SlideShare uma empresa Scribd logo
FÍSICA
PROFESSOR
JAIRO GOMES
A M E T R O P I A S
(DEFEITOS DA VISÃO)
GLOBO OCULAR
Esclerótica
Coroides
Retina
Íris
Córnea
Cristalino
ELEMENTOS
DO
GLOBO
OCULAR
Pupila
Abertura central por onde a luz entra
no olho. Sua área pode ser variada
pela íris para se adaptar à quantidade
de luz que chega ao fundo do olho.
íris
Membrana arredondada, retrátil,
diversamente pigmentada. Chama-se
de miose o processo de contração da
pupila, e midríase o de dilatação.
Córnea
Membrana fibrosa que recobre todo o
olho.
Humor aquoso
Substância gelatinosa e
transparente que preenche a câmara
anterior. Possui índice de refração
próximo de 1,33.
Cristalino
Cápsula que contém uma gelatina
fibrosa rija na posição central e menos
consistente na periferia que funciona
como uma lente convergente de
distância focal variável. O cristalino
encontra-se preso aos músculos
ciliares por ligamentos.
Músculos
ciliares
São capazes de alterar a distância focal
do cristalino.
Humor vítreo
Substância gelatinosa e transparente
que preenche a câmara posterior.
Possui índice de refração próximo de
1,33 como o humor aquoso.
Coroide
Camada pigmentada e intensamente
vascularizada, cuja função é a
irrigação sanguínea do globo ocular.
Esclerótica
Camada exterior esbranquiçada e
opaca responsável pela estabilidade
mecânica do globo.
Retina
Membrana nervosa onde se localizam
as células de recepção de luz
chamadas cones e bastonetes.
Cones e
bastonetes
Os cones são responsáveis pela visão
colorida, e os bastonetes pela visão
em preto e branco (sombras).
Nervo óptico
Nervo responsável pela ligação entre o
globo ocular e a região da visão no
cérebro.
Mancha
amarela
Também chamada de mácula lútea, é a
região da retina que permite enxergar
com nitidez as imagens projetadas
sobre ela.
Ponto cego
Região de contato entre o globo e o
nervo óptico desprovida de receptores
visuais, logo, não se enxergam as
imagens que são projetadas sobre ele.
CONCEITOS
BÁSICOS
PONTO PRÓXIMO (PP) de um
globo ocular é a posição mais
próxima que pode ser vista
nitidamente, realizando
esforço máximo de
acomodação. Na pessoa
normal, situa-se,
convencionalmente, a 25 cm.
PONTO REMOTO (PR) de um
globo ocular é a posição mais
afastada que pode ser vista
nitidamente, sem esforço de
acomodação. Na pessoa
normal, este ponto está situado
no infinito.
ACOMODAÇÃO VISUAL é o
mecanismo pelo qual o olho
humano altera a vergência do
cristalino, permitindo à
pessoa normal enxergar
nitidamente desde uma
distância de
aproximadamente 25 cm até
o infinito.
PRINCIPAIS DEFEITOS DA
VISÃO
MIOPIA
HIPERMETROPIA
PRESBIOPIA
ASTIGMATISMO
ESTRABISMO
CATARATA
V =
f
1
MIOPIA
Apresenta como defeito o achatamento do globo
ocular, provocando um alongamento no eixo óptico.
A correção é feita através de lentes divergentes.
O míope tem dificuldade de enxergar objetos mais
distantes.
A imagem é formada antes da retina.
A distância focal das lentes de correção será:
A vergência será:
f = -PR
HIPERMETROPIA
É corrigida com o uso de lentes convergentes.
Apresenta como defeito o encurtamento do globo
ocular.
Dificuldade de enxergar objetos mais próximos.
Para a hipermetropia, vale a expressão
V = 4 - 1
PP
PRESBIOPIA
Apresenta como defeito o endurecimento do
cristalino.
Perda da capacidade de acomodação visual.
Não é defeito congênito, mais decorrente da idade.
É conhecida vulgarmente como “vista cansada”.
A correção é feita com o uso de lentes convergentes.
Para calcular a vergência da lente temos:
V = 4 - 1
PP
ASTIGMATISMO
Apresenta defeito na córnea, com raios de
curvatura irregulares.
Ocasiona uma visão manchada dos objetos.
A correção é feita com o uso de lentes cilíndricas.
