SlideShare uma empresa Scribd logo
MODELO
TEXTO BÍBLICO
• 31) Portanto, quando vocês comem, ou bebem, ou
fazem qualquer outra coisa, façam tudo para a glória
de Deus.
• 32) Vivam de tal maneira que não prejudiquem os
judeus, nem os não judeus, nem a Igreja de Deus.
(1 Co 10:31,32)
DESTAQUE
• “...Portanto, quando vocês comem, ou bebem, ou
fazem qualquer outra coisa, façam tudo para a glória
de Deus...” (1 Co 10:31)
DEVOCIONAL
• SEG......................................... 1 Co 10:31
• TER......................................... Is 40:5
• QUA........................................ Jo 17:4
• QUI.......................................... Ef 4:29
• SEX......................................... Mt 7:16-20
• SAB......................................... 1 Co 10:23
• DOM........................................ Tg 3:6
OBJETIVOS
• Conscientizar: De que devemos viver a liberdade cristã
para a glória de Deus.
• Mostrar: Que devemos glorificar a Deus com as nossas
palavras
• Fazê-los: Compreender que devemos glorificar a Deus
com nossas atitudes.
I – Vivendo a liberdade cristã para a
Glória de Deus.
• Versículo-chave:
• 1 Co 10.23
• Todas as coisas são lícitas, mas nem todas convêm;
todas são lícitas, mas nem todas edificam.
• Alvo da lição:
• Ao estudar esta lição, você se conscientizará da
existência dos fortes e dos fracos na fé e será desafiado
a viver em harmonia com todos os irmãos.
• O apóstolo Paulo desfrutou com autoridade a liberdade
cristã.
• Sua maturidade espiritual revela completa emancipação
de inibições e tabus religiosos sem ferir nenhum
princípio bíblico.
• Não sendo conivente com qualquer padrão antibíblico,
Paulo se adaptava aos mais diversos ambientes com a
finalidade de apresentar Cristo (1Co 9.22), porém, sabia
que muitos cristãos não eram completamente
emancipados como ele.
• Por isso, na carta aos Romanos, exigiu que os “fracos”
fossem tratados com cuidado, paciência e sabedoria
pelos mais “fortes”.
• A LIBERDADE CRISTÃ, nada mais é que o NÍVEL de
RELACIONAMENTO que esse PEREGRINO, que esse
EMBAIXADOR, pode ter com esse país, com esse
MUNDO, onde está vivendo sem, contudo, ferir aos
interesses da PÁTRIA CELESTIAL, da qual é
REPRESENTANTE.
• Enquanto vive nesse país, nesse MUNDO, DE
PASSAGEM e MOMENTANEAMENTE, O que esse
PEREGRINO EMBAIXADOR pode utilizar dele?
• No que pode se beneficiar dele? De que pode agradar-
se dele?
Princípios de liberdade cristã (Rm 14.1-23)
1. Nem todos possuem a mesma fé (Rm 14.1-2)
• A Bíblia registra pelo menos quatro graus de fé:
nenhuma fé (Mc 4.35-41), pequena fé (Mt 14.22-33),
grande fé (Mt 15.21-28) e inigualável fé (Mt 8.5-15).
• Há pessoas que se encaixam nesses grupos, portanto,
nem todas possuem a mesma fé.
• A unidade da igreja em Roma estava ameaçada porque
os cristãos maduros conflitavam com os cristãos
imaturos.
• Sabendo que os cristãos maduros entenderiam melhor
esse conflito, Paulo direciona a eles dois conselhos
práticos em relação aos mais imaturos:
“Acolhei ao que é débil [fraco] na fé...”.
• Aceitem genuinamente e de boa vontade os imaturos na
fé. Recebam-nos amorosamente em seu círculo de
amigos íntimos.
“… não, porém, para discutir opiniões...”.
• Não discutam assuntos controvertidos. Não entrem em
conflitos de consciência pessoal.
2. O cristão não deve ser juiz de seu irmão (Rm 14.3-
4,7-12)
• Não foi a única vez que Paulo escreveu condenando
formas de julgamento humano.
• Em 1Coríntios, ele diz: “...A mim mui pouco se me dá
de ser julgado por vós ou por tribunal humano; nem
eu tampouco julgo a mim mesmo… quem me julga é
o Senhor. Portanto, nada julgueis antes do tempo,
até que venha o Senhor...” (1Co 4.3-5).
• O texto parece ecoar as palavras de Jesus:
• “...Não julgueis, para que não sejais julgados...”
(Mt 7.1).
• O apelo fundamental do apóstolo é que não devemos
julgar irmãos que discordam de nós.
• O fraco deve ser aceito entre os cristãos como parte da
igreja.
• Ao explicar esse apelo, Paulo mostra que a razão da
aceitação mútua é que Deus aceitou os dois grupos (Rm
14.2-3).
• A questão não está entre crer ou não crer, mas entre ter
ou não maturidade na fé.
• John MacArthur resume esse pensamento ao dizer:
• “O cristão forte come o que lhe agrada e agradece ao
Senhor.
• O irmão fraco come de acordo com a sua dieta
cerimonial e agradece ao Senhor por ele ter feito um
sacrifício em seu favor.
3. Cada pessoa tem as próprias convicções.
(Rm 14.5-6)
• Se antes o apóstolo usou o alimento para exemplificar a
liberdade cristã.
• Agora ele reforça o ensino usando o exemplo da
diferença entre dias: “...um faz diferença entre dia e
dia; outro julga iguais todos os dias...” (Rm 14.5).
• O cristão judeu fraco na fé ainda se preocupava em
