SlideShare uma empresa Scribd logo
AdubaçãoM
EIO AM
BIENTE
nº 07
A mecanização da lavoura, a
falta de proteção do solo
e as monoculturas levam ao
empobrecimento do solo.
a crescente
degradação da
natureza também
faz com que a
terra tenha que
ser adubada.
quase toda a
produção sai da
propriedade e leva
os nutrientes que
as plantas tanto
precisam...
e o pior é que nas
cidades tudo que
não é utilizado se
transforma...
que
chato!
...e muito pouco
volta para a
terra onde tudo
é produzido.
e quanto mais
pobre ele fica
mais é necessário
adubá-lo. eu
mesmo percebi
isto!
...em um grande
problema ambiental,
que são os lixões.
NO início, o solo
responde bem ao
adubo químico. com o
tempo, é necessário
aumentar a dose, pois
a produtividade
vai caindo.
E assim tive que gastar ainda
mais com agrotóxicos.
passei a gastar mais
energia para fazer
o solo produzir.
e o custo de
produção aumentou
muito.
é, tio antônio! e o
senhor foi gastando
cada vez mais...
Além de adubar
muito, tivemos que
molhar mais a terra,
já que, sem a matéria
orgânica, ela secava
mais rápido.
É! Agora vocês já sabem que o uso
de agrotóxicos prejudica a saúde
de quem produz e de quem
consome os alimentos.
com certeza! O solo adubado
quimicamente faz com que a
planta absorva de forma
desequilibrada os nutrientes,
facilitando o ataque de
pragas e doenças.
quanto
problema!
E a saúde
é tudo.
Pois é, Duda! Por tudo isso a nossa
propriedade foi ficando muito degradada.
E o pior é que o produtor entra
em um círculo vicioso: quanto
mais pobre a terra, mais ele usa
adubo químico e agrotóxico
e assim por diante...
E a produção
continuava baixa...
Quando percebemos que o solo
não respondia e a nossa saúde
estava sendo prejudicada,
decidimos mudar para uma forma
mais natural de produção...
Meu pai foi um dos
primeiros da região a
cumprir a legislação
ambiental...
...protegendo as Áreas de
Preservação Permanente-APPs
e averbando em cartório a
reserva legal.
Implantamos sistemas
agroflorestais-SAF
e corredores
ecológicos... É a propriedade
mudou totalmente...
Adotamos Boas práticas
agrícolas e as coisas
começaram a melhorar
Foi aí que o senhor passou
a fazer a adubação verde e
a orgânica, abandonando
de vez o uso de adubo
químico?
Sim! Mas fui
mudando aos
poucos.
Meu pai procurou
a ajuda de um
técnico, que fez a
análise do solo e
constatou que
a terra estava
pobre em
nutrientes e
matéria orgânica.
Para melhorar o solo,
começamos a substituir
parte do adubo químico
pelo orgânico.
É, no primeiro momento,
tem que colocar uma
quantidade maior de
adubo orgânico.
Teve um vizinho que fez
diferente: substituiu tudo
de uma vez. Mas, para isto,
ele teve que investir mais.
Mas a produtividade
não caiu?
Não! Eu fui
substituindo a
adubação química
gradativamente e em
quatro anos já tinha
trocado tudo por
adubo orgânico.
O adubo orgânico
libera os nutrientes
pouco a pouco.
Portanto, para
garantir uma boa
produtividade, é
preciso usar mais
adubo orgânico
no início.
Esta quantidade a mais
de material orgânico
fica incorporada no
solo e será aproveitada
pelas plantas nas
próximas safras.
Já na adubação química, os
nutrientes são prontamente
liberados para as plantas.
A parte que não é absorvida
pelas plantas vai para as
camadas mais profundas do
solo e pode contaminar o
lençol freático
Aqui em cima, a gente fez outra pilha, perto do
consórcio de banana com café. Como aqui é mais
difícil molhar, usamos troncos de bananeira para
hidratar a pilha e também para dar massa.
Primeiro deixamos tudo
parado por 60 dias. Depois
passamos a enxada rotativa
para picar um pouco, juntamos
o monte e deixamos
mais 30 dias.
Em seguida, passamos de novo
a enxada rotativa e reviramos
tudo para ficar mais 30 dias
parado. Se puder, é bom deixar
ainda mais um pouco...
E no adubo
orgânico, tio, o
que o senhor
coloca?
Para dar massa, usamos
material fibroso, como a
capineira, além de restos
de cultura e de poda:
milho, palha de feijão,
capim-meloso e o que
mais tiver disponível.
Esse material,
preferencialmente,
deve ser picado.
E quem
não tem
criação,
papai?
Aí tem que
comprar ou
trocar com
o vizinho...
Para enriquecer
o adubo, uso
esterco de boi e
de galinha, que
temos aqui mesmo
na propriedade.
A gente tem que
molhar e revirar a
pilha. quando você
usar material picado,
o ideal é revirar
primeiro com 7 dias,
em seguida com 30,
depois com 60 e,
por fim, com 90 dias.
Mas tem que tomar
cuidado porque a pilha
fica muito quente.
E é bom lembrar que o
ideal é a gente produzir o
composto perto da área
que será adubada. Vamos
lá em cima ver...
A adubação verde É FEITA
USANDO PLANTAS LEGUMINOSAS
QUE RETIRAM O NITROGÊNIO
PARA SUA PRÓPRIA NUTRIÇÃO.
apesar do nitrogênio estar em
abundância no ar, a maioria das
plantas não consegue
absorvê-lo diretamente.
E quando o
composto
fica pronto?
Agora vamos
descer para
ver o
milharal.
Estamos fazendo uma
experiência: do lado
mais alto usamos
adubação verde e, no
outro, não adubamos.
Viu a diferença?
ué, por que o
milho está
com tamanhos
