SlideShare uma empresa Scribd logo
Tratamento de
Água e Efluentes
 2º. Sem./2010
 Eng.Ambiental
2
Programa

I UNIDADE
  Introdução – Histórico – Panorama
  Caracterização das Águas e Esgotos
  Princípios Químicos, Físicos e Biológicos do TA
  Interpretação de Análises e Elaboração de Laudos
  Considerações Projetos e Técnicas de Tratamento
  Tecnologia para Tratamento de Água
  Parâmetros de controle de qualidade de Água
  Legislação Aplicada e Padrões




                                                      3
Nesta Aula Veremos ...


 Características das Águas
 Parâmetros Físicos
 Parâmetros Químicos
 Parâmetros Biológicos
Características Água




Parâmetros de Qualidade
                          5
cor
                  Turbidez
                  sólidos




                                 Físicas
              Temperatura
              Sabor e Odor
         Ph
        Acidez




                             1
     Alcalinidade
        dureza
       Sulfato
       Sulfeto
       Cloreto
                             2

       Cianeto
      Nitrogênio
       Fósforo
                                            Parâmetros




        Ferro
    Metais pesados
                             3
                                 Químicas




    Cloro residual
                                                                                   Características Água




       fluoreto
                                                         Parâmetros de Qualidade




         OD
         MO
         DTO
                             4




        DQO
         DBO
     Óleos/Graxas
        Fenóis
6
Cor

                                                               Turbidez

                                                             Temperatura

                                                          Cloro livre residual
                                                                                 Colorimetria

                                                              Fluoretos

                                                               Alumínio

                                                                  pH

                                                                Dureza

                                                          Alcalinidade Total
                                                                                                Análises Físico-Químicas
                                                                                                                           Características Água




                                                               Cloretos
                                                                                 Titulometria




Adaptado: Manual Prático de Análise de Água (FUNASA-MS)

                                                            Gás Carbônico

                                                           Parâmetros Físicos

                                                           Parâmetros Químicos
7
Características Água

               Parâmetros de Qualidade

   Cor;
   Turbidez;
   Sabor e odor;
   Temperatura;
   Sólidos em suas
    diversas frações.
   Fornecem indicações
 preliminares importantes
 para a caracterização da   Equipamentos para realização dos
                                    ensaios físicos
qualidade química da água
                                                               8
Características Água

                         Parâmetros Físicos
      Conceito: Responsável pela coloração da água


      Forma: presença sólidos dissolvidos (orgânicos e inorgânicos)
COR


      Origem Natural: decomposição da matéria orgânica, Fe e Mn
cor




      Origem Antrópica: resíduos industriais e esgotos domésticos


      Importância: Natural – não representa risco a saúde, Industrial – pode ou
      não apresentar toxidade

      Utilização: caracterização de águas de abastecimento bruta e tratada

      Unidade: uC (unidade de cor) ou uH (unidade Hazen = mg Pt-Co/L)

                                                                                  9
Características Água

                          Parâmetros Físicos

       Interpretação dos Resultados
       Deve-se distinguir entre cor aparente e cor verdadeira. No valor da cor
       aparente pode estar incluída uma parcela devida a turbidez da água.
       Quando esta é removida por centrifugação, obtém-se a cor verdadeira.
 COR




       Para tratamento e abastecimento público de água:
cor




       (a) águas com cor acima de 15 uC, podem ser detectadas em um copo
       d’água pela maioria dos consumidores; (b) cor na água bruta: valores < a
       5 uC, geralmente dispensam coagulação química, valores > 25 uC
       usualmente requerem a coagulação seguida de filtração; (c) águas com
       cor elevada implicam em um mais delicado cuidado operacional do
       tratamento e (d) ver padrão de Potabilidade = 15 uC.

       Para corpos d’água: ver padrão para corpos d’água.

                                                                                  10
Características Água

          Parâmetros Físicos


             Métodos de Análise


      Colorímetros (filtros)
cor




      Espectrofotômetros (monocromador)

      Comparação visual (Pt-Co)



                                          11
Características Água

         Parâmetros Físicos
cor




                              12
Características Água

                               Parâmetros Físicos
           Conceito: representa o grau de interferência com a passagem da luz,
           através da água (aparência turva)
Turbidez

           Forma: sólidos em suspensão

           Origem Natural: partículas de rocha, argila e silte
turbidez




           Origem Antrópica: despejos domésticos, industriais, microrganismos e
           erosão

           Importância: Natural – não traz inconveniente (abrigo microrganismo).
           Antrópica – pode ser compostos tóxicos ou microrganismos patogênicos

           Utilização: caracterização de águas de abastecimento bruta e tratada e
           controle operacional da ETA

           Unidade: uT (unidade de turbidez)

                                                                                    13
Características Água

                               Parâmetros Físicos

            Interpretação dos Resultados

            Para tratamento e abastecimento público de água:
            (a) águas com turbidez = 10 uT (ligeira nebulosidade), com turbidez = 500
 Turbidez




            uT (praticamente opaca);
turbidez




            (b) Água bruta com turbidez < 20 uT (filtração lenta, sem coagulação),
            valores > 50 uT (requer coagulação ou pré-filtro grosseiro);
            (c) Padrão de potabilidade – variável em função da origem da água e do
            tipo de tratamento.


            Para corpos d’água: ver padrão para corpos d’água.



                                                                                        14
Características Água

                                Parâmetros Físicos

                       Média geométrica mensal da Turbidez da água
                      bruta afluente a uma estação brasileira de médio
                                           porte
Turbidez (uT)




                400

                300

                200

                100

                  0
                      Jan Fev Mar Abr Mai Jun   Jul Ago Set Out Nov Dez


                                                                          15
Características Água

                  Parâmetros Físicos
turbidez




           Turbidimetro
             (portátil)


                                       16
Características Água

              Parâmetros Físicos
turbidez




                                   17
Características Água

                                  Parâmetros Físicos
               Conceito: O sabor é a interação entre o gosto (salgado, doce, azedo e
               amargo) e o odor (sensação olfativa)

               Forma: sólidos em suspensão, sólidos dissolvidos e gases dissolvidos
Sabor e odor




               Origem Natural: MO em decomposição, microrganismos e gases (H2S)

               Origem Antrópica: despejos domésticos e industriais e gases

               Importância: A princípio não representa riscos à saúde, é a maior causa de
               reclamação dos consumidores. Valores elevados podem indicar presença
               de substâncias perigosas
               Utilização: caracterização de águas de abastecimento bruta e tratada

               Unidade: concentração limite mínima detectável

                                                                                            18
Características Água

                                  Parâmetros Físicos

               Interpretação dos Resultados

               Na interpretação dos resultados, são importantes a identificação e a
               vinculação com a origem do sabor.
Sabor e odor




               Para tratamento e abastecimento público de água:
               Ver padrão de potabilidade (odor e gosto são considerados “não
               objetiváveis”).




                                                                                      19
Características Água

                                 Parâmetros Físicos

              Conceito: Medição da intensidade de calor


              Origem Natural: calor por radiação, condução e convecção (atmosfera e
              solo)
Temperatura




              Origem Antrópica: Águas de torres de resfriamento e despejos industriais

              Importância:
              (a) > Temperatura  > taxa das reações; (b) > Temperatura  diminui a
              solubilidade dos gases (ex.: OD); (c) > Temperatura  > taxa de
              transferência dos gases (pode gerar mau cheiro)

              Utilização: caracterização de corpos d’água e águas residuárias brutas

              Unidade: oC

                                                                                         20
Características Água

                                Parâmetros Físicos

              Interpretação dos Resultados
              Para corpos d’água:
              A temperatura deve ser analisada em conjunto com outros parâmetros, tais
Temperatura




              com oxigênio dissolvido.

              Para tratamento de águas residuárias:
              (a) A temperatura deve proporcionar condições para as reações
              bioquímicas de remoção de poluentes.
              - Psicrofílica – entre 5 e 15 °C
              - Mesofílica – entre 15 a 38 °C
              - Termofílica – entre 45 e 60 °C
              (b) Ver padrão de lançamento de Efluentes

                                                                                         21
Características Água

                                Parâmetros Físicos

              Recomendações:

              Processos Industriais:
Temperatura




              A temperatura de efluentes industriais pode ser reduzida através do
              emprego de torres de resfriamento. Qualquer outro processo que provoque
              aumento da superfície de contato ar/água pode ser usado, como
              aspersores, cascateamento, etc..
              Em muitos casos, apenas o tempo de detenção hidráulico dos efluentes em
              tanques de equalização é suficiente para promover a redução desejada de
              temperatura.




                                                                                        22
Características Água

                                     Parâmetros Físicos

                  Conceito: Sólidos nas águas correspondem a toda matéria que
                  permanece como resíduo, após evaporação, secagem ou calcinação da
Sólidos em Água




                  amostra a uma temperatura pré-estabelecida durante um tempo fixado.
                  Em linhas gerais, as operações de secagem, calcinação e filtração são
                  as que definem as diversas frações de sólidos presentes na água
                  (sólidos totais, em suspensão, dissolvidos, fixos e voláteis).

                  Frações dos sólidos:
                  a) Sólidos Totais (ST): Resíduo que resta na cápsula após a evaporação
                  em banho-maria de uma porção de amostra e sua posterior secagem em
                  estufa a 103-105°C até peso constante. Também denominado resíduo total.
                  b) Sólidos em suspensão (ou sólidos suspensos) (SS): É a porção dos
                  sólidos totais que fica retida em um filtro que propicia a retenção de
                  partículas de diâmetro maior ou igual a 1,2 μm. Também denominado
                  resíduo não filtrável (RNF).


                                                                                            23
Características Água

                                      Parâmetros Físicos

                  Frações dos sólidos (continuação):
                  c) Sólidos Voláteis (SV): é a porção dos sólidos (sólidos totais, suspensos
Sólidos em Água




                  ou dissolvidos) que se perde após a ignição ou calcinação da amostra a
                  550-600°C, durante uma hora para sólidos totais ou dissolvidos voláteis ou
                  15 minutos para sólidos em suspensão voláteis, em forno mufla. Também
                  denominado resíduo volátil.
                  d) Sólidos Fixos (SF): É a porção dos sólidos (totais, suspensos ou
                  dissolvidos) que resta após a ignição ou calcinação a 550-600°C após uma
                  hora (para sólidos totais ou dissolvidos fixos) ou 15 minutos (para sólidos
                  em suspensão fixos) em forno mufla. Também denominado resíduo fixo.
                  e) Sólidos Sedimentáveis (SSed): É a porção dos sólidos em suspensão
                  que se sedimenta sob a ação da gravidade durante um período de uma
                  hora, a partir de um litro de amostra mantida em repouso em um cone
                  Imhoff.



                                                                                                24
Características Água

                                     Parâmetros Físicos

                  Importância:
                  As determinações dos níveis de concentração resultam em um quadro geral
Sólidos em Água




                  da distribuição das partículas com relação ao tamanho (sólidos em
                  suspensão e dissolvidos) e com relação à natureza (fixos ou minerais e
                  voláteis ou orgânicos). Este quadro não é definitivo para se entender o
                  comportamento da água em questão, mas constitui-se em uma informação
                  preliminar importante.
                  No controle operacional de sistemas de tratamento de esgotos e efluentes,
                  em processos biológicos aeróbios e anaeróbios as concentrações tem sido
                  utilizadas para se estimar a concentração de microrganismos
                  decompositores da matéria orgânica.
                  As concentrações de sólidos em suspensão são medidas importantes no
                  controle de decantadores e outras unidades de separação de sólidos.
                  Constituem parâmetro utilizado em análises de balanço de massa



                                                                                              25
Características Água

                                Parâmetros Físicos

                          ST - 1000
                            mg/L
Sólidos em Água




                  SS – 350         SD – 650
                   mg/L             mg/L


                     SSF – 50         SDF – 400
                      mg/L              mg/L


                    SSV – 300         SDV – 250    Sólidos sedimentáveis
                      mg/L              mg/L       sedimentação em cone
                   Esgoto Doméstico - Fonte: von
                                                       Imhoff após 1h
                          Sperling (1996)
                                                                           26
S. Sed.
                                                                 SSV
                                                      SS


                      ST (evaporação e secagem)
                                                    Filtração,   SSF
                                                  evaporação e
                                                    secagem




                                                                       Determinados em laboratório
                                                                 SDV
Sólidos em Água




                                                     STD




                                                                                                     Calculados por diferença
                                                                 SDF

                                                                 SSV
                                                     STV
                                                    Filtração,
                                                                 SDV
                                                  evaporação e
                                                    secagem
                                                                 SSF
                                                      SF
                                                                 SDV
                  Adaptado: Qualidade das Águas e
                   Poluição: Roque Passos (2006)
                                                                                                                                27
Características Água

                                    Parâmetros Físicos
Questões Propostas



                     Qual a diferença entre cor e turbidez ?


