SlideShare uma empresa Scribd logo
Cristandade
Ocidental

Luísa Ferreira, 26245;
Tiago Soares, 26409;
Sumário
 Origem  do Cristianismo;
 Constantino e a Liberdade Religiosa;
 Teodósio I, Cristianismo Religião Estado;
 Igreja Ocidental com Carlos Magno;
 A Renovação da Igreja no Ocidente;
 O Grande Cisma do Ocidente.
Origem do Cristianismo
 Cristianismonasce a partir do Judaísmo;
 Começa a ser pregada no ano de 26
  d.C. por Jesus Cristo;
 Após a sua morte em 33 d.C. nasce
  oficialmente o Cristianismo.
Símbolo primitivo do Cristianismo que significava:
      Jesus Cristo, Filho de Deus, Salvador.
Constantino e a Liberdade
Religiosa
 Em  313 Constantino permitiu a religião
  Cristã no Império Romano;
 "Havemos por bem anular por completo
  todas as restrições contidas em decretos
  anteriores, acerca dos cristãos - restrições
  odiosas e indignas de nossa clemência -
  e de dar total liberdade aos que
  quiserem praticar a religião cristã”.
- A Azul claro – Propagação do Cristianismo em 325 d.C
- A Azul escuro – Propagação do Cristianismo em 600 d.C.
Cristograma criado por Constantino para simbolizar o
  Cristianismo. As letras XP (Chi-Rho) são as duas primeiras
                       letras de “Cristo”.
Este símbolo era empregado em moedas, lábaros, espadas,
         escudos, vestes, pinturas, esculturas e outros.
Teodósio I – Cristianismo
Religião Estado
 Em  380 Teodósio decretou o Édito de
  Tessalónica;
 Neste Édito o Cristianismo tornou-se a
  Religião Oficial do Império Romano;
 Recomeçou com as perseguições, mas
  desta vez aos não-cristãos;
 Fortaleceu-se o poder Eclesiástico.
A Igreja com Carlos Magno
 Carlos  Magno iniciou a expansão do
  Império;
 Com isto deu-se a difusão do
  Cristianismo;
 Conversão de povos germânicos e os
  saxónicos;
 Estes novos territórios eram doados ao
  poder eclesiástico.
A Igreja Ocidental no tempo de Carlos Magno
Renascimento Carolíngio
 Situação  económica estável;
 Desenvolveu as artes e o conhecimento:
   - Exemplos: Escolas, Igrejas, Mosteiros,
etc;
 Rodeou-se de pessoas Eruditas;
 Criou a escola palatina:
   - Continuidade à cultura Cristã mas com
um sentido mais racional;
   - Latim converteu-se na língua clerical.
Humanismo Cristão
 Melhorou    as homilias através de
  esquemas e sermões;
 Insistiu na importância da confissão e na
  aprendizagem de orações;
 O objectivo em si seria renovar a vida
  espiritual dos fiéis.
A Igreja Ocidental no tempo de Carlos Magno
Renovação da Igreja no
Ocidente
   Reforma profunda no papado e na Igreja;
   O que levou a esta reforma foi o facto do
    Clero se estar a desviar das verdadeiras
    funções.
   “Raramente encontra-se um, em mil, que
    faça honestamente o que a profissão exige”
   Podemos fazer uma breve análise ao clero
    naquela altura:
     - Eram egoístas, corruptos, imorais…
Características da Reforma
 Também    conhecida como Reforma
  Gregoriana tinha como objectivo separar
  os laicos dos clérigos:
   - «Para os laicos, os assuntos deste
mundo, para os clérigos, as coisas do
espírito»
 Desejo do regresso à pureza original
  monástica e uma vida mais conforme
  com as exigências evangélicas.
 Pobreza,penitência, trabalho manual e,
 na maioria dos casos, solidão, eram as
 características de todas estas reformas;

