SlideShare uma empresa Scribd logo
Ciências da Natureza
2
Constituída por um tecido conjuntivo resistente,
mantém a forma esférica do bulbo do olho.
Apresenta uma área transparente à luz e com
maior curvatura chamada de córnea
Esclera (esclerótica)
3
É uma película pigmentada abaixo da esclera
rica em vasos sanguíneos e que nutre e oxigena
as células do olho.
Sob a córnea, a corioide forma a íris (o disco
colorido do olho).
No centro da íris temos a pupila, por onde a luz
entra no globo ocular.
Corioide
4
Ligam-se ao cristalino (lente).
Sua contração ou relaxamento modificam a
forma do cristalino, para focalizar a imagem
corretamente na retina
Músculos ciliares
5
Camada que reveste internamente o globo
ocular e contém os fotorreceptores.
Retina
Fotorreceptores extremamente sensíveis à luz,
mas incapazes de distinguir as cores
Bastonetes
Menos sensíveis à luz, mas possuem a
capacidade de discriminar diferentes
comprimentos de onda, permitindo a visão em
cores
Cones
6
6 milhões de cones, a maioria concentrada na fóvea
120 milhões de bastonetes, poucos na fóvea
A retina contém:
7
As fibras das células nervosas conduzem o impulso
nervoso produzido pelos fotorreceptores até o
centro visual do córtex cerebral.
Essas fibras juntam-se em um mesmo ponto do
globo ocular, o chamado disco óptico, originando o
nervo óptico que sai do olho.
Nervo óptico
8
As fibras das células nervosas conduzem o impulso
nervoso produzido pelos fotorreceptores até o
centro visual do córtex cerebral.
Essas fibras juntam-se em um mesmo ponto do
globo ocular, o chamado disco óptico, originando o
nervo óptico que sai do olho.
Nervo óptico
No disco óptico não há fotorreceptores, de modo
que as imagens focalizadas nele não são vistas.
A região do disco óptico é um ponto cego da retina.
9
Isso ocorria pois a pupila estava em sua dilatação máxima e
quando flash era disparado não dava tempo de ajustá-la
Era comum em fotos antigas o efeito “olho vermelho”
quando fotos eram tiradas em ambientes escuros
10
Os primeiros não tiram a foto, apenas
sensibilizam a íris, que ao se contrair
diminui as chances de o efeito ocorrer
As câmeras digitais atuais possuem um
sistema de múltiplos flashes disparados
em um pequeno intervalo de tempo
11
Público
O cristalino é uma lente biconvexa presa aos
músculos ciliares cuja distância focal é variável
1
𝑓
=
𝑛𝑙𝑒𝑛𝑡𝑒
𝑛𝑚𝑒𝑖𝑜
− 1
1
𝑅1
+
1
𝑅2
1
𝑓
= 𝑘.
2
𝑅
↑ 𝑹 = 𝟐𝒌𝒇 ↑
Músculos ciliares
relaxados
Músculos ciliares
contraídos
A contração dos músculos
ciliares produz uma
diminuição da distância focal
12
Público
Quando os músculos ciliares estão
completamente relaxados, temos que a
distância focal do cristalino é máxima
Objetos infinitamente afastados terão
sua imagem formada nessa região
Nessa situação, para uma pessoa sem defeito
visual, o foco encontra-se na retina
Para um olho emétrope essa distância
é infinitamente grande. Logo
Posição do objeto quando o olho não realiza nenhum
esforço é chamada ponto remoto e sua distância D é
chamada de distância máxima de visão distinta
𝑫 → ∞
13
Público
À medida que o objeto se aproxima temos que
a imagem continua se formando sobre a retina
com a diminuição da distância focal
Quando os músculos ciliares estiverem
totalmente contraídos a distância focal será
mínima
Para um olho emétrope essa distância mínima vale 25cm
Nessa situação a posição do objeto é chamada de ponto
próximo. Nesse caso a distância é mínima e é chamada de
distância mínima de visão distinta, representada por d
𝒅 = 𝟐𝟓 𝒄𝒎
14
Público
(poder de acomodação)
Variação da vergência do globo ocular
entre as posições máxima e mínima
𝑎 = Δ𝑉 = 𝑉𝑃𝑃 − 𝑉𝑃𝑅
𝑎 =
1
𝑑
+
1
0,017
−
1
𝐷
+
1
0,017
𝑎 = Δ𝑉 =
1
𝑑
−
1
𝐷
VPP = 64
di
VPR = 60 di
15
Público
(poder de acomodação) 𝑎 = Δ𝑉 =
1
𝑑
−
1
𝐷
𝑎 =
1
0,25
−
1
∞
𝒂 = 𝟒𝒅𝒊
16
Público
Ametropia que ocorre quando a amplitude de
acomodação visual é menor do que 4
dioptrias
Deve-se à perda de elasticidade do
cristalino (enrijecimento dos músculos
ciliares), acarretando um aumento da
distância do ponto próximo
17
Mecanismo de acomodação visual e a presbiopia
18
Público
No começo, a presbiopia só atrapalha a leitura,
não tendo grande interferência na visão a
longa distância
Basta corrigir esse defeito com lentes
convergentes (da mesma maneira que se
corrige a hipermetropia)
19
