SlideShare uma empresa Scribd logo
QUESTIONÁRIO
1- Quais as relações do complexo multifuncional com a CIDADE (todo, bairros,
entorno)? Levando em conta as características desta cidade.
Esta relação é determinada por:
> localização (central, periférica, etc - existem condições variadas, na complexidade
de uma metrópole),
> R com a distribuição das principais funções da cidade (perfil econômico; comércio,
indústria, turismo),
> R com a paisagem que a caracteriza (geomorfologia: relevo, hidrografia,
vegetação),
> R com o sistema viário (avenidas, rodovias, ferrovias, hidrovias).
O complexo multifuncional surge como solução para o desenvolvimento e
reestruturação de áreas, referente aos usos, fluxos, vias e a paisagem urbana, onde
possa atender as mais variadas demandas existentes na área num só lugar,
integrando-se a um espaço que já conta com públicos específicos estudados através
das análises em grandes escalas (macro), em intermediárias e com o entorno da área
de implantação, sempre ressaltando informações referentes às características que
possam influenciar nas escolhas de projeto e mantendo a identidade própria do local.
Os estudos de caso proporcionaram um entendimento referente à utilização
destas informações como soluções de viabilização da concepção projetual e mantendo
uma relação de apoio com a cidade, trazendo novos usos e versatilidade à área de
implantação.
As áreas escolhidas nos estudos são caracterizadas por serem
próximas aos grandes centros comerciais e eixos de transporte e
circulação de usuários, sendo necessária uma análise referente ao
impacto que as novas construções resultariam com a paisagem do
entorno e se os eixos comportariam essa nova demanda (podendo
haver uma reestruturação dos mesmos).
A fim de entender a região central da Vila Madalena - zona
oeste de São Paulo – para melhor implantar o complexo multifuncional
é imprescindível analisar o seu espaço urbano periférico que nos da
grande opção de mobilidade. Entre massas
residenciais, porém, próxima a áreas de serviços e comércio essa
região abrange o 'espigão' do Rio Tietê e Rio Pinheiros, juntamente a
suas Marginais, onde temos acesso rápido à Av. Paulista, Cidade
Universitária e a vias, metrô e ônibus.
Na proposta geral, apontamos para uma reorganização urbana
local no processo e intenção de atingir a escala da região, que no
espaço urbano periférico, requer também abordagens mais
complexas, mas na intenção de entendê-lo quanto às mudanças que
irão ocorrer na área central.
2- Como as FUNÇÕES do complexo (terminal intermodal de
transportes, habitação, comércio e serviços) se distribuem pela FORMA QUE
CARACTERIZA OS PROJETOS ESTUDADOS (níveis, pavimentos e setores em planta)
diante das características do TERRENO?
As funções dos complexos se caracterizam por serem localizados em
pavimentos tipo, havendo uma diversidade de funções em cada andar ou sendo
divididos pelos mesmos. Os usos referentes aos transportes são integrados entre si e
possuem comércios de apoio. Alguns estudos priorizam as áreas de
transporte, acessos e fluxos e possuem usos diversificados em cada pavimento, outro
trabalha mais com a habitação bem distinta dos comércios.
3 - Como se dá a CIRCULAÇÃO DOS DIFERENTES MODAIS (pedestre, bicicleta,
automóvel - privativo, táxi -, ônibus, metrô) e em sua relação com o pedestre
LIGANDO OS DIVERSOS SETORES FUNCIONAIS (terminal intermodal de transportes,
habitação, comércio e serviços) do complexo edificado, seus espaços livres e acessos
desde o entorno urbano? Como se resolvem os cruzamentos inconvenientes nesta
circulação?
As circulações verticais que conectam os setores/pavimentos ocorrem por
escadas, escada rolante e elevadores para os usuários, os transportes necessitaram de
uma remodelação dos eixos de carros, ônibus, táxis, bicicletas, bondes para comportar
as novas utilizações e aumento de demandas. Cada transporte tem seu próprio
terminal e circulação própria, evitando assim um cruzamento entre eles.
4- Como as SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS (estrutura, vedação,
cobertura, instalações prediais) se relacionam com a forma e
caracterizam o projeto? (exemplo, cúpulas na cobertura...)
As soluções construtivas são utilizadas como subtrações e
adições de espaços, focando na procura de uma integração com o
entorno, onde as intervenções feitas buscam promover uma maior
amplitude visual, que organize e crie uma integração com todos os
espaços, visando configurar uma oportuna zona de transição entre o
exterior e o interior que não dificulte os deslocamentos e a interação
dos usuários com o complexo. As concepções projetuais utilizam de
grandes vãos e aberturas para criar espaços amplos, materiais leves
como aço e vidro ou concreto aparente como fechamento, sempre
trabalhando com a cor natural dos materiais ou com cores claras. As
coberturas na área dos transportes trabalham de forma convencional
(lajes) ou com coberturas de estruturas metálicas, uma grande
utilização do vidro e aberturas para proporcionar uma integração
visual com o exterior e uso da iluminação e ventilação natural.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Henrique cabrita, 8ºe
Henrique cabrita, 8ºeHenrique cabrita, 8ºe
Henrique cabrita, 8ºe
Mayjö .
 
