SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
O ESTUDO DOS CLIMAS E DAS VEGETAÇÕES
                                   EM GEOGRAFIA




                                        Orientação de estudo /1ª serie ensino médio
                                        Prof: Cristina Ramos


Este material é parte integrante de :
http://salacristinageo.blogspot.com
Climatologia é a parte da Geografia que estuda a distribuição e dinâmica dos
climas na superfície terrestre.
Fitogeografia ou simplesmente Vegetação é a parte da geografia que estuda a
distribuição dos diferentes tipos de coberturas vegetais naturais do planeta e
suas implicações.




Um conceito largamente trabalhado em Geografia ... A vegetação natural
de um lugar é o reflexo do clima deste lugar ....portanto na apresentação
que se segue os conteúdos de clima e vegetação serão tratados como
se fossem apenas um único assunto.
Veja alguns exemplos....
                                     Nos climas polares aparece a Tundra ...
 Em regiões de climas quentes e
 úmidos aparecem as Florestas
 Tropicais e Equatoriais ...




                               Nos climas frios e úmidos aparecem as floresta
                               frias ou Taigas ...


Se o clima é quente e seco surgem as estepes e as
vegetações desérticas...
Compare os mapas a seguir e observe a semelhança existente entre a
distribuição dos diversos tipos climáticos e os espaços ocupados pelos
diferentes tipos de vegetações, no planeta




   A seguir alguns conceitos básicos a considerar ....
Clima e Tempo não é a mesma coisa ....
  Tempo é a situação momentânea da atmosfera em um lugar
  Clima é a sucessão do Tempo ou a frequência do Tempo em um lugar



  Quem estuda o tempo é o Meteorologista e quem divulga os boletins é o
  serviço de meteorologia

  Quem estuda os climas são os climatologistas, geógrafos especializados
  no assunto.



Para se determinar o clima de um lugar é preciso estudar o Tempo ( meteorológico)
durante muito tempo ( cronológico)


  O estudo dos climas pode ser feito ..... Através do estudo de seus
  elementos e fatores ou ....de forma mais moderna através da dinâmica das
  massas de ar
Os diferentes elementos do clima ( temperatura, umidade e pressão) de um
lugar são coletados e registrados diariamente durante longos períodos, em
geral de mais de trinta anos. São analisados também os fatores que modificam
esses elementos como : altitude , latitude, continentalidade ou maritimidade e
correntes marinhas .... Só então é determinado o tipo de clima deste lugar.

Quando o estudo é feito através das massas de ar , são observadas e analisadas a
características e suas dinâmicas ou movimentações .




Massas de ar : porções da atmosfera com características próprias de
temperatura, umidade e pressão
Principais tipos de climas
Climograma/ gráfico climático que mostra as variações de temperaturas e
pluviosidades de um lugar, ao longo do ano
                                                            Linha da
                                                            temperatura




                                                Colunas/ chuva
                Meses do ano
Os diferentes tipos de vegetações naturais estão diretamente relacionadas
às variações de temperaturas, de distribuição de chuva e tipos de solo

                       savanas                 Pradarias          estepes
 Florestas                                                                  Desertos




Formações arbóreas    Arbóreo/arbustivo/herbáceo       Herbáceo



                     maior                                        menor
                                            Umidade
Principais tipos de climas e respectivas vegetações

                 distribuição mundial
Clima Equatorial/Floresta Equatorial
Características do clima
As temperaturas médias mensais são elevadas
ao longo de todo ano ( acima de 20 graus)
As amplitudes térmicas anuais são muito
reduzidas ( diferença entre a temperatura média
máxima anual e a temperatura média mínima anual)
Chove abundantemente durante todo o ano, não
há nenhum mês sem precipitação.
Não existem estações definidas.


                                     Características da vegetação
                               Floresta densa, fechada, latifoliada, perenifólia,
                               com vários níveis de copas ou estratos.
                               Aparecem espécies parasitas (epífitas)como as
                               orquídeas, bromélias e samambaias e também
                               as trepadeiras como as lianas. Apresenta rica
                               biodiversidade (grande heterogeneidade de espécies)

Internacionalmente são conhecidas como ”rainforests” (que significa: florestas
sustentadas pelas chuvas/ higrófilas ou pluviais )
Clima tropical / Florestas tropicais e savanas

                                                             Climograma
                                                             tropical
                                                             úmido




Os climas tropicais se subdividem em : Tropical úmido – com forte influência
de massas de ar úmidas (em geral próximas aos oceanos ). Apresentam
chuvas abundantes o ano todo . Aparecem as florestas tropicais

Climas tropicais típicos ou simplesmente tropicais – apresentam
duas estações pluviométricas definidas: uma chuvosa no verão e
outra seca no inverno. Em geral se localizam em áreas mais
continentais (interior). Aparecem as Savanas que recebem
denominações regionais como: cerrado (Brasil) lhanos (Venezuela)
chaparral (México e U.S.A) e jungle na Índia
Savanas
Vegetação com dois níveis: Um
arbóreo-abustivo e outro herbáceo.
Habitat ideal para animais de grande
porte e muito utilizados para práticas de                   chaparral
pecuária.




    Jungle
                                            Lhanos              Cerrado

   Florestas tropicais
 Florestas densas, perenifólia e higrófilas. Bioma com maior biodiversidade do
 planeta

  Mata Atlântica
                                                     Sudeste
  com Ipê Amarelo                                    asiático
Clima temperado oceânico/ Floresta temperada ou caducifólia

Apresentam estações bem definidas (verão, outono,
inverno e primavera). No verão as temperaturas são
elevadas e chove bastante. No inverno as
temperaturas caem muito e em geral neva por um
ou mais meses. A umidade constante é resultado
de massas de ar chegadas dos oceanos.

