MemóRia De Um Sargento De MilíCias 2

6.780 visualizações

Publicada em

memorias de um sargento de milícias

Publicada em: Turismo, Educação
  • Seja o primeiro a comentar

MemóRia De Um Sargento De MilíCias 2

  1. 2. ORGANIZAÇÃO ESTRUTURAL     1) A novela está dividida em duas partes bem distintas: a primeira com 23 capítulos e a segunda com 25.     2) Os episódios são quase autônomos, só ligados pela presença de Leonardo, dando à obra uma estrutura mais de novela que de romance, como já ficou observado.     3) O leitor acompanha o crescimento do herói com sua infância rica em travessuras, a adolescência com as primeiras ilusões amorosas e aventuras, e o adulto, que, com o senso de responsabilidade, que essa idade exige, vai-se enquadrando na sociedade, o que culmina com o casamento.       4) Para Mário de Andrade, trata-se de uma novela picaresca de influência hispânica.       Manuel Bandeira, em uma de suas crônicas, conta que o grande escritor espanhol Francisco Ayala leu a novela e, de tão encantado, traduziu-a para o espanhol e escreveu no prefácio a palavra que melhor lhe pareceu qualificá-la: obra-prima, acrescentando que As Memórias se inserem na linhagem dos romances picarescos. E olhe que Ayala é da terra da ficção picaresca. Ninguém, pois, melhor qualificado para conferir a láurea.       Não obstante, o nosso pícaro tem características próprias, que o afastam do modelo espanhol, como ressalta o critico Antônio Cândido, m “Dialética da Malandragem”: “Digamos então que Leonardo não é um pícaro saído da tradição espanhola, mas sim o primeiro grande malandro que entra na novelística brasileira, vindo de uma tradição folclórica e correspondendo, mais do que se costuma dizer, a certa atmosfera cômica e popularesca de seu tempo, no Brasil.
  2. 3. <ul><li>5) Freqüentemente identificadas por suas profissões e caracteres físicos, as personagens se enquadram na categoria de planas, não apresentando, portanto, traços psicológicos densos e profundos. O protagonista da estória (Leonardo), que foge completamente aos padrões de herói romântico, é igualmente uma personagem plana, sem traços psicológicos profundos que marquem a sua personalidade. </li></ul><ul><li>      Assim, pois, predomina sempre o sentido visual e não a percepção psicológica. Os personagens distinguem-se pelo físico de absoluta nitidez, não falam, e algumas figuras ficam mudas quase todo o tempo, como acontece com Luisinha e o próprio Leonardo. </li></ul><ul><li>      6) Na construção da obra, muitas vezes há falhas que se explicam devido ao fato de o livro ter sido escrito em meio à algazarra de uma república de estudantes, como testemunha o biógrafo de Manuel Antônio, Marques Rebelo: </li></ul><ul><li>      a) A amante de Leonardo pai, na primeira parte, figura como sobrinha da parteira; na segunda, aparece como filha desta. </li></ul><ul><li>      b) Por outro lado, os primos de Vidinha inicialmente eram três e no final só aparecem dois. </li></ul><ul><li>      c) A moça cujo rapto foi atribuído a José Manuel aparece como filha de uma viúva, mas, pouco depois, o mesmo José Manuel foi salvo graças ao pai da rapariga. </li></ul><ul><li>      d) Ao contrário do que ocorre nas obras de “memórias”, aqui a narrativa não é feita em primeira pessoa como acontece geralmente com esse gênero literário, mas em terceira pessoa; talvez porque não se trata realmente de um livro de memórias. </li></ul><ul><li>      e) Para Paulo Rónai, que traduziu a obra para o francês, o título deveria ser: “Como se Faz um Sargento de Milícias , pois, segundo confessa, teve tentação de colocar, como titulo, na tradução francesa -“Comment on devi ent un Sargent de la Mi/ice ‘. Já para Olívio Montenegro, o título poderia ser: “Cenas da Vida Carioca”. </li></ul>
