SlideShare uma empresa Scribd logo
SERRA POLICORTE
TREINAMENTO
SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE SERRA
POLICORTE
OBJETIVO
O OBJETIVO DESTE TREINAMENTO É CAPACITAR
COLABORADORES A OPERAR A SERRA POLICORTE DE
MANEIRA CORRETA E SEGURA, ATENDENDO TODAS
AS NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO
E PREVENINDO ACIDENTES.
TREINAMENTO DE CAPACITAÇÃO – SERRA POLICORTE
JUSTIFICATIVA
As máquinas e equipamentos são responsáveis por
grande parte dos acidentes de trabalho registrados
no Brasil.
PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA
JUSTIFICATIVA
25 % dos acidentes de trabalho no Brasil são
causados por máquinas ou equipamentos, seja
por ausência de dispositivos de proteção nas
máquinas ou por negligência, imprudência ou
imperícia do operador.
JUSTIFICATIVA
A melhor justificativa para este treinamento é a
PREVENÇÃO!
O QUE VOCÊ ACHA DESTA IMAGEM?
LEGISLAÇÃO
PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA
A NR 12 nos traz o seguinte texto:
12.135. A operação, manutenção, inspeção e
demais intervenções em máquinas e
equipamentos devem ser realizadas por
trabalhadores habilitados, qualificados,
capacitados ou autorizados para este fim.
Continuando...
12.136. Os trabalhadores envolvidos na operação,
manutenção, inspeção e demais intervenções em
máquinas e equipamentos devem receber
capacitação providenciada pelo empregador e
compatível com suas funções, que aborde os riscos a
que estão expostos e as medidas de proteção
existentes e necessárias, nos termos desta Norma,
para a prevenção de acidentes e doenças.
SERRA POLICORTE
CONHECENDO O EQUIPAMENTO...
A policorte é uma
máquina desenvolvida
para o corte reto de
peças metálicas (barras,
tubos e perfis
metálicos).
RISCOS DA POLICORTE
Por mais que seja uma máquina de simples
operação, a POLICORTE oferece riscos elevados
não só para o operador, mas para o pessoal do
entorno.
DISCO DE CORTE
• Contato direto com o disco de
corte;
• Rompimento e projeção do disco
de corte.
TRANSMISSÕES DE FORÇA
• Contato direto com correias e polias do equipamento.
RUÍDO ACIMA DOS LIMITES DE
TOLERÂNCIA
• Os trabalhadores podem trabalhar durante 8
horas expostos a ruídos de no máximo 80 dB.
• A serra policorte pode chegar até 100 dB,
muito acima do máximo!
CHOQUES ELÉTRICOS
• Contato com partes energizadas;
• Cabos desencapados;
• Dispositivos (chave, plug, tomada...) danificados;
• Falta de isolamento ou aterramento.
RISCOS NA OPERAÇÃO DA POLICORTE
• Falta de organização no ambiente de trabalho:
– Esforço desnecessário;
– Quedas e tropeções;
– Dificuldade na visualização das peças;
– Queda de materiais.
RISCOS NA OPERAÇÃO DA POLICORTE
• Manuseio dos materiais
– Esforço físico intenso;
– Queda de materiais;
– Riscos nos movimentos de abaixar e levantar;
RISCOS NA OPERAÇÃO DA POLICORTE
• Manuseio dos materiais
– Risco de lesão nas mãos;
– Batidas contra pessoas do entorno;
– Queimadura por contato com a peça quente.
RISCOS NA OPERAÇÃO DA POLICORTE
• Corte dos materiais
– Geração de centelhas (faíscas);
– Projeção de partículas
– Queda da máquina
– Quebra e projeção de pedaços do disco.
ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS
APR
É um documento que analisa previamente, ou
seja, com antecedência, os riscos de uma
máquina ou equipamento, citando os possíveis
danos e as medidas de proteção obrigatórias.
MÁQUINA/EQUIPAMENTO: Policorte USO PREVISTO: Cortes em materiais metálicos.
OPERAÇÃO: Só está autorizado a operar o equipamento o colaborador autorizado mediante
curso de capacitação fornecido pelo empregador.
EPIs OBRIGATÓRIOS DURANTE A OPERAÇÃO: Capacete, óculos de proteção, protetor facial,
protetor auditivo, calçado de segurança com palmilha e bico de aço, uniforme completo e luva
de poliamida.
SINALIZAÇÃO: A máquina e o local de instalação devem possuir sinalização de advertência
quanto aos riscos e os cuidados necessários durante a operação.
LOCAL DE INSTALAÇÃO
DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA
OBRIGATÓRIOS
 Possuir nível de iluminação adequado à atividade,
de acordo com a NBR 5413;
 Possuir piso firme, resistente, nivelado e
antiderrapante sendo mantido livre de objetos que
possam vir a causar acidentes de trabalho;
 Possuir local específico para o armazenamento dos
materiais utilizados nos processos;
 Ser protegido contra intempéries.
 Botão de parada de emergência;
 Proteção fixa do disco de corte;
 Proteção fixa das transmissões de força
mecânica;
 Aterramento elétrico.
APR
APR
PONTO
CRÍTICO
RISCOS/
SITUAÇÕES DE
PERIGO
DANOS
POTENCIAIS
SISTEMAS DE SEGURANÇA
Partes
potencialme
nte
energizadas
Choques elétricos