Apresentam florestas mais abertas e de caráter descíduo
(as folhas caem no inverno). No verão apresentam copas
verdes e densas. No outono suas folhas ganham as cores
amarelas e vermelhas e logo em seguida caem totalmente
ficando apenas os galhos no inverno .
     Exemplo :Central Parque/NY




       No verão....................................no outono............................no inverno
Climas Mediterrâneo/ Vegetação de bosques e matas

O clima mediterrâneo é um clima temperado com
verão quente e seco e inverno frio e úmido . Ocorre
na Europa Meridional, no sudoeste da Austrália, na
Califórnia, no sudoeste da África do Sul e no centro
do Chile, sempre em áreas junto ao litoral e
próximas à regiões desérticas. Devido suas
características climáticas são propícias ao cultivo de
 frutas cítricas e da uva com grande produção de
vinho. São regiões turísticas por exelência.




A vegetação Mediterrânea, no caso específico do sul da Europa, é constituída por
xerófilas, plantas resistentes a longos períodos de estiagem como os maquis e os
garrigues.
Clima Continental/ Floresta de coníferas ou Taiga

      Temperado ou Frio




Apresentam verões curtos e brandos ( 12 a 18
                                                 Verão / Inverno
graus) e invernos rigorosos (sempre com
temperaturas inferiores a zero) com grande
precipitação de neve (média de 4 a 6 meses no
ano).
Apresentam florestas homogêneas e abertas
com coníferas (tipo de pinheiros). Também são
conhecidas como Taigas ou Florestas Boreais
Climas e vegetações típicas das regiões
interiores (continentais) das altas latitudes
Clima polar/ Tundra




Regiões latitudes muito elevadas do hemisfério norte, apresentam, na maior
parte do ano baixíssimas temperaturas com intensa queda de neve. É o
“habitat” dos povos esquimós , na América do Norte e lapões na Europa.

Durante o curto período do verão
(entre 0º e 10º) há o degelo e
uma vegetação herbácea brota
rapidamente. A tundra é uma
vegetação rasteira composta
principalmente de musgos e
líquens.
Climas semiáridos e áridos ou desérticos / Estepes e desertos




Apresentam chuvas escassas (menos de 500/mm anuais) e irregulares e
grande amplitude térmica tanto diária como anual
Em regiões semiáridas aparecem as Estepes: vegetação herbácea, constituída
por tufos ou colônias de plantas afastadas umas das outras, com solo
parcialmente descoberto. Aparecem plantas xerófitas
Climas e vegetações no Brasil
Fatores como a posição geográfica (quase totalidade
em áreas tropicais), e presença de extenso litoral
 (maritimidade), faz com que os climas brasileiros se
apresentem em geral com elevadas temperaturas e
grande quantidade de chuva. Os tipos de vegetações
naturais predominantes são as florestas e as savanas
(cerrado)




Maiores detalhes do assunto no material : Ecossistemas brasileiros e impactos
ambientais disponível no site: http://salacristinageo.blogspot.com
Massas de ar que atuam no Brasil


Massa Equatorial                                                   Massa
continental / quente e                                             Equatorial
muito úmida pouco se
                                                                   Atlântica Quente
movimenta
                                                                   e úmida, provoca
                                                                   chuvas no litoral
                                                                   setentrional do
                                                                   nordeste durante o
                                                                   verão. Pode ou não
Massa tropical                                                     chegar ao sertão
continental
Quente e seca, se forma
sobre o Paraguai e entra
pelo Brasil no período do                                           Massa Tropical
inverno                                                             Atlântica/
                                                                    Quente e úmida
                                                                    provoca chuvas
                                                                    em todo litoral
Massa polar atlântica/                                              leste brasileiro
Fria e úmida penetra pelo sul                                       durante todo o
do país (principalmente no                                          ano.
inverno) causando as frentes
frias ou provocando a
formação de neve e geada
Principais tipos de climas e respectivas vegetações
                        Brasil
Clima Equatorial /Floresta Equatorial da Amazônia
Clima de toda região Norte do país, do norte do Mato Grosso e do
oeste do Maranhão. Apresenta temperatura média elevada ( 25°C a
30°C) e chuvas abundantes e bem distribuídas o ano todo (acima de
2500 mm/anuais -está sob influência da mEc). Apresenta amplitude
térmica mínima, em torno de 5°C. No inverno, essa região pode sofrer
influência da mpa, que atinge a Amazônia ocidental ocasionando um
fenômeno denominado "Friagem" (queda brusca da temperatura em
poucas horas). Apresenta uma floresta heterogênea, densa e
latifoliada. A floresta amazônica (Floresta Perenifólia Higrófila
Hileiana) é a maior floresta equatorial do mundo e a segunda de maior
 biodiversidade. Predominam os solos do tipo latossolos pouco
férteis e sujeitos a Lixiviação.




