SlideShare uma empresa Scribd logo
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 01
TEXTO BÍBLICO
• 15- Não rogo que os tires do mundo, mas que os protejas do Maligno.
• 16- Eles não são do mundo, como eu também não sou.
• 17- Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade.
• 18- Assim como me enviaste ao mundo, eu os enviei ao mundo.
• 19- Em favor deles eu me santifico, para que também eles sejam
santificados pela verdade.
(João 17:15-19)
DESTAQUE
• 2 - Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela
renovação da sua mente,
(Rm 12:2 a)
DEVOCIONAL
• SEG......................................... Gn 2:18
• TER......................................... 1 Pd 1:25
• QUA........................................ Mt 22:29
• QUI.......................................... Fp 2:15
• SEX......................................... Mt 5:13
• SAB......................................... Mt 5:14
• DOM........................................ Gn 12:3
OBJETIVOS
• Compreender: O que é uma sociedade.
• Saber: Que os valores de Deus são eternos e imutáveis para todas as
sociedades.
• Conscientizar: De que Jesus deseja que façamos a diferença em nossa
sociedade.
I – O QUE É UMA SOCIEDADE
• Vocábulo sociedade vem do latim societas e significa “associação
amistosas com os outros.
• O ser humano e um ser gregário, ou seja, ele necessita da companhia do
outro para perpetuação da espécie e para sua própria sobrevivência e
desenvolvimento.
• A sociedade é objeto de estudo comum entre as (Ciências
humanas/ciências sociais), especialmente a sociologia, a história,
a antropologia e a geografia.
• É um grupo de indivíduos que formam um sistema semi-aberto, no qual a
maior parte das interações é feita com outros indivíduos pertencentes ao
mesmo grupo.
• Uma sociedade é uma rede de relacionamentos entre pessoas.
• Uma sociedade é uma comunidade interdependente.
• O significado geral de sociedade refere-se simplesmente a um grupo de
pessoas vivendo juntas numa comunidade organizada.
• Está implícito no significado de sociedade que seus membros compartilham
interesse ou preocupação mútuas sobre um objetivo comum. Como tal,
sociedade é muitas vezes usado como sinônimo para o coletivo de
cidadãos de um país governados por instituições nacionais que lidam com
o bem-estar cívico.
• Pessoas de várias nações unidas por tradições, crenças ou
valores políticos e culturais comuns, em certas ocasiões também são
chamadas de sociedades (por exemplo, Judaico-Cristã, Oriental, Ocidental
etc.). Quando usado nesse contexto, o termo age como meio de comparar
duas ou mais "sociedades" cujos membros representativos representam
visões de mundo alternativas, competidoras e conflitantes.
• Também, alguns grupos aplicam o título "sociedade" a eles mesmos, como
a "Sociedade Americana de Matemática". Nos Estados Unidos, isto é mais
comum nocomércio, em que uma parceria entre investidores para iniciar
um negócio é usualmente chamada de uma "sociedade". No Reino Unido,
parcerias não são chamadas de sociedade, mas cooperativas.
II – MUDANÇAS SOCIAIS
• Assim como as famílias, as sociedades não são imutáveis. Elas sofrem
alterações ao longo dos anos.
• Já tivemos sociedades primitiva, antiga medieval, moderna e pós-moderna.
• A ciência que estuda os fenômenos da vida em sociedade é a sociologia.
• São muitos os fatores que favorecem às mudanças sociais e culturais de
uma sociedade.
• No entanto, toda alteração tem um lado bom e outro ruim.
• As mudanças incomodam, e muito! Desde uma simples mudança de endereço ou
residência, passando por mudanças de trabalho ou função, todas elas nos causam
uma certa ansiedade ou apreensão.
• Mesmo quando são para melhor, as mudanças trazem alguns elementos negativos
(algumas perdas).
• Um exemplo disso é aquela tão aguardada promoção que coloca mais dinheiro no
bolso do empregado mas que, ao mesmo tempo, reduz ainda mais o pouco tempo
que ele possui para passar com a família.
• Mas, embora incômodas, e às vezes traumáticas, as mudanças acontecem e
devemos estar preparados para enfrentá-los.
• No livro Pensamento & Mudanca, o autor, Dr, Nelson Spritzer, fala sobre os
grandes ciclos da mudança que o mundo tem experimentado.
• Ele mostra como algumas pessoas e empresas percebem esses ciclos, preparam-se
adequadamente para sobreviverem e, mais do que isso, aproveitam essas ocasiões
e crescem.
• Eles dão bem, enquanto muitas pessoas e muitas empresas se dão mal e acabam
falindo.
• As mudanças possuem um raio de ação quase ilimitado. Elas afetam todas as
pessoas. Uma se adaptam. Encaram de forma positiva as mudanças.
• Crescem. Avançam. Já um outro grupo de pessoas e empresas não resistem às
mudanças. Fracassam! Vão à falência!
• Esta é uma das grandes lições a serem extraídas do texto de Jeremias: “Se te
fadigas correndo com homens Que vão a pé, como poderás competir com os Que
vão a cavalo? Se em terra de paz não te sentes seguro, que farás na floresta do
Jordão?”(Jeremias12:5).
• O profeta Jeremias foi um poria-voz de Deus a anunciar os juízos divinos que
estavam prestes a cair sobre o seu povo, O trabalho era muito difícil.
• Jeremias cumpria a desgastante missão de convencer os seus patrícios aceitar o
castigo divino, submetendo-se ao jugo babilônico.
• Isso fazia com que ele fosse visto pelo seu povo como um “entreguista”, um
traidor.
III – JESUS E A SOCIEDADE DO SEU
TEMPO
• Jesus, Filho de Deus, não era um eremita.
• Ele pertenceu a uma família e viveu numa sociedade marcada por graves
problemas socioeconômicos.
• Cristo não rejeitou a ninguém, mas também não concordou com o modo de
pensar da sociedade. Muitos ficaram bravos com Jesus, em especial os
fariseus e saduceus, que era os partidos político-religiosos daquela época.
• Na sociedade do tempo de Jesus os grupos, diferenciavam no modo de relacionar
com a política, economia, religião. Eles tinham grande importância no quadro
social daquela época. Ao lermos os Evangelhos deparamos com estes grupos com
os quais Jesus entrava em dificuldades e conflitos.
• O grupo dos Saduceus
• Formado pelos proprietários de terras e membros da elite sacerdotal. Com o poder
na mão, controlava a administração da justiça no Tribunal Supremo o Sinédrio.
Intransigentes com o povo, viviam preocupados com a ordem pública. Foram eles
os responsáveis pela morte de Jesus. Os saduceus eram colaboradores do império
romano, tinham uma política de conciliação, com medo de perder seus cargos e
privilégios.
• Os Fariseus (grupo dos doutores da Lei)
• Adquiriu maior prestígio na sociedade daquele tempo. Seu grande poder residia