diferentes?
Quando o
material está
todo curtido,
não tem mais
cheiro, a
temperatura
diminui, ficando
igual à do
ambiente.
AS LEGUMINOSAS, EM
SIMBIOSE COM BACTÉRIAS
ESPECIAIS, TEM A CAPACIDADE
DE RETIRAR O NITROGÊNIO DO
AR PARA A SUA NUTRIÇÃO
AS LEGUMINOSAS QUE
podem ser usadAs:
feijão-de-porco,
lab-lab, crotalária,
mucuna-preta E
feijão-guandu.
Aproveitando
sempre a troca
de cultura para
plantar as
leguminosas.
QUANDO AS LEGUMINOSAS SE
DECOMPÕEM NO SOLO, O NITROGÊNIO
FICA DISPONÍVEL PARA AS OUTRAS
PLANTAS: ISSO É ADUBAÇÃO VERDE.
bactérias
fixadoras de
nitrogênio
bactérias
nitrificantes
bactérias
nitrificantes
bactérias
desnitrificantesDECOMPOSITORES
Fungos e bactérias
aeróbicas e anaeróbicas
(N )2
NITROGÊNIO
Planta
Leguminosa
Demais
Plantas
NITRITOAMÔNIA
NITRATO
(NH )4
+ (NO )2
-
(NO )3
-
NO3
-
Nutriente que a planta
mais precisa
Por exemplo: planto quiabo e,
quando está terminando o
período de colheita, eu coloco
mucuna-preta entre as filas para
preparar o terreno para a
próxima plantação.
Cento e vinte dias
depois, eu roço
tudo para o plantio
de inhame.
Quando tenho menos tempo
para esperar o próximo
plantio, uso crotalária ou
mucuna-anã e, com 70 a 90
dias, já posso roçar tudo.
As leguminosas em
geral também podem
ser usadas na
implantação de
culturas permanentes,
como o café
e a laranja.
Nossa, a adubação
verde é muito
legal!
É, mesmo! Mas é
importante saber
qual a leguminosa
certa em cada
cultura. Para isso,
deve-se procurar
ajuda de um
técnico.
É, tio Antônio,
aprendi muito hoje SOBRE
COMPOSTAGEM E ADUBAÇÃO
VERDE. VOU LEVAR ESSE
CONHECIMENTO PRÁTICO
PARA MEU COLEGAS
DE CURSO.
A MAIORIA NÃO
SABE QUE ATITUDES
SIMPLES, COMO A DE
SEPARAR O LIXO SECO
DO ÚMIDO, PODEm
AJUDAR A PRODUZIR
ADUBO ORGÂNICO.
N2
e
u
n
Complete a cruzadinha
ao lado e descubra
o tipo de planta usada
na adubação verde
Ajude o caminhão a
levar o lixo orgânico
da cidade para
o campo.
1-alface/2-nitrogênio/3-grama
4-milho/5-cenoura/6-sapo/7-galinhaResposta:caminho3
2
1
3
2
3
4
5
7
8
1
DICAS PARA UMA ADUBAÇÃO EFICIENTE
1Se a sua propriedade tem um área que pode ficar parada por até 90 dias, plante crotalária jun-
cens e mucuna-anã, para depois fazer adubação verde com essas leguminosas. Ao final dos três
meses, as leguminosas já poderão ser cortadas e incorporadas ao solo, servindo como uma excelente
adubação para a próxima cultura.
2Já se a sua propriedade tem uma área que pode ficar parada por mais de 120 dias, você pode
usar diversas leguminosas: feijão-de-porco, mucuna-cinza, mucuna-preta, crotalária juncens,
feijão-guandu ou outras. No final dos quatro meses, você pode usar a roçadeira manual para cortar
as leguminosas, pois essas espécies, principalmente as mucunas (cinza e preta), são resistentes ao
corte manual.
3Em regiões de baixa altitude, as leguminosas mencionadas no item anterior podem ser cultiva-
das durante todo o ano, desde que haja disponibilidade de água.
4Em regiões de altitude superior a 600m, as culturas acima não vão bem no período de inverno,
mas podem ser substituídas por ervilhaca, tremoço ou nabo forrageiro (não é leguminosa, mas
tem a capacidade de ajudar a romper as camadas mais compactadas do solo). Ainda em regiões
altas, pode ser usado um mix de aveia, nabo forrageiro e tremoço que, além de ajudar a fazer a adu-
bação, também forma uma massa ideal para a cobertura do solo com plantio de abril a junho.
5Existem experiências muito positivas com a utilização de Galactia striata y e Tefrósia em consór-
cio com café, cultivados com espaçamentos maiores (acima de 2,5m).
6A melhor época de corte das leguminosas de cultura anual, visando a adubação, em geral é no
pleno florescimento e início da formação de vagem. Se o objetivo for também cobertura de solo,
recomenda-se o corte em uma fase mais avançada, podendo deixar até o amadurecimento do fruto.
7Para mais informações sobre adubação procure o escritório do Incaper ou a Prefeitura do seu
município.
Incaper
Série Meio Ambiente 07
ISSN 1519-2059 - 1A
EDIÇÃO - Tiragem: 10.000 - março de 2010
Equipe técnica
Maria da Penha Padovan - Edegar Antonio Formentini
Fabiana Gomes Ruas
Projeto gráfico, roteiro, texto, ilustrações e arte-finalização
ás Comunicação Ltda / (27) 3347.0163 - 3347.2499 - as@ascomunicacao.com.br
Nãoagredimosanatureza
Utilizamospapelreciclado
Incaper
Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural
Rua Afonso Sarlo, 160, Bento Ferreira, Vitória, ES CEP: 29.052-010 Caixa Postal: 391
teleFone (27): 3137-9888 / dcm@incaper.es.gov.br - www.incaper.es.gov.br
IEMA
Instituto ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS
Projeto CORREDORES ECOLÓGICOS
BR 262, KM 0, S/N, JARDIM AMÉRICA, PORTO VELHO, CARIACICA, ES CEP: 29.140-500
Fone (27): 3136-3476 - CORREDORESECOLOGICOS@IEMA.ES.GOV.BR www.IEMA.es.gov.br
realização
O Projeto Corredores Ecológicos é uma parceria entre:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modernização no campo
Modernização no campoModernização no campo
Modernização no campo
meripb
 
