SlideShare uma empresa Scribd logo
MODELO
TEXTO BÍBLICO
Mateus 5:13-16
• 13 - Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com
que se há de salgar? Para nada mais presta senão para
se lançar fora, e ser pisado pelos homens.
• 14 - Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder
uma cidade edificada sobre um monte;
• 15 - Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do
alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na
casa.
• 16 - Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens,
para que vejam as vossas boas obras e
glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.
DESTAQUE
• “...Vocês são o sal para a humanidade; mas, se o sal
perde o gosto, deixa de ser sal e não serve para mais
nada...”
(Mt 5:13 a)
DEVOCIONAL
• SEG......................................... Mt 5:13
• TER......................................... Mt 5:14
• QUA........................................ Mt 5 13 b
• QUI.......................................... Mt 7:16,17
• SEX......................................... 2 Co 5:17
• SAB......................................... Jo 15:4
• DOM........................................ Rm 12:2
OBJETIVOS
• Conscientizar: de que o cristão precisa fazer a
diferença na sociedade em que está inserido.
• Saber: Que o cristão precisa produzir bons frutos.
• Compreender: O real significado de ser “sal” da terra e
“luz” deste mundo.
I –Frutos que fazem a diferença
• Ser “sal” e “luz” é testemunhar de Cristo mediante as
nossa s ações, obras e palavras.
Sal
Luz
• Você é um referencial para aqueles que estão à sua
volta.
• Os não crentes querem ver em você a luz de Cristo.
• Jesus viveu numa sociedade corrompida pelo pecado,
mas Ele não pecou.
• O pecado afetou consideravelmente imagem de Deus em nós
levando-nos a produzir as obras da carne.
• (Efésios 2.2,3; Gálatas 5.19-21) Entretanto através do novo
nascimento, Cristo é novamente formado em nós e assim
somos transformados constantemente de glória em glória,
crescendo na graça e no conhecimento de Jesus Cristo.
• (2 Co 3.17,18) A manifestação do fruto do Espírito Santo diz
respeito à nossa santificação.
• (separação do pecado e consagração a Deus) É através da
manifestação do fruto do Espírito Santo que a maturidade
espiritual torna-se perceptível.
II – Gerados em Cristo
• Não vivemos mais segundo a carne, cumprindo os seus
desejos malignos (Rm 6:17,18 – 8:9).
• Como novas criaturas, produzimos novos frutos, ou seja,
novas ações , pois agora somos guiados e dirigidos pelo
Senhor.
"Gerados de Novo para uma Viva Esperança“
• No ano 64 d.C., uma grande parte da cidade de Roma foi
queimada.
• Alguns acreditavam que o imperador Nero era o responsável,
tentando abrir espaço para seus projetos de construção.
• Enfrentando tais acusações, o próprio Nero acusou um grupo
de pessoas já vistas com suspeita pelo público em geral, os
cristãos.
• Durante mais ou menos o mesmo período de tempo, os
judeus da Palestina se rebelaram contra os romanos.
• Essa rebelião tornou-se uma guerra, no ano 66 d.C.,
que terminou com a destruição de Jerusalém
e da nação judia.
• Mandou assassinar o seu irmão, a sua mãe, as suas duas
esposas e ainda o seu tutor, para além de inúmeros patrícios,
cavaleiros e senadores que ele próprio matou no Circo
Máximo. O grande incêndio de Roma teve início na noite
de 18 de julho, no ano 64 d.C., afetando 10 das 14 zonas da
antiga cidade de Roma, três das quais foram completamente
destruídas.
• Ambos eventos resultaram em perseguição aos cristãos.
• Nero perseguiu os cristãos em Roma veementemente e foi
provavelmente o responsável pelas mortes de Pedro e Paulo.
• Alguns cristãos sofreram devido ao conflito entre os judeus e
os romanos, porque estes freqüentemente não faziam
distinção entre aqueles judeus que eram cristãos e aqueles
que não eram.
• O apóstolo Pedro escreveu sua primeira epístola durante este
período.
• Ele entendia que muitos cristãos iriam enfrentar severa
perseguição.
• Seu propósito era advertir seus leitores contra a
tribulação iminente e encorajá-los a
permanecerem fiéis durante esses
tempos difíceis.
• O que poderia Pedro escrever àqueles cristãos espalhados
através da Ásia Menor que pudesse capacitá-los a suportar a
feroz tempestade de perseguição? Pedro decidiu começar
salientando as bênçãos espirituais gozadas por seus leitores (1
Pedro 1:3-12). Eles tinham "renascido" através do batismo
para uma viva esperança, uma herança celestial que ele
descreve em termos negativos (incorruptível, sem mácula,
imarcessível) porque não há nada neste mundo comparável
ao esplendor do céu (1:3-4).
III – “Sal” e “Luz”
• Certa vez Jesus declarou aos seus discípulos: “...Vós
sois o sal da terra...” (Mt 5:13).
• Como discípulos de Cristo, temos que preservar este
mundo da corrupção do pecado.
SAL DA TERRA E LUZ DO MUNDO
Sal da Terra e Luz do mundo (Mt 5:13-14).
• Duas comparações feitas pelo Senhor à sua Igreja; o sal e a luz
são dois elementos únicos, não há como substituí-los, é I N D I
S P E N S Á V E L à presença destas substâncias em nossas
vidas no dia a dia.
• Jesus estava comparando isto com sua Igreja, que
espiritualmente é única na terra, isto é importante, porém,
gera uma grande responsabilidade.
• O crente faz a diferença ele é sal, para ser sentido, para dar
sabor, para conservar, e tem que ser autentico.
• Sal é sal, não há outra opção ou é sal ou não
vale nada, só serve para ser jogado no lixo.
• O Crente é Luz (Mt 5:13).
• As pessoas sem Jesus são comparadas como lâmpadas
desligadas, sem energia, estão apagadas não tem luz e
lâmpada apagada é inútil, pois não desempenham o seu
papel, por este motivo Jesus observa os que estão nele são luz
e brilham no mundo, são úteis, abençoam, convencem, tem
poder e o brilho e a energia que vem do Espírito Santo de
Deus.
• Jesus disse: “...vós sois a luz do mundo....”; nossa
responsabilidade é muito grande, luz se destaca é vista ao
longe e não tem como se esconder.
• Que Deus nos abençoe, que possamos projetar
a Glória de Deus neste mundo tenebroso todos
os dias da nossa vida.
IV – O caráter de Cristo
• Você sabe o que significa caráter? No grego a palavra
caráter e Kharaktêr,êros e significa sinal gravado,
marca.
• Caráter é o “conjunto de traços psicológicos e/ ou
morais que caracterizam um indivíduo.
• O caráter não é inato, ou seja, ele não pertence a nós
desde o nosso nascimento.
• Jesus veio nos mostrar que, sem ele, nada podemos
produzir de bom (Jo 15:4).
• Vivemos numa época em que os valores estão sendo
descartados dia-a-dia.
• A sociedade tem andado num ritmo acelerado de inversão
de valores a ponto de não nos espantarmos mais com a
infinidade de absurdos que nos são comunicados.
• Valores estranhos que outrora não faziam parte da realidade
da igreja passam a ser tolerados.
• A igreja que antes era caracterizada por andar na contramão
dos valores materialistas tem se deixado levar por modismos
e novidades que passam a moldar seu “novo” jeito de ser.
• Neste ritmo, já não podemos brilhar como luz do mundo e
nem temperar como sal da terra.
• Neste ritmo, a moral e o bom caráter não têm um valor tão
intenso como deveria ter.
• Não importa se a igreja faz a diferença no meio em que está
inserida, em sua comunidade, mas o que
importa é ser numérica, mesmo que
não tenha qualidade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Roteiro homilético do 22.º domingo do tempo comum – ano c – 01092013
Roteiro homilético do 22.º domingo do tempo comum – ano c – 01092013Roteiro homilético do 22.º domingo do tempo comum – ano c – 01092013
Roteiro homilético do 22.º domingo do tempo comum – ano c – 01092013
José Luiz Silva Pinto
 
