SlideShare uma empresa Scribd logo
Introdução
A palavra religião é proveniente do latim religare, que significa uma “religação
com o divino”. Em meio a tantas religiões, todas prometendo felicidade e a
verdade sobre Deus, você provavelmente já parou para pensar quem está
realmente certo. Tradicionalmente, atribui-se à Bíblia o título de verdade. Eu
vivi esse dilema durante algum tempo da minha adolescência e até mesmo já
pensei em ser impossível achar uma religião que fosse totalmente verdadeira.
Passei muito tempo pesquisando os motivos que fazem da Bíblia um livro
diferente de outros livros ditos como “sagrados”. Não encontrei nenhum livro
que, além da filosofia, possui características como:
     Antecipações Científicas:
          1. Dizia que a terra era redonda 2.500 anos antes de Copérnico e
              Galileu (Is 40:22);
          2. Menciona a existência da pressão atmosférica sendo que o
              barômetro só foi inventado em 1643.
     Autenticidade Histórica
     Apesar de ter sido escrita por 40 pessoas diferentes, possui uma
       unidade teológica.
     Sobreviveu a inúmeras perseguições.
     Profecias cumpridas.
     A Bíblia tem o poder de transformar vidas.

Segundo Jo Ann Davidson, Ph.D e professora de Teologia na Andrews
University, “ao longo de toda a Bíblia, encontramos um Deus que procura Seus
filhos, que deseja intensamente comunicar-Se com eles e que os ama mais do
que ama Sua própria vida.”1

A Bíblia é realmente um livro de Deus. É um livro que deve ser lido, estudado e
amado. Espero que você, leitor, possa compreender de forma simples e clara,
o que a Bíblia realmente ensina.




1
 Publicado originalmente como “The Word Made Flesh”, Perspective Digest, ano 15, nº 3 [2010], p. 21-
25. Traduzido e adaptado por Matheus Cardoso. – Retirado do site www.Criacionismo.com.br (acesso
em 22 de Setembro de 2012).
A história da doutrina da Trindade
                   Nos dias atuais, há um grande debate acerca da personalidade de Deus,
           principalmente nos meio cristão. Algumas correntes afirmam que Deus é uma
           trindade, sendo definido pelo bispo Atanásio como “[...] um só Deus em três
           Pessoas e três Pessoas em um só Deus.” 2 Algumas outras pessoas creem
           que Deus foi manifesto de três maneiras diferentes, como o Pai no Antigo
           Testamento, Jesus no Novo Testamento e Espírito Santo nos dias de hoje.
                              Outros afirmam existir apenas um só Deus e são
                              denominados de monoteístas ou unicistas. A Bíblia revela
                              existir apenas um só Deus.
                                      Além da base bíblica para esta afirmação, existe o
                              fator histórico. A maioria dos teólogos, historiadores e
                              arqueólogos afirmam que no Antigo Testamento o Deus é
                              reconhecido como sendo uno e não triúno. Por muitos anos
                              houve discussões entre os cristãos se Jesus era ou não
                              Deus. Para tentar resolver esse problema doutrinário, em
                              325 DC, Constatino convocou cerca de 300 bispos para a
                              cidade de Nicéia, hoje İznik na Turquia. Além é claro da
                              discussão sobre a divindade ou não de Jesus, outros tópicos
                              de discussão tiveram espaço nesse concílio como a
                              celebração da Páscoa, cisma de Melécio, o batismo de
                              heréticos e o estatuto dos prisioneiros na perseguição de
Primeiro Concílio de Nicéia   Licínio. Constantino não era Cristão. Supostamente se
                              converteu no último dia de sua vida. “Sua conversão não
                              deve ser interpretada como uma íntima experiência de
                              graça... Era uma questão militar.”3 Dentre os presentes
           nesse concílio estavam Ario e Atanasio, ambos da cidade Egípcia de
           Alexandria. Ario defendia a ideia de que Jesus não era Deus, e sim um ser
           criado e que um dia não existiu. Na outra vertente encontrava-se Atanasio, que
           defendia a divindade e eternidade de Cristo. Após dois meses de debates, o
           imperador Constantino decidiu em favor dos que acreditavam que Jesus era
           Deus. Provavelmente fez isso, não por causa de uma convicção bíblica, mas
           sim, porque sabia que “uma divisão religiosa representava uma ameaça ao seu
           império, e o seu desejo era solidificar o seu domínio.” 4
                   Um outro concílio, realizado em 381 AD, foi organizado pelo imperador
           Teodósio - que tinha estabelecido o credo Niceno-Constantinopolitano como
           padrão para o seu governo – para esclarecer os preceitos anteriores. O concílio
           foi voltado para colocar o espírito santo no mesmo patamar que Deus e Cristo.
           Foi a primeira vez na história da igreja em que a trindade começou a ser
           enfocada, mas, mesmo assim, não foi amplamente aceita. Somente com o
           advento das escolásticas (séc. IX ao XVI d.C.), que propunham uma explicação
           teológica com base na filosofia ocorreu o pleno desenvolvimento da doutrina da
           trindade no Ocidente.


           2
             Trecho retirado do site Wikipédia, com o nome de Credo de Atanásio. (Acesso em 28 de setembro de
           2012)
           3
             Trecho retirado do livro The Early Church, de Henry Chadwick.
           4
             Trecho retirado da brochura Should you believe in the Trinity? Publicada pela Watch Tower.
Essa apostasia que ocorreu dentro da igreja cristã, que viria depois dos
dias de Jesus e seus apóstolos foi predita por volta do primeiro século. 5 A
Enciclopédia Americana comenta que “O trinitarianismo do quarto século de
forma alguma refletiu com exatidão o primitivo ensino cristão sobre a natureza
de Deus; foi ao contrário, um grande desvio deste ensinamento”.
       As origens da trindade remontam desde a antiga Babilônia, Egito, Grécia
e Roma, onde tríades e adoração a três deuses eram bastante comum.




5
 Ver 2 Tessalonicenses 2:3e 7, Atos 20:29 e 30, 2 Pedro 2:1, 1 João 4:1-3, Judas 3:4, 2 Timóteo 4:3,
Mateus 13:24-43, 1 Timóteo 1:6.
O Cristianismo herdou da religião judaica seus livros, seus profetas,
suas promessas de um mundo melhor e acima de tudo, a idéia monoteísta:
Deus só existe um.
       Apesar de ter herdado do Judaísmo as coisas que lhe são essenciais, de
ter nascido da pregação de um homem judeu, de usar os livros do Antigo e do
Novo Testamento, todos escritos por judeus, de ter nascido dentro do templo
de Jerusalém e das sinagogas judaicas, o Cristianismo, em determinado
período da história afastou-se completamente dos judeus e do Judaísmo,
chegando até a ver nos judeus os mais abjetos inimigos.
       É fato que as primeiras conversões, em razão da pregação evangélica,
foram conversões de judeus. Também é fato que a igreja primitiva era
composta basicamente por judeus e que foram esses judeus, fugindo da
invasão de Jerusalém pelos exércitos romanos ou da perseguição religiosa
empreendida pelos líderes do Sinédrio judaico, quem fizeram a expansão
surpreendente da fé cristã.