                         Qual a diferença entre cor real (verdadeira) e cor aparente?


                           Dê exemplos de partículas que provocam cor real nas águas


                           Dê exemplos de partículas que provocam turbidez nas águas


                         Qual a importância do parâmetro cor nos estudos de controle da poluição
                         das águas naturais (rios, lagos, etc)?

                     Qual a importância do parâmetro turbidez no controle operacional de uma
                     estação de tratamento de água para abastecimento público?

                                                                                                   28
Características Água

                  Parâmetros de Qualidade
Os principais parâmetros químicos:
   pH;
   Acidez;
   Alcalinidade;
   Dureza;
   Fe e Mn;
   Cloretos
   Nitrogênio e Fósforo
   Oxigênio dissolvido
   Matéria Orgânica
   Micropoluentes inorgânicos.
   Micropoluentes orgânicos         espectofotômetro
                                                        29
Características Água

                       Parâmetros Químicos

     Conceito: pH = - log [H+]  faixa 0 a 14

     Origem Natural: dissolução rochas, absorção gases da atmosfera,
     oxidação da matéria orgânica e fotossínteses

     Origem Antrópica: despejos domésticos e industriais
pH




     Importância: (a) não tem implicação em termos de saúde pública (exceção
     para valores extremos); (b) É importante em diversas etapas do tratamento
     (coagulação, desinfecção, controle da corrosividade, remoção da dureza);
     (c) pH baixo: potencial corrosivo (agressividade nas tubulações); (d) pH alto:
     possibilidade de incrustação nas tubulações

     Utilização: caracterização águas abastecimento brutas e tratadas, de
     águas residuárias brutas, controle da operação da ETA (coagulação e
     incrustação/corrosividade) e controle da operação da ETE (digestão
     anaeróbica)

                                                                                      30
Características Água

                      Parâmetros Químicos

     Interpretação dos Resultados
     Para tratamento e abastecimento público de água:
     (a) ≠ pHs  ≠ faixas de atuação ótima de coagulantes; (b) frequentemente
     o pH precisa ser corrigido (antes e depois) da adição dos químicos; (c) a
     variação do pH afeta o equilíbrio de compostos químicos

     Para tratamento de águas residuárias:
pH




     (a) Valores de pH afastados de 7 (neutro), tendem a afetar as taxas de
     crescimento dos microrganismos; (b) a variação do pH afeta o equilíbrio
     de compostos químicos; (c) valores de pH elevados possibilita preciptação
     de metais;
     Para corpos d’água:
     (a) Valores de pH elevados podem estar associados à proliferação de
     algas; (b) valores elevados ou baixos podem indicar presença de efluentes
     industrias; (c) a variação do pH afeta o equilíbrio de compostos químicos
                                                                                 31
Características Água

                        Parâmetros Químicos

                 12
                                                          11
Faixas de pH



                 10                  10
                           9
                                                          8,5
                  8                                                  8
                                                7
                  6                                                  6
                           5                    5
                  4                  4

                  2

                  0
                       peixes     FeCl2    Al2(SO4)   FeSO4     depuração

               Adaptado: Monografia – Analise das Condições Operacionais de
                                   ETE (Nelson Virgilio)                      32
Características Água

                           Parâmetros Químicos

         Conceito: capacidade da água em resistir às mudanças de pH causadas
         pelas bases fortes, devido à presença de ácidos fortes, ácidos fracos e sais
         que apresentam caráter ácido (sulfato de alumínio, cloreto férrico, cloreto de
         amônio, por exemplo. É devida principalmente à presença de CO2 livre (pH
         entre 4,5 e 8,2).
Acidez




         Origem Natural: CO2 absorvido da atmosfera ou resultado da
         decomposição da matéria orgânica e gás sulfídrico.

         Origem Antrópica: despejos industriais (ácidos minerais ou orgânicos);
         passagem da água por minas abandonadas, vazadouros de mineração e
         borras de minério.
         Importância:
         (a) Tem pouca importância sanitária
         (b) Águas com acidez mineral são desagradáveis ao paladar,
         (c) Responsável pela corrosão de tubulações e materiais
                                                                                          33
Características Água

                           Parâmetros Químicos

         Utilização mais frequente: Caracterização de águas de abastecimento
         (inclusive industriais) brutas e tratadas


         Unidade: mg/L de CaCO3 (também em miliequivalentes/L = equivalente/m3)
Acidez




         Interpretação dos Resultados:
         Em termos de tratamento e abastecimento público de água:
         - O teor de CO2 livre (diretamente associado à acidez), a alcalinidade e o pH
         estão inter-relacionados
         - pH > 8,2: ausência de CO2 livre
         - pH entre 4,5 e 8,2: acidez carbônica
         - pH < 4,5: acidez por ácidos minerais fortes (usualmente resultantes de
         despejos industriais)


                                                                                         34
Características Água

                                Parâmetros Químicos
               Conceito: capacidade da água em resistir às mudanças de pH causadas
               pelos ácidos fortes, devido à presença de bases fortes, fracas e sais que
               apresentam caráter básico (bicarbonatos – HCO3-, carbonatos – CO3-, e os
               hidróxidos (OH-). Capacidade de resistir as mudanças de pH – capacidade
               tampão
Alcalinidade




               Origem Natural: Dissolução de rochas, reação do CO2 com a água (CO2
               advindo da atmosfera ou da decomposição da matéria orgânica).

               Origem Antrópica: Despejos industriais

               Importância:
               (a) Água potável: Não tem significado sanitário, mas em elevadas
               concentrações confere um gosto amargo para a água;
               (b) Tratamento de água: relacionada com a coagulação, redução de dureza
               e prevenção da corrosão em tubulações
               (c) Tratamento esgoto: a redução do pH pode afetar os microrganismos
                                                                                           35
Características Água

                                Parâmetros Químicos

               Utilização mais frequente: Caracterização de águas de abastecimento
               brutas e tratadas. Controle da operação de estações de TA (coagulação e
               grau de incrustabilidade e corrosividade)
Alcalinidade




               Unidade: mg/L de CaCO3 (também em miliequivalentes/L = equivalente/m3)

               Interpretação dos Resultados:
               Em termos de tratamento e abastecimento público de água:
               - a alcalinidade, o pH e o teor de CO2 estão inter-relacionados
               - pH > 9,4: hidróxidos e carbonatos
               - pH entre 8,3 e 9,4: carbonatos e bicarbonatos
               - pH entre 4,4 e 8,3: apenas bicarbonatos
               Em termos de Tratamento de Águas Residuárias:
               - Pode afetar a taxa de crescimento dos microrganismos responsáveis pela
               oxidação (como na nitrificação)

                                                                                          36
Características Água

                          Parâmetros Químicos
         Conceito: Concentração de cátions multimetálicos em solução. Os cátions
         mais frequentemente associados à dureza são Ca2+ e Mg2+. Em condições
         de supersaturação, os cátions reagem com ânions da água, formando
         preciptados. Pode ser dureza carbonatada (HCO3- e CO32-) e dureza não
         carbonatada (outros ânions, como Cl- e SO42-)

         Origem Natural: Dissolução de minerais contendo cálcio e magnésio, ex.:
Dureza




         rochas calcárias.

         Origem Antrópica: Despejos industriais

         Importância:
         (a) Não há evidências de que a dureza cause problemas sanitários;
         (b) Pode ter efeito laxativo;
         (c) Reduz formação de espuma (maior consumo de sabão)
         (d) Incrustações nas tubulações de água quente, caldeiras e aquecedores

                                                                                   37
Características Água

                         Parâmetros Químicos

         Utilização mais frequente: Caracterização de águas de abastecimento
         (inclusive indústrias) brutas e tratadas

         Unidade: mg/L de CaCO3 (também em miliequivalentes/L = equivalente/m3)
Dureza




         Interpretação dos Resultados:
         Em termos de tratamento e abastecimento público de água:
         - Dureza < 50 mg/L CaCO3: água mole
         - Dureza entre 50 e 150 mg/L CaCO3: dureza moderada
         - Dureza entre 150 e 300 mg/L CaCO3: água dura
         - Dureza > 300 mg/L CaCO3: água muito dura
         - Padrão de Potabilidade (≤ 500 mg/L)



                                                                                  38
Características Água

                                   Parâmetros Químicos

                          Média mensais da Dureza da água bruta afluente
Dureza mg/L CaCO3




                             a uma estação brasileira de médio porte
                    100

                     80

                     60

                     40

                     20

                      0
                          Jan Fev Mar Abr Mai Jun     Jul Ago Set Out Nov Dez


                          Fonte: Libânio, Marcelo – Tratamento de Água
                                                                                39
Características Água

                           Parâmetros Químicos
          Conceito: presentes nas formas insolúveis (Fe3+ e Mn4+) numa grande
          quantidade de tipos de solos. Na ausência de OD (água subterrâneas e
          fundo lagos) se apresentam na forma solúvel reduzida (Fe2+ e Mn2+). Caso a
          forma reduzida seja exposta ao ar atmosférico, o Fe e Mn voltam a forma
          insolúvel, preciptando, causando cor na água e manchando roupas na lavag

          Origem Natural: Dissolução de compostos do solo
Fe / Mn




          Origem Antrópica: Despejos industriais

          Importância:
          (a) Tem pouco significado sanitário nas concentrações usualmente
          encontradas nas águas naturais;
          (b) Em pequenas concentrações causam problemas de cor na água;
          (c) Em certas concentrações podem causar sabor e odor (mas, nessas
          concentrações, o consumidor já teria rejeitado a água, devido à cor)

                                                                                       40
Características Água

                           Parâmetros Químicos

          Utilização mais frequente: Caracterização de águas de abastecimento
          brutas e tratadas

          Unidade: mg/L
Fe / Mn




          Interpretação dos Resultados:
          Em termos de tratamento e abastecimento público de água:
          - Ver padrão de potabilidade (= 0,3 mg/L Ferro e 0,1 mg/L Manganês)
          Em termos de tratamento e abastecimento de águas residuárias
          - Ver padrão de lançamento
          Em termos dos corpos d’água
          - Ver padrão dos corpos d’água



                                                                                41
Características Água

                             Parâmetros Químicos
           Conceito: Todas as águas naturais, em maior ou menor escala, contêm
           íons resultantes da dissolução de minerais. Os cloretos (Cl-) são advindos
           da dissolução de sais (ex.: cloreto de sódio)


           Origem Natural: Dissolução de minerais e intrusão de águas salinas
Cloretos




           Origem Antrópica: Despejos domésticos, industriais e águas utilizadas em
           irrigação

           Importância:
           Em determinadas concentrações imprime um sabor salgado à água;




                                                                                        42
Características Água

                           Parâmetros Químicos

           Utilização mais frequente: Caracterização de águas de abastecimento
           brutas e de esgotos tratados usados para irrigação

           Unidade: mg/L
Cloretos




           Interpretação dos Resultados:
           Em termos de tratamento e abastecimento público de água:
           - Ver padrão de potabilidade (= 250 mg/L)
           Em termos dos corpos d’água
           - Ver padrão dos corpos d’água




                                                                                 43
Características Água

                                Parâmetros Químicos
             Conceito: Dentro do ciclo do nitrogênio na biosfera, este se alterna entre
             várias formas e estado de oxidação. No meio aquático, o nitrogênio pode
             ser encontrado nas seguintes formas: (a) nitrogênio molecular (N2),
             escapando para atmosfera, (b) nitrogênio orgânico (dissolvido ou em
             suspensão), (c) amônia (livre NH3 e ionizada NH4+), (d) nitrito e (e) nitrato
Nitrogênio




