SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA SECUNDÁRIA DE PENICHE
                          Teste Escrito de História A -12º Ano de Escolaridade
                          Duração do Teste: 90m - 2011/2012


-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

                                                                     GRUPO I

      TEMA: O TEMPO DA GUERRA FRIA – A CONSOLIDAÇÃO DE UM MUNDO BIPOLAR




Doc.2


  “O perigo [comunista] manifesta-se sob múltiplas formas. Uma destas formas é a agressão armada aberta. Podemos
  reduzir grandemente este risco declarando claramente que um ataque contra a zona coberta pelo tratado desencadearia
  uma reacção tão unida, tão forte e tão bem direccionada que o agressor perderia mais do que poderia esperar ganhar. […]

  Será necessário assegurar que os esforços individuais das diversas partes envolvidas no tratado sejam utilizados em
  benefício de todos. As nações aqui representadas não podem reunir exércitos terrestres tão imponentes como aqueles de que
  o comunismo internacional dispõe na Ásia. Se as nações livres procurassem manter importantes forças terrestres em toda a
  parte onde existe perigo no Mundo, contribuiriam para a sua própria destruição.

  No que diz respeito aos Estados Unidos, as suas responsabilidades são tão vastas e tão dispersas que pensamos ser mais útil
  o desenvolvimento do efeito dissuasor de uma força de embate móvel, acompanhada das nossas reservas colocadas em
  pontos estratégicos.”

                                                                                              J.F Dulles, Objectivos da OTASE, 1954




     1. Avalie a importância do Plano Marshall para a reconstrução da Europa, após a 2ª Guerra Mundial.
     2. Integre o conteúdo do doc. 2 na “pactomania” americana.
GRUPO II

              TEMA: PORTUGAL DO AUTORITARISMO À DEMOCRACIA – A QUESTÃO COLONIAL


Documento 1 - Notícia sobre a guerra colonial – Jornal do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC)
                                                              (1970)
         No dia 25 deste mês, os colonialistas portugueses sofreram um dos seus maiores reveses na nossa terra. Um helicóptero,
que transportava quatro deputados, entre os quais o traidor do nosso povo, James Pinto Bull, e dois oficiais do exército colonial,
foi abatido sobre o rio Mansoa pelos nossos valentes combatentes.
         Assim, de oito deputados que vieram visitar o que ainda resta da colónia portuguesa da Guiné, quatro foram liquidados
pelas nossas Forças Armadas, ficando claro para os colonialistas portugueses que, hoje, nós é que somos os donos do nosso país.

Documento 2- O que é a guerra colonial? – Marcello Caetano (1972)
          No meio de um rosário de palavras que se repetem sempre e de que já ninguém quer saber o significado, fala-se em que
mantemos uma guerra colonial.
          Guerra colonial?
          O sentido da frase é só um: chamou-se assim às campanhas outrora sustentadas por uma potência para submeter um
território ao seu domínio, combatendo a rebelião das populações ou anexando países em estado primitivo.
          Ora é fácil de ver que nada disso se verifica no Ultramar português.
          Os territórios das províncias ultramarinas estão em paz e ninguém neles contesta a sua integração na Nação
Portuguesa.
          Percorre-se a Guiné, anda-se pela vastidão da terra angolana, desloca-se quem quer que seja de lés a lés de
Moçambique e não encontra populações revoltadas.

Doc. 3 – A colonização portuguesa




Doc. 4 – Propaganda colonialista                            Doc. 5 – As pressões internacionais




    1. Compare, relativamente à guerra entre Portugal e os movimentos de libertação das colónias, a
       perspectiva expressa no documento 1 com a perspectiva expressa no documento 2.
2. Analise a evolução da política colonial do Estado Novo, com destaque para o período pós-Segunda Guerra
Mundial.

A sua resposta deve abordar, pela ordem que entender, os seguintes tópicos de desenvolvimento:

- fundamentos teóricos para a manutenção do Império Colonial.
- contexto internacional sobre a questão da manutenção das colónias.
-teses defendidas e medidas adoptadas pelo Governo
- progressivo isolamento internacional do país – ONU, EUA e episódios de contestação.

Deve integrar na resposta, para além dos seus conhecimentos, os dados disponíveis nos documentos.