- Queimaduras
- Parada cardíaca
- Quedas
- Aterramento elétrico da carcaça do motor e partes metálicas
- Dispositivos elétricos adequados ao equipamento
- Dispositivo liga-desliga que impeça o funcionamento quando
da energização da máquina.
Geração de
ruídos
Ruído acima dos
limites de tolerância
na posição de
trabalho
- Perda auditiva
- Distúrbios
fisiológicos.
- Proteção individual: Protetor auditivo tipo plug ou tipo
concha.
APR
Transmissõ
es de força
mecânica
Contato direto com
as correias e polias
- Cortes
- Esmagamento
- Amputação
- Proteção fixa: Enclausuramento da zona de risco e
impedimento do acesso.
Posicionam
ento da
máquina
Queda ou
desequilíbrio da
máquina
- Impacto contra
o operador
- Escoriações
- Cortes
- Esmagamento
- A máquina deve ser aparafusada em uma bancada
firme e nivelada, construída com material resistente
que suporte as cargas a ela aplicadas.
Disco de
corte
Rompimento e
projeção do disco
- Cortes
- Amputação
- Proteção fixa do disco contra projeção de partículas
PONTO
CRÍTICO
RISCOS/
SITUAÇÕES DE
PERIGO
DANOS
POTENCIAIS
SISTEMAS DE SEGURANÇA
Zona de risco enclausurada
APR
RISCOS RESIDUAIS NÃO PASSÍVEIS DE PROTEÇÃO
Os riscos residuais, aqueles que não são passíveis de proteção, serão minimizados
com a implementação de medidas de ordem administrativa e educativa, como
PROCEDIMENTOS, permissões de trabalho e TREINAMENTOS DE CAPACITAÇÃO. A
utilização efetiva de EPI por parte do operador do equipamento também se
caracteriza uma forma eficaz de reduzir ou eliminar os riscos do equipamento.
PONTO
CRÍTICO
RISCOS
RESIDUAIS
DANOS
POTENCIAIS
MEDIDAS DE PREVENÇÃO
Disco de
corte
Acesso ao disco
de corte
durante a
operação
-Corte
-Amputação
-Escoriações
- Seguir rigorosamente o
PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA
durante a operação do equipamento.
- Utilizar os EPI de maneira efetiva.
PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA
Documento criado a partir da análise de risco,
que descreve como o trabalho deve ser
realizado, as medidas de segurança, os sistemas
obrigatórios, o passo a passo da tarefa, enfim, o
que deve e o que não deve ser feito durante a
operação.
PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA
OPERAÇÃO DE POLICORTE
1 - OBJETIVO
Definir os procedimentos que deverão ser seguidos nas
atividades que envolvam a operação de policorte bem
como as medidas de segurança necessárias para
desenvolver tais atividades.
PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA
OPERAÇÃO DE POLICORTE
2 - APLICAÇÃO
Este procedimento aplica-se a todos os trabalhos que
envolvam a utilização de policorte.
PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA
OPERAÇÃO DE POLICORTE
3 – REFERÊNCIAS
a) Documentos internos
• PPRA
• PCMSO
• Acordo de Funções
• OS - Ordem de serviço
• PS-01 – Procedimento de Treinamento
PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA
OPERAÇÃO DE POLICORTE
3 – REFERÊNCIAS
b)Normas Regulamentadoras previstas na Lei N° 6.514 de 1977.
PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA
OPERAÇÃO DE POLICORTE
3 – REFERÊNCIAS
b)Normas Regulamentadoras previstas na Lei N° 6.514 de 1977.
4 - RESPONSABILIDADES
Colaboradores
• Operar a policorte de acordo com as diretrizes
descritas no presente procedimento.
PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA
4 - RESPONSABILIDADES
Encarregados
• Supervisionar as atividades que envolvem
operação de policorte no seu respectivo setor;
• Cabe ao encarregado geral definir os
colaboradores que irão operar a policorte;
PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA
4 - RESPONSABILIDADES
SESMT
• Fiscalizar as atividades de operação de
policorte e propor melhorias no que diz
respeito à prevenção de acidentes durante a
operação;
• Ministrar os treinamentos de capacitação para
a operação de policorte.
PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA
5 – Instruções para operação de
policorte
• Deve ser operada exclusivamente por colaborador
autorizado que tenha recebido capacitação mediante
treinamento fornecido pelo empregador;
• Não deve ser operada em locais com atmosfera
explosiva bem como na presença de substâncias
inflamáveis;
• Os locais onde forem executados trabalhos com
policorte e que apresentarem risco de incêndio
deverão possuir extintores de incêndio adequados
aos tipos de materiais combustíveis;
5 – Instruções para operação de
policorte
• Os plugues, cabos de alimentação e botões de
acionamento devem estar em perfeitas condições
de uso; (Não utilizar caso não estejam).
• A máquina deve ser instalada em uma mesa ou
bancada, disposta em piso firme, resistente e