no saber. A influência deles era exercida em três lugares: Sinédrio, sinagoga e
escola.
• No Sinédrio, apresentavam como juristas para aplicar a Lei nos assuntos
governamentais e questões judiciárias.
• Na sinagoga, eram os grandes intérpretes das Escrituras, criando a tradição através
da releitura, explicação e aplicação da Lei para os novos tempos.
• Eles monopolizavam a interpretação das Escrituras, e tornavam guias espirituais do
povo, determinando até mesmo as regras que dirigem o culto.
• Os Fariseus eram nacionalistas hostis ao império romano, de resistência passiva.
Os fariseus eram formado por leigos provindos de todas as camadas da sociedade,
artesãos e pequenos comerciantes.
• A maioria do clero pobre, que se opõe à elite sacerdotal pertencia a esse grupo.
• Na religião, os fariseus caracterizam pelo rigoroso cumprimento da Lei em todos os
campos e situações da vida diária.
• Eram conservadores zelosos e criadores de novas tradições, através da
interpretação da Lei para o momento histórico em que viviam.
• A maior expressão do farisaísmo era a criação da sinagoga, opondo-se ao Templo,
dominado pelos saduceus.
• Assim a sinagoga, com a leitura, interpretação dos textos bíblicos e orações,
tornavam-se a expressão religiosa oposta ao sistema cultual e sacrifical do Templo.
• Os Zelotas
• Constituíram a partir dos fariseus. Provinham da classe camponesa, as camadas
pobres da sociedade massacradas por um sistema fiscal impiedoso. Desejam
expulsar os dominadores pagãos romanos, eram contrários ao governo de Herodes
na Galiléia. Queriam restaurar um Estado onde Deus é o único rei, representado
por um descendente de Davi o messianismo.
• Nesse sentido, os zelotas eram reformistas, pretendiam restabelecer uma situação
passada. Enquanto os fariseus mantinham numa atitude de resistência passiva, os
zelotas partiam para a luta armada. As autoridades os consideravam criminosos e
terroristas, eram perseguidos pelo poder romano. Entre os apóstolos de Jesus,
provavelmente dois eram zelotas: Simão (Mc 3,19) e Judas Iscariotes. Simão Pedro
parece adotar certos métodos dos zelotas.
• Os Erodíamos
• Eram funcionários da corte de Herodes eram conservadores tinham o poder civil
da Galiléia nas mãos. Fortes opositores dos zelotas viviam preocupados em
capturar agitadores políticos na Galiléia. Foram eles responsáveis pela morte de
João Batista.
• Os Essênios
• Este grupo foi resultado de fusão entre sacerdotes dissidentes do clero de
Jerusalém e de leigos exilados. Na época de Jesus, viviam em
comunidades com estilo de vida bastante severo, caracterizado pelo
sacerdócio e hierarquia, legalismo rigoroso, espiritualidade apocalíptica e a
pretensão de ser o verdadeiro povo de Deus. Assemelham-se aos fariseus
e estavam em ruptura radical com o judaísmo oficial. Tendo deixado
Jerusalém, dirigiram para regiões de grutas, para viverem ideal
"monástico". Tinham uma vida em comum, dividiam seus bens. Tinham
obrigação de trabalhar com as próprias mãos, o comércio era proibido,
assim como o derramamento de sangue, mesmo em forma de sacrifícios.
• Os Samaritanos
• Como o próprio nome indica, eram habitantes da Samaria, descendentes da
população mista israelita e pagã. Não formavam uma seita propriamente dita, mas
os Samaritanos afastaram-se do judaísmo oficial. Tinham o Pentateuco em comum
com os Judeus, mas construíram o seu próprio Templo no monte Garizim (2Rs. 17,
24-28), por este motivo os Judeus (habitantes da Judeia - ao sul) considerava-os
como pagãos. As relações entre eles e os Judeus eram muito tensas (Lc. 9,52; Jo.
4,9; 8,48). O comportamento de Jesus a seu respeito escandalizou os seus
contemporâneos (Jo. 4,5-.40; Lc. 10,13; 17,10-17).
• A missão cristã desenvolveu-se primeiro entre eles (At. 1,8: 8,5-25; 9,31; 15,3).
IV – JESUS ENVIOU DISCÍPULOS A
UMA SOCIEDADE CARENTE
• O Filho de Deus veio ao mundo com uma missão: resgatar a humanidade
pecadora.
• Ele cumpriu sua tarefa, morreu na cruz e ressuscitou ao terceiro dia por
amor a nós. Depois de ascender aos céus, seus discípulos dariam
continuidade à sua obra.
• O Senhor não iria tira-los deste mundo, mas, sim, enviá-los para que
fizessem a diferença na sociedade em que estavam inseridos (Jo 17:15-18)
• O problema das tradições judaicas associadas à Jesus e sua fidelidade à Toráh tem
permeado discussões acaloradas deste o início de seu próprio movimento no
século I d.C. Seria Jesus um "judeu desviante" ou seria ele um fiel seguidor da
Torah? O conflito mais radical entre as comunidades cristãs no período posterior à
destruição do Templo e o movimento proto-rabínico centrado nas sinagogas
tendeu ao longo dos textos do Novo Testamento a tornar a compreensão dos
efetivos debates de Jesus com os fariseus e seu relacionamento com eles uma
atividade das mais complexas.
• Jesus vai iniciar o envio de seus apóstolos, proclamando que a seara é grande e os
operários são poucos (Mt 9, 37).
• A seguir, continuando o relato de Mateus, no capítulo 10 do evangelho por ele
escrito, Jesus passa a dar as recomendações sobre a missão: Ir as ovelhas
perdidas...(Mt 10, 6) Curai os doentes, ressuscitai os mortos, expulsai
demônios...(Mt 10, 8) Dê de graça, porque de graça recebeste...(Mt10, 8) Saudai as
casas por onde entrares...(Mt 10, 13)Sede prudentes como as serpentes e simples
como as pombas...(Mt 10, 16) Não vos preocupeis com o que falar...(Mt10, 19) O
discípulo não está acima do seu mestre...(Mt10, 24) e, por fim, Não tenham medo!
(Mt 10, 26-ss).
A missão proclamada por Jesus não parou no tempo histórico.
• Ainda hoje, homens e mulheres são chamadas para dar continuidade ao trabalho
iniciado pelos doze apóstolos.
• Fruto da experiência pessoal de Deus, a missão deve ser alimentada por um
discernimento que leve a uma tomada de consciência sobre onde Deus nos chama
a servir mais e melhor, a fazer o bem mais universal, a potencializar nosso esforços
a partir da doação concreta e real de nosso talentos.
• Cada um de nós é chamado a ser um desses operários.
• O exemplo da Igreja missionária deve ser um alerta para que assumamos o
compromisso de testemunharmos a palavra de Deus diante de todos os povos e de
todas as criaturas.
• Que o Senhor nos conceda a graça missionária de estarmos sempre atento à
necessidade dos que sofrem, dos que têm fome e sede de justiça, dos excluídos de
nossa sociedade e também incluídos que, mesmo não sofrendo a pobreza
material, padecem com os males da alma.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1432321221 cristãocontagiante
1432321221 cristãocontagiante1432321221 cristãocontagiante
1432321221 cristãocontagiante
Ozean Gomes
 