        “Constantino basicamente não tinha entendimento algum das perguntas que se
                faziam em teologia grega” – Breve História da doutrina Cristã




       Após a morte dos apóstolos crenças pagãs começaram a se
desenvolver no meio cristão, porém, a igreja sempre dizia que suas novas
doutrinas se baseavam na Bíblia. Assim sendo, no quarto século EC, a
apostasia que Jesus e seus apóstolos predisseram veio a acontecer
totalmente. Mas não podemos nos esquecer de que a trindade foi apenas uma
das ideias que iam contra a palavra de Deus.
       A igreja apóstata começou a acalentar outras ideias provenientes do
paganismo como o inferno de fogo, a imortalidade da alma, guarda do domingo
e a idolatria. No âmbito espiritual, o cristianismo havia entrado na sua “era
obscura”, subjugada por uma classe clerical que não se interessava na
salvação e sim no poder. Uma classe de homens que são “contra a lei” (2
Tessalonicenses 2:3 e 7), contra a Bíblia e contra Deus.
A história da guarda do Domingo
                     O Sábado (Shabat - ‫ )שבת‬é o nome dado ao dia de descanso semanal
             no judaísmo e no cristianismo. O sábado é o memorial da criação em seis dias
             e o descanso no sétimo (Gênesis 2:3). Ele é observado do pôr do sol da sexta-
             feira até o pôr do sol do sábado (Levíticos 23:32). “A palavra hebraica shabat
             (‫ ,)שבת‬tem relação com o verbo shavāt (‫ ,)שבת‬que significa „cessar‟, „parar‟.”
                     Não há evidência alguma de que os seguidores de Jesus não
             guardassem o sábado. Pelo contrário, segundo a teologia cristã, Jesus não
             veio para abolir a lei e os profetas que o antecedeu, mas sim cumprir (Mateus
             5:17-18). Jesus guardou o sábado (Lc 4, 16). O apóstolo Paulo guardou o
             sábado. Durante a semana ele trabalhava fazendo tendas, mas esse dia foi
             reservado para a pregação. “Como de costume, Paulo… por três sábados
             disputou com eles sobre as Escrituras.” (Atos 18:2-3, 17:2). Jesus guardou o
             Sábado Inclusive após a morte de Jesus, os seus discípulos continuaram a
             observar o santo dia do sábado (Lucas 23:54 e 56, Lucas 24:1,Lucas 4:16).
             Hoje, a maioria das pessoas pensam que, quando guardam o Domingo como
             dia sagrado, estão dentro do costume da igreja cristã do primeiro século. Na
             verdade, os primeiros cristãos observavam o Sábado como um dia de
             descanso e adoração nas sinagogas, juntamente com os judeus. “No ano 95 ou
             100 d.C. houve uma mudança no culto da sinagoga. A parte central do culto
             era conhecida como a „Oração de Pé‟ ou „18 bênçãos de gratidão a Deus‟.
             Todas as 18 eram recitadas durante a semana, mas no Sábado, somente 7
             delas. Neste ano, mais uma benção foi acrescentada, a „Benção concernente
             aos heréticos‟, que, na realidade não era uma benção, e sim uma maldição.
                                                                       Isso serviu para
                                                                       desmascarar          os
                 Benção Concernente aos Heréticos:                     cristãos, porque a
Que os apóstatas não tenham esperança;                                 qualquer um poderia
Que o domínio dos ímpios seja desarraigado rapidamente de nossos dia;  se pedir que dirigisse
                                                                       a     recitação.     Se
Que os nazarenos e os hereges pereçam prontamente e que não sejam      esperava que todos
contados junto com os justos.                                          dissessem Amém ao
 Bendito sejas, nosso Deus eterno que esmaga o ímpio.                  final      de    cada
                                                                       recitação, e isso era
                                                                       muito incômodo, e
             até impossível para os cristãos participarem daí para adiante nesse culto, que
             era dirigido pelos fariseus.” 6 Por causa disso, os cristãos passaram a se
             perguntar se realmente valia a pena relacionar-se com os judeus.
             “Nos escritos da igreja primitiva, nota-se que os cristãos estavam
             desesperados por separar-se dos judeus e distinguirem-se a si mesmos. Como
             resultado, percebe-se muito antissemitismo. Alguns comentários são ofensivos
             contra os judeus, outros falam do afastamento daquilo que consideravam a
             religião do Velho Testamento.” 7 Muitos judeus, ainda sonhavam com uma
             grande nação judaica. Por causa disso, no norte da África por volta do ano 115
             AD, esse sonho se tornou violência, segundo fontes do historiador e cônsul

            6
              Dr. Robert M. Johnston – Extraído da série “O Sétimo Dia – Revelações das páginas perdidas da
            história”.
            7
              Dr. Burton L. Visotzky – Extraído da série “O Sétimo Dia – Revelações das páginas perdidas da história”.
romano Dio Cassius. “Nesse ínterim, os judeus na região de Cirene puseram
um certo Andreas como seu chefe, e estavam destruindo tanto os romanos
como os gregos. Comeriam a carne de suas vítimas, fariam cintos de suas
entranhas, ungir-se-iam com o sangue delas e usariam sua pele como
vestimenta; a muitos eles serraram em dois, da cabeça aos pés; outros eles
deram às feras selvagens, e outros ainda forçaram a lutar como gladiadores.
Ao todo, duzentos e trinta mil pessoas pereceram. No Egito também,
cometeram muitas atrocidades semelhantes, igualmente em Chipre... .” 8
        Pouco tempo depois, no ano 132 AD a oposição dos judeus contra
Roma, explodiu em outra violência, desta vez, em Jerusalém. “O líder dos
judeus nessa época era um homem pelo nome de Barcocheba (que significa
estrela), que possuía o caráter de um ladrão e um assassino, mas mesmo
assim, contando com o seu nome, gabava-lhes, como se fossem escravos, que
possuía poderes maravilhosos e ele fingiu que era uma estrela que tinha
descido para eles do céu para trazê-los de luz no meio dos seus infortúnios” 9.
A revolta de Revolta de Bar Kokhba só aconteceu porque o imperador Adriano
proibiu a circuncisão judaica e ordenou a reconstrução de Jerusalém como
cidade pagã, pelo nome de Aelia Capitolina. O exército imperial esmagou a
rebelião em 135 AD, Adriano baniu os judeus de Jerusalém e proibiu a
observância do Sábado e outros rituais religiosos judaicos. “Dessa forma,
houve um sentimento anti-judaico muito forte no Império Romano e então, os
cristãos não queriam ser associados com os judeus. A forma mais fácil foi
renunciar o Sábado, que era a marca de ser judeu” 10. Os cristãos da cidade de
Alexandria foram os primeiros a substituir a observância do Sábado para o
Domingo, por volta de 120 AD. A Epístola de Barnabé foi um dos primeiros
documentos que relatam a observância do Domingo pelos cristãos. “Não se
trata do Barnabé mencionado no livro de Atos no Novo Testamento, mas sim,
um falso Barnabé, com uma falsa epigrafia, alguém se atribui falsamente ao
nome do apóstolo. Porém foi alguém de Alexandria, cidade na qual a tendência
era espiritualizar tudo, e é isso que a epístola de Barnabé faz, não toma nada
literalmente” 11.

     “E ele descansou no sétimo dia.” Isso quer dizer que seu Filho, quando vier
     para pôr fim ao tempo do Iníquo, para julgar os ímpios e mudar o sol, a lua e
     as estrelas, então ele, de fato, repousará no sétimo dia. – Epístola de Barnabé

       Apesar da Epístola de Barnabé ser uma das primeiras evidências do
Domingo ter sido promovido como dia de culto cristão, é em Roma que está o
centro do movimento pró-dominical cristã.




8
 Dio Cassius, Historia 69, LCL, p. 421; conforme relato semelhante dado por Eusebius, HE 4, 2 e
Chronicon 2, 164.
9
  Eusébio de Cesaréia, História da Igreja (Livro IV) - Cap. 3, verso 2.
10
   Alan Reinach - Extraído da série “O Sétimo Dia – Revelações das páginas perdidas da história”.
11
   Dr. Robert M. Johnston – Extraído da série “O Sétimo Dia – Revelações das páginas perdidas da
história”.
O domingo é o dia quando temos a nossa reunião porque nesse dia Deus, tendo obrado uma
mudança na escuridão e na matéria, fez o mundo e Jesus Cristo nosso Salvador ressuscitou dos
mortos no mesmo dia. – Justino de Nablus