Público
A amplitude de acomodação visual irá
diminuir, aproximando os pontos próximo e
remoto
A pessoa portadora de presbiopia terá
então que usar 2 óculos: um para perto e
outro para longe
20
Lentes bifocais
Lente para visão
de longe
Lente para visão
de perto
Lente multifocal (progressiva)
21
Público
https://www.NósAmamosAFísica.com
#AFísicaÉTop
(EINSTEIN-2017/2-ADAPTADA) Chamamos de amplitude de acomodação visual a variação da
vergência do cristalino de um olho, funcionando como uma lente, capaz de conjugar imagens nítidas
para um objeto situado em seu ponto próximo e no seu ponto remoto. Determine, em metros, a
distância do ponto próximo para uma pessoa que possua o ponto remoto normal e cuja amplitude de
acomodação visual seja de 2,5 di.
22
Público
https://www.NósAmamosAFísica.com
#AFísicaÉTop
RESOLUÇÃO
Da definição:
𝑎 =
1
𝑑
−
1
𝐷
2,5 =
1
𝑑
−
1
∞
𝑑 = 0,4𝑚
𝒅 = 𝟒𝟎𝒄𝒎
23
Público
Ocorre quando uma forma irregular da
córnea ou do cristalino produz uma
imagem borrada na retina
Visão normal
Astigmatismo
24
Público
A correção do astigmatismo é feita por
meio de lentes cilíndricas
Cuja convergência é maior numa direção
que em outra, possuindo curvatura apenas
no eixo em que existe a anormalidade
25
Público
A ilustração abaixo mostra a dupla inversão imposta pela
lente convergente: A transversal e a lateral
26
Público
Olhe a figura em seu centro em
diferentes distâncias
Verá todas as linhas nítidas e
igualmente escuras
Pessoa normal
27
Público
Olhe a figura em seu centro em
diferentes distâncias
Verá algumas dessas linhas menos
escuras ou embaçadas
Pessoa com astigmatismo
28
Público
Uma vez que a direção da anormalidade
da curvatura pode ser diferente
As lentes cilíndricas não serão
necessariamente as mesmas
29
Público
Incapacidade de dirigir simultaneamente as
retas visuais dos dois olhos para o ponto
visado
A correção é feita com o uso de lentes
prismáticas, exercícios da musculatura de
sustentação do globo ocular etc
30
Público
Estrabismo vertical Estrabismo horizontal
31
Diplopia
32
Público
Dependendo de onde o extraocular se liga ao
olho, há dois tipos de cirurgia
Numa delas, o músculo é desconectado do ponto em
que se liga ao olho e recolocado mais pra trás,
deixando-o mais folgado e diminuindo sua tensão
33
Público
Dependendo de onde o extraocular se liga ao
olho, há dois tipos de cirurgia
Na outra, um pedacinho do músculo é cortado e a parte
que sobra, mais curta, é colocada no ponto de fixação,
ficando mais tensa e “puxando” o olho pro lugar certo
34
Público
Opacificação do cristalino do olho que
causa diminuição da capacidade visual
Pode afetar um ou ambos os olhos e é
frequente desenvolver-se lentamente
As cataratas são formadas por depósitos de proteínas ou
pigmentos amarelados no cristalino, que diminuem a
transmissão de luz para a retina na parte de trás do olho
Cristalino saudável Catarata
35
Público
Opacificação do cristalino do olho que
causa diminuição da capacidade visual
Pode afetar um ou ambos os olhos e é
frequente desenvolver-se lentamente
36
Cirurgia de cataraca
37
Público
Alteração do nervo óptico
Dano irreversível das fibras
nervosas
Existe um sistema de drenagem que permite a saída do
excesso (é eliminado pelo canal de Schlemm)
O humor aquoso, fluido claro, praticamente incolor,
localizado atrás da córnea, é produzido continuamente
Bloqueio do canal de drenagem do
fluxo de humor aquoso
38
Público
Alteração do nervo óptico
Dano irreversível das fibras
nervosas
Comprimindo a artéria retiniana e restringindo a circulação
sanguínea na retina, provocando a cegueira
Qualquer bloqueio nesse sistema de drenagem poderá
aumentar a pressão ocular
Bloqueio do canal de drenagem do
fluxo de humor aquoso
Danos causados pelo aumento da
pressão nos vasos sanguíneos e
nervos ópticos
39
Atualmente, isso é feito pelo tonômetro, que
mede a deflexão da córnea sob a ação de uma
força conhecida
Antigamente, a pressão intraocular era
estimada pelos médicos pressionando os
olhos com os dedos e “sentindo” a reação
produzida pelo mesmo
40
Público
Ametropia em que a pessoa não consegue
focalizar na retina objetos distantes, pois a
focalização ocorre antes da retina
Na situação de máximo relaxamento o
foco encontra-se antes da retina
A miopia pode ser corrigida com o uso de lentes