nivelado;
• A máquina não deve ser operada sob chuva;
5 – Instruções para operação de
policorte
• Ao operar a policorte, o operador deve manter
atenção redobrada;
• Não operar o equipamento sem apresentar plenas
condições físicas e psicológicas;
• O operador não deve operar o equipamento sob
efeito de álcool e drogas ou ainda de
medicamentos que possam alterar sua capacidade
física ou mental;
5 – Instruções para operação de
policorte
• Antes do início dos trabalhos, o operador deve
fazer uma inspeção visual do equipamento, a fim
de identificar possíveis defeitos; (prática)
• O disco deve ser cuidadosamente inspecionado
antes de iniciar qualquer serviço, buscando-se
identificar fissuras, rachaduras ou trincas;
• Os discos que não apresentarem condições
seguras de uso devem ser substituídos por discos
novos adequados ao serviço que será realizado;
5 – Instruções para operação de
policorte
• Desligar o equipamento da fonte de energia
sempre que houver a necessidade de substituição
do disco; (desernegizar o equipamento)
• Ao trocar o disco, o operador deve assegurar que
o novo disco esteja bem preso ao equipamento,
antes de liga-lo;
• Após trocar o disco, o operador deve funcionar o
equipamento à máxima velocidade sem nenhuma
carga, durante um minuto;
5 – Instruções para operação de
policorte
• O trabalho não deve ser iniciado caso o
equipamento apresente algum defeito que possa
colocar em risco a segurança do operador ou dos
colaboradores do entorno;
• O ambiente de trabalho deve ser suficientemente
iluminado para a execução dos serviços;
5 – Instruções para operação de
policorte
• O ambiente de trabalho deve ser organizado, de
forma que nenhum material, ferramenta ou objeto
atrapalhe ou dificulte a operação da policorte ou
ofereça algum risco de acidente aos colaboradores;
• Ao abaixar para apanhar os materiais a serem
cortados, o operador deve flexionar os joelhos e não
a coluna;
• Caso as peças metálicas seja muito pesadas, o
operador deve solicitar a ajuda de um ou mais
colaboradores, evitando esforço indevido;
5 – Instruções para operação de
policorte
• O equipamento deve ser operado
obrigatoriamente com a proteção do disco;
JAMAIS OPERAR O EQUIPAMENTO SEM A
PROTEÇÃO DO DISCO
• Ao serrar peças longas, as mesmas devem
permanecer apoiadas durante toda a operação;
5 – Instruções para operação de
policorte
• Não forçar o equipamento além da sua capacidade de
corte e nem exercer pressão excessiva durante o
corte;
• Antes de iniciar o corte, o operador deve esperar a
policorte atingir sua velocidade máxima;
• O operador não deve posicionar-se em linha atrás do
disco; (posicionar-se lateralmente)
• Manter-se em posição firme e segura, com ambos os
pés plantados no chão;
5 – Instruções para operação de
policorte
• Sempre que necessário o equipamento deve ser
limpo;
• Os serviços de limpeza, manutenção e reparo
(incluindo a substituição do disco) deverão ser
realizados com a policorte desconectada da fonte
de energia elétrica;
• O operador deve assegurar que nenhuma pessoa
permaneça na zona de risco sem as devidas
proteções;
5 – Instruções para operação de
policorte
• Deve haver, atrás do equipamento, um anteparo
de proteção para a contenção das fagulhas
geradas durante o corte;
• Ao ligar o equipamento na fonte de energia, o
operador deve se certificar de que a chave de liga
e desliga esteja na posição “desligado”;
• O operador deve desligar o equipamento
imediatamente caso algum defeito seja
identificado, e só religar depois de sanado o
problema;
5 – Instruções para operação de
policorte
• Utilizar morsa para prender e estabilizar o
material a ser cortado.
• Durante a operação, o operador deve manter as
mãos fora da região de ação do disco de corte;
• Durante a utilização da policorte, o operador não
deve tentar alcançar objetos que estejam
distantes;
5 – Instruções para operação de
policorte
• É proibido utilizar a lateral do disco para desbastar
peças metálicas;
• É proibida a utilização de adornos durante a
operação da policorte;
• É proibida a utilização de roupas largas que
possam entrar em contato com o disco
acidentalmente.
EPI
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL DE
USO OBRIGATÓRIO.
Os EPIs, se usados de maneira correta e efetiva,
neutralizam ou até eliminam a as consequências
lesivas dos agentes de risco.
Óculos de proteção:
Protetor facial:
Protetor auditivo:
Capacete:
Calçado com biqueira e
solado de aço:
Luva de raspa:
Avental de raspa:
TREINAMENTO PRÁTICO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRASMODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
Mateus Borges
 