                                                    Latossolo lixiviado
A floresta Equatorial da Amazônia se subdivide em:
                                                                  Igapó
                                          Parte da floresta
                                          permanentemente
                                          inundada pelas
                                          águas dos rios




                                                                       Região
                                                                       sempre livre
                                                    Terra Firme        de
                          Área                                         inundações.
                          inundada                                     Aparecem as
    Várzea
                          durante as                                   madeiras
                          grandes                                      nobres e a
                          cheias.                                      Castanha do
                          Região da                                    Pará
                          seringueira e
                          das práticas
                          agrícolas


Extração de madeira e desmatamento. Queimadas para abertura de pasto ou
agricultura, Lixiviação , poluição das águas e assoreamento são os principais
impactos ambientais neste ecossistema
Lixiviação




É o processo de lavagem do solo ,no sentido vertical ,pelas águas das
chuvas que arrastam os nutrientes ou os fazem penetrar no subsolo,. Este
processo de erosão é intensificado quando o desmatamento torna o solo
mais exposto. A lixiviação retira a camada de humus do horizonte zero e
provoca a formação de uma crosta dura e ferrugem (laterita ou canga ) a
partir da concentração de hidróxido de ferro e alumínio no solo. São
frequentes nos Latossolos. O Latossolo lixiviado é denominado Laterita
Clima Tropical Úmido/ Floresta Tropical ou Mata Atlântica
Estende-se pela faixa litorânea do Rio Grande do Norte até São Paulo. Também
é conhecido como Tropical Litorâneo. Sofre a ação direta da mTa, trazendo
chuvas o ano todo. A temperatura varia em média entre 18°C e 26°C e a
amplitude térmica é maior à medida que se avança em direção ao sul. No
Nordeste a maior concentração de chuvas ocorre no inverno e no Sudeste no
verão. O índice pluviométrico médio é de 1500 a 2000 mm/ano.




                            A mata atlântica (floresta perenifólia higrófila
                            costeira) é a vegetação característica. É o bioma
                            brasileiro de maior biodiversidade e também o
                            mais devastado. Os especialistas calculam que
                            restam apenas 7% da vegetação original.
                            Urbanização e agropecuária foram as principais
                            causas do desmatamento.
Tropical (típico ou continental) /savanas
Abrange grande parte da região central do país ( Centro-Oeste,
parte do Sudeste e Nordeste) Apresenta temperaturas
elevadas (de 18°C a 28°C), amplitude térmica de 5°C a 10°C e
duas estações pluviométricas definidas – uma chuvosa e outra
seca. A estação da chuva é o verão , quando a mEc está sobre
a região e a estação seca é no inverno por influência da mTc .

 A savana brasileira é o Cerrado

Vegetação com árvores e arbustos
retorcidos no estrato superior e
gramíneas no estrato inferior.Seus
solos em geral são ácidos
necessitando correção para uso
agrícola.
Atualmente é o ecossistema mais
ameaçado a destruição com a
introdução das práticas de
monocultura comercial da soja e
criação extensiva de gado de corte
Tropical Semiárido/ Caatinga
Clima do sertão nordestino, área também conhecido como
Polígono das Secas. Sofre pouca influência das massas úmidas
que bloqueadas pelo planalto da Borborema não alcançam o
interior da região. Apresenta elevadas temperaturas, chuvas
escassas (entre 400 e 750 mm/ano) e mal distribuídas durante o
ano. Durante o verão as massas úmidas (mEc e mEa) podem
provocar chuvas no litoral e interior da região.
 Na Caatinga (estepe brasileira) aparecem plantas xerófilas que
armazenam água em seu interior, podem conter espinhos ou
apresentar caráter descíduo( folhas que caem no periodo mais
seco). A vegetação é formada por três estratos: o arbóreo,( entre
8 a 12 m); o arbustivo (de 2 a 5m); e o herbáceo, abaixo de 2
metros.
                                                                    Caatinga em
                                                                    processo de
                                                                    desertificação
                                                                    por uso
                                                                    inadequado do
                                                                    solo
Tropical de Altitude / Mata atlântica
Ocorre principalmente nas regiões serranas do Espírito Santo, Rio de
Janeiro, São Paulo , Minas Gerais e Mato Grosso do Sul As
temperatura médias variam de 15 a 21º C. As chuvas de verão são
intensas e no inverno sofre a influência das massas de ar frias vindas
do sul Argentina, a mpa( massa polar Atlântica). Esta massa ao
penetrar no Brasil no inverno, pode provocar queda de neve, formação
de geadas e frentes frias na região sul e sudeste. A amplitude térmica
anual fica entre 7°C e10°C.

                                                      O desmatamento, a intensa
                                                      urbanização e as fortes
                                                      chuvas de verão nessas
                                                      áreas serranas tem trazido
                                                      desequilíbrio das encostas
                                                      com desmoronamentos e
                                                      tragédias frequentes
Subtropical / Floresta subtropical e campos
Clima semelhante ao temperado oceânico, porém com temperaturas médias
um pouco mais elevadas. Localiza-se ao sul do trópico de capricórnio nos
estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul . Apresenta quatro
estações bem marcadas e grande amplitude térmica. Os verões são quentes,
na maior parte da região Sul e amenas nas Serras Gaúcha e Catarinense. Os
invernos são frescos (frios para os padrões brasileiros). Podem apresentar
precipitações de neve e formação de geada principalmente nas áreas
serranas, quando da passagem da mpa pela região.

  Aparecem dois tipos de vegetações típicas :
Campos vegetação do tipo pradaria com
predomínio de vegetação herbácea com árvores
entremeadas. No Brasil é conhecida como
Campanha Gaúcha

No RS práticas
inadequadas geram
Arenização


Floresta subtropical com Araucária - aciculifoliada,
aberta e homogênea com predomínio de pinheiros
O desmatamento para praticas agrárias e extração
de madeira são os principais impactos ambientais
Sustentabilidade
             Pense Nisso!!!