             Origem Natural: Proteínas e compostos biológicos. Nitrogênio de
             composição celular de microrganismos

             Origem Antrópica: Despejos domésticos, industriais, excrementos animais
             e fertilizantes

             Importância:
             (a) O nitrogênio na forma de nitrato esta associado a doenças (bebê azul);
             (b) O nitrogênio é indispensável para crescimento de algas, quando em
             altas concentrações em lagos ou represas pode causar a eutrofização;
             (c) Nos processo bioquímicos NH3  NO2-  NO3- ocorre consumo de OD
             (pode alterar a vida aquática)
                                                                                             44
Características Água

                               Parâmetros Químicos
             Utilização mais frequente: Caracterização de águas de abastecimento
             brutas e tratadas, de águas residuárias brutas e tratadas e de corpos d’água

             Unidade: mg/L
Nitrogênio




             Interpretação dos Resultados:
             Em termos de tratamento e abastecimento público de água:
             - Ver padrão de potabilidade (= 10 mg/L nitrato e 1 mg/L nitrito)
             Em termos de tratamento de águas residuárias
             - É necessário um adequado balanço C:N:P no esgoto para o
             desenvolvimento dos microrganismos (cerca de 100:5:1 em termos de
             DBO:N:P)
             - Ver padrão de lançamento (amônia)
             Em termos dos corpos d’água
             - Ver padrão dos corpos d’água (amônia, nitrito, nitrato e, em certas condições
             nitrogênio total)
                                                                                            45
Características Água

                           Parâmetros Químicos
          Conceito: O fósforo na água apresenta-se principalmente nas formas de
          ortofosfato, polifosfato e fósforo orgânico. Os ortofosfatos são diretamente
          disponíveis para o metabolismo biológico sem necessidade de converções a
          formas mais simples. As formas em que os ortofosfatos se apresentam na
          água (PO43-, HPO42-, H2PO4-, H3PO4) dependem do pH, sendo a mais
          comum na faixa usual de pH o HPO42-. Os polifosfatos são moléculas mais
          complexas com dois ou mais átomos de fósforo.
Fósforo




          Origem Natural: dissolução de compostos do solo, decomposição da MO e
          fósforo de composição celular de microrganismos.

          Origem Antrópica: Despejos domésticos, industriais, detergentes,
          excrementos animais e fertilizantes

          Importância:
          (a) Não apresenta problemas de ordem sanitária nas águas abastecimento;
          (b) Seu excesso pode conduzir a um crescimento exagerado de
          microrganismos (eutrofização);
                                                                                         46
Características Água

                           Parâmetros Químicos
          Utilização mais frequente: Caracterização de águas de abastecimento
          brutas e tratadas de águas residuárias brutas e tratadas e de corpos d’água

          Unidade: mg/L

          Interpretação dos Resultados:
Fósforo




          Em termos de tratamento e abastecimento público de água:
          - Ver padrão de potabilidade (= 10 mg/L nitrato e 1 mg/L nitrito)
          Em termos de tratamento de águas residuárias
          - É necessário um adequado balanço C:N:P no esgoto para o
          desenvolvimento dos microrganismos (cerca de 100:5:1 em termos de
          DBO:N:P)
          - Ver padrão de lançamento (amônia)
          Em termos dos corpos d’água
          - Ver padrão dos corpos d’água (amônia, nitrito, nitrato e, em certas
          condições nitrogênio total)
                                                                                        47
Características Água

     Eutrofização




                       48
Características Água

                               Parâmetros Químicos

                     Cite exemplos de aplicação do pH em ETAs, ETEs e em lago
Questões Propostas



                     eutrofizado ?

                         Pode uma água natural conter acidez e alcalinidade ao
                         mesmo tempo ?

                          Qual a principal forma em que a dureza pode ser introduzida
                          nas águas naturais?


                         Quais as principais fontes de nitrogênio nas águas naturais?


                     Por que tratar esgotos sanitários pode ser insuficiente para
                     controlar a eutrofização de determinada água natural?

                                                                                        49
Características Água

                                        Parâmetros Químicos
                      Conceito: O O2 dissolvido (OD) é de essencial importância para os
                      organismos aeróbios (que vivem na presença de O2). Durante a
Oxigênio Dissolvido



                      estabilização da MO, as bactérias fazem uso do O2 nos processos
                      respiratórios, podendo vir a causar uma redução da sua concentração no
                      meio. Dependendo da magnitude deste fenômeno, podem vir a morrer
                      diversos seres aquáticos, inclusive os peixes. Caso o O2 seja totalmente
                      consumido, tem-se as condições anaeróbias (ausência de O2), com possível
                      geração de maus odores.

                      Origem Natural: dissolução do oxigênio atmosférico e produção pelos
                      organismos fotossintéticos.

                      Origem Antrópica: Introdução pela aeração artificial e produção de
                      organismos fotossintetizantes (eutrofização)

                      Importância:
                      (a) O O2 dissolvido é vital para os seres aquáticos aeróbicos;
                      (b) O O2 dissolvido é o principal parâmetro de caracterização dos efeitos da
                      poluição das águas por despejos orgânicos;
                                                                                                     50
Características Água

                                         Parâmetros Químicos
                      Utilização mais frequente: Controle operacional de estações de tratamento
                      de esgoto e caracterização de corpos d’água.
Oxigênio Dissolvido




                      Unidade: mg/L
                      Interpretação dos Resultados:
                      Em termos de tratamento de águas residuárias:
                      - É necessário um teor mínimo de OD (>1 mg/L) nos reatores dos sistemas
                      aeróbios
                      Em termos dos corpos d’água
                      - A solubilidade do OD varia com a altitude e a temperatura. Nível do mar a 20º
                      C a conc. de saturação = 9,2 mg/L
                      - Valores OD >> à saturação: são indicativos da presença de algas
                      (fotossíntese, com geração de oxigênio puro);
                      - Valores OD << à saturação: são indicativos da presença de MO (esgoto)
                      - Com OD em torno de 4-5 mg/L morrem os peixes mais exigentes; com OD =
                      2 mg/L praticamente todos estão mortos, com OD = 0 mg/L (condição
                      anaeróbica)                                                                   51
Características Água

                                    Parâmetros Químicos
                   Conceito: A matéria orgânica presente nos corpos d’água e nos esgotos é
                   uma característica de primordial importância, sendo a causadora do
                   principal problema de poluição das águas: o consumo de OD pelos
Matéria Orgânica




                   microrganismos nos seus processos metabólicos de utilização e
                   estabilização da MO. Os principais componentes orgânicos são as
                   proteínas, os carboidratos, a gordura e os óleos, além da uréia,
                   surfactantes, fenóis, pesticidas e outros em menor quantidade. A matéria
                   carbonácea (carbono orgânico) divide-se em: (a) não biodegradável (em
                   suspensão e dissolvida) e (b) biodegradável (em suspensão e dissolvida).
                   Normalmente utiliza-se métodos indiretos para quantificação da MO ou do
                   seu potencial poluidor, visto que seria muito complexo a determinação de
                   cada um dos seus componentes. Existem duas principais categorias: (a)
                   Medição do consumo de oxigênio (Demanda Bioquímica de Oxigênio –
                   DBO; Demanda Química de Oxigênio – DQO e (b) Medição do Carbono
                   Orgânico (Carbono Orgânico Total – COT). A DBO e a DQO são parâmetros
                   tradicionalmente mais utilizados.

                   Origem Natural: MO vegetal e animal e microrganismos
                   Origem Antrópica: Despejos domésticos e industrias
                                                                                              52
Características Água

                                   Parâmetros Químicos

                   Os parâmetros, Demanda Bioquímica de Oxigênio – DBO e Demanda
                   Química de Oxigênio – DQO expressam a presença da matéria orgânica.
Matéria Orgânica




                   Ambos indicam a magnitude do consumo de oxigênio (em mg/L) pelas
                   bactérias na estabilização da matéria orgânica

                   A determinação da DBO, realiza-se a partir da diferença na concentração
                   de OD em amostra de água em um período de 5 dias e temperatura de
                   20º C (DBO5)

                   A DQO é obtida por titulação química e o resultado sai em menos de 3 h,
                   sendo utilizado como parâmetro no monitoramento de estação de
                   tratamento de esgoto
                   Se uma amostra de água apresentar DBO de 10 mg/L significa que serão
                   necessárias 10 mg de OD para estabilizar a MO biodegradável contida em
                   1 litro de amostra, em um período de 5 dias a 20º C

                                                                                             53
Características Água

                                     Parâmetros Químicos
                   Utilização mais frequente: Controle de águas residuárias brutas e tratadas e
                   caracterização de corpos d’água.
Matéria Orgânica




                   Unidade: mg/L

                   Interpretação dos Resultados:
                   Em termos de tratamento de águas residuárias:
                   - A DBO dos esgotos domésticos esta em torno de 300 mg/L e DQO 600 mg/L
                   - A DBO e DQO dos esgotos industriais variam amplamente, com o tipo de
                   processo industrial
                   - A DBO e DQO efluente do tratamento são função do nível e do processo de
                   tratamento
                   Em termos dos corpos d’água:
                   - Ver padrão de Corpos d’água;
                   Importância: A DBO e DQO retratam, de forma indireta, o teor de MO nos
                   esgotos ou no corpo d’água, sendo, portanto uma indicação do potencial de
                   consumo do OD                                                             54
Características Água

                                     Parâmetros Químicos
                    Conceito: Uma grande parte são tóxicos, em destaque os metais. Ex.:
                    arsênio, cádmio, cromo, chumbo, mercúrio e prata. Os não metais: cianetos,
                    flúor e outros.
Micro inorgânicos




                    Origem Natural: A origem natural é de menor importância

                    Origem Antrópica: Despejos industriais, mineradoras, garimpo e
                    agricultura.

                    Importância:
                    (a) Alguns elementos e compostos, em baixas concentrações, são
                    nutrientes para seres vivos;
                    (b) Vários nutrientes e compostos, em determinadas concentrações, são
                    tóxicos para os habitantes dos ambientes aquáticos, para os consumidores
                    da água e para os microrganismos responsáveis pelo tratamento biológico
                    dos esgotos;
                                                                                                 55
Características Água

                                      Parâmetros Químicos
                    Utilização mais frequente: Caracterização de águas de abastecimento
                    brutas e tratadas, caracterização de águas residuárias brutas e tratadas e
Micro inorgânicos




                    caracterização de corpos d’água.

