SlideShare uma empresa Scribd logo
Introdução à Análise de Alimentos
Análise de Alimentos
                                                          ?
                                                       ?      ?
                                                          ? ?
                                                      ?
                                                         ? ? ?




Determinar um componente específico do alimento, ou
               vários componentes?
Aula 3-introdução
Função básica da bromatologia

 Estudo químico e nutricional dos constituintes
  fundamentais dos alimentos
     Alimentos glicídios
      Alimentos lipídicos
      Alimentos protéicos
      Vitaminas
      Minerais
      Água
 Estudo químico nutricional dos constituintes
  secundários dos alimentos
     (enzimas, constituintes de cor, sabor e aroma)
Análise de Alimentos: Por quê?
 Conhecer a composição da matéria-prima e do produto acabado

 Determinar o padrão de identidade e qualidade dos alimentos

 Controlar e garantir a qualidade da matéria-prima e do produto

 Estabelecer a composição nutricional nos rótulos

 Obter dados para o planejamento dietético

 Segurança no consumo de alimentos

 Gerar banco de dados e validação de processo

 Desenvolver novos produtos e padrões de qualidade

 Conhecer os efeitos do processamento e da estocagem na
  qualidade do produto
Análise de           Identificação e
Alimentos            quantificação de              Produtos vegetais
                     nutrientes                        e animais




Reações químicas,      Ciência          Tecnologia




                                                                        6
                                                         Embalagens
     físicas e
                                                         Aditivos
   enzimáticas
                                                         Conservação
                                 Alimentos
                                                         Estabilidade

                     Engenharia              Nutrição



               Processos                     Nutrição Humana e
              Equipamentos                     Experimental
Aplicação da Análise de Alimentos

                 Indústrias – controle de qualidade, controle de
                 processos em águas, alimentos, matérias-primas,
                 produto     acabado,    embalagens,    vida-de-
                 prateleira. Desenvolvimento de novos produtos
                 e melhoramento de produtos já existentes.

                       Universidades e Institutos de Pesquisa –
desenvolvimento de metodologia, controle de processos em
pesquisas, prestação de serviços, etc.

Órgãos Governamentais – controle de qualidade, fiscalização na
produção e distribuição, padronização de novos produtos e
registro.
Analista

    Fornecer dados analíticos de alta
    qualidade através de métodos
    analíticos que sejam confiáveis e
    adequados, rapidamente e a um
    baixo custo.
Análises de Alimentos
Análise Qualitativa                 identificação
Avaliação da atividade antioxidante e identificação dos ácidos fenólicos presentes
no bagaço de maçã cv. Gala. (SOARES et al., 2008).
Composição de voláteis e perfil de aroma e sabor de méis de eucalipto e laranja.
(BASTOS et al., 2002).


Análise Quantitativa                  quantificação
Disponibilidade de polifenóis em frutas e hortaliças consumidas no Brasil. (FALLER
et al., 2009).
Teor de nitrato em alface cultivada em sistemas hidropônico e convencional.
(BENINNI et al., 2002).
Determinação das frações protéicas e de carboidratos e taxas de degradação in
vitro da cana-de-açúcar e do farelo de algodão. (PEREIRA, et al., 2000).
Análises de Alimentos
Análise Qualitativa e Quantitativa
Identificação e quantificação de voláteis de café através de cromatografia
gasosa de alta resolução/espectrometria de massas empregando um
amostrador automático de "headspace“.(AMSTALDEN et al., 2001).

Caracterização   de subprodutos da industrialização        do   maracujá-
aproveitamento das sementes. (FERRARI et al, 2004).

Determinação do perfil de compostos voláteis e avaliação do sabor e aroma
de bebidas produzidas a partir da erva-mate (Ilex paraguariensis). (MACHADO
et al., 2007).
Métodos de Análise



  Métodos                               Métodos
Convencionais                        Instrumentais




  Nenhum
                                     Equipamentos
equipamento
                                      sofisticados
 sofisticado
Métodos de Análise
Instrumentais:
Os mais utilizados atualmente;
Utilizados em alternativa aos convencionais, sempre que possível.

Convencionais ou Clássicos:
Alto custo de equipamentos eletrônicos;
Não existe equipamento disponível para determinadas análises;
Requer-se um método convencional (sob aspecto legal, por se
tratar de um método oficial);
Existem casos raros, onde métodos convencionais podem
apresentar resultados melhores do que os instrumentais.
Métodos de Análise
Métodos gravimétricos
 precipitação , volatilização e eletrodeposição
 avaliar a presença e quantidade do elemento a partir do peso do
produto de uma reação


Métodos volumétricos
 neutralização e oxi-redução
Medi a capacidade de reação do constituinte desejado, com uma
solução reagente adequada e rigorosamente conhecida (solução
padrão)
Métodos de Análise
Métodos ópticos
 interação entre a matéria e energia em forma de luz



Métodos eletroquímicos
 condutividade elétrica dos componentes após ou durante uma
reação química
Métodos de Análise
Métodos cromatográficos
 Separação seletiva entre uma fase estacionária e uma fase móvel
Compostos dissolvidos por uma determinada substância , seja
sólida, líquida ou gasosa
 cromatografia em papel, de placa, gasosa e líquida
Escolha do Método Analítico
      Alimentos → amostras complexas, onde os vários
constituintes podem estar interferindo entre si → muitos
casos, um determinado método pode ser apropriado para
um tipo de alimento e não fornecer bons resultados para
outro.

