SlideShare uma empresa Scribd logo
2º REINADO
D. PEDRO II
1840 a 1889
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
D. Pedro II – 05 anos D. Pedro II – 15 anos
1840 1889
Golpe Maioridade Proclamação
D. Pedro II República
1. Contexto e aspectos importantes
o Agitações internas: revoltas regenciais.
o Liberais com apoio dos Conservadores
anteciparam a idade mínima legal para
D. Pedro II assumir o poder com 15 anos.
o Parlamentarismo e estabilidade política.
o Questão Platina e Guerra do Paraguai.
o Expansão cafeeira e surto industrial.
o Crise de mão de obra e imigração europeia.
o Abolicionismo.
2. Política interna
Eleições do Cacete:
o Voto aberto, violência e repressão.
o Maioria liberal.
o Ministério dos Andradas.
o Oposição dos Conservadores.
o Anulação das eleições do cacete.
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Conservadores no poder
o Anulação das eleições do cacete.
o Penas severas contra subversão.
o Conselho de Estado restabelecido.
o Voto censitário mais rigoroso.
o Chefe de polícia nas províncias.
o Rígido controle militar no país.
Revoltas Liberais de 1842
o Conservadores X Liberais.
o Liberais rejeitaram conservadores no poder.
o Levantes em São Paulo e Minas Gerais.
o Líderes: T. Aguiar e Diogo Feijó.
o Repressão da Guarda Nacional e do Exército.
o Negociações conduzidas pelo Barão de Caxias.
o Prisões e anistia dos envolvidos.
Parlamentarismo às avessas
Clássico modelo inglês:
o Rei: chefe de Estado.
o Reina mas não governa.
o 1º Ministro: chefe de Governo.
o Maioria no Parlamento.
o Amplos poderes.
Parlamentarismo brasileiro
Poder Moderador:
o Rei concentrava amplos poderes.
o Convocava e anulava eleições.
o Formava o Conselho de Ministros.
o Nomeava o Presidente do Conselho de
Ministros (1º Ministro).
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Inglaterra:
O rei reina mas não governa.
Brasil:
O rei reina, ri e rói.
Reina sobre o Estado,
Ri do Parlamento,
Rói o povo.
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Estrutura política
o Partidos Liberal e Conservador.
o Sem diferenças ideológicas.
o Projetos políticos indefinidos.
o Representavam as elites.
o Lutavam pelo poder.
o “Farinha do mesmo saco.”
“Nada mais igual a um saquarema
do que um luzia no poder.”
(Holanda Cavalcanti)
Liberais e Conservadores:
o Possuíam mais semelhanças que diferenças.
o Vinham da elite, proprietários de escravos,
latifundiários e lucravam com a produção
monocultora e a exportação.
o Os conservadores defendiam maior
centralização política e os liberais maior
descentralização política.
Ministério da conciliação:
o Formado por liberais e conservadores,
representou a consolidação de estabilidade
política no 2º Reinado.
o A conciliação foi um mecanismo capaz de
fortalecer a unidade de interesses da elite que
controlava a vida política nacional.
o O Segundo Reinado manteve a estrutura
centralizada sem maiores problemas políticos.
Revolução Praieira (1848 – 1849)
Contexto e fatores:
o Tradição revolucionária Pernambuco.
o Concentração de terras.
o Exclusão social e política.
o Antilusitanismo.
o Ideais republicanos.
o Ideais socialistas (França: Revolução de1848).
"Quem viver em Pernambuco
não há de estar enganado,
ou há de ser Cavalcanti,
ou há de ser cavalgado."
Manifesto ao mundo:
o Voto livre e universal.
o Liberdade de imprensa.
o Direito ao trabalho.
o Reforma agrária.
o Fim do poder moderador.
o Livre comércio.
o Reforma do Poder Judiciário.
Processo:
o Partido da Praia: Jornal Diário Novo – reduto
dos liberais.
o Conservadores anularam a posse do liberal
Chichorro da Gama ao Senado.
o Houve influências marxistas no movimento.
o Líderes: Borges da Fonseca, Pedro Ivo,
Nunes Machado.
Consequências:
o Isolamento e deserções.
o Repressão violenta.
o Prisões e fuzilamentos.
o “Ordem” venceu a contestação.
o Inimigos do sistema dominados.
o Fim das revoltas e pacificação.
3. Política externa
Questão escravista:
o A Inglaterra pressionava contra o tráfico e a
escravidão interessada em mercado consumidor.
o O escravismo barateava os produtos brasileiros
encarecendo os produtos ingleses.
o Capitais utilizados na compra de escravos
sobrariam para comprar mercadorias inglesas.
Questão Christie (1862 – 1865):
o Crise diplomática entre Brasil e Inglaterra.
Razões:
o O naufrágio do Navio Príncipe de Gales no Rio
Grande do Sul (1861) com o saque da carga.
o A prisão de três oficiais da marinha inglesa.
o O embaixador Christie exigiu indenização e
pedido de desculpas pela prisão dos oficiais.
O embaixador inglês
William D. Christie foi
pivô do rompimento
diplomático entre
Brasil e Inglaterra.
Consequências e desfecho da crise:
o Cinco navios brasileiros foram aprisionados.
o O Brasil pagou a indenização.
o Leopoldo I da Bélgica, árbitro da questão, deu
razão ao governo brasileiro.
o Houve ruptura diplomática com a Inglaterra.
o Em 1865 o governo inglês desculpou – se
com o governo brasileiro.
Questão platina:
o A região platina era disputada entre Portugal
e Espanha desde o século XVII.
o A colônia de Sacramento e a Cisplatina eram
alvos de disputas na Bacia Platina.
o A região era estratégica para o comércio.
o Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai entraram
em rota de colisão e guerras.
Uruguai contra Argentina:
o O Uruguai sofria influências políticas do Brasil
e da Argentina.
o Partido Blanco: composto por fazendeiros e
apoiado pela Argentina, era protecionista.
o Partido Colorado: composto por comerciantes
e apoiado pelo Brasil defendia o livre comércio.
Brasil contra Uruguai e Argentina:
o Oribe (Presidente do Uruguai) aliou – se à
Argentina (Rosas) que pretendia fortalecer a
economia argentina na região Platina, adotando
tarifas protecionistas e o controle da bacia.
o Alguns fazendeiros argentinos uniram – se a
Rivera (líder colorado) rival de Oribe.
o As medidas prejudicaram pecuaristas brasileiros
da região, contrariando o governo brasileiro.
Guerra entre Brasil e Uruguai (1851):
o Com apoio de Rivera (colorado) o Brasil entrou
em guerra contra Oribe (blanco).
o Rosas cercou Montevidéu e o Brasil atacou e
venceu a Argentina em 1852.
o O Brasil saiu fortalecido garantindo a livre
navegação na Bacia Platina.
o Rivera assumiu o governo uruguaio.
o Urquiza assumiu o governo argentino.
Batalha de Monte Caseros, 1852
Guerra entre Brasil e Uruguai (1864):
o Bernardo Berro (Blanco) aliou – se aos
federalistas de Corrientes/Entre Rios que se
opunham ao republicano Mitre (Presidente).
o Solano Lopez (Ditador Paraguaio) apoiou Berro
para proteger seus interesses no Prata.
o Mitre apoiava os colorados de Flores contra os
blancos e recebeu ameaças de Solano Lopez.
Brasil X Uruguai:
o 1864: os blancos elegeram Atanásio Aguirre.
o Fazendeiros gaúchos reclamavam de abusos
cometidos pelo governo uruguaio blanco contra
brasileiros que apoiavam os colorados.
o Brasil e Argentina invadiram o Uruguai em apoio
aos colorados e à liberação da Bacia Platina.
o Em represália Solano Lopez apreendeu o Navio
Marquês de Olinda em 1864.
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Guerra do Paraguai (1864 – 1870)
Antecedentes:
o Independente em 1811, o Paraguai era um
país agrário, economia precária, dependente
de importações e sistema político ditatorial.
O grande Paraguai – crescimento e expansão:
o Sem saída para o mar, era dependente da
Bacia Platina para expansão econômica.
O Paraguai antes da guerra:
A sociedade era mais tradicional e rural do que urbana
e moderna, arcaica e extremamente desigual, com altos
índices de analfabetismo. A economia era extremamente
fraca, o país importava a maioria dos manufaturados de que
necessitava. O Paraguai não possuía grande efetivo militar,
nem organização militar moderna. Soldados despreparados e
os armamentos arcaicos. A logística do exército era
extremamente deficiente, carecia de atendimento hospitalar
e defornecimento de provisões, alimentos e munições.
Tensões na região platina:
o Rivalidades na Bacia Platina entre Brasil,
Argentina, Uruguai e Paraguai.
o Em disputa o controle da navegação e comércio.
o Brasil e Argentina invadiram o Uruguai em
oposição à eleição do blanco Atanásio Aguirre.
o Solano Lopez apreendeu o Navio Marquês de
Olinda e invadiu o Brasil e a Argentina em 1865.
Francisco Solano Lopez,
ditador, governou o
Paraguai de 1862 a 1870.
Aliado do uruguaio e
blanco Aguirre, tinha
projeto expansionista na
região platina. Aguirre
perdeu a guerra para
Brasil e Argentina
frustrando Solano Lopez,
que resolveu invadir
terras brasileiras e
argentinas em 1865.
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Tríplice Aliança – Brasil, Argentina e Uruguai:
o Ameaçados e com um inimigo comum,
Argentina, Brasil e Uruguai assinaram, sob
influência da Inglaterra, o Tratado da Tríplice
Aliança (01/05/1865) em Buenos Aires.
o Segundo o mesmo, as tropas aliadas ficariam
sob comando do então presidente da
Argentina, Bartolomeu Mitre.
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
O exército brasileiro: era um despreparado para entrar em
uma guerra. O exército era mal organizado e pequeno para o
tamanho do território e de sua população, o serviço militar
era tido como castigo, na maior parte o recrutamento era
arbitrário e violento. A infantaria que lutou na Guerra do
Paraguai não era formada de soldados profissionais, mas
por Voluntários da Pátria, aqueles que se entregavam pela
causa. Grande parte era formada por escravos enviados
pelos fazendeiros ou negros alforriados. Coube à Guarda
Nacional do Rio Grande do Sul formar a cavalaria na guerra.
Operações militares:
o O Paraguai estava melhor preparado, com
exército entre 28.000 e 57.000 homens.
o O Brasil possuía 16.000 homens.
o A Argentina: entre 10.000 e 15.000 homens.
o O Uruguai cerca de 5.000 homens.
o As batalhas foram sangrentas e duraram até