guardar o sábado, e dias especiais associados à lei e
aos costumes judaicos (Gl 4.8-10). O cristão gentio fraco
na fé buscava completo distanciamento de qualquer dia
ou festividade associada ao paganismo. Já o cristão
maduro não era afetado por nenhuma dessas
preocupações.
• 4. O cristão não deve ser tropeço para ninguém (Rm
14.13,15-16,21)
• Nesses versos, o apóstolo exorta o fraco a não criticar o
forte, e chama a atenção do forte para deixar de apontar
defeitos no fraco.
• Os dois grupos não deveriam colocar qualquer tipo de
obstáculo para causar tropeço no caminho de seus
irmãos. Paulo ensina que a liberdade cristã não pode
ser usada para prejudicar o irmão.
• Nem uma de nossas ações pessoais vale mais do que o
bem-estar do povo de Deus. Dessa forma, devemos
procurar o que realmente contribui para a edificação dos
irmãos em vez de permanecer obstinados em nossos
direitos.
5. Que é o reino de Deus? (Rm 14.17-20)
• “Se a primeira verdade teológica que suporta o apelo de
Paulo para que os fortes se controlem é a cruz de
Cristo, a segunda é o reino de Deus, isto é, o domínio
gracioso de Deus através de Cristo e pelo Espírito na
vida do seu povo, proporcionando-lhes uma livre
salvação e exigindo uma obediência radical”.
• Não podemos permitir que questões pessoais afetem a
obra de Deus.
• Algo que é bom para nós pode ser um obstáculo aos
outros. O reino de Deus exige unidade.
• 6. A pureza ou a impureza estão na consciência (Rm
14.14,22)
• Paulo não está levando em consideração o padrão
absoluto de Deus em relação à postura do crente.
• Nesse caso, a consciência não seria levada em conta, e
sim a própria conduta.
• No texto, o apóstolo deixa claro que o fazer, por si só, e
o não fazer é a mesma coisa perante Deus.
• O apóstolo tinha convicção de que todas as coisas
foram criadas por Deus, e tudo que foi criado é bom.
• Assim, os alimentos e as bebidas que estão sendo
discutidos na igreja de Roma são bons porque foi Deus
quem os fez.
• No entanto, nem todos interpretavam a questão, ou
ainda o fazem, sob essa perspectiva.
• Para a pessoa que considera algum alimento ou bebida
algo impuro, sua consciência aponta um pecado do qual
não quer participar, por isso Paulo diz que ela não deve
comer ou beber tal coisa.
7. A fé é algo pessoal (Rm 14.23)
• O apóstolo conclui o capítulo 14 fazendo distinção entre
crer e agir, entre falar uma coisa e fazer outra.
• Warren Wiersbe, citado por Hernandes D. Lopes, diz
que “nenhum cristão pode ‘tomar emprestadas’ as
convicões de outro para ter uma vida cristã honesta”
• “...Para os puros, todas as coisas são puras; mas
para os impuros e descrentes, nada é puro. De fato,
tanto a mente como a consciência deles estão
corrompidas...” Tito 1:15
II – Glorificando a Deus com nossas
palavras.
• Na Bíblia, nossa língua é chamada de:
• “...mundo de iniqüidade... que contamina o corpo
inteiro... Com ela, bendizemos ao Senhor e Pai;
também, com ela, amaldiçoamos os homens, feitos à
semelhança de Deus...” (Tg 3.6,9).
• Na Palavra de Deus encontramos diversas instruções e
exortações em relação ao uso da língua.
• Por exemplo: “...Desvia de ti a falsidade da boca e
afasta de ti a perversidade dos lábios...” (Pv 4.24).
Áreas perigosas onde devemos vigiar nossa língua.
1. A mentira
• No Antigo Testamento Deus já alertou:
• “...Não furtareis, nem mentireis...” (Lv 19.11).
• E no Novo Testamento somos exortados:
• “...Por isso, deixando a mentira, fale cada um a
verdade com o seu próximo, porque somos
membros uns dos outros...” (Ef 4.25).
• Em outras palavras: ninguém pode passar por cima da
mentira; ela é séria demais e sempre deve ser exposta à
luz.
• Uma meia-verdade é uma mentira completa.
2. Calúnia e difamação.
• É muito fácil acabar com a reputação de alguém falando
apenas algumas poucas palavras.
• É por essa razão que a calúnia e a difamação devem
ser levadas muito a sério, pois fazem parte das piores
atitudes nos relacionamentos humanos.
3. Exagerar ou minimizar os fatos.
• Exageramos com facilidade quando se trata de nossas
boas ações, mas quando contamos alguma coisa boa
acerca de alguém, tendemos a diminuir suas
qualidades.
• Hoje ninguém é condenado à morte por ter mentido,
caluniado, difamado, exagerado ou minimizado os fatos.
• A graça de Jesus está acima da Lei.
• Mas o pecado somente será perdoado quando for
confessado: “...Se confessarmos os nossos pecados,
ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos
purificar de toda a injustiça...” (1 Jo 1.9).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Maturidade Espiritual com DMZeca
Maturidade Espiritual com DMZecaMaturidade Espiritual com DMZeca
Maturidade Espiritual com DMZeca
DM Zeca
 
Mensagem EJ - Maturidade
Mensagem EJ - MaturidadeMensagem EJ - Maturidade
Mensagem EJ - Maturidade
Entre Jovens Ministério
 
Evangelismo Pela Amizade.ppt
Evangelismo Pela Amizade.pptEvangelismo Pela Amizade.ppt
Evangelismo Pela Amizade.ppt
Herbert de Carvalho
 
Evangelismo e testemunho prof. elvis
Evangelismo e testemunho   prof. elvisEvangelismo e testemunho   prof. elvis
Evangelismo e testemunho prof. elvis
E. M. Silva
 
Evangelismo Viral - Diego Barreto, Fórum Web Adventista
Evangelismo Viral - Diego Barreto, Fórum Web AdventistaEvangelismo Viral - Diego Barreto, Fórum Web Adventista
Evangelismo Viral - Diego Barreto, Fórum Web Adventista
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Meditação diária de francisco carvajal 35. difundir a verdade
Meditação diária de francisco carvajal 35. difundir a verdadeMeditação diária de francisco carvajal 35. difundir a verdade
Meditação diária de francisco carvajal 35. difundir a verdade
pr_afsalbergaria
 
Dimensões do crescimento Integral da igreja
Dimensões do crescimento Integral da igrejaDimensões do crescimento Integral da igreja
Dimensões do crescimento Integral da igreja
Almy Alves
 
LBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇA
LBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇALBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇA
LBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇA
Natalino das Neves Neves
 
As dez principais dificuldades de um novo convertido
As dez principais dificuldades de um novo convertido  As dez principais dificuldades de um novo convertido
As dez principais dificuldades de um novo convertido
Anderson Menger
 
É MISSÃO DE TODOS BATIZADOS!
É MISSÃO DE TODOS BATIZADOS!É MISSÃO DE TODOS BATIZADOS!
É MISSÃO DE TODOS BATIZADOS!
José Vieira Dos Santos
 
Estudo 6 (Equilíbrio)
Estudo 6 (Equilíbrio)Estudo 6 (Equilíbrio)
Estudo 6 (Equilíbrio)
Daniel Junior
 
CóPia De Evangelismo é Relacional Pib
CóPia De Evangelismo é Relacional PibCóPia De Evangelismo é Relacional Pib
CóPia De Evangelismo é Relacional Pib
deco777
 
Apostila de evangelismo marcos 16
Apostila de evangelismo marcos 16Apostila de evangelismo marcos 16
Apostila de evangelismo marcos 16
aldeirdb
 
Maturidade CRISTA
Maturidade CRISTAMaturidade CRISTA
Maturidade CRISTA
vagner costa
 
LBJ LIÇÃO 13 - CONSELHOS PARA A VIDA
LBJ LIÇÃO 13 - CONSELHOS PARA A VIDALBJ LIÇÃO 13 - CONSELHOS PARA A VIDA
LBJ LIÇÃO 13 - CONSELHOS PARA A VIDA
Natalino das Neves Neves
 
Aliança de vida e paz
Aliança de vida e pazAliança de vida e paz
Aliança de vida e paz
Almy Alves
 
Módulo i online
Módulo i onlineMódulo i online
Módulo i online
Luiz Siles
 
Como evangelizar sem medo william fay e raph hodge
Como evangelizar sem medo   william fay e raph hodgeComo evangelizar sem medo   william fay e raph hodge
Como evangelizar sem medo william fay e raph hodge
Marcos Lino
 
Visão Celular
Visão CelularVisão Celular
Visão Celular
André rug
 
Série igreja - Nossa Missão.ppt
Série igreja - Nossa Missão.pptSérie igreja - Nossa Missão.ppt
Série igreja - Nossa Missão.ppt
Eid Marques
 

Mais procurados (20)

Maturidade Espiritual com DMZeca
Maturidade Espiritual com DMZecaMaturidade Espiritual com DMZeca
Maturidade Espiritual com DMZeca
 
Mensagem EJ - Maturidade
Mensagem EJ - MaturidadeMensagem EJ - Maturidade
Mensagem EJ - Maturidade
 
Evangelismo Pela Amizade.ppt
Evangelismo Pela Amizade.pptEvangelismo Pela Amizade.ppt
Evangelismo Pela Amizade.ppt
 
Evangelismo e testemunho prof. elvis
Evangelismo e testemunho   prof. elvisEvangelismo e testemunho   prof. elvis
Evangelismo e testemunho prof. elvis
 
