SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
A história da acetona
Composição Química da Propanona (Acetona)
A propanona é mais conhecida como acetona e é
muito utilizada como solvente de esmaltes, tintas e
vernizes.
A propanona ou acetona é comumente utilizada na remoção de esmaltes das unhas
A propanona é a cetona de maior uso comercial e é mais
comumente conhecida como acetona, sendo bastante utilizada
como removedora de esmaltes. No entanto, a solução que serve
para essa finalidade na realidade é uma mistura de acetona, álcool
etílico e água.
A acetona apresenta relativa toxidade, podendo agredir a mucosa
bucal e nasal e provocar irritações na pele.
A propanona isolada possui a seguinte estrutura:
À temperatura ambiente, a acetona é um líquido inflamável, incolor,
de cheiro agradável, solúvel em água e em outros solventes
orgânicos. Essa última característica faz com que a acetona seja
usada principalmente como solvente não só dos esmaltes, mas de
tintas, vernizes, fibras de vidro, na extração de gorduras e óleos de
sementes vegetais (como soja, amendoim e girassol) e na indústria
alimentícia. É usada também na produção de anidrido acético, na
preparação de clorofórmio iodofórmio e bromofórmio, na produção
de medicamentos e como dissolvente da celuloide.
Ela pode ser obtida industrialmente por meio da decomposição
térmica do acetato de cálcio, pela hidratação do propeno ou por
oxidação do cumeno. Nesse último caso, o cumeno é obtido por
meio de uma reação entre o propeno (propileno) e o benzeno,
derivados do petróleo.
Infelizmente, a propanona também é utilizada na extração da
cocaína, a partir das folhas de coca; sendo, portanto,
comercializada de forma controlada pelo Departamento de
Entorpecentes da Polícia Federal.
O nosso corpo produz a propanona como resultado da
decomposição incompleta de gorduras. O nível normal de
propanona no sangue é de até 1 mg/100 mL de sangue. Porém, em
alguns casos de doenças, como o diabetes Millitus e o
hipertireoidismo, a pessoa produz mais propanona que pode ser
detectada pela urina, por onde é excretada, e que pode chegar até
mesmo a ser sentida pelo hálito.
Composição Química da Propanona (Acetona)
A propanona é mais conhecida como acetona e é
muito utilizada como solvente de esmaltes, tintas e
vernizes.
A propanona ou acetona é comumente utilizada na remoção de esmaltes das unhas
A propanona é a cetona de maior uso comercial e é mais
comumente conhecida como acetona, sendo bastante utilizada
como removedora de esmaltes. No entanto, a solução que serve
para essa finalidade na realidade é uma mistura de acetona, álcool
etílico e água.
A acetona apresenta relativa toxidade, podendo agredir a mucosa
bucal e nasal e provocar irritações na pele.
A propanona isolada possui a seguinte estrutura:
À temperatura ambiente, a acetona é um líquido inflamável, incolor,
de cheiro agradável, solúvel em água e em outros solventes
orgânicos. Essa última característica faz com que a acetona seja
usada principalmente como solvente não só dos esmaltes, mas de
tintas, vernizes, fibras de vidro, na extração de gorduras e óleos de
sementes vegetais (como soja, amendoim e girassol) e na indústria
alimentícia. É usada também na produção de anidrido acético, na
preparação de clorofórmio iodofórmio e bromofórmio, na produção
de medicamentos e como dissolvente da celuloide.
Ela pode ser obtida industrialmente por meio da decomposição
térmica do acetato de cálcio, pela hidratação do propeno ou por
oxidação do cumeno. Nesse último caso, o cumeno é obtido por
meio de uma reação entre o propeno (propileno) e o benzeno,
derivados do petróleo.
Infelizmente, a propanona também é utilizada na extração da
cocaína, a partir das folhas de coca; sendo, portanto,
comercializada de forma controlada pelo Departamento de
Entorpecentes da Polícia Federal.
O nosso corpo produz a propanona como resultado da
decomposição incompleta de gorduras. O nível normal de
propanona no sangue é de até 1 mg/100 mL de sangue. Porém, em
alguns casos de doenças, como o diabetes Millitus e o
hipertireoidismo, a pessoa produz mais propanona que pode ser
detectada pela urina, por onde é excretada, e que pode chegar até
mesmo a ser sentida pelo hálito.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º anoTabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º ano
7 de Setembro
 
Past Simple x Past continuous (português)
Past Simple x Past continuous (português)Past Simple x Past continuous (português)
Past Simple x Past continuous (português)
Secretariat of Education
 
Ppt 4 RespiraçãO AeróBia
Ppt 4   RespiraçãO AeróBiaPpt 4   RespiraçãO AeróBia
Ppt 4 RespiraçãO AeróBia
Nuno Correia
 