divergentes.
Um globo ocular comprido demais ou a
córnea do olho com curvatura exagerada
são as causas desse defeito visual
41
Público
A lente divergente corretora da miopia deve ser
tal que, para um objeto no infinito, forneça uma
imagem exatamente no ponto remoto do olho
Logo o foco da lente deve coincidir com o ponto
remoto do olho.
Assim podemos afirmar que: 𝒇𝑳 = 𝑫
42
Público
https://www.NósAmamosAFísica.com
#AFísicaÉTop
(UNITAU) O ponto remoto de um míope situa-se a 51cm de seus olhos. Supondo que seja
de 1,0cm a distância entre seus olhos e as lentes dos óculos, podemos afirmar que, para a
correção do defeito visual, podemos usar uma lente de vergência:
3,0 di.
A –3,0 di.
B –2,0 di.
C 2,0 di.
D 4,0 di.
E
43
Público
https://www.NósAmamosAFísica.com
#AFísicaÉTop
RESOLUÇÃO
Esquematizando a
situação, temos:
𝑓 + 1 = 𝐷
𝑓 + 1 = 51
𝑓 = 50𝑐𝑚
𝒇 = −𝟓𝟎𝒄𝒎
A vergência da
lente será:
𝑉 =
1
𝑓
𝑉 =
1
−0,5
𝑽 = −𝟐𝒅𝒊
Resposta: C
44
Público
Ametropia em que a pessoa não consegue
focalizar na retina objetos próximos, pois a
focalização ocorre atrás da retina
Na situação de máximo relaxamento o
foco encontra-se depois da retina
Devido a isso, para enxergar um objeto ao longe,
deve fazer um esforço de acomodação
Um globo ocular curto demais é a causa
desse defeito visual
A hipermetropia pode ser corrigida com o uso
de lentes convergentes.
Assim ele esgota sua capacidade de
acomodação em uma posição mais
afastada, aumentando o ponto próximo
(d > 25cm)
45
Público
A lente convergente corretora da hipermetropia
deve ser tal que, para um objeto localizado na
distância mínima para um olho normal, forneça uma
imagem virtual localizada no ponto próximo
A correção da presbiopia é feita com lentes
convergentes, como na hipermetropia, calculando-se
suas características da mesma maneira
𝟏
𝒇𝑳
=
𝟏
𝒅𝒏𝒐𝒓𝒎𝒂𝒍
−
𝟏
𝒅
46
Público
https://www.NósAmamosAFísica.com
#AFísicaÉTop
(UFCE) Foi convencionado que indivíduos com “visão normal” têm distância máxima de
visão distinta infinitamente grande (D → ∞) e distância mínima de visão distinta igual a 25cm.
Considere uma pessoa que, sem usar lentes de correção, só consegue ver nitidamente
objetos colocados em distâncias além de 40cm de seus olhos. Para que a visão seja “normal”,
qual deve ser a dioptria das lentes corretivas?
47
Público
https://www.NósAmamosAFísica.com
#AFísicaÉTop
RESOLUÇÃO: De acordo com o texto, o indivíduo possui dificuldade em enxergar
objetos próximos. Sendo assim, ela terá HIPERMETROPIA ou PRESBIOPIA
Colocando o objeto à 25cm de distância, a
imagem será formada à 40cm. Assim:
1
𝑓
=
1
𝑝
+
1
𝑝′
𝑉 =
1
0,25
−
1
0,4
𝑉 = 4 − 2,5
𝑽 = 𝟏, 𝟓𝒅𝒊
48
Miopia
Hipermetropia ou presbiopia
49
Diabetes e os defeitos visuais
50
Público
https://www.NósAmamosAFísica.com
#AFísicaÉTop
(PUCCAMP) José fez exame de vista e o médico oftalmologista preencheu a receita a seguir.
Pela receita, conclui-se que o olho
direito apresenta miopia, astigmatismo e "vista
cansada".
A
direito apresenta apenas miopia e astigmatismo.
B
direito apresenta apenas astigmatismo e "vista
cansada".
C
esquerdo apresenta apenas hipermetropia.
D
esquerdo apresenta apenas "vista cansada".
E
Resposta: A
51
Público
https://www.NósAmamosAFísica.com
#AFísicaÉTop
(FUVEST) Uma pessoa idosa que tem hipermetropia e presbiopia foi a um oculista que lhe receitou dois pares de
óculos, um para que enxergasse bem os objetos distantes e outro para que pudesse ler um livro a uma distância
confortável de sua vista.
- Hipermetropia: a imagem de um objeto distante se forma atrás da retina.
- Presbiopia: o cristalino perde, por envelhecimento, a capacidade de acomodação e objetos próximos não são vistos
com nitidez.
- Dioptria: a convergência de uma lente, medida em dioptrias, é o inverso da distância focal (em metros) da lente.
Considerando que receitas fornecidas por oculistas utilizam o sinal mais (+) para lentes convergentes e menos (-) para
divergentes, a receita do oculista para um dos olhos dessa pessoa idosa poderia ser,
para longe: – 1,5 dioptrias; para perto: + 4,5 dioptrias
A
para longe: – 1,5 dioptrias; para perto: – 4,5 dioptrias
B
para longe: + 4,5 dioptrias; para perto: + 1,5 dioptrias
C
para longe: + 1,5 dioptrias; para perto: - 4,5 dioptrias
D
para longe: + 1,5 dioptrias; para perto: + 4,5 dioptrias
E
Resposta: E

