SlideShare uma empresa Scribd logo
Conselho Escolar
e o aproveitamento significativo
do tempo pedagógico
Ministério da Educação
Secretaria de Educação Básica
Brasília - DF
Novembro de 2004
Presidente da República
Luiz Inácio Lula da Silva
Ministro da Educação
Tarso Genro
Secretário-Executivo
Fernando Haddad
Secretário de Educação Básica
Francisco das Chagas Fernandes
CONSELHO ESCOLAR
E O APROVEITAMENTO SIGNIFICATIVO
DO TEMPO PEDAGÓGICO
Diretor do Departamento de Articulação e Desenvolvimento
dos Sistemas de Ensino
Horácio Francisco dos Reis Filho
Coordenador-Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional
dos Sistemas de Ensino
Arlindo Cavalcanti de Queiroz
Coordenação Técnica
José Roberto Ribeiro Junior
Apoio Técnico-Pedagógico
Ana Maria Brigatte
Fátima Maria Magalhães Belfort
Maurício Rodrigues de Araújo
Sílvia Marina Ribeiro Amaral da Silva
Apoio
Daniela Alves Neves
Josemam Luiz da Silva
Lorena Lins Damasceno
Elaboração
Ignez Pinto Navarro
Lauro Carlos Wittmann
Luiz Fernandes Dourado
Márcia Ângela da Silva Aguiar
Regina Vinhaes Gracindo
Capa e editoração
Fernando Horta
Ilustração
Rogério M. de Almeida
Revisão
Ludimila Viana Barbosa
Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica
Conselho escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico /
elaboração Ignez Pinto Navarro... [et al.]. – Brasília : MEC, SEB, 2004.
64 p. : il. (Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares, caderno 4)
1. Conselho escolar. 2. Educação escolar. 3. Tempo escolar. I. Navarro, Ignes
Pinto. II. Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares. III. Título.
CDU 37.014.63
CDU 37.018.2
Apresentação ..............................................................................................................7
Introdução ...................................................................................................................10
Parte I – A escola pública como espaço de exercício
do direito de cidadania ...........................................................................................12
1.1 Educação de qualidade e a organização da escola ........................................12
1.2 O Conselho Escolar e a avaliação da aprendizagem ..................................29
Parte II – Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente .........................43
2.1 As atividades escolares e a formação cidadã do estudante .....................43
2.2 O tempo pedagógico e o Conselho Escolar ...............................................51
Referências ...................................................................................................................62
Sumário
8
9
Apresentação
“Tudo o que a gente puder fazer no sentido de
convocar os que vivem em torno da escola, e dentro
da escola, no sentido de participarem, de tomarem
um pouco o destino da escola na mão, também. Tudo
o que a gente puder fazer nesse sentido é pouco ainda,
considerando o trabalho imenso que se põe diante de
nós que é o de assumir esse país democraticamente.”
Paulo Freire
A Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação, por meio da
Coordenação-Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Siste-
mas de Ensino do Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Siste-
mas de Ensino, vem desenvolvendo ações no sentido de implementar o Pro-
grama Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares.
Esse Programa atuará em regime de colaboração com os sistemas de ensi-
no, visando fomentar a implantação e o fortalecimento de Conselhos Escola-
res nas escolas públicas de educação básica.
O Programa conta com a participação de organismos nacionais e internacio-
nais em um Grupo de Trabalho constituído para discutir, analisar e propor
medidas para sua implementação.
Participam do Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares:
Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed)
União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime)
10
Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE)
Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef)
Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura
(Unesco)
Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).
O material instrucional do Programa é composto de um caderno instrucional
denominado Conselhos Escolares: Uma estratégia de gestão democrática da educa-
ção pública, que é destinado aos dirigentes e técnicos das secretarias munici-
pais e estaduais de educação, e seis cadernos instrucionais destinados aos con-
selheiros escolares, sendo:
Caderno 1 – Conselhos Escolares: Democratização da escola e constru-
ção da cidadania
Caderno 2 – Conselho Escolar e a aprendizagem na escola
Caderno 3 – Conselho Escolar e o respeito e a valorização do saber e da
cultura do estudante e da comunidade
Caderno 4 – Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo
pedagógico
Caderno 5 – Conselho Escolar, gestão democrática da educação e esco-
lha do diretor
Caderno de Consulta – Indicadores da Qualidade na Educação.
Este é um dos cadernos instrucionais, e pretende, assim como os demais,
servir de subsídio às secretarias estaduais e municipais de educação na reali-
zação de capacitações de conselheiros escolares, seja por meio de cursos
presenciais ou a distância. É objetivo também do material estimular o debate
entre os próprios membros do Conselho Escolar sobre o importante papel desse
colegiado na implantação da gestão democrática na escola.
O material instrucional não deve ser entendido como um modelo que o
Ministério da Educação propõe aos sistemas de ensino, mas, sim, como uma
contribuição ao debate e ao aprofundamento do princípio constitucional da
gestão democrática da educação.
Vale ressaltar que não é propósito deste material esgotar a discussão sobre
11
o tema; muito pelo contrário, pretende-se dar início ao debate sobre essa ques-
tão, principalmente tendo como foco o importante papel do Conselho Escolar.
Muitos desafios estão por vir, mas com certeza este é um importante passo
para garantir a efetiva participação das comunidades escolar e local na gestão
das escolas, contribuindo, assim, para a melhoria da qualidade social da edu-
cação ofertada para todos.
Ministério da Educação
12
“Ai de nós, educadores, se deixarmos de sonhar
sonhos possíveis. Os profetas são aqueles ou aque-
las que se molham de tal forma nas águas da cul-
tura e da sua história, da cultura e da história de
seu povo, que conhecem o seu aqui e o seu agora e,
por isso, podem prever o amanhã que eles, mais do
que adivinham, realizam.”
Paulo Freire
Introdução
13
Este caderno, intitulado Conselho Escolar e o
aproveitamento significativo do tempo pedagógico,
integra o Programa Nacional de Fortalecimento dos
Conselhos Escolares e tem como objetivo contribuir
com o Conselho Escolar no exercício democrático e
responsável de acompanhamento das atividades na
escola, especialmente com relação ao aproveitamen-
to do tempo pedagógico. Com o propósito de discu-
tir essa questão, o caderno está estruturado em duas
partes. Na primeira, abordamos a escola como es-
paço de exercício do direito de cidadania. Nela
problematizamos o modo como a escola se organiza
para atender ao direito do estudante de ter acesso a
uma escola de qualidade. Na segunda parte, trata-
mos especificamente da organização da escola e do
tempo pedagógico, considerando a participação do
Conselho Escolar nesse processo. Nos dois itens,
abrimos espaço para ouvir a voz da escola, nos qua-
dros intitulados: Fala Escola!
14
A Escola pública como espaço de
exercício do direito de cidadania
1.1 Educação de qualidade e a organização da escola
É
função da escola formar o cidadão, assegurando ao estudante o aces-
so e a apropriação do conhecimento sistematizado, mediante a ins-
tauração de um ambiente propício às aprendizagens significativas e
às práticas de convivência democrática.
Para cumprir sua função precípua de favorecer essa formação, a escola pre-
cisa construir/instituir, de forma coletiva, um projeto político-pedagógico. Si-
tuamos o Projeto Político-Pedagógico, no Caderno 2, como instrumento de plane-
jamento coletivo, capaz de resgatar a unidade do trabalho escolar e de garantir que não
haja uma divisão entre os que planejam e os que executam. Elaborado, executado e
avaliado de forma conjunta, tem uma nova lógica. Nesse processo, todos os segmentos
planejam, garantindo a visão do todo, e todos executam, mesmo que apenas parte desse
todo. Com isso, de posse do conhecimento de todo o trabalho escolar, os diversos profissio-
nais e segmentos envolvidos (gestores, técnicos, funcionários da escola, docentes, dis-
centes, pais e comunidade local) cumprem seus papéis específicos, sem torná-los estan-
ques e fragmentados.
O Projeto Político-Pedagógico constitui o norte orientador das atividades
curriculares e da organização da escola e se expressa nas práticas cotidianas,
traduzindo os compromissos institucionais relativos ao direito, consagrado nas
leis brasileiras e garantido a todos, sem distinção de qualquer natureza, de acesso
à educação escolar pública, gratuita e de qualidade referenciada pelo social.
Parte I
15
De que modo a escola pode
se organizar para atender ao direito do
estudante de ter acesso a uma
educação de qualidade?
A
escola precisa se organizar de forma ade-
quada com o propósito de constituir um
espaço favorável à plena formação do es-
tudante. Alguns estudos têm demonstrado que vá-
rios e importantes fatores podem fazer a diferença.
Tomemos como exemplo alguns dos resultados de
uma pesquisa realizada por Casassus (2002) sobre
“escolas bem-sucedidas”, em países da América La-
tina, que põe em relevo alguns desses fatores.
Esse pesquisador aponta para algumas caracte-
rísticas de uma escola que favorece as aprendizagens:
1) Conta-se com prédios adequados.
2) Dispõe-se de materiais didáticos e uma
quantidade suficiente de livros e recursos na
biblioteca.
3) Há autonomia na gestão.
4) Os docentes têm uma formação inicial pós-
médio.
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
16
5) Há poucos estudantes por professor na sala de aula.
6) Os docentes têm autonomia profissional e assumem a responsabilidade
pelo êxito ou fracasso de seus estudantes.
7) Pratica-se a avaliação de forma sistemática.
8) Não há nenhum tipo de segregação.
9) Os pais se envolvem com as atividades da comunidade escolar.
10) O ambiente emocional é favorável à aprendizagem (CASASSUS, 2002).
É evidente que tais características, em países como o Brasil, só poderão
decorrer de políticas definidas e implementadas em nível macro e de políticas
direcionadas à melhoria da escola. Contudo, o (re)conhecimento desses fato-
res certamente constitui mais um estímulo para impulsionar a caminhada em
direção à organização de uma escola de boa qualidade.
A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) dispõe que “a
educação básica tem por finalidade desenvolver o educando, assegurando-
lhe a formação comum indispensável para o exercício da cidadania, e forne-
cer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores” (art. 22). E
fornece o amparo legal para que a escola se organize de formas variadas, des-
de que sejam observadas as normas curriculares e os demais dispositivos da
legislação. Assim, de acordo com a LDB, são dadas várias opções para a orga-
nização da escola:
a) em séries anuais ou períodos semestrais;
b) em ciclos, por alternância regular de períodos de estudos;
c) por grupos não-seriados, com base na idade, na competência e em ou-
tros critérios;
d) e, ainda, por formas diversas de organização, sempre que o interesse do
processo de aprendizagem assim o recomendar (art. 23).
Cabe aos sistemas de ensino delimitar a forma de organização das escolas,
como preceituam os vários dispositivos da Lei n. 9.394/96.
À escola cabe, no âmbito do Projeto Político-Pedagógico, explicitar as for-
mas de organização que adota e que deverão constar do regimento escolar. É
A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
17
Pesquisa sobre “escolas bem-sucedidas”, em países da
América Latina, aponta para algumas características de
uma escola que favorece as aprendizagens.
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
18
importante ressaltar que em vários estados e municípios vêm ocorrendo ex-
periências e novas formas de organização do trabalho escolar.
Tradicionalmente, predominou, nos sistemas de ensino e nas escolas, a or-
ganização em séries anuais ou períodos semestrais. A LDB veio introduzir
inovações nesse terreno: instituiu a flexibilidade de organização, ou seja, re-
conheceu o princípio da autonomia dos sistemas de ensino e das escolas. Essa
flexibilização tem um aspecto importante, pois, se, de um lado, permite a uti-
lização de mecanismos para enfrentar a questão cultural crônica da reprova-
ção escolar, presente nos sistemas de ensino, de outro lado favorece a abertu-
ra da escola a amplos contingentes da população na educação básica.
Atenção! Tal flexibilidade vem acompanhada de exigências de controle por
parte do poder público, para assegurar um ensino de qualidade. Como já foi
visto no Caderno 2, o Conselho Escolar tem um papel importante no acompa-
nhamento desse processo.
A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
19
Como pode ser assegurada
a qualidade do ensino?
R
efletir sobre essa questão é muito
estimulante, especialmente se con-
siderarmos que, em muitos países,
a educação básica é oferecida em horário
integral, enquanto no Brasil se verifica
uma jornada escolar reduzida.
Muito embora ainda tenhamos um lon-
go caminho a percorrer até ser atingida a
ampliação da jornada escolar para todos os
estudantes, reconhecemos que são vários os
mecanismos e os instrumentos inclusos na
LDB que visam assegurar a qualidade do
ensino, a exemplo das referências feitas aos
calendários escolares e à organização do ano
letivo. Vamos examiná-los um pouco mais
de perto:
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
20
A) Os calendários escolares – O que diz a lei?
Admite o planejamento das atividades letivas em períodos que
independem do ano civil.
Recomenda, sempre que possível, o atendimento das condições de or-
dem climática, econômica ou outras que justifiquem a medida, sem re-
dução da carga de 800 horas anuais. Esse dispositivo visa beneficiar, de
modo especial, a educação que ocorre no campo.
B) O ano letivo – O que dispõe a lei?
Aumenta o ano letivo para 200 dias de trabalho escolar efetivo, excluído o
tempo reservado aos exames finais, quando previsto no calendário escolar.
Aumenta a carga horária mínima para 800 horas anuais. Atenção! O art.
24, I, refere-se a horas e não a horas-aula, a serem cumpridas no ensino
fundamental e, também, no ensino médio. Trata-se, portanto, do período
de 60 minutos.
Obriga ao mínimo de “oitocentas horas, distribuídas por um mínimo de
duzentos dias de efetivo trabalho escolar” . Ou seja, 800 horas de 60 mi-
nutos, o que integraliza um total anual de 48.000 minutos.
Define a jornada escolar: A jornada escolar no ensino fundamental incluirá
pelo menos quatro (4) horas de trabalho efetivo em sala de aula, ou seja,
trata-se de 240 minutos diários, no mínimo. Há ressalvas em relação aos
cursos noturnos e outras formas mencionadas no art. 34, § 1°. Mesmo
nessas situações, as 800 horas anuais deverão ser cumpridas.
Sinalizaparaotempointegral:“Oensinofundamentalseráministradoprogressi-
vamente em tempo integral, a critério dos sistemas de ensino” (art. 34, § 2°).
Estabeleceocumprimentodacarga horária:ashoras-aulaprogramadasdeverão
ser cumpridas, pela escola e pelo professor (arts. 12, III, e 13, V).
C) O que cabe à escola fazer diante desses dispositivos?
Definir a duração de cada módulo-aula, de acordo com as conveniências de
ordem metodológica ou pedagógica a serem consideradas. Mas... atenção!
A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
21
É indispensável que esses módulos, somados, totalizem 800 horas, no míni-
mo, e sejam ministrados em pelo menos 200 dias letivos.
Tais dispositivos traduzem uma preocupação do legislador em procurar
estabelecer, em lei, as condições necessárias para garantir o tempo de apren-
dizagem ao estudante. No interior dessas demarcações legais, a escola pode
organizar as suas atividades curriculares considerando a realidade em que
está inserida e o seu Projeto Político-Pedagógico.
De que forma a escola
organiza as atividades
escolares?
P
ara responder a tal questio-
namento, é preciso ressal-
tar, inicialmente, que a ativi-
dade escolar não se realiza exclusiva-
mente em sala de aula. A depender do
contexto em que se insere, são múlti-
plas as possibilidades de outros locais
que a escola pode identificar para a
realização do trabalho pedagógico de
natureza teórica ou prática. Poderão
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
22
ser desenvolvidas atividades concernentes a leituras, pesquisas ou trabalhos
em grupo, contato com o meio ambiente e com artefatos culturais e artísticos,
nesses locais, visando à plena formação do estudante.
Dado ser esse o entendimento em relação aos dispositivos legais, pode-se
considerar que toda e qualquer programação incluída na proposta pedagógi-
ca da instituição, com exigência de freqüência e sob a responsabilidade de
professores habilitados, será caracterizada como atividade escolar. Essa flexi-
bilidade, no entanto, traz grandes responsabilidades para a gestão da escola e
para a condução do processo de ensino-aprendizagem, com exigências espe-
cíficas aos gestores e docentes.
Para efetivar essas atividades curriculares considerando o tempo de apren-
dizagem do estudante, os docentes e gestores precisam desenvolver práticas
democráticas de reorganização do fazer cotidiano e da gestão da escola,
com objetivos pedagógicos claros, incentivando posturas de comprometi-
mento da comunidade escolar.
A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
23
A escola pode promover práticas pedagógicas
que favoreçam a reflexão e a interação do
estudante com as demais atividades
humanas de natureza cultural e artística.
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
24
De que modo as classes ou
turmas podem ser organizadas?
C
omo foi visto anteriormente, a organi-
zação de classes ou turmas está previs-
ta na LDB. A legislação dispõe, ainda,
que as classes ou turmas poderão ser organiza-
das, independentemente de séries ou períodos,
para grupamento de estudantes com níveis equi-
valentes de adiantamento na matéria, para o ensino
de língua estrangeira, artes ou outros componentes
curriculares (art. 24, IV).
Muitas escolas, atualmente, no país, adotaram
a organização em ciclos escolares ou ciclos de apren-
dizagem. Assim o fizeram, por considerar que a
matriz curricular por seriação anual da educa-
ção escolar está impregnada de uma lógica
produtivista, que legitima a fragmentação e a
desarticulação do currículo. Essas escolas e sis-
A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
25
A maturidade social, cultural e cognitiva para
apreender os processos relacionados à construção do
conhecimento não é a mesma de um aluno para outro.
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
26
temas de ensino entenderam que, ao introduzir essa nova matriz curricular,
estariam concorrendo para o estabelecimento de uma nova lógica de pensar a
escola e o currículo, a exemplo da opção feita pela Secretaria de Educação do
Município de Recife, em Pernambuco, cuja proposta de organização de ciclos
de aprendizagem está apoiada nos princípios que seguem:
1)Princípio da igualdade: Preconiza a possibilidade de acesso ao conheci-
mento científico, cultural e socialmente construído pela humanidade, para
todos, possibilitando, ainda, aos diferentes, diferentes formas, tempos e espa-
ços de aprendizagem. A ótica do direito ao conhecimento garante ao estudan-
te a permanência na escola e sua promoção escolar, como condição necessária
ao seu desenvolvimento.
2)Princípio do reconhecimento das diferenças: Parte da compreensão
das possibilidades distintas de cada um, entendendo que a maturidade so-
cial, cultural e cognitiva para apreender os processos relacionados à cons-
trução do conhecimento não é a mesma de um estudante para outro. Se a
heterogeneidade marca a espécie humana e a cada pessoa como espécie úni-
ca e complexa, assim também precisa ser focado o processo de aprendiza-
gem, considerando diferentes ritmos e processos particularizados de apren-
dizagem e de convivência.
3)Princípio da integralidade: Estabelece a ruptura com a padronização, a
seriação e a fragmentação do conhecimento e define ações e objetivos que
priorizem a organização do trabalho em situações de aprendizagem, verifi-
cando, sistematicamente, a construção e a progressão da aprendizagem dos
estudantes. A lógica do ciclo contempla o processo contínuo, dinâmico,
dialético e dialógico, marcado por conflitos, posicionamentos e exigências do
ponto de vista da relação ensino/aprendizagem/realidade social, sofisticando
as aprendizagens em situações complexas, diversificadas e interativas. Essa
perspectiva, defendida pela pedagogia progressista, redimensiona o tempo
escolar, a reorganização do trabalho pedagógico e a relação pedagógica, antes
aprisionada pelas “grades” da escola e pelo sistema seriado.
4)Princípio da autonomia: Capacita o sujeito à reflexão, ao debate, à to-
A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
27
mada de decisão de acordo com interesses, necessidades e motivações pró-
prias, sem, no entanto, compartilhar de uma lógica de referência individua-
lista. A autonomia é entendida no sentido democrático e se efetiva para além
do que é particularmente pensado e desejado, com prioridades baseadas em
critérios de escolha que considerem o que é importante para o sujeito e, ao
mesmo tempo, o que é relevante para a coletividade. Esse princípio exige
uma prática pedagógica que exercite a solidariedade e efetive a cultura de
tomada de decisão coletiva, o que fortalece a dimensão democrática do ato
educativo (Doc. SEC/PCR, 2001, p.31-32).
Para o Conselho Escolar, é importante entender as razões da adoção de
um determinado tipo de organização das classes e turmas. Nesse sentido, pro-
cura verificar, mediante a utilização de alguns indicadores (Caderno Indicado-
res da Qualidade na Educação), entre outros aspectos já mencionados nos Cader-
nos desta série, se o tipo de organização das classes tem favorecido a existên-
cia de práticas pedagógicas mais integradas na instituição. E se essas práticas
favorecem a articulação das atividades curriculares considerando de forma
adequada os tempos e os espaços escolares.
Nesse contexto, o Conselho Escolar tem um papel fundamental, tanto na
observação da organização da escola quanto em relação ao tempo pedagógi-
co. Vejamos alguns aspectos que poderão ser observados e ser objeto de sua
intervenção, quando tal ação se fizer necessária.
Para que a escola possa garantir um tratamento igualitário a todos, é neces-
sário considerar as diferenças. Nesse sentido, é importante possibilitar aos
estudantes tempos diferenciados para favorecer o processo de aprendizagem.
As propostas de ciclos escolares e de recuperação de estudos, que estão conti-
das na LDB, têm esse espírito.
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
28
FALA ESCOLA!
Na ESCOLA AZUL, o maior desafio para os docentes,
ao organizarem as situações de aprendizagem, é, sem
dúvida, considerar a heterogeneidade dos estudantes.
Assim, discutem e analisam propostas de atividades
didáticas que, além de, potencialmente, serem portado-
ras de significados para a vida do estudante, são com-
patíveis e flexíveis com as formas e o tempo de suas
aprendizagens. Os docentes consideram necessário com-
partilhar com os estudantes o sentido dessas ativida-
des, discutindo em sala de aula os objetivos e as finali-
dades das tarefas que as compõem e o tempo necessário
para que os estudantes demonstrem sua aprendizagem,
favorecendo, assim, uma compreensão e consciência
maior do trabalho que desenvolvem e que possibilita as
progressões. Por isso estabeleceram um calendário com
reuniões periódicas visando reorganizar os tempos e as