Este material é parte integrante do
http://salacristinageo.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Unidade 7 8º ano- América do Sul
Unidade 7 8º ano- América do SulUnidade 7 8º ano- América do Sul
Unidade 7 8º ano- América do Sul
 
A regionalização do espaço geográfico mundial
A regionalização do espaço geográfico mundialA regionalização do espaço geográfico mundial
A regionalização do espaço geográfico mundial
 
6º ano unidade 6 (temas 3 e 4).ppt
6º ano unidade 6 (temas 3 e 4).ppt6º ano unidade 6 (temas 3 e 4).ppt
6º ano unidade 6 (temas 3 e 4).ppt
 
Relevo
RelevoRelevo
Relevo
 
Climas do mundo
Climas do mundoClimas do mundo
Climas do mundo
 
Modulo 12 - América Latina - a produção econômica
Modulo 12 - América Latina - a produção econômicaModulo 12 - América Latina - a produção econômica
Modulo 12 - América Latina - a produção econômica
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Biomas Brasileiros
Biomas BrasileirosBiomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Modulo 05 - O tempo e o clima
Modulo 05 - O tempo e o climaModulo 05 - O tempo e o clima
Modulo 05 - O tempo e o clima
 
Climas do-brasil
Climas do-brasilClimas do-brasil
Climas do-brasil
 
As principais formações vegetais
As principais formações vegetaisAs principais formações vegetais
As principais formações vegetais
 
Climas do Brasil
Climas do BrasilClimas do Brasil
Climas do Brasil
 
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
 
As Formas do Relevo Terrestre
As Formas do Relevo TerrestreAs Formas do Relevo Terrestre
As Formas do Relevo Terrestre
 
Regionalização da américa
Regionalização da américaRegionalização da américa
Regionalização da américa
 
AMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINAAMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINA
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
América anglo saxônica
América anglo saxônicaAmérica anglo saxônica
América anglo saxônica
 
Clima e tempo
Clima e tempoClima e tempo
Clima e tempo
 
Hidrosfera 6º ano
Hidrosfera 6º anoHidrosfera 6º ano
Hidrosfera 6º ano
 

Destaque

Geografia vegetação brasileira
Geografia  vegetação brasileiraGeografia  vegetação brasileira
Geografia vegetação brasileiraJaicinha
 
Divisão regional brasileira
Divisão regional brasileiraDivisão regional brasileira
Divisão regional brasileiraRodrigo Baglini
 
Regiões brasileiras silmara
Regiões brasileiras silmaraRegiões brasileiras silmara
Regiões brasileiras silmaraSilmara Robles
 
Geo regiões brasileiras 7º
Geo regiões brasileiras 7ºGeo regiões brasileiras 7º
Geo regiões brasileiras 7ºprofgilvano
 
Regionalização do Brasil (IBGE)
Regionalização do Brasil (IBGE)Regionalização do Brasil (IBGE)
Regionalização do Brasil (IBGE)paulotmo
 
Aula - Relevo Brasil
Aula - Relevo BrasilAula - Relevo Brasil
Aula - Relevo Brasilgustavocnm
 
GEOGRAFIA as principais formas de regionalizar o Brasil
GEOGRAFIA as principais formas de regionalizar o BrasilGEOGRAFIA as principais formas de regionalizar o Brasil
GEOGRAFIA as principais formas de regionalizar o BrasilDayane Cristine Leite
 
Apresentação amazônia
Apresentação   amazôniaApresentação   amazônia
Apresentação amazôniaVictor Ygor
 
Os tipos de Clima e Vegetação do Brasil
Os tipos de Clima e Vegetação  do BrasilOs tipos de Clima e Vegetação  do Brasil
Os tipos de Clima e Vegetação do BrasilLana Delly Nascimento
 
Aula de hidrografia do brasil
Aula de hidrografia do brasilAula de hidrografia do brasil
Aula de hidrografia do brasilProfessor
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasilAlexia 14
 
Slide 1 - Regionalização do Brasil
Slide 1 - Regionalização do BrasilSlide 1 - Regionalização do Brasil
Slide 1 - Regionalização do BrasilLaisa Cabral Caetano
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilProfessor
 

Destaque (20)

Geografia vegetação brasileira
Geografia  vegetação brasileiraGeografia  vegetação brasileira
Geografia vegetação brasileira
 
Divisão regional brasileira
Divisão regional brasileiraDivisão regional brasileira
Divisão regional brasileira
 
Regiões brasileiras silmara
Regiões brasileiras silmaraRegiões brasileiras silmara
Regiões brasileiras silmara
 
Geo regiões brasileiras 7º
Geo regiões brasileiras 7ºGeo regiões brasileiras 7º
Geo regiões brasileiras 7º
 
As regiões
As regiõesAs regiões
As regiões
 
Regionalização do Brasil (IBGE)
Regionalização do Brasil (IBGE)Regionalização do Brasil (IBGE)
Regionalização do Brasil (IBGE)
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
 
Aula - Relevo Brasil
Aula - Relevo BrasilAula - Relevo Brasil
Aula - Relevo Brasil
 
GEOGRAFIA as principais formas de regionalizar o Brasil
GEOGRAFIA as principais formas de regionalizar o BrasilGEOGRAFIA as principais formas de regionalizar o Brasil
GEOGRAFIA as principais formas de regionalizar o Brasil
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Apresentação amazônia
Apresentação   amazôniaApresentação   amazônia
Apresentação amazônia
 
Slide nordeste
Slide nordesteSlide nordeste
Slide nordeste
 
Regiao Nordeste
Regiao NordesteRegiao Nordeste
Regiao Nordeste
 
Os tipos de Clima e Vegetação do Brasil
Os tipos de Clima e Vegetação  do BrasilOs tipos de Clima e Vegetação  do Brasil
Os tipos de Clima e Vegetação do Brasil
 
Aula de hidrografia do brasil
Aula de hidrografia do brasilAula de hidrografia do brasil
Aula de hidrografia do brasil
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Slide 1 - Regionalização do Brasil
Slide 1 - Regionalização do BrasilSlide 1 - Regionalização do Brasil
Slide 1 - Regionalização do Brasil
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
 