ESTRABISMO
Apresenta como defeito a incapacidade de
dirigir para um mesmo ponto os eixos
ópticos dos olhos.
A correção é obtida com o uso de lentes
prismáticas.
CATARATA
Defeito que apresenta como causa a
opacidade do cristalino.
A correção é feita com a substituição do
cristalino por uma lente artificial, através de
uma cirurgia.
Geralmente este defeito é encontrado em
pessoas idosas.
DALTONISMO
A retina humana dispõe de dois tipos de célula
fotossensível: os cones e os bastonetes.
Os cones são os responsáveis pela nossa visão
colorida, fazendo a composição das cores primárias.
Os bastonetes são mais sensíveis à luz, embora não
as cores.
A ausência de certos tipos de cones na retina,
determinada por características genéticas, acarreta a
falta de percepção de algumas cores, ou, as vezes,
de todas. A cor que o daltônico não consegue captar
é interpretada pelo cérebro como apenas mais um
tom de cinza.
Solução:
“... não pode ver com nitidez
objetos situados a mais de 50
cm...” Isto significa dizer que a
pessoa não enxerga bem de
longe, a pessoa tem MIOPIA.
PR = - 50 cm = 0,5 m
V =
- 0,5
1
V = - 2 di
V =
- PR
1
1. Uma pessoa não pode ver com nitidez objetos situados a
mais de 50 cm de seus olhos. O defeito de visão dessa
pessoa e a vergência das lentes que ela deve usar para
corrigir tal defeito correspondem, respectivamente, a
a) miopia, 2 di.
b) hipermetropia, - 2 di.
c) miopia, - 2 di.
d) astigmatismo, 0,50 di.
e) miopia, - 0,50 di.
X
Solução:
“... consegue
focalizar objetos,
somente a partir
de uma distância
...” PP = ???
V = 3 dioptrias
V = 4 - 1
PP
3
4 -
1
PP =
1
1
PP =
PP = 1 m
3 = 4 - 1
PP
2. Uma pessoa normal é capaz de focalizar objetos a partir da
distância de 25 cm do olho. Um oftalmologista prescreve,
para um paciente, lentes de três dioptrias positivas. O
paciente, sem óculos, consegue focalizar objetos, somente a
partir de uma distância do olho, em metros, igual a:
a) 0,08
b) 0,25
c) 0,50
d) 0,75
e) 1,00
X
Solução:
PP = 50 cm = 0,50 m
V = X = ???
V = 4 - 1
PP
X = 4 - 2
X = 4 - 1
0,5
X = 2 di
3. Um olho hipermétrope tem o ponto próximo a 50 cm. Esse
olho deveria utilizar lente de contato de x dioptrias para
observar objetos a 25 cm. Então, x vale:
a) - 2
b) - 1
c) 1
d) 1,5
e) 2
X
4. A imagem formada na retina é sempre:
a) virtual.
b) maior que o objeto.
c) invertida em relação ao objeto.
d) direita em relação ao objeto.
e) muito mais afastada do cristalino que o objeto.
X
Solução:
PR = 50 cm = 0,50 m
V = ???
V =
- 0,5
1
V = - 2 di
V =
- PR
1
5. Certa pessoa míope não pode ver com nitidez objetos
colocados a uma distância superior a 50 cm. Quantas
dioptrias devem ter seus óculos para que possa ver com
clareza os objetos afastados ?
a) - 2
b) + 2
c) + 2 x 10-2
d) - 2 x 10-2
e) 50
X
6. Complete:
a) Na miopia a imagem se forma _________________ da
retina entre o ____________ e a __________________.
b) No olho hipermétrope, a imagem se forma _____________
da retina.
c) As lentes chamadas de “lentes negativas” (lentes
divergentes) corrigem a _________________ e as lentes
convergentes corrigem a ___________________________.
d) Aa células responsáveis pela visão colorida são
denominadas de _______________.
antes
cristalino retina
depois
miopia
hipermetropia ou presbiopia
cones
Como funciona o
Olho Humano
pupila
pálpebra
esclera
íris
Quando olhamos na direção de algum objeto,
a imagem atravessa a córnea e chega à íris,
que regula a quantidade de luz recebida por
meio de uma abertura chamada pupila.
Quanto maior a pupila, mais luz entra no
olho. Passada a pupila, a imagem chega ao
cristalino, e é focada sobre a retina. A lente
do olho produz uma imagem invertida, e o