Gestão eficaz e carisma
Gestão eficaz e carismaGestão eficaz e carisma
Gestão eficaz e carisma
Afonso Murad (FAJE)
 
Novo perfil do redentorista
Novo perfil do redentoristaNovo perfil do redentorista
Novo perfil do redentorista
Leutherio
 
Caio fábio nephilim
Caio fábio   nephilimCaio fábio   nephilim
Caio fábio nephilim
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Jb news informativo nr. 0303
Jb news   informativo nr. 0303Jb news   informativo nr. 0303
Jb news informativo nr. 0303
JB News
 
Esta Reflexao sobre a exortacao-apostolica-evangelii-gaudium é um convite a ...
Esta Reflexao sobre a  exortacao-apostolica-evangelii-gaudium é um convite a ...Esta Reflexao sobre a  exortacao-apostolica-evangelii-gaudium é um convite a ...
Esta Reflexao sobre a exortacao-apostolica-evangelii-gaudium é um convite a ...
Janaina Clara
 
Texto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_bonino
Texto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_boninoTexto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_bonino
Texto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_bonino
Vinicio Pacifico
 
Avivamento bispo-nelson
Avivamento bispo-nelsonAvivamento bispo-nelson
Avivamento bispo-nelson
Paulo Dias Nogueira
 
Lição 8 - O genuíno culto pentecostal
Lição 8 - O genuíno culto pentecostalLição 8 - O genuíno culto pentecostal
Lição 8 - O genuíno culto pentecostal
Ailton da Silva
 
Lição 11 - Um Igreja autenticamente pentecostal
Lição 11 - Um Igreja autenticamente pentecostalLição 11 - Um Igreja autenticamente pentecostal
Lição 11 - Um Igreja autenticamente pentecostal
Ailton da Silva
 
Batalha espiritual caio fabio
Batalha espiritual caio fabioBatalha espiritual caio fabio
Batalha espiritual caio fabio
Irzo Beckedorff
 
7 reavivamento ou sepultamento
7   reavivamento ou sepultamento7   reavivamento ou sepultamento
7 reavivamento ou sepultamento
Pibatef Primeira Igreja Batista
 
Lição 5 o poder da intercessão
Lição 5   o poder da intercessãoLição 5   o poder da intercessão
Lição 5 o poder da intercessão
prvladimir
 
Seitas
SeitasSeitas
Lição 12 - O Juízo final
Lição 12 - O Juízo finalLição 12 - O Juízo final
Lição 12 - O Juízo final
Ailton da Silva
 
Doutrina social da igreja
Doutrina social da igrejaDoutrina social da igreja
Doutrina social da igreja
ctleigos
 
Lição 9 - A pureza do movimento pentecostal
Lição 9 - A pureza do movimento pentecostalLição 9 - A pureza do movimento pentecostal
Lição 9 - A pureza do movimento pentecostal
Ailton da Silva
 
Lição 13 - A evangelização integral nesta última hora
Lição 13 - A evangelização integral nesta última horaLição 13 - A evangelização integral nesta última hora
Lição 13 - A evangelização integral nesta última hora
Ailton da Silva
 
Lição 9 - A organização do serviço religioso
Lição 9 - A organização do serviço religiosoLição 9 - A organização do serviço religioso
Lição 9 - A organização do serviço religioso
Ailton da Silva
 

Mais procurados (19)

1432321221 cristãocontagiante
1432321221 cristãocontagiante1432321221 cristãocontagiante
1432321221 cristãocontagiante
 
Gestão eficaz e carisma
Gestão eficaz e carismaGestão eficaz e carisma
Gestão eficaz e carisma
 
Novo perfil do redentorista
Novo perfil do redentoristaNovo perfil do redentorista
Novo perfil do redentorista
 
Caio fábio nephilim
Caio fábio   nephilimCaio fábio   nephilim
Caio fábio nephilim
 
Jb news informativo nr. 0303
Jb news   informativo nr. 0303Jb news   informativo nr. 0303
Jb news informativo nr. 0303
 
Esta Reflexao sobre a exortacao-apostolica-evangelii-gaudium é um convite a ...
Esta Reflexao sobre a  exortacao-apostolica-evangelii-gaudium é um convite a ...Esta Reflexao sobre a  exortacao-apostolica-evangelii-gaudium é um convite a ...
Esta Reflexao sobre a exortacao-apostolica-evangelii-gaudium é um convite a ...
 
Texto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_bonino
Texto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_boninoTexto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_bonino
Texto 3 a-contribuicao_de_jose_miguez_bonino
 
Avivamento bispo-nelson
Avivamento bispo-nelsonAvivamento bispo-nelson
Avivamento bispo-nelson
 
Lição 8 - O genuíno culto pentecostal
Lição 8 - O genuíno culto pentecostalLição 8 - O genuíno culto pentecostal
Lição 8 - O genuíno culto pentecostal
 
Lição 11 - Um Igreja autenticamente pentecostal
Lição 11 - Um Igreja autenticamente pentecostalLição 11 - Um Igreja autenticamente pentecostal
Lição 11 - Um Igreja autenticamente pentecostal
 
Batalha espiritual caio fabio
Batalha espiritual caio fabioBatalha espiritual caio fabio
Batalha espiritual caio fabio
 
7 reavivamento ou sepultamento
7   reavivamento ou sepultamento7   reavivamento ou sepultamento
7 reavivamento ou sepultamento
 
Lição 5 o poder da intercessão
Lição 5   o poder da intercessãoLição 5   o poder da intercessão
Lição 5 o poder da intercessão
 
Seitas
SeitasSeitas
Seitas
 
Lição 12 - O Juízo final
Lição 12 - O Juízo finalLição 12 - O Juízo final
Lição 12 - O Juízo final
 
Doutrina social da igreja
Doutrina social da igrejaDoutrina social da igreja
Doutrina social da igreja
 
Lição 9 - A pureza do movimento pentecostal
Lição 9 - A pureza do movimento pentecostalLição 9 - A pureza do movimento pentecostal
Lição 9 - A pureza do movimento pentecostal
 
Lição 13 - A evangelização integral nesta última hora
Lição 13 - A evangelização integral nesta última horaLição 13 - A evangelização integral nesta última hora
Lição 13 - A evangelização integral nesta última hora
 
Lição 9 - A organização do serviço religioso
Lição 9 - A organização do serviço religiosoLição 9 - A organização do serviço religioso
Lição 9 - A organização do serviço religioso
 

Semelhante a 3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 01

Seitas Politico-Religiosas do Judaísmo
Seitas Politico-Religiosas do JudaísmoSeitas Politico-Religiosas do Judaísmo
Seitas Politico-Religiosas do Judaísmo
Samir Isac Dantas
 
CULTURA BÍBLICA (AULA 05 - MÉDIO CETADEB)
CULTURA BÍBLICA (AULA 05 - MÉDIO CETADEB) CULTURA BÍBLICA (AULA 05 - MÉDIO CETADEB)
CULTURA BÍBLICA (AULA 05 - MÉDIO CETADEB)
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 08
3º trimestre 2015 adolescentes lição 083º trimestre 2015 adolescentes lição 08
3º trimestre 2015 adolescentes lição 08
Joel Silva
 
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 08
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 083º trimestre 2015 Adolescentes Lição 08
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 08
Joel de Oliveira
 
2. introdução ao novo testamento
2.  introdução ao novo testamento2.  introdução ao novo testamento
2. introdução ao novo testamento
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Seitas e heresias o império das seitas vol 2 - walter mart
Seitas e heresias   o império das seitas vol 2 - walter martSeitas e heresias   o império das seitas vol 2 - walter mart
Seitas e heresias o império das seitas vol 2 - walter mart
Ionara Pereira
 
21609620 seitas-e-heresias-estudos
21609620 seitas-e-heresias-estudos21609620 seitas-e-heresias-estudos
21609620 seitas-e-heresias-estudos
Luciana Santos
 
Religioes mundiais aula 3
Religioes mundiais aula 3Religioes mundiais aula 3
Religioes mundiais aula 3
Keiler Vasconcelos
 
Período Interbíblico aula 6 seitas politico religiosas
Período Interbíblico aula 6   seitas politico religiosasPeríodo Interbíblico aula 6   seitas politico religiosas
Período Interbíblico aula 6 seitas politico religiosas
Samir Isac Dantas
 
13405581 diversos-seitas-e-heresias
13405581 diversos-seitas-e-heresias13405581 diversos-seitas-e-heresias
13405581 diversos-seitas-e-heresias
antonio ferreira
 
Livro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_III
Livro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_IIILivro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_III
Livro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_III
Patricia Farias
 
Evangelhos sinóticos aula 2
Evangelhos sinóticos aula 2Evangelhos sinóticos aula 2
Evangelhos sinóticos aula 2
Moisés Sampaio
 
O povo Hebreu - n 9
O povo Hebreu - n 9O povo Hebreu - n 9
O povo Hebreu - n 9
Graça Maciel
 
Teologia da Fidelidade X Teologia da Prosperidade
Teologia da Fidelidade X Teologia da ProsperidadeTeologia da Fidelidade X Teologia da Prosperidade
Teologia da Fidelidade X Teologia da Prosperidade
C. Soares
 
3 história do cristianismo - 3ª aula
3   história do cristianismo - 3ª aula3   história do cristianismo - 3ª aula
3 história do cristianismo - 3ª aula
PIB Penha
 
Carnaval, futebol e religião como armas políticas
Carnaval, futebol e religião como armas políticasCarnaval, futebol e religião como armas políticas
Carnaval, futebol e religião como armas políticas
Fernando Alcoforado
 
Grupos religiosos do tempo de Jesus
Grupos religiosos do tempo de JesusGrupos religiosos do tempo de Jesus
Grupos religiosos do tempo de Jesus
Jessé Lopes
 
A Bíblia (Aula 9): Livros Bibliográficos e Histórico
A Bíblia (Aula 9): Livros Bibliográficos e HistóricoA Bíblia (Aula 9): Livros Bibliográficos e Histórico
A Bíblia (Aula 9): Livros Bibliográficos e Histórico
Gustavo Zimmermann
 
Teologia do novo testamento
Teologia do novo testamentoTeologia do novo testamento
STNB-SMR-M3A
STNB-SMR-M3ASTNB-SMR-M3A
STNB-SMR-M3A
Milton JB Sobreiro
 

Semelhante a 3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 01 (20)

Seitas Politico-Religiosas do Judaísmo
Seitas Politico-Religiosas do JudaísmoSeitas Politico-Religiosas do Judaísmo
Seitas Politico-Religiosas do Judaísmo
 
CULTURA BÍBLICA (AULA 05 - MÉDIO CETADEB)
CULTURA BÍBLICA (AULA 05 - MÉDIO CETADEB) CULTURA BÍBLICA (AULA 05 - MÉDIO CETADEB)
CULTURA BÍBLICA (AULA 05 - MÉDIO CETADEB)
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 08
3º trimestre 2015 adolescentes lição 083º trimestre 2015 adolescentes lição 08
3º trimestre 2015 adolescentes lição 08
 
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 08
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 083º trimestre 2015 Adolescentes Lição 08
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 08
 
2. introdução ao novo testamento
2.  introdução ao novo testamento2.  introdução ao novo testamento
2. introdução ao novo testamento
 
Seitas e heresias o império das seitas vol 2 - walter mart
Seitas e heresias   o império das seitas vol 2 - walter martSeitas e heresias   o império das seitas vol 2 - walter mart
Seitas e heresias o império das seitas vol 2 - walter mart
 
21609620 seitas-e-heresias-estudos
21609620 seitas-e-heresias-estudos21609620 seitas-e-heresias-estudos
21609620 seitas-e-heresias-estudos
 
Religioes mundiais aula 3
Religioes mundiais aula 3Religioes mundiais aula 3
Religioes mundiais aula 3
 
Período Interbíblico aula 6 seitas politico religiosas
Período Interbíblico aula 6   seitas politico religiosasPeríodo Interbíblico aula 6   seitas politico religiosas
Período Interbíblico aula 6 seitas politico religiosas
 
13405581 diversos-seitas-e-heresias
13405581 diversos-seitas-e-heresias13405581 diversos-seitas-e-heresias
13405581 diversos-seitas-e-heresias
 
Livro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_III
Livro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_IIILivro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_III
Livro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_III
 
Evangelhos sinóticos aula 2
Evangelhos sinóticos aula 2Evangelhos sinóticos aula 2
Evangelhos sinóticos aula 2
 
O povo Hebreu - n 9
O povo Hebreu - n 9O povo Hebreu - n 9
O povo Hebreu - n 9
 
Teologia da Fidelidade X Teologia da Prosperidade
Teologia da Fidelidade X Teologia da ProsperidadeTeologia da Fidelidade X Teologia da Prosperidade
Teologia da Fidelidade X Teologia da Prosperidade
 
3 história do cristianismo - 3ª aula
3   história do cristianismo - 3ª aula3   história do cristianismo - 3ª aula
3 história do cristianismo - 3ª aula
 
Carnaval, futebol e religião como armas políticas
Carnaval, futebol e religião como armas políticasCarnaval, futebol e religião como armas políticas
Carnaval, futebol e religião como armas políticas
 
Grupos religiosos do tempo de Jesus
Grupos religiosos do tempo de JesusGrupos religiosos do tempo de Jesus
Grupos religiosos do tempo de Jesus
 
A Bíblia (Aula 9): Livros Bibliográficos e Histórico
A Bíblia (Aula 9): Livros Bibliográficos e HistóricoA Bíblia (Aula 9): Livros Bibliográficos e Histórico
A Bíblia (Aula 9): Livros Bibliográficos e Histórico
 
Teologia do novo testamento
Teologia do novo testamentoTeologia do novo testamento
Teologia do novo testamento
 
STNB-SMR-M3A
STNB-SMR-M3ASTNB-SMR-M3A
STNB-SMR-M3A
 

Mais de Joel de Oliveira

4º trimestre 2015 adolescentes lição 02
4º trimestre 2015 adolescentes lição 024º trimestre 2015 adolescentes lição 02
4º trimestre 2015 adolescentes lição 02
Joel de Oliveira
 
4º trimestre 2015 adolescentes lição 01
4º trimestre 2015 adolescentes lição 014º trimestre 2015 adolescentes lição 01
4º trimestre 2015 adolescentes lição 01
Joel de Oliveira
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 13
3º trimestre 2015 adolescentes lição 133º trimestre 2015 adolescentes lição 13
3º trimestre 2015 adolescentes lição 13
Joel de Oliveira
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 12
3º trimestre 2015 adolescentes lição 123º trimestre 2015 adolescentes lição 12
3º trimestre 2015 adolescentes lição 12
Joel de Oliveira
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 11
3º trimestre 2015 adolescentes lição 113º trimestre 2015 adolescentes lição 11
3º trimestre 2015 adolescentes lição 11
Joel de Oliveira
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 10
3º trimestre 2015 adolescentes lição 103º trimestre 2015 adolescentes lição 10
3º trimestre 2015 adolescentes lição 10
Joel de Oliveira
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 09
3º trimestre 2015 adolescentes   lição 093º trimestre 2015 adolescentes   lição 09
3º trimestre 2015 adolescentes lição 09
Joel de Oliveira
 
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 07
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 073º trimestre 2015 Adolescentes Lição 07
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 07
Joel de Oliveira
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 063° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
Joel de Oliveira
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 05
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 053° trimestre 2015 Adolescentes Lição 05
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 05
Joel de Oliveira
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 04
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 043° trimestre 2015 Adolescentes Lição 04
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 04
Joel de Oliveira
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 03
 3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 03 3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 03
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 03
Joel de Oliveira
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 02
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 023° trimestre 2015 Adolescentes Lição 02
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 02
Joel de Oliveira
 

Mais de Joel de Oliveira (13)

4º trimestre 2015 adolescentes lição 02
4º trimestre 2015 adolescentes lição 024º trimestre 2015 adolescentes lição 02
4º trimestre 2015 adolescentes lição 02
 
4º trimestre 2015 adolescentes lição 01
4º trimestre 2015 adolescentes lição 014º trimestre 2015 adolescentes lição 01
4º trimestre 2015 adolescentes lição 01
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 13
3º trimestre 2015 adolescentes lição 133º trimestre 2015 adolescentes lição 13
3º trimestre 2015 adolescentes lição 13
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 12
3º trimestre 2015 adolescentes lição 123º trimestre 2015 adolescentes lição 12
3º trimestre 2015 adolescentes lição 12
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 11
3º trimestre 2015 adolescentes lição 113º trimestre 2015 adolescentes lição 11
3º trimestre 2015 adolescentes lição 11
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 10
3º trimestre 2015 adolescentes lição 103º trimestre 2015 adolescentes lição 10
3º trimestre 2015 adolescentes lição 10
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 09
3º trimestre 2015 adolescentes   lição 093º trimestre 2015 adolescentes   lição 09
3º trimestre 2015 adolescentes lição 09
 
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 07
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 073º trimestre 2015 Adolescentes Lição 07
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 07
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 063° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 05
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 053° trimestre 2015 Adolescentes Lição 05
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 05
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 04
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 043° trimestre 2015 Adolescentes Lição 04
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 04
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 03
 3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 03 3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 03
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 03
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 02
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 023° trimestre 2015 Adolescentes Lição 02
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 02
 

Último

Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 

Último (12)

Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 

3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 01

  • 2. TEXTO BÍBLICO • 15- Não rogo que os tires do mundo, mas que os protejas do Maligno. • 16- Eles não são do mundo, como eu também não sou. • 17- Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade. • 18- Assim como me enviaste ao mundo, eu os enviei ao mundo. • 19- Em favor deles eu me santifico, para que também eles sejam santificados pela verdade. (João 17:15-19)
  • 3. DESTAQUE • 2 - Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, (Rm 12:2 a)
  • 4. DEVOCIONAL • SEG......................................... Gn 2:18 • TER......................................... 1 Pd 1:25 • QUA........................................ Mt 22:29 • QUI.......................................... Fp 2:15 • SEX......................................... Mt 5:13 • SAB......................................... Mt 5:14 • DOM........................................ Gn 12:3
  • 5. OBJETIVOS • Compreender: O que é uma sociedade. • Saber: Que os valores de Deus são eternos e imutáveis para todas as sociedades. • Conscientizar: De que Jesus deseja que façamos a diferença em nossa sociedade.
  • 6. I – O QUE É UMA SOCIEDADE • Vocábulo sociedade vem do latim societas e significa “associação amistosas com os outros. • O ser humano e um ser gregário, ou seja, ele necessita da companhia do outro para perpetuação da espécie e para sua própria sobrevivência e desenvolvimento.
  • 7. • A sociedade é objeto de estudo comum entre as (Ciências humanas/ciências sociais), especialmente a sociologia, a história, a antropologia e a geografia. • É um grupo de indivíduos que formam um sistema semi-aberto, no qual a maior parte das interações é feita com outros indivíduos pertencentes ao mesmo grupo. • Uma sociedade é uma rede de relacionamentos entre pessoas. • Uma sociedade é uma comunidade interdependente. • O significado geral de sociedade refere-se simplesmente a um grupo de pessoas vivendo juntas numa comunidade organizada.
  • 8. • Está implícito no significado de sociedade que seus membros compartilham interesse ou preocupação mútuas sobre um objetivo comum. Como tal, sociedade é muitas vezes usado como sinônimo para o coletivo de cidadãos de um país governados por instituições nacionais que lidam com o bem-estar cívico. • Pessoas de várias nações unidas por tradições, crenças ou valores políticos e culturais comuns, em certas ocasiões também são chamadas de sociedades (por exemplo, Judaico-Cristã, Oriental, Ocidental etc.). Quando usado nesse contexto, o termo age como meio de comparar duas ou mais "sociedades" cujos membros representativos representam visões de mundo alternativas, competidoras e conflitantes. • Também, alguns grupos aplicam o título "sociedade" a eles mesmos, como a "Sociedade Americana de Matemática". Nos Estados Unidos, isto é mais comum nocomércio, em que uma parceria entre investidores para iniciar um negócio é usualmente chamada de uma "sociedade". No Reino Unido, parcerias não são chamadas de sociedade, mas cooperativas.
  • 9. II – MUDANÇAS SOCIAIS • Assim como as famílias, as sociedades não são imutáveis. Elas sofrem alterações ao longo dos anos. • Já tivemos sociedades primitiva, antiga medieval, moderna e pós-moderna. • A ciência que estuda os fenômenos da vida em sociedade é a sociologia. • São muitos os fatores que favorecem às mudanças sociais e culturais de uma sociedade. • No entanto, toda alteração tem um lado bom e outro ruim.
  • 10. • As mudanças incomodam, e muito! Desde uma simples mudança de endereço ou residência, passando por mudanças de trabalho ou função, todas elas nos causam uma certa ansiedade ou apreensão. • Mesmo quando são para melhor, as mudanças trazem alguns elementos negativos (algumas perdas). • Um exemplo disso é aquela tão aguardada promoção que coloca mais dinheiro no bolso do empregado mas que, ao mesmo tempo, reduz ainda mais o pouco tempo que ele possui para passar com a família.
  • 11. • Mas, embora incômodas, e às vezes traumáticas, as mudanças acontecem e devemos estar preparados para enfrentá-los. • No livro Pensamento & Mudanca, o autor, Dr, Nelson Spritzer, fala sobre os grandes ciclos da mudança que o mundo tem experimentado. • Ele mostra como algumas pessoas e empresas percebem esses ciclos, preparam-se adequadamente para sobreviverem e, mais do que isso, aproveitam essas ocasiões e crescem. • Eles dão bem, enquanto muitas pessoas e muitas empresas se dão mal e acabam falindo.
  • 12. • As mudanças possuem um raio de ação quase ilimitado. Elas afetam todas as pessoas. Uma se adaptam. Encaram de forma positiva as mudanças. • Crescem. Avançam. Já um outro grupo de pessoas e empresas não resistem às mudanças. Fracassam! Vão à falência! • Esta é uma das grandes lições a serem extraídas do texto de Jeremias: “Se te fadigas correndo com homens Que vão a pé, como poderás competir com os Que vão a cavalo? Se em terra de paz não te sentes seguro, que farás na floresta do Jordão?”(Jeremias12:5). • O profeta Jeremias foi um poria-voz de Deus a anunciar os juízos divinos que estavam prestes a cair sobre o seu povo, O trabalho era muito difícil. • Jeremias cumpria a desgastante missão de convencer os seus patrícios aceitar o castigo divino, submetendo-se ao jugo babilônico. • Isso fazia com que ele fosse visto pelo seu povo como um “entreguista”, um traidor.
  • 13. III – JESUS E A SOCIEDADE DO SEU TEMPO • Jesus, Filho de Deus, não era um eremita. • Ele pertenceu a uma família e viveu numa sociedade marcada por graves problemas socioeconômicos. • Cristo não rejeitou a ninguém, mas também não concordou com o modo de pensar da sociedade. Muitos ficaram bravos com Jesus, em especial os fariseus e saduceus, que era os partidos político-religiosos daquela época.
  • 14. • Na sociedade do tempo de Jesus os grupos, diferenciavam no modo de relacionar com a política, economia, religião. Eles tinham grande importância no quadro social daquela época. Ao lermos os Evangelhos deparamos com estes grupos com os quais Jesus entrava em dificuldades e conflitos. • O grupo dos Saduceus • Formado pelos proprietários de terras e membros da elite sacerdotal. Com o poder na mão, controlava a administração da justiça no Tribunal Supremo o Sinédrio. Intransigentes com o povo, viviam preocupados com a ordem pública. Foram eles os responsáveis pela morte de Jesus. Os saduceus eram colaboradores do império romano, tinham uma política de conciliação, com medo de perder seus cargos e privilégios.