a queda de Solano Lopez em 1870.
Batalhas: Forças brasileiras, com o Almirante Barroso, venceram a
batalha do Riachuelo, libertando o Rio Grande do Sul. Em maio de 1866,
a batalha de Tuiuti deixou 10 mil mortos e nova vitória das tropas
brasileiras. Em setembro de 1866, os paraguaios derrotaram as tropas
brasileiras em Curupaiti. Luís Alves de Lima e Silva, o duque de Caxias,
assumiu o comando das tropas brasileiras. Em 1867, a Argentina e o
Uruguai se retiraram da guerra. Ao lado de Caxias, outro destaque foi o
general Manuel Luís Osório. As tropas brasileiras venceram sucessivas e
decisivas batalhas: Humaitá, Itororó, Avaí, Angostura e Lomas
Valentinas. No início de 1869, o exército brasileiro tomou Assunção. A
guerra chegou ao fim em março 1870, com a Campanha das
Cordilheiras. Em Cerro Corá o ditador Solano López foi morto.
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
D. Pedro II - Soldado
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Batalha do Riachuelo
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Consequências para o Paraguai
o A população de 800 mil pessoas, baixou para
194 mil pessoas, com cerca de 80% de
homens mortos.
o A economia reduzida à agricultura com sua
indústria destruída.
o Dívidas com Brasil, além de perder territórios
para Brasil e Argentina.
Consequências para a Argentina
o Reconquista dos territórios de Entre Rios e
Corrientes e anexou parte do Paraguai.
o Ganhou muito dinheiro abastecendo de
suprimentos o Exército aliado.
Consequências para a Inglaterra
o A Inglaterra obteve grandes lucros fazendo
empréstimos e vendendo armas.
Consequências para o Brasil
o Milhares de mortos.
o Dívida externa foi elevada.
o Anexação de parte do Mato Grosso.
o Fortalecimento político do Exército.
o Abolicionismo através do Exército.
o Ideais republicanos e crise do Império.
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
A Paraguaia
Juan Manuel Blanes (1879)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
4. Economia
Divisão Internacional do Trabalho
o Europa industrializando – se.
o Periferia: fornecer primários para abastecer a
Europa.
o Brasil: café, açúcar, algodão, fumo, cacau.
o Açúcar e algodão em crise.
EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS ( 1830 – 1890 )
1830 - 1840 1850 – 1860 1880 – 1890
CAFÉ 43,8% 48,8% 61,5%
AÇÚCAR 24,0% 21,2% 9,9%
ALGODÃO 10,8% 7,5% 4,2%
TABACO 1,9% 2,6% -
COUROS 7,9% 7,2% 3,2%
Expansão cafeeira
o Séc. XVIII – mercado interno.
o Do Maranhão à Santa Catarina.
o Crise: açúcar, algodão, mineração.
o Séc. XIX: base econômica do país.
o Rio de Janeiro, Vale do Paraíba, Minas
Gerais, Oeste Paulista, Paraná.
Oeste
Paulista
Vale do
Paraíba
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Características gerais
o Exigência de pouco capital.
o Tecnologias simples.
o Terras abundantes.
o Estrutura da mineração: escravos, tropas de
mulas, estradas.
o Regiões exportadoras: Vale do Paraíba e
Oeste Paulista.
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
O Lavrador de Café - Portinari
Café - Portinari
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Vale do Paraíba (1830/1860)
Estrutura do ouro
o Terras, escravos, mulas, portos.
Aspectos político – ideológicos
o Fazendeiros escravistas.
o Monarquistas.
o Tecnologias precárias.
o Solo massapê.
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Oeste Paulista – Após 1850
Infraestrutura e ideologia
o Terra roxa.
o Clima ameno.
o EUA se abre como mercado.
o Portos, ferrovias, escravos.
o Fazendeiros: empreendedores, republicanos
e a favor da imigração.
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Surto Industrial
Era das Modernizações
o Portos e máquinas industriais.
o Bancos e casas comerciais.
o Telégrafo, telefone.
o Urbanização.
o Brasil – inserção na Europa.
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Dificultadores à industrialização
o Sem burguesia sólida.
o Sem excedente de capitais.
o Sem mercado consumidor.
o Sem autonomia em energia.
o Mão – de – obra desqualificada.
o Inviável a concorrência com a Inglaterra.
Tarifa Alves Branco (1844)
o Protecionista.
o Incentivou atividades industriais.
Tarifas estabelecidas
o 30% “ad valorem” – sem similar nacional.
o 60% “ad valorem” – com similar nacional.
A Tarifa Alves Branco encarecia o custo dos
importados ingleses, barateando os produtos
brasileiros, beneficiando os empresários nacionais.
Barão de Mauá – Empreendedor
o Banco Mauá.
o Ferrovia Santos – Jundiaí.
o Estaleiros e fundições.
o Cabo telegráfico intercontinental.
o Fábricas diversas.
o Iluminação pública.
Barão de Mauá
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Lei Silva Ferraz – 1860
o Revogou Tarifa Alves Branco.
o Fim das tarifas protecionistas.
o Produtos ingleses mais baratos.
o Falências e crise econômica.
o Liberalismo inglês superou o protecionismo
de D. Pedro II.
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
5. Questão Social
Escravidão dos negros africanos
Pressões antitráfico inglesas
o Formar mercado consumidor.
o Falso humanitarismo.
o 1808 – Acordos com D. João.
o 1810 – Escravos somente das colônias
portuguesas na África.
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
O Mestiço - Portinari
“Só pra inglês ver”:
o 1815 – Proibido capturar negros ao Norte
do Equador.
o 1830 – Lei proibindo o tráfico de negros.
LEIS PARA INGLÊS VER
As leis eram impostas e aparentemente aceitas,
numa suposta vontade política de pôr fim ao
tráfico e a escravidão de negros. Para os ingleses,
mercado consumidor, mas para os portugueses
representaria menos mão – de – obra para o café..
Bill Aberdeen (1845)
o Resposta inglesa à Tarifa Alves Branco.
o Navios negreiros seriam presos por navios
ingleses em alto mar ou nos portos.
o Tripulação julgada na Inglaterra e os negros
devolvidos em colônias inglesas ou à África.
o Navios foram apreendidos/sequestrados nos
portos brasileiros.
Lei Eusébio de Queirós – 1850
o Determinava o fim do tráfico de escravos
africanos.
o As pressões inglesas funcionaram.
NEGROS NO BRASIL
1836/1840 ............ 240.600
1841/1845 ............ 120.900
1846/1850 ............ 257.500
1851/1855 ............ 6.100
Crise de mão – de – obra
o A Lei Eusébio de Queirós cessou a entrada
de escravos.
o Café em expansão exigia maior quantidade
de mão – de – obra.
o Os negros resistiam, tinham grande
mortalidade e baixa expectativa de vida.
o O contrabando encarecia o negro africano.
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Imigração europeia
Colônias de imigrantes
o Período Joanino.
o Nordeste, Sudeste, Sul.
o Colonos em regiões fronteiriças.
Problemas
o Estrutura colonial de latifúndios e monocultura
inviabilizou a agricultura familiar.
Sistema de Parceria
o Fazendeiros garantiam todas as despesas
dos imigrantes.
o Garantias: passagens, comida, hospedagem,
parte na produção.
“ VÁ PARA O BRASIL!
TERRA DA ÁGUA CLARINHA,
DO CLIMA MARAVILHOSO E
DA MATA VERDINHA!
VÁ PARA O BRASIL!
VOCÊ TERÁ TERRA,
CASA E COMIDA GRÁTIS.”
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Problemas:
Trabalho livre, mentalidade escravista.
o Custos sempre mais altos que a receita.
o Escravidão por dívidas.
o Muitos imigrantes enganados.
o Os que puderam voltaram ao país de origem.
o Houve enfrentamentos com os fazendeiros.
Imigração subvencionada
o Subvenção: ajuda ou custeio.
o Estado financiava as despesas com garantia
de salários e parte na renda.
o Sistema combinava escravidão com
assalariamento.
o Intensificada a imigração.
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Lei de terras (1850)
o Terras para quem tivesse dinheiro para
compra – las.
o Agravou a estrutura fundiária.
o Pobres, negros, imigrantes não tinham
acesso à terra.
o Situação feudal em algumas regiões do país.
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Abolicionismo
o Imigração crescente.
o Escravidão tornou – se inviável.
o Campanha para acabar com a escravidão no
Brasil.
o Políticos, advogados, médicos, intelectuais,
clubes, imprensa politizaram a campanha.
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Leis Abolicionistas
Lei do Ventre Livre – 1871
o Lei Rio Branco.
o Negros nascidos a partir dela estariam livres.
o Deveriam ficar na fazenda até 08 anos,
estariam livres mediante indenização ou
trabalhariam até 21 anos, depois livres.
o Possibilitou a transição, lenta e gradual, no
Brasil da escravidão para a mão-de-obra livre.
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Lei dos Sexagenários – 1885
o Lei Saraiva – Cotegipe.
o Libertava todos os negros aos 60 anos
mediante algumas condições.
o Deveriam permanecer na fazenda até os 65
anos ou indenizar o fazendeiro em dinheiro.
o A expectativa de vida dos negros era pequena.
o Foi chamada de gargalhada nacional.
Lei Áurea (1888)
o Lei João Alfredo.
o Abolição legal da escravidão no Brasil.
RACISMO CORDIAL
Em dois artigos a Lei Áurea pretendia resolver
a questão da escravidão no Brasil. Não houve
nenhum debate ou projeto para inserção dos
negros no mercado de trabalho. Os negros
sairam das senzalas para as favelas, num
sistema preconceituoso e excludente.
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
“Depois que os últimos escravos
houverem sido arrancados ao poder
sinistro que representa para a raça negra
a maldição da cor, será ainda preciso
desbastar, por meio de uma educação
viril e séria, a lenta estratificação de
trezentos anos de cativeiro, isto é, de
despotismo, superstição e ignorância.”
(Joaquim Nabuco – 1883)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
“A abolição libertou os brancos
do fardo pesado da
escravidão, abandonando os
negros à própria sorte.”
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)
Brasil: 2º Reinado (1840-1889)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
Luis Alberto Bassoli
 