cérebro a converte para a posição correta.
Na retina, mais de cem milhões de células
fotorreceptoras transformam as ondas
luminosas em impulsos eletroquímicos, que
são decodificados pelo cérebro.
Inspirado no funcionamento do olho o homem
criou a máquina fotográfica. Portanto, em
nossos olhos a córnea funciona como a lente
da câmera, permitindo a entrada de luz no
olho e a formação da imagem na retina.
Localizada na parte interna do olho, a retina
seria o filme fotográfico, onde a imagem se
reproduz. A pupila funciona como o diafragma
da máquina, controlando a quantidade de luz
que entre no olho. Ou seja, em ambientes com
muita luz a pupila se fecha e em locais
escuros a pupila se dilata com o intuito de
captar uma quantidade de luz suficiente para
formar a imagem.
São pêlos localizados na borda da
pálpebra e servem para proteger o
olho de materiais em suspensão no ar,
como a poeira.
É o tecido transparente que cobre a
pupila, a abertura da íris. Junto com o
cristalino, a córnea ajusta o foco da
imagem no olho.
Localizado atrás da íris o corpo ciliar é
responsável pela formação do humor
aquoso e pela acomodação, ou seja,
mobilidade do cristalino.
Camada externa do globo ocular -
parte branca do olho. Semi-rígida, ela
dá ao globo ocular seu formato e
protege as camadas internas mais
delicadas.
Líquido transparente que preenche o
espaço entre a córnea e o cristalino,
sua principal função é nutrir estas
partes do olho e regular a pressão
interna.
É um fino tecido muscular que tem, no
centro, uma abertura circular ajustável
chamada de pupila.
Ajustam a forma do cristalino. Com o
envelhecimento eles perdem sua
elasticidade, dificultando a focagem
dos objetos próximos e provocando
presbiopia.
É a estrutura formada pelos
prolongamentos das células nervosas
que formam a retina. Transmite a
imagem capturada pela retina para o
cérebro.
Controla a entrada de luz: dilata-se em
ambiente com pouca claridade e
estreita-se quando a iluminação é
maior. Esses ajustes permitem que a
pessoa enxergue bem à noite e evitam
danos à retina quando a luz é mais
forte.
Membrana transparente que reveste a
parte anterior do olho e a superfície
interior das pálpebras.
Camada média do globo ocular.
Constituída por uma rede de vasos
sangüíneos, ela supre a retina de
oxigênio e outros nutrientes.
Lente transparente e flexível,
localizada atrás da pupila. Funciona
como uma lente, cujo formato pode ser
ajustado para focar objetos em
diferentes distâncias, num mecanismo
chamado acomodação.
Porção de cada um dos olhos que
permite perceber detalhes dos objetos
observados. Localizada no centro da
retina, é muito bem irrigada de sangue
e possibilita, através das células
cônicas, a percepção das cores.
Líquido que ocupa o espaço entre o
cristalino e a retina.
Ponto central da retina. É a região que
distingue detalhes no meio do campo
visual.
Conjunto de seis músculos
responsáveis pelo movimento dos
olhos. Trabalham em sincronismo,
entre si, propiciando a movimentação
simultânea dos olhos. Caso ocorra
alguma alteração neste sincronismo
teremos a deficiência ocular chamada
estrabismo.
Consideradas anexos oculares, tem
como função proteger o olho na sua
parte mais anterior. Através da sua
movimentação (piscar), espalha a
lágrima produzida pelas glândulas
lacrimais, umedecendo e nutrindo a
córnea e retirando substâncias
estranhas que tenham alcançado o
olho.
Membrana nervosa onde se localizam
as células de recepção de luz
chamadas de cones e bastonetes. Sua
função é receber ondas de luz e
convertê-las em impulsos nervosos,
que são transformados em percepções
visuais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