Agroecologia hoje
Agroecologia hojeAgroecologia hoje
Agroecologia hoje
igor-oliveira
 
A importância dos solos
A importância dos solosA importância dos solos
A importância dos solos
Simone Roese Allgayer
 
A compostagem
A compostagemA compostagem
A compostagem
CarvalhalEco15
 
Separação de misturas aula para o ensino fundamental
Separação de misturas aula para o ensino fundamentalSeparação de misturas aula para o ensino fundamental
Separação de misturas aula para o ensino fundamental
Priscila Oliveira Boralho
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentável Agricultura sustentável
Agricultura sustentável
Samanta Lacerda
 
Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.
Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.
Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.
Carlos Eduardo
 
Atividades sobre sustentabilidade
Atividades sobre sustentabilidadeAtividades sobre sustentabilidade
Atividades sobre sustentabilidade
Giselda morais rodrigues do
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS, CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES
DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS, CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS, CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES
DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS, CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES
Hipólito Murga
 
Atividades ciencias
Atividades cienciasAtividades ciencias
Atividades ciencias
Giovana Schubert
 
Apresentação pra onde vai o seu lixo
Apresentação   pra onde vai o seu lixoApresentação   pra onde vai o seu lixo
Apresentação pra onde vai o seu lixo
RICARDO PEGÊ TST
 
Atividades biomas brasileiros
Atividades biomas brasileirosAtividades biomas brasileiros
Atividades biomas brasileiros
Atividades Diversas Cláudia
 
Compostagem G.VINICIUS
Compostagem G.VINICIUSCompostagem G.VINICIUS
Compostagem G.VINICIUS
GVinicius Silva
 
Gestão da propriedade agrícola modulo iii
Gestão da propriedade agrícola modulo iiiGestão da propriedade agrícola modulo iii
Gestão da propriedade agrícola modulo iii
Rita de Cássia Freitas
 
Uso racional da água na agricultura
Uso racional da água na agriculturaUso racional da água na agricultura
Uso racional da água na agricultura
Revista Cafeicultura
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
Fabíola Mello
 
Dia Mundial da Água - 22 de Março
Dia Mundial da Água - 22 de MarçoDia Mundial da Água - 22 de Março
Dia Mundial da Água - 22 de Março
Glauber Eduardo Aragon Pereira
 
Dia Mundial do Meio Ambiente
Dia Mundial do Meio Ambiente Dia Mundial do Meio Ambiente
Dia Mundial do Meio Ambiente
ANDRÉA FERREIRA
 
Métodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do soloMétodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do solo
Girleno Oliveira
 
Agua para a Agricultura no Brasil. AIBA Zanella
Agua para a Agricultura no Brasil. AIBA ZanellaAgua para a Agricultura no Brasil. AIBA Zanella
Agua para a Agricultura no Brasil. AIBA Zanella
equipeagroplus
 

Mais procurados (20)

Modernização no campo
Modernização no campoModernização no campo
Modernização no campo
 
Agroecologia hoje
Agroecologia hojeAgroecologia hoje
Agroecologia hoje
 
A importância dos solos
A importância dos solosA importância dos solos
A importância dos solos
 
A compostagem
A compostagemA compostagem
A compostagem
 
Separação de misturas aula para o ensino fundamental
Separação de misturas aula para o ensino fundamentalSeparação de misturas aula para o ensino fundamental
Separação de misturas aula para o ensino fundamental
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentável Agricultura sustentável
Agricultura sustentável
 
Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.
Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.
Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.
 
Atividades sobre sustentabilidade
Atividades sobre sustentabilidadeAtividades sobre sustentabilidade
Atividades sobre sustentabilidade
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS, CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES
DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS, CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS, CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES
DEGRADAÇÃO DO SOLO NO BRASIL: CAUSAS, CONSEQÜÊNCIAS E SOLUÇÕES
 
Atividades ciencias
Atividades cienciasAtividades ciencias
Atividades ciencias
 
Apresentação pra onde vai o seu lixo
Apresentação   pra onde vai o seu lixoApresentação   pra onde vai o seu lixo
Apresentação pra onde vai o seu lixo
 
Atividades biomas brasileiros
Atividades biomas brasileirosAtividades biomas brasileiros
Atividades biomas brasileiros
 
Compostagem G.VINICIUS
Compostagem G.VINICIUSCompostagem G.VINICIUS
Compostagem G.VINICIUS
 
Gestão da propriedade agrícola modulo iii
Gestão da propriedade agrícola modulo iiiGestão da propriedade agrícola modulo iii
Gestão da propriedade agrícola modulo iii
 
Uso racional da água na agricultura
Uso racional da água na agriculturaUso racional da água na agricultura
Uso racional da água na agricultura
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
 
Dia Mundial da Água - 22 de Março
Dia Mundial da Água - 22 de MarçoDia Mundial da Água - 22 de Março
Dia Mundial da Água - 22 de Março
 
Dia Mundial do Meio Ambiente
Dia Mundial do Meio Ambiente Dia Mundial do Meio Ambiente
Dia Mundial do Meio Ambiente
 
Métodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do soloMétodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do solo
 
Agua para a Agricultura no Brasil. AIBA Zanella
Agua para a Agricultura no Brasil. AIBA ZanellaAgua para a Agricultura no Brasil. AIBA Zanella
Agua para a Agricultura no Brasil. AIBA Zanella
 

Semelhante a Cartilha adubacao

Oficina faça compostagem doméstica
Oficina faça compostagem domésticaOficina faça compostagem doméstica
Oficina faça compostagem doméstica
Alexandre Panerai
 
Composto organico
Composto organicoComposto organico
Composto organico
João Siqueira da Mata
 
plantando do jeito certo,curso de pantio sem "grotóx"
plantando do jeito certo,curso de pantio sem "grotóx"plantando do jeito certo,curso de pantio sem "grotóx"
plantando do jeito certo,curso de pantio sem "grotóx"
Bruno Da Montanha
 
Como fazer uma horta
Como fazer uma hortaComo fazer uma horta
Como fazer uma horta
IFMT - Campus Juína
 
Adubo orgânico
Adubo orgânicoAdubo orgânico
Adubo orgânico
wllises queiroz
 
Aplicacao de-fertilizantes.ht
Aplicacao de-fertilizantes.htAplicacao de-fertilizantes.ht
Aplicacao de-fertilizantes.ht
Nuno Lemos
 
Cartilha horta final2010
Cartilha horta final2010Cartilha horta final2010
Cartilha horta final2010
Maria Lúcia Medeiros
 
Horticultura ao alcance de todos - Irineu Fabichak
Horticultura ao alcance de todos - Irineu FabichakHorticultura ao alcance de todos - Irineu Fabichak
Horticultura ao alcance de todos - Irineu Fabichak
V.X. Carmo
 
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem domésticaManual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
Alexandre Panerai
 
Compostagem composto orgânico
Compostagem composto orgânicoCompostagem composto orgânico
Compostagem composto orgânico
Kelly Cristina Moreira Rocha
 
Cartilha completa corrigida
Cartilha completa corrigidaCartilha completa corrigida
Cartilha completa corrigida
LeandroSantos137405
 
Bx casa saudavel
Bx casa saudavelBx casa saudavel
Bx casa saudavel
Alexandre Panerai
 
82. como fazer uma horta em casa
82. como fazer uma horta em casa82. como fazer uma horta em casa
82. como fazer uma horta em casa
Patty Melo
 
Iapar no mundo organico
Iapar  no mundo organicoIapar  no mundo organico
Iapar no mundo organico
João Siqueira da Mata
 
Compostagem gustavo s e guilherme 4ºc
Compostagem gustavo s e guilherme 4ºcCompostagem gustavo s e guilherme 4ºc
Compostagem gustavo s e guilherme 4ºc
4canisioprofessoracleide
 
Compostagem Domestica
Compostagem DomesticaCompostagem Domestica
Compostagem Domestica
Rota Orgânica
 
ABC Como plantar caju
ABC Como plantar cajuABC Como plantar caju
ABC Como plantar caju
Lenildo Araujo
 
João wesley
João wesley João wesley
João wesley
historiaf123
 
Cuidados com o solo
Cuidados com o soloCuidados com o solo
Cuidados com o solo
Adenilson Giovanini
 
Reciclagem organica affonso feira
Reciclagem organica affonso feiraReciclagem organica affonso feira
Reciclagem organica affonso feira
affonso
 

Semelhante a Cartilha adubacao (20)

Oficina faça compostagem doméstica
Oficina faça compostagem domésticaOficina faça compostagem doméstica
Oficina faça compostagem doméstica
 
Composto organico
Composto organicoComposto organico
Composto organico
 
plantando do jeito certo,curso de pantio sem "grotóx"
plantando do jeito certo,curso de pantio sem "grotóx"plantando do jeito certo,curso de pantio sem "grotóx"
plantando do jeito certo,curso de pantio sem "grotóx"
 
Como fazer uma horta
Como fazer uma hortaComo fazer uma horta
Como fazer uma horta
 
Adubo orgânico
Adubo orgânicoAdubo orgânico
Adubo orgânico
 
Aplicacao de-fertilizantes.ht
Aplicacao de-fertilizantes.htAplicacao de-fertilizantes.ht
Aplicacao de-fertilizantes.ht
 
Cartilha horta final2010
Cartilha horta final2010Cartilha horta final2010
Cartilha horta final2010
 
Horticultura ao alcance de todos - Irineu Fabichak
Horticultura ao alcance de todos - Irineu FabichakHorticultura ao alcance de todos - Irineu Fabichak
Horticultura ao alcance de todos - Irineu Fabichak
 
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem domésticaManual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
Manual morada da_floresta_(2014) compostagem doméstica
 
Compostagem composto orgânico
Compostagem composto orgânicoCompostagem composto orgânico
Compostagem composto orgânico
 
Cartilha completa corrigida
Cartilha completa corrigidaCartilha completa corrigida
Cartilha completa corrigida
 
Bx casa saudavel
Bx casa saudavelBx casa saudavel
Bx casa saudavel
 
82. como fazer uma horta em casa
82. como fazer uma horta em casa82. como fazer uma horta em casa
82. como fazer uma horta em casa
 
Iapar no mundo organico
Iapar  no mundo organicoIapar  no mundo organico
Iapar no mundo organico
 
Compostagem gustavo s e guilherme 4ºc
Compostagem gustavo s e guilherme 4ºcCompostagem gustavo s e guilherme 4ºc
Compostagem gustavo s e guilherme 4ºc
 
Compostagem Domestica
Compostagem DomesticaCompostagem Domestica
Compostagem Domestica
 
ABC Como plantar caju
ABC Como plantar cajuABC Como plantar caju
ABC Como plantar caju
 
João wesley
João wesley João wesley
João wesley
 
Cuidados com o solo
Cuidados com o soloCuidados com o solo
Cuidados com o solo
 
Reciclagem organica affonso feira
Reciclagem organica affonso feiraReciclagem organica affonso feira
Reciclagem organica affonso feira
 

Mais de Vida Agroecologia - Agricultura do Futuro

Cartilha agrofloresta
Cartilha agroflorestaCartilha agrofloresta
Cartilha controle pragas
Cartilha controle pragasCartilha controle pragas
Cartilha adequacao ambiental
Cartilha adequacao ambientalCartilha adequacao ambiental
Cartilha adequacao ambiental
Vida Agroecologia - Agricultura do Futuro
 
Cartilha reserva_legal
Cartilha reserva_legalCartilha reserva_legal
Proteção das nascentes:
Proteção das nascentes:Proteção das nascentes:
Ce cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicaoCe cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicao
Vida Agroecologia - Agricultura do Futuro
 
Agricultura Orgânica - Tecnologia de produção de alimentos saudáveis
Agricultura Orgânica - Tecnologia de produção de alimentos saudáveisAgricultura Orgânica - Tecnologia de produção de alimentos saudáveis
Agricultura Orgânica - Tecnologia de produção de alimentos saudáveis
Vida Agroecologia - Agricultura do Futuro
 
Aprendar a identificar os amigos naturais do agricultor agroecológico
 Aprendar a identificar os amigos naturais do agricultor agroecológico Aprendar a identificar os amigos naturais do agricultor agroecológico
Aprendar a identificar os amigos naturais do agricultor agroecológico
Vida Agroecologia - Agricultura do Futuro
 
Palestra manejo ecológico do solo
Palestra manejo ecológico do soloPalestra manejo ecológico do solo
Palestra manejo ecológico do solo
Vida Agroecologia - Agricultura do Futuro
 
8 insetos que podem devorar sua horta orgânica
8 insetos que podem devorar sua horta orgânica8 insetos que podem devorar sua horta orgânica
8 insetos que podem devorar sua horta orgânica
Vida Agroecologia - Agricultura do Futuro
 
Como obter certificação orgânica
Como obter certificação orgânicaComo obter certificação orgânica
Como obter certificação orgânica
Vida Agroecologia - Agricultura do Futuro
 
Como usar o controle biologico na agricultura orgânica
Como usar o controle biologico na agricultura orgânicaComo usar o controle biologico na agricultura orgânica
Como usar o controle biologico na agricultura orgânica
Vida Agroecologia - Agricultura do Futuro
 
5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica
5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica
5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica
Vida Agroecologia - Agricultura do Futuro
 

Mais de Vida Agroecologia - Agricultura do Futuro (13)

Cartilha agrofloresta
Cartilha agroflorestaCartilha agrofloresta
Cartilha agrofloresta
 
Cartilha controle pragas
Cartilha controle pragasCartilha controle pragas
Cartilha controle pragas
 
Cartilha adequacao ambiental
Cartilha adequacao ambientalCartilha adequacao ambiental
Cartilha adequacao ambiental
 
Cartilha reserva_legal
Cartilha reserva_legalCartilha reserva_legal
Cartilha reserva_legal
 
Proteção das nascentes:
Proteção das nascentes:Proteção das nascentes:
Proteção das nascentes:
 
Ce cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicaoCe cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicao
 
Agricultura Orgânica - Tecnologia de produção de alimentos saudáveis
Agricultura Orgânica - Tecnologia de produção de alimentos saudáveisAgricultura Orgânica - Tecnologia de produção de alimentos saudáveis
Agricultura Orgânica - Tecnologia de produção de alimentos saudáveis
 
Aprendar a identificar os amigos naturais do agricultor agroecológico
 Aprendar a identificar os amigos naturais do agricultor agroecológico Aprendar a identificar os amigos naturais do agricultor agroecológico
Aprendar a identificar os amigos naturais do agricultor agroecológico
 
Palestra manejo ecológico do solo
Palestra manejo ecológico do soloPalestra manejo ecológico do solo
Palestra manejo ecológico do solo
 
8 insetos que podem devorar sua horta orgânica
8 insetos que podem devorar sua horta orgânica8 insetos que podem devorar sua horta orgânica
8 insetos que podem devorar sua horta orgânica
 
Como obter certificação orgânica
Como obter certificação orgânicaComo obter certificação orgânica
Como obter certificação orgânica
 
Como usar o controle biologico na agricultura orgânica
Como usar o controle biologico na agricultura orgânicaComo usar o controle biologico na agricultura orgânica
Como usar o controle biologico na agricultura orgânica
 
5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica
5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica
5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica
 

Último

A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 

Último (20)

A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 

Cartilha adubacao

  • 2.
  • 3. A mecanização da lavoura, a falta de proteção do solo e as monoculturas levam ao empobrecimento do solo. a crescente degradação da natureza também faz com que a terra tenha que ser adubada. quase toda a produção sai da propriedade e leva os nutrientes que as plantas tanto precisam... e o pior é que nas cidades tudo que não é utilizado se transforma... que chato! ...e muito pouco volta para a terra onde tudo é produzido. e quanto mais pobre ele fica mais é necessário adubá-lo. eu mesmo percebi isto! ...em um grande problema ambiental, que são os lixões. NO início, o solo responde bem ao adubo químico. com o tempo, é necessário aumentar a dose, pois a produtividade vai caindo.
  • 4. E assim tive que gastar ainda mais com agrotóxicos. passei a gastar mais energia para fazer o solo produzir. e o custo de produção aumentou muito. é, tio antônio! e o senhor foi gastando cada vez mais... Além de adubar muito, tivemos que molhar mais a terra, já que, sem a matéria orgânica, ela secava mais rápido. É! Agora vocês já sabem que o uso de agrotóxicos prejudica a saúde de quem produz e de quem consome os alimentos. com certeza! O solo adubado quimicamente faz com que a planta absorva de forma desequilibrada os nutrientes, facilitando o ataque de pragas e doenças. quanto problema! E a saúde é tudo.
  • 5. Pois é, Duda! Por tudo isso a nossa propriedade foi ficando muito degradada. E o pior é que o produtor entra em um círculo vicioso: quanto mais pobre a terra, mais ele usa adubo químico e agrotóxico e assim por diante... E a produção continuava baixa... Quando percebemos que o solo não respondia e a nossa saúde estava sendo prejudicada, decidimos mudar para uma forma mais natural de produção... Meu pai foi um dos primeiros da região a cumprir a legislação ambiental... ...protegendo as Áreas de Preservação Permanente-APPs e averbando em cartório a reserva legal. Implantamos sistemas agroflorestais-SAF e corredores ecológicos... É a propriedade mudou totalmente... Adotamos Boas práticas agrícolas e as coisas começaram a melhorar Foi aí que o senhor passou a fazer a adubação verde e a orgânica, abandonando de vez o uso de adubo químico? Sim! Mas fui mudando aos poucos.
  • 6. Meu pai procurou a ajuda de um técnico, que fez a análise do solo e constatou que a terra estava pobre em nutrientes e matéria orgânica. Para melhorar o solo, começamos a substituir parte do adubo químico pelo orgânico. É, no primeiro momento, tem que colocar uma quantidade maior de adubo orgânico. Teve um vizinho que fez diferente: substituiu tudo de uma vez. Mas, para isto, ele teve que investir mais. Mas a produtividade não caiu? Não! Eu fui substituindo a adubação química gradativamente e em quatro anos já tinha trocado tudo por adubo orgânico. O adubo orgânico libera os nutrientes pouco a pouco. Portanto, para garantir uma boa produtividade, é preciso usar mais adubo orgânico no início. Esta quantidade a mais de material orgânico fica incorporada no solo e será aproveitada pelas plantas nas próximas safras. Já na adubação química, os nutrientes são prontamente liberados para as plantas. A parte que não é absorvida pelas plantas vai para as camadas mais profundas do solo e pode contaminar o lençol freático
  • 7. Aqui em cima, a gente fez outra pilha, perto do consórcio de banana com café. Como aqui é mais difícil molhar, usamos troncos de bananeira para hidratar a pilha e também para dar massa. Primeiro deixamos tudo parado por 60 dias. Depois passamos a enxada rotativa para picar um pouco, juntamos o monte e deixamos mais 30 dias. Em seguida, passamos de novo a enxada rotativa e reviramos tudo para ficar mais 30 dias parado. Se puder, é bom deixar ainda mais um pouco... E no adubo orgânico, tio, o que o senhor coloca? Para dar massa, usamos material fibroso, como a capineira, além de restos de cultura e de poda: milho, palha de feijão, capim-meloso e o que mais tiver disponível. Esse material, preferencialmente, deve ser picado. E quem não tem criação, papai? Aí tem que comprar ou trocar com o vizinho... Para enriquecer o adubo, uso esterco de boi e de galinha, que temos aqui mesmo na propriedade. A gente tem que molhar e revirar a pilha. quando você usar material picado, o ideal é revirar primeiro com 7 dias, em seguida com 30, depois com 60 e, por fim, com 90 dias. Mas tem que tomar cuidado porque a pilha fica muito quente. E é bom lembrar que o ideal é a gente produzir o composto perto da área que será adubada. Vamos lá em cima ver...
  • 8. A adubação verde É FEITA USANDO PLANTAS LEGUMINOSAS QUE RETIRAM O NITROGÊNIO PARA SUA PRÓPRIA NUTRIÇÃO. apesar do nitrogênio estar em abundância no ar, a maioria das plantas não consegue absorvê-lo diretamente. E quando o composto fica pronto? Agora vamos descer para ver o milharal. Estamos fazendo uma experiência: do lado mais alto usamos adubação verde e, no outro, não adubamos. Viu a diferença? ué, por que o milho está com tamanhos diferentes? Quando o material está todo curtido, não tem mais cheiro, a temperatura diminui, ficando igual à do ambiente. AS LEGUMINOSAS, EM SIMBIOSE COM BACTÉRIAS ESPECIAIS, TEM A CAPACIDADE DE RETIRAR O NITROGÊNIO DO AR PARA A SUA NUTRIÇÃO AS LEGUMINOSAS QUE podem ser usadAs: feijão-de-porco, lab-lab, crotalária, mucuna-preta E feijão-guandu. Aproveitando sempre a troca de cultura para plantar as leguminosas. QUANDO AS LEGUMINOSAS SE DECOMPÕEM NO SOLO, O NITROGÊNIO FICA DISPONÍVEL PARA AS OUTRAS PLANTAS: ISSO É ADUBAÇÃO VERDE. bactérias fixadoras de nitrogênio bactérias nitrificantes bactérias nitrificantes bactérias desnitrificantesDECOMPOSITORES Fungos e bactérias aeróbicas e anaeróbicas (N )2 NITROGÊNIO Planta Leguminosa Demais Plantas NITRITOAMÔNIA NITRATO (NH )4 + (NO )2 - (NO )3 - NO3 - Nutriente que a planta mais precisa
  • 9. Por exemplo: planto quiabo e, quando está terminando o período de colheita, eu coloco mucuna-preta entre as filas para preparar o terreno para a próxima plantação. Cento e vinte dias depois, eu roço tudo para o plantio de inhame. Quando tenho menos tempo para esperar o próximo plantio, uso crotalária ou mucuna-anã e, com 70 a 90 dias, já posso roçar tudo. As leguminosas em geral também podem ser usadas na implantação de culturas permanentes, como o café e a laranja. Nossa, a adubação verde é muito legal! É, mesmo! Mas é importante saber qual a leguminosa certa em cada cultura. Para isso, deve-se procurar ajuda de um técnico. É, tio Antônio, aprendi muito hoje SOBRE COMPOSTAGEM E ADUBAÇÃO VERDE. VOU LEVAR ESSE CONHECIMENTO PRÁTICO PARA MEU COLEGAS DE CURSO. A MAIORIA NÃO SABE QUE ATITUDES SIMPLES, COMO A DE SEPARAR O LIXO SECO DO ÚMIDO, PODEm AJUDAR A PRODUZIR ADUBO ORGÂNICO.
  • 10. N2 e u n Complete a cruzadinha ao lado e descubra o tipo de planta usada na adubação verde Ajude o caminhão a levar o lixo orgânico da cidade para o campo. 1-alface/2-nitrogênio/3-grama 4-milho/5-cenoura/6-sapo/7-galinhaResposta:caminho3 2 1 3 2 3 4 5 7 8 1
  • 11. DICAS PARA UMA ADUBAÇÃO EFICIENTE 1Se a sua propriedade tem um área que pode ficar parada por até 90 dias, plante crotalária jun- cens e mucuna-anã, para depois fazer adubação verde com essas leguminosas. Ao final dos três meses, as leguminosas já poderão ser cortadas e incorporadas ao solo, servindo como uma excelente adubação para a próxima cultura. 2Já se a sua propriedade tem uma área que pode ficar parada por mais de 120 dias, você pode usar diversas leguminosas: feijão-de-porco, mucuna-cinza, mucuna-preta, crotalária juncens, feijão-guandu ou outras. No final dos quatro meses, você pode usar a roçadeira manual para cortar as leguminosas, pois essas espécies, principalmente as mucunas (cinza e preta), são resistentes ao corte manual. 3Em regiões de baixa altitude, as leguminosas mencionadas no item anterior podem ser cultiva- das durante todo o ano, desde que haja disponibilidade de água. 4Em regiões de altitude superior a 600m, as culturas acima não vão bem no período de inverno, mas podem ser substituídas por ervilhaca, tremoço ou nabo forrageiro (não é leguminosa, mas tem a capacidade de ajudar a romper as camadas mais compactadas do solo). Ainda em regiões altas, pode ser usado um mix de aveia, nabo forrageiro e tremoço que, além de ajudar a fazer a adu- bação, também forma uma massa ideal para a cobertura do solo com plantio de abril a junho. 5Existem experiências muito positivas com a utilização de Galactia striata y e Tefrósia em consór- cio com café, cultivados com espaçamentos maiores (acima de 2,5m). 6A melhor época de corte das leguminosas de cultura anual, visando a adubação, em geral é no pleno florescimento e início da formação de vagem. Se o objetivo for também cobertura de solo, recomenda-se o corte em uma fase mais avançada, podendo deixar até o amadurecimento do fruto. 7Para mais informações sobre adubação procure o escritório do Incaper ou a Prefeitura do seu município.
  • 12. Incaper Série Meio Ambiente 07 ISSN 1519-2059 - 1A EDIÇÃO - Tiragem: 10.000 - março de 2010 Equipe técnica Maria da Penha Padovan - Edegar Antonio Formentini Fabiana Gomes Ruas Projeto gráfico, roteiro, texto, ilustrações e arte-finalização ás Comunicação Ltda / (27) 3347.0163 - 3347.2499 - as@ascomunicacao.com.br Nãoagredimosanatureza Utilizamospapelreciclado Incaper Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural Rua Afonso Sarlo, 160, Bento Ferreira, Vitória, ES CEP: 29.052-010 Caixa Postal: 391 teleFone (27): 3137-9888 / dcm@incaper.es.gov.br - www.incaper.es.gov.br IEMA Instituto ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS Projeto CORREDORES ECOLÓGICOS BR 262, KM 0, S/N, JARDIM AMÉRICA, PORTO VELHO, CARIACICA, ES CEP: 29.140-500 Fone (27): 3136-3476 - CORREDORESECOLOGICOS@IEMA.ES.GOV.BR www.IEMA.es.gov.br realização O Projeto Corredores Ecológicos é uma parceria entre: