SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Estadual Advogado Demosthenes Martins. Campo Grande, data: Aluno(a): Professora: Rosana Castro. Professora de Tecnologias: Walkiria Zanuncio. Ano: 3º A.
Dia da Árvore As árvores merecem respeito de todo o mundo No dia 21 de setembro comemora-se o dia da árvore, em razão da chegada da primavera.  Com a chegada da primavera as cidades ficam mais bonitas, se enchem de flores coloridas. Muitas árvores encontram-se em extinção, como o Pau-Brasil, o Jacarandá, o Pinheiro e a Peroba, pois o homem as derrubou de maneira desordenada para usá-las em móveis e outros objetos e para ter espaço para construir suas casas. As árvores são importantes, porque nos fornecem o ar que respiramos, as frutas que comemos e outros tipos de alimentos; a madeira para construção de móveis, casas, também retiramos delas os remédios e a celulose que é a matéria-prima para a fabricação de papel. O contrabando de madeiras também fez com que muitas árvores fossem derrubadas, principalmente na floresta amazônica, onde o acesso a outros países é mais fácil e próximo. Os prejuízos seriam menores se fossem plantadas novas árvores nos lugares das devastações, mas o tempo que levam para crescer é muito grande.
Conheça algumas de nossas árvores: Aroeira  As diversas espécies de Bambus são nativas de várias partes do mundo, com exceção da Europa. Da família dos Gramineae, o Bambu é utilizado para fins artísticos e também na construção civil.  Bambu  Nativa do Brasil, Aroeira é o nome popular de diversas árvores da família Anacardiaceae. Alguns tipos de Aroeira são muito apreciados na culinária e outros servem para fazerem infusões na medicina popular.  O Cedro é uma árvore da família Pinaceae que pode chegar a até 30 metros de altura. É uma árvore nativa da Mata Atlântica e tem um crescimento muito acelerado, por isso é também utilizado para o reflorestamento destas áreas.  Cedro
É o nome dado a várias árvores do gênero Rosaceae. Suas diversas variações podem ser úteis desde a produção de frutos até a utilização de seus troncos como madeiras nobres.  Cerejeira  O Coqueiro é uma árvore da família Arecaceae e seu nome científico é Cocos Nucifera. Ainda não é conhecida a origem desta árvore, mas já foram encontrados fósseis de árvores ancestrais aos coqueiros com cerca de 15 milhões de anos.  Coqueiro  Imbuia É o nome popular, originário do Tupi, da Ocotea Porosa. É uma árvore de folhas e flores muito pequenos, mas de tronco extremamente grosso. é considerada uma das principais madeiras nobres na produção de móveis.
Ipê É como são chamadas comumentes as árvores do gênero Tabebuia. Os diversos Ipês são muito utilizados como árvores urbanas, pois suas raízes crescem para baixo e não danificam calçadas e ruas asfaltadas. Jacarandá É uma árvore nativa do Brasil, pertencente à família Fabaceae. A Jacarandá é utilizada na fabricação de artigos de luxo, como pianos e outros instrumentos musicais. Jatobá É uma árvore nativa da Amazônia e da Mata Atlântica brasileiras. Seu nome científico é Hymeneae Courbaril. As Jatobás chegam a ter 1 metro de diâmetro nos troncos e suas cascas são utilizadas para a produção de chás e vinhos.
Mogno É uma árvore muito utilizada na fabricação de móveis pela facilidade com que é possível trabalhar. São árvores nativas das florestas equatoriais e pertencem ao gênero Entandrophragma. Pau-Brasil Árvore que deu nome ao Brasil, é originária do mesmo país. Seu nome científico é Caesalpinia Echinata. Em 7 de Setembro de 1978, a Pau-Brasil foi declarada como Árvore Natural do Brasil. Seringueira É originária da bacia hidrográfica do Rio Amazonas. Pertence a família das Hevea Brasiliensis. A Seringueira teve grande importância para o desenvolvimento da região norte do país, a partir da extração do látex - matéria-prima da borracha.
Em Campo Grande podem ser encontradas nas principais ruas do centro as árvores quase centenárias, plantadas em 1914 que se concentram principalmente nas avenidas Afonso Pena e Mato Grosso.
A Natureza pede socorro!! Com crescimento e o uso desordenado dos recursos naturais, o Meio Ambiente vem sofrendo transformações que trazem inúmeros desastres naturais. Enchentes, aquecimento global, desertificação, vulcões, furacões, terremotos, maremotos, tsunamis... Precisamos mudar, urgentemente!!!
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],As árvores são importantes para o Meio Ambiente, veja:
Como plantar uma árvore. O primeiro passo é verificar o local onde se deseja plantar para somente depois escolher o tipo de árvore. Verifique a exposição ao sol - algumas espécies se adapta melhor a sol pleno, outras pedem muita sombra.  Observe a distância que a árvore pode ser plantada de muros e cercas.  É importante tomar cuidado com calçadas - algumas árvores têm raízes que danificam o calçamento e asfaltos. Em alguns casos, o ideal é plantar árvores como Ipês, que as raízes crescem na vertical.  Opte por fazer o plantio em períodos de pouco impacto térmico, como primavera ou outono. Observadas estas questões, é só escolher a muda e seguir as instruções técnicas de plantio dadas pelo vendedor.
Passo a passo para o reflorestamento Demarcar a área a ser reflorestada e isolá-la de animais, quando estiver no meio de pastagens.  Escolher espécies adaptadas à região do plantio.   Observar o clima, o solo e usos anteriores da terra, para ver se é necessário aplicar fertilizantes para facilitar o crescimento das mudas plantadas.  Utilizar em torno de 50% de espécies pioneiras, aproveitando suas características de rápido crescimento para fazer sombra para as espécies climáticas.  Privilegiar o uso de árvores frutíferas, com o objetivo atrair a fauna.  Diversificar ao máximo as espécies plantadas, para chegar o mais próximo possível do ambiente natural.  Quando possível, plantar em linha e colocar estacas, para facilitar futuros trabalhos de manutenção das mudas plantadas.  Escolher o espaçamento entre plantas (2x2, 3x2, 3x3 ou 4x4), em função dos custos e do prazo em que se espera recuperar a área. Espaçamentos menores dão resultados imediatos, mas o custo de implantação é maior.  Proceder o replantio das mudas mortas.  Realizar limpezas de manutenção (roçadas e coroamento) até o 3º ano após o início do plantio. Ecotrilha:  ecotrilha .blogspot.com .
Pense em atitudes que todos podemos ter para contribuir com a melhoria do Meio Ambiente e escreva.
A ÁRVORE "Criança, a árvore merece  A nossa estima sincera  Dá frutos doces no outono  E flores na primavera.  Nunca maltrates uma árvore  A quem tudo nós devemos  Desde a madeira da porta  Ao lápis com que escrevemos.  Na sombra da árvore amiga  Pensa bem no teu destino  Pois dela foi feito  O teu berço pequenino."  Autor: Raul Aroeira Serrano  Leia um poema criado em homenagem a árvore. http://www.velhosamigos.com.br/DatasEspeciais/diaarvore2.html
Faça uma homenagem a Árvore, crie um poema ou um acróstico.
Ilustre uma cidade ou rua arborizada.
 