8ano - Aula 12 - circuito elétrico.pptx
8ano -  Aula 12 -  circuito elétrico.pptx8ano -  Aula 12 -  circuito elétrico.pptx
8ano - Aula 12 - circuito elétrico.pptx
maria leir leir
 
Espelho plano
Espelho planoEspelho plano
Espelho plano
fisicaatual
 
Ondas 9° ano cec
Ondas 9° ano cecOndas 9° ano cec
Ondas 9° ano cec
Sergio Madureira
 
Educação Financeira
Educação FinanceiraEducação Financeira
Educação Financeira
Benjamim Garcia Netto
 
Óptica introdução
Óptica introduçãoÓptica introdução
Óptica introdução
O mundo da FÍSICA
 
Educação financeira
Educação financeiraEducação financeira
Educação financeira
Rodrigo Da Silva Girio
 
Refração luminosa
Refração luminosaRefração luminosa
Refração luminosa
Chris x-MS
 
Aula 8 sais e oxidos
Aula 8   sais e oxidosAula 8   sais e oxidos
Aula 8 sais e oxidos
José Vitor Alves
 
Física optica
Física opticaFísica optica
Física optica
Adrianne Mendonça
 
Educação Financeira para Jovens
Educação Financeira para JovensEducação Financeira para Jovens
Educação Financeira para Jovens
Kenneth Corrêa
 
Função.quadratica
Função.quadraticaFunção.quadratica
Função.quadratica
vaniaphcristina
 
Aula Física (9° Ano - Ciências) Magnetismo & Radiação
Aula Física (9° Ano - Ciências) Magnetismo & RadiaçãoAula Física (9° Ano - Ciências) Magnetismo & Radiação
Aula Física (9° Ano - Ciências) Magnetismo & Radiação
Ronaldo Santana
 
Estrutura Atomica
Estrutura AtomicaEstrutura Atomica
Estrutura Atomica
José Miguel Dos Santos
 
Óptica da visão
Óptica da visãoÓptica da visão
Óptica da visão
Marco Antonio Sanches
 
Cosmologia - o Universo
Cosmologia - o UniversoCosmologia - o Universo
Cosmologia - o Universo
Wesley Germano Otávio
 
Ondas Eletromagnéticas 9ºano
Ondas Eletromagnéticas 9ºanoOndas Eletromagnéticas 9ºano
Ondas Eletromagnéticas 9ºano
Italo Oliveira
 
Reflexao e refracao
Reflexao e refracaoReflexao e refracao
Reflexao e refracao
ildoslides
 
Colisões ou choques mecânicos
Colisões ou choques mecânicos Colisões ou choques mecânicos
Colisões ou choques mecânicos
Adrianne Mendonça
 
Plano cartesiano ppt
Plano cartesiano pptPlano cartesiano ppt
Plano cartesiano ppt
Newton Sérgio Lima
 
Instrumentos Ópticos
Instrumentos ÓpticosInstrumentos Ópticos
Instrumentos Ópticos
Samara Brito
 

Mais procurados (20)

8ano - Aula 12 - circuito elétrico.pptx
8ano -  Aula 12 -  circuito elétrico.pptx8ano -  Aula 12 -  circuito elétrico.pptx
8ano - Aula 12 - circuito elétrico.pptx
 
Espelho plano
Espelho planoEspelho plano
Espelho plano
 
Ondas 9° ano cec
Ondas 9° ano cecOndas 9° ano cec
Ondas 9° ano cec
 
Educação Financeira
Educação FinanceiraEducação Financeira
Educação Financeira
 
Óptica introdução
Óptica introduçãoÓptica introdução
Óptica introdução
 
Educação financeira
Educação financeiraEducação financeira
Educação financeira
 
Refração luminosa
Refração luminosaRefração luminosa
Refração luminosa
 
Aula 8 sais e oxidos
Aula 8   sais e oxidosAula 8   sais e oxidos
Aula 8 sais e oxidos
 
Física optica
Física opticaFísica optica
Física optica
 
Educação Financeira para Jovens
Educação Financeira para JovensEducação Financeira para Jovens
Educação Financeira para Jovens
 
Função.quadratica
Função.quadraticaFunção.quadratica
Função.quadratica
 
Aula Física (9° Ano - Ciências) Magnetismo & Radiação
Aula Física (9° Ano - Ciências) Magnetismo & RadiaçãoAula Física (9° Ano - Ciências) Magnetismo & Radiação
Aula Física (9° Ano - Ciências) Magnetismo & Radiação
 
Estrutura Atomica
Estrutura AtomicaEstrutura Atomica
Estrutura Atomica
 
Óptica da visão
Óptica da visãoÓptica da visão
Óptica da visão
 
Cosmologia - o Universo
Cosmologia - o UniversoCosmologia - o Universo
Cosmologia - o Universo
 
