Brasil república 1889 a 1930 parte I

2.694 visualizações

Publicada em

Crise do Império, processo republicano, República da Espada (Machal. Deodoro, Machal Floriano Peixoto).

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.694
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
86
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Brasil república 1889 a 1930 parte I

  1. 1. BRASIL REPÚBLICA 1889 – 1930 REPÚBLICA DA ESPADAREPÚBLICA OLIGÁRQUICA
  2. 2. Proclamação da República Benedito Calixto (1893)
  3. 3. REPÚBLICA VELHA Espada Oligárquica1889 1894 1930Procla-Procla- Eleição Revoluçãomação P. Morais Era Vargas
  4. 4. 1. Um Império em crise:A – Fora de Contextoo As modernizações trouxeram as mudanças e novas elites.o Aos barões do café e à burguesia o Império era sinônimo de atraso.o O conservadorismo não atendia as exigências dos novos tempos.
  5. 5. B – Questão Militaro A vitória na Guerra do Paraguai elevou o moral da tropa e ampliou as reivindicações do Exército.o O Exército exigia aumento nos soldos, promoções, aposentadorias e maior participação política.o D. Pedro omisso diante disso.
  6. 6. Punições:o Tenente – coronel Sena Madureira foi repreendido por manifestar – se pela reforma do Montepio Militar.o Sena Madureira foi demitido do comando da Escola de Tiro por ter homenageado um jangadeiro que evitara o embarque de escravos do Nordeste para o Sul.
  7. 7. Criseo Fardados contra os paisanas.o D. Pedro II demitiu, e vetou aumentos e promoções, além de proibir o Exército de manifestar – se publicamente.o Os ideais republicanos chegaram aos quartéis.
  8. 8. C – Abolicionismoo Com a Lei Áurea, fazendeiros escravistas alegaram prejuízos e passaram a exigir indenizações.o Diante da negativa do Império, os fazendeiros, antes base de apoio de D. Pedro II, retiraram tal apoio.o Isso também abalou o Império.
  9. 9. D – Questão Religiosao Igreja Católica e Estado estavam ligados desde a colonização.o Na Constituição de 1824 a religião Católica tornou – se oficial.Padroadoo Nomeações a cargos da Igreja só com autorização do Estado.
  10. 10. Beneplácito (consentimento)o Poder de veto ou sanção às ordens que viessem de Roma.o Cabia a D. Pedro II aprovar ou não bulas ou encíclicas papais.o Para isso o PLACET de D. Pedro II era essencial.
  11. 11. Crise entre Estado e IgrejaBula Syllabus (1864)o O Papa vetou a participação da maçonaria na Igreja e vice versa.o D. Pedro II vetou a bula, puniu o Padre Almeida Martins por discursar na maçonaria e interditou os bispos de Olinda e Belém.
  12. 12. 2. Movimento Republicanoo Poder militar supera o poder civil.o Centralismo não combinava com a descentralização dos novos tempos.o O sistema federativo poria fim às disputas regionalistas.o O ultrapassado Império estava sendo atropelado pela República.
  13. 13. PositivismoCriado pelo francês Auguste Comte no séc. XIX. De acordo com essa Filosofia, o método de experimentação e observação das ciências exatas deveria ser aplicado às ciências humanas. Seu lema fundamental era: “O amor por princípio, a Ordem por base e o Progresso por fim.”
  14. 14. Manifesto Republicano (1870)o Manifesto do PRP – SP propondo a República como sistema político.Evolucionistaso República por meios pacíficos.Revolucionárioso República pela revolução popular.
  15. 15. Reformas Liberais de Ouro Pretoo Liberdade de culto.o Autonomia às províncias.o Mandatos temporários.o Ampliação do voto.o Conselho de Estado funcionaria com restrições de poder. Acusado de moderado ou radical, Ouro Preto, Presidente do Conselho de Ministros, teve seu projeto rejeitado, agravando a crise entre Império e republicanos.
  16. 16. Crise políticao As reformas de Ouro Preto foram rejeitadas e a Câmara dissolvida.o A Guarda Nacional, reorganizada, teve seus poderes ampliados.o Irritado, o Exército, tendo como aliado o setor cafeeiro, colocou – se o Império.
  17. 17. A Proclamação de 15/11/1889Golpe de Estadoo Benjamim Constant apoiado por Marechal Deodoro articularam o golpe de Estado contra o Império.o Boatos de prisão de Deodoro e Benjamim Constant apressaram a Proclamação da República (15/11/89).
  18. 18. Significados:o Golpe de Estado elitista.o Exército e fazendeiros uniram – se protegendo seus interesses.o O povo foi mantido fora de importantes decisões políticas.o Não houve rupturas profundas nas estruturas econômicas.