http://www.diadaarvore.org.br/meioambiente/nossasarvores Que tal plantarmos uma árvore? Depois, ficaremos responsáveis por aguá-las e cuidá-las.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cactos
CactosCactos
Morfologia das palmeiras
Morfologia das palmeirasMorfologia das palmeiras
Morfologia das palmeiras
Raelly Silva
 
Flores da caatinga
Flores da caatingaFlores da caatinga
Eucalipto (VegetaçãO)
Eucalipto (VegetaçãO)Eucalipto (VegetaçãO)
Eucalipto (VegetaçãO)
FloraCosta
 
Cactos e Suculentas
Cactos e SuculentasCactos e Suculentas
Cactos e Suculentas
Marcus Corradini
 
A Diversidade Das Flores
A Diversidade Das FloresA Diversidade Das Flores
A Diversidade Das Flores
michelechristine
 
Caracteristicas Eucalipto
Caracteristicas EucaliptoCaracteristicas Eucalipto
Caracteristicas Eucalipto
Paulo Victor
 
Uso sustentável do Umbuzeiro
Uso sustentável do UmbuzeiroUso sustentável do Umbuzeiro
Jardinagem para leigos e experts
Jardinagem para leigos e expertsJardinagem para leigos e experts
Jardinagem para leigos e experts
Sheila E Joe Tome
 
Vegetação
VegetaçãoVegetação
Vegetação
Letícia Santos
 
Claudia
ClaudiaClaudia
Claudia
Paulo Sérgio
 
plantas e flores
plantas e floresplantas e flores
plantas e flores
Bárbara Marques
 
Eucalyptus
EucalyptusEucalyptus
Guia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentaisGuia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentais
Emerson Silva
 
Bromelias epifitas
Bromelias epifitas Bromelias epifitas
Bromelias epifitas
william tito nina
 
Eucalipto1
Eucalipto1Eucalipto1
Eucalipto1
Luis Filipe Vargas
 
Acmella oleracea2
Acmella oleracea2Acmella oleracea2
Acmella oleracea2
igor-queiros
 
A vegetação
A vegetação A vegetação
A vegetação
António Luís Catarino
 
Poda
PodaPoda
Poda
TCDP
 
Pantanal Garden Center :: Curso Básico de Cultivo de Orquídeas
Pantanal Garden Center :: Curso Básico de Cultivo de OrquídeasPantanal Garden Center :: Curso Básico de Cultivo de Orquídeas
Pantanal Garden Center :: Curso Básico de Cultivo de Orquídeas
Pantanal Garden Center
 

Mais procurados (20)

Cactos
CactosCactos
Cactos
 
Morfologia das palmeiras
Morfologia das palmeirasMorfologia das palmeiras
Morfologia das palmeiras
 
Flores da caatinga
Flores da caatingaFlores da caatinga
Flores da caatinga
 
Eucalipto (VegetaçãO)
Eucalipto (VegetaçãO)Eucalipto (VegetaçãO)
Eucalipto (VegetaçãO)
 
Cactos e Suculentas
Cactos e SuculentasCactos e Suculentas
Cactos e Suculentas
 
A Diversidade Das Flores
A Diversidade Das FloresA Diversidade Das Flores
A Diversidade Das Flores
 
Caracteristicas Eucalipto
Caracteristicas EucaliptoCaracteristicas Eucalipto
Caracteristicas Eucalipto
 
Uso sustentável do Umbuzeiro
Uso sustentável do UmbuzeiroUso sustentável do Umbuzeiro
Uso sustentável do Umbuzeiro
 
Jardinagem para leigos e experts
Jardinagem para leigos e expertsJardinagem para leigos e experts
Jardinagem para leigos e experts
 
Vegetação
VegetaçãoVegetação
Vegetação
 
Claudia
ClaudiaClaudia
Claudia
 
plantas e flores
plantas e floresplantas e flores
plantas e flores
 
Eucalyptus
EucalyptusEucalyptus
Eucalyptus
 
Guia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentaisGuia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentais
 
Bromelias epifitas
Bromelias epifitas Bromelias epifitas
Bromelias epifitas
 
Eucalipto1
Eucalipto1Eucalipto1
Eucalipto1
 
Acmella oleracea2
Acmella oleracea2Acmella oleracea2
Acmella oleracea2
 
A vegetação
A vegetação A vegetação
A vegetação
 
Poda
PodaPoda
Poda
 
Pantanal Garden Center :: Curso Básico de Cultivo de Orquídeas
Pantanal Garden Center :: Curso Básico de Cultivo de OrquídeasPantanal Garden Center :: Curso Básico de Cultivo de Orquídeas
Pantanal Garden Center :: Curso Básico de Cultivo de Orquídeas
 

Destaque

Projeto dia da árvore
Projeto dia da árvoreProjeto dia da árvore
Projeto dia da árvore
soniahoffmam
 
Dia da árvore
Dia da árvoreDia da árvore
Dia da árvore
Vera Kovalski
 
Dia da poesia e dia da árvore
Dia da poesia e dia da árvoreDia da poesia e dia da árvore
Dia da poesia e dia da árvore
bibliotecamondimoeste
 
UM PROJETO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR: FASE DE DIAGNÓSTICO AMBIENTAL
UM PROJETO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR: FASE DE DIAGNÓSTICO AMBIENTALUM PROJETO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR: FASE DE DIAGNÓSTICO AMBIENTAL
UM PROJETO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR: FASE DE DIAGNÓSTICO AMBIENTAL
Marisa Correia
 
Dia Mundial da Árvore e da Floresta
Dia Mundial da Árvore e da FlorestaDia Mundial da Árvore e da Floresta
Dia Mundial da Árvore e da Floresta
ana paula dias
 
Arvores
ArvoresArvores
3ª apostila sobre o dia da árvore de simone helen drumond
3ª apostila sobre o dia da árvore de simone helen drumond3ª apostila sobre o dia da árvore de simone helen drumond
3ª apostila sobre o dia da árvore de simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar NativoArvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
margosanta
 
3ª apostila sobre o dia da árvore de simone helen drumond
3ª apostila sobre o dia da árvore de simone helen drumond3ª apostila sobre o dia da árvore de simone helen drumond
3ª apostila sobre o dia da árvore de simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
A árvore
A árvoreA árvore
A árvore
Irene Aguiar
 