                                                         GRUPO III

TEMA: TEMA: PORTUGAL DO AUTORITARISMO À DEMOCRACIA – A RADICALIZAÇÃO DAS OPOSIÇÕES E O
                                            SOBRESSALTO POLÍTICO DE 1958

Doc. 1                                                                  Doc. 2




Proclamação do General Humberto Delgado (Maio de 1958)

         A todos os Portugueses da Metrópole e do Ultramar
         Cidadãos de todas as idades e de todas as correntes liberais
antitotalitárias, não só da Oposição declarada, como também dos
próprios sectores da Situação [...].
         Se é perigoso para alguém candidatar-se e se os
portugueses têm medo de votar ou não crêem na validade do voto –
graves acontecimentos estão subvertendo o nosso querido Portugal
e imperioso é que se tomem medidas salvadoras. [...]
         Creio estar no espírito de todos que as responsabilidades
internacionais assumidas por Portugal, a sua presença nos
organismos de carácter democrático e a unidade que temos de
defender em territórios portugueses espalhados por quatro
continentes, não podem nem devem ser perturbadas por mudanças
bruscas e violentas de regime ou de política.
         Como candidato independente proponho ao País, sem
dúvida mal preparado para súbitas mudanças, a adopção
progressiva e tão rápida quanto possível dos hábitos políticos
correntes nos países democráticos. [...]




     1. Destaque a importância da candidatura de Humberto Delgado, em 1958, na luta contra o regime
        autoritário.

Cotações
Grupo 1 – 25+25
Grupo II – 20+105
Grupo III - 25

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A primeira república portuguesa
A primeira república portuguesaA primeira república portuguesa
A primeira república portuguesa
cattonia
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
home
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
Paula Angelo
 
Os Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziOs Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e Nazi
Rui Neto
 
As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
Helena Coutinho
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
guest0f0d8
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Gijasilvelitz 2
 
Os desafios para portugal do alargamento da união europeia
Os desafios para portugal do alargamento da união europeiaOs desafios para portugal do alargamento da união europeia
Os desafios para portugal do alargamento da união europeia
Ilda Bicacro
 
Globalização t2
Globalização t2Globalização t2
Globalização t2
Anabelafernandes
 
A debil cesario verde
A debil cesario verdeA debil cesario verde
A debil cesario verde
Diogo Oliveira
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
FilipaFonseca
 
Teste4 11.º maias_poema_xx
Teste4 11.º maias_poema_xxTeste4 11.º maias_poema_xx
Teste4 11.º maias_poema_xx
Maria Luísa Figueiredo
 
Primo levi
Primo leviPrimo levi
Primo levi
Paixão Pinto
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
Dina Baptista
 
A Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUAA Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUA
João Lima
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
Helena Coutinho
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Paulo Vitorino
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Raffaella Ergün
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
Raffaella Ergün
 
Poemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto CaeiroPoemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto Caeiro
Leonardo C. Arinelli
 

Mais procurados (20)

A primeira república portuguesa
A primeira república portuguesaA primeira república portuguesa
A primeira república portuguesa
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Os Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziOs Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e Nazi
 
As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
Os desafios para portugal do alargamento da união europeia
Os desafios para portugal do alargamento da união europeiaOs desafios para portugal do alargamento da união europeia
Os desafios para portugal do alargamento da união europeia
 
Globalização t2
Globalização t2Globalização t2
Globalização t2
 
A debil cesario verde
A debil cesario verdeA debil cesario verde
A debil cesario verde
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
Teste4 11.º maias_poema_xx
Teste4 11.º maias_poema_xxTeste4 11.º maias_poema_xx
Teste4 11.º maias_poema_xx
 
Primo levi
Primo leviPrimo levi
Primo levi
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
A Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUAA Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUA
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
Poemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto CaeiroPoemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto Caeiro
 

Semelhante a 12º ano lh1 2ºt 2º p

(12º ano lh2 3 1º t 2º p 2011-12)
(12º ano lh2 3 1º t 2º p 2011-12)(12º ano lh2 3 1º t 2º p 2011-12)
(12º ano lh2 3 1º t 2º p 2011-12)
Ana Cristina F
 
Cap. 1-O CAPITLISMO E O CENÁRIO GEOPOLÍTICO CONTEMPORÂNEO (2).pptx
Cap. 1-O CAPITLISMO E O CENÁRIO GEOPOLÍTICO CONTEMPORÂNEO (2).pptxCap. 1-O CAPITLISMO E O CENÁRIO GEOPOLÍTICO CONTEMPORÂNEO (2).pptx
Cap. 1-O CAPITLISMO E O CENÁRIO GEOPOLÍTICO CONTEMPORÂNEO (2).pptx
edjadcborges
 
