SlideShare uma empresa Scribd logo
Enfermagem em
Centro Cirúrgico
Cuidados com o paciente cirúrgico
Profª Ms.Franciely Midori
Você,enfermeiro (a) recém-formado
(a),foi contratado (a) para trabalhar
em uma Unidade Cirúrgica.
Quais cuidados precisamos ter com o
paciente cirúrgico para que ele não
tenho nenhuma complicação?
Fonte: Flaticon. Disponível: https://www.flaticon.com
Contextualizando
Cuidados com feridas cirúrgicas
Infecção do sítio cirúrgico
Medidas preventivas para ISC
Complicações do paciente cirúrgico
Cuidados com cateteres,drenos e sondas
Limpeza e desinfecção do CC
Cuidados com feridas
cirúrgicas
A incisão cirúrgica pode ser definida
como sendo o corte ou abertura
realizada para abordagem e acesso aos
órgãos ou segmentos corpóreos para
realização de uma cirurgia, também
chamada de ferida operatória, incisão
cutânea intencional, que está aparente na
pele, porém, trata-se de uma ferida mais
profunda que se estende por
minimamente três camadas até alcançar
as cavidades e estruturas de órgãos
internos.
CUIDADO S COM A INCISÃO CIRÚRGICA
Fonte:https:/
/
shutr.bz/
31j6VLO Acesso:20/
08/
22
Cuidados com ferida cirúrgica
• A meta no cuidado das feridas é obter um
resultado funcional e estético.
• Para alcançar essa meta, é necessário o
entendimento dos princípios científicos
envolvidos na cicatrização e dos fatores
que podem afetar o fechamento da ferida
cirúrgica.
Fonte:
Shutterstock.
ID
187687526
Tipos de cicatrização
PRIMEIRA INTENÇÃO
• As bordas da ferida são apostas ou aproximadas.
SEGUNDA INTENÇÃO
• As bordas da ferida não estão aproximadas e existe
infecção
TERCEIRA INTENÇÃO
• Ocorre após uma limpeza mais profunda, deiscência,
ressutura ou enxerto para restabelecer as condições
de cicatrização.
Fonte: https://goo.gl/images/nX7QjT. Acesso em 22/08/22
Fatores que interferem na cicatrização
• Localização da ferida
• Umidade da ferida
• Suprimento sanguíneo
• Infecção
• Temperatura
• Oxigenação
• Corpo estranho
Fonte: Flaticon. Disponível: https://www.flaticon.com
Fatores sistêmicos
• Nutrição
• Idade
• Medicação
• Obesidade
• Alcoolismo
• Fumo
• Estado psicológico
• Dor
• Doenças
Fonte: Flaticon. Disponível: https://www.flaticon.com
Deiscência
• A deiscência é caracterizada pela abertura ou
pela ruptura da ferida,que costuma acontecer
entre o 5 ̊ e o 8 ̊ dia do pós-operatório.
• Frequentemente ocorre em condições em
que a infecção está presente.
• Outros fatores podem contribuir para essa
complicação, como obesidade, medicações,
má nutrição,estresse e hipoperfusão local
Fonte:
Shutterstock.
ID
1623367003
Infecção do sítio
cirúrgico
"As infecções de sítio cirúrgico (ISC) são infecções
relacionadas aprocedimentos cirúrgicos, com ou
sem colocação de implantes,em pacientes
internados e ambulatoriais,sendo classificados
conforme os planos acometidos."
Fonte:
Shutterstock.
ID
1600725589
Infecção de sítio cirúrgico