situações de aprendizagem na escola.
A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
29
Um aspecto desse debate chama a atenção: ao se examinar a questão da
garantia da igualdade, os indicadores têm apontado para a forte discrimina-
ção que existe, especialmente em relação às diversas etnias e raças, particular-
mente aos afro-descendentes. Sobre essa questão, vale a pena citar o Parecer
CNE/CP n. 003/2004 – Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das
Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira
e Africana:
Combater o racismo, trabalhar pelo fim da desigualdade social e racial, empreen-
der reeducação das relações étnico-raciais não são tarefas exclusivas da escola. As
formas de discriminação de qualquer natureza não têm o seu nascedouro na esco-
la, porém o racismo, as desigualdades e as discriminações correntes na sociedade
perpassam por ali. Para que as instituições de ensino desempenhem a contento o
papel de educar, é necessário que se constituam em espaço democrático de produ-
ção e divulgação de conhecimentos e de posturas que visam a uma sociedade
justa. A escola tem papel preponderante para eliminação das discriminações e
para emancipação dos grupos discriminados, ao proporcionar acesso aos conheci-
mentos científicos, a registros culturais diferenciados, à conquista de
racionalidade que rege as relações sociais e raciais, a conhecimentos avançados,
indispensáveis para consolidação e concerto das nações como espaços democrá-
ticos e igualitários.
Em virtude das condições econômicas e sociais desfavoráveis, marca his-
tórica da sociedade brasileira, é bem possível que um grande contingente de
crianças e adolescentes venha requerer uma ampliação do tempo pedagógico
para alcançar o padrão de desempenho escolar desejável. Tal possibilidade é
direito que elas têm. Cabe à escola se organizar para garanti-lo. E, ao Conse-
lho Escolar, acompanhar e verificar os resultados desses procedimentos pe-
dagógicos.
O Conselho Escolar poderá obter uma visão mais realista sobre a adequa-
ção do tempo escolar às atividades pedagógicas propostas pelos docentes, se
fomentar a abertura de espaços para que seja dada visibilidade aos processos
formativos que envolvam os estudantes e os docentes. Para isso pode contri-
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
30
buir a realização de feiras de conhecimento, seminários com relatos de experiên-
cias, desenvolvimento de projetos e outras iniciativas similares. Cabe ao Con-
selho ficar atento aos sinais que evidenciam que os estudantes estão sendo
respeitados em seu ritmo de aprendizagem e que, de fato, a reorganização do
trabalho pedagógico favorece esse ritmo. Aliado ao empenho dos docentes é
necessário garantir as condições dignas de trabalho.
O Conselho Escolar pode auxiliar a escola na ampliação de sua autonomia
em relação à condução das atividades pedagógicas e administrativas, sem que
ela perca sua vinculação com as diretrizes e normas do sistema público de
ensino. Nesse sentido incentiva as medidas que são tomadas visando à ins-
tauração ou ao aprofundamento das relações democráticas entre todos os seg-
mentos que a compõem, sem perder de vista que o objetivo último e mais
importante é que tal clima favoreça, de fato, as aprendizagens dos estudantes.
O perigo a afastar é que, em nome de processos democráticos, se verifique
a negação do processo formativo, por meio do descompromisso em relação às
condições que favoreçam a progressão de cada estudante. É imprescindível
ter clareza que o incentivo às formas democráticas de convivência escolar tem
por premissa o estabelecimento de condutas construídas coletivamente, que
auxiliem a efetivação de práticas pedagógicas e considerem o ritmo individual
do estudante. O Conselho Escolar constitui o espaço mais adequado para, de
forma compartilhada, dirimir as dúvidas, encontrar saídas alternativas e propor
novas condutas de participação individual e coletiva no ambiente escolar.
O tempo de permanência do estudante na escola é tempo das aprendiza-
gens intelectual, sociocultural, afetiva e ética. É, portanto, tempo que não pode
ser desperdiçado sob nenhuma hipótese. Exercer um acompanhamento qua-
lificado desse tempo é tarefa nobre do Conselho Escolar.
A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
31
1.2 O Conselho Escolar e a avaliação
da aprendizagem
Como se processa a avaliação
do estudante?
A
escola é responsável pela verifica-
ção do rendimento do estudante,
mediante instrumentos previstos
no regimento escolar e observadas as diretri-
zes da lei. Esse é um aspecto que constitui um
permanente desafio para os educadores. De
acordo com a legislação vigente, podem ser
consideradas a avaliação contínua e a cumu-
lativa, em que prevalecem os aspectos quali-
tativos sobre os quantitativos, bem como os
resultados ao longo do ano sobre os de pro-
vas ou exames finais, quando adotados.
A avaliação constitui um elemento central
na organização da prática pedagógica, na
medida em que favorece o processo de cons-
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
32
trução do conhecimento. De fato, pode-se, por meio dos procedimentos e me-
canismos de avaliação, constatar, compreender e intervir nos processos de
construção do conhecimento. Processual, reflexiva e cumulativa, a avaliação
concorre, entre outros aspectos, para a definição do tempo e das formas de
promoção do estudante.
Para a efetivação dessas avaliações, o tempo terá que ser considerado, ten-
do em vista que o resultado dos processos de aprendizagem aparecem ao lon-
go da vida. Contudo, todos sabemos que o desempenho dos estudantes é afe-
rido em diversos momentos durante o ano letivo, e há o reconhecimento de
que a ampliação do tempo escolar é imprescindível para o seu amadureci-
mento intelectual e afetivo.
Vale salientar que o resultado do desempenho escolar nos fornece apenas
uma “fotografia”, em um determinado tempo, das condições de aprendizado
do estudante, mas não avança na indicação do que é necessário fazer para
melhorar o ensino e as práticas pedagógicas. É preciso ir mais fundo, em bus-
ca das causas do sucesso ou do insucesso escolar, examinando a lógica políti-
co-pedagógica que norteia o ambiente escolar. Certamente, nessa busca, o tem-
po necessário à aprendizagem constituirá um fator determinante.
A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
33
FALA ESCOLA!
Na ESCOLA AZUL, os docentes discutem a con-
cepção de aprendizagem e de avaliação que dão a
base de sustentação da organização das classes em
ciclos de aprendizagem. Essas concepções estão
apoiadas no respeito ao tempo, ao espaço e aos pro-
cedimentos da prática pedagógica que levem em
conta as diferenças e as necessidades de cada estu-
dante. Essas discussões não ficam apenas no plano
didático, vão além, incorporando aspectos da ges-
tão da escola e da política educacional. Os docentes
estão conscientes de que desenvolver uma ação pe-
dagógica comprometida com a transformação re-
quer que os meios materiais estejam disponibi-
lizados. Consegui-los faz parte também da agenda
das entidades que agregam a categoria dos profissio-
nais da educação. Todas essas dimensões são deba-
tidas nas reuniões que realizam, o que os torna mais
fortalecidos como profissionais que buscam inter-
ferir nas políticas que podem melhorar as condi-
ções de trabalho na escola.
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
34
A relação com o saber é relação com o mundo, em
um sentido geral, mas é, também, relação com
esses mundos particulares (meios, espaços) nos
quais a criança vive e aprende.
A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
35
Nos diversos encontros de professores que ocorrem no país fica patente
que estes reconhecem a necessidade de adequação dos processos, procedi-
mentos e mecanismos de avaliação à própria natureza dos componentes
curriculares. E reconhecem que não se trata de algo simples de abordar. O
que está em pauta é nada menos do que a própria relação com o saber. Nessa
perspectiva, Bernard Charlot (2000) muito contribui com suas pesquisas para
a compreensão desses aspectos.
Charlot nos diz que as crianças são confrontadas com a necessidade de aprender,
ao encontrarem, em um mundo já presente:
objetos-saberes, isto é, objetos aos quais um saber está incorporado: livros, mo-
numentos e obras de arte, programas de televisão “culturais...”;
objetos cujo uso deve ser aprendido, desde os mais familiares (escova de dente,
cordões do sapato...) até os mais elaborados (máquina fotográfica, computador...);
atividades a serem dominadas, de estatuto variado: ler, nadar, desmontar um
motor;
dispositivos relacionais nos quais há que entrar e formas relacionais das quais se
devem apropriar, quer se trate de agradecer, quer de iniciar uma relação amorosa.
Diante do que ele denomina “figuras do aprender”, o autor explicita que
aprender é exercer uma atividade em situação: em um local, em um momento da
sua história e em condições de tempo diversas, com a ajuda de pessoas que ajudam
a aprender. A relação com o saber é relação com o mundo, em um sentido geral,
mas é, também, relação com esses mundos particulares (meios, espaços) nos quais
a criança vive e aprende (2000, p. 67).
Nesse sentido, podemos entender que o espaço e o tempo da escola, ao
expressarem situações mobilizadoras, trazem para a criança e para o jovem a
oportunidade de se relacionar com esses mundos. Diante disso, os docentes
têm a grande responsabilidade de estruturar situações estimuladoras da
curiosidade e da atenção dos estudantes. Não é tarefa fácil, ao se considerar
que, em geral, os estudantes oriundos das famílias populares estão se depa-
rando com um mundo que não foi estruturado em seu favor.
Charlot traz, ainda, uma contribuição importante para a nossa reflexão, ao
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
36
afirmar que: aprende-se porque se tem oportunidades de aprender, em um momen-
to em que se está mais ou menos disponível para aproveitar essas oportunidades; às
vezes, entretanto, a ocasião não voltará a surgir; aprender é, então, uma obrigação
(ou uma “chance” que se deixou passar).
Essas afirmações ajudam a realçar a importância da organização da escola
para favorecer o processo de aprendizagem. Convencido dessa importância,
o Conselho Escolar deverá ficar atento para que não se subestime o tempo de
aprender no espaço escolar. Isso deverá ser considerado nos processos
avaliativos.
A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
37
E se a escola verificar que alguns
estudantes não apresentam o
aproveitamento escolar
esperado?
A
resposta a essa questão é direta:
o estudante tem o direito de dis-
por de mais tempo para avançar
em suas aprendizagens, e a escola tem o de-
ver de favorecer esse tempo de acordo com
as suas necessidades.
FALA ESCOLA!
A ESCOLA AZUL, ao verificar que alguns estu-
dantes não apresentaram o aproveitamento neces-
sário nos estudos anteriormente realizados, procu-
ra identificar as razões que motivaram esse desem-
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
38
A LDB prevê a aceleração de estudos para estudantes com atraso escolar,
bem como o avanço nos cursos e nas séries mediante verificação do aprendi-
zado, além do aproveitamento de estudos anteriores concluídos com êxito
(art. 24, V).
penho, visando rever aspectos da prática pedagógica
que levaram ao insucesso escolar. Em princípio já sabe
que o tempo poderá ser um aliado importante na
organização de novas experiências de aprendizagem
para que esses estudantes superem as dificuldades
detectadas. Assim, de modo coletivo, analisam e ava-
liam essas dificuldades e organizam, de forma criati-
va, uma nova proposta de trabalho com previsão do
tempo necessário para que os estudantes de fato alcan-
cem um novo patamar em suas aprendizagens.
A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
39
FALA ESCOLA!
É tempo dos estudos de recuperação! É direito do
estudante! É dever da escola oferecê-los de modo atra-
ente e motivador!
A ESCOLA AZUL está atenta à situação de apren-
dizagem dos estudantes. Desde cedo, a direção e os
professores informam aos estudantes e aos pais ou
responsáveis que, se for necessário ao avanço da
aprendizagem, o estudante terá direito, durante todo
o ano letivo, a usufruir mais tempo para realizar
estudos de recuperação. Com esse objetivo são orga-
nizadas reuniões com o propósito de informar e dis-
cutir com os estudantes e os respectivos pais ou res-
ponsáveis sobre essa possibilidade. Essas reuniões
estão previstas no calendário da escola, são muito
concorridas e constituem momentos muito pro-
pícios para abordar outros aspectos do projeto
pedagógico da escola.
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
40
A recuperação paralela, isto é, aquela que se faz em horário diferente das
atividades regulares do estudante, traz vantagens para o estudante, tendo em
vista que lhe serão ofertadas as condições necessárias para que consiga ad-
quirir e processar novas aprendizagens em um outro patamar. A escola sabe
que esta será uma situação de aprendizagem que requer ser bem planejada,
pois o estudante revisitará conteúdos e atividades que já foram vivenciados
de alguma outra forma.
A nova vivência do estudante será bem-sucedida se a sua aprendizagem
for, de fato, significativa, tiver sentido. O tempo pedagógico será o principal
aliado do estudante e do professor. Do estudante, que poderá usufruir de
novas aprendizagens em um tempo mais distendido. Do professor, que dis-
porá de maior espaço de tempo para organizar as situações de ensino-apren-
dizagem de modo mais flexível, criativo e eficaz.
A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
41
E se o tempo da recuperação
não for suficiente para o
estudante aprender?
O
s estudos e pesquisas na área já de-
monstraram que cada estudante tem
seu próprio ritmo de aprendizagem.
Para aqueles cujas aprendizagens ainda são
consideradas insuficientes chama-se novamen-
te o precioso aliado – o tempo. Mais tempo para
a organização de novas situações de aprendi-
zagens significativas concluído o ano ou o pe-
ríodo letivo regular.
É importante salientar que a lei dispõe que
os estudos de recuperação são obrigatórios, e a
escola deverá deslocar a sua preferência para o
decurso do ano letivo. Antes, eram obrigatórios
entre os anos ou períodos letivos regulares.
Há conteúdos nos quais certos conhecimen-
tos se revelam muito importantes para a aqui-
sição de outros com eles relacionados. A busca
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
42
da recuperação paralela se constitui, portanto, um instrumento muito útil nesse
processo (LDB, art. 24, V, “e”).
Aos estudantes que realizaram os estudos paralelos de recuperação, mas
ainda permanecem com dificuldades, a escola “poderá voltar a oferecê-los,
depois de concluído o ano ou o período letivo regular, por atores e instrumen-
tos previstos na proposta pedagógica e no regimento escolar” (Parecer CEB/
CNE n. 05/97).
FALA ESCOLA!
Na ESCOLA AZUL, a freqüência do estudante às
atividades escolares é muito valorizada. A organiza-
ção do trabalho pedagógico permite que professores
e estudantes percebam a ausência eventual de um
deles. Todos querem saber as razões que provocaram
essa ausência, considerando que esta prejudica a con-
tribuição singular de cada estudante ao processo de
construção coletiva do conhecimento naquele espa-
ço escolar. Esse procedimento tem concorrido para a
elevação da auto-estima dos estudantes, que se sen-
tem considerados no ambiente escolar. Os estudan-
tes percebem que quando faltam às aulas todos dei-
xam de ser beneficiados com a sua contribuição.
A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
43
A forma de proceder dessa escola está de acordo com o que dispõe a LDB.
Essa lei, além de valorizar a freqüência, permite à escola adotar mecanismo
de reclassificação, de aceleração de estudos e de avanços progressivos, de modo
que elimine, gradualmente, as distorções idade/série, produzidas pela cultu-
ra da reprovação.
Entretanto, é importante ressaltar que, diferentemente da lei anterior (Lei
n. 5.692/71), a verificação do rendimento escolar não inclui a freqüência como
parte desse procedimento. Na atual LDB, são tratados separadamente: apro-
veitamento e assiduidade.
Ou seja: a verificação se dá por meio de diversos instrumentos e busca iden-
tificar o grau de progresso do estudante nos conteúdos/atividades, bem como
detectar as suas dificuldades, visando o estabelecimento de estudos de recupe-
ração, previstos no regimento escolar. E o controle de freqüência permite situar
a presença do estudante nas atividades escolares programadas, das quais está
obrigado a participar de, pelo menos, 75% do total da carga horária prevista.
Atenção! A LDB fixa a exigência de um mínimo de 75% (setenta e cinco por
cento) de freqüência, considerando o “total de horas letivas para aprovação”.
Em casos de necessidade, o estudante tem o direito de faltar até o limite de
25% (vinte e cinco por cento) do referido total. O controle da freqüência fica a
cargo da escola, de acordo com o disposto no seu regimento e nas normas do
respectivo sistema do ensino.
A freqüência de que trata a lei passa a ser apurada, agora, sobre o total da
carga horária do período letivo. Não será mais sobre a carga específica de
cada componente curricular, como dispunha a lei anterior. Entretanto, é ne-
cessário enfatizar que somente serão computados nas oitocentas horas, os com-
ponentes curriculares que o estudante esteja obrigado a cumprir, nelas não se
incluindo, por exemplo, a educação física nos cursos noturnos.
É oportuno lembrar, ainda, que apesar de a legislação prever a reprovação,
esta é uma situação que a escola precisa evitar sempre! Ou seja, a ela cabe esta-
belecer mecanismos preventivos para que o tempo escolar seja cumprido pelos
estudantes, garantindo-lhes as condições necessárias para o sucesso escolar.
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
44
A figura da dependência não mais aparece no texto da nova LDB, porque
agora o sistema seriado não é mais a forma privilegiada de organização
curricular, ainda que ele seja admitido. E a dependência é recurso característi-
co de tal organização. O estudante é promovido à série seguinte com possibi-
lidades de dependência de aprovação em componentes curriculares em que
não tenha demonstrado aproveitamento.
Nas escolas que optarem pelo regime seriado ou “progressão regular por
série, o regimento escolar pode admitir formas de progressão parcial, desde
que preservada a seqüência do currículo” (art. 24, III), o que possibilita a de-
pendência. Chama-se a atenção para o fato de que, de modo diferente da le-
gislação anterior, os conteúdos a serem incluídos nessa progressão parcial serão
fixados de acordo com os critérios de cada instituição de ensino, observando
o respectivo regimento escolar.
Depreende-se desses dispositivos a centralidade do requisito tempo para
que sejam asseguradas pela escola as condições propícias às aprendizagens
dos estudantes.
A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
45
Tempo escolar – a mediação
pedagógica consciente
2.1 As atividades escolares e a formação cidadã do estudante
A
escola pública, laica e republicana alcança sua plenitude quando se
constitui um espaço de construção do conhecimento e do exercício
da crítica às relações sociais vigentes, buscando a transformação da
ordem social injusta e desigual. É, portanto, espaço da crítica e da utopia.
Tais atributos constituem um permanente desafio para a escola, conside-
rando, de um lado, a natureza reprodutora das relações sociais vigentes e, de
outro, o impulso para gerar novas formas de sociabilidade.
Nas condições socioeconômicas em que vivem os segmentos majoritários da
sociedade brasileira, a escola ocupa um lugar de destaque ao cumprir a sua
tarefa precípua – a de ser um locus de produção, de sistematização e de sociali-
zação do conhecimento produzido, ao longo do tempo, pela humanidade.
Tempo-espaço são categorias que sempre estiveram no centro da preocu-
pação humana com a vida. O ser humano reconhece no tempo a sua existên-
cia finita. Com o avanço científico-tecnológico, o tempo e o espaço passaram a
ser dimensionados em função de novas possibilidades criadas pelo homem.
A escola está situada num determinado espaço e tem que saber lidar com a
simultaneidade e a complexidade do tempo de hoje.
A escola pode ser um espaço de tempo de vivências democráticas. A vida
escolar ocorre em um determinado tempo e em determinado espaço. À escola
é atribuída a tarefa imensa de favorecer aos estudantes a compreensão do
movimento dialético que impregna as relações entre o homem, a natureza e a
Parte II
46
Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente
À escola é atribuída
a tarefa imensa de
favorecer aos
estudantes a
compreensão
do movimento
dialético que
impregna as relações
entre o homem,
a natureza e
a cultura no
continuum
do tempo.
47
cultura no continuum do tempo. Para exercer essa tarefa é necessário atentar
para o tempo escolar e exercer uma mediação pedagógica consciente. O tem-
po escolar, aqui entendido, compreende o período de vivência pedagógica
dos estudantes no ambiente escolar durante o curso básico. O tempo escolar é
o tempo pedagógico de aprendizagens significativas para toda a vida.
Freitas (2004) chama-nos a atenção para a importância da organização dos
tempos e espaços da escola no processo ensino-aprendizagem. Diz esse autor
que foram os liberais que denunciaram, há pelo menos 40 anos, a lógica per-
versa dos tempos e espaços da escola. Diz esse autor:
...se submetemos os diferentes ritmos dos alunos a um único tempo de aprendiza-
gem, produziremos a diferenciação dos desempenhos dos alunos. Cada um cami-
nhará a seu ritmo dentro de um mesmo tempo único, logo, uns dominam tudo e
outros, menos. Caso se queira unificar desempenhos (nível elevado de domínio
para todos) há que se diversificar o tempo de aprendizagem. Para tal é preciso
permitir que cada um avance a seu ritmo usando todo o tempo que seja necessário.
Este é um dos pontos de ancoragem da exclusão na escola – a seriação intra e
extraclasse das atividades, com tempo único. Mas note-se que não basta dar todo
o tempo necessário, é preciso que ele tenha ajuda igualmente diferenciada para
aprender (materiais diversificados, ajuda pontual durante o processo de aprendi-
zagem) de forma que este tempo adicional necessário possa ser suportável para a
escola e para o próprio aluno em sua aprendizagem. Estava também indicado o
elemento-chave para tornar a diversificação do tempo eficaz – a existência de
apropriadas formas de ajuda disponíveis para lidar com os diferentes alunos
(2004, p. 154-155).
Para assegurar esse tempo pedagógico, o currículo é definido em termos
oficiais. Nesse sentido, o estudante tem direito à continuidade e terminalidade
de estudos, o que envolve a definição/organização de atividades curriculares
no coletivo da escola. E, para que essas experiências sejam bem-sucedidas,
deve ser respeitado o ritmo, o tempo e as experiências dos estudantes.
A escola precisa estar atenta à organização significativa do trabalho peda-
gógico. Por isso a organização curricular deve ser pautada numa visão do
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
48
conhecimento interdisciplinar e transdisciplinar, que possibilita o estabeleci-
mento de relações recíprocas entre vivências, conteúdos e realidade.
As vivências escolares constituem um espaço adequado para que as rela-
ções pedagógicas sejam democráticas. Todas as oportunidades de inserção dos
estudantes em práticas democráticas deverão ser estimuladas pela escola.
A organização das atividades escolares deverá ter a marca de uma pedagogia
da autonomia, tendo em vista assegurar a formação cidadã do estudante.
Como a escola assegura a
progressão dos estudantes?
R
etornemos mais uma vez a Freitas,
quando chama a atenção para o fato
de que a progressão continuada é her-
deira da tradição liberal do domínio integral da
aprendizagem. Nessa perspectiva, pretende-se
