SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO
CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE CAXIAS
DISCIPLINA: PARASITOLOGIA
CURSO: ENFERMAGEM
PROFESSORA: ARLETE
Ascaris lumbricoides
ANDRESSA COSTA
BEATRIZ AGUIAR
FERNANDA MARIA
LAIANE MORORÓ
WELLEN ASSIS
WYLLMA SANTOS
CAXIAS-MA
2015
Ascaris lumbricoides (lombriga ou bicha)
Reino: Animalia
Filo: Nematodea
Classe: Secernentea
Ordem: Ascaridida
Família: Ascarididae
Género: Ascaris
Espécie: Ascaris lumbricoides
FÊMEA:
 30 a 40 cm de comprimento, por três a seis mm
de diâmetro;
 Apresenta 2 ovários, úteros, vagina e vulva;
 Apresenta extremidade posterior quase reta.
MACHO:
 Um pouco menor e menos espesso;
 Mede de 20 a 30 cm por 4 mm de diâmetro;
 Apresenta a extremidade enrolada ventralmente.
MORFOLOGIA
OVOS:
 Os ovos férteis são ovais ou quase esféricos e medem em torno de 60 x
45 μm (A).
 No solo, embrionam em 2 semanas (entre 20 e 30ºC) e se tornam
infectantes dentro de outra semana (B).
 Quando isoladas ou mais numerosas que os machos, as fêmeas podem
por ovos inférteis, mais alongados ;
 (C), que não embrionam.
HABITAT
 Intestino delgado do homem, principalmente jejuno e ílio;
 Podem ficar presos à mucosa, com o auxilio dos lábios ou
migrar pela luz intestinal.
CICLO BIOLÓGICO
TRANSMISSÃO
 Ingestão de água e alimentos contaminados com ovos de
áscaris;
 Poeira e insetos, veiculam ovos.
PATOGENIA
LARVAS:
 Em infecções maciças encontraremos lesões hepáticas e pulmonares;
 No fígado quando são encontradas numerosas formas larvares
migrando pelo parênquima, podem ser vistos pequenos focos
hemorrágicos e de necrose que futuramente tornam-se fibrosados;
 Nos pulmões ocorrem vários pontos hemorrágicos na passagem das
larvas para os alvéolos.
VERMES ADULTOS:
 Ação espoliativa;
 Ação tóxica;
 Ação mecânica;
 Localização ectópica.
LOCALIZAÇÕES ECTÓPICAS
 Não é rara a eliminação de um áscaris pela
boca ou pelo nariz, quando o parasitismo é
intenso ou quando os vermes são irritados
por certos alimentos, drogas ou, mesmo,
anti-helmínticos.
COMPLICAÇÕES NA FASE CRÔNICA
 Obstrução intestinal por
um bolo de áscaris;
COMPLICAÇÕES NA FASE CRÔNICA
DIAGNÓSTICO
Clínico:
 Difícil de ser feito.
Laboratorial:
 Parasitológico de fezes
Métodos:
 Stoll;
 Kato-Katz;
 Imunológicos.
TRATAMENTO
 Albendazol 400 mg em dose única.
 Mebendazol 100 mg, 2 vezes ao dia, durante 3 dias
consecutivos.
 Levamisol, 150 mg, em dose única.
No caso de obstrução intestinal pelo áscaris, as drogas indicadas
são a Piperazina, 50 a 100 mg/kg/dia + óleo mineral, 40 a 60
ml/dia por 2 dias.
EPIDEMIOLOGIA
 Disseminada em países tropicais e temperados,
com clima quente e úmido;
 20 mil óbitos por ano;
 17° lugar como causa infecciosa de morte;
 Interferência de fatores econômicos, sociais e culturais;
FATORES QUE INTERFEREM NA ALTA PREVALÊNCIA:
 Grande produção de ovo-200.000/dia;
 Viabilidade dos ovos infectantes-até um ano;
 Vetores mecânicos;
 Temperatura média anual aumentada.
PROFILAXIA
 Controle da transmissão dos ovos do parasita;
 Medidas de higiene pessoal;
 Educação sanitária;
 Melhorias das condições de saneamento;
 Tratamento adequados dos doentes.
“A prevenção é a melhor saúde.”
Danilo Felix