                    Unidade: µg/L ou mg/L
                    Interpretação dos Resultados:
                    Em termos de tratamento e abastecimento público de água:
                    - Ver padrão de Potabilidade (vários compostos – consultar tabelas)
                    Em termos de tratamento de águas residuárias:
                    - Em determinadas concentrações, podem causar inibição no tratamento
                    biológico de esgotos;
                    - Ver padrão de Lançamento;
                    Em termos dos corpos d’água
                    - Ver padrão de Corpos d’Água

                                                                                                 56
Características Água

                                   Parâmetros Químicos
                  Conceito: Alguns compostos orgânicos são resistentes à degradação
                  biológica, não integrando os ciclos biogeoquímicos, e acumulando-se em
                  determinado ponto do ciclo (interrompido). Entre estes, destacam-se os
Micro Orgânicos




                  defensivos agrícolas, alguns tipos de detergentes (ABS, com estrutura
                  molecular fechada) e um grande número de produtos químicos. Uma grande
                  parte desses compostos, mesmo em reduzidas concentrações, está
                  associada a problemas de toxicidade.
                  Origem Natural: vegetais com madeira (tanino, lignina, celulose, fenóis)

                  Origem Antrópica: Despejos industriais, detergentes, processamento e
                  refino de petróleo e defensivos agriculturas.
                  Importância:
                  (a) Os compostos orgânicos incluídos nesta categoria não são
                  biodegradáveis;
                  (b) Vários compostos, em determinadas concentrações, são tóxicos para os
                  habitantes dos ambientes aquáticos, para os consumidores da água e para
                  os microrganismos responsáveis pelo tratamento biológico dos esgotos;
                                                                                             57
Características Água

                                     Parâmetros Químicos
                  Utilização mais frequente: Caracterização de águas de abastecimento
                  brutas e tratadas, caracterização de águas residuárias brutas e tratadas e
                  caracterização de corpos d’água.
Micro Orgânicos




                  Unidade: µg/L ou mg/L
                  Interpretação dos Resultados:
                  Em termos de tratamento e abastecimento público de água:
                  - Ver padrão de Potabilidade (vários compostos – consultar tabelas)
                  Em termos de tratamento de águas residuárias:
                  - Ver padrão de Lançamento
                  Em termos dos corpos d’água
                  - Ver padrão de Corpos d’Água




                                                                                               58
Características Água

                 Parâmetros Biológicos

Entre os organismos que podem ser encontrados na água:
   Microorganismos patogênicos
      o São introduzidos na água junto com a matéria fecal
        de esgotos sanitários. Podem ser de vários tipos:
        bactérias, vírus, protozoários e vermes.
      o Possuem sobrevivência limitada no meio
      o Sua existência é mostrada através de indicadores
        da presença de matéria fecal no líquido
      o As bactérias usadas como indicadores de poluição
        da água por matéria fecal são os coliformes

                                                             59
Características Água

                Parâmetros Biológicos

 Coliformes Totais
 Coliformes Fecais (Termotolerantes)
 Escherichia coli - constituí na espécie dominante de
  coliformes fecais .
 Streptococos fecais - Streptococos faecalis - homem;
  Streptococos bovis - gado bovino; Streptococos
  equinus - equinos
 Testes de Biotoxidade
 Comunidade Fitoplanctônica
 Algas tóxicas e cianotoxinas
                                                         60
Características Água

                                        Parâmetros Biológicos
Coliformes Totais e Fecais




                              Colifomes Totais - grande grupo de bactérias
                               encontradas em vários ambientes, poluídos e
                               não poluídos;
                              Coliformes Fecais - Bactérias indicadoras de
                               resíduo do trato intestinal humano e de outros
                               animais endotermos;
Características Água

                                          Parâmetros Biológicos
E. Coli e Estreptococos fecais




                                  Escherichia coli - constituí na espécie
                                   dominante de coliformes fecais.
                                  Estreptococos fecais - Várias espécies ou
                                   variedades de estreptococos. Habitam o
                                   intestino de seres humanos e outros animais.
                                  Ex: Streptococos faecalis - homem;
                                   Streptococos bovis - gado bovino;
                                   Streptococos equinus - equinos
Características Água

                      Parâmetros Biológicos
  Microrganismos Presentes nos Esgotos Domésticos
                       Brutos
  Microrganismos            Contribuição per         Concentração
                           capita (org/hab.dia)       (org/100mL)
   Bactérias totais            1012 – 1013             109 – 1010
  Coliformes totais             109 – 1012             106 – 109
  Coliformes fecais             108 – 1011             105 – 108
Estreptococos fecais            108 – 109              105 – 106
Cistos de protozoários            < 106                  < 103
 Ovos de helmintos                < 106                  < 103
        Vírus                   105 – 107              102 – 104

                         Fonte: Arceivalla (1981).
Características Água

                   Parâmetros Biológicos

Portaria MS
518/2004
Padrão
microbiológico
de potabilidade
da água para
consumo
humano




                                           64
Onde Estudar a Aula de Hoje


Nos Livros
• Von Sperling, Marcos – Introdução a Qualidade
das Águas – Editora UFMG 3ª. Ed ( Cap. 1 –
Noções de Qualidade das Águas)
• Telles D’Alkimin, Dirceu – Reúso da Água – Ed.
Blucher (Cap. 3 – Qualidade da água)
• Passos, Roque - Qualidade das Águas e
Poluição: Aspectos Físico-Químicos - ABES
Na Próxima Aula Veremos ...

       Tratamento de Água

 Requisitos de Qualidade da Água
 IQA – como se calcula ?
 Composição do Esgoto
 Características dos Efluentes
 IQE – como se calcula ?
 Poluição das Águas
 Quantificação das Águas Poluidoras
Contato




          67

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Microbiologia da água
Microbiologia da águaMicrobiologia da água
Microbiologia da água
Saulo Fernandes Da Cruz
 
Aula 09 legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
Aula 09   legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)Aula 09   legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
Aula 09 legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 2 caracterização qualitativa esgoto
Aula 2   caracterização qualitativa esgotoAula 2   caracterização qualitativa esgoto
Aula 2 caracterização qualitativa esgoto
Giovanna Ortiz
 
Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09
Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09
Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Teli 1
Teli 1Teli 1
parametros qualidade agua
parametros qualidade aguaparametros qualidade agua
parametros qualidade agua
Raquel Gastao Daniel
 
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Parâmetros Físico-Químicos-Biológicos de Águas Residuais
Parâmetros Físico-Químicos-Biológicos de Águas ResiduaisParâmetros Físico-Químicos-Biológicos de Águas Residuais
Parâmetros Físico-Químicos-Biológicos de Águas Residuais
UN Joint Office of UNDP, UNFPA and UNICEF (Environment Energy and Disaster Prevention Unit)
 
Analise de agua
Analise de aguaAnalise de agua
Analise de agua
Douglas Alves
 
Qualidade de água
Qualidade de água Qualidade de água
Qualidade de água
LCGRH UFC
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
Ezequias Guimaraes
 
Tratamento da água
Tratamento da águaTratamento da água
Tratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriaisTratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriais
Edir Leite Freire
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Ivys Antônio
 
Aula 01 inicial - apresentação e introdução
Aula 01   inicial - apresentação e introduçãoAula 01   inicial - apresentação e introdução
Aula 01 inicial - apresentação e introdução
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Taa 8
Taa 8Taa 8
Determinação de oxigênio dissolvido em água
Determinação de oxigênio dissolvido em águaDeterminação de oxigênio dissolvido em água
Determinação de oxigênio dissolvido em água
Rahisa Scussel
 
Tratamento de efluentes
Tratamento de efluentes Tratamento de efluentes
Tratamento de efluentes
Dominique Alves
 
Avaliação da acidez e alcanilidade da água
Avaliação da acidez e alcanilidade da águaAvaliação da acidez e alcanilidade da água
Avaliação da acidez e alcanilidade da água
Safia Naser
 

Mais procurados (20)

Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
 
Microbiologia da água
Microbiologia da águaMicrobiologia da água
Microbiologia da água
 
Aula 09 legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
Aula 09   legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)Aula 09   legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
Aula 09 legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
 
Aula 2 caracterização qualitativa esgoto
Aula 2   caracterização qualitativa esgotoAula 2   caracterização qualitativa esgoto
Aula 2 caracterização qualitativa esgoto
 
Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09
Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09
Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09
 
Teli 1
Teli 1Teli 1
Teli 1
 
parametros qualidade agua
parametros qualidade aguaparametros qualidade agua
parametros qualidade agua
 
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
 
Parâmetros Físico-Químicos-Biológicos de Águas Residuais
Parâmetros Físico-Químicos-Biológicos de Águas ResiduaisParâmetros Físico-Químicos-Biológicos de Águas Residuais
Parâmetros Físico-Químicos-Biológicos de Águas Residuais
 
Analise de agua
Analise de aguaAnalise de agua
Analise de agua
 
Qualidade de água
Qualidade de água Qualidade de água
Qualidade de água
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: PREPARO DE SOLUÇÃO
 
Tratamento da água
Tratamento da águaTratamento da água
Tratamento da água
 
Tratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriaisTratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriais
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
 
Aula 01 inicial - apresentação e introdução
Aula 01   inicial - apresentação e introduçãoAula 01   inicial - apresentação e introdução
Aula 01 inicial - apresentação e introdução
 
Taa 8
Taa 8Taa 8
Taa 8
 
Determinação de oxigênio dissolvido em água
Determinação de oxigênio dissolvido em águaDeterminação de oxigênio dissolvido em água
Determinação de oxigênio dissolvido em água
 
Tratamento de efluentes
Tratamento de efluentes Tratamento de efluentes
Tratamento de efluentes
 
Avaliação da acidez e alcanilidade da água
Avaliação da acidez e alcanilidade da águaAvaliação da acidez e alcanilidade da água
Avaliação da acidez e alcanilidade da água
 

Destaque

Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 15 - Tratamento do lodo e reuso - 03.11
Aula 15 - Tratamento do lodo e reuso - 03.11Aula 15 - Tratamento do lodo e reuso - 03.11
Aula 15 - Tratamento do lodo e reuso - 03.11
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Apostila tratamento de efluentes industriais
Apostila   tratamento de efluentes industriaisApostila   tratamento de efluentes industriais
Apostila tratamento de efluentes industriais
Livia Iost Gallucci
 
Manual Técnico Para Coleta de Amostras de Água
Manual Técnico Para Coleta de Amostras de ÁguaManual Técnico Para Coleta de Amostras de Água
Manual Técnico Para Coleta de Amostras de Água
Ministério Público de Santa Catarina
 
Aula 09 revisão ap1- quimica aplicada engenharia
Aula 09   revisão ap1- quimica aplicada engenhariaAula 09   revisão ap1- quimica aplicada engenharia
Aula 09 revisão ap1- quimica aplicada engenharia
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Qualidade da Água
Qualidade da ÁguaQualidade da Água
Qualidade da Água
Oscar Luiz Neto
 
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculasAula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 14 - Controle das reações químicas - parte I (equilíbrio químico)
Aula 14 - Controle das reações químicas - parte I (equilíbrio químico)Aula 14 - Controle das reações químicas - parte I (equilíbrio químico)
Aula 14 - Controle das reações químicas - parte I (equilíbrio químico)
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Procedimentos de coleta de amostras e envio ao Laboratório
Procedimentos de coleta de amostras e envio ao LaboratórioProcedimentos de coleta de amostras e envio ao Laboratório
Procedimentos de coleta de amostras e envio ao Laboratório
Leidiane Fernandes
 
Portaria MS Nº 2914 de 12/12/11
Portaria MS Nº 2914 de 12/12/11Portaria MS Nº 2914 de 12/12/11
Aula 07 tecnologias da eng quimica - reatores quimicos - 18.03
Aula 07   tecnologias da eng quimica - reatores quimicos - 18.03Aula 07   tecnologias da eng quimica - reatores quimicos - 18.03
Aula 07 tecnologias da eng quimica - reatores quimicos - 18.03
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 09 tecnologia da engenharia química - operações unitárias ii - 01.04
Aula 09   tecnologia da engenharia química - operações unitárias ii - 01.04Aula 09   tecnologia da engenharia química - operações unitárias ii - 01.04
Aula 09 tecnologia da engenharia química - operações unitárias ii - 01.04
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 3 tratamentos e tratamento preliminar
Aula 3 tratamentos e tratamento preliminarAula 3 tratamentos e tratamento preliminar
Aula 3 tratamentos e tratamento preliminar
Giovanna Ortiz
 

Destaque (13)

Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
 
Aula 15 - Tratamento do lodo e reuso - 03.11
Aula 15 - Tratamento do lodo e reuso - 03.11Aula 15 - Tratamento do lodo e reuso - 03.11
Aula 15 - Tratamento do lodo e reuso - 03.11
 
Apostila tratamento de efluentes industriais
Apostila   tratamento de efluentes industriaisApostila   tratamento de efluentes industriais
Apostila tratamento de efluentes industriais
 
Manual Técnico Para Coleta de Amostras de Água
Manual Técnico Para Coleta de Amostras de ÁguaManual Técnico Para Coleta de Amostras de Água
Manual Técnico Para Coleta de Amostras de Água
 
Aula 09 revisão ap1- quimica aplicada engenharia
Aula 09   revisão ap1- quimica aplicada engenhariaAula 09   revisão ap1- quimica aplicada engenharia
Aula 09 revisão ap1- quimica aplicada engenharia
 
Qualidade da Água
Qualidade da ÁguaQualidade da Água
Qualidade da Água
 
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculasAula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
 
Aula 14 - Controle das reações químicas - parte I (equilíbrio químico)
Aula 14 - Controle das reações químicas - parte I (equilíbrio químico)Aula 14 - Controle das reações químicas - parte I (equilíbrio químico)
Aula 14 - Controle das reações químicas - parte I (equilíbrio químico)
 
