SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Baixar para ler offline
Teoria preliminar

Prof.: Romualdo S. Correia
•
•
•
•
•
•

Elementos comuns aos três gêneros
Elementos comuns aos três gêneros
Divisão da literatura em gêneros;
Aristóteles (384-322 a. C.);
Qualidade da palavra:
palavra narrada em terceira pessoa = épico
ou narrativo;
palavra cantada em primeira pessoa = lírico;
palavra representada no teatro = dramático
• Os

três gêneros subdividiam-se em
espécies:

• Dramático

distingue-se a tragédia e a

• Narrativo

a poesia épica do romance;

comédia;

• Lírico

as várias formas de poema
(soneto, elegia, etc.).
Natureza da linguagem
poética

• todo sistema de comunicação é linguagem;
• conjunto de signos e regras de combinação
capaz de expressar um modelo de mundo;

• língua

natural:
modalizante;

•o

o

primeiro

sistema

sistema linguístico é a base para a
construção de outros sistemas semióticos;
•a

literatura é um sistema modelizante
secundário;

• ela

tem como significante o sistema
linguístico;

•a

linguagem literária é constituída pelo
plano de expressão e pelo plano de
conteúdo - denotativo;
• linguagem

comum: significante rosa =
(plano de expressão) o conjunto de
fonemas /r/o/z/a/ e como significado (plano
de conteúdo) a referência a um objeto do
mundo real.

• linguagem literária: significante e significado

torna-se significante (plano de expressão)
de outro significado (o poético) que pode
sugerir a ideia de amor, delicadez, perfume,
etc.
Triângulo de Ogden e Richards
•

A linha tracejada indica uma relação arbitrária
entre Ste e R, pois pode ser expresso por
vários significantes;

•
•
•

A relação entre Ste e Sdo é direta e necessária;
O mesmo nem sempre acontece com Sdo e R.
Em poesia, a um mesmo referente podem
corresponder dois ou mais significados, cujos
sentidos variam da cultura e situação afetiva do
leitor.
• A linguagem poética é constituída por uma
estrutura complexa;

• Sua essência é a iconicidade. Semantiza os

elementos e as relações do sistema
semiótico natural;

• Consequência

da estrutura poética é sua

polivalência;

• Processo de semiose ilimitada;
• “O signo poético simultaneamente remete

e não remete a um referente; ele existe e
não existe; é, ao mesmo tempo, um ser e
um
não
ser. A
poesia
enuncia
simultaneidade (cornológica espacial) do
possível com o impossível, do real e do
fictício”. (KRISTEVA)
• A formação do discurso poético remete ao

mecanismo simbólico da prática significante
da linguagem;

• Um

significante não corresponde ao
significado arbitrariamente estabelecido;
Conotação
• “A conotação é um sentido que só advém à
palavra numa
referência a
(LEFEBVE)

dada situação e por
um certo contexto”.
• Distinção

entre conotação poética e de
outros sistemas semióticos;

• Em outras linguagens, o sentido conotativo
se desfaz porque é unívoco;

• Linguagem literária é sempre polissêmica;
• Ambiguidade e abertura para várias
interpretações;
•
•
•

Sentidos além da lógica do discurso usual;

•

Consequência do caráter conotativo da
linguagem literária: o conhecimento linguístico,
somente, não dá conta;

•

Pluralidade de
culturais, etc.;

Relações subjetivas com o leitor (texto móvel);
Capaz de não conter nenhum sentido definitivo
ou incontestável;

códigos:

retóricos,

míticos,
Criatividade
• A linguagem literária se afirma como sistema
semiótico desviando-se da norma linguística;

•O

uso linguístico cria automatismos
psíquicos e intelectuais que levam à perda
do sentido do significante;

• A repetição aniquila os significados originais;
• A palavra perde seu poder de criatividade;
•

A linguagem poética subverte o uso cotidiano
e a esteriotipação;

•

Cria novos significados, neologismos, retoma
arcaísmos, inventa novas metáforas;

•

Os signos poéticos carregam representações
sensoriais: metrificação, rima, assonância,
ritmo, sinestesia;

•

A novidade do
estranhamento;

significante

causa

o
• Há

de se refletir sobre a formulação da
mensagem;

