SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 76
Baixar para ler offline
DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO, INFORMAÇÃO E
TECNOLOGIA
www.redeceteps.com.br
www.facebook.com.br/redeceteps
• Profª. Sheila Cortes
• Contadora CRC/MS 12.930-O
• Advogada OAB/MS 25.894
• Síndica Profissional
COMUNICAÇÃO, INFORMAÇÃO E
TECNOLOGIA
O QUE É COMUNICAÇÃO?
 A comunicação é uma característica fundamental da
experiência humana, e sua origem remonta aos
primórdios da história da humanidade:
 1. Comunicação Primitiva: Desde os primórdios
da humanidade, os seres humanos desenvolveram
formas rudimentares de comunicação. Gestos,
expressões faciais e vocalizações eram os meios
iniciais de transmitir informações e intenções.
 2. Desenvolvimento da Linguagem: Com o tempo,
as comunidades humanas começaram a desenvolver
linguagens mais complexas e estruturadas. A
linguagem verbal permitiu a transmissão de
informações mais detalhadas e sofisticadas.
 3. Escrita e Comunicação Registrada: O
desenvolvimento da escrita foi um marco crucial na
história da comunicação. A escrita permitiu que as
informações fossem registradas e transmitidas
através do tempo e espaço.
 4. Imprensa e Comunicação em Massa: A
invenção da imprensa por Johannes Gutenberg no
século XV revolucionou a comunicação, permitindo a
produção em massa de livros e jornais. Isso facilitou
a disseminação de informações em larga escala.
 5. Telecomunicações: O século XIX testemunhou o
desenvolvimento de tecnologias de telecomunicações,
como o telégrafo e o telefone, que permitiram a
comunicação instantânea a longas distâncias.
 6. Comunicação Eletrônica e Digital: No século XX,
surgiram meios de comunicação eletrônica, como o rádio e
a televisão, proporcionando novas formas de compartilhar
informações. O advento da internet e das tecnologias
digitais no final do século XX e início do século XXI
revolucionou ainda mais a forma como as pessoas se
comunicam.
 7. Comunicação Globalizada: Atualmente, vivemos em
uma era de comunicação globalizada, onde a informação
pode ser compartilhada instantaneamente em todo o
mundo. Redes sociais, e-mails, videochamadas e outras
tecnologias conectam as pessoas de maneiras antes
inimagináveis.
 8. Comunicação Intercultural: A globalização também
trouxe consigo desafios e oportunidades para a
comunicação intercultural, à medida que pessoas de
diferentes culturas se conectam e interagem.
EM RESUMO:
 A comunicação é o processo de transmitir
informações, pensamentos, sentimentos e ideias
entre duas ou mais pessoas. É uma habilidade
essencial para o sucesso pessoal e profissional.