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptxNR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
Leomir Borghardt
 
Treinamento NR 18 .pptx
Treinamento NR 18  .pptxTreinamento NR 18  .pptx
Treinamento NR 18 .pptx
MarceloRodriguesdaLu2
 
Treinamento lixadeira
Treinamento lixadeiraTreinamento lixadeira
Treinamento lixadeira
VagnoAlvesmonteiro
 
Máquinas e equipamentos
Máquinas e equipamentosMáquinas e equipamentos
Máquinas e equipamentos
Mauricio Cesar Soares
 
Treinamento pta
Treinamento ptaTreinamento pta
Treinamento pta
RogrioTorresTorres
 
Nr18
Nr18Nr18
Certificado nr 12
Certificado nr 12Certificado nr 12
Certificado nr 12
Marcos Rodrigues
 
Apr espaço confinado
Apr   espaço confinadoApr   espaço confinado
Apr espaço confinado
Jose Adilson
 
232107594 treinamento-serra bancada
232107594 treinamento-serra bancada232107594 treinamento-serra bancada
232107594 treinamento-serra bancada
ssuser3dd51f
 
Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11
Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11
Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11
GAC CURSOS ONLINE
 
2 treinamento de bloqueio 02-05_2013
2   treinamento de bloqueio 02-05_20132   treinamento de bloqueio 02-05_2013
2 treinamento de bloqueio 02-05_2013
Jefferson Navarro
 
Treinamento NR-12- 2023.pptx
Treinamento NR-12- 2023.pptxTreinamento NR-12- 2023.pptx
Treinamento NR-12- 2023.pptx
Antonio Bezerra
 
Treinamento nr 12
Treinamento nr 12Treinamento nr 12
Treinamento nr 12
RogrioTorresTorres
 
Nr 12
Nr 12Nr 12
28 modelos de ordens de servicos mega seguranca do trabalho
28 modelos de ordens de servicos   mega seguranca do trabalho28 modelos de ordens de servicos   mega seguranca do trabalho
28 modelos de ordens de servicos mega seguranca do trabalho
quantizar
 
Nr 6 treinamento
Nr 6 treinamentoNr 6 treinamento
Nr 6 treinamento
André Kovtun Sliachticas
 
Segurança lixadeira
Segurança lixadeiraSegurança lixadeira
Segurança lixadeira
Taube Ale
 
APR
APRAPR
Treinamento sobre epi
Treinamento sobre epiTreinamento sobre epi
Treinamento sobre epi
Nathanael Rodrigues
 

Mais procurados (20)

MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRASMODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
 
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptxNR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
 
Treinamento NR 18 .pptx
Treinamento NR 18  .pptxTreinamento NR 18  .pptx
Treinamento NR 18 .pptx
 
Treinamento lixadeira
Treinamento lixadeiraTreinamento lixadeira
Treinamento lixadeira
 
Máquinas e equipamentos
Máquinas e equipamentosMáquinas e equipamentos
Máquinas e equipamentos
 
Treinamento pta
Treinamento ptaTreinamento pta
Treinamento pta
 
Nr18
Nr18Nr18
Nr18
 
Certificado nr 12
Certificado nr 12Certificado nr 12
Certificado nr 12
 
Apr espaço confinado
Apr   espaço confinadoApr   espaço confinado
Apr espaço confinado
 
232107594 treinamento-serra bancada
232107594 treinamento-serra bancada232107594 treinamento-serra bancada
232107594 treinamento-serra bancada
 
Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11
Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11
Segurança e Saúde no Transporte, Movimentação e Armazenagem de Materiais - NR 11
 
2 treinamento de bloqueio 02-05_2013
2   treinamento de bloqueio 02-05_20132   treinamento de bloqueio 02-05_2013
2 treinamento de bloqueio 02-05_2013
 
Treinamento NR-12- 2023.pptx
Treinamento NR-12- 2023.pptxTreinamento NR-12- 2023.pptx
Treinamento NR-12- 2023.pptx
 
Treinamento nr 12
Treinamento nr 12Treinamento nr 12
Treinamento nr 12
 
Nr 12
Nr 12Nr 12
Nr 12
 
28 modelos de ordens de servicos mega seguranca do trabalho
28 modelos de ordens de servicos   mega seguranca do trabalho28 modelos de ordens de servicos   mega seguranca do trabalho
28 modelos de ordens de servicos mega seguranca do trabalho
 
Nr 6 treinamento
Nr 6 treinamentoNr 6 treinamento
Nr 6 treinamento
 
Segurança lixadeira
Segurança lixadeiraSegurança lixadeira
Segurança lixadeira
 
APR
APRAPR
APR
 
Treinamento sobre epi
Treinamento sobre epiTreinamento sobre epi
Treinamento sobre epi
 

Semelhante a 232107594 treinamento-serra-policorte

232107594-Treinamento-Serra-Policorte.pptx
232107594-Treinamento-Serra-Policorte.pptx232107594-Treinamento-Serra-Policorte.pptx
232107594-Treinamento-Serra-Policorte.pptx
MarcosJnio3
 
TREINAMENTO SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE SERRA POLICORTE.pptx
TREINAMENTO SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE SERRA POLICORTE.pptxTREINAMENTO SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE SERRA POLICORTE.pptx
TREINAMENTO SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE SERRA POLICORTE.pptx
JONATO1
 
06 - nr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptx
06 - nr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptx06 - nr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptx
06 - nr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptx
LucasSantosBitti
 
nr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptx
nr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptxnr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptx
nr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptx
IvoneSobrinho1
 
Ordem de-servico
Ordem de-servicoOrdem de-servico
Ordem de-servico
Wíndila Santana
 
TREINAMENTO MARTELETE.pptx
TREINAMENTO MARTELETE.pptxTREINAMENTO MARTELETE.pptx
TREINAMENTO MARTELETE.pptx
RicardoTST2
 