Ondas Eletromagnéticas 9ºano
Ondas Eletromagnéticas 9ºanoOndas Eletromagnéticas 9ºano
Ondas Eletromagnéticas 9ºano
 
Reflexao e refracao
Reflexao e refracaoReflexao e refracao
Reflexao e refracao
 
Colisões ou choques mecânicos
Colisões ou choques mecânicos Colisões ou choques mecânicos
Colisões ou choques mecânicos
 
Plano cartesiano ppt
Plano cartesiano pptPlano cartesiano ppt
Plano cartesiano ppt
 
Instrumentos Ópticos
Instrumentos ÓpticosInstrumentos Ópticos
Instrumentos Ópticos
 

Semelhante a ametropias.ppt

Aula 6-optica-da-visao.pptx
Aula 6-optica-da-visao.pptxAula 6-optica-da-visao.pptx
Aula 6-optica-da-visao.pptx
MuriloMartins47
 
Lentes marista parte 2
Lentes marista parte 2Lentes marista parte 2
Lentes marista parte 2
Yasmin Amorim
 
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Pedro Gonçalves Parson
 
Óptica - O olho humano
Óptica - O olho humanoÓptica - O olho humano
Óptica - O olho humano
Gabriela G.
 
Óptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostilaÓptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostila
Marco Antonio Sanches
 
olho humano - caracterísicas básica do olho humano
olho humano -  caracterísicas básica do olho humanoolho humano -  caracterísicas básica do olho humano
olho humano - caracterísicas básica do olho humano
hinacioaulas
 
óptica da visão
óptica da visãoóptica da visão
óptica da visão
rosana_maia
 
Anatomia ocular.pdf
Anatomia ocular.pdfAnatomia ocular.pdf
Anatomia ocular.pdf
asnsdt
 
Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)
Alberto Campos
 
Como funciona o olho
Como funciona o olhoComo funciona o olho
Como funciona o olho
Franfisik Fisica
 
O olho humano, 9º ano
O olho humano, 9º anoO olho humano, 9º ano
O olho humano, 9º ano
samuelmaiaalves
 
Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
grazy luz
 
Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
Laíz Coutinho
 
Olho e visão
Olho e visãoOlho e visão
Olho e visão
Xupiscovisk
 
1 disturbios da visao
1 disturbios da  visao1 disturbios da  visao
1 disturbios da visao
Latife Frota
 
Biofísica da Visãƒo
Biofísica da Visãƒo Biofísica da Visãƒo
Biofísica da Visãƒo
Marcelo Silva
 
Óptica da visão professor waldir montenegro
Óptica da visão professor  waldir montenegroÓptica da visão professor  waldir montenegro
Óptica da visão professor waldir montenegro
Waldir Montenegro
 
Trabalho de Anatomia sobre visão
Trabalho de Anatomia sobre visão Trabalho de Anatomia sobre visão
Trabalho de Anatomia sobre visão
Georgea Achaval Ferreira
 
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
Moises Maciel
 
Visão - NEUROANATOMIA
Visão - NEUROANATOMIAVisão - NEUROANATOMIA
Visão - NEUROANATOMIA
edhyelem
 

Semelhante a ametropias.ppt (20)

Aula 6-optica-da-visao.pptx
Aula 6-optica-da-visao.pptxAula 6-optica-da-visao.pptx
Aula 6-optica-da-visao.pptx
 
Lentes marista parte 2
Lentes marista parte 2Lentes marista parte 2
Lentes marista parte 2
 
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
 
Óptica - O olho humano
Óptica - O olho humanoÓptica - O olho humano
Óptica - O olho humano
 
Óptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostilaÓptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostila
 
olho humano - caracterísicas básica do olho humano
olho humano -  caracterísicas básica do olho humanoolho humano -  caracterísicas básica do olho humano
olho humano - caracterísicas básica do olho humano
 
óptica da visão
óptica da visãoóptica da visão
óptica da visão
 
Anatomia ocular.pdf
Anatomia ocular.pdfAnatomia ocular.pdf
Anatomia ocular.pdf
 
Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)
 
Como funciona o olho
Como funciona o olhoComo funciona o olho
Como funciona o olho
 