LIÇÃO 06 A EFICÁCIA DO TESTEMUNHO CRISTÃO
LIÇÃO 06  A EFICÁCIA DO TESTEMUNHO CRISTÃOLIÇÃO 06  A EFICÁCIA DO TESTEMUNHO CRISTÃO
LIÇÃO 06 A EFICÁCIA DO TESTEMUNHO CRISTÃO
Igreja Evangélica Assembleia de Deus
 
Conectar a vida religiosa no mundo e a escolha por jesus
Conectar a vida religiosa no mundo e a escolha por jesusConectar a vida religiosa no mundo e a escolha por jesus
Conectar a vida religiosa no mundo e a escolha por jesus
Afonso Murad (FAJE)
 
Mendigos Esprituais
Mendigos EsprituaisMendigos Esprituais
Mendigos Esprituais
Pastor Robson Colaço
 
Lição 2 - Sal da terra e luz do mundo
Lição 2 - Sal da terra e luz do mundoLição 2 - Sal da terra e luz do mundo
Lição 2 - Sal da terra e luz do mundo
Erberson Pinheiro
 
Xxxii domingo do tempo comum ano b dar sem medida
Xxxii domingo do tempo comum ano b dar sem medidaXxxii domingo do tempo comum ano b dar sem medida
Xxxii domingo do tempo comum ano b dar sem medida
José Luiz Silva Pinto
 
As características de um sal da terra
As características de um sal da terraAs características de um sal da terra
As características de um sal da terra
Giovani Luiz Zimmermann Jr.
 