 Uma boa comunicação envolve tanto a habilidade de
expresser suas próprias mensagens de forma clara e
compreensível quanto a habilidade de ouvir
atentamente e entender as mensagens dos outros.
COMUNICAÇÃO
 “Comunicação é o processo de
transferir significado sob a forma de
ideias ou informações de uma pessoa
para outra”.
12:17
RUÍDOS DA COMUNICAÇÃO
 Na comunicação, o termo "ruído" refere-se a
interferências, obstáculos ou distorções que podem
ocorrer durante a transmissão de uma mensagem,
prejudicando a clareza e compreensão entre o emissor
e o receptor.
 Esses ruídos podem ocorrer em qualquer ponto do
processo de comunicação e podem ser de natureza
verbal, não verbal, visual ou semântica.
 Ao reconhecer esses tipos de ruídos, os comunicadores
podem adotar estratégias para minimizar a
interferência e melhorar a eficácia da comunicação.
Isso inclui escolher cuidadosamente os meios de
comunicação, clarificar mensagens, ser consciente das
diferenças culturais e desenvolver habilidades de
escuta ativa.
 As categorias de ruídos comuns na comunicação:
 1. Ruído Físico:
 Definição: Interferências externas ao ambiente que
afetam a transmissão da mensagem.
 Exemplos: Barulhos de fundo, má qualidade de
áudio, distorções em meios de comunicação (por
exemplo, linhas telefônicas com ruído).
 2. Ruído Semântico:
 Definição: Diferenças de significado ou interpretação
que podem surgir devido a vocabulário, linguagem
técnica, jargões, etc.
 Exemplos: Uso de termos técnicos inadequados,
ambiguidades, palavras com múltiplos significados.
 3. Ruído Psicológico:
 Definição: Distrações ou preocupações mentais que
afetam a capacidade de processar a informação.
 Exemplos: Falta de atenção, pré-concepções, emoções
intensas.
 4. Ruído Cultural:
 Definição: Diferenças culturais que podem levar a
interpretações equivocadas da mensagem.
 Exemplos: Variações nas normas sociais, costumes,
valores e crenças.
 5. Ruído Social:
 Definição: Influências externas da sociedade que
afetam a comunicação.
 Exemplos: Estereótipos, preconceitos, pressões
sociais.
 6. Ruído Organizacional:
 Definição: Fatores relacionados à estrutura e
dinâmica organizacional que interferem na
comunicação.
 Exemplos: Má comunicação interna, hierarquia
rígida, políticas de comunicação inadequadas.
 7. Ruído Técnico:
 Definição: Dificuldades relacionadas a equipamentos
ou tecnologias usadas na comunicação.
 Exemplos: Problemas com equipamentos, falhas em
sistemas de comunicação.
 8. Ruído Linguístico:
 Definição: Erros ou problemas relacionados à
linguagem utilizada.
 Exemplos: Má escolha de palavras, gírias mal
interpretadas, linguagem muito técnica.
 9. Ruído de Canal:
 Definição: Problemas no meio de comunicação
utilizado.
 Exemplos: Interrupções em uma ligação telefônica,
problemas de conexão em videoconferências..
CICLO DA COMUNICAÇÃO
12:17
 O ciclo da comunicação é uma representação simplificada dos
elementos essenciais envolvidos em qualquer processo de
comunicação entre um emissor (quem envia a mensagem) e
um receptor (quem recebe a mensagem). O modelo básico
geralmente inclui os seguintes componentes:
 Emissor (ou Remetente):
 O processo de comunicação geralmente começa com um
emissor, que é a pessoa ou entidade que deseja transmitir uma
mensagem. O emissor codifica a mensagem em um formato
compreensível pelo receptor.
 Mensagem:
 A mensagem é a informação, ideia, ou conteúdo que o emissor
deseja comunicar. Pode ser transmitida de diversas formas,
como verbalmente, por escrito, visualmente, etc.
 Canal de Comunicação:
 O canal é o meio através do qual a mensagem é transmitida do
emissor para o receptor. Pode ser um canal verbal (como fala),
não verbal (como gestos), ou canais tecnológicos (como e-mail,
telefone, mídias sociais, entre outros).
 Receptor (ou Destinatário):
 O receptor é a pessoa ou grupo que recebe a mensagem do emissor. O
receptor decodifica a mensagem, interpretando-a para extrair
significado.
 Entendimento da Mensagem:
 O sucesso do ciclo de comunicação depende do receptor conseguir
entender a mensagem conforme pretendido pelo emissor. Isso envolve
a decodificação correta e a interpretação apropriada.
 Feedback:
 O feedback é a resposta do receptor à mensagem. Ele fecha o ciclo da
comunicação ao fornecer informações ao emissor sobre como a
mensagem foi recebida e compreendida. O feedback pode ser verbal,
não verbal ou até mesmo uma resposta formal.
 Ruído:
 Como mencionado anteriormente, o ruído representa qualquer
interferência ou obstáculo que pode distorcer, alterar ou dificultar a
comunicação eficaz. Pode ocorrer em qualquer parte do processo.
COMUNICAÇÃO PRECISA SER...
 ASSERTIVA
 Um estilo de comunicação no qual uma pessoa
expressa seus pensamentos, sentimentos e
necessidades de forma direta e honesta, sem ser
agressiva ou passiva. É importante comunicar de
maneira assertiva para estabelecer limites,
resolver conflitos e construir relacionamentos
saudáveis. Isso envolve a capacidade de
expressar-se de forma firme, porém respeitosa, e
de ouvir atentamente os outros.
COMUNICAÇÃO PRECISA SER...
 NÃO VIOLENTA
 Um processo de comunicação que se concentra na
empatia e na resolução de conflitos por meio da
compreensão das necessidades humanas básicas.
 É uma abordagem que visa promover a
compreensão e a empatia, o que ajuda a evitar
conflitos e a resolver diferenças de maneira
pacífica.
COMUNICAÇÃO ASSERTIVA
Principais características da comunicação
assertiva:
 Clareza e precisão na expressão de ideias.
 Respeito pelos direitos e opiniões dos outros.
 Compartilhar sentimentos de forma honesta.
 Estabelecer limites pessoais de maneira
adequada.
COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA
Aqui estão as quatro etapas da CNV:
 Observação (O que você observa): Nesta etapa,
você descreve objetivamente a situação ou
comportamento específico que está causando a
comunicação. Evite fazer julgamentos, avaliações
ou interpretações.
 Sentimento (Como você se sente): Aqui, você
expressa seus sentimentos em relação à situação
que observou. Use palavras que descrevam
emoções reais, como felicidade, tristeza, raiva,
frustração, alegria, etc.
COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA
Aqui estão as quatro etapas da CNV:
 Necessidade (Qual é a sua necessidade): Nesta
etapa, você identifica a necessidade ou valor
subjacente que não está sendo atendido na situação.
As necessidades são universais e incluem coisas como
respeito, compreensão, segurança, autonomia, entre
outros. É importante ser claro sobre a necessidade
que está envolvida.
 Pedido (O que você gostaria de ver acontecer): Por
fim, você faz um pedido específico que seja positivo e
concreto. O pedido deve ser uma solicitação que possa
ser atendida, não uma exigência. É importante ser
flexível e aberto a negociações.
COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA
 EXEMPLO:
 "Quando chego em casa, vejo que a pia está cheia de
louça suja.“
 "Quando vejo a pia cheia de louça suja, sinto-me
frustrado.“
 "Quando vejo a pia cheia de louça suja, sinto-me
frustrado porque valorizo a organização e a
colaboração em nosso lar.“
 "Gostaria de pedir que, no futuro, possamos dividir a
tarefa de lavar a louça de forma mais equitativa. Você
poderia lavar a louça da próxima vez?
COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA
 Dicas para aprimorar a arte de se comunicar:
 Pratique a escuta ativa, ouvindo atentamente e
demonstrando interesse.
 Seja consciente de sua linguagem corporal, expressões
faciais e tom de voz.
 Adapte sua comunicação ao seu público e à situação.
 Evite julgamentos e estereótipos ao se comunicar com os
outros.
 Esteja aberto a feedback e disposto a aprender com suas
interações.
TIPOS DE COMUNICAÇÃO
 Comunicação Verbal:
Palavras faladas ou escritas, como conversas, telefonemas, e-mails.
 Comunicação Não Verbal:
Gestos, expressões faciais, postura corporal, tom de voz.
 Comunicação Escrita:
Uso de palavras escritas em e-mails, cartas, relatórios.
 Comunicação Visual:
Elementos visuais como gráficos, imagens, vídeos.
 Comunicação Formal:
Estruturada, como memorandos, relatórios, políticas.
 Comunicação Informal:
Casual, como conversas de corredor, mensagens não oficiais.
 Comunicação Interpessoal:
Entre duas ou mais pessoas, direta e pessoal.
 Comunicação em Grupo ou Grupal:
Envolve um grupo de pessoas, como reuniões e discussões em equipe.
 Comunicação Descendente:
De superiores para subordinados.
 Comunicação Ascendente:
De subordinados para superiores.
 Comunicação Lateral:
Entre membros do mesmo nível hierárquico.
 Comunicação Massiva:
Destinada a grandes audiências, como TV, rádio, mídias sociais.
 Comunicação Digital:
Utiliza tecnologias digitais, como e-mails, mensagens de texto,
videoconferências.
 Comunicação Oral:
Envolvendo a fala, como apresentações, discursos, entrevistas.
 Comunicação Não Pessoal:
Sem interação direta com o público, como anúncios.
VANTAGENS DE ESCOLHER BEM O TIPO DE
COMUNICAÇÃO
 Eficiência na Transmissão:
Escolher o método certo
melhora a eficiência.
 Adaptação a Audiências:
Ajustar-se a diferentes públicos
aumenta a compreensão.
 Colaboração e Trabalho em
Equipe: Facilita a comunicação
e colaboração no ambiente de
trabalho.
 Resolução de Conflitos:
Ajuda na resolução de mal-
entendidos e conflitos.
VANTAGENS DE ESCOLHER BEM O TIPO DE