Segundo reinado slide
Segundo reinado slideSegundo reinado slide
Segundo reinado slide
professordehistoria
 
Brasil: República Oligárquica (estruturas e questões sociais e políticas)
Brasil: República Oligárquica   (estruturas e questões sociais e políticas)Brasil: República Oligárquica   (estruturas e questões sociais e políticas)
Brasil: República Oligárquica (estruturas e questões sociais e políticas)
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Primeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencialPrimeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencial
Tatiana Rezende
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
Douglas Barraqui
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
Fatima Freitas
 
Crise de1929: Entreguerras (1918-1939)
Crise de1929: Entreguerras (1918-1939)Crise de1929: Entreguerras (1918-1939)
Crise de1929: Entreguerras (1918-1939)
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
A ditadura militar
A ditadura militarA ditadura militar
A ditadura militar
Gilmar Rodrigues
 
Revoluções Liberais na Europa no Século XIX
Revoluções Liberais na Europa no Século XIXRevoluções Liberais na Europa no Século XIX
Revoluções Liberais na Europa no Século XIX
Marcos Mamute
 
Neocolonialismo ou Imperialismo
Neocolonialismo ou ImperialismoNeocolonialismo ou Imperialismo
Neocolonialismo ou Imperialismo
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
13 colônias inglesas
13 colônias inglesas13 colônias inglesas
13 colônias inglesas
harlissoncarvalho
 
Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)
Edenilson Morais
 
Ideologias do século XIX
Ideologias do século XIXIdeologias do século XIX
2ª guerra mundial 1939 a 1945 sldsh
2ª guerra mundial 1939 a 1945 sldsh2ª guerra mundial 1939 a 1945 sldsh
2ª guerra mundial 1939 a 1945 sldsh
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Guerra da Coréia
Guerra da CoréiaGuerra da Coréia
Guerra da Coréia
Valéria Shoujofan
 