            Essa foi a justificativa teológica usada pelos primeiros cristãos
    observadores do domingo, tentando ligar esse primeiro dia da semana com o
    primeiro dia da criação. O domingo foi um substituto atraente para o sábado,
    pois na religião pagã, o domingo era dia de culto ao sol e dia de se pensar
    sobre o sol. Assim, mais uma vez, doutrinas da religião pagã foram entrando no
    cristianismo de forma sutil, já que os cristãos eram uma minoria num mundo
    que adoravam deuses míticos, imperadores mortos e ao sol invencível.
            “No ano 31 A.C. Otaviano derrotou as forças de Cleópatra no Egito e
    levou para Roma dois grandes obeliscos”. 12 Um desses obeliscos foi colocado
    no Circo Máximo, não só dedicado ao deus sol, mas também era um sinal
    visível de que Roma tinha conquistado o Egito. Os textos da metade do
    primeiro século dão mais força à popularidade do culto ao sol. O imperador
    Nero, encomendou uma estátua de 35 metros de altura, com um busto
    semelhante ao dele ao estilo do deus sol. O imperador Heliogabalus13 era tão
    devoto ao deus sol oriental que tomou o nome dele para si mesmo e trouxe seu
    deus na forma de meteorito preto da Síria até Roma e adotou um estilo de vida
    oriental.
            Mesmo após sua morte em 222 AD, e sua pedra preta ter sido enviada
    de volta à Síria, o culto ao sol continuou no império Romano. Além disso, por
    meio dos piratas do mar mediterrâneo, o culto do deus Mitra se tornou muito
    popular pelo império, especialmente entre os militares. Inclusive, algumas
    peculiaridades do mitraísmo foram agregadas a outras religiões, como o
    cristianismo. Por exemplo, desde a antiguidade, o nascimento de Mitra era
    celebrado em 25 de dezembro. O mitraísmo só entrou em decadência no
    império Romano a partir da adoção do cristianismo como religião oficial. O
    mitraísmo era uma religião de fraternidade e camaradagem, e assim, os
    seguidores se reuniam não só para adorar ao seu deus, mas para comer
    juntos. Muitos soldados romanos de origem oriental costumavam orar ao
    amanhecer voltados para o sol ou para o leste, e é “nesse período em que se
    faz menção do sol invicto ou sol invencível. Invencível porque, a cada 24 horas,
    a noite tenta vencê-lo, mas, ao amanhecer, o sol volta outra vez, vencendo a
    noite“. 14 No reinado do imperador Aureliano, foi estabelecida a religião estatal
    que incluía o culto ao imperador e também o culto ao sol invicto, com o objetivo
    de unificar todas as religiões pelo deus sol. O imperador Diocleciano, também
    era um devoto do deus sol e manteve os princípios da religião estatal, dizendo
    ser ele mesmo deus, e eventualmente, deu a ordem para o início da
    perseguição aos cristãos.




    12
       Alan Reinach - Extraído da série “O Sétimo Dia – Revelações das páginas perdidas da história”.
    13
       Heliogabalus foi um imperador romano de 218 a 222. De origem siríaca, era tão devoto do seu deus
    Elagabal (latim=Elagabalus) que depois mudou seu nome para Elagabalus. Elagabal era um deus muito
    comum em terras orientais, principalmente na cidade de Homs.
    14
       Dr. Ron Mello – Extraído da série “O Sétimo Dia – Revelações das páginas perdidas da história”.
Portanto, para alguns líderes cristãos,
            a observância do domingo pelos cristãos,       “Constantino o Grande fez uma
            faria do cristianismo uma religião mais        lei para todo o império, (321
            atraente para pagãos que já adoravam o         d.C.), instituindo que o Domingo
            deus sol nesse dia.                            fosse observado como dia de
                   No ano de 313 AD, com o                 repouso em todas as cidades e
            consentimento do seu co-imperador Licínio,     vilas; mas permitindo que os
            ele legalizou a religião cristã. A partir daí
                                                           camponeses prosseguissem em
            surgiu uma nova religião e uma nova forma
                                                           seus trabalhos”. - Enciclopédia
            de estado. Eles estavam tão ligados que por
            muito pouco se distinguia a linha divisória    Americana, artigo Sábado.
            entre os dois. Pouco tempo depois, no ano
            de 321 AD, o imperador Constantino promulgou a famosa “Lei Dominical”:

"Devem os magistrados e as pessoas residentes nas cidades repousar, e todas as oficinas ser fechadas no venerável dia
do Sol. No campo, entretanto, as pessoas ocupadas na agricultura podem livre e licitamente continuar suas ocupações;
porque acontece muitas vezes que nenhum outro dia se lhe assemelha para a semeadura de sementes ou para a
plantação de vinhas; tememos que, pela negligência do momento apropriado para tais operações, as bênçãos celestiais
sejam perdidas." (Promulgada aos 7 dias de março, sendo Crispo e Constantino cônsules pela segunda vez cada um). -
Codex Justinianus, liv. 3, tit. 12 e 13; traduzido em PHILIP SCHAFF, D.D., History of the Christian Church (volume sete da
edição, 1902), vol. III, pág.380.


                    Segundo os registros da antiga cidade de Laodicéia, onde os líderes
            eclesiásticos se reuniram no ano 364 para se definir exatamente quais
            escrituras deveriam ser lidas nos cultos de Sábado15. Isso ainda é uma prova
            irrefutável de que muitos cristãos ainda se reuniam no dia de sábado 300 anos
            após a morte de cristo, porém, mesmo assim, a guarda do domingo foi forçada
            pelos líderes da época16. Mesmo assim, muitas pessoas não aceitaram essa
            mudança. “Embora quase todas as igrejas do mundo celebrem os sagrados
            mistérios no sábado de cada semana, os cristãos de Alexandria e Roma
            cessaram de fazê-lo” – Sócrates Eclesiástico17. Esse foi o fator fundamental da
            maior brecha que dividiu a igreja cristã por 900 anos.
                    “A recuperação do sábado é especialmente necessária hoje quando
            nossas almas, fragmentadas, penetradas e dissecadas por uma cultura
            cacófona e dominada pela tensão clama pela libertação e realinhamento que
            nos aguardam no dia de sábado. A redescoberta do sábado nesta era cósmica
            propicia a base para uma fé cósmica, uma fé que abarca e une a criação,
            redenção e restauração finais; o passado, presente e futuro; o homem, a
            natureza e Deus; este mundo e o mundo por vir. É uma fé que reconhece o
            domínio de Deus sobre toda a criação e a vida humana por consagrar a Ele o
            sétimo dia; uma fé que cumpre o verdadeiro destino do crente no tempo e
            eternidade, uma fé que permite que o Salvador enriqueça-nos a vida com uma
            maior medida de Sua presença, paz e descanso.” - Samuele Bacchiocchi.
            15
               Cânon 16 do Concílio de Laodicéia: “Os Evangelhos devem ser lidos no sábado, juntamente com as
            outras escrituras”.
            16
               Cânon 29 do Concílio de Laodicéia: “Os cristãos não devem judaizar descansando no sábado, mas sim,
            trabalhar nesse dia. E se puderem, devem honrar o dia do domingo, descansando como cristãos. Se
            alguém for encontrado judaizando, seja ele inimigo de Cristo”.
            17
               Eclesiastical History 5.22, século V.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seitas e heresias i
Seitas e heresias iSeitas e heresias i
Seitas e heresias i
Cleidiane Sousa Oliveira
 
Aula 5 filipenses e colossenses
Aula 5   filipenses e colossensesAula 5   filipenses e colossenses
Aula 5 filipenses e colossenses
Pastor W. Costa
 
Teologia sistematica (Stanley Horton)
Teologia sistematica (Stanley Horton)Teologia sistematica (Stanley Horton)
Teologia sistematica (Stanley Horton)
Andréia Eufrazio
 
Apostila cristologia
Apostila cristologiaApostila cristologia
Apostila cristologia
miguel coimbra
 
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e HeresiasAdventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
27
2727
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
Alberto Simonton
 
Introdução a seitas e heresias
Introdução a seitas e heresiasIntrodução a seitas e heresias
Introdução a seitas e heresias
ETENAC - Escola Teológica Nova Aliança em Cristo
 
Lição 4 - Não farás imagens de esculturas
Lição 4 - Não farás imagens de esculturasLição 4 - Não farás imagens de esculturas
Lição 4 - Não farás imagens de esculturas
Adriano Pascoa
 
O Cânone Das Escrituras
O Cânone Das EscriturasO Cânone Das Escrituras
O Cânone Das Escrituras
DimensaoCatolica
 
Heresiologia
HeresiologiaHeresiologia
Heresiologia
Feitosa Lima
 
R. c. sproul jesus cristo como o unigênito
R. c. sproul   jesus cristo como o unigênitoR. c. sproul   jesus cristo como o unigênito
R. c. sproul jesus cristo como o unigênito
sialep
 
Conhecendo a biblia lição 5 - 04-06-17
Conhecendo a biblia   lição 5 - 04-06-17Conhecendo a biblia   lição 5 - 04-06-17
Conhecendo a biblia lição 5 - 04-06-17
PIB Penha
 
Heresias da igreja católica romana
Heresias da igreja católica romanaHeresias da igreja católica romana
Heresias da igreja católica romana
Roberto Wagner G. dos Santos
 
A bíblia e o espiritismo
A bíblia e o espiritismoA bíblia e o espiritismo
A bíblia e o espiritismo
grupodepaisceb
 
Conhecendo a biblia lição 3 - 21-05-17
Conhecendo a biblia   lição 3 - 21-05-17Conhecendo a biblia   lição 3 - 21-05-17
Conhecendo a biblia lição 3 - 21-05-17
PIB Penha
 
CRISTIANISMO E ESPIRITISMO
CRISTIANISMO E ESPIRITISMOCRISTIANISMO E ESPIRITISMO
CRISTIANISMO E ESPIRITISMO
Jorge Luiz dos Santos
 
Seitas e heresias
Seitas e heresiasSeitas e heresias
Seitas e heresias
Marcia Marcone
 
Conhecendo a biblia lição 1 07-05-17
Conhecendo a biblia   lição 1 07-05-17Conhecendo a biblia   lição 1 07-05-17
Conhecendo a biblia lição 1 07-05-17
PIB Penha
 
STNB-SMR-M2B
STNB-SMR-M2BSTNB-SMR-M2B
STNB-SMR-M2B
Milton JB Sobreiro
 

Mais procurados (20)

Seitas e heresias i
Seitas e heresias iSeitas e heresias i
Seitas e heresias i
 
Aula 5 filipenses e colossenses
Aula 5   filipenses e colossensesAula 5   filipenses e colossenses
Aula 5 filipenses e colossenses
 
Teologia sistematica (Stanley Horton)
Teologia sistematica (Stanley Horton)Teologia sistematica (Stanley Horton)
Teologia sistematica (Stanley Horton)
 
Apostila cristologia
Apostila cristologiaApostila cristologia
Apostila cristologia
 
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e HeresiasAdventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
 
27
2727
27
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
 
Introdução a seitas e heresias
Introdução a seitas e heresiasIntrodução a seitas e heresias
Introdução a seitas e heresias
 
Lição 4 - Não farás imagens de esculturas
Lição 4 - Não farás imagens de esculturasLição 4 - Não farás imagens de esculturas
Lição 4 - Não farás imagens de esculturas
 
O Cânone Das Escrituras
O Cânone Das EscriturasO Cânone Das Escrituras
O Cânone Das Escrituras
 
Heresiologia
HeresiologiaHeresiologia
Heresiologia
 
R. c. sproul jesus cristo como o unigênito
R. c. sproul   jesus cristo como o unigênitoR. c. sproul   jesus cristo como o unigênito
R. c. sproul jesus cristo como o unigênito
 
Conhecendo a biblia lição 5 - 04-06-17
Conhecendo a biblia   lição 5 - 04-06-17Conhecendo a biblia   lição 5 - 04-06-17
Conhecendo a biblia lição 5 - 04-06-17
 
Heresias da igreja católica romana
Heresias da igreja católica romanaHeresias da igreja católica romana
Heresias da igreja católica romana
 
A bíblia e o espiritismo
A bíblia e o espiritismoA bíblia e o espiritismo
A bíblia e o espiritismo
 
Conhecendo a biblia lição 3 - 21-05-17
Conhecendo a biblia   lição 3 - 21-05-17Conhecendo a biblia   lição 3 - 21-05-17
Conhecendo a biblia lição 3 - 21-05-17
 
CRISTIANISMO E ESPIRITISMO
CRISTIANISMO E ESPIRITISMOCRISTIANISMO E ESPIRITISMO
CRISTIANISMO E ESPIRITISMO
 
Seitas e heresias
Seitas e heresiasSeitas e heresias
Seitas e heresias
 
Conhecendo a biblia lição 1 07-05-17
Conhecendo a biblia   lição 1 07-05-17Conhecendo a biblia   lição 1 07-05-17
Conhecendo a biblia lição 1 07-05-17
 
STNB-SMR-M2B
STNB-SMR-M2BSTNB-SMR-M2B
STNB-SMR-M2B
 

Destaque

Planificacion
PlanificacionPlanificacion
Planificacion
leherrera87
 
Blanco
BlancoBlanco
Blanco
ester43
 
Modelo7pasos
Modelo7pasosModelo7pasos
Modelo7pasos
gnidya79
 
Papel vs plástico ingrata dolencia
Papel vs plástico   ingrata dolenciaPapel vs plástico   ingrata dolencia
Papel vs plástico ingrata dolencia
Maria Justo
 
Graficos
GraficosGraficos
Graficos
rodolfo20
 
Somos filhos da graça
Somos filhos da graçaSomos filhos da graça
Somos filhos da graça
IMQ
 
Parte 2. web semantica eva mendez - argentina - 301009
Parte 2. web semantica   eva mendez - argentina - 301009Parte 2. web semantica   eva mendez - argentina - 301009
Parte 2. web semantica eva mendez - argentina - 301009
izrxrzi
 
El surrealismo
El surrealismoEl surrealismo
El surrealismo
jenny_7
 
Organigrama del post grado objetivo y perfil
Organigrama del post grado objetivo y perfilOrganigrama del post grado objetivo y perfil
Organigrama del post grado objetivo y perfil
annaib10
 
Alumnos data virtual
Alumnos data virtualAlumnos data virtual
Alumnos data virtual
INGETRONICA
 
Presentacion ingeniería b&b asociados junio 2011
Presentacion ingeniería b&b asociados junio 2011Presentacion ingeniería b&b asociados junio 2011
Presentacion ingeniería b&b asociados junio 2011
jbbustamante
 
Presentacion
PresentacionPresentacion
Presentacion
DIEGO NIÑO
 
Quando o Messias chegar
Quando o Messias chegarQuando o Messias chegar
Quando o Messias chegar
IMQ
 
KC Royals Selling Camp
KC Royals Selling CampKC Royals Selling Camp
KC Royals Selling Camp
tr1billiot
 
Ensayo
EnsayoEnsayo
Ensayo
ELITCC
 
Presentación de Datos I
Presentación de Datos IPresentación de Datos I
Presentación de Datos I
llullita
 
Conozcamos slideshare
Conozcamos slideshareConozcamos slideshare
Conozcamos slideshare
elkevin12
 
Geografía de la Salud- Boletín Informativo 11
Geografía de la Salud- Boletín Informativo 11Geografía de la Salud- Boletín Informativo 11
Geografía de la Salud- Boletín Informativo 11
Geografía de la Salud Argentina
 
El PRI ¿71 años de gobierno?
El PRI ¿71 años de gobierno?El PRI ¿71 años de gobierno?
El PRI ¿71 años de gobierno?
IkaroSS
 

Destaque (20)

Planificacion
PlanificacionPlanificacion
Planificacion
 
Blanco
BlancoBlanco
Blanco
 
Modelo7pasos
Modelo7pasosModelo7pasos
Modelo7pasos
 
Papel vs plástico ingrata dolencia
Papel vs plástico   ingrata dolenciaPapel vs plástico   ingrata dolencia
Papel vs plástico ingrata dolencia
 
Graficos
GraficosGraficos
Graficos
 
Somos filhos da graça
Somos filhos da graçaSomos filhos da graça
Somos filhos da graça
 
Parte 2. web semantica eva mendez - argentina - 301009
Parte 2. web semantica   eva mendez - argentina - 301009Parte 2. web semantica   eva mendez - argentina - 301009
Parte 2. web semantica eva mendez - argentina - 301009
 
El surrealismo
El surrealismoEl surrealismo
El surrealismo
 
Organigrama del post grado objetivo y perfil
Organigrama del post grado objetivo y perfilOrganigrama del post grado objetivo y perfil
Organigrama del post grado objetivo y perfil
 
Alumnos data virtual
Alumnos data virtualAlumnos data virtual
Alumnos data virtual
 
Presentacion ingeniería b&b asociados junio 2011
Presentacion ingeniería b&b asociados junio 2011Presentacion ingeniería b&b asociados junio 2011
Presentacion ingeniería b&b asociados junio 2011
 
Presentacion
PresentacionPresentacion
Presentacion
 
Quando o Messias chegar
Quando o Messias chegarQuando o Messias chegar
Quando o Messias chegar
 
KC Royals Selling Camp
KC Royals Selling CampKC Royals Selling Camp
KC Royals Selling Camp
 
Ensayo
EnsayoEnsayo
Ensayo
 
Presentación de Datos I
Presentación de Datos IPresentación de Datos I
Presentación de Datos I
 
Conozcamos slideshare
Conozcamos slideshareConozcamos slideshare
Conozcamos slideshare
 
Geografía de la Salud- Boletín Informativo 11
Geografía de la Salud- Boletín Informativo 11Geografía de la Salud- Boletín Informativo 11
Geografía de la Salud- Boletín Informativo 11
 
El PRI ¿71 años de gobierno?
El PRI ¿71 años de gobierno?El PRI ¿71 años de gobierno?
El PRI ¿71 años de gobierno?
 
geekinplaylist
geekinplaylistgeekinplaylist
geekinplaylist
 

Semelhante a Artigo Wesley Arruda

Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 -  Terceiro Período - A Igreja ImperialAula 3 -  Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Adriano Pascoa
 
7 o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
7   o cristianismo após a queda de roma -7ª aula7   o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
7 o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
PIB Penha
 
7 - A igreja catolica imperial1.pptx
7 - A igreja catolica imperial1.pptx7 - A igreja catolica imperial1.pptx
7 - A igreja catolica imperial1.pptx
PIB Penha - SP
 
Origem e significado da doutrina da trindade
Origem e significado da doutrina da trindadeOrigem e significado da doutrina da trindade
Origem e significado da doutrina da trindade
Gilberto75
 
Quebrando o código da vinci - darrel l buck
Quebrando o código da vinci  -  darrel l buckQuebrando o código da vinci  -  darrel l buck
Quebrando o código da vinci - darrel l buck
V.X. Carmo
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
Kamila Silvestre
 
Cristologia aula03
Cristologia aula03Cristologia aula03
Cristologia aula03
Pastor W. Costa
 
cristologia-1.pptx
cristologia-1.pptxcristologia-1.pptx
cristologia-1.pptx
Vania Cristina Rocha Duarte
 
cristologia-1.pptx
cristologia-1.pptxcristologia-1.pptx
cristologia-1.pptx
Vania Cristina Rocha Duarte
 
Quebrando o código Da Vinci
Quebrando o código Da VinciQuebrando o código Da Vinci
Quebrando o código Da Vinci
Fabinho Lima
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
Alexandre E Karllinha
 
cristianismo
 cristianismo cristianismo
cristianismo
iraciva
 
O Cristianismo Redivivo
O Cristianismo RedivivoO Cristianismo Redivivo
O Cristianismo Redivivo
Helio Cruz
 
Cristologia
CristologiaCristologia
3 história do cristianismo - 3ª aula
3   história do cristianismo - 3ª aula3   história do cristianismo - 3ª aula
3 história do cristianismo - 3ª aula
PIB Penha
 
Cad cristianismo
Cad cristianismoCad cristianismo
Cad cristianismo
Zaara Miranda
 
Mudancas doutrina
Mudancas doutrinaMudancas doutrina
Mudancas doutrina
Jose Moraes
 
6 a era da igreja católica - 6ª aula
6   a era da igreja católica - 6ª aula6   a era da igreja católica - 6ª aula
6 a era da igreja católica - 6ª aula
PIB Penha
 
2 atos e o avanco do evangelho - 2 aula
2   atos e o avanco do evangelho - 2 aula2   atos e o avanco do evangelho - 2 aula
2 atos e o avanco do evangelho - 2 aula
PIB Penha
 
2 história do cristianismo - 2ª aula
2   história do cristianismo - 2ª aula2   história do cristianismo - 2ª aula
2 história do cristianismo - 2ª aula
PIB Penha
 

Semelhante a Artigo Wesley Arruda (20)

Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 -  Terceiro Período - A Igreja ImperialAula 3 -  Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
 
7 o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
7   o cristianismo após a queda de roma -7ª aula7   o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
7 o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
 
7 - A igreja catolica imperial1.pptx
7 - A igreja catolica imperial1.pptx7 - A igreja catolica imperial1.pptx
7 - A igreja catolica imperial1.pptx
 
Origem e significado da doutrina da trindade
Origem e significado da doutrina da trindadeOrigem e significado da doutrina da trindade
Origem e significado da doutrina da trindade
 
Quebrando o código da vinci - darrel l buck
Quebrando o código da vinci  -  darrel l buckQuebrando o código da vinci  -  darrel l buck
Quebrando o código da vinci - darrel l buck
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
 
Cristologia aula03
Cristologia aula03Cristologia aula03
Cristologia aula03
 
cristologia-1.pptx
cristologia-1.pptxcristologia-1.pptx
cristologia-1.pptx
 
cristologia-1.pptx
cristologia-1.pptxcristologia-1.pptx
cristologia-1.pptx
 
Quebrando o código Da Vinci
Quebrando o código Da VinciQuebrando o código Da Vinci
Quebrando o código Da Vinci
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
 
cristianismo
 cristianismo cristianismo
cristianismo
 
O Cristianismo Redivivo
O Cristianismo RedivivoO Cristianismo Redivivo
O Cristianismo Redivivo
 
Cristologia
CristologiaCristologia
Cristologia
 
3 história do cristianismo - 3ª aula
3   história do cristianismo - 3ª aula3   história do cristianismo - 3ª aula
3 história do cristianismo - 3ª aula
 
Cad cristianismo
Cad cristianismoCad cristianismo
Cad cristianismo
 
Mudancas doutrina
Mudancas doutrinaMudancas doutrina
Mudancas doutrina
 
6 a era da igreja católica - 6ª aula
6   a era da igreja católica - 6ª aula6   a era da igreja católica - 6ª aula
6 a era da igreja católica - 6ª aula
 
2 atos e o avanco do evangelho - 2 aula
2   atos e o avanco do evangelho - 2 aula2   atos e o avanco do evangelho - 2 aula
2 atos e o avanco do evangelho - 2 aula
 
2 história do cristianismo - 2ª aula
2   história do cristianismo - 2ª aula2   história do cristianismo - 2ª aula
2 história do cristianismo - 2ª aula
 

Mais de Wesley Arruda

Cronograma I COMATEM (2017)
Cronograma I COMATEM (2017)Cronograma I COMATEM (2017)
Cronograma I COMATEM (2017)
Wesley Arruda
 
Edital de Submissão - COMATEM 2017
Edital de Submissão - COMATEM 2017Edital de Submissão - COMATEM 2017
Edital de Submissão - COMATEM 2017
Wesley Arruda
 
Idéias para o EPL Cuiabá
Idéias para o EPL CuiabáIdéias para o EPL Cuiabá
Idéias para o EPL Cuiabá
Wesley Arruda
 
Aos políticos liberais: Promessas, paixão e gestão!
Aos políticos liberais: Promessas, paixão e gestão!Aos políticos liberais: Promessas, paixão e gestão!
Aos políticos liberais: Promessas, paixão e gestão!
Wesley Arruda
 
A revolta do vinagre
A revolta do vinagreA revolta do vinagre
A revolta do vinagre
Wesley Arruda
 
Hérnia de Disco - Dr. Alfredo Arruda
Hérnia de Disco - Dr. Alfredo ArrudaHérnia de Disco - Dr. Alfredo Arruda
Hérnia de Disco - Dr. Alfredo Arruda
Wesley Arruda
 
Entendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestinaEntendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestina
Wesley Arruda
 
A Bíblia
A BíbliaA Bíblia
A Bíblia
Wesley Arruda
 
Apócrifos, livros perdidos
Apócrifos, livros perdidosApócrifos, livros perdidos
Apócrifos, livros perdidos
Wesley Arruda
 
O Testemunho da Arqueologia
O Testemunho da ArqueologiaO Testemunho da Arqueologia
O Testemunho da Arqueologia
Wesley Arruda
 
A Trindade
A TrindadeA Trindade
A Trindade
Wesley Arruda
 

Mais de Wesley Arruda (11)

Cronograma I COMATEM (2017)
Cronograma I COMATEM (2017)Cronograma I COMATEM (2017)
Cronograma I COMATEM (2017)
 
Edital de Submissão - COMATEM 2017
Edital de Submissão - COMATEM 2017Edital de Submissão - COMATEM 2017
Edital de Submissão - COMATEM 2017
 
Idéias para o EPL Cuiabá
Idéias para o EPL CuiabáIdéias para o EPL Cuiabá
Idéias para o EPL Cuiabá
 
Aos políticos liberais: Promessas, paixão e gestão!
Aos políticos liberais: Promessas, paixão e gestão!Aos políticos liberais: Promessas, paixão e gestão!
Aos políticos liberais: Promessas, paixão e gestão!
 
A revolta do vinagre
A revolta do vinagreA revolta do vinagre
A revolta do vinagre
 
Hérnia de Disco - Dr. Alfredo Arruda
Hérnia de Disco - Dr. Alfredo ArrudaHérnia de Disco - Dr. Alfredo Arruda
Hérnia de Disco - Dr. Alfredo Arruda
 
Entendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestinaEntendendo o conflito israel x palestina
Entendendo o conflito israel x palestina
 
A Bíblia
A BíbliaA Bíblia
A Bíblia
 
Apócrifos, livros perdidos
Apócrifos, livros perdidosApócrifos, livros perdidos
Apócrifos, livros perdidos
 
O Testemunho da Arqueologia
O Testemunho da ArqueologiaO Testemunho da Arqueologia
O Testemunho da Arqueologia
 
A Trindade
A TrindadeA Trindade
A Trindade
 

Último

8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
Especialidade  Arqueologia  Bíblica.pptxEspecialidade  Arqueologia  Bíblica.pptx
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
AlexandreJr7
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
PIB Penha
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
EzeirAlvesdaSilva
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
OBrasilParaCristoRad
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
OBrasilParaCristoRad
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 

Último (20)

8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
Especialidade  Arqueologia  Bíblica.pptxEspecialidade  Arqueologia  Bíblica.pptx
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 

Artigo Wesley Arruda

  • 1. Introdução A palavra religião é proveniente do latim religare, que significa uma “religação com o divino”. Em meio a tantas religiões, todas prometendo felicidade e a verdade sobre Deus, você provavelmente já parou para pensar quem está realmente certo. Tradicionalmente, atribui-se à Bíblia o título de verdade. Eu vivi esse dilema durante algum tempo da minha adolescência e até mesmo já pensei em ser impossível achar uma religião que fosse totalmente verdadeira. Passei muito tempo pesquisando os motivos que fazem da Bíblia um livro diferente de outros livros ditos como “sagrados”. Não encontrei nenhum livro que, além da filosofia, possui características como:  Antecipações Científicas: 1. Dizia que a terra era redonda 2.500 anos antes de Copérnico e Galileu (Is 40:22); 2. Menciona a existência da pressão atmosférica sendo que o barômetro só foi inventado em 1643.  Autenticidade Histórica  Apesar de ter sido escrita por 40 pessoas diferentes, possui uma unidade teológica.  Sobreviveu a inúmeras perseguições.  Profecias cumpridas.  A Bíblia tem o poder de transformar vidas. Segundo Jo Ann Davidson, Ph.D e professora de Teologia na Andrews University, “ao longo de toda a Bíblia, encontramos um Deus que procura Seus filhos, que deseja intensamente comunicar-Se com eles e que os ama mais do que ama Sua própria vida.”1 A Bíblia é realmente um livro de Deus. É um livro que deve ser lido, estudado e amado. Espero que você, leitor, possa compreender de forma simples e clara, o que a Bíblia realmente ensina. 1 Publicado originalmente como “The Word Made Flesh”, Perspective Digest, ano 15, nº 3 [2010], p. 21- 25. Traduzido e adaptado por Matheus Cardoso. – Retirado do site www.Criacionismo.com.br (acesso em 22 de Setembro de 2012).
  • 2. A história da doutrina da Trindade Nos dias atuais, há um grande debate acerca da personalidade de Deus, principalmente nos meio cristão. Algumas correntes afirmam que Deus é uma trindade, sendo definido pelo bispo Atanásio como “[...] um só Deus em três Pessoas e três Pessoas em um só Deus.” 2 Algumas outras pessoas creem que Deus foi manifesto de três maneiras diferentes, como o Pai no Antigo Testamento, Jesus no Novo Testamento e Espírito Santo nos dias de hoje. Outros afirmam existir apenas um só Deus e são denominados de monoteístas ou unicistas. A Bíblia revela existir apenas um só Deus. Além da base bíblica para esta afirmação, existe o fator histórico. A maioria dos teólogos, historiadores e arqueólogos afirmam que no Antigo Testamento o Deus é reconhecido como sendo uno e não triúno. Por muitos anos houve discussões entre os cristãos se Jesus era ou não Deus. Para tentar resolver esse problema doutrinário, em 325 DC, Constatino convocou cerca de 300 bispos para a cidade de Nicéia, hoje İznik na Turquia. Além é claro da discussão sobre a divindade ou não de Jesus, outros tópicos de discussão tiveram espaço nesse concílio como a celebração da Páscoa, cisma de Melécio, o batismo de heréticos e o estatuto dos prisioneiros na perseguição de Primeiro Concílio de Nicéia Licínio. Constantino não era Cristão. Supostamente se converteu no último dia de sua vida. “Sua conversão não deve ser interpretada como uma íntima experiência de graça... Era uma questão militar.”3 Dentre os presentes nesse concílio estavam Ario e Atanasio, ambos da cidade Egípcia de Alexandria. Ario defendia a ideia de que Jesus não era Deus, e sim um ser criado e que um dia não existiu. Na outra vertente encontrava-se Atanasio, que defendia a divindade e eternidade de Cristo. Após dois meses de debates, o imperador Constantino decidiu em favor dos que acreditavam que Jesus era Deus. Provavelmente fez isso, não por causa de uma convicção bíblica, mas sim, porque sabia que “uma divisão religiosa representava uma ameaça ao seu império, e o seu desejo era solidificar o seu domínio.” 4 Um outro concílio, realizado em 381 AD, foi organizado pelo imperador Teodósio - que tinha estabelecido o credo Niceno-Constantinopolitano como padrão para o seu governo – para esclarecer os preceitos anteriores. O concílio foi voltado para colocar o espírito santo no mesmo patamar que Deus e Cristo. Foi a primeira vez na história da igreja em que a trindade começou a ser enfocada, mas, mesmo assim, não foi amplamente aceita. Somente com o advento das escolásticas (séc. IX ao XVI d.C.), que propunham uma explicação teológica com base na filosofia ocorreu o pleno desenvolvimento da doutrina da trindade no Ocidente. 2 Trecho retirado do site Wikipédia, com o nome de Credo de Atanásio. (Acesso em 28 de setembro de 2012) 3 Trecho retirado do livro The Early Church, de Henry Chadwick. 4 Trecho retirado da brochura Should you believe in the Trinity? Publicada pela Watch Tower.
  • 3. Essa apostasia que ocorreu dentro da igreja cristã, que viria depois dos dias de Jesus e seus apóstolos foi predita por volta do primeiro século. 5 A Enciclopédia Americana comenta que “O trinitarianismo do quarto século de forma alguma refletiu com exatidão o primitivo ensino cristão sobre a natureza de Deus; foi ao contrário, um grande desvio deste ensinamento”. As origens da trindade remontam desde a antiga Babilônia, Egito, Grécia e Roma, onde tríades e adoração a três deuses eram bastante comum. 5 Ver 2 Tessalonicenses 2:3e 7, Atos 20:29 e 30, 2 Pedro 2:1, 1 João 4:1-3, Judas 3:4, 2 Timóteo 4:3, Mateus 13:24-43, 1 Timóteo 1:6.
  • 4. O Cristianismo herdou da religião judaica seus livros, seus profetas, suas promessas de um mundo melhor e acima de tudo, a idéia monoteísta: Deus só existe um. Apesar de ter herdado do Judaísmo as coisas que lhe são essenciais, de ter nascido da pregação de um homem judeu, de usar os livros do Antigo e do Novo Testamento, todos escritos por judeus, de ter nascido dentro do templo de Jerusalém e das sinagogas judaicas, o Cristianismo, em determinado período da história afastou-se completamente dos judeus e do Judaísmo, chegando até a ver nos judeus os mais abjetos inimigos. É fato que as primeiras conversões, em razão da pregação evangélica, foram conversões de judeus. Também é fato que a igreja primitiva era composta basicamente por judeus e que foram esses judeus, fugindo da invasão de Jerusalém pelos exércitos romanos ou da perseguição religiosa empreendida pelos líderes do Sinédrio judaico, quem fizeram a expansão surpreendente da fé cristã. “Constantino basicamente não tinha entendimento algum das perguntas que se faziam em teologia grega” – Breve História da doutrina Cristã Após a morte dos apóstolos crenças pagãs começaram a se desenvolver no meio cristão, porém, a igreja sempre dizia que suas novas doutrinas se baseavam na Bíblia. Assim sendo, no quarto século EC, a apostasia que Jesus e seus apóstolos predisseram veio a acontecer totalmente. Mas não podemos nos esquecer de que a trindade foi apenas uma das ideias que iam contra a palavra de Deus. A igreja apóstata começou a acalentar outras ideias provenientes do paganismo como o inferno de fogo, a imortalidade da alma, guarda do domingo e a idolatria. No âmbito espiritual, o cristianismo havia entrado na sua “era obscura”, subjugada por uma classe clerical que não se interessava na salvação e sim no poder. Uma classe de homens que são “contra a lei” (2 Tessalonicenses 2:3 e 7), contra a Bíblia e contra Deus.
  • 5. A história da guarda do Domingo O Sábado (Shabat - ‫ )שבת‬é o nome dado ao dia de descanso semanal no judaísmo e no cristianismo. O sábado é o memorial da criação em seis dias e o descanso no sétimo (Gênesis 2:3). Ele é observado do pôr do sol da sexta- feira até o pôr do sol do sábado (Levíticos 23:32). “A palavra hebraica shabat (‫ ,)שבת‬tem relação com o verbo shavāt (‫ ,)שבת‬que significa „cessar‟, „parar‟.” Não há evidência alguma de que os seguidores de Jesus não guardassem o sábado. Pelo contrário, segundo a teologia cristã, Jesus não veio para abolir a lei e os profetas que o antecedeu, mas sim cumprir (Mateus 5:17-18). Jesus guardou o sábado (Lc 4, 16). O apóstolo Paulo guardou o sábado. Durante a semana ele trabalhava fazendo tendas, mas esse dia foi reservado para a pregação. “Como de costume, Paulo… por três sábados disputou com eles sobre as Escrituras.” (Atos 18:2-3, 17:2). Jesus guardou o Sábado Inclusive após a morte de Jesus, os seus discípulos continuaram a observar o santo dia do sábado (Lucas 23:54 e 56, Lucas 24:1,Lucas 4:16). Hoje, a maioria das pessoas pensam que, quando guardam o Domingo como dia sagrado, estão dentro do costume da igreja cristã do primeiro século. Na verdade, os primeiros cristãos observavam o Sábado como um dia de descanso e adoração nas sinagogas, juntamente com os judeus. “No ano 95 ou 100 d.C. houve uma mudança no culto da sinagoga. A parte central do culto era conhecida como a „Oração de Pé‟ ou „18 bênçãos de gratidão a Deus‟. Todas as 18 eram recitadas durante a semana, mas no Sábado, somente 7 delas. Neste ano, mais uma benção foi acrescentada, a „Benção concernente aos heréticos‟, que, na realidade não era uma benção, e sim uma maldição. Isso serviu para desmascarar os Benção Concernente aos Heréticos: cristãos, porque a Que os apóstatas não tenham esperança; qualquer um poderia Que o domínio dos ímpios seja desarraigado rapidamente de nossos dia; se pedir que dirigisse a recitação. Se Que os nazarenos e os hereges pereçam prontamente e que não sejam esperava que todos contados junto com os justos. dissessem Amém ao Bendito sejas, nosso Deus eterno que esmaga o ímpio. final de cada recitação, e isso era muito incômodo, e até impossível para os cristãos participarem daí para adiante nesse culto, que era dirigido pelos fariseus.” 6 Por causa disso, os cristãos passaram a se perguntar se realmente valia a pena relacionar-se com os judeus. “Nos escritos da igreja primitiva, nota-se que os cristãos estavam desesperados por separar-se dos judeus e distinguirem-se a si mesmos. Como resultado, percebe-se muito antissemitismo. Alguns comentários são ofensivos contra os judeus, outros falam do afastamento daquilo que consideravam a religião do Velho Testamento.” 7 Muitos judeus, ainda sonhavam com uma grande nação judaica. Por causa disso, no norte da África por volta do ano 115 AD, esse sonho se tornou violência, segundo fontes do historiador e cônsul 6 Dr. Robert M. Johnston – Extraído da série “O Sétimo Dia – Revelações das páginas perdidas da história”. 7 Dr. Burton L. Visotzky – Extraído da série “O Sétimo Dia – Revelações das páginas perdidas da história”.