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula 6-optica-da-visao.pptx

Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Pedro Gonçalves Parson
 
olho humano - caracterísicas básica do olho humano
olho humano -  caracterísicas básica do olho humanoolho humano -  caracterísicas básica do olho humano
olho humano - caracterísicas básica do olho humano
hinacioaulas
 
Como funciona o olho
Como funciona o olhoComo funciona o olho
Como funciona o olho
Franfisik Fisica
 
Anatomia ocular.pdf
Anatomia ocular.pdfAnatomia ocular.pdf
Anatomia ocular.pdf
asnsdt
 
Biofísica do olho humano
Biofísica do olho humanoBiofísica do olho humano
Biofísica do olho humano
Diogo Alves
 
O olho humano, 9º ano
O olho humano, 9º anoO olho humano, 9º ano
O olho humano, 9º ano
samuelmaiaalves
 
olho humano-defeitos_visao
olho humano-defeitos_visaoolho humano-defeitos_visao
olho humano-defeitos_visao
nunofq
 
Instrumentos óticos
Instrumentos óticosInstrumentos óticos
Instrumentos óticos
UERGS
 
Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
Livia Siqueira Martins Fagundes
 
Lentes convergentes e divergentes
Lentes convergentes e divergentesLentes convergentes e divergentes
Lentes convergentes e divergentes
Felipe Dias Guimarães
 
Óptica visão prof ivanise meyer
Óptica visão prof ivanise meyerÓptica visão prof ivanise meyer
Óptica visão prof ivanise meyer
Ivanise Meyer
 
Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
Laíz Coutinho
 
Volume05
Volume05Volume05
Volume05
Fábio Moreira
 
olho humano, óptica da visão e defeitos.ppt
olho humano, óptica da visão e defeitos.pptolho humano, óptica da visão e defeitos.ppt
olho humano, óptica da visão e defeitos.ppt
AssisTeixeira2
 
Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)
Alberto Campos
 
Biofísica da Visão
Biofísica da VisãoBiofísica da Visão
Biofísica da Visão
Sarah Noleto
 
O Olho Humano. slideshare 1
O Olho Humano. slideshare 1O Olho Humano. slideshare 1
O Olho Humano. slideshare 1
Herman Ramos
 
Apr2°anoOlho Humano defeitos apresentadaodos
Apr2°anoOlho Humano defeitos apresentadaodosApr2°anoOlho Humano defeitos apresentadaodos
Apr2°anoOlho Humano defeitos apresentadaodos
CiroRobertoDaros2
 
Problemas de visão
Problemas de visão Problemas de visão
Problemas de visão
dragonfire1999
 
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
Moises Maciel
 

Semelhante a Aula 6-optica-da-visao.pptx (20)

Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
 
olho humano - caracterísicas básica do olho humano
olho humano -  caracterísicas básica do olho humanoolho humano -  caracterísicas básica do olho humano
olho humano - caracterísicas básica do olho humano
 
Como funciona o olho
Como funciona o olhoComo funciona o olho
Como funciona o olho
 
Anatomia ocular.pdf
Anatomia ocular.pdfAnatomia ocular.pdf
Anatomia ocular.pdf
 
Biofísica do olho humano
Biofísica do olho humanoBiofísica do olho humano
Biofísica do olho humano
 
O olho humano, 9º ano
O olho humano, 9º anoO olho humano, 9º ano
O olho humano, 9º ano
 
olho humano-defeitos_visao
olho humano-defeitos_visaoolho humano-defeitos_visao
olho humano-defeitos_visao
 
Instrumentos óticos
Instrumentos óticosInstrumentos óticos
Instrumentos óticos
 
Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
 
Lentes convergentes e divergentes
Lentes convergentes e divergentesLentes convergentes e divergentes
Lentes convergentes e divergentes
 
Óptica visão prof ivanise meyer
Óptica visão prof ivanise meyerÓptica visão prof ivanise meyer
Óptica visão prof ivanise meyer
 
Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
 
Volume05
Volume05Volume05
Volume05
 
olho humano, óptica da visão e defeitos.ppt
olho humano, óptica da visão e defeitos.pptolho humano, óptica da visão e defeitos.ppt
olho humano, óptica da visão e defeitos.ppt
 
Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)
 
Biofísica da Visão
Biofísica da VisãoBiofísica da Visão
Biofísica da Visão
 
O Olho Humano. slideshare 1
O Olho Humano. slideshare 1O Olho Humano. slideshare 1
O Olho Humano. slideshare 1
 
Apr2°anoOlho Humano defeitos apresentadaodos
Apr2°anoOlho Humano defeitos apresentadaodosApr2°anoOlho Humano defeitos apresentadaodos
Apr2°anoOlho Humano defeitos apresentadaodos
 
Problemas de visão
Problemas de visão Problemas de visão
Problemas de visão
 
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
 

Último

UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 

Aula 6-optica-da-visao.pptx

  • 2. 2 Constituída por um tecido conjuntivo resistente, mantém a forma esférica do bulbo do olho. Apresenta uma área transparente à luz e com maior curvatura chamada de córnea Esclera (esclerótica)
  • 3. 3 É uma película pigmentada abaixo da esclera rica em vasos sanguíneos e que nutre e oxigena as células do olho. Sob a córnea, a corioide forma a íris (o disco colorido do olho). No centro da íris temos a pupila, por onde a luz entra no globo ocular. Corioide
  • 4. 4 Ligam-se ao cristalino (lente). Sua contração ou relaxamento modificam a forma do cristalino, para focalizar a imagem corretamente na retina Músculos ciliares
  • 5. 5 Camada que reveste internamente o globo ocular e contém os fotorreceptores. Retina Fotorreceptores extremamente sensíveis à luz, mas incapazes de distinguir as cores Bastonetes Menos sensíveis à luz, mas possuem a capacidade de discriminar diferentes comprimentos de onda, permitindo a visão em cores Cones
  • 6. 6 6 milhões de cones, a maioria concentrada na fóvea 120 milhões de bastonetes, poucos na fóvea A retina contém:
  • 7. 7 As fibras das células nervosas conduzem o impulso nervoso produzido pelos fotorreceptores até o centro visual do córtex cerebral. Essas fibras juntam-se em um mesmo ponto do globo ocular, o chamado disco óptico, originando o nervo óptico que sai do olho. Nervo óptico
  • 8. 8 As fibras das células nervosas conduzem o impulso nervoso produzido pelos fotorreceptores até o centro visual do córtex cerebral. Essas fibras juntam-se em um mesmo ponto do globo ocular, o chamado disco óptico, originando o nervo óptico que sai do olho. Nervo óptico No disco óptico não há fotorreceptores, de modo que as imagens focalizadas nele não são vistas. A região do disco óptico é um ponto cego da retina.
  • 9. 9 Isso ocorria pois a pupila estava em sua dilatação máxima e quando flash era disparado não dava tempo de ajustá-la Era comum em fotos antigas o efeito “olho vermelho” quando fotos eram tiradas em ambientes escuros
  • 10. 10 Os primeiros não tiram a foto, apenas sensibilizam a íris, que ao se contrair diminui as chances de o efeito ocorrer As câmeras digitais atuais possuem um sistema de múltiplos flashes disparados em um pequeno intervalo de tempo
  • 11. 11 Público O cristalino é uma lente biconvexa presa aos músculos ciliares cuja distância focal é variável 1 𝑓 = 𝑛𝑙𝑒𝑛𝑡𝑒 𝑛𝑚𝑒𝑖𝑜 − 1 1 𝑅1 + 1 𝑅2 1 𝑓 = 𝑘. 2 𝑅 ↑ 𝑹 = 𝟐𝒌𝒇 ↑ Músculos ciliares relaxados Músculos ciliares contraídos A contração dos músculos ciliares produz uma diminuição da distância focal
  • 12. 12 Público Quando os músculos ciliares estão completamente relaxados, temos que a distância focal do cristalino é máxima Objetos infinitamente afastados terão sua imagem formada nessa região Nessa situação, para uma pessoa sem defeito visual, o foco encontra-se na retina Para um olho emétrope essa distância é infinitamente grande. Logo Posição do objeto quando o olho não realiza nenhum esforço é chamada ponto remoto e sua distância D é chamada de distância máxima de visão distinta 𝑫 → ∞
  • 13. 13 Público À medida que o objeto se aproxima temos que a imagem continua se formando sobre a retina com a diminuição da distância focal Quando os músculos ciliares estiverem totalmente contraídos a distância focal será mínima Para um olho emétrope essa distância mínima vale 25cm Nessa situação a posição do objeto é chamada de ponto próximo. Nesse caso a distância é mínima e é chamada de distância mínima de visão distinta, representada por d 𝒅 = 𝟐𝟓 𝒄𝒎
  • 14. 14 Público (poder de acomodação) Variação da vergência do globo ocular entre as posições máxima e mínima 𝑎 = Δ𝑉 = 𝑉𝑃𝑃 − 𝑉𝑃𝑅 𝑎 = 1 𝑑 + 1 0,017 − 1 𝐷 + 1 0,017 𝑎 = Δ𝑉 = 1 𝑑 − 1 𝐷 VPP = 64 di VPR = 60 di
  • 15. 15 Público (poder de acomodação) 𝑎 = Δ𝑉 = 1 𝑑 − 1 𝐷 𝑎 = 1 0,25 − 1 ∞ 𝒂 = 𝟒𝒅𝒊
  • 16. 16 Público Ametropia que ocorre quando a amplitude de acomodação visual é menor do que 4 dioptrias Deve-se à perda de elasticidade do cristalino (enrijecimento dos músculos ciliares), acarretando um aumento da distância do ponto próximo
  • 17. 17 Mecanismo de acomodação visual e a presbiopia