Semelhante a Clima e vegetação

Semelhante a Clima e vegetação (20)

Brasil natureza
Brasil naturezaBrasil natureza
Brasil natureza
 
Formação vegetacional e climática
Formação vegetacional e climáticaFormação vegetacional e climática
Formação vegetacional e climática
 
Seminário de biologia
Seminário de biologiaSeminário de biologia
Seminário de biologia
 
Cesar, Bruno e Henrique
Cesar, Bruno e  HenriqueCesar, Bruno e  Henrique
Cesar, Bruno e Henrique
 
Cesar e bruno henrique
Cesar e  bruno henriqueCesar e  bruno henrique
Cesar e bruno henrique
 
Ecossistemas do meio_terrestre_neoval
Ecossistemas do meio_terrestre_neovalEcossistemas do meio_terrestre_neoval
Ecossistemas do meio_terrestre_neoval
 
Climas e formações vegetais
Climas e formações vegetaisClimas e formações vegetais
Climas e formações vegetais
 
Seminário vegetação
Seminário vegetaçãoSeminário vegetação
Seminário vegetação
 
Domínio morfoclimático
Domínio morfoclimáticoDomínio morfoclimático
Domínio morfoclimático
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
O clima
O climaO clima
O clima
 
Paisagens vegetais
Paisagens vegetaisPaisagens vegetais
Paisagens vegetais
 
Fito geografia
Fito geografiaFito geografia
Fito geografia
 
Taiany e Victor
Taiany e VictorTaiany e Victor
Taiany e Victor
 
Os grandes biomas terrestres e aquáticos
Os grandes biomas terrestres e aquáticosOs grandes biomas terrestres e aquáticos
Os grandes biomas terrestres e aquáticos
 
Geografia vegetação aprovação virtual
Geografia vegetação aprovação virtualGeografia vegetação aprovação virtual
Geografia vegetação aprovação virtual
 
Biomas do mundo
Biomas do mundoBiomas do mundo
Biomas do mundo
 
Tiposdeclima
TiposdeclimaTiposdeclima
Tiposdeclima
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 

Mais de Salageo Cristina

Composição étnica brasileira
Composição étnica  brasileiraComposição étnica  brasileira
Composição étnica brasileiraSalageo Cristina
 
Economia do Brasil na era da globalização
Economia do Brasil na  era da globalização   Economia do Brasil na  era da globalização
Economia do Brasil na era da globalização Salageo Cristina
 
Brasil capitalista com industrialização do tipo tardia
Brasil capitalista com  industrialização do tipo tardiaBrasil capitalista com  industrialização do tipo tardia
Brasil capitalista com industrialização do tipo tardiaSalageo Cristina
 
Brasil capitalista , processo de industrialização
Brasil capitalista , processo de industrializaçãoBrasil capitalista , processo de industrialização
Brasil capitalista , processo de industrializaçãoSalageo Cristina
 
Aula envelhecimento da popu brasileira
Aula envelhecimento da popu brasileiraAula envelhecimento da popu brasileira
Aula envelhecimento da popu brasileiraSalageo Cristina
 
Estado e cidade do rio de janeiro
Estado e cidade do rio de janeiroEstado e cidade do rio de janeiro
Estado e cidade do rio de janeiroSalageo Cristina
 
Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio
Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio
Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio Salageo Cristina
 
Economia Brasil colonia e Império
Economia Brasil colonia e Império Economia Brasil colonia e Império
Economia Brasil colonia e Império Salageo Cristina
 
Envelhecimento da população brasileira
Envelhecimento da população  brasileira   Envelhecimento da população  brasileira
Envelhecimento da população brasileira Salageo Cristina
 
Brasil país gigante pela própria natureza
Brasil país  gigante pela própria naturezaBrasil país  gigante pela própria natureza
Brasil país gigante pela própria naturezaSalageo Cristina
 
A história urbana da cidade do rio de janeiro
A história urbana da cidade do rio de janeiroA história urbana da cidade do rio de janeiro
A história urbana da cidade do rio de janeiroSalageo Cristina
 
Brasil economia sintese 2015
Brasil  economia sintese 2015Brasil  economia sintese 2015
Brasil economia sintese 2015Salageo Cristina
 
Brasil economia e população observações de texto
Brasil  economia e população  observações de textoBrasil  economia e população  observações de texto
Brasil economia e população observações de textoSalageo Cristina
 

Mais de Salageo Cristina (20)

Composição étnica brasileira
Composição étnica  brasileiraComposição étnica  brasileira
Composição étnica brasileira
 
Economia do Brasil na era da globalização
Economia do Brasil na  era da globalização   Economia do Brasil na  era da globalização
Economia do Brasil na era da globalização
 
Brasil capitalista com industrialização do tipo tardia
Brasil capitalista com  industrialização do tipo tardiaBrasil capitalista com  industrialização do tipo tardia
Brasil capitalista com industrialização do tipo tardia
 
Brasil capitalista , processo de industrialização
Brasil capitalista , processo de industrializaçãoBrasil capitalista , processo de industrialização
Brasil capitalista , processo de industrialização
 
Aula envelhecimento da popu brasileira
Aula envelhecimento da popu brasileiraAula envelhecimento da popu brasileira
Aula envelhecimento da popu brasileira
 
Estado e cidade do rio de janeiro
Estado e cidade do rio de janeiroEstado e cidade do rio de janeiro
Estado e cidade do rio de janeiro
 
Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio
Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio
Vamos falar de petróleo, aula de geografia para alunos de ensino médio
 