O olho humano, 9º ano
O olho humano, 9º anoO olho humano, 9º ano
O olho humano, 9º ano
 
Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
 
Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
 
Olho e visão
Olho e visãoOlho e visão
Olho e visão
 
1 disturbios da visao
1 disturbios da  visao1 disturbios da  visao
1 disturbios da visao
 
Biofísica da Visãƒo
Biofísica da Visãƒo Biofísica da Visãƒo
Biofísica da Visãƒo
 
Óptica da visão professor waldir montenegro
Óptica da visão professor  waldir montenegroÓptica da visão professor  waldir montenegro
Óptica da visão professor waldir montenegro
 
Trabalho de Anatomia sobre visão
Trabalho de Anatomia sobre visão Trabalho de Anatomia sobre visão
Trabalho de Anatomia sobre visão
 
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
 
Visão - NEUROANATOMIA
Visão - NEUROANATOMIAVisão - NEUROANATOMIA
Visão - NEUROANATOMIA
 

Último

UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 

ametropias.ppt

  • 2. A M E T R O P I A S (DEFEITOS DA VISÃO)
  • 5. Pupila Abertura central por onde a luz entra no olho. Sua área pode ser variada pela íris para se adaptar à quantidade de luz que chega ao fundo do olho.
  • 6. íris Membrana arredondada, retrátil, diversamente pigmentada. Chama-se de miose o processo de contração da pupila, e midríase o de dilatação.
  • 7. Córnea Membrana fibrosa que recobre todo o olho.
  • 8. Humor aquoso Substância gelatinosa e transparente que preenche a câmara anterior. Possui índice de refração próximo de 1,33.
  • 9. Cristalino Cápsula que contém uma gelatina fibrosa rija na posição central e menos consistente na periferia que funciona como uma lente convergente de distância focal variável. O cristalino encontra-se preso aos músculos ciliares por ligamentos.
  • 10. Músculos ciliares São capazes de alterar a distância focal do cristalino.
  • 11. Humor vítreo Substância gelatinosa e transparente que preenche a câmara posterior. Possui índice de refração próximo de 1,33 como o humor aquoso.
  • 12. Coroide Camada pigmentada e intensamente vascularizada, cuja função é a irrigação sanguínea do globo ocular.
  • 13. Esclerótica Camada exterior esbranquiçada e opaca responsável pela estabilidade mecânica do globo.
  • 14. Retina Membrana nervosa onde se localizam as células de recepção de luz chamadas cones e bastonetes.
  • 15. Cones e bastonetes Os cones são responsáveis pela visão colorida, e os bastonetes pela visão em preto e branco (sombras).
  • 16. Nervo óptico Nervo responsável pela ligação entre o globo ocular e a região da visão no cérebro.
  • 17. Mancha amarela Também chamada de mácula lútea, é a região da retina que permite enxergar com nitidez as imagens projetadas sobre ela.
  • 18. Ponto cego Região de contato entre o globo e o nervo óptico desprovida de receptores visuais, logo, não se enxergam as imagens que são projetadas sobre ele.
  • 20. PONTO PRÓXIMO (PP) de um globo ocular é a posição mais próxima que pode ser vista nitidamente, realizando esforço máximo de acomodação. Na pessoa normal, situa-se, convencionalmente, a 25 cm.
  • 21. PONTO REMOTO (PR) de um globo ocular é a posição mais afastada que pode ser vista nitidamente, sem esforço de acomodação. Na pessoa normal, este ponto está situado no infinito.
  • 22. ACOMODAÇÃO VISUAL é o mecanismo pelo qual o olho humano altera a vergência do cristalino, permitindo à pessoa normal enxergar nitidamente desde uma distância de aproximadamente 25 cm até o infinito.
  • 24. V = f 1 MIOPIA Apresenta como defeito o achatamento do globo ocular, provocando um alongamento no eixo óptico. A correção é feita através de lentes divergentes. O míope tem dificuldade de enxergar objetos mais distantes. A imagem é formada antes da retina. A distância focal das lentes de correção será: A vergência será: f = -PR
  • 25. HIPERMETROPIA É corrigida com o uso de lentes convergentes. Apresenta como defeito o encurtamento do globo ocular. Dificuldade de enxergar objetos mais próximos. Para a hipermetropia, vale a expressão V = 4 - 1 PP
  • 26. PRESBIOPIA Apresenta como defeito o endurecimento do cristalino. Perda da capacidade de acomodação visual. Não é defeito congênito, mais decorrente da idade. É conhecida vulgarmente como “vista cansada”. A correção é feita com o uso de lentes convergentes. Para calcular a vergência da lente temos: V = 4 - 1 PP
  • 27. ASTIGMATISMO Apresenta defeito na córnea, com raios de curvatura irregulares. Ocasiona uma visão manchada dos objetos. A correção é feita com o uso de lentes cilíndricas.
  • 28. ESTRABISMO Apresenta como defeito a incapacidade de dirigir para um mesmo ponto os eixos ópticos dos olhos. A correção é obtida com o uso de lentes prismáticas.
  • 29. CATARATA Defeito que apresenta como causa a opacidade do cristalino. A correção é feita com a substituição do cristalino por uma lente artificial, através de uma cirurgia. Geralmente este defeito é encontrado em pessoas idosas.
  • 30. DALTONISMO A retina humana dispõe de dois tipos de célula fotossensível: os cones e os bastonetes. Os cones são os responsáveis pela nossa visão colorida, fazendo a composição das cores primárias. Os bastonetes são mais sensíveis à luz, embora não as cores. A ausência de certos tipos de cones na retina, determinada por características genéticas, acarreta a falta de percepção de algumas cores, ou, as vezes, de todas. A cor que o daltônico não consegue captar é interpretada pelo cérebro como apenas mais um tom de cinza.
  • 31.
  • 32. Solução: “... não pode ver com nitidez objetos situados a mais de 50 cm...” Isto significa dizer que a pessoa não enxerga bem de longe, a pessoa tem MIOPIA. PR = - 50 cm = 0,5 m V = - 0,5 1 V = - 2 di V = - PR 1 1. Uma pessoa não pode ver com nitidez objetos situados a mais de 50 cm de seus olhos. O defeito de visão dessa pessoa e a vergência das lentes que ela deve usar para corrigir tal defeito correspondem, respectivamente, a a) miopia, 2 di. b) hipermetropia, - 2 di. c) miopia, - 2 di. d) astigmatismo, 0,50 di. e) miopia, - 0,50 di. X
  • 33. Solução: “... consegue focalizar objetos, somente a partir de uma distância ...” PP = ??? V = 3 dioptrias V = 4 - 1 PP 3 4 - 1 PP = 1 1 PP = PP = 1 m 3 = 4 - 1 PP 2. Uma pessoa normal é capaz de focalizar objetos a partir da distância de 25 cm do olho. Um oftalmologista prescreve, para um paciente, lentes de três dioptrias positivas. O paciente, sem óculos, consegue focalizar objetos, somente a partir de uma distância do olho, em metros, igual a: a) 0,08 b) 0,25 c) 0,50 d) 0,75 e) 1,00 X
  • 34. Solução: PP = 50 cm = 0,50 m V = X = ??? V = 4 - 1 PP X = 4 - 2 X = 4 - 1 0,5 X = 2 di 3. Um olho hipermétrope tem o ponto próximo a 50 cm. Esse olho deveria utilizar lente de contato de x dioptrias para observar objetos a 25 cm. Então, x vale: a) - 2 b) - 1 c) 1 d) 1,5 e) 2 X
  • 35. 4. A imagem formada na retina é sempre: a) virtual. b) maior que o objeto. c) invertida em relação ao objeto. d) direita em relação ao objeto. e) muito mais afastada do cristalino que o objeto. X
  • 36. Solução: PR = 50 cm = 0,50 m V = ??? V = - 0,5 1 V = - 2 di V = - PR 1 5. Certa pessoa míope não pode ver com nitidez objetos colocados a uma distância superior a 50 cm. Quantas dioptrias devem ter seus óculos para que possa ver com clareza os objetos afastados ? a) - 2 b) + 2 c) + 2 x 10-2 d) - 2 x 10-2 e) 50 X
  • 37. 6. Complete: a) Na miopia a imagem se forma _________________ da retina entre o ____________ e a __________________. b) No olho hipermétrope, a imagem se forma _____________ da retina. c) As lentes chamadas de “lentes negativas” (lentes divergentes) corrigem a _________________ e as lentes convergentes corrigem a ___________________________. d) Aa células responsáveis pela visão colorida são denominadas de _______________. antes cristalino retina depois miopia hipermetropia ou presbiopia cones
  • 39.
  • 41. Quando olhamos na direção de algum objeto, a imagem atravessa a córnea e chega à íris, que regula a quantidade de luz recebida por meio de uma abertura chamada pupila. Quanto maior a pupila, mais luz entra no olho. Passada a pupila, a imagem chega ao cristalino, e é focada sobre a retina. A lente do olho produz uma imagem invertida, e o cérebro a converte para a posição correta. Na retina, mais de cem milhões de células fotorreceptoras transformam as ondas luminosas em impulsos eletroquímicos, que são decodificados pelo cérebro.
  • 42. Inspirado no funcionamento do olho o homem criou a máquina fotográfica. Portanto, em nossos olhos a córnea funciona como a lente da câmera, permitindo a entrada de luz no olho e a formação da imagem na retina. Localizada na parte interna do olho, a retina seria o filme fotográfico, onde a imagem se reproduz. A pupila funciona como o diafragma da máquina, controlando a quantidade de luz que entre no olho. Ou seja, em ambientes com muita luz a pupila se fecha e em locais escuros a pupila se dilata com o intuito de captar uma quantidade de luz suficiente para formar a imagem.
  • 43.
  • 44. São pêlos localizados na borda da pálpebra e servem para proteger o olho de materiais em suspensão no ar, como a poeira.
  • 45. É o tecido transparente que cobre a pupila, a abertura da íris. Junto com o cristalino, a córnea ajusta o foco da imagem no olho.
  • 46. Localizado atrás da íris o corpo ciliar é responsável pela formação do humor aquoso e pela acomodação, ou seja, mobilidade do cristalino.
  • 47. Camada externa do globo ocular - parte branca do olho. Semi-rígida, ela dá ao globo ocular seu formato e protege as camadas internas mais delicadas.
  • 48. Líquido transparente que preenche o espaço entre a córnea e o cristalino, sua principal função é nutrir estas partes do olho e regular a pressão interna.
  • 49. É um fino tecido muscular que tem, no centro, uma abertura circular ajustável chamada de pupila.
  • 50. Ajustam a forma do cristalino. Com o envelhecimento eles perdem sua elasticidade, dificultando a focagem dos objetos próximos e provocando presbiopia.
  • 51. É a estrutura formada pelos prolongamentos das células nervosas que formam a retina. Transmite a imagem capturada pela retina para o cérebro.
  • 52. Controla a entrada de luz: dilata-se em ambiente com pouca claridade e estreita-se quando a iluminação é maior. Esses ajustes permitem que a pessoa enxergue bem à noite e evitam danos à retina quando a luz é mais forte.
  • 53. Membrana transparente que reveste a parte anterior do olho e a superfície interior das pálpebras.
  • 54. Camada média do globo ocular. Constituída por uma rede de vasos sangüíneos, ela supre a retina de oxigênio e outros nutrientes.
  • 55. Lente transparente e flexível, localizada atrás da pupila. Funciona como uma lente, cujo formato pode ser ajustado para focar objetos em diferentes distâncias, num mecanismo chamado acomodação.
  • 56. Porção de cada um dos olhos que permite perceber detalhes dos objetos observados. Localizada no centro da retina, é muito bem irrigada de sangue e possibilita, através das células cônicas, a percepção das cores.
  • 57. Líquido que ocupa o espaço entre o cristalino e a retina.
  • 58. Ponto central da retina. É a região que distingue detalhes no meio do campo visual.
  • 59. Conjunto de seis músculos responsáveis pelo movimento dos olhos. Trabalham em sincronismo, entre si, propiciando a movimentação simultânea dos olhos. Caso ocorra alguma alteração neste sincronismo teremos a deficiência ocular chamada estrabismo.
  • 60. Consideradas anexos oculares, tem como função proteger o olho na sua parte mais anterior. Através da sua movimentação (piscar), espalha a lágrima produzida pelas glândulas lacrimais, umedecendo e nutrindo a córnea e retirando substâncias estranhas que tenham alcançado o olho.
  • 61. Membrana nervosa onde se localizam as células de recepção de luz chamadas de cones e bastonetes. Sua função é receber ondas de luz e convertê-las em impulsos nervosos, que são transformados em percepções visuais.