COMUNICAÇÃO
 Aprimoramento da
Liderança: Líderes eficazes
reconhecem a importância de
diferentes estilos.
 Desenvolvimento de
Relacionamentos: Fortalece
relacionamentos interpessoais.
 Negociação Bem-Sucedida:
Contribui para acordos
mutuamente benéficos.
 Criação de Cultura
Organizacional Positiva:
Promove transparência e
confiança.
VANTAGENS DE ESCOLHER BEM O TIPO DE
COMUNICAÇÃO
 Adaptação a Meios
Tecnológicos: Essencial na era
digital.
 Melhoria nas Habilidades de
Liderança: Facilita a
comunicação eficaz e empática.
 Prevenção de Mal-
Entendidos: Evita conflitos e
mal-entendidos.
 Facilitação do Processo de
Aprendizagem: Contribui para
um ambiente educacional mais
eficaz.
QUAL A SUA RESPONSABILIDADE NA
COMUNICAÇÃO?
 Se expressar claramente, se adaptar à audiência,
ouvir ativamente, fornecer feedback construtivo e
respeitar diversidades.
 Além disso, deve ser empático, evitar
preconceitos, cumprir compromissos, usar
linguagem apropriada, ser assertivo,
adaptar-se a mudanças e assumir a
responsabilidade pela compreensão. Ao
manter o foco, resolver conflitos
construtivamente e escolher os meios de
comunicação adequados, contribui para uma
troca eficaz de informações e relações
interpessoais positivas.
QUAL A SUA RESPONSABILIDADE NA
COMUNICAÇÃO?
AUTOCONHECIMENTO
 As mudanças iniciam-se na nossa vida quando
passamos a nos questionar e tentar entender os
nossos resultados, assumindo a
responsabilidade por eles e não culpando os
outros.
COMO VOCÊ GOSTARIA QUE FOSSE
SUA VIDA?
LISTAS DE DECISÕES
 Espiritual;
 Saúde e Energia;
 Conjugal;
 Relacionamentos;
 Financeiro;
 Profissional;
QUESTÕES PARA REFLEXÃO
1 – QUEM SOU EU?
2 – QUAL A VIDA QUE EU QUERO?
3 – O QUE ME IMPEDE?
O QUE IMPEDE AS PESSOAS DE VIVEREM UMA
VIDA EXTRAORDINÁRIA?
CRENÇAS
É toda a verdade absoluta e
inquestionável registrada em nosso
cérebro através de experiências e
aprendizados que tivemos ao longo da
vida, principalmente na infância.
CRENÇAS
LIMITANTES
CRENÇAS
FORTALECEDORAS
AS CRENÇAS SÃO DETERMINANTES PARA
OS NOSSOS RESULTADOS DE VIDA
O PODER DA SUA CRENÇA
Quando mudamos as nossas
crenças elevamos nosso padrão
de possibilidades, buscando
novos desafios, realizando coisas
antes inimagináveis e colhendo
novos resultados!
GANHAR DINHEIRO É DIFICIL?
EU NÃO CONSIGO!!!
SÍNDROME DE GABRIELA
Eu nasci assim, eu cresci assim, vou
ser sempre assim...(Gabriela)
O CÉREBRO RECEBE UMA MENSAGEM DA
SUA FISIOLOGIA
“[…] capacidade de identificar os nossos próprios
sentimentos e os dos outros, de nos motivarmos e de
gerir bem as emoções dentro de nós e nossos
relacionamentos” (GOLEMAN, 1995)
INTELIGÊNCIA EMOCIONAL
 Apenas 13% das pessoas fracassam por falta
de QI e 87% fracassam por falta de
Inteligência Emocional.
Daniel Goleman (Harvard)
INTELIGÊNCIA EMOCIONAL
É muito comum vermos pessoas fantásticas, muito bem
preparadas, com alto grau de habilidades técnicas sendo
demitidas:
✓ porque não conseguem lidar com pessoas;
✓ tem dificuldades para se expressar de forma
adequada;
✓ tem dificuldades em administrar seu próprio tempo;
✓ não são auto gerenciáveis;
✓ levam os problemas pessoais para dentro da empresa e
vice versa;
✓ entre tantas outras situações que a baixa
habilidade no gerenciamento de emoções traz.
NEUROLINGUÍSTICA
PNL – PROGRAMACAO
NEUROLINGUÍSTICA
ENTENDENDO A PROGRAMAÇÃO
NEUROLINGUÍSTICA (PNL)
 Definição: A PNL é um conjunto de técnicas e
modelos que visam compreender como as
pessoas percebem o mundo e como podem
mudar seus padrões mentais e
comportamentais para alcançar objetivos
específicos.
 Objetivo: Explorar as formas de comunicação
interna e externa para promover o
autodesenvolvimento e aprimorar a eficácia
pessoal e profissional.
APLICAÇÕES E BENEFÍCIOS DA PNL
Utilização: A PNL é aplicada em diversos contextos,
como coaching, terapia, negócios, educação e
comunicação.
Vantagens:
 Melhora na comunicação e nos relacionamentos
interpessoais.
 Capacidade de superar medos, fobias e limitações
pessoais.
 Aumento da autoconfiança e autoestima.
 Alcance de metas e objetivos de forma mais eficiente.
Desvantagens:
 Requer prática e tempo para dominar as técnicas.
 Nem sempre é eficaz para todos os indivíduos.
 Pode haver interpretações subjetivas das técnicas,
levando a resultados variados.
COMO DESENVOLVER COMPETÊNCIAS EM PNL
 Formação e Treinamento: Participar de cursos
e workshops específicos em PNL para adquirir
conhecimento teórico e prático.
 Prática Regular: Implementar as técnicas
aprendidas no dia a dia para desenvolver
habilidades de observação, comunicação e
modelagem.
 Feedback e Aprendizado Contínuo: Buscar
feedback de mentores e colegas, além de continuar
estudando e aprimorando as habilidades ao longo
do tempo.
COMO SUPERAR SEUS LIMITES E
MAXIMIZAR O SEU POTENCIAL
Como viver uma vida extraordinária?!
Como eliminar o que tem te impedido
de viver uma vida abundante, quebrar
o paradigma da mediocridade, realizar
sonhos, fazer a diferença e deixar um
legado?!
EMPATIA X COMUNICAÇÃO
12:17
EMPATIA E A COMUNICAÇÃO
 Capacidade de tentar compreender
sentimentos e emoções, procurando
experimentar de forma objetiva e racional o que
sente outro indivíduo;
 A capacidade de se colocar no lugar do outro, que
se desenvolve através da empatia, ajuda a
compreender melhor o comportamento em
determinadas circunstâncias e a forma como o
outro toma as decisões.
12:17
EMPATIA / COMUNICAÇÃO
 O sucesso da área está na sua capacidade de se
colocar na posição do cliente e perceber todas as
nuanças acima descritas. Assim, estará apto a
solucionar o problema do cliente.
 A comunicação entre o profissional atuante na
área e o outro tem que ser clara, objetiva, sem
distorções.
 Tem que ser elaborada numa linguagem que o
cliente possa ser capaz de decifrar, de entender,
descobrir as necessidades do cliente.
12:17
FUNÇÕES DA LINGUAGEM
 FUNÇÃO REFERENCIAL - Esta função
privilegia justamente o objeto ou situação de
que a mensagem trata, ou seja, o referente,
textos que se propõem informar o leitor,
transmitindo-lhe dados e conhecimentos
precisos;
12:17
FUNÇÕES DA LINGUAGEM
 FUNÇÃO EXPRESSIVA OU EMOTIVA – Obedecem a
um projeto, no qual o emissor expõe suas opiniões,
fornece argumentos para sustentá-las, procurando
persuadir o receptor da mensagem; cartas pessoais, nos
diários, nas canções sentimentais, na poesia confessional,
nas resenhas críticas.
12:17
FUNÇÕES DA LINGUAGEM
 FUNÇÃO CONATIVA – Esta função privilegia o
receptor, utilizando elementos consistentes para
persuadi-lo, seduzi-lo, convencê-lo, envolvendo o
receptor com os conteúdos transmitidos, tornando-se
evidente em textos marcados por pronomes de
tratamento ou da segunda pessoa; Ex: “Faça um 21”.
12:17
FUNÇÕES DA LINGUAGEM
 FUNÇÃO FÁTICA, Tem por finalidade estabelecer,
prolongar ou interromper a comunicação. É aplicada
em situações em que o mais importante não é o que se
fala, nem como se fala, mas sim o contato entre o
emissor e o receptor. Fática quer dizer "relativa ao
fato", ao que está ocorrendo. Ex.: Alô? Está me
ouvindo?
12:17
FUNÇÕES DA LINGUAGEM
 FUNÇÃO METALINGUÍSTICA – se volta para
os elementos do código, explicando-os,
analisando-os, definindo-os. As gramáticas e os
dicionários são exemplos de metalinguagem.
12:17
VARIANTES LINGUÍSTICAS
 a) gráficos – dão origem ao regionalismo;
 b) sociais – o português das pessoas
escolarizadas difere daquele empregado pelas
pessoas que não têm acesso à escola;
 B 1 - língua culta;
 B 2 - língua popular;
 B 3 - gírias. Ex: “Hoje paguei o maior mico;
 c) profissionais – o exercício de algumas
atividades requer o domínio das chamadas
línguas técnicas;
 d) situacionais –linguagem coloquial ou familiar.
12:17
OS TEXTOS E SUA TIPOLOGIA
TEXTO NARRATIVO
Enredo;
Narrador;
Personagens.
12:17
TEXTO DESCRITIVO
 Relata as características de um objeto ou de
uma situação qualquer num certo momento
estático do tempo, não existindo, obviamente,
a anterioridade e posterioridade presentes no
texto narrativo, ou seja, não existe nada que
indique progressão de um estado anterior
para outro posterior.
12:17
TEXTO DISSERTATIVO
Trabalha com argumentos (o texto
dissertativo é um texto argumentativo), com
dados, com fatos, utilizando-os para justificar
seu ponto de vista. A dissertação é organizada
em três partes distintas. São elas:
 Introdução;
 Desenvolvimento;
 Conclusão.
12:17
TEXTO PUBLICITÁRIO
o Atenção;
o Informação;
o Desejo;
o e apelo.
Ex: “Se fosse sua casa,
você já teria trocado”!
12:17
TEXTO TÉCNICO
Trabalha com argumentos (o texto
dissertativo é um texto argumentativo), com
dados, com fatos, utilizando-os para justificar
seu ponto de vista. A dissertação é organizada
em três partes distintas. São elas:
 Introdução;
 Desenvolvimento;
 Conclusão.
12:17
COMUNIQUE-SE MELHOR COM 4 TÉCNICAS
 1. Escute mais!!!
2. Pratique:
“A prática leva à
perfeição”? Essencial para
quem busca melhorar as
suas habilidades de
expressão.
COMUNIQUE-SE MELHOR COM 4 TÉCNICAS
3. Revise o que você
escreve em voz alta:
Correção e verificação se
as ideias estão bem
claras.
COMUNIQUE-SE MELHOR COM 4 TÉCNICAS
CORRETOR DE IMÓVEIS: COMUNIQUE-SE
MELHOR COM 4 TÉCNICAS
 4. Leia mais!
CHATGPT
SHEILA CORTES – 99123-6001
OBRIGADA PELA
PARTICIPACAO DE
TODOS!!!
SEJAM BEM
VINDOS E
MUITO
OBRIGADA!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula de Comunicação para o curso de TTI.pdf