A constituição de 1824 - Prof. Altair Aguilar
A constituição de 1824 - Prof. Altair AguilarA constituição de 1824 - Prof. Altair Aguilar
A constituição de 1824 - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
A Primeira Guerra em imagens
A Primeira Guerra em imagensA Primeira Guerra em imagens
A Primeira Guerra em imagens
Alex Macedo
 
Revolução Russa
Revolução Russa Revolução Russa
Revolução Russa
Rose Vital
 

Mais procurados (20)

Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
 
2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Segundo reinado slide
Segundo reinado slideSegundo reinado slide
Segundo reinado slide
 
Brasil: República Oligárquica (estruturas e questões sociais e políticas)
Brasil: República Oligárquica   (estruturas e questões sociais e políticas)Brasil: República Oligárquica   (estruturas e questões sociais e políticas)
Brasil: República Oligárquica (estruturas e questões sociais e políticas)
 
Primeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencialPrimeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencial
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Crise de1929: Entreguerras (1918-1939)
Crise de1929: Entreguerras (1918-1939)Crise de1929: Entreguerras (1918-1939)
Crise de1929: Entreguerras (1918-1939)
 
A ditadura militar
A ditadura militarA ditadura militar
A ditadura militar
 
Revoluções Liberais na Europa no Século XIX
Revoluções Liberais na Europa no Século XIXRevoluções Liberais na Europa no Século XIX
Revoluções Liberais na Europa no Século XIX
 
Neocolonialismo ou Imperialismo
Neocolonialismo ou ImperialismoNeocolonialismo ou Imperialismo
Neocolonialismo ou Imperialismo
 
13 colônias inglesas
13 colônias inglesas13 colônias inglesas
13 colônias inglesas
 
Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)
 
Ideologias do século XIX
Ideologias do século XIXIdeologias do século XIX
Ideologias do século XIX
 
2ª guerra mundial 1939 a 1945 sldsh
2ª guerra mundial 1939 a 1945 sldsh2ª guerra mundial 1939 a 1945 sldsh
2ª guerra mundial 1939 a 1945 sldsh
 
Guerra da Coréia
Guerra da CoréiaGuerra da Coréia
Guerra da Coréia
 
A constituição de 1824 - Prof. Altair Aguilar
A constituição de 1824 - Prof. Altair AguilarA constituição de 1824 - Prof. Altair Aguilar
A constituição de 1824 - Prof. Altair Aguilar
 
A Primeira Guerra em imagens
A Primeira Guerra em imagensA Primeira Guerra em imagens
A Primeira Guerra em imagens
 
Revolução Russa
Revolução Russa Revolução Russa
Revolução Russa
 

Semelhante a Brasil: 2º Reinado (1840-1889)

Brasil Segundo Reinado
Brasil Segundo ReinadoBrasil Segundo Reinado
Brasil Segundo Reinado
Ramon Chieppe
 
Regência e reinado
Regência e reinadoRegência e reinado
Regência e reinado
Estude Mais
 
I reinado - Período Regencial e II Reinado
I reinado -  Período Regencial e II ReinadoI reinado -  Período Regencial e II Reinado
I reinado - Período Regencial e II Reinado
Educandário Imaculada Conceição
 
Aula 16 monarquia brasileira - 2° reinado
Aula 16   monarquia brasileira - 2° reinadoAula 16   monarquia brasileira - 2° reinado
Aula 16 monarquia brasileira - 2° reinado
Jonatas Carlos
 
O Segundo Reinado (1840 1889)
O Segundo Reinado (1840 1889)O Segundo Reinado (1840 1889)
O Segundo Reinado (1840 1889)
Alex Ferreira dos Santos
 
2º médio segundo reinado aulas 14 e 15
2º médio segundo reinado aulas 14 e 152º médio segundo reinado aulas 14 e 15
2º médio segundo reinado aulas 14 e 15
Lú Carvalho
 
Período regencial (17 05-10)
Período regencial (17 05-10)Período regencial (17 05-10)
Período regencial (17 05-10)
Bruna Sanchez
 
A Partir Da Regencia Site
A Partir Da Regencia   SiteA Partir Da Regencia   Site
A Partir Da Regencia Site
Carlos Glufke
 
A Partir Da Regencia
A Partir Da RegenciaA Partir Da Regencia
A Partir Da Regencia
guest923616
 
Osegundoreinado1840 1889-090925112825-phpapp01
Osegundoreinado1840 1889-090925112825-phpapp01Osegundoreinado1840 1889-090925112825-phpapp01
Osegundoreinado1840 1889-090925112825-phpapp01
Charles Vilhena
 
Guerra do Paraguai e a Crise do Império.pptx
Guerra do Paraguai e a Crise do Império.pptxGuerra do Paraguai e a Crise do Império.pptx
Guerra do Paraguai e a Crise do Império.pptx
israellucassilvamati
 
Segundo Reinado Módulo
Segundo Reinado  Módulo Segundo Reinado  Módulo
Segundo Reinado Módulo
CarlosNazar1
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - ImpérioEstudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
missaodiplomatica
 
Segundoreinadomestresdahistoria 110501080754-phpapp02 (1)
Segundoreinadomestresdahistoria 110501080754-phpapp02 (1)Segundoreinadomestresdahistoria 110501080754-phpapp02 (1)
Segundoreinadomestresdahistoria 110501080754-phpapp02 (1)
Gretiane Pinheiro
 
2° ano Primeiro Reinado e Regências
2° ano   Primeiro Reinado e Regências2° ano   Primeiro Reinado e Regências
2° ano Primeiro Reinado e Regências
Daniel Alves Bronstrup
 
Segundo Reinado- Colégio Módulo
Segundo Reinado- Colégio Módulo Segundo Reinado- Colégio Módulo
Segundo Reinado- Colégio Módulo
CarlosNazar1
 
Brasil império
Brasil  impérioBrasil  império
Brasil império
Lucimara Foloni
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
Primeiro Reinado (25 03 2010)
Primeiro Reinado (25 03 2010)Primeiro Reinado (25 03 2010)
Primeiro Reinado (25 03 2010)
Luis
 
Primeiro Reinado e Regencias
Primeiro Reinado e RegenciasPrimeiro Reinado e Regencias
Primeiro Reinado e Regencias
Alexandre Protásio
 

Semelhante a Brasil: 2º Reinado (1840-1889) (20)

Brasil Segundo Reinado
Brasil Segundo ReinadoBrasil Segundo Reinado
Brasil Segundo Reinado
 
Regência e reinado
Regência e reinadoRegência e reinado
Regência e reinado
 
I reinado - Período Regencial e II Reinado
I reinado -  Período Regencial e II ReinadoI reinado -  Período Regencial e II Reinado
I reinado - Período Regencial e II Reinado
 
Aula 16 monarquia brasileira - 2° reinado
Aula 16   monarquia brasileira - 2° reinadoAula 16   monarquia brasileira - 2° reinado
Aula 16 monarquia brasileira - 2° reinado
 
O Segundo Reinado (1840 1889)
O Segundo Reinado (1840 1889)O Segundo Reinado (1840 1889)
O Segundo Reinado (1840 1889)
 
2º médio segundo reinado aulas 14 e 15
2º médio segundo reinado aulas 14 e 152º médio segundo reinado aulas 14 e 15
2º médio segundo reinado aulas 14 e 15
 
Período regencial (17 05-10)
Período regencial (17 05-10)Período regencial (17 05-10)
Período regencial (17 05-10)
 