Era prosperidade (guardado automaticamente)
Era prosperidade (guardado automaticamente)Era prosperidade (guardado automaticamente)
Era prosperidade (guardado automaticamente)
Escola Superior de Saúde da Universidade do Algarve
 
TCD GEOGRAFIA DO MUNDO I
TCD GEOGRAFIA DO MUNDO ITCD GEOGRAFIA DO MUNDO I
TCD GEOGRAFIA DO MUNDO I
Rodrigo Lopes
 
um-mundo-policentrico-antecedentes-geopoliticos-e-geoestrategicos-papel-da-on...
um-mundo-policentrico-antecedentes-geopoliticos-e-geoestrategicos-papel-da-on...um-mundo-policentrico-antecedentes-geopoliticos-e-geoestrategicos-papel-da-on...
um-mundo-policentrico-antecedentes-geopoliticos-e-geoestrategicos-papel-da-on...
Escola E.B.2,3 de Jovim Gondomar
 
Ii guerra mundial 9º d
Ii guerra mundial 9º dIi guerra mundial 9º d
Ii guerra mundial 9º d
gustavoericardo
 
9º- PLANIF ANUAL- EMCN.docx
9º- PLANIF ANUAL- EMCN.docx9º- PLANIF ANUAL- EMCN.docx
9º- PLANIF ANUAL- EMCN.docx
Blimunda Saramago
 
O futuro precário do estado nação - 3
O  futuro precário do estado nação - 3O  futuro precário do estado nação - 3
O futuro precário do estado nação - 3
GRAZIA TANTA
 
Questoes segunda guerra mundial
Questoes segunda guerra mundialQuestoes segunda guerra mundial
Questoes segunda guerra mundial
Atividades Diversas Cláudia
 
Charge capitalismo
Charge capitalismoCharge capitalismo
Charge capitalismo
Atividades Diversas Cláudia
 
8o ano história 2 trimestre p2 revisaço sem gabarito
8o ano história 2 trimestre p2 revisaço sem gabarito8o ano história 2 trimestre p2 revisaço sem gabarito
8o ano história 2 trimestre p2 revisaço sem gabarito
Carlos Zaranza
 
Hist a 623_p2_2011
Hist a 623_p2_2011Hist a 623_p2_2011
Hist a 623_p2_2011
Escoladocs
 
Intervenção Baptista Alves sobre II GG
Intervenção Baptista Alves sobre II GGIntervenção Baptista Alves sobre II GG
Intervenção Baptista Alves sobre II GG
halm145
 
Nova ordem mundial.
Nova ordem mundial.Nova ordem mundial.
Nova ordem mundial.
Camila Brito
 
Aula 3 Ordem Mundial AZ
Aula 3 Ordem Mundial AZAula 3 Ordem Mundial AZ
Aula 3 Ordem Mundial AZ
CADUCOC1
 
Aula 2 Ordem Mundial
Aula 2 Ordem MundialAula 2 Ordem Mundial
Aula 2 Ordem Mundial
CADUCOC
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Pedro Goethe Paiva
 
Portugal a partir de 1950. o anticolonialismo no após guerra
Portugal a partir de 1950. o anticolonialismo no após guerraPortugal a partir de 1950. o anticolonialismo no após guerra
Portugal a partir de 1950. o anticolonialismo no após guerra
Paula Gomes Pereira Gomes
 
prova de historiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
prova de historiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaprova de historiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
prova de historiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
adriani23
 
17455 (1).pptx
17455 (1).pptx17455 (1).pptx
17455 (1).pptx
ThatianneBarrosMedei
 

Semelhante a 12º ano lh1 2ºt 2º p (20)

(12º ano lh2 3 1º t 2º p 2011-12)
(12º ano lh2 3 1º t 2º p 2011-12)(12º ano lh2 3 1º t 2º p 2011-12)
(12º ano lh2 3 1º t 2º p 2011-12)
 
Cap. 1-O CAPITLISMO E O CENÁRIO GEOPOLÍTICO CONTEMPORÂNEO (2).pptx
Cap. 1-O CAPITLISMO E O CENÁRIO GEOPOLÍTICO CONTEMPORÂNEO (2).pptxCap. 1-O CAPITLISMO E O CENÁRIO GEOPOLÍTICO CONTEMPORÂNEO (2).pptx
Cap. 1-O CAPITLISMO E O CENÁRIO GEOPOLÍTICO CONTEMPORÂNEO (2).pptx
 
Era prosperidade (guardado automaticamente)
Era prosperidade (guardado automaticamente)Era prosperidade (guardado automaticamente)
Era prosperidade (guardado automaticamente)
 
TCD GEOGRAFIA DO MUNDO I
TCD GEOGRAFIA DO MUNDO ITCD GEOGRAFIA DO MUNDO I
TCD GEOGRAFIA DO MUNDO I
 
um-mundo-policentrico-antecedentes-geopoliticos-e-geoestrategicos-papel-da-on...
um-mundo-policentrico-antecedentes-geopoliticos-e-geoestrategicos-papel-da-on...um-mundo-policentrico-antecedentes-geopoliticos-e-geoestrategicos-papel-da-on...
um-mundo-policentrico-antecedentes-geopoliticos-e-geoestrategicos-papel-da-on...
 
Ii guerra mundial 9º d
Ii guerra mundial 9º dIi guerra mundial 9º d
Ii guerra mundial 9º d
 
9º- PLANIF ANUAL- EMCN.docx
9º- PLANIF ANUAL- EMCN.docx9º- PLANIF ANUAL- EMCN.docx
9º- PLANIF ANUAL- EMCN.docx
 
O futuro precário do estado nação - 3
O  futuro precário do estado nação - 3O  futuro precário do estado nação - 3
O futuro precário do estado nação - 3
 
Questoes segunda guerra mundial
Questoes segunda guerra mundialQuestoes segunda guerra mundial
Questoes segunda guerra mundial
 
Charge capitalismo
Charge capitalismoCharge capitalismo
Charge capitalismo
 
8o ano história 2 trimestre p2 revisaço sem gabarito
8o ano história 2 trimestre p2 revisaço sem gabarito8o ano história 2 trimestre p2 revisaço sem gabarito
8o ano história 2 trimestre p2 revisaço sem gabarito
 
Hist a 623_p2_2011
Hist a 623_p2_2011Hist a 623_p2_2011
Hist a 623_p2_2011
 
Intervenção Baptista Alves sobre II GG
Intervenção Baptista Alves sobre II GGIntervenção Baptista Alves sobre II GG
Intervenção Baptista Alves sobre II GG
 
Nova ordem mundial.
Nova ordem mundial.Nova ordem mundial.
Nova ordem mundial.
 
Aula 3 Ordem Mundial AZ
Aula 3 Ordem Mundial AZAula 3 Ordem Mundial AZ
Aula 3 Ordem Mundial AZ
 
Aula 2 Ordem Mundial
Aula 2 Ordem MundialAula 2 Ordem Mundial
Aula 2 Ordem Mundial
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Portugal a partir de 1950. o anticolonialismo no após guerra
Portugal a partir de 1950. o anticolonialismo no após guerraPortugal a partir de 1950. o anticolonialismo no após guerra
Portugal a partir de 1950. o anticolonialismo no após guerra
 
prova de historiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
prova de historiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaprova de historiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
prova de historiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
 
17455 (1).pptx
17455 (1).pptx17455 (1).pptx
17455 (1).pptx
 

Mais de Ana Cristina F

Endereço de blog pessoal
Endereço de blog pessoalEndereço de blog pessoal
Endereço de blog pessoal
Ana Cristina F
 
Correcção marina
Correcção marinaCorrecção marina
Correcção marina
Ana Cristina F
 
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
Ana Cristina F
 
Principais instituições democráticas de atenas nos séculos v e iv a
Principais instituições democráticas de atenas nos séculos v e iv aPrincipais instituições democráticas de atenas nos séculos v e iv a
Principais instituições democráticas de atenas nos séculos v e iv a
Ana Cristina F
 
Os orgãos políticos em atenas
Os orgãos políticos em atenasOs orgãos políticos em atenas
Os orgãos políticos em atenas
Ana Cristina F
 
Democracia em atenas leitura suplementar
Democracia em atenas   leitura suplementarDemocracia em atenas   leitura suplementar
Democracia em atenas leitura suplementar
Ana Cristina F
 
Conteúdos e aprendizagens relevantes teste
Conteúdos e aprendizagens relevantes testeConteúdos e aprendizagens relevantes teste
Conteúdos e aprendizagens relevantes teste
Ana Cristina F
 
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividadesProposta de resolução do questionário do caderno de actividades
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades
Ana Cristina F
 
Absolutismo regio -_leitura_suplementar
Absolutismo regio -_leitura_suplementarAbsolutismo regio -_leitura_suplementar
Absolutismo regio -_leitura_suplementar
Ana Cristina F
 
População no séc. xviii
População no séc. xviiiPopulação no séc. xviii
População no séc. xviii
Ana Cristina F
 
Populacaodaeuropa -esquema
Populacaodaeuropa  -esquemaPopulacaodaeuropa  -esquema
Populacaodaeuropa -esquema
Ana Cristina F
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
Ana Cristina F
 
O que e_a_historia
O que e_a_historiaO que e_a_historia
O que e_a_historia
Ana Cristina F
 
Portugal verão quente
Portugal   verão quentePortugal   verão quente
Portugal verão quente
Ana Cristina F
 
Fascismos
FascismosFascismos
Fascismos
Ana Cristina F
 
Do czarismo à rússia soviética esquema
Do czarismo à rússia soviética   esquemaDo czarismo à rússia soviética   esquema
Do czarismo à rússia soviética esquema
Ana Cristina F
 
Portugal no novo quadro internacional
Portugal no novo quadro internacionalPortugal no novo quadro internacional
Portugal no novo quadro internacionalAna Cristina F
 
Estado novo esquema
Estado novo esquemaEstado novo esquema
Estado novo esquema
Ana Cristina F
 
Doc1
Doc1Doc1

Mais de Ana Cristina F (20)

Endereço de blog pessoal
Endereço de blog pessoalEndereço de blog pessoal
Endereço de blog pessoal
 
Correcção marina
Correcção marinaCorrecção marina
Correcção marina
 
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
 
Principais instituições democráticas de atenas nos séculos v e iv a
Principais instituições democráticas de atenas nos séculos v e iv aPrincipais instituições democráticas de atenas nos séculos v e iv a
Principais instituições democráticas de atenas nos séculos v e iv a
 
Os orgãos políticos em atenas
Os orgãos políticos em atenasOs orgãos políticos em atenas
Os orgãos políticos em atenas
 
Democracia em atenas leitura suplementar
Democracia em atenas   leitura suplementarDemocracia em atenas   leitura suplementar
Democracia em atenas leitura suplementar
 
Conteúdos e aprendizagens relevantes teste
Conteúdos e aprendizagens relevantes testeConteúdos e aprendizagens relevantes teste
Conteúdos e aprendizagens relevantes teste
 
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividadesProposta de resolução do questionário do caderno de actividades
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades
 
Absolutismo regio -_leitura_suplementar
Absolutismo regio -_leitura_suplementarAbsolutismo regio -_leitura_suplementar
Absolutismo regio -_leitura_suplementar
 
População no séc. xviii
População no séc. xviiiPopulação no séc. xviii
População no séc. xviii
 
Populacaodaeuropa -esquema
Populacaodaeuropa  -esquemaPopulacaodaeuropa  -esquema
Populacaodaeuropa -esquema
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
O que e_a_historia
O que e_a_historiaO que e_a_historia
O que e_a_historia
 
Portugal verão quente
Portugal   verão quentePortugal   verão quente
Portugal verão quente
 
Fascismos
FascismosFascismos
Fascismos
 
Do czarismo à rússia soviética esquema
Do czarismo à rússia soviética   esquemaDo czarismo à rússia soviética   esquema
Do czarismo à rússia soviética esquema
 
Portugal no novo quadro internacional
Portugal no novo quadro internacionalPortugal no novo quadro internacional
Portugal no novo quadro internacional
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
 
Estado novo esquema
Estado novo esquemaEstado novo esquema
Estado novo esquema
 
Doc1
Doc1Doc1
Doc1
 

12º ano lh1 2ºt 2º p

  • 1. ESCOLA SECUNDÁRIA DE PENICHE Teste Escrito de História A -12º Ano de Escolaridade Duração do Teste: 90m - 2011/2012 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GRUPO I TEMA: O TEMPO DA GUERRA FRIA – A CONSOLIDAÇÃO DE UM MUNDO BIPOLAR Doc.2 “O perigo [comunista] manifesta-se sob múltiplas formas. Uma destas formas é a agressão armada aberta. Podemos reduzir grandemente este risco declarando claramente que um ataque contra a zona coberta pelo tratado desencadearia uma reacção tão unida, tão forte e tão bem direccionada que o agressor perderia mais do que poderia esperar ganhar. […] Será necessário assegurar que os esforços individuais das diversas partes envolvidas no tratado sejam utilizados em benefício de todos. As nações aqui representadas não podem reunir exércitos terrestres tão imponentes como aqueles de que o comunismo internacional dispõe na Ásia. Se as nações livres procurassem manter importantes forças terrestres em toda a parte onde existe perigo no Mundo, contribuiriam para a sua própria destruição. No que diz respeito aos Estados Unidos, as suas responsabilidades são tão vastas e tão dispersas que pensamos ser mais útil o desenvolvimento do efeito dissuasor de uma força de embate móvel, acompanhada das nossas reservas colocadas em pontos estratégicos.” J.F Dulles, Objectivos da OTASE, 1954 1. Avalie a importância do Plano Marshall para a reconstrução da Europa, após a 2ª Guerra Mundial. 2. Integre o conteúdo do doc. 2 na “pactomania” americana.
  • 2. GRUPO II TEMA: PORTUGAL DO AUTORITARISMO À DEMOCRACIA – A QUESTÃO COLONIAL Documento 1 - Notícia sobre a guerra colonial – Jornal do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) (1970) No dia 25 deste mês, os colonialistas portugueses sofreram um dos seus maiores reveses na nossa terra. Um helicóptero, que transportava quatro deputados, entre os quais o traidor do nosso povo, James Pinto Bull, e dois oficiais do exército colonial, foi abatido sobre o rio Mansoa pelos nossos valentes combatentes. Assim, de oito deputados que vieram visitar o que ainda resta da colónia portuguesa da Guiné, quatro foram liquidados pelas nossas Forças Armadas, ficando claro para os colonialistas portugueses que, hoje, nós é que somos os donos do nosso país. Documento 2- O que é a guerra colonial? – Marcello Caetano (1972) No meio de um rosário de palavras que se repetem sempre e de que já ninguém quer saber o significado, fala-se em que mantemos uma guerra colonial. Guerra colonial? O sentido da frase é só um: chamou-se assim às campanhas outrora sustentadas por uma potência para submeter um território ao seu domínio, combatendo a rebelião das populações ou anexando países em estado primitivo. Ora é fácil de ver que nada disso se verifica no Ultramar português. Os territórios das províncias ultramarinas estão em paz e ninguém neles contesta a sua integração na Nação Portuguesa. Percorre-se a Guiné, anda-se pela vastidão da terra angolana, desloca-se quem quer que seja de lés a lés de Moçambique e não encontra populações revoltadas. Doc. 3 – A colonização portuguesa Doc. 4 – Propaganda colonialista Doc. 5 – As pressões internacionais 1. Compare, relativamente à guerra entre Portugal e os movimentos de libertação das colónias, a perspectiva expressa no documento 1 com a perspectiva expressa no documento 2.
  • 3. 2. Analise a evolução da política colonial do Estado Novo, com destaque para o período pós-Segunda Guerra Mundial. A sua resposta deve abordar, pela ordem que entender, os seguintes tópicos de desenvolvimento: - fundamentos teóricos para a manutenção do Império Colonial. - contexto internacional sobre a questão da manutenção das colónias. -teses defendidas e medidas adoptadas pelo Governo - progressivo isolamento internacional do país – ONU, EUA e episódios de contestação. Deve integrar na resposta, para além dos seus conhecimentos, os dados disponíveis nos documentos. GRUPO III TEMA: TEMA: PORTUGAL DO AUTORITARISMO À DEMOCRACIA – A RADICALIZAÇÃO DAS OPOSIÇÕES E O SOBRESSALTO POLÍTICO DE 1958 Doc. 1 Doc. 2 Proclamação do General Humberto Delgado (Maio de 1958) A todos os Portugueses da Metrópole e do Ultramar Cidadãos de todas as idades e de todas as correntes liberais antitotalitárias, não só da Oposição declarada, como também dos próprios sectores da Situação [...]. Se é perigoso para alguém candidatar-se e se os portugueses têm medo de votar ou não crêem na validade do voto – graves acontecimentos estão subvertendo o nosso querido Portugal e imperioso é que se tomem medidas salvadoras. [...] Creio estar no espírito de todos que as responsabilidades internacionais assumidas por Portugal, a sua presença nos organismos de carácter democrático e a unidade que temos de defender em territórios portugueses espalhados por quatro continentes, não podem nem devem ser perturbadas por mudanças bruscas e violentas de regime ou de política. Como candidato independente proponho ao País, sem dúvida mal preparado para súbitas mudanças, a adopção progressiva e tão rápida quanto possível dos hábitos políticos correntes nos países democráticos. [...] 1. Destaque a importância da candidatura de Humberto Delgado, em 1958, na luta contra o regime autoritário. Cotações Grupo 1 – 25+25 Grupo II – 20+105 Grupo III - 25