Comunicacao empresarial
Comunicacao empresarialComunicacao empresarial
Comunicacao empresarial
jfustaino
 
Comunicacao empresarial
Comunicacao empresarialComunicacao empresarial
Comunicacao empresarial
jfustaino
 
As barreiras à comunicação humana e sua minimização
As barreiras à comunicação humana e sua minimizaçãoAs barreiras à comunicação humana e sua minimização
As barreiras à comunicação humana e sua minimização
Maria Teresa Vasconcelos
 
A comunicação e a construção do ser humano
A comunicação e a construção do ser humanoA comunicação e a construção do ser humano
A comunicação e a construção do ser humano
Nuno Cunha
 
Apostila comun e_relac_interpess
Apostila comun e_relac_interpessApostila comun e_relac_interpess
Apostila comun e_relac_interpess
Patrícia Nantes
 
Módulo 1_TCAT_10.º ANO.pptx
Módulo 1_TCAT_10.º ANO.pptxMódulo 1_TCAT_10.º ANO.pptx
Módulo 1_TCAT_10.º ANO.pptx
ssuseredb017
 
Barreiras ao processo de comunicação
Barreiras ao processo de comunicaçãoBarreiras ao processo de comunicação
Barreiras ao processo de comunicação
Leonor Alves
 

Semelhante a Aula de Comunicação para o curso de TTI.pdf (20)

Aual de comunicação oral
Aual de comunicação oral Aual de comunicação oral
Aual de comunicação oral
 
Apostila Palermo
Apostila PalermoApostila Palermo
Apostila Palermo
 
Comunicacao empresarial
Comunicacao empresarialComunicacao empresarial
Comunicacao empresarial
 
Comunicacao empresarial
Comunicacao empresarialComunicacao empresarial
Comunicacao empresarial
 
éTica no trabalho
éTica no trabalhoéTica no trabalho
éTica no trabalho
 
Disciplina comunicação aplicada 2a aula- 28/02/2011
Disciplina comunicação aplicada   2a aula- 28/02/2011Disciplina comunicação aplicada   2a aula- 28/02/2011
Disciplina comunicação aplicada 2a aula- 28/02/2011
 
comunicação
comunicaçãocomunicação
comunicação
 
Elementos da comunicacão
Elementos da comunicacãoElementos da comunicacão
Elementos da comunicacão
 
Comunicação - série ferramentas gerenciais
Comunicação -  série ferramentas gerenciaisComunicação -  série ferramentas gerenciais
Comunicação - série ferramentas gerenciais
 
