SlideShare uma empresa Scribd logo
APOSTILA
PRIMEIROS SOCORROS
À CRIANÇA
NA ESCOLA
Dra. Maria Beatriz Silveira Schmitt Silva
Coordenadora do SAMU do Vale do Itajaí
Coordenadora Médica do SOS Unimed Blumenau
Setembro/2010
Revisado em Fevereiro de 2011
ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS ACIDENTADAS NAS
ESCOLAS
ORIENTAÇÕES GERAIS
Quando de agravo à saúde de uma criança no ambiente escolar a
prioridade deve ser garantir o seu atendimento.
1. Informação aos pais/responsáveis como será o atendimento à
saúde de seus filhos no ambiente escolar a partir de agora;
2. Cada escola deve ter uma ficha simplificada de saúde de cada
criança contendo basicamente informações vacinais, doenças
crônicas, uso de medicação contínua e alergias;
3. Atentar para as crianças que já chegam doentes, solicitar a
presença dos pais (evitar risco de disseminação de doenças infecto-
contagiosas na escola);
4. Estabelecer responsáveis na escola pelas crianças vitimadas
(atendimento inicial/acompanhamento). COLABORADOR designado
pela escola, responsável pelo atendimento inicial da criança e
acionamento da Central de Regulação e LOCAL ADEQUADO;
5. Ter sempre as informações completas das crianças (nome, idade,
ocorrência, dados de saúde) – utilizar ficha de ocorrência (servirá
como guia de chamado e como registro da ocorrência);
6. Chamar os pais ou responsáveis sempre, porém não retardar
a atendimento da criança por suas ausências;
7. Fazer o atendimento inicial; normatizar os atendimentos
conforme capacitações;
8. Não oferecer qualquer bebida/comida para as crianças
acidentadas ou doentes até que haja avaliação da situação;
9. Identificar a Unidade de Saúde Básica mais próxima da escola,
que deverá ser a referência de atendimento às crianças vitimadas da
escola;
10. Orientar professoras para que acatem as orientações
médicas fornecidas pela Central de Regulação;
11. Registrar sempre a ocorrência na agenda da criança;
12.Problemas clínicos sempre entrar em contato com a Central de
Regulação (SAMU ou SOS).
Prevenção deve ser nosso objetivo!!
SOCORRISTA – colaborador da escola responsável pelo atendimento
inicial das crianças vítimas.
• Equilíbrio Emocional
• Conhecimento
• Habilidade
• Manter a calma
• Ter ordem de segurança
• Verificar riscos no local
• Manter o bom senso
• Ter espírito de liderança
• Distribuir tarefas
• Evitar atitudes intempestivas
• Dar assistência à vítima que corre o maior risco de
morte
• Seja socorrista e não herói
• Pedir auxílio: telefonar para atendimento de urgência
PROCEDIMENTOS INICIAIS
1. Pessoa responsável - AACCOOLLHHIIMMEENNTTOO
2. Avaliação e procedimentos iniciais
3. Decisão - Postos de saúde ou SAMU/SOS Unimed
(permanecer SEMPRE ao lado da criança).
ATIVAÇÃO DO SERVIÇO PRÉ-HOSPITALAR
1. Após avaliar a situação, acionar serviço pré-hospitalar: 192 (0800
645 4747 poderá ser acionado para orientação apenas);
2. TARM: atenderá a ligação, identificar-se e fornecer as informações
do nome do paciente, idade, endereço da escola e queixa principal;
3. MÉDICO REGULADOR: a partir de algumas perguntas avaliará a
queixa e definirá qual o recurso necessário para cada caso,
variando de uma orientação, medicação por telefone até o envio da
ambulância.
ATENDIMENTO INICIAL
FERIMENTOS
ACOLHIMENTO
11.. FFEERRIIMMEENNTTOO AABBEERRTTOO
o Exponha o local ferido, respeitando intimidade da criança.
o Limpe o ferimento com soro ou água limpa e sabão neutro
(líquido ou em barra – pedaços utilizados devem ser
desprezados), retirando toda a sujeira.
o Avalie o tamanho (em cm) e profundidade da ferida
(aparecimento de tecido gorduroso ou não).
o Controle o sangramento com compressão local e gelo.
o Cubra o ferimento com gaze ou pano limpo.
o MANTENHA A CRIANÇA TRANQUILA e em local apropriado.
o Ferimento leve (arranhões, superficiais sem aparecimento de
tecido gorduroso) orientar pais sobre manter limpeza local em
casa e observar.
o Ferimento extenso, com aparecimento de tecido gorduroso ou
sangramento mantido acionar serviço de pré-hospitalar ou
encaminhar a criança a Unidade de Saúde mais próxima para
orientação e conduta.
2. FFEERRIIMMEENNTTOO FFEECCHHAADDOO
 Coloque a criança em local tranquilo, em repouso.
 Proteja a pele local com um pano fino e limpo.
 Coloque gelo sobre o pano por 20 minutos. Reavalie após.
 Inchaço leve, movimentos preservados, pouca dor, orientar pais a
manter gelo local e se houver dor em casa levar a criança a uma
Unidade de Saúde.
 Inchaço importante, dor aos movimentos, encaminhar a criança a
Unidade de Saúde mais próxima ou ao Pronto Socorro do Hospital
Santo Antônio.
ATENDIMENTO INICIAL
LLEESSÕÕEESS DDOO AAPPAARREELLHHOO LLOOCCOOMMOOTTOORR
FFrraattuurraass,, eennttoorrsseess,, lluuxxaaççõõeess
ACOLHIMENTO
1. Colocar a criança em local tranqüilo com cuidado.
2. Avaliar o tipo de lesão, desvio do membro e sintoma de dor.
3. IMOBILIZAR O LOCAL COM SUSPEITA DE LESÃO, com o intuito de
diminuir a dor, prevenir aumento das lesões. Sempre imobilizar uma
articulação acima e outra abaixo no local da lesão.
4. Colocar gelo no local da lesão por 20 minutos.
5. Deixar a criança com o membro elevado.
6. ENCAMINHAR A CRIANÇA A UNIDADE DE SAÚDE MAIS PRÓXIMA
OU ACIONAR PRÉ-HOSPITALAR (SAMU).
ATENDIMENTO INICIAL
TRAUMATISMO CRANIANO
“CRIANÇA BATEU A CABEÇA!”
ACOLHIMENTO
 Tranqüilizar a criança.
 Avaliar perda de consciência (desmaio) ou outros sintomas.
 Gelo no local - proteger a pele.
 Observar a criança por 20-30
minutos. DOR NO LOCAL É NORMAL.
 Sem sintomas deixar na escola e orientar pais para observação por 24
a 48 horas.
 Sintomas após 20-30 minutos (vômitos, sonolência, desorientação)
referenciar a criança para a Unidade de Saúde mais próxima ou
acionar pré-hospitalar (SAMU).
 Pupilas iguais (“menina dos
olhos”)
 Movimentos dos membros
normais
 Vômitos, sonolência
 Desmaio
 Lucidez, respostas coerentes
ATENDIMENTO INICIAL
QUEIMADURA
ACOLHIMENTO
1. Apague o fogo (por abafamento – não correr);
2. Retire as roupas, sapatos e outros adereços, respeitando a intimidade
da criança;
3. Avalie o padrão respiratório (verificar a freqüência de respiração e
esforço respiratório);
4. Lave a área queimada com água limpa, cobrindo-a com gaze ou pano
limpo;
5. Acionar pré-hospitalar (SAMU-SOS) para orientação e
conduta.
“NÃO USE QUALQUER MEDICAMENTO NO LOCAL”
DOR NO PEITO
 Mal comum
 Idade
 Histórico Médico
 Ligar para serviço de Urgência (SOS UNIMED)
CONDUTA:
1. Tranquilizar a pessoa;
2. Deitar a pessoa com pernas elevadas;
3. Avaliar histórico de saúde;
4. Ligar para serviço de emergência
Intoxicação- Envenenamento
1. Manter a calma;
2. Verificar a substância envolvida e o tempo decorrido desde a
exposição;
3. Não provocar o vômito ou administrar substância via oral;
4. Não tomar medidas sem consultar profissional;
5. Acionar serviço médico de urgência.
CONVULSÃO
NÃO SEGURE A VÍTIMA NEM A LÍNGUA
NÃO DÊ TAPAS
NÃO JOGUE ÁGUA SOBRE A VÍTIMA
1. AFASTAR OBJETOS AO REDOR
2. AFASTAR OS CURIOSOS
3. PROTEGER A CABEÇA
4. AFROUXAR AS ROUPAS
5. ACIONAR SERVIÇO DE URGÊNCIA.
* Estas informações são orientações básicas para atendimento inicial a
qualquer pessoa até que chegue ao local uma equipe de atendimento pré-
hospitalar.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Primeiros socorros projeto_unimed vida_2011_prevencao_de_acidentes_dra_maria

CIPA - Modulo VI
CIPA - Modulo VICIPA - Modulo VI
CIPA - Modulo VI
Marco Lamim
 
Plano De ...
Plano De ...Plano De ...
Plano De ...
csppousos
 
treinamentobsicoleilucas13722-230314222414-18d473fc.pdf
treinamentobsicoleilucas13722-230314222414-18d473fc.pdftreinamentobsicoleilucas13722-230314222414-18d473fc.pdf
treinamentobsicoleilucas13722-230314222414-18d473fc.pdf
HernandesAbinoFrana
 
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Ivanilson Gomes
 
Covid 19-pais-dc-infecto-ds -rosely_alves_sobral_-convertido
Covid 19-pais-dc-infecto-ds -rosely_alves_sobral_-convertidoCovid 19-pais-dc-infecto-ds -rosely_alves_sobral_-convertido
Covid 19-pais-dc-infecto-ds -rosely_alves_sobral_-convertido
gisa_legal
 
aula AIDP 2020.docx
aula AIDP  2020.docxaula AIDP  2020.docx
aula AIDP 2020.docx
KarenFeitosa5
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
WellingtonTeixeira24
 
Anamnese e exame físico pediatrico
Anamnese e exame físico pediatricoAnamnese e exame físico pediatrico
Anamnese e exame físico pediatrico
Marilia Pio Carneiro da Silva
 
Brinquedo Terapêutico
Brinquedo TerapêuticoBrinquedo Terapêutico
Brinquedo Terapêutico
Camila Ferreira
 
Prevenção a Única Solução
Prevenção a Única SoluçãoPrevenção a Única Solução
Prevenção a Única Solução
Charlies Ponciano
 
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
Hospitalização infantil de  0 a 17 anosHospitalização infantil de  0 a 17 anos
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
Michelle Santos
 
Suporte Básico de Vida
Suporte Básico de Vida  Suporte Básico de Vida
Suporte Básico de Vida
Msaude
 
Um dia após o outro
Um dia após o outroUm dia após o outro
Um dia após o outro
Sandra Cavati
 
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e AdultoPsicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Deisiane Cazaroto
 
Saúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APS
Saúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APSSaúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APS
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
Rodrigo Abreu
 
cartilha-convulsao-novo.pdf
cartilha-convulsao-novo.pdfcartilha-convulsao-novo.pdf
cartilha-convulsao-novo.pdf
MarcosAurlioBorgesRa
 
cartilha-convulsao-novo.pdf
cartilha-convulsao-novo.pdfcartilha-convulsao-novo.pdf
cartilha-convulsao-novo.pdf
ArenioSoares
 
Principios de enfermagem
Principios de enfermagemPrincipios de enfermagem
Principios de enfermagem
sebastiocassuende
 
Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...
Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...
Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...
claudineilenz1
 

Semelhante a Primeiros socorros projeto_unimed vida_2011_prevencao_de_acidentes_dra_maria (20)

CIPA - Modulo VI
CIPA - Modulo VICIPA - Modulo VI
CIPA - Modulo VI
 
Plano De ...
Plano De ...Plano De ...
Plano De ...
 
treinamentobsicoleilucas13722-230314222414-18d473fc.pdf
treinamentobsicoleilucas13722-230314222414-18d473fc.pdftreinamentobsicoleilucas13722-230314222414-18d473fc.pdf
treinamentobsicoleilucas13722-230314222414-18d473fc.pdf
 
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
 
Covid 19-pais-dc-infecto-ds -rosely_alves_sobral_-convertido
Covid 19-pais-dc-infecto-ds -rosely_alves_sobral_-convertidoCovid 19-pais-dc-infecto-ds -rosely_alves_sobral_-convertido
Covid 19-pais-dc-infecto-ds -rosely_alves_sobral_-convertido
 
aula AIDP 2020.docx
aula AIDP  2020.docxaula AIDP  2020.docx
aula AIDP 2020.docx
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
 
Anamnese e exame físico pediatrico
Anamnese e exame físico pediatricoAnamnese e exame físico pediatrico
Anamnese e exame físico pediatrico
 
Brinquedo Terapêutico
Brinquedo TerapêuticoBrinquedo Terapêutico
Brinquedo Terapêutico
 
Prevenção a Única Solução
Prevenção a Única SoluçãoPrevenção a Única Solução
Prevenção a Única Solução
 
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
Hospitalização infantil de  0 a 17 anosHospitalização infantil de  0 a 17 anos
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
 
Suporte Básico de Vida
Suporte Básico de Vida  Suporte Básico de Vida
Suporte Básico de Vida
 
Um dia após o outro
Um dia após o outroUm dia após o outro
Um dia após o outro
 
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e AdultoPsicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
 
Saúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APS
Saúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APSSaúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APS
Saúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APS
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 
cartilha-convulsao-novo.pdf
cartilha-convulsao-novo.pdfcartilha-convulsao-novo.pdf
cartilha-convulsao-novo.pdf
 
cartilha-convulsao-novo.pdf
cartilha-convulsao-novo.pdfcartilha-convulsao-novo.pdf
cartilha-convulsao-novo.pdf
 
Principios de enfermagem
Principios de enfermagemPrincipios de enfermagem
Principios de enfermagem
 
Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...
Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...
Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...
 

Mais de Antonio Cardoso

Isomeria em ppt completo
Isomeria em ppt completoIsomeria em ppt completo
Isomeria em ppt completo
Antonio Cardoso
 
Hallstar.com.br acetamida mea 75
Hallstar.com.br acetamida mea 75Hallstar.com.br acetamida mea 75
Hallstar.com.br acetamida mea 75
Antonio Cardoso
 
Flametests 160116235649
Flametests 160116235649Flametests 160116235649
Flametests 160116235649
Antonio Cardoso
 
Alcanos
AlcanosAlcanos
Flame test lab
Flame test labFlame test lab
Flame test lab
Antonio Cardoso
 
Flame test lab
Flame test labFlame test lab
Flame test lab
Antonio Cardoso
 
Funcoes inorganicas eurico
Funcoes inorganicas euricoFuncoes inorganicas eurico
Funcoes inorganicas eurico
Antonio Cardoso
 
Experincia n 13___eletrolise_da_agua
Experincia n 13___eletrolise_da_aguaExperincia n 13___eletrolise_da_agua
Experincia n 13___eletrolise_da_agua
Antonio Cardoso
 
Aula4 técnicas
Aula4 técnicasAula4 técnicas
Aula4 técnicas
Antonio Cardoso
 
Acção das enzimas
Acção das enzimasAcção das enzimas
Acção das enzimas
Antonio Cardoso
 
A história da acetona
A história da acetonaA história da acetona
A história da acetona
Antonio Cardoso
 
Apostila preparacao catequese_de_adultos
Apostila preparacao catequese_de_adultosApostila preparacao catequese_de_adultos
Apostila preparacao catequese_de_adultos
Antonio Cardoso
 
Orientaparacelebracao
OrientaparacelebracaoOrientaparacelebracao
Orientaparacelebracao
Antonio Cardoso
 

Mais de Antonio Cardoso (13)

Isomeria em ppt completo
Isomeria em ppt completoIsomeria em ppt completo
Isomeria em ppt completo
 
Hallstar.com.br acetamida mea 75
Hallstar.com.br acetamida mea 75Hallstar.com.br acetamida mea 75
Hallstar.com.br acetamida mea 75
 
Flametests 160116235649
Flametests 160116235649Flametests 160116235649
Flametests 160116235649
 
Alcanos
AlcanosAlcanos
Alcanos
 
Flame test lab
Flame test labFlame test lab
Flame test lab
 
Flame test lab
Flame test labFlame test lab
Flame test lab
 
Funcoes inorganicas eurico
Funcoes inorganicas euricoFuncoes inorganicas eurico
Funcoes inorganicas eurico
 
Experincia n 13___eletrolise_da_agua
Experincia n 13___eletrolise_da_aguaExperincia n 13___eletrolise_da_agua
Experincia n 13___eletrolise_da_agua
 
Aula4 técnicas
Aula4 técnicasAula4 técnicas
Aula4 técnicas
 
Acção das enzimas
Acção das enzimasAcção das enzimas
Acção das enzimas
 
A história da acetona
A história da acetonaA história da acetona
A história da acetona
 
Apostila preparacao catequese_de_adultos
Apostila preparacao catequese_de_adultosApostila preparacao catequese_de_adultos
Apostila preparacao catequese_de_adultos
 
Orientaparacelebracao
OrientaparacelebracaoOrientaparacelebracao
Orientaparacelebracao
 

Primeiros socorros projeto_unimed vida_2011_prevencao_de_acidentes_dra_maria

  • 1. APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA Dra. Maria Beatriz Silveira Schmitt Silva Coordenadora do SAMU do Vale do Itajaí Coordenadora Médica do SOS Unimed Blumenau Setembro/2010 Revisado em Fevereiro de 2011
  • 2. ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS ACIDENTADAS NAS ESCOLAS ORIENTAÇÕES GERAIS Quando de agravo à saúde de uma criança no ambiente escolar a prioridade deve ser garantir o seu atendimento. 1. Informação aos pais/responsáveis como será o atendimento à saúde de seus filhos no ambiente escolar a partir de agora; 2. Cada escola deve ter uma ficha simplificada de saúde de cada criança contendo basicamente informações vacinais, doenças crônicas, uso de medicação contínua e alergias; 3. Atentar para as crianças que já chegam doentes, solicitar a presença dos pais (evitar risco de disseminação de doenças infecto- contagiosas na escola); 4. Estabelecer responsáveis na escola pelas crianças vitimadas (atendimento inicial/acompanhamento). COLABORADOR designado pela escola, responsável pelo atendimento inicial da criança e acionamento da Central de Regulação e LOCAL ADEQUADO; 5. Ter sempre as informações completas das crianças (nome, idade, ocorrência, dados de saúde) – utilizar ficha de ocorrência (servirá como guia de chamado e como registro da ocorrência); 6. Chamar os pais ou responsáveis sempre, porém não retardar a atendimento da criança por suas ausências; 7. Fazer o atendimento inicial; normatizar os atendimentos conforme capacitações; 8. Não oferecer qualquer bebida/comida para as crianças acidentadas ou doentes até que haja avaliação da situação; 9. Identificar a Unidade de Saúde Básica mais próxima da escola, que deverá ser a referência de atendimento às crianças vitimadas da escola;
  • 3. 10. Orientar professoras para que acatem as orientações médicas fornecidas pela Central de Regulação; 11. Registrar sempre a ocorrência na agenda da criança; 12.Problemas clínicos sempre entrar em contato com a Central de Regulação (SAMU ou SOS). Prevenção deve ser nosso objetivo!! SOCORRISTA – colaborador da escola responsável pelo atendimento inicial das crianças vítimas. • Equilíbrio Emocional • Conhecimento • Habilidade • Manter a calma • Ter ordem de segurança • Verificar riscos no local • Manter o bom senso • Ter espírito de liderança • Distribuir tarefas • Evitar atitudes intempestivas
  • 4. • Dar assistência à vítima que corre o maior risco de morte • Seja socorrista e não herói • Pedir auxílio: telefonar para atendimento de urgência PROCEDIMENTOS INICIAIS 1. Pessoa responsável - AACCOOLLHHIIMMEENNTTOO 2. Avaliação e procedimentos iniciais 3. Decisão - Postos de saúde ou SAMU/SOS Unimed (permanecer SEMPRE ao lado da criança). ATIVAÇÃO DO SERVIÇO PRÉ-HOSPITALAR 1. Após avaliar a situação, acionar serviço pré-hospitalar: 192 (0800 645 4747 poderá ser acionado para orientação apenas); 2. TARM: atenderá a ligação, identificar-se e fornecer as informações do nome do paciente, idade, endereço da escola e queixa principal; 3. MÉDICO REGULADOR: a partir de algumas perguntas avaliará a queixa e definirá qual o recurso necessário para cada caso, variando de uma orientação, medicação por telefone até o envio da ambulância.
  • 5. ATENDIMENTO INICIAL FERIMENTOS ACOLHIMENTO 11.. FFEERRIIMMEENNTTOO AABBEERRTTOO o Exponha o local ferido, respeitando intimidade da criança. o Limpe o ferimento com soro ou água limpa e sabão neutro (líquido ou em barra – pedaços utilizados devem ser desprezados), retirando toda a sujeira. o Avalie o tamanho (em cm) e profundidade da ferida (aparecimento de tecido gorduroso ou não). o Controle o sangramento com compressão local e gelo. o Cubra o ferimento com gaze ou pano limpo. o MANTENHA A CRIANÇA TRANQUILA e em local apropriado. o Ferimento leve (arranhões, superficiais sem aparecimento de tecido gorduroso) orientar pais sobre manter limpeza local em casa e observar. o Ferimento extenso, com aparecimento de tecido gorduroso ou sangramento mantido acionar serviço de pré-hospitalar ou encaminhar a criança a Unidade de Saúde mais próxima para orientação e conduta.
  • 6. 2. FFEERRIIMMEENNTTOO FFEECCHHAADDOO  Coloque a criança em local tranquilo, em repouso.  Proteja a pele local com um pano fino e limpo.  Coloque gelo sobre o pano por 20 minutos. Reavalie após.  Inchaço leve, movimentos preservados, pouca dor, orientar pais a manter gelo local e se houver dor em casa levar a criança a uma Unidade de Saúde.  Inchaço importante, dor aos movimentos, encaminhar a criança a Unidade de Saúde mais próxima ou ao Pronto Socorro do Hospital Santo Antônio.
  • 7. ATENDIMENTO INICIAL LLEESSÕÕEESS DDOO AAPPAARREELLHHOO LLOOCCOOMMOOTTOORR FFrraattuurraass,, eennttoorrsseess,, lluuxxaaççõõeess ACOLHIMENTO 1. Colocar a criança em local tranqüilo com cuidado. 2. Avaliar o tipo de lesão, desvio do membro e sintoma de dor. 3. IMOBILIZAR O LOCAL COM SUSPEITA DE LESÃO, com o intuito de diminuir a dor, prevenir aumento das lesões. Sempre imobilizar uma articulação acima e outra abaixo no local da lesão. 4. Colocar gelo no local da lesão por 20 minutos. 5. Deixar a criança com o membro elevado. 6. ENCAMINHAR A CRIANÇA A UNIDADE DE SAÚDE MAIS PRÓXIMA OU ACIONAR PRÉ-HOSPITALAR (SAMU). ATENDIMENTO INICIAL TRAUMATISMO CRANIANO “CRIANÇA BATEU A CABEÇA!” ACOLHIMENTO
  • 8.  Tranqüilizar a criança.  Avaliar perda de consciência (desmaio) ou outros sintomas.  Gelo no local - proteger a pele.  Observar a criança por 20-30 minutos. DOR NO LOCAL É NORMAL.  Sem sintomas deixar na escola e orientar pais para observação por 24 a 48 horas.  Sintomas após 20-30 minutos (vômitos, sonolência, desorientação) referenciar a criança para a Unidade de Saúde mais próxima ou acionar pré-hospitalar (SAMU).  Pupilas iguais (“menina dos olhos”)  Movimentos dos membros normais  Vômitos, sonolência  Desmaio  Lucidez, respostas coerentes
  • 9. ATENDIMENTO INICIAL QUEIMADURA ACOLHIMENTO 1. Apague o fogo (por abafamento – não correr); 2. Retire as roupas, sapatos e outros adereços, respeitando a intimidade da criança; 3. Avalie o padrão respiratório (verificar a freqüência de respiração e esforço respiratório); 4. Lave a área queimada com água limpa, cobrindo-a com gaze ou pano limpo; 5. Acionar pré-hospitalar (SAMU-SOS) para orientação e conduta. “NÃO USE QUALQUER MEDICAMENTO NO LOCAL” DOR NO PEITO  Mal comum  Idade  Histórico Médico  Ligar para serviço de Urgência (SOS UNIMED) CONDUTA: 1. Tranquilizar a pessoa; 2. Deitar a pessoa com pernas elevadas;
  • 10. 3. Avaliar histórico de saúde; 4. Ligar para serviço de emergência Intoxicação- Envenenamento 1. Manter a calma; 2. Verificar a substância envolvida e o tempo decorrido desde a exposição; 3. Não provocar o vômito ou administrar substância via oral; 4. Não tomar medidas sem consultar profissional; 5. Acionar serviço médico de urgência.
  • 11. CONVULSÃO NÃO SEGURE A VÍTIMA NEM A LÍNGUA NÃO DÊ TAPAS NÃO JOGUE ÁGUA SOBRE A VÍTIMA 1. AFASTAR OBJETOS AO REDOR 2. AFASTAR OS CURIOSOS 3. PROTEGER A CABEÇA 4. AFROUXAR AS ROUPAS 5. ACIONAR SERVIÇO DE URGÊNCIA. * Estas informações são orientações básicas para atendimento inicial a qualquer pessoa até que chegue ao local uma equipe de atendimento pré- hospitalar.