SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
Baixar para ler offline
MELODRAMA
ALEXANDRE CARMO |AMINE MARIA | CRISTINA ARAUJO | MARCUS VICAMP | RENATO BERTINI
Seminário | Turma Avançado – Profº Bhá Prince
Casa de Cultura Dinorah do Valle
ABORDAGEM
• Introdução
• Espetáculos e sua categorias
• Estrutura
• Características dos personagens
• Temas
• Apartes, Monólogos e Confidencias
• Melodrama Gótico
• Melodrama na Ópera
• Melodrama no Teatro
• Melodrama na Novela
• Melodrama no Circo
INTRODUÇÃO
 Iniciado no final do séc XVII nas
Óperas Italianas.
“Como um procedimento no qual a
fala e a música, em vez de andarem
juntas se alternam, quando uma
frase musical anuncia e prepara a
frase falada”.
 Oficialmente reconhecido como
Gênero Teatral em 1800 com a obra
Coeline, de René-Charles Guilbert de
Pixérécourt Definindo um tipo
complexo de espetáculo cênico
iniciado após a Revolução Francesa.
Anonimous . Coeline – R.C. G. Pixérécourt
Características “Tragédia moderna” – sucessor
da tragédia grega
Paixão profunda
Enredos sentimentais
Surpresa iminente
Representação exagerada
Trilhas sonoras coerentes
Exuberância cênica
Artificialidade sentimental
Moral: crime X castigo
Vícios e Virtudes
• “Este trabalho é resultado
de um contato sincero com
o artista ambulante. Fui lá
procurando a essência da
linguagem teatral brasileira.
E encontrei pessoas.
Procurando as ideias e
encontrei a vida. Não
dedico essa peça a eles
porque eles jamais a lerão. E
se a lessem não se
interessariam por montá-la.
E eles sabem o que fazem.”
(SOFFREDINI, 1979 – Folha de
São Paulo)
“Vem buscar-me que ainda sou
teu é uma reflexão. Essa pesquisa
não é popular, discute coisas que
interessam ao público normal de
teatro, ao público jovem. Esse
trabalho traz uma discussão
sobre a cultura, as linhas
rompidas com o teatro a partir
das experiências estrangeiras.
Não é que eu negue esse teatro
novo, mas retomo o fio anterior,
o teatro que ficou na periferia e
que é nosso (SOFFREDINI,
1979 –Folha de São Paulo).
ESPETÁCULOS E SUAS
CARACTERÍSTICAS
Rússia -1927 -
Duas órfãs – Adolphe D’Ennery e Eugene Cormon (Adaptado e encenado no
Teatro de Arte de Moscou) – preparação de atores por Stanislavski – nome: A
Irmãs Gérard;
Ocupação Dramaturgo, Romancista
Nome
completo
Adolphe Philippe d'Ennery
Nascimento 17 de junho de 1811- Paris
Morte 25 de janeiro de1899 (87 anos)
Paris
Nacionalidade francês
Sergei Balukhatii (1892-1945)
• Paixão – motor melodramático (papel fundamental “expor as paixões que
constituem a força motiva da ação das personagens” )
• Vivência emocional destaca-se no enredo
• Surpresa – geralmente desagradável
• Forte relação emocional com a platéia
Organização Unidimensional e Linear
• (unidade de ação, o começo-meio-fim)
• Jogo do imprevisto (atores e platéia)
• Tramas: assassinato, o fado, sina de uma garota inocente, pessoa forçada a
cometer ações contrárias às de sua consciência
• Choques emocionais – platéia
• Inesperado (Segunda característica)
• Papel do acaso – elemento ameaçador
• Enredo – Reviravolta de uma situação comum (um encontro,
uma carta)
• Duplo final – aspecto restaurador promove o alivio da situação –
catarse para a platéia
• Inesperado, a surpresa e choque – parte do discurso e da vivência
melodramática, no palco e na platéia
• Drama – troca rápida de normas levam a um caminho – situação
finalizadora
• Melodrama – Trocas imediatas entre o feliz e infeliz – oscilações