A Partir Da Regencia Site
A Partir Da Regencia   SiteA Partir Da Regencia   Site
A Partir Da Regencia Site
 
A Partir Da Regencia
A Partir Da RegenciaA Partir Da Regencia
A Partir Da Regencia
 
Osegundoreinado1840 1889-090925112825-phpapp01
Osegundoreinado1840 1889-090925112825-phpapp01Osegundoreinado1840 1889-090925112825-phpapp01
Osegundoreinado1840 1889-090925112825-phpapp01
 
Guerra do Paraguai e a Crise do Império.pptx
Guerra do Paraguai e a Crise do Império.pptxGuerra do Paraguai e a Crise do Império.pptx
Guerra do Paraguai e a Crise do Império.pptx
 
Segundo Reinado Módulo
Segundo Reinado  Módulo Segundo Reinado  Módulo
Segundo Reinado Módulo
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - ImpérioEstudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
 
Segundoreinadomestresdahistoria 110501080754-phpapp02 (1)
Segundoreinadomestresdahistoria 110501080754-phpapp02 (1)Segundoreinadomestresdahistoria 110501080754-phpapp02 (1)
Segundoreinadomestresdahistoria 110501080754-phpapp02 (1)
 
2° ano Primeiro Reinado e Regências
2° ano   Primeiro Reinado e Regências2° ano   Primeiro Reinado e Regências
2° ano Primeiro Reinado e Regências
 
Segundo Reinado- Colégio Módulo
Segundo Reinado- Colégio Módulo Segundo Reinado- Colégio Módulo
Segundo Reinado- Colégio Módulo
 
Brasil império
Brasil  impérioBrasil  império
Brasil império
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
 
Primeiro Reinado (25 03 2010)
Primeiro Reinado (25 03 2010)Primeiro Reinado (25 03 2010)
Primeiro Reinado (25 03 2010)
 
Primeiro Reinado e Regencias
Primeiro Reinado e RegenciasPrimeiro Reinado e Regencias
Primeiro Reinado e Regencias
 

Mais de Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia

Iluminismo 2021
Iluminismo 2021Iluminismo 2021
GUERRA FRIA I, BASES, BIPOLARIDADE, MURO DE BERLIM, CORRIDAS ESPACIAL E ARMAM...
GUERRA FRIA I, BASES, BIPOLARIDADE, MURO DE BERLIM, CORRIDAS ESPACIAL E ARMAM...GUERRA FRIA I, BASES, BIPOLARIDADE, MURO DE BERLIM, CORRIDAS ESPACIAL E ARMAM...
GUERRA FRIA I, BASES, BIPOLARIDADE, MURO DE BERLIM, CORRIDAS ESPACIAL E ARMAM...
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Expansão marítima e comercial 2021
Expansão marítima e comercial 2021Expansão marítima e comercial 2021
Expansão marítima e comercial 2021
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Cidadania e direitos humanos 2021
Cidadania e direitos humanos 2021Cidadania e direitos humanos 2021
Cidadania e direitos humanos 2021
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Monarquias nacionais frança e inglaterra 2021
Monarquias nacionais frança e inglaterra 2021Monarquias nacionais frança e inglaterra 2021
Monarquias nacionais frança e inglaterra 2021
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Totalitarismo fascismo e nazismo 2021
Totalitarismo fascismo e nazismo 2021Totalitarismo fascismo e nazismo 2021
Totalitarismo fascismo e nazismo 2021
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Brasil: crise do sistema colonial e movimentos emancipacipacionistas
Brasil: crise do sistema colonial e movimentos emancipacipacionistasBrasil: crise do sistema colonial e movimentos emancipacipacionistas
Brasil: crise do sistema colonial e movimentos emancipacipacionistas
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917Revolução Russa de 1917
Islamismo 2021
Islamismo 2021Islamismo 2021
1ª Guerra Mundial (1914-1918)
1ª Guerra Mundial (1914-1918)1ª Guerra Mundial (1914-1918)
1ª Guerra Mundial (1914-1918)
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Brasil Mineração (século XVIII)
Brasil  Mineração (século XVIII)Brasil  Mineração (século XVIII)
Brasil Mineração (século XVIII)
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Civilizações do extremo Oriente: Índia, China, Japão.
Civilizações do extremo Oriente: Índia, China, Japão.Civilizações do extremo Oriente: Índia, China, Japão.
Civilizações do extremo Oriente: Índia, China, Japão.
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Expansão Marítima e Comercial-2021
Expansão Marítima e Comercial-2021Expansão Marítima e Comercial-2021
Expansão Marítima e Comercial-2021
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Estrutura social: conceitos básicos.
Estrutura social: conceitos básicos.Estrutura social: conceitos básicos.
Estrutura social: conceitos básicos.
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Brasil pré-colonial e colonial.
Brasil pré-colonial e colonial.Brasil pré-colonial e colonial.
Brasil pré-colonial e colonial.
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Brasil pré colonial: Povos indígenas 2021
Brasil pré colonial: Povos indígenas 2021Brasil pré colonial: Povos indígenas 2021
Brasil pré colonial: Povos indígenas 2021
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Mundo Primitivo-2021
Mundo Primitivo-2021Mundo Primitivo-2021
Pré colombianos: Maias, Astecas, Incas 2020
Pré colombianos: Maias, Astecas, Incas 2020Pré colombianos: Maias, Astecas, Incas 2020
Pré colombianos: Maias, Astecas, Incas 2020
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Eua no século XIX e Guerra da Secessão: 2020.
Eua no século XIX e Guerra da Secessão: 2020.Eua no século XIX e Guerra da Secessão: 2020.
Eua no século XIX e Guerra da Secessão: 2020.
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Brasil revoltas nativistas 2020
Brasil revoltas nativistas 2020Brasil revoltas nativistas 2020
Brasil revoltas nativistas 2020
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 

Mais de Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia (20)

Iluminismo 2021
Iluminismo 2021Iluminismo 2021
Iluminismo 2021
 
GUERRA FRIA I, BASES, BIPOLARIDADE, MURO DE BERLIM, CORRIDAS ESPACIAL E ARMAM...
GUERRA FRIA I, BASES, BIPOLARIDADE, MURO DE BERLIM, CORRIDAS ESPACIAL E ARMAM...GUERRA FRIA I, BASES, BIPOLARIDADE, MURO DE BERLIM, CORRIDAS ESPACIAL E ARMAM...
GUERRA FRIA I, BASES, BIPOLARIDADE, MURO DE BERLIM, CORRIDAS ESPACIAL E ARMAM...
 
Expansão marítima e comercial 2021
Expansão marítima e comercial 2021Expansão marítima e comercial 2021
Expansão marítima e comercial 2021
 
Cidadania e direitos humanos 2021
Cidadania e direitos humanos 2021Cidadania e direitos humanos 2021
Cidadania e direitos humanos 2021
 
Monarquias nacionais frança e inglaterra 2021
Monarquias nacionais frança e inglaterra 2021Monarquias nacionais frança e inglaterra 2021
Monarquias nacionais frança e inglaterra 2021
 
Totalitarismo fascismo e nazismo 2021
Totalitarismo fascismo e nazismo 2021Totalitarismo fascismo e nazismo 2021
Totalitarismo fascismo e nazismo 2021
 
Brasil: crise do sistema colonial e movimentos emancipacipacionistas
Brasil: crise do sistema colonial e movimentos emancipacipacionistasBrasil: crise do sistema colonial e movimentos emancipacipacionistas
Brasil: crise do sistema colonial e movimentos emancipacipacionistas
 
Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917
 
Islamismo 2021
Islamismo 2021Islamismo 2021
Islamismo 2021
 
1ª Guerra Mundial (1914-1918)
1ª Guerra Mundial (1914-1918)1ª Guerra Mundial (1914-1918)
1ª Guerra Mundial (1914-1918)
 
Brasil Mineração (século XVIII)
Brasil  Mineração (século XVIII)Brasil  Mineração (século XVIII)
Brasil Mineração (século XVIII)
 
Civilizações do extremo Oriente: Índia, China, Japão.
Civilizações do extremo Oriente: Índia, China, Japão.Civilizações do extremo Oriente: Índia, China, Japão.
Civilizações do extremo Oriente: Índia, China, Japão.
 