Complicação após uma cirurgia, que
pode comprometer a incisão, tecidos,
órgãos ou cavidades manipuladas
durante a cirurgia.
Por que prevenir?
15% do total das
infecções
adquiridas durante
à assistência à
saúde
A terceira
complicação
infecciosa mais
frequente adquirida
no ambiente
hospitalar.
Fonte: Flaticon. Disponível: https://www.flaticon.com
Fisiopatogenia
Propicia um ambiente de proliferação
Quebra barreira epitelial
Incisão cirúrgica
Epidemiologia - Caderno ANVISA/
Agência Nacional de
Vigilância Sanitária
• 3º lugar entre as Infecções Relacionadas àAssistência à
Saúde (IRAS) -> 31% no geral
• 14 a 16% das infecções encontradas em pacientes
hospitalizados
• Taxa de mortalidade de 3% e 75% dessas mortes são
decorrências de procedimentos cirúrgicos
• Podem ser evitadas em até 60% dos casos por medidas
preventivas e de controle
ISC INCISIONAL SUPERFICIAL
• Ocorre nos primeiros 30 dias;
• Envolve apenas a pele e subcutâneo;
• Exsudato purulento;
• Microrganismos identificados por cultura;
• Incisão superficial deliberadamente aberta com ao menos
um dos sintomas:
 Dor
 Edema
 Sensibilidade
 Eritema
Fonte:
Shutterstock.
ID
755870248
ISC INCISIONAL PROFUNDA
• Ocorre nos primeiros 30 dias ou até um anos;
• Exsudato purulento;
• Deiscência espontânea ou deliberada abertura e drenagem
da incisão;
• Febre,dor ou sensibilidade localizada;
• Abcesso ou outra evidência de ISC, comprovado por exame
histopatológico ou de imagem.
Fonte:
Shutterstock.
ID
1623367003
ISC EM ÓRGÃOSCAVIDADES
• Ocorre nos primeiros 30 dias ou até um ano após a cirurgia
• Exsudato purulento proveniente de um dreno
• Cultura positiva
• Abcesso ou evidência de ISC envolvendo um órgão ou
espaço
Infecção de sítio cirúrgico em pós-
operatório de cirurgias limpas
Como a enfermeira Cristina deve
agir nesta situação?
Como minimizar a ocorrência destes
casos?
CRISTINA
FONTE: https:/
/
shutr.bz/
31myHah Acesso em:20/
08/
22
Protocolos de controle de prevenção de infecção
Dentre as infecções relacionadas a assistência à saúde (IRAS), a infecção
de sítio cirúrgico é uma das mais importantes entre os pacientes
internados.
Fonte: https://goo.gl/images/nKkpK4. Acesso em: 22/08/22
Levantamento de informações sobre as ISC
Descrição das características relevantes
Identificação de possíveis eventos adversos
Participação da equipe de CCIH
Rastreio da origem da ISC
Elaboração de indicadores e estratégias p/controle dos
eventos adversos
Medidas preventivas
para ISC
PRÉ-OPERATÓRIO
• Banho
• Tricotomia (duas horas antes)
• Descontaminação nasal
• Interromper o uso de imunossupressores
• Dieta
Fonte: Flaticon. Disponível: https://www.flaticon.com
INTRAOPERATÓRIO
• Controle de temperatura
• Preparo da equipe
 Degermação das mãos
 EPI
 Paramentação
 Controle do ambiente (ex.ausência de
adornos)
 Respeitar técnica asséptica
Fonte: Flaticon. Disponível: https://www.flaticon.com
INTRAOPERATÓRIO