                          Escolha do método
                       analítico vai depender do
                       produto a ser analisado.
1. Quantidade de amostra disponível:
Classificação para os métodos analíticos de acordo com o tamanho da amostra:
           Classificação      Tamanho da amostra         Tipo de métodos
    Macro                            ≥ 0,1 g           Convencionais
    Meso (Semimicro)              10 – 100 mg
    Micro                         1,0 – 10 mg
    Submicro                       0,1 – 1 mg
    Ultramicro                      ≤ 0,1 mg           Instrumentais
    Traços                  100 a 10000 μm (ppm)
    Microtraços                  10-7 – 10-4 μm
    Nanotraços                   10-10 – 10-7 μm
2. Quantidade do componente analisado:
Classificação dos componentes em relação ao peso total da amostra:
                                           • Menores: 0,01 – 1%
         • Maiores: >1%                    • Micro: <0,01%
                                           • Traços: (ppm e ppb)



          Métodos                               Métodos
        Convencionais                        Instrumentais

          gravimetria e                  equipamentos (pHmetro,
                                           espectrofotômetro,
           volumetria                       HPLC, GC, NIRs...)
3. Exatidão requerida:
       Métodos clássicos: exatidão de até 99,9% quando o
    analito encontra-se em mais de 10% na amostra.
       Em      quantidades   <10%     a   exatidão      cai
    significativamente, necessitando de Métodos mais exatos
    e sofisticados.

4. Composição química da amostra: presença de
    interferentes.
 Determinação de um componente predominante           não
  oferece grandes dificuldades.
 Material de composição complexa          necessidade de
  efetuar a separação dos interferentes potenciais antes da
5. Recursos disponíveis: nem sempre é possível utilizar o melhor
    método:
    $ Custo                       Reagente
    Equipamento                 Pessoal especializado
    Tempo

6. Número de amostras a analisar:
Muitas amostras – pode-se escolher métodos que requerem operações
    mais demoradas e trabalhosas, como a calibração de equipamentos,
    montagem de aparelhos e a preparação de reagentes, pois o custo
    destas operações se distribui sobre o grande número de amostras a
    analisar;
Poucas amostras – são preferíveis os métodos analíticos que permitem
    reduzir ao mínimo os preparativos preliminares e o custo da análise,
    ainda que o mesmo seja mais trabalhoso.
Confiabilidade dos Resultados
   e Tratamento Estatístico :
        Antes de optar por um determinado método analítico deve-
se considerar vários fatores. Entre estes a confiabilidade dos
resultados que irá depender de vários fatores, como:
   Especificidade;

  Exatidão;

  Precisão;

  Sensibilidade
Confiabilidade dos Resultados
     e Tratamento Estatístico :
Especificidade
    Capacidade do método analítico em medir o composto de
interesse, independente da presença de substâncias interferentes.


 O interferente não será computado com o composto de

interesse, ou ele poderá ser descontado
Confiabilidade dos Resultados
   e Tratamento Estatístico :
Exatidão
 Mede quão próximo o resultado de um dado método analítico

se encontra do real.

 Determinação da exatidão:


   - Porcentagem de recuperação do composto de interesse que
   foi adicionado a amostra numa quantidade previamente
   conhecida

   - Comparar os resultados com aqueles obtidos por outros
   métodos analíticos já definidos como exatos
Confiabilidade dos Resultados
   e Tratamento Estatístico :
Precisão
 Determinada pela variação entre vários resultados obtidos na

medida de um determinado componente da mesma amostra


 Desvio padrão entre as várias medidas e a média

Equações no quadro
Confiabilidade dos Resultados
   e Tratamento Estatístico :
Sensibilidade
Descreve quanto a resposta varia com a variação da concentração
do analito
Ex: Em métodos sensíveis, uma pequena diferença na concentração
do analito causa grande variação no valor do sinal analítico medido.

