(17) unidade 4 slide share-benefícios para os pais

4.168 visualizações

Publicada em

Curso Promoção do Envolvimento dos Homens na Paternidade e no Cuidado, disponível na Comunidade de Práticas pelo link: https://cursos.atencaobasica.org.br/courses/16135

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.168
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.787
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

(17) unidade 4 slide share-benefícios para os pais

  1. 1. Benefícios para os pais O artigo “Paternidade: uma revolução dos afetos” (COSTA LIMA, 2014), contribui para essa discussão ao identificar que grande parte do debate atual sobre a paternidade tem como foco as repercussões positivas ou negativas dos pais para a vida de crianças e mães, poucas vezes se refletindo sobre os significados da paternidade para os homens. Contextualizando que esta reflexão nasce da revolução de costumes iniciada pelos movimentos de mulheres e movimentos feministas e ressaltando que, por isso, ela deve ser feita a partir de um olhar crítico contra o patriarcado, o machismo e a heteronormatividade, o autor escreve:
  2. 2. Hoje se percebe que mesmo com passos ainda tímidos, muitos homens têm esboçado uma similar revolução, sendo que, no caso deles, esta tem sido para “dentro”, para convivências familiares mais equitativas e harmoniosas e também para o reconhecimento de que eles podem se expressar de forma sensível e delicada, rejeitando qualquer tipo de violência e vivenciando suas emoções e afetos livremente. É aqui que a paternidade, historicamente marcada por diversas imagens negativas e ligadas à manutenção de regras e normas, surge com grande potencial transformador.
  3. 3. (...) Esta paternidade ‘plena’, que implica desde a decisão conjunta de ter filhos, até as consultas de pré-natal, o acompanhamento do parto e todos os afazeres e prazeres posteriores relacionados à criação das crianças, pode ser a faísca necessária para uma profunda reflexão e consequente mudança em relação às formas que expressamos a nossa masculinidade. A paternidade pode representar, para nós homens, uma revolução dos afetos, uma introdução ou um aprofundamento em direção à sensibilidade, delicadeza e cuidado, algo que, aos poucos, pode transbordar para todas as nossas relações.
  4. 4. Seguem abaixo outros benefícios para os homens apontados peloFatherhoodInstitute e pelo Programa P: Na Nova Zelândia, quase 1/3 dos futuros pais modificaram sua dieta e diminuíram ou cessaram o uso de tabaco/cigarro durante a gestação de suas parceiras (Pryor et al, 2014, em FI); Os pais que estão engajados no cuidado de seus bebês são mais propensos a criar um vínculo emocional com eles (Barclay e Lupton, 1999, apud Promundo, 2014); Estudos qualitativos e quantitativos demonstraram que homens engajados como pais relatam estar mais satisfeitos com suas vidas e cuidar mais de sua saúde (Barker et al, 2012, em Promundo, 2014);
  5. 5. Homens envolvidos com a paternidade são mais propensos a estar satisfeitos com suas vidas, a viver mais tempo, adoecer menos, consumir menos álcool e drogas, estressar-se menos, se envolver menos em acidentes e ter um maior envolvimento com a comunidade (Allen e Daly, 2007, em Promundo, 2014); Um dos maiores estudos sobre violência de gangues nos EUA, que durou 45 anos e acompanhou mais de 1000 homens de Boston, chegou à conclusão que um dos principais motivos para que eles não entrassem ou para que saíssem de gangues era o fato de estarem conectados com seus/suas filhos/as (Barker, 2013).
  6. 6. Homens envolvidos com a paternidade são mais propensos a estar satisfeitos com suas vidas, a viver mais tempo, adoecer menos, consumir menos álcool e drogas, estressar-se menos, se envolver menos em acidentes e ter um maior envolvimento com a comunidade (Allen e Daly, 2007, em Promundo, 2014); Um dos maiores estudos sobre violência de gangues nos EUA, que durou 45 anos e acompanhou mais de 1000 homens de Boston, chegou à conclusão que um dos principais motivos para que eles não entrassem ou para que saíssem de gangues era o fato de estarem conectados com seus/suas filhos/as (Barker, 2013).

×