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula n° 7 helmintos
Aula n° 7   helmintosAula n° 7   helmintos
Aula n° 7 helmintos
Gildo Crispim
 
Ascaridíase
Ascaridíase Ascaridíase
Ascaridíase
Thiara Cerqueira
 
Ancilostomose
AncilostomoseAncilostomose
Ancilostomose
crishmuler
 
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPTTrichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Guellity Marcel
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
Caroline Landim
 
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8   Schistosoma Mansoni 2007 OkAula 8   Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
ITPAC PORTO
 
Schistosoma mansoni e esquistossomíase
Schistosoma mansoni e esquistossomíaseSchistosoma mansoni e esquistossomíase
Schistosoma mansoni e esquistossomíase
Thúlio Bezerra
 
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
Danillo Rodrigues
 
Aula helmintos 3 - Ascaridíase.pdf
Aula helmintos 3 - Ascaridíase.pdfAula helmintos 3 - Ascaridíase.pdf
Aula helmintos 3 - Ascaridíase.pdf
MarcelaGonalves43
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
naiellyrodrigues
 
5 filariose ou elefant%e dase
5 filariose ou elefant%e dase5 filariose ou elefant%e dase
5 filariose ou elefant%e dase
Fabíola Artemis
 
Ascaridase
Ascaridase Ascaridase
Ascaridase
Jéssica Angelo
 
Ascaridíase
AscaridíaseAscaridíase
Ascaridíase
3a2011
 
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Jaqueline Almeida
 
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosAscaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
ITPAC PORTO
 
Esquistossomose
Esquistossomose Esquistossomose
Esquistossomose
Juliana Pimenta
 
Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)
Brendha Soares
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
Ágatha Mayara
 
Seminário métodos e técnicas do ensino
Seminário  métodos e técnicas do ensinoSeminário  métodos e técnicas do ensino
Seminário métodos e técnicas do ensino
Laíz Coutinho
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmaniose
Gildo Crispim
 

Mais procurados (20)

Aula n° 7 helmintos
Aula n° 7   helmintosAula n° 7   helmintos
Aula n° 7 helmintos
 
Ascaridíase
Ascaridíase Ascaridíase
Ascaridíase
 
Ancilostomose
AncilostomoseAncilostomose
Ancilostomose
 
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPTTrichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPT
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8   Schistosoma Mansoni 2007 OkAula 8   Schistosoma Mansoni 2007 Ok
Aula 8 Schistosoma Mansoni 2007 Ok
 
Schistosoma mansoni e esquistossomíase
Schistosoma mansoni e esquistossomíaseSchistosoma mansoni e esquistossomíase
Schistosoma mansoni e esquistossomíase
 
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
DOENÇA - Ancilostomose (amarelão) - BIOLOGIA
 
Aula helmintos 3 - Ascaridíase.pdf
Aula helmintos 3 - Ascaridíase.pdfAula helmintos 3 - Ascaridíase.pdf
Aula helmintos 3 - Ascaridíase.pdf
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
5 filariose ou elefant%e dase
5 filariose ou elefant%e dase5 filariose ou elefant%e dase
5 filariose ou elefant%e dase
 
Ascaridase
Ascaridase Ascaridase
Ascaridase
 
Ascaridíase
AscaridíaseAscaridíase
Ascaridíase
 
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
 
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosAscaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
 
Esquistossomose
Esquistossomose Esquistossomose
Esquistossomose
 
Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
 
Seminário métodos e técnicas do ensino
Seminário  métodos e técnicas do ensinoSeminário  métodos e técnicas do ensino
Seminário métodos e técnicas do ensino
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmaniose
 

Semelhante a Ascaris lumbricoides

ASCARIS.pdf
ASCARIS.pdfASCARIS.pdf
ASCARIS.pdf
Raquel Souza
 
Controle e biologia dos carrapatos
Controle e biologia dos carrapatosControle e biologia dos carrapatos
Controle e biologia dos carrapatos
flaviahuber59
 
Biologia e controle de carrapatos e ácaros
Biologia e controle de carrapatos e ácarosBiologia e controle de carrapatos e ácaros
Biologia e controle de carrapatos e ácaros
Astral Saúde Ambiental - Líder no controle de pragas
 
Primeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologiaPrimeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologia
Marcel Vieira
 
Ascaridiase lumbricoides - Resumo
Ascaridiase lumbricoides - ResumoAscaridiase lumbricoides - Resumo
Ascaridiase lumbricoides - Resumo
ElderENF
 
Ascaridase 101025162204-phpapp02-140729150042-phpapp01
Ascaridase 101025162204-phpapp02-140729150042-phpapp01Ascaridase 101025162204-phpapp02-140729150042-phpapp01
Ascaridase 101025162204-phpapp02-140729150042-phpapp01
Luciana Duarte
 
Enterobíase
EnterobíaseEnterobíase
Reino protista: protozoarios
Reino protista: protozoariosReino protista: protozoarios
Reino protista: protozoarios
Ernesto Silva
 
Ascaridíase
AscaridíaseAscaridíase
Ascaridíase
Francisca Maria
 
Ascarídeos e enterobíase
Ascarídeos e enterobíaseAscarídeos e enterobíase
Ascarídeos e enterobíase
ARTHUR CALIXTO
 
Atlas de Parasitologia Clínica
Atlas de Parasitologia ClínicaAtlas de Parasitologia Clínica
Atlas de Parasitologia Clínica
railuz07
 
Checkup no plantel
Checkup no plantelCheckup no plantel
Checkup no plantel
Antonio Silva
 
Oxiúros um parasita muito incomodativo
Oxiúros um parasita muito incomodativoOxiúros um parasita muito incomodativo
Oxiúros um parasita muito incomodativo
cristina_ana
 
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinosManejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
Killer Max
 
Apresentação slides andréa (Cruz Vermelha)
Apresentação slides andréa (Cruz Vermelha)Apresentação slides andréa (Cruz Vermelha)
Apresentação slides andréa (Cruz Vermelha)
Andréa Rodrigues
 
Microbiologia
MicrobiologiaMicrobiologia
Microbiologia
João Pedro Rodrigues
 
Apresentação geral
Apresentação geralApresentação geral
Apresentação geral
Michel Giotto da Silva
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
Flávio Booz
 
Enterobius vermicularis
Enterobius vermicularisEnterobius vermicularis
Enterobius vermicularis
denizecardoso
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
aulasdotubao
 

Semelhante a Ascaris lumbricoides (20)

ASCARIS.pdf
ASCARIS.pdfASCARIS.pdf
ASCARIS.pdf
 
Controle e biologia dos carrapatos
Controle e biologia dos carrapatosControle e biologia dos carrapatos
Controle e biologia dos carrapatos
 
Biologia e controle de carrapatos e ácaros
Biologia e controle de carrapatos e ácarosBiologia e controle de carrapatos e ácaros
Biologia e controle de carrapatos e ácaros
 
Primeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologiaPrimeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologia
 
Ascaridiase lumbricoides - Resumo
Ascaridiase lumbricoides - ResumoAscaridiase lumbricoides - Resumo
Ascaridiase lumbricoides - Resumo
 
Ascaridase 101025162204-phpapp02-140729150042-phpapp01
Ascaridase 101025162204-phpapp02-140729150042-phpapp01Ascaridase 101025162204-phpapp02-140729150042-phpapp01
Ascaridase 101025162204-phpapp02-140729150042-phpapp01
 
Enterobíase
EnterobíaseEnterobíase
Enterobíase
 
Reino protista: protozoarios
Reino protista: protozoariosReino protista: protozoarios
Reino protista: protozoarios
 
Ascaridíase
AscaridíaseAscaridíase
Ascaridíase
 
Ascarídeos e enterobíase
Ascarídeos e enterobíaseAscarídeos e enterobíase
Ascarídeos e enterobíase
 
Atlas de Parasitologia Clínica
Atlas de Parasitologia ClínicaAtlas de Parasitologia Clínica
Atlas de Parasitologia Clínica
 
Checkup no plantel
Checkup no plantelCheckup no plantel
Checkup no plantel
 
Oxiúros um parasita muito incomodativo
Oxiúros um parasita muito incomodativoOxiúros um parasita muito incomodativo
Oxiúros um parasita muito incomodativo
 
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinosManejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
 
Apresentação slides andréa (Cruz Vermelha)
Apresentação slides andréa (Cruz Vermelha)Apresentação slides andréa (Cruz Vermelha)
Apresentação slides andréa (Cruz Vermelha)
 
Microbiologia
MicrobiologiaMicrobiologia
Microbiologia
 
Apresentação geral
Apresentação geralApresentação geral
Apresentação geral
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Enterobius vermicularis
Enterobius vermicularisEnterobius vermicularis
Enterobius vermicularis
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 

Ascaris lumbricoides

  • 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE CAXIAS DISCIPLINA: PARASITOLOGIA CURSO: ENFERMAGEM PROFESSORA: ARLETE Ascaris lumbricoides ANDRESSA COSTA BEATRIZ AGUIAR FERNANDA MARIA LAIANE MORORÓ WELLEN ASSIS WYLLMA SANTOS CAXIAS-MA 2015
  • 2. Ascaris lumbricoides (lombriga ou bicha) Reino: Animalia Filo: Nematodea Classe: Secernentea Ordem: Ascaridida Família: Ascarididae Género: Ascaris Espécie: Ascaris lumbricoides
  • 3. FÊMEA:  30 a 40 cm de comprimento, por três a seis mm de diâmetro;  Apresenta 2 ovários, úteros, vagina e vulva;  Apresenta extremidade posterior quase reta. MACHO:  Um pouco menor e menos espesso;  Mede de 20 a 30 cm por 4 mm de diâmetro;  Apresenta a extremidade enrolada ventralmente. MORFOLOGIA
  • 4. OVOS:  Os ovos férteis são ovais ou quase esféricos e medem em torno de 60 x 45 μm (A).  No solo, embrionam em 2 semanas (entre 20 e 30ºC) e se tornam infectantes dentro de outra semana (B).  Quando isoladas ou mais numerosas que os machos, as fêmeas podem por ovos inférteis, mais alongados ;  (C), que não embrionam.
  • 5. HABITAT  Intestino delgado do homem, principalmente jejuno e ílio;  Podem ficar presos à mucosa, com o auxilio dos lábios ou migrar pela luz intestinal.
  • 7. TRANSMISSÃO  Ingestão de água e alimentos contaminados com ovos de áscaris;  Poeira e insetos, veiculam ovos.
  • 8. PATOGENIA LARVAS:  Em infecções maciças encontraremos lesões hepáticas e pulmonares;  No fígado quando são encontradas numerosas formas larvares migrando pelo parênquima, podem ser vistos pequenos focos hemorrágicos e de necrose que futuramente tornam-se fibrosados;  Nos pulmões ocorrem vários pontos hemorrágicos na passagem das larvas para os alvéolos. VERMES ADULTOS:  Ação espoliativa;  Ação tóxica;  Ação mecânica;  Localização ectópica.
  • 9. LOCALIZAÇÕES ECTÓPICAS  Não é rara a eliminação de um áscaris pela boca ou pelo nariz, quando o parasitismo é intenso ou quando os vermes são irritados por certos alimentos, drogas ou, mesmo, anti-helmínticos.
  • 10. COMPLICAÇÕES NA FASE CRÔNICA  Obstrução intestinal por um bolo de áscaris;
  • 12. DIAGNÓSTICO Clínico:  Difícil de ser feito. Laboratorial:  Parasitológico de fezes Métodos:  Stoll;  Kato-Katz;  Imunológicos.
  • 13. TRATAMENTO  Albendazol 400 mg em dose única.  Mebendazol 100 mg, 2 vezes ao dia, durante 3 dias consecutivos.  Levamisol, 150 mg, em dose única. No caso de obstrução intestinal pelo áscaris, as drogas indicadas são a Piperazina, 50 a 100 mg/kg/dia + óleo mineral, 40 a 60 ml/dia por 2 dias.
  • 14. EPIDEMIOLOGIA  Disseminada em países tropicais e temperados, com clima quente e úmido;  20 mil óbitos por ano;  17° lugar como causa infecciosa de morte;  Interferência de fatores econômicos, sociais e culturais; FATORES QUE INTERFEREM NA ALTA PREVALÊNCIA:  Grande produção de ovo-200.000/dia;  Viabilidade dos ovos infectantes-até um ano;  Vetores mecânicos;  Temperatura média anual aumentada.
  • 15. PROFILAXIA  Controle da transmissão dos ovos do parasita;  Medidas de higiene pessoal;  Educação sanitária;  Melhorias das condições de saneamento;  Tratamento adequados dos doentes.
  • 16. “A prevenção é a melhor saúde.” Danilo Felix