Manual ufcd 4212
Manual ufcd 4212Manual ufcd 4212
Manual ufcd 4212
 
As barreiras à comunicação humana e sua minimização
As barreiras à comunicação humana e sua minimizaçãoAs barreiras à comunicação humana e sua minimização
As barreiras à comunicação humana e sua minimização
 
Noções básicas de comunicação
Noções básicas de comunicaçãoNoções básicas de comunicação
Noções básicas de comunicação
 
A comunicação e a construção do ser humano
A comunicação e a construção do ser humanoA comunicação e a construção do ser humano
A comunicação e a construção do ser humano
 
Apostila comun e_relac_interpess
Apostila comun e_relac_interpessApostila comun e_relac_interpess
Apostila comun e_relac_interpess
 
Apostila de Comunicação empresarial
Apostila de Comunicação empresarialApostila de Comunicação empresarial
Apostila de Comunicação empresarial
 
GP - Comunicação Interpessoal Julho 08 (aula 1)
GP - Comunicação Interpessoal Julho 08 (aula 1)GP - Comunicação Interpessoal Julho 08 (aula 1)
GP - Comunicação Interpessoal Julho 08 (aula 1)
 
A Importância da comunicação
A Importância da comunicação A Importância da comunicação
A Importância da comunicação
 
Curso de oratória 2018 Senac.pdf
Curso de oratória 2018 Senac.pdfCurso de oratória 2018 Senac.pdf
Curso de oratória 2018 Senac.pdf
 
Módulo 1_TCAT_10.º ANO.pptx
Módulo 1_TCAT_10.º ANO.pptxMódulo 1_TCAT_10.º ANO.pptx
Módulo 1_TCAT_10.º ANO.pptx
 
Barreiras ao processo de comunicação
Barreiras ao processo de comunicaçãoBarreiras ao processo de comunicação
Barreiras ao processo de comunicação
 

Mais de SheilaCortes2 (8)

Relacionamento Interpessoal e Ética.pptx
Relacionamento  Interpessoal e Ética.pptxRelacionamento  Interpessoal e Ética.pptx
Relacionamento Interpessoal e Ética.pptx
 
Aula Comunicação - Segurança do trabalho.pdf
Aula Comunicação - Segurança do trabalho.pdfAula Comunicação - Segurança do trabalho.pdf
Aula Comunicação - Segurança do trabalho.pdf
 
Aula CDC para o curso de Técnico de Transações Imobiliárias
Aula CDC para o curso de Técnico de Transações ImobiliáriasAula CDC para o curso de Técnico de Transações Imobiliárias
Aula CDC para o curso de Técnico de Transações Imobiliárias
 
Apresentação sobre Direito Civil.pptx
Apresentação sobre Direito Civil.pptxApresentação sobre Direito Civil.pptx
Apresentação sobre Direito Civil.pptx
 
Aula 1 - Contabilidade Societária II.pptx
Aula 1 - Contabilidade Societária II.pptxAula 1 - Contabilidade Societária II.pptx
Aula 1 - Contabilidade Societária II.pptx
 
Aula 01 - Rotinas de DP.pdf
Aula 01 - Rotinas de DP.pdfAula 01 - Rotinas de DP.pdf
Aula 01 - Rotinas de DP.pdf
 
Aula 1 - Auditoria II.pdf
Aula 1 - Auditoria II.pdfAula 1 - Auditoria II.pdf
Aula 1 - Auditoria II.pdf
 
Política e Avaliação de Desempenho.pptx
Política e Avaliação de Desempenho.pptxPolítica e Avaliação de Desempenho.pptx
Política e Avaliação de Desempenho.pptx
 

