O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Semana de arte moderna

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 28 Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Semelhante a Semana de arte moderna (20)

Anúncio

Mais de Fabiana Alexandre (20)

Mais recentes (20)

Anúncio

Semana de arte moderna

  1. 1. SEMANA DE ARTE MODERNA Professora: Fabiana Alexandre
  2. 2. INTERIOR DE POBRES II 1921 óleo sobre tela 140 x 173 cm
  3. 3. LASAR SEGALL - INTERIOR DE POBRES II Adquirida pelo Museu da Cidade de Dresden (Alemanha), então dirigido pelo historiador de arte Paul Ferdinand Schmidt, esta pintura foi retirada desse acervo pelo governo nacional-socialista – que subiu ao poder na Alemanha em 1933, com Hitler à frente – e exibida em Munique em 1937, na célebre Exposição de Arte Degenerada, que pretendia desqualificar a arte moderna. Durante a Segunda Guerra, esta tela, um dos melhores exemplos do expressionismo construtivo de Segall, permaneceu, com milhares de outras obras dos expressionistas alemães, confinada nos depósitos oficiais. Finda a guerra, a pintura foi localizada, em uma coleção particular europeia, pelo marchand Emeric Hahn, a pedido da viúva do artista, Jenny Klabin Segall, que a trouxe com o Autorretrato II (p.19), também de 1919, para o Brasil.
  4. 4. VIDA E OBRA Lasar Segal nasceu em 21 de julho de 1891, na cidade de Vilna, capital da Lituânia (Europa, próximo da Rússia). Faleceu em 2 de agosto de 1957 na cidade de São Paulo, deixando um vasto acervo que enfatiza não somente a beleza, mas sobretudo a miséria que presenciara durante toda sua jornada. Para Segal a pintura estática não lhe satisfazia, haja vista que nela era preciso retratar a realidade – propósito esse que o levou a aproximar-se do Expressionismo. Depois de rápida estada na Holanda, partiu para o Brasil, onde organizou duas exposições: uma em São Paulo e outra em Campinas. Mais que um pintor, considerado também como um verdadeiro sociólogo, Lasar Segal tinha obsessão pelo ser humano e, por meio dos pincéis, retratou os problemas brasileiros, revelados por cenas familiares, dando ênfase ao interior pobre das casas, bem como aos rostos sofridos de seus habitantes. Cenas essas que retratavam o conformismo de uma sociedade considerada imutável. *Quando Segall nasceu a Lituânia fazia parte do território da Rússia e só em 16 de fevereiro de 1918 reestabeleceu sua independência. Por isso muitos textos se referem a Segall como Russo.
  5. 5. OBRAS EXPOSTAS POR SEGALL EM 1913 Lasar Segall Leitura, 1913. Acervo Museu Lasar Segall. Asilo de velhos, 1912 Museu Lasar Segall Pastel Voledam, 1912
  6. 6. EXPOSIÇÃO DE ANITA MALFATTI 1917 Em 1910 foi pra Alemanha estudar desenho, mas volta em 1914 por conta da primeira guerra. Em 1915 vai pra os EUA pra continuar estudando. São as obras produzidas nesse período que fazem parte da exposição de 1917 no brasil. Em 1917 Anita Malfatti fez uma exposição de arte moderna e foi duramente criticada por monteiro lobato. CURIOSIDADE: Nasceu com uma atrofia na mão direita e tentou fazer uma cirurgia para se curar, mas não deu certo e ela teve que treinar pintura com
  7. 7. A estudante russa 1915 Óleo sobre a tela 76 x 61 cm Museu de Arte Moderna de São Paulo, São Paulo, Brasil. Tropical (1916) Óleo sobre tela (77 X 102). Pinacoteca do Estado de São Paulo, Brasil. O Japonês (1916) Óleo sobre tela O homem amarelo 1915-16 óleo sobre tela (61 x 51)
  8. 8. ARTIGO PUBLICADO POR MONTEIRO LOBATO
