrem as reações à ação benfeitorada sua presençae carregam um pouco da cruz coletiva. Então, os principais sacerdotes o acusavam de muitas coisas.(Marcos, 15:3) Nem o Mestre passou ileso da fúria negativa dos sacerdotes,e como Ele era obediente ao Pai, aceitou sem reclamar o escárnio, as pedradas,a fúria que a ignorância faz surgir, e a própria cruz. Ele partiu deixando a grande lição escrita no coração da humanidade encarnada e desencarnada. Jesus foi um missionário direto de Deus, por amor ao Seu rebanho. 576 – Os homens que têm uma missão importante a ela estão predestinados antes de seu nascimento, e dela têm conhecimento? Algumas vezes, sim; mas, frequentemente, a ignoram. Vindo sobre a Terra, têm um objetivo vago; sua missão se desenha depois do nascimento, e segundo as circunstâncias. Deus os impele no caminho onde devem cumprir seus desígnios. Comentários: Os Espíritos missionários já são designados antecipadamente, antes de reencarnarem, para tal empreendimento. Mas não têm desde a tenra idade a consciênciada missão que assumiram, a qual vai desenrolando no decorrer da sua existência física. A grande maioria dos grandes missionários ignoram as suas missões. Ao sofrer a influência da matéria o Espírito esquece, não tendo o conhecimento pleno da sua missão, mas há aquela vaga noção chamando para algo maior, sem o entendimento claro. À medidaque o servai percorrendo asua trajetória, as coisas vão caminhando para o desenrolar daquela missão, o vago objetivo vai se fortalecendo dentro do Espírito e ele vai passando a ter conhecimento das suas missões,daquilo que ele precisa realizar aqui na Terra. Com a grande maioria tudo acontece no decorrerda sua existência. Não logo desde o início. 577 – Quandoum homem faz uma coisa útil é sempreem virtude de uma missão anterior e predestinada, ou pode receber uma missão não prevista?
  • 19. Tudo o que um homem faz não é o resultado de uma missão predestinada. Ele é frequentemente instrumento do qual um Espírito se serve para executar uma coisa que crê útil. Por exemplo,um Espírito julga que seria bom escrever um livro que ele mesmo faria se estivesse encarnado;ele toma o escritormais apto a compreenderseu pensamento e executá-lo, e lhe dá a ideia e o dirige na execução. Assim, esse homem não veio sobre a Terra com a missão de fazer essaobra. Ocorre o mesmo com certos trabalhos de arte ou descoberta. É necessário dizer ainda que, durante o sono do corpo, o Espírito encarnado se comunicadiretamente com o Espírito errante e que eles se entendem sobre a execução. Comentários: Nem tudo o que acontece em nossa vida estava previsto, consta no nosso planejamento reencarnatório. Há situações, como, trabalhos artísticos, descobertas, trabalhos científicos, foram pensadas e planejadas durante a reencarnação da pessoa. Aquela pessoa estando apta, fornecendo as condições de conhecimento e vontade pode ser utilizada para tal finalidade. Durante o desdobramento pelo sono, o Espírito encarnado, desdobrado, tem condições de reunir-se com os Espíritos errantes e, juntos, pensarem, planejarem, executarem primeiramente, no plano espiritual o projeto que querem colocar em prática. No estado de vigília aquela pessoa vai despertando as ideias, as inspirações vão chegando para que aquele projeto seja realizado. Há missões que estão predestinadas previamente previstas no planejamento reencarnatório, como também, pode ocorrer durante a reencarnação da pessoa. 578 – O Espírito pode falir em sua missão por sua falta? Sim, se não é um Espírito superior. 578.a) Quais são, para ele, as consequências? Será necessário recomeçar a tarefa: é essa a sua punição; também, sofrerá as consequências do mal que haja causado. Comentários:
  • 20. Alguns missionários podem ao virem para a Terra não cumprirem a sua missão, não cumprirem aquilo que se comprometeram planejamento reencarnatório. Há missionários que não correm o risco de falhar, de deixar de cumprir a sua missão. Mas, nesse caso, são Espíritos puros, como Jesus que veio para a Terra consciente da sua missão e Ele não falharia mais, pois o nível de perfeição alcançado não permitiria falhar quando encarnado. Isso não é o que acontece com a maioria dos missionários que vêm à Terra. A maioria desses Espíritos,mesmoos mais evoluídos aindanão se encontram nessa faixa de perfeição livres de errar ou falir. É preciso que se saiba que ninguém falha na sua missão totalmente; sempre há o que aproveitar para a sua instrução, mesmo porque,o mal que ele causar responderá por ele, por vezes voltando em outro instrumento físico para terminar a sua tarefa. O Espírito não retrocede;ele,cada vez mais, cresce em todos os rumos da verdade. 579 – Visto que o Espírito recebe sua missão de Deus, como Deus pode confiar uma missão importante e de interesse geral a um Espírito que poderá nela falir? Deus não sabe se seu general obterá a vitória ou será vencido? Ele o sabe, estai seguros, e seus planos, quando são importantes, não repousam sobre aqueles que devem abandonar a obra no meio do trabalho. Todaquestão está para vós no conhecimento do futuro, que Deus possui, mas que não vos é dado. Comentários: Deus sabe se iremos falhar ou se iremos cumprir as nossas missões,pois Ele nos conhece melhor que nós mesmos.Somos sua criação e Ele nos conhece plenamente. Sabe das nossas capacidades e dos nossos pendores, das nossas tendências inferiores. Não conseguimos esconder nada de Deus. Ele sabe se estamos plenamente preparados para realizar determinada missão. Muitas vezes, mesmo sabendo que ainda não estamos plenamente preparados, com toda a sabedoria e discernimento necessários, Ele nos concede determinadamissão paraque possamos crescer,pois precisamos da experiência para que pouco a pouco vamos adquirindo o conhecimento necessário. Por isso mesmo que nem sempre saiamos vitoriosos, nós precisamos dessas missões.
  • 21. Mesmo quando nós falhamos não significa a perda completa do trabalho. Sempre se aprende, nem que seja um aprendizado para a próxima reencarnação. Nada é inútil na obra da criação. Deus é infinitamente poderoso, onisciente, justo, bom, conhecedor de tudo. Tudo o que Ele faz é perfeito. 580 – O Espírito que se encarnapara cumpriruma missão,tem a mesma apreensão que aquele que o faz como prova? Não, ele tem a experiência. Comentários: O Espírito elevado, ao reencarnar com determinada missão, tem experiência adquirida em anteriores reencarnações acerca do assunto que assumiu para desempenhar.Nesse campo,ele tem domínio próprio.Se, porventura, comete alguns desvios, é conscientemente, e aqueles que têm profunda segurança trabalham com alegria e certeza de que não irão falhar na sua missão. Mas, o Espírito que vem na condição de provação, ainda não tem todo entendimento, todo esclarecimento, toda segurança, toda fé necessária para bem exercero seucompromisso aquino mundo material. Ele vem à Terra para saldar compromissos, ou em processo de despertamento em duras provas, que lhe fazem abrir os olhos para a luz do entendimento. Os dois passam por provas, no entanto, as reações deles são diferentes,por ser diferente o seu estado evolutivo. O Espírito evoluído sofre as influências do ambiente e até paga algumas dívidas, mas é consciente e resignado; mesmo sofrendo,trabalha em favor dos que padecem.Entretanto, o ignorante da sua própria vida revolta-se com qualquer arranhão, e as dificuldades da vida o põem em desespero. Quando já possui um pouco de esclarecimento, saberá que no amanhã as suas condições irão melhorar, desde quando adquira experiência, de sorte a acumular na consciênciao que é melhor para a sua resistência, nos caminhos das provas pelas quais haverá de passar. Os Espíritos que guiam a humanidade sob a supervisão de Jesus têm muita paciência com o rebanho do Senhor, por terem passado pelos mesmos caminhos e feito as mesmas coisas que todos fazem, mas como são Espíritos mais velhos, já acumularam experiências que lhes garantem a estabilidade emocional e a tranquilidade imperturbável da consciência. Nós que estamos aqui hoje poderemos, no amanhã, ser colocado como ministro do Senhor, a orientar parte do rebanho que Deus e Jesus nos determinarem. Aí, terá chegado a hora de também tolerar os malfeitos; dos que vêm na retaguarda, portanto, aprendamos desdehoje a usar a tolerância.