Ordem de serviço operador de maquina perfuratriz
Ordem de serviço operador de maquina perfuratrizOrdem de serviço operador de maquina perfuratriz
Ordem de serviço operador de maquina perfuratriz
Paulo Carvalho
 
Treinamento maquinas e equipamentos - nr12
Treinamento maquinas e equipamentos - nr12Treinamento maquinas e equipamentos - nr12
Treinamento maquinas e equipamentos - nr12
CiceroRamon3
 
Ordem de-servico-eletricista
Ordem de-servico-eletricistaOrdem de-servico-eletricista
Ordem de-servico-eletricista
Rerisson Cristiano R Rodrigues
 
Apresentação elcoeste
Apresentação elcoesteApresentação elcoeste
Apresentação elcoeste
Miguel_S
 
TREINAMENTO NR 35.HKKMKKJKLHGUJBUJGBJHJH
TREINAMENTO NR 35.HKKMKKJKLHGUJBUJGBJHJHTREINAMENTO NR 35.HKKMKKJKLHGUJBUJGBJHJH
TREINAMENTO NR 35.HKKMKKJKLHGUJBUJGBJHJH
danielasouzadegodoib
 
Ordem de-servico-eletricista
Ordem de-servico-eletricistaOrdem de-servico-eletricista
Ordem de-servico-eletricista
Andre Cruz
 
Treinamento NR11 operador retroescavadeira.pptx
Treinamento NR11 operador retroescavadeira.pptxTreinamento NR11 operador retroescavadeira.pptx
Treinamento NR11 operador retroescavadeira.pptx
HugoRossoniFellipe
 
TRABALHO EM ALTURA.pdf
TRABALHO EM ALTURA.pdfTRABALHO EM ALTURA.pdf
TRABALHO EM ALTURA.pdf
Isvaldo Gomes De Oliveira
 
Norma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptx
Norma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptxNorma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptx
Norma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptx
Weelton1
 
A nr 12 e as maquinas ccbrun ox
A nr 12 e as maquinas ccbrun oxA nr 12 e as maquinas ccbrun ox
A nr 12 e as maquinas ccbrun ox
CassiaTst
 
NR 12.pptx
NR 12.pptxNR 12.pptx
TREINAMENTO DE PROTEÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - 2.pptx
TREINAMENTO DE PROTEÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - 2.pptxTREINAMENTO DE PROTEÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - 2.pptx
TREINAMENTO DE PROTEÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - 2.pptx
EngenheiroSlavattori
 
Segurança com plataforma elevatória
Segurança com plataforma elevatóriaSegurança com plataforma elevatória
Segurança com plataforma elevatória
paulojvaz2011
 
Epis.pptx
Epis.pptxEpis.pptx
Epis.pptx
SuelenSouza57
 

Semelhante a 232107594 treinamento-serra-policorte (20)

232107594-Treinamento-Serra-Policorte.pptx
232107594-Treinamento-Serra-Policorte.pptx232107594-Treinamento-Serra-Policorte.pptx
232107594-Treinamento-Serra-Policorte.pptx
 
TREINAMENTO SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE SERRA POLICORTE.pptx
TREINAMENTO SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE SERRA POLICORTE.pptxTREINAMENTO SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE SERRA POLICORTE.pptx
TREINAMENTO SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE SERRA POLICORTE.pptx
 
06 - nr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptx
06 - nr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptx06 - nr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptx
06 - nr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptx
 
nr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptx
nr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptxnr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptx
nr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptx
 
Ordem de-servico
Ordem de-servicoOrdem de-servico
Ordem de-servico
 
TREINAMENTO MARTELETE.pptx
TREINAMENTO MARTELETE.pptxTREINAMENTO MARTELETE.pptx
TREINAMENTO MARTELETE.pptx
 
Ordem de serviço operador de maquina perfuratriz
Ordem de serviço operador de maquina perfuratrizOrdem de serviço operador de maquina perfuratriz
Ordem de serviço operador de maquina perfuratriz
 
Treinamento maquinas e equipamentos - nr12
Treinamento maquinas e equipamentos - nr12Treinamento maquinas e equipamentos - nr12
Treinamento maquinas e equipamentos - nr12
 
Ordem de-servico-eletricista
Ordem de-servico-eletricistaOrdem de-servico-eletricista
Ordem de-servico-eletricista
 
Apresentação elcoeste
Apresentação elcoesteApresentação elcoeste
Apresentação elcoeste
 
TREINAMENTO NR 35.HKKMKKJKLHGUJBUJGBJHJH
TREINAMENTO NR 35.HKKMKKJKLHGUJBUJGBJHJHTREINAMENTO NR 35.HKKMKKJKLHGUJBUJGBJHJH
TREINAMENTO NR 35.HKKMKKJKLHGUJBUJGBJHJH
 
Ordem de-servico-eletricista
Ordem de-servico-eletricistaOrdem de-servico-eletricista
Ordem de-servico-eletricista
 
Treinamento NR11 operador retroescavadeira.pptx
Treinamento NR11 operador retroescavadeira.pptxTreinamento NR11 operador retroescavadeira.pptx
Treinamento NR11 operador retroescavadeira.pptx
 
TRABALHO EM ALTURA.pdf
TRABALHO EM ALTURA.pdfTRABALHO EM ALTURA.pdf
TRABALHO EM ALTURA.pdf
 
Norma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptx
Norma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptxNorma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptx
Norma regulamentadora NR35 - TRABALHO EM ALTURA.pptx
 
A nr 12 e as maquinas ccbrun ox
A nr 12 e as maquinas ccbrun oxA nr 12 e as maquinas ccbrun ox
A nr 12 e as maquinas ccbrun ox
 
NR 12.pptx
NR 12.pptxNR 12.pptx
NR 12.pptx
 
TREINAMENTO DE PROTEÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - 2.pptx
TREINAMENTO DE PROTEÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - 2.pptxTREINAMENTO DE PROTEÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - 2.pptx
TREINAMENTO DE PROTEÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - 2.pptx
 
Segurança com plataforma elevatória
Segurança com plataforma elevatóriaSegurança com plataforma elevatória
Segurança com plataforma elevatória
 
Epis.pptx
Epis.pptxEpis.pptx
Epis.pptx
 

Último

000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 

232107594 treinamento-serra-policorte

  • 3. OBJETIVO O OBJETIVO DESTE TREINAMENTO É CAPACITAR COLABORADORES A OPERAR A SERRA POLICORTE DE MANEIRA CORRETA E SEGURA, ATENDENDO TODAS AS NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO E PREVENINDO ACIDENTES. TREINAMENTO DE CAPACITAÇÃO – SERRA POLICORTE
  • 4. JUSTIFICATIVA As máquinas e equipamentos são responsáveis por grande parte dos acidentes de trabalho registrados no Brasil. PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA
  • 5. JUSTIFICATIVA 25 % dos acidentes de trabalho no Brasil são causados por máquinas ou equipamentos, seja por ausência de dispositivos de proteção nas máquinas ou por negligência, imprudência ou imperícia do operador.
  • 6. JUSTIFICATIVA A melhor justificativa para este treinamento é a PREVENÇÃO!
  • 7. O QUE VOCÊ ACHA DESTA IMAGEM?
  • 9. A NR 12 nos traz o seguinte texto: 12.135. A operação, manutenção, inspeção e demais intervenções em máquinas e equipamentos devem ser realizadas por trabalhadores habilitados, qualificados, capacitados ou autorizados para este fim.
  • 10. Continuando... 12.136. Os trabalhadores envolvidos na operação, manutenção, inspeção e demais intervenções em máquinas e equipamentos devem receber capacitação providenciada pelo empregador e compatível com suas funções, que aborde os riscos a que estão expostos e as medidas de proteção existentes e necessárias, nos termos desta Norma, para a prevenção de acidentes e doenças.
  • 12. A policorte é uma máquina desenvolvida para o corte reto de peças metálicas (barras, tubos e perfis metálicos).
  • 13.
  • 14. RISCOS DA POLICORTE Por mais que seja uma máquina de simples operação, a POLICORTE oferece riscos elevados não só para o operador, mas para o pessoal do entorno.
  • 15. DISCO DE CORTE • Contato direto com o disco de corte; • Rompimento e projeção do disco de corte.
  • 16. TRANSMISSÕES DE FORÇA • Contato direto com correias e polias do equipamento.
  • 17. RUÍDO ACIMA DOS LIMITES DE TOLERÂNCIA • Os trabalhadores podem trabalhar durante 8 horas expostos a ruídos de no máximo 80 dB. • A serra policorte pode chegar até 100 dB, muito acima do máximo!
  • 18. CHOQUES ELÉTRICOS • Contato com partes energizadas; • Cabos desencapados; • Dispositivos (chave, plug, tomada...) danificados; • Falta de isolamento ou aterramento.
  • 19. RISCOS NA OPERAÇÃO DA POLICORTE • Falta de organização no ambiente de trabalho: – Esforço desnecessário; – Quedas e tropeções; – Dificuldade na visualização das peças; – Queda de materiais.
  • 20. RISCOS NA OPERAÇÃO DA POLICORTE • Manuseio dos materiais – Esforço físico intenso; – Queda de materiais; – Riscos nos movimentos de abaixar e levantar;
  • 21. RISCOS NA OPERAÇÃO DA POLICORTE • Manuseio dos materiais – Risco de lesão nas mãos; – Batidas contra pessoas do entorno; – Queimadura por contato com a peça quente.
  • 22. RISCOS NA OPERAÇÃO DA POLICORTE • Corte dos materiais – Geração de centelhas (faíscas); – Projeção de partículas – Queda da máquina – Quebra e projeção de pedaços do disco.
  • 23. ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR É um documento que analisa previamente, ou seja, com antecedência, os riscos de uma máquina ou equipamento, citando os possíveis danos e as medidas de proteção obrigatórias.
  • 24. MÁQUINA/EQUIPAMENTO: Policorte USO PREVISTO: Cortes em materiais metálicos. OPERAÇÃO: Só está autorizado a operar o equipamento o colaborador autorizado mediante curso de capacitação fornecido pelo empregador. EPIs OBRIGATÓRIOS DURANTE A OPERAÇÃO: Capacete, óculos de proteção, protetor facial, protetor auditivo, calçado de segurança com palmilha e bico de aço, uniforme completo e luva de poliamida. SINALIZAÇÃO: A máquina e o local de instalação devem possuir sinalização de advertência quanto aos riscos e os cuidados necessários durante a operação. LOCAL DE INSTALAÇÃO DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA OBRIGATÓRIOS  Possuir nível de iluminação adequado à atividade, de acordo com a NBR 5413;  Possuir piso firme, resistente, nivelado e antiderrapante sendo mantido livre de objetos que possam vir a causar acidentes de trabalho;  Possuir local específico para o armazenamento dos materiais utilizados nos processos;  Ser protegido contra intempéries.  Botão de parada de emergência;  Proteção fixa do disco de corte;  Proteção fixa das transmissões de força mecânica;  Aterramento elétrico. APR
  • 25. APR PONTO CRÍTICO RISCOS/ SITUAÇÕES DE PERIGO DANOS POTENCIAIS SISTEMAS DE SEGURANÇA Partes potencialme nte energizadas Choques elétricos - Queimaduras - Parada cardíaca - Quedas - Aterramento elétrico da carcaça do motor e partes metálicas - Dispositivos elétricos adequados ao equipamento - Dispositivo liga-desliga que impeça o funcionamento quando da energização da máquina. Geração de ruídos Ruído acima dos limites de tolerância na posição de trabalho - Perda auditiva - Distúrbios fisiológicos. - Proteção individual: Protetor auditivo tipo plug ou tipo concha.
  • 26. APR Transmissõ es de força mecânica Contato direto com as correias e polias - Cortes - Esmagamento - Amputação - Proteção fixa: Enclausuramento da zona de risco e impedimento do acesso. Posicionam ento da máquina Queda ou desequilíbrio da máquina - Impacto contra o operador - Escoriações - Cortes - Esmagamento - A máquina deve ser aparafusada em uma bancada firme e nivelada, construída com material resistente que suporte as cargas a ela aplicadas. Disco de corte Rompimento e projeção do disco - Cortes - Amputação - Proteção fixa do disco contra projeção de partículas PONTO CRÍTICO RISCOS/ SITUAÇÕES DE PERIGO DANOS POTENCIAIS SISTEMAS DE SEGURANÇA
  • 27. Zona de risco enclausurada
  • 28. APR RISCOS RESIDUAIS NÃO PASSÍVEIS DE PROTEÇÃO Os riscos residuais, aqueles que não são passíveis de proteção, serão minimizados com a implementação de medidas de ordem administrativa e educativa, como PROCEDIMENTOS, permissões de trabalho e TREINAMENTOS DE CAPACITAÇÃO. A utilização efetiva de EPI por parte do operador do equipamento também se caracteriza uma forma eficaz de reduzir ou eliminar os riscos do equipamento. PONTO CRÍTICO RISCOS RESIDUAIS DANOS POTENCIAIS MEDIDAS DE PREVENÇÃO Disco de corte Acesso ao disco de corte durante a operação -Corte -Amputação -Escoriações - Seguir rigorosamente o PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA durante a operação do equipamento. - Utilizar os EPI de maneira efetiva.
  • 29. PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA Documento criado a partir da análise de risco, que descreve como o trabalho deve ser realizado, as medidas de segurança, os sistemas obrigatórios, o passo a passo da tarefa, enfim, o que deve e o que não deve ser feito durante a operação.
  • 30. PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA OPERAÇÃO DE POLICORTE 1 - OBJETIVO Definir os procedimentos que deverão ser seguidos nas atividades que envolvam a operação de policorte bem como as medidas de segurança necessárias para desenvolver tais atividades.
  • 31. PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA OPERAÇÃO DE POLICORTE 2 - APLICAÇÃO Este procedimento aplica-se a todos os trabalhos que envolvam a utilização de policorte.
  • 32. PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA OPERAÇÃO DE POLICORTE 3 – REFERÊNCIAS a) Documentos internos • PPRA • PCMSO • Acordo de Funções • OS - Ordem de serviço • PS-01 – Procedimento de Treinamento
  • 33. PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA OPERAÇÃO DE POLICORTE 3 – REFERÊNCIAS b)Normas Regulamentadoras previstas na Lei N° 6.514 de 1977.
  • 34. PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA OPERAÇÃO DE POLICORTE 3 – REFERÊNCIAS b)Normas Regulamentadoras previstas na Lei N° 6.514 de 1977.
  • 35. 4 - RESPONSABILIDADES Colaboradores • Operar a policorte de acordo com as diretrizes descritas no presente procedimento. PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA
  • 36. 4 - RESPONSABILIDADES Encarregados • Supervisionar as atividades que envolvem operação de policorte no seu respectivo setor; • Cabe ao encarregado geral definir os colaboradores que irão operar a policorte; PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA
  • 37. 4 - RESPONSABILIDADES SESMT • Fiscalizar as atividades de operação de policorte e propor melhorias no que diz respeito à prevenção de acidentes durante a operação; • Ministrar os treinamentos de capacitação para a operação de policorte. PROCEDIMENTO DE SEGURANÇA
  • 38. 5 – Instruções para operação de policorte • Deve ser operada exclusivamente por colaborador autorizado que tenha recebido capacitação mediante treinamento fornecido pelo empregador; • Não deve ser operada em locais com atmosfera explosiva bem como na presença de substâncias inflamáveis; • Os locais onde forem executados trabalhos com policorte e que apresentarem risco de incêndio deverão possuir extintores de incêndio adequados aos tipos de materiais combustíveis;
  • 39. 5 – Instruções para operação de policorte • Os plugues, cabos de alimentação e botões de acionamento devem estar em perfeitas condições de uso; (Não utilizar caso não estejam). • A máquina deve ser instalada em uma mesa ou bancada, disposta em piso firme, resistente e nivelado; • A máquina não deve ser operada sob chuva;
  • 40. 5 – Instruções para operação de policorte • Ao operar a policorte, o operador deve manter atenção redobrada; • Não operar o equipamento sem apresentar plenas condições físicas e psicológicas; • O operador não deve operar o equipamento sob efeito de álcool e drogas ou ainda de medicamentos que possam alterar sua capacidade física ou mental;
  • 41. 5 – Instruções para operação de policorte • Antes do início dos trabalhos, o operador deve fazer uma inspeção visual do equipamento, a fim de identificar possíveis defeitos; (prática) • O disco deve ser cuidadosamente inspecionado antes de iniciar qualquer serviço, buscando-se identificar fissuras, rachaduras ou trincas; • Os discos que não apresentarem condições seguras de uso devem ser substituídos por discos novos adequados ao serviço que será realizado;
  • 42. 5 – Instruções para operação de policorte • Desligar o equipamento da fonte de energia sempre que houver a necessidade de substituição do disco; (desernegizar o equipamento) • Ao trocar o disco, o operador deve assegurar que o novo disco esteja bem preso ao equipamento, antes de liga-lo; • Após trocar o disco, o operador deve funcionar o equipamento à máxima velocidade sem nenhuma carga, durante um minuto;
  • 43. 5 – Instruções para operação de policorte • O trabalho não deve ser iniciado caso o equipamento apresente algum defeito que possa colocar em risco a segurança do operador ou dos colaboradores do entorno; • O ambiente de trabalho deve ser suficientemente iluminado para a execução dos serviços;
  • 44. 5 – Instruções para operação de policorte • O ambiente de trabalho deve ser organizado, de forma que nenhum material, ferramenta ou objeto atrapalhe ou dificulte a operação da policorte ou ofereça algum risco de acidente aos colaboradores; • Ao abaixar para apanhar os materiais a serem cortados, o operador deve flexionar os joelhos e não a coluna; • Caso as peças metálicas seja muito pesadas, o operador deve solicitar a ajuda de um ou mais colaboradores, evitando esforço indevido;
  • 45. 5 – Instruções para operação de policorte • O equipamento deve ser operado obrigatoriamente com a proteção do disco; JAMAIS OPERAR O EQUIPAMENTO SEM A PROTEÇÃO DO DISCO • Ao serrar peças longas, as mesmas devem permanecer apoiadas durante toda a operação;
  • 46. 5 – Instruções para operação de policorte • Não forçar o equipamento além da sua capacidade de corte e nem exercer pressão excessiva durante o corte; • Antes de iniciar o corte, o operador deve esperar a policorte atingir sua velocidade máxima; • O operador não deve posicionar-se em linha atrás do disco; (posicionar-se lateralmente) • Manter-se em posição firme e segura, com ambos os pés plantados no chão;
  • 47. 5 – Instruções para operação de policorte • Sempre que necessário o equipamento deve ser limpo; • Os serviços de limpeza, manutenção e reparo (incluindo a substituição do disco) deverão ser realizados com a policorte desconectada da fonte de energia elétrica; • O operador deve assegurar que nenhuma pessoa permaneça na zona de risco sem as devidas proteções;
  • 48. 5 – Instruções para operação de policorte • Deve haver, atrás do equipamento, um anteparo de proteção para a contenção das fagulhas geradas durante o corte; • Ao ligar o equipamento na fonte de energia, o operador deve se certificar de que a chave de liga e desliga esteja na posição “desligado”; • O operador deve desligar o equipamento imediatamente caso algum defeito seja identificado, e só religar depois de sanado o problema;
  • 49. 5 – Instruções para operação de policorte • Utilizar morsa para prender e estabilizar o material a ser cortado. • Durante a operação, o operador deve manter as mãos fora da região de ação do disco de corte; • Durante a utilização da policorte, o operador não deve tentar alcançar objetos que estejam distantes;
  • 50. 5 – Instruções para operação de policorte • É proibido utilizar a lateral do disco para desbastar peças metálicas; • É proibida a utilização de adornos durante a operação da policorte; • É proibida a utilização de roupas largas que possam entrar em contato com o disco acidentalmente.
  • 51. EPI EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL DE USO OBRIGATÓRIO. Os EPIs, se usados de maneira correta e efetiva, neutralizam ou até eliminam a as consequências lesivas dos agentes de risco.
  • 54. Calçado com biqueira e solado de aço: Luva de raspa: