SlideShare uma empresa Scribd logo
RELEVO I: AGENTES EXTERNOS
TRANSFORMADORES DO RELEVO
Agentes externos
São chamados agentes externos todos os
processos que têm origem na dinâmica
atmosférica e biológica. Sua principal fonte de
energia é o Sol. Estes processos são chamados
de modeladores, pois ao longo do tempo as
formas do relevo vão sendo esculpidas pelos
processos erosivos.
Agentes externos
Os agentes externos resultam nas diferentes formas
de erosão e sedimentação que tendem a aplainar o
relevo terrestre. A lógica de funcionamento dos
agentes externos é relativamente simples. Lembre-
se das suas aulas de Física, pois é a partir da força da
gravidade que os diferentes processos acontecem.
Agentes externos
Nas áreas planálticas predominam os processos
erosivos, com o deslocamento de material;
já nas áreas de planície predominam os processos
sedimentares, com o depósito dos materiais
transportados.
Diferentes processos erosivos
Erosão pluvial: provocada pela chuva (deslizamento de encostas);
Erosão fluvial: provocada pelos rios (aprofundamento de vales);
Erosão eólica: provocada pelo vento (dunas);
Erosão marinha: provocada pelo mar (falésias);
Erosão nival: provocada pelo derretimento da neve (fiordes);
Erosão antrópica: provocada pelo homem.
INTEMPERISMO
O intemperismo é formado pelo conjunto dos processos que
provocam a decomposição das rochas na superfície terrestre,
causada pela ação de agentes atmosféricos e biológicos.
Sendo assim, o clima é o maior responsável pelo tipo de
intemperismo.
Os fenômenos que possuem relação íntima com os processos
intempéricos podem ser químicos, biológicos ou físico-
químicos.
Eles podem agir juntos ou separadamente, variando
conforme as condições climáticas e as da própria rocha.
Assim, seu trabalho provoca a decomposição da rocha matriz
e a formação de solo.
INTEMPERISMO FÍSICO-QUÍMICO
A decomposição química ocorre como consequência da reação
química entre a rocha e a água. Esse processo é facilitado pelo
intemperismo físico, que reduz a rocha a fragmentos
menores, fazendo com que a área de contato com as soluções
aquosas cresça.
Tais soluções provêm da precipitação atmosférica, que não é
pura. A água das precipitações apresenta-se com uma
composição que contém diversos gases, principalmente o
oxigênio e o gás carbônico.
INTEMPERISMO FÍSICO
A desintegração física das rochas pode ser
ocasionada pela variação de temperatura, já que a
maioria delas é composta por vários minerais, que
possuem coeficientes de dilatação diferentes.
Em determinados locais, como nos
desertos, a variação de temperatura
diária é muito elevada. Além disso, a
superfície terrestre se aquece até 2,5
vezes mais que o ar atmosférico.
Esses dois fatores causam uma
constante e diferente variação de
volume dos minerais que compõem as
rochas, provocando a desagregação
destas e sua divisão em pequenos
fragmentos.
INTEMPERISMO BIOLÓGICO
As raízes das plantas, ao
penetrarem nas fendas de
rochas que não apresentam
grande resistência, também
provocam desagregação.
AÇÃO ANTRÓPICA
A intervenção humana acelera a ação de
determinados processos tornando o poder de
destruição erosivo muito maior.
Os processos erosivos antrópicos são condicionados
basicamente por alterações do meio ambiente,
provocadas pelo uso do solo nas suas várias formas,
desde o desmatamento e a prática de agricultura até a
execução de obras urbanas e viárias, que, de alguma
forma, propiciam a concentração das águas de
escoamento superficial.
AÇÃO ANTRÓPICA
É importante ressaltar que a intensificação dos
processos erosivos pelo homem vem acarretando
graves problemas à sociedade. Além de provocar
danos ambientais irreversíveis, também produz
prejuízos econômicos e sociais.
Dentre estes problemas podemos citar:
Perda da produtividade agrícola;
Perda de solos férteis;
Poluição da água;
Assoreamento dos cursos d’água e
reservatórios.
AÇÃO ANTRÓPICA
Algumas marcas do processo erosivo normalmente
associadas a ação do homem são:
Sulcos
Quando são formados canais de até 10 cm de
profundidade.
AÇÃO ANTRÓPICA
Ravinas
Quando são formados canais de até 50 cm de
profundidade.
AÇÃO ANTRÓPICAVoçoroca
É a feição mais flagrante da erosão antrópica, ocorre quando
são formados canais com mais de 50 cm de profundidade
podendo ser formada através de uma passagem gradual da
erosão laminar para erosão em sulcos e ravinas cada vez mais
profundas, ou então, diretamente a partir de um ponto de
elevada concentração de águas pluviais. As voçorocas
formam-se geralmente em locais de concentração natural de
escoamento pluvial, tais como cabeceiras de drenagem e
embaciados de encostas.
AÇÃO ANTRÓPICA
A importância do estudo dos fenômenos associados à
formação de voçorocas é estabelecer medidas de prevenção e
controle, como também o estabelecimento de técnicas
agrícolas que permitam reduzir os problemas. A luta do
homem contra o processo erosivo resulta em diversas ações:
Terraceamento, que são degraus no solo (curvas de nível),
onde o solo é arado e semeado seguindo cotas altimétricas;
AÇÃO ANTRÓPICA
Associação de culturas em plantios que reduzam a
exposição do solo, com legumes que o recobrem bem;
AÇÃO ANTRÓPICA
Plantio direto: sistema em que a palha e os demais restos
vegetais de outras culturas são mantidos na superfície do solo,
garantindo cobertura e proteção desse solo contra processos
erosivos.
Relevo submarino
Assim como nos continentes, o fundo oceânico
apresenta diversas variações na sua forma, que
podem ser chamadas de relevo submarino.
Principais formas do relevo submarino
Plataforma Continental – é formada por depósitos
sedimentares oriundos do continente; para muitos;
é considerada uma continuação do continente.
Nessa região ocorre a pesca e a extração de petróleo.
Principais formas do relevo submarino
Talude – desnível abrupto de 2 a 3 km. Corresponde
ao fim da plataforma continental ou do continente.
É a área de contato entre a porção de origem
sedimentar e a de origem vulcânica.
Principais formas do relevo submarino
Região Abissal – ocorre normalmente junto ao
talude e corresponde às fossas marinhas. São áreas
profundas dos oceanos que podem atingir 8.000
metros.
Principais formas do relevo submarino
Região Pelágica – é o relevo submarino propriamente dito,
com planícies, montanhas e depressões. Origina-se do
processo de separação das placas tectônicas. Na região
pelágica surgem as ilhas oceânicas, vulcânicas, como
Fernando de Noronha ou Coralígenas, como o Atol das
Rocas.
Principais formas do relevo submarino
Cadeias oceânicas – As maiores cadeias de montanhas do
mundo estão localizadas no assoalho oceânico junto às
áreas de separação das placas tectônicas. São também
chamadas de dorsais oceânicas. Abriga grande atividade
vulcânica.
Questões político-territoriais sobre
o relevo submarino
Existem diversas regras internacionais sobre a
exploração dos recursos marinhos e outras estão
sendo discutidas dentro do contexto geopolítico
atual.
O mar territorial - compreende uma faixa de 12 milhas
marítimas de largura, a soberania do Estado brasileiro é plena,
como se essa faixa de mar fosse continuação das suas terras.
A zona contígua - vizinha ao Mar Territorial é uma zona
adjacente ao Mar Territorial, onde o Brasil não possui mais
soberania plena, mas tem o poder de fiscalização aduaneira,
fiscal, sanitária e de imigração.
Questões político-territoriais sobre
o relevo submarino
A zona econômica exclusiva - Nesta zona, que compreende,
portanto, 188 milhas marítimas, o Brasil, no exercício de sua
jurisdição, tem direitos exclusivos e soberanos para fins de
exploração e aproveitamento, conservação de recursos
naturais, vivos ou não, das águas sobrejacentes ao leito do
mar, do leito do mar e seu subsolo, e no que se refere a outras
atividades com vistas à exploração e ao aproveitamento da
zona para fins econômicos.
Amazônia Azul
Como forma de dar ao brasileiro uma ideia do que representa
essa imensidão de mar, costumamos chamá-la de Amazônia
Azul, permitindo associá-la com a Amazônia Verde, não por
sua localização, mas por suas dimensões e riquezas.
Na Amazônia Azul estão presentes questões econômicas e
estratégicas, como o fato de cerca de 95% do nosso comércio
exterior depender do transporte marítimo.
Outro grande bem é representado pelos minerais. A
exploração, economicamente inviável no presente, poderá
se tornar considerável filão de riquezas no futuro.
Amazônia Azul
Outro desdobramento de interesse crescente é a
possibilidade de se obter água potável, em grande escala, a
partir do mar, vencida a atual barreira tecnológica de
exigência de grandes quantidades de energia para o processo
de dessalinização.
O petróleo é outra grande riqueza da nossa Amazônia Azul.
No limiar da autossuficiência, o Brasil prospecta, no mar,
cerca de 80% de seu petróleo e mais de 50% de seu gás
natural.
A pesca também é mais uma riqueza ponderável para o Brasil.
Fontes
Prof. Sérgio Gomes Jordão
Sistema de Ensino GPI – Apostila de Geografia, volume 2– 2013
http://4.bp.blogspot.com/-FL8chsmD8Bo/TmOijyVr9eI/AAAAAAAABQs/hDoYFonWaWc/s1600/img-2.jpg
http://4.bp.blogspot.com/-aapOCyHef3s/T8gQ4NT80AI/AAAAAAAAABM/gM9bWxFyMzE/s1600/intemperismo+biologico.jpg
http://www.faficp.br/graduacao/c_geografia/projetos/pgeo0401/img/pgeo03.jpg
http://1.bp.blogspot.com/_W2V_Qxwfrwg/Rx-JtzSczhI/AAAAAAAAB6A/XwxTy8H0W5U/s320/Tunel+Rebou%C3%A7as+-
+O+Da+24-10-07.jpg
http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRVinIGTaflOhIk7AuyZnUwtMcasByo4Rs7zhGCY9Kgi2YO3TapcQ
http://www.vivaterra.org.br/erosao_22.1.jpg
http://www.rc.unesp.br/igce/aplicada/ead/fotos/interacao/eroslin1.jpg
http://2.bp.blogspot.com/-afBgrt6szd0/T3prsm-qIuI/AAAAAAAAAkc/uf2GPEPlpdk/s1600/indonesia_-_terraceamento.jpg
http://www.portaldoagronegocio.com.br/arquivos/n_associacao__926343321.jpg