• Preparo para o paciente:
• Degermação
• Antissepsia adequada do sítio cirúrgico
• Implementar controle glicêmico
• Realizar atricotomia apenas quando necessário e não utilizar
lâminas de barbear/
bisturi
• Utilizar profilaxia antimicrobiana quando necessário,
seguindo orientações corretas quanto ao tempo de uso
PÓS OPERATÓRIO
• Verificação da incisão cirúrgica,bem
como o aspecto do curativo
• Realizar o controle glicêmico
• Manutenção da normotermia
Fonte: Flaticon. Disponível: https://www.flaticon.com
Monitorização das ISC
- A instituição deve programar e supervisionar normas e
rotinas técnico operacionais - CCIH
- Uso racional de antimicrobianos e observar as reações do
organismo no combate a infecção
- Manter contato com o paciente mesmo pós-alta para
analisar a evolução da infecção
- Desenvolver relatórios de evolução e divulga-los
regularmente a equipe multiprofissional
Fonte: Flaticon. Disponível: https://www.flaticon.com
Quais os tipos de limpeza e
desinfecção são realizadas no
Centro Cirúrgico?
Limpeza e desinfecção do centro cirúrgico
LIMPEZA OPERATÓRIA
Realizada durante o ato cirúrgico, com a remoção
mecânica da sujidade em excesso
LIMPEZA CONCORRENTE
Realizada ao término de cada procedimento cirúrgico,
com a retirada dos artigos sujos da sala, limpeza de
móveis e equipamentos
LIMPEZATERMINAL
Após aúltima cirurgia programada do dia;deve-se
realizar os procedimentos da limpeza concorrente,
paredes e pisos e a limpeza de todos os
equipamentos,acessórios e mobília
Complicações do
paciente cirúrgico e
Cuidados com
cateteres,drenos e
sondas
Complicações do paciente cirúrgico- intraoperatório
• Deslocamento de articulações
• Dor musculoesquelético
• Deslocamento e danos aos nervos periféricos
• Lesões de pele
• Danos cardiovasculares e pulmonares
• Queimaduras elétricas
COMPLICAÇÕES NO PÓS-OPERATÓRIO
Sonolência
Sede
Dor
Náuseas /vômitos
Retenção urinária
Distensão abdominal
COMPLICAÇÕES NO PÓS-OPERATÓRIO
Complicações
respiratórias
Complicações
cardiovasculares
Fonte: https://goo.gl/images/JJoqU5 e https://goo.gl/images/ex8iCX.
Fonte: https://shutr.bz/3j8loQN https://shutr.bz/3gdub1O https://shutr.bz/34kAUoe
D REN O
• Artigos introduzidos em uma ferida ou cavidade
• T
em a finalidade de possibilitar a saída de fluidos ou ar
, evitar
acúmulos e drenar coleções e secreções
Fonte: https://shutr.bz/2CREgnA https://shutr.bz/2CO2LSB https://shutr.bz/2YlSaWD
CATETERES O U SONDAS
• Semelhantes a tubos e com diferentes calibres
• Tem a finalidade de infundir e/ou retirar líquidos, ou dilatar e/ou
desobstruir órgãos ocos ou tubulares
Fonte: http://shutr.bz/36l4Sce/Acesso: 28/01/21
Recapitulando...
Recapitulando...
Cuidados com feridas cirúrgicas
Infecção do sítio cirúrgico
Medidas preventivas para ISC
Limpeza e desinfecção do CC
Complicações do paciente cirúrgico
Cuidados com cateteres,drenos e sondas
1693328933683.pptx

