SlideShare uma empresa Scribd logo
Antecedentes e a Semana de Arte Moderna de 1922.
ORIGENS DO MODERNISMO:Período histórico:  INDUSTRIALIZAÇÃO - na ultima década do século XIX.William Morris (1834-1896) , que originou o movimento  ART NOUVEAU, estabeleceu a prática de os artistas desenharem objetos para a produção em série pela indústria.   PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL (1914-1918).
AS VANGUARDAS - Expressionismo, Fauvismo, Cubismo, Futurismo, Abstracionismo, dadaísmo Surrealismo, Op-art, Pop-art: que expressam de algum modo à perplexidade do homem contemporâneo e não tinha mais apenas a preocupação de romper com os modelos acadêmicos.
Anita Malfatti (1889 – 1964): Pintora, desenhista, gravadora, ilustradora e professora. Inicia seu aprendizado artístico com a mãe Betty Malfatti. Devido a uma atrofia congênita no braço e na mão direita, utiliza a mão esquerda para pintar. Incentivada pela família foi, em 1910, para a Alemanha, onde freqüentou, por três anos, a Academia Real de Berlim. Estudou gravura, desenho e pintura, além de conhecer os principais mestres do expressionismo alemão.
De volta ao Brasil, em 1914, realizou sua primeira exposição individual  Outra vez Anita, pensava em partir para continuar seus estudos. Sem condições, tentou pleitear o Pensionato Artístico do estado de São Paulo, bolsa do governo. FOTO DA EXPOSIÇÃO
1)Anita Malfatti, O farol, 1915 óleo s/ tela, 46,5x61 cm coleção (Gilberto Chateaubriand)2) O farol de Monhegan em fotografia realizada por volta de 1859.
Em 1915, a artista parte para mais um período de estudos  Desta vez nos Estados Unidos, onde tem aulas com Homer Boss (1882 - 1956) na Independent School of Art. A convivência com este professor americano e com o clima vanguardista da escola irá levar adiante o desenvolvimento da liberdade moderna cultivada na Alemanha. É aí que ela realiza seus trabalhos mais conhecidos, como O Farol (1915), Torso/Ritmo (1915/1916) e O Homem Amarelo (1915/1916). Nesses quadros, o desenho perde o compromisso com a verossimilhança clássica e ganha sentido mais interpretativo. Por vezes, o contorno grosso e sinuoso apresenta as figuras como uma massa pesada e volumosa. Em outros trabalhos, com o traço mais fechado, a cor é aplainada e compõe retratos e paisagens livres, pela articulação de superfícies em cores contrastantes. Conforme Itaú Cultural. Em 1916, Anita volta ao Brasil, voltara depois de 3 anos e meio devido aos rumores de guerra próxima Anita Malfatti, Ritmo (Torso), 1915/16, carvão e pastel 61x46,6 cm. Coleção. (MAC_USP, SP)
Exposição de 1917 Nesta exposição, a pintora restringiu-se aos trabalhos feitos depois de 1914, isto é, os pintados nos estados Unidos e aos recentes pintados no Brasil. Anita não negava sua fase norte-americana: queria impô-la e vê-la aceita como valor artístico. Talvez por isso absteve-se de colocar muitas obras demasiado “provocativas”, como os carvões e pastéis de Nu masculino ou óleos como Nu cubista e A boba.
Anita esboçou e desenvolveu a figura de uma mulata que segura uma cesta de frutas tropicais e colocou como fundo alguma vegetação de caráter Nacional. Anita Malfatti, Tropical, óleo s/ tela, 77x102, pinacoteca do Estado de, S.P.
A Onda , 1915 - 1917 óleo sobre tela, c.i.d.  26,5 x 36 cm  Coleção Sergio Sahione Fadel  Reprodução fotográfica Leonardo Crescenti
O Concurso do Saci Visando incentivar a população a valorizar hábitos e costumes nacionais, no inicio de 1917, Lobato levava adiante um “inquérito nacional sobre o Saci”, através do Estadinho. Chegavam depoimentos de todo Brasil e eram publicados no Jornal, com as versões existentes em diversas regiões do Brasil sobre o saci-pererê, sua figura, suas diabruras típicas, sua características.
O saci, Anita Malfatti, óleo, que participou do concurso do Saci em 1917 Anita apresentou a aparição do saci que espanta um cavaleiro solitário. Colocou em primeiro plano o cavaleiro e seu cavalo numa estrada poeirante ladeada por uma moita de bambus de onde pende, informe, o saci.
Vencedor do Concurso: Ricardo Cipicchia, O saci e a cavalhada, 1917.
Os preferidos de Monteiro Lobato Pedro Américo ao “naturalista e nacional”  Almeida Júnior. Contudo apontava Almeida Junior como o caminho a ser trilhado e alargado pelos artistas nacionais. Almeida Júnior, Auto retrato 1878.
Critica de Monteiro Lobato Recebe críticas de Monteiro Lobato (1882 - 1948) no artigo A Propósito da Exposição Malfatti, mais tarde transcrito em livro com o título Paranóia ou Mistificação? É a extensão da caricatura a regiões onde não havia até agora penetrado. Caricatura da cor, caricatura da forma - caricatura que não visa, como a primitiva, ressaltar uma idéia cômica, mas sim desnortear, aparvalhar o espectador. A fisionomia de quem sai de uma destas exposições é das mais sugestivas. Nenhuma impressão de prazer, ou de beleza, denunciam as caras; em todas, porém, se lê o desapontamento de quem está incerto, duvidoso de si próprio e dos outros, incapaz de raciocinar, e muito desconfiado de que o mistificam habilmente. (sic. Lobato) O homem amarelo, 1915/16, óleo sobre tela, 61 x 51 cm, Coleção. (Família Andrade Camargo)
Mário de Andrade foi à defesa de Anita Malfatti, comentando um dos seus quadros expostos:  Pergunta se os cabelos verdes não sugeririam o passar dos anos... não podiam ainda entender que a arte traduzia na própria forma o seu conteúdo, que a ruptura com a concepção do natural pressupunha uma ruptura com seu código. Mulher de cabelos verdes, 1915, óleo sobre tela, 61x51 cm, Coleção. Ernesto Wolf, SP (2002) .
Oswald de Andrade: “descrevia o talento de Anita “com pioneirismo a originalidade do trabalho da artista, o seu temperamento nervoso - próprio da nova sensibilidade urbana -  e a negação da cópia fotográfica”. A Boba, 1915/16 óleo sobre tela, 61x 50,5 cm Coleção. (MAC- USP).
O recuo de Anita Malfatti Depois da exposição de 1917, ela se aproxima da linguagem tradicional e faz aulas com o acadêmico Pedro Alexandrino (1856 - 1942). Seus trabalhos também se tornam mais realistas. Encorajada pelo grupo que iria realizar a Semana de Arte Moderna, como Menotti Del Pichia (1892 - 1988), Oswald de Andrade (1890 - 1954) e Mário de Andrade (1893 - 1945), Anita, por volta de 1921, interessa-se novamente pelas linguagens de vanguarda. Na Semana de Arte Moderna de São Paulo, em 1922, a artista expõe novamente as telas mostradas em 1917 junto com novos trabalhos modernistas, sendo considerada por Sérgio Milliet (1898 - 1966) a maior artista da exposição. Conforme Itaú Cultural.
Porto de Mônaco, 1925/26 óleo sobre tela, 54 x 64,5 cm. Colecionador (Franscisco Matarazzo)
Retrato de Dora 1934 Óleo s/ tela, 73 x 60,3 cm. Coleção. (Dora Villava)
Itanhaém, 1948/49, óleo sobre tela,  72 x 92 cm. Coleção. (Georgina Malfatti).
La rentrée (interior) 1925, óleo sem tela 88x115 cm coleção Pedro Tassinari, São Paulo.
A Semana de Arte de Moderna A semana de arte Moderna representa um marco na arte contemporânea no Brasil, comparável, por sua repercussão, a chegada da missão francesa no Rio de Janeiro no século passado ou século XVIII a obra de Aleijadinho. Conforme Aracy Amaral
Catálogo da Semana Inserida nas festividades em comemoração do centenário da independência do Brasil, em 1922, a Semana de Arte Moderna apresenta-se como a primeira manifestação coletiva pública na história cultural brasileira a favor de um espírito novo e moderno em oposição à cultura e à arte de teor conservador, predominantes no país desde o século XIX. Entre os dias 13 e 18 de fevereiro de 1922, realiza-se no Teatro Municipal de São Paulo um festival com uma exposição com cerca de 100 obras e três sessões lítero-musicais noturnas. Entre os pintores participam: Anita Malfatti (1889 - 1964), Di Cavalcanti (1897 - 1976), (1892 - 1958),. No campo da escultura, está Victor Brecheret (1894 - 1955) (...)”.  Conforme ITAUCULTURAL.
BrecheretTornou-se a partir de 1919, com Anita e e Di Cavalcanti, a trinca estimuladora da renovação das artes , fundamentais responsáveis, os três, pelo movimento de eclosão da Semana em manifestação anti-acadêmica. Conforme Aracy Amaral.
Di Calvalcanti Pierreteóleo sobre tela - 78 x 65 cm- 1922 -
Teatro Municipal "...no saguão do teatro, onde fora instalada a exposição de quadros e esculturas - não havia quem se não deixasse tomar de pavor e êxtase, ao defrontar com os horrores épicos da senhorinha Anita Malfatti" (sobre o impacto da arte desta artista).  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
Isabela Garcia
 
Mapa mental arte grega
Mapa mental   arte gregaMapa mental   arte grega
Mapa mental arte grega
Jorge Alessandro
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
Hely Costa Júnior
 
Artes modernismo brasileiro- em
Artes modernismo brasileiro- emArtes modernismo brasileiro- em
Artes modernismo brasileiro- em
André Luís Oliveira
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
Lucas Nascimento
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Ana Paula Brisolar
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
VIVIAN TROMBINI
 
Arte gótica
Arte góticaArte gótica
Arte gótica
Maiara Giordani
 
Projeto do Meio Ambiente - 9º ano
Projeto do Meio Ambiente - 9º anoProjeto do Meio Ambiente - 9º ano
Projeto do Meio Ambiente - 9º ano
Alan Franc De Souza Gonçales
 
Documento Curricular Referencial da Bahia - DCRB
Documento Curricular Referencial da Bahia - DCRBDocumento Curricular Referencial da Bahia - DCRB
Documento Curricular Referencial da Bahia - DCRB
Josy Abner Santana
 
A história da fotografia
A história da fotografiaA história da fotografia
A história da fotografia
diogocaetanorodrigues
 
Exercício de revisão sobre história da arte com gabarito
Exercício de revisão sobre história da arte com gabaritoExercício de revisão sobre história da arte com gabarito
Exercício de revisão sobre história da arte com gabarito
Suelen Freitas
 
Cidades do futuro, cidades sustentáveis
Cidades do futuro, cidades sustentáveis Cidades do futuro, cidades sustentáveis
Cidades do futuro, cidades sustentáveis
Rafaela Galdino
 
Anita malfatti
Anita malfattiAnita malfatti
Anita malfatti
Guimattosrp
 
Função da arte
Função da arteFunção da arte
Função da arte
CEF16
 
Vicente do rego monteiro
Vicente do rego monteiroVicente do rego monteiro
Vicente do rego monteiro
Mariaprofessora
 
Modernismo fases
Modernismo fasesModernismo fases
Modernismo fases
Matheus Italo Nascimento
 
Os vários tipos de teatro
Os vários tipos de teatroOs vários tipos de teatro
Os vários tipos de teatro
Ana Beatriz Cargnin
 
Arte Medieval
Arte MedievalArte Medieval
Arte Medieval
Rafael Lucas da Silva
 
Carol artes
Carol   artesCarol   artes
Carol artes
dibugiu
 

Mais procurados (20)

Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
 
Mapa mental arte grega
Mapa mental   arte gregaMapa mental   arte grega
Mapa mental arte grega
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
 
Artes modernismo brasileiro- em
Artes modernismo brasileiro- emArtes modernismo brasileiro- em
Artes modernismo brasileiro- em
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Arte gótica
Arte góticaArte gótica
Arte gótica
 
Projeto do Meio Ambiente - 9º ano
Projeto do Meio Ambiente - 9º anoProjeto do Meio Ambiente - 9º ano
Projeto do Meio Ambiente - 9º ano
 
Documento Curricular Referencial da Bahia - DCRB
Documento Curricular Referencial da Bahia - DCRBDocumento Curricular Referencial da Bahia - DCRB
Documento Curricular Referencial da Bahia - DCRB
 
A história da fotografia
A história da fotografiaA história da fotografia
A história da fotografia
 
Exercício de revisão sobre história da arte com gabarito
Exercício de revisão sobre história da arte com gabaritoExercício de revisão sobre história da arte com gabarito
Exercício de revisão sobre história da arte com gabarito
 
Cidades do futuro, cidades sustentáveis
Cidades do futuro, cidades sustentáveis Cidades do futuro, cidades sustentáveis
Cidades do futuro, cidades sustentáveis
 
Anita malfatti
Anita malfattiAnita malfatti
Anita malfatti
 
Função da arte
Função da arteFunção da arte
Função da arte
 
Vicente do rego monteiro
Vicente do rego monteiroVicente do rego monteiro
Vicente do rego monteiro
 
Modernismo fases
Modernismo fasesModernismo fases
Modernismo fases
 
Os vários tipos de teatro
Os vários tipos de teatroOs vários tipos de teatro
Os vários tipos de teatro
 
Arte Medieval
Arte MedievalArte Medieval
Arte Medieval
 
Carol artes
Carol   artesCarol   artes
Carol artes
 

Destaque

A Prosa Modernista Ppt
A Prosa Modernista PptA Prosa Modernista Ppt
A Prosa Modernista Ppt
martinsramon
 
Pré Modernismo
Pré ModernismoPré Modernismo
Pré Modernismo
martinsramon
 
Leitura de imagens
Leitura de imagensLeitura de imagens
Leitura de imagens
André Yuiti Ozawa
 
Semana de arte moderna apresentação 2
Semana de arte moderna apresentação 2Semana de arte moderna apresentação 2
Semana de arte moderna apresentação 2
Raquel Corrêa
 
Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922
Dismael Sagás
 
Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922
seixasmarianas
 
Artigo apresentado para conclusão da pós-graduação Metodologia do Ensino de A...
Artigo apresentado para conclusão da pós-graduação Metodologia do Ensino de A...Artigo apresentado para conclusão da pós-graduação Metodologia do Ensino de A...
Artigo apresentado para conclusão da pós-graduação Metodologia do Ensino de A...
Rosangela Penajo
 
Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922
seixasmarianas
 

Destaque (8)

A Prosa Modernista Ppt
A Prosa Modernista PptA Prosa Modernista Ppt
A Prosa Modernista Ppt
 
Pré Modernismo
Pré ModernismoPré Modernismo
Pré Modernismo
 
Leitura de imagens
Leitura de imagensLeitura de imagens
Leitura de imagens
 
Semana de arte moderna apresentação 2
Semana de arte moderna apresentação 2Semana de arte moderna apresentação 2
Semana de arte moderna apresentação 2
 
Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922
 
Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922
 
Artigo apresentado para conclusão da pós-graduação Metodologia do Ensino de A...
Artigo apresentado para conclusão da pós-graduação Metodologia do Ensino de A...Artigo apresentado para conclusão da pós-graduação Metodologia do Ensino de A...
Artigo apresentado para conclusão da pós-graduação Metodologia do Ensino de A...
 
Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922
 

Semelhante a Antecedentes E A Semana De Arte Moderna De 1210290778407615 8

Arte moderna principais artistas
Arte moderna   principais artistasArte moderna   principais artistas
Arte moderna principais artistas
Fátima Soares
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
Junior Onildo
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
Fabiana Alexandre
 
História da Arte: O ambiente modernista
História da Arte: O ambiente modernistaHistória da Arte: O ambiente modernista
História da Arte: O ambiente modernista
Raphael Lanzillotte
 
Semana de 22
Semana de 22Semana de 22
Semana de 22
Carlos Elson Cunha
 
Arte do Modernismo ao Contemporâneo Brasil.pptx
Arte  do Modernismo ao Contemporâneo Brasil.pptxArte  do Modernismo ao Contemporâneo Brasil.pptx
Arte do Modernismo ao Contemporâneo Brasil.pptx
EdnaAlves81
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
infoeducp2
 
Modernismo Modernismo
Modernismo   ModernismoModernismo   Modernismo
Modernismo Modernismo
Caroline Canales
 
Galeria de Arte - Expressionismo e Surrealismo no Brasil
Galeria de Arte - Expressionismo e Surrealismo no BrasilGaleria de Arte - Expressionismo e Surrealismo no Brasil
Galeria de Arte - Expressionismo e Surrealismo no Brasil
Suzy Nobre
 
Expressionismo e surrealismo no brasil
Expressionismo e surrealismo no brasilExpressionismo e surrealismo no brasil
Expressionismo e surrealismo no brasil
mundica broda
 
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
 História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Modernismo 8ºano
Modernismo 8ºanoModernismo 8ºano
Modernismo 8ºano
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Semana de Arte Moderna
Semana de Arte ModernaSemana de Arte Moderna
Semana de Arte Moderna
Sandro Bottene
 
Aula 2
Aula 2 Aula 2
Aula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo ColégioAula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo Colégio
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Marcel Duchamp - Dadaismo
Marcel Duchamp - DadaismoMarcel Duchamp - Dadaismo
Marcel Duchamp - Dadaismo
Alessandro Deretti
 
Modernismo brasileiro
Modernismo brasileiroModernismo brasileiro
Modernismo brasileiro
CEF16
 
Encontros modernos: Anita Malfatti e Edgar Koetz
Encontros modernos: Anita Malfatti  e Edgar KoetzEncontros modernos: Anita Malfatti  e Edgar Koetz
Encontros modernos: Anita Malfatti e Edgar Koetz
Carla Menegaz
 
4) século xx no brasil- o modernismo- emiliano di cavalcanti
4)  século xx no brasil- o modernismo- emiliano di cavalcanti4)  século xx no brasil- o modernismo- emiliano di cavalcanti
4) século xx no brasil- o modernismo- emiliano di cavalcanti
ArtesElisa
 
Apresentação Silêncios
Apresentação SilênciosApresentação Silêncios
Apresentação Silêncios
resespress
 

Semelhante a Antecedentes E A Semana De Arte Moderna De 1210290778407615 8 (20)

Arte moderna principais artistas
Arte moderna   principais artistasArte moderna   principais artistas
Arte moderna principais artistas
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
História da Arte: O ambiente modernista
História da Arte: O ambiente modernistaHistória da Arte: O ambiente modernista
História da Arte: O ambiente modernista
 
Semana de 22
Semana de 22Semana de 22
Semana de 22
 
Arte do Modernismo ao Contemporâneo Brasil.pptx
Arte  do Modernismo ao Contemporâneo Brasil.pptxArte  do Modernismo ao Contemporâneo Brasil.pptx
Arte do Modernismo ao Contemporâneo Brasil.pptx
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Modernismo Modernismo
Modernismo   ModernismoModernismo   Modernismo
Modernismo Modernismo
 
Galeria de Arte - Expressionismo e Surrealismo no Brasil
Galeria de Arte - Expressionismo e Surrealismo no BrasilGaleria de Arte - Expressionismo e Surrealismo no Brasil
Galeria de Arte - Expressionismo e Surrealismo no Brasil
 
Expressionismo e surrealismo no brasil
Expressionismo e surrealismo no brasilExpressionismo e surrealismo no brasil
Expressionismo e surrealismo no brasil
 
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
 História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
 
Modernismo 8ºano
Modernismo 8ºanoModernismo 8ºano
Modernismo 8ºano
 
Semana de Arte Moderna
Semana de Arte ModernaSemana de Arte Moderna
Semana de Arte Moderna
 
Aula 2
Aula 2 Aula 2
Aula 2
 
Aula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo ColégioAula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo Colégio
 
Marcel Duchamp - Dadaismo
Marcel Duchamp - DadaismoMarcel Duchamp - Dadaismo
Marcel Duchamp - Dadaismo
 
Modernismo brasileiro
Modernismo brasileiroModernismo brasileiro
Modernismo brasileiro
 
Encontros modernos: Anita Malfatti e Edgar Koetz
Encontros modernos: Anita Malfatti  e Edgar KoetzEncontros modernos: Anita Malfatti  e Edgar Koetz
Encontros modernos: Anita Malfatti e Edgar Koetz
 
4) século xx no brasil- o modernismo- emiliano di cavalcanti
4)  século xx no brasil- o modernismo- emiliano di cavalcanti4)  século xx no brasil- o modernismo- emiliano di cavalcanti
4) século xx no brasil- o modernismo- emiliano di cavalcanti
 
Apresentação Silêncios
Apresentação SilênciosApresentação Silêncios
Apresentação Silêncios
 

Mais de martinsramon

As frases estão corretas
As frases estão corretasAs frases estão corretas
As frases estão corretas
martinsramon
 
Restart
RestartRestart
Restart
martinsramon
 
Como Fazer Uma DissertaçãO
Como Fazer Uma DissertaçãOComo Fazer Uma DissertaçãO
Como Fazer Uma DissertaçãO
martinsramon
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
martinsramon
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
martinsramon
 
Discurso Direto E Indireto
Discurso Direto E IndiretoDiscurso Direto E Indireto
Discurso Direto E Indireto
martinsramon
 
A DescriçãO
A DescriçãOA DescriçãO
A DescriçãO
martinsramon
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
martinsramon
 
Realismo E Naturalismo
Realismo E NaturalismoRealismo E Naturalismo
Realismo E Naturalismo
martinsramon
 
Formas De RedaçãO
Formas De RedaçãOFormas De RedaçãO
Formas De RedaçãO
martinsramon
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
martinsramon
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
martinsramon
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
martinsramon
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
martinsramon
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
martinsramon
 
Marra
MarraMarra
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
martinsramon
 
Barroco CaracteríSticas Universais
Barroco   CaracteríSticas UniversaisBarroco   CaracteríSticas Universais
Barroco CaracteríSticas Universais
martinsramon
 
MemóRia De Um Sargento De MilíCias Pps
MemóRia De Um Sargento De MilíCias PpsMemóRia De Um Sargento De MilíCias Pps
MemóRia De Um Sargento De MilíCias Pps
martinsramon
 
MemóRia De Um Sargento De MilíCias 2
MemóRia De Um Sargento De MilíCias 2MemóRia De Um Sargento De MilíCias 2
MemóRia De Um Sargento De MilíCias 2
martinsramon
 

Mais de martinsramon (20)

As frases estão corretas
As frases estão corretasAs frases estão corretas
As frases estão corretas
 
Restart
RestartRestart
Restart
 
Como Fazer Uma DissertaçãO
Como Fazer Uma DissertaçãOComo Fazer Uma DissertaçãO
Como Fazer Uma DissertaçãO
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Discurso Direto E Indireto
Discurso Direto E IndiretoDiscurso Direto E Indireto
Discurso Direto E Indireto
 
A DescriçãO
A DescriçãOA DescriçãO
A DescriçãO
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Realismo E Naturalismo
Realismo E NaturalismoRealismo E Naturalismo
Realismo E Naturalismo
 
Formas De RedaçãO
Formas De RedaçãOFormas De RedaçãO
Formas De RedaçãO
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
Marra
MarraMarra
Marra
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Barroco CaracteríSticas Universais
Barroco   CaracteríSticas UniversaisBarroco   CaracteríSticas Universais
Barroco CaracteríSticas Universais
 
MemóRia De Um Sargento De MilíCias Pps
MemóRia De Um Sargento De MilíCias PpsMemóRia De Um Sargento De MilíCias Pps
MemóRia De Um Sargento De MilíCias Pps
 
MemóRia De Um Sargento De MilíCias 2
MemóRia De Um Sargento De MilíCias 2MemóRia De Um Sargento De MilíCias 2
MemóRia De Um Sargento De MilíCias 2
 

Último

FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
maria-oliveira
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
JohnnyLima16
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 

Último (20)

FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 

Antecedentes E A Semana De Arte Moderna De 1210290778407615 8

  • 1. Antecedentes e a Semana de Arte Moderna de 1922.
  • 2. ORIGENS DO MODERNISMO:Período histórico: INDUSTRIALIZAÇÃO - na ultima década do século XIX.William Morris (1834-1896) , que originou o movimento ART NOUVEAU, estabeleceu a prática de os artistas desenharem objetos para a produção em série pela indústria. PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL (1914-1918).
  • 3. AS VANGUARDAS - Expressionismo, Fauvismo, Cubismo, Futurismo, Abstracionismo, dadaísmo Surrealismo, Op-art, Pop-art: que expressam de algum modo à perplexidade do homem contemporâneo e não tinha mais apenas a preocupação de romper com os modelos acadêmicos.
  • 4. Anita Malfatti (1889 – 1964): Pintora, desenhista, gravadora, ilustradora e professora. Inicia seu aprendizado artístico com a mãe Betty Malfatti. Devido a uma atrofia congênita no braço e na mão direita, utiliza a mão esquerda para pintar. Incentivada pela família foi, em 1910, para a Alemanha, onde freqüentou, por três anos, a Academia Real de Berlim. Estudou gravura, desenho e pintura, além de conhecer os principais mestres do expressionismo alemão.
  • 5. De volta ao Brasil, em 1914, realizou sua primeira exposição individual Outra vez Anita, pensava em partir para continuar seus estudos. Sem condições, tentou pleitear o Pensionato Artístico do estado de São Paulo, bolsa do governo. FOTO DA EXPOSIÇÃO
  • 6. 1)Anita Malfatti, O farol, 1915 óleo s/ tela, 46,5x61 cm coleção (Gilberto Chateaubriand)2) O farol de Monhegan em fotografia realizada por volta de 1859.
  • 7. Em 1915, a artista parte para mais um período de estudos Desta vez nos Estados Unidos, onde tem aulas com Homer Boss (1882 - 1956) na Independent School of Art. A convivência com este professor americano e com o clima vanguardista da escola irá levar adiante o desenvolvimento da liberdade moderna cultivada na Alemanha. É aí que ela realiza seus trabalhos mais conhecidos, como O Farol (1915), Torso/Ritmo (1915/1916) e O Homem Amarelo (1915/1916). Nesses quadros, o desenho perde o compromisso com a verossimilhança clássica e ganha sentido mais interpretativo. Por vezes, o contorno grosso e sinuoso apresenta as figuras como uma massa pesada e volumosa. Em outros trabalhos, com o traço mais fechado, a cor é aplainada e compõe retratos e paisagens livres, pela articulação de superfícies em cores contrastantes. Conforme Itaú Cultural. Em 1916, Anita volta ao Brasil, voltara depois de 3 anos e meio devido aos rumores de guerra próxima Anita Malfatti, Ritmo (Torso), 1915/16, carvão e pastel 61x46,6 cm. Coleção. (MAC_USP, SP)
  • 8. Exposição de 1917 Nesta exposição, a pintora restringiu-se aos trabalhos feitos depois de 1914, isto é, os pintados nos estados Unidos e aos recentes pintados no Brasil. Anita não negava sua fase norte-americana: queria impô-la e vê-la aceita como valor artístico. Talvez por isso absteve-se de colocar muitas obras demasiado “provocativas”, como os carvões e pastéis de Nu masculino ou óleos como Nu cubista e A boba.
  • 9. Anita esboçou e desenvolveu a figura de uma mulata que segura uma cesta de frutas tropicais e colocou como fundo alguma vegetação de caráter Nacional. Anita Malfatti, Tropical, óleo s/ tela, 77x102, pinacoteca do Estado de, S.P.
  • 10. A Onda , 1915 - 1917 óleo sobre tela, c.i.d. 26,5 x 36 cm Coleção Sergio Sahione Fadel Reprodução fotográfica Leonardo Crescenti
  • 11. O Concurso do Saci Visando incentivar a população a valorizar hábitos e costumes nacionais, no inicio de 1917, Lobato levava adiante um “inquérito nacional sobre o Saci”, através do Estadinho. Chegavam depoimentos de todo Brasil e eram publicados no Jornal, com as versões existentes em diversas regiões do Brasil sobre o saci-pererê, sua figura, suas diabruras típicas, sua características.
  • 12. O saci, Anita Malfatti, óleo, que participou do concurso do Saci em 1917 Anita apresentou a aparição do saci que espanta um cavaleiro solitário. Colocou em primeiro plano o cavaleiro e seu cavalo numa estrada poeirante ladeada por uma moita de bambus de onde pende, informe, o saci.
  • 13. Vencedor do Concurso: Ricardo Cipicchia, O saci e a cavalhada, 1917.
  • 14. Os preferidos de Monteiro Lobato Pedro Américo ao “naturalista e nacional” Almeida Júnior. Contudo apontava Almeida Junior como o caminho a ser trilhado e alargado pelos artistas nacionais. Almeida Júnior, Auto retrato 1878.
  • 15. Critica de Monteiro Lobato Recebe críticas de Monteiro Lobato (1882 - 1948) no artigo A Propósito da Exposição Malfatti, mais tarde transcrito em livro com o título Paranóia ou Mistificação? É a extensão da caricatura a regiões onde não havia até agora penetrado. Caricatura da cor, caricatura da forma - caricatura que não visa, como a primitiva, ressaltar uma idéia cômica, mas sim desnortear, aparvalhar o espectador. A fisionomia de quem sai de uma destas exposições é das mais sugestivas. Nenhuma impressão de prazer, ou de beleza, denunciam as caras; em todas, porém, se lê o desapontamento de quem está incerto, duvidoso de si próprio e dos outros, incapaz de raciocinar, e muito desconfiado de que o mistificam habilmente. (sic. Lobato) O homem amarelo, 1915/16, óleo sobre tela, 61 x 51 cm, Coleção. (Família Andrade Camargo)
  • 16. Mário de Andrade foi à defesa de Anita Malfatti, comentando um dos seus quadros expostos: Pergunta se os cabelos verdes não sugeririam o passar dos anos... não podiam ainda entender que a arte traduzia na própria forma o seu conteúdo, que a ruptura com a concepção do natural pressupunha uma ruptura com seu código. Mulher de cabelos verdes, 1915, óleo sobre tela, 61x51 cm, Coleção. Ernesto Wolf, SP (2002) .
  • 17. Oswald de Andrade: “descrevia o talento de Anita “com pioneirismo a originalidade do trabalho da artista, o seu temperamento nervoso - próprio da nova sensibilidade urbana - e a negação da cópia fotográfica”. A Boba, 1915/16 óleo sobre tela, 61x 50,5 cm Coleção. (MAC- USP).
  • 18. O recuo de Anita Malfatti Depois da exposição de 1917, ela se aproxima da linguagem tradicional e faz aulas com o acadêmico Pedro Alexandrino (1856 - 1942). Seus trabalhos também se tornam mais realistas. Encorajada pelo grupo que iria realizar a Semana de Arte Moderna, como Menotti Del Pichia (1892 - 1988), Oswald de Andrade (1890 - 1954) e Mário de Andrade (1893 - 1945), Anita, por volta de 1921, interessa-se novamente pelas linguagens de vanguarda. Na Semana de Arte Moderna de São Paulo, em 1922, a artista expõe novamente as telas mostradas em 1917 junto com novos trabalhos modernistas, sendo considerada por Sérgio Milliet (1898 - 1966) a maior artista da exposição. Conforme Itaú Cultural.
  • 19. Porto de Mônaco, 1925/26 óleo sobre tela, 54 x 64,5 cm. Colecionador (Franscisco Matarazzo)
  • 20. Retrato de Dora 1934 Óleo s/ tela, 73 x 60,3 cm. Coleção. (Dora Villava)
  • 21. Itanhaém, 1948/49, óleo sobre tela, 72 x 92 cm. Coleção. (Georgina Malfatti).
  • 22. La rentrée (interior) 1925, óleo sem tela 88x115 cm coleção Pedro Tassinari, São Paulo.
  • 23. A Semana de Arte de Moderna A semana de arte Moderna representa um marco na arte contemporânea no Brasil, comparável, por sua repercussão, a chegada da missão francesa no Rio de Janeiro no século passado ou século XVIII a obra de Aleijadinho. Conforme Aracy Amaral
  • 24. Catálogo da Semana Inserida nas festividades em comemoração do centenário da independência do Brasil, em 1922, a Semana de Arte Moderna apresenta-se como a primeira manifestação coletiva pública na história cultural brasileira a favor de um espírito novo e moderno em oposição à cultura e à arte de teor conservador, predominantes no país desde o século XIX. Entre os dias 13 e 18 de fevereiro de 1922, realiza-se no Teatro Municipal de São Paulo um festival com uma exposição com cerca de 100 obras e três sessões lítero-musicais noturnas. Entre os pintores participam: Anita Malfatti (1889 - 1964), Di Cavalcanti (1897 - 1976), (1892 - 1958),. No campo da escultura, está Victor Brecheret (1894 - 1955) (...)”. Conforme ITAUCULTURAL.
  • 25. BrecheretTornou-se a partir de 1919, com Anita e e Di Cavalcanti, a trinca estimuladora da renovação das artes , fundamentais responsáveis, os três, pelo movimento de eclosão da Semana em manifestação anti-acadêmica. Conforme Aracy Amaral.
  • 26.
  • 27. Di Calvalcanti Pierreteóleo sobre tela - 78 x 65 cm- 1922 -
  • 28. Teatro Municipal "...no saguão do teatro, onde fora instalada a exposição de quadros e esculturas - não havia quem se não deixasse tomar de pavor e êxtase, ao defrontar com os horrores épicos da senhorinha Anita Malfatti" (sobre o impacto da arte desta artista).