SlideShare uma empresa Scribd logo
Faculdade Castro AlvesCurso: PsicologiaDisciplina: Antropologia FilosóficaProfessor: Fabiano OliveiraEvolução Histórica da Reflexão sobre a Condição HumanaAlunos do 1º período:   Geovania Sousa   Gisele Costa   Iuri Guedes   Marcos Alves   Rafaela Campos   Renata Santos   Solange Azevedo2011.1
MITOS  GREGOSHá três mil anos, não havia explicações científicas para grande parte dos fenômenos da natureza ou para os acontecimentos históricos. Portanto, para buscar um significado para os fatos políticos, econômicos e sociais, os gregos criaram uma série de histórias, de origem imaginativa, que eram transmitidas, principalmente, através da literatura oral.Os gregos não conseguiam compreender nem explicar a natureza e os fenômenos naturais. Então, dava nomes ao que não podia explicar e passava a considerar os fenômenos como “deuses”. Diz a lenda que os deuses escolheram o Monte Olimpo como seu lar, que era o ponto mais alto da Grécia  onde cada deus possuía o seu palácio.
Pré- socráticosA raiz  do pensamento ocidental surge na busca da compreensão do cosmo e da matéria que compunha e as leis que regiam o universo. Tal preocupação cosmológica está presente no pensamento dos filósofos pré-socráticos:Tales de Mileto (640-548 a.C.) Aristóteles o chama de fundador da filosofia. Baseava-se na água como elemento essencial. Tales achava que todas as coisas tinham algo físico por trás, o que denominaram arché.Anaximandro (610-547 a.C.) é um filósofo da escola jônica, natural de Mileto e discípulo de Tales É considerado autor de um mapa do mundo habitado e iniciador da astronomia e afirmou que a origem de todas as coisas seria o apeíron, o infinito.Anaxímenes (588-524 a. C)  buscou explicar a origem do universo ou arché a partir de uma substancia única fundamental: o ar. Dedicou-se à  meteorologia e foi o primeiro a considerar que a lua recebe a luz do  sol.
Pitágoras de Samos (570-496 a.C.)postulou que os números seriam a essência permanente das coisas, pois os conceitos matemáticos eram intemporais e imóveis. Concebia a alma como imortal, separada do corpo e preexistente; o corpo seria um a prisão para a alma, tal pensamente precede o mundo das idéias de Platão.Heráclito de Éfeso (540-475 a.C.)afirmava que a única coisa permanente é a mudança. Para o filósofo tudo flui, nada persiste, nem permanece o mesmo. Ele comparava as coisas à correnteza de um rio: não se pode entrar duas vezes na mesma água. Também que a guerra era a mãe e rainha de todas as coisas, pois o conflito seria a essência do devenir (dialética), e que o fogo seria o elemento básico do universo, agente universal da mudança.Demócrito de Abdera (460-370 a.C.)considerava que o universo era composto de átomos materiais e indivisíveis. Corpo e alma eram compostos por átomos, assim, a alma estava sujeita à morte. Os átomos se moviam mecanicamente seguindo uma lei rígida e cega. Afirmava também que a natureza poderia ser explicada por si mesma e que não havia uma causa primeira, pois a natureza existe desde toda a eternidade.
SofistasO que os sofistas ensinavam técnicas que auxiliavam as pessoas a defenderem seu pensamento particular e suas próprias opiniões contrárias sobre qualquer tema, na certeza que assim conseguissem seu espaço. Por não darem atenção a algumas discussões feitas pelos filósofos, foram chamados de céticos até mesmo por Sócrates que lançou guerra contra eles afirmando que desrespeitavam a verdade e o amor pelos ensinamentos. Dentre todos os sofistas, podemos destacar: Trasímaco, Protágoras,  Crítias, Górgias, Hípias, Isócrates, Pródico, eAntifonte, sendo que destes,  Protágoras,  Górgias e Isócrates foram os mais importantes. Estes, assim como os outros sofistas,  prezavam pelo desenvolvimento da capacidade de expressão e  principalmente o espírito  crítico. Uma conquista importante dos sofistas foi a abertura da  filosofia para todas as pessoas das polis, privilegio antes só dado a algumas seitas  intelectuais fechadas formadas apenas por nobres. Protágoras foi o criador da celebre frase: “O homem é a medida de todas  as coisas, das coisas que são, enquanto são, das coisas que não são,  enquanto não são”.
SóCratesSócrates (470 ou 469 a.C.), nasceu em Atenas. Dedicou-se inteiramente à meditação e ao ensino filosófico, sem receber nada, mesmo sendo pobre.Sócrates adotava o diálogo, que mudava o foco de acordo com o seu ouvinte, sendo um adversário assumia a atitude de quem aprende e ia multiplicando as perguntas até colocar o adversário em contradição. Se fosse um discípulo a instruir,usava a ironia socrática.A introspecção é o característico da filosofia de Sócrates. E exprime-se no famoso lema conhece-te a ti mesmo - isto é, torna-te consciente de tua ignorância , como sendo o ápice da sabedoria. Professa a espiritualidade e imortalidade da alma.Distingue as duas ordens de conhecimento, sensitivo e intelectual. A filosofia socrática, portanto, pode-se esquematicamente resumir nestes pontos fundamentais: ironia, maiêutica, introspecção, ignorância, indução, definição.