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas ObrasLição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Ismael Isidio
 
3.º domingo do advento ano c - alegrai-vos
3.º domingo do advento   ano c - alegrai-vos3.º domingo do advento   ano c - alegrai-vos
3.º domingo do advento ano c - alegrai-vos
José Luiz Silva Pinto
 
A multiforme Sabedoria de Deus
A multiforme Sabedoria de DeusA multiforme Sabedoria de Deus
A multiforme Sabedoria de Deus
Ailton da Silva
 
LBJ LIÇÃO 5 - VIVENDO UMA VIDA SANTA
LBJ LIÇÃO 5 - VIVENDO UMA VIDA SANTALBJ LIÇÃO 5 - VIVENDO UMA VIDA SANTA
LBJ LIÇÃO 5 - VIVENDO UMA VIDA SANTA
Natalino das Neves Neves
 
Lição 1 A beleza do testemunho cristão
Lição 1   A beleza do testemunho cristãoLição 1   A beleza do testemunho cristão
Lição 1 A beleza do testemunho cristão
Wander Sousa
 
LBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇA
LBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇALBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇA
LBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇA
Natalino das Neves Neves
 
O Testemunho Cristão
O Testemunho CristãoO Testemunho Cristão
O Testemunho Cristão
JUERP
 
Roteiro homilético do 25.º domingo do tempo comum – ano c – 22092013 (1)
Roteiro homilético do 25.º domingo do tempo comum – ano c – 22092013 (1)Roteiro homilético do 25.º domingo do tempo comum – ano c – 22092013 (1)
Roteiro homilético do 25.º domingo do tempo comum – ano c – 22092013 (1)
José Luiz Silva Pinto
 
Sal da terra e luz do mundo
Sal da terra e luz do mundoSal da terra e luz do mundo
Sal da terra e luz do mundo
Helio Cruz
 
Sal da terra
Sal da terraSal da terra
Sal da terra
igmateus
 
ROTEIRO HOMILÉTICO DO 5.º DOMINGO DA PÁSCOA - ANO C
ROTEIRO HOMILÉTICO DO 5.º DOMINGO DA PÁSCOA - ANO CROTEIRO HOMILÉTICO DO 5.º DOMINGO DA PÁSCOA - ANO C
ROTEIRO HOMILÉTICO DO 5.º DOMINGO DA PÁSCOA - ANO C
José Luiz Silva Pinto
 
Um Povo que Produz Frutos
Um Povo que Produz FrutosUm Povo que Produz Frutos
Um Povo que Produz Frutos
dianacondeco38
 
LBJ LIÇÃO 7 - NOSSA ESPERANÇA NA VINDA DO SENHOR
LBJ LIÇÃO 7 - NOSSA ESPERANÇA NA VINDA DO SENHORLBJ LIÇÃO 7 - NOSSA ESPERANÇA NA VINDA DO SENHOR
LBJ LIÇÃO 7 - NOSSA ESPERANÇA NA VINDA DO SENHOR
Natalino das Neves Neves
 

Mais procurados (20)

Roteiro homilético do 22.º domingo do tempo comum – ano c – 01092013
Roteiro homilético do 22.º domingo do tempo comum – ano c – 01092013Roteiro homilético do 22.º domingo do tempo comum – ano c – 01092013
Roteiro homilético do 22.º domingo do tempo comum – ano c – 01092013
 
LIÇÃO 06 A EFICÁCIA DO TESTEMUNHO CRISTÃO
LIÇÃO 06  A EFICÁCIA DO TESTEMUNHO CRISTÃOLIÇÃO 06  A EFICÁCIA DO TESTEMUNHO CRISTÃO
LIÇÃO 06 A EFICÁCIA DO TESTEMUNHO CRISTÃO
 
Conectar a vida religiosa no mundo e a escolha por jesus
Conectar a vida religiosa no mundo e a escolha por jesusConectar a vida religiosa no mundo e a escolha por jesus
Conectar a vida religiosa no mundo e a escolha por jesus
 
Mendigos Esprituais
Mendigos EsprituaisMendigos Esprituais
Mendigos Esprituais
 
Lição 2 - Sal da terra e luz do mundo
Lição 2 - Sal da terra e luz do mundoLição 2 - Sal da terra e luz do mundo
Lição 2 - Sal da terra e luz do mundo
 
Xxxii domingo do tempo comum ano b dar sem medida
Xxxii domingo do tempo comum ano b dar sem medidaXxxii domingo do tempo comum ano b dar sem medida
Xxxii domingo do tempo comum ano b dar sem medida
 
As características de um sal da terra
As características de um sal da terraAs características de um sal da terra
As características de um sal da terra
 
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas ObrasLição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
 
3.º domingo do advento ano c - alegrai-vos
3.º domingo do advento   ano c - alegrai-vos3.º domingo do advento   ano c - alegrai-vos
3.º domingo do advento ano c - alegrai-vos
 
A multiforme Sabedoria de Deus
A multiforme Sabedoria de DeusA multiforme Sabedoria de Deus
A multiforme Sabedoria de Deus
 
LBJ LIÇÃO 5 - VIVENDO UMA VIDA SANTA
LBJ LIÇÃO 5 - VIVENDO UMA VIDA SANTALBJ LIÇÃO 5 - VIVENDO UMA VIDA SANTA
LBJ LIÇÃO 5 - VIVENDO UMA VIDA SANTA
 
Lição 1 A beleza do testemunho cristão
Lição 1   A beleza do testemunho cristãoLição 1   A beleza do testemunho cristão
Lição 1 A beleza do testemunho cristão
 
LBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇA
LBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇALBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇA
LBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇA
 
O Testemunho Cristão
O Testemunho CristãoO Testemunho Cristão
O Testemunho Cristão
 