Expansão Marítima e Comercial-2021
Expansão Marítima e Comercial-2021Expansão Marítima e Comercial-2021
Expansão Marítima e Comercial-2021
 
Estrutura social: conceitos básicos.
Estrutura social: conceitos básicos.Estrutura social: conceitos básicos.
Estrutura social: conceitos básicos.
 
Brasil pré-colonial e colonial.
Brasil pré-colonial e colonial.Brasil pré-colonial e colonial.
Brasil pré-colonial e colonial.
 
Brasil pré colonial: Povos indígenas 2021
Brasil pré colonial: Povos indígenas 2021Brasil pré colonial: Povos indígenas 2021
Brasil pré colonial: Povos indígenas 2021
 
Mundo Primitivo-2021
Mundo Primitivo-2021Mundo Primitivo-2021
Mundo Primitivo-2021
 
Pré colombianos: Maias, Astecas, Incas 2020
Pré colombianos: Maias, Astecas, Incas 2020Pré colombianos: Maias, Astecas, Incas 2020
Pré colombianos: Maias, Astecas, Incas 2020
 
Eua no século XIX e Guerra da Secessão: 2020.
Eua no século XIX e Guerra da Secessão: 2020.Eua no século XIX e Guerra da Secessão: 2020.
Eua no século XIX e Guerra da Secessão: 2020.
 
Brasil revoltas nativistas 2020
Brasil revoltas nativistas 2020Brasil revoltas nativistas 2020
Brasil revoltas nativistas 2020
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 

Brasil: 2º Reinado (1840-1889)