Brasil país emergente
Brasil país emergenteBrasil país emergente
Brasil país emergente
 
Brasil país rico
Brasil país ricoBrasil país rico
Brasil país rico
 
Economia Brasil colonia e Império
Economia Brasil colonia e Império Economia Brasil colonia e Império
Economia Brasil colonia e Império
 
Brasil capilaista
Brasil capilaistaBrasil capilaista
Brasil capilaista
 
Economia parte i
 Economia parte i Economia parte i
Economia parte i
 
Envelhecimento da população brasileira
Envelhecimento da população  brasileira   Envelhecimento da população  brasileira
Envelhecimento da população brasileira
 
Brasil país gigante pela própria natureza
Brasil país  gigante pela própria naturezaBrasil país  gigante pela própria natureza
Brasil país gigante pela própria natureza
 
Espaço urbano
Espaço urbano  Espaço urbano
Espaço urbano
 
A história urbana da cidade do rio de janeiro
A história urbana da cidade do rio de janeiroA história urbana da cidade do rio de janeiro
A história urbana da cidade do rio de janeiro
 
Brasil economia sintese 2015
Brasil  economia sintese 2015Brasil  economia sintese 2015
Brasil economia sintese 2015
 
Modais no brasil
Modais no brasilModais no brasil
Modais no brasil
 
Petróleo no brasil
Petróleo no brasilPetróleo no brasil
Petróleo no brasil
 
Brasil economia e população observações de texto
Brasil  economia e população  observações de textoBrasil  economia e população  observações de texto
Brasil economia e população observações de texto
 

Último

Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxmariiiaaa1290
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 

Último (20)

Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 

Clima e vegetação

  • 1. O ESTUDO DOS CLIMAS E DAS VEGETAÇÕES EM GEOGRAFIA Orientação de estudo /1ª serie ensino médio Prof: Cristina Ramos Este material é parte integrante de : http://salacristinageo.blogspot.com
  • 2. Climatologia é a parte da Geografia que estuda a distribuição e dinâmica dos climas na superfície terrestre. Fitogeografia ou simplesmente Vegetação é a parte da geografia que estuda a distribuição dos diferentes tipos de coberturas vegetais naturais do planeta e suas implicações. Um conceito largamente trabalhado em Geografia ... A vegetação natural de um lugar é o reflexo do clima deste lugar ....portanto na apresentação que se segue os conteúdos de clima e vegetação serão tratados como se fossem apenas um único assunto.
  • 3. Veja alguns exemplos.... Nos climas polares aparece a Tundra ... Em regiões de climas quentes e úmidos aparecem as Florestas Tropicais e Equatoriais ... Nos climas frios e úmidos aparecem as floresta frias ou Taigas ... Se o clima é quente e seco surgem as estepes e as vegetações desérticas...
  • 4. Compare os mapas a seguir e observe a semelhança existente entre a distribuição dos diversos tipos climáticos e os espaços ocupados pelos diferentes tipos de vegetações, no planeta A seguir alguns conceitos básicos a considerar ....
  • 5. Clima e Tempo não é a mesma coisa .... Tempo é a situação momentânea da atmosfera em um lugar Clima é a sucessão do Tempo ou a frequência do Tempo em um lugar Quem estuda o tempo é o Meteorologista e quem divulga os boletins é o serviço de meteorologia Quem estuda os climas são os climatologistas, geógrafos especializados no assunto. Para se determinar o clima de um lugar é preciso estudar o Tempo ( meteorológico) durante muito tempo ( cronológico) O estudo dos climas pode ser feito ..... Através do estudo de seus elementos e fatores ou ....de forma mais moderna através da dinâmica das massas de ar
  • 6. Os diferentes elementos do clima ( temperatura, umidade e pressão) de um lugar são coletados e registrados diariamente durante longos períodos, em geral de mais de trinta anos. São analisados também os fatores que modificam esses elementos como : altitude , latitude, continentalidade ou maritimidade e correntes marinhas .... Só então é determinado o tipo de clima deste lugar. Quando o estudo é feito através das massas de ar , são observadas e analisadas a características e suas dinâmicas ou movimentações . Massas de ar : porções da atmosfera com características próprias de temperatura, umidade e pressão
  • 8. Climograma/ gráfico climático que mostra as variações de temperaturas e pluviosidades de um lugar, ao longo do ano Linha da temperatura Colunas/ chuva Meses do ano
  • 9.
  • 10. Os diferentes tipos de vegetações naturais estão diretamente relacionadas às variações de temperaturas, de distribuição de chuva e tipos de solo savanas Pradarias estepes Florestas Desertos Formações arbóreas Arbóreo/arbustivo/herbáceo Herbáceo maior menor Umidade
  • 11.
  • 12. Principais tipos de climas e respectivas vegetações distribuição mundial
  • 13. Clima Equatorial/Floresta Equatorial Características do clima As temperaturas médias mensais são elevadas ao longo de todo ano ( acima de 20 graus) As amplitudes térmicas anuais são muito reduzidas ( diferença entre a temperatura média máxima anual e a temperatura média mínima anual) Chove abundantemente durante todo o ano, não há nenhum mês sem precipitação. Não existem estações definidas. Características da vegetação Floresta densa, fechada, latifoliada, perenifólia, com vários níveis de copas ou estratos. Aparecem espécies parasitas (epífitas)como as orquídeas, bromélias e samambaias e também as trepadeiras como as lianas. Apresenta rica biodiversidade (grande heterogeneidade de espécies) Internacionalmente são conhecidas como ”rainforests” (que significa: florestas sustentadas pelas chuvas/ higrófilas ou pluviais )
  • 14. Clima tropical / Florestas tropicais e savanas Climograma tropical úmido Os climas tropicais se subdividem em : Tropical úmido – com forte influência de massas de ar úmidas (em geral próximas aos oceanos ). Apresentam chuvas abundantes o ano todo . Aparecem as florestas tropicais Climas tropicais típicos ou simplesmente tropicais – apresentam duas estações pluviométricas definidas: uma chuvosa no verão e outra seca no inverno. Em geral se localizam em áreas mais continentais (interior). Aparecem as Savanas que recebem denominações regionais como: cerrado (Brasil) lhanos (Venezuela) chaparral (México e U.S.A) e jungle na Índia
  • 15. Savanas Vegetação com dois níveis: Um arbóreo-abustivo e outro herbáceo. Habitat ideal para animais de grande porte e muito utilizados para práticas de chaparral pecuária. Jungle Lhanos Cerrado Florestas tropicais Florestas densas, perenifólia e higrófilas. Bioma com maior biodiversidade do planeta Mata Atlântica Sudeste com Ipê Amarelo asiático
  • 16. Clima temperado oceânico/ Floresta temperada ou caducifólia Apresentam estações bem definidas (verão, outono, inverno e primavera). No verão as temperaturas são elevadas e chove bastante. No inverno as temperaturas caem muito e em geral neva por um ou mais meses. A umidade constante é resultado de massas de ar chegadas dos oceanos. Apresentam florestas mais abertas e de caráter descíduo (as folhas caem no inverno). No verão apresentam copas verdes e densas. No outono suas folhas ganham as cores amarelas e vermelhas e logo em seguida caem totalmente ficando apenas os galhos no inverno . Exemplo :Central Parque/NY No verão....................................no outono............................no inverno
  • 17. Climas Mediterrâneo/ Vegetação de bosques e matas O clima mediterrâneo é um clima temperado com verão quente e seco e inverno frio e úmido . Ocorre na Europa Meridional, no sudoeste da Austrália, na Califórnia, no sudoeste da África do Sul e no centro do Chile, sempre em áreas junto ao litoral e próximas à regiões desérticas. Devido suas características climáticas são propícias ao cultivo de frutas cítricas e da uva com grande produção de vinho. São regiões turísticas por exelência. A vegetação Mediterrânea, no caso específico do sul da Europa, é constituída por xerófilas, plantas resistentes a longos períodos de estiagem como os maquis e os garrigues.
  • 18. Clima Continental/ Floresta de coníferas ou Taiga Temperado ou Frio Apresentam verões curtos e brandos ( 12 a 18 Verão / Inverno graus) e invernos rigorosos (sempre com temperaturas inferiores a zero) com grande precipitação de neve (média de 4 a 6 meses no ano). Apresentam florestas homogêneas e abertas com coníferas (tipo de pinheiros). Também são conhecidas como Taigas ou Florestas Boreais Climas e vegetações típicas das regiões interiores (continentais) das altas latitudes
  • 19. Clima polar/ Tundra Regiões latitudes muito elevadas do hemisfério norte, apresentam, na maior parte do ano baixíssimas temperaturas com intensa queda de neve. É o “habitat” dos povos esquimós , na América do Norte e lapões na Europa. Durante o curto período do verão (entre 0º e 10º) há o degelo e uma vegetação herbácea brota rapidamente. A tundra é uma vegetação rasteira composta principalmente de musgos e líquens.
  • 20. Climas semiáridos e áridos ou desérticos / Estepes e desertos Apresentam chuvas escassas (menos de 500/mm anuais) e irregulares e grande amplitude térmica tanto diária como anual Em regiões semiáridas aparecem as Estepes: vegetação herbácea, constituída por tufos ou colônias de plantas afastadas umas das outras, com solo parcialmente descoberto. Aparecem plantas xerófitas
  • 21. Climas e vegetações no Brasil Fatores como a posição geográfica (quase totalidade em áreas tropicais), e presença de extenso litoral (maritimidade), faz com que os climas brasileiros se apresentem em geral com elevadas temperaturas e grande quantidade de chuva. Os tipos de vegetações naturais predominantes são as florestas e as savanas (cerrado) Maiores detalhes do assunto no material : Ecossistemas brasileiros e impactos ambientais disponível no site: http://salacristinageo.blogspot.com
  • 22. Massas de ar que atuam no Brasil Massa Equatorial Massa continental / quente e Equatorial muito úmida pouco se Atlântica Quente movimenta e úmida, provoca chuvas no litoral setentrional do nordeste durante o verão. Pode ou não Massa tropical chegar ao sertão continental Quente e seca, se forma sobre o Paraguai e entra pelo Brasil no período do Massa Tropical inverno Atlântica/ Quente e úmida provoca chuvas em todo litoral Massa polar atlântica/ leste brasileiro Fria e úmida penetra pelo sul durante todo o do país (principalmente no ano. inverno) causando as frentes frias ou provocando a formação de neve e geada
  • 23. Principais tipos de climas e respectivas vegetações Brasil
  • 24. Clima Equatorial /Floresta Equatorial da Amazônia Clima de toda região Norte do país, do norte do Mato Grosso e do oeste do Maranhão. Apresenta temperatura média elevada ( 25°C a 30°C) e chuvas abundantes e bem distribuídas o ano todo (acima de 2500 mm/anuais -está sob influência da mEc). Apresenta amplitude térmica mínima, em torno de 5°C. No inverno, essa região pode sofrer influência da mpa, que atinge a Amazônia ocidental ocasionando um fenômeno denominado "Friagem" (queda brusca da temperatura em poucas horas). Apresenta uma floresta heterogênea, densa e latifoliada. A floresta amazônica (Floresta Perenifólia Higrófila Hileiana) é a maior floresta equatorial do mundo e a segunda de maior biodiversidade. Predominam os solos do tipo latossolos pouco férteis e sujeitos a Lixiviação. Latossolo lixiviado
  • 25. A floresta Equatorial da Amazônia se subdivide em: Igapó Parte da floresta permanentemente inundada pelas águas dos rios Região sempre livre Terra Firme de Área inundações. inundada Aparecem as Várzea durante as madeiras grandes nobres e a cheias. Castanha do Região da Pará seringueira e das práticas agrícolas Extração de madeira e desmatamento. Queimadas para abertura de pasto ou agricultura, Lixiviação , poluição das águas e assoreamento são os principais impactos ambientais neste ecossistema
  • 26. Lixiviação É o processo de lavagem do solo ,no sentido vertical ,pelas águas das chuvas que arrastam os nutrientes ou os fazem penetrar no subsolo,. Este processo de erosão é intensificado quando o desmatamento torna o solo mais exposto. A lixiviação retira a camada de humus do horizonte zero e provoca a formação de uma crosta dura e ferrugem (laterita ou canga ) a partir da concentração de hidróxido de ferro e alumínio no solo. São frequentes nos Latossolos. O Latossolo lixiviado é denominado Laterita
  • 27. Clima Tropical Úmido/ Floresta Tropical ou Mata Atlântica Estende-se pela faixa litorânea do Rio Grande do Norte até São Paulo. Também é conhecido como Tropical Litorâneo. Sofre a ação direta da mTa, trazendo chuvas o ano todo. A temperatura varia em média entre 18°C e 26°C e a amplitude térmica é maior à medida que se avança em direção ao sul. No Nordeste a maior concentração de chuvas ocorre no inverno e no Sudeste no verão. O índice pluviométrico médio é de 1500 a 2000 mm/ano. A mata atlântica (floresta perenifólia higrófila costeira) é a vegetação característica. É o bioma brasileiro de maior biodiversidade e também o mais devastado. Os especialistas calculam que restam apenas 7% da vegetação original. Urbanização e agropecuária foram as principais causas do desmatamento.
  • 28. Tropical (típico ou continental) /savanas Abrange grande parte da região central do país ( Centro-Oeste, parte do Sudeste e Nordeste) Apresenta temperaturas elevadas (de 18°C a 28°C), amplitude térmica de 5°C a 10°C e duas estações pluviométricas definidas – uma chuvosa e outra seca. A estação da chuva é o verão , quando a mEc está sobre a região e a estação seca é no inverno por influência da mTc . A savana brasileira é o Cerrado Vegetação com árvores e arbustos retorcidos no estrato superior e gramíneas no estrato inferior.Seus solos em geral são ácidos necessitando correção para uso agrícola. Atualmente é o ecossistema mais ameaçado a destruição com a introdução das práticas de monocultura comercial da soja e criação extensiva de gado de corte
  • 29. Tropical Semiárido/ Caatinga Clima do sertão nordestino, área também conhecido como Polígono das Secas. Sofre pouca influência das massas úmidas que bloqueadas pelo planalto da Borborema não alcançam o interior da região. Apresenta elevadas temperaturas, chuvas escassas (entre 400 e 750 mm/ano) e mal distribuídas durante o ano. Durante o verão as massas úmidas (mEc e mEa) podem provocar chuvas no litoral e interior da região. Na Caatinga (estepe brasileira) aparecem plantas xerófilas que armazenam água em seu interior, podem conter espinhos ou apresentar caráter descíduo( folhas que caem no periodo mais seco). A vegetação é formada por três estratos: o arbóreo,( entre 8 a 12 m); o arbustivo (de 2 a 5m); e o herbáceo, abaixo de 2 metros. Caatinga em processo de desertificação por uso inadequado do solo
  • 30. Tropical de Altitude / Mata atlântica Ocorre principalmente nas regiões serranas do Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo , Minas Gerais e Mato Grosso do Sul As temperatura médias variam de 15 a 21º C. As chuvas de verão são intensas e no inverno sofre a influência das massas de ar frias vindas do sul Argentina, a mpa( massa polar Atlântica). Esta massa ao penetrar no Brasil no inverno, pode provocar queda de neve, formação de geadas e frentes frias na região sul e sudeste. A amplitude térmica anual fica entre 7°C e10°C. O desmatamento, a intensa urbanização e as fortes chuvas de verão nessas áreas serranas tem trazido desequilíbrio das encostas com desmoronamentos e tragédias frequentes
  • 31. Subtropical / Floresta subtropical e campos Clima semelhante ao temperado oceânico, porém com temperaturas médias um pouco mais elevadas. Localiza-se ao sul do trópico de capricórnio nos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul . Apresenta quatro estações bem marcadas e grande amplitude térmica. Os verões são quentes, na maior parte da região Sul e amenas nas Serras Gaúcha e Catarinense. Os invernos são frescos (frios para os padrões brasileiros). Podem apresentar precipitações de neve e formação de geada principalmente nas áreas serranas, quando da passagem da mpa pela região. Aparecem dois tipos de vegetações típicas : Campos vegetação do tipo pradaria com predomínio de vegetação herbácea com árvores entremeadas. No Brasil é conhecida como Campanha Gaúcha No RS práticas inadequadas geram Arenização Floresta subtropical com Araucária - aciculifoliada, aberta e homogênea com predomínio de pinheiros O desmatamento para praticas agrárias e extração de madeira são os principais impactos ambientais
  • 32. Sustentabilidade Pense Nisso!!! Este material é parte integrante do http://salacristinageo.blogspot.com