SlideShare uma empresa Scribd logo
1
DIFERENÇA ENTRE LINKS PATROCINADOS E MÍDIA PROGRAMÁTICA: Como
atender às novas exigências do mercado
Suellen da Silva Dias*
RESUMO
Com uma oferta grande de sites, portais e blogs vendendo espaços, o trabalho de segmentação
de uma campanha é essencial para obter êxito nos resultados e, portanto, de extrema
importância para os clientes e agências de publicidade. Assim, o profissional de mídia,
responsável pelo planejamento, precisa definir a infinidade de canais para veiculação dos
anúncios e ainda fazer um acompanhamento diário para analisar a performance de cada
campanha. Assim, este artigo caracterizado como pesquisa descritiva, básica, bibliográfica,
baseada em referenciais teóricos, teve como objetivo identificar e analisar por meio de um
panorama comparativo a diferença entre as ferramentas de publicidade online: os links
patrocinados do Google AdWords e a mídia programática para melhor atender as agências.
Palavras-chave: Agência de Publicidade. Links Patrocinados. Mídia Programatica.
1 INTRODUÇÃO
A Era Digital propicia muita facilidade, tanto para os consumidores quanto para as
empresas. Nesta constante, cada vez mais a publicidade on-line se reinventa para se adaptar
ao novo mercado. A internet vai deixando o rotúlo de mídia de nicho para se tornar veículo de
massa. No entanto, a comunicação pode e deve ser segmentada para atender as necessidades
de um público tão diversificado.
Levando em consideração que as pessoas buscam agilidade ao mesmo tempo em que
desejam se sentirem únicas, acompanhar o comportamento dos internautas na chamada “Era
*Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais;
Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado
Online;
Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
2
do Relacionamento” é de suma importância para entregar anúncios menos invasivos e de
acordo com os interesses dos usuários. Neste processo, válido é a marca que se adéqua e
aproveita as informações geradas através da internet para uma comunicação mais assertiva,
com investimentos otimizados e anúncios mais interessantes.
O tempo médio que uma pessoa fica na internet no Brasil vem crescendo a cada dia.
Assim, com a demanda, cresce também o uso de ferramentas de publicidade on-line, como os
links patrocinados e mídia programática que permitem um alto grau de segmentação em
anúncios de texto e gráfico que a mídia tradicional ainda não consegue captar. Embora pouco
tenha se falado da diferença entre ambas, se há. Sobretudo, o maior questionamento é, qual é
a oportunidade real para anunciantes e exibidores utilizando-as? Como a mídia programática
vai fazer com que as empresas cresçam de forma segura e oferecer retorno sobre
investimento? Nota-se que, esse movimento vem sendo acompanhado com reticência e
desconfiança pelas agências de publicidade, revelando um mercado em aberto e ainda pouco
explorado. As incertezas são comuns quando se trata de mudar algo que já está habituado,
contudo, para atingir o consumidor 3.0 nomeado de tal forma por ser mais engajado e
reinvidicativo, é preciso mais do que apenas estar neste meio.
Para que as agências de publicidade possam analisar suas ações na web, serão
analisadas através de pesquisa básica, qualitativa, de caráter exploratório, a partir de pesquisa
bibliográfica, responder as diferenças entre links patrocinados e mídia programática como
ferramentas de alta segmentação de anúncios on-line. Além de mostrar de forma comparativa,
qual ferramenta é mais rentável no mercado, oferecendo um norte para muitas empresas e
marcas que querem cada vez mais atingir o consumidor da forma mais efetiva possível.
2 Links Patrocinados versus Mídia Programática
Compreender a publicidade na comunicação da era virtual exige uma sensibilidade à
tecnologia e à mudança, bem como um conhecimento de história, de como tudo começou.
Para tanto, nesta sessão será abordada a evolução dos links patrocinados da ferramenta do
Google AdWords com o decorrer dos anos e a mídia programática.
*Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais;
Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado
Online;
Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
3
2.1 Links Patrocinados
De acordo com Felipini (2015) “os links patrocinados são a forma mais ágil de se
anunciar e gerar visitantes no comércio eletrônico. [...] são anúncios, geralmente de tamanho
pequeno, postados em sites de busca como o Google com seu sistema de publicidade
AdWords, ou em suas rede e parcerios AdSense”.
Além do Google, é possível trabalhar com os links patrocinados no Yahoo, Bing e
redes sociais como Facebook e Instagram, por exemplo.
De acordo com o site Google (2017), os primeiros passos dos links patrocinados do
Google AdWords foram dados em outubro de 2000 que, até então, contavam com 350
clientes. Na época a segmentação era apenas por palavras-chave com espaço para comentários
sobre o desempenho. Dois anos depois, houve uma reformulação na ferramenta que incluiu
novos preços de CPC (Custo Por Clique) conquistando o eBay Austrália como seu primeiro
cliente.
Em abril de 2003, foi lançado o “Google Grants, a edição sem fins lucrativos do
Google AdWords, que fornecia às organizações US$ 10.000 por mês em publicidade no
Google para a promoção de iniciativas.” Em julho de 2011, nasce o AdWords Express como
uma “maneira mais rápida e simples para que pequenas empresas comecem a anunciar on-line
em menos de cinco minutos”. Já em fevereiro de 2013, surgem “as campanhas avançadas, que
atualizam o Google AdWords para o mundo multitelas”. (Google, 2017)
A definição do Google é que com a ferramenta, as empresas podem ser encontradas
por clientes no exato momento em que eles pesquisam, seja qual for o tamanho da empresa. A
premissa é entregar um conjunto de soluções digitais para conectar a empresa aos
consumidores de forma rápida, assertiva e com baixo investimento.
Salienta ainda que, os anunciantes pagarão somente quando houver cliques para visitar
o site ou o telefone anunciado.
2.2 Mídia Programática
*Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais;
Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado
Online;
Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
4
Tendo em vista as definições anteriormente citadas, neste item será abordado o
conceito da mídia programática na concepção de estudiosos do âmbito.
A autora Villanova (2016) explica que o processo de mídia programática consiste em
compras decididas por um computador, que estabelece qual anúncio deve ser exibido para
determinado grupo de pessoas. Assim sendo, com a necessidade de uma comunicação mais
ágil entre anunciantes e publishers (todas e quaisquer pessoas que produzam conteúdo na
internet) na nova Era da publicidade on-line, essa nova ferramenta vem ganhando cada vez
mais espaço no planejamento de mídia das agencias de todo o mundo. No entanto, embora no
mercado americano a ferramenta já seja amplamente utilizada, levando em conta os dados do
Emarketer (2015), “cerca de 45% da mídia Display do mercado americano já é negociada
desta forma”, no Brasil, a nova forma de anunciar vem chegando a passos curtos.
De acordo com o site Admatic (2015), a ferramenta surgiu em 2013 no Brasil, quando
se consolidou a compra e venda de espaços publicitários on-line. Assim sendo, o uso da mídia
é relativamente recente, e, portanto, e acredita-se em senso comum que, muitas agências de
publicidade e propaganda ainda não dominam a ferramenta, apesar de também ser entendida
por muitos como o futuro da publicidade.
Contudo, apesar de muitos artigos se referirem à mídia programática como a compra
de espaços publicitários, o autor Pardo (2016) afirma que não se deve restringi-la, e explica:
“é preciso extrapolar essa dimensão para aprofundar o conhecimento sobre o comportamento
dos consumidores, a partir dos dados gerados por essa mídia, e aproveitar os insights para
uma criação mais eficiente e alinhada com o público-alvo. Existe a oportunidade de criar
narrativas mais fortes e tornar as marcas mais pessoais, ainda que se trate de comunicação em
massa”.
Nesse sentido, de acordo com a mesma fonte, a mídia programática pode ser explicada
da seguinte maneira:
com uma oferta grande de sites, portais e blogs vendendo espaços, existe um
trabalho muito grande de estudo para poder segmentar uma campanha. Os publisher
podem passar essa informação, mas o profissional de mídia, responsável pelo
planejamento da publicação, precisará definir os vários canais que ele pretende
publicar e ainda fazer um acompanhamento diário para analisar a performance de
cada campanha. Com o modelo de mídia programática, a negociação entre as partes
e toda parte operacional se torna automática. (Pardo, 2016)
*Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais;
Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado
Online;
Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
5
O gráfico a seguir explana a oferta de mídia programática no Brasil.
Figura 1: Demanda de mídia programática no Brasil
Fonte: Publya (2015)
*Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais;
Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado
Online;
Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
6
Continuação
Fonte: Publya (2015)
*Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais;
Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado
Online;
Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
7
Na compreensão dos dados, percebe-se que há demanda para utilizar a ferramenta em
grande escala e nos mais variados formatos.
Abelardo (2017) respalda “o Brasil lidera o investimento em mídia programática na
América Latina, mas representa apenas 5% do investimento mundial”. Afirma ainda que, em
2014 o investimento no país foi de U$$ 0,6 milhão, mas que “até o ano de 2018 deve chegar a