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 1693328933683.pptx

CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
WenderSantos21
 
Infecção do sítio cirúrgico slide
Infecção do sítio cirúrgico slideInfecção do sítio cirúrgico slide
Infecção do sítio cirúrgico slide
Mary Santos Muniz
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Aula cc turma 4
Aula cc turma 4Aula cc turma 4
Aula cc turma 4
Rosalya Kelly
 
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptxPROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
AdrianoCosta696471
 
Cirurgia segura
Cirurgia seguraCirurgia segura
Cirurgia segura
Renato sg
 
tipos de feridas.pdf
tipos de feridas.pdftipos de feridas.pdf
tipos de feridas.pdf
MuryelleBatista
 
Complicações cirurgicass.pptx
Complicações cirurgicass.pptxComplicações cirurgicass.pptx
Complicações cirurgicass.pptx
MeysonSantosSilva
 
BIOSSEGURANÇA - AULA 02.pdf
BIOSSEGURANÇA - AULA 02.pdfBIOSSEGURANÇA - AULA 02.pdf
BIOSSEGURANÇA - AULA 02.pdf
JohnAlcntara
 
BIOSSEGURANÇA - AULA 02.pptx
BIOSSEGURANÇA - AULA 02.pptxBIOSSEGURANÇA - AULA 02.pptx
BIOSSEGURANÇA - AULA 02.pptx
JohnAlcntara
 
TEMPOS CIRÚRGICOS- DALVA.pptx
TEMPOS CIRÚRGICOS- DALVA.pptxTEMPOS CIRÚRGICOS- DALVA.pptx
TEMPOS CIRÚRGICOS- DALVA.pptx
DalvaConceio
 
Classificação da cirurgia por potencial de contaminação.pptx
Classificação da cirurgia por potencial de contaminação.pptxClassificação da cirurgia por potencial de contaminação.pptx
Classificação da cirurgia por potencial de contaminação.pptx
BrunaRamos397436
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Aline Bandeira
 
Cirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passosCirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passos
Eliane Pereira
 
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptaula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
Marcelo Ocampos
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
Gabriela Montargil
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
Larissa Paulo
 
8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf
8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf
8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf
joyce645366
 
1-aula_ Ambiente biologicamente seguro.ppt
1-aula_ Ambiente biologicamente seguro.ppt1-aula_ Ambiente biologicamente seguro.ppt
1-aula_ Ambiente biologicamente seguro.ppt
Jackeline Moraes
 

Semelhante a 1693328933683.pptx (20)

CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 
Infecção do sítio cirúrgico slide
Infecção do sítio cirúrgico slideInfecção do sítio cirúrgico slide
Infecção do sítio cirúrgico slide
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Aula cc turma 4
Aula cc turma 4Aula cc turma 4
Aula cc turma 4
 
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptxPROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
 
Cirurgia segura
Cirurgia seguraCirurgia segura
Cirurgia segura
 
tipos de feridas.pdf
tipos de feridas.pdftipos de feridas.pdf
tipos de feridas.pdf
 
Complicações cirurgicass.pptx
Complicações cirurgicass.pptxComplicações cirurgicass.pptx
Complicações cirurgicass.pptx
 
BIOSSEGURANÇA - AULA 02.pdf
BIOSSEGURANÇA - AULA 02.pdfBIOSSEGURANÇA - AULA 02.pdf
BIOSSEGURANÇA - AULA 02.pdf
 
BIOSSEGURANÇA - AULA 02.pptx
BIOSSEGURANÇA - AULA 02.pptxBIOSSEGURANÇA - AULA 02.pptx
BIOSSEGURANÇA - AULA 02.pptx
 
TEMPOS CIRÚRGICOS- DALVA.pptx
TEMPOS CIRÚRGICOS- DALVA.pptxTEMPOS CIRÚRGICOS- DALVA.pptx
TEMPOS CIRÚRGICOS- DALVA.pptx
 
Classificação da cirurgia por potencial de contaminação.pptx
Classificação da cirurgia por potencial de contaminação.pptxClassificação da cirurgia por potencial de contaminação.pptx
Classificação da cirurgia por potencial de contaminação.pptx
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
 
Cirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passosCirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passos
 
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptaula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
 
8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf
8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf
8-infecohospitalareccih-150722200337-lva1-app6892.pdf
 
1-aula_ Ambiente biologicamente seguro.ppt
1-aula_ Ambiente biologicamente seguro.ppt1-aula_ Ambiente biologicamente seguro.ppt
1-aula_ Ambiente biologicamente seguro.ppt
 

Mais de JhivagoOliveira

enf 7- aula 4.pptx, puerperio, saude , mulher
enf 7- aula 4.pptx, puerperio, saude , mulherenf 7- aula 4.pptx, puerperio, saude , mulher
enf 7- aula 4.pptx, puerperio, saude , mulher
JhivagoOliveira
 