Relatorio 1 semestre 2012
Relatorio 1 semestre 2012Relatorio 1 semestre 2012
Relatorio 1 semestre 2012
magna slideshare
 
Dia da Árvore
Dia da ÁrvoreDia da Árvore
Dia da Árvore
Andrea Lemos
 
Vegetação mundial
Vegetação mundialVegetação mundial
Vegetação mundial
dela28
 
A árvore que não queria morrer!
A árvore que não queria morrer!A árvore que não queria morrer!
A árvore que não queria morrer!
ESCOLA.M.ARMANDO CAMPOS BELO - Dourados/MS
 
Manual para elaboração de projetos ambientais
Manual para elaboração de projetos ambientaisManual para elaboração de projetos ambientais
Manual para elaboração de projetos ambientais
Marco Antonio Jesus Bizerra
 
Avaliação descritiva42
Avaliação descritiva42Avaliação descritiva42
Avaliação descritiva42
SimoneHelenDrumond
 
Dia da Árvore Leila
Dia da Árvore LeilaDia da Árvore Leila
Dia da Árvore Leila
leilarosana
 
Trabalho educacao ambiental
Trabalho educacao ambientalTrabalho educacao ambiental
Trabalho educacao ambiental
Governo do Estado do Rio de Janeiro
 
Ficha descritiva 1 ano 3 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 3 trimestreFicha descritiva 1 ano 3 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 3 trimestre
Naysa Taboada
 
Ficha descritiva 1 ano 1 trimestre
Ficha descritiva 1 ano   1 trimestreFicha descritiva 1 ano   1 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 1 trimestre
Naysa Taboada
 

Destaque (20)

Projeto dia da árvore
Projeto dia da árvoreProjeto dia da árvore
Projeto dia da árvore
 
Dia da árvore
Dia da árvoreDia da árvore
Dia da árvore
 
Dia da poesia e dia da árvore
Dia da poesia e dia da árvoreDia da poesia e dia da árvore
Dia da poesia e dia da árvore
 
UM PROJETO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR: FASE DE DIAGNÓSTICO AMBIENTAL
UM PROJETO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR: FASE DE DIAGNÓSTICO AMBIENTALUM PROJETO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR: FASE DE DIAGNÓSTICO AMBIENTAL
UM PROJETO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR: FASE DE DIAGNÓSTICO AMBIENTAL
 
Dia Mundial da Árvore e da Floresta
Dia Mundial da Árvore e da FlorestaDia Mundial da Árvore e da Floresta
Dia Mundial da Árvore e da Floresta
 
Arvores
ArvoresArvores
Arvores
 
3ª apostila sobre o dia da árvore de simone helen drumond
3ª apostila sobre o dia da árvore de simone helen drumond3ª apostila sobre o dia da árvore de simone helen drumond
3ª apostila sobre o dia da árvore de simone helen drumond
 
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar NativoArvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
 
3ª apostila sobre o dia da árvore de simone helen drumond
3ª apostila sobre o dia da árvore de simone helen drumond3ª apostila sobre o dia da árvore de simone helen drumond
3ª apostila sobre o dia da árvore de simone helen drumond
 
A árvore
A árvoreA árvore
A árvore
 
Relatorio 1 semestre 2012
Relatorio 1 semestre 2012Relatorio 1 semestre 2012
Relatorio 1 semestre 2012
 
Dia da Árvore
Dia da ÁrvoreDia da Árvore
Dia da Árvore
 
Vegetação mundial
Vegetação mundialVegetação mundial
Vegetação mundial
 
A árvore que não queria morrer!
A árvore que não queria morrer!A árvore que não queria morrer!
A árvore que não queria morrer!
 
Manual para elaboração de projetos ambientais
Manual para elaboração de projetos ambientaisManual para elaboração de projetos ambientais
Manual para elaboração de projetos ambientais
 
Avaliação descritiva42
Avaliação descritiva42Avaliação descritiva42
Avaliação descritiva42
 
Dia da Árvore Leila
Dia da Árvore LeilaDia da Árvore Leila
Dia da Árvore Leila
 
Trabalho educacao ambiental
Trabalho educacao ambientalTrabalho educacao ambiental
Trabalho educacao ambiental
 
Ficha descritiva 1 ano 3 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 3 trimestreFicha descritiva 1 ano 3 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 3 trimestre
 
Ficha descritiva 1 ano 1 trimestre
Ficha descritiva 1 ano   1 trimestreFicha descritiva 1 ano   1 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 1 trimestre
 

Semelhante a Dia da árvore

Montando cartazes sobre o dia da arvore por simone drumond
Montando cartazes sobre o dia da arvore por simone drumondMontando cartazes sobre o dia da arvore por simone drumond
Montando cartazes sobre o dia da arvore por simone drumond
SimoneHelenDrumond
 
Árvores.pdf
Árvores.pdfÁrvores.pdf
Árvores.pdf
andersonmbraga1
 
Grupo d. fase 2
Grupo d. fase 2Grupo d. fase 2
Grupo d. fase 2
Ministério da Educação
 
Dia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em ItaperuçuDia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em Itaperuçu
rbsapple
 
Dia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em ItaperuçuDia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em Itaperuçu
rbsapple
 
Floresta temperada e vegetação mediterrânia
Floresta temperada e vegetação mediterrâniaFloresta temperada e vegetação mediterrânia
Floresta temperada e vegetação mediterrânia
Divino Carvalho
 
Mata de araucarias
Mata de araucarias Mata de araucarias
Mata de araucarias
Hávila Said
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de Biologia Trabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
PorfSIlva
 
Trabalho Biologia
Trabalho Biologia Trabalho Biologia
Trabalho Biologia
PorfSIlva
 
Florestas de coníferas.pptx
Florestas de coníferas.pptxFlorestas de coníferas.pptx
Florestas de coníferas.pptx
DayaneValencio1
 
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAISSAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
Conceição Fontolan
 
Projeto trilha2007
Projeto trilha2007Projeto trilha2007
Árvores do RS
Árvores do RSÁrvores do RS
Árvores do RS
Elisângela Ribas
 
A Diversidade Das Flores
A Diversidade Das FloresA Diversidade Das Flores
A Diversidade Das Flores
michelechristine
 
Apresentação do mês da leitura
Apresentação do mês da leituraApresentação do mês da leitura
Apresentação do mês da leitura
1000a
 
CHOUPO OU ÁLAMO.pptx
CHOUPO OU ÁLAMO.pptxCHOUPO OU ÁLAMO.pptx
CHOUPO OU ÁLAMO.pptx
MaicouCampos
 
Equipe verde
Equipe verdeEquipe verde
Equipe verde
equipe verde
 
SILVICULTURA APLICADA.pdf
SILVICULTURA APLICADA.pdfSILVICULTURA APLICADA.pdf
SILVICULTURA APLICADA.pdf
Mary Holanda
 
Floresta autóctone
Floresta autóctoneFloresta autóctone
Floresta autóctone
cruz ant
 
Guia ilustrado de 25 Árvores de Lisboa
Guia ilustrado de 25 Árvores de LisboaGuia ilustrado de 25 Árvores de Lisboa
Guia ilustrado de 25 Árvores de Lisboa
Lisboa E-Nova - Agência Municipal de Energia-Ambiente
 

Semelhante a Dia da árvore (20)

Montando cartazes sobre o dia da arvore por simone drumond
Montando cartazes sobre o dia da arvore por simone drumondMontando cartazes sobre o dia da arvore por simone drumond
Montando cartazes sobre o dia da arvore por simone drumond
 
Árvores.pdf
Árvores.pdfÁrvores.pdf
Árvores.pdf
 
Grupo d. fase 2
Grupo d. fase 2Grupo d. fase 2
Grupo d. fase 2
 
Dia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em ItaperuçuDia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em Itaperuçu
 
Dia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em ItaperuçuDia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em Itaperuçu
 
Floresta temperada e vegetação mediterrânia
Floresta temperada e vegetação mediterrâniaFloresta temperada e vegetação mediterrânia
Floresta temperada e vegetação mediterrânia
 
Mata de araucarias
Mata de araucarias Mata de araucarias
Mata de araucarias
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de Biologia Trabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
 
Trabalho Biologia
Trabalho Biologia Trabalho Biologia
Trabalho Biologia
 
Florestas de coníferas.pptx
Florestas de coníferas.pptxFlorestas de coníferas.pptx
Florestas de coníferas.pptx
 
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAISSAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
 
Projeto trilha2007
Projeto trilha2007Projeto trilha2007
Projeto trilha2007
 
Árvores do RS
Árvores do RSÁrvores do RS
Árvores do RS
 
A Diversidade Das Flores
A Diversidade Das FloresA Diversidade Das Flores
A Diversidade Das Flores
 
Apresentação do mês da leitura
Apresentação do mês da leituraApresentação do mês da leitura
Apresentação do mês da leitura
 
