Pilares - REPRESENTAÇÃO GRAFICA

12.426 visualizações

Publicada em

pilares - representação gráfica

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.426
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
19
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
720
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pilares - REPRESENTAÇÃO GRAFICA

  1. 1. DESENHO DE ESTRUTURAS REPRESENTAÇÃO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO Docente: Frank Guidi, Juliana Gavini
  2. 2. Pilares  FUNÇÃO: Conduzir as cargas verticais dos pavimentos para as fundações.  Fornecer estabilidade ao edifício quanto aos esforços horizontais (vento e terremotos).   Isoladamente (pilares de grande rigidez, como os das caixas de escada e elevadores) ou  Participando de pórticos de contraventamento (associação de pilares e vigas)
  3. 3. Pilares Esbeltez  Índice que relaciona o comprimento de flambagem com as características e amplitude da seção.
  4. 4. Pilares Esbeltez
  5. 5. Pilares Excentricidade  A aplicação de carga não necessariamente no centro do pilar necessita de uma correção quanto aos momentos resultantes..
  6. 6. Pilares  Análise Global Todos os elementos de contraventamento Carga do vento + desaprumo + efeitos de 2a ordem   Análise Local Trechos dos pilares entre os pisos do edifício Cargas e momentos iniciais + excentricidade acidental 
  7. 7. Pilares DESAFIO   Determinar as dimensões da seção de forma eficiente e econômica. Determinar a área de aço necessária de forma eficiente e econômica.
  8. 8. Pilares CARGAS  Cargas verticais (esforços provenientes das vigas) NBR 6120  Ação do vento (carga horizontal) NBR6123   Imperfeições geométricas globais Efeitos de 2ª ordem
  9. 9. Classificação  Quanto à posição     Quanto à resistência    Pilares Centrados Pilares de Extremidade Pilares de Canto Pilares de Contraventamento Pilares Contraventados Quanto à esbeltez     Pilares Curtos Pilares Medianamente Esbeltos Pilares Esbeltos Pilares muito Esbeltos
  10. 10. Seção As armaduras longitudinais devem ser dispostas na seção transversal de forma a garantir a adequada resistência do elemento estrutural.  Em seções poligonais, deve existir pelo menos uma barra em cada vértice;  Em seções circulares, no mínimo seis barras distribuídas ao longo do perímetro.
  11. 11. Seção As armaduras longitudinais devem ser dispostas na seção transversal de forma a garantir a adequada resistência do elemento estrutural.  Em seções poligonais, deve existir pelo menos uma barra em cada vértice;  Em seções circulares, no mínimo seis barras distribuídas ao longo do perímetro.
  12. 12. Seção O espaçamento da armadura longitudinal deve adotar comumente os valores conforme o esquema: A armadura tranversal (estribos e grampos) deve ser colocada em toda a altura do pilar, sendo obrigatória sua colocação na região de cruzamento com vigas e lajes.
  13. 13. Proteção - flambagem   Sempre que houver possibilidade de flambagem das barras da armadura, devem ser tomadas precauções para evitá-la. Estribos poligonais suplementares: barras terminadas em ganchos que protegem as barras longitudinais situadas em seus cantos e as por eles abrangidas.
  14. 14. Desenho de fôrmas  São representadas em corte, devendo-se fornecer as informações:  dimensões da seção transversal (largura e a altura) EM RELAÇÃO AO PAVIMENTO DA PRANCHA.  Informações e detalhes construtivos adicionais devem ser representados por meio de cortes na própria planta ou em separado.
  15. 15. Desenho de fôrmas  Podem existir pilares que têm início (nascem) no pavimento em representação ou pilares que são interrompidos (morrem) nesse pavimento.
  16. 16. Desenho de fôrmas Pilares que continuam com seção bem definida.
  17. 17. Desenho de fôrmas Pilar que nasce no pavimento Pilar que muda de seção transversal (parte morre).
  18. 18. Fôrmas
  19. 19. Fôrmas
  20. 20. Desenho de armações Armadura longitudinal Como armadura longitudinal são exigidos quatro ferros de 10 mm (3/8”).  Armadura transversal Para a armadura transversal, o diâmetro do estribo deverá ser maior ou igual a ¼ do diâmetro da armadura longitudinal (∅L), não sendo inferior a 5 mm (3/16”). 
  21. 21. Desenho de armações  O espaçamento (e) a ser dado entre os estribos também é normalizado e deverá atender às seguintes condições
  22. 22. Desenho de armações  A armação de um pilar, conforme convenção do desenho de concreto armado, é apresentada ao lado.
  23. 23. Armação      Quantidade de barras Identificação da barra Diâmetro do aço Espaçamento Comprimento (inclusive das dobras) Exemplo 23 N22 Ø 10.0 c/20 C=853
  24. 24. Armação
  25. 25. Armação
  26. 26. Armação  Detalhamento da seção QUADRO RESUMO AÇO DOS PILARES

×