que a escola se reorganize juntando séries,
modifique as formas de avaliação e introdu-
za inovações pedagógicas que venham a
compensar as diferenciações socioeconô-
micas, com o objetivo de permitir ritmos di-
Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente
49
FALA ESCOLA!
ferenciados em espaços maiores de tempo. Mas esse mesmo autor adverte
que a progressão continuada
reduz-se à questão da eliminação do tempo fixo e deixa sem solução a questão da
ajuda apropriada ao aluno, já que não se propõe a criar meios de atender aos
alunos em suas diferenças. Junta-os em outros períodos, às vezes sob a tutela de
outro professor que não conhece os alunos, de maneira que mantém o mesmo tipo de
ensino que não funcionou antes com esses alunos – ou pior, destina-se a enganá-los
com atividades que não produzirão a aprendizagem perdida. [...] É conhecida a pres-
são para que mesmo estes alunos que não conseguem se recuperar passem de ano ou
de ciclo (2004, p.155-156).
Entendendo tais limites, é necessário que a escola discuta a questão da pro-
gressão continuada considerando dois aspectos relacionados entre si: as polí-
ticas governamentais, em nível nacional e em nível local, que buscam estabe-
lecer melhores condições para o processo de ensino-aprendizagem, e a pró-
pria organização e dinâmica pedagógica escolar. Como afirma Freitas: “Não
basta dar mais tempo para o estudante aprender. É preciso exercer uma ação
eficaz no tempo adicional que ele passa na escola. A mera passagem do tempo
não gera aprendizagem” (2004, p. 156).
Na ESCOLA AZUL, os docentes e gestores orga-
nizam uma semana pedagógica para refletir sobre
as questões relativas à aprendizagem dos estudan-
tes e à própria organização do trabalho pedagógico.
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
50
Estão convencidos de que é necessário encarar to-
dos os momentos em que os estudantes estão na es-
cola como momentos pedagógicos, e, portanto, mo-
mentos em que são processadas muitas aprendiza-
gens importantes para suas vidas. Tal entendimen-
to os levou a procurar deixar mais claro para todos
o sentido do seu fazer pedagógico em função das
finalidades da escola, numa sociedade capitalista.
Para eles essa discussão tem sido muito rica por
proporcionar referências mais seguras para enten-
der a questão da progressão escolar.
De fato, como destacam vários estudiosos, somente uma pequena parte
do tempo, na escola, é dedicada à socialização e construção do conhecimen-
to. Como situa Enguita, “O resto, a maior parte, é empregado em forçar ou
evitar rotinas, em impor ou escapar ao controle, em manter ou romper a
ordem. A experiência da escolaridade é algo mais amplo, profundo e com-
plexo do que o processo de instrução” (1989, p. 158).
Esses comentários demonstram o nível de complexidade dessa discus-
são, bem como as decisões tomadas pelos sistemas de ensino e pelas escolas
quanto à progressão escolar, tendo em vista que envolvem as finalidades da
escola, a definição de objetivos e de estratégias que visem manter os estu-
dantes na escola.
Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente
51
FALA ESCOLA!
A ESCOLA AZUL, durante a Semana Pedagógica,
procurou avançar na discussão sobre progressão con-
tinuada, colocando como ponto central a pergunta:
Progressão Escolar: Por quê? Para quê? Como?
O debate foi acalorado, porque duas posições esta-
vam em confronto. Uma parte dos docentes conside-
rava que a escola deveria apoiar-se, de imediato, na
legislação e adotar a progressão continuada. Outros
docentes defendiam que a progressão somente fosse
adotada quando a escola tivesse condições materiais
e pedagógicas para proporcionar a recuperação para-
lela dos estudantes. Após muita discussão, o grupo
chegou ao seguinte consenso: seriam implementadas,
na escola, ações de reforço e recuperação paralela,
garantindo-se sistematicamente espaços para os
docentes discutirem as metodologias e os materiais didá-
ticos diferenciados.
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
52
Ao estudante é garantido por lei o direito de acesso aos níveis posteriores
de ensino, considerando o seu tempo de aprendizagem. Nas escolas que ado-
tam a progressão regular por série, deverá ser prevista a possibilidade da pro-
gressão parcial, desde que sejam observadas as normas emanadas do respecti-
vo sistema de ensino e preservada a seqüenciação do currículo.
Esse dispositivo viabiliza a promoção ao período seguinte, conforme o
regimento em vigor, respeitada a norma que o sistema de ensino estabelece
(art. 24, III).
Contudo, os esperados efeitos positivos da aplicação desse dispositivo para
a trajetória escolar do estudante estão, em parte, relacionados à capacidade de
a escola propor atividades pedagógicas inovadoras, relevantes e significati-
vas, considerando o tempo efetivo para que a aprendizagem possa ocorrer.
Ao longo desse processo, os docentes poderão fazer o registro do acompanha-
mento do estudante e do grupo, considerando as dimensões relativas ao co-
nhecimento, às atitudes e valores, às aprendizagens socioafetivas e culturais.
Esses subsídios serão utilizados para refletir sobre os efeitos que derivaram
da ação pedagógica e o seu redirecionamento de acordo com as necessidades
eventualmente constatadas.
É tarefa do Conselho Escolar acompanhar as formas como se realizam as
progressões dos estudantes, verificar de que modo estão se saindo nas recu-
perações propostas pelos docentes e quais resultados alcançaram, bem como
o tempo adequado para as atividades realizadas (Caderno de consulta).
Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente
53
2.2 O tempo pedagógico e o Conselho
Escolar
Qual é o sentido do tempo
pedagógico?
Q
uando se faz menção ao tempo pe-
dagógico, está-se aludindo ao tem-
po escolar que favorece a aquisição,
pelos estudantes, das aprendizagens significati-
vas. Esse tempo pedagógico está demarcado pe-
las normas instituídas pelas políticas educacionais
em nível macro e pelas decisões internas à escola.
Mas, além disso, refere-se também ao senti-
do pedagógico do tempo livre. Tempo suposta-
mente destinado ao lazer, às descobertas de ou-
tros sentidos, à fruição de prazeres, fora do es-
paço estritamente escolar. O tempo considerado
“livre” está também inserido no processo peda-
gógico, gerando novas aprendizagens e concor-
rendo para uma formação integrada do cidadão.
O tempo pedagógico não pode ser desperdi-
çado, sob pena de se assistir ao esvaziamento da
prática pedagógica que impulsiona o estudante
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
54
Os docentes farão o registro do acompanhamento do
estudante e do grupo, considerando as dimensões
relativas ao conhecimento, às atitudes e valores, às
aprendizagens socioafetivas e culturais.
Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente
55
FALA ESCOLA!
para atingir novos patamares de aprendizagens. Todos que participam da escola
são responsáveis em garantir que o tempo pedagógico não seja desperdiçado ou
esvaziado de sentido. Essa é uma das tarefas que o Conselho Escolar deve assumir.
Podemos assinalar que o Conselho Escolar é co-responsável pela amplia-
ção das oportunidades de aprendizagens significativas para os estudantes.
São várias as contribuições que podem ser dadas pelo Conselho Escolar em
relação a esse item.
Inicialmente, o Conselho Escolar pode estimular a participação qualificada
dos seus membros nas discussões coletivas, buscando objetivos comuns. Cabe-
lhe estimular a reflexão sobre o processo pedagógico e sobre o cotidiano da
escola. Tais reflexões propiciam a investigação sobre a realidade das comuni-
dades escolar e local em suas articulações com a sociedade mais ampla.
O Conselho Escolar da ESCOLA AZUL, ao se reunir
pela primeira vez, discutiu a necessidade de que todos os
participantes desse colegiado tivessem clareza da função
principal da escola e da importância de se considerar o
tempo pedagógico como um aspecto central do currículo.
Após muita discussão, o Conselho Escolar considerou ser
sua tarefa acompanhar as atividades escolares, de modo
que assegurasse que o tempo pedagógico fosse objeto de
atenção de todos que estavam diretamente envolvidos com
os estudantes, em particular os docentes e gestores.
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
56
O Conselho Escolar precisa estar preparado e estabelecer suas estratégias.
Duas funções lhe são demandadas: deliberar sobre as formas de promover os
princípios de convivência democrática no âmbito escolar e participar ativa-
mente dos processos avaliativos. Essas duas funções complementares visam
um único objetivo: assegurar, na instituição, um ambiente de aprendizagem
ao estudante, visando a sua formação cidadã.
A escola, por meio do currículo, organiza, socializa e constrói conhecimen-
tos e saberes que são situados historicamente. Quem determina que esse co-
nhecimento e não outro seja considerado? Quais são os interesses que estão
subjacentes à seleção desse conhecimento no currículo? Como esse conheci-
mento poderá ser desenvolvido pelo estudante?
Atenção! O Conselho Escolar deve estar atento ao fato de que o currículo e
as práticas pedagógicas não constituem um campo neutro. Tanto os especia-
listas, no Ministério ou secretarias de educação, como os docentes, os gestores
e demais segmentos da escola, ao definirem a política de ensino para uma
rede ou unidade escolar, estarão sempre refletindo visões particulares de
mundo, de sociedade, de escola, de aprendizagem e de ensino, entre outras.
De fato, entre outras concepções, o currículo pode ser concebido como “um
artefato cultural e como território contestado” (SILVA, 1999). O que significa
isso? Quer dizer que “currículo como campo cultural, como campo de cons-
trução e produção de significações e sentido, torna-se, assim, um terreno cen-
tral dessa luta de transformação das relações de poder” (idem, p. 30). Assim,
“o currículo, enquanto definição ‘oficial’ daquilo que conta como conhecimento
válido e importante, expressa os interesses dos grupos e classes colocados em
vantagem em relações de poder” (p. 29). De outro lado, “o currículo, ao ex-
pressar essas relações de poder, ao se apresentar, no seu aspecto ‘oficial’, como
representação dos interesses do poder, constitui identidades individuais e
sociais que ajudam a reforçar as relações de poder existentes, fazendo com
que os grupos subjugados continuem subjugados” (p. 29).
Se, na verdade, queremos mudar as relações de poder, no sentido de sua
democratização, a luta também se efetiva no campo do currículo. Lembremos:
Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente
57
o currículo não é um veículo de transmissão do conhecimento neutro. Ao con-
trário, “é o terreno em que ativamente se criará e produzirá cultura” (p. 28). E
as relações de poder também estão inscritas nas rotinas e rituais cotidianos da
escola e da sala de aula.
O tempo é um fator
importante na avaliação
escolar?
Q
uando estamos discutindo questões
relativas ao ensinar e ao aprender
sempre ouvimos a expressão ao lon-
go do ano letivo. Essa expressão aparece tam-
bém quando assinalamos algo relativo à ava-
liação da aprendizagem.
Nos últimos tempos, no país, tem ganhado
destaque, no acompanhamento do estudante e
do grupo, a prática de utilização de registros
pelo docente, aolongodoano letivo, como base
de um parecer ou uma apreciação final a res-
peito do desempenho escolar. Essa prática, ini-
cialmente utilizada no âmbito da educação in-
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
58
fantil, aos poucos vai sendo incorporada aos demais níveis da educação básica.
A utilização do registro tem-se revelado um instrumento importante para
a avaliação processual, tendo em vista que permite ao professor apreender de
forma mais sistemática o processo de desenvolvimento do estudante e do gru-
po, bem como o processo de construção do conhecimento pelo estudante. O
registro permite ao docente captar a dinâmica de sala de aula, refletir e, se for
o caso, redirecionar sua própria prática.
Nesse processo, o tempo é fundamental para que o docente possa identifi-
car os fatores de sua ação pedagógica que incidem no cotidiano escolar, bem
como possibilita analisar de forma mais consistente o desempenho de cada
um dos estudantes e do grupo. Para que isso possa vir a ser feito a contento, é
necessário que os docentes se apropriem dessa metodologia da observação.
Além disso, esses registros permitem aos docentes situar de forma mais
objetiva o desempenho dos estudantes nos momentos destinados às avalia-
ções coletivas. É bom destacar que tais observações e respectivos registros não
se restringem apenas aos conteúdos de sala de aula relacionados aos compo-
nentes curriculares, mas dizem respeito à própria vivência dos estudantes,
suas iniciativas, suas atividades e seus interesses.
Freitas contribui para ampliar o âmbito dessa discussão ao assinalar que a
lógica da avaliação não é independente da lógica da escola (2004, p. 157-158) . Esse
autor considera que o fenômeno da avaliação em sala de aula abrange pelo
menos três componentes:
O aspecto instrucional – o lado mais conhecido da avaliação –, pelo qual se ava-
lia o domínio de habilidades e conteúdos em provas, chamadas, trabalhos etc. Boa
parte das definições de avaliação somente capta esse elemento ao enfatizar que a
avaliação é para saber que o aluno aprendeu.
A avaliação do comportamento do aluno em sala – é um poderoso instrumento
de controle do ambiente escolar, já que permite ao professor exigir do aluno “obe-
diência” às regras. O poder dessa exigência está ligado ao fato de o professor ter a
possibilidade de aprovar ou reprovar, a partir do elemento anterior, ou seja, a par-
tir da avaliação da instrução. O autor chama a atenção para o fato de que
Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente
59
essa não é uma boa forma de controle, mas adverte que quando os ciclos ou
a progressão continuada impedem o uso da avaliação como forma de reprovar ou
reter o aluno, supondo que estão apenas interferindo com o plano instrucional,
impedem adicionalmente o exercício do poder do professor no processo de ensino-
aprendizagem da sala de aula, sem nada colocar no lugar, sequer a preparação do
professor e dos alunos para a nova situação. Como não há motivadores naturais
que o professor possa utilizar, a retirada dos motivadores artificiais (nota, repro-
vação etc.) desestabiliza as relações de poder existentes, obrigando o professor a
lançar mão de outras formas de controle, nem sempre mais adequadas.
A avaliação de valores e atitudes – ocorre cotidianamente em sala de aula e
consiste em expor o aluno a reprimendas verbais e físicas, comentários críticos e
até humilhações perante a classe, criticando seus valores e suas atitudes. Cabe
enfatizar que é no campo da avaliação de valores e atitudes, bem como no campo
da avaliação do comportamento do aluno, que se instala preferencialmente a lógi-
ca da submissão (2004, p. 157-158).
Considerando tais aspectos atribuídos à avaliação, chamamos a atenção
para dois pontos. Primeiramente, é provável que esses processos avaliativos
articulados ganhem maior intensidade, ao longo do tempo, reforçando as re-
lações de dominação e submissão dos estudantes aos professores e, no limite,
à ordem estabelecida. Em segundo lugar, se a escola quer escapar dessa lógi-
ca, de viés conformista, terá que pôr essas características em questão, median-
te a estruturação de momentos de reflexão e debate com o coletivo da escola.
Nesse encaminhamento, o Conselho Escolar tem um papel central, com pos-
sibilidades de influir no redirecionamento das práticas pedagógicas que cer-
ceiam a construção da autonomia dos estudantes.
Freitas, baseado nos estudos de Perrenoud (1986, p. 50), ainda alerta para
o fato de que a avaliação ocorre em dois planos: um formal e outro informal.
Em sua análise destaca que integram a avaliação formal as técnicas e os proce-
dimentos palpáveis de avaliação, como provas e trabalhos que conduzem a
uma nota; contudo, no que diz respeito à avaliação informal, acentua que pre-
dominam os juízos de valor invisíveis e que acabam por influenciar os resul-
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
60
O tempo é fundamental para que o docente
possa identificar os fatores de sua ação
pedagógica que incidem no cotidiano escolar.
Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente
61
tados das avaliações finais e são construídas pelos estudantes e professores
nas interações diárias. Essas interações criam, de forma permanente, repre-
sentações de uns sobre os outros.
O autor chama a atenção para um aspecto importante. Considera que a
parte mais delicada da avaliação localiza-se nos subterrâneos, onde imperam
os juízos de valor. Impenetráveis, eles passam a regular as relações entre estu-
dantes e professores. Nesse jogo de representações, vão sendo construídas
imagens e auto-imagens, que terminam interagindo com as decisões tomadas
pelo professor no plano metodológico. É exatamente aí que, como afirma
Freitas, “começa a ser jogado o destino dos alunos – para o sucesso ou para o
fracasso. As estratégias de trabalho do professor em sala de aula ficam
permeadas por tais juízos e determinam, consciente ou inconscientemente, o
investimento que o professor fará neste ou naquele aluno” (2004, p. 159).
No fundo, a questão crucial que esse autor levanta e que interessa a
todos os educadores é a seguinte: há uma lógica perversa nesse julgamen-
to informal, tendo em vista que quando chega a vez da avaliação formal, a
avaliação informal já atuou no nível da aprendizagem, de modo que a ten-
dência é a avaliação formal vir apenas confirmar os resultados da avalia-
ção informal. Ou seja,
as novas formas de exclusão atuam agora por dentro da escola. Adiam a
eliminação do aluno e internalizam o processo de exclusão, permitindo maior
tempo para a formação de atitudes de subordinação e obediência, típi-
cas das estruturas historicamente construídas na escola. Liberada da avaliação
formal, a avaliação informal cria trilhas diferenciadas de progressão com diferen-
ciados e variados momentos de terminalidade ou com a exclusão sendo feita em
anos mais elevados da estrutura escolar, quando a evasão já é tida como algo mais
natural e aceitável (idem).
É importante que o Conselho Escolar entre nessa discussão, considerando
que o tempo escolar, o processo ensino-aprendizagem e a avaliação não têm
um conteúdo abstrato. E como isso pode ser feito? Pondo em relevo as finali-
dades da escola e do Projeto Político-Pedagógico que norteiam o currículo e as
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
62
FALA ESCOLA!
ações pedagógicas. Aspectos do cotidiano escolar que precisam ser proble-
matizados podem ser escolhidos como temas de debates, exposições, pales-
tras, filmes e tantas outras atividades. O importante é que se destaque e se
analise a natureza das relações pedagógicas que são vivenciadas na escola
por seus diversos segmentos e que contribuem para dar uma determinada
feição a essa instituição.
A ESCOLA AZUL, que adotara a sistemática de
organização em ciclos escolares, decidiu enfrentar
uma questão que vinha incomodando há algum tem-
po: estudantes que progrediam de um nível para
outro, mas cujo desempenho escolar estava aquém
do esperado para esse patamar. Como fazê-lo de um
modo que impulsionasse a participação de todos?
Para tanto, contou com a ajuda do Conselho Esco-
lar que, juntamente com a direção, promoveu um
evento cultural, cujo destaque era um júri simula-
do com o tema: Progressão Continuada – Sim
ou Não? Esse júri, que contava com um corpo de
jurados constituído de representantes de docentes,
discentes, gestores, funcionários e da comunidade
Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente
63
local, foi antecedido da realização de diversas ativi-
dades em sala de aula que tratavam de vários aspec-
tos relacionados com a progressão. No dia do julga-
mento, o interesse pelo debate era visível entre estu-
dantes, professores e membros da comunidade. O
veredicto: Progressão continuada sim, mas com re-
gras e procedimentos metodológicos claros e passí-
veis de avaliação por todos os segmentos da escola.
É importante reiterar que os estudantes têm direito ao avanço na constru-
ção de seu conhecimento, bem como à terminalidade de seus cursos. Desse
modo, a formação integral e emancipadora dos estudantes implica a garantia
dessas condições, o exercício de participação da escola e o respeito às suas
singularidades históricas.
Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
64
AGUIAR, Márcia A. da S.; SILVA, Aída M. M. (Orgs.). Retrato da escola no
Brasil. Brasília: CNTE, 2004.
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei n. 9.394/96.
Disponível em: <www.mec.gov.br/legis/default.shtm>. Acesso em: 20 out.2004.
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei n. 9.394/96. 4.
ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2001. Apresentação de Carlos Roberto Jamil Cury.
BRASIL. Parecer n. 05/97 da Câmara de Educação Básica (CEB) do Conselho
Nacional de Educação (CNE). Disponível em: <www.mec.gov.br/cne/
parecer2.shtm>. Acesso em: 20 out.2004.
BRASIL. Parecer CNE/CP n. 003-2004: Diretrizes Curriculares Nacionais para
a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura
Afro-Brasileira e Africana. Disponível em: <www.mec.gov.br/cne/
parecer1.shtm>. Acesso em: 20 out.2004.
CASASSUS, Juan. A escola e a desigualdade. Brasília: Editora Plano, 2002.
CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber. Porto Alegre: Artmed Edi-
tora, 2000.
DOURADO, Luiz F. A gestão democrática e a construção de processos coleti-
vos de participação e decisão na escola. In: FERREIRA, Naura S. C.; AGUIAR,
Márcia A. da S. (Orgs.). Para onde vão a orientação e a supervisão educacio-
nal? Campinas, SP: Papirus, 2002.
ReferênciasReferênciasReferênciasReferênciasReferências
65
FERREIRA, Naura S. C.; AGUIAR, Márcia, A. da S. (Orgs.). Gestão da educa-
ção: impasses, perspectivas e compromissos. São Paulo: Cortez, 2000.
ENGUITA, M. F. A face oculta da escola. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.
FREITAS, Luiz C. A avaliação e as reformas dos anos de 1990. Educação &
Sociedade, Campinas, n. 86, p. 13-170, 2004.
GRACINDO, Regina Vinhaes. Projeto Político-Pedagógico: retrato da escola
em movimento. In: AGUIAR, Márcia A. da S.; SILVA, Aída M. M. (Orgs.).
Retrato da escola no Brasil. Brasília: CNTE, 2004.
PERRENOUD, P. Das diferenças culturais às desigualdades escolares: a
avaliação e a norma num ensino diferenciado. In: ALLAL, L.; CARDINET, J.;
PERRENOUD, P. Avaliação formativa num ensino diferenciado.Coimbra:
Almedina, 1986.
PREFEITURA DO RECIFE. Secretaria de Educação. Os ciclos de aprendizagem
e a organização escolar. Recife, 2001.
SILVA, Tomaz T. da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do
currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.
VEIGA, Ilma P. A.; RESENDE, Lúcia M. G. de (Orgs.). Escola: espaço do pro-
jeto político-pedagógico. Campinas, SP: Papirus, 1998.
WITTMANN, Lauro Carlos; GRACINDO, Regina Vinhaes (Coords.). O esta-
do da arte em política e gestão da educação no Brasil: 1991 a 1997. Brasília;
Campinas: ANPAE; Editora Autores Associados, 2001.
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA
Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino
Coordenação-Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de Ensino
Esplanada dos Ministérios, Bloco L, Sala 526 – Edifício-Sede
CEP 70047-901 – Brasília/DF
Telefones: (61) 2104-8666 / 2104-9284 - Fax: (61) 2104-8337
e-mail: conselhoescolar@mec.gov.br
Caderno 4 – conselho escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico.
Caderno 4 – conselho escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diagnóstico Psicopedagógico Clínico Aulas 1 e 2 - Prª Ivana Carvalho de Oliveira
Diagnóstico Psicopedagógico ClínicoAulas 1 e 2 - Prª Ivana Carvalho de OliveiraDiagnóstico Psicopedagógico ClínicoAulas 1 e 2 - Prª Ivana Carvalho de Oliveira
Diagnóstico Psicopedagógico Clínico Aulas 1 e 2 - Prª Ivana Carvalho de Oliveira
Bia Paula
 