  3. 4. <ul><li>ESTILO DE ÉPOCA </li></ul><ul><li>      Tendo surgido em pleno Romantismo, Memórias de um Sargento de Milícias apresenta uma narrativa desembaraçada, com conversações colhidas ao vivo e uma multidão de personagens vivos, extraídos da gente do povo, primando pela originalidade. </li></ul><ul><li>      Entretanto, podem-se detectar, na obra, aspectos que traem não só o Romantismo como o Realismo: </li></ul><ul><li>      1) Não parece ser muito apropriado considerar o livro como obra precursora do Realismo no Brasil, embora seu autor haja revelado conhecer a “Comédia Humana”, de Balzac, e ter recebido influências dela. </li></ul><ul><li>      Falta-lhe, sem dúvida, a intenção realista, apesar da presença de muitos elementos denunciadores desse estilo de época, como ressalta José Veríssimo: “o autor pratica, no romance brasileiro, o que já é licito chamar obra psicológica e de meio: a descrição pontual, a representação realista das coisas, mas fugindo às cruezas. </li></ul><ul><li>      2) Ao contrário do que ocorre no Romantismo, o cenário não é o dos palácios reais com festas e diversões ao gosto dos nobres, nem a natureza; são as ruas cheias de gente, por onde desfilam meirinhos, parteiras, devotas, granadeiros, sacristães, vadios, brancos, pardos e pretos: gente do povo, de todas as raças e profissões. Povo sem nome, simplesmente designado por mestre de reza, parteira, barbeiro, toma largura, etc. Assim, existe, no livro, uma preocupação documental bem ao gosto realista. </li></ul>
  4. 5. <ul><li>3)-Além disso, destacam-se na obra o sentimento anti-religioso e anticlericalista, o horror aos padres e o desprezo pelas beatas, a caricatura e a ironia, que são ingredientes sabidamente caracterizadores do estilo realista: </li></ul><ul><li>      - ‘O Divino Espírito Santo </li></ul><ul><li>      E um grande folião, </li></ul><ul><li>      Amigo de muita carne. </li></ul><ul><li>      Muito vinho e muito pão. </li></ul><ul><li>      A cena do clérigo, mestre de cerimônias, no quarto de uma cigana prostituta, em noite de festa e nos trajes em que o autor o coloca é digna de mestres do Realismo, como Eça de Queiroz, por exemplo. </li></ul>
  5. 6. <ul><li>Por outro lado, a presença do Romantismo também é notória na obra: </li></ul><ul><li>      1) A busca do passado, que é uma fixação comum no estilo romântico, serve de ponto de partida para o autor, como se vê na abertura do livro: “Era no tempo do rei”. </li></ul><ul><li>      Conforme ressalta Paulo Rónai, “orgulha-se o autor de não participar dos exageros românticos, mas, saudoso do passado, explica o interesse pelos tempos antigos com a alegação de querer mostrar que os costumes de outrora não eram superiores aos de seu tempo. Só mero pretexto: ele só não admitia os excessos dos ultra-românticos.” </li></ul><ul><li>      2) Como é freqüente no Romantismo, que tem, ao lado de uma certa tendência para finais tétricos, propensão para as conclusões açucaradas, todos os capítulos e a própria novela terminam num “happy end”, ou final feliz. </li></ul>
  6. 7. <ul><li>3) A despreocupação com a correção gramatical e o aproveitamento da fala e de expressões populares mostram bem a tendência para a liberalização da expressão, que é outra conquista do Romantismo, forjada na esteira do liberalismo da época, como revelam os exemplos abaixo: </li></ul><ul><li>      A vista disto nada havia a duvidar: o pobre homem perdeu. como se costuma dizer, as estribeiras,...” </li></ul><ul><li>      &quot;Quando amanheceu, acordou sarapantado....&quot; </li></ul><ul><li>      &quot;— Olá, Leonardo! Por que carga d ‘água vieste parar a estas alturas? Pensei que te tinha já o diabo lambido os ossos, pois depois daquele maldito dia em que nos vimos em pancadaria, por causa do mestre-de-cerimônias, nunca mais te pus a vista em cima.” </li></ul><ul><li>      &quot;— Escorropicha essa garrafa que ai resta, disse-lhe o amigo... </li></ul><ul><li>      “— Fui para casa de meu pai... e de repente, hoje mesmo. brigo lá com a cuja dele...” </li></ul><ul><li>      Na onda dessa liberalização, há verdadeiras incorreções gramaticais, conforme atestam estes exemplos: </li></ul><ul><li>      &quot;Naquela família haviam três primos.” </li></ul><ul><li>      “ Nas causas de sua imensa alçada não haviam testemunhas...” </li></ul><ul><li>      &quot;...ele expôs-me certas coisas... e que eu enfim não quis dar crédito.” </li></ul><ul><li>      &quot;... Fazia o mestre em voz alta o pelo-sinal. pausada e vagarosamente, no que o acompanhava em coro todos os discípulos.” </li></ul>
  7. 8. <ul><li>4) Como é comum no Romantismo, algumas situações são criadas artificialmente. Revela-o sobretudo o fato de Leonardo transformado em granadeiro e posteriormente em Sargento de Milícias. </li></ul><ul><li>      Assim, embora apresente características que lembram os estilos realista e romântico, Memórias de um Sargento de Milícias se destaca por sua originalidade, afastando-se dos padrões da época, como observou Mário de Andrade, que considerava essa novela uma obra isolada. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>LINGUAGEM </li></ul><ul><li>      1) A linguagem utilizada pelo autor em toda a novela, embora de cunho popular e com bastantes incorreções, tem muito do linguajar tipicamente português, o que revela, sem dúvida, a marcante presença da gente lusitana em nossa terra no “tempo do rei”: </li></ul><ul><li>      &quot;Não quero cá saber de nada...” </li></ul><ul><li>      &quot;— Pois estoure, com trezentos diabos!” </li></ul><ul><li>      &quot;... há de ser um clérigo de traz.” </li></ul><ul><li>      &quot;... regulando-se a ouvir modinhas...” </li></ul><ul><li>      &quot;— E a noiva?.., respondia a outra: arrenego também da lambisgoia... </li></ul><ul><li>      E outras expressões como tira-te lá, tranco-te essa boca a socos; mais pequena, com a cuja dele, etc. </li></ul>
  9. 10. <ul><li>2) Outras vezes prima por usar construções bem clássicas: </li></ul><ul><li>      &quot;... o que o distinguia era ver-se-lhe constantemente ./ora de um dos bolsos, o cabo de uma tremenda palmatória,...&quot; </li></ul><ul><li>      “ Coimbra era a sua idéia fixa, e nada /ha arrancava da cabeça.&quot; </li></ul><ul><li>      &quot;... e quando tiver 12 ou 14 anos há de me entrar para a escola. </li></ul><ul><li>      &quot;... e isto era natural a um bom português, que o era ele.” </li></ul>
  10. 11. <ul><li>3) A ironia e o gosto pela gozação acompanham a obra do começo ao fim. </li></ul><ul><li>      &quot;A carruagem era um formidável, um monstruoso maquinismo de couro, balançando-se pesadamente sobre quatro desmesuradas rodas. Não parecia coisa muito nova; e com mais de dez anos de vida poderia muito bem entrar no número dos restos infelizes do terremoto, de que fala o poeta. </li></ul><ul><li>      “ Luisinha, conduzida por D. Maria, que lhe ia servir de madrinha, embarcou num dos destroços da arca de Noé. a que chamamos carruagem; &quot; </li></ul><ul><li>      “ Entre os honestos cidadãos que nisto se ocupavam, havia, na época desta história um certo Chico-Juca. afamadíssimo e temível.” </li></ul><ul><li>      “ Eis aqui como se explica o arranjei-me, e como se explicam muitos outros que vão ai pelo mundo.” </li></ul>
  11. 12. <ul><li>ASPECTOS TEMÁTICOS MARCANTES </li></ul><ul><li>      1) Para Antônio Soares Amora, “a intenção do autor, ao escrever seu romance de folhetins para a “Pacotilha”, não é difícil perceber; oferecer ao leitor, de um lado, um romance engraçado, pelos tipos que nele entravam, pelas suas expressões, pelas suas atitudes e ações; de outro, um romance de costumes populares, de um Rio que deixara de existir, com a modernização da vida carioca, iniciada no decênio de 1830; um Rio do começo do século, ronceiro e roceiro, mas bem mais pitoresco e alegre, pelas despreocupações de sua gente e pelas festas populares (procissões, folias do Divino, fogos no Campo de Santana, as súcias), e por isso um Rio de que os mais velhos, nos anos de 1850, se recordavam com nostalgia.” </li></ul>
  12. 13. <ul><li>2) Além desses aspectos citados, que configuram bem a “época do Rei” (início do século XIX, quando D. João VI esteve no Brasil fugido de Napoleão), destaca-se também no livro o anticlericalismo típico da época, em que se expõem as safadezas de padres e outros podres da Igreja de Roma. </li></ul><ul><li>      &quot;— Olá, Leonardo! Por que carga d ‘água vieste parar a estas alturas? Pensei que te tinha já o diabo lambido os ossos, pois depois daquele maldito dia em que nos vimos em pancadaria, por causa do mestre-de-cerimônias, nunca mais te pus a vista em cima.” </li></ul><ul><li>      &quot;— Escorropicha essa garrafa que ai resta, disse-lhe o amigo... </li></ul><ul><li>      “— Fui para casa de meu pai... e de repente, hoje mesmo. brigo lá com a cuja dele...” </li></ul><ul><li>      Na onda dessa liberalização, há verdadeiras incorreções gramaticais, conforme atestam estes exemplos: </li></ul><ul><li>      &quot;Naquela família haviam três primos.” </li></ul><ul><li>      “ Nas causas de sua imensa alçada não haviam testemunhas...” </li></ul><ul><li>      &quot;...ele expôs-me certas coisas... e que eu enfim não quis dar crédito.” </li></ul><ul><li>      &quot;... Fazia o mestre em voz alta o pelo sinal. pausada e vagarosamente, no que o acompanhava em coro todos os discípulos.” </li></ul>

×