Procedimentos de coleta de amostras e envio ao Laboratório
Procedimentos de coleta de amostras e envio ao LaboratórioProcedimentos de coleta de amostras e envio ao Laboratório
Procedimentos de coleta de amostras e envio ao Laboratório
 
Portaria MS Nº 2914 de 12/12/11
Portaria MS Nº 2914 de 12/12/11Portaria MS Nº 2914 de 12/12/11
Portaria MS Nº 2914 de 12/12/11
 
Aula 07 tecnologias da eng quimica - reatores quimicos - 18.03
Aula 07   tecnologias da eng quimica - reatores quimicos - 18.03Aula 07   tecnologias da eng quimica - reatores quimicos - 18.03
Aula 07 tecnologias da eng quimica - reatores quimicos - 18.03
 
Aula 09 tecnologia da engenharia química - operações unitárias ii - 01.04
Aula 09   tecnologia da engenharia química - operações unitárias ii - 01.04Aula 09   tecnologia da engenharia química - operações unitárias ii - 01.04
Aula 09 tecnologia da engenharia química - operações unitárias ii - 01.04
 
Aula 3 tratamentos e tratamento preliminar
Aula 3 tratamentos e tratamento preliminarAula 3 tratamentos e tratamento preliminar
Aula 3 tratamentos e tratamento preliminar
 

Semelhante a Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)

Fasciculo 5 caracteristicas fisicas das aguas
Fasciculo 5   caracteristicas fisicas das aguasFasciculo 5   caracteristicas fisicas das aguas
Fasciculo 5 caracteristicas fisicas das aguas
regisaboia
 
Slides 7 - PMA_Parâmetros Qumico - PARTE 01.pptx
Slides 7 - PMA_Parâmetros Qumico - PARTE 01.pptxSlides 7 - PMA_Parâmetros Qumico - PARTE 01.pptx
Slides 7 - PMA_Parâmetros Qumico - PARTE 01.pptx
Elienai Cardoso
 
2 aula qualidadeparamentros
2 aula qualidadeparamentros2 aula qualidadeparamentros
2 aula qualidadeparamentros
Filgueira Nogueira
 
Qualidade da agua aula 2
Qualidade da agua   aula 2Qualidade da agua   aula 2
Qualidade da agua aula 2
LeoncioFonsecaJr
 
1 conceitos introdutórios
1 conceitos introdutórios1 conceitos introdutórios
1 conceitos introdutórios
Gilson Adao
 
Tratamento de resíduos e efluentes
Tratamento de resíduos e efluentesTratamento de resíduos e efluentes
Tratamento de resíduos e efluentes
RafaelNeves651350
 
Qualidade da água
Qualidade da águaQualidade da água
Qualidade da água
Limnos Ufsc
 
Qualidade e paramentros -
Qualidade e paramentros - Qualidade e paramentros -
Qualidade e paramentros -
Jean Leão
 
caracterizacao da agua.ppt
caracterizacao da agua.pptcaracterizacao da agua.ppt
caracterizacao da agua.ppt
IFMT - Pontes e Lacerda
 
Texto 1 -_caracterização
Texto 1 -_caracterizaçãoTexto 1 -_caracterização
Texto 1 -_caracterização
Cleverson Ivonel Fiatkoski
 
01
0101
Formaçao capa conformidade
Formaçao capa   conformidadeFormaçao capa   conformidade
Formaçao capa conformidade
Adriano Gomes
 
Aula 5 caracterização dos esgotos
Aula 5   caracterização dos esgotosAula 5   caracterização dos esgotos
Aula 5 caracterização dos esgotos
Bruna Sampaio
 
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
Léo Morais
 
Potenciometria
PotenciometriaPotenciometria
Potenciometria
Márcia Anjos
 
Águas ETA, Caldeira e Vapor
Águas ETA, Caldeira e VaporÁguas ETA, Caldeira e Vapor
Águas ETA, Caldeira e Vapor
Leandro Cândido
 
Problemas de Qualidade e Tratamento de Água de Poços
Problemas de Qualidade e Tratamento de Água de PoçosProblemas de Qualidade e Tratamento de Água de Poços
Problemas de Qualidade e Tratamento de Água de Poços
slides-mci
 
Água para uso farmacêutico
Água para uso farmacêuticoÁgua para uso farmacêutico
Água para uso farmacêutico
Rodrigo Caixeta
 
Análise da Cerveja- Processos Industriais
Análise da Cerveja- Processos IndustriaisAnálise da Cerveja- Processos Industriais
Análise da Cerveja- Processos Industriais
IFRS- Campus Feliz
 

Semelhante a Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2) (19)

Fasciculo 5 caracteristicas fisicas das aguas
Fasciculo 5   caracteristicas fisicas das aguasFasciculo 5   caracteristicas fisicas das aguas
Fasciculo 5 caracteristicas fisicas das aguas
 
Slides 7 - PMA_Parâmetros Qumico - PARTE 01.pptx
Slides 7 - PMA_Parâmetros Qumico - PARTE 01.pptxSlides 7 - PMA_Parâmetros Qumico - PARTE 01.pptx
Slides 7 - PMA_Parâmetros Qumico - PARTE 01.pptx
 
2 aula qualidadeparamentros
2 aula qualidadeparamentros2 aula qualidadeparamentros
2 aula qualidadeparamentros
 
Qualidade da agua aula 2
Qualidade da agua   aula 2Qualidade da agua   aula 2
Qualidade da agua aula 2
 
1 conceitos introdutórios
1 conceitos introdutórios1 conceitos introdutórios
1 conceitos introdutórios
 
Tratamento de resíduos e efluentes
Tratamento de resíduos e efluentesTratamento de resíduos e efluentes
Tratamento de resíduos e efluentes
 
Qualidade da água
Qualidade da águaQualidade da água
Qualidade da água
 
Qualidade e paramentros -
Qualidade e paramentros - Qualidade e paramentros -
Qualidade e paramentros -
 
caracterizacao da agua.ppt
caracterizacao da agua.pptcaracterizacao da agua.ppt
caracterizacao da agua.ppt
 
Texto 1 -_caracterização
Texto 1 -_caracterizaçãoTexto 1 -_caracterização
Texto 1 -_caracterização
 
01
0101
01
 
Formaçao capa conformidade
Formaçao capa   conformidadeFormaçao capa   conformidade
Formaçao capa conformidade
 
Aula 5 caracterização dos esgotos
Aula 5   caracterização dos esgotosAula 5   caracterização dos esgotos
Aula 5 caracterização dos esgotos
 
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
 
Potenciometria
PotenciometriaPotenciometria
Potenciometria
 
Águas ETA, Caldeira e Vapor
Águas ETA, Caldeira e VaporÁguas ETA, Caldeira e Vapor
Águas ETA, Caldeira e Vapor
 
Problemas de Qualidade e Tratamento de Água de Poços
Problemas de Qualidade e Tratamento de Água de PoçosProblemas de Qualidade e Tratamento de Água de Poços
Problemas de Qualidade e Tratamento de Água de Poços
 
Água para uso farmacêutico
Água para uso farmacêuticoÁgua para uso farmacêutico
Água para uso farmacêutico
 
Análise da Cerveja- Processos Industriais
Análise da Cerveja- Processos IndustriaisAnálise da Cerveja- Processos Industriais
Análise da Cerveja- Processos Industriais
 

Mais de Nelson Virgilio Carvalho Filho

Aula 13 controle das reações químicas - parte i (cinética química) - 27.04.11
Aula 13   controle das reações químicas - parte i (cinética química) - 27.04.11Aula 13   controle das reações químicas - parte i (cinética química) - 27.04.11
Aula 13 controle das reações químicas - parte i (cinética química) - 27.04.11
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 07 estados da materia - sólidos, líquidos e gases - 16.03
Aula 07   estados da materia - sólidos, líquidos e gases - 16.03Aula 07   estados da materia - sólidos, líquidos e gases - 16.03
Aula 07 estados da materia - sólidos, líquidos e gases - 16.03
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)
Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)
Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 02 ferramentas da química - 09.02.11
Aula 02   ferramentas da química - 09.02.11Aula 02   ferramentas da química - 09.02.11
Aula 02 ferramentas da química - 09.02.11
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 01 introdução e apresentação do curso - prof. nelson (area 1) - 02.02.11
Aula 01   introdução e apresentação do curso - prof. nelson (area 1) - 02.02.11Aula 01   introdução e apresentação do curso - prof. nelson (area 1) - 02.02.11
Aula 01 introdução e apresentação do curso - prof. nelson (area 1) - 02.02.11
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 16 combustão industrial e controle das emissões - parte ii - 20.05.11
Aula 16   combustão industrial e controle das emissões - parte ii - 20.05.11Aula 16   combustão industrial e controle das emissões - parte ii - 20.05.11
Aula 16 combustão industrial e controle das emissões - parte ii - 20.05.11
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 15 combustão industrial e controle das emissões - parte i - 13.05.11
Aula 15   combustão industrial e controle das emissões - parte i - 13.05.11Aula 15   combustão industrial e controle das emissões - parte i - 13.05.11
Aula 15 combustão industrial e controle das emissões - parte i - 13.05.11
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 14 balanço de energia em processos químicos - 06.05.11
Aula 14   balanço de energia em processos químicos - 06.05.11Aula 14   balanço de energia em processos químicos - 06.05.11
Aula 14 balanço de energia em processos químicos - 06.05.11
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 13 balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
Aula 13   balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11Aula 13   balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
Aula 13 balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 11 petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
Aula 11   petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11Aula 11   petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
Aula 11 petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 08 tecnologia da engenharia química - operações unitárias i - 25.03.11
Aula 08   tecnologia da engenharia química - operações unitárias i - 25.03.11Aula 08   tecnologia da engenharia química - operações unitárias i - 25.03.11
Aula 08 tecnologia da engenharia química - operações unitárias i - 25.03.11
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 06 tecnologia da engenharia química - reações industriais - 11.03.11
Aula 06   tecnologia da engenharia química - reações industriais - 11.03.11Aula 06   tecnologia da engenharia química - reações industriais - 11.03.11
Aula 06 tecnologia da engenharia química - reações industriais - 11.03.11
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 

Mais de Nelson Virgilio Carvalho Filho (12)

Aula 13 controle das reações químicas - parte i (cinética química) - 27.04.11
Aula 13   controle das reações químicas - parte i (cinética química) - 27.04.11Aula 13   controle das reações químicas - parte i (cinética química) - 27.04.11
Aula 13 controle das reações químicas - parte i (cinética química) - 27.04.11
 
Aula 07 estados da materia - sólidos, líquidos e gases - 16.03
Aula 07   estados da materia - sólidos, líquidos e gases - 16.03Aula 07   estados da materia - sólidos, líquidos e gases - 16.03
Aula 07 estados da materia - sólidos, líquidos e gases - 16.03
 
Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)
Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)
Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)
 
Aula 02 ferramentas da química - 09.02.11
Aula 02   ferramentas da química - 09.02.11Aula 02   ferramentas da química - 09.02.11
Aula 02 ferramentas da química - 09.02.11
 
Aula 01 introdução e apresentação do curso - prof. nelson (area 1) - 02.02.11
Aula 01   introdução e apresentação do curso - prof. nelson (area 1) - 02.02.11Aula 01   introdução e apresentação do curso - prof. nelson (area 1) - 02.02.11
Aula 01 introdução e apresentação do curso - prof. nelson (area 1) - 02.02.11
 
Aula 16 combustão industrial e controle das emissões - parte ii - 20.05.11
Aula 16   combustão industrial e controle das emissões - parte ii - 20.05.11Aula 16   combustão industrial e controle das emissões - parte ii - 20.05.11
Aula 16 combustão industrial e controle das emissões - parte ii - 20.05.11
 
Aula 15 combustão industrial e controle das emissões - parte i - 13.05.11
Aula 15   combustão industrial e controle das emissões - parte i - 13.05.11Aula 15   combustão industrial e controle das emissões - parte i - 13.05.11
Aula 15 combustão industrial e controle das emissões - parte i - 13.05.11
 