Evangelismo Viral - Diego Barreto, Fórum Web Adventista
Evangelismo Viral - Diego Barreto, Fórum Web AdventistaEvangelismo Viral - Diego Barreto, Fórum Web Adventista
Evangelismo Viral - Diego Barreto, Fórum Web Adventista
 
Meditação diária de francisco carvajal 35. difundir a verdade
Meditação diária de francisco carvajal 35. difundir a verdadeMeditação diária de francisco carvajal 35. difundir a verdade
Meditação diária de francisco carvajal 35. difundir a verdade
 
Dimensões do crescimento Integral da igreja
Dimensões do crescimento Integral da igrejaDimensões do crescimento Integral da igreja
Dimensões do crescimento Integral da igreja
 
LBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇA
LBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇALBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇA
LBJ LIÇÃO 8 - A VIDA CRISTÃ E A ESTIMA PELA LIDERANÇA
 
As dez principais dificuldades de um novo convertido
As dez principais dificuldades de um novo convertido  As dez principais dificuldades de um novo convertido
As dez principais dificuldades de um novo convertido
 
É MISSÃO DE TODOS BATIZADOS!
É MISSÃO DE TODOS BATIZADOS!É MISSÃO DE TODOS BATIZADOS!
É MISSÃO DE TODOS BATIZADOS!
 
Estudo 6 (Equilíbrio)
Estudo 6 (Equilíbrio)Estudo 6 (Equilíbrio)
Estudo 6 (Equilíbrio)
 
CóPia De Evangelismo é Relacional Pib
CóPia De Evangelismo é Relacional PibCóPia De Evangelismo é Relacional Pib
CóPia De Evangelismo é Relacional Pib
 
Apostila de evangelismo marcos 16
Apostila de evangelismo marcos 16Apostila de evangelismo marcos 16
Apostila de evangelismo marcos 16
 
Maturidade CRISTA
Maturidade CRISTAMaturidade CRISTA
Maturidade CRISTA
 
LBJ LIÇÃO 13 - CONSELHOS PARA A VIDA
LBJ LIÇÃO 13 - CONSELHOS PARA A VIDALBJ LIÇÃO 13 - CONSELHOS PARA A VIDA
LBJ LIÇÃO 13 - CONSELHOS PARA A VIDA
 
Aliança de vida e paz
Aliança de vida e pazAliança de vida e paz
Aliança de vida e paz
 
Módulo i online
Módulo i onlineMódulo i online
Módulo i online
 
Como evangelizar sem medo william fay e raph hodge
Como evangelizar sem medo   william fay e raph hodgeComo evangelizar sem medo   william fay e raph hodge
Como evangelizar sem medo william fay e raph hodge
 
Visão Celular
Visão CelularVisão Celular
Visão Celular
 
Série igreja - Nossa Missão.ppt
Série igreja - Nossa Missão.pptSérie igreja - Nossa Missão.ppt
Série igreja - Nossa Missão.ppt
 

Semelhante a 3º trimestre 2015 adolescentes lição 13

Evangelismo 21-10 -de-Aula.pptx
Evangelismo 21-10 -de-Aula.pptxEvangelismo 21-10 -de-Aula.pptx
Evangelismo 21-10 -de-Aula.pptx
lindalva da cruz
 
Manifeste seu progresso
Manifeste seu progressoManifeste seu progresso
Manifeste seu progresso
Dalila Melo
 
Manifeste seu progresso
Manifeste seu progressoManifeste seu progresso
Manifeste seu progresso
Dalila Melo
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 11
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 11Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 11
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 11
Joel Silva
 
2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx
Joel Silva
 
LBA Lição 11 - A tolerância cristã
LBA Lição 11 - A tolerância cristãLBA Lição 11 - A tolerância cristã
LBA Lição 11 - A tolerância cristã
Natalino das Neves Neves
 
Cinco coisas que_o_cristao_nao_pode_esquecer
Cinco coisas que_o_cristao_nao_pode_esquecerCinco coisas que_o_cristao_nao_pode_esquecer
Cinco coisas que_o_cristao_nao_pode_esquecer
Eliel Pimenta Pimenta
 
2014 3 TRI LIÇÃO 5 - O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
2014 3 TRI LIÇÃO 5 - O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA2014 3 TRI LIÇÃO 5 - O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
2014 3 TRI LIÇÃO 5 - O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
Natalino das Neves Neves
 
Palavras de células Maio
Palavras de células MaioPalavras de células Maio
Palavras de células Maio
israelargatao
 
Sou Crente... E Agora, o Que Eu Faço?
Sou Crente... E Agora, o Que Eu Faço?Sou Crente... E Agora, o Que Eu Faço?
Sou Crente... E Agora, o Que Eu Faço?
Jonas Martins Olímpio
 
Dez ideais de Deus para os seus filhos
Dez ideais de Deus para os seus filhosDez ideais de Deus para os seus filhos
Dez ideais de Deus para os seus filhos
JUERP
 
Aula 3 O homem aprovado na Sociedade.pptx
Aula 3  O homem aprovado  na Sociedade.pptxAula 3  O homem aprovado  na Sociedade.pptx
Aula 3 O homem aprovado na Sociedade.pptx
JosMauroPiresCoutinh
 
E.b.d adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
Joel Silva
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 02
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 023° trimestre 2015 Adolescentes Lição 02
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 02
Joel de Oliveira
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 02
3º trimestre 2015 adolescentes lição 023º trimestre 2015 adolescentes lição 02
3º trimestre 2015 adolescentes lição 02
Joel Silva
 
Lição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagraçãoLição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagração
Natalino das Neves Neves
 
Grau De Superioridade
Grau De  SuperioridadeGrau De  Superioridade
Grau De Superioridade
Pastor Robson Colaço
 
Grau de superioridade
Grau de superioridadeGrau de superioridade
Grau de superioridade
Pastor Robson Colaço
 
Doar órgãos (word)
Doar órgãos (word)Doar órgãos (word)
Doar órgãos (word)
PrLinaldo Junior
 
Doar órgãos (word)
Doar órgãos (word)Doar órgãos (word)
Doar órgãos (word)
PrLinaldo Junior
 

Semelhante a 3º trimestre 2015 adolescentes lição 13 (20)

Evangelismo 21-10 -de-Aula.pptx
Evangelismo 21-10 -de-Aula.pptxEvangelismo 21-10 -de-Aula.pptx
Evangelismo 21-10 -de-Aula.pptx
 
Manifeste seu progresso
Manifeste seu progressoManifeste seu progresso
Manifeste seu progresso
 
Manifeste seu progresso
Manifeste seu progressoManifeste seu progresso
Manifeste seu progresso
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 11
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 11Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 11
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 11
 
2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 11.pptx
 
LBA Lição 11 - A tolerância cristã
LBA Lição 11 - A tolerância cristãLBA Lição 11 - A tolerância cristã
LBA Lição 11 - A tolerância cristã
 
Cinco coisas que_o_cristao_nao_pode_esquecer
Cinco coisas que_o_cristao_nao_pode_esquecerCinco coisas que_o_cristao_nao_pode_esquecer
Cinco coisas que_o_cristao_nao_pode_esquecer
 
2014 3 TRI LIÇÃO 5 - O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
2014 3 TRI LIÇÃO 5 - O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA2014 3 TRI LIÇÃO 5 - O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
2014 3 TRI LIÇÃO 5 - O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
 
Palavras de células Maio
Palavras de células MaioPalavras de células Maio
Palavras de células Maio
 
Sou Crente... E Agora, o Que Eu Faço?
Sou Crente... E Agora, o Que Eu Faço?Sou Crente... E Agora, o Que Eu Faço?
Sou Crente... E Agora, o Que Eu Faço?
 
Dez ideais de Deus para os seus filhos
Dez ideais de Deus para os seus filhosDez ideais de Deus para os seus filhos
Dez ideais de Deus para os seus filhos
 
Aula 3 O homem aprovado na Sociedade.pptx
Aula 3  O homem aprovado  na Sociedade.pptxAula 3  O homem aprovado  na Sociedade.pptx
Aula 3 O homem aprovado na Sociedade.pptx
 
E.b.d adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d adultos 1ºtrimestre 2017 lição 02
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 02
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 023° trimestre 2015 Adolescentes Lição 02
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 02
 
3º trimestre 2015 adolescentes lição 02
3º trimestre 2015 adolescentes lição 023º trimestre 2015 adolescentes lição 02
3º trimestre 2015 adolescentes lição 02
 
Lição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagraçãoLição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagração
 
Grau De Superioridade
Grau De  SuperioridadeGrau De  Superioridade
Grau De Superioridade
 
Grau de superioridade
Grau de superioridadeGrau de superioridade
Grau de superioridade
 
Doar órgãos (word)
Doar órgãos (word)Doar órgãos (word)
Doar órgãos (word)
 
Doar órgãos (word)
Doar órgãos (word)Doar órgãos (word)
Doar órgãos (word)
 

Mais de Joel Silva

E.b.d adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d   adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 04E.b.d   adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 04
Joel Silva
 
E.b.d adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d   adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 03E.b.d   adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 03
Joel Silva
 
E.b.d adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 02
Joel Silva
 
E.b.d adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 01
E.b.d   adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 01E.b.d   adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 01
E.b.d adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 01
Joel Silva
 
E.b.d adolescentes 4ºtrimestre 2016 lição 13
E.b.d   adolescentes 4ºtrimestre 2016 lição 13E.b.d   adolescentes 4ºtrimestre 2016 lição 13
E.b.d adolescentes 4ºtrimestre 2016 lição 13
Joel Silva
 
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 12
E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 12E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 12
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 12
Joel Silva
 
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 11
E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 11E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 11
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 11
Joel Silva
 
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 10
E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 10E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 10
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 10
Joel Silva
 
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 09
E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 09E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 09
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 09
Joel Silva
 
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestres 2016 lição 08
E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestres 2016 lição 08E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestres 2016 lição 08
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestres 2016 lição 08
Joel Silva
 
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 07
E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 07E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 07
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 07
Joel Silva
 
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 06
E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 06E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 06
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 06
Joel Silva
 
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05
E.b.d  adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05E.b.d  adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05
Joel Silva
 
Ebd adolescentes - 4ºtrimestre 2016 - lição 02
Ebd   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 - lição 02Ebd   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 - lição 02
Ebd adolescentes - 4ºtrimestre 2016 - lição 02
Joel Silva
 
Ebd lição 01 3ºtrimestre 2016 adolescentes
Ebd   lição 01 3ºtrimestre 2016 adolescentesEbd   lição 01 3ºtrimestre 2016 adolescentes
Ebd lição 01 3ºtrimestre 2016 adolescentes
Joel Silva
 
2ºtrimestre 2016 adolescentes lição 13
2ºtrimestre 2016 adolescentes lição 132ºtrimestre 2016 adolescentes lição 13
2ºtrimestre 2016 adolescentes lição 13
Joel Silva
 
Ebd adolescentes - 2ºtrimestre 2016 lição 12
Ebd   adolescentes - 2ºtrimestre 2016 lição 12Ebd   adolescentes - 2ºtrimestre 2016 lição 12
Ebd adolescentes - 2ºtrimestre 2016 lição 12
Joel Silva
 
E.b.d adolescentes- 1º timestre 2016 lição 04
E.b.d  adolescentes- 1º timestre 2016 lição 04E.b.d  adolescentes- 1º timestre 2016 lição 04
E.b.d adolescentes- 1º timestre 2016 lição 04
Joel Silva
 
1º trimestre 2016 adolescentes lição 03
1º trimestre 2016 adolescentes lição 031º trimestre 2016 adolescentes lição 03
1º trimestre 2016 adolescentes lição 03
Joel Silva
 
4º trimestre 2015 adolescentes lição 06
4º trimestre 2015 adolescentes lição 064º trimestre 2015 adolescentes lição 06
4º trimestre 2015 adolescentes lição 06
Joel Silva
 

Mais de Joel Silva (20)

E.b.d adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d   adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 04E.b.d   adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 04
 
E.b.d adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d   adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 03E.b.d   adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 03
 
E.b.d adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 02
 
E.b.d adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 01
E.b.d   adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 01E.b.d   adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 01
E.b.d adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 01
 
E.b.d adolescentes 4ºtrimestre 2016 lição 13
E.b.d   adolescentes 4ºtrimestre 2016 lição 13E.b.d   adolescentes 4ºtrimestre 2016 lição 13
E.b.d adolescentes 4ºtrimestre 2016 lição 13
 
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 12
E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 12E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 12
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 12
 
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 11
E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 11E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 11
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 11
 
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 10
E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 10E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 10
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 10
 
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 09
E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 09E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 09
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 09
 
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestres 2016 lição 08
E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestres 2016 lição 08E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestres 2016 lição 08
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestres 2016 lição 08
 
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 07
E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 07E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 07
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 07
 
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 06
E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 06E.b.d   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 06
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 06
 
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05
E.b.d  adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05E.b.d  adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05
 
Ebd adolescentes - 4ºtrimestre 2016 - lição 02
Ebd   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 - lição 02Ebd   adolescentes - 4ºtrimestre 2016 - lição 02
Ebd adolescentes - 4ºtrimestre 2016 - lição 02
 
Ebd lição 01 3ºtrimestre 2016 adolescentes
Ebd   lição 01 3ºtrimestre 2016 adolescentesEbd   lição 01 3ºtrimestre 2016 adolescentes
Ebd lição 01 3ºtrimestre 2016 adolescentes
 
2ºtrimestre 2016 adolescentes lição 13
2ºtrimestre 2016 adolescentes lição 132ºtrimestre 2016 adolescentes lição 13
2ºtrimestre 2016 adolescentes lição 13
 
Ebd adolescentes - 2ºtrimestre 2016 lição 12
Ebd   adolescentes - 2ºtrimestre 2016 lição 12Ebd   adolescentes - 2ºtrimestre 2016 lição 12
Ebd adolescentes - 2ºtrimestre 2016 lição 12
 
E.b.d adolescentes- 1º timestre 2016 lição 04
E.b.d  adolescentes- 1º timestre 2016 lição 04E.b.d  adolescentes- 1º timestre 2016 lição 04
E.b.d adolescentes- 1º timestre 2016 lição 04
 
1º trimestre 2016 adolescentes lição 03
1º trimestre 2016 adolescentes lição 031º trimestre 2016 adolescentes lição 03
1º trimestre 2016 adolescentes lição 03
 
4º trimestre 2015 adolescentes lição 06
4º trimestre 2015 adolescentes lição 064º trimestre 2015 adolescentes lição 06
4º trimestre 2015 adolescentes lição 06
 

Último

Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
SrgioLinsPessoa
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docxPONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
ElijainaVelozoGonalv
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 

Último (18)

Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docxPONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 

3º trimestre 2015 adolescentes lição 13

  • 2. TEXTO BÍBLICO • 31) Portanto, quando vocês comem, ou bebem, ou fazem qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus. • 32) Vivam de tal maneira que não prejudiquem os judeus, nem os não judeus, nem a Igreja de Deus. (1 Co 10:31,32)
  • 3. DESTAQUE • “...Portanto, quando vocês comem, ou bebem, ou fazem qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus...” (1 Co 10:31)
  • 4. DEVOCIONAL • SEG......................................... 1 Co 10:31 • TER......................................... Is 40:5 • QUA........................................ Jo 17:4 • QUI.......................................... Ef 4:29 • SEX......................................... Mt 7:16-20 • SAB......................................... 1 Co 10:23 • DOM........................................ Tg 3:6
  • 5. OBJETIVOS • Conscientizar: De que devemos viver a liberdade cristã para a glória de Deus. • Mostrar: Que devemos glorificar a Deus com as nossas palavras • Fazê-los: Compreender que devemos glorificar a Deus com nossas atitudes.
  • 6. I – Vivendo a liberdade cristã para a Glória de Deus. • Versículo-chave: • 1 Co 10.23 • Todas as coisas são lícitas, mas nem todas convêm; todas são lícitas, mas nem todas edificam. • Alvo da lição: • Ao estudar esta lição, você se conscientizará da existência dos fortes e dos fracos na fé e será desafiado a viver em harmonia com todos os irmãos.
  • 7. • O apóstolo Paulo desfrutou com autoridade a liberdade cristã. • Sua maturidade espiritual revela completa emancipação de inibições e tabus religiosos sem ferir nenhum princípio bíblico.
  • 8. • Não sendo conivente com qualquer padrão antibíblico, Paulo se adaptava aos mais diversos ambientes com a finalidade de apresentar Cristo (1Co 9.22), porém, sabia que muitos cristãos não eram completamente emancipados como ele. • Por isso, na carta aos Romanos, exigiu que os “fracos” fossem tratados com cuidado, paciência e sabedoria pelos mais “fortes”.
  • 9. • A LIBERDADE CRISTÃ, nada mais é que o NÍVEL de RELACIONAMENTO que esse PEREGRINO, que esse EMBAIXADOR, pode ter com esse país, com esse MUNDO, onde está vivendo sem, contudo, ferir aos interesses da PÁTRIA CELESTIAL, da qual é REPRESENTANTE.
  • 10. • Enquanto vive nesse país, nesse MUNDO, DE PASSAGEM e MOMENTANEAMENTE, O que esse PEREGRINO EMBAIXADOR pode utilizar dele? • No que pode se beneficiar dele? De que pode agradar- se dele?
  • 11. Princípios de liberdade cristã (Rm 14.1-23) 1. Nem todos possuem a mesma fé (Rm 14.1-2) • A Bíblia registra pelo menos quatro graus de fé: nenhuma fé (Mc 4.35-41), pequena fé (Mt 14.22-33), grande fé (Mt 15.21-28) e inigualável fé (Mt 8.5-15). • Há pessoas que se encaixam nesses grupos, portanto, nem todas possuem a mesma fé. • A unidade da igreja em Roma estava ameaçada porque os cristãos maduros conflitavam com os cristãos imaturos.
  • 12. • Sabendo que os cristãos maduros entenderiam melhor esse conflito, Paulo direciona a eles dois conselhos práticos em relação aos mais imaturos:
  • 13. “Acolhei ao que é débil [fraco] na fé...”. • Aceitem genuinamente e de boa vontade os imaturos na fé. Recebam-nos amorosamente em seu círculo de amigos íntimos. “… não, porém, para discutir opiniões...”. • Não discutam assuntos controvertidos. Não entrem em conflitos de consciência pessoal.
  • 14. 2. O cristão não deve ser juiz de seu irmão (Rm 14.3- 4,7-12) • Não foi a única vez que Paulo escreveu condenando formas de julgamento humano. • Em 1Coríntios, ele diz: “...A mim mui pouco se me dá de ser julgado por vós ou por tribunal humano; nem eu tampouco julgo a mim mesmo… quem me julga é o Senhor. Portanto, nada julgueis antes do tempo, até que venha o Senhor...” (1Co 4.3-5). • O texto parece ecoar as palavras de Jesus:
  • 15. • “...Não julgueis, para que não sejais julgados...” (Mt 7.1).
  • 16. • O apelo fundamental do apóstolo é que não devemos julgar irmãos que discordam de nós. • O fraco deve ser aceito entre os cristãos como parte da igreja. • Ao explicar esse apelo, Paulo mostra que a razão da aceitação mútua é que Deus aceitou os dois grupos (Rm 14.2-3). • A questão não está entre crer ou não crer, mas entre ter ou não maturidade na fé.
  • 17. • John MacArthur resume esse pensamento ao dizer: • “O cristão forte come o que lhe agrada e agradece ao Senhor. • O irmão fraco come de acordo com a sua dieta cerimonial e agradece ao Senhor por ele ter feito um sacrifício em seu favor.
  • 18. 3. Cada pessoa tem as próprias convicções. (Rm 14.5-6) • Se antes o apóstolo usou o alimento para exemplificar a liberdade cristã. • Agora ele reforça o ensino usando o exemplo da diferença entre dias: “...um faz diferença entre dia e dia; outro julga iguais todos os dias...” (Rm 14.5).
  • 19. • O cristão judeu fraco na fé ainda se preocupava em guardar o sábado, e dias especiais associados à lei e aos costumes judaicos (Gl 4.8-10). O cristão gentio fraco na fé buscava completo distanciamento de qualquer dia ou festividade associada ao paganismo. Já o cristão maduro não era afetado por nenhuma dessas preocupações.
  • 20. • 4. O cristão não deve ser tropeço para ninguém (Rm 14.13,15-16,21) • Nesses versos, o apóstolo exorta o fraco a não criticar o forte, e chama a atenção do forte para deixar de apontar defeitos no fraco. • Os dois grupos não deveriam colocar qualquer tipo de obstáculo para causar tropeço no caminho de seus irmãos. Paulo ensina que a liberdade cristã não pode ser usada para prejudicar o irmão. • Nem uma de nossas ações pessoais vale mais do que o bem-estar do povo de Deus. Dessa forma, devemos procurar o que realmente contribui para a edificação dos irmãos em vez de permanecer obstinados em nossos direitos.
  • 21. 5. Que é o reino de Deus? (Rm 14.17-20) • “Se a primeira verdade teológica que suporta o apelo de Paulo para que os fortes se controlem é a cruz de Cristo, a segunda é o reino de Deus, isto é, o domínio gracioso de Deus através de Cristo e pelo Espírito na vida do seu povo, proporcionando-lhes uma livre salvação e exigindo uma obediência radical”.
  • 22. • Não podemos permitir que questões pessoais afetem a obra de Deus. • Algo que é bom para nós pode ser um obstáculo aos outros. O reino de Deus exige unidade.
  • 23. • 6. A pureza ou a impureza estão na consciência (Rm 14.14,22) • Paulo não está levando em consideração o padrão absoluto de Deus em relação à postura do crente.
  • 24. • Nesse caso, a consciência não seria levada em conta, e sim a própria conduta. • No texto, o apóstolo deixa claro que o fazer, por si só, e o não fazer é a mesma coisa perante Deus. • O apóstolo tinha convicção de que todas as coisas foram criadas por Deus, e tudo que foi criado é bom. • Assim, os alimentos e as bebidas que estão sendo discutidos na igreja de Roma são bons porque foi Deus quem os fez. • No entanto, nem todos interpretavam a questão, ou ainda o fazem, sob essa perspectiva. • Para a pessoa que considera algum alimento ou bebida algo impuro, sua consciência aponta um pecado do qual não quer participar, por isso Paulo diz que ela não deve comer ou beber tal coisa.
  • 25. 7. A fé é algo pessoal (Rm 14.23) • O apóstolo conclui o capítulo 14 fazendo distinção entre crer e agir, entre falar uma coisa e fazer outra. • Warren Wiersbe, citado por Hernandes D. Lopes, diz que “nenhum cristão pode ‘tomar emprestadas’ as convicões de outro para ter uma vida cristã honesta” • “...Para os puros, todas as coisas são puras; mas para os impuros e descrentes, nada é puro. De fato, tanto a mente como a consciência deles estão corrompidas...” Tito 1:15
  • 26. II – Glorificando a Deus com nossas palavras. • Na Bíblia, nossa língua é chamada de: • “...mundo de iniqüidade... que contamina o corpo inteiro... Com ela, bendizemos ao Senhor e Pai; também, com ela, amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus...” (Tg 3.6,9).
  • 27. • Na Palavra de Deus encontramos diversas instruções e exortações em relação ao uso da língua. • Por exemplo: “...Desvia de ti a falsidade da boca e afasta de ti a perversidade dos lábios...” (Pv 4.24).
  • 28. Áreas perigosas onde devemos vigiar nossa língua. 1. A mentira • No Antigo Testamento Deus já alertou: • “...Não furtareis, nem mentireis...” (Lv 19.11). • E no Novo Testamento somos exortados: • “...Por isso, deixando a mentira, fale cada um a verdade com o seu próximo, porque somos membros uns dos outros...” (Ef 4.25).
  • 29. • Em outras palavras: ninguém pode passar por cima da mentira; ela é séria demais e sempre deve ser exposta à luz. • Uma meia-verdade é uma mentira completa.
  • 30. 2. Calúnia e difamação. • É muito fácil acabar com a reputação de alguém falando apenas algumas poucas palavras. • É por essa razão que a calúnia e a difamação devem ser levadas muito a sério, pois fazem parte das piores atitudes nos relacionamentos humanos.
  • 31. 3. Exagerar ou minimizar os fatos. • Exageramos com facilidade quando se trata de nossas boas ações, mas quando contamos alguma coisa boa acerca de alguém, tendemos a diminuir suas qualidades.
  • 32. • Hoje ninguém é condenado à morte por ter mentido, caluniado, difamado, exagerado ou minimizado os fatos. • A graça de Jesus está acima da Lei. • Mas o pecado somente será perdoado quando for confessado: “...Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda a injustiça...” (1 Jo 1.9).