U$$ 55,8 milhões”. Estima que, “até 2019, 85% do inventário de Display será comerciado via
programática”.
Segundo o Google (2015), com a mídia programática as marcas podem ainda “gerar
interesse em produtos, conquistar novos clientes e ter sucesso definitivo. [...]
Ambiciosamente, as marcas querem responder ao público-alvo em tempo real com mensagens
altamente relevantes e criativas. Hoje, as marcas podem atingir essa ambição por meio da
compra programática”. Por conta disso, é possível aproveitar ao máximo as diversas opções
disponíveis para se conectar com o público-alvo.
Com base nos dados acima, segue na próxima sessão um panorama comparativo entre
links patrocinados e mídia programática.
3 ANÁLISE DOS DADOS
A mudança do consumidor para a conectividade do imediatismo em multitelas –
smartphones, tablets, computadores, relógios, óculos, vem transformando a forma com que as
marcas se conectam com o público-alvo.
Cada vez mais exigente, os consumidores penalizam mensagens generalizadas,
ignorando-as. É necessário despertar sua atenção para a mensagem a ser vendida,
transformando observadores passivos em um target interessado e participativo.
No entanto, muito tem se falado de links patrocinados e mídia programática na
publicidade on-line, porém sem muito entendimento sobre o assunto, gerando muitas dúvidas
quanto seu uso.
No decorrer desta sessão serão analisadas as diferenças entre ambas a qual está
inserido o objeto do estudo.
*Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais;
Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado
Online;
Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
8
*Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais;
Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado
Online;
Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
9
3.1 Panorama comparativo entre links patrocinados e mídia programática
Para comparar as duas ferramentas, se faz necessário entender a motivação para seu
uso. Deste modo, segue os motivos pelos quais, de acordo com o site Think with Google
(2015), têm se buscado a mídia programática para veicular os anúncios publicitários:
a. Conectar-se individualmente com os públicos-alvo em escala;
b. Engajar-se em com os usuários em várias telas e formatos atraentes;
c. Acessar inventários de alta qualidade;
d. Avaliar o que é importante.
Ao analisar a pesquisa, fica evidente que a compra de mídia programática tem o
potencial de trazer muita eficiência ao marketing digital, no entanto, apesar das expectativas
serem altas no mercado programático da América Latina, a região é jovem em termos de
conhecimento desse universo. Falta a compreensão das vantagens da mesma, como e onde
pode ser aplicada aos investimentos de marketing.
Dessa forma, segue as vantagens da compra programática.
Figura 2 Vantagens da compra programática
Fonte: Fonte: ThinkwithGoogle (2015)
Neste contexto, não foi em vão que a marca Nike com a campanha Phenomenal
Shot utilizou a ferramenta para capturar em tempo real a energia e a animação da Copa do
*Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais;
Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado
Online;
Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
10
Mundo: a segmentação, como se pode verificar no gráfico, é um dos pontos mais altos da
ferramenta. Sabendo disso, a Nike exibiu anúncios gráficos imersivos em 3D em sites e
aplicativos em 15 países, logo após lances marcantes da partida. “Os fãs podiam interagir com
esses momentos, personalizá-los e compartilhá-los nas redes sociais. Com as compras em
tempo real, a Nike conseguiu fornecer uma bela experiência em rich media para dispositivos
móveis com mais de dois milhões de engajamentos” (Think With Google, 2015).
Figura 3 Campanha Nike Phenomenal Shot
Fonte: Think with Google (2015)
De acordo com a fonte supracitada, os anúncios em tempo real dobram as chances
de interação. Assim, a primeira particularidade entre as duas ferramentas está no imediatismo.
Com os links patrocinados do Google AdWords não é possível fazer interação com o anúncio
em tempo real. Apenas, anunciá-lo com textos/imagem/vídeo. Para essa funcionalidade em
especifico, o Google tem a ferramenta Double Click – que por não ser objeto de estudo não
será analisada neste artigo.
Para conseguir tal engajamento em tempo real, se faz necessário a utilização de alguns
requisitos:
*Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais;
Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado
Online;
Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
11
Figura 4 Estimular engajamento no anúncio
Fonte: Think with Google (2015)
Em 2015 mais de meio bilhão de dólares foram investidos em mídia mobile
programática nos Estados Unidos, já para o ano de 2017 são estimados 2,86 bilhões de dólares
sejam gastos no setor, afirma Villanova (2016). Identifica-se que as agências publicitárias
podem ainda diminuir o processo de trabalho em até 33% quando a compra programática é
feita em uma plataforma integrada de veiculação de anúncios. Segue figura ilustrativa.
Figura 5 As agências e a mídia programática
Fonte: Think with Google (2015)
Da mesma forma que com os links patrocinados, com a mídia programática o
anunciante também pode determinar o quanto quer investir nas impressões ou cliques de sua
campanha e segmentar para atingir seu target e assim não perder impressões desnecessárias
*Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais;
Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado
Online;
Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
12
com audiência sem sinergia com seu anúncio, ambas podem escolher a entrega do anúncio de
acordo com critérios como idade, gênero, perfil de navegação, entre outros (Admatic, 2015).
Outro importante ponto a ser analisado é sobre o termo “automatizado”, muitas fontes
descrevem ambas as ferramentas desta forma. No entanto, é preciso desmistificar seu uso.
Independente da ferramenta, não basta criar a campanha: é necessário analisar, fazer
otimizações constantes e checar resultados. Tendo isso em mente, o site Admatic
(2015) aponta outra disparidade entre os links patrocinados e a midia programática: o tempo
que a equipe do anunciante ganha para investir em planejamento e estratégia das campanhas é
maior com a midia programática, uma vez que gastarão menos tempo no operacional, como
faziam no modelo tradicional.
Classificado como uma das maiores plataformas de links patrocinados do mundo, “o
Google AdWords é capaz de atingir milhares de clientes em potencial, atrair visitantes para
uma página na internet e aumentar as vendas” (Multiad, 2016). A mídia programática possui,
além disso, o fator engajamento.
Nota-se ainda outra distinção, com os links patrocinados o pagamento pode ser feito
tanto por clique quanto por impressão, de acordo com os objetivos do negócio. O CPC (custo
por clique) “garante que uma empresa será cobrada apenas pelas vezes que alguém acessar
seu site. No final das contas, [o valor] é pago somente quando a publicidade realmente
funcionar. Isso faz com que o Google AdWords seja uma das mídias com o menor CPM
(custo por mil: valor pago por mil impressões)” (Multiad, 2016). Já com a mídia programática
o pagamento é feito apenas por impressões (CPM).
O site Zygon (2017) pontua algumas das diferenças entre as ferramentas estudadas:
1. Tamanho e qualidade do inventário
De acordo com o site, o inventário da mída programática é muito superior comparado ao
do Google Display (anúncios de texto, gráficos, vídeos, aplicativos). Elucida ainda que a
GDN (rede de Display do Google AdWords) atinge 2 milhões de site em todo mundo,
enquanto a web possui mais de 1 bilhão de páginas. Isso porque, enquanto o Google
Display possui como provedor de inventário o próprio Google, uma plataforma DSP
(Demand Side Platforms) que é especializada em comprar mídia de forma programática,
*Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais;
Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado
Online;
Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
13
tem acesso a outros diversos provedores, incluindo gigantes como Microsoft, Yahoo, AOL
entre outros.
O site supracitado explana que uma DSP restringe o inventário de sites pela qualidade,
excluindo possíveis sites fraudulentos, garantindo um inventário mais qualificado e
mais certeiro.
2. Valor do CPM (Custo por Impressão)
Como consequência de um inventário maior, de acordo com a fonte, com a mídia
programática o anunciante pode comprar a mídia por um valor mais baixo, caso a compra
seja feita pelo leilão RTB (Real Time Bidding) possível com a mídia programática. “Com
uma grande oferta por conta de um maior inventário, torna-se possível a compra de espaço
publicitário por um preço reduzido do que se comparado a uma negociação em que a
oferta é mais limitada – que é o caso da Google Display, por exemplo” (Zygon, 2017)
3. Segmentação por perfil de usuário
Explica que as segmentações por perfis, limitadas com os links patrocinados e disponíveis
com a mídia programática são muito mais assertivas. E exemplifica: “é possível
configurar uma campanha onde só serão atingidos um público definido como homens,
classe AB, acima de 25 anos, da região Sudeste e com interesse em comprar um carro. Os
filtros em perfis de usuários podem aprofundar-se ainda mais, incluindo outros fatores
como padrões de comportamento e navegação, graças às empresas que os
mapeiam”. (Zygon, 2017)
4. Segmentação semântica
A segmentação semântica (com base no conteúdo da notícia do veículo) está disponível
em ambas as ferramentas, porém, de acordo com o site, a plataforma DSP ainda possui
outra ferramenta disponível dentro dela, voltada especialmente para a segmentação
contextual ou semântica. Assim, o anunciante não deixa de anunciar num determinado
portal/site por entender que o mesmo possui conteúdos variados, exibindo, assim, sua
mensagem relacionada para seu target.
*Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais;
Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado
Online;
Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
14
5. O algoritmo
Tanto com os links patrocinados do Google AdWords quanto com a mídia programática, é
possível configurar uma campanha para alcançar um objetivo específico. Contudo, ainda
de acordo com a mesma fonte, o algoritmo da mídia programática “cruza uma série de
variáveis da campanha para entender quais estão mais próximas da conversão do objetivo,
e quais estão mais longe”. E elucida: se há uma taxa maior de conversões em uma
campanha de tênis esportivo quando os anúncios são exibidos em sites de futebol e não de
notícias, logo o algoritmo passa a entregar mais mídia neste tipo de site. Ou seja, o
algoritmo analisa o histórico de resultados de cada campanha e faz otimizações para o
próximo anúncio.
No entanto, vale ressaltar que no sistema de links patrocinados Search (anúncios de
texto na Rede de Pesquisa) o anúncio será exposto àquelas pessoas que digitaram uma
palavra-chave associada ao produto e que, naturalmente, devido ao seu interesse, são mais
propensas a clicar e visitar a página do anunciante.
Deste modo, no intuito de aclarar a pesquisa, segue um quadro explicativo com as
diferenças estudadas no decorrer do artigo.
Quadro 1 – Diferenças entre Links Patrocinados e Mídia Programática
Links
Patrocinados
Google
AdWords
Mídia
Programática
Multi telas (computador, notebook, tablet,
smartphone)
X X
Canal (Anúncios de texto, Display, vídeo,
aplicativo)
X X
Engajamento em tempo real X
Sistema de Leilão (CPC – Custo por clique) X
Sistema de Leilão (CPM – Custo por mil) X X
Formatos HTML X X
*Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais;
Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado
Online;
Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
15
Otimizações automáticas X
Anunciante decide quanto investir X X
Maior inventário X
Fonte: DIAS (2017)
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Este trabalho teve como propósito oferecer, de forma sintética e objetiva, uma
compreensão das principais diferenças entre as plataformas de compra de publicidade online
através dos links patrocinados tendo como base o Google AdWords e a mídia programática.
Para consecução deste objetivo, optou-se por uma descrição sequencial: explicando seus
conceitos, seus objetivos e finalmente, aclarando suas diferenças.
Na observação deste trabalho foi possível identificar as oportunidades para
anunciantes e exibidores utilizando as ferramentas supracitadas, suas vantagens e constatar,
com base nos dados, suas distinções.
Por meio da fundamentação teórica, a acadêmica teve o embasamento necessário sobre
as ferramentas supracitadas e como ambas podem se aplicar nas campanhas publicitárias.
Com base nos critérios objetivos, que se baseia na análise dos dados, notou-se que
apesar da mídia programática ter conquistado o mercado americano, no Brasil seu
crescimento ainda é vagaroso. Agências de publicidade especializadas em mídia online
necessitam entender as plataformas disponíveis para a compra de mídia e, assim, fazer com
que as empresas cresçam de forma segura oferecendo retorno sobre o investimento. No
entanto, ficou evidente ainda de que os profissionais com conhecimento sobre compra
programática são minoria na América Latina, prejudicando o crescimento da plataforma na
região.
No decorrer da pesquisa, notou-se ainda, uma grande semelhança no conceito de links
patrocinados e mídia programática, haja vista que ambas compram mídia em suas
ferramentas, trabalham com leilões, segmentações e lances. No entendimento de que existem
*Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais;
Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado
Online;
Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
16
algumas plataformas de compra e venda de mídia online, conhecidas como Ad Exchange, e o
Google é uma delas, concluiu-se, portanto, que links patrocinados também podem ser
considerados mídia programática. Assim, além do Google, também fazem parte: a Microsoft
(AdECN), AdBrite, ContextWeb, Yahoo (Right Media) e o Facebook. A diferença é que o
Google (Search e Display) alcança apenas o seu próprio mix de canais.
Assim sendo, a mídia programática utilizando uma DSP (microprocessadores
especializados em processamento digital para processar, entre outros, sinais de áudio e vídeo,
em tempo real ou off-line) possui um inventário muito superior se comparado ao Google
(Display). E o buscador ciente desta limitação possui, em compensação, um dos maiores
DSPs do mundo: a DoubleClick Bid Manager (DBM), a plataforma de mídia programática do
Google. Nesse contexto, tal assunto possibilita a continuidade desta pesquisa em outros
artigos científicos através do tema: DoubleClick Bid Manager: como o Google se diferencia
com a mídia programática.
Desta maneira, para responder a pergunta-chave desta pesquisa e identificar qual das
plataformas é mais rentável para agências e anunciantes, se faz necessário entender os
objetivos da campanha. Acredita-se, em senso comum que, o Google utiliza o Display do
AdWords para atender clientes “menores” e a DBM (mídia programática) para os “maiores”.
Deste modo, para as agências de publicidade que buscam mais praticidade,
envolvimento em tempo real com um grande inventário de canais, deve-se optar pelo uso da
mídia programática via DSP. Já para aqueles que buscam aparecer em destaque no Google e
suas plataformas, com facilidade, sem demandar muito tempo para iniciar uma campanha,
escolher se prefere pagar por clique (CPC) ou por impressão (CPM) apenas se o usuário
estiver interessado no anúncio e ser redirecionado para o site da empresa em questão, deve-se
optar pelo uso de links patrocinados.
Espera-se que as informações aqui expostas possam contribuir para o entendimento
das ferramentas e no planejamento de mídia das agências de publicidade.
*Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais;
Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado
Online;
Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
17
REFERÊNCIAS
ABELARDO, M. G. A Mídia Programática sobe ao palco. 2017. Disponível em:
<https://www.veinteractive.com/br/blog/midia-programatica-sobe-ao-palco/>. Acesso em:
10/02/2017.
ADMATIC. O que é mídia programática. 2015. Disponível em:
<http://blog.admatic.com.br/
o-que-e-midia-programatica/>.
DANTAS, H. Infográfico - Hábitos do Consumidor de Mídia Programática.
2016. Disponível em: <http://comunicadores.info/2016/02/10/
infografico-revela-os-habitos-do-consumidor-de-m~Aprotectbegingroupimmediate
write@unuseddefMessageBreak˙letprotectedefYourcommandwasignored.
MessageBreakTypeI<command><return>toreplaceitwithanothercommand,
MessageBreakor<return>tocontinuewithoutit.errhelpletdefMessageBreak˙(inputenc)
deferrmessagePackageinputencError:Unicodecharu8:Â notsetupforusewithLaTeX.
˙˙Seetheinputencpackagedocumentationforexplanation.˙TypeH<return>forimmediatehelp
endgroupdia-no-brasil/>. Acesso em: 10/02/2017.
DIAS, Suellen da Silva, 2017. Diferenças entre Links Patrocinados e Mídia Programática
EMARKETER. Programmatic Direct Takes Majority of Programmatic
Ad Dollars. 2015. Disponível em: <https://www.emarketer.com/Article/
Programmatic-Direct-Takes-Majority-of-Programmatic-Ad-Dollars/1013035>. Acesso
em: 16/02/2017.
FELIPINI, D. Links Patrocinados: sistema de publicidade do Adwords. 2015. Disponível
em:
<https://www.e-commerce.org.br/links-patrocinados-2/>. Acesso em: 15/02/2017.
GOOGLE. DoubleClick Bid Manager. 2017. Disponível em: <https://www.
doubleclickbyGoogle.com/pt-br/solutions/digital-marketing/bid-manager/>. Acesso em:
09/02/2017.
GOOGLE. Google Company . 1600 Amphitheatre Parkway Mountain View, CA 94043
EUA: [s.n.], 2017. Disponível em: <https://www.Google.com.br/about/company/history/>.
Acesso em: 16/02/2017.
*Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais;
Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado
Online;
Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
18
GOOGLE. Google Adwords Vantagens. 2017. Disponível em:
<https://www.Google.com.br/adwords/benefits/>. Acesso em: 16/02/2017.
GOOGLE, T. with. Programmatic Guia para Profissionais de Marketing. 2015.
Disponível em: <https://think.storage.Googleapis.com/intl/ALL_br/docs/programmatic-for-
brands-2015_articles.pdf>. Acesso em: 10/02/2017.
MULTIAD. Por que anunciar no Google Adwords? 2016. Disponível em: <http:
//multiad.com.br/marketing/por-que-anunciar-no-Google-adwords/>. Acesso em: 08/02/2017.
PARDO, A. Mídia programática em pauta. 2016. Disponível em: <http://www.proxxima.
com.br/home/proxxima/how-to/2016/05/04/midia-programatica-em-pauta.html>. Acesso em:
10/02/2017.
PUBLYA. Mídia Programática no Brasil. 2015. Disponível em:
<https://br.pinterest.com/pin/203787951865967357/>. Acesso em: 12/02/2017.
VILLANOVA, M. Mídia programática: o futuro da publicidade. 2016. Disponível em:
<https://www.inlocomedia.com/blog/2016/02/10/midia-programatica-o-futuro-da-
publicidade/>. Acesso em: 10/01/2017.
ZYGON. Qual a diferença entre Google Display e DSP? 2017. Disponível em:
<http://zygon.digital/blog/diferenca-entre-Google-Display-e-dsp/>. Acesso em: 10/02/2017.
*Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais;
Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado
Online;
Email: contato@adsresultadoonline.com.br.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Marketing Digital - Apostila introdução
Marketing Digital - Apostila introduçãoMarketing Digital - Apostila introdução
Marketing Digital - Apostila introdução
Ana Lúcia Rangel
 
Palestra Ufrj Marketing Digital
Palestra Ufrj Marketing DigitalPalestra Ufrj Marketing Digital
Palestra Ufrj Marketing Digital
Sergio Akash
 
Conheça o programa MVP, MSP e MTAC
Conheça o programa MVP, MSP e MTACConheça o programa MVP, MSP e MTAC
Conheça o programa MVP, MSP e MTAC
Fabio Hara
 
Fundamentos da mídia online professora bia
Fundamentos da mídia online   professora biaFundamentos da mídia online   professora bia
Fundamentos da mídia online professora bia
Barbara Beatriz Santos
 
Palestra midias online
Palestra midias onlinePalestra midias online
Palestra midias online
Flávio Aquino Sabugo
 
Em um relacionamento sério com a sua marca - Palestra Prof. Pedro Cordier
Em um relacionamento sério com a sua marca - Palestra Prof. Pedro CordierEm um relacionamento sério com a sua marca - Palestra Prof. Pedro Cordier
Em um relacionamento sério com a sua marca - Palestra Prof. Pedro Cordier
Pedro Cordier
 
Mídia Online: Fundamentals
Mídia Online: Fundamentals Mídia Online: Fundamentals
Mídia Online: Fundamentals
Aoki Media
 
Mídia Programática
Mídia ProgramáticaMídia Programática
Mídia Programática
Maratona Digital
 
Curso de Marketing Digital
Curso de Marketing DigitalCurso de Marketing Digital
Curso de Marketing Digital
Tales Augusto
 
Propagandas na Internet
Propagandas na InternetPropagandas na Internet
Propagandas na Internet
Fred Pacheco
 
Pesquisa TNS RI e Mundo do Marketing Marketing Digital
Pesquisa TNS RI e Mundo do Marketing Marketing DigitalPesquisa TNS RI e Mundo do Marketing Marketing Digital
Pesquisa TNS RI e Mundo do Marketing Marketing Digital
Mundo do Marketing
 
Marketing Digital - Produto Multimédia
Marketing Digital - Produto MultimédiaMarketing Digital - Produto Multimédia
Marketing Digital - Produto Multimédia
Carlos Amorim
 
Marketing Digital - ESAMC
Marketing Digital - ESAMCMarketing Digital - ESAMC
Marketing Digital - ESAMC
Lógica Digital
 
Marketing Viral e Guerrilha em 10 passos
Marketing Viral e Guerrilha em 10 passosMarketing Viral e Guerrilha em 10 passos
Marketing Viral e Guerrilha em 10 passos
Fernando Baldini Sim
 
Facebook Avançado
Facebook AvançadoFacebook Avançado
Facebook Avançado
Fabulosa Ideia
 
Publicidade online quais são suas reais opções
Publicidade online quais são suas reais opçõesPublicidade online quais são suas reais opções
Publicidade online quais são suas reais opções
Jeff Wendell Macedo
 
Planejamento de comunicação e mídia digital
Planejamento de comunicação e mídia digitalPlanejamento de comunicação e mídia digital
Planejamento de comunicação e mídia digital
Gustavo Franco
 
Marketing Digital - Aula 4
Marketing Digital - Aula 4Marketing Digital - Aula 4
Marketing Digital - Aula 4
GPA
 
Mídia Programática - Márcia Popien
Mídia Programática - Márcia PopienMídia Programática - Márcia Popien
Mídia Programática - Márcia Popien
Fabulosa Ideia
 
Proposta Comercial Media Factory
Proposta Comercial Media FactoryProposta Comercial Media Factory
Proposta Comercial Media Factory
Media Factory
 

Mais procurados (20)

Marketing Digital - Apostila introdução
Marketing Digital - Apostila introduçãoMarketing Digital - Apostila introdução
Marketing Digital - Apostila introdução
 
Palestra Ufrj Marketing Digital
Palestra Ufrj Marketing DigitalPalestra Ufrj Marketing Digital
Palestra Ufrj Marketing Digital
 
Conheça o programa MVP, MSP e MTAC
Conheça o programa MVP, MSP e MTACConheça o programa MVP, MSP e MTAC
Conheça o programa MVP, MSP e MTAC
 
Fundamentos da mídia online professora bia
Fundamentos da mídia online   professora biaFundamentos da mídia online   professora bia
Fundamentos da mídia online professora bia
 
Palestra midias online
Palestra midias onlinePalestra midias online
Palestra midias online
 
Em um relacionamento sério com a sua marca - Palestra Prof. Pedro Cordier
Em um relacionamento sério com a sua marca - Palestra Prof. Pedro CordierEm um relacionamento sério com a sua marca - Palestra Prof. Pedro Cordier
Em um relacionamento sério com a sua marca - Palestra Prof. Pedro Cordier
 
Mídia Online: Fundamentals
Mídia Online: Fundamentals Mídia Online: Fundamentals
Mídia Online: Fundamentals
 
Mídia Programática
Mídia ProgramáticaMídia Programática
Mídia Programática
 
Curso de Marketing Digital
Curso de Marketing DigitalCurso de Marketing Digital
Curso de Marketing Digital
 
Propagandas na Internet
Propagandas na InternetPropagandas na Internet
Propagandas na Internet
 
Pesquisa TNS RI e Mundo do Marketing Marketing Digital
Pesquisa TNS RI e Mundo do Marketing Marketing DigitalPesquisa TNS RI e Mundo do Marketing Marketing Digital
Pesquisa TNS RI e Mundo do Marketing Marketing Digital
 
Marketing Digital - Produto Multimédia
Marketing Digital - Produto MultimédiaMarketing Digital - Produto Multimédia
Marketing Digital - Produto Multimédia
 
Marketing Digital - ESAMC
Marketing Digital - ESAMCMarketing Digital - ESAMC
Marketing Digital - ESAMC
 
Marketing Viral e Guerrilha em 10 passos
Marketing Viral e Guerrilha em 10 passosMarketing Viral e Guerrilha em 10 passos
Marketing Viral e Guerrilha em 10 passos
 
Facebook Avançado
Facebook AvançadoFacebook Avançado
Facebook Avançado
 
Publicidade online quais são suas reais opções
Publicidade online quais são suas reais opçõesPublicidade online quais são suas reais opções
Publicidade online quais são suas reais opções
 
Planejamento de comunicação e mídia digital
Planejamento de comunicação e mídia digitalPlanejamento de comunicação e mídia digital
Planejamento de comunicação e mídia digital
 
Marketing Digital - Aula 4
Marketing Digital - Aula 4Marketing Digital - Aula 4
Marketing Digital - Aula 4
 
Mídia Programática - Márcia Popien
Mídia Programática - Márcia PopienMídia Programática - Márcia Popien
Mídia Programática - Márcia Popien
 
Proposta Comercial Media Factory
Proposta Comercial Media FactoryProposta Comercial Media Factory
Proposta Comercial Media Factory
 

Destaque

Como conquistar o eleitorado utilizando as mídias sociais
Como conquistar o eleitorado utilizando as mídias sociaisComo conquistar o eleitorado utilizando as mídias sociais
Como conquistar o eleitorado utilizando as mídias sociais
Suellen Dias
 
O Facebook como ferramenta de marketing digital para as empresas: análise da ...
O Facebook como ferramenta de marketing digital para as empresas: análise da ...O Facebook como ferramenta de marketing digital para as empresas: análise da ...
O Facebook como ferramenta de marketing digital para as empresas: análise da ...
Patrícia Martendal
 
Bible Studies for Life - Connecting at Every Age
Bible Studies for Life - Connecting at Every AgeBible Studies for Life - Connecting at Every Age
Bible Studies for Life - Connecting at Every Age
Ronnie Floyd
 
3Com 3C96010C-AC
3Com 3C96010C-AC3Com 3C96010C-AC
3Com 3C96010C-AC
savomir
 
3Com 7000-10132
3Com 7000-101323Com 7000-10132
3Com 7000-10132
savomir
 
3Com 3C401010
3Com 3C4010103Com 3C401010
3Com 3C401010
savomir
 
Gibi acessibilidade
Gibi acessibilidadeGibi acessibilidade
Gibi acessibilidade
Tarcila Zingari
 
2017 ifma presentation pdf
2017 ifma presentation pdf2017 ifma presentation pdf
2017 ifma presentation pdf
Joe Pessa
 
3Com 3C1CSRVA
3Com 3C1CSRVA3Com 3C1CSRVA
3Com 3C1CSRVA
savomir
 
Healthchain. TFG Grado Ingeniería Informática.
Healthchain. TFG Grado Ingeniería Informática.Healthchain. TFG Grado Ingeniería Informática.
Healthchain. TFG Grado Ingeniería Informática.
María Teresa Nieto Galán
 
Digitemb
DigitembDigitemb
Digitemb
Ralf Reinhardt
 
Norton Bevel System - Brochure
Norton Bevel System - BrochureNorton Bevel System - Brochure
Norton Bevel System - Brochure
Saint-Gobain Abrasives EMEA
 
Formica Infiniti
Formica InfinitiFormica Infiniti
Formica Infiniti
Megan Murphy
 
Dia internacional de la mujer!!
Dia internacional de la mujer!!Dia internacional de la mujer!!
Dia internacional de la mujer!!
jessica castiblanco
 
Presentation 1 subproject-march 4-2017
Presentation 1 subproject-march 4-2017Presentation 1 subproject-march 4-2017
Presentation 1 subproject-march 4-2017
Martha Isabel Bonilla
 
Laziness Drives Innovation.
Laziness Drives Innovation.Laziness Drives Innovation.
Laziness Drives Innovation.
Piyush Agarwal
 
Actividadpipe 2
Actividadpipe 2Actividadpipe 2

Destaque (17)

Como conquistar o eleitorado utilizando as mídias sociais
Como conquistar o eleitorado utilizando as mídias sociaisComo conquistar o eleitorado utilizando as mídias sociais
Como conquistar o eleitorado utilizando as mídias sociais
 
O Facebook como ferramenta de marketing digital para as empresas: análise da ...
O Facebook como ferramenta de marketing digital para as empresas: análise da ...O Facebook como ferramenta de marketing digital para as empresas: análise da ...
O Facebook como ferramenta de marketing digital para as empresas: análise da ...
 
Bible Studies for Life - Connecting at Every Age
Bible Studies for Life - Connecting at Every AgeBible Studies for Life - Connecting at Every Age
Bible Studies for Life - Connecting at Every Age
 
3Com 3C96010C-AC
3Com 3C96010C-AC3Com 3C96010C-AC
3Com 3C96010C-AC
 
3Com 7000-10132
3Com 7000-101323Com 7000-10132
3Com 7000-10132
 
3Com 3C401010
3Com 3C4010103Com 3C401010
3Com 3C401010
 
Gibi acessibilidade
Gibi acessibilidadeGibi acessibilidade
Gibi acessibilidade
 
2017 ifma presentation pdf
2017 ifma presentation pdf2017 ifma presentation pdf
2017 ifma presentation pdf
 
3Com 3C1CSRVA
3Com 3C1CSRVA3Com 3C1CSRVA
3Com 3C1CSRVA
 
Healthchain. TFG Grado Ingeniería Informática.
Healthchain. TFG Grado Ingeniería Informática.Healthchain. TFG Grado Ingeniería Informática.
Healthchain. TFG Grado Ingeniería Informática.
 
Digitemb
DigitembDigitemb
Digitemb
 
Norton Bevel System - Brochure
Norton Bevel System - BrochureNorton Bevel System - Brochure
Norton Bevel System - Brochure
 
Formica Infiniti
Formica InfinitiFormica Infiniti
Formica Infiniti
 
Dia internacional de la mujer!!
Dia internacional de la mujer!!Dia internacional de la mujer!!
Dia internacional de la mujer!!
 
Presentation 1 subproject-march 4-2017
Presentation 1 subproject-march 4-2017Presentation 1 subproject-march 4-2017
Presentation 1 subproject-march 4-2017
 
Laziness Drives Innovation.
Laziness Drives Innovation.Laziness Drives Innovation.
Laziness Drives Innovation.
 
Actividadpipe 2
Actividadpipe 2Actividadpipe 2
Actividadpipe 2
 

Semelhante a Artigo cientifico - Diferença entre Google Ads e Mídia Programática - Suellen Dias

Marketing Digital HN
Marketing Digital HNMarketing Digital HN
Marketing Digital HN
HOSPEDANIT
 
Aula 2 - A Estrutura de Marketing Digital para a Audiência - Disciplina Plane...
Aula 2 - A Estrutura de Marketing Digital para a Audiência - Disciplina Plane...Aula 2 - A Estrutura de Marketing Digital para a Audiência - Disciplina Plane...
Aula 2 - A Estrutura de Marketing Digital para a Audiência - Disciplina Plane...
Pedro Cordier
 
Marketing e empreendedorismo digital
Marketing e empreendedorismo digitalMarketing e empreendedorismo digital
Marketing e empreendedorismo digital
Marcos Basilio
 
O MARKETING DIGITAL NAS EMPRESAS
O MARKETING DIGITAL NAS EMPRESASO MARKETING DIGITAL NAS EMPRESAS
O MARKETING DIGITAL NAS EMPRESAS
Rodrigo de Oliveira
 
3 razões para investir em marketing digital
3 razões para investir em marketing digital3 razões para investir em marketing digital
3 razões para investir em marketing digital
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
EBOOK+MIDIAS+DIGITAIS+-+FRACTAL+WAVES.pdf
EBOOK+MIDIAS+DIGITAIS+-+FRACTAL+WAVES.pdfEBOOK+MIDIAS+DIGITAIS+-+FRACTAL+WAVES.pdf
EBOOK+MIDIAS+DIGITAIS+-+FRACTAL+WAVES.pdf
agenciasetubas
 
Mídias online
Mídias onlineMídias online
Mídias online
Mercado Binário
 
(Artigo) Um novo tipo de propaganda: O marketing no Facebook
(Artigo) Um novo tipo de propaganda: O marketing no Facebook(Artigo) Um novo tipo de propaganda: O marketing no Facebook
(Artigo) Um novo tipo de propaganda: O marketing no Facebook
Samuel Lima
 
Marketing Digital
Marketing DigitalMarketing Digital
Marketing Digital
Raquel Severo
 
Ferramentas de ativação e mensuração em campanhas de mídias sociais_Danila Do...
Ferramentas de ativação e mensuração em campanhas de mídias sociais_Danila Do...Ferramentas de ativação e mensuração em campanhas de mídias sociais_Danila Do...
Ferramentas de ativação e mensuração em campanhas de mídias sociais_Danila Do...
Pinceladas Digitais
 
6 dicas pra você alavancar sua estratégia de Marketing digital
6 dicas pra você alavancar sua estratégia de Marketing digital6 dicas pra você alavancar sua estratégia de Marketing digital
6 dicas pra você alavancar sua estratégia de Marketing digital
Kwanko
 
Como a tecnologia suporta a construção de marcas de sucesso
Como a tecnologia suporta a construção de marcas de sucessoComo a tecnologia suporta a construção de marcas de sucesso
Como a tecnologia suporta a construção de marcas de sucesso
Cesar Moura
 
apresentação ao usuário da startup: hub - rede social para o mercado de comun...
apresentação ao usuário da startup: hub - rede social para o mercado de comun...apresentação ao usuário da startup: hub - rede social para o mercado de comun...
apresentação ao usuário da startup: hub - rede social para o mercado de comun...
Rhuan Willrich
 
Marketing digital
Marketing digitalMarketing digital
Marketing digital
tendenciamarketing
 
Midia na internet arquivo reserva
Midia na internet   arquivo reservaMidia na internet   arquivo reserva
Midia na internet arquivo reserva
Markysia
 
Planejamento De Midia Online
Planejamento De Midia OnlinePlanejamento De Midia Online
Planejamento De Midia Online
Gustavo Fischer
 
Proxxima Seletcions - Ebook Johnde tar
Proxxima Seletcions - Ebook Johnde tarProxxima Seletcions - Ebook Johnde tar
Proxxima Seletcions - Ebook Johnde tar
Lucas Modesto
 
Artigo blog
Artigo blogArtigo blog
Artigo blog
Daniel Guedes
 
Apresentação de Marketing Digital
Apresentação de Marketing DigitalApresentação de Marketing Digital
Apresentação de Marketing Digital
Jayme Ventricci Jr.
 
Grocery&Drinks | Como o conceito de Retail Ads pode ser replicado para o merc...
Grocery&Drinks | Como o conceito de Retail Ads pode ser replicado para o merc...Grocery&Drinks | Como o conceito de Retail Ads pode ser replicado para o merc...
Grocery&Drinks | Como o conceito de Retail Ads pode ser replicado para o merc...
E-Commerce Brasil
 

Semelhante a Artigo cientifico - Diferença entre Google Ads e Mídia Programática - Suellen Dias (20)

Marketing Digital HN
Marketing Digital HNMarketing Digital HN
Marketing Digital HN
 
Aula 2 - A Estrutura de Marketing Digital para a Audiência - Disciplina Plane...
Aula 2 - A Estrutura de Marketing Digital para a Audiência - Disciplina Plane...Aula 2 - A Estrutura de Marketing Digital para a Audiência - Disciplina Plane...
Aula 2 - A Estrutura de Marketing Digital para a Audiência - Disciplina Plane...
 
Marketing e empreendedorismo digital
Marketing e empreendedorismo digitalMarketing e empreendedorismo digital
Marketing e empreendedorismo digital
 
O MARKETING DIGITAL NAS EMPRESAS
O MARKETING DIGITAL NAS EMPRESASO MARKETING DIGITAL NAS EMPRESAS
O MARKETING DIGITAL NAS EMPRESAS
 
3 razões para investir em marketing digital
3 razões para investir em marketing digital3 razões para investir em marketing digital
3 razões para investir em marketing digital
 
EBOOK+MIDIAS+DIGITAIS+-+FRACTAL+WAVES.pdf
EBOOK+MIDIAS+DIGITAIS+-+FRACTAL+WAVES.pdfEBOOK+MIDIAS+DIGITAIS+-+FRACTAL+WAVES.pdf
EBOOK+MIDIAS+DIGITAIS+-+FRACTAL+WAVES.pdf
 
Mídias online
Mídias onlineMídias online
Mídias online
 
(Artigo) Um novo tipo de propaganda: O marketing no Facebook
(Artigo) Um novo tipo de propaganda: O marketing no Facebook(Artigo) Um novo tipo de propaganda: O marketing no Facebook
(Artigo) Um novo tipo de propaganda: O marketing no Facebook
 
Marketing Digital
Marketing DigitalMarketing Digital
Marketing Digital
 
Ferramentas de ativação e mensuração em campanhas de mídias sociais_Danila Do...
Ferramentas de ativação e mensuração em campanhas de mídias sociais_Danila Do...Ferramentas de ativação e mensuração em campanhas de mídias sociais_Danila Do...
Ferramentas de ativação e mensuração em campanhas de mídias sociais_Danila Do...
 
6 dicas pra você alavancar sua estratégia de Marketing digital
6 dicas pra você alavancar sua estratégia de Marketing digital6 dicas pra você alavancar sua estratégia de Marketing digital
6 dicas pra você alavancar sua estratégia de Marketing digital
 
Como a tecnologia suporta a construção de marcas de sucesso
Como a tecnologia suporta a construção de marcas de sucessoComo a tecnologia suporta a construção de marcas de sucesso
Como a tecnologia suporta a construção de marcas de sucesso
 
apresentação ao usuário da startup: hub - rede social para o mercado de comun...
apresentação ao usuário da startup: hub - rede social para o mercado de comun...apresentação ao usuário da startup: hub - rede social para o mercado de comun...
apresentação ao usuário da startup: hub - rede social para o mercado de comun...
 
Marketing digital
Marketing digitalMarketing digital
Marketing digital
 
Midia na internet arquivo reserva
Midia na internet   arquivo reservaMidia na internet   arquivo reserva
Midia na internet arquivo reserva
 
Planejamento De Midia Online
Planejamento De Midia OnlinePlanejamento De Midia Online
Planejamento De Midia Online
 
Proxxima Seletcions - Ebook Johnde tar
Proxxima Seletcions - Ebook Johnde tarProxxima Seletcions - Ebook Johnde tar
Proxxima Seletcions - Ebook Johnde tar
 
Artigo blog
Artigo blogArtigo blog
Artigo blog
 
Apresentação de Marketing Digital
Apresentação de Marketing DigitalApresentação de Marketing Digital
Apresentação de Marketing Digital
 
Grocery&Drinks | Como o conceito de Retail Ads pode ser replicado para o merc...
Grocery&Drinks | Como o conceito de Retail Ads pode ser replicado para o merc...Grocery&Drinks | Como o conceito de Retail Ads pode ser replicado para o merc...
Grocery&Drinks | Como o conceito de Retail Ads pode ser replicado para o merc...
 

Artigo cientifico - Diferença entre Google Ads e Mídia Programática - Suellen Dias

  • 1. 1 DIFERENÇA ENTRE LINKS PATROCINADOS E MÍDIA PROGRAMÁTICA: Como atender às novas exigências do mercado Suellen da Silva Dias* RESUMO Com uma oferta grande de sites, portais e blogs vendendo espaços, o trabalho de segmentação de uma campanha é essencial para obter êxito nos resultados e, portanto, de extrema importância para os clientes e agências de publicidade. Assim, o profissional de mídia, responsável pelo planejamento, precisa definir a infinidade de canais para veiculação dos anúncios e ainda fazer um acompanhamento diário para analisar a performance de cada campanha. Assim, este artigo caracterizado como pesquisa descritiva, básica, bibliográfica, baseada em referenciais teóricos, teve como objetivo identificar e analisar por meio de um panorama comparativo a diferença entre as ferramentas de publicidade online: os links patrocinados do Google AdWords e a mídia programática para melhor atender as agências. Palavras-chave: Agência de Publicidade. Links Patrocinados. Mídia Programatica. 1 INTRODUÇÃO A Era Digital propicia muita facilidade, tanto para os consumidores quanto para as empresas. Nesta constante, cada vez mais a publicidade on-line se reinventa para se adaptar ao novo mercado. A internet vai deixando o rotúlo de mídia de nicho para se tornar veículo de massa. No entanto, a comunicação pode e deve ser segmentada para atender as necessidades de um público tão diversificado. Levando em consideração que as pessoas buscam agilidade ao mesmo tempo em que desejam se sentirem únicas, acompanhar o comportamento dos internautas na chamada “Era *Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais; Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado Online; Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
  • 2. 2 do Relacionamento” é de suma importância para entregar anúncios menos invasivos e de acordo com os interesses dos usuários. Neste processo, válido é a marca que se adéqua e aproveita as informações geradas através da internet para uma comunicação mais assertiva, com investimentos otimizados e anúncios mais interessantes. O tempo médio que uma pessoa fica na internet no Brasil vem crescendo a cada dia. Assim, com a demanda, cresce também o uso de ferramentas de publicidade on-line, como os links patrocinados e mídia programática que permitem um alto grau de segmentação em anúncios de texto e gráfico que a mídia tradicional ainda não consegue captar. Embora pouco tenha se falado da diferença entre ambas, se há. Sobretudo, o maior questionamento é, qual é a oportunidade real para anunciantes e exibidores utilizando-as? Como a mídia programática vai fazer com que as empresas cresçam de forma segura e oferecer retorno sobre investimento? Nota-se que, esse movimento vem sendo acompanhado com reticência e desconfiança pelas agências de publicidade, revelando um mercado em aberto e ainda pouco explorado. As incertezas são comuns quando se trata de mudar algo que já está habituado, contudo, para atingir o consumidor 3.0 nomeado de tal forma por ser mais engajado e reinvidicativo, é preciso mais do que apenas estar neste meio. Para que as agências de publicidade possam analisar suas ações na web, serão analisadas através de pesquisa básica, qualitativa, de caráter exploratório, a partir de pesquisa bibliográfica, responder as diferenças entre links patrocinados e mídia programática como ferramentas de alta segmentação de anúncios on-line. Além de mostrar de forma comparativa, qual ferramenta é mais rentável no mercado, oferecendo um norte para muitas empresas e marcas que querem cada vez mais atingir o consumidor da forma mais efetiva possível. 2 Links Patrocinados versus Mídia Programática Compreender a publicidade na comunicação da era virtual exige uma sensibilidade à tecnologia e à mudança, bem como um conhecimento de história, de como tudo começou. Para tanto, nesta sessão será abordada a evolução dos links patrocinados da ferramenta do Google AdWords com o decorrer dos anos e a mídia programática. *Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais; Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado Online; Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
  • 3. 3 2.1 Links Patrocinados De acordo com Felipini (2015) “os links patrocinados são a forma mais ágil de se anunciar e gerar visitantes no comércio eletrônico. [...] são anúncios, geralmente de tamanho pequeno, postados em sites de busca como o Google com seu sistema de publicidade AdWords, ou em suas rede e parcerios AdSense”. Além do Google, é possível trabalhar com os links patrocinados no Yahoo, Bing e redes sociais como Facebook e Instagram, por exemplo. De acordo com o site Google (2017), os primeiros passos dos links patrocinados do Google AdWords foram dados em outubro de 2000 que, até então, contavam com 350 clientes. Na época a segmentação era apenas por palavras-chave com espaço para comentários sobre o desempenho. Dois anos depois, houve uma reformulação na ferramenta que incluiu novos preços de CPC (Custo Por Clique) conquistando o eBay Austrália como seu primeiro cliente. Em abril de 2003, foi lançado o “Google Grants, a edição sem fins lucrativos do Google AdWords, que fornecia às organizações US$ 10.000 por mês em publicidade no Google para a promoção de iniciativas.” Em julho de 2011, nasce o AdWords Express como uma “maneira mais rápida e simples para que pequenas empresas comecem a anunciar on-line em menos de cinco minutos”. Já em fevereiro de 2013, surgem “as campanhas avançadas, que atualizam o Google AdWords para o mundo multitelas”. (Google, 2017) A definição do Google é que com a ferramenta, as empresas podem ser encontradas por clientes no exato momento em que eles pesquisam, seja qual for o tamanho da empresa. A premissa é entregar um conjunto de soluções digitais para conectar a empresa aos consumidores de forma rápida, assertiva e com baixo investimento. Salienta ainda que, os anunciantes pagarão somente quando houver cliques para visitar o site ou o telefone anunciado. 2.2 Mídia Programática *Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais; Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado Online; Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
  • 4. 4 Tendo em vista as definições anteriormente citadas, neste item será abordado o conceito da mídia programática na concepção de estudiosos do âmbito. A autora Villanova (2016) explica que o processo de mídia programática consiste em compras decididas por um computador, que estabelece qual anúncio deve ser exibido para determinado grupo de pessoas. Assim sendo, com a necessidade de uma comunicação mais ágil entre anunciantes e publishers (todas e quaisquer pessoas que produzam conteúdo na internet) na nova Era da publicidade on-line, essa nova ferramenta vem ganhando cada vez mais espaço no planejamento de mídia das agencias de todo o mundo. No entanto, embora no mercado americano a ferramenta já seja amplamente utilizada, levando em conta os dados do Emarketer (2015), “cerca de 45% da mídia Display do mercado americano já é negociada desta forma”, no Brasil, a nova forma de anunciar vem chegando a passos curtos. De acordo com o site Admatic (2015), a ferramenta surgiu em 2013 no Brasil, quando se consolidou a compra e venda de espaços publicitários on-line. Assim sendo, o uso da mídia é relativamente recente, e, portanto, e acredita-se em senso comum que, muitas agências de publicidade e propaganda ainda não dominam a ferramenta, apesar de também ser entendida por muitos como o futuro da publicidade. Contudo, apesar de muitos artigos se referirem à mídia programática como a compra de espaços publicitários, o autor Pardo (2016) afirma que não se deve restringi-la, e explica: “é preciso extrapolar essa dimensão para aprofundar o conhecimento sobre o comportamento dos consumidores, a partir dos dados gerados por essa mídia, e aproveitar os insights para uma criação mais eficiente e alinhada com o público-alvo. Existe a oportunidade de criar narrativas mais fortes e tornar as marcas mais pessoais, ainda que se trate de comunicação em massa”. Nesse sentido, de acordo com a mesma fonte, a mídia programática pode ser explicada da seguinte maneira: com uma oferta grande de sites, portais e blogs vendendo espaços, existe um trabalho muito grande de estudo para poder segmentar uma campanha. Os publisher podem passar essa informação, mas o profissional de mídia, responsável pelo planejamento da publicação, precisará definir os vários canais que ele pretende publicar e ainda fazer um acompanhamento diário para analisar a performance de cada campanha. Com o modelo de mídia programática, a negociação entre as partes e toda parte operacional se torna automática. (Pardo, 2016) *Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais; Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado Online; Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