alternadas até final duplo
Melodrama: Sociedade capitalista em modo
trágico
• O inesperado resolve ou aprofunda todos os conflitos e estabelece uma
dinâmica de ordem-desordem-ordem, acumulada
• Espectador fica na expectativa do destino da história
• Adiamento resolução – acaso como determinante da ordem em que se vive –
destino – incerteza
• Identidade com a platéia para que o público seja iludido ou envolvido na
representação
Psicose - Melodrama
A estrutura teatral, a
carpintaria é a mesma do
drama. Há apenas um
porém: no melodrama, o fluxo
da emoção se inverte, ou
seja, não parte apenas do palco
para a plateia, mas também
da plateia para o palco.
• Melodrama – mais cênico de todos os gêneros – foi escrito para ser efetivado no
palco e “composto para a cena”
• Elementos Estruturais – Funcionam para o espectador e não para o leitor essa
Consciência Cênica – possibilita uma estilização particular de seus efeitos
APARTES, MONÓLOGOS E
CONFIDÊNCIAS
Fins
narrativos
Recapitula os
fatos e ações
Desvenda
sentimentos
Contribuem para completar o retrato dos personagens principais.
O mecanismo é eficiente que dispensa a encenação de acontecimentos que são importantes
para a compreensão da trama, mas retardariam a ação, se tivessem que ser mostrados
Ensejam o
desabafo
Ajudam a recordar
episódios
Introduzem
conselhos e
presságios
PLATÉIA
 O melodrama não perde a plateia de vista, tem a necessidade de
manter o público cativo e continuamente alimenta tal relação.
 Permite municiar o espectador em uma posição privilegiada, pois
podem controlar a angustia que o assalta ao verificar que o mal
prospera e que o herói corre os risco.
 O conhecimento propicia ao público uma sensação de domínio sobre
os fatos e sobre os segredo.
 Na utilização do aparte o rompimento da ilusão é muito explicito. O
recurso contradiz a convenção da quarta parede, que esta vinculado ao
gênero.
 O melodrama monitora as respostas desejadas, coopera para
aprofundar a empatia com os heróis, especialmente porque estes
desempenham o papel de vitimas sem culpa.
MELODRAMA GÓTICO
GÓTICO – É adjetivo que se refere a tribo dos Godos, povo de cultura germânica.
O efeito “gótico” consiste na criação de uma atmosfera narrativa, que deve envolver o leitor na
história, para em seguida assusta-lo, mas de modo que lhe provoque prazer, é um dos mais
influentes modelos narrativos para as histórias de horror e terror que temos atualmente.
A partir da filosofia neoclássica, os autores góticos investiram na criação de imagens obscuras e
representações simbólicas.
O medo e o anseio pela morte foram temas centrais nessas narrativas. Alguns exemplos
recorrentes iniciais são:
abadias decandecentes
habitadas por clérigos
maléficos
castelos sinistros onde
aristocratas tirânicos
portas se fechem
misteriosamente
Dentro destes cenários é possível:
Velas se apaguem Passagem Secreta
Corredores escuros
 Marca o uso do termo gótico em
literatura pela primeira vez. Em cena
tem-se um elmo monstruoso, espadas
gigantes, uma mão invisível, calabouços
labirínticos, quadros fantasmagóricos e
toda a parafernália sobrenatural que
faria o sucesso dos romances góticos
subsequentes.
The Castle of Otranto (1764) Sir Horace Walpole
Período vitoriano – Tradição gótica inglesa (Drácula, Bram Stoker, 1897)
Nesta estética o autor apresentava como personagens:
espíritos que
retornavam de
outra dimensão
para exigir justiça
fantasmas
acontecimentos
sobrenaturais
heroína
necessitando ser
salva
Apresenta-se sempre uma linguagem do/para o povo, com pitadas de mistério, sentimentalismo, suspense, sofrimentos e
alegrias do cidadão comum, buscando comover o telespectador e delineando certos padrões morais e estéticos.
MELODRAMA “OPERA”
O melodrama na ópera teria surgido em 1774 como
forma de inserir o texto falado ou recitativo na
forma cantada. Ariadne auf Naxos (Ariadne em
Naxos / Ariadne auf Naxos texto de Brandes e
arranjos de Georg Anton Benda, 1774) seria uma
das primeiras tentativas desta relação musical.
O melodrama operístico alemão tem esta característica.
Rousseau define melodrama como um procedimento onde
a fala e a música, em vez de andarem juntas se alternam,
quando uma frase musical anuncia e prepara a frase falada.
MELODRAMA NO TEATRO
Aspecto social como influência na Revolução Francesa
Melodrama – espetáculo popular
Sec. XVII – proibição do teatro
popular
Teatro oficial para elite
Teatro de mímica exclusivo para o
povo
Consolidação da Ópera
França e Inglaterra
Sec. XVIII – Ressurgimento das
peças teatrais - espetáculo de feira
Temas – Contos, mistérios e relatos
de terror
Mudança radical de público
Após Revolução Francesa
Sec. XIX (1806) – Suspensão da proibição dos espetáculos nos
teatros;
Melodrama – Reflexo de uma consciência coletiva
Oficialmente o gênero melodramático surge em 1800
René-Charles Guilbert de Pixérécourt - obra - : ( Coeline) –
fundador do gênero
• Influência – teatro das feiras e
pantomima
• Sucesso de Público
• Representantes - Inglaterra: Thomas
Holcroft (1745 – 1809)
• Alemanha: August Friederich von
Kotzebue (1761 – 1819)
• EUA: Dion Boucicault ( 1822 – 1890)
• Interlocutor para novos estilos –
principal gênero teatral do século
Grandes influentes
MELODRAMA NO TEATRO
Filmes mudos – Nas décadas de 10 e 20
Méliés – Famoso “ilusionista de barraca de feira”
Décadas de 30, 40 e 50 surgem os Filmes de aventura e ação
(séc. XX) – com influência do teatro popular e vaudeville
Segunda metade do sec. XX – Filmes femininos (a partir
da década de 50)
Origem das novelas
 Melodrama Teatral
 Romance Europeu (Séc. XIX)
 Romance em folhetim, por jornal (Séc. XIX)
 Romance em folhetim por entrega (fascículos)
 Fita-em-série Norte-Americana
 Rádio Novela
 Histórias em quadrinhos
 Fotonovela
MELODRAMA NA NOVELA
Telenovela
• Novelas de rádio: Em busca da Felicidade –
1ª. a ser transmitida no país em 1941 – Rio
de Janeiro
• O Direito de Nascer – Principal radionovela
no país – (cubana)
O Astro ( Janete Clair, 1977)
 Ídolo de pano – Telenovela perseguida por sua linha melodramática (1975, TV Tupi)
 Fascinação ( 1998 – SBT)
 Corazon Salvaje e La Mentira – Caridad Bravo Adams (escritora mexicana)
MELODRAMA NO CIRCO
O melodrama apresentado no circo brasileiro é uma forma constante de manifestação
teatral circense que pode ocorrer entre as atrações do circo. De certa forma segue algo
do estilo do melodrama teatral do final do século XIX, desenhado em ações, com
conflitos polarizados, através de uma dramaturgia simples, baseada em conflitos
familiares, atuado de uma forma grandiosa ou exagerada, tendo em vista os padrões de
interpretação atuais que sublinham o natural.
OBRIGADO A
TODOS !!!
ASSISTAM AGORA A ENCENAÇÃO DA PEÇA
“VEM BUSCAR-ME QUE AINDA SOU TEU”
(Carlos Alberto Sufredini)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Carol artes
Carol   artesCarol   artes
Carol artes
 
Linguagem teatral
Linguagem teatralLinguagem teatral
Linguagem teatral
 
1 o que é arte- Texto-
1 o que é arte- Texto-1 o que é arte- Texto-
1 o que é arte- Texto-
 
Movimento Expressionismo
Movimento ExpressionismoMovimento Expressionismo
Movimento Expressionismo
 
Arte rupestre 6o ano 2013
Arte rupestre 6o ano 2013Arte rupestre 6o ano 2013
Arte rupestre 6o ano 2013
 
Teatro para iniciantes.
Teatro para iniciantes. Teatro para iniciantes.
Teatro para iniciantes.
 
A Arte ContemporâNea
A   Arte ContemporâNeaA   Arte ContemporâNea
A Arte ContemporâNea
 
Neoclassicismo - Arte Neoclássica
Neoclassicismo - Arte NeoclássicaNeoclassicismo - Arte Neoclássica
Neoclassicismo - Arte Neoclássica
 
Arte - Fotografia e Cinema.docx
Arte - Fotografia e Cinema.docxArte - Fotografia e Cinema.docx
Arte - Fotografia e Cinema.docx
 
Projeto cinema na escola
Projeto cinema na escolaProjeto cinema na escola
Projeto cinema na escola
 
Prova de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 anoProva de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 ano
 
O Modernismo na Arte
O Modernismo na ArteO Modernismo na Arte
O Modernismo na Arte
 
Simulado
Simulado Simulado
Simulado
 
Prova Artes 1 ano médio
Prova Artes 1 ano médioProva Artes 1 ano médio
Prova Artes 1 ano médio
 
Aula 01 - Curso de Fotografia Básica
Aula 01 - Curso de Fotografia BásicaAula 01 - Curso de Fotografia Básica
Aula 01 - Curso de Fotografia Básica
 
A história da fotografia
A história da fotografiaA história da fotografia
A história da fotografia
 
A arte da fotografia
A arte da fotografiaA arte da fotografia
A arte da fotografia
 
Aula 13 historia da arte.
Aula 13 historia da arte.Aula 13 historia da arte.
Aula 13 historia da arte.
 
Jogos Teatrais
Jogos TeatraisJogos Teatrais
Jogos Teatrais
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
 

Semelhante a Apresentação melodrama

Panorama Do Teatro Ocidental Stan
Panorama Do Teatro Ocidental StanPanorama Do Teatro Ocidental Stan
Panorama Do Teatro Ocidental StanClaudia Venturi
 
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida Prado
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida PradoFichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida Prado
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida PradoCarla Souto
 
Conceito de Teatro - Coleção Praticar a Arte - Professor Fabrício Secchin - 2...
Conceito de Teatro - Coleção Praticar a Arte - Professor Fabrício Secchin - 2...Conceito de Teatro - Coleção Praticar a Arte - Professor Fabrício Secchin - 2...
Conceito de Teatro - Coleção Praticar a Arte - Professor Fabrício Secchin - 2...AnaEdinia
 
Arte teatro conceito, história, etc
Arte teatro   conceito, história, etcArte teatro   conceito, história, etc
Arte teatro conceito, história, etcNatália Matos
 
Síntese - História do teatro
Síntese - História do teatroSíntese - História do teatro
Síntese - História do teatroCarla Camuso
 
A commedia dell'arte: máscaras, duplicidade e o riso diabólico do Arlequim, N...
A commedia dell'arte: máscaras, duplicidade e o riso diabólico do Arlequim, N...A commedia dell'arte: máscaras, duplicidade e o riso diabólico do Arlequim, N...
A commedia dell'arte: máscaras, duplicidade e o riso diabólico do Arlequim, N...studio silvio selva
 
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.pptTEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.pptAna Vaz
 
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.pptTEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.pptPROFESSORALORENA
 
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)  TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes) Wellinton Augusto
 
Gênero Dramático 8º ano
Gênero Dramático 8º anoGênero Dramático 8º ano
Gênero Dramático 8º anoKássia Mendes
 
Panorama Do Teatro Ocidental
Panorama Do Teatro OcidentalPanorama Do Teatro Ocidental
Panorama Do Teatro OcidentalClaudia Venturi
 
Gêneros dramáticos
Gêneros dramáticosGêneros dramáticos
Gêneros dramáticosAline Raposo
 
Artes cênicas trabalho u.u
Artes cênicas trabalho u.uArtes cênicas trabalho u.u
Artes cênicas trabalho u.uVitoria Silva
 

Semelhante a Apresentação melodrama (20)

Panorama Do Teatro Ocidental Stan
Panorama Do Teatro Ocidental StanPanorama Do Teatro Ocidental Stan
Panorama Do Teatro Ocidental Stan
 
Teatro contemporâneo
Teatro contemporâneoTeatro contemporâneo
Teatro contemporâneo
 
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida Prado
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida PradoFichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida Prado
Fichamento de A personagem no teatro, de Décio de Almeida Prado
 
Conceito de Teatro - Coleção Praticar a Arte - Professor Fabrício Secchin - 2...
Conceito de Teatro - Coleção Praticar a Arte - Professor Fabrício Secchin - 2...Conceito de Teatro - Coleção Praticar a Arte - Professor Fabrício Secchin - 2...
Conceito de Teatro - Coleção Praticar a Arte - Professor Fabrício Secchin - 2...
 
Arte teatro conceito, história, etc
Arte teatro   conceito, história, etcArte teatro   conceito, história, etc
Arte teatro conceito, história, etc
 
Síntese - História do teatro
Síntese - História do teatroSíntese - História do teatro
Síntese - História do teatro
 
A commedia dell'arte: máscaras, duplicidade e o riso diabólico do Arlequim, N...
A commedia dell'arte: máscaras, duplicidade e o riso diabólico do Arlequim, N...A commedia dell'arte: máscaras, duplicidade e o riso diabólico do Arlequim, N...
A commedia dell'arte: máscaras, duplicidade e o riso diabólico do Arlequim, N...
 
A mímica
A mímicaA mímica
A mímica
 
Commédia dell arte
Commédia dell arteCommédia dell arte
Commédia dell arte
 
Commédia dell arte
Commédia dell arteCommédia dell arte
Commédia dell arte
 
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.pptTEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
 
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.pptTEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
TEATRO - Texto teatral gênero, enredo, diálogos, monólogos.ppt
 
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)  TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
 
Os vários tipos de teatro
Os vários tipos de teatroOs vários tipos de teatro
Os vários tipos de teatro
 
Gênero Dramático 8º ano
Gênero Dramático 8º anoGênero Dramático 8º ano
Gênero Dramático 8º ano
 
Panorama Do Teatro Ocidental
Panorama Do Teatro OcidentalPanorama Do Teatro Ocidental
Panorama Do Teatro Ocidental
 
Commedia Dell'Arte
Commedia Dell'ArteCommedia Dell'Arte
Commedia Dell'Arte
 
Gêneros dramáticos
Gêneros dramáticosGêneros dramáticos
Gêneros dramáticos
 
Artes cênicas trabalho u.u
Artes cênicas trabalho u.uArtes cênicas trabalho u.u
Artes cênicas trabalho u.u
 
Urdimento 5
Urdimento 5Urdimento 5
Urdimento 5
 

Apresentação melodrama

  • 1. MELODRAMA ALEXANDRE CARMO |AMINE MARIA | CRISTINA ARAUJO | MARCUS VICAMP | RENATO BERTINI Seminário | Turma Avançado – Profº Bhá Prince Casa de Cultura Dinorah do Valle
  • 2. ABORDAGEM • Introdução • Espetáculos e sua categorias • Estrutura • Características dos personagens • Temas • Apartes, Monólogos e Confidencias • Melodrama Gótico • Melodrama na Ópera • Melodrama no Teatro • Melodrama na Novela • Melodrama no Circo
  • 4.  Iniciado no final do séc XVII nas Óperas Italianas. “Como um procedimento no qual a fala e a música, em vez de andarem juntas se alternam, quando uma frase musical anuncia e prepara a frase falada”.  Oficialmente reconhecido como Gênero Teatral em 1800 com a obra Coeline, de René-Charles Guilbert de Pixérécourt Definindo um tipo complexo de espetáculo cênico iniciado após a Revolução Francesa. Anonimous . Coeline – R.C. G. Pixérécourt
  • 5. Características “Tragédia moderna” – sucessor da tragédia grega Paixão profunda Enredos sentimentais Surpresa iminente Representação exagerada Trilhas sonoras coerentes Exuberância cênica Artificialidade sentimental Moral: crime X castigo Vícios e Virtudes
  • 6. • “Este trabalho é resultado de um contato sincero com o artista ambulante. Fui lá procurando a essência da linguagem teatral brasileira. E encontrei pessoas. Procurando as ideias e encontrei a vida. Não dedico essa peça a eles porque eles jamais a lerão. E se a lessem não se interessariam por montá-la. E eles sabem o que fazem.” (SOFFREDINI, 1979 – Folha de São Paulo)
  • 7. “Vem buscar-me que ainda sou teu é uma reflexão. Essa pesquisa não é popular, discute coisas que interessam ao público normal de teatro, ao público jovem. Esse trabalho traz uma discussão sobre a cultura, as linhas rompidas com o teatro a partir das experiências estrangeiras. Não é que eu negue esse teatro novo, mas retomo o fio anterior, o teatro que ficou na periferia e que é nosso (SOFFREDINI, 1979 –Folha de São Paulo).
  • 9. Rússia -1927 - Duas órfãs – Adolphe D’Ennery e Eugene Cormon (Adaptado e encenado no Teatro de Arte de Moscou) – preparação de atores por Stanislavski – nome: A Irmãs Gérard; Ocupação Dramaturgo, Romancista Nome completo Adolphe Philippe d'Ennery Nascimento 17 de junho de 1811- Paris Morte 25 de janeiro de1899 (87 anos) Paris Nacionalidade francês
  • 10. Sergei Balukhatii (1892-1945) • Paixão – motor melodramático (papel fundamental “expor as paixões que constituem a força motiva da ação das personagens” ) • Vivência emocional destaca-se no enredo • Surpresa – geralmente desagradável • Forte relação emocional com a platéia
  • 11. Organização Unidimensional e Linear • (unidade de ação, o começo-meio-fim) • Jogo do imprevisto (atores e platéia) • Tramas: assassinato, o fado, sina de uma garota inocente, pessoa forçada a cometer ações contrárias às de sua consciência • Choques emocionais – platéia • Inesperado (Segunda característica) • Papel do acaso – elemento ameaçador
  • 12. • Enredo – Reviravolta de uma situação comum (um encontro, uma carta) • Duplo final – aspecto restaurador promove o alivio da situação – catarse para a platéia • Inesperado, a surpresa e choque – parte do discurso e da vivência melodramática, no palco e na platéia • Drama – troca rápida de normas levam a um caminho – situação finalizadora • Melodrama – Trocas imediatas entre o feliz e infeliz – oscilações alternadas até final duplo
  • 13. Melodrama: Sociedade capitalista em modo trágico • O inesperado resolve ou aprofunda todos os conflitos e estabelece uma dinâmica de ordem-desordem-ordem, acumulada • Espectador fica na expectativa do destino da história • Adiamento resolução – acaso como determinante da ordem em que se vive – destino – incerteza • Identidade com a platéia para que o público seja iludido ou envolvido na representação
  • 14. Psicose - Melodrama A estrutura teatral, a carpintaria é a mesma do drama. Há apenas um porém: no melodrama, o fluxo da emoção se inverte, ou seja, não parte apenas do palco para a plateia, mas também da plateia para o palco.
  • 15. • Melodrama – mais cênico de todos os gêneros – foi escrito para ser efetivado no palco e “composto para a cena” • Elementos Estruturais – Funcionam para o espectador e não para o leitor essa Consciência Cênica – possibilita uma estilização particular de seus efeitos
  • 17. Fins narrativos Recapitula os fatos e ações Desvenda sentimentos Contribuem para completar o retrato dos personagens principais.
  • 18. O mecanismo é eficiente que dispensa a encenação de acontecimentos que são importantes para a compreensão da trama, mas retardariam a ação, se tivessem que ser mostrados Ensejam o desabafo Ajudam a recordar episódios Introduzem conselhos e presságios
  • 20.  O melodrama não perde a plateia de vista, tem a necessidade de manter o público cativo e continuamente alimenta tal relação.  Permite municiar o espectador em uma posição privilegiada, pois podem controlar a angustia que o assalta ao verificar que o mal prospera e que o herói corre os risco.  O conhecimento propicia ao público uma sensação de domínio sobre os fatos e sobre os segredo.  Na utilização do aparte o rompimento da ilusão é muito explicito. O recurso contradiz a convenção da quarta parede, que esta vinculado ao gênero.  O melodrama monitora as respostas desejadas, coopera para aprofundar a empatia com os heróis, especialmente porque estes desempenham o papel de vitimas sem culpa.
  • 22. GÓTICO – É adjetivo que se refere a tribo dos Godos, povo de cultura germânica.
  • 23. O efeito “gótico” consiste na criação de uma atmosfera narrativa, que deve envolver o leitor na história, para em seguida assusta-lo, mas de modo que lhe provoque prazer, é um dos mais influentes modelos narrativos para as histórias de horror e terror que temos atualmente. A partir da filosofia neoclássica, os autores góticos investiram na criação de imagens obscuras e representações simbólicas. O medo e o anseio pela morte foram temas centrais nessas narrativas. Alguns exemplos recorrentes iniciais são: abadias decandecentes habitadas por clérigos maléficos castelos sinistros onde aristocratas tirânicos portas se fechem misteriosamente
  • 24. Dentro destes cenários é possível: Velas se apaguem Passagem Secreta Corredores escuros
  • 25.  Marca o uso do termo gótico em literatura pela primeira vez. Em cena tem-se um elmo monstruoso, espadas gigantes, uma mão invisível, calabouços labirínticos, quadros fantasmagóricos e toda a parafernália sobrenatural que faria o sucesso dos romances góticos subsequentes. The Castle of Otranto (1764) Sir Horace Walpole
  • 26. Período vitoriano – Tradição gótica inglesa (Drácula, Bram Stoker, 1897)
  • 27. Nesta estética o autor apresentava como personagens: espíritos que retornavam de outra dimensão para exigir justiça fantasmas acontecimentos sobrenaturais heroína necessitando ser salva Apresenta-se sempre uma linguagem do/para o povo, com pitadas de mistério, sentimentalismo, suspense, sofrimentos e alegrias do cidadão comum, buscando comover o telespectador e delineando certos padrões morais e estéticos.
  • 29. O melodrama na ópera teria surgido em 1774 como forma de inserir o texto falado ou recitativo na forma cantada. Ariadne auf Naxos (Ariadne em Naxos / Ariadne auf Naxos texto de Brandes e arranjos de Georg Anton Benda, 1774) seria uma das primeiras tentativas desta relação musical. O melodrama operístico alemão tem esta característica. Rousseau define melodrama como um procedimento onde a fala e a música, em vez de andarem juntas se alternam, quando uma frase musical anuncia e prepara a frase falada.
  • 30. MELODRAMA NO TEATRO Aspecto social como influência na Revolução Francesa
  • 31. Melodrama – espetáculo popular Sec. XVII – proibição do teatro popular Teatro oficial para elite Teatro de mímica exclusivo para o povo Consolidação da Ópera França e Inglaterra Sec. XVIII – Ressurgimento das peças teatrais - espetáculo de feira Temas – Contos, mistérios e relatos de terror Mudança radical de público
  • 32. Após Revolução Francesa Sec. XIX (1806) – Suspensão da proibição dos espetáculos nos teatros; Melodrama – Reflexo de uma consciência coletiva Oficialmente o gênero melodramático surge em 1800 René-Charles Guilbert de Pixérécourt - obra - : ( Coeline) – fundador do gênero
  • 33. • Influência – teatro das feiras e pantomima • Sucesso de Público • Representantes - Inglaterra: Thomas Holcroft (1745 – 1809) • Alemanha: August Friederich von Kotzebue (1761 – 1819) • EUA: Dion Boucicault ( 1822 – 1890) • Interlocutor para novos estilos – principal gênero teatral do século Grandes influentes
  • 35. Filmes mudos – Nas décadas de 10 e 20 Méliés – Famoso “ilusionista de barraca de feira” Décadas de 30, 40 e 50 surgem os Filmes de aventura e ação (séc. XX) – com influência do teatro popular e vaudeville Segunda metade do sec. XX – Filmes femininos (a partir da década de 50)
  • 36. Origem das novelas  Melodrama Teatral  Romance Europeu (Séc. XIX)  Romance em folhetim, por jornal (Séc. XIX)  Romance em folhetim por entrega (fascículos)  Fita-em-série Norte-Americana  Rádio Novela  Histórias em quadrinhos  Fotonovela
  • 38. Telenovela • Novelas de rádio: Em busca da Felicidade – 1ª. a ser transmitida no país em 1941 – Rio de Janeiro • O Direito de Nascer – Principal radionovela no país – (cubana) O Astro ( Janete Clair, 1977)
  • 39.  Ídolo de pano – Telenovela perseguida por sua linha melodramática (1975, TV Tupi)  Fascinação ( 1998 – SBT)  Corazon Salvaje e La Mentira – Caridad Bravo Adams (escritora mexicana)
  • 41. O melodrama apresentado no circo brasileiro é uma forma constante de manifestação teatral circense que pode ocorrer entre as atrações do circo. De certa forma segue algo do estilo do melodrama teatral do final do século XIX, desenhado em ações, com conflitos polarizados, através de uma dramaturgia simples, baseada em conflitos familiares, atuado de uma forma grandiosa ou exagerada, tendo em vista os padrões de interpretação atuais que sublinham o natural.
  • 42. OBRIGADO A TODOS !!! ASSISTAM AGORA A ENCENAÇÃO DA PEÇA “VEM BUSCAR-ME QUE AINDA SOU TEU” (Carlos Alberto Sufredini)