Pode ser medida no método e com o equipamento a ser utilizado
Confiabilidade dos Resultados
   e Tratamento Estatístico :
Limite de detecção
 Menor quantidade ou concentração de um dado componente

que pode ser detectado pelo método, com um certo limite de
confiabilidade utilizando determinado procedimento experimental
Confiabilidade dos Resultados
      e Tratamento Estatístico :
Limite de detecção
 O limite de detecção pode ser aumentado:

    - aumentando a resposta da medida: numa medida colorimétrica,
podemos usar reagentes colorimétricos que forneçam maior
absorção da radiação;

-     Aumentado o poder de leitura d equipamento, em análise
instrumental
Métodos de Análise
        O método ideal deve ser exato, preciso, prático, rápido e
econômico. O analista deve decidir em função do objetivo da
análise, quais atributos devem ser priorizados.
Os métodos de análise podem ser classificados em vários tipos:

métodos oficiais:
               Métodos testados e aprovados por laboratórios
competentes, que devem ser seguidos por uma legislação ou
agência de fiscalização;
Métodos de Análise
métodos padrões ou de referência:
      Métodos desenvolvidos e testados por um conjunto de
laboratórios através de estudos colaborativos;

métodos rápidos:
      Métodos que reduzem o tempo de análise normalmente
utilizado
      Apresentam menor exatidão na medida (em relação ao
método oficial)
      Útil em análises na determinação aproximada, como teor de
umidade, teor de proteína e teor de gorduras em alimentos.
Métodos de Análise
métodos modificados:

     Geralmente métodos oficiais ou padrões, que passam por
alguma modificação, para criar alguma simplificação, ou
adaptação segundo as condições existentes, ou, ainda, remover
substâncias interferentes;



métodos automatizados: utilizam equipamentos automatizados.
Métodos Oficiais de Análise
     de Alimentos
Utilizados para análises oficiais:

     - expedição de laudos técnicos

     - laboratórios devem apresentar resultados similares

     - Além da metodologia oficial, os laboratórios credenciados
pelos órgãos competentes devem passar por um processo de
inspeção periódica quanto a calibração de equipamentos e
vidrarias, e nível de preparação (treinamento) de seus
laboratoristas.
Métodos Oficiais de Análise
     de Alimentos
 AOAC (Official Analytical Chemists International): consiste no
mais conhecidos e um dos mais completos compendium de
análise de alimentos, o qual contém praticamente todo o tipo de
análise (engloba produtos em geral) que se deseja realizar em
alimentos;

AACC( American Association of Cereal Chemists): consiste no
compendium específico de análise de cereais e seus subprodutos;

AOCS ( American Oil Chemists’ Society): consiste no compendium
específico de análise de óleos, gorduras e seus subprodutos;
Métodos de Análise
Standart Methods for the Examination of Dairy Products: consiste
no compedium específico de análise de leite e seus subprodutos;

 Standart Methods for Examination of Water and Wastewater:
consiste no compedium específico de análise de água e resíduos
aquosos.

Instituto Adolfo Lutz
LANARA (Laboratório Nacional de Referência Animal)
Metodologias específicas descritas em Resoluções e Instruções
Normativas (Ministério da Agricultura, Ministério da Saúde e
ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária)
Métodos de Análise
Instituto Adolfo Lutz

LANARA (Laboratório Nacional de Referência Animal)

Metodologias específicas descritas em Resoluções e Instruções
Normativas (Ministério da Agricultura, Ministério da Saúde e
ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária)
Fatores que dificultam a análise de
               alimentos

Complexidade das amostras

Número muito grande de substâncias presentes

Distribuição não uniforme

Perecibilidade dos alimentos

Variabilidade de amostras do mesmo alimento

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 2-introdução-a-química-de-alimentos
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentosAula 2-introdução-a-química-de-alimentos
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentos
fcanico
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos AlimentosAula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato EtéreoAula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Jaqueline Almeida
 
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre UmidadeRoteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Jaqueline Almeida
 
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimentoAula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Alvaro Galdos
 
%C1gua nos alimentos
%C1gua nos alimentos%C1gua nos alimentos
%C1gua nos alimentos
Augusto Tanamati
 
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentosAula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Alvaro Galdos
 
Cinzas
CinzasCinzas
A Química dos Alimentos
A Química dos AlimentosA Química dos Alimentos
A Química dos Alimentos
MarkinhusSuns
 
Bromatologia Vitaminas
Bromatologia VitaminasBromatologia Vitaminas
Bromatologia Vitaminas
Julai1991
 
Analise de alimentos capitulo 3
Analise de alimentos capitulo 3Analise de alimentos capitulo 3
Analise de alimentos capitulo 3
joelferreira
 
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1   controle de qualidade na ind. de alimentosAula 1   controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
( UFS ) Universidade Federal de Sergipe
 
Alterações em alimentos
Alterações em alimentosAlterações em alimentos
Alterações em alimentos
GabsSerra
 
Análise sensorial de alimentos
Análise sensorial de alimentosAnálise sensorial de alimentos
Análise sensorial de alimentos
Roberta Juliano Ramos
 
fatores intrinsecos e fatores extrinsecos
fatores intrinsecos e fatores extrinsecosfatores intrinsecos e fatores extrinsecos
fatores intrinsecos e fatores extrinsecos
Flavio Richard
 
Composio centecsimal
Composio centecsimalComposio centecsimal
Composio centecsimal
Ernane Nogueira Nunes
 
Apostila de aulas práticas (1)
Apostila de aulas práticas (1)Apostila de aulas práticas (1)
Apostila de aulas práticas (1)
Filgueira Nogueira
 
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteicoAula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Jaqueline Almeida
 
Bioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutasBioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutas
UERGS
 
Quimica de-alimentos-agua
Quimica de-alimentos-aguaQuimica de-alimentos-agua
Quimica de-alimentos-agua
Vanessa Alonso
 

Mais procurados (20)

Aula 2-introdução-a-química-de-alimentos
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentosAula 2-introdução-a-química-de-alimentos
Aula 2-introdução-a-química-de-alimentos
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos AlimentosAula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
 
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato EtéreoAula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
 
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre UmidadeRoteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
 
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimentoAula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
 
%C1gua nos alimentos
%C1gua nos alimentos%C1gua nos alimentos
%C1gua nos alimentos
 
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentosAula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
 
Cinzas
CinzasCinzas
Cinzas
 
A Química dos Alimentos
A Química dos AlimentosA Química dos Alimentos
A Química dos Alimentos
 
Bromatologia Vitaminas
Bromatologia VitaminasBromatologia Vitaminas
Bromatologia Vitaminas
 
Analise de alimentos capitulo 3
Analise de alimentos capitulo 3Analise de alimentos capitulo 3
Analise de alimentos capitulo 3
 
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1   controle de qualidade na ind. de alimentosAula 1   controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
 
Alterações em alimentos
Alterações em alimentosAlterações em alimentos
Alterações em alimentos
 
Análise sensorial de alimentos
Análise sensorial de alimentosAnálise sensorial de alimentos
Análise sensorial de alimentos
 
fatores intrinsecos e fatores extrinsecos
fatores intrinsecos e fatores extrinsecosfatores intrinsecos e fatores extrinsecos
fatores intrinsecos e fatores extrinsecos
 
Composio centecsimal
Composio centecsimalComposio centecsimal
Composio centecsimal
 
Apostila de aulas práticas (1)
Apostila de aulas práticas (1)Apostila de aulas práticas (1)
Apostila de aulas práticas (1)
 
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteicoAula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
 
Bioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutasBioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutas
 
Quimica de-alimentos-agua
Quimica de-alimentos-aguaQuimica de-alimentos-agua
Quimica de-alimentos-agua
 

Semelhante a Aula 3-introdução

ANÁLISE DE ALIMENTOS Aula-3-Introdução.ppt
ANÁLISE DE ALIMENTOS Aula-3-Introdução.pptANÁLISE DE ALIMENTOS Aula-3-Introdução.ppt
ANÁLISE DE ALIMENTOS Aula-3-Introdução.ppt
wedsongaldino1
 
introdução alimentos...................................
introdução alimentos...................................introdução alimentos...................................
introdução alimentos...................................
andreferreira289855
 
Analise de alimentos capitulo 3
Analise de alimentos capitulo 3Analise de alimentos capitulo 3
Analise de alimentos capitulo 3
joelferreira
 
Universidade Federal de Mato Grosso
Universidade Federal de Mato GrossoUniversidade Federal de Mato Grosso
Universidade Federal de Mato Grosso
Silva Célia
 
Estado da arte do processo de REVISÃO DA PORTARIA GM/MS n°2.914/2011
Estado da arte do processo de REVISÃO DA PORTARIA GM/MS n°2.914/2011Estado da arte do processo de REVISÃO DA PORTARIA GM/MS n°2.914/2011
Estado da arte do processo de REVISÃO DA PORTARIA GM/MS n°2.914/2011
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Apresentação Toxilab Laboratório de Análises
Apresentação Toxilab Laboratório de AnálisesApresentação Toxilab Laboratório de Análises
Apresentação Toxilab Laboratório de Análises
adribender
 
01.análise de amostras reais e tratamento de dados 2
01.análise de amostras reais e tratamento de dados 201.análise de amostras reais e tratamento de dados 2
01.análise de amostras reais e tratamento de dados 2
Diego Lima
 
Controle de Qualidade em Cosmeticos
Controle de Qualidade em CosmeticosControle de Qualidade em Cosmeticos
Controle de Qualidade em Cosmeticos
Safia Naser
 
1 aula.pptx
1 aula.pptx1 aula.pptx
1 aula.pptx
helilmapinheiroufma
 
Controle de qualidade de matérias primas – insumos
Controle de qualidade de matérias primas – insumosControle de qualidade de matérias primas – insumos
Controle de qualidade de matérias primas – insumos
Vanessa Rodrigues
 
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoControle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Vanessa Rodrigues
 
controledequalidadedematriasprimasinsumos-150711024839-lva1-app6892.pptx
controledequalidadedematriasprimasinsumos-150711024839-lva1-app6892.pptxcontroledequalidadedematriasprimasinsumos-150711024839-lva1-app6892.pptx
controledequalidadedematriasprimasinsumos-150711024839-lva1-app6892.pptx
AlerrandroGuimaresSi
 
aula Carina Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle.pdf
aula Carina Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle.pdfaula Carina Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle.pdf
aula Carina Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle.pdf
NutricionistavelinSa
 
Fundamentos quimica analitica
Fundamentos quimica analiticaFundamentos quimica analitica
Fundamentos quimica analitica
Kzona99
 