  • 1. 2º REINADO D. PEDRO II 1840 a 1889
  • 3. D. Pedro II – 05 anos D. Pedro II – 15 anos
  • 4. 1840 1889 Golpe Maioridade Proclamação D. Pedro II República
  • 5. 1. Contexto e aspectos importantes o Agitações internas: revoltas regenciais. o Liberais com apoio dos Conservadores anteciparam a idade mínima legal para D. Pedro II assumir o poder com 15 anos. o Parlamentarismo e estabilidade política. o Questão Platina e Guerra do Paraguai. o Expansão cafeeira e surto industrial. o Crise de mão de obra e imigração europeia. o Abolicionismo.
  • 6. 2. Política interna Eleições do Cacete: o Voto aberto, violência e repressão. o Maioria liberal. o Ministério dos Andradas. o Oposição dos Conservadores. o Anulação das eleições do cacete.
  • 8. Conservadores no poder o Anulação das eleições do cacete. o Penas severas contra subversão. o Conselho de Estado restabelecido. o Voto censitário mais rigoroso. o Chefe de polícia nas províncias. o Rígido controle militar no país.
  • 9. Revoltas Liberais de 1842 o Conservadores X Liberais. o Liberais rejeitaram conservadores no poder. o Levantes em São Paulo e Minas Gerais. o Líderes: T. Aguiar e Diogo Feijó. o Repressão da Guarda Nacional e do Exército. o Negociações conduzidas pelo Barão de Caxias. o Prisões e anistia dos envolvidos.
  • 10. Parlamentarismo às avessas Clássico modelo inglês: o Rei: chefe de Estado. o Reina mas não governa. o 1º Ministro: chefe de Governo. o Maioria no Parlamento. o Amplos poderes.
  • 11. Parlamentarismo brasileiro Poder Moderador: o Rei concentrava amplos poderes. o Convocava e anulava eleições. o Formava o Conselho de Ministros. o Nomeava o Presidente do Conselho de Ministros (1º Ministro).
  • 13. Inglaterra: O rei reina mas não governa. Brasil: O rei reina, ri e rói. Reina sobre o Estado, Ri do Parlamento, Rói o povo.
  • 15. Estrutura política o Partidos Liberal e Conservador. o Sem diferenças ideológicas. o Projetos políticos indefinidos. o Representavam as elites. o Lutavam pelo poder. o “Farinha do mesmo saco.”
  • 16. “Nada mais igual a um saquarema do que um luzia no poder.” (Holanda Cavalcanti)
  • 17. Liberais e Conservadores: o Possuíam mais semelhanças que diferenças. o Vinham da elite, proprietários de escravos, latifundiários e lucravam com a produção monocultora e a exportação. o Os conservadores defendiam maior centralização política e os liberais maior descentralização política.
  • 18. Ministério da conciliação: o Formado por liberais e conservadores, representou a consolidação de estabilidade política no 2º Reinado. o A conciliação foi um mecanismo capaz de fortalecer a unidade de interesses da elite que controlava a vida política nacional. o O Segundo Reinado manteve a estrutura centralizada sem maiores problemas políticos.
  • 19. Revolução Praieira (1848 – 1849) Contexto e fatores: o Tradição revolucionária Pernambuco. o Concentração de terras. o Exclusão social e política. o Antilusitanismo. o Ideais republicanos. o Ideais socialistas (França: Revolução de1848).
  • 20. "Quem viver em Pernambuco não há de estar enganado, ou há de ser Cavalcanti, ou há de ser cavalgado."
  • 21. Manifesto ao mundo: o Voto livre e universal. o Liberdade de imprensa. o Direito ao trabalho. o Reforma agrária. o Fim do poder moderador. o Livre comércio. o Reforma do Poder Judiciário.
  • 22. Processo: o Partido da Praia: Jornal Diário Novo – reduto dos liberais. o Conservadores anularam a posse do liberal Chichorro da Gama ao Senado. o Houve influências marxistas no movimento. o Líderes: Borges da Fonseca, Pedro Ivo, Nunes Machado.
  • 23. Consequências: o Isolamento e deserções. o Repressão violenta. o Prisões e fuzilamentos. o “Ordem” venceu a contestação. o Inimigos do sistema dominados. o Fim das revoltas e pacificação.
  • 24. 3. Política externa Questão escravista: o A Inglaterra pressionava contra o tráfico e a escravidão interessada em mercado consumidor. o O escravismo barateava os produtos brasileiros encarecendo os produtos ingleses. o Capitais utilizados na compra de escravos sobrariam para comprar mercadorias inglesas.
  • 25. Questão Christie (1862 – 1865): o Crise diplomática entre Brasil e Inglaterra. Razões: o O naufrágio do Navio Príncipe de Gales no Rio Grande do Sul (1861) com o saque da carga. o A prisão de três oficiais da marinha inglesa. o O embaixador Christie exigiu indenização e pedido de desculpas pela prisão dos oficiais.
  • 26. O embaixador inglês William D. Christie foi pivô do rompimento diplomático entre Brasil e Inglaterra.
  • 27. Consequências e desfecho da crise: o Cinco navios brasileiros foram aprisionados. o O Brasil pagou a indenização. o Leopoldo I da Bélgica, árbitro da questão, deu razão ao governo brasileiro. o Houve ruptura diplomática com a Inglaterra. o Em 1865 o governo inglês desculpou – se com o governo brasileiro.
  • 28. Questão platina: o A região platina era disputada entre Portugal e Espanha desde o século XVII. o A colônia de Sacramento e a Cisplatina eram alvos de disputas na Bacia Platina. o A região era estratégica para o comércio. o Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai entraram em rota de colisão e guerras.
  • 29. Uruguai contra Argentina: o O Uruguai sofria influências políticas do Brasil e da Argentina. o Partido Blanco: composto por fazendeiros e apoiado pela Argentina, era protecionista. o Partido Colorado: composto por comerciantes e apoiado pelo Brasil defendia o livre comércio.
  • 30. Brasil contra Uruguai e Argentina: o Oribe (Presidente do Uruguai) aliou – se à Argentina (Rosas) que pretendia fortalecer a economia argentina na região Platina, adotando tarifas protecionistas e o controle da bacia. o Alguns fazendeiros argentinos uniram – se a Rivera (líder colorado) rival de Oribe. o As medidas prejudicaram pecuaristas brasileiros da região, contrariando o governo brasileiro.
  • 31. Guerra entre Brasil e Uruguai (1851): o Com apoio de Rivera (colorado) o Brasil entrou em guerra contra Oribe (blanco). o Rosas cercou Montevidéu e o Brasil atacou e venceu a Argentina em 1852. o O Brasil saiu fortalecido garantindo a livre navegação na Bacia Platina. o Rivera assumiu o governo uruguaio. o Urquiza assumiu o governo argentino.
  • 32. Batalha de Monte Caseros, 1852
  • 33. Guerra entre Brasil e Uruguai (1864): o Bernardo Berro (Blanco) aliou – se aos federalistas de Corrientes/Entre Rios que se opunham ao republicano Mitre (Presidente). o Solano Lopez (Ditador Paraguaio) apoiou Berro para proteger seus interesses no Prata. o Mitre apoiava os colorados de Flores contra os blancos e recebeu ameaças de Solano Lopez.
  • 34. Brasil X Uruguai: o 1864: os blancos elegeram Atanásio Aguirre. o Fazendeiros gaúchos reclamavam de abusos cometidos pelo governo uruguaio blanco contra brasileiros que apoiavam os colorados. o Brasil e Argentina invadiram o Uruguai em apoio aos colorados e à liberação da Bacia Platina. o Em represália Solano Lopez apreendeu o Navio Marquês de Olinda em 1864.
  • 36. Guerra do Paraguai (1864 – 1870) Antecedentes: o Independente em 1811, o Paraguai era um país agrário, economia precária, dependente de importações e sistema político ditatorial. O grande Paraguai – crescimento e expansão: o Sem saída para o mar, era dependente da Bacia Platina para expansão econômica.
  • 37. O Paraguai antes da guerra: A sociedade era mais tradicional e rural do que urbana e moderna, arcaica e extremamente desigual, com altos índices de analfabetismo. A economia era extremamente fraca, o país importava a maioria dos manufaturados de que necessitava. O Paraguai não possuía grande efetivo militar, nem organização militar moderna. Soldados despreparados e os armamentos arcaicos. A logística do exército era extremamente deficiente, carecia de atendimento hospitalar e defornecimento de provisões, alimentos e munições.
  • 38. Tensões na região platina: o Rivalidades na Bacia Platina entre Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai. o Em disputa o controle da navegação e comércio. o Brasil e Argentina invadiram o Uruguai em oposição à eleição do blanco Atanásio Aguirre. o Solano Lopez apreendeu o Navio Marquês de Olinda e invadiu o Brasil e a Argentina em 1865.
  • 39. Francisco Solano Lopez, ditador, governou o Paraguai de 1862 a 1870. Aliado do uruguaio e blanco Aguirre, tinha projeto expansionista na região platina. Aguirre perdeu a guerra para Brasil e Argentina frustrando Solano Lopez, que resolveu invadir terras brasileiras e argentinas em 1865.
  • 42. Tríplice Aliança – Brasil, Argentina e Uruguai: o Ameaçados e com um inimigo comum, Argentina, Brasil e Uruguai assinaram, sob influência da Inglaterra, o Tratado da Tríplice Aliança (01/05/1865) em Buenos Aires. o Segundo o mesmo, as tropas aliadas ficariam sob comando do então presidente da Argentina, Bartolomeu Mitre.
  • 44. O exército brasileiro: era um despreparado para entrar em uma guerra. O exército era mal organizado e pequeno para o tamanho do território e de sua população, o serviço militar era tido como castigo, na maior parte o recrutamento era arbitrário e violento. A infantaria que lutou na Guerra do Paraguai não era formada de soldados profissionais, mas por Voluntários da Pátria, aqueles que se entregavam pela causa. Grande parte era formada por escravos enviados pelos fazendeiros ou negros alforriados. Coube à Guarda Nacional do Rio Grande do Sul formar a cavalaria na guerra.