  • 5. 5 O gráfico a seguir explana a oferta de mídia programática no Brasil. Figura 1: Demanda de mídia programática no Brasil Fonte: Publya (2015) *Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais; Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado Online; Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
  • 6. 6 Continuação Fonte: Publya (2015) *Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais; Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado Online; Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
  • 7. 7 Na compreensão dos dados, percebe-se que há demanda para utilizar a ferramenta em grande escala e nos mais variados formatos. Abelardo (2017) respalda “o Brasil lidera o investimento em mídia programática na América Latina, mas representa apenas 5% do investimento mundial”. Afirma ainda que, em 2014 o investimento no país foi de U$$ 0,6 milhão, mas que “até o ano de 2018 deve chegar a U$$ 55,8 milhões”. Estima que, “até 2019, 85% do inventário de Display será comerciado via programática”. Segundo o Google (2015), com a mídia programática as marcas podem ainda “gerar interesse em produtos, conquistar novos clientes e ter sucesso definitivo. [...] Ambiciosamente, as marcas querem responder ao público-alvo em tempo real com mensagens altamente relevantes e criativas. Hoje, as marcas podem atingir essa ambição por meio da compra programática”. Por conta disso, é possível aproveitar ao máximo as diversas opções disponíveis para se conectar com o público-alvo. Com base nos dados acima, segue na próxima sessão um panorama comparativo entre links patrocinados e mídia programática. 3 ANÁLISE DOS DADOS A mudança do consumidor para a conectividade do imediatismo em multitelas – smartphones, tablets, computadores, relógios, óculos, vem transformando a forma com que as marcas se conectam com o público-alvo. Cada vez mais exigente, os consumidores penalizam mensagens generalizadas, ignorando-as. É necessário despertar sua atenção para a mensagem a ser vendida, transformando observadores passivos em um target interessado e participativo. No entanto, muito tem se falado de links patrocinados e mídia programática na publicidade on-line, porém sem muito entendimento sobre o assunto, gerando muitas dúvidas quanto seu uso. No decorrer desta sessão serão analisadas as diferenças entre ambas a qual está inserido o objeto do estudo. *Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais; Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado Online; Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
  • 8. 8 *Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais; Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado Online; Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
  • 9. 9 3.1 Panorama comparativo entre links patrocinados e mídia programática Para comparar as duas ferramentas, se faz necessário entender a motivação para seu uso. Deste modo, segue os motivos pelos quais, de acordo com o site Think with Google (2015), têm se buscado a mídia programática para veicular os anúncios publicitários: a. Conectar-se individualmente com os públicos-alvo em escala; b. Engajar-se em com os usuários em várias telas e formatos atraentes; c. Acessar inventários de alta qualidade; d. Avaliar o que é importante. Ao analisar a pesquisa, fica evidente que a compra de mídia programática tem o potencial de trazer muita eficiência ao marketing digital, no entanto, apesar das expectativas serem altas no mercado programático da América Latina, a região é jovem em termos de conhecimento desse universo. Falta a compreensão das vantagens da mesma, como e onde pode ser aplicada aos investimentos de marketing. Dessa forma, segue as vantagens da compra programática. Figura 2 Vantagens da compra programática Fonte: Fonte: ThinkwithGoogle (2015) Neste contexto, não foi em vão que a marca Nike com a campanha Phenomenal Shot utilizou a ferramenta para capturar em tempo real a energia e a animação da Copa do *Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais; Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado Online; Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
  • 10. 10 Mundo: a segmentação, como se pode verificar no gráfico, é um dos pontos mais altos da ferramenta. Sabendo disso, a Nike exibiu anúncios gráficos imersivos em 3D em sites e aplicativos em 15 países, logo após lances marcantes da partida. “Os fãs podiam interagir com esses momentos, personalizá-los e compartilhá-los nas redes sociais. Com as compras em tempo real, a Nike conseguiu fornecer uma bela experiência em rich media para dispositivos móveis com mais de dois milhões de engajamentos” (Think With Google, 2015). Figura 3 Campanha Nike Phenomenal Shot Fonte: Think with Google (2015) De acordo com a fonte supracitada, os anúncios em tempo real dobram as chances de interação. Assim, a primeira particularidade entre as duas ferramentas está no imediatismo. Com os links patrocinados do Google AdWords não é possível fazer interação com o anúncio em tempo real. Apenas, anunciá-lo com textos/imagem/vídeo. Para essa funcionalidade em especifico, o Google tem a ferramenta Double Click – que por não ser objeto de estudo não será analisada neste artigo. Para conseguir tal engajamento em tempo real, se faz necessário a utilização de alguns requisitos: *Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais; Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado Online; Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
  • 11. 11 Figura 4 Estimular engajamento no anúncio Fonte: Think with Google (2015) Em 2015 mais de meio bilhão de dólares foram investidos em mídia mobile programática nos Estados Unidos, já para o ano de 2017 são estimados 2,86 bilhões de dólares sejam gastos no setor, afirma Villanova (2016). Identifica-se que as agências publicitárias podem ainda diminuir o processo de trabalho em até 33% quando a compra programática é feita em uma plataforma integrada de veiculação de anúncios. Segue figura ilustrativa. Figura 5 As agências e a mídia programática Fonte: Think with Google (2015) Da mesma forma que com os links patrocinados, com a mídia programática o anunciante também pode determinar o quanto quer investir nas impressões ou cliques de sua campanha e segmentar para atingir seu target e assim não perder impressões desnecessárias *Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais; Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado Online; Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
  • 12. 12 com audiência sem sinergia com seu anúncio, ambas podem escolher a entrega do anúncio de acordo com critérios como idade, gênero, perfil de navegação, entre outros (Admatic, 2015). Outro importante ponto a ser analisado é sobre o termo “automatizado”, muitas fontes descrevem ambas as ferramentas desta forma. No entanto, é preciso desmistificar seu uso. Independente da ferramenta, não basta criar a campanha: é necessário analisar, fazer otimizações constantes e checar resultados. Tendo isso em mente, o site Admatic (2015) aponta outra disparidade entre os links patrocinados e a midia programática: o tempo que a equipe do anunciante ganha para investir em planejamento e estratégia das campanhas é maior com a midia programática, uma vez que gastarão menos tempo no operacional, como faziam no modelo tradicional. Classificado como uma das maiores plataformas de links patrocinados do mundo, “o Google AdWords é capaz de atingir milhares de clientes em potencial, atrair visitantes para uma página na internet e aumentar as vendas” (Multiad, 2016). A mídia programática possui, além disso, o fator engajamento. Nota-se ainda outra distinção, com os links patrocinados o pagamento pode ser feito tanto por clique quanto por impressão, de acordo com os objetivos do negócio. O CPC (custo por clique) “garante que uma empresa será cobrada apenas pelas vezes que alguém acessar seu site. No final das contas, [o valor] é pago somente quando a publicidade realmente funcionar. Isso faz com que o Google AdWords seja uma das mídias com o menor CPM (custo por mil: valor pago por mil impressões)” (Multiad, 2016). Já com a mídia programática o pagamento é feito apenas por impressões (CPM). O site Zygon (2017) pontua algumas das diferenças entre as ferramentas estudadas: 1. Tamanho e qualidade do inventário De acordo com o site, o inventário da mída programática é muito superior comparado ao do Google Display (anúncios de texto, gráficos, vídeos, aplicativos). Elucida ainda que a GDN (rede de Display do Google AdWords) atinge 2 milhões de site em todo mundo, enquanto a web possui mais de 1 bilhão de páginas. Isso porque, enquanto o Google Display possui como provedor de inventário o próprio Google, uma plataforma DSP (Demand Side Platforms) que é especializada em comprar mídia de forma programática, *Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais; Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado Online; Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
  • 13. 13 tem acesso a outros diversos provedores, incluindo gigantes como Microsoft, Yahoo, AOL entre outros. O site supracitado explana que uma DSP restringe o inventário de sites pela qualidade, excluindo possíveis sites fraudulentos, garantindo um inventário mais qualificado e mais certeiro. 2. Valor do CPM (Custo por Impressão) Como consequência de um inventário maior, de acordo com a fonte, com a mídia programática o anunciante pode comprar a mídia por um valor mais baixo, caso a compra seja feita pelo leilão RTB (Real Time Bidding) possível com a mídia programática. “Com uma grande oferta por conta de um maior inventário, torna-se possível a compra de espaço publicitário por um preço reduzido do que se comparado a uma negociação em que a oferta é mais limitada – que é o caso da Google Display, por exemplo” (Zygon, 2017) 3. Segmentação por perfil de usuário Explica que as segmentações por perfis, limitadas com os links patrocinados e disponíveis com a mídia programática são muito mais assertivas. E exemplifica: “é possível configurar uma campanha onde só serão atingidos um público definido como homens, classe AB, acima de 25 anos, da região Sudeste e com interesse em comprar um carro. Os filtros em perfis de usuários podem aprofundar-se ainda mais, incluindo outros fatores como padrões de comportamento e navegação, graças às empresas que os mapeiam”. (Zygon, 2017) 4. Segmentação semântica A segmentação semântica (com base no conteúdo da notícia do veículo) está disponível em ambas as ferramentas, porém, de acordo com o site, a plataforma DSP ainda possui outra ferramenta disponível dentro dela, voltada especialmente para a segmentação contextual ou semântica. Assim, o anunciante não deixa de anunciar num determinado portal/site por entender que o mesmo possui conteúdos variados, exibindo, assim, sua mensagem relacionada para seu target. *Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais; Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado Online; Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
  • 14. 14 5. O algoritmo Tanto com os links patrocinados do Google AdWords quanto com a mídia programática, é possível configurar uma campanha para alcançar um objetivo específico. Contudo, ainda de acordo com a mesma fonte, o algoritmo da mídia programática “cruza uma série de variáveis da campanha para entender quais estão mais próximas da conversão do objetivo, e quais estão mais longe”. E elucida: se há uma taxa maior de conversões em uma campanha de tênis esportivo quando os anúncios são exibidos em sites de futebol e não de notícias, logo o algoritmo passa a entregar mais mídia neste tipo de site. Ou seja, o algoritmo analisa o histórico de resultados de cada campanha e faz otimizações para o próximo anúncio. No entanto, vale ressaltar que no sistema de links patrocinados Search (anúncios de texto na Rede de Pesquisa) o anúncio será exposto àquelas pessoas que digitaram uma palavra-chave associada ao produto e que, naturalmente, devido ao seu interesse, são mais propensas a clicar e visitar a página do anunciante. Deste modo, no intuito de aclarar a pesquisa, segue um quadro explicativo com as diferenças estudadas no decorrer do artigo. Quadro 1 – Diferenças entre Links Patrocinados e Mídia Programática Links Patrocinados Google AdWords Mídia Programática Multi telas (computador, notebook, tablet, smartphone) X X Canal (Anúncios de texto, Display, vídeo, aplicativo) X X Engajamento em tempo real X Sistema de Leilão (CPC – Custo por clique) X Sistema de Leilão (CPM – Custo por mil) X X Formatos HTML X X *Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais; Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado Online; Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
  • 15. 15 Otimizações automáticas X Anunciante decide quanto investir X X Maior inventário X Fonte: DIAS (2017) CONSIDERAÇÕES FINAIS Este trabalho teve como propósito oferecer, de forma sintética e objetiva, uma compreensão das principais diferenças entre as plataformas de compra de publicidade online através dos links patrocinados tendo como base o Google AdWords e a mídia programática. Para consecução deste objetivo, optou-se por uma descrição sequencial: explicando seus conceitos, seus objetivos e finalmente, aclarando suas diferenças. Na observação deste trabalho foi possível identificar as oportunidades para anunciantes e exibidores utilizando as ferramentas supracitadas, suas vantagens e constatar, com base nos dados, suas distinções. Por meio da fundamentação teórica, a acadêmica teve o embasamento necessário sobre as ferramentas supracitadas e como ambas podem se aplicar nas campanhas publicitárias. Com base nos critérios objetivos, que se baseia na análise dos dados, notou-se que apesar da mídia programática ter conquistado o mercado americano, no Brasil seu crescimento ainda é vagaroso. Agências de publicidade especializadas em mídia online necessitam entender as plataformas disponíveis para a compra de mídia e, assim, fazer com que as empresas cresçam de forma segura oferecendo retorno sobre o investimento. No entanto, ficou evidente ainda de que os profissionais com conhecimento sobre compra programática são minoria na América Latina, prejudicando o crescimento da plataforma na região. No decorrer da pesquisa, notou-se ainda, uma grande semelhança no conceito de links patrocinados e mídia programática, haja vista que ambas compram mídia em suas ferramentas, trabalham com leilões, segmentações e lances. No entendimento de que existem *Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais; Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado Online; Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
  • 16. 16 algumas plataformas de compra e venda de mídia online, conhecidas como Ad Exchange, e o Google é uma delas, concluiu-se, portanto, que links patrocinados também podem ser considerados mídia programática. Assim, além do Google, também fazem parte: a Microsoft (AdECN), AdBrite, ContextWeb, Yahoo (Right Media) e o Facebook. A diferença é que o Google (Search e Display) alcança apenas o seu próprio mix de canais. Assim sendo, a mídia programática utilizando uma DSP (microprocessadores especializados em processamento digital para processar, entre outros, sinais de áudio e vídeo, em tempo real ou off-line) possui um inventário muito superior se comparado ao Google (Display). E o buscador ciente desta limitação possui, em compensação, um dos maiores DSPs do mundo: a DoubleClick Bid Manager (DBM), a plataforma de mídia programática do Google. Nesse contexto, tal assunto possibilita a continuidade desta pesquisa em outros artigos científicos através do tema: DoubleClick Bid Manager: como o Google se diferencia com a mídia programática. Desta maneira, para responder a pergunta-chave desta pesquisa e identificar qual das plataformas é mais rentável para agências e anunciantes, se faz necessário entender os objetivos da campanha. Acredita-se, em senso comum que, o Google utiliza o Display do AdWords para atender clientes “menores” e a DBM (mídia programática) para os “maiores”. Deste modo, para as agências de publicidade que buscam mais praticidade, envolvimento em tempo real com um grande inventário de canais, deve-se optar pelo uso da mídia programática via DSP. Já para aqueles que buscam aparecer em destaque no Google e suas plataformas, com facilidade, sem demandar muito tempo para iniciar uma campanha, escolher se prefere pagar por clique (CPC) ou por impressão (CPM) apenas se o usuário estiver interessado no anúncio e ser redirecionado para o site da empresa em questão, deve-se optar pelo uso de links patrocinados. Espera-se que as informações aqui expostas possam contribuir para o entendimento das ferramentas e no planejamento de mídia das agências de publicidade. *Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais; Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado Online; Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
  • 17. 17 REFERÊNCIAS ABELARDO, M. G. A Mídia Programática sobe ao palco. 2017. Disponível em: <https://www.veinteractive.com/br/blog/midia-programatica-sobe-ao-palco/>. Acesso em: 10/02/2017. ADMATIC. O que é mídia programática. 2015. Disponível em: <http://blog.admatic.com.br/ o-que-e-midia-programatica/>. DANTAS, H. Infográfico - Hábitos do Consumidor de Mídia Programática. 2016. Disponível em: <http://comunicadores.info/2016/02/10/ infografico-revela-os-habitos-do-consumidor-de-m~Aprotectbegingroupimmediate write@unuseddefMessageBreak˙letprotectedefYourcommandwasignored. MessageBreakTypeI<command><return>toreplaceitwithanothercommand, MessageBreakor<return>tocontinuewithoutit.errhelpletdefMessageBreak˙(inputenc) deferrmessagePackageinputencError:Unicodecharu8:Â notsetupforusewithLaTeX. ˙˙Seetheinputencpackagedocumentationforexplanation.˙TypeH<return>forimmediatehelp endgroupdia-no-brasil/>. Acesso em: 10/02/2017. DIAS, Suellen da Silva, 2017. Diferenças entre Links Patrocinados e Mídia Programática EMARKETER. Programmatic Direct Takes Majority of Programmatic Ad Dollars. 2015. Disponível em: <https://www.emarketer.com/Article/ Programmatic-Direct-Takes-Majority-of-Programmatic-Ad-Dollars/1013035>. Acesso em: 16/02/2017. FELIPINI, D. Links Patrocinados: sistema de publicidade do Adwords. 2015. Disponível em: <https://www.e-commerce.org.br/links-patrocinados-2/>. Acesso em: 15/02/2017. GOOGLE. DoubleClick Bid Manager. 2017. Disponível em: <https://www. doubleclickbyGoogle.com/pt-br/solutions/digital-marketing/bid-manager/>. Acesso em: 09/02/2017. GOOGLE. Google Company . 1600 Amphitheatre Parkway Mountain View, CA 94043 EUA: [s.n.], 2017. Disponível em: <https://www.Google.com.br/about/company/history/>. Acesso em: 16/02/2017. *Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais; Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado Online; Email: contato@adsresultadoonline.com.br.
  • 18. 18 GOOGLE. Google Adwords Vantagens. 2017. Disponível em: <https://www.Google.com.br/adwords/benefits/>. Acesso em: 16/02/2017. GOOGLE, T. with. Programmatic Guia para Profissionais de Marketing. 2015. Disponível em: <https://think.storage.Googleapis.com/intl/ALL_br/docs/programmatic-for- brands-2015_articles.pdf>. Acesso em: 10/02/2017. MULTIAD. Por que anunciar no Google Adwords? 2016. Disponível em: <http: //multiad.com.br/marketing/por-que-anunciar-no-Google-adwords/>. Acesso em: 08/02/2017. PARDO, A. Mídia programática em pauta. 2016. Disponível em: <http://www.proxxima. com.br/home/proxxima/how-to/2016/05/04/midia-programatica-em-pauta.html>. Acesso em: 10/02/2017. PUBLYA. Mídia Programática no Brasil. 2015. Disponível em: <https://br.pinterest.com/pin/203787951865967357/>. Acesso em: 12/02/2017. VILLANOVA, M. Mídia programática: o futuro da publicidade. 2016. Disponível em: <https://www.inlocomedia.com/blog/2016/02/10/midia-programatica-o-futuro-da- publicidade/>. Acesso em: 10/01/2017. ZYGON. Qual a diferença entre Google Display e DSP? 2017. Disponível em: <http://zygon.digital/blog/diferenca-entre-Google-Display-e-dsp/>. Acesso em: 10/02/2017. *Pós-Graduanda em MBA Comunicação e Marketing em Mídias Digitais; Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda; Fundadora da Ads Resultado Online; Email: contato@adsresultadoonline.com.br.