Microbiologia parte1
Microbiologia parte1Microbiologia parte1
Microbiologia parte1
Euripedes Barbosa
 
Aula métodos de identificação
Aula  métodos de identificaçãoAula  métodos de identificação
Aula métodos de identificação
Ana Flávia Oliveira
 
Agronegócio - Boas práticas pecuária - Aula qualidade
Agronegócio - Boas práticas pecuária - Aula qualidadeAgronegócio - Boas práticas pecuária - Aula qualidade
Agronegócio - Boas práticas pecuária - Aula qualidade
sionara14
 
Apostila de-an alise-de-alimentos
Apostila de-an alise-de-alimentosApostila de-an alise-de-alimentos
Apostila de-an alise-de-alimentos
elianabarroso
 
Quimica instrumental
Quimica instrumentalQuimica instrumental
Quimica instrumental
Fernanda de Sousa Fernandes
 
O quimico-e-o-mercado-farmaceutico-21
O quimico-e-o-mercado-farmaceutico-21O quimico-e-o-mercado-farmaceutico-21
O quimico-e-o-mercado-farmaceutico-21
wallisson lima
 

Semelhante a Aula 3-introdução (20)

ANÁLISE DE ALIMENTOS Aula-3-Introdução.ppt
ANÁLISE DE ALIMENTOS Aula-3-Introdução.pptANÁLISE DE ALIMENTOS Aula-3-Introdução.ppt
ANÁLISE DE ALIMENTOS Aula-3-Introdução.ppt
 
introdução alimentos...................................
introdução alimentos...................................introdução alimentos...................................
introdução alimentos...................................
 
Analise de alimentos capitulo 3
Analise de alimentos capitulo 3Analise de alimentos capitulo 3
Analise de alimentos capitulo 3
 
Universidade Federal de Mato Grosso
Universidade Federal de Mato GrossoUniversidade Federal de Mato Grosso
Universidade Federal de Mato Grosso
 
Estado da arte do processo de REVISÃO DA PORTARIA GM/MS n°2.914/2011
Estado da arte do processo de REVISÃO DA PORTARIA GM/MS n°2.914/2011Estado da arte do processo de REVISÃO DA PORTARIA GM/MS n°2.914/2011
Estado da arte do processo de REVISÃO DA PORTARIA GM/MS n°2.914/2011
 
Apresentação Toxilab Laboratório de Análises
Apresentação Toxilab Laboratório de AnálisesApresentação Toxilab Laboratório de Análises
Apresentação Toxilab Laboratório de Análises
 
01.análise de amostras reais e tratamento de dados 2
01.análise de amostras reais e tratamento de dados 201.análise de amostras reais e tratamento de dados 2
01.análise de amostras reais e tratamento de dados 2
 
Controle de Qualidade em Cosmeticos
Controle de Qualidade em CosmeticosControle de Qualidade em Cosmeticos
Controle de Qualidade em Cosmeticos
 
1 aula.pptx
1 aula.pptx1 aula.pptx
1 aula.pptx
 
Controle de qualidade de matérias primas – insumos
Controle de qualidade de matérias primas – insumosControle de qualidade de matérias primas – insumos
Controle de qualidade de matérias primas – insumos
 
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoControle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
 
controledequalidadedematriasprimasinsumos-150711024839-lva1-app6892.pptx
controledequalidadedematriasprimasinsumos-150711024839-lva1-app6892.pptxcontroledequalidadedematriasprimasinsumos-150711024839-lva1-app6892.pptx
controledequalidadedematriasprimasinsumos-150711024839-lva1-app6892.pptx
 
aula Carina Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle.pdf
aula Carina Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle.pdfaula Carina Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle.pdf
aula Carina Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle.pdf
 
Fundamentos quimica analitica
Fundamentos quimica analiticaFundamentos quimica analitica
Fundamentos quimica analitica
 
Microbiologia parte1
Microbiologia parte1Microbiologia parte1
Microbiologia parte1
 
Aula métodos de identificação
Aula  métodos de identificaçãoAula  métodos de identificação
Aula métodos de identificação
 
Agronegócio - Boas práticas pecuária - Aula qualidade
Agronegócio - Boas práticas pecuária - Aula qualidadeAgronegócio - Boas práticas pecuária - Aula qualidade
Agronegócio - Boas práticas pecuária - Aula qualidade
 
Apostila de-an alise-de-alimentos
Apostila de-an alise-de-alimentosApostila de-an alise-de-alimentos
Apostila de-an alise-de-alimentos
 
Quimica instrumental
Quimica instrumentalQuimica instrumental
Quimica instrumental
 
O quimico-e-o-mercado-farmaceutico-21
O quimico-e-o-mercado-farmaceutico-21O quimico-e-o-mercado-farmaceutico-21
O quimico-e-o-mercado-farmaceutico-21
 

Mais de Andreza Da Rocha Costa

43886 1322344690236
43886 132234469023643886 1322344690236
43886 1322344690236
Andreza Da Rocha Costa
 