Moleculas organicas e inorganicas
Moleculas organicas e inorganicasMoleculas organicas e inorganicas
Moleculas organicas e inorganicas
Aline Tonin
 
Aula 11 13 estereoquímica
Aula 11   13 estereoquímicaAula 11   13 estereoquímica
Aula 11 13 estereoquímica
Gustavo Silveira
 

Mais procurados (20)

A importância da água
A importância da águaA importância da água
A importância da água
 
Lipideos. .aula.208709390
Lipideos. .aula.208709390Lipideos. .aula.208709390
Lipideos. .aula.208709390
 
Extração do dna da banana
Extração do dna da bananaExtração do dna da banana
Extração do dna da banana
 
Carvão vegetal e mineral
Carvão vegetal e mineralCarvão vegetal e mineral
Carvão vegetal e mineral
 
Composição química dos seres - Parte I
Composição química dos seres - Parte IComposição química dos seres - Parte I
Composição química dos seres - Parte I
 
Trabalho Sobre Energias
Trabalho Sobre EnergiasTrabalho Sobre Energias
Trabalho Sobre Energias
 
Tabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º anoTabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º ano
 
Síntese proteica
Síntese proteicaSíntese proteica
Síntese proteica
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Past Simple x Past continuous (português)
Past Simple x Past continuous (português)Past Simple x Past continuous (português)
Past Simple x Past continuous (português)
 
Fontes de energias renováveis
Fontes de energias renováveisFontes de energias renováveis
Fontes de energias renováveis
 
Ppt 4 RespiraçãO AeróBia
Ppt 4   RespiraçãO AeróBiaPpt 4   RespiraçãO AeróBia
Ppt 4 RespiraçãO AeróBia
 
Moleculas organicas e inorganicas
Moleculas organicas e inorganicasMoleculas organicas e inorganicas
Moleculas organicas e inorganicas
 
aula-6-titulação-de-precipitação.pptx
aula-6-titulação-de-precipitação.pptxaula-6-titulação-de-precipitação.pptx
aula-6-titulação-de-precipitação.pptx
 
Aminas amidas
Aminas amidasAminas amidas
Aminas amidas
 
Lipidios
LipidiosLipidios
Lipidios
 
Cadeias carbônicas
Cadeias carbônicasCadeias carbônicas
Cadeias carbônicas
 
Aula ciclo de krebs
Aula ciclo de krebsAula ciclo de krebs
Aula ciclo de krebs
 
Aula 11 13 estereoquímica
Aula 11   13 estereoquímicaAula 11   13 estereoquímica
Aula 11 13 estereoquímica
 
Quimiossíntese e fermentação
Quimiossíntese e fermentaçãoQuimiossíntese e fermentação
Quimiossíntese e fermentação
 

Destaque

Estrategia nacion de lucha contralas drogas 2012 2016
Estrategia nacion de lucha contralas drogas 2012 2016Estrategia nacion de lucha contralas drogas 2012 2016
Estrategia nacion de lucha contralas drogas 2012 2016
DEVIDA
 
Trabajo trafico ilicito de drogas
Trabajo trafico ilicito de drogasTrabajo trafico ilicito de drogas
Trabajo trafico ilicito de drogas
Lita RD
 
Monografia trafico ilicito de drogas
Monografia trafico ilicito de drogasMonografia trafico ilicito de drogas
Monografia trafico ilicito de drogas
Elio Lazo
 
Tabla de Densidades y Peso Específico
Tabla de Densidades y Peso EspecíficoTabla de Densidades y Peso Específico
Tabla de Densidades y Peso Específico
rafaelino
 
69964605 apostila-teorica-cosmetologia-2011-02
69964605 apostila-teorica-cosmetologia-2011-0269964605 apostila-teorica-cosmetologia-2011-02
69964605 apostila-teorica-cosmetologia-2011-02
Anna Paulla
 

Destaque (20)

Densidad ph
Densidad phDensidad ph
Densidad ph
 
Drogas y dosis personal en colombia
Drogas y dosis personal en colombiaDrogas y dosis personal en colombia
Drogas y dosis personal en colombia
 
Estrategia nacion de lucha contralas drogas 2012 2016
Estrategia nacion de lucha contralas drogas 2012 2016Estrategia nacion de lucha contralas drogas 2012 2016
Estrategia nacion de lucha contralas drogas 2012 2016
 
Trabajo trafico ilicito de drogas
Trabajo trafico ilicito de drogasTrabajo trafico ilicito de drogas
Trabajo trafico ilicito de drogas
 