platãoPlatão (428-347 a.C.)foi discípulo de Sócrates. O eixo da sua filosofia é a teoria das formas ou das idéias. Sob esta perspectiva, devem ser entendidas sua idéia do conhecimento, sua teoria ética, sua psicologia e seu conceito de Estado. Distingue entre dois níveis de saber: a opinião e o conhecimento. O ponto alto do saber é o conhecimento, porque concerne à razão, e não à experiência. A razão, utilizada de forma adequada, leva às idéias que são corretas, e os objetos dessas idéias racionais são universais e verdadeiras, as formas eternas ou substâncias que constituem o mundo real. Influenciado por Sócrates, estava persuadido de que se pode chegar ao conhecimento, teoria que expõe em A República, mais particularmente em sua discussão sobre a imagem da linha divisível e o mito da caverna.
AristótelesAristóteles (384-322 a.C) foi discípulo de Platão que por sua vez foi discípulo de Sócrates.Acreditava na experiência sensível renegando o mundo das idéias postulado pelo seu mestre Platão.A teoria das quatro causas explicam a existência de algo: causa material (composição), causa formal (a coisa em si), causa eficiente (o que origina a coisa) e causa final (finalidade da coisa).Potência, ato e movimento: Todas as coisas são enquanto potência e ato. Uma coisa em potência tende a ser outra (uma semente é uma árvore em potencia). A potência se torna ato através do movimento.
Mitos Da cavernaO mito da caverna narrado por Platão no livro VII do Republica é, talvez, uma das mais poderosas metáforas imaginadas pela filosofia para descrever a situação geral em que se encontra a humanidade. O mito descreve homens presos desde a infância no fundo de uma caverna, imobilizados, obrigados pelas correntes que os atavam a olharem sempre a parede em frente. Lá só poderiam enxergar o bruxuleio das sombras surgindo e se desfazendo diante deles. Acreditavam que as imagens fantasmagóricas que apareciam aos seus olhos eram verdadeiras, tomando o espectro pela realidade. Se por um acaso alguém resolvesse libertar um daqueles pobres da ignorância e o levasse ainda que arrastado para longe daquela caverna, num primeiro momento, chegando do lado de fora, ele nada enxergaria ofuscado pela luminosidade do Sol. Mas, depois, aclimatado, ele iria desvendando aos poucos, como se recuperasse a visão, as manchas, as imagens, e, finalmente, uma infinidade outra de objetos maravilhosos que o cercavam.
SANTO  AGOSTINHOSanto Agostinho (354-430) – nascido em Tagaste (Argélia), foi um filósofo, teólogo, escritor, bispo e Doutor da Igreja Católica.Ficou conhecido por “cristianizar” Platão, fazendo vários paralelos entre a parte espiritualista dele (que diz existir um mundo transcendente) e as Sagradas Escrituras. Faz a distinção entre o corpo, sujeito à sorte do mundo, e a alma, que é atemporal, e com a qual se pode conhecer Deus. Antes de Deus ter criado o mundo a partir do nada as Idéias eternas já existiam na sua mente. Deus é a bondade pura, ele já conhece o que uma pessoa vai viver antes dela viver. Assim, apesar da humanidade ter sido amaldiçoada depois do pecado original, alguns alcançariam a verdade divina, a salvação.
SÃO TOMÁS DE AQUINOTomás nasceu em Aquino (1225-1274) foi padre dominicano, teólogo, pensador expoente da escolástica e considerado Santo e Doutor pela Igreja Católica. Concilia fé e razão influenciado pelo pensamento aristotélico criando bases filosóficas para o pensamento teológico. Com a razão seria possível demonstrar a existência de Deus, assim propôs as cinco vias de demonstração.Motor imóvel: tudo o que se move é movido por algo, assim, haveria um primeiro motor que deu início ao movimento existente. Causa primeira: é necessário que haja uma causa primeira que por ninguém tenha sido causada.Ser necessário: haveria um ser que fundamentaria a existência de todos os seres e cuja existência não seria fundada em nenhum outro ser. Ser perfeito: se há graus de perfeição nos seres, logo haveria um ser que tivesse o máximo de perfeição e que é a causa da perfeição dos demais seres.Inteligência ordenadora: haveria uma ordem no universo e se toda ordem decorre de uma inteligência, logo existiria um ser inteligente que dispõe o universo de forma ordenada.
rEnASCENÇAPeríodo histórico de caráter social e cultural dos séculos XIV, XV e XVI também conhecido como Renascimento, marcado pelo retorno aos valores clássicos, o homem como sujeito e objeto de estudo e reflexão. Neoplatonismo:  Destacado pela idéia da Natureza como um grande ser vivo:  O homem faz parte da Natureza como um microcosmo e pode agir sobre ela através da magia natural, da alquimia e da astrologia, pois o mundo é constituído por vínculos e ligações entre as coisas; E quando o homem passar a conhecer esses vínculos pode criar outros, assim como faz um Deus. Pensamentos contrários dos que a igreja pregava.Pensamentos florentinos:  defendiam os ideais republicanos das cidades italianas contra o  Império Romano-Germânico,  pregavam a perda dos poderes dos papas  e dos imperadores.Antropocentrismo: concepção que propunha o ideal do homem como artífice de seu próprio destino. A humanidade deve permanecer no centro do entendimento dos humanos, ou seja, o universo deve ser avaliado de acordo com a sua relação com o homems.
empirismoO termo vem do grego empeiria, significa “experiência” sensorial. Os empiristas, ao contrário dos inatistas que concebiam a razão como inata, defendiam que as ideias racionais eram adquiridas através da experiência. Antes, a razão seria como uma “tábula rasa”, uma “folha em branco” onde nada teria sido gravado. Assim, nosso conhecimento somente seria formado com a experiência dos sentidos e, caberia à razão, após a percepção, formular os pensamentos.Francis Bacon (1561-1626) filósofo e cientista inglês. Defendeu o valor das experiências de laboratório, da observação dos fenômenos, da organização racional dos dados recolhidos empiricamente e preconizou o método indutivo como o condutor do pensamento científico desde a elaboração de hipóteses à sua comprovação por repetidas experiências.
John Locke (1632-1704) filósofo inglês, desenvolveu a teoria sobre a origem e a natureza do conhecimento (considerado como o precursor da teoria do conhecimento) estabelecendo níveis que partem da percepção até o pensamento.David Hume (1711-1776) filósofo e historiador escocês, defendia que a razão seria o hábito de associar idéias, seja por diferenças ou por semelhanças e, que tais idéias se originariam das experiências sensoriais.
racionalismoOs racionalistas preconizavam o uso da razão como forma de acesso ao conhecimento. Os sentidos seriam enganosos e confusos, apenas a razão poderia ter idéias claras e distintas. René Descartes (1596-1650), filósofo, matemático e cientista francês, considerado por muitos autores como o “pai” do Racionalismo e da Filosofia Moderna, aplicou a Dúvida Metódica e chegando a sua primeira conclusão: “Penso, logo existo”.Preconizou o método dedutivo na busca de leis para a natureza, tão racionais como na matemática. Seu pensamento revolucionou as ciências, a filosofia e a política da sua época.
O cogito : “ penso, logo existo ”Para Descartes, em cada nível de conhecimento em que a dúvida metódica é aplicada, se pode chegar ao núcleo de verdade. Os sentidos nos dão idéias obscuras e confusas da realidade. A dúvida então nos permitiria alcançar a verdade através das idéias claras e distintas da razão.Depois de duvidar metodicamente de tudo que os seus sentidos lhe mostram e até das próprias idéias que lhe parecem claras e distintas, Descartes chega a sua primeira certeza: “Se duvido, penso”. Assim, do desdobramento natural do “Se duvido, penso”, surgiu o cogito: “Penso, logo existo” (em latim cogito ergo sum). Do pensamento ao ser que pensa e, portanto, existe, Descartes logra relacionar a subjetividade com a objetividade, o pensamento com a existência.
O  Inatismo  CartesianoDescartes trata da sua teoria das idéias inatas nas suas obras Discurso do método e Meditações metafísicas. O filósofo diz que o espírito possui três tipos de idéias. As primeiras idéias são as inatas: representam as idéias de verdade, substância, justiça e a idéia da existência de Deus e suas qualidades como perfeição, infinitude, que só poderiam ter provindo do próprio Deus, isso seria como a marca do “artista em sua obra”. O filósofo conclui que pelo fato das idéias inatas provirem do próprio Deus, ele não poderia jamais enganar-se ou enganar-nos. As outras idéias são as adventícias, que são originadas de forma exterior ao ser, são as impressões imperfeitas que temos do mundo.E por fim as idéias factícias que são criações de nossa fantasia, como as fábulas.
ReferÊncias BibliográficasAQUINO, Rubim S. L. de et al. História das Sociedades: das Sociedades Modernas às Sociedades Atuais. 25. ed. rev. e atualizada. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1992. CASTAGNOLA, Luís, PADOVANI, Umberto. História da Filosofia. 15. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1990.CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 2003. DESCARTES, René. Discurso sobre o Método. São Paulo: Nova Cultural, 1999. (Coleção Os Pensadores).FREIRE, Izabel Ribeiro. Raízes da Psicologia. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 2010. MUNDO DOS FILÓSOFOS. Períodos Filosóficos. Disponível em: <http://www.mundodosfilosofos.com.br>. Acesso em: 12 março 2011.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de filosofia antiga, tema: A questão dos universais
Aula de filosofia antiga, tema: A questão dos universaisAula de filosofia antiga, tema: A questão dos universais
Aula de filosofia antiga, tema: A questão dos universais
Leandro Nazareth Souto
 
Slides Antropologia
Slides AntropologiaSlides Antropologia
Slides Antropologia
Misterios10
 
Cap 3 os mestres do pensamento - postar
Cap 3   os mestres do pensamento - postarCap 3   os mestres do pensamento - postar
Cap 3 os mestres do pensamento - postar
José Ferreira Júnior
 
História da Filosofia em Períodos
História da Filosofia em PeríodosHistória da Filosofia em Períodos
História da Filosofia em Períodos
Bruno Carrasco
 
Antropologia filosofica
Antropologia filosoficaAntropologia filosofica
Antropologia filosofica
Agostinhofilho
 
1 o nascimento da filosofia - dos pré-socráticos à aristóteles
1   o nascimento da filosofia - dos pré-socráticos à aristóteles1   o nascimento da filosofia - dos pré-socráticos à aristóteles
1 o nascimento da filosofia - dos pré-socráticos à aristóteles
Octavio Silvério de Souza Vieira Neto
 
Apresentação de Filosofia
Apresentação de FilosofiaApresentação de Filosofia
Apresentação de Filosofia
Waldemir Silva
 
Capítulo 13 em busca da verdade
Capítulo 13   em busca da verdadeCapítulo 13   em busca da verdade
Capítulo 13 em busca da verdade
Edirlene Fraga
 
Filosofos
FilosofosFilosofos
Filosofos
Antonio Justino
 
Antropologia filosófica história
Antropologia filosófica históriaAntropologia filosófica história
Antropologia filosófica história
Arthur Chagas
 
Cap 12 As Origens da Ciência Moderna
Cap 12   As Origens da Ciência ModernaCap 12   As Origens da Ciência Moderna
Cap 12 As Origens da Ciência Moderna
José Ferreira Júnior
 
Revisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da FilosofiaRevisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da Filosofia
Alan
 
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humana
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humanaEvolução histórica da reflexão sobre a condição humana
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humana
19121992
 
A Origem Da Filosofia
A Origem Da FilosofiaA Origem Da Filosofia
A Origem Da Filosofia
Jorge Miklos
 
Filosofos
FilosofosFilosofos
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Origem da Filosofia
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Origem da FilosofiaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Origem da Filosofia
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Origem da Filosofia
Turma Olímpica
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
Erizon Júnior
 
Filosofia 7º ano_-_unidade_1
Filosofia 7º ano_-_unidade_1Filosofia 7º ano_-_unidade_1
Filosofia 7º ano_-_unidade_1
ElisangelaeOtavio Parreira M. Barduzzi
 
Platão Sociedade Grega
Platão Sociedade GregaPlatão Sociedade Grega
Platão Sociedade Grega
Alan
 
Introdu filosofia-slide
Introdu filosofia-slideIntrodu filosofia-slide
Introdu filosofia-slide
Ronaldo Assis
 

Mais procurados (20)

Aula de filosofia antiga, tema: A questão dos universais
Aula de filosofia antiga, tema: A questão dos universaisAula de filosofia antiga, tema: A questão dos universais
Aula de filosofia antiga, tema: A questão dos universais
 
Slides Antropologia
Slides AntropologiaSlides Antropologia
Slides Antropologia
 
Cap 3 os mestres do pensamento - postar
Cap 3   os mestres do pensamento - postarCap 3   os mestres do pensamento - postar
Cap 3 os mestres do pensamento - postar
 
História da Filosofia em Períodos
História da Filosofia em PeríodosHistória da Filosofia em Períodos
História da Filosofia em Períodos
 
Antropologia filosofica
Antropologia filosoficaAntropologia filosofica
Antropologia filosofica
 
1 o nascimento da filosofia - dos pré-socráticos à aristóteles
1   o nascimento da filosofia - dos pré-socráticos à aristóteles1   o nascimento da filosofia - dos pré-socráticos à aristóteles
1 o nascimento da filosofia - dos pré-socráticos à aristóteles
 
Apresentação de Filosofia
Apresentação de FilosofiaApresentação de Filosofia
Apresentação de Filosofia
 
Capítulo 13 em busca da verdade
Capítulo 13   em busca da verdadeCapítulo 13   em busca da verdade
Capítulo 13 em busca da verdade
 
Filosofos
FilosofosFilosofos
Filosofos
 
Antropologia filosófica história
Antropologia filosófica históriaAntropologia filosófica história
Antropologia filosófica história
 
Cap 12 As Origens da Ciência Moderna
Cap 12   As Origens da Ciência ModernaCap 12   As Origens da Ciência Moderna
Cap 12 As Origens da Ciência Moderna
 
Revisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da FilosofiaRevisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da Filosofia
 
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humana
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humanaEvolução histórica da reflexão sobre a condição humana
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humana
 
A Origem Da Filosofia
A Origem Da FilosofiaA Origem Da Filosofia
A Origem Da Filosofia
 
Filosofos
FilosofosFilosofos
Filosofos
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Origem da Filosofia
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Origem da FilosofiaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Origem da Filosofia
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Origem da Filosofia
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Filosofia 7º ano_-_unidade_1
Filosofia 7º ano_-_unidade_1Filosofia 7º ano_-_unidade_1
Filosofia 7º ano_-_unidade_1
 
Platão Sociedade Grega
Platão Sociedade GregaPlatão Sociedade Grega
Platão Sociedade Grega
 
Introdu filosofia-slide
Introdu filosofia-slideIntrodu filosofia-slide
Introdu filosofia-slide
 

Destaque

Arendt, Hannah. A condição humana.
Arendt, Hannah. A condição humana.Arendt, Hannah. A condição humana.
Arendt, Hannah. A condição humana.
JohnColtrane3
 
Hannah arendt filo 11_b
Hannah arendt filo 11_bHannah arendt filo 11_b
Hannah arendt filo 11_b
Dia da Mulher - ESB
 
Introdução à Filosofia
Introdução à FilosofiaIntrodução à Filosofia
Introdução à Filosofia
PriscillaTomazi2015
 
A condição humana
A condição humanaA condição humana
A condição humana
Canício Scherer
 
A condição humana
A condição humanaA condição humana
A condição humana
Isaquel Silva
 
A condição humana
A condição humanaA condição humana
A condição humana
Italo Colares
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
joaovitorinopolacimatos
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
Professor Marcelo
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
Ricardogomes123
 

Destaque (9)

Arendt, Hannah. A condição humana.
Arendt, Hannah. A condição humana.Arendt, Hannah. A condição humana.
Arendt, Hannah. A condição humana.
 
Hannah arendt filo 11_b
Hannah arendt filo 11_bHannah arendt filo 11_b
Hannah arendt filo 11_b
 
Introdução à Filosofia
Introdução à FilosofiaIntrodução à Filosofia
Introdução à Filosofia
 
A condição humana
A condição humanaA condição humana
A condição humana
 
A condição humana
A condição humanaA condição humana
A condição humana
 
A condição humana
A condição humanaA condição humana
A condição humana
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
 

Semelhante a Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana

Captulo13 Em busca da Verdade
Captulo13 Em busca da VerdadeCaptulo13 Em busca da Verdade
Captulo13 Em busca da Verdade
Marcos Mororó
 
Slides de antropologia principal(1)
Slides de antropologia   principal(1)Slides de antropologia   principal(1)
Slides de antropologia principal(1)
Ivison Kauê
 
Slides de antropologia principal(1)
Slides de antropologia   principal(1)Slides de antropologia   principal(1)
Slides de antropologia principal(1)
Ivison Kauê
 
2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx
FlavioCandido8
 
Slides de antropologia principal
Slides de antropologia   principalSlides de antropologia   principal
Slides de antropologia principal
Ivison Kauê
 
Slides de antropologia principal
Slides de antropologia   principalSlides de antropologia   principal
Slides de antropologia principal
Ivison Kauê
 
Trabalho de antropologia
Trabalho de antropologiaTrabalho de antropologia
Trabalho de antropologia
PSIFCA
 
VisãO Geral da Filosofia
VisãO Geral da FilosofiaVisãO Geral da Filosofia
VisãO Geral da Filosofia
ProfMario De Mori
 
A origem da filosofia
A origem da filosofia A origem da filosofia
A origem da filosofia
Colégio Nova Geração COC
 
Texto períodos da filosofia
Texto   períodos da filosofiaTexto   períodos da filosofia
Texto períodos da filosofia
Willi Roger
 
Slide antropologia filosofica
Slide antropologia filosoficaSlide antropologia filosofica
Slide antropologia filosofica
Psicoemfoco
 
1 aula - fil. impressão.pptx
1 aula - fil. impressão.pptx1 aula - fil. impressão.pptx
1 aula - fil. impressão.pptx
josuelsilva19
 
Evolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humanaEvolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humana
Aniel Soares
 
Evolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humanaEvolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humana
Aniel Soares
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
O Camaleão
 
Aula 1 fls em
Aula 1 fls emAula 1 fls em
Aula 1 fls em
Walney M.F
 
Apo atropologia
Apo atropologiaApo atropologia
Apo atropologia
ronaldoparaiso
 
Trabalho de Filosofia (2° Ano)
Trabalho de Filosofia (2° Ano)Trabalho de Filosofia (2° Ano)
Trabalho de Filosofia (2° Ano)
Pedro Freitas
 
A metafísica na época clássica
A metafísica na época clássicaA metafísica na época clássica
A metafísica na época clássica
maria bertoldi
 
Antropologia
Antropologia Antropologia
Antropologia
Jéssica Santana
 

Semelhante a Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana (20)

Captulo13 Em busca da Verdade
Captulo13 Em busca da VerdadeCaptulo13 Em busca da Verdade
Captulo13 Em busca da Verdade
 
Slides de antropologia principal(1)
Slides de antropologia   principal(1)Slides de antropologia   principal(1)
Slides de antropologia principal(1)
 
Slides de antropologia principal(1)
Slides de antropologia   principal(1)Slides de antropologia   principal(1)
Slides de antropologia principal(1)
 
2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx
 
Slides de antropologia principal
Slides de antropologia   principalSlides de antropologia   principal
Slides de antropologia principal
 
Slides de antropologia principal
Slides de antropologia   principalSlides de antropologia   principal
Slides de antropologia principal
 
Trabalho de antropologia
Trabalho de antropologiaTrabalho de antropologia
Trabalho de antropologia
 
VisãO Geral da Filosofia
VisãO Geral da FilosofiaVisãO Geral da Filosofia
VisãO Geral da Filosofia
 
A origem da filosofia
A origem da filosofia A origem da filosofia
A origem da filosofia
 
Texto períodos da filosofia
Texto   períodos da filosofiaTexto   períodos da filosofia
Texto períodos da filosofia
 
Slide antropologia filosofica
Slide antropologia filosoficaSlide antropologia filosofica
Slide antropologia filosofica
 
1 aula - fil. impressão.pptx
1 aula - fil. impressão.pptx1 aula - fil. impressão.pptx
1 aula - fil. impressão.pptx
 
Evolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humanaEvolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humana
 
Evolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humanaEvolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humana
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
 
Aula 1 fls em
Aula 1 fls emAula 1 fls em
Aula 1 fls em
 
Apo atropologia
Apo atropologiaApo atropologia
Apo atropologia
 
Trabalho de Filosofia (2° Ano)
Trabalho de Filosofia (2° Ano)Trabalho de Filosofia (2° Ano)
Trabalho de Filosofia (2° Ano)
 
A metafísica na época clássica
A metafísica na época clássicaA metafísica na época clássica
A metafísica na época clássica
 
Antropologia
Antropologia Antropologia
Antropologia
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 

Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana

  • 1. Faculdade Castro AlvesCurso: PsicologiaDisciplina: Antropologia FilosóficaProfessor: Fabiano OliveiraEvolução Histórica da Reflexão sobre a Condição HumanaAlunos do 1º período: Geovania Sousa Gisele Costa Iuri Guedes Marcos Alves Rafaela Campos Renata Santos Solange Azevedo2011.1
  • 2. MITOS GREGOSHá três mil anos, não havia explicações científicas para grande parte dos fenômenos da natureza ou para os acontecimentos históricos. Portanto, para buscar um significado para os fatos políticos, econômicos e sociais, os gregos criaram uma série de histórias, de origem imaginativa, que eram transmitidas, principalmente, através da literatura oral.Os gregos não conseguiam compreender nem explicar a natureza e os fenômenos naturais. Então, dava nomes ao que não podia explicar e passava a considerar os fenômenos como “deuses”. Diz a lenda que os deuses escolheram o Monte Olimpo como seu lar, que era o ponto mais alto da Grécia onde cada deus possuía o seu palácio.
  • 3. Pré- socráticosA raiz do pensamento ocidental surge na busca da compreensão do cosmo e da matéria que compunha e as leis que regiam o universo. Tal preocupação cosmológica está presente no pensamento dos filósofos pré-socráticos:Tales de Mileto (640-548 a.C.) Aristóteles o chama de fundador da filosofia. Baseava-se na água como elemento essencial. Tales achava que todas as coisas tinham algo físico por trás, o que denominaram arché.Anaximandro (610-547 a.C.) é um filósofo da escola jônica, natural de Mileto e discípulo de Tales É considerado autor de um mapa do mundo habitado e iniciador da astronomia e afirmou que a origem de todas as coisas seria o apeíron, o infinito.Anaxímenes (588-524 a. C) buscou explicar a origem do universo ou arché a partir de uma substancia única fundamental: o ar. Dedicou-se à  meteorologia e foi o primeiro a considerar que a lua recebe a luz do  sol.
  • 4. Pitágoras de Samos (570-496 a.C.)postulou que os números seriam a essência permanente das coisas, pois os conceitos matemáticos eram intemporais e imóveis. Concebia a alma como imortal, separada do corpo e preexistente; o corpo seria um a prisão para a alma, tal pensamente precede o mundo das idéias de Platão.Heráclito de Éfeso (540-475 a.C.)afirmava que a única coisa permanente é a mudança. Para o filósofo tudo flui, nada persiste, nem permanece o mesmo. Ele comparava as coisas à correnteza de um rio: não se pode entrar duas vezes na mesma água. Também que a guerra era a mãe e rainha de todas as coisas, pois o conflito seria a essência do devenir (dialética), e que o fogo seria o elemento básico do universo, agente universal da mudança.Demócrito de Abdera (460-370 a.C.)considerava que o universo era composto de átomos materiais e indivisíveis. Corpo e alma eram compostos por átomos, assim, a alma estava sujeita à morte. Os átomos se moviam mecanicamente seguindo uma lei rígida e cega. Afirmava também que a natureza poderia ser explicada por si mesma e que não havia uma causa primeira, pois a natureza existe desde toda a eternidade.
  • 5. SofistasO que os sofistas ensinavam técnicas que auxiliavam as pessoas a defenderem seu pensamento particular e suas próprias opiniões contrárias sobre qualquer tema, na certeza que assim conseguissem seu espaço. Por não darem atenção a algumas discussões feitas pelos filósofos, foram chamados de céticos até mesmo por Sócrates que lançou guerra contra eles afirmando que desrespeitavam a verdade e o amor pelos ensinamentos. Dentre todos os sofistas, podemos destacar: Trasímaco, Protágoras, Crítias, Górgias, Hípias, Isócrates, Pródico, eAntifonte, sendo que destes, Protágoras, Górgias e Isócrates foram os mais importantes. Estes, assim como os outros sofistas, prezavam pelo desenvolvimento da capacidade de expressão e principalmente o espírito crítico. Uma conquista importante dos sofistas foi a abertura da filosofia para todas as pessoas das polis, privilegio antes só dado a algumas seitas intelectuais fechadas formadas apenas por nobres. Protágoras foi o criador da celebre frase: “O homem é a medida de todas as coisas, das coisas que são, enquanto são, das coisas que não são, enquanto não são”.
  • 6. SóCratesSócrates (470 ou 469 a.C.), nasceu em Atenas. Dedicou-se inteiramente à meditação e ao ensino filosófico, sem receber nada, mesmo sendo pobre.Sócrates adotava o diálogo, que mudava o foco de acordo com o seu ouvinte, sendo um adversário assumia a atitude de quem aprende e ia multiplicando as perguntas até colocar o adversário em contradição. Se fosse um discípulo a instruir,usava a ironia socrática.A introspecção é o característico da filosofia de Sócrates. E exprime-se no famoso lema conhece-te a ti mesmo - isto é, torna-te consciente de tua ignorância , como sendo o ápice da sabedoria. Professa a espiritualidade e imortalidade da alma.Distingue as duas ordens de conhecimento, sensitivo e intelectual. A filosofia socrática, portanto, pode-se esquematicamente resumir nestes pontos fundamentais: ironia, maiêutica, introspecção, ignorância, indução, definição.
  • 7. platãoPlatão (428-347 a.C.)foi discípulo de Sócrates. O eixo da sua filosofia é a teoria das formas ou das idéias. Sob esta perspectiva, devem ser entendidas sua idéia do conhecimento, sua teoria ética, sua psicologia e seu conceito de Estado. Distingue entre dois níveis de saber: a opinião e o conhecimento. O ponto alto do saber é o conhecimento, porque concerne à razão, e não à experiência. A razão, utilizada de forma adequada, leva às idéias que são corretas, e os objetos dessas idéias racionais são universais e verdadeiras, as formas eternas ou substâncias que constituem o mundo real. Influenciado por Sócrates, estava persuadido de que se pode chegar ao conhecimento, teoria que expõe em A República, mais particularmente em sua discussão sobre a imagem da linha divisível e o mito da caverna.
  • 8. AristótelesAristóteles (384-322 a.C) foi discípulo de Platão que por sua vez foi discípulo de Sócrates.Acreditava na experiência sensível renegando o mundo das idéias postulado pelo seu mestre Platão.A teoria das quatro causas explicam a existência de algo: causa material (composição), causa formal (a coisa em si), causa eficiente (o que origina a coisa) e causa final (finalidade da coisa).Potência, ato e movimento: Todas as coisas são enquanto potência e ato. Uma coisa em potência tende a ser outra (uma semente é uma árvore em potencia). A potência se torna ato através do movimento.
  • 9. Mitos Da cavernaO mito da caverna narrado por Platão no livro VII do Republica é, talvez, uma das mais poderosas metáforas imaginadas pela filosofia para descrever a situação geral em que se encontra a humanidade. O mito descreve homens presos desde a infância no fundo de uma caverna, imobilizados, obrigados pelas correntes que os atavam a olharem sempre a parede em frente. Lá só poderiam enxergar o bruxuleio das sombras surgindo e se desfazendo diante deles. Acreditavam que as imagens fantasmagóricas que apareciam aos seus olhos eram verdadeiras, tomando o espectro pela realidade. Se por um acaso alguém resolvesse libertar um daqueles pobres da ignorância e o levasse ainda que arrastado para longe daquela caverna, num primeiro momento, chegando do lado de fora, ele nada enxergaria ofuscado pela luminosidade do Sol. Mas, depois, aclimatado, ele iria desvendando aos poucos, como se recuperasse a visão, as manchas, as imagens, e, finalmente, uma infinidade outra de objetos maravilhosos que o cercavam.
  • 10. SANTO AGOSTINHOSanto Agostinho (354-430) – nascido em Tagaste (Argélia), foi um filósofo, teólogo, escritor, bispo e Doutor da Igreja Católica.Ficou conhecido por “cristianizar” Platão, fazendo vários paralelos entre a parte espiritualista dele (que diz existir um mundo transcendente) e as Sagradas Escrituras. Faz a distinção entre o corpo, sujeito à sorte do mundo, e a alma, que é atemporal, e com a qual se pode conhecer Deus. Antes de Deus ter criado o mundo a partir do nada as Idéias eternas já existiam na sua mente. Deus é a bondade pura, ele já conhece o que uma pessoa vai viver antes dela viver. Assim, apesar da humanidade ter sido amaldiçoada depois do pecado original, alguns alcançariam a verdade divina, a salvação.
  • 11. SÃO TOMÁS DE AQUINOTomás nasceu em Aquino (1225-1274) foi padre dominicano, teólogo, pensador expoente da escolástica e considerado Santo e Doutor pela Igreja Católica. Concilia fé e razão influenciado pelo pensamento aristotélico criando bases filosóficas para o pensamento teológico. Com a razão seria possível demonstrar a existência de Deus, assim propôs as cinco vias de demonstração.Motor imóvel: tudo o que se move é movido por algo, assim, haveria um primeiro motor que deu início ao movimento existente. Causa primeira: é necessário que haja uma causa primeira que por ninguém tenha sido causada.Ser necessário: haveria um ser que fundamentaria a existência de todos os seres e cuja existência não seria fundada em nenhum outro ser. Ser perfeito: se há graus de perfeição nos seres, logo haveria um ser que tivesse o máximo de perfeição e que é a causa da perfeição dos demais seres.Inteligência ordenadora: haveria uma ordem no universo e se toda ordem decorre de uma inteligência, logo existiria um ser inteligente que dispõe o universo de forma ordenada.
  • 12. rEnASCENÇAPeríodo histórico de caráter social e cultural dos séculos XIV, XV e XVI também conhecido como Renascimento, marcado pelo retorno aos valores clássicos, o homem como sujeito e objeto de estudo e reflexão. Neoplatonismo: Destacado pela idéia da Natureza como um grande ser vivo: O homem faz parte da Natureza como um microcosmo e pode agir sobre ela através da magia natural, da alquimia e da astrologia, pois o mundo é constituído por vínculos e ligações entre as coisas; E quando o homem passar a conhecer esses vínculos pode criar outros, assim como faz um Deus. Pensamentos contrários dos que a igreja pregava.Pensamentos florentinos: defendiam os ideais republicanos das cidades italianas contra o Império Romano-Germânico, pregavam a perda dos poderes dos papas e dos imperadores.Antropocentrismo: concepção que propunha o ideal do homem como artífice de seu próprio destino. A humanidade deve permanecer no centro do entendimento dos humanos, ou seja, o universo deve ser avaliado de acordo com a sua relação com o homems.
  • 13. empirismoO termo vem do grego empeiria, significa “experiência” sensorial. Os empiristas, ao contrário dos inatistas que concebiam a razão como inata, defendiam que as ideias racionais eram adquiridas através da experiência. Antes, a razão seria como uma “tábula rasa”, uma “folha em branco” onde nada teria sido gravado. Assim, nosso conhecimento somente seria formado com a experiência dos sentidos e, caberia à razão, após a percepção, formular os pensamentos.Francis Bacon (1561-1626) filósofo e cientista inglês. Defendeu o valor das experiências de laboratório, da observação dos fenômenos, da organização racional dos dados recolhidos empiricamente e preconizou o método indutivo como o condutor do pensamento científico desde a elaboração de hipóteses à sua comprovação por repetidas experiências.
  • 14. John Locke (1632-1704) filósofo inglês, desenvolveu a teoria sobre a origem e a natureza do conhecimento (considerado como o precursor da teoria do conhecimento) estabelecendo níveis que partem da percepção até o pensamento.David Hume (1711-1776) filósofo e historiador escocês, defendia que a razão seria o hábito de associar idéias, seja por diferenças ou por semelhanças e, que tais idéias se originariam das experiências sensoriais.
  • 15. racionalismoOs racionalistas preconizavam o uso da razão como forma de acesso ao conhecimento. Os sentidos seriam enganosos e confusos, apenas a razão poderia ter idéias claras e distintas. René Descartes (1596-1650), filósofo, matemático e cientista francês, considerado por muitos autores como o “pai” do Racionalismo e da Filosofia Moderna, aplicou a Dúvida Metódica e chegando a sua primeira conclusão: “Penso, logo existo”.Preconizou o método dedutivo na busca de leis para a natureza, tão racionais como na matemática. Seu pensamento revolucionou as ciências, a filosofia e a política da sua época.
  • 16. O cogito : “ penso, logo existo ”Para Descartes, em cada nível de conhecimento em que a dúvida metódica é aplicada, se pode chegar ao núcleo de verdade. Os sentidos nos dão idéias obscuras e confusas da realidade. A dúvida então nos permitiria alcançar a verdade através das idéias claras e distintas da razão.Depois de duvidar metodicamente de tudo que os seus sentidos lhe mostram e até das próprias idéias que lhe parecem claras e distintas, Descartes chega a sua primeira certeza: “Se duvido, penso”. Assim, do desdobramento natural do “Se duvido, penso”, surgiu o cogito: “Penso, logo existo” (em latim cogito ergo sum). Do pensamento ao ser que pensa e, portanto, existe, Descartes logra relacionar a subjetividade com a objetividade, o pensamento com a existência.
  • 17. O Inatismo CartesianoDescartes trata da sua teoria das idéias inatas nas suas obras Discurso do método e Meditações metafísicas. O filósofo diz que o espírito possui três tipos de idéias. As primeiras idéias são as inatas: representam as idéias de verdade, substância, justiça e a idéia da existência de Deus e suas qualidades como perfeição, infinitude, que só poderiam ter provindo do próprio Deus, isso seria como a marca do “artista em sua obra”. O filósofo conclui que pelo fato das idéias inatas provirem do próprio Deus, ele não poderia jamais enganar-se ou enganar-nos. As outras idéias são as adventícias, que são originadas de forma exterior ao ser, são as impressões imperfeitas que temos do mundo.E por fim as idéias factícias que são criações de nossa fantasia, como as fábulas.
  • 18. ReferÊncias BibliográficasAQUINO, Rubim S. L. de et al. História das Sociedades: das Sociedades Modernas às Sociedades Atuais. 25. ed. rev. e atualizada. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1992. CASTAGNOLA, Luís, PADOVANI, Umberto. História da Filosofia. 15. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1990.CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 2003. DESCARTES, René. Discurso sobre o Método. São Paulo: Nova Cultural, 1999. (Coleção Os Pensadores).FREIRE, Izabel Ribeiro. Raízes da Psicologia. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 2010. MUNDO DOS FILÓSOFOS. Períodos Filosóficos. Disponível em: <http://www.mundodosfilosofos.com.br>. Acesso em: 12 março 2011.