Eqb353 aula 19
Eqb353 aula 19Eqb353 aula 19
Eqb353 aula 19
Andreza Da Rocha Costa
 
Matos 2006
Matos 2006Matos 2006
6667307
66673076667307
Substratos para orquídeas
Substratos para orquídeasSubstratos para orquídeas
Substratos para orquídeas
Andreza Da Rocha Costa
 
Aulapratica01segurancanolaboratorioevidrarias
Aulapratica01segurancanolaboratorioevidrariasAulapratica01segurancanolaboratorioevidrarias
Aulapratica01segurancanolaboratorioevidrarias
Andreza Da Rocha Costa
 
Embrapa circular 4
Embrapa circular 4Embrapa circular 4
Embrapa circular 4
Andreza Da Rocha Costa
 
Tese fabiana peneireiro
Tese fabiana peneireiroTese fabiana peneireiro
Tese fabiana peneireiro
Andreza Da Rocha Costa
 

Mais de Andreza Da Rocha Costa (8)

43886 1322344690236
43886 132234469023643886 1322344690236
43886 1322344690236
 
Eqb353 aula 19
Eqb353 aula 19Eqb353 aula 19
Eqb353 aula 19
 
Matos 2006
Matos 2006Matos 2006
Matos 2006
 
6667307
66673076667307
6667307
 
Substratos para orquídeas
Substratos para orquídeasSubstratos para orquídeas
Substratos para orquídeas
 
Aulapratica01segurancanolaboratorioevidrarias
Aulapratica01segurancanolaboratorioevidrariasAulapratica01segurancanolaboratorioevidrarias
Aulapratica01segurancanolaboratorioevidrarias
 
Embrapa circular 4
Embrapa circular 4Embrapa circular 4
Embrapa circular 4
 
Tese fabiana peneireiro
Tese fabiana peneireiroTese fabiana peneireiro
Tese fabiana peneireiro
 