Mobilidade e acessibilidade - 13/09/2012
Mobilidade e acessibilidade - 13/09/2012Mobilidade e acessibilidade - 13/09/2012
Mobilidade e acessibilidade - 13/09/2012
Secretaria Planejamento SC
 
1º check paper estradas 1
1º check paper estradas 11º check paper estradas 1
1º check paper estradas 1
Márcia Kerlly
 
Plano de Ciclovias da CET - Jardim Brasil - Tucuruvi - Vila Medeiros
Plano de Ciclovias da CET - Jardim Brasil - Tucuruvi - Vila MedeirosPlano de Ciclovias da CET - Jardim Brasil - Tucuruvi - Vila Medeiros
Plano de Ciclovias da CET - Jardim Brasil - Tucuruvi - Vila Medeiros
Chico Macena
 
2º check do paper estradas i
2º check do paper   estradas i2º check do paper   estradas i
2º check do paper estradas i
Márcia Kerlly
 
Trabalho: viaduto st. tereza
Trabalho: viaduto st. terezaTrabalho: viaduto st. tereza
Trabalho: viaduto st. tereza
Octavio Mendes
 
Emdec/plano viario 24/1/18
Emdec/plano viario 24/1/18Emdec/plano viario 24/1/18
Emdec/plano viario 24/1/18
resgate cambui ong
 
Projeto estacoes Corredor Inter 2 Curitiba
Projeto estacoes Corredor Inter 2 CuritibaProjeto estacoes Corredor Inter 2 Curitiba
Projeto estacoes Corredor Inter 2 Curitiba
Roberta Soares
 
420 06 sistema-viario_urbano
420 06 sistema-viario_urbano420 06 sistema-viario_urbano
420 06 sistema-viario_urbano
Karla Denise Fernandes
 
D ac arq_urb_tema_2osem2016 pdf
D ac arq_urb_tema_2osem2016 pdfD ac arq_urb_tema_2osem2016 pdf
D ac arq_urb_tema_2osem2016 pdf
cgtsfumec
 
Um Processo de Intervenção na Cidade Extensiva: Canidelo, VN de Gaia
Um Processo de Intervenção na Cidade Extensiva: Canidelo, VN de GaiaUm Processo de Intervenção na Cidade Extensiva: Canidelo, VN de Gaia
Um Processo de Intervenção na Cidade Extensiva: Canidelo, VN de Gaia
Patrícia Strecht
 
(Power shrink) tgi i - caderno de memórias
(Power shrink)   tgi i - caderno de memórias(Power shrink)   tgi i - caderno de memórias
(Power shrink) tgi i - caderno de memórias
wendliz
 
Oportunidades de Intervenção na Cidade Extensiva
Oportunidades de Intervenção na Cidade ExtensivaOportunidades de Intervenção na Cidade Extensiva
Oportunidades de Intervenção na Cidade Extensiva
Patrícia Strecht
 
A OrganizaçãO Das áReas Urbanas
A OrganizaçãO Das áReas UrbanasA OrganizaçãO Das áReas Urbanas
A OrganizaçãO Das áReas Urbanas
Maria Adelaide
 
Morfologia Urbana
Morfologia UrbanaMorfologia Urbana
Morfologia Urbana
Maria Adelaide
 
Avenida da Universidade - Aveiro
Avenida da Universidade - AveiroAvenida da Universidade - Aveiro
Avenida da Universidade - Aveiro
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Um projeto urbano para a Zona Sul carioca
Um projeto urbano para a Zona Sul cariocaUm projeto urbano para a Zona Sul carioca
Um projeto urbano para a Zona Sul carioca
Instituto_Arquitetos
 
Fluid landscapes tirana station
Fluid landscapes tirana stationFluid landscapes tirana station
Fluid landscapes tirana station
proarq
 
Plano de Ciclovias da CET - Grajau - PArque Cocaia - Rota Marcia Prado
Plano de Ciclovias da CET - Grajau - PArque Cocaia - Rota Marcia PradoPlano de Ciclovias da CET - Grajau - PArque Cocaia - Rota Marcia Prado
Plano de Ciclovias da CET - Grajau - PArque Cocaia - Rota Marcia Prado
Chico Macena
 
Urbanidade e clima na configuração de uma paisagem cultural
Urbanidade e clima na configuração de uma paisagem culturalUrbanidade e clima na configuração de uma paisagem cultural
Urbanidade e clima na configuração de uma paisagem cultural
Silvia Tavares
 

Mais procurados (20)

Henrique cabrita, 8ºe
Henrique cabrita, 8ºeHenrique cabrita, 8ºe
Henrique cabrita, 8ºe
 
Mobilidade e acessibilidade - 13/09/2012
Mobilidade e acessibilidade - 13/09/2012Mobilidade e acessibilidade - 13/09/2012
Mobilidade e acessibilidade - 13/09/2012
 
1º check paper estradas 1
1º check paper estradas 11º check paper estradas 1
1º check paper estradas 1
 
Plano de Ciclovias da CET - Jardim Brasil - Tucuruvi - Vila Medeiros
Plano de Ciclovias da CET - Jardim Brasil - Tucuruvi - Vila MedeirosPlano de Ciclovias da CET - Jardim Brasil - Tucuruvi - Vila Medeiros
Plano de Ciclovias da CET - Jardim Brasil - Tucuruvi - Vila Medeiros
 
2º check do paper estradas i
2º check do paper   estradas i2º check do paper   estradas i
2º check do paper estradas i
 
Trabalho: viaduto st. tereza
Trabalho: viaduto st. terezaTrabalho: viaduto st. tereza
Trabalho: viaduto st. tereza
 
Emdec/plano viario 24/1/18
Emdec/plano viario 24/1/18Emdec/plano viario 24/1/18
Emdec/plano viario 24/1/18
 
Projeto estacoes Corredor Inter 2 Curitiba
Projeto estacoes Corredor Inter 2 CuritibaProjeto estacoes Corredor Inter 2 Curitiba
Projeto estacoes Corredor Inter 2 Curitiba
 
420 06 sistema-viario_urbano
420 06 sistema-viario_urbano420 06 sistema-viario_urbano
420 06 sistema-viario_urbano
 
D ac arq_urb_tema_2osem2016 pdf
D ac arq_urb_tema_2osem2016 pdfD ac arq_urb_tema_2osem2016 pdf
D ac arq_urb_tema_2osem2016 pdf
 
Um Processo de Intervenção na Cidade Extensiva: Canidelo, VN de Gaia
Um Processo de Intervenção na Cidade Extensiva: Canidelo, VN de GaiaUm Processo de Intervenção na Cidade Extensiva: Canidelo, VN de Gaia
Um Processo de Intervenção na Cidade Extensiva: Canidelo, VN de Gaia
 
(Power shrink) tgi i - caderno de memórias
(Power shrink)   tgi i - caderno de memórias(Power shrink)   tgi i - caderno de memórias
(Power shrink) tgi i - caderno de memórias
 
Oportunidades de Intervenção na Cidade Extensiva
Oportunidades de Intervenção na Cidade ExtensivaOportunidades de Intervenção na Cidade Extensiva
Oportunidades de Intervenção na Cidade Extensiva
 
A OrganizaçãO Das áReas Urbanas
A OrganizaçãO Das áReas UrbanasA OrganizaçãO Das áReas Urbanas
A OrganizaçãO Das áReas Urbanas
 
Morfologia Urbana
Morfologia UrbanaMorfologia Urbana
Morfologia Urbana
 
Avenida da Universidade - Aveiro
Avenida da Universidade - AveiroAvenida da Universidade - Aveiro
Avenida da Universidade - Aveiro
 
Um projeto urbano para a Zona Sul carioca
Um projeto urbano para a Zona Sul cariocaUm projeto urbano para a Zona Sul carioca
Um projeto urbano para a Zona Sul carioca
 
Fluid landscapes tirana station
Fluid landscapes tirana stationFluid landscapes tirana station
Fluid landscapes tirana station
 
Plano de Ciclovias da CET - Grajau - PArque Cocaia - Rota Marcia Prado
Plano de Ciclovias da CET - Grajau - PArque Cocaia - Rota Marcia PradoPlano de Ciclovias da CET - Grajau - PArque Cocaia - Rota Marcia Prado
Plano de Ciclovias da CET - Grajau - PArque Cocaia - Rota Marcia Prado
 
Urbanidade e clima na configuração de uma paisagem cultural
Urbanidade e clima na configuração de uma paisagem culturalUrbanidade e clima na configuração de uma paisagem cultural
Urbanidade e clima na configuração de uma paisagem cultural
 

Destaque

Atividade FAU
Atividade FAUAtividade FAU
Atividade FAU
marysato
 
Estação nova lapa
Estação nova lapaEstação nova lapa
Estação nova lapa
marysato
 
Vila madalena - História
Vila madalena - HistóriaVila madalena - História
Vila madalena - História
marysato
 
Conjunto nacional
Conjunto nacionalConjunto nacional
Conjunto nacional
marysato
 
Flinder street station
Flinder street stationFlinder street station
Flinder street station
marysato
 
Hype vs. Reality: The AI Explainer
Hype vs. Reality: The AI ExplainerHype vs. Reality: The AI Explainer
Hype vs. Reality: The AI Explainer
Luminary Labs
 

Destaque (6)

Atividade FAU
Atividade FAUAtividade FAU
Atividade FAU
 
Estação nova lapa
Estação nova lapaEstação nova lapa
Estação nova lapa
 
Vila madalena - História
Vila madalena - HistóriaVila madalena - História
Vila madalena - História
 
Conjunto nacional
Conjunto nacionalConjunto nacional
Conjunto nacional
 
Flinder street station
Flinder street stationFlinder street station
Flinder street station
 
Hype vs. Reality: The AI Explainer
Hype vs. Reality: The AI ExplainerHype vs. Reality: The AI Explainer
Hype vs. Reality: The AI Explainer
 

Semelhante a Atividade

Aula 06082007
Aula 06082007Aula 06082007
Aula 06082007
Isa Guerreiro
 
Geo Urb 8.pptx
Geo Urb 8.pptxGeo Urb 8.pptx
Geo Urb 8.pptx
vpcsilva
 
Manaus 2014 11 11 09
Manaus 2014 11 11 09Manaus 2014 11 11 09
Manaus 2014 11 11 09
dellamanna
 
Análise da funcionalidade dos Pátios de Manobra e Terminais para a eficiência...
Análise da funcionalidade dos Pátios de Manobra e Terminais para a eficiência...Análise da funcionalidade dos Pátios de Manobra e Terminais para a eficiência...
Análise da funcionalidade dos Pátios de Manobra e Terminais para a eficiência...
Alana Cavalcante
 
Ficha 16
Ficha 16Ficha 16
Ficha 16
manjosp
 
TRANSBAY TRANSITION CENTER + TOWER - RICHARD STIRK HARBOUR + PARTINERS
TRANSBAY TRANSITION CENTER + TOWER - RICHARD STIRK HARBOUR + PARTINERSTRANSBAY TRANSITION CENTER + TOWER - RICHARD STIRK HARBOUR + PARTINERS
TRANSBAY TRANSITION CENTER + TOWER - RICHARD STIRK HARBOUR + PARTINERS
Emily Soares
 
Capítulo 13: As calçadas de pedestres curitiba e madri-semelhanças e diferenças
Capítulo 13: As calçadas de pedestres curitiba e madri-semelhanças e diferençasCapítulo 13: As calçadas de pedestres curitiba e madri-semelhanças e diferenças
Capítulo 13: As calçadas de pedestres curitiba e madri-semelhanças e diferenças
Brasil Não Motorizado
 
Acessibilidades Alcântara, Lisboa_Relatório
Acessibilidades Alcântara, Lisboa_RelatórioAcessibilidades Alcântara, Lisboa_Relatório
Acessibilidades Alcântara, Lisboa_Relatório
Luis Neto
 
The City Central Project (1).pdf
The City Central Project (1).pdfThe City Central Project (1).pdf
The City Central Project (1).pdf
Fernando Ribeiro Venção
 
Aula 12 - Jeferson Tavares
Aula 12 - Jeferson TavaresAula 12 - Jeferson Tavares
Aula 12 - Jeferson Tavares
Habitação e Cidade
 
Geo Urb 1.pptx
Geo Urb 1.pptxGeo Urb 1.pptx
Geo Urb 1.pptx
vpcsilva
 
Projeto tcc rev00
Projeto tcc   rev00Projeto tcc   rev00
Projeto tcc rev00
Cesar Braz
 
Identificação Tipo Morfológica de uma Zona e Avaliação da Tipologia e Edifica...
Identificação Tipo Morfológica de uma Zona e Avaliação da Tipologia e Edifica...Identificação Tipo Morfológica de uma Zona e Avaliação da Tipologia e Edifica...
Identificação Tipo Morfológica de uma Zona e Avaliação da Tipologia e Edifica...
Luis Neto
 
Sustentabilidade e Dinâmica Urbana nos processos de Regeneração
Sustentabilidade e Dinâmica Urbana nos processos de RegeneraçãoSustentabilidade e Dinâmica Urbana nos processos de Regeneração
Sustentabilidade e Dinâmica Urbana nos processos de Regeneração
Dário Vieira
 
Apresentação - Análise e modelos de localização de atividades econômica...
Apresentação - Análise e modelos de localização de atividades econômica...Apresentação - Análise e modelos de localização de atividades econômica...
Apresentação - Análise e modelos de localização de atividades econômica...
edudebastiani
 
Trabalho de urbanismo 3 unidade
Trabalho de urbanismo 3 unidadeTrabalho de urbanismo 3 unidade
Trabalho de urbanismo 3 unidade
marcuspvini
 
Trabalho de urbanismo II
Trabalho de urbanismo II Trabalho de urbanismo II
Trabalho de urbanismo II
marcuspvini
 
Aula1 forma arq_gis
Aula1 forma arq_gisAula1 forma arq_gis
Aula1 forma arq_gis
Lucy Donegan
 
Design
DesignDesign
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
713773
 

Semelhante a Atividade (20)

Aula 06082007
Aula 06082007Aula 06082007
Aula 06082007
 
Geo Urb 8.pptx
Geo Urb 8.pptxGeo Urb 8.pptx
Geo Urb 8.pptx
 
Manaus 2014 11 11 09
Manaus 2014 11 11 09Manaus 2014 11 11 09
Manaus 2014 11 11 09
 
Análise da funcionalidade dos Pátios de Manobra e Terminais para a eficiência...
Análise da funcionalidade dos Pátios de Manobra e Terminais para a eficiência...Análise da funcionalidade dos Pátios de Manobra e Terminais para a eficiência...
Análise da funcionalidade dos Pátios de Manobra e Terminais para a eficiência...
 
Ficha 16
Ficha 16Ficha 16
Ficha 16
 
TRANSBAY TRANSITION CENTER + TOWER - RICHARD STIRK HARBOUR + PARTINERS
TRANSBAY TRANSITION CENTER + TOWER - RICHARD STIRK HARBOUR + PARTINERSTRANSBAY TRANSITION CENTER + TOWER - RICHARD STIRK HARBOUR + PARTINERS
TRANSBAY TRANSITION CENTER + TOWER - RICHARD STIRK HARBOUR + PARTINERS
 
Capítulo 13: As calçadas de pedestres curitiba e madri-semelhanças e diferenças
Capítulo 13: As calçadas de pedestres curitiba e madri-semelhanças e diferençasCapítulo 13: As calçadas de pedestres curitiba e madri-semelhanças e diferenças
Capítulo 13: As calçadas de pedestres curitiba e madri-semelhanças e diferenças
 
Acessibilidades Alcântara, Lisboa_Relatório
Acessibilidades Alcântara, Lisboa_RelatórioAcessibilidades Alcântara, Lisboa_Relatório
Acessibilidades Alcântara, Lisboa_Relatório
 
The City Central Project (1).pdf
The City Central Project (1).pdfThe City Central Project (1).pdf
The City Central Project (1).pdf
 
Aula 12 - Jeferson Tavares
Aula 12 - Jeferson TavaresAula 12 - Jeferson Tavares
Aula 12 - Jeferson Tavares
 
Geo Urb 1.pptx
Geo Urb 1.pptxGeo Urb 1.pptx
Geo Urb 1.pptx
 
Projeto tcc rev00
Projeto tcc   rev00Projeto tcc   rev00
Projeto tcc rev00
 
Identificação Tipo Morfológica de uma Zona e Avaliação da Tipologia e Edifica...
Identificação Tipo Morfológica de uma Zona e Avaliação da Tipologia e Edifica...Identificação Tipo Morfológica de uma Zona e Avaliação da Tipologia e Edifica...
Identificação Tipo Morfológica de uma Zona e Avaliação da Tipologia e Edifica...
 
Sustentabilidade e Dinâmica Urbana nos processos de Regeneração
Sustentabilidade e Dinâmica Urbana nos processos de RegeneraçãoSustentabilidade e Dinâmica Urbana nos processos de Regeneração
Sustentabilidade e Dinâmica Urbana nos processos de Regeneração
 
Apresentação - Análise e modelos de localização de atividades econômica...
Apresentação - Análise e modelos de localização de atividades econômica...Apresentação - Análise e modelos de localização de atividades econômica...
Apresentação - Análise e modelos de localização de atividades econômica...
 
Trabalho de urbanismo 3 unidade
Trabalho de urbanismo 3 unidadeTrabalho de urbanismo 3 unidade
Trabalho de urbanismo 3 unidade
 
Trabalho de urbanismo II
Trabalho de urbanismo II Trabalho de urbanismo II
Trabalho de urbanismo II
 
Aula1 forma arq_gis
Aula1 forma arq_gisAula1 forma arq_gis
Aula1 forma arq_gis
 
Design
DesignDesign
Design
 
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
 

Último

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 

Último (20)

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 

Atividade

  • 2. 1- Quais as relações do complexo multifuncional com a CIDADE (todo, bairros, entorno)? Levando em conta as características desta cidade. Esta relação é determinada por: > localização (central, periférica, etc - existem condições variadas, na complexidade de uma metrópole), > R com a distribuição das principais funções da cidade (perfil econômico; comércio, indústria, turismo), > R com a paisagem que a caracteriza (geomorfologia: relevo, hidrografia, vegetação), > R com o sistema viário (avenidas, rodovias, ferrovias, hidrovias). O complexo multifuncional surge como solução para o desenvolvimento e reestruturação de áreas, referente aos usos, fluxos, vias e a paisagem urbana, onde possa atender as mais variadas demandas existentes na área num só lugar, integrando-se a um espaço que já conta com públicos específicos estudados através das análises em grandes escalas (macro), em intermediárias e com o entorno da área de implantação, sempre ressaltando informações referentes às características que possam influenciar nas escolhas de projeto e mantendo a identidade própria do local. Os estudos de caso proporcionaram um entendimento referente à utilização destas informações como soluções de viabilização da concepção projetual e mantendo uma relação de apoio com a cidade, trazendo novos usos e versatilidade à área de implantação.
  • 3. As áreas escolhidas nos estudos são caracterizadas por serem próximas aos grandes centros comerciais e eixos de transporte e circulação de usuários, sendo necessária uma análise referente ao impacto que as novas construções resultariam com a paisagem do entorno e se os eixos comportariam essa nova demanda (podendo haver uma reestruturação dos mesmos). A fim de entender a região central da Vila Madalena - zona oeste de São Paulo – para melhor implantar o complexo multifuncional é imprescindível analisar o seu espaço urbano periférico que nos da grande opção de mobilidade. Entre massas residenciais, porém, próxima a áreas de serviços e comércio essa região abrange o 'espigão' do Rio Tietê e Rio Pinheiros, juntamente a suas Marginais, onde temos acesso rápido à Av. Paulista, Cidade Universitária e a vias, metrô e ônibus. Na proposta geral, apontamos para uma reorganização urbana local no processo e intenção de atingir a escala da região, que no espaço urbano periférico, requer também abordagens mais complexas, mas na intenção de entendê-lo quanto às mudanças que irão ocorrer na área central.
  • 4. 2- Como as FUNÇÕES do complexo (terminal intermodal de transportes, habitação, comércio e serviços) se distribuem pela FORMA QUE CARACTERIZA OS PROJETOS ESTUDADOS (níveis, pavimentos e setores em planta) diante das características do TERRENO? As funções dos complexos se caracterizam por serem localizados em pavimentos tipo, havendo uma diversidade de funções em cada andar ou sendo divididos pelos mesmos. Os usos referentes aos transportes são integrados entre si e possuem comércios de apoio. Alguns estudos priorizam as áreas de transporte, acessos e fluxos e possuem usos diversificados em cada pavimento, outro trabalha mais com a habitação bem distinta dos comércios.
  • 5. 3 - Como se dá a CIRCULAÇÃO DOS DIFERENTES MODAIS (pedestre, bicicleta, automóvel - privativo, táxi -, ônibus, metrô) e em sua relação com o pedestre LIGANDO OS DIVERSOS SETORES FUNCIONAIS (terminal intermodal de transportes, habitação, comércio e serviços) do complexo edificado, seus espaços livres e acessos desde o entorno urbano? Como se resolvem os cruzamentos inconvenientes nesta circulação? As circulações verticais que conectam os setores/pavimentos ocorrem por escadas, escada rolante e elevadores para os usuários, os transportes necessitaram de uma remodelação dos eixos de carros, ônibus, táxis, bicicletas, bondes para comportar as novas utilizações e aumento de demandas. Cada transporte tem seu próprio terminal e circulação própria, evitando assim um cruzamento entre eles.
  • 6. 4- Como as SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS (estrutura, vedação, cobertura, instalações prediais) se relacionam com a forma e caracterizam o projeto? (exemplo, cúpulas na cobertura...) As soluções construtivas são utilizadas como subtrações e adições de espaços, focando na procura de uma integração com o entorno, onde as intervenções feitas buscam promover uma maior amplitude visual, que organize e crie uma integração com todos os espaços, visando configurar uma oportuna zona de transição entre o exterior e o interior que não dificulte os deslocamentos e a interação dos usuários com o complexo. As concepções projetuais utilizam de grandes vãos e aberturas para criar espaços amplos, materiais leves como aço e vidro ou concreto aparente como fechamento, sempre trabalhando com a cor natural dos materiais ou com cores claras. As coberturas na área dos transportes trabalham de forma convencional (lajes) ou com coberturas de estruturas metálicas, uma grande utilização do vidro e aberturas para proporcionar uma integração visual com o exterior e uso da iluminação e ventilação natural.