  • 6. romano Dio Cassius. “Nesse ínterim, os judeus na região de Cirene puseram um certo Andreas como seu chefe, e estavam destruindo tanto os romanos como os gregos. Comeriam a carne de suas vítimas, fariam cintos de suas entranhas, ungir-se-iam com o sangue delas e usariam sua pele como vestimenta; a muitos eles serraram em dois, da cabeça aos pés; outros eles deram às feras selvagens, e outros ainda forçaram a lutar como gladiadores. Ao todo, duzentos e trinta mil pessoas pereceram. No Egito também, cometeram muitas atrocidades semelhantes, igualmente em Chipre... .” 8 Pouco tempo depois, no ano 132 AD a oposição dos judeus contra Roma, explodiu em outra violência, desta vez, em Jerusalém. “O líder dos judeus nessa época era um homem pelo nome de Barcocheba (que significa estrela), que possuía o caráter de um ladrão e um assassino, mas mesmo assim, contando com o seu nome, gabava-lhes, como se fossem escravos, que possuía poderes maravilhosos e ele fingiu que era uma estrela que tinha descido para eles do céu para trazê-los de luz no meio dos seus infortúnios” 9. A revolta de Revolta de Bar Kokhba só aconteceu porque o imperador Adriano proibiu a circuncisão judaica e ordenou a reconstrução de Jerusalém como cidade pagã, pelo nome de Aelia Capitolina. O exército imperial esmagou a rebelião em 135 AD, Adriano baniu os judeus de Jerusalém e proibiu a observância do Sábado e outros rituais religiosos judaicos. “Dessa forma, houve um sentimento anti-judaico muito forte no Império Romano e então, os cristãos não queriam ser associados com os judeus. A forma mais fácil foi renunciar o Sábado, que era a marca de ser judeu” 10. Os cristãos da cidade de Alexandria foram os primeiros a substituir a observância do Sábado para o Domingo, por volta de 120 AD. A Epístola de Barnabé foi um dos primeiros documentos que relatam a observância do Domingo pelos cristãos. “Não se trata do Barnabé mencionado no livro de Atos no Novo Testamento, mas sim, um falso Barnabé, com uma falsa epigrafia, alguém se atribui falsamente ao nome do apóstolo. Porém foi alguém de Alexandria, cidade na qual a tendência era espiritualizar tudo, e é isso que a epístola de Barnabé faz, não toma nada literalmente” 11. “E ele descansou no sétimo dia.” Isso quer dizer que seu Filho, quando vier para pôr fim ao tempo do Iníquo, para julgar os ímpios e mudar o sol, a lua e as estrelas, então ele, de fato, repousará no sétimo dia. – Epístola de Barnabé Apesar da Epístola de Barnabé ser uma das primeiras evidências do Domingo ter sido promovido como dia de culto cristão, é em Roma que está o centro do movimento pró-dominical cristã. 8 Dio Cassius, Historia 69, LCL, p. 421; conforme relato semelhante dado por Eusebius, HE 4, 2 e Chronicon 2, 164. 9 Eusébio de Cesaréia, História da Igreja (Livro IV) - Cap. 3, verso 2. 10 Alan Reinach - Extraído da série “O Sétimo Dia – Revelações das páginas perdidas da história”. 11 Dr. Robert M. Johnston – Extraído da série “O Sétimo Dia – Revelações das páginas perdidas da história”.
  • 7. O domingo é o dia quando temos a nossa reunião porque nesse dia Deus, tendo obrado uma mudança na escuridão e na matéria, fez o mundo e Jesus Cristo nosso Salvador ressuscitou dos mortos no mesmo dia. – Justino de Nablus Essa foi a justificativa teológica usada pelos primeiros cristãos observadores do domingo, tentando ligar esse primeiro dia da semana com o primeiro dia da criação. O domingo foi um substituto atraente para o sábado, pois na religião pagã, o domingo era dia de culto ao sol e dia de se pensar sobre o sol. Assim, mais uma vez, doutrinas da religião pagã foram entrando no cristianismo de forma sutil, já que os cristãos eram uma minoria num mundo que adoravam deuses míticos, imperadores mortos e ao sol invencível. “No ano 31 A.C. Otaviano derrotou as forças de Cleópatra no Egito e levou para Roma dois grandes obeliscos”. 12 Um desses obeliscos foi colocado no Circo Máximo, não só dedicado ao deus sol, mas também era um sinal visível de que Roma tinha conquistado o Egito. Os textos da metade do primeiro século dão mais força à popularidade do culto ao sol. O imperador Nero, encomendou uma estátua de 35 metros de altura, com um busto semelhante ao dele ao estilo do deus sol. O imperador Heliogabalus13 era tão devoto ao deus sol oriental que tomou o nome dele para si mesmo e trouxe seu deus na forma de meteorito preto da Síria até Roma e adotou um estilo de vida oriental. Mesmo após sua morte em 222 AD, e sua pedra preta ter sido enviada de volta à Síria, o culto ao sol continuou no império Romano. Além disso, por meio dos piratas do mar mediterrâneo, o culto do deus Mitra se tornou muito popular pelo império, especialmente entre os militares. Inclusive, algumas peculiaridades do mitraísmo foram agregadas a outras religiões, como o cristianismo. Por exemplo, desde a antiguidade, o nascimento de Mitra era celebrado em 25 de dezembro. O mitraísmo só entrou em decadência no império Romano a partir da adoção do cristianismo como religião oficial. O mitraísmo era uma religião de fraternidade e camaradagem, e assim, os seguidores se reuniam não só para adorar ao seu deus, mas para comer juntos. Muitos soldados romanos de origem oriental costumavam orar ao amanhecer voltados para o sol ou para o leste, e é “nesse período em que se faz menção do sol invicto ou sol invencível. Invencível porque, a cada 24 horas, a noite tenta vencê-lo, mas, ao amanhecer, o sol volta outra vez, vencendo a noite“. 14 No reinado do imperador Aureliano, foi estabelecida a religião estatal que incluía o culto ao imperador e também o culto ao sol invicto, com o objetivo de unificar todas as religiões pelo deus sol. O imperador Diocleciano, também era um devoto do deus sol e manteve os princípios da religião estatal, dizendo ser ele mesmo deus, e eventualmente, deu a ordem para o início da perseguição aos cristãos. 12 Alan Reinach - Extraído da série “O Sétimo Dia – Revelações das páginas perdidas da história”. 13 Heliogabalus foi um imperador romano de 218 a 222. De origem siríaca, era tão devoto do seu deus Elagabal (latim=Elagabalus) que depois mudou seu nome para Elagabalus. Elagabal era um deus muito comum em terras orientais, principalmente na cidade de Homs. 14 Dr. Ron Mello – Extraído da série “O Sétimo Dia – Revelações das páginas perdidas da história”.
  • 8. Portanto, para alguns líderes cristãos, a observância do domingo pelos cristãos, “Constantino o Grande fez uma faria do cristianismo uma religião mais lei para todo o império, (321 atraente para pagãos que já adoravam o d.C.), instituindo que o Domingo deus sol nesse dia. fosse observado como dia de No ano de 313 AD, com o repouso em todas as cidades e consentimento do seu co-imperador Licínio, vilas; mas permitindo que os ele legalizou a religião cristã. A partir daí camponeses prosseguissem em surgiu uma nova religião e uma nova forma seus trabalhos”. - Enciclopédia de estado. Eles estavam tão ligados que por muito pouco se distinguia a linha divisória Americana, artigo Sábado. entre os dois. Pouco tempo depois, no ano de 321 AD, o imperador Constantino promulgou a famosa “Lei Dominical”: "Devem os magistrados e as pessoas residentes nas cidades repousar, e todas as oficinas ser fechadas no venerável dia do Sol. No campo, entretanto, as pessoas ocupadas na agricultura podem livre e licitamente continuar suas ocupações; porque acontece muitas vezes que nenhum outro dia se lhe assemelha para a semeadura de sementes ou para a plantação de vinhas; tememos que, pela negligência do momento apropriado para tais operações, as bênçãos celestiais sejam perdidas." (Promulgada aos 7 dias de março, sendo Crispo e Constantino cônsules pela segunda vez cada um). - Codex Justinianus, liv. 3, tit. 12 e 13; traduzido em PHILIP SCHAFF, D.D., History of the Christian Church (volume sete da edição, 1902), vol. III, pág.380. Segundo os registros da antiga cidade de Laodicéia, onde os líderes eclesiásticos se reuniram no ano 364 para se definir exatamente quais escrituras deveriam ser lidas nos cultos de Sábado15. Isso ainda é uma prova irrefutável de que muitos cristãos ainda se reuniam no dia de sábado 300 anos após a morte de cristo, porém, mesmo assim, a guarda do domingo foi forçada pelos líderes da época16. Mesmo assim, muitas pessoas não aceitaram essa mudança. “Embora quase todas as igrejas do mundo celebrem os sagrados mistérios no sábado de cada semana, os cristãos de Alexandria e Roma cessaram de fazê-lo” – Sócrates Eclesiástico17. Esse foi o fator fundamental da maior brecha que dividiu a igreja cristã por 900 anos. “A recuperação do sábado é especialmente necessária hoje quando nossas almas, fragmentadas, penetradas e dissecadas por uma cultura cacófona e dominada pela tensão clama pela libertação e realinhamento que nos aguardam no dia de sábado. A redescoberta do sábado nesta era cósmica propicia a base para uma fé cósmica, uma fé que abarca e une a criação, redenção e restauração finais; o passado, presente e futuro; o homem, a natureza e Deus; este mundo e o mundo por vir. É uma fé que reconhece o domínio de Deus sobre toda a criação e a vida humana por consagrar a Ele o sétimo dia; uma fé que cumpre o verdadeiro destino do crente no tempo e eternidade, uma fé que permite que o Salvador enriqueça-nos a vida com uma maior medida de Sua presença, paz e descanso.” - Samuele Bacchiocchi. 15 Cânon 16 do Concílio de Laodicéia: “Os Evangelhos devem ser lidos no sábado, juntamente com as outras escrituras”. 16 Cânon 29 do Concílio de Laodicéia: “Os cristãos não devem judaizar descansando no sábado, mas sim, trabalhar nesse dia. E se puderem, devem honrar o dia do domingo, descansando como cristãos. Se alguém for encontrado judaizando, seja ele inimigo de Cristo”. 17 Eclesiastical History 5.22, século V.