  • 18. 18 Público No começo, a presbiopia só atrapalha a leitura, não tendo grande interferência na visão a longa distância Basta corrigir esse defeito com lentes convergentes (da mesma maneira que se corrige a hipermetropia)
  • 19. 19 Público A amplitude de acomodação visual irá diminuir, aproximando os pontos próximo e remoto A pessoa portadora de presbiopia terá então que usar 2 óculos: um para perto e outro para longe
  • 20. 20 Lentes bifocais Lente para visão de longe Lente para visão de perto Lente multifocal (progressiva)
  • 21. 21 Público https://www.NósAmamosAFísica.com #AFísicaÉTop (EINSTEIN-2017/2-ADAPTADA) Chamamos de amplitude de acomodação visual a variação da vergência do cristalino de um olho, funcionando como uma lente, capaz de conjugar imagens nítidas para um objeto situado em seu ponto próximo e no seu ponto remoto. Determine, em metros, a distância do ponto próximo para uma pessoa que possua o ponto remoto normal e cuja amplitude de acomodação visual seja de 2,5 di.
  • 23. 23 Público Ocorre quando uma forma irregular da córnea ou do cristalino produz uma imagem borrada na retina Visão normal Astigmatismo
  • 24. 24 Público A correção do astigmatismo é feita por meio de lentes cilíndricas Cuja convergência é maior numa direção que em outra, possuindo curvatura apenas no eixo em que existe a anormalidade
  • 25. 25 Público A ilustração abaixo mostra a dupla inversão imposta pela lente convergente: A transversal e a lateral
  • 26. 26 Público Olhe a figura em seu centro em diferentes distâncias Verá todas as linhas nítidas e igualmente escuras Pessoa normal
  • 27. 27 Público Olhe a figura em seu centro em diferentes distâncias Verá algumas dessas linhas menos escuras ou embaçadas Pessoa com astigmatismo
  • 28. 28 Público Uma vez que a direção da anormalidade da curvatura pode ser diferente As lentes cilíndricas não serão necessariamente as mesmas
  • 29. 29 Público Incapacidade de dirigir simultaneamente as retas visuais dos dois olhos para o ponto visado A correção é feita com o uso de lentes prismáticas, exercícios da musculatura de sustentação do globo ocular etc
  • 32. 32 Público Dependendo de onde o extraocular se liga ao olho, há dois tipos de cirurgia Numa delas, o músculo é desconectado do ponto em que se liga ao olho e recolocado mais pra trás, deixando-o mais folgado e diminuindo sua tensão
  • 33. 33 Público Dependendo de onde o extraocular se liga ao olho, há dois tipos de cirurgia Na outra, um pedacinho do músculo é cortado e a parte que sobra, mais curta, é colocada no ponto de fixação, ficando mais tensa e “puxando” o olho pro lugar certo
  • 34. 34 Público Opacificação do cristalino do olho que causa diminuição da capacidade visual Pode afetar um ou ambos os olhos e é frequente desenvolver-se lentamente As cataratas são formadas por depósitos de proteínas ou pigmentos amarelados no cristalino, que diminuem a transmissão de luz para a retina na parte de trás do olho Cristalino saudável Catarata
  • 35. 35 Público Opacificação do cristalino do olho que causa diminuição da capacidade visual Pode afetar um ou ambos os olhos e é frequente desenvolver-se lentamente
  • 37. 37 Público Alteração do nervo óptico Dano irreversível das fibras nervosas Existe um sistema de drenagem que permite a saída do excesso (é eliminado pelo canal de Schlemm) O humor aquoso, fluido claro, praticamente incolor, localizado atrás da córnea, é produzido continuamente Bloqueio do canal de drenagem do fluxo de humor aquoso
  • 38. 38 Público Alteração do nervo óptico Dano irreversível das fibras nervosas Comprimindo a artéria retiniana e restringindo a circulação sanguínea na retina, provocando a cegueira Qualquer bloqueio nesse sistema de drenagem poderá aumentar a pressão ocular Bloqueio do canal de drenagem do fluxo de humor aquoso Danos causados pelo aumento da pressão nos vasos sanguíneos e nervos ópticos
  • 39. 39 Atualmente, isso é feito pelo tonômetro, que mede a deflexão da córnea sob a ação de uma força conhecida Antigamente, a pressão intraocular era estimada pelos médicos pressionando os olhos com os dedos e “sentindo” a reação produzida pelo mesmo
  • 40. 40 Público Ametropia em que a pessoa não consegue focalizar na retina objetos distantes, pois a focalização ocorre antes da retina Na situação de máximo relaxamento o foco encontra-se antes da retina A miopia pode ser corrigida com o uso de lentes divergentes. Um globo ocular comprido demais ou a córnea do olho com curvatura exagerada são as causas desse defeito visual
  • 41. 41 Público A lente divergente corretora da miopia deve ser tal que, para um objeto no infinito, forneça uma imagem exatamente no ponto remoto do olho Logo o foco da lente deve coincidir com o ponto remoto do olho. Assim podemos afirmar que: 𝒇𝑳 = 𝑫
  • 42. 42 Público https://www.NósAmamosAFísica.com #AFísicaÉTop (UNITAU) O ponto remoto de um míope situa-se a 51cm de seus olhos. Supondo que seja de 1,0cm a distância entre seus olhos e as lentes dos óculos, podemos afirmar que, para a correção do defeito visual, podemos usar uma lente de vergência: 3,0 di. A –3,0 di. B –2,0 di. C 2,0 di. D 4,0 di. E
  • 43. 43 Público https://www.NósAmamosAFísica.com #AFísicaÉTop RESOLUÇÃO Esquematizando a situação, temos: 𝑓 + 1 = 𝐷 𝑓 + 1 = 51 𝑓 = 50𝑐𝑚 𝒇 = −𝟓𝟎𝒄𝒎 A vergência da lente será: 𝑉 = 1 𝑓 𝑉 = 1 −0,5 𝑽 = −𝟐𝒅𝒊 Resposta: C
  • 44. 44 Público Ametropia em que a pessoa não consegue focalizar na retina objetos próximos, pois a focalização ocorre atrás da retina Na situação de máximo relaxamento o foco encontra-se depois da retina Devido a isso, para enxergar um objeto ao longe, deve fazer um esforço de acomodação Um globo ocular curto demais é a causa desse defeito visual A hipermetropia pode ser corrigida com o uso de lentes convergentes. Assim ele esgota sua capacidade de acomodação em uma posição mais afastada, aumentando o ponto próximo (d > 25cm)
  • 45. 45 Público A lente convergente corretora da hipermetropia deve ser tal que, para um objeto localizado na distância mínima para um olho normal, forneça uma imagem virtual localizada no ponto próximo A correção da presbiopia é feita com lentes convergentes, como na hipermetropia, calculando-se suas características da mesma maneira 𝟏 𝒇𝑳 = 𝟏 𝒅𝒏𝒐𝒓𝒎𝒂𝒍 − 𝟏 𝒅
  • 46. 46 Público https://www.NósAmamosAFísica.com #AFísicaÉTop (UFCE) Foi convencionado que indivíduos com “visão normal” têm distância máxima de visão distinta infinitamente grande (D → ∞) e distância mínima de visão distinta igual a 25cm. Considere uma pessoa que, sem usar lentes de correção, só consegue ver nitidamente objetos colocados em distâncias além de 40cm de seus olhos. Para que a visão seja “normal”, qual deve ser a dioptria das lentes corretivas?
  • 47. 47 Público https://www.NósAmamosAFísica.com #AFísicaÉTop RESOLUÇÃO: De acordo com o texto, o indivíduo possui dificuldade em enxergar objetos próximos. Sendo assim, ela terá HIPERMETROPIA ou PRESBIOPIA Colocando o objeto à 25cm de distância, a imagem será formada à 40cm. Assim: 1 𝑓 = 1 𝑝 + 1 𝑝′ 𝑉 = 1 0,25 − 1 0,4 𝑉 = 4 − 2,5 𝑽 = 𝟏, 𝟓𝒅𝒊
  • 49. 49 Diabetes e os defeitos visuais
  • 50. 50 Público https://www.NósAmamosAFísica.com #AFísicaÉTop (PUCCAMP) José fez exame de vista e o médico oftalmologista preencheu a receita a seguir. Pela receita, conclui-se que o olho direito apresenta miopia, astigmatismo e "vista cansada". A direito apresenta apenas miopia e astigmatismo. B direito apresenta apenas astigmatismo e "vista cansada". C esquerdo apresenta apenas hipermetropia. D esquerdo apresenta apenas "vista cansada". E Resposta: A
  • 51. 51 Público https://www.NósAmamosAFísica.com #AFísicaÉTop (FUVEST) Uma pessoa idosa que tem hipermetropia e presbiopia foi a um oculista que lhe receitou dois pares de óculos, um para que enxergasse bem os objetos distantes e outro para que pudesse ler um livro a uma distância confortável de sua vista. - Hipermetropia: a imagem de um objeto distante se forma atrás da retina. - Presbiopia: o cristalino perde, por envelhecimento, a capacidade de acomodação e objetos próximos não são vistos com nitidez. - Dioptria: a convergência de uma lente, medida em dioptrias, é o inverso da distância focal (em metros) da lente. Considerando que receitas fornecidas por oculistas utilizam o sinal mais (+) para lentes convergentes e menos (-) para divergentes, a receita do oculista para um dos olhos dessa pessoa idosa poderia ser, para longe: – 1,5 dioptrias; para perto: + 4,5 dioptrias A para longe: – 1,5 dioptrias; para perto: – 4,5 dioptrias B para longe: + 4,5 dioptrias; para perto: + 1,5 dioptrias C para longe: + 1,5 dioptrias; para perto: - 4,5 dioptrias D para longe: + 1,5 dioptrias; para perto: + 4,5 dioptrias E Resposta: E