A reforma gregoriana favoreceu o
 desenvolvimento da Teologia e um
 pensamento mais rico relativamente à
 Espiritualidade.
O Grande Cisma do Ocidente
 Cativeiro   de Avinhão

 Ruptura  que ocorreu na Igreja Católica
  durante 1378 e 1417;
 Este cisma foi de ordem política e não
  Teológica.
 1309 – Papa Clemente V muda o Papado
  para Avinhão;
 Roma fica sem papa;
 Papa Gregório XI em 1376 restitui o
  Papado em Roma;
 1378 – Nomeação de Urbano VI para
  Papa;
 Este era Italiano e recusava-se mudar
  para Avinhão.
 Os  cardeais, na sua maioria
  Franceses, através duma carta anulam a
  sua votação destituindo Urbano VI;
 A 20 de Setembro desse mesmo ano
  elegem o Cardeal de Genebra como
  novo Papa;
 Este tomou o nome de Clemente VII e
  seria o 1º Antipapa.
Cisma do Ocidente
 Ambos  os Papas declararam-se legítimos
  e excomungaram-se mutuamente;
 Estava consumado o cisma;
 Em 1409 os representantes da Igreja
  juntam-se no Concilio de Pisa;
 Resultado: Surge um novo Papa –
  Alexandre V.
 Novo  concílio (1414-1418);
 Papa de Roma renunciou ao seu cargo e
  os outros dois foram destituídos;
 Surge um novo Papa aprovado por todos
  e com a decisão de que este voltaria
  para Roma.
Os Papas e os Antipapas do Cisma
     Em Roma              Em Avinhão                Em Pisa
  Papa Urbano VI
    (1378-1389)      Antipapa Clemente VII    Antipapa Alexandre V
 Papa Bonifácio IX         (1378-1394)             (1409-1410)
    (1389-1404)
Papa Inocêncio VII
    (1404-1406)      Antipapa Benedito XIII    Antipapa João XXIII
 Papa Gregório XII        (1394-1417)              (1410-1417)
    (1406-1417)
Bibliografia/Webgrafia
   http://pt.wikipedia.org/wiki/Constantino_I
   http://pt.wikipedia.org/wiki/Batalha_da_Ponte_M%C3%ADlvio
   http://www.veritatis.com.br/apologetica/105-igreja-papado/763-a-igreja-
    catolica-foi-fundada-por-constantino
   http://pt.wikipedia.org/wiki/Grande_Cisma_do_Ocidente
   http://www.pime.org.br/missaojovem/mjhistdaigrejacisma.htm
   http://pt.wikipedia.org/wiki/Édito_de_Tessalónica
   http://pt.wikipedia.org/wiki/Teod%C3%B3sio_I
   http://www.historianet.com.br/conteudo/default.aspx?codigo=951
   http://pt.wikipedia.org/wiki/Cristianismo
    http://www.slideshare.net/mariafimgomes/cristianismo-
    7705801?src=related_normal&rel=3097801
   http://www.vidacomdeus.com.br/br/peixe.htm
   http://www.mundoeducacao.com.br/historiageral/imperio-carolingio.htm
   http://darozhistoriamilitar.blogspot.com/2010/08/coroacao-de-carlos-magno-e-
    o-inicio-do.html
   LABOA, Juan María, Cristandade 2000 Anos de História. Lisboa, 1999: Editora
    Inapa.pps 60, 61, 112, 113, 140, 141, 184.
Cristandade Ocidental

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crençaA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
Vítor Santos
 
A renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidadeA renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidade
cattonia
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Carlos Vieira
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
Carlos Vieira
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
Susana Simões
 
O iluminismo pombalino
O iluminismo pombalinoO iluminismo pombalino
O iluminismo pombalino
cattonia
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
Carla Teixeira
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
Vítor Santos
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
Vítor Santos
 
Revolução Agrícola
Revolução AgrícolaRevolução Agrícola
Revolução Agrícola
Carlos Vieira
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
Rui Nobre
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
Susana Simões
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
Vítor Santos
 