Aula 3-introdução

  • 2. Análise de Alimentos ? ? ? ? ? ? ? ? ? Determinar um componente específico do alimento, ou vários componentes?
  • 4. Função básica da bromatologia  Estudo químico e nutricional dos constituintes fundamentais dos alimentos Alimentos glicídios Alimentos lipídicos Alimentos protéicos Vitaminas Minerais Água  Estudo químico nutricional dos constituintes secundários dos alimentos (enzimas, constituintes de cor, sabor e aroma)
  • 5. Análise de Alimentos: Por quê?  Conhecer a composição da matéria-prima e do produto acabado  Determinar o padrão de identidade e qualidade dos alimentos  Controlar e garantir a qualidade da matéria-prima e do produto  Estabelecer a composição nutricional nos rótulos  Obter dados para o planejamento dietético  Segurança no consumo de alimentos  Gerar banco de dados e validação de processo  Desenvolver novos produtos e padrões de qualidade  Conhecer os efeitos do processamento e da estocagem na qualidade do produto
  • 6. Análise de Identificação e Alimentos quantificação de Produtos vegetais nutrientes e animais Reações químicas, Ciência Tecnologia 6 Embalagens físicas e Aditivos enzimáticas Conservação Alimentos Estabilidade Engenharia Nutrição Processos Nutrição Humana e Equipamentos Experimental
  • 7. Aplicação da Análise de Alimentos Indústrias – controle de qualidade, controle de processos em águas, alimentos, matérias-primas, produto acabado, embalagens, vida-de- prateleira. Desenvolvimento de novos produtos e melhoramento de produtos já existentes. Universidades e Institutos de Pesquisa – desenvolvimento de metodologia, controle de processos em pesquisas, prestação de serviços, etc. Órgãos Governamentais – controle de qualidade, fiscalização na produção e distribuição, padronização de novos produtos e registro.
  • 8. Analista Fornecer dados analíticos de alta qualidade através de métodos analíticos que sejam confiáveis e adequados, rapidamente e a um baixo custo.
  • 9. Análises de Alimentos Análise Qualitativa identificação Avaliação da atividade antioxidante e identificação dos ácidos fenólicos presentes no bagaço de maçã cv. Gala. (SOARES et al., 2008). Composição de voláteis e perfil de aroma e sabor de méis de eucalipto e laranja. (BASTOS et al., 2002). Análise Quantitativa quantificação Disponibilidade de polifenóis em frutas e hortaliças consumidas no Brasil. (FALLER et al., 2009). Teor de nitrato em alface cultivada em sistemas hidropônico e convencional. (BENINNI et al., 2002). Determinação das frações protéicas e de carboidratos e taxas de degradação in vitro da cana-de-açúcar e do farelo de algodão. (PEREIRA, et al., 2000).
  • 10. Análises de Alimentos Análise Qualitativa e Quantitativa Identificação e quantificação de voláteis de café através de cromatografia gasosa de alta resolução/espectrometria de massas empregando um amostrador automático de "headspace“.(AMSTALDEN et al., 2001). Caracterização de subprodutos da industrialização do maracujá- aproveitamento das sementes. (FERRARI et al, 2004). Determinação do perfil de compostos voláteis e avaliação do sabor e aroma de bebidas produzidas a partir da erva-mate (Ilex paraguariensis). (MACHADO et al., 2007).
  • 11. Métodos de Análise Métodos Métodos Convencionais Instrumentais Nenhum Equipamentos equipamento sofisticados sofisticado
  • 12. Métodos de Análise Instrumentais: Os mais utilizados atualmente; Utilizados em alternativa aos convencionais, sempre que possível. Convencionais ou Clássicos: Alto custo de equipamentos eletrônicos; Não existe equipamento disponível para determinadas análises; Requer-se um método convencional (sob aspecto legal, por se tratar de um método oficial); Existem casos raros, onde métodos convencionais podem apresentar resultados melhores do que os instrumentais.
  • 13. Métodos de Análise Métodos gravimétricos  precipitação , volatilização e eletrodeposição  avaliar a presença e quantidade do elemento a partir do peso do produto de uma reação Métodos volumétricos  neutralização e oxi-redução Medi a capacidade de reação do constituinte desejado, com uma solução reagente adequada e rigorosamente conhecida (solução padrão)
  • 14. Métodos de Análise Métodos ópticos  interação entre a matéria e energia em forma de luz Métodos eletroquímicos  condutividade elétrica dos componentes após ou durante uma reação química
  • 15. Métodos de Análise Métodos cromatográficos  Separação seletiva entre uma fase estacionária e uma fase móvel Compostos dissolvidos por uma determinada substância , seja sólida, líquida ou gasosa  cromatografia em papel, de placa, gasosa e líquida
  • 16. Escolha do Método Analítico Alimentos → amostras complexas, onde os vários constituintes podem estar interferindo entre si → muitos casos, um determinado método pode ser apropriado para um tipo de alimento e não fornecer bons resultados para outro. Escolha do método analítico vai depender do produto a ser analisado.
  • 17. 1. Quantidade de amostra disponível: Classificação para os métodos analíticos de acordo com o tamanho da amostra: Classificação Tamanho da amostra Tipo de métodos Macro ≥ 0,1 g Convencionais Meso (Semimicro) 10 – 100 mg Micro 1,0 – 10 mg Submicro 0,1 – 1 mg Ultramicro ≤ 0,1 mg Instrumentais Traços 100 a 10000 μm (ppm) Microtraços 10-7 – 10-4 μm Nanotraços 10-10 – 10-7 μm
  • 18. 2. Quantidade do componente analisado: Classificação dos componentes em relação ao peso total da amostra: • Menores: 0,01 – 1% • Maiores: >1% • Micro: <0,01% • Traços: (ppm e ppb) Métodos Métodos Convencionais Instrumentais gravimetria e equipamentos (pHmetro, espectrofotômetro, volumetria HPLC, GC, NIRs...)
  • 19. 3. Exatidão requerida: Métodos clássicos: exatidão de até 99,9% quando o analito encontra-se em mais de 10% na amostra. Em quantidades <10% a exatidão cai significativamente, necessitando de Métodos mais exatos e sofisticados. 4. Composição química da amostra: presença de interferentes.  Determinação de um componente predominante não oferece grandes dificuldades.  Material de composição complexa necessidade de efetuar a separação dos interferentes potenciais antes da
  • 20. 5. Recursos disponíveis: nem sempre é possível utilizar o melhor método: $ Custo Reagente Equipamento Pessoal especializado Tempo 6. Número de amostras a analisar: Muitas amostras – pode-se escolher métodos que requerem operações mais demoradas e trabalhosas, como a calibração de equipamentos, montagem de aparelhos e a preparação de reagentes, pois o custo destas operações se distribui sobre o grande número de amostras a analisar; Poucas amostras – são preferíveis os métodos analíticos que permitem reduzir ao mínimo os preparativos preliminares e o custo da análise, ainda que o mesmo seja mais trabalhoso.