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
Fabrício Almeida
 
Recursos Minerais - Mundo e Brasil
Recursos Minerais - Mundo e BrasilRecursos Minerais - Mundo e Brasil
Recursos Minerais - Mundo e Brasil
Rogério Bartilotti
 
Aula 1 - Migrações internacionais
Aula 1 - Migrações internacionaisAula 1 - Migrações internacionais
Aula 1 - Migrações internacionais
Bruno Rangel Silvone
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
Suely Takahashi
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Planeta Terra nave que viajamos.pptx
Planeta Terra nave que viajamos.pptxPlaneta Terra nave que viajamos.pptx
Planeta Terra nave que viajamos.pptx
Jeisa Tainara Schaefer Salgado
 
Ásia Aspectos físicos.
Ásia Aspectos físicos.Ásia Aspectos físicos.
Ásia Aspectos físicos.
Camila Brito
 
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jefersonEstruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Carolina Corrêa
 
População brasileira e estrutura da população
População brasileira e estrutura da populaçãoPopulação brasileira e estrutura da população
População brasileira e estrutura da população
Rodrigo Baglini
 
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservaçãoSolos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Rodrigo Pavesi
 
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacaoRelevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
danielcpacheco2
 
Intemperismo e Erosão e Movimento de Massa - Capítulos 7 e 12
Intemperismo e Erosão e Movimento de Massa - Capítulos 7 e 12Intemperismo e Erosão e Movimento de Massa - Capítulos 7 e 12
Intemperismo e Erosão e Movimento de Massa - Capítulos 7 e 12
Yago Matos
 
Estrutura Interna Da Terra
Estrutura Interna Da TerraEstrutura Interna Da Terra
Estrutura Interna Da Terra
Sérgio Luiz
 
Tectônica de placas aula 25.06
Tectônica de placas aula 25.06Tectônica de placas aula 25.06
Tectônica de placas aula 25.06
Raquel Avila
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
karolpoa
 
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosão
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosãoCiêcias- A Erosão , tipos de erosão
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosão
Jaicinha
 
Unidade 2 6º ano
Unidade 2   6º anoUnidade 2   6º ano
Unidade 2 6º ano
Christie Freitas
 
TERRA - Estrutura Geologica
TERRA - Estrutura GeologicaTERRA - Estrutura Geologica
TERRA - Estrutura Geologica
João José Ferreira Tojal
 
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizadoEstrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
Jones Godinho
 
Indicadores Sociais Da PopulaçãO
Indicadores Sociais Da PopulaçãOIndicadores Sociais Da PopulaçãO
Indicadores Sociais Da PopulaçãO
Weberlon Braga Verissimo
 

Mais procurados (20)

Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
 
Recursos Minerais - Mundo e Brasil
Recursos Minerais - Mundo e BrasilRecursos Minerais - Mundo e Brasil
Recursos Minerais - Mundo e Brasil
 
Aula 1 - Migrações internacionais
Aula 1 - Migrações internacionaisAula 1 - Migrações internacionais
Aula 1 - Migrações internacionais
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Planeta Terra nave que viajamos.pptx
Planeta Terra nave que viajamos.pptxPlaneta Terra nave que viajamos.pptx
Planeta Terra nave que viajamos.pptx
 
Ásia Aspectos físicos.
Ásia Aspectos físicos.Ásia Aspectos físicos.
Ásia Aspectos físicos.
 
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jefersonEstruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
 
População brasileira e estrutura da população
População brasileira e estrutura da populaçãoPopulação brasileira e estrutura da população
População brasileira e estrutura da população
 
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservaçãoSolos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
 
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacaoRelevo brasileiro-e-sua-classificacao
Relevo brasileiro-e-sua-classificacao
 
Intemperismo e Erosão e Movimento de Massa - Capítulos 7 e 12
Intemperismo e Erosão e Movimento de Massa - Capítulos 7 e 12Intemperismo e Erosão e Movimento de Massa - Capítulos 7 e 12
Intemperismo e Erosão e Movimento de Massa - Capítulos 7 e 12
 
Estrutura Interna Da Terra
Estrutura Interna Da TerraEstrutura Interna Da Terra
Estrutura Interna Da Terra
 
Tectônica de placas aula 25.06
Tectônica de placas aula 25.06Tectônica de placas aula 25.06
Tectônica de placas aula 25.06
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
 
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosão
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosãoCiêcias- A Erosão , tipos de erosão
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosão
 
Unidade 2 6º ano
Unidade 2   6º anoUnidade 2   6º ano
Unidade 2 6º ano
 
TERRA - Estrutura Geologica
TERRA - Estrutura GeologicaTERRA - Estrutura Geologica
TERRA - Estrutura Geologica
 
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizadoEstrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
 
Indicadores Sociais Da PopulaçãO
Indicadores Sociais Da PopulaçãOIndicadores Sociais Da PopulaçãO
Indicadores Sociais Da PopulaçãO
 

Semelhante a 9 a aula geo cpvem relevo-2

MudançAs Climaticas E ComunicaçãO
MudançAs Climaticas E ComunicaçãOMudançAs Climaticas E ComunicaçãO
MudançAs Climaticas E ComunicaçãO
Filipa M. Ribeiro
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Aquiferos ppt-Recursos hidricos
Aquiferos ppt-Recursos hidricosAquiferos ppt-Recursos hidricos
Aquiferos ppt-Recursos hidricos
IrisFF
 
conteudos a serem trabalhados 1º ano 2ª etapa.ppt
conteudos a serem trabalhados 1º ano 2ª etapa.pptconteudos a serem trabalhados 1º ano 2ª etapa.ppt
conteudos a serem trabalhados 1º ano 2ª etapa.ppt
LucianoPrado15
 
Distribuiição e importancia das Águas do planeta Terra
Distribuiição e importancia das Águas do planeta TerraDistribuiição e importancia das Águas do planeta Terra
Distribuiição e importancia das Águas do planeta Terra
AlexOliveira739128
 
EROSÃO.ppt
EROSÃO.pptEROSÃO.ppt
EROSÃO.ppt
NicolasTotti
 
Ocupação Antrópica
Ocupação AntrópicaOcupação Antrópica
Ocupação Antrópica
Rafaela Freitas
 
Trabalho de geologia
Trabalho de geologia   Trabalho de geologia
Trabalho de geologia
biomaniacas
 
trabalho
trabalhotrabalho
trabalho
sshjj2
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1
sshjj2
 
Zonas Costeiras C2
Zonas Costeiras C2Zonas Costeiras C2
Zonas Costeiras C2
sshjj2
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
ssuser51d27c1
 
Recursos subterrâneos helena_silvia(2)
Recursos subterrâneos helena_silvia(2)Recursos subterrâneos helena_silvia(2)
Recursos subterrâneos helena_silvia(2)
helenasvdias
 
Relevo e seus agentes
Relevo e seus agentesRelevo e seus agentes
Relevo e seus agentes
Everton Pessoa
 
Geomorfologia litorânea
Geomorfologia litorâneaGeomorfologia litorânea
Geomorfologia litorânea
Henrique Soares
 
RELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICORELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICO
Conceição Fontolan
 
Dicionario geografico
Dicionario geograficoDicionario geografico
Dicionario geografico
Alexandre Gangorra
 
Hidrografia -Águas Oceânicas
Hidrografia -Águas Oceânicas Hidrografia -Águas Oceânicas
Hidrografia -Águas Oceânicas
Rosiane Reis
 
Água - Geografia 9ºAno
Água - Geografia 9ºAnoÁgua - Geografia 9ºAno
Água - Geografia 9ºAno
Beatriz de Almeida
 
Aula 7
Aula 7Aula 7

Semelhante a 9 a aula geo cpvem relevo-2 (20)

MudançAs Climaticas E ComunicaçãO
MudançAs Climaticas E ComunicaçãOMudançAs Climaticas E ComunicaçãO
MudançAs Climaticas E ComunicaçãO
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Aquiferos ppt-Recursos hidricos
Aquiferos ppt-Recursos hidricosAquiferos ppt-Recursos hidricos
Aquiferos ppt-Recursos hidricos
 
conteudos a serem trabalhados 1º ano 2ª etapa.ppt
conteudos a serem trabalhados 1º ano 2ª etapa.pptconteudos a serem trabalhados 1º ano 2ª etapa.ppt
conteudos a serem trabalhados 1º ano 2ª etapa.ppt
 
Distribuiição e importancia das Águas do planeta Terra
Distribuiição e importancia das Águas do planeta TerraDistribuiição e importancia das Águas do planeta Terra
Distribuiição e importancia das Águas do planeta Terra
 
EROSÃO.ppt
EROSÃO.pptEROSÃO.ppt
EROSÃO.ppt
 
Ocupação Antrópica
Ocupação AntrópicaOcupação Antrópica
Ocupação Antrópica
 
Trabalho de geologia
Trabalho de geologia   Trabalho de geologia
Trabalho de geologia
 
trabalho
trabalhotrabalho
trabalho
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1
 
Zonas Costeiras C2
Zonas Costeiras C2Zonas Costeiras C2
Zonas Costeiras C2
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
 
Recursos subterrâneos helena_silvia(2)
Recursos subterrâneos helena_silvia(2)Recursos subterrâneos helena_silvia(2)
Recursos subterrâneos helena_silvia(2)
 
Relevo e seus agentes
Relevo e seus agentesRelevo e seus agentes
Relevo e seus agentes
 
Geomorfologia litorânea
Geomorfologia litorâneaGeomorfologia litorânea
Geomorfologia litorânea
 
RELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICORELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICO
 
Dicionario geografico
Dicionario geograficoDicionario geografico
Dicionario geografico
 
Hidrografia -Águas Oceânicas
Hidrografia -Águas Oceânicas Hidrografia -Águas Oceânicas
Hidrografia -Águas Oceânicas
 
Água - Geografia 9ºAno
Água - Geografia 9ºAnoÁgua - Geografia 9ºAno
Água - Geografia 9ºAno
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 7
 

Mais de Wellington Moreira

Portugues segunda aula bv
Portugues segunda aula bvPortugues segunda aula bv
Portugues segunda aula bv
Wellington Moreira
 
Portugues concordância verbal
Portugues concordância verbalPortugues concordância verbal
Portugues concordância verbal
Wellington Moreira
 
Portugues concordância nominal
Portugues concordância nominalPortugues concordância nominal
Portugues concordância nominal
Wellington Moreira
 
Lp quest sim pm bv
Lp quest sim pm bvLp quest sim pm bv
Lp quest sim pm bv
Wellington Moreira
 
Lp 1 aula becmann
Lp 1 aula becmannLp 1 aula becmann
Lp 1 aula becmann
Wellington Moreira
 
Trigonometria fórmls exc
Trigonometria fórmls excTrigonometria fórmls exc
Trigonometria fórmls exc
Wellington Moreira
 
Lei dos senos e cossenos
Lei dos senos e cossenosLei dos senos e cossenos
Lei dos senos e cossenos
Wellington Moreira
 
Rz trig triang retng
Rz trig triang retngRz trig triang retng
Rz trig triang retng
Wellington Moreira
 
Matemática rz,prp,rg tres - mistao
Matemática  rz,prp,rg tres - mistaoMatemática  rz,prp,rg tres - mistao
Matemática rz,prp,rg tres - mistao
Wellington Moreira
 
Simulado bv primeiro
Simulado bv primeiroSimulado bv primeiro
Simulado bv primeiro
Wellington Moreira
 
Portugues 3° aula
Portugues 3° aulaPortugues 3° aula
Portugues 3° aula
Wellington Moreira
 
Gabarito aula 01 beckman lp
Gabarito aula 01 beckman lpGabarito aula 01 beckman lp
Gabarito aula 01 beckman lp
Wellington Moreira
 
10 a aula geo cpvem relevo-3
10 a aula geo cpvem   relevo-310 a aula geo cpvem   relevo-3
10 a aula geo cpvem relevo-3
Wellington Moreira
 
7 a aula geo cpvem geologia-aula-2
7 a aula geo cpvem   geologia-aula-27 a aula geo cpvem   geologia-aula-2
7 a aula geo cpvem geologia-aula-2
Wellington Moreira
 
8 a aula geo cpvem relevo-i
8 a aula geo cpvem   relevo-i8 a aula geo cpvem   relevo-i
8 a aula geo cpvem relevo-i
Wellington Moreira
 
7 a aula geo cpvem geologia-aula-2
7 a aula geo cpvem   geologia-aula-27 a aula geo cpvem   geologia-aula-2
7 a aula geo cpvem geologia-aula-2
Wellington Moreira
 
6 a aula geo cpvem geologia-aula-1
6 a aula geo cpvem  geologia-aula-16 a aula geo cpvem  geologia-aula-1
6 a aula geo cpvem geologia-aula-1
Wellington Moreira
 
Exercícios mat revisão 1. mês bv
Exercícios mat revisão 1. mês bvExercícios mat revisão 1. mês bv
Exercícios mat revisão 1. mês bv
Wellington Moreira
 
Exercícios mat revisão 1. mês bv
Exercícios mat revisão 1. mês bvExercícios mat revisão 1. mês bv
Exercícios mat revisão 1. mês bv
Wellington Moreira
 
Aula interp txt 1 bv
Aula interp txt 1 bvAula interp txt 1 bv
Aula interp txt 1 bv
Wellington Moreira
 

Mais de Wellington Moreira (20)

Portugues segunda aula bv
Portugues segunda aula bvPortugues segunda aula bv
Portugues segunda aula bv
 
Portugues concordância verbal
Portugues concordância verbalPortugues concordância verbal
Portugues concordância verbal
 
Portugues concordância nominal
Portugues concordância nominalPortugues concordância nominal
Portugues concordância nominal
 
Lp quest sim pm bv
Lp quest sim pm bvLp quest sim pm bv
Lp quest sim pm bv
 
Lp 1 aula becmann
Lp 1 aula becmannLp 1 aula becmann
Lp 1 aula becmann
 
Trigonometria fórmls exc
Trigonometria fórmls excTrigonometria fórmls exc
Trigonometria fórmls exc
 
Lei dos senos e cossenos
Lei dos senos e cossenosLei dos senos e cossenos
Lei dos senos e cossenos
 
Rz trig triang retng
Rz trig triang retngRz trig triang retng
Rz trig triang retng
 
Matemática rz,prp,rg tres - mistao
Matemática  rz,prp,rg tres - mistaoMatemática  rz,prp,rg tres - mistao
Matemática rz,prp,rg tres - mistao
 
Simulado bv primeiro
Simulado bv primeiroSimulado bv primeiro
Simulado bv primeiro
 
Portugues 3° aula
Portugues 3° aulaPortugues 3° aula
Portugues 3° aula
 
Gabarito aula 01 beckman lp
Gabarito aula 01 beckman lpGabarito aula 01 beckman lp
Gabarito aula 01 beckman lp
 
10 a aula geo cpvem relevo-3
10 a aula geo cpvem   relevo-310 a aula geo cpvem   relevo-3
10 a aula geo cpvem relevo-3
 
7 a aula geo cpvem geologia-aula-2
7 a aula geo cpvem   geologia-aula-27 a aula geo cpvem   geologia-aula-2
7 a aula geo cpvem geologia-aula-2
 
8 a aula geo cpvem relevo-i
8 a aula geo cpvem   relevo-i8 a aula geo cpvem   relevo-i
8 a aula geo cpvem relevo-i
 
7 a aula geo cpvem geologia-aula-2
7 a aula geo cpvem   geologia-aula-27 a aula geo cpvem   geologia-aula-2
7 a aula geo cpvem geologia-aula-2
 
6 a aula geo cpvem geologia-aula-1
6 a aula geo cpvem  geologia-aula-16 a aula geo cpvem  geologia-aula-1
6 a aula geo cpvem geologia-aula-1
 
Exercícios mat revisão 1. mês bv
Exercícios mat revisão 1. mês bvExercícios mat revisão 1. mês bv
Exercícios mat revisão 1. mês bv
 
Exercícios mat revisão 1. mês bv
Exercícios mat revisão 1. mês bvExercícios mat revisão 1. mês bv
Exercícios mat revisão 1. mês bv
 
Aula interp txt 1 bv
Aula interp txt 1 bvAula interp txt 1 bv
Aula interp txt 1 bv
 

9 a aula geo cpvem relevo-2

  • 1. RELEVO I: AGENTES EXTERNOS TRANSFORMADORES DO RELEVO
  • 2. Agentes externos São chamados agentes externos todos os processos que têm origem na dinâmica atmosférica e biológica. Sua principal fonte de energia é o Sol. Estes processos são chamados de modeladores, pois ao longo do tempo as formas do relevo vão sendo esculpidas pelos processos erosivos.
  • 3. Agentes externos Os agentes externos resultam nas diferentes formas de erosão e sedimentação que tendem a aplainar o relevo terrestre. A lógica de funcionamento dos agentes externos é relativamente simples. Lembre- se das suas aulas de Física, pois é a partir da força da gravidade que os diferentes processos acontecem.
  • 4. Agentes externos Nas áreas planálticas predominam os processos erosivos, com o deslocamento de material; já nas áreas de planície predominam os processos sedimentares, com o depósito dos materiais transportados.
  • 5. Diferentes processos erosivos Erosão pluvial: provocada pela chuva (deslizamento de encostas); Erosão fluvial: provocada pelos rios (aprofundamento de vales); Erosão eólica: provocada pelo vento (dunas); Erosão marinha: provocada pelo mar (falésias); Erosão nival: provocada pelo derretimento da neve (fiordes); Erosão antrópica: provocada pelo homem.
  • 6. INTEMPERISMO O intemperismo é formado pelo conjunto dos processos que provocam a decomposição das rochas na superfície terrestre, causada pela ação de agentes atmosféricos e biológicos. Sendo assim, o clima é o maior responsável pelo tipo de intemperismo. Os fenômenos que possuem relação íntima com os processos intempéricos podem ser químicos, biológicos ou físico- químicos. Eles podem agir juntos ou separadamente, variando conforme as condições climáticas e as da própria rocha. Assim, seu trabalho provoca a decomposição da rocha matriz e a formação de solo.
  • 7. INTEMPERISMO FÍSICO-QUÍMICO A decomposição química ocorre como consequência da reação química entre a rocha e a água. Esse processo é facilitado pelo intemperismo físico, que reduz a rocha a fragmentos menores, fazendo com que a área de contato com as soluções aquosas cresça. Tais soluções provêm da precipitação atmosférica, que não é pura. A água das precipitações apresenta-se com uma composição que contém diversos gases, principalmente o oxigênio e o gás carbônico.
  • 8. INTEMPERISMO FÍSICO A desintegração física das rochas pode ser ocasionada pela variação de temperatura, já que a maioria delas é composta por vários minerais, que possuem coeficientes de dilatação diferentes. Em determinados locais, como nos desertos, a variação de temperatura diária é muito elevada. Além disso, a superfície terrestre se aquece até 2,5 vezes mais que o ar atmosférico. Esses dois fatores causam uma constante e diferente variação de volume dos minerais que compõem as rochas, provocando a desagregação destas e sua divisão em pequenos fragmentos.
  • 9. INTEMPERISMO BIOLÓGICO As raízes das plantas, ao penetrarem nas fendas de rochas que não apresentam grande resistência, também provocam desagregação.
  • 10. AÇÃO ANTRÓPICA A intervenção humana acelera a ação de determinados processos tornando o poder de destruição erosivo muito maior. Os processos erosivos antrópicos são condicionados basicamente por alterações do meio ambiente, provocadas pelo uso do solo nas suas várias formas, desde o desmatamento e a prática de agricultura até a execução de obras urbanas e viárias, que, de alguma forma, propiciam a concentração das águas de escoamento superficial.
  • 11. AÇÃO ANTRÓPICA É importante ressaltar que a intensificação dos processos erosivos pelo homem vem acarretando graves problemas à sociedade. Além de provocar danos ambientais irreversíveis, também produz prejuízos econômicos e sociais. Dentre estes problemas podemos citar: Perda da produtividade agrícola; Perda de solos férteis; Poluição da água; Assoreamento dos cursos d’água e reservatórios.
  • 12. AÇÃO ANTRÓPICA Algumas marcas do processo erosivo normalmente associadas a ação do homem são: Sulcos Quando são formados canais de até 10 cm de profundidade.
  • 13. AÇÃO ANTRÓPICA Ravinas Quando são formados canais de até 50 cm de profundidade.
  • 14. AÇÃO ANTRÓPICAVoçoroca É a feição mais flagrante da erosão antrópica, ocorre quando são formados canais com mais de 50 cm de profundidade podendo ser formada através de uma passagem gradual da erosão laminar para erosão em sulcos e ravinas cada vez mais profundas, ou então, diretamente a partir de um ponto de elevada concentração de águas pluviais. As voçorocas formam-se geralmente em locais de concentração natural de escoamento pluvial, tais como cabeceiras de drenagem e embaciados de encostas.
  • 15. AÇÃO ANTRÓPICA A importância do estudo dos fenômenos associados à formação de voçorocas é estabelecer medidas de prevenção e controle, como também o estabelecimento de técnicas agrícolas que permitam reduzir os problemas. A luta do homem contra o processo erosivo resulta em diversas ações: Terraceamento, que são degraus no solo (curvas de nível), onde o solo é arado e semeado seguindo cotas altimétricas;
  • 16. AÇÃO ANTRÓPICA Associação de culturas em plantios que reduzam a exposição do solo, com legumes que o recobrem bem;
  • 17. AÇÃO ANTRÓPICA Plantio direto: sistema em que a palha e os demais restos vegetais de outras culturas são mantidos na superfície do solo, garantindo cobertura e proteção desse solo contra processos erosivos.
  • 18. Relevo submarino Assim como nos continentes, o fundo oceânico apresenta diversas variações na sua forma, que podem ser chamadas de relevo submarino.
  • 19. Principais formas do relevo submarino Plataforma Continental – é formada por depósitos sedimentares oriundos do continente; para muitos; é considerada uma continuação do continente. Nessa região ocorre a pesca e a extração de petróleo.
  • 20. Principais formas do relevo submarino Talude – desnível abrupto de 2 a 3 km. Corresponde ao fim da plataforma continental ou do continente. É a área de contato entre a porção de origem sedimentar e a de origem vulcânica.
  • 21. Principais formas do relevo submarino Região Abissal – ocorre normalmente junto ao talude e corresponde às fossas marinhas. São áreas profundas dos oceanos que podem atingir 8.000 metros.
  • 22. Principais formas do relevo submarino Região Pelágica – é o relevo submarino propriamente dito, com planícies, montanhas e depressões. Origina-se do processo de separação das placas tectônicas. Na região pelágica surgem as ilhas oceânicas, vulcânicas, como Fernando de Noronha ou Coralígenas, como o Atol das Rocas.
  • 23. Principais formas do relevo submarino Cadeias oceânicas – As maiores cadeias de montanhas do mundo estão localizadas no assoalho oceânico junto às áreas de separação das placas tectônicas. São também chamadas de dorsais oceânicas. Abriga grande atividade vulcânica.
  • 24. Questões político-territoriais sobre o relevo submarino Existem diversas regras internacionais sobre a exploração dos recursos marinhos e outras estão sendo discutidas dentro do contexto geopolítico atual. O mar territorial - compreende uma faixa de 12 milhas marítimas de largura, a soberania do Estado brasileiro é plena, como se essa faixa de mar fosse continuação das suas terras. A zona contígua - vizinha ao Mar Territorial é uma zona adjacente ao Mar Territorial, onde o Brasil não possui mais soberania plena, mas tem o poder de fiscalização aduaneira, fiscal, sanitária e de imigração.
  • 25. Questões político-territoriais sobre o relevo submarino A zona econômica exclusiva - Nesta zona, que compreende, portanto, 188 milhas marítimas, o Brasil, no exercício de sua jurisdição, tem direitos exclusivos e soberanos para fins de exploração e aproveitamento, conservação de recursos naturais, vivos ou não, das águas sobrejacentes ao leito do mar, do leito do mar e seu subsolo, e no que se refere a outras atividades com vistas à exploração e ao aproveitamento da zona para fins econômicos.
  • 26. Amazônia Azul Como forma de dar ao brasileiro uma ideia do que representa essa imensidão de mar, costumamos chamá-la de Amazônia Azul, permitindo associá-la com a Amazônia Verde, não por sua localização, mas por suas dimensões e riquezas. Na Amazônia Azul estão presentes questões econômicas e estratégicas, como o fato de cerca de 95% do nosso comércio exterior depender do transporte marítimo. Outro grande bem é representado pelos minerais. A exploração, economicamente inviável no presente, poderá se tornar considerável filão de riquezas no futuro.
  • 27. Amazônia Azul Outro desdobramento de interesse crescente é a possibilidade de se obter água potável, em grande escala, a partir do mar, vencida a atual barreira tecnológica de exigência de grandes quantidades de energia para o processo de dessalinização. O petróleo é outra grande riqueza da nossa Amazônia Azul. No limiar da autossuficiência, o Brasil prospecta, no mar, cerca de 80% de seu petróleo e mais de 50% de seu gás natural. A pesca também é mais uma riqueza ponderável para o Brasil.
  • 28. Fontes Prof. Sérgio Gomes Jordão Sistema de Ensino GPI – Apostila de Geografia, volume 2– 2013 http://4.bp.blogspot.com/-FL8chsmD8Bo/TmOijyVr9eI/AAAAAAAABQs/hDoYFonWaWc/s1600/img-2.jpg http://4.bp.blogspot.com/-aapOCyHef3s/T8gQ4NT80AI/AAAAAAAAABM/gM9bWxFyMzE/s1600/intemperismo+biologico.jpg http://www.faficp.br/graduacao/c_geografia/projetos/pgeo0401/img/pgeo03.jpg http://1.bp.blogspot.com/_W2V_Qxwfrwg/Rx-JtzSczhI/AAAAAAAAB6A/XwxTy8H0W5U/s320/Tunel+Rebou%C3%A7as+- +O+Da+24-10-07.jpg http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRVinIGTaflOhIk7AuyZnUwtMcasByo4Rs7zhGCY9Kgi2YO3TapcQ http://www.vivaterra.org.br/erosao_22.1.jpg http://www.rc.unesp.br/igce/aplicada/ead/fotos/interacao/eroslin1.jpg http://2.bp.blogspot.com/-afBgrt6szd0/T3prsm-qIuI/AAAAAAAAAkc/uf2GPEPlpdk/s1600/indonesia_-_terraceamento.jpg http://www.portaldoagronegocio.com.br/arquivos/n_associacao__926343321.jpg