Tráfico de Drogas en el Perú
Tráfico de Drogas en el PerúTráfico de Drogas en el Perú
Tráfico de Drogas en el Perú
 
Cetona
CetonaCetona
Cetona
 
Situacion del tid
Situacion del tidSituacion del tid
Situacion del tid
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
Cetonas
CetonasCetonas
Cetonas
 
Cetona
CetonaCetona
Cetona
 
Monografia trafico ilicito de drogas
Monografia trafico ilicito de drogasMonografia trafico ilicito de drogas
Monografia trafico ilicito de drogas
 
Guia de composição
Guia de composiçãoGuia de composição
Guia de composição
 
Cetonas
CetonasCetonas
Cetonas
 
Delito de trafico ilícito de drogas
Delito de trafico ilícito de drogasDelito de trafico ilícito de drogas
Delito de trafico ilícito de drogas
 
Desvendando a química dos cosméticos: quais os ingredientes que realmente faz...
Desvendando a química dos cosméticos: quais os ingredientes que realmente faz...Desvendando a química dos cosméticos: quais os ingredientes que realmente faz...
Desvendando a química dos cosméticos: quais os ingredientes que realmente faz...
 
Reações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e CetonasReações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e Cetonas
 
TCC Com os gráficos
TCC Com os gráficosTCC Com os gráficos
TCC Com os gráficos
 
Tabla de Densidades y Peso Específico
Tabla de Densidades y Peso EspecíficoTabla de Densidades y Peso Específico
Tabla de Densidades y Peso Específico
 
Cosmetologia - A
Cosmetologia - ACosmetologia - A
Cosmetologia - A
 
69964605 apostila-teorica-cosmetologia-2011-02
69964605 apostila-teorica-cosmetologia-2011-0269964605 apostila-teorica-cosmetologia-2011-02
69964605 apostila-teorica-cosmetologia-2011-02
 

Semelhante a A história da acetona (10)

Cópia de fun es_org_nicas
Cópia de fun  es_org_nicasCópia de fun  es_org_nicas
Cópia de fun es_org_nicas
 
Cópia de fun es_org_nicas
Cópia de fun  es_org_nicasCópia de fun  es_org_nicas
Cópia de fun es_org_nicas
 
A presença dos compostos orgânicos em nossa vida.
A presença dos compostos orgânicos em nossa vida.A presença dos compostos orgânicos em nossa vida.
A presença dos compostos orgânicos em nossa vida.
 
Funcoes organicas revisão 2012
Funcoes organicas   revisão 2012Funcoes organicas   revisão 2012
Funcoes organicas revisão 2012
 
Cetonas .pdf
Cetonas .pdfCetonas .pdf
Cetonas .pdf
 
Quiimiicaa
QuiimiicaaQuiimiicaa
Quiimiicaa
 
Álcoois
ÁlcooisÁlcoois
Álcoois
 
Funcoes organicas 2012 coc
Funcoes organicas   2012 cocFuncoes organicas   2012 coc
Funcoes organicas 2012 coc
 
Solventes org.
Solventes org.Solventes org.
Solventes org.
 
A Química dos Agrotóxicos
A Química dos AgrotóxicosA Química dos Agrotóxicos
A Química dos Agrotóxicos
 

Mais de Antonio Cardoso (13)

Isomeria em ppt completo
Isomeria em ppt completoIsomeria em ppt completo
Isomeria em ppt completo
 
Hallstar.com.br acetamida mea 75
Hallstar.com.br acetamida mea 75Hallstar.com.br acetamida mea 75
Hallstar.com.br acetamida mea 75
 
Flametests 160116235649
Flametests 160116235649Flametests 160116235649
Flametests 160116235649
 
Alcanos
AlcanosAlcanos
Alcanos
 
Primeiros socorros projeto_unimed vida_2011_prevencao_de_acidentes_dra_maria
Primeiros socorros projeto_unimed vida_2011_prevencao_de_acidentes_dra_mariaPrimeiros socorros projeto_unimed vida_2011_prevencao_de_acidentes_dra_maria
Primeiros socorros projeto_unimed vida_2011_prevencao_de_acidentes_dra_maria
 
Flame test lab
Flame test labFlame test lab
Flame test lab
 
Flame test lab
Flame test labFlame test lab
Flame test lab
 
Funcoes inorganicas eurico
Funcoes inorganicas euricoFuncoes inorganicas eurico
Funcoes inorganicas eurico
 
Experincia n 13___eletrolise_da_agua
Experincia n 13___eletrolise_da_aguaExperincia n 13___eletrolise_da_agua
Experincia n 13___eletrolise_da_agua
 
Aula4 técnicas
Aula4 técnicasAula4 técnicas
Aula4 técnicas
 
Acção das enzimas
Acção das enzimasAcção das enzimas
Acção das enzimas
 
Apostila preparacao catequese_de_adultos
Apostila preparacao catequese_de_adultosApostila preparacao catequese_de_adultos
Apostila preparacao catequese_de_adultos
 
Orientaparacelebracao
OrientaparacelebracaoOrientaparacelebracao
Orientaparacelebracao
 

A história da acetona

  • 1. A história da acetona Composição Química da Propanona (Acetona) A propanona é mais conhecida como acetona e é muito utilizada como solvente de esmaltes, tintas e vernizes. A propanona ou acetona é comumente utilizada na remoção de esmaltes das unhas A propanona é a cetona de maior uso comercial e é mais comumente conhecida como acetona, sendo bastante utilizada como removedora de esmaltes. No entanto, a solução que serve para essa finalidade na realidade é uma mistura de acetona, álcool etílico e água. A acetona apresenta relativa toxidade, podendo agredir a mucosa bucal e nasal e provocar irritações na pele. A propanona isolada possui a seguinte estrutura:
  • 2. À temperatura ambiente, a acetona é um líquido inflamável, incolor, de cheiro agradável, solúvel em água e em outros solventes orgânicos. Essa última característica faz com que a acetona seja usada principalmente como solvente não só dos esmaltes, mas de tintas, vernizes, fibras de vidro, na extração de gorduras e óleos de sementes vegetais (como soja, amendoim e girassol) e na indústria alimentícia. É usada também na produção de anidrido acético, na preparação de clorofórmio iodofórmio e bromofórmio, na produção de medicamentos e como dissolvente da celuloide. Ela pode ser obtida industrialmente por meio da decomposição térmica do acetato de cálcio, pela hidratação do propeno ou por oxidação do cumeno. Nesse último caso, o cumeno é obtido por
  • 3. meio de uma reação entre o propeno (propileno) e o benzeno, derivados do petróleo. Infelizmente, a propanona também é utilizada na extração da cocaína, a partir das folhas de coca; sendo, portanto, comercializada de forma controlada pelo Departamento de Entorpecentes da Polícia Federal. O nosso corpo produz a propanona como resultado da decomposição incompleta de gorduras. O nível normal de propanona no sangue é de até 1 mg/100 mL de sangue. Porém, em alguns casos de doenças, como o diabetes Millitus e o hipertireoidismo, a pessoa produz mais propanona que pode ser detectada pela urina, por onde é excretada, e que pode chegar até mesmo a ser sentida pelo hálito. Composição Química da Propanona (Acetona) A propanona é mais conhecida como acetona e é muito utilizada como solvente de esmaltes, tintas e vernizes.
  • 4. A propanona ou acetona é comumente utilizada na remoção de esmaltes das unhas A propanona é a cetona de maior uso comercial e é mais comumente conhecida como acetona, sendo bastante utilizada como removedora de esmaltes. No entanto, a solução que serve para essa finalidade na realidade é uma mistura de acetona, álcool etílico e água. A acetona apresenta relativa toxidade, podendo agredir a mucosa bucal e nasal e provocar irritações na pele. A propanona isolada possui a seguinte estrutura:
  • 5. À temperatura ambiente, a acetona é um líquido inflamável, incolor, de cheiro agradável, solúvel em água e em outros solventes orgânicos. Essa última característica faz com que a acetona seja usada principalmente como solvente não só dos esmaltes, mas de tintas, vernizes, fibras de vidro, na extração de gorduras e óleos de sementes vegetais (como soja, amendoim e girassol) e na indústria alimentícia. É usada também na produção de anidrido acético, na preparação de clorofórmio iodofórmio e bromofórmio, na produção de medicamentos e como dissolvente da celuloide. Ela pode ser obtida industrialmente por meio da decomposição térmica do acetato de cálcio, pela hidratação do propeno ou por oxidação do cumeno. Nesse último caso, o cumeno é obtido por meio de uma reação entre o propeno (propileno) e o benzeno, derivados do petróleo.
  • 6. Infelizmente, a propanona também é utilizada na extração da cocaína, a partir das folhas de coca; sendo, portanto, comercializada de forma controlada pelo Departamento de Entorpecentes da Polícia Federal. O nosso corpo produz a propanona como resultado da decomposição incompleta de gorduras. O nível normal de propanona no sangue é de até 1 mg/100 mL de sangue. Porém, em alguns casos de doenças, como o diabetes Millitus e o hipertireoidismo, a pessoa produz mais propanona que pode ser detectada pela urina, por onde é excretada, e que pode chegar até mesmo a ser sentida pelo hálito.