Construção do império marítimo português
Construção do império marítimo portuguêsConstrução do império marítimo português
Construção do império marítimo português
Ramiro Bicca
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreformaReforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
Teresa Maia
 
Amesterdão factores da hegemonia ok
Amesterdão   factores da hegemonia okAmesterdão   factores da hegemonia ok
Amesterdão factores da hegemonia ok
EconomicSintese
 
Unidade 2 renascimento e reforma alunos
Unidade 2 renascimento e reforma alunosUnidade 2 renascimento e reforma alunos
Unidade 2 renascimento e reforma alunos
Vítor Santos
 
A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundo
Susana Simões
 

Mais procurados (20)

A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crençaA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
A renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidadeA renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidade
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
O iluminismo pombalino
O iluminismo pombalinoO iluminismo pombalino
O iluminismo pombalino
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
Revolução Agrícola
Revolução AgrícolaRevolução Agrícola
Revolução Agrícola
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
Construção do império marítimo português
Construção do império marítimo portuguêsConstrução do império marítimo português
Construção do império marítimo português
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreformaReforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
 
Amesterdão factores da hegemonia ok
Amesterdão   factores da hegemonia okAmesterdão   factores da hegemonia ok
Amesterdão factores da hegemonia ok
 
Unidade 2 renascimento e reforma alunos
Unidade 2 renascimento e reforma alunosUnidade 2 renascimento e reforma alunos
Unidade 2 renascimento e reforma alunos
 
A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundo
 

Destaque

Relatório pré produção
Relatório pré produçãoRelatório pré produção
Relatório pré produção
MariaBeaF
 
A ascese cristã virgindade e monaquismo
A ascese cristã   virgindade e monaquismoA ascese cristã   virgindade e monaquismo
A ascese cristã virgindade e monaquismo
fernandesandrenilson
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 2
A cristandade ocidental face ao islão  parte 2A cristandade ocidental face ao islão  parte 2
A cristandade ocidental face ao islão parte 2
Carla Teixeira
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 
Consumismo e consumerismo
Consumismo e consumerismoConsumismo e consumerismo
Consumismo e consumerismo
Tiago Soares
 
Sociedade medieval
Sociedade medievalSociedade medieval
Sociedade medieval
Maria Barroso
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
Consumo e estilos de vida
Consumo e estilos de vidaConsumo e estilos de vida
Consumo e estilos de vida
catynes
 
Historia 7 ano
Historia 7 anoHistoria 7 ano
Historia 7 ano
guest74e54b0
 
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
Carla Freitas
 
Sociedade De Consumo
Sociedade De ConsumoSociedade De Consumo
Sociedade De Consumo
Alfredo Garcia
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
Vítor Santos
 
Europa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IXEuropa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IX
Teresa Maia
 
Feudalismo e crise
Feudalismo e criseFeudalismo e crise
Feudalismo e crise
cattonia
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
cattonia
 
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xiiC2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
Vítor Santos
 
Românico
RomânicoRomânico
Românico
Fernando Veloso
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
Gisele Finatti Baraglio
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
Eduardo Sousa
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
Nelson Faustino
 

Destaque (20)

Relatório pré produção
Relatório pré produçãoRelatório pré produção
Relatório pré produção
 
A ascese cristã virgindade e monaquismo
A ascese cristã   virgindade e monaquismoA ascese cristã   virgindade e monaquismo
A ascese cristã virgindade e monaquismo
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 2
A cristandade ocidental face ao islão  parte 2A cristandade ocidental face ao islão  parte 2
A cristandade ocidental face ao islão parte 2
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
Consumismo e consumerismo
Consumismo e consumerismoConsumismo e consumerismo
Consumismo e consumerismo
 
Sociedade medieval
Sociedade medievalSociedade medieval
Sociedade medieval
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
Consumo e estilos de vida
Consumo e estilos de vidaConsumo e estilos de vida
Consumo e estilos de vida
 