  • 15. • Os Fariseus (grupo dos doutores da Lei) • Adquiriu maior prestígio na sociedade daquele tempo. Seu grande poder residia no saber. A influência deles era exercida em três lugares: Sinédrio, sinagoga e escola. • No Sinédrio, apresentavam como juristas para aplicar a Lei nos assuntos governamentais e questões judiciárias. • Na sinagoga, eram os grandes intérpretes das Escrituras, criando a tradição através da releitura, explicação e aplicação da Lei para os novos tempos.
  • 16. • Eles monopolizavam a interpretação das Escrituras, e tornavam guias espirituais do povo, determinando até mesmo as regras que dirigem o culto. • Os Fariseus eram nacionalistas hostis ao império romano, de resistência passiva. Os fariseus eram formado por leigos provindos de todas as camadas da sociedade, artesãos e pequenos comerciantes. • A maioria do clero pobre, que se opõe à elite sacerdotal pertencia a esse grupo. • Na religião, os fariseus caracterizam pelo rigoroso cumprimento da Lei em todos os campos e situações da vida diária. • Eram conservadores zelosos e criadores de novas tradições, através da interpretação da Lei para o momento histórico em que viviam. • A maior expressão do farisaísmo era a criação da sinagoga, opondo-se ao Templo, dominado pelos saduceus. • Assim a sinagoga, com a leitura, interpretação dos textos bíblicos e orações, tornavam-se a expressão religiosa oposta ao sistema cultual e sacrifical do Templo.
  • 17. • Os Zelotas • Constituíram a partir dos fariseus. Provinham da classe camponesa, as camadas pobres da sociedade massacradas por um sistema fiscal impiedoso. Desejam expulsar os dominadores pagãos romanos, eram contrários ao governo de Herodes na Galiléia. Queriam restaurar um Estado onde Deus é o único rei, representado por um descendente de Davi o messianismo. • Nesse sentido, os zelotas eram reformistas, pretendiam restabelecer uma situação passada. Enquanto os fariseus mantinham numa atitude de resistência passiva, os zelotas partiam para a luta armada. As autoridades os consideravam criminosos e terroristas, eram perseguidos pelo poder romano. Entre os apóstolos de Jesus, provavelmente dois eram zelotas: Simão (Mc 3,19) e Judas Iscariotes. Simão Pedro parece adotar certos métodos dos zelotas.
  • 18. • Os Erodíamos • Eram funcionários da corte de Herodes eram conservadores tinham o poder civil da Galiléia nas mãos. Fortes opositores dos zelotas viviam preocupados em capturar agitadores políticos na Galiléia. Foram eles responsáveis pela morte de João Batista.
  • 19. • Os Essênios • Este grupo foi resultado de fusão entre sacerdotes dissidentes do clero de Jerusalém e de leigos exilados. Na época de Jesus, viviam em comunidades com estilo de vida bastante severo, caracterizado pelo sacerdócio e hierarquia, legalismo rigoroso, espiritualidade apocalíptica e a pretensão de ser o verdadeiro povo de Deus. Assemelham-se aos fariseus e estavam em ruptura radical com o judaísmo oficial. Tendo deixado Jerusalém, dirigiram para regiões de grutas, para viverem ideal "monástico". Tinham uma vida em comum, dividiam seus bens. Tinham obrigação de trabalhar com as próprias mãos, o comércio era proibido, assim como o derramamento de sangue, mesmo em forma de sacrifícios.
  • 20. • Os Samaritanos • Como o próprio nome indica, eram habitantes da Samaria, descendentes da população mista israelita e pagã. Não formavam uma seita propriamente dita, mas os Samaritanos afastaram-se do judaísmo oficial. Tinham o Pentateuco em comum com os Judeus, mas construíram o seu próprio Templo no monte Garizim (2Rs. 17, 24-28), por este motivo os Judeus (habitantes da Judeia - ao sul) considerava-os como pagãos. As relações entre eles e os Judeus eram muito tensas (Lc. 9,52; Jo. 4,9; 8,48). O comportamento de Jesus a seu respeito escandalizou os seus contemporâneos (Jo. 4,5-.40; Lc. 10,13; 17,10-17). • A missão cristã desenvolveu-se primeiro entre eles (At. 1,8: 8,5-25; 9,31; 15,3).
  • 21. IV – JESUS ENVIOU DISCÍPULOS A UMA SOCIEDADE CARENTE • O Filho de Deus veio ao mundo com uma missão: resgatar a humanidade pecadora. • Ele cumpriu sua tarefa, morreu na cruz e ressuscitou ao terceiro dia por amor a nós. Depois de ascender aos céus, seus discípulos dariam continuidade à sua obra. • O Senhor não iria tira-los deste mundo, mas, sim, enviá-los para que fizessem a diferença na sociedade em que estavam inseridos (Jo 17:15-18)
  • 22. • O problema das tradições judaicas associadas à Jesus e sua fidelidade à Toráh tem permeado discussões acaloradas deste o início de seu próprio movimento no século I d.C. Seria Jesus um "judeu desviante" ou seria ele um fiel seguidor da Torah? O conflito mais radical entre as comunidades cristãs no período posterior à destruição do Templo e o movimento proto-rabínico centrado nas sinagogas tendeu ao longo dos textos do Novo Testamento a tornar a compreensão dos efetivos debates de Jesus com os fariseus e seu relacionamento com eles uma atividade das mais complexas.
  • 23. • Jesus vai iniciar o envio de seus apóstolos, proclamando que a seara é grande e os operários são poucos (Mt 9, 37). • A seguir, continuando o relato de Mateus, no capítulo 10 do evangelho por ele escrito, Jesus passa a dar as recomendações sobre a missão: Ir as ovelhas perdidas...(Mt 10, 6) Curai os doentes, ressuscitai os mortos, expulsai demônios...(Mt 10, 8) Dê de graça, porque de graça recebeste...(Mt10, 8) Saudai as casas por onde entrares...(Mt 10, 13)Sede prudentes como as serpentes e simples como as pombas...(Mt 10, 16) Não vos preocupeis com o que falar...(Mt10, 19) O discípulo não está acima do seu mestre...(Mt10, 24) e, por fim, Não tenham medo! (Mt 10, 26-ss).
  • 24. A missão proclamada por Jesus não parou no tempo histórico. • Ainda hoje, homens e mulheres são chamadas para dar continuidade ao trabalho iniciado pelos doze apóstolos. • Fruto da experiência pessoal de Deus, a missão deve ser alimentada por um discernimento que leve a uma tomada de consciência sobre onde Deus nos chama a servir mais e melhor, a fazer o bem mais universal, a potencializar nosso esforços a partir da doação concreta e real de nosso talentos. • Cada um de nós é chamado a ser um desses operários. • O exemplo da Igreja missionária deve ser um alerta para que assumamos o compromisso de testemunharmos a palavra de Deus diante de todos os povos e de todas as criaturas. • Que o Senhor nos conceda a graça missionária de estarmos sempre atento à necessidade dos que sofrem, dos que têm fome e sede de justiça, dos excluídos de nossa sociedade e também incluídos que, mesmo não sofrendo a pobreza material, padecem com os males da alma.