• Conforme Jan Mukarovski (formalista):
• “Somente a função estética tem condição de

reservar ao homem, em relação ao universo, a
posição de um estrangeiro que visita países
sempre novos com uma atenção não gasta e
não rija, que toma sempre consciência de si,
projetando-se na realidade circunstante e
medindo essa realidade a partir de si próprio”.
•O

poeta produz uma linguagem com
palavras comuns, recriando-as;

•À

violação
do
código
linguístico
corresponde uma ruptura com o código
ideológico;

• Poesia

é essencialmente “antiprosa” (Jean
Cohen);

• A poesia surge antes da prosa;
Estruturação
• Arte como intuição lírica e expressão de

uma personalidade individual e subjetiva
(estilística);

• A arte é produto da inspiração (origens no
platonismo);

• Dessa

forma, seria negado à arte uma
teoria da literatura;
Ficcionalidade

• Literatura = ficção - imaginação de algo que
não existe particularizado na realidade;

• Objeto de criação não pode ser submetido
à verificação extratextual;

• A literatura cria o seu próprio universo;
• Seres ficcionais, ambiente imaginário, código
ideológico, sua própria verdade;
• Mesmo a literatura mais realista é fruto da
imaginação;

• Prerrogativa literária: caráter ficcional;
• Sem o caráter ficcional não teríamos

literatura, mas história, biografia, jornalismo,
etc.;

• Mimese da vida (teoria clássica).
Verossimilhança
•

A obra não está relacionada diretamente com
os fatos reais;

•
•

Possui a equivalência da verdade;

•
•

Coerência interna da obra;

Verossimilhança é um devir: poder ser, poder
acontecer;
Possibilidades plausíveis e equivalência dos
atributos das personagens;
•

Verossimilhança externa: caução do real pelo
respeito às regras do bom senso;

•

Sem verossimilhança a obra excede o devir
mundo;

•

Sem verossimilhança externa temos o gênero
fantástico: “Hesitação entre o estranho e o
maravilhoso” (Todorov);

•

Explicação natural e sobrenatural
acontecimentos evocados;

dos
Funções: estética e
utilitária

•A

noção de função adquire plena
objetividade apenas quando se entende por
função a variedade de escopos aos quais a
arte serve na sociedade;

• A arte exerce várias funções;
• A polifuncionalidade contrasta

com a
tendência à unilateralidade e à especificidade
de outras atividades humanas;
•

Não há consenso entre críticos sobre
funções da literatura;

•
•

Platão x Aristóteles;

•

A arte não pode estar subordinada a
injunções de ordem filosófica, científica,
religiosa, moral ou patriótica;

Na medida em que o filósofo nega a
autonomia da arte, destroi-lhe a própria
essência;
• Aut prodesse aut delectare (Horácio);
• Teoria formal ou hedonística x Teoria moral
ou utilitarista;

• Formal: a arte serve apenas para o prazer =
arte pela arte;

• Moral: finalidade pedagógica e educativa =
tomada de consciência do homem;
Poesia e prosa literária
• Poiésis: ato de criar, “o fazer artístico”;
• Poemas em prosa/prosa poética;
• “[...]Da prosa para a poesia, e de um estado

de poesia para outro, a diferença está na
audácia com que a linguagem utiliza os
processos virtualmente inscritos na sua
estrutura” (COHEN).
GRAUS DE
POETICIDADE
GRAU DE
POETICIDADE

LINGUAGEM
DO

0

1

CIENTISTA

HOMEM
COMUM

2
CRÍTICO

3

4

MÁXIMO

ROMANCISTA

POEMA SEM
RIMA E SEM
METRO

POEMA
INTEGRAL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Auto da compadecida
Auto da compadecidaAuto da compadecida
Auto da compadecida
 
Slide generos literarios
Slide generos literariosSlide generos literarios
Slide generos literarios
 
Slides coesao textual
Slides coesao textualSlides coesao textual
Slides coesao textual
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Resenha crítica
 
Gêneros Literários
Gêneros Literários Gêneros Literários
Gêneros Literários
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo Apresentação sobre modernismo e pós modernismo
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo
 
Carnavalização em bakthin
Carnavalização em bakthinCarnavalização em bakthin
Carnavalização em bakthin
 