Último

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 

Aula de Comunicação para o curso de TTI.pdf

  • 1. DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO, INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA www.redeceteps.com.br www.facebook.com.br/redeceteps • Profª. Sheila Cortes • Contadora CRC/MS 12.930-O • Advogada OAB/MS 25.894 • Síndica Profissional
  • 3. O QUE É COMUNICAÇÃO?
  • 4.  A comunicação é uma característica fundamental da experiência humana, e sua origem remonta aos primórdios da história da humanidade:  1. Comunicação Primitiva: Desde os primórdios da humanidade, os seres humanos desenvolveram formas rudimentares de comunicação. Gestos, expressões faciais e vocalizações eram os meios iniciais de transmitir informações e intenções.  2. Desenvolvimento da Linguagem: Com o tempo, as comunidades humanas começaram a desenvolver linguagens mais complexas e estruturadas. A linguagem verbal permitiu a transmissão de informações mais detalhadas e sofisticadas.
  • 5.  3. Escrita e Comunicação Registrada: O desenvolvimento da escrita foi um marco crucial na história da comunicação. A escrita permitiu que as informações fossem registradas e transmitidas através do tempo e espaço.  4. Imprensa e Comunicação em Massa: A invenção da imprensa por Johannes Gutenberg no século XV revolucionou a comunicação, permitindo a produção em massa de livros e jornais. Isso facilitou a disseminação de informações em larga escala.  5. Telecomunicações: O século XIX testemunhou o desenvolvimento de tecnologias de telecomunicações, como o telégrafo e o telefone, que permitiram a comunicação instantânea a longas distâncias.
  • 6.  6. Comunicação Eletrônica e Digital: No século XX, surgiram meios de comunicação eletrônica, como o rádio e a televisão, proporcionando novas formas de compartilhar informações. O advento da internet e das tecnologias digitais no final do século XX e início do século XXI revolucionou ainda mais a forma como as pessoas se comunicam.  7. Comunicação Globalizada: Atualmente, vivemos em uma era de comunicação globalizada, onde a informação pode ser compartilhada instantaneamente em todo o mundo. Redes sociais, e-mails, videochamadas e outras tecnologias conectam as pessoas de maneiras antes inimagináveis.  8. Comunicação Intercultural: A globalização também trouxe consigo desafios e oportunidades para a comunicação intercultural, à medida que pessoas de diferentes culturas se conectam e interagem.
  • 7. EM RESUMO:  A comunicação é o processo de transmitir informações, pensamentos, sentimentos e ideias entre duas ou mais pessoas. É uma habilidade essencial para o sucesso pessoal e profissional.   Uma boa comunicação envolve tanto a habilidade de expresser suas próprias mensagens de forma clara e compreensível quanto a habilidade de ouvir atentamente e entender as mensagens dos outros.
  • 8. COMUNICAÇÃO  “Comunicação é o processo de transferir significado sob a forma de ideias ou informações de uma pessoa para outra”. 12:17
  • 10.  Na comunicação, o termo "ruído" refere-se a interferências, obstáculos ou distorções que podem ocorrer durante a transmissão de uma mensagem, prejudicando a clareza e compreensão entre o emissor e o receptor.  Esses ruídos podem ocorrer em qualquer ponto do processo de comunicação e podem ser de natureza verbal, não verbal, visual ou semântica.  Ao reconhecer esses tipos de ruídos, os comunicadores podem adotar estratégias para minimizar a interferência e melhorar a eficácia da comunicação. Isso inclui escolher cuidadosamente os meios de comunicação, clarificar mensagens, ser consciente das diferenças culturais e desenvolver habilidades de escuta ativa.  As categorias de ruídos comuns na comunicação:
  • 11.  1. Ruído Físico:  Definição: Interferências externas ao ambiente que afetam a transmissão da mensagem.  Exemplos: Barulhos de fundo, má qualidade de áudio, distorções em meios de comunicação (por exemplo, linhas telefônicas com ruído).  2. Ruído Semântico:  Definição: Diferenças de significado ou interpretação que podem surgir devido a vocabulário, linguagem técnica, jargões, etc.  Exemplos: Uso de termos técnicos inadequados, ambiguidades, palavras com múltiplos significados.  3. Ruído Psicológico:  Definição: Distrações ou preocupações mentais que afetam a capacidade de processar a informação.  Exemplos: Falta de atenção, pré-concepções, emoções intensas.
  • 12.  4. Ruído Cultural:  Definição: Diferenças culturais que podem levar a interpretações equivocadas da mensagem.  Exemplos: Variações nas normas sociais, costumes, valores e crenças.  5. Ruído Social:  Definição: Influências externas da sociedade que afetam a comunicação.  Exemplos: Estereótipos, preconceitos, pressões sociais.  6. Ruído Organizacional:  Definição: Fatores relacionados à estrutura e dinâmica organizacional que interferem na comunicação.  Exemplos: Má comunicação interna, hierarquia rígida, políticas de comunicação inadequadas.
  • 13.  7. Ruído Técnico:  Definição: Dificuldades relacionadas a equipamentos ou tecnologias usadas na comunicação.  Exemplos: Problemas com equipamentos, falhas em sistemas de comunicação.  8. Ruído Linguístico:  Definição: Erros ou problemas relacionados à linguagem utilizada.  Exemplos: Má escolha de palavras, gírias mal interpretadas, linguagem muito técnica.  9. Ruído de Canal:  Definição: Problemas no meio de comunicação utilizado.  Exemplos: Interrupções em uma ligação telefônica, problemas de conexão em videoconferências..
  • 15.  O ciclo da comunicação é uma representação simplificada dos elementos essenciais envolvidos em qualquer processo de comunicação entre um emissor (quem envia a mensagem) e um receptor (quem recebe a mensagem). O modelo básico geralmente inclui os seguintes componentes:  Emissor (ou Remetente):  O processo de comunicação geralmente começa com um emissor, que é a pessoa ou entidade que deseja transmitir uma mensagem. O emissor codifica a mensagem em um formato compreensível pelo receptor.  Mensagem:  A mensagem é a informação, ideia, ou conteúdo que o emissor deseja comunicar. Pode ser transmitida de diversas formas, como verbalmente, por escrito, visualmente, etc.  Canal de Comunicação:  O canal é o meio através do qual a mensagem é transmitida do emissor para o receptor. Pode ser um canal verbal (como fala), não verbal (como gestos), ou canais tecnológicos (como e-mail, telefone, mídias sociais, entre outros).
  • 16.  Receptor (ou Destinatário):  O receptor é a pessoa ou grupo que recebe a mensagem do emissor. O receptor decodifica a mensagem, interpretando-a para extrair significado.  Entendimento da Mensagem:  O sucesso do ciclo de comunicação depende do receptor conseguir entender a mensagem conforme pretendido pelo emissor. Isso envolve a decodificação correta e a interpretação apropriada.  Feedback:  O feedback é a resposta do receptor à mensagem. Ele fecha o ciclo da comunicação ao fornecer informações ao emissor sobre como a mensagem foi recebida e compreendida. O feedback pode ser verbal, não verbal ou até mesmo uma resposta formal.  Ruído:  Como mencionado anteriormente, o ruído representa qualquer interferência ou obstáculo que pode distorcer, alterar ou dificultar a comunicação eficaz. Pode ocorrer em qualquer parte do processo.