CHOUPO OU ÁLAMO.pptx
CHOUPO OU ÁLAMO.pptxCHOUPO OU ÁLAMO.pptx
CHOUPO OU ÁLAMO.pptx
 
Equipe verde
Equipe verdeEquipe verde
Equipe verde
 
SILVICULTURA APLICADA.pdf
SILVICULTURA APLICADA.pdfSILVICULTURA APLICADA.pdf
SILVICULTURA APLICADA.pdf
 
Floresta autóctone
Floresta autóctoneFloresta autóctone
Floresta autóctone
 
Guia ilustrado de 25 Árvores de Lisboa
Guia ilustrado de 25 Árvores de LisboaGuia ilustrado de 25 Árvores de Lisboa
Guia ilustrado de 25 Árvores de Lisboa
 

Mais de Walkiria Zanuncio

C onsciencia negra
C onsciencia negraC onsciencia negra
C onsciencia negra
Walkiria Zanuncio
 
Atividade sobre fabulas ok
Atividade sobre fabulas okAtividade sobre fabulas ok
Atividade sobre fabulas ok
Walkiria Zanuncio
 
Bullying matem
Bullying  matemBullying  matem
Bullying matem
Walkiria Zanuncio
 
Fabulas conecta escola
Fabulas conecta escolaFabulas conecta escola
Fabulas conecta escola
Walkiria Zanuncio
 
Cruzadinha tosco
Cruzadinha toscoCruzadinha tosco
Cruzadinha tosco
Walkiria Zanuncio
 
Prefácio livro tosco
Prefácio  livro toscoPrefácio  livro tosco
Prefácio livro tosco
Walkiria Zanuncio
 
Amizade
AmizadeAmizade
Blog atividade bullying
Blog atividade bullying  Blog atividade bullying
Blog atividade bullying
Walkiria Zanuncio
 
Atividade bullying maria e marani
Atividade bullying maria e maraniAtividade bullying maria e marani
Atividade bullying maria e marani
Walkiria Zanuncio
 
Atividade bullying lucca
Atividade bullying luccaAtividade bullying lucca
Atividade bullying lucca
Walkiria Zanuncio
 
Atividade bullying karina
Atividade bullying karinaAtividade bullying karina
Atividade bullying karina
Walkiria Zanuncio
 
Atividade bullying joão luiz
Atividade bullying joão luizAtividade bullying joão luiz
Atividade bullying joão luiz
Walkiria Zanuncio
 
Atividade bullying isadora
Atividade bullying isadoraAtividade bullying isadora
Atividade bullying isadora
Walkiria Zanuncio
 
Atividade bullying husdon jubrica
Atividade bullying husdon jubricaAtividade bullying husdon jubrica
Atividade bullying husdon jubrica
Walkiria Zanuncio
 
Atividade bullying eduardo
Atividade bullying eduardoAtividade bullying eduardo
Atividade bullying eduardo
Walkiria Zanuncio
 
Atividade bullying ahlli
Atividade bullying  ahlliAtividade bullying  ahlli
Atividade bullying ahlli
Walkiria Zanuncio
 
Atividade bullyin ga vitos hugo
Atividade bullyin ga vitos hugoAtividade bullyin ga vitos hugo
Atividade bullyin ga vitos hugo
Walkiria Zanuncio
 
Atividade bullying ketyllen
Atividade bullying ketyllenAtividade bullying ketyllen
Atividade bullying ketyllen
Walkiria Zanuncio
 
Produção bullying
Produção bullyingProdução bullying
Produção bullying
Walkiria Zanuncio
 

Mais de Walkiria Zanuncio (20)

Ativ consc negra 3º a
Ativ  consc negra 3º aAtiv  consc negra 3º a
Ativ consc negra 3º a
 
C onsciencia negra
C onsciencia negraC onsciencia negra
C onsciencia negra
 
Atividade sobre fabulas ok
Atividade sobre fabulas okAtividade sobre fabulas ok
Atividade sobre fabulas ok
 
Bullying matem
Bullying  matemBullying  matem
Bullying matem
 
Fabulas conecta escola
Fabulas conecta escolaFabulas conecta escola
Fabulas conecta escola
 
Cruzadinha tosco
Cruzadinha toscoCruzadinha tosco
Cruzadinha tosco
 
Prefácio livro tosco
Prefácio  livro toscoPrefácio  livro tosco
Prefácio livro tosco
 
Amizade
AmizadeAmizade
Amizade
 
Blog atividade bullying
Blog atividade bullying  Blog atividade bullying
Blog atividade bullying
 
Atividade bullying maria e marani
Atividade bullying maria e maraniAtividade bullying maria e marani
Atividade bullying maria e marani
 
Atividade bullying lucca
Atividade bullying luccaAtividade bullying lucca
Atividade bullying lucca
 
Atividade bullying karina
Atividade bullying karinaAtividade bullying karina
Atividade bullying karina
 
Atividade bullying joão luiz
Atividade bullying joão luizAtividade bullying joão luiz
Atividade bullying joão luiz
 
Atividade bullying isadora
Atividade bullying isadoraAtividade bullying isadora
Atividade bullying isadora
 
Atividade bullying husdon jubrica
Atividade bullying husdon jubricaAtividade bullying husdon jubrica
Atividade bullying husdon jubrica
 
Atividade bullying eduardo
Atividade bullying eduardoAtividade bullying eduardo
Atividade bullying eduardo
 
Atividade bullying ahlli
Atividade bullying  ahlliAtividade bullying  ahlli
Atividade bullying ahlli
 
Atividade bullyin ga vitos hugo
Atividade bullyin ga vitos hugoAtividade bullyin ga vitos hugo
Atividade bullyin ga vitos hugo
 
Atividade bullying ketyllen
Atividade bullying ketyllenAtividade bullying ketyllen
Atividade bullying ketyllen
 
Produção bullying
Produção bullyingProdução bullying
Produção bullying
 

Último

DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 

Último (20)

DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 

Dia da árvore

  • 1. Escola Estadual Advogado Demosthenes Martins. Campo Grande, data: Aluno(a): Professora: Rosana Castro. Professora de Tecnologias: Walkiria Zanuncio. Ano: 3º A.
  • 2. Dia da Árvore As árvores merecem respeito de todo o mundo No dia 21 de setembro comemora-se o dia da árvore, em razão da chegada da primavera. Com a chegada da primavera as cidades ficam mais bonitas, se enchem de flores coloridas. Muitas árvores encontram-se em extinção, como o Pau-Brasil, o Jacarandá, o Pinheiro e a Peroba, pois o homem as derrubou de maneira desordenada para usá-las em móveis e outros objetos e para ter espaço para construir suas casas. As árvores são importantes, porque nos fornecem o ar que respiramos, as frutas que comemos e outros tipos de alimentos; a madeira para construção de móveis, casas, também retiramos delas os remédios e a celulose que é a matéria-prima para a fabricação de papel. O contrabando de madeiras também fez com que muitas árvores fossem derrubadas, principalmente na floresta amazônica, onde o acesso a outros países é mais fácil e próximo. Os prejuízos seriam menores se fossem plantadas novas árvores nos lugares das devastações, mas o tempo que levam para crescer é muito grande.
  • 3. Conheça algumas de nossas árvores: Aroeira As diversas espécies de Bambus são nativas de várias partes do mundo, com exceção da Europa. Da família dos Gramineae, o Bambu é utilizado para fins artísticos e também na construção civil. Bambu Nativa do Brasil, Aroeira é o nome popular de diversas árvores da família Anacardiaceae. Alguns tipos de Aroeira são muito apreciados na culinária e outros servem para fazerem infusões na medicina popular. O Cedro é uma árvore da família Pinaceae que pode chegar a até 30 metros de altura. É uma árvore nativa da Mata Atlântica e tem um crescimento muito acelerado, por isso é também utilizado para o reflorestamento destas áreas. Cedro
  • 4. É o nome dado a várias árvores do gênero Rosaceae. Suas diversas variações podem ser úteis desde a produção de frutos até a utilização de seus troncos como madeiras nobres. Cerejeira O Coqueiro é uma árvore da família Arecaceae e seu nome científico é Cocos Nucifera. Ainda não é conhecida a origem desta árvore, mas já foram encontrados fósseis de árvores ancestrais aos coqueiros com cerca de 15 milhões de anos. Coqueiro Imbuia É o nome popular, originário do Tupi, da Ocotea Porosa. É uma árvore de folhas e flores muito pequenos, mas de tronco extremamente grosso. é considerada uma das principais madeiras nobres na produção de móveis.
  • 5. Ipê É como são chamadas comumentes as árvores do gênero Tabebuia. Os diversos Ipês são muito utilizados como árvores urbanas, pois suas raízes crescem para baixo e não danificam calçadas e ruas asfaltadas. Jacarandá É uma árvore nativa do Brasil, pertencente à família Fabaceae. A Jacarandá é utilizada na fabricação de artigos de luxo, como pianos e outros instrumentos musicais. Jatobá É uma árvore nativa da Amazônia e da Mata Atlântica brasileiras. Seu nome científico é Hymeneae Courbaril. As Jatobás chegam a ter 1 metro de diâmetro nos troncos e suas cascas são utilizadas para a produção de chás e vinhos.
  • 6. Mogno É uma árvore muito utilizada na fabricação de móveis pela facilidade com que é possível trabalhar. São árvores nativas das florestas equatoriais e pertencem ao gênero Entandrophragma. Pau-Brasil Árvore que deu nome ao Brasil, é originária do mesmo país. Seu nome científico é Caesalpinia Echinata. Em 7 de Setembro de 1978, a Pau-Brasil foi declarada como Árvore Natural do Brasil. Seringueira É originária da bacia hidrográfica do Rio Amazonas. Pertence a família das Hevea Brasiliensis. A Seringueira teve grande importância para o desenvolvimento da região norte do país, a partir da extração do látex - matéria-prima da borracha.
  • 7. Em Campo Grande podem ser encontradas nas principais ruas do centro as árvores quase centenárias, plantadas em 1914 que se concentram principalmente nas avenidas Afonso Pena e Mato Grosso.
  • 8. A Natureza pede socorro!! Com crescimento e o uso desordenado dos recursos naturais, o Meio Ambiente vem sofrendo transformações que trazem inúmeros desastres naturais. Enchentes, aquecimento global, desertificação, vulcões, furacões, terremotos, maremotos, tsunamis... Precisamos mudar, urgentemente!!!
  • 9.
  • 10. Como plantar uma árvore. O primeiro passo é verificar o local onde se deseja plantar para somente depois escolher o tipo de árvore. Verifique a exposição ao sol - algumas espécies se adapta melhor a sol pleno, outras pedem muita sombra. Observe a distância que a árvore pode ser plantada de muros e cercas. É importante tomar cuidado com calçadas - algumas árvores têm raízes que danificam o calçamento e asfaltos. Em alguns casos, o ideal é plantar árvores como Ipês, que as raízes crescem na vertical. Opte por fazer o plantio em períodos de pouco impacto térmico, como primavera ou outono. Observadas estas questões, é só escolher a muda e seguir as instruções técnicas de plantio dadas pelo vendedor.
  • 11. Passo a passo para o reflorestamento Demarcar a área a ser reflorestada e isolá-la de animais, quando estiver no meio de pastagens. Escolher espécies adaptadas à região do plantio. Observar o clima, o solo e usos anteriores da terra, para ver se é necessário aplicar fertilizantes para facilitar o crescimento das mudas plantadas. Utilizar em torno de 50% de espécies pioneiras, aproveitando suas características de rápido crescimento para fazer sombra para as espécies climáticas. Privilegiar o uso de árvores frutíferas, com o objetivo atrair a fauna. Diversificar ao máximo as espécies plantadas, para chegar o mais próximo possível do ambiente natural. Quando possível, plantar em linha e colocar estacas, para facilitar futuros trabalhos de manutenção das mudas plantadas. Escolher o espaçamento entre plantas (2x2, 3x2, 3x3 ou 4x4), em função dos custos e do prazo em que se espera recuperar a área. Espaçamentos menores dão resultados imediatos, mas o custo de implantação é maior. Proceder o replantio das mudas mortas. Realizar limpezas de manutenção (roçadas e coroamento) até o 3º ano após o início do plantio. Ecotrilha: ecotrilha .blogspot.com .
  • 12. Pense em atitudes que todos podemos ter para contribuir com a melhoria do Meio Ambiente e escreva.
  • 13. A ÁRVORE "Criança, a árvore merece A nossa estima sincera Dá frutos doces no outono E flores na primavera. Nunca maltrates uma árvore A quem tudo nós devemos Desde a madeira da porta Ao lápis com que escrevemos. Na sombra da árvore amiga Pensa bem no teu destino Pois dela foi feito O teu berço pequenino." Autor: Raul Aroeira Serrano Leia um poema criado em homenagem a árvore. http://www.velhosamigos.com.br/DatasEspeciais/diaarvore2.html
  • 14. Faça uma homenagem a Árvore, crie um poema ou um acróstico.
  • 15. Ilustre uma cidade ou rua arborizada.
  • 16.  
  • 17. http://www.diadaarvore.org.br/meioambiente/nossasarvores Que tal plantarmos uma árvore? Depois, ficaremos responsáveis por aguá-las e cuidá-las.