Tipologia Textual
Tipologia TextualTipologia Textual
Tipologia Textual
 
folha de redacao
folha de redacaofolha de redacao
folha de redacao
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
O Texto PublicitáRio
O Texto PublicitáRioO Texto PublicitáRio
O Texto PublicitáRio
 
Funções da linguagem com exercícios
Funções da linguagem com exercíciosFunções da linguagem com exercícios
Funções da linguagem com exercícios
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Exercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualExercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textual
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Concepções de linguagem
Concepções de linguagemConcepções de linguagem
Concepções de linguagem
 
discurso-da-narrativa-gerard-genette-
discurso-da-narrativa-gerard-genette-discurso-da-narrativa-gerard-genette-
discurso-da-narrativa-gerard-genette-
 

Semelhante a Introdução aos estudos literários

Relatã³rio da aula quatorze de marã§o
Relatã³rio da aula quatorze de marã§oRelatã³rio da aula quatorze de marã§o
Relatã³rio da aula quatorze de marã§oRaquelzinhadf
 
1___Ano_Literatura___Introducao.pdf
1___Ano_Literatura___Introducao.pdf1___Ano_Literatura___Introducao.pdf
1___Ano_Literatura___Introducao.pdfPollyanaRibeiroFerra
 
Aula da disciplina de L.pptx
Aula da disciplina de L.pptxAula da disciplina de L.pptx
Aula da disciplina de L.pptxNeomare
 
Trabalho de literatura ! professora Rosana
Trabalho de literatura ! professora RosanaTrabalho de literatura ! professora Rosana
Trabalho de literatura ! professora RosanaRosana Faustino
 
Teoria da literatura - Eagleton
Teoria da literatura - Eagleton Teoria da literatura - Eagleton
Teoria da literatura - Eagleton Fabian Muñoz
 
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introduçãoLiteratura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introduçãoCarolina Matuck
 
00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdfgeroboaosouza
 
Apresentação - Poesia Moderna.ppt
Apresentação - Poesia Moderna.pptApresentação - Poesia Moderna.ppt
Apresentação - Poesia Moderna.pptClovesJunior8
 
Resumão gêneros literários.pptx
Resumão gêneros literários.pptxResumão gêneros literários.pptx
Resumão gêneros literários.pptxssuser36fc8b
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literaturaAndriane Cursino
 
concretismo
concretismoconcretismo
concretismowhybells
 
LITERATURA- A ARTE DA PALAVRA 1 ANOS.pptx
LITERATURA- A ARTE DA PALAVRA 1 ANOS.pptxLITERATURA- A ARTE DA PALAVRA 1 ANOS.pptx
LITERATURA- A ARTE DA PALAVRA 1 ANOS.pptxAndréia Cristina
 
Literatura Brasileira
Literatura BrasileiraLiteratura Brasileira
Literatura BrasileiraProfessor
 
Apostila literatura brasileira-libre
Apostila literatura brasileira-libreApostila literatura brasileira-libre
Apostila literatura brasileira-libreMaria Teresa Fortes
 

Semelhante a Introdução aos estudos literários (20)

Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Relatã³rio da aula quatorze de marã§o
Relatã³rio da aula quatorze de marã§oRelatã³rio da aula quatorze de marã§o
Relatã³rio da aula quatorze de marã§o
 
1___Ano_Literatura___Introducao.pdf
1___Ano_Literatura___Introducao.pdf1___Ano_Literatura___Introducao.pdf
1___Ano_Literatura___Introducao.pdf
 
Aula da disciplina de L.pptx
Aula da disciplina de L.pptxAula da disciplina de L.pptx
Aula da disciplina de L.pptx
 
Trabalho de literatura ! professora Rosana
Trabalho de literatura ! professora RosanaTrabalho de literatura ! professora Rosana
Trabalho de literatura ! professora Rosana
 
terry-eagleton
terry-eagletonterry-eagleton
terry-eagleton
 
Teoria da literatura - Eagleton
Teoria da literatura - Eagleton Teoria da literatura - Eagleton
Teoria da literatura - Eagleton
 
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introduçãoLiteratura e Movimentos Literários - uma introdução
Literatura e Movimentos Literários - uma introdução
 
00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf
 
Apresentação - Poesia Moderna.ppt
Apresentação - Poesia Moderna.pptApresentação - Poesia Moderna.ppt
Apresentação - Poesia Moderna.ppt
 
A linguagem literária (1º ano)
A linguagem literária (1º ano)A linguagem literária (1º ano)
A linguagem literária (1º ano)
 
Ativ 2 8_rosanafaustino
Ativ 2 8_rosanafaustinoAtiv 2 8_rosanafaustino
Ativ 2 8_rosanafaustino
 
Resumão gêneros literários.pptx
Resumão gêneros literários.pptxResumão gêneros literários.pptx
Resumão gêneros literários.pptx
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
concretismo
concretismoconcretismo
concretismo
 
Escola e movimentos teoricos
Escola e movimentos teoricosEscola e movimentos teoricos
Escola e movimentos teoricos
 
APOSTILA DE LITERATURA
APOSTILA DE LITERATURAAPOSTILA DE LITERATURA
APOSTILA DE LITERATURA
 
LITERATURA- A ARTE DA PALAVRA 1 ANOS.pptx
LITERATURA- A ARTE DA PALAVRA 1 ANOS.pptxLITERATURA- A ARTE DA PALAVRA 1 ANOS.pptx
LITERATURA- A ARTE DA PALAVRA 1 ANOS.pptx
 
Literatura Brasileira
Literatura BrasileiraLiteratura Brasileira
Literatura Brasileira
 
Apostila literatura brasileira-libre
Apostila literatura brasileira-libreApostila literatura brasileira-libre
Apostila literatura brasileira-libre
 

Último

A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 

Último (20)

A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 

Introdução aos estudos literários

  • 2. • • • • • • Elementos comuns aos três gêneros Elementos comuns aos três gêneros Divisão da literatura em gêneros; Aristóteles (384-322 a. C.); Qualidade da palavra: palavra narrada em terceira pessoa = épico ou narrativo; palavra cantada em primeira pessoa = lírico; palavra representada no teatro = dramático
  • 3. • Os três gêneros subdividiam-se em espécies: • Dramático distingue-se a tragédia e a • Narrativo a poesia épica do romance; comédia; • Lírico as várias formas de poema (soneto, elegia, etc.).
  • 4. Natureza da linguagem poética • todo sistema de comunicação é linguagem; • conjunto de signos e regras de combinação capaz de expressar um modelo de mundo; • língua natural: modalizante; •o o primeiro sistema sistema linguístico é a base para a construção de outros sistemas semióticos;
  • 5. •a literatura é um sistema modelizante secundário; • ela tem como significante o sistema linguístico; •a linguagem literária é constituída pelo plano de expressão e pelo plano de conteúdo - denotativo;
  • 6. • linguagem comum: significante rosa = (plano de expressão) o conjunto de fonemas /r/o/z/a/ e como significado (plano de conteúdo) a referência a um objeto do mundo real. • linguagem literária: significante e significado torna-se significante (plano de expressão) de outro significado (o poético) que pode sugerir a ideia de amor, delicadez, perfume, etc.
  • 7. Triângulo de Ogden e Richards
  • 8. • A linha tracejada indica uma relação arbitrária entre Ste e R, pois pode ser expresso por vários significantes; • • • A relação entre Ste e Sdo é direta e necessária; O mesmo nem sempre acontece com Sdo e R. Em poesia, a um mesmo referente podem corresponder dois ou mais significados, cujos sentidos variam da cultura e situação afetiva do leitor.
  • 9. • A linguagem poética é constituída por uma estrutura complexa; • Sua essência é a iconicidade. Semantiza os elementos e as relações do sistema semiótico natural; • Consequência da estrutura poética é sua polivalência; • Processo de semiose ilimitada;
  • 10. • “O signo poético simultaneamente remete e não remete a um referente; ele existe e não existe; é, ao mesmo tempo, um ser e um não ser. A poesia enuncia simultaneidade (cornológica espacial) do possível com o impossível, do real e do fictício”. (KRISTEVA)
  • 11. • A formação do discurso poético remete ao mecanismo simbólico da prática significante da linguagem; • Um significante não corresponde ao significado arbitrariamente estabelecido;
  • 12. Conotação • “A conotação é um sentido que só advém à palavra numa referência a (LEFEBVE) dada situação e por um certo contexto”.
  • 13. • Distinção entre conotação poética e de outros sistemas semióticos; • Em outras linguagens, o sentido conotativo se desfaz porque é unívoco; • Linguagem literária é sempre polissêmica; • Ambiguidade e abertura para várias interpretações;
  • 14. • • • Sentidos além da lógica do discurso usual; • Consequência do caráter conotativo da linguagem literária: o conhecimento linguístico, somente, não dá conta; • Pluralidade de culturais, etc.; Relações subjetivas com o leitor (texto móvel); Capaz de não conter nenhum sentido definitivo ou incontestável; códigos: retóricos, míticos,
  • 15. Criatividade • A linguagem literária se afirma como sistema semiótico desviando-se da norma linguística; •O uso linguístico cria automatismos psíquicos e intelectuais que levam à perda do sentido do significante; • A repetição aniquila os significados originais; • A palavra perde seu poder de criatividade;
  • 16. • A linguagem poética subverte o uso cotidiano e a esteriotipação; • Cria novos significados, neologismos, retoma arcaísmos, inventa novas metáforas; • Os signos poéticos carregam representações sensoriais: metrificação, rima, assonância, ritmo, sinestesia; • A novidade do estranhamento; significante causa o
  • 17. • Há de se refletir sobre a formulação da mensagem; • Conforme Jan Mukarovski (formalista): • “Somente a função estética tem condição de reservar ao homem, em relação ao universo, a posição de um estrangeiro que visita países sempre novos com uma atenção não gasta e não rija, que toma sempre consciência de si, projetando-se na realidade circunstante e medindo essa realidade a partir de si próprio”.
  • 18. •O poeta produz uma linguagem com palavras comuns, recriando-as; •À violação do código linguístico corresponde uma ruptura com o código ideológico; • Poesia é essencialmente “antiprosa” (Jean Cohen); • A poesia surge antes da prosa;
  • 19. Estruturação • Arte como intuição lírica e expressão de uma personalidade individual e subjetiva (estilística); • A arte é produto da inspiração (origens no platonismo); • Dessa forma, seria negado à arte uma teoria da literatura;
  • 20. Ficcionalidade • Literatura = ficção - imaginação de algo que não existe particularizado na realidade; • Objeto de criação não pode ser submetido à verificação extratextual; • A literatura cria o seu próprio universo; • Seres ficcionais, ambiente imaginário, código ideológico, sua própria verdade;
  • 21. • Mesmo a literatura mais realista é fruto da imaginação; • Prerrogativa literária: caráter ficcional; • Sem o caráter ficcional não teríamos literatura, mas história, biografia, jornalismo, etc.; • Mimese da vida (teoria clássica).
  • 22. Verossimilhança • A obra não está relacionada diretamente com os fatos reais; • • Possui a equivalência da verdade; • • Coerência interna da obra; Verossimilhança é um devir: poder ser, poder acontecer; Possibilidades plausíveis e equivalência dos atributos das personagens;
  • 23. • Verossimilhança externa: caução do real pelo respeito às regras do bom senso; • Sem verossimilhança a obra excede o devir mundo; • Sem verossimilhança externa temos o gênero fantástico: “Hesitação entre o estranho e o maravilhoso” (Todorov); • Explicação natural e sobrenatural acontecimentos evocados; dos
  • 24. Funções: estética e utilitária •A noção de função adquire plena objetividade apenas quando se entende por função a variedade de escopos aos quais a arte serve na sociedade; • A arte exerce várias funções; • A polifuncionalidade contrasta com a tendência à unilateralidade e à especificidade de outras atividades humanas;
  • 25. • Não há consenso entre críticos sobre funções da literatura; • • Platão x Aristóteles; • A arte não pode estar subordinada a injunções de ordem filosófica, científica, religiosa, moral ou patriótica; Na medida em que o filósofo nega a autonomia da arte, destroi-lhe a própria essência;
  • 26. • Aut prodesse aut delectare (Horácio); • Teoria formal ou hedonística x Teoria moral ou utilitarista; • Formal: a arte serve apenas para o prazer = arte pela arte; • Moral: finalidade pedagógica e educativa = tomada de consciência do homem;
  • 27. Poesia e prosa literária • Poiésis: ato de criar, “o fazer artístico”; • Poemas em prosa/prosa poética; • “[...]Da prosa para a poesia, e de um estado de poesia para outro, a diferença está na audácia com que a linguagem utiliza os processos virtualmente inscritos na sua estrutura” (COHEN).