  • 22. 581 – Os homens que sãoa luz do gênero humano, que clareiam peloseu gênio, têm certamente uma missão; mas entre eles há os que erram e que, ao lado de grandes verdades, propagam grandes erros. Como se deve considerar sua missão? Como enganados por si mesmos. Eles estão abaixo da tarefa que empreenderam. Entretanto, é preciso ter em conta as circunstâncias; os homens de gênio devem falar segundo os tempos e tal ensinamento, que parece errôneo ou pueril em uma época avançada, podia ser suficiente para seu século. Comentários: Cada sociedade estácapacitadapara determinado aspecto daverdade,e não se pode alterar ou agredir sua capacidade limitada. Muitos dos irmãos não puderam aceitar, nem mesmo parcialmente,as verdades anunciadas, por falta de evolução e não são julgados,pois eles não são culpados da sua ignorância. Há também aqueles que falseiam a verdade em algum momento e vão arcar com suas próprias responsabilidades. Às vezes, há Espíritos que estão abaixo da tarefa que solicitaram para executar e, por isso acabam se equivocando. Deus sabe da sua capacidade. Sabe que esses Espíritos missionários têm condições de desempenhar bem aquela tarefa, mas às vezes, a influência da matéria, do mundo em si, acaba se perdendo pelocaminho e não cumprem as suas missõesnatotalidade, mas não significa que eles não eram capazes, apenas se perderam um pouco nos rumos que deveria percorrer. O fato de trazerem alguns erros não os desabonacompletamente.Eles podem ter falhado em parte nas suas missões, mas trouxeram grandes benefícios à sociedade, à humanidade, auxiliando no processo de crescimento. O mundo espiritual é consciente destas falhas, ou do que se julga falha. No entanto, o que esses missionários fizeram já foiuma cooperação em favordos que desconheciam certas verdades.Nem todos têm a mesmaestrutura moral dos que já se elevaram, de maneira a serem Espíritos puros. É de se notar que muitos dos missionários que estiveram na Terra, tiveram falhas, em se comparando com o progresso dos nossos dias, mas deram o ensinamento que podiam dar, e o que não fizeram, voltarão depois para terminar, fazendo-o com amor e pela causa do bem da coletividade. As verdades são expostas à medida que temos condições de compreender. Aquilo que antes era verdade não se transforma em uma mentira, mas é sobreposta por outras verdades que vão surgindo e, dessa forma, são bases de sustentação para aquilo que vem depois, por isso é importante analisar o contexto histórico, tecnológico e social.
  • 23. 582 – Pode-se considerar a paternidade como uma missão? É, sem contradita, uma missão; é ao mesmo tempo um dever muito grande e que obriga, mais do que o homem pensa, sua responsabilidade pelo futuro. Deus colocouo filho sob a tutela dos pais para que estes o dirijam no caminho do bem, e facilitou sua tarefa dando-lhe uma organização frágil e delicada que o torna acessívela todas as impressões.Mas há os que se ocupam mais em endireitar as árvores do seu jardim e as fazer produzir muitos e bons frutos, que endireitar o caráter de seufilho.Se este sucumbe porsuafalta, carregarão a pena, e os sofrimentos do filho na vida futura recairão sobre eles, porque não fizeram o que dependiadeles paraseuadiantamento no caminho do bem. Comentários: A responsabilidade dos pais para com os filhos. Os filhos são empréstimos de Deus para nós guiarmos no caminho do bem. A paternidade e a maternidade é uma missão importantíssima dentro da sociedade e aos olhos de Deus. Muitos falham nessa missão sublime: - Não dão a atenção necessária aos filhos; - Não trabalham verdadeiramente a educação dos filhos; - Não os encaminham numa formação espiritual - Se preocupam mais com o crescimento de bens materiais, com o trabalho, com os problemas pessoais e deixam os filhos serem criados por outras pessoas (babás, escolas, televisão, redes sociais, celular), retirando a responsabilidade da educação. Educar dá trabalho. Não é fácil moldar a educação,o caráter de uma criança, mas essa é a função dos pais. Nós que pedimospara termos uma família, para termos filhos,não pedimosà toa. Sabíamos das responsabilidades que envolvem esse planejamento reencarnatório. Precisamos estarmos conscientes dos nossos deveres. Se a nossa postura de negligência, de omissão contribuir para um encaminhamento inadequado dos nossos filhos, temos a nossa grande parcela de responsabilidade que iremos responder por ela perante Deus. Reflexão: Será que estamos agindo para com os nossos filhos como devemos agir?
  • 24. Será que estamos incluindo no amor que temos por nossos filhos, a atenção, o cuidado,a preocupação,afirmeza, a fé e outros sentimentos que contribuam para o crescimento desses empréstimos de Deus para nós? Será que estamos agindo para com os nossos filhos com o verdadeiro amor da forma que Deus age conosco? Ele nos ama verdadeiramente e trabalha incessantemente em nosso benefício, de forma que consigamos os valores imortais da vida. Será que estamos elevando espiritualmente os nossos filhos, mostrando os caminhos da intelectualidade e, acima de tudo os da moralidade e do amor? Estamos cumprindo com os nossos filhos as responsabilidades que Deus espera de nós? Muitas vezes trabalhamos muito, queremos oferecer o melhor estudo, a melhor profissão aos nossos filhos e deixamos a religiosidade, a parte espiritual. A religiosidade é a base de valores que fará com que eles tenham condições de enfrentar o mundo, principalmente, nesse momento de transição, onde vemos muitas dificuldades, dores e lutas. Precisamos refletirpara que no amanhã nossos filhos não cometam atitudes, como o suicídio, ou outras atitudes pelas quais poderemos nos sentirmos culpados porque não agimos como deveríamos. Refletir enquanto há tempo para mudar, de renovar. Precisamos trazerJesus paradentro dos nossos lares,paradentro dos nossos corações. O Evangelho de Jesus é fundamental na construção da base de sustentação de uma família, tanto para nós como pais diante das nossas responsabilidades, quanto para os filhos. O principal instrumento para todas as famílias é o Evangelho de Jesus. Quando ele entrar nos lares como uma cartilha divina de educação, a harmonia irá chegar aos corações e seus ocupantes tomar-se-ão melhores, conscientes dos seus deveres junto à família e à sociedade. O homem tem mais necessidade de Jesus do que de alimento para o corpo. Devemos sempre buscar orientação através da prece. 583 – Se uma criança se torna má, malgrado os desvelos de seus pais, estes são responsáveis? Não; porém, quanto mais as disposições da criança são más, mais é penosa a tarefa, e maior será o mérito se eles conseguiremdesviá-lado mau caminho.
  • 25. 583.a)Se uma criançaresulta um bom sujeito,malgrado a negligência ou os maus exemplos dos pais, estes retiram algum fruto? – Deus é justo. Comentários: 1.º - Se os pais cumpriram seus deveres ante seus filhos,procurando todos os meios para educá-los e instruí-los, e esses continuaram negligentes, dada à falta de amadurecimento espiritual, não há razão que possa condenar esses pais. Todos nós temos o livre-arbítrio e os filhos mesmo recebendo uma boa educação,uma boa orientação dos pais, optaram a seguir o caminho do erro. Essa foi a sua escolha. Eles é que serão responsabilizados e precisarão responder por suas más escolhas e não os pais que agiram corretamente. Quanto maior e mais difícil for a tarefa, maior será o mérito dos pais, se eles conseguem desviar o filho do mau caminho. Deus sabe premiá-los pelos seus esforços, mediante seus trabalhos para elevarem seus filhos. 2.º - Deus é justo. A cada um segundo as suas obras. Quem terá o mérito é o filho que mesmo em um ambiente pouco ou quase nada propício ao bem,conseguiupor si mesmo e não por ajuda que cabia aos pais fazê-lo crescer e evoluir. Os pais responderão pela sua omissão, pela sua negligência e não tirarão proveito da atitude do filho. 584 – Qual pode ser a natureza da missão de um conquistador que não tem em vista senão satisfazer sua ambição e que, para atender ao seu objetivo, não recua diante de nenhuma das calamidades que arrasta atrás de si? Ele não é, o mais frequentemente, senão um instrumento do qual Deus se serve para o cumprimento dos seus desígnios, e essas calamidades são, algumas vezes, um meio de fazer um povo avançar mais depressa. 584.a) Aquele que é instrumento dessas calamidades passageiras, é estranho ao bem que delas pode resultar,visto que não visava senãoum objetivo pessoal; não obstante, aproveitará desse bem? Cada um é recompensado segundo suas obras, o bem que quis fazer e a retidão de suas intenções.
  • 26. Allan Kardec: Os Espíritos encarnados têm ocupações inerentes à sua existência corporal. No estado errante ou de desmaterialização, essas ocupações são proporcionais ao grau do seu progresso. Uns percorrem os mundos, se instruem e se preparam para uma nova encarnação. Outros, mais avançados, se ocupam com o progresso, dirigindo os acontecimentos e sugerindo pensamentos propícios; assistem os homens de gênio que concorrem para o adiantamento da Humanidade. Outros se encarnam com uma missão de progresso. Outros tomam sob sua tutela os indivíduos,as famílias,os aglomerados, as cidades e os povos, dos quais são os anjos guardiães, os gênios protetores e os Espíritos familiares. Outros, enfim, presidem aos fenômenos da Natureza, dos quais são os agentes diretos. Os Espíritos vulgares se misturam às nossas ocupações, aos nossos divertimentos. Os Espíritos impuros ou imperfeitos esperam, nos sofrimentos e nas angústias,o momento em que praza a Deus proporcionar-lhes os meios de avançar. Se eles fazem o mal é por despeito ao bem, do qual não podem ainda gozar. Comentários: Cada um é recompensadocom suas obras,com o bem que tentoufazer e com a retidão das suas atitudes. Esses conquistadores podem ter vindo com essa missão. Com a missão de conquistar em benefício da humanidade, livrar a humanidade de situações como a opressão. Conquista para desenvolver o progresso da humanidade. Não com o objetivo de satisfazer apenas a sua ambição e de espalhar calamidades sem se importar com as consequências dos seus atos. Ninguém vem com missão de fazer o mal. A missão é sempre positiva, sempre construtiva, sempre para o bem. Os conquistadoresque vieram e durante a execução dasua missão cumpriram parcialmente vão responder parcialmente pelos erros cometidos. Aqueles que nadafizeram,que se desvirtuaram completamente vão responder também. Aqueles que cumpriram bem a sua missão serão agraciados perante ao Pai. Deus é tão perfeito que quando esses dominadores, esses conquistadores acabam fazendo o mal, espalhando calamidades em função da sua missão, Ele permite que aquelas calamidades sejam úteis à humanidade, passando a ser um meio para que o povo possa progredir mais rapidamente.
  • 27. É a lei de destruição que vem quando a humanidade está muito lenta. São as calamidades. São momentos que a humanidade se une para desenvolver a fraternidade, deixando de pensar somente em si, olhando para o próximo que está sofrendo,despertando o sentimento de amor e de união, avançando em poucos anos o que demoraria séculos. Embora ninguém tenha vindo à Terra para fazer o mal, caso isso aconteça, Deus permite que essa calamidade seja aproveitada para potencializar o progresso e o desenvolvimento do homem. - Questão 745 - Napoleão Bonaparte - Segunda Guerra Mundial Kardec elenca algumas observações referentes aos vários níveis evolutivos dos Espíritos e das missões que às vezes ocupam em função dasuaevolução, da sua condição. https://www.apometriaalvorecer.org.br/quem-foi-hitler-na-otica-espirita.html
  • 28. REFERÊNCIAS: KARDEC,Allan. A Gênese: Os Milagres e as Predições Segundo o Espiritismo. Tradução de Salvador Gentile. 52ª Ed. Araras – SP: IDE,2018. KARDEC,Allan. O EvangelhoSegundo o Espiritismo.Tradução de Salvador Gentile. 365ª Ed. Araras – SP: IDE, 2009. KARDEC,Allan. O Livro dos Espíritos.Tradução de Salvador Gentile. 182ª Ed. Araras – SP: IDE, 2009. KARDEC,Allan. O Livro dos Médiuns.Tradução de Salvador Gentile. 85ª Ed. Araras – SP: IDE, 2008. KARDEC,Allan. Obras Póstumas.Tradução de Guillon Ribeiro. 19ª Ed. Rio de Janeiro: FEB,1983. XAVIER,Chico. A Caminho da Luz.21ª ed. Rio de Janeiro: FEB, 1995.Pelo Espírito Emmanuel. XAVIER,Chico. Nosso Lar. 61ª ed. Brasília: FEB, 2010.Pelo Espírito André Luiz. XAVIER,Chico. Os Mensageiros.47ª ed. Brasília: FEB, 2017.Pelo Espírito André Luiz. XAVIER,Chico. Missionáriosda Luz. 43ª ed. Rio de Janeiro: FEB,2009. Pelo Espírito André Luiz. XAVIER,Chico. Obreiros da Vida Eterna.35ª ed. Brasília: FEB, 2017.Pelo Espírito André Luiz. XAVIER,Chico. No MundoMaior.28ª ed. Brasília: FEB, 2017.Pelo Espírito André Luiz. XAVIER,Chico. Libertação.33ª ed. Brasília: FEB,2017.Pelo Espírito André Luiz. XAVIER,Chico. Entre a Terrae o Céu.27ª ed. Brasília: FEB, 2018.Pelo Espírito André Luiz. XAVIER,Chico. Nos domínios da Mediunidade.36ª ed. Brasília: FEB, 2018.Pelo Espírito André Luiz. XAVIER,Chico. Ação e Reação.30ª ed. Brasília: FEB, 2017.Pelo Espírito André Luiz.
  • 29. XAVIER,Chico & VIEIRA,Waldo. Evolução em dois Mundos.27ª ed. Brasília: FEB,2017.Pelo Espírito André Luiz. XAVIER,Chico & VIEIRA,Waldo. Mecanismos da Mediunidade.28ª ed. Brasília: FEB,2018.Pelo Espírito André Luiz. XAVIER,Chico & VIEIRA,Waldo. Sexo e Destino.34ª ed. Brasília: FEB, 2018.Pelo Espírito André Luiz. XAVIER,Chico. E a vida continua....1ª ed. Esp. Rio de Janeiro: FEB,2008. Pelo Espírito André Luiz. https://www.bibliaonline.com.br/ http://www.olivrodosespiritoscomentado.com/questoes.html https://www.youtube.com/user/livrodosespiritos/videos https://www.youtube.com/watch?v=4xRhAKctMo8&list=PLI- OgasY7T5tz8FFyT2yr5aKTPbavF7by&index=111 https://www.youtube.com/playlist?list=PLlRlJDlCghdwROpe8PBZF5_wFxlJqq UnZ https://espirito.org.br/