  • 21. Confiabilidade dos Resultados e Tratamento Estatístico : Antes de optar por um determinado método analítico deve- se considerar vários fatores. Entre estes a confiabilidade dos resultados que irá depender de vários fatores, como:  Especificidade; Exatidão; Precisão; Sensibilidade
  • 22. Confiabilidade dos Resultados e Tratamento Estatístico : Especificidade  Capacidade do método analítico em medir o composto de interesse, independente da presença de substâncias interferentes.  O interferente não será computado com o composto de interesse, ou ele poderá ser descontado
  • 23. Confiabilidade dos Resultados e Tratamento Estatístico : Exatidão  Mede quão próximo o resultado de um dado método analítico se encontra do real.  Determinação da exatidão: - Porcentagem de recuperação do composto de interesse que foi adicionado a amostra numa quantidade previamente conhecida - Comparar os resultados com aqueles obtidos por outros métodos analíticos já definidos como exatos
  • 24. Confiabilidade dos Resultados e Tratamento Estatístico : Precisão  Determinada pela variação entre vários resultados obtidos na medida de um determinado componente da mesma amostra  Desvio padrão entre as várias medidas e a média Equações no quadro
  • 25. Confiabilidade dos Resultados e Tratamento Estatístico : Sensibilidade Descreve quanto a resposta varia com a variação da concentração do analito Ex: Em métodos sensíveis, uma pequena diferença na concentração do analito causa grande variação no valor do sinal analítico medido. Pode ser medida no método e com o equipamento a ser utilizado
  • 26. Confiabilidade dos Resultados e Tratamento Estatístico : Limite de detecção  Menor quantidade ou concentração de um dado componente que pode ser detectado pelo método, com um certo limite de confiabilidade utilizando determinado procedimento experimental
  • 27. Confiabilidade dos Resultados e Tratamento Estatístico : Limite de detecção  O limite de detecção pode ser aumentado: - aumentando a resposta da medida: numa medida colorimétrica, podemos usar reagentes colorimétricos que forneçam maior absorção da radiação; - Aumentado o poder de leitura d equipamento, em análise instrumental
  • 28. Métodos de Análise O método ideal deve ser exato, preciso, prático, rápido e econômico. O analista deve decidir em função do objetivo da análise, quais atributos devem ser priorizados. Os métodos de análise podem ser classificados em vários tipos: métodos oficiais: Métodos testados e aprovados por laboratórios competentes, que devem ser seguidos por uma legislação ou agência de fiscalização;
  • 29. Métodos de Análise métodos padrões ou de referência: Métodos desenvolvidos e testados por um conjunto de laboratórios através de estudos colaborativos; métodos rápidos: Métodos que reduzem o tempo de análise normalmente utilizado Apresentam menor exatidão na medida (em relação ao método oficial) Útil em análises na determinação aproximada, como teor de umidade, teor de proteína e teor de gorduras em alimentos.
  • 30. Métodos de Análise métodos modificados: Geralmente métodos oficiais ou padrões, que passam por alguma modificação, para criar alguma simplificação, ou adaptação segundo as condições existentes, ou, ainda, remover substâncias interferentes; métodos automatizados: utilizam equipamentos automatizados.
  • 31. Métodos Oficiais de Análise de Alimentos Utilizados para análises oficiais: - expedição de laudos técnicos - laboratórios devem apresentar resultados similares - Além da metodologia oficial, os laboratórios credenciados pelos órgãos competentes devem passar por um processo de inspeção periódica quanto a calibração de equipamentos e vidrarias, e nível de preparação (treinamento) de seus laboratoristas.
  • 32. Métodos Oficiais de Análise de Alimentos AOAC (Official Analytical Chemists International): consiste no mais conhecidos e um dos mais completos compendium de análise de alimentos, o qual contém praticamente todo o tipo de análise (engloba produtos em geral) que se deseja realizar em alimentos; AACC( American Association of Cereal Chemists): consiste no compendium específico de análise de cereais e seus subprodutos; AOCS ( American Oil Chemists’ Society): consiste no compendium específico de análise de óleos, gorduras e seus subprodutos;
  • 33. Métodos de Análise Standart Methods for the Examination of Dairy Products: consiste no compedium específico de análise de leite e seus subprodutos; Standart Methods for Examination of Water and Wastewater: consiste no compedium específico de análise de água e resíduos aquosos. Instituto Adolfo Lutz LANARA (Laboratório Nacional de Referência Animal) Metodologias específicas descritas em Resoluções e Instruções Normativas (Ministério da Agricultura, Ministério da Saúde e ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária)
  • 34. Métodos de Análise Instituto Adolfo Lutz LANARA (Laboratório Nacional de Referência Animal) Metodologias específicas descritas em Resoluções e Instruções Normativas (Ministério da Agricultura, Ministério da Saúde e ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária)
  • 35. Fatores que dificultam a análise de alimentos Complexidade das amostras Número muito grande de substâncias presentes Distribuição não uniforme Perecibilidade dos alimentos Variabilidade de amostras do mesmo alimento

Notas do Editor

  1. . Pode ser expressa como a inclinação da curva analítica (coeficiente angular), expresso pala equação S=dx/dc, onde: dx=variação da resposta, dc=variação da concentração É medida ao mesmo tempo que testa a linearidade Depende da natureza do analito e da técnica de detecção Sensibilidade A sensibilidade é a capacidade do método em distinguir, com determinado nível de confiança, duas concentrações próximas (16). Sob o ponto de vista prático, a sensibilidade constitui o coeficiente angular do gráfico analítico (3, 19) expresso como: Em métodos sensíveis, uma pequena diferença na concentração do analito causa grande variação no valor do sinal analítico medido. Esse critério expressa a capacidade do procedimento analítico gerar variação no valor da propriedade monitorada ou medida, causada por pequeno incremento na concentração ou quantidade do analito. Entretanto, tornou-se comum o uso errôneo desse termo para designar método com baixo limite de detecção (LD) (16). 2.6 EXATIDÃO