Roteiro homilético do 25.º domingo do tempo comum – ano c – 22092013 (1)
Roteiro homilético do 25.º domingo do tempo comum – ano c – 22092013 (1)Roteiro homilético do 25.º domingo do tempo comum – ano c – 22092013 (1)
Roteiro homilético do 25.º domingo do tempo comum – ano c – 22092013 (1)
 
Sal da terra e luz do mundo
Sal da terra e luz do mundoSal da terra e luz do mundo
Sal da terra e luz do mundo
 
Sal da terra
Sal da terraSal da terra
Sal da terra
 
ROTEIRO HOMILÉTICO DO 5.º DOMINGO DA PÁSCOA - ANO C
ROTEIRO HOMILÉTICO DO 5.º DOMINGO DA PÁSCOA - ANO CROTEIRO HOMILÉTICO DO 5.º DOMINGO DA PÁSCOA - ANO C
ROTEIRO HOMILÉTICO DO 5.º DOMINGO DA PÁSCOA - ANO C
 
Um Povo que Produz Frutos
Um Povo que Produz FrutosUm Povo que Produz Frutos
Um Povo que Produz Frutos
 
LBJ LIÇÃO 7 - NOSSA ESPERANÇA NA VINDA DO SENHOR
LBJ LIÇÃO 7 - NOSSA ESPERANÇA NA VINDA DO SENHORLBJ LIÇÃO 7 - NOSSA ESPERANÇA NA VINDA DO SENHOR
LBJ LIÇÃO 7 - NOSSA ESPERANÇA NA VINDA DO SENHOR
 

Destaque

a prática do estilo de vida cristã
a prática do estilo de vida cristãa prática do estilo de vida cristã
a prática do estilo de vida cristã
Carla Machado
 
Como nos dias de noé lição 6
Como nos dias de noé   lição 6Como nos dias de noé   lição 6
Como nos dias de noé lição 6
OMAR NASCIMENTO
 
Ssm Ergebnisse
Ssm ErgebnisseSsm Ergebnisse
Ssm Ergebnisse
hadman2003
 
Apresentação veregas antigas transformando corações
Apresentação veregas antigas   transformando coraçõesApresentação veregas antigas   transformando corações
Apresentação veregas antigas transformando corações
Igreja Cristã da Família - Campo Belo
 
Seminário Transformando Corações - presentação
Seminário Transformando Corações - presentaçãoSeminário Transformando Corações - presentação
Seminário Transformando Corações - presentação
Dimas Queiroz Junior
 
Poster
PosterPoster
Poster
billyplagens
 
Que amor é esse?
Que amor é esse?Que amor é esse?
Que amor é esse?
Andre Jesus
 
Boas maneiras
Boas maneirasBoas maneiras
Boas maneiras
Escola Costa e Silva
 
Zeni ativ5
Zeni ativ5Zeni ativ5
Zeni ativ5
Romilda Barbosa
 
O comportamento dos salvos em cristo
O comportamento dos salvos em cristoO comportamento dos salvos em cristo
O comportamento dos salvos em cristo
Moisés Sampaio
 
Livros Inspirados E Verdade Da BíBlia
Livros Inspirados E Verdade Da BíBliaLivros Inspirados E Verdade Da BíBlia
Livros Inspirados E Verdade Da BíBlia
DimensaoCatolica
 
Os Acontecimentos dos tempos_do_fim
Os Acontecimentos dos tempos_do_fimOs Acontecimentos dos tempos_do_fim
Os Acontecimentos dos tempos_do_fim
Midia Jornalismo
 
Que amor é esse
Que amor é esseQue amor é esse
Que amor é esse
rafael gomide
 
NOVO ESTUDO DO APOCALIPSE: TEMA 13 | As Sete Ultimas Pragas
NOVO ESTUDO DO APOCALIPSE: TEMA 13 | As Sete Ultimas PragasNOVO ESTUDO DO APOCALIPSE: TEMA 13 | As Sete Ultimas Pragas
NOVO ESTUDO DO APOCALIPSE: TEMA 13 | As Sete Ultimas Pragas
Dyego Sylva
 
Ética cristã slides aula 2
Ética cristã   slides aula 2Ética cristã   slides aula 2
Ética cristã slides aula 2
Jose Ventura
 
O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,
Felicio Araujo
 
01 O Apocalipse, Um Livro Aberto
01 O Apocalipse, Um Livro Aberto01 O Apocalipse, Um Livro Aberto
01 O Apocalipse, Um Livro Aberto
Álvaro José Marques do Rêgo
 
Critérios cristãos para escolhas e decisões
Critérios cristãos para escolhas e decisõesCritérios cristãos para escolhas e decisões
Critérios cristãos para escolhas e decisões
Almy Alves
 
Que amor é esse - Delino Marçal
Que amor é esse - Delino MarçalQue amor é esse - Delino Marçal
Que amor é esse - Delino Marçal
Emmanuel Santana Lopes Silva
 

Destaque (20)

a prática do estilo de vida cristã
a prática do estilo de vida cristãa prática do estilo de vida cristã
a prática do estilo de vida cristã
 
Como nos dias de noé lição 6
Como nos dias de noé   lição 6Como nos dias de noé   lição 6
Como nos dias de noé lição 6
 
Ssm Ergebnisse
Ssm ErgebnisseSsm Ergebnisse
Ssm Ergebnisse
 
Apresentação veregas antigas transformando corações
Apresentação veregas antigas   transformando coraçõesApresentação veregas antigas   transformando corações
Apresentação veregas antigas transformando corações
 
Seminário Transformando Corações - presentação
Seminário Transformando Corações - presentaçãoSeminário Transformando Corações - presentação
Seminário Transformando Corações - presentação
 
Poster
PosterPoster
Poster
 
Que amor é esse?
Que amor é esse?Que amor é esse?
Que amor é esse?
 