Currículo - Pedagogia para Concursos
Currículo - Pedagogia para ConcursosCurrículo - Pedagogia para Concursos
Currículo - Pedagogia para Concursos
Adriano Martins
 
As teorias crítico-reprodutivas da educação
As teorias crítico-reprodutivas da educaçãoAs teorias crítico-reprodutivas da educação
As teorias crítico-reprodutivas da educação
Paula Viegas
 
Ética e o profissional da educação
Ética e o profissional da educaçãoÉtica e o profissional da educação
Ética e o profissional da educação
Gerisval Pessoa
 
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianosGestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Ulisses Vakirtzis
 
Indisciplina escolar
Indisciplina escolarIndisciplina escolar
Indisciplina escolar
Carla Choffe
 
Aula 02 orientação educacional
Aula 02   orientação educacionalAula 02   orientação educacional
Aula 02 orientação educacional
Karine Silva
 
6 relacionamento professor aluno
6 relacionamento professor aluno6 relacionamento professor aluno
6 relacionamento professor aluno
Orientar Consultoria Ltda
 
Entrevista com coordenador pedagógico
Entrevista com coordenador pedagógicoEntrevista com coordenador pedagógico
Entrevista com coordenador pedagógico
Vanessa Rocha
 
A BNCC NA EDUCAÇÃO INFANTIL E NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL.pptx
A BNCC NA EDUCAÇÃO INFANTIL E NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL.pptxA BNCC NA EDUCAÇÃO INFANTIL E NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL.pptx
A BNCC NA EDUCAÇÃO INFANTIL E NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL.pptx
MannuellaAlmeida2
 
Indisciplina x disciplina apresentação em slides
Indisciplina x disciplina apresentação em slidesIndisciplina x disciplina apresentação em slides
Indisciplina x disciplina apresentação em slides
Deise Delf
 
Prática educativa, pedagogia e didática
Prática educativa, pedagogia e didáticaPrática educativa, pedagogia e didática
Prática educativa, pedagogia e didática
Victor Nilu Fabiana Barros
 
A relação família-escola
A relação família-escolaA relação família-escola
A relação família-escola
Thiago de Almeida
 
AEE
AEEAEE
Aee. sala multifuncional
Aee. sala multifuncionalAee. sala multifuncional
Aee. sala multifuncional
Marcélia Amorim Cardoso
 
PRÁTICA PEDAGÓGICA III
PRÁTICA PEDAGÓGICA IIIPRÁTICA PEDAGÓGICA III
PRÁTICA PEDAGÓGICA III
UFMA e UEMA
 
Como se resolve a indisciplina
Como se resolve a indisciplinaComo se resolve a indisciplina
Como se resolve a indisciplina
Docência "in loco"
 
Apresen tação o supervisor escolar em ação- adilaine- - cópia
Apresen tação o supervisor escolar em ação- adilaine- - cópiaApresen tação o supervisor escolar em ação- adilaine- - cópia
Apresen tação o supervisor escolar em ação- adilaine- - cópia
Eunice Mendes de Oliveira
 
Educação Inclusiva Desafio no Ambiente Escolar e na Pratica Pedagógica
Educação Inclusiva Desafio no Ambiente Escolar e na Pratica PedagógicaEducação Inclusiva Desafio no Ambiente Escolar e na Pratica Pedagógica
Educação Inclusiva Desafio no Ambiente Escolar e na Pratica Pedagógica
Secretaria de Educação e Cultura - SEMEC aAcari
 
Projeto Político Pedagógico
Projeto Político PedagógicoProjeto Político Pedagógico
Projeto Político Pedagógico
nadjelena
 

Mais procurados (20)

Diagnóstico Psicopedagógico Clínico Aulas 1 e 2 - Prª Ivana Carvalho de Oliveira
Diagnóstico Psicopedagógico ClínicoAulas 1 e 2 - Prª Ivana Carvalho de OliveiraDiagnóstico Psicopedagógico ClínicoAulas 1 e 2 - Prª Ivana Carvalho de Oliveira
Diagnóstico Psicopedagógico Clínico Aulas 1 e 2 - Prª Ivana Carvalho de Oliveira
 
Currículo - Pedagogia para Concursos
Currículo - Pedagogia para ConcursosCurrículo - Pedagogia para Concursos
Currículo - Pedagogia para Concursos
 
As teorias crítico-reprodutivas da educação
As teorias crítico-reprodutivas da educaçãoAs teorias crítico-reprodutivas da educação
As teorias crítico-reprodutivas da educação
 
Ética e o profissional da educação
Ética e o profissional da educaçãoÉtica e o profissional da educação
Ética e o profissional da educação
 
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianosGestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
 
Indisciplina escolar
Indisciplina escolarIndisciplina escolar
Indisciplina escolar
 
Aula 02 orientação educacional
Aula 02   orientação educacionalAula 02   orientação educacional
Aula 02 orientação educacional
 
6 relacionamento professor aluno
6 relacionamento professor aluno6 relacionamento professor aluno
6 relacionamento professor aluno
 
Entrevista com coordenador pedagógico
Entrevista com coordenador pedagógicoEntrevista com coordenador pedagógico
Entrevista com coordenador pedagógico
 
A BNCC NA EDUCAÇÃO INFANTIL E NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL.pptx
A BNCC NA EDUCAÇÃO INFANTIL E NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL.pptxA BNCC NA EDUCAÇÃO INFANTIL E NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL.pptx
A BNCC NA EDUCAÇÃO INFANTIL E NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL.pptx
 
Indisciplina x disciplina apresentação em slides
Indisciplina x disciplina apresentação em slidesIndisciplina x disciplina apresentação em slides
Indisciplina x disciplina apresentação em slides
 
Prática educativa, pedagogia e didática
Prática educativa, pedagogia e didáticaPrática educativa, pedagogia e didática
Prática educativa, pedagogia e didática
 
A relação família-escola
A relação família-escolaA relação família-escola
A relação família-escola
 
AEE
AEEAEE
AEE
 
Aee. sala multifuncional
Aee. sala multifuncionalAee. sala multifuncional
Aee. sala multifuncional
 
PRÁTICA PEDAGÓGICA III
PRÁTICA PEDAGÓGICA IIIPRÁTICA PEDAGÓGICA III
PRÁTICA PEDAGÓGICA III
 
Como se resolve a indisciplina
Como se resolve a indisciplinaComo se resolve a indisciplina
Como se resolve a indisciplina
 
Apresen tação o supervisor escolar em ação- adilaine- - cópia
Apresen tação o supervisor escolar em ação- adilaine- - cópiaApresen tação o supervisor escolar em ação- adilaine- - cópia
Apresen tação o supervisor escolar em ação- adilaine- - cópia
 
Educação Inclusiva Desafio no Ambiente Escolar e na Pratica Pedagógica
Educação Inclusiva Desafio no Ambiente Escolar e na Pratica PedagógicaEducação Inclusiva Desafio no Ambiente Escolar e na Pratica Pedagógica
Educação Inclusiva Desafio no Ambiente Escolar e na Pratica Pedagógica
 
Projeto Político Pedagógico
Projeto Político PedagógicoProjeto Político Pedagógico
Projeto Político Pedagógico
 

Destaque

Conselhos escolares uma estratégia de gestão democrática da educação pública.
Conselhos escolares uma estratégia de gestão democrática da educação pública.Conselhos escolares uma estratégia de gestão democrática da educação pública.
Conselhos escolares uma estratégia de gestão democrática da educação pública.
Najara Nascimento
 
Caderno 3 – conselho escolar e o respeito e a valorização do saber e da cultu...
Caderno 3 – conselho escolar e o respeito e a valorização do saber e da cultu...Caderno 3 – conselho escolar e o respeito e a valorização do saber e da cultu...
Caderno 3 – conselho escolar e o respeito e a valorização do saber e da cultu...
Najara Nascimento
 
Caderno 5 – conselho escolar, gestão democrática da educação e escolha do dir...
Caderno 5 – conselho escolar, gestão democrática da educação e escolha do dir...Caderno 5 – conselho escolar, gestão democrática da educação e escolha do dir...
Caderno 5 – conselho escolar, gestão democrática da educação e escolha do dir...
Najara Nascimento
 
Caderno 1 – conselhos escolares democratização da escola e construção da cida...
Caderno 1 – conselhos escolares democratização da escola e construção da cida...Caderno 1 – conselhos escolares democratização da escola e construção da cida...
Caderno 1 – conselhos escolares democratização da escola e construção da cida...
Najara Nascimento
 
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Najara Nascimento
 
Caderno 6 – conselho escolar como espaço de formação humana círculo de cultur...
Caderno 6 – conselho escolar como espaço de formação humana círculo de cultur...Caderno 6 – conselho escolar como espaço de formação humana círculo de cultur...
Caderno 6 – conselho escolar como espaço de formação humana círculo de cultur...
Najara Nascimento
 
Caderno 7 –conselho escolar e o financiamento da educação no brasil
Caderno 7 –conselho escolar e o financiamento da educação no brasilCaderno 7 –conselho escolar e o financiamento da educação no brasil
Caderno 7 –conselho escolar e o financiamento da educação no brasil
Najara Nascimento
 
Material eleicao conselho escolar 22 08_11
Material eleicao conselho escolar 22 08_11Material eleicao conselho escolar 22 08_11
Material eleicao conselho escolar 22 08_11
Simone Simões
 
Orientaes colegiado escolar
Orientaes   colegiado escolarOrientaes   colegiado escolar
Orientaes colegiado escolar
Najara Nascimento
 
5. Conselho Escolar Ida
5. Conselho Escolar Ida5. Conselho Escolar Ida
5. Conselho Escolar Ida
Sandra Luccas
 
Slides conselho escolar
Slides conselho escolarSlides conselho escolar
Slides conselho escolar
cezarjeri
 
Pnaic caderno 6
Pnaic caderno 6Pnaic caderno 6
Pnaic caderno 6
Daniela Menezes
 
PAIC + LIVRO DO ALUNO MATEMÁTICA 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE
PAIC + LIVRO DO ALUNO MATEMÁTICA 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTREPAIC + LIVRO DO ALUNO MATEMÁTICA 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE
PAIC + LIVRO DO ALUNO MATEMÁTICA 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE
orientadoresdeestudopaic
 

Destaque (13)

Conselhos escolares uma estratégia de gestão democrática da educação pública.
Conselhos escolares uma estratégia de gestão democrática da educação pública.Conselhos escolares uma estratégia de gestão democrática da educação pública.
Conselhos escolares uma estratégia de gestão democrática da educação pública.
 
Caderno 3 – conselho escolar e o respeito e a valorização do saber e da cultu...
Caderno 3 – conselho escolar e o respeito e a valorização do saber e da cultu...Caderno 3 – conselho escolar e o respeito e a valorização do saber e da cultu...
Caderno 3 – conselho escolar e o respeito e a valorização do saber e da cultu...
 
Caderno 5 – conselho escolar, gestão democrática da educação e escolha do dir...
Caderno 5 – conselho escolar, gestão democrática da educação e escolha do dir...Caderno 5 – conselho escolar, gestão democrática da educação e escolha do dir...
Caderno 5 – conselho escolar, gestão democrática da educação e escolha do dir...
 
Caderno 1 – conselhos escolares democratização da escola e construção da cida...
Caderno 1 – conselhos escolares democratização da escola e construção da cida...Caderno 1 – conselhos escolares democratização da escola e construção da cida...
Caderno 1 – conselhos escolares democratização da escola e construção da cida...
 
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
 
Caderno 6 – conselho escolar como espaço de formação humana círculo de cultur...
Caderno 6 – conselho escolar como espaço de formação humana círculo de cultur...Caderno 6 – conselho escolar como espaço de formação humana círculo de cultur...
Caderno 6 – conselho escolar como espaço de formação humana círculo de cultur...
 
Caderno 7 –conselho escolar e o financiamento da educação no brasil
Caderno 7 –conselho escolar e o financiamento da educação no brasilCaderno 7 –conselho escolar e o financiamento da educação no brasil
Caderno 7 –conselho escolar e o financiamento da educação no brasil
 
Material eleicao conselho escolar 22 08_11
Material eleicao conselho escolar 22 08_11Material eleicao conselho escolar 22 08_11
Material eleicao conselho escolar 22 08_11
 
Orientaes colegiado escolar
Orientaes   colegiado escolarOrientaes   colegiado escolar
Orientaes colegiado escolar
 
5. Conselho Escolar Ida
5. Conselho Escolar Ida5. Conselho Escolar Ida
5. Conselho Escolar Ida
 
Slides conselho escolar
Slides conselho escolarSlides conselho escolar
Slides conselho escolar
 
Pnaic caderno 6
Pnaic caderno 6Pnaic caderno 6
Pnaic caderno 6
 
PAIC + LIVRO DO ALUNO MATEMÁTICA 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE
PAIC + LIVRO DO ALUNO MATEMÁTICA 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTREPAIC + LIVRO DO ALUNO MATEMÁTICA 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE
PAIC + LIVRO DO ALUNO MATEMÁTICA 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE
 

Semelhante a Caderno 4 – conselho escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico.

Ce cad2
Ce cad2Ce cad2
Ce cad2
José Filho
 
Fortalecer os conselhos escolares
Fortalecer os conselhos escolaresFortalecer os conselhos escolares
Fortalecer os conselhos escolares
almir andrade
 
Conselhos escolares
Conselhos escolaresConselhos escolares
Conselhos escolares
Marcio Zarsi
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
Caderno 6
Caderno 6Caderno 6
Caderno 6
José Filho
 
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
♥Marcinhatinelli♥
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
11gesdem
11gesdem11gesdem
11gesdem
Desterro Barros
 
programa mais educação sp
programa mais educação spprograma mais educação sp
programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
Caderno 9 – conselho escolar e a educação do campo
Caderno 9 – conselho escolar e a educação do campoCaderno 9 – conselho escolar e a educação do campo
Caderno 9 – conselho escolar e a educação do campo
Najara Nascimento
 
Cad 9
Cad 9Cad 9
Cad 7
Cad 7Cad 7
Análise do PPP.pdf
Análise do PPP.pdfAnálise do PPP.pdf
Análise do PPP.pdf
MARCELACARNEIROGOMES
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de TaguatingaPPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
Ana Silva
 
Gestao da educação escolar
Gestao da educação escolarGestao da educação escolar
Gestao da educação escolar
eliasdemoch
 
06 gest edu_esc
06 gest edu_esc06 gest edu_esc
06 gest edu_esc
Bricio29
 
Gestão da educação escolar unieubra
Gestão da educação escolar   unieubraGestão da educação escolar   unieubra
Gestão da educação escolar unieubra
unieubra
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 

Semelhante a Caderno 4 – conselho escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico. (20)

Ce cad2
Ce cad2Ce cad2
Ce cad2
 
Fortalecer os conselhos escolares
Fortalecer os conselhos escolaresFortalecer os conselhos escolares
Fortalecer os conselhos escolares
 
Conselhos escolares
Conselhos escolaresConselhos escolares
Conselhos escolares
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
Caderno 6
Caderno 6Caderno 6
Caderno 6
 
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
11gesdem
11gesdem11gesdem
11gesdem
 
programa mais educação sp
programa mais educação spprograma mais educação sp
programa mais educação sp
 
Caderno 9 – conselho escolar e a educação do campo
Caderno 9 – conselho escolar e a educação do campoCaderno 9 – conselho escolar e a educação do campo
Caderno 9 – conselho escolar e a educação do campo
 
Cad 9
Cad 9Cad 9
Cad 9
 
Cad 7
Cad 7Cad 7
Cad 7
 
Análise do PPP.pdf
Análise do PPP.pdfAnálise do PPP.pdf
Análise do PPP.pdf
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de TaguatingaPPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
 
Gestao da educação escolar
Gestao da educação escolarGestao da educação escolar
Gestao da educação escolar
 
06 gest edu_esc
06 gest edu_esc06 gest edu_esc
06 gest edu_esc
 
Gestão da educação escolar unieubra
Gestão da educação escolar   unieubraGestão da educação escolar   unieubra
Gestão da educação escolar unieubra
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 

Mais de Najara Nascimento

Caderno 8 – a valorização dos trabalhadores da educação básica é um imperativ...
Caderno 8 – a valorização dos trabalhadores da educação básica é um imperativ...Caderno 8 – a valorização dos trabalhadores da educação básica é um imperativ...
Caderno 8 – a valorização dos trabalhadores da educação básica é um imperativ...
Najara Nascimento
 
Caderno 10 – conselho escolar e a relação entre a escola e o desenvolvimento ...
Caderno 10 – conselho escolar e a relação entre a escola e o desenvolvimento ...Caderno 10 – conselho escolar e a relação entre a escola e o desenvolvimento ...
Caderno 10 – conselho escolar e a relação entre a escola e o desenvolvimento ...
Najara Nascimento
 
Caderno 11 - Conselho escolar e direitos humanos
Caderno 11 -  Conselho escolar e direitos humanosCaderno 11 -  Conselho escolar e direitos humanos
Caderno 11 - Conselho escolar e direitos humanos
Najara Nascimento
 
Caderno 12 - Conselho escolar e sua organização em fórum.
Caderno 12  -   Conselho escolar e sua organização em fórum.Caderno 12  -   Conselho escolar e sua organização em fórum.
Caderno 12 - Conselho escolar e sua organização em fórum.
Najara Nascimento
 
ENCONTRO DE FORMAÇÃO DOS CONSELHEIROS
ENCONTRO DE FORMAÇÃO DOS CONSELHEIROSENCONTRO DE FORMAÇÃO DOS CONSELHEIROS
ENCONTRO DE FORMAÇÃO DOS CONSELHEIROS
Najara Nascimento
 
Fotos de Criação do Conselho
Fotos de Criação do ConselhoFotos de Criação do Conselho
Fotos de Criação do Conselho
Najara Nascimento
 
Experiências com conselhos escolares atuantes
Experiências com conselhos escolares atuantesExperiências com conselhos escolares atuantes
Experiências com conselhos escolares atuantes
Najara Nascimento
 
Conselho Escolar
Conselho EscolarConselho Escolar
Conselho Escolar
Najara Nascimento
 
Slides Concelho Escolar Musica
Slides   Concelho Escolar MusicaSlides   Concelho Escolar Musica
Slides Concelho Escolar Musica
Najara Nascimento
 
Planilha de levantamento
Planilha de levantamentoPlanilha de levantamento
Planilha de levantamento
Najara Nascimento
 
Colegiado escolar - Caderno de Orientação
Colegiado escolar - Caderno de OrientaçãoColegiado escolar - Caderno de Orientação
Colegiado escolar - Caderno de Orientação
Najara Nascimento
 
Concelho Escolar
Concelho EscolarConcelho Escolar
Concelho Escolar
Najara Nascimento
 
Ata de posse
Ata de posse  Ata de posse
Ata de posse
Najara Nascimento
 
ATA DE POSSE
ATA DE POSSEATA DE POSSE
ATA DE POSSE
Najara Nascimento
 
Ata de capacitação
Ata de capacitaçãoAta de capacitação
Ata de capacitação
Najara Nascimento
 
Slides -concelho_escolar musica
Slides  -concelho_escolar musicaSlides  -concelho_escolar musica
Slides -concelho_escolar musica
Najara Nascimento
 
Conselho Escolar
Conselho EscolarConselho Escolar
Conselho Escolar
Najara Nascimento
 
Ata de 26.03.2010
Ata  de 26.03.2010Ata  de 26.03.2010
Ata de 26.03.2010
Najara Nascimento
 
Ata de 26.03.2010
Ata  de 26.03.2010Ata  de 26.03.2010
Ata de 26.03.2010
Najara Nascimento
 
Ata de capacitação pronta
Ata de capacitação   prontaAta de capacitação   pronta
Ata de capacitação pronta
Najara Nascimento
 

Mais de Najara Nascimento (20)

Caderno 8 – a valorização dos trabalhadores da educação básica é um imperativ...
Caderno 8 – a valorização dos trabalhadores da educação básica é um imperativ...Caderno 8 – a valorização dos trabalhadores da educação básica é um imperativ...
Caderno 8 – a valorização dos trabalhadores da educação básica é um imperativ...
 
Caderno 10 – conselho escolar e a relação entre a escola e o desenvolvimento ...
Caderno 10 – conselho escolar e a relação entre a escola e o desenvolvimento ...Caderno 10 – conselho escolar e a relação entre a escola e o desenvolvimento ...
Caderno 10 – conselho escolar e a relação entre a escola e o desenvolvimento ...
 
Caderno 11 - Conselho escolar e direitos humanos
Caderno 11 -  Conselho escolar e direitos humanosCaderno 11 -  Conselho escolar e direitos humanos
Caderno 11 - Conselho escolar e direitos humanos
 
Caderno 12 - Conselho escolar e sua organização em fórum.
Caderno 12  -   Conselho escolar e sua organização em fórum.Caderno 12  -   Conselho escolar e sua organização em fórum.
Caderno 12 - Conselho escolar e sua organização em fórum.
 
ENCONTRO DE FORMAÇÃO DOS CONSELHEIROS
ENCONTRO DE FORMAÇÃO DOS CONSELHEIROSENCONTRO DE FORMAÇÃO DOS CONSELHEIROS
ENCONTRO DE FORMAÇÃO DOS CONSELHEIROS
 
Fotos de Criação do Conselho
Fotos de Criação do ConselhoFotos de Criação do Conselho
Fotos de Criação do Conselho
 
Experiências com conselhos escolares atuantes
Experiências com conselhos escolares atuantesExperiências com conselhos escolares atuantes
Experiências com conselhos escolares atuantes
 
Conselho Escolar
Conselho EscolarConselho Escolar
Conselho Escolar
 
Slides Concelho Escolar Musica
Slides   Concelho Escolar MusicaSlides   Concelho Escolar Musica
Slides Concelho Escolar Musica
 
Planilha de levantamento
Planilha de levantamentoPlanilha de levantamento
Planilha de levantamento
 
Colegiado escolar - Caderno de Orientação
Colegiado escolar - Caderno de OrientaçãoColegiado escolar - Caderno de Orientação
Colegiado escolar - Caderno de Orientação
 
Concelho Escolar
Concelho EscolarConcelho Escolar
Concelho Escolar
 
Ata de posse
Ata de posse  Ata de posse
Ata de posse
 
ATA DE POSSE
ATA DE POSSEATA DE POSSE
ATA DE POSSE
 
Ata de capacitação
Ata de capacitaçãoAta de capacitação
Ata de capacitação
 
Slides -concelho_escolar musica
Slides  -concelho_escolar musicaSlides  -concelho_escolar musica
Slides -concelho_escolar musica
 
Conselho Escolar
Conselho EscolarConselho Escolar
Conselho Escolar
 
Ata de 26.03.2010
Ata  de 26.03.2010Ata  de 26.03.2010
Ata de 26.03.2010
 
Ata de 26.03.2010
Ata  de 26.03.2010Ata  de 26.03.2010
Ata de 26.03.2010
 
Ata de capacitação pronta
Ata de capacitação   prontaAta de capacitação   pronta
Ata de capacitação pronta
 

Caderno 4 – conselho escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico.

  • 1.
  • 2.
  • 3. Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Brasília - DF Novembro de 2004
  • 4. Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Tarso Genro Secretário-Executivo Fernando Haddad Secretário de Educação Básica Francisco das Chagas Fernandes
  • 5. CONSELHO ESCOLAR E O APROVEITAMENTO SIGNIFICATIVO DO TEMPO PEDAGÓGICO
  • 6. Diretor do Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Horácio Francisco dos Reis Filho Coordenador-Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de Ensino Arlindo Cavalcanti de Queiroz Coordenação Técnica José Roberto Ribeiro Junior Apoio Técnico-Pedagógico Ana Maria Brigatte Fátima Maria Magalhães Belfort Maurício Rodrigues de Araújo Sílvia Marina Ribeiro Amaral da Silva Apoio Daniela Alves Neves Josemam Luiz da Silva Lorena Lins Damasceno Elaboração Ignez Pinto Navarro Lauro Carlos Wittmann Luiz Fernandes Dourado Márcia Ângela da Silva Aguiar Regina Vinhaes Gracindo Capa e editoração Fernando Horta Ilustração Rogério M. de Almeida Revisão Ludimila Viana Barbosa Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica Conselho escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico / elaboração Ignez Pinto Navarro... [et al.]. – Brasília : MEC, SEB, 2004. 64 p. : il. (Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares, caderno 4) 1. Conselho escolar. 2. Educação escolar. 3. Tempo escolar. I. Navarro, Ignes Pinto. II. Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares. III. Título. CDU 37.014.63 CDU 37.018.2
  • 7. Apresentação ..............................................................................................................7 Introdução ...................................................................................................................10 Parte I – A escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania ...........................................................................................12 1.1 Educação de qualidade e a organização da escola ........................................12 1.2 O Conselho Escolar e a avaliação da aprendizagem ..................................29 Parte II – Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente .........................43 2.1 As atividades escolares e a formação cidadã do estudante .....................43 2.2 O tempo pedagógico e o Conselho Escolar ...............................................51 Referências ...................................................................................................................62 Sumário
  • 8. 8
  • 9. 9 Apresentação “Tudo o que a gente puder fazer no sentido de convocar os que vivem em torno da escola, e dentro da escola, no sentido de participarem, de tomarem um pouco o destino da escola na mão, também. Tudo o que a gente puder fazer nesse sentido é pouco ainda, considerando o trabalho imenso que se põe diante de nós que é o de assumir esse país democraticamente.” Paulo Freire A Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação, por meio da Coordenação-Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Siste- mas de Ensino do Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Siste- mas de Ensino, vem desenvolvendo ações no sentido de implementar o Pro- grama Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares. Esse Programa atuará em regime de colaboração com os sistemas de ensi- no, visando fomentar a implantação e o fortalecimento de Conselhos Escola- res nas escolas públicas de educação básica. O Programa conta com a participação de organismos nacionais e internacio- nais em um Grupo de Trabalho constituído para discutir, analisar e propor medidas para sua implementação. Participam do Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime)
  • 10. 10 Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). O material instrucional do Programa é composto de um caderno instrucional denominado Conselhos Escolares: Uma estratégia de gestão democrática da educa- ção pública, que é destinado aos dirigentes e técnicos das secretarias munici- pais e estaduais de educação, e seis cadernos instrucionais destinados aos con- selheiros escolares, sendo: Caderno 1 – Conselhos Escolares: Democratização da escola e constru- ção da cidadania Caderno 2 – Conselho Escolar e a aprendizagem na escola Caderno 3 – Conselho Escolar e o respeito e a valorização do saber e da cultura do estudante e da comunidade Caderno 4 – Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico Caderno 5 – Conselho Escolar, gestão democrática da educação e esco- lha do diretor Caderno de Consulta – Indicadores da Qualidade na Educação. Este é um dos cadernos instrucionais, e pretende, assim como os demais, servir de subsídio às secretarias estaduais e municipais de educação na reali- zação de capacitações de conselheiros escolares, seja por meio de cursos presenciais ou a distância. É objetivo também do material estimular o debate entre os próprios membros do Conselho Escolar sobre o importante papel desse colegiado na implantação da gestão democrática na escola. O material instrucional não deve ser entendido como um modelo que o Ministério da Educação propõe aos sistemas de ensino, mas, sim, como uma contribuição ao debate e ao aprofundamento do princípio constitucional da gestão democrática da educação. Vale ressaltar que não é propósito deste material esgotar a discussão sobre
  • 11. 11 o tema; muito pelo contrário, pretende-se dar início ao debate sobre essa ques- tão, principalmente tendo como foco o importante papel do Conselho Escolar. Muitos desafios estão por vir, mas com certeza este é um importante passo para garantir a efetiva participação das comunidades escolar e local na gestão das escolas, contribuindo, assim, para a melhoria da qualidade social da edu- cação ofertada para todos. Ministério da Educação
  • 12. 12 “Ai de nós, educadores, se deixarmos de sonhar sonhos possíveis. Os profetas são aqueles ou aque- las que se molham de tal forma nas águas da cul- tura e da sua história, da cultura e da história de seu povo, que conhecem o seu aqui e o seu agora e, por isso, podem prever o amanhã que eles, mais do que adivinham, realizam.” Paulo Freire Introdução
  • 13. 13 Este caderno, intitulado Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico, integra o Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares e tem como objetivo contribuir com o Conselho Escolar no exercício democrático e responsável de acompanhamento das atividades na escola, especialmente com relação ao aproveitamen- to do tempo pedagógico. Com o propósito de discu- tir essa questão, o caderno está estruturado em duas partes. Na primeira, abordamos a escola como es- paço de exercício do direito de cidadania. Nela problematizamos o modo como a escola se organiza para atender ao direito do estudante de ter acesso a uma escola de qualidade. Na segunda parte, trata- mos especificamente da organização da escola e do tempo pedagógico, considerando a participação do Conselho Escolar nesse processo. Nos dois itens, abrimos espaço para ouvir a voz da escola, nos qua- dros intitulados: Fala Escola!
  • 14. 14 A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania 1.1 Educação de qualidade e a organização da escola É função da escola formar o cidadão, assegurando ao estudante o aces- so e a apropriação do conhecimento sistematizado, mediante a ins- tauração de um ambiente propício às aprendizagens significativas e às práticas de convivência democrática. Para cumprir sua função precípua de favorecer essa formação, a escola pre- cisa construir/instituir, de forma coletiva, um projeto político-pedagógico. Si- tuamos o Projeto Político-Pedagógico, no Caderno 2, como instrumento de plane- jamento coletivo, capaz de resgatar a unidade do trabalho escolar e de garantir que não haja uma divisão entre os que planejam e os que executam. Elaborado, executado e avaliado de forma conjunta, tem uma nova lógica. Nesse processo, todos os segmentos planejam, garantindo a visão do todo, e todos executam, mesmo que apenas parte desse todo. Com isso, de posse do conhecimento de todo o trabalho escolar, os diversos profissio- nais e segmentos envolvidos (gestores, técnicos, funcionários da escola, docentes, dis- centes, pais e comunidade local) cumprem seus papéis específicos, sem torná-los estan- ques e fragmentados. O Projeto Político-Pedagógico constitui o norte orientador das atividades curriculares e da organização da escola e se expressa nas práticas cotidianas, traduzindo os compromissos institucionais relativos ao direito, consagrado nas leis brasileiras e garantido a todos, sem distinção de qualquer natureza, de acesso à educação escolar pública, gratuita e de qualidade referenciada pelo social. Parte I
  • 15. 15 De que modo a escola pode se organizar para atender ao direito do estudante de ter acesso a uma educação de qualidade? A escola precisa se organizar de forma ade- quada com o propósito de constituir um espaço favorável à plena formação do es- tudante. Alguns estudos têm demonstrado que vá- rios e importantes fatores podem fazer a diferença. Tomemos como exemplo alguns dos resultados de uma pesquisa realizada por Casassus (2002) sobre “escolas bem-sucedidas”, em países da América La- tina, que põe em relevo alguns desses fatores. Esse pesquisador aponta para algumas caracte- rísticas de uma escola que favorece as aprendizagens: 1) Conta-se com prédios adequados. 2) Dispõe-se de materiais didáticos e uma quantidade suficiente de livros e recursos na biblioteca. 3) Há autonomia na gestão. 4) Os docentes têm uma formação inicial pós- médio. Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 16. 16 5) Há poucos estudantes por professor na sala de aula. 6) Os docentes têm autonomia profissional e assumem a responsabilidade pelo êxito ou fracasso de seus estudantes. 7) Pratica-se a avaliação de forma sistemática. 8) Não há nenhum tipo de segregação. 9) Os pais se envolvem com as atividades da comunidade escolar. 10) O ambiente emocional é favorável à aprendizagem (CASASSUS, 2002). É evidente que tais características, em países como o Brasil, só poderão decorrer de políticas definidas e implementadas em nível macro e de políticas direcionadas à melhoria da escola. Contudo, o (re)conhecimento desses fato- res certamente constitui mais um estímulo para impulsionar a caminhada em direção à organização de uma escola de boa qualidade. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) dispõe que “a educação básica tem por finalidade desenvolver o educando, assegurando- lhe a formação comum indispensável para o exercício da cidadania, e forne- cer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores” (art. 22). E fornece o amparo legal para que a escola se organize de formas variadas, des- de que sejam observadas as normas curriculares e os demais dispositivos da legislação. Assim, de acordo com a LDB, são dadas várias opções para a orga- nização da escola: a) em séries anuais ou períodos semestrais; b) em ciclos, por alternância regular de períodos de estudos; c) por grupos não-seriados, com base na idade, na competência e em ou- tros critérios; d) e, ainda, por formas diversas de organização, sempre que o interesse do processo de aprendizagem assim o recomendar (art. 23). Cabe aos sistemas de ensino delimitar a forma de organização das escolas, como preceituam os vários dispositivos da Lei n. 9.394/96. À escola cabe, no âmbito do Projeto Político-Pedagógico, explicitar as for- mas de organização que adota e que deverão constar do regimento escolar. É A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
  • 17. 17 Pesquisa sobre “escolas bem-sucedidas”, em países da América Latina, aponta para algumas características de uma escola que favorece as aprendizagens. Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 18. 18 importante ressaltar que em vários estados e municípios vêm ocorrendo ex- periências e novas formas de organização do trabalho escolar. Tradicionalmente, predominou, nos sistemas de ensino e nas escolas, a or- ganização em séries anuais ou períodos semestrais. A LDB veio introduzir inovações nesse terreno: instituiu a flexibilidade de organização, ou seja, re- conheceu o princípio da autonomia dos sistemas de ensino e das escolas. Essa flexibilização tem um aspecto importante, pois, se, de um lado, permite a uti- lização de mecanismos para enfrentar a questão cultural crônica da reprova- ção escolar, presente nos sistemas de ensino, de outro lado favorece a abertu- ra da escola a amplos contingentes da população na educação básica. Atenção! Tal flexibilidade vem acompanhada de exigências de controle por parte do poder público, para assegurar um ensino de qualidade. Como já foi visto no Caderno 2, o Conselho Escolar tem um papel importante no acompa- nhamento desse processo. A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
  • 19. 19 Como pode ser assegurada a qualidade do ensino? R efletir sobre essa questão é muito estimulante, especialmente se con- siderarmos que, em muitos países, a educação básica é oferecida em horário integral, enquanto no Brasil se verifica uma jornada escolar reduzida. Muito embora ainda tenhamos um lon- go caminho a percorrer até ser atingida a ampliação da jornada escolar para todos os estudantes, reconhecemos que são vários os mecanismos e os instrumentos inclusos na LDB que visam assegurar a qualidade do ensino, a exemplo das referências feitas aos calendários escolares e à organização do ano letivo. Vamos examiná-los um pouco mais de perto: Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 20. 20 A) Os calendários escolares – O que diz a lei? Admite o planejamento das atividades letivas em períodos que independem do ano civil. Recomenda, sempre que possível, o atendimento das condições de or- dem climática, econômica ou outras que justifiquem a medida, sem re- dução da carga de 800 horas anuais. Esse dispositivo visa beneficiar, de modo especial, a educação que ocorre no campo. B) O ano letivo – O que dispõe a lei? Aumenta o ano letivo para 200 dias de trabalho escolar efetivo, excluído o tempo reservado aos exames finais, quando previsto no calendário escolar. Aumenta a carga horária mínima para 800 horas anuais. Atenção! O art. 24, I, refere-se a horas e não a horas-aula, a serem cumpridas no ensino fundamental e, também, no ensino médio. Trata-se, portanto, do período de 60 minutos. Obriga ao mínimo de “oitocentas horas, distribuídas por um mínimo de duzentos dias de efetivo trabalho escolar” . Ou seja, 800 horas de 60 mi- nutos, o que integraliza um total anual de 48.000 minutos. Define a jornada escolar: A jornada escolar no ensino fundamental incluirá pelo menos quatro (4) horas de trabalho efetivo em sala de aula, ou seja, trata-se de 240 minutos diários, no mínimo. Há ressalvas em relação aos cursos noturnos e outras formas mencionadas no art. 34, § 1°. Mesmo nessas situações, as 800 horas anuais deverão ser cumpridas. Sinalizaparaotempointegral:“Oensinofundamentalseráministradoprogressi- vamente em tempo integral, a critério dos sistemas de ensino” (art. 34, § 2°). Estabeleceocumprimentodacarga horária:ashoras-aulaprogramadasdeverão ser cumpridas, pela escola e pelo professor (arts. 12, III, e 13, V). C) O que cabe à escola fazer diante desses dispositivos? Definir a duração de cada módulo-aula, de acordo com as conveniências de ordem metodológica ou pedagógica a serem consideradas. Mas... atenção! A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
  • 21. 21 É indispensável que esses módulos, somados, totalizem 800 horas, no míni- mo, e sejam ministrados em pelo menos 200 dias letivos. Tais dispositivos traduzem uma preocupação do legislador em procurar estabelecer, em lei, as condições necessárias para garantir o tempo de apren- dizagem ao estudante. No interior dessas demarcações legais, a escola pode organizar as suas atividades curriculares considerando a realidade em que está inserida e o seu Projeto Político-Pedagógico. De que forma a escola organiza as atividades escolares? P ara responder a tal questio- namento, é preciso ressal- tar, inicialmente, que a ativi- dade escolar não se realiza exclusiva- mente em sala de aula. A depender do contexto em que se insere, são múlti- plas as possibilidades de outros locais que a escola pode identificar para a realização do trabalho pedagógico de natureza teórica ou prática. Poderão Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 22. 22 ser desenvolvidas atividades concernentes a leituras, pesquisas ou trabalhos em grupo, contato com o meio ambiente e com artefatos culturais e artísticos, nesses locais, visando à plena formação do estudante. Dado ser esse o entendimento em relação aos dispositivos legais, pode-se considerar que toda e qualquer programação incluída na proposta pedagógi- ca da instituição, com exigência de freqüência e sob a responsabilidade de professores habilitados, será caracterizada como atividade escolar. Essa flexi- bilidade, no entanto, traz grandes responsabilidades para a gestão da escola e para a condução do processo de ensino-aprendizagem, com exigências espe- cíficas aos gestores e docentes. Para efetivar essas atividades curriculares considerando o tempo de apren- dizagem do estudante, os docentes e gestores precisam desenvolver práticas democráticas de reorganização do fazer cotidiano e da gestão da escola, com objetivos pedagógicos claros, incentivando posturas de comprometi- mento da comunidade escolar. A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
  • 23. 23 A escola pode promover práticas pedagógicas que favoreçam a reflexão e a interação do estudante com as demais atividades humanas de natureza cultural e artística. Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 24. 24 De que modo as classes ou turmas podem ser organizadas? C omo foi visto anteriormente, a organi- zação de classes ou turmas está previs- ta na LDB. A legislação dispõe, ainda, que as classes ou turmas poderão ser organiza- das, independentemente de séries ou períodos, para grupamento de estudantes com níveis equi- valentes de adiantamento na matéria, para o ensino de língua estrangeira, artes ou outros componentes curriculares (art. 24, IV). Muitas escolas, atualmente, no país, adotaram a organização em ciclos escolares ou ciclos de apren- dizagem. Assim o fizeram, por considerar que a matriz curricular por seriação anual da educa- ção escolar está impregnada de uma lógica produtivista, que legitima a fragmentação e a desarticulação do currículo. Essas escolas e sis- A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
  • 25. 25 A maturidade social, cultural e cognitiva para apreender os processos relacionados à construção do conhecimento não é a mesma de um aluno para outro. Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 26. 26 temas de ensino entenderam que, ao introduzir essa nova matriz curricular, estariam concorrendo para o estabelecimento de uma nova lógica de pensar a escola e o currículo, a exemplo da opção feita pela Secretaria de Educação do Município de Recife, em Pernambuco, cuja proposta de organização de ciclos de aprendizagem está apoiada nos princípios que seguem: 1)Princípio da igualdade: Preconiza a possibilidade de acesso ao conheci- mento científico, cultural e socialmente construído pela humanidade, para todos, possibilitando, ainda, aos diferentes, diferentes formas, tempos e espa- ços de aprendizagem. A ótica do direito ao conhecimento garante ao estudan- te a permanência na escola e sua promoção escolar, como condição necessária ao seu desenvolvimento. 2)Princípio do reconhecimento das diferenças: Parte da compreensão das possibilidades distintas de cada um, entendendo que a maturidade so- cial, cultural e cognitiva para apreender os processos relacionados à cons- trução do conhecimento não é a mesma de um estudante para outro. Se a heterogeneidade marca a espécie humana e a cada pessoa como espécie úni- ca e complexa, assim também precisa ser focado o processo de aprendiza- gem, considerando diferentes ritmos e processos particularizados de apren- dizagem e de convivência. 3)Princípio da integralidade: Estabelece a ruptura com a padronização, a seriação e a fragmentação do conhecimento e define ações e objetivos que priorizem a organização do trabalho em situações de aprendizagem, verifi- cando, sistematicamente, a construção e a progressão da aprendizagem dos estudantes. A lógica do ciclo contempla o processo contínuo, dinâmico, dialético e dialógico, marcado por conflitos, posicionamentos e exigências do ponto de vista da relação ensino/aprendizagem/realidade social, sofisticando as aprendizagens em situações complexas, diversificadas e interativas. Essa perspectiva, defendida pela pedagogia progressista, redimensiona o tempo escolar, a reorganização do trabalho pedagógico e a relação pedagógica, antes aprisionada pelas “grades” da escola e pelo sistema seriado. 4)Princípio da autonomia: Capacita o sujeito à reflexão, ao debate, à to- A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
  • 27. 27 mada de decisão de acordo com interesses, necessidades e motivações pró- prias, sem, no entanto, compartilhar de uma lógica de referência individua- lista. A autonomia é entendida no sentido democrático e se efetiva para além do que é particularmente pensado e desejado, com prioridades baseadas em critérios de escolha que considerem o que é importante para o sujeito e, ao mesmo tempo, o que é relevante para a coletividade. Esse princípio exige uma prática pedagógica que exercite a solidariedade e efetive a cultura de tomada de decisão coletiva, o que fortalece a dimensão democrática do ato educativo (Doc. SEC/PCR, 2001, p.31-32). Para o Conselho Escolar, é importante entender as razões da adoção de um determinado tipo de organização das classes e turmas. Nesse sentido, pro- cura verificar, mediante a utilização de alguns indicadores (Caderno Indicado- res da Qualidade na Educação), entre outros aspectos já mencionados nos Cader- nos desta série, se o tipo de organização das classes tem favorecido a existên- cia de práticas pedagógicas mais integradas na instituição. E se essas práticas favorecem a articulação das atividades curriculares considerando de forma adequada os tempos e os espaços escolares. Nesse contexto, o Conselho Escolar tem um papel fundamental, tanto na observação da organização da escola quanto em relação ao tempo pedagógi- co. Vejamos alguns aspectos que poderão ser observados e ser objeto de sua intervenção, quando tal ação se fizer necessária. Para que a escola possa garantir um tratamento igualitário a todos, é neces- sário considerar as diferenças. Nesse sentido, é importante possibilitar aos estudantes tempos diferenciados para favorecer o processo de aprendizagem. As propostas de ciclos escolares e de recuperação de estudos, que estão conti- das na LDB, têm esse espírito. Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 28. 28 FALA ESCOLA! Na ESCOLA AZUL, o maior desafio para os docentes, ao organizarem as situações de aprendizagem, é, sem dúvida, considerar a heterogeneidade dos estudantes. Assim, discutem e analisam propostas de atividades didáticas que, além de, potencialmente, serem portado- ras de significados para a vida do estudante, são com- patíveis e flexíveis com as formas e o tempo de suas aprendizagens. Os docentes consideram necessário com- partilhar com os estudantes o sentido dessas ativida- des, discutindo em sala de aula os objetivos e as finali- dades das tarefas que as compõem e o tempo necessário para que os estudantes demonstrem sua aprendizagem, favorecendo, assim, uma compreensão e consciência maior do trabalho que desenvolvem e que possibilita as progressões. Por isso estabeleceram um calendário com reuniões periódicas visando reorganizar os tempos e as situações de aprendizagem na escola. A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
  • 29. 29 Um aspecto desse debate chama a atenção: ao se examinar a questão da garantia da igualdade, os indicadores têm apontado para a forte discrimina- ção que existe, especialmente em relação às diversas etnias e raças, particular- mente aos afro-descendentes. Sobre essa questão, vale a pena citar o Parecer CNE/CP n. 003/2004 – Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana: Combater o racismo, trabalhar pelo fim da desigualdade social e racial, empreen- der reeducação das relações étnico-raciais não são tarefas exclusivas da escola. As formas de discriminação de qualquer natureza não têm o seu nascedouro na esco- la, porém o racismo, as desigualdades e as discriminações correntes na sociedade perpassam por ali. Para que as instituições de ensino desempenhem a contento o papel de educar, é necessário que se constituam em espaço democrático de produ- ção e divulgação de conhecimentos e de posturas que visam a uma sociedade justa. A escola tem papel preponderante para eliminação das discriminações e para emancipação dos grupos discriminados, ao proporcionar acesso aos conheci- mentos científicos, a registros culturais diferenciados, à conquista de racionalidade que rege as relações sociais e raciais, a conhecimentos avançados, indispensáveis para consolidação e concerto das nações como espaços democrá- ticos e igualitários. Em virtude das condições econômicas e sociais desfavoráveis, marca his- tórica da sociedade brasileira, é bem possível que um grande contingente de crianças e adolescentes venha requerer uma ampliação do tempo pedagógico para alcançar o padrão de desempenho escolar desejável. Tal possibilidade é direito que elas têm. Cabe à escola se organizar para garanti-lo. E, ao Conse- lho Escolar, acompanhar e verificar os resultados desses procedimentos pe- dagógicos. O Conselho Escolar poderá obter uma visão mais realista sobre a adequa- ção do tempo escolar às atividades pedagógicas propostas pelos docentes, se fomentar a abertura de espaços para que seja dada visibilidade aos processos formativos que envolvam os estudantes e os docentes. Para isso pode contri- Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 30. 30 buir a realização de feiras de conhecimento, seminários com relatos de experiên- cias, desenvolvimento de projetos e outras iniciativas similares. Cabe ao Con- selho ficar atento aos sinais que evidenciam que os estudantes estão sendo respeitados em seu ritmo de aprendizagem e que, de fato, a reorganização do trabalho pedagógico favorece esse ritmo. Aliado ao empenho dos docentes é necessário garantir as condições dignas de trabalho. O Conselho Escolar pode auxiliar a escola na ampliação de sua autonomia em relação à condução das atividades pedagógicas e administrativas, sem que ela perca sua vinculação com as diretrizes e normas do sistema público de ensino. Nesse sentido incentiva as medidas que são tomadas visando à ins- tauração ou ao aprofundamento das relações democráticas entre todos os seg- mentos que a compõem, sem perder de vista que o objetivo último e mais importante é que tal clima favoreça, de fato, as aprendizagens dos estudantes. O perigo a afastar é que, em nome de processos democráticos, se verifique a negação do processo formativo, por meio do descompromisso em relação às condições que favoreçam a progressão de cada estudante. É imprescindível ter clareza que o incentivo às formas democráticas de convivência escolar tem por premissa o estabelecimento de condutas construídas coletivamente, que auxiliem a efetivação de práticas pedagógicas e considerem o ritmo individual do estudante. O Conselho Escolar constitui o espaço mais adequado para, de forma compartilhada, dirimir as dúvidas, encontrar saídas alternativas e propor novas condutas de participação individual e coletiva no ambiente escolar. O tempo de permanência do estudante na escola é tempo das aprendiza- gens intelectual, sociocultural, afetiva e ética. É, portanto, tempo que não pode ser desperdiçado sob nenhuma hipótese. Exercer um acompanhamento qua- lificado desse tempo é tarefa nobre do Conselho Escolar. A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
  • 31. 31 1.2 O Conselho Escolar e a avaliação da aprendizagem Como se processa a avaliação do estudante? A escola é responsável pela verifica- ção do rendimento do estudante, mediante instrumentos previstos no regimento escolar e observadas as diretri- zes da lei. Esse é um aspecto que constitui um permanente desafio para os educadores. De acordo com a legislação vigente, podem ser consideradas a avaliação contínua e a cumu- lativa, em que prevalecem os aspectos quali- tativos sobre os quantitativos, bem como os resultados ao longo do ano sobre os de pro- vas ou exames finais, quando adotados. A avaliação constitui um elemento central na organização da prática pedagógica, na medida em que favorece o processo de cons- Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 32. 32 trução do conhecimento. De fato, pode-se, por meio dos procedimentos e me- canismos de avaliação, constatar, compreender e intervir nos processos de construção do conhecimento. Processual, reflexiva e cumulativa, a avaliação concorre, entre outros aspectos, para a definição do tempo e das formas de promoção do estudante. Para a efetivação dessas avaliações, o tempo terá que ser considerado, ten- do em vista que o resultado dos processos de aprendizagem aparecem ao lon- go da vida. Contudo, todos sabemos que o desempenho dos estudantes é afe- rido em diversos momentos durante o ano letivo, e há o reconhecimento de que a ampliação do tempo escolar é imprescindível para o seu amadureci- mento intelectual e afetivo. Vale salientar que o resultado do desempenho escolar nos fornece apenas uma “fotografia”, em um determinado tempo, das condições de aprendizado do estudante, mas não avança na indicação do que é necessário fazer para melhorar o ensino e as práticas pedagógicas. É preciso ir mais fundo, em bus- ca das causas do sucesso ou do insucesso escolar, examinando a lógica políti- co-pedagógica que norteia o ambiente escolar. Certamente, nessa busca, o tem- po necessário à aprendizagem constituirá um fator determinante. A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
  • 33. 33 FALA ESCOLA! Na ESCOLA AZUL, os docentes discutem a con- cepção de aprendizagem e de avaliação que dão a base de sustentação da organização das classes em ciclos de aprendizagem. Essas concepções estão apoiadas no respeito ao tempo, ao espaço e aos pro- cedimentos da prática pedagógica que levem em conta as diferenças e as necessidades de cada estu- dante. Essas discussões não ficam apenas no plano didático, vão além, incorporando aspectos da ges- tão da escola e da política educacional. Os docentes estão conscientes de que desenvolver uma ação pe- dagógica comprometida com a transformação re- quer que os meios materiais estejam disponibi- lizados. Consegui-los faz parte também da agenda das entidades que agregam a categoria dos profissio- nais da educação. Todas essas dimensões são deba- tidas nas reuniões que realizam, o que os torna mais fortalecidos como profissionais que buscam inter- ferir nas políticas que podem melhorar as condi- ções de trabalho na escola. Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 34. 34 A relação com o saber é relação com o mundo, em um sentido geral, mas é, também, relação com esses mundos particulares (meios, espaços) nos quais a criança vive e aprende. A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
  • 35. 35 Nos diversos encontros de professores que ocorrem no país fica patente que estes reconhecem a necessidade de adequação dos processos, procedi- mentos e mecanismos de avaliação à própria natureza dos componentes curriculares. E reconhecem que não se trata de algo simples de abordar. O que está em pauta é nada menos do que a própria relação com o saber. Nessa perspectiva, Bernard Charlot (2000) muito contribui com suas pesquisas para a compreensão desses aspectos. Charlot nos diz que as crianças são confrontadas com a necessidade de aprender, ao encontrarem, em um mundo já presente: objetos-saberes, isto é, objetos aos quais um saber está incorporado: livros, mo- numentos e obras de arte, programas de televisão “culturais...”; objetos cujo uso deve ser aprendido, desde os mais familiares (escova de dente, cordões do sapato...) até os mais elaborados (máquina fotográfica, computador...); atividades a serem dominadas, de estatuto variado: ler, nadar, desmontar um motor; dispositivos relacionais nos quais há que entrar e formas relacionais das quais se devem apropriar, quer se trate de agradecer, quer de iniciar uma relação amorosa. Diante do que ele denomina “figuras do aprender”, o autor explicita que aprender é exercer uma atividade em situação: em um local, em um momento da sua história e em condições de tempo diversas, com a ajuda de pessoas que ajudam a aprender. A relação com o saber é relação com o mundo, em um sentido geral, mas é, também, relação com esses mundos particulares (meios, espaços) nos quais a criança vive e aprende (2000, p. 67). Nesse sentido, podemos entender que o espaço e o tempo da escola, ao expressarem situações mobilizadoras, trazem para a criança e para o jovem a oportunidade de se relacionar com esses mundos. Diante disso, os docentes têm a grande responsabilidade de estruturar situações estimuladoras da curiosidade e da atenção dos estudantes. Não é tarefa fácil, ao se considerar que, em geral, os estudantes oriundos das famílias populares estão se depa- rando com um mundo que não foi estruturado em seu favor. Charlot traz, ainda, uma contribuição importante para a nossa reflexão, ao Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 36. 36 afirmar que: aprende-se porque se tem oportunidades de aprender, em um momen- to em que se está mais ou menos disponível para aproveitar essas oportunidades; às vezes, entretanto, a ocasião não voltará a surgir; aprender é, então, uma obrigação (ou uma “chance” que se deixou passar). Essas afirmações ajudam a realçar a importância da organização da escola para favorecer o processo de aprendizagem. Convencido dessa importância, o Conselho Escolar deverá ficar atento para que não se subestime o tempo de aprender no espaço escolar. Isso deverá ser considerado nos processos avaliativos. A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
  • 37. 37 E se a escola verificar que alguns estudantes não apresentam o aproveitamento escolar esperado? A resposta a essa questão é direta: o estudante tem o direito de dis- por de mais tempo para avançar em suas aprendizagens, e a escola tem o de- ver de favorecer esse tempo de acordo com as suas necessidades. FALA ESCOLA! A ESCOLA AZUL, ao verificar que alguns estu- dantes não apresentaram o aproveitamento neces- sário nos estudos anteriormente realizados, procu- ra identificar as razões que motivaram esse desem- Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 38. 38 A LDB prevê a aceleração de estudos para estudantes com atraso escolar, bem como o avanço nos cursos e nas séries mediante verificação do aprendi- zado, além do aproveitamento de estudos anteriores concluídos com êxito (art. 24, V). penho, visando rever aspectos da prática pedagógica que levaram ao insucesso escolar. Em princípio já sabe que o tempo poderá ser um aliado importante na organização de novas experiências de aprendizagem para que esses estudantes superem as dificuldades detectadas. Assim, de modo coletivo, analisam e ava- liam essas dificuldades e organizam, de forma criati- va, uma nova proposta de trabalho com previsão do tempo necessário para que os estudantes de fato alcan- cem um novo patamar em suas aprendizagens. A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
  • 39. 39 FALA ESCOLA! É tempo dos estudos de recuperação! É direito do estudante! É dever da escola oferecê-los de modo atra- ente e motivador! A ESCOLA AZUL está atenta à situação de apren- dizagem dos estudantes. Desde cedo, a direção e os professores informam aos estudantes e aos pais ou responsáveis que, se for necessário ao avanço da aprendizagem, o estudante terá direito, durante todo o ano letivo, a usufruir mais tempo para realizar estudos de recuperação. Com esse objetivo são orga- nizadas reuniões com o propósito de informar e dis- cutir com os estudantes e os respectivos pais ou res- ponsáveis sobre essa possibilidade. Essas reuniões estão previstas no calendário da escola, são muito concorridas e constituem momentos muito pro- pícios para abordar outros aspectos do projeto pedagógico da escola. Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 40. 40 A recuperação paralela, isto é, aquela que se faz em horário diferente das atividades regulares do estudante, traz vantagens para o estudante, tendo em vista que lhe serão ofertadas as condições necessárias para que consiga ad- quirir e processar novas aprendizagens em um outro patamar. A escola sabe que esta será uma situação de aprendizagem que requer ser bem planejada, pois o estudante revisitará conteúdos e atividades que já foram vivenciados de alguma outra forma. A nova vivência do estudante será bem-sucedida se a sua aprendizagem for, de fato, significativa, tiver sentido. O tempo pedagógico será o principal aliado do estudante e do professor. Do estudante, que poderá usufruir de novas aprendizagens em um tempo mais distendido. Do professor, que dis- porá de maior espaço de tempo para organizar as situações de ensino-apren- dizagem de modo mais flexível, criativo e eficaz. A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
  • 41. 41 E se o tempo da recuperação não for suficiente para o estudante aprender? O s estudos e pesquisas na área já de- monstraram que cada estudante tem seu próprio ritmo de aprendizagem. Para aqueles cujas aprendizagens ainda são consideradas insuficientes chama-se novamen- te o precioso aliado – o tempo. Mais tempo para a organização de novas situações de aprendi- zagens significativas concluído o ano ou o pe- ríodo letivo regular. É importante salientar que a lei dispõe que os estudos de recuperação são obrigatórios, e a escola deverá deslocar a sua preferência para o decurso do ano letivo. Antes, eram obrigatórios entre os anos ou períodos letivos regulares. Há conteúdos nos quais certos conhecimen- tos se revelam muito importantes para a aqui- sição de outros com eles relacionados. A busca Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 42. 42 da recuperação paralela se constitui, portanto, um instrumento muito útil nesse processo (LDB, art. 24, V, “e”). Aos estudantes que realizaram os estudos paralelos de recuperação, mas ainda permanecem com dificuldades, a escola “poderá voltar a oferecê-los, depois de concluído o ano ou o período letivo regular, por atores e instrumen- tos previstos na proposta pedagógica e no regimento escolar” (Parecer CEB/ CNE n. 05/97). FALA ESCOLA! Na ESCOLA AZUL, a freqüência do estudante às atividades escolares é muito valorizada. A organiza- ção do trabalho pedagógico permite que professores e estudantes percebam a ausência eventual de um deles. Todos querem saber as razões que provocaram essa ausência, considerando que esta prejudica a con- tribuição singular de cada estudante ao processo de construção coletiva do conhecimento naquele espa- ço escolar. Esse procedimento tem concorrido para a elevação da auto-estima dos estudantes, que se sen- tem considerados no ambiente escolar. Os estudan- tes percebem que quando faltam às aulas todos dei- xam de ser beneficiados com a sua contribuição. A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
  • 43. 43 A forma de proceder dessa escola está de acordo com o que dispõe a LDB. Essa lei, além de valorizar a freqüência, permite à escola adotar mecanismo de reclassificação, de aceleração de estudos e de avanços progressivos, de modo que elimine, gradualmente, as distorções idade/série, produzidas pela cultu- ra da reprovação. Entretanto, é importante ressaltar que, diferentemente da lei anterior (Lei n. 5.692/71), a verificação do rendimento escolar não inclui a freqüência como parte desse procedimento. Na atual LDB, são tratados separadamente: apro- veitamento e assiduidade. Ou seja: a verificação se dá por meio de diversos instrumentos e busca iden- tificar o grau de progresso do estudante nos conteúdos/atividades, bem como detectar as suas dificuldades, visando o estabelecimento de estudos de recupe- ração, previstos no regimento escolar. E o controle de freqüência permite situar a presença do estudante nas atividades escolares programadas, das quais está obrigado a participar de, pelo menos, 75% do total da carga horária prevista. Atenção! A LDB fixa a exigência de um mínimo de 75% (setenta e cinco por cento) de freqüência, considerando o “total de horas letivas para aprovação”. Em casos de necessidade, o estudante tem o direito de faltar até o limite de 25% (vinte e cinco por cento) do referido total. O controle da freqüência fica a cargo da escola, de acordo com o disposto no seu regimento e nas normas do respectivo sistema do ensino. A freqüência de que trata a lei passa a ser apurada, agora, sobre o total da carga horária do período letivo. Não será mais sobre a carga específica de cada componente curricular, como dispunha a lei anterior. Entretanto, é ne- cessário enfatizar que somente serão computados nas oitocentas horas, os com- ponentes curriculares que o estudante esteja obrigado a cumprir, nelas não se incluindo, por exemplo, a educação física nos cursos noturnos. É oportuno lembrar, ainda, que apesar de a legislação prever a reprovação, esta é uma situação que a escola precisa evitar sempre! Ou seja, a ela cabe esta- belecer mecanismos preventivos para que o tempo escolar seja cumprido pelos estudantes, garantindo-lhes as condições necessárias para o sucesso escolar. Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 44. 44 A figura da dependência não mais aparece no texto da nova LDB, porque agora o sistema seriado não é mais a forma privilegiada de organização curricular, ainda que ele seja admitido. E a dependência é recurso característi- co de tal organização. O estudante é promovido à série seguinte com possibi- lidades de dependência de aprovação em componentes curriculares em que não tenha demonstrado aproveitamento. Nas escolas que optarem pelo regime seriado ou “progressão regular por série, o regimento escolar pode admitir formas de progressão parcial, desde que preservada a seqüência do currículo” (art. 24, III), o que possibilita a de- pendência. Chama-se a atenção para o fato de que, de modo diferente da le- gislação anterior, os conteúdos a serem incluídos nessa progressão parcial serão fixados de acordo com os critérios de cada instituição de ensino, observando o respectivo regimento escolar. Depreende-se desses dispositivos a centralidade do requisito tempo para que sejam asseguradas pela escola as condições propícias às aprendizagens dos estudantes. A Escola pública como espaço de exercício do direito de cidadania
  • 45. 45 Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente 2.1 As atividades escolares e a formação cidadã do estudante A escola pública, laica e republicana alcança sua plenitude quando se constitui um espaço de construção do conhecimento e do exercício da crítica às relações sociais vigentes, buscando a transformação da ordem social injusta e desigual. É, portanto, espaço da crítica e da utopia. Tais atributos constituem um permanente desafio para a escola, conside- rando, de um lado, a natureza reprodutora das relações sociais vigentes e, de outro, o impulso para gerar novas formas de sociabilidade. Nas condições socioeconômicas em que vivem os segmentos majoritários da sociedade brasileira, a escola ocupa um lugar de destaque ao cumprir a sua tarefa precípua – a de ser um locus de produção, de sistematização e de sociali- zação do conhecimento produzido, ao longo do tempo, pela humanidade. Tempo-espaço são categorias que sempre estiveram no centro da preocu- pação humana com a vida. O ser humano reconhece no tempo a sua existên- cia finita. Com o avanço científico-tecnológico, o tempo e o espaço passaram a ser dimensionados em função de novas possibilidades criadas pelo homem. A escola está situada num determinado espaço e tem que saber lidar com a simultaneidade e a complexidade do tempo de hoje. A escola pode ser um espaço de tempo de vivências democráticas. A vida escolar ocorre em um determinado tempo e em determinado espaço. À escola é atribuída a tarefa imensa de favorecer aos estudantes a compreensão do movimento dialético que impregna as relações entre o homem, a natureza e a Parte II
  • 46. 46 Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente À escola é atribuída a tarefa imensa de favorecer aos estudantes a compreensão do movimento dialético que impregna as relações entre o homem, a natureza e a cultura no continuum do tempo.
  • 47. 47 cultura no continuum do tempo. Para exercer essa tarefa é necessário atentar para o tempo escolar e exercer uma mediação pedagógica consciente. O tem- po escolar, aqui entendido, compreende o período de vivência pedagógica dos estudantes no ambiente escolar durante o curso básico. O tempo escolar é o tempo pedagógico de aprendizagens significativas para toda a vida. Freitas (2004) chama-nos a atenção para a importância da organização dos tempos e espaços da escola no processo ensino-aprendizagem. Diz esse autor que foram os liberais que denunciaram, há pelo menos 40 anos, a lógica per- versa dos tempos e espaços da escola. Diz esse autor: ...se submetemos os diferentes ritmos dos alunos a um único tempo de aprendiza- gem, produziremos a diferenciação dos desempenhos dos alunos. Cada um cami- nhará a seu ritmo dentro de um mesmo tempo único, logo, uns dominam tudo e outros, menos. Caso se queira unificar desempenhos (nível elevado de domínio para todos) há que se diversificar o tempo de aprendizagem. Para tal é preciso permitir que cada um avance a seu ritmo usando todo o tempo que seja necessário. Este é um dos pontos de ancoragem da exclusão na escola – a seriação intra e extraclasse das atividades, com tempo único. Mas note-se que não basta dar todo o tempo necessário, é preciso que ele tenha ajuda igualmente diferenciada para aprender (materiais diversificados, ajuda pontual durante o processo de aprendi- zagem) de forma que este tempo adicional necessário possa ser suportável para a escola e para o próprio aluno em sua aprendizagem. Estava também indicado o elemento-chave para tornar a diversificação do tempo eficaz – a existência de apropriadas formas de ajuda disponíveis para lidar com os diferentes alunos (2004, p. 154-155). Para assegurar esse tempo pedagógico, o currículo é definido em termos oficiais. Nesse sentido, o estudante tem direito à continuidade e terminalidade de estudos, o que envolve a definição/organização de atividades curriculares no coletivo da escola. E, para que essas experiências sejam bem-sucedidas, deve ser respeitado o ritmo, o tempo e as experiências dos estudantes. A escola precisa estar atenta à organização significativa do trabalho peda- gógico. Por isso a organização curricular deve ser pautada numa visão do Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 48. 48 conhecimento interdisciplinar e transdisciplinar, que possibilita o estabeleci- mento de relações recíprocas entre vivências, conteúdos e realidade. As vivências escolares constituem um espaço adequado para que as rela- ções pedagógicas sejam democráticas. Todas as oportunidades de inserção dos estudantes em práticas democráticas deverão ser estimuladas pela escola. A organização das atividades escolares deverá ter a marca de uma pedagogia da autonomia, tendo em vista assegurar a formação cidadã do estudante. Como a escola assegura a progressão dos estudantes? R etornemos mais uma vez a Freitas, quando chama a atenção para o fato de que a progressão continuada é her- deira da tradição liberal do domínio integral da aprendizagem. Nessa perspectiva, pretende-se que a escola se reorganize juntando séries, modifique as formas de avaliação e introdu- za inovações pedagógicas que venham a compensar as diferenciações socioeconô- micas, com o objetivo de permitir ritmos di- Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente
  • 49. 49 FALA ESCOLA! ferenciados em espaços maiores de tempo. Mas esse mesmo autor adverte que a progressão continuada reduz-se à questão da eliminação do tempo fixo e deixa sem solução a questão da ajuda apropriada ao aluno, já que não se propõe a criar meios de atender aos alunos em suas diferenças. Junta-os em outros períodos, às vezes sob a tutela de outro professor que não conhece os alunos, de maneira que mantém o mesmo tipo de ensino que não funcionou antes com esses alunos – ou pior, destina-se a enganá-los com atividades que não produzirão a aprendizagem perdida. [...] É conhecida a pres- são para que mesmo estes alunos que não conseguem se recuperar passem de ano ou de ciclo (2004, p.155-156). Entendendo tais limites, é necessário que a escola discuta a questão da pro- gressão continuada considerando dois aspectos relacionados entre si: as polí- ticas governamentais, em nível nacional e em nível local, que buscam estabe- lecer melhores condições para o processo de ensino-aprendizagem, e a pró- pria organização e dinâmica pedagógica escolar. Como afirma Freitas: “Não basta dar mais tempo para o estudante aprender. É preciso exercer uma ação eficaz no tempo adicional que ele passa na escola. A mera passagem do tempo não gera aprendizagem” (2004, p. 156). Na ESCOLA AZUL, os docentes e gestores orga- nizam uma semana pedagógica para refletir sobre as questões relativas à aprendizagem dos estudan- tes e à própria organização do trabalho pedagógico. Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 50. 50 Estão convencidos de que é necessário encarar to- dos os momentos em que os estudantes estão na es- cola como momentos pedagógicos, e, portanto, mo- mentos em que são processadas muitas aprendiza- gens importantes para suas vidas. Tal entendimen- to os levou a procurar deixar mais claro para todos o sentido do seu fazer pedagógico em função das finalidades da escola, numa sociedade capitalista. Para eles essa discussão tem sido muito rica por proporcionar referências mais seguras para enten- der a questão da progressão escolar. De fato, como destacam vários estudiosos, somente uma pequena parte do tempo, na escola, é dedicada à socialização e construção do conhecimen- to. Como situa Enguita, “O resto, a maior parte, é empregado em forçar ou evitar rotinas, em impor ou escapar ao controle, em manter ou romper a ordem. A experiência da escolaridade é algo mais amplo, profundo e com- plexo do que o processo de instrução” (1989, p. 158). Esses comentários demonstram o nível de complexidade dessa discus- são, bem como as decisões tomadas pelos sistemas de ensino e pelas escolas quanto à progressão escolar, tendo em vista que envolvem as finalidades da escola, a definição de objetivos e de estratégias que visem manter os estu- dantes na escola. Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente
  • 51. 51 FALA ESCOLA! A ESCOLA AZUL, durante a Semana Pedagógica, procurou avançar na discussão sobre progressão con- tinuada, colocando como ponto central a pergunta: Progressão Escolar: Por quê? Para quê? Como? O debate foi acalorado, porque duas posições esta- vam em confronto. Uma parte dos docentes conside- rava que a escola deveria apoiar-se, de imediato, na legislação e adotar a progressão continuada. Outros docentes defendiam que a progressão somente fosse adotada quando a escola tivesse condições materiais e pedagógicas para proporcionar a recuperação para- lela dos estudantes. Após muita discussão, o grupo chegou ao seguinte consenso: seriam implementadas, na escola, ações de reforço e recuperação paralela, garantindo-se sistematicamente espaços para os docentes discutirem as metodologias e os materiais didá- ticos diferenciados. Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 52. 52 Ao estudante é garantido por lei o direito de acesso aos níveis posteriores de ensino, considerando o seu tempo de aprendizagem. Nas escolas que ado- tam a progressão regular por série, deverá ser prevista a possibilidade da pro- gressão parcial, desde que sejam observadas as normas emanadas do respecti- vo sistema de ensino e preservada a seqüenciação do currículo. Esse dispositivo viabiliza a promoção ao período seguinte, conforme o regimento em vigor, respeitada a norma que o sistema de ensino estabelece (art. 24, III). Contudo, os esperados efeitos positivos da aplicação desse dispositivo para a trajetória escolar do estudante estão, em parte, relacionados à capacidade de a escola propor atividades pedagógicas inovadoras, relevantes e significati- vas, considerando o tempo efetivo para que a aprendizagem possa ocorrer. Ao longo desse processo, os docentes poderão fazer o registro do acompanha- mento do estudante e do grupo, considerando as dimensões relativas ao co- nhecimento, às atitudes e valores, às aprendizagens socioafetivas e culturais. Esses subsídios serão utilizados para refletir sobre os efeitos que derivaram da ação pedagógica e o seu redirecionamento de acordo com as necessidades eventualmente constatadas. É tarefa do Conselho Escolar acompanhar as formas como se realizam as progressões dos estudantes, verificar de que modo estão se saindo nas recu- perações propostas pelos docentes e quais resultados alcançaram, bem como o tempo adequado para as atividades realizadas (Caderno de consulta). Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente
  • 53. 53 2.2 O tempo pedagógico e o Conselho Escolar Qual é o sentido do tempo pedagógico? Q uando se faz menção ao tempo pe- dagógico, está-se aludindo ao tem- po escolar que favorece a aquisição, pelos estudantes, das aprendizagens significati- vas. Esse tempo pedagógico está demarcado pe- las normas instituídas pelas políticas educacionais em nível macro e pelas decisões internas à escola. Mas, além disso, refere-se também ao senti- do pedagógico do tempo livre. Tempo suposta- mente destinado ao lazer, às descobertas de ou- tros sentidos, à fruição de prazeres, fora do es- paço estritamente escolar. O tempo considerado “livre” está também inserido no processo peda- gógico, gerando novas aprendizagens e concor- rendo para uma formação integrada do cidadão. O tempo pedagógico não pode ser desperdi- çado, sob pena de se assistir ao esvaziamento da prática pedagógica que impulsiona o estudante Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 54. 54 Os docentes farão o registro do acompanhamento do estudante e do grupo, considerando as dimensões relativas ao conhecimento, às atitudes e valores, às aprendizagens socioafetivas e culturais. Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente
  • 55. 55 FALA ESCOLA! para atingir novos patamares de aprendizagens. Todos que participam da escola são responsáveis em garantir que o tempo pedagógico não seja desperdiçado ou esvaziado de sentido. Essa é uma das tarefas que o Conselho Escolar deve assumir. Podemos assinalar que o Conselho Escolar é co-responsável pela amplia- ção das oportunidades de aprendizagens significativas para os estudantes. São várias as contribuições que podem ser dadas pelo Conselho Escolar em relação a esse item. Inicialmente, o Conselho Escolar pode estimular a participação qualificada dos seus membros nas discussões coletivas, buscando objetivos comuns. Cabe- lhe estimular a reflexão sobre o processo pedagógico e sobre o cotidiano da escola. Tais reflexões propiciam a investigação sobre a realidade das comuni- dades escolar e local em suas articulações com a sociedade mais ampla. O Conselho Escolar da ESCOLA AZUL, ao se reunir pela primeira vez, discutiu a necessidade de que todos os participantes desse colegiado tivessem clareza da função principal da escola e da importância de se considerar o tempo pedagógico como um aspecto central do currículo. Após muita discussão, o Conselho Escolar considerou ser sua tarefa acompanhar as atividades escolares, de modo que assegurasse que o tempo pedagógico fosse objeto de atenção de todos que estavam diretamente envolvidos com os estudantes, em particular os docentes e gestores. Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 56. 56 O Conselho Escolar precisa estar preparado e estabelecer suas estratégias. Duas funções lhe são demandadas: deliberar sobre as formas de promover os princípios de convivência democrática no âmbito escolar e participar ativa- mente dos processos avaliativos. Essas duas funções complementares visam um único objetivo: assegurar, na instituição, um ambiente de aprendizagem ao estudante, visando a sua formação cidadã. A escola, por meio do currículo, organiza, socializa e constrói conhecimen- tos e saberes que são situados historicamente. Quem determina que esse co- nhecimento e não outro seja considerado? Quais são os interesses que estão subjacentes à seleção desse conhecimento no currículo? Como esse conheci- mento poderá ser desenvolvido pelo estudante? Atenção! O Conselho Escolar deve estar atento ao fato de que o currículo e as práticas pedagógicas não constituem um campo neutro. Tanto os especia- listas, no Ministério ou secretarias de educação, como os docentes, os gestores e demais segmentos da escola, ao definirem a política de ensino para uma rede ou unidade escolar, estarão sempre refletindo visões particulares de mundo, de sociedade, de escola, de aprendizagem e de ensino, entre outras. De fato, entre outras concepções, o currículo pode ser concebido como “um artefato cultural e como território contestado” (SILVA, 1999). O que significa isso? Quer dizer que “currículo como campo cultural, como campo de cons- trução e produção de significações e sentido, torna-se, assim, um terreno cen- tral dessa luta de transformação das relações de poder” (idem, p. 30). Assim, “o currículo, enquanto definição ‘oficial’ daquilo que conta como conhecimento válido e importante, expressa os interesses dos grupos e classes colocados em vantagem em relações de poder” (p. 29). De outro lado, “o currículo, ao ex- pressar essas relações de poder, ao se apresentar, no seu aspecto ‘oficial’, como representação dos interesses do poder, constitui identidades individuais e sociais que ajudam a reforçar as relações de poder existentes, fazendo com que os grupos subjugados continuem subjugados” (p. 29). Se, na verdade, queremos mudar as relações de poder, no sentido de sua democratização, a luta também se efetiva no campo do currículo. Lembremos: Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente
  • 57. 57 o currículo não é um veículo de transmissão do conhecimento neutro. Ao con- trário, “é o terreno em que ativamente se criará e produzirá cultura” (p. 28). E as relações de poder também estão inscritas nas rotinas e rituais cotidianos da escola e da sala de aula. O tempo é um fator importante na avaliação escolar? Q uando estamos discutindo questões relativas ao ensinar e ao aprender sempre ouvimos a expressão ao lon- go do ano letivo. Essa expressão aparece tam- bém quando assinalamos algo relativo à ava- liação da aprendizagem. Nos últimos tempos, no país, tem ganhado destaque, no acompanhamento do estudante e do grupo, a prática de utilização de registros pelo docente, aolongodoano letivo, como base de um parecer ou uma apreciação final a res- peito do desempenho escolar. Essa prática, ini- cialmente utilizada no âmbito da educação in- Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 58. 58 fantil, aos poucos vai sendo incorporada aos demais níveis da educação básica. A utilização do registro tem-se revelado um instrumento importante para a avaliação processual, tendo em vista que permite ao professor apreender de forma mais sistemática o processo de desenvolvimento do estudante e do gru- po, bem como o processo de construção do conhecimento pelo estudante. O registro permite ao docente captar a dinâmica de sala de aula, refletir e, se for o caso, redirecionar sua própria prática. Nesse processo, o tempo é fundamental para que o docente possa identifi- car os fatores de sua ação pedagógica que incidem no cotidiano escolar, bem como possibilita analisar de forma mais consistente o desempenho de cada um dos estudantes e do grupo. Para que isso possa vir a ser feito a contento, é necessário que os docentes se apropriem dessa metodologia da observação. Além disso, esses registros permitem aos docentes situar de forma mais objetiva o desempenho dos estudantes nos momentos destinados às avalia- ções coletivas. É bom destacar que tais observações e respectivos registros não se restringem apenas aos conteúdos de sala de aula relacionados aos compo- nentes curriculares, mas dizem respeito à própria vivência dos estudantes, suas iniciativas, suas atividades e seus interesses. Freitas contribui para ampliar o âmbito dessa discussão ao assinalar que a lógica da avaliação não é independente da lógica da escola (2004, p. 157-158) . Esse autor considera que o fenômeno da avaliação em sala de aula abrange pelo menos três componentes: O aspecto instrucional – o lado mais conhecido da avaliação –, pelo qual se ava- lia o domínio de habilidades e conteúdos em provas, chamadas, trabalhos etc. Boa parte das definições de avaliação somente capta esse elemento ao enfatizar que a avaliação é para saber que o aluno aprendeu. A avaliação do comportamento do aluno em sala – é um poderoso instrumento de controle do ambiente escolar, já que permite ao professor exigir do aluno “obe- diência” às regras. O poder dessa exigência está ligado ao fato de o professor ter a possibilidade de aprovar ou reprovar, a partir do elemento anterior, ou seja, a par- tir da avaliação da instrução. O autor chama a atenção para o fato de que Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente
  • 59. 59 essa não é uma boa forma de controle, mas adverte que quando os ciclos ou a progressão continuada impedem o uso da avaliação como forma de reprovar ou reter o aluno, supondo que estão apenas interferindo com o plano instrucional, impedem adicionalmente o exercício do poder do professor no processo de ensino- aprendizagem da sala de aula, sem nada colocar no lugar, sequer a preparação do professor e dos alunos para a nova situação. Como não há motivadores naturais que o professor possa utilizar, a retirada dos motivadores artificiais (nota, repro- vação etc.) desestabiliza as relações de poder existentes, obrigando o professor a lançar mão de outras formas de controle, nem sempre mais adequadas. A avaliação de valores e atitudes – ocorre cotidianamente em sala de aula e consiste em expor o aluno a reprimendas verbais e físicas, comentários críticos e até humilhações perante a classe, criticando seus valores e suas atitudes. Cabe enfatizar que é no campo da avaliação de valores e atitudes, bem como no campo da avaliação do comportamento do aluno, que se instala preferencialmente a lógi- ca da submissão (2004, p. 157-158). Considerando tais aspectos atribuídos à avaliação, chamamos a atenção para dois pontos. Primeiramente, é provável que esses processos avaliativos articulados ganhem maior intensidade, ao longo do tempo, reforçando as re- lações de dominação e submissão dos estudantes aos professores e, no limite, à ordem estabelecida. Em segundo lugar, se a escola quer escapar dessa lógi- ca, de viés conformista, terá que pôr essas características em questão, median- te a estruturação de momentos de reflexão e debate com o coletivo da escola. Nesse encaminhamento, o Conselho Escolar tem um papel central, com pos- sibilidades de influir no redirecionamento das práticas pedagógicas que cer- ceiam a construção da autonomia dos estudantes. Freitas, baseado nos estudos de Perrenoud (1986, p. 50), ainda alerta para o fato de que a avaliação ocorre em dois planos: um formal e outro informal. Em sua análise destaca que integram a avaliação formal as técnicas e os proce- dimentos palpáveis de avaliação, como provas e trabalhos que conduzem a uma nota; contudo, no que diz respeito à avaliação informal, acentua que pre- dominam os juízos de valor invisíveis e que acabam por influenciar os resul- Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 60. 60 O tempo é fundamental para que o docente possa identificar os fatores de sua ação pedagógica que incidem no cotidiano escolar. Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente
  • 61. 61 tados das avaliações finais e são construídas pelos estudantes e professores nas interações diárias. Essas interações criam, de forma permanente, repre- sentações de uns sobre os outros. O autor chama a atenção para um aspecto importante. Considera que a parte mais delicada da avaliação localiza-se nos subterrâneos, onde imperam os juízos de valor. Impenetráveis, eles passam a regular as relações entre estu- dantes e professores. Nesse jogo de representações, vão sendo construídas imagens e auto-imagens, que terminam interagindo com as decisões tomadas pelo professor no plano metodológico. É exatamente aí que, como afirma Freitas, “começa a ser jogado o destino dos alunos – para o sucesso ou para o fracasso. As estratégias de trabalho do professor em sala de aula ficam permeadas por tais juízos e determinam, consciente ou inconscientemente, o investimento que o professor fará neste ou naquele aluno” (2004, p. 159). No fundo, a questão crucial que esse autor levanta e que interessa a todos os educadores é a seguinte: há uma lógica perversa nesse julgamen- to informal, tendo em vista que quando chega a vez da avaliação formal, a avaliação informal já atuou no nível da aprendizagem, de modo que a ten- dência é a avaliação formal vir apenas confirmar os resultados da avalia- ção informal. Ou seja, as novas formas de exclusão atuam agora por dentro da escola. Adiam a eliminação do aluno e internalizam o processo de exclusão, permitindo maior tempo para a formação de atitudes de subordinação e obediência, típi- cas das estruturas historicamente construídas na escola. Liberada da avaliação formal, a avaliação informal cria trilhas diferenciadas de progressão com diferen- ciados e variados momentos de terminalidade ou com a exclusão sendo feita em anos mais elevados da estrutura escolar, quando a evasão já é tida como algo mais natural e aceitável (idem). É importante que o Conselho Escolar entre nessa discussão, considerando que o tempo escolar, o processo ensino-aprendizagem e a avaliação não têm um conteúdo abstrato. E como isso pode ser feito? Pondo em relevo as finali- dades da escola e do Projeto Político-Pedagógico que norteiam o currículo e as Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 62. 62 FALA ESCOLA! ações pedagógicas. Aspectos do cotidiano escolar que precisam ser proble- matizados podem ser escolhidos como temas de debates, exposições, pales- tras, filmes e tantas outras atividades. O importante é que se destaque e se analise a natureza das relações pedagógicas que são vivenciadas na escola por seus diversos segmentos e que contribuem para dar uma determinada feição a essa instituição. A ESCOLA AZUL, que adotara a sistemática de organização em ciclos escolares, decidiu enfrentar uma questão que vinha incomodando há algum tem- po: estudantes que progrediam de um nível para outro, mas cujo desempenho escolar estava aquém do esperado para esse patamar. Como fazê-lo de um modo que impulsionasse a participação de todos? Para tanto, contou com a ajuda do Conselho Esco- lar que, juntamente com a direção, promoveu um evento cultural, cujo destaque era um júri simula- do com o tema: Progressão Continuada – Sim ou Não? Esse júri, que contava com um corpo de jurados constituído de representantes de docentes, discentes, gestores, funcionários e da comunidade Tempo escolar – a mediação pedagógica consciente
  • 63. 63 local, foi antecedido da realização de diversas ativi- dades em sala de aula que tratavam de vários aspec- tos relacionados com a progressão. No dia do julga- mento, o interesse pelo debate era visível entre estu- dantes, professores e membros da comunidade. O veredicto: Progressão continuada sim, mas com re- gras e procedimentos metodológicos claros e passí- veis de avaliação por todos os segmentos da escola. É importante reiterar que os estudantes têm direito ao avanço na constru- ção de seu conhecimento, bem como à terminalidade de seus cursos. Desse modo, a formação integral e emancipadora dos estudantes implica a garantia dessas condições, o exercício de participação da escola e o respeito às suas singularidades históricas. Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico
  • 64. 64 AGUIAR, Márcia A. da S.; SILVA, Aída M. M. (Orgs.). Retrato da escola no Brasil. Brasília: CNTE, 2004. BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei n. 9.394/96. Disponível em: <www.mec.gov.br/legis/default.shtm>. Acesso em: 20 out.2004. BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei n. 9.394/96. 4. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2001. Apresentação de Carlos Roberto Jamil Cury. BRASIL. Parecer n. 05/97 da Câmara de Educação Básica (CEB) do Conselho Nacional de Educação (CNE). Disponível em: <www.mec.gov.br/cne/ parecer2.shtm>. Acesso em: 20 out.2004. BRASIL. Parecer CNE/CP n. 003-2004: Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Disponível em: <www.mec.gov.br/cne/ parecer1.shtm>. Acesso em: 20 out.2004. CASASSUS, Juan. A escola e a desigualdade. Brasília: Editora Plano, 2002. CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber. Porto Alegre: Artmed Edi- tora, 2000. DOURADO, Luiz F. A gestão democrática e a construção de processos coleti- vos de participação e decisão na escola. In: FERREIRA, Naura S. C.; AGUIAR, Márcia A. da S. (Orgs.). Para onde vão a orientação e a supervisão educacio- nal? Campinas, SP: Papirus, 2002. ReferênciasReferênciasReferênciasReferênciasReferências
  • 65. 65 FERREIRA, Naura S. C.; AGUIAR, Márcia, A. da S. (Orgs.). Gestão da educa- ção: impasses, perspectivas e compromissos. São Paulo: Cortez, 2000. ENGUITA, M. F. A face oculta da escola. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989. FREITAS, Luiz C. A avaliação e as reformas dos anos de 1990. Educação & Sociedade, Campinas, n. 86, p. 13-170, 2004. GRACINDO, Regina Vinhaes. Projeto Político-Pedagógico: retrato da escola em movimento. In: AGUIAR, Márcia A. da S.; SILVA, Aída M. M. (Orgs.). Retrato da escola no Brasil. Brasília: CNTE, 2004. PERRENOUD, P. Das diferenças culturais às desigualdades escolares: a avaliação e a norma num ensino diferenciado. In: ALLAL, L.; CARDINET, J.; PERRENOUD, P. Avaliação formativa num ensino diferenciado.Coimbra: Almedina, 1986. PREFEITURA DO RECIFE. Secretaria de Educação. Os ciclos de aprendizagem e a organização escolar. Recife, 2001. SILVA, Tomaz T. da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. VEIGA, Ilma P. A.; RESENDE, Lúcia M. G. de (Orgs.). Escola: espaço do pro- jeto político-pedagógico. Campinas, SP: Papirus, 1998. WITTMANN, Lauro Carlos; GRACINDO, Regina Vinhaes (Coords.). O esta- do da arte em política e gestão da educação no Brasil: 1991 a 1997. Brasília; Campinas: ANPAE; Editora Autores Associados, 2001.
  • 66. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação-Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de Ensino Esplanada dos Ministérios, Bloco L, Sala 526 – Edifício-Sede CEP 70047-901 – Brasília/DF Telefones: (61) 2104-8666 / 2104-9284 - Fax: (61) 2104-8337 e-mail: conselhoescolar@mec.gov.br