Aula 14 balanço de energia em processos químicos - 06.05.11
Aula 14   balanço de energia em processos químicos - 06.05.11Aula 14   balanço de energia em processos químicos - 06.05.11
Aula 14 balanço de energia em processos químicos - 06.05.11
 
Aula 13 balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
Aula 13   balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11Aula 13   balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
Aula 13 balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
 
Aula 11 petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
Aula 11   petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11Aula 11   petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
Aula 11 petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
 
Aula 08 tecnologia da engenharia química - operações unitárias i - 25.03.11
Aula 08   tecnologia da engenharia química - operações unitárias i - 25.03.11Aula 08   tecnologia da engenharia química - operações unitárias i - 25.03.11
Aula 08 tecnologia da engenharia química - operações unitárias i - 25.03.11
 
Aula 06 tecnologia da engenharia química - reações industriais - 11.03.11
Aula 06   tecnologia da engenharia química - reações industriais - 11.03.11Aula 06   tecnologia da engenharia química - reações industriais - 11.03.11
Aula 06 tecnologia da engenharia química - reações industriais - 11.03.11
 

Último

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 

Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)

  • 1. Tratamento de Água e Efluentes 2º. Sem./2010 Eng.Ambiental
  • 2. 2
  • 3. Programa I UNIDADE  Introdução – Histórico – Panorama  Caracterização das Águas e Esgotos  Princípios Químicos, Físicos e Biológicos do TA  Interpretação de Análises e Elaboração de Laudos  Considerações Projetos e Técnicas de Tratamento  Tecnologia para Tratamento de Água  Parâmetros de controle de qualidade de Água  Legislação Aplicada e Padrões 3
  • 4. Nesta Aula Veremos ...  Características das Águas  Parâmetros Físicos  Parâmetros Químicos  Parâmetros Biológicos
  • 6. cor Turbidez sólidos Físicas Temperatura Sabor e Odor Ph Acidez 1 Alcalinidade dureza Sulfato Sulfeto Cloreto 2 Cianeto Nitrogênio Fósforo Parâmetros Ferro Metais pesados 3 Químicas Cloro residual Características Água fluoreto Parâmetros de Qualidade OD MO DTO 4 DQO DBO Óleos/Graxas Fenóis 6
  • 7. Cor Turbidez Temperatura Cloro livre residual Colorimetria Fluoretos Alumínio pH Dureza Alcalinidade Total Análises Físico-Químicas Características Água Cloretos Titulometria Adaptado: Manual Prático de Análise de Água (FUNASA-MS) Gás Carbônico Parâmetros Físicos Parâmetros Químicos 7
  • 8. Características Água Parâmetros de Qualidade  Cor;  Turbidez;  Sabor e odor;  Temperatura;  Sólidos em suas diversas frações. Fornecem indicações preliminares importantes para a caracterização da Equipamentos para realização dos ensaios físicos qualidade química da água 8
  • 9. Características Água Parâmetros Físicos Conceito: Responsável pela coloração da água Forma: presença sólidos dissolvidos (orgânicos e inorgânicos) COR Origem Natural: decomposição da matéria orgânica, Fe e Mn cor Origem Antrópica: resíduos industriais e esgotos domésticos Importância: Natural – não representa risco a saúde, Industrial – pode ou não apresentar toxidade Utilização: caracterização de águas de abastecimento bruta e tratada Unidade: uC (unidade de cor) ou uH (unidade Hazen = mg Pt-Co/L) 9
  • 10. Características Água Parâmetros Físicos Interpretação dos Resultados Deve-se distinguir entre cor aparente e cor verdadeira. No valor da cor aparente pode estar incluída uma parcela devida a turbidez da água. Quando esta é removida por centrifugação, obtém-se a cor verdadeira. COR Para tratamento e abastecimento público de água: cor (a) águas com cor acima de 15 uC, podem ser detectadas em um copo d’água pela maioria dos consumidores; (b) cor na água bruta: valores < a 5 uC, geralmente dispensam coagulação química, valores > 25 uC usualmente requerem a coagulação seguida de filtração; (c) águas com cor elevada implicam em um mais delicado cuidado operacional do tratamento e (d) ver padrão de Potabilidade = 15 uC. Para corpos d’água: ver padrão para corpos d’água. 10
  • 11. Características Água Parâmetros Físicos Métodos de Análise Colorímetros (filtros) cor Espectrofotômetros (monocromador) Comparação visual (Pt-Co) 11
  • 12. Características Água Parâmetros Físicos cor 12
  • 13. Características Água Parâmetros Físicos Conceito: representa o grau de interferência com a passagem da luz, através da água (aparência turva) Turbidez Forma: sólidos em suspensão Origem Natural: partículas de rocha, argila e silte turbidez Origem Antrópica: despejos domésticos, industriais, microrganismos e erosão Importância: Natural – não traz inconveniente (abrigo microrganismo). Antrópica – pode ser compostos tóxicos ou microrganismos patogênicos Utilização: caracterização de águas de abastecimento bruta e tratada e controle operacional da ETA Unidade: uT (unidade de turbidez) 13
  • 14. Características Água Parâmetros Físicos Interpretação dos Resultados Para tratamento e abastecimento público de água: (a) águas com turbidez = 10 uT (ligeira nebulosidade), com turbidez = 500 Turbidez uT (praticamente opaca); turbidez (b) Água bruta com turbidez < 20 uT (filtração lenta, sem coagulação), valores > 50 uT (requer coagulação ou pré-filtro grosseiro); (c) Padrão de potabilidade – variável em função da origem da água e do tipo de tratamento. Para corpos d’água: ver padrão para corpos d’água. 14
  • 15. Características Água Parâmetros Físicos Média geométrica mensal da Turbidez da água bruta afluente a uma estação brasileira de médio porte Turbidez (uT) 400 300 200 100 0 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 15
  • 16. Características Água Parâmetros Físicos turbidez Turbidimetro (portátil) 16
  • 17. Características Água Parâmetros Físicos turbidez 17
  • 18. Características Água Parâmetros Físicos Conceito: O sabor é a interação entre o gosto (salgado, doce, azedo e amargo) e o odor (sensação olfativa) Forma: sólidos em suspensão, sólidos dissolvidos e gases dissolvidos Sabor e odor Origem Natural: MO em decomposição, microrganismos e gases (H2S) Origem Antrópica: despejos domésticos e industriais e gases Importância: A princípio não representa riscos à saúde, é a maior causa de reclamação dos consumidores. Valores elevados podem indicar presença de substâncias perigosas Utilização: caracterização de águas de abastecimento bruta e tratada Unidade: concentração limite mínima detectável 18
  • 19. Características Água Parâmetros Físicos Interpretação dos Resultados Na interpretação dos resultados, são importantes a identificação e a vinculação com a origem do sabor. Sabor e odor Para tratamento e abastecimento público de água: Ver padrão de potabilidade (odor e gosto são considerados “não objetiváveis”). 19
  • 20. Características Água Parâmetros Físicos Conceito: Medição da intensidade de calor Origem Natural: calor por radiação, condução e convecção (atmosfera e solo) Temperatura Origem Antrópica: Águas de torres de resfriamento e despejos industriais Importância: (a) > Temperatura  > taxa das reações; (b) > Temperatura  diminui a solubilidade dos gases (ex.: OD); (c) > Temperatura  > taxa de transferência dos gases (pode gerar mau cheiro) Utilização: caracterização de corpos d’água e águas residuárias brutas Unidade: oC 20
  • 21. Características Água Parâmetros Físicos Interpretação dos Resultados Para corpos d’água: A temperatura deve ser analisada em conjunto com outros parâmetros, tais Temperatura com oxigênio dissolvido. Para tratamento de águas residuárias: (a) A temperatura deve proporcionar condições para as reações bioquímicas de remoção de poluentes. - Psicrofílica – entre 5 e 15 °C - Mesofílica – entre 15 a 38 °C - Termofílica – entre 45 e 60 °C (b) Ver padrão de lançamento de Efluentes 21
  • 22. Características Água Parâmetros Físicos Recomendações: Processos Industriais: Temperatura A temperatura de efluentes industriais pode ser reduzida através do emprego de torres de resfriamento. Qualquer outro processo que provoque aumento da superfície de contato ar/água pode ser usado, como aspersores, cascateamento, etc.. Em muitos casos, apenas o tempo de detenção hidráulico dos efluentes em tanques de equalização é suficiente para promover a redução desejada de temperatura. 22
  • 23. Características Água Parâmetros Físicos Conceito: Sólidos nas águas correspondem a toda matéria que permanece como resíduo, após evaporação, secagem ou calcinação da Sólidos em Água amostra a uma temperatura pré-estabelecida durante um tempo fixado. Em linhas gerais, as operações de secagem, calcinação e filtração são as que definem as diversas frações de sólidos presentes na água (sólidos totais, em suspensão, dissolvidos, fixos e voláteis). Frações dos sólidos: a) Sólidos Totais (ST): Resíduo que resta na cápsula após a evaporação em banho-maria de uma porção de amostra e sua posterior secagem em estufa a 103-105°C até peso constante. Também denominado resíduo total. b) Sólidos em suspensão (ou sólidos suspensos) (SS): É a porção dos sólidos totais que fica retida em um filtro que propicia a retenção de partículas de diâmetro maior ou igual a 1,2 μm. Também denominado resíduo não filtrável (RNF). 23
  • 24. Características Água Parâmetros Físicos Frações dos sólidos (continuação): c) Sólidos Voláteis (SV): é a porção dos sólidos (sólidos totais, suspensos Sólidos em Água ou dissolvidos) que se perde após a ignição ou calcinação da amostra a 550-600°C, durante uma hora para sólidos totais ou dissolvidos voláteis ou 15 minutos para sólidos em suspensão voláteis, em forno mufla. Também denominado resíduo volátil. d) Sólidos Fixos (SF): É a porção dos sólidos (totais, suspensos ou dissolvidos) que resta após a ignição ou calcinação a 550-600°C após uma hora (para sólidos totais ou dissolvidos fixos) ou 15 minutos (para sólidos em suspensão fixos) em forno mufla. Também denominado resíduo fixo. e) Sólidos Sedimentáveis (SSed): É a porção dos sólidos em suspensão que se sedimenta sob a ação da gravidade durante um período de uma hora, a partir de um litro de amostra mantida em repouso em um cone Imhoff. 24
  • 25. Características Água Parâmetros Físicos Importância: As determinações dos níveis de concentração resultam em um quadro geral Sólidos em Água da distribuição das partículas com relação ao tamanho (sólidos em suspensão e dissolvidos) e com relação à natureza (fixos ou minerais e voláteis ou orgânicos). Este quadro não é definitivo para se entender o comportamento da água em questão, mas constitui-se em uma informação preliminar importante. No controle operacional de sistemas de tratamento de esgotos e efluentes, em processos biológicos aeróbios e anaeróbios as concentrações tem sido utilizadas para se estimar a concentração de microrganismos decompositores da matéria orgânica. As concentrações de sólidos em suspensão são medidas importantes no controle de decantadores e outras unidades de separação de sólidos. Constituem parâmetro utilizado em análises de balanço de massa 25
  • 26. Características Água Parâmetros Físicos ST - 1000 mg/L Sólidos em Água SS – 350 SD – 650 mg/L mg/L SSF – 50 SDF – 400 mg/L mg/L SSV – 300 SDV – 250 Sólidos sedimentáveis mg/L mg/L sedimentação em cone Esgoto Doméstico - Fonte: von Imhoff após 1h Sperling (1996) 26
  • 27. S. Sed. SSV SS ST (evaporação e secagem) Filtração, SSF evaporação e secagem Determinados em laboratório SDV Sólidos em Água STD Calculados por diferença SDF SSV STV Filtração, SDV evaporação e secagem SSF SF SDV Adaptado: Qualidade das Águas e Poluição: Roque Passos (2006) 27
  • 28. Características Água Parâmetros Físicos Questões Propostas Qual a diferença entre cor e turbidez ? Qual a diferença entre cor real (verdadeira) e cor aparente? Dê exemplos de partículas que provocam cor real nas águas Dê exemplos de partículas que provocam turbidez nas águas Qual a importância do parâmetro cor nos estudos de controle da poluição das águas naturais (rios, lagos, etc)? Qual a importância do parâmetro turbidez no controle operacional de uma estação de tratamento de água para abastecimento público? 28
  • 29. Características Água Parâmetros de Qualidade Os principais parâmetros químicos:  pH;  Acidez;  Alcalinidade;  Dureza;  Fe e Mn;  Cloretos  Nitrogênio e Fósforo  Oxigênio dissolvido  Matéria Orgânica  Micropoluentes inorgânicos.  Micropoluentes orgânicos espectofotômetro 29
  • 30. Características Água Parâmetros Químicos Conceito: pH = - log [H+]  faixa 0 a 14 Origem Natural: dissolução rochas, absorção gases da atmosfera, oxidação da matéria orgânica e fotossínteses Origem Antrópica: despejos domésticos e industriais pH Importância: (a) não tem implicação em termos de saúde pública (exceção para valores extremos); (b) É importante em diversas etapas do tratamento (coagulação, desinfecção, controle da corrosividade, remoção da dureza); (c) pH baixo: potencial corrosivo (agressividade nas tubulações); (d) pH alto: possibilidade de incrustação nas tubulações Utilização: caracterização águas abastecimento brutas e tratadas, de águas residuárias brutas, controle da operação da ETA (coagulação e incrustação/corrosividade) e controle da operação da ETE (digestão anaeróbica) 30
  • 31. Características Água Parâmetros Químicos Interpretação dos Resultados Para tratamento e abastecimento público de água: (a) ≠ pHs  ≠ faixas de atuação ótima de coagulantes; (b) frequentemente o pH precisa ser corrigido (antes e depois) da adição dos químicos; (c) a variação do pH afeta o equilíbrio de compostos químicos Para tratamento de águas residuárias: pH (a) Valores de pH afastados de 7 (neutro), tendem a afetar as taxas de crescimento dos microrganismos; (b) a variação do pH afeta o equilíbrio de compostos químicos; (c) valores de pH elevados possibilita preciptação de metais; Para corpos d’água: (a) Valores de pH elevados podem estar associados à proliferação de algas; (b) valores elevados ou baixos podem indicar presença de efluentes industrias; (c) a variação do pH afeta o equilíbrio de compostos químicos 31
  • 32. Características Água Parâmetros Químicos 12 11 Faixas de pH 10 10 9 8,5 8 8 7 6 6 5 5 4 4 2 0 peixes FeCl2 Al2(SO4) FeSO4 depuração Adaptado: Monografia – Analise das Condições Operacionais de ETE (Nelson Virgilio) 32
  • 33. Características Água Parâmetros Químicos Conceito: capacidade da água em resistir às mudanças de pH causadas pelas bases fortes, devido à presença de ácidos fortes, ácidos fracos e sais que apresentam caráter ácido (sulfato de alumínio, cloreto férrico, cloreto de amônio, por exemplo. É devida principalmente à presença de CO2 livre (pH entre 4,5 e 8,2). Acidez Origem Natural: CO2 absorvido da atmosfera ou resultado da decomposição da matéria orgânica e gás sulfídrico. Origem Antrópica: despejos industriais (ácidos minerais ou orgânicos); passagem da água por minas abandonadas, vazadouros de mineração e borras de minério. Importância: (a) Tem pouca importância sanitária (b) Águas com acidez mineral são desagradáveis ao paladar, (c) Responsável pela corrosão de tubulações e materiais 33
  • 34. Características Água Parâmetros Químicos Utilização mais frequente: Caracterização de águas de abastecimento (inclusive industriais) brutas e tratadas Unidade: mg/L de CaCO3 (também em miliequivalentes/L = equivalente/m3) Acidez Interpretação dos Resultados: Em termos de tratamento e abastecimento público de água: - O teor de CO2 livre (diretamente associado à acidez), a alcalinidade e o pH estão inter-relacionados - pH > 8,2: ausência de CO2 livre - pH entre 4,5 e 8,2: acidez carbônica - pH < 4,5: acidez por ácidos minerais fortes (usualmente resultantes de despejos industriais) 34
  • 35. Características Água Parâmetros Químicos Conceito: capacidade da água em resistir às mudanças de pH causadas pelos ácidos fortes, devido à presença de bases fortes, fracas e sais que apresentam caráter básico (bicarbonatos – HCO3-, carbonatos – CO3-, e os hidróxidos (OH-). Capacidade de resistir as mudanças de pH – capacidade tampão Alcalinidade Origem Natural: Dissolução de rochas, reação do CO2 com a água (CO2 advindo da atmosfera ou da decomposição da matéria orgânica). Origem Antrópica: Despejos industriais Importância: (a) Água potável: Não tem significado sanitário, mas em elevadas concentrações confere um gosto amargo para a água; (b) Tratamento de água: relacionada com a coagulação, redução de dureza e prevenção da corrosão em tubulações (c) Tratamento esgoto: a redução do pH pode afetar os microrganismos 35
  • 36. Características Água Parâmetros Químicos Utilização mais frequente: Caracterização de águas de abastecimento brutas e tratadas. Controle da operação de estações de TA (coagulação e grau de incrustabilidade e corrosividade) Alcalinidade Unidade: mg/L de CaCO3 (também em miliequivalentes/L = equivalente/m3) Interpretação dos Resultados: Em termos de tratamento e abastecimento público de água: - a alcalinidade, o pH e o teor de CO2 estão inter-relacionados - pH > 9,4: hidróxidos e carbonatos - pH entre 8,3 e 9,4: carbonatos e bicarbonatos - pH entre 4,4 e 8,3: apenas bicarbonatos Em termos de Tratamento de Águas Residuárias: - Pode afetar a taxa de crescimento dos microrganismos responsáveis pela oxidação (como na nitrificação) 36
  • 37. Características Água Parâmetros Químicos Conceito: Concentração de cátions multimetálicos em solução. Os cátions mais frequentemente associados à dureza são Ca2+ e Mg2+. Em condições de supersaturação, os cátions reagem com ânions da água, formando preciptados. Pode ser dureza carbonatada (HCO3- e CO32-) e dureza não carbonatada (outros ânions, como Cl- e SO42-) Origem Natural: Dissolução de minerais contendo cálcio e magnésio, ex.: Dureza rochas calcárias. Origem Antrópica: Despejos industriais Importância: (a) Não há evidências de que a dureza cause problemas sanitários; (b) Pode ter efeito laxativo; (c) Reduz formação de espuma (maior consumo de sabão) (d) Incrustações nas tubulações de água quente, caldeiras e aquecedores 37
  • 38. Características Água Parâmetros Químicos Utilização mais frequente: Caracterização de águas de abastecimento (inclusive indústrias) brutas e tratadas Unidade: mg/L de CaCO3 (também em miliequivalentes/L = equivalente/m3) Dureza Interpretação dos Resultados: Em termos de tratamento e abastecimento público de água: - Dureza < 50 mg/L CaCO3: água mole - Dureza entre 50 e 150 mg/L CaCO3: dureza moderada - Dureza entre 150 e 300 mg/L CaCO3: água dura - Dureza > 300 mg/L CaCO3: água muito dura - Padrão de Potabilidade (≤ 500 mg/L) 38
  • 39. Características Água Parâmetros Químicos Média mensais da Dureza da água bruta afluente Dureza mg/L CaCO3 a uma estação brasileira de médio porte 100 80 60 40 20 0 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Fonte: Libânio, Marcelo – Tratamento de Água 39
  • 40. Características Água Parâmetros Químicos Conceito: presentes nas formas insolúveis (Fe3+ e Mn4+) numa grande quantidade de tipos de solos. Na ausência de OD (água subterrâneas e fundo lagos) se apresentam na forma solúvel reduzida (Fe2+ e Mn2+). Caso a forma reduzida seja exposta ao ar atmosférico, o Fe e Mn voltam a forma insolúvel, preciptando, causando cor na água e manchando roupas na lavag Origem Natural: Dissolução de compostos do solo Fe / Mn Origem Antrópica: Despejos industriais Importância: (a) Tem pouco significado sanitário nas concentrações usualmente encontradas nas águas naturais; (b) Em pequenas concentrações causam problemas de cor na água; (c) Em certas concentrações podem causar sabor e odor (mas, nessas concentrações, o consumidor já teria rejeitado a água, devido à cor) 40
  • 41. Características Água Parâmetros Químicos Utilização mais frequente: Caracterização de águas de abastecimento brutas e tratadas Unidade: mg/L Fe / Mn Interpretação dos Resultados: Em termos de tratamento e abastecimento público de água: - Ver padrão de potabilidade (= 0,3 mg/L Ferro e 0,1 mg/L Manganês) Em termos de tratamento e abastecimento de águas residuárias - Ver padrão de lançamento Em termos dos corpos d’água - Ver padrão dos corpos d’água 41
  • 42. Características Água Parâmetros Químicos Conceito: Todas as águas naturais, em maior ou menor escala, contêm íons resultantes da dissolução de minerais. Os cloretos (Cl-) são advindos da dissolução de sais (ex.: cloreto de sódio) Origem Natural: Dissolução de minerais e intrusão de águas salinas Cloretos Origem Antrópica: Despejos domésticos, industriais e águas utilizadas em irrigação Importância: Em determinadas concentrações imprime um sabor salgado à água; 42
  • 43. Características Água Parâmetros Químicos Utilização mais frequente: Caracterização de águas de abastecimento brutas e de esgotos tratados usados para irrigação Unidade: mg/L Cloretos Interpretação dos Resultados: Em termos de tratamento e abastecimento público de água: - Ver padrão de potabilidade (= 250 mg/L) Em termos dos corpos d’água - Ver padrão dos corpos d’água 43
  • 44. Características Água Parâmetros Químicos Conceito: Dentro do ciclo do nitrogênio na biosfera, este se alterna entre várias formas e estado de oxidação. No meio aquático, o nitrogênio pode ser encontrado nas seguintes formas: (a) nitrogênio molecular (N2), escapando para atmosfera, (b) nitrogênio orgânico (dissolvido ou em suspensão), (c) amônia (livre NH3 e ionizada NH4+), (d) nitrito e (e) nitrato Nitrogênio Origem Natural: Proteínas e compostos biológicos. Nitrogênio de composição celular de microrganismos Origem Antrópica: Despejos domésticos, industriais, excrementos animais e fertilizantes Importância: (a) O nitrogênio na forma de nitrato esta associado a doenças (bebê azul); (b) O nitrogênio é indispensável para crescimento de algas, quando em altas concentrações em lagos ou represas pode causar a eutrofização; (c) Nos processo bioquímicos NH3  NO2-  NO3- ocorre consumo de OD (pode alterar a vida aquática) 44
  • 45. Características Água Parâmetros Químicos Utilização mais frequente: Caracterização de águas de abastecimento brutas e tratadas, de águas residuárias brutas e tratadas e de corpos d’água Unidade: mg/L Nitrogênio Interpretação dos Resultados: Em termos de tratamento e abastecimento público de água: - Ver padrão de potabilidade (= 10 mg/L nitrato e 1 mg/L nitrito) Em termos de tratamento de águas residuárias - É necessário um adequado balanço C:N:P no esgoto para o desenvolvimento dos microrganismos (cerca de 100:5:1 em termos de DBO:N:P) - Ver padrão de lançamento (amônia) Em termos dos corpos d’água - Ver padrão dos corpos d’água (amônia, nitrito, nitrato e, em certas condições nitrogênio total) 45
  • 46. Características Água Parâmetros Químicos Conceito: O fósforo na água apresenta-se principalmente nas formas de ortofosfato, polifosfato e fósforo orgânico. Os ortofosfatos são diretamente disponíveis para o metabolismo biológico sem necessidade de converções a formas mais simples. As formas em que os ortofosfatos se apresentam na água (PO43-, HPO42-, H2PO4-, H3PO4) dependem do pH, sendo a mais comum na faixa usual de pH o HPO42-. Os polifosfatos são moléculas mais complexas com dois ou mais átomos de fósforo. Fósforo Origem Natural: dissolução de compostos do solo, decomposição da MO e fósforo de composição celular de microrganismos. Origem Antrópica: Despejos domésticos, industriais, detergentes, excrementos animais e fertilizantes Importância: (a) Não apresenta problemas de ordem sanitária nas águas abastecimento; (b) Seu excesso pode conduzir a um crescimento exagerado de microrganismos (eutrofização); 46
  • 47. Características Água Parâmetros Químicos Utilização mais frequente: Caracterização de águas de abastecimento brutas e tratadas de águas residuárias brutas e tratadas e de corpos d’água Unidade: mg/L Interpretação dos Resultados: Fósforo Em termos de tratamento e abastecimento público de água: - Ver padrão de potabilidade (= 10 mg/L nitrato e 1 mg/L nitrito) Em termos de tratamento de águas residuárias - É necessário um adequado balanço C:N:P no esgoto para o desenvolvimento dos microrganismos (cerca de 100:5:1 em termos de DBO:N:P) - Ver padrão de lançamento (amônia) Em termos dos corpos d’água - Ver padrão dos corpos d’água (amônia, nitrito, nitrato e, em certas condições nitrogênio total) 47
  • 48. Características Água Eutrofização 48
  • 49. Características Água Parâmetros Químicos Cite exemplos de aplicação do pH em ETAs, ETEs e em lago Questões Propostas eutrofizado ? Pode uma água natural conter acidez e alcalinidade ao mesmo tempo ? Qual a principal forma em que a dureza pode ser introduzida nas águas naturais? Quais as principais fontes de nitrogênio nas águas naturais? Por que tratar esgotos sanitários pode ser insuficiente para controlar a eutrofização de determinada água natural? 49
  • 50. Características Água Parâmetros Químicos Conceito: O O2 dissolvido (OD) é de essencial importância para os organismos aeróbios (que vivem na presença de O2). Durante a Oxigênio Dissolvido estabilização da MO, as bactérias fazem uso do O2 nos processos respiratórios, podendo vir a causar uma redução da sua concentração no meio. Dependendo da magnitude deste fenômeno, podem vir a morrer diversos seres aquáticos, inclusive os peixes. Caso o O2 seja totalmente consumido, tem-se as condições anaeróbias (ausência de O2), com possível geração de maus odores. Origem Natural: dissolução do oxigênio atmosférico e produção pelos organismos fotossintéticos. Origem Antrópica: Introdução pela aeração artificial e produção de organismos fotossintetizantes (eutrofização) Importância: (a) O O2 dissolvido é vital para os seres aquáticos aeróbicos; (b) O O2 dissolvido é o principal parâmetro de caracterização dos efeitos da poluição das águas por despejos orgânicos; 50
  • 51. Características Água Parâmetros Químicos Utilização mais frequente: Controle operacional de estações de tratamento de esgoto e caracterização de corpos d’água. Oxigênio Dissolvido Unidade: mg/L Interpretação dos Resultados: Em termos de tratamento de águas residuárias: - É necessário um teor mínimo de OD (>1 mg/L) nos reatores dos sistemas aeróbios Em termos dos corpos d’água - A solubilidade do OD varia com a altitude e a temperatura. Nível do mar a 20º C a conc. de saturação = 9,2 mg/L - Valores OD >> à saturação: são indicativos da presença de algas (fotossíntese, com geração de oxigênio puro); - Valores OD << à saturação: são indicativos da presença de MO (esgoto) - Com OD em torno de 4-5 mg/L morrem os peixes mais exigentes; com OD = 2 mg/L praticamente todos estão mortos, com OD = 0 mg/L (condição anaeróbica) 51
  • 52. Características Água Parâmetros Químicos Conceito: A matéria orgânica presente nos corpos d’água e nos esgotos é uma característica de primordial importância, sendo a causadora do principal problema de poluição das águas: o consumo de OD pelos Matéria Orgânica microrganismos nos seus processos metabólicos de utilização e estabilização da MO. Os principais componentes orgânicos são as proteínas, os carboidratos, a gordura e os óleos, além da uréia, surfactantes, fenóis, pesticidas e outros em menor quantidade. A matéria carbonácea (carbono orgânico) divide-se em: (a) não biodegradável (em suspensão e dissolvida) e (b) biodegradável (em suspensão e dissolvida). Normalmente utiliza-se métodos indiretos para quantificação da MO ou do seu potencial poluidor, visto que seria muito complexo a determinação de cada um dos seus componentes. Existem duas principais categorias: (a) Medição do consumo de oxigênio (Demanda Bioquímica de Oxigênio – DBO; Demanda Química de Oxigênio – DQO e (b) Medição do Carbono Orgânico (Carbono Orgânico Total – COT). A DBO e a DQO são parâmetros tradicionalmente mais utilizados. Origem Natural: MO vegetal e animal e microrganismos Origem Antrópica: Despejos domésticos e industrias 52
  • 53. Características Água Parâmetros Químicos Os parâmetros, Demanda Bioquímica de Oxigênio – DBO e Demanda Química de Oxigênio – DQO expressam a presença da matéria orgânica. Matéria Orgânica Ambos indicam a magnitude do consumo de oxigênio (em mg/L) pelas bactérias na estabilização da matéria orgânica A determinação da DBO, realiza-se a partir da diferença na concentração de OD em amostra de água em um período de 5 dias e temperatura de 20º C (DBO5) A DQO é obtida por titulação química e o resultado sai em menos de 3 h, sendo utilizado como parâmetro no monitoramento de estação de tratamento de esgoto Se uma amostra de água apresentar DBO de 10 mg/L significa que serão necessárias 10 mg de OD para estabilizar a MO biodegradável contida em 1 litro de amostra, em um período de 5 dias a 20º C 53
  • 54. Características Água Parâmetros Químicos Utilização mais frequente: Controle de águas residuárias brutas e tratadas e caracterização de corpos d’água. Matéria Orgânica Unidade: mg/L Interpretação dos Resultados: Em termos de tratamento de águas residuárias: - A DBO dos esgotos domésticos esta em torno de 300 mg/L e DQO 600 mg/L - A DBO e DQO dos esgotos industriais variam amplamente, com o tipo de processo industrial - A DBO e DQO efluente do tratamento são função do nível e do processo de tratamento Em termos dos corpos d’água: - Ver padrão de Corpos d’água; Importância: A DBO e DQO retratam, de forma indireta, o teor de MO nos esgotos ou no corpo d’água, sendo, portanto uma indicação do potencial de consumo do OD 54
  • 55. Características Água Parâmetros Químicos Conceito: Uma grande parte são tóxicos, em destaque os metais. Ex.: arsênio, cádmio, cromo, chumbo, mercúrio e prata. Os não metais: cianetos, flúor e outros. Micro inorgânicos Origem Natural: A origem natural é de menor importância Origem Antrópica: Despejos industriais, mineradoras, garimpo e agricultura. Importância: (a) Alguns elementos e compostos, em baixas concentrações, são nutrientes para seres vivos; (b) Vários nutrientes e compostos, em determinadas concentrações, são tóxicos para os habitantes dos ambientes aquáticos, para os consumidores da água e para os microrganismos responsáveis pelo tratamento biológico dos esgotos; 55
  • 56. Características Água Parâmetros Químicos Utilização mais frequente: Caracterização de águas de abastecimento brutas e tratadas, caracterização de águas residuárias brutas e tratadas e Micro inorgânicos caracterização de corpos d’água. Unidade: µg/L ou mg/L Interpretação dos Resultados: Em termos de tratamento e abastecimento público de água: - Ver padrão de Potabilidade (vários compostos – consultar tabelas) Em termos de tratamento de águas residuárias: - Em determinadas concentrações, podem causar inibição no tratamento biológico de esgotos; - Ver padrão de Lançamento; Em termos dos corpos d’água - Ver padrão de Corpos d’Água 56
  • 57. Características Água Parâmetros Químicos Conceito: Alguns compostos orgânicos são resistentes à degradação biológica, não integrando os ciclos biogeoquímicos, e acumulando-se em determinado ponto do ciclo (interrompido). Entre estes, destacam-se os Micro Orgânicos defensivos agrícolas, alguns tipos de detergentes (ABS, com estrutura molecular fechada) e um grande número de produtos químicos. Uma grande parte desses compostos, mesmo em reduzidas concentrações, está associada a problemas de toxicidade. Origem Natural: vegetais com madeira (tanino, lignina, celulose, fenóis) Origem Antrópica: Despejos industriais, detergentes, processamento e refino de petróleo e defensivos agriculturas. Importância: (a) Os compostos orgânicos incluídos nesta categoria não são biodegradáveis; (b) Vários compostos, em determinadas concentrações, são tóxicos para os habitantes dos ambientes aquáticos, para os consumidores da água e para os microrganismos responsáveis pelo tratamento biológico dos esgotos; 57
  • 58. Características Água Parâmetros Químicos Utilização mais frequente: Caracterização de águas de abastecimento brutas e tratadas, caracterização de águas residuárias brutas e tratadas e caracterização de corpos d’água. Micro Orgânicos Unidade: µg/L ou mg/L Interpretação dos Resultados: Em termos de tratamento e abastecimento público de água: - Ver padrão de Potabilidade (vários compostos – consultar tabelas) Em termos de tratamento de águas residuárias: - Ver padrão de Lançamento Em termos dos corpos d’água - Ver padrão de Corpos d’Água 58
  • 59. Características Água Parâmetros Biológicos Entre os organismos que podem ser encontrados na água:  Microorganismos patogênicos o São introduzidos na água junto com a matéria fecal de esgotos sanitários. Podem ser de vários tipos: bactérias, vírus, protozoários e vermes. o Possuem sobrevivência limitada no meio o Sua existência é mostrada através de indicadores da presença de matéria fecal no líquido o As bactérias usadas como indicadores de poluição da água por matéria fecal são os coliformes 59
  • 60. Características Água Parâmetros Biológicos  Coliformes Totais  Coliformes Fecais (Termotolerantes)  Escherichia coli - constituí na espécie dominante de coliformes fecais .  Streptococos fecais - Streptococos faecalis - homem; Streptococos bovis - gado bovino; Streptococos equinus - equinos  Testes de Biotoxidade  Comunidade Fitoplanctônica  Algas tóxicas e cianotoxinas 60
  • 61. Características Água Parâmetros Biológicos Coliformes Totais e Fecais  Colifomes Totais - grande grupo de bactérias encontradas em vários ambientes, poluídos e não poluídos;  Coliformes Fecais - Bactérias indicadoras de resíduo do trato intestinal humano e de outros animais endotermos;
  • 62. Características Água Parâmetros Biológicos E. Coli e Estreptococos fecais  Escherichia coli - constituí na espécie dominante de coliformes fecais.  Estreptococos fecais - Várias espécies ou variedades de estreptococos. Habitam o intestino de seres humanos e outros animais.  Ex: Streptococos faecalis - homem; Streptococos bovis - gado bovino; Streptococos equinus - equinos
  • 63. Características Água Parâmetros Biológicos Microrganismos Presentes nos Esgotos Domésticos Brutos Microrganismos Contribuição per Concentração capita (org/hab.dia) (org/100mL) Bactérias totais 1012 – 1013 109 – 1010 Coliformes totais 109 – 1012 106 – 109 Coliformes fecais 108 – 1011 105 – 108 Estreptococos fecais 108 – 109 105 – 106 Cistos de protozoários < 106 < 103 Ovos de helmintos < 106 < 103 Vírus 105 – 107 102 – 104 Fonte: Arceivalla (1981).
  • 64. Características Água Parâmetros Biológicos Portaria MS 518/2004 Padrão microbiológico de potabilidade da água para consumo humano 64
  • 65. Onde Estudar a Aula de Hoje Nos Livros • Von Sperling, Marcos – Introdução a Qualidade das Águas – Editora UFMG 3ª. Ed ( Cap. 1 – Noções de Qualidade das Águas) • Telles D’Alkimin, Dirceu – Reúso da Água – Ed. Blucher (Cap. 3 – Qualidade da água) • Passos, Roque - Qualidade das Águas e Poluição: Aspectos Físico-Químicos - ABES
  • 66. Na Próxima Aula Veremos ... Tratamento de Água  Requisitos de Qualidade da Água  IQA – como se calcula ?  Composição do Esgoto  Características dos Efluentes  IQE – como se calcula ?  Poluição das Águas  Quantificação das Águas Poluidoras
  • 67. Contato 67