  9. 9. O QUE FOI A SEMANA DE ARTE MODERNA? Entre 11 e 18 de fevereiro de 1922, o saguão do Teatro Municipal de São Paulo abrigou um conjunto amplo de obras – pinturas, esculturas, projetos arquitetônicos – consideradas ousadas o suficiente para receberem o título de “modernistas”. O intuito era demonstrar a existência de um amplo movimento de contestação às normas de criação alinhadas com os modelos ditos “passadistas”, vinculados a regras e modelos importados e transmitidos artificialmente por meio de uma esterilização acadêmica. *passadistas: Relativo ao passado.
  10. 10. DI CAVALCANTI Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo (Rio de Janeiro RJ 1897 - idem 1976). Pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo. Inicia sua carreira artística como caricaturista e ilustrador, publicando sua primeira caricatura em 1914, na revista Fon-Fon. É o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expõe 12 obras. Nesse período ainda não se destacava na pintura. Apenas conquistou seu espaço definitivo na pintura brasileira na década de 1940. Em 1923, viaja à França, onde atua como correspondente do jornal Correio da Manhã. Em Paris, frequenta a Academia Ranson, instala ateliê e conhece obras, artistas e escritores europeus de vanguarda como, Pablo Picasso (1881-1973), Georges Braque (1882- 1963), Henri Matisse (1869-1954).
  11. 11. CAPA DO PROGRAMA E DO CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO DA SEMANA DE ARTE MODERNA , 1922 , DI CAVALCANTI
  12. 12. VICENTE DO REGO MONTEIRO Vicente do Rego Monteiro (Recife PE 1899 - idem 1970). Pintor, escultor, desenhista, ilustrador, artista gráfico. Inicia estudos artísticos em 1908, acompanhando sua irmã Fedora do Rego Monteiro (1889 - 1975) em cursos da Escola Nacional de Belas Artes - Enba, no Rio de Janeiro. Em 1911, viaja com a família para França, onde freqüenta as Academias Colarossi, Julian e de La Grande Chaumière. Participa do Salon des Indépendants, em 1913. Em Paris, mantém contato com Amedeo Modigliani (1884 - 1920), Georges Braque (1882 - 1963), Joán Miró (1893 - 1983).
  13. 13. Título: A Crucifixão Data: 1922 Autores: Vicente do Rego Monteiro Técnica: óleo sobre tela Dimensões: 90.00 x 80.00 cm Acervo: Coleção Gilberto Chateaubriand - MAM RJ Título: Pietà Data: 1924 Autores: Vicente do Rego Monteiro Técnica: óleo sobre tela Dimensões: 80.00 x 90.00 cm Acervo: Coleção Gilberto Chateaubriand - MAM RJ
  14. 14. TARSILA DO AMARAL Nascida em Capivari, São Paulo, em 1886, a pintora e desenhista Tarsila do Amaral inicia-se nas artes em 1902, período em que frequenta o colégio Sacré Couer de Barcelona. Na escola copia imagens religiosas. Em 1904, regressa ao Brasil. Em 1913, muda-se para São Paulo. Aprende piano, copia pinturas e acompanha algumas discussões literárias, sem saber direito a que se dedicaria. O contato com as artes se estreita a partir de 1916, quando passa a trabalhar no ateliê do escultor William Zadig, com quem aprende a modelar. No mesmo ano, tem aulas com o escultor Mantovani. Conhece Anita Malfatti no curso de desenho com Pedro Alexandrino. Posteriormente ela e alguns colegas do curso de Pedro Alexandrino fazem aulas de pintura com Georg Elpons, que lhes apresenta técnicas diferentes das acadêmicas, como a aplicação de cores puras, diretamente do tubo. Parte para Paris em 1920. Quer entrar em contato com a produção europeia e aperfeiçoar-se. Ingressa primeiro na Académie Julian, depois tem aulas com Emile Renard. Nesse período, trava contato com a arte moderna. Vê o que Anita Malfatti já lhe havia contado. Conhece trabalhos de Pablo Picasso (1881-1973), e a produção dos dadaístas e futuristas. Em abril de 1922, dois meses depois da Semana de Arte Moderna, volta ao Brasil para "descobrir o modernismo". Conhece Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Menotti del Picchia. Com eles e Anita, funda o Grupo dos Cinco.
  15. 15. Título: Camponesa Espanhola Data de criação: 1921 Autores: Tarsila do Amaral Técnica: óleo sobre tela Dimensões: 45.50 x 37.50 cm Acervo: Coleção particular Título: A negra Data: 1923 Autores: Tarsila do Amaral Técnica: óleo sobre tela Dimensões: 100.00 x 80.00 cm Acervo: Coleção Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (SP)
  16. 16. VITOR BRECHERET Brecheret inicia sua formação artística, em 1912, no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, onde estuda desenho, modelagem e entalhe em madeira. Em 1913, viaja para Roma e torna-se discípulo de Arturo Dazzi. Em Roma estuda atentamente as obras de Auguste Rodin (1840-1917). Quando retorna a São Paulo, em 1919, é um escultor com amplo domínio técnico. Seus trabalhos são admirados por um grupo de intelectuais ligados ao movimento modernista: Oswald de Andrade, Menotti del Pichia e Mário de Andrade. Em 1920 realiza a maquete para o Monumento às Bandeiras, a obra só foi concretizada 33 anos depois, às vésperas do IV Centenário da capital paulista de 1954. Já com 58 anos, Victor Brecheret não quis esperar o ano seguinte e finalizou a obra no ano de 1953. No ano DE 1921, recebe bolsa de estudo do Pensionato Artístico do Estado de São Paulo e viaja para Paris, onde permanece até 1935. Embora ausente, expõe algumas obras na Semana de Arte Moderna de 1922.
  17. 17. Victor Brecheret Data: 21 de agosto de 1954 (62 an Estilo: Art Déco São Paulo, SP Tombamento: 1984 (33 anos) Órgão: CONDEPHAAT
  18. 18. Victor Brecheret Mármore 1,17m de comprimento Data : 1919
  19. 19. PÓS SEMANA DE ARTE Após a Semana de Arte Moderna e a agitação que ela provocou nos meios artísticos, aos poucos foi surgindo um novo grupo de artistas plásticos, que se caracterizou pela valorização da cultura brasileira. Além disso, esses artistas não eram adeptos dos princípios acadêmicos, mas preocupavam-se em dominar os aspectos técnicos da elaboração de uma obra de arte. Faziam parte desse grupo Cândido Portinari (1903-1962), Cícero Dias (1908-2003), Bruno Giorgi (1905-1993), entre outros.
  20. 20. CANDIDO PORTINARI Candido Portinari inicia sua formação artística na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), em 1919, onde estuda com Lucílio de Albuquerque, Rodolfo Amoedo, Baptista da Costa e Rodolfo Chambelland. Obtém o prêmio de viagem ao exterior em 1928 e segue para a Europa no ano seguinte. Conhece as obras dos mestres italianos Giotto (ca.1266-1337) e Piero della Francesca (ca.1415-1492) e da cena européia: Henri Matisse (1869-1954), Amedeo Modigliani (1884- 1920), Giorgio de Chirico (1888-1978) e Pablo Picasso (1881-1973). Retorna ao Brasil no início de 1931. Trabalha com intensidade, pintando principalmente retratos, sua maior fonte de renda. O artista, em sintonia com a tendência do Retorno à Ordem na pintura internacional, explora poéticas diversas na retratística. Retrato de Maria (1932), em sua linearidade, indica uma aproximação com a obra de Modigliani e dos maneiristas. Já o Retrato de Sofia Cantalupe (1933) revela a influência do imaginário metafísico, em um clima mágico que também é encontrado, por exemplo, no Retrato de Mário de Andrade (1935). A produção de Portinari é variada em seus temas e em algumas telas apresenta lembranças de Brodósqui, jogos infantis e cenas de circo. As figuras são diminutas, sem rostos, contrastando com a imensidão da paisagem, na qual predominam os tons de marrom. Revela forte preocupação social, procurando captar tipos populares e enfatizar o papel dos trabalhadores.
  21. 21. Título: Homem Subindo em Escada de Corda Autores: Candido Portinari Técnica: Nanquim, guache, grafite, sépia e crayon Colorido sobre papel Dimensões: 26.30 x 14.00 cm Título: O Sacrifício de Abraão (painel da Rádio Tupi, SP). 1943 Série: Série Bíblica Autores: Candido Portinari Técnica: têmpera sobre tela Dimensões: 200.00 x 150.00 cm Acervo: Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (SP)
  22. 22. GUERRA PAZ Título: GUERRA Datas: 1952 | 1956 Autores: Candido Portinari Técnica: óleo sobre madeira Dimensões: 1400.00 x 1058.00 cm Acervo: Organização das Nações Unidas (Nova York, Estados Unidos) Título: PAZ Datas: 1952 | 1956 Autores: Candido Portinari Técnica: óleo sobre madeira Dimensões: 1400.00 x 953.00 cm Acervo: Organização das Nações Unidas (Nova York, Estados Unidos)
  23. 23. CÍCERO DIAS Cicero Dias inicia a carreira artística na década de 1920, quando estão sendo introduzidas as tendências de vanguarda no Brasil. Liga- se aos intelectuais do movimento regionalista de 1926, que ocorre no Recife, em resposta à Semana de Arte Moderna de 22. No começo, ele produz principalmente aquarelas, nas quais representa um universo de sonhos, inquietante. Os personagens, em escala diferente das paisagens, e também os objetos apresentam muita leveza, frequentemente flutuam, como, por exemplo, em O Sono (1928), O Sonho da Prostituta e Mulher Nadando, de 1930. São imagens que evocam o mundo do inconsciente, nas quais o erotismo é frequente. Estas são representadas com grande delicadeza no desenho e em uma gama cromática muito rica. Na opinião do crítico Antônio Bento, sua obra relaciona-se ao surrealismo e também a um imaginário fantástico nordestino, em que mitos e fábulas estão presentes nas manifestações artísticas e na literatura de cordel.
  24. 24. Data de criação: 1920 Autores: Cicero Dias Técnica: aquarela sobre papel Dimensões: 51.00 x 36.00 cm Acervo: Acervo Banco Itaú A difícil partida Data de criação: 1920 Autores: Cicero Dias Técnica: aquarela e nanquim sobre papel Dimensões: 98.00 x 50.00 cm Acervo: Coleção particular
  25. 25. BRUNO GIORGI Bruno Giorgi (Mococa, São Paulo, 1905 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1993). Escultor. Muda-se com a família para Itália, e fixa-se em Roma em 1913. Em 1920, inicia estudos de desenho, escultura com o professor Loss. Participa de movimentos antifascistas. Em 1931, é preso por motivos políticos e condenado a sete anos de prisão. É extraditado para o Brasil em 1935, por intervenção do embaixador brasileiro na Itália. Em São Paulo, trava contato com Joaquim Figueira (1904 - 1943) e Alfredo Volpi (1896 - 1988). Em 1937, viaja para Paris e frequenta as academias La Grand Chaumière e Ranson, onde estuda com Aristide Maillol (1861 - 1944). Em 1939, retorna a São Paulo e convive com Mário de Andrade (1893 - 1945), Lasar Segall (1891 - 1957), Oswald de Andrade (1890 - 1954), entre outros.
  26. 26. Data de criação: 1953 Autores: Bruno Giorgi Técnica: bronze Acervo: Coleção Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paul bucólica Data de criação: 1951 Autores: Bruno Giorgi Técnica: bronze patinado Dimensões: 86.50 x 73.00 cm Acervo: Acervo Banco Itaú

×