  • 17.
  • 18. COMUNICAÇÃO PRECISA SER...  ASSERTIVA  Um estilo de comunicação no qual uma pessoa expressa seus pensamentos, sentimentos e necessidades de forma direta e honesta, sem ser agressiva ou passiva. É importante comunicar de maneira assertiva para estabelecer limites, resolver conflitos e construir relacionamentos saudáveis. Isso envolve a capacidade de expressar-se de forma firme, porém respeitosa, e de ouvir atentamente os outros.
  • 19. COMUNICAÇÃO PRECISA SER...  NÃO VIOLENTA  Um processo de comunicação que se concentra na empatia e na resolução de conflitos por meio da compreensão das necessidades humanas básicas.  É uma abordagem que visa promover a compreensão e a empatia, o que ajuda a evitar conflitos e a resolver diferenças de maneira pacífica.
  • 20. COMUNICAÇÃO ASSERTIVA Principais características da comunicação assertiva:  Clareza e precisão na expressão de ideias.  Respeito pelos direitos e opiniões dos outros.  Compartilhar sentimentos de forma honesta.  Estabelecer limites pessoais de maneira adequada.
  • 21. COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA Aqui estão as quatro etapas da CNV:  Observação (O que você observa): Nesta etapa, você descreve objetivamente a situação ou comportamento específico que está causando a comunicação. Evite fazer julgamentos, avaliações ou interpretações.  Sentimento (Como você se sente): Aqui, você expressa seus sentimentos em relação à situação que observou. Use palavras que descrevam emoções reais, como felicidade, tristeza, raiva, frustração, alegria, etc.
  • 22. COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA Aqui estão as quatro etapas da CNV:  Necessidade (Qual é a sua necessidade): Nesta etapa, você identifica a necessidade ou valor subjacente que não está sendo atendido na situação. As necessidades são universais e incluem coisas como respeito, compreensão, segurança, autonomia, entre outros. É importante ser claro sobre a necessidade que está envolvida.  Pedido (O que você gostaria de ver acontecer): Por fim, você faz um pedido específico que seja positivo e concreto. O pedido deve ser uma solicitação que possa ser atendida, não uma exigência. É importante ser flexível e aberto a negociações.
  • 23. COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA  EXEMPLO:  "Quando chego em casa, vejo que a pia está cheia de louça suja.“  "Quando vejo a pia cheia de louça suja, sinto-me frustrado.“  "Quando vejo a pia cheia de louça suja, sinto-me frustrado porque valorizo a organização e a colaboração em nosso lar.“  "Gostaria de pedir que, no futuro, possamos dividir a tarefa de lavar a louça de forma mais equitativa. Você poderia lavar a louça da próxima vez?
  • 24. COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA  Dicas para aprimorar a arte de se comunicar:  Pratique a escuta ativa, ouvindo atentamente e demonstrando interesse.  Seja consciente de sua linguagem corporal, expressões faciais e tom de voz.  Adapte sua comunicação ao seu público e à situação.  Evite julgamentos e estereótipos ao se comunicar com os outros.  Esteja aberto a feedback e disposto a aprender com suas interações.
  • 26.  Comunicação Verbal: Palavras faladas ou escritas, como conversas, telefonemas, e-mails.  Comunicação Não Verbal: Gestos, expressões faciais, postura corporal, tom de voz.  Comunicação Escrita: Uso de palavras escritas em e-mails, cartas, relatórios.  Comunicação Visual: Elementos visuais como gráficos, imagens, vídeos.  Comunicação Formal: Estruturada, como memorandos, relatórios, políticas.  Comunicação Informal: Casual, como conversas de corredor, mensagens não oficiais.  Comunicação Interpessoal: Entre duas ou mais pessoas, direta e pessoal.  Comunicação em Grupo ou Grupal: Envolve um grupo de pessoas, como reuniões e discussões em equipe.
  • 27.  Comunicação Descendente: De superiores para subordinados.  Comunicação Ascendente: De subordinados para superiores.  Comunicação Lateral: Entre membros do mesmo nível hierárquico.  Comunicação Massiva: Destinada a grandes audiências, como TV, rádio, mídias sociais.  Comunicação Digital: Utiliza tecnologias digitais, como e-mails, mensagens de texto, videoconferências.  Comunicação Oral: Envolvendo a fala, como apresentações, discursos, entrevistas.  Comunicação Não Pessoal: Sem interação direta com o público, como anúncios.
  • 28. VANTAGENS DE ESCOLHER BEM O TIPO DE COMUNICAÇÃO  Eficiência na Transmissão: Escolher o método certo melhora a eficiência.  Adaptação a Audiências: Ajustar-se a diferentes públicos aumenta a compreensão.  Colaboração e Trabalho em Equipe: Facilita a comunicação e colaboração no ambiente de trabalho.  Resolução de Conflitos: Ajuda na resolução de mal- entendidos e conflitos.
  • 29. VANTAGENS DE ESCOLHER BEM O TIPO DE COMUNICAÇÃO  Aprimoramento da Liderança: Líderes eficazes reconhecem a importância de diferentes estilos.  Desenvolvimento de Relacionamentos: Fortalece relacionamentos interpessoais.  Negociação Bem-Sucedida: Contribui para acordos mutuamente benéficos.  Criação de Cultura Organizacional Positiva: Promove transparência e confiança.
  • 30. VANTAGENS DE ESCOLHER BEM O TIPO DE COMUNICAÇÃO  Adaptação a Meios Tecnológicos: Essencial na era digital.  Melhoria nas Habilidades de Liderança: Facilita a comunicação eficaz e empática.  Prevenção de Mal- Entendidos: Evita conflitos e mal-entendidos.  Facilitação do Processo de Aprendizagem: Contribui para um ambiente educacional mais eficaz.
  • 31. QUAL A SUA RESPONSABILIDADE NA COMUNICAÇÃO?
  • 32.  Se expressar claramente, se adaptar à audiência, ouvir ativamente, fornecer feedback construtivo e respeitar diversidades.  Além disso, deve ser empático, evitar preconceitos, cumprir compromissos, usar linguagem apropriada, ser assertivo, adaptar-se a mudanças e assumir a responsabilidade pela compreensão. Ao manter o foco, resolver conflitos construtivamente e escolher os meios de comunicação adequados, contribui para uma troca eficaz de informações e relações interpessoais positivas. QUAL A SUA RESPONSABILIDADE NA COMUNICAÇÃO?
  • 33. AUTOCONHECIMENTO  As mudanças iniciam-se na nossa vida quando passamos a nos questionar e tentar entender os nossos resultados, assumindo a responsabilidade por eles e não culpando os outros.
  • 34. COMO VOCÊ GOSTARIA QUE FOSSE SUA VIDA?
  • 35. LISTAS DE DECISÕES  Espiritual;  Saúde e Energia;  Conjugal;  Relacionamentos;  Financeiro;  Profissional;
  • 36. QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 – QUEM SOU EU? 2 – QUAL A VIDA QUE EU QUERO? 3 – O QUE ME IMPEDE?
  • 37. O QUE IMPEDE AS PESSOAS DE VIVEREM UMA VIDA EXTRAORDINÁRIA?
  • 38. CRENÇAS É toda a verdade absoluta e inquestionável registrada em nosso cérebro através de experiências e aprendizados que tivemos ao longo da vida, principalmente na infância.
  • 40. AS CRENÇAS SÃO DETERMINANTES PARA OS NOSSOS RESULTADOS DE VIDA
  • 41. O PODER DA SUA CRENÇA