  • 45. Operações militares: o O Paraguai estava melhor preparado, com exército entre 28.000 e 57.000 homens. o O Brasil possuía 16.000 homens. o A Argentina: entre 10.000 e 15.000 homens. o O Uruguai cerca de 5.000 homens. o As batalhas foram sangrentas e duraram até a queda de Solano Lopez em 1870.
  • 46. Batalhas: Forças brasileiras, com o Almirante Barroso, venceram a batalha do Riachuelo, libertando o Rio Grande do Sul. Em maio de 1866, a batalha de Tuiuti deixou 10 mil mortos e nova vitória das tropas brasileiras. Em setembro de 1866, os paraguaios derrotaram as tropas brasileiras em Curupaiti. Luís Alves de Lima e Silva, o duque de Caxias, assumiu o comando das tropas brasileiras. Em 1867, a Argentina e o Uruguai se retiraram da guerra. Ao lado de Caxias, outro destaque foi o general Manuel Luís Osório. As tropas brasileiras venceram sucessivas e decisivas batalhas: Humaitá, Itororó, Avaí, Angostura e Lomas Valentinas. No início de 1869, o exército brasileiro tomou Assunção. A guerra chegou ao fim em março 1870, com a Campanha das Cordilheiras. Em Cerro Corá o ditador Solano López foi morto.
  • 49. D. Pedro II - Soldado
  • 61. Consequências para o Paraguai o A população de 800 mil pessoas, baixou para 194 mil pessoas, com cerca de 80% de homens mortos. o A economia reduzida à agricultura com sua indústria destruída. o Dívidas com Brasil, além de perder territórios para Brasil e Argentina.
  • 62. Consequências para a Argentina o Reconquista dos territórios de Entre Rios e Corrientes e anexou parte do Paraguai. o Ganhou muito dinheiro abastecendo de suprimentos o Exército aliado. Consequências para a Inglaterra o A Inglaterra obteve grandes lucros fazendo empréstimos e vendendo armas.
  • 63. Consequências para o Brasil o Milhares de mortos. o Dívida externa foi elevada. o Anexação de parte do Mato Grosso. o Fortalecimento político do Exército. o Abolicionismo através do Exército. o Ideais republicanos e crise do Império.
  • 65. A Paraguaia Juan Manuel Blanes (1879)
  • 68. 4. Economia Divisão Internacional do Trabalho o Europa industrializando – se. o Periferia: fornecer primários para abastecer a Europa. o Brasil: café, açúcar, algodão, fumo, cacau. o Açúcar e algodão em crise.
  • 69. EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS ( 1830 – 1890 ) 1830 - 1840 1850 – 1860 1880 – 1890 CAFÉ 43,8% 48,8% 61,5% AÇÚCAR 24,0% 21,2% 9,9% ALGODÃO 10,8% 7,5% 4,2% TABACO 1,9% 2,6% - COUROS 7,9% 7,2% 3,2%
  • 70. Expansão cafeeira o Séc. XVIII – mercado interno. o Do Maranhão à Santa Catarina. o Crise: açúcar, algodão, mineração. o Séc. XIX: base econômica do país. o Rio de Janeiro, Vale do Paraíba, Minas Gerais, Oeste Paulista, Paraná.
  • 73. Características gerais o Exigência de pouco capital. o Tecnologias simples. o Terras abundantes. o Estrutura da mineração: escravos, tropas de mulas, estradas. o Regiões exportadoras: Vale do Paraíba e Oeste Paulista.
  • 78. O Lavrador de Café - Portinari
  • 81. Vale do Paraíba (1830/1860) Estrutura do ouro o Terras, escravos, mulas, portos. Aspectos político – ideológicos o Fazendeiros escravistas. o Monarquistas. o Tecnologias precárias. o Solo massapê.
  • 83. Oeste Paulista – Após 1850 Infraestrutura e ideologia o Terra roxa. o Clima ameno. o EUA se abre como mercado. o Portos, ferrovias, escravos. o Fazendeiros: empreendedores, republicanos e a favor da imigração.
  • 91. Surto Industrial Era das Modernizações o Portos e máquinas industriais. o Bancos e casas comerciais. o Telégrafo, telefone. o Urbanização. o Brasil – inserção na Europa.
  • 102. Dificultadores à industrialização o Sem burguesia sólida. o Sem excedente de capitais. o Sem mercado consumidor. o Sem autonomia em energia. o Mão – de – obra desqualificada. o Inviável a concorrência com a Inglaterra.
  • 103. Tarifa Alves Branco (1844) o Protecionista. o Incentivou atividades industriais. Tarifas estabelecidas o 30% “ad valorem” – sem similar nacional. o 60% “ad valorem” – com similar nacional. A Tarifa Alves Branco encarecia o custo dos importados ingleses, barateando os produtos brasileiros, beneficiando os empresários nacionais.
  • 104. Barão de Mauá – Empreendedor o Banco Mauá. o Ferrovia Santos – Jundiaí. o Estaleiros e fundições. o Cabo telegráfico intercontinental. o Fábricas diversas. o Iluminação pública.
  • 111. Lei Silva Ferraz – 1860 o Revogou Tarifa Alves Branco. o Fim das tarifas protecionistas. o Produtos ingleses mais baratos. o Falências e crise econômica. o Liberalismo inglês superou o protecionismo de D. Pedro II.
  • 113. 5. Questão Social Escravidão dos negros africanos Pressões antitráfico inglesas o Formar mercado consumidor. o Falso humanitarismo. o 1808 – Acordos com D. João. o 1810 – Escravos somente das colônias portuguesas na África.
  • 124. O Mestiço - Portinari
  • 125. “Só pra inglês ver”: o 1815 – Proibido capturar negros ao Norte do Equador. o 1830 – Lei proibindo o tráfico de negros. LEIS PARA INGLÊS VER As leis eram impostas e aparentemente aceitas, numa suposta vontade política de pôr fim ao tráfico e a escravidão de negros. Para os ingleses, mercado consumidor, mas para os portugueses representaria menos mão – de – obra para o café..
  • 126. Bill Aberdeen (1845) o Resposta inglesa à Tarifa Alves Branco. o Navios negreiros seriam presos por navios ingleses em alto mar ou nos portos. o Tripulação julgada na Inglaterra e os negros devolvidos em colônias inglesas ou à África. o Navios foram apreendidos/sequestrados nos portos brasileiros.
  • 127. Lei Eusébio de Queirós – 1850 o Determinava o fim do tráfico de escravos africanos. o As pressões inglesas funcionaram. NEGROS NO BRASIL 1836/1840 ............ 240.600 1841/1845 ............ 120.900 1846/1850 ............ 257.500 1851/1855 ............ 6.100
  • 128. Crise de mão – de – obra o A Lei Eusébio de Queirós cessou a entrada de escravos. o Café em expansão exigia maior quantidade de mão – de – obra. o Os negros resistiam, tinham grande mortalidade e baixa expectativa de vida. o O contrabando encarecia o negro africano.
  • 134. Imigração europeia Colônias de imigrantes o Período Joanino. o Nordeste, Sudeste, Sul. o Colonos em regiões fronteiriças. Problemas o Estrutura colonial de latifúndios e monocultura inviabilizou a agricultura familiar.
  • 135. Sistema de Parceria o Fazendeiros garantiam todas as despesas dos imigrantes. o Garantias: passagens, comida, hospedagem, parte na produção. “ VÁ PARA O BRASIL! TERRA DA ÁGUA CLARINHA, DO CLIMA MARAVILHOSO E DA MATA VERDINHA! VÁ PARA O BRASIL! VOCÊ TERÁ TERRA, CASA E COMIDA GRÁTIS.”
  • 147. Problemas: Trabalho livre, mentalidade escravista. o Custos sempre mais altos que a receita. o Escravidão por dívidas. o Muitos imigrantes enganados. o Os que puderam voltaram ao país de origem. o Houve enfrentamentos com os fazendeiros.
  • 148. Imigração subvencionada o Subvenção: ajuda ou custeio. o Estado financiava as despesas com garantia de salários e parte na renda. o Sistema combinava escravidão com assalariamento. o Intensificada a imigração.
  • 150. Lei de terras (1850) o Terras para quem tivesse dinheiro para compra – las. o Agravou a estrutura fundiária. o Pobres, negros, imigrantes não tinham acesso à terra. o Situação feudal em algumas regiões do país.
  • 156. Abolicionismo o Imigração crescente. o Escravidão tornou – se inviável. o Campanha para acabar com a escravidão no Brasil. o Políticos, advogados, médicos, intelectuais, clubes, imprensa politizaram a campanha.
  • 161. Leis Abolicionistas Lei do Ventre Livre – 1871 o Lei Rio Branco. o Negros nascidos a partir dela estariam livres. o Deveriam ficar na fazenda até 08 anos, estariam livres mediante indenização ou trabalhariam até 21 anos, depois livres. o Possibilitou a transição, lenta e gradual, no Brasil da escravidão para a mão-de-obra livre.
  • 163. Lei dos Sexagenários – 1885 o Lei Saraiva – Cotegipe. o Libertava todos os negros aos 60 anos mediante algumas condições. o Deveriam permanecer na fazenda até os 65 anos ou indenizar o fazendeiro em dinheiro. o A expectativa de vida dos negros era pequena. o Foi chamada de gargalhada nacional.
  • 164. Lei Áurea (1888) o Lei João Alfredo. o Abolição legal da escravidão no Brasil. RACISMO CORDIAL Em dois artigos a Lei Áurea pretendia resolver a questão da escravidão no Brasil. Não houve nenhum debate ou projeto para inserção dos negros no mercado de trabalho. Os negros sairam das senzalas para as favelas, num sistema preconceituoso e excludente.
  • 168. “Depois que os últimos escravos houverem sido arrancados ao poder sinistro que representa para a raça negra a maldição da cor, será ainda preciso desbastar, por meio de uma educação viril e séria, a lenta estratificação de trezentos anos de cativeiro, isto é, de despotismo, superstição e ignorância.” (Joaquim Nabuco – 1883)
  • 172. “A abolição libertou os brancos do fardo pesado da escravidão, abandonando os negros à própria sorte.”