Historia 7 ano
Historia 7 anoHistoria 7 ano
Historia 7 ano
 
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
 
Sociedade De Consumo
Sociedade De ConsumoSociedade De Consumo
Sociedade De Consumo
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
 
Europa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IXEuropa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IX
 
Feudalismo e crise
Feudalismo e criseFeudalismo e crise
Feudalismo e crise
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
 
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xiiC2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
 
Românico
RomânicoRomânico
Românico
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
 

Semelhante a Cristandade Ocidental

30a atos
30a atos30a atos
30a atos
PIB Penha
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
Luiz Costa Junior
 
Aula 1a parte hc antiguidade
Aula  1a parte  hc antiguidadeAula  1a parte  hc antiguidade
Aula 1a parte hc antiguidade
Gcom digital factory
 
Aula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptxAula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptx
DenisAurlio2
 
Panorama da História do Cristianismo
Panorama da História do CristianismoPanorama da História do Cristianismo
Panorama da História do Cristianismo
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média CristãAula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Adriano Pascoa
 
Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja
Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila IgrejaCapitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja
Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja
Klaus Newman
 
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e HeresiasCatolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
Reformas religiosasppt
Reformas religiosaspptReformas religiosasppt
Reformas religiosasppt
andrecarlosocosta
 
Cultura do Palácio (parte 2)
Cultura do Palácio (parte 2)Cultura do Palácio (parte 2)
Cultura do Palácio (parte 2)
Beatriz Mariano
 
Cultura do Palácio (parte 1)
Cultura do Palácio (parte 1)Cultura do Palácio (parte 1)
Cultura do Palácio (parte 1)
Beatriz Mariano
 
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugalA renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
Cecília Gomes
 
A igreja medieval
A igreja medievalA igreja medieval
A igreja medieval
nany1523
 
Igreja e cultura medieval
Igreja e cultura medievalIgreja e cultura medieval
Igreja e cultura medieval
Marilia Pimentel
 
8 ano ul2[1]
8 ano ul2[1]8 ano ul2[1]
8 ano ul2[1]
Lino Barbosa
 
8 ano ul2[1]
8 ano ul2[1]8 ano ul2[1]
8 ano ul2[1]
Lino Barbosa
 
História do cristianismo v da página 328 a 452
História do cristianismo v da página 328 a 452História do cristianismo v da página 328 a 452
História do cristianismo v da página 328 a 452
Ivan De Oliveira Santos
 
As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3
adalbertovha
 
História do cristianismo ii - Um resumo histórico
História do cristianismo ii - Um resumo históricoHistória do cristianismo ii - Um resumo histórico
História do cristianismo ii - Um resumo histórico
Gustavo Messias
 
Cristianismo (1)
Cristianismo (1)Cristianismo (1)
Cristianismo (1)
Iran Teixeira
 

Semelhante a Cristandade Ocidental (20)

30a atos
30a atos30a atos
30a atos
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
Aula 1a parte hc antiguidade
Aula  1a parte  hc antiguidadeAula  1a parte  hc antiguidade
Aula 1a parte hc antiguidade
 
Aula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptxAula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptx
 
Panorama da História do Cristianismo
Panorama da História do CristianismoPanorama da História do Cristianismo
Panorama da História do Cristianismo
 
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média CristãAula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
 
Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja
Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila IgrejaCapitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja
Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja
 
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e HeresiasCatolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
 
Reformas religiosasppt
Reformas religiosaspptReformas religiosasppt
Reformas religiosasppt
 
Cultura do Palácio (parte 2)
Cultura do Palácio (parte 2)Cultura do Palácio (parte 2)
Cultura do Palácio (parte 2)
 
Cultura do Palácio (parte 1)
Cultura do Palácio (parte 1)Cultura do Palácio (parte 1)
Cultura do Palácio (parte 1)
 
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugalA renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
A renovação espiritual e religiosa.pptx de portugal
 
A igreja medieval
A igreja medievalA igreja medieval
A igreja medieval
 
Igreja e cultura medieval
Igreja e cultura medievalIgreja e cultura medieval
Igreja e cultura medieval
 
8 ano ul2[1]
8 ano ul2[1]8 ano ul2[1]
8 ano ul2[1]
 
8 ano ul2[1]
8 ano ul2[1]8 ano ul2[1]
8 ano ul2[1]
 
História do cristianismo v da página 328 a 452
História do cristianismo v da página 328 a 452História do cristianismo v da página 328 a 452
História do cristianismo v da página 328 a 452
 
As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3As reformas-religiosas-ildete-3
As reformas-religiosas-ildete-3
 
História do cristianismo ii - Um resumo histórico
História do cristianismo ii - Um resumo históricoHistória do cristianismo ii - Um resumo histórico
História do cristianismo ii - Um resumo histórico
 
Cristianismo (1)
Cristianismo (1)Cristianismo (1)
Cristianismo (1)
 

Último

Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 

Cristandade Ocidental

  • 2. Sumário  Origem do Cristianismo;  Constantino e a Liberdade Religiosa;  Teodósio I, Cristianismo Religião Estado;  Igreja Ocidental com Carlos Magno;  A Renovação da Igreja no Ocidente;  O Grande Cisma do Ocidente.
  • 3. Origem do Cristianismo  Cristianismonasce a partir do Judaísmo;  Começa a ser pregada no ano de 26 d.C. por Jesus Cristo;  Após a sua morte em 33 d.C. nasce oficialmente o Cristianismo.
  • 4. Símbolo primitivo do Cristianismo que significava: Jesus Cristo, Filho de Deus, Salvador.
  • 5. Constantino e a Liberdade Religiosa  Em 313 Constantino permitiu a religião Cristã no Império Romano;  "Havemos por bem anular por completo todas as restrições contidas em decretos anteriores, acerca dos cristãos - restrições odiosas e indignas de nossa clemência - e de dar total liberdade aos que quiserem praticar a religião cristã”.
  • 6. - A Azul claro – Propagação do Cristianismo em 325 d.C - A Azul escuro – Propagação do Cristianismo em 600 d.C.
  • 7. Cristograma criado por Constantino para simbolizar o Cristianismo. As letras XP (Chi-Rho) são as duas primeiras letras de “Cristo”. Este símbolo era empregado em moedas, lábaros, espadas, escudos, vestes, pinturas, esculturas e outros.
  • 8. Teodósio I – Cristianismo Religião Estado  Em 380 Teodósio decretou o Édito de Tessalónica;  Neste Édito o Cristianismo tornou-se a Religião Oficial do Império Romano;  Recomeçou com as perseguições, mas desta vez aos não-cristãos;  Fortaleceu-se o poder Eclesiástico.
  • 9. A Igreja com Carlos Magno  Carlos Magno iniciou a expansão do Império;  Com isto deu-se a difusão do Cristianismo;  Conversão de povos germânicos e os saxónicos;  Estes novos territórios eram doados ao poder eclesiástico.
  • 10. A Igreja Ocidental no tempo de Carlos Magno
  • 11. Renascimento Carolíngio  Situação económica estável;  Desenvolveu as artes e o conhecimento: - Exemplos: Escolas, Igrejas, Mosteiros, etc;  Rodeou-se de pessoas Eruditas;  Criou a escola palatina: - Continuidade à cultura Cristã mas com um sentido mais racional; - Latim converteu-se na língua clerical.
  • 12. Humanismo Cristão  Melhorou as homilias através de esquemas e sermões;  Insistiu na importância da confissão e na aprendizagem de orações;  O objectivo em si seria renovar a vida espiritual dos fiéis.
  • 13. A Igreja Ocidental no tempo de Carlos Magno
  • 14. Renovação da Igreja no Ocidente  Reforma profunda no papado e na Igreja;  O que levou a esta reforma foi o facto do Clero se estar a desviar das verdadeiras funções.  “Raramente encontra-se um, em mil, que faça honestamente o que a profissão exige”  Podemos fazer uma breve análise ao clero naquela altura: - Eram egoístas, corruptos, imorais…
  • 15. Características da Reforma  Também conhecida como Reforma Gregoriana tinha como objectivo separar os laicos dos clérigos: - «Para os laicos, os assuntos deste mundo, para os clérigos, as coisas do espírito»  Desejo do regresso à pureza original monástica e uma vida mais conforme com as exigências evangélicas.
  • 16.  Pobreza,penitência, trabalho manual e, na maioria dos casos, solidão, eram as características de todas estas reformas; A reforma gregoriana favoreceu o desenvolvimento da Teologia e um pensamento mais rico relativamente à Espiritualidade.
  • 17. O Grande Cisma do Ocidente  Cativeiro de Avinhão  Ruptura que ocorreu na Igreja Católica durante 1378 e 1417;  Este cisma foi de ordem política e não Teológica.
  • 18.  1309 – Papa Clemente V muda o Papado para Avinhão;  Roma fica sem papa;  Papa Gregório XI em 1376 restitui o Papado em Roma;  1378 – Nomeação de Urbano VI para Papa;  Este era Italiano e recusava-se mudar para Avinhão.
  • 19.  Os cardeais, na sua maioria Franceses, através duma carta anulam a sua votação destituindo Urbano VI;  A 20 de Setembro desse mesmo ano elegem o Cardeal de Genebra como novo Papa;  Este tomou o nome de Clemente VII e seria o 1º Antipapa.
  • 20. Cisma do Ocidente  Ambos os Papas declararam-se legítimos e excomungaram-se mutuamente;  Estava consumado o cisma;  Em 1409 os representantes da Igreja juntam-se no Concilio de Pisa;  Resultado: Surge um novo Papa – Alexandre V.
  • 21.  Novo concílio (1414-1418);  Papa de Roma renunciou ao seu cargo e os outros dois foram destituídos;  Surge um novo Papa aprovado por todos e com a decisão de que este voltaria para Roma.
  • 22. Os Papas e os Antipapas do Cisma Em Roma Em Avinhão Em Pisa Papa Urbano VI (1378-1389) Antipapa Clemente VII Antipapa Alexandre V Papa Bonifácio IX (1378-1394) (1409-1410) (1389-1404) Papa Inocêncio VII (1404-1406) Antipapa Benedito XIII Antipapa João XXIII Papa Gregório XII (1394-1417) (1410-1417) (1406-1417)
  • 23. Bibliografia/Webgrafia  http://pt.wikipedia.org/wiki/Constantino_I  http://pt.wikipedia.org/wiki/Batalha_da_Ponte_M%C3%ADlvio  http://www.veritatis.com.br/apologetica/105-igreja-papado/763-a-igreja- catolica-foi-fundada-por-constantino  http://pt.wikipedia.org/wiki/Grande_Cisma_do_Ocidente  http://www.pime.org.br/missaojovem/mjhistdaigrejacisma.htm  http://pt.wikipedia.org/wiki/Édito_de_Tessalónica  http://pt.wikipedia.org/wiki/Teod%C3%B3sio_I  http://www.historianet.com.br/conteudo/default.aspx?codigo=951  http://pt.wikipedia.org/wiki/Cristianismo  http://www.slideshare.net/mariafimgomes/cristianismo- 7705801?src=related_normal&rel=3097801  http://www.vidacomdeus.com.br/br/peixe.htm  http://www.mundoeducacao.com.br/historiageral/imperio-carolingio.htm  http://darozhistoriamilitar.blogspot.com/2010/08/coroacao-de-carlos-magno-e- o-inicio-do.html  LABOA, Juan María, Cristandade 2000 Anos de História. Lisboa, 1999: Editora Inapa.pps 60, 61, 112, 113, 140, 141, 184.