  19. 19. Governo ProvisórioDeodoro da Fonseca (1889/1891)Disputas políticaso Barões do café.o Burguesia.o Classe Média. As elites esperavam que o Brasil republicano se modernizasse. Os Barões do café tinham pretensões políticas, a burguesia e a classe média pretendiam que o país se industrializasse e gerasse novas e melhores oportunidades.
  20. 20. “O povo assistiu a tudo bestializado.” ( Aristides Lobo )
  21. 21. 3. República da Espada: 1889 1894 Proclamação Eleição Prudente Moraeso Governos militares.o Marechal Deodoro da Fonseca.o Marechal Floriano Peixoto.
  22. 22. MARECHAL DEODORO DA FONSECA
  23. 23. Primeiras medidas:o República Federativa.o EUB: Estados Unidos do Brasil.o Banimento da Família Real.o Fim do Senado vitalício.o Fim do Conselho de Estado.o Fim do Padroado e Beneplácito.
  24. 24. o Separação entre Estado e Igreja.o Liberdade religiosa.o Registro civil (para nascimentos, casamentos e óbitos).o Criação de uma nova bandeira.o Direitos de cidadania a estrangeiros.o Convocação de uma Assembléia Constituinte.
  25. 25. Bandeira do Império
  26. 26. Bandeira provisória dos EUB
  27. 27. Bandeira oficial da República
  28. 28. Constituição de 1891:o República Federativa.o Presidencialismo.o Voto direto, universal, masculino, para alfabetizados maiores de 21.o Províncias seriam estados.o Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário.
  29. 29. Aspectos econômicos:Heranças e problemaso Estruturas: latifúndios e monocultura.o Dívida externa.o Dependência externa.o Estagnação econômica. EXPECTATIVAS Diante dos problemas econômicos, grandes expectativas. Esperava – se que o governo republicano investisse na industrialização, modernizando o país, em detrimento das estruturas rurais herdadas do período colonial.
  30. 30. Política Econômica:Rui Barbosa (Ministro da Fazenda)o Estímulos à produção.o Industrializar o país.o Emissão de moedas e impostos.o Empréstimos fartos à agricultura e às indústrias.o Juros baixos.
  31. 31. Rui Barbosa
  32. 32. Crise do Encilhamento:o Desvalorização de moeda e queda nos impostos gerou queda na receita do Estado.o O Estado emitia moeda para cobrir seus déficits gerando inflação.o Empréstimos à empresas fantasmas.o Endividamento do Estado, inflação e falências.
  33. 33. Eleições de 1891:Chapa 1:o Mchal. Deodoro da Fonseca.o Alm. Eduardo Vandenkolk.Chapa 2:o Prudente de Moraes.o Machal. Floriano Peixoto.
  34. 34. Governo ConstitucionalMarechal Deodoro da Fonsecao Oposição: fazendeiros e industriais.Problemaso Efeitos da Crise do Encilhamento.o Colocou o Barão de Lucena no lugar de Rui Barbosa.o Crise econômica e política.
  35. 35. Posse de Deodoro
  36. 36. Crise política:o Centralismo e autoritarismo.o Estado de sítio.o Fechamento do Congresso.o Censura e repressão.o Prisões, greves e pressões.o Golpe de Estado e renúncia de Deodoro em Novembro de 1891.
  37. 37. Floriano Peixoto (1891 – 1894)o Vice de Deodoro, assumiu com a sua renúncia em 1891.Medidas:o Suspensão do Estado de Sítio.o Reabertura do Congresso.o Anistia/expulsão de presos políticos.o Apoio de estrangeiros.
  38. 38. Floriano PeixotoMarechal de Ferro
  39. 39. Política econômicao Empréstimos à indústria.o Tarifas protecionistas.o Reforma bancária.Reformas sociaiso Redução de aluguéis.o Casas para os pobres.o Controle de preços.
  40. 40. Oposição e Guerra Civil:o Apoio popular e de industriais.o Oposição das oligarquias rurais e dos banqueiros estrangeiros.o Teve a legalidade de sua posse questionada, pois o mandato de Deodoro durou menos de 2 anos.o Assumiu contrariando a oposição.
  41. 41. Agravamento da criseo Revolta nos quartéis.o Repressão, prisões, exílios.o Conflitos regionais.o Explosão da Revolta da Armada.o Explosão da Revolução Federalista.o Guerra Civil.
  42. 42. Revolução Federalista:Rio Grande do Sul – 1893/1895Federalistas (maragatos).o Poder central forte/Parlamentarismo.o Silveira Martins/Gumercindo Saraiva.Republicanos (pica – paus)o República e reeleição presidencial.o Júlio de Castilhos, apoio de Floriano.
  43. 43. Revolta da Armada – 1891o Custódio de Melo rompeu com Deodoro e liderou a Revolta da Armada.o Ação armada, bombardeios e união com os federalistas contra Floriano Peixoto.o Repressão, eleição e consolidação da República.

×