Mig & Meg - O Plano de Deus
Mig & Meg - O Plano de DeusMig & Meg - O Plano de Deus
Mig & Meg - O Plano de Deus
 
Boas maneiras
Boas maneirasBoas maneiras
Boas maneiras
 
Zeni ativ5
Zeni ativ5Zeni ativ5
Zeni ativ5
 
O comportamento dos salvos em cristo
O comportamento dos salvos em cristoO comportamento dos salvos em cristo
O comportamento dos salvos em cristo
 
Livros Inspirados E Verdade Da BíBlia
Livros Inspirados E Verdade Da BíBliaLivros Inspirados E Verdade Da BíBlia
Livros Inspirados E Verdade Da BíBlia
 
Os Acontecimentos dos tempos_do_fim
Os Acontecimentos dos tempos_do_fimOs Acontecimentos dos tempos_do_fim
Os Acontecimentos dos tempos_do_fim
 
Que amor é esse
Que amor é esseQue amor é esse
Que amor é esse
 
NOVO ESTUDO DO APOCALIPSE: TEMA 13 | As Sete Ultimas Pragas
NOVO ESTUDO DO APOCALIPSE: TEMA 13 | As Sete Ultimas PragasNOVO ESTUDO DO APOCALIPSE: TEMA 13 | As Sete Ultimas Pragas
NOVO ESTUDO DO APOCALIPSE: TEMA 13 | As Sete Ultimas Pragas
 
Ética cristã slides aula 2
Ética cristã   slides aula 2Ética cristã   slides aula 2
Ética cristã slides aula 2
 
O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,
 
01 O Apocalipse, Um Livro Aberto
01 O Apocalipse, Um Livro Aberto01 O Apocalipse, Um Livro Aberto
01 O Apocalipse, Um Livro Aberto
 
Critérios cristãos para escolhas e decisões
Critérios cristãos para escolhas e decisõesCritérios cristãos para escolhas e decisões
Critérios cristãos para escolhas e decisões
 
Que amor é esse - Delino Marçal
Que amor é esse - Delino MarçalQue amor é esse - Delino Marçal
Que amor é esse - Delino Marçal
 

Semelhante a 3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 03

LBJ LIÇÃO 1 - Relevantes como o sal, resplandencentes como a luz
LBJ LIÇÃO 1 - Relevantes como o sal, resplandencentes como a luzLBJ LIÇÃO 1 - Relevantes como o sal, resplandencentes como a luz
LBJ LIÇÃO 1 - Relevantes como o sal, resplandencentes como a luz
Natalino das Neves Neves
 
Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz - Seguidores de Cristo
Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz - Seguidores de Cristo  Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz - Seguidores de Cristo
Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz - Seguidores de Cristo
Francelia Carvalho Oliveira
 
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoasA verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
Moisés Sampaio
 
LIÇÃO 4 O sal da terra e a luz do mundo
LIÇÃO 4  O sal da terra e a luz do mundoLIÇÃO 4  O sal da terra e a luz do mundo
LIÇÃO 4 O sal da terra e a luz do mundo
EliseuMartins11
 
Sal da terra.
Sal da terra.Sal da terra.
Sal da terra.
Joel Silva
 
Doutrina sal da terra.
Doutrina  sal da terra.Doutrina  sal da terra.
Doutrina sal da terra.
Joel Silva
 
doutrina-saldaterra-170722220552 (2).pdf
doutrina-saldaterra-170722220552 (2).pdfdoutrina-saldaterra-170722220552 (2).pdf
doutrina-saldaterra-170722220552 (2).pdf
Tiago Silva
 
Doutrina sal da terra.
Doutrina  sal da terra.Doutrina  sal da terra.
Doutrina sal da terra.
Joel Silva
 
A influência do cristão
A influência do cristãoA influência do cristão
A influência do cristão
Ivanei Silveira
 
doutrina-saldaterra-170722220552 (2).pptx
doutrina-saldaterra-170722220552 (2).pptxdoutrina-saldaterra-170722220552 (2).pptx
doutrina-saldaterra-170722220552 (2).pptx
Tiago Silva
 
2022 2º Trimestre Adulto Lição 02.pptx
2022 2º Trimestre Adulto Lição 02.pptx2022 2º Trimestre Adulto Lição 02.pptx
2022 2º Trimestre Adulto Lição 02.pptx
Joel Silva
 
Reino de deus
Reino de deusReino de deus
Reino de deus
Joao Rumpel
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
E.b.d adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
Joel Silva
 
Lição 1 - Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz
Lição 1 - Relevantes como o sal, resplandecentes como a luzLição 1 - Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz
Lição 1 - Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz
Erberson Pinheiro
 
Com a cabeça nas nuvens
Com a cabeça nas nuvensCom a cabeça nas nuvens
Com a cabeça nas nuvens
Miguel Alysson
 
Lição 6 - A eficácia do testemunho cristão
Lição 6 - A eficácia do testemunho cristãoLição 6 - A eficácia do testemunho cristão
Lição 6 - A eficácia do testemunho cristão
Ailton da Silva
 
Sermão o andar do cristão
Sermão  o andar do cristãoSermão  o andar do cristão
Sermão o andar do cristão
Joel Silva
 
O andar do cristão
O andar do cristãoO andar do cristão
O andar do cristão
Joel Silva
 
Jormi - jornal missionário n° 60
Jormi -  jornal missionário n° 60Jormi -  jornal missionário n° 60
Jormi - jornal missionário n° 60
trabalho como autonomo
 

Semelhante a 3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 03 (20)

LBJ LIÇÃO 1 - Relevantes como o sal, resplandencentes como a luz
LBJ LIÇÃO 1 - Relevantes como o sal, resplandencentes como a luzLBJ LIÇÃO 1 - Relevantes como o sal, resplandencentes como a luz
LBJ LIÇÃO 1 - Relevantes como o sal, resplandencentes como a luz
 
Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz - Seguidores de Cristo
Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz - Seguidores de Cristo  Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz - Seguidores de Cristo
Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz - Seguidores de Cristo
 
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoasA verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
 
LIÇÃO 4 O sal da terra e a luz do mundo
LIÇÃO 4  O sal da terra e a luz do mundoLIÇÃO 4  O sal da terra e a luz do mundo
LIÇÃO 4 O sal da terra e a luz do mundo
 
Sal da terra.
Sal da terra.Sal da terra.
Sal da terra.
 
Doutrina sal da terra.
Doutrina  sal da terra.Doutrina  sal da terra.
Doutrina sal da terra.
 
doutrina-saldaterra-170722220552 (2).pdf
doutrina-saldaterra-170722220552 (2).pdfdoutrina-saldaterra-170722220552 (2).pdf
doutrina-saldaterra-170722220552 (2).pdf
 
Doutrina sal da terra.
Doutrina  sal da terra.Doutrina  sal da terra.
Doutrina sal da terra.
 
A influência do cristão
A influência do cristãoA influência do cristão
A influência do cristão
 
doutrina-saldaterra-170722220552 (2).pptx
doutrina-saldaterra-170722220552 (2).pptxdoutrina-saldaterra-170722220552 (2).pptx
doutrina-saldaterra-170722220552 (2).pptx
 
2022 2º Trimestre Adulto Lição 02.pptx
2022 2º Trimestre Adulto Lição 02.pptx2022 2º Trimestre Adulto Lição 02.pptx
2022 2º Trimestre Adulto Lição 02.pptx
 
Reino de deus
Reino de deusReino de deus
Reino de deus
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
E.b.d adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
 
Lição 1 - Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz
Lição 1 - Relevantes como o sal, resplandecentes como a luzLição 1 - Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz
Lição 1 - Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz
 
Com a cabeça nas nuvens
Com a cabeça nas nuvensCom a cabeça nas nuvens
Com a cabeça nas nuvens
 
Lição 6 - A eficácia do testemunho cristão
Lição 6 - A eficácia do testemunho cristãoLição 6 - A eficácia do testemunho cristão
Lição 6 - A eficácia do testemunho cristão
 
Sermão o andar do cristão
Sermão  o andar do cristãoSermão  o andar do cristão
Sermão o andar do cristão
 
O andar do cristão
O andar do cristãoO andar do cristão
O andar do cristão
 
Jormi - jornal missionário n° 60
Jormi -  jornal missionário n° 60Jormi -  jornal missionário n° 60
Jormi - jornal missionário n° 60
 

Mais de Joel de Oliveira

4º trimestre 2015 adolescentes lição 02
4º trimestre 2015 adolescentes lição 024º trimestre 2015 adolescentes lição 02
4º trimestre 2015 adolescentes lição 02
Joel de Oliveira
 
4º trimestre 2015 adolescentes lição 01
4º trimestre 2015 adolescentes lição 014º trimestre 2015 adolescentes lição 01
4º trimestre 2015 adolescentes lição 01
Joel de Oliveira
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 13
3º trimestre 2015 adolescentes lição 133º trimestre 2015 adolescentes lição 13
3º trimestre 2015 adolescentes lição 13
Joel de Oliveira
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 12
3º trimestre 2015 adolescentes lição 123º trimestre 2015 adolescentes lição 12
3º trimestre 2015 adolescentes lição 12
Joel de Oliveira
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 11
3º trimestre 2015 adolescentes lição 113º trimestre 2015 adolescentes lição 11
3º trimestre 2015 adolescentes lição 11
Joel de Oliveira
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 10
3º trimestre 2015 adolescentes lição 103º trimestre 2015 adolescentes lição 10
3º trimestre 2015 adolescentes lição 10
Joel de Oliveira
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 09
3º trimestre 2015 adolescentes   lição 093º trimestre 2015 adolescentes   lição 09
3º trimestre 2015 adolescentes lição 09
Joel de Oliveira
 
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 08
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 083º trimestre 2015 Adolescentes Lição 08
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 08
Joel de Oliveira
 
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 07
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 073º trimestre 2015 Adolescentes Lição 07
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 07
Joel de Oliveira
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 063° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
Joel de Oliveira
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 05
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 053° trimestre 2015 Adolescentes Lição 05
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 05
Joel de Oliveira
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 04
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 043° trimestre 2015 Adolescentes Lição 04
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 04
Joel de Oliveira
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 02
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 023° trimestre 2015 Adolescentes Lição 02
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 02
Joel de Oliveira
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 01
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 013° trimestre 2015 Adolescentes Lição 01
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 01
Joel de Oliveira
 

Mais de Joel de Oliveira (14)

4º trimestre 2015 adolescentes lição 02
4º trimestre 2015 adolescentes lição 024º trimestre 2015 adolescentes lição 02
4º trimestre 2015 adolescentes lição 02
 
4º trimestre 2015 adolescentes lição 01
4º trimestre 2015 adolescentes lição 014º trimestre 2015 adolescentes lição 01
4º trimestre 2015 adolescentes lição 01
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 13
3º trimestre 2015 adolescentes lição 133º trimestre 2015 adolescentes lição 13
3º trimestre 2015 adolescentes lição 13
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 12
3º trimestre 2015 adolescentes lição 123º trimestre 2015 adolescentes lição 12
3º trimestre 2015 adolescentes lição 12
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 11
3º trimestre 2015 adolescentes lição 113º trimestre 2015 adolescentes lição 11
3º trimestre 2015 adolescentes lição 11
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 10
3º trimestre 2015 adolescentes lição 103º trimestre 2015 adolescentes lição 10
3º trimestre 2015 adolescentes lição 10
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 09
3º trimestre 2015 adolescentes   lição 093º trimestre 2015 adolescentes   lição 09
3º trimestre 2015 adolescentes lição 09
 
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 08
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 083º trimestre 2015 Adolescentes Lição 08
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 08
 
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 07
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 073º trimestre 2015 Adolescentes Lição 07
3º trimestre 2015 Adolescentes Lição 07
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 063° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 05
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 053° trimestre 2015 Adolescentes Lição 05
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 05
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 04
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 043° trimestre 2015 Adolescentes Lição 04
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 04
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 02
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 023° trimestre 2015 Adolescentes Lição 02
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 02
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 01
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 013° trimestre 2015 Adolescentes Lição 01
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 01
 

Último

12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 

Último (15)

12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 

3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 03

  • 2. TEXTO BÍBLICO Mateus 5:13-16 • 13 - Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens. • 14 - Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; • 15 - Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa. • 16 - Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.
  • 3. DESTAQUE • “...Vocês são o sal para a humanidade; mas, se o sal perde o gosto, deixa de ser sal e não serve para mais nada...” (Mt 5:13 a)
  • 4. DEVOCIONAL • SEG......................................... Mt 5:13 • TER......................................... Mt 5:14 • QUA........................................ Mt 5 13 b • QUI.......................................... Mt 7:16,17 • SEX......................................... 2 Co 5:17 • SAB......................................... Jo 15:4 • DOM........................................ Rm 12:2
  • 5. OBJETIVOS • Conscientizar: de que o cristão precisa fazer a diferença na sociedade em que está inserido. • Saber: Que o cristão precisa produzir bons frutos. • Compreender: O real significado de ser “sal” da terra e “luz” deste mundo.
  • 6. I –Frutos que fazem a diferença • Ser “sal” e “luz” é testemunhar de Cristo mediante as nossa s ações, obras e palavras. Sal Luz
  • 7. • Você é um referencial para aqueles que estão à sua volta. • Os não crentes querem ver em você a luz de Cristo. • Jesus viveu numa sociedade corrompida pelo pecado, mas Ele não pecou.
  • 8. • O pecado afetou consideravelmente imagem de Deus em nós levando-nos a produzir as obras da carne. • (Efésios 2.2,3; Gálatas 5.19-21) Entretanto através do novo nascimento, Cristo é novamente formado em nós e assim somos transformados constantemente de glória em glória, crescendo na graça e no conhecimento de Jesus Cristo. • (2 Co 3.17,18) A manifestação do fruto do Espírito Santo diz respeito à nossa santificação. • (separação do pecado e consagração a Deus) É através da manifestação do fruto do Espírito Santo que a maturidade espiritual torna-se perceptível.
  • 9. II – Gerados em Cristo • Não vivemos mais segundo a carne, cumprindo os seus desejos malignos (Rm 6:17,18 – 8:9). • Como novas criaturas, produzimos novos frutos, ou seja, novas ações , pois agora somos guiados e dirigidos pelo Senhor.
  • 10. "Gerados de Novo para uma Viva Esperança“ • No ano 64 d.C., uma grande parte da cidade de Roma foi queimada. • Alguns acreditavam que o imperador Nero era o responsável, tentando abrir espaço para seus projetos de construção. • Enfrentando tais acusações, o próprio Nero acusou um grupo de pessoas já vistas com suspeita pelo público em geral, os cristãos. • Durante mais ou menos o mesmo período de tempo, os judeus da Palestina se rebelaram contra os romanos. • Essa rebelião tornou-se uma guerra, no ano 66 d.C., que terminou com a destruição de Jerusalém e da nação judia.
  • 11. • Mandou assassinar o seu irmão, a sua mãe, as suas duas esposas e ainda o seu tutor, para além de inúmeros patrícios, cavaleiros e senadores que ele próprio matou no Circo Máximo. O grande incêndio de Roma teve início na noite de 18 de julho, no ano 64 d.C., afetando 10 das 14 zonas da antiga cidade de Roma, três das quais foram completamente destruídas.
  • 12. • Ambos eventos resultaram em perseguição aos cristãos. • Nero perseguiu os cristãos em Roma veementemente e foi provavelmente o responsável pelas mortes de Pedro e Paulo. • Alguns cristãos sofreram devido ao conflito entre os judeus e os romanos, porque estes freqüentemente não faziam distinção entre aqueles judeus que eram cristãos e aqueles que não eram. • O apóstolo Pedro escreveu sua primeira epístola durante este período. • Ele entendia que muitos cristãos iriam enfrentar severa perseguição. • Seu propósito era advertir seus leitores contra a tribulação iminente e encorajá-los a permanecerem fiéis durante esses tempos difíceis.
  • 13. • O que poderia Pedro escrever àqueles cristãos espalhados através da Ásia Menor que pudesse capacitá-los a suportar a feroz tempestade de perseguição? Pedro decidiu começar salientando as bênçãos espirituais gozadas por seus leitores (1 Pedro 1:3-12). Eles tinham "renascido" através do batismo para uma viva esperança, uma herança celestial que ele descreve em termos negativos (incorruptível, sem mácula, imarcessível) porque não há nada neste mundo comparável ao esplendor do céu (1:3-4).
  • 14. III – “Sal” e “Luz” • Certa vez Jesus declarou aos seus discípulos: “...Vós sois o sal da terra...” (Mt 5:13). • Como discípulos de Cristo, temos que preservar este mundo da corrupção do pecado.
  • 15. SAL DA TERRA E LUZ DO MUNDO Sal da Terra e Luz do mundo (Mt 5:13-14). • Duas comparações feitas pelo Senhor à sua Igreja; o sal e a luz são dois elementos únicos, não há como substituí-los, é I N D I S P E N S Á V E L à presença destas substâncias em nossas vidas no dia a dia. • Jesus estava comparando isto com sua Igreja, que espiritualmente é única na terra, isto é importante, porém, gera uma grande responsabilidade. • O crente faz a diferença ele é sal, para ser sentido, para dar sabor, para conservar, e tem que ser autentico. • Sal é sal, não há outra opção ou é sal ou não vale nada, só serve para ser jogado no lixo.
  • 16. • O Crente é Luz (Mt 5:13). • As pessoas sem Jesus são comparadas como lâmpadas desligadas, sem energia, estão apagadas não tem luz e lâmpada apagada é inútil, pois não desempenham o seu papel, por este motivo Jesus observa os que estão nele são luz e brilham no mundo, são úteis, abençoam, convencem, tem poder e o brilho e a energia que vem do Espírito Santo de Deus. • Jesus disse: “...vós sois a luz do mundo....”; nossa responsabilidade é muito grande, luz se destaca é vista ao longe e não tem como se esconder. • Que Deus nos abençoe, que possamos projetar a Glória de Deus neste mundo tenebroso todos os dias da nossa vida.
  • 17. IV – O caráter de Cristo • Você sabe o que significa caráter? No grego a palavra caráter e Kharaktêr,êros e significa sinal gravado, marca. • Caráter é o “conjunto de traços psicológicos e/ ou morais que caracterizam um indivíduo. • O caráter não é inato, ou seja, ele não pertence a nós desde o nosso nascimento. • Jesus veio nos mostrar que, sem ele, nada podemos produzir de bom (Jo 15:4).
  • 18. • Vivemos numa época em que os valores estão sendo descartados dia-a-dia. • A sociedade tem andado num ritmo acelerado de inversão de valores a ponto de não nos espantarmos mais com a infinidade de absurdos que nos são comunicados.
  • 19. • Valores estranhos que outrora não faziam parte da realidade da igreja passam a ser tolerados. • A igreja que antes era caracterizada por andar na contramão dos valores materialistas tem se deixado levar por modismos e novidades que passam a moldar seu “novo” jeito de ser. • Neste ritmo, já não podemos brilhar como luz do mundo e nem temperar como sal da terra. • Neste ritmo, a moral e o bom caráter não têm um valor tão intenso como deveria ter. • Não importa se a igreja faz a diferença no meio em que está inserida, em sua comunidade, mas o que importa é ser numérica, mesmo que não tenha qualidade.