  • 42. Quando mudamos as nossas crenças elevamos nosso padrão de possibilidades, buscando novos desafios, realizando coisas antes inimagináveis e colhendo novos resultados!
  • 43. GANHAR DINHEIRO É DIFICIL?
  • 45. SÍNDROME DE GABRIELA Eu nasci assim, eu cresci assim, vou ser sempre assim...(Gabriela)
  • 46. O CÉREBRO RECEBE UMA MENSAGEM DA SUA FISIOLOGIA
  • 47.
  • 48. “[…] capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos motivarmos e de gerir bem as emoções dentro de nós e nossos relacionamentos” (GOLEMAN, 1995)
  • 49. INTELIGÊNCIA EMOCIONAL  Apenas 13% das pessoas fracassam por falta de QI e 87% fracassam por falta de Inteligência Emocional. Daniel Goleman (Harvard)
  • 50. INTELIGÊNCIA EMOCIONAL É muito comum vermos pessoas fantásticas, muito bem preparadas, com alto grau de habilidades técnicas sendo demitidas: ✓ porque não conseguem lidar com pessoas; ✓ tem dificuldades para se expressar de forma adequada; ✓ tem dificuldades em administrar seu próprio tempo; ✓ não são auto gerenciáveis; ✓ levam os problemas pessoais para dentro da empresa e vice versa; ✓ entre tantas outras situações que a baixa habilidade no gerenciamento de emoções traz.
  • 52. ENTENDENDO A PROGRAMAÇÃO NEUROLINGUÍSTICA (PNL)  Definição: A PNL é um conjunto de técnicas e modelos que visam compreender como as pessoas percebem o mundo e como podem mudar seus padrões mentais e comportamentais para alcançar objetivos específicos.  Objetivo: Explorar as formas de comunicação interna e externa para promover o autodesenvolvimento e aprimorar a eficácia pessoal e profissional.
  • 53. APLICAÇÕES E BENEFÍCIOS DA PNL Utilização: A PNL é aplicada em diversos contextos, como coaching, terapia, negócios, educação e comunicação. Vantagens:  Melhora na comunicação e nos relacionamentos interpessoais.  Capacidade de superar medos, fobias e limitações pessoais.  Aumento da autoconfiança e autoestima.  Alcance de metas e objetivos de forma mais eficiente. Desvantagens:  Requer prática e tempo para dominar as técnicas.  Nem sempre é eficaz para todos os indivíduos.  Pode haver interpretações subjetivas das técnicas, levando a resultados variados.
  • 54. COMO DESENVOLVER COMPETÊNCIAS EM PNL  Formação e Treinamento: Participar de cursos e workshops específicos em PNL para adquirir conhecimento teórico e prático.  Prática Regular: Implementar as técnicas aprendidas no dia a dia para desenvolver habilidades de observação, comunicação e modelagem.  Feedback e Aprendizado Contínuo: Buscar feedback de mentores e colegas, além de continuar estudando e aprimorando as habilidades ao longo do tempo.
  • 55. COMO SUPERAR SEUS LIMITES E MAXIMIZAR O SEU POTENCIAL Como viver uma vida extraordinária?! Como eliminar o que tem te impedido de viver uma vida abundante, quebrar o paradigma da mediocridade, realizar sonhos, fazer a diferença e deixar um legado?!
  • 57. EMPATIA E A COMUNICAÇÃO  Capacidade de tentar compreender sentimentos e emoções, procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente outro indivíduo;  A capacidade de se colocar no lugar do outro, que se desenvolve através da empatia, ajuda a compreender melhor o comportamento em determinadas circunstâncias e a forma como o outro toma as decisões. 12:17
  • 58. EMPATIA / COMUNICAÇÃO  O sucesso da área está na sua capacidade de se colocar na posição do cliente e perceber todas as nuanças acima descritas. Assim, estará apto a solucionar o problema do cliente.  A comunicação entre o profissional atuante na área e o outro tem que ser clara, objetiva, sem distorções.  Tem que ser elaborada numa linguagem que o cliente possa ser capaz de decifrar, de entender, descobrir as necessidades do cliente. 12:17
  • 59. FUNÇÕES DA LINGUAGEM  FUNÇÃO REFERENCIAL - Esta função privilegia justamente o objeto ou situação de que a mensagem trata, ou seja, o referente, textos que se propõem informar o leitor, transmitindo-lhe dados e conhecimentos precisos; 12:17
  • 60. FUNÇÕES DA LINGUAGEM  FUNÇÃO EXPRESSIVA OU EMOTIVA – Obedecem a um projeto, no qual o emissor expõe suas opiniões, fornece argumentos para sustentá-las, procurando persuadir o receptor da mensagem; cartas pessoais, nos diários, nas canções sentimentais, na poesia confessional, nas resenhas críticas. 12:17
  • 61. FUNÇÕES DA LINGUAGEM  FUNÇÃO CONATIVA – Esta função privilegia o receptor, utilizando elementos consistentes para persuadi-lo, seduzi-lo, convencê-lo, envolvendo o receptor com os conteúdos transmitidos, tornando-se evidente em textos marcados por pronomes de tratamento ou da segunda pessoa; Ex: “Faça um 21”. 12:17
  • 62. FUNÇÕES DA LINGUAGEM  FUNÇÃO FÁTICA, Tem por finalidade estabelecer, prolongar ou interromper a comunicação. É aplicada em situações em que o mais importante não é o que se fala, nem como se fala, mas sim o contato entre o emissor e o receptor. Fática quer dizer "relativa ao fato", ao que está ocorrendo. Ex.: Alô? Está me ouvindo? 12:17
  • 63. FUNÇÕES DA LINGUAGEM  FUNÇÃO METALINGUÍSTICA – se volta para os elementos do código, explicando-os, analisando-os, definindo-os. As gramáticas e os dicionários são exemplos de metalinguagem. 12:17
  • 64. VARIANTES LINGUÍSTICAS  a) gráficos – dão origem ao regionalismo;  b) sociais – o português das pessoas escolarizadas difere daquele empregado pelas pessoas que não têm acesso à escola;  B 1 - língua culta;  B 2 - língua popular;  B 3 - gírias. Ex: “Hoje paguei o maior mico;  c) profissionais – o exercício de algumas atividades requer o domínio das chamadas línguas técnicas;  d) situacionais –linguagem coloquial ou familiar. 12:17
  • 65. OS TEXTOS E SUA TIPOLOGIA TEXTO NARRATIVO Enredo; Narrador; Personagens. 12:17
  • 66. TEXTO DESCRITIVO  Relata as características de um objeto ou de uma situação qualquer num certo momento estático do tempo, não existindo, obviamente, a anterioridade e posterioridade presentes no texto narrativo, ou seja, não existe nada que indique progressão de um estado anterior para outro posterior. 12:17
  • 67. TEXTO DISSERTATIVO Trabalha com argumentos (o texto dissertativo é um texto argumentativo), com dados, com fatos, utilizando-os para justificar seu ponto de vista. A dissertação é organizada em três partes distintas. São elas:  Introdução;  Desenvolvimento;  Conclusão. 12:17
  • 68. TEXTO PUBLICITÁRIO o Atenção; o Informação; o Desejo; o e apelo. Ex: “Se fosse sua casa, você já teria trocado”! 12:17
  • 69. TEXTO TÉCNICO Trabalha com argumentos (o texto dissertativo é um texto argumentativo), com dados, com fatos, utilizando-os para justificar seu ponto de vista. A dissertação é organizada em três partes distintas. São elas:  Introdução;  Desenvolvimento;  Conclusão. 12:17
  • 70. COMUNIQUE-SE MELHOR COM 4 TÉCNICAS  1. Escute mais!!!
  • 71. 2. Pratique: “A prática leva à perfeição”? Essencial para quem busca melhorar as suas habilidades de expressão. COMUNIQUE-SE MELHOR COM 4 TÉCNICAS
  • 72. 3. Revise o que você escreve em voz alta: Correção e verificação se as ideias estão bem claras. COMUNIQUE-SE MELHOR COM 4 TÉCNICAS
  • 73. CORRETOR DE IMÓVEIS: COMUNIQUE-SE MELHOR COM 4 TÉCNICAS  4. Leia mais!
  • 75. SHEILA CORTES – 99123-6001 OBRIGADA PELA PARTICIPACAO DE TODOS!!!