1673534997855.pptx,topicos especiais em enfermagem
1673534997855.pptx,topicos especiais em enfermagem1673534997855.pptx,topicos especiais em enfermagem
1673534997855.pptx,topicos especiais em enfermagem
JhivagoOliveira
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
JhivagoOliveira
 
enf 7- aula 3.pptx saude da mulher assitencia
enf 7- aula 3.pptx saude da mulher assitenciaenf 7- aula 3.pptx saude da mulher assitencia
enf 7- aula 3.pptx saude da mulher assitencia
JhivagoOliveira
 
slide-sbv.pptx
slide-sbv.pptxslide-sbv.pptx
slide-sbv.pptx
JhivagoOliveira
 
11.10.pptx
11.10.pptx11.10.pptx
11.10.pptx
JhivagoOliveira
 
Urgência e Emergência em Enfermagem 2 (1).pptx
Urgência e Emergência em Enfermagem 2 (1).pptxUrgência e Emergência em Enfermagem 2 (1).pptx
Urgência e Emergência em Enfermagem 2 (1).pptx
JhivagoOliveira
 
Urgencia e emerg em Enf 1 (1).pptx
Urgencia e emerg em Enf 1 (1).pptxUrgencia e emerg em Enf 1 (1).pptx
Urgencia e emerg em Enf 1 (1).pptx
JhivagoOliveira
 
Urgência e Emergência em Enfermagem 2 (1).pptx
Urgência e Emergência em Enfermagem 2 (1).pptxUrgência e Emergência em Enfermagem 2 (1).pptx
Urgência e Emergência em Enfermagem 2 (1).pptx
JhivagoOliveira
 

Mais de JhivagoOliveira (9)

enf 7- aula 4.pptx, puerperio, saude , mulher
enf 7- aula 4.pptx, puerperio, saude , mulherenf 7- aula 4.pptx, puerperio, saude , mulher
enf 7- aula 4.pptx, puerperio, saude , mulher
 
1673534997855.pptx,topicos especiais em enfermagem
1673534997855.pptx,topicos especiais em enfermagem1673534997855.pptx,topicos especiais em enfermagem
1673534997855.pptx,topicos especiais em enfermagem
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
 
enf 7- aula 3.pptx saude da mulher assitencia
enf 7- aula 3.pptx saude da mulher assitenciaenf 7- aula 3.pptx saude da mulher assitencia
enf 7- aula 3.pptx saude da mulher assitencia
 
slide-sbv.pptx
slide-sbv.pptxslide-sbv.pptx
slide-sbv.pptx
 
11.10.pptx
11.10.pptx11.10.pptx
11.10.pptx
 
Urgência e Emergência em Enfermagem 2 (1).pptx
Urgência e Emergência em Enfermagem 2 (1).pptxUrgência e Emergência em Enfermagem 2 (1).pptx
Urgência e Emergência em Enfermagem 2 (1).pptx
 
Urgencia e emerg em Enf 1 (1).pptx
Urgencia e emerg em Enf 1 (1).pptxUrgencia e emerg em Enf 1 (1).pptx
Urgencia e emerg em Enf 1 (1).pptx
 
Urgência e Emergência em Enfermagem 2 (1).pptx
Urgência e Emergência em Enfermagem 2 (1).pptxUrgência e Emergência em Enfermagem 2 (1).pptx
Urgência e Emergência em Enfermagem 2 (1).pptx
 

Último

02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
CarolLopes74
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 

Último (6)

02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 

1693328933683.pptx

  • 1. Enfermagem em Centro Cirúrgico Cuidados com o paciente cirúrgico Profª Ms.Franciely Midori
  • 2. Você,enfermeiro (a) recém-formado (a),foi contratado (a) para trabalhar em uma Unidade Cirúrgica. Quais cuidados precisamos ter com o paciente cirúrgico para que ele não tenho nenhuma complicação? Fonte: Flaticon. Disponível: https://www.flaticon.com
  • 3. Contextualizando Cuidados com feridas cirúrgicas Infecção do sítio cirúrgico Medidas preventivas para ISC Complicações do paciente cirúrgico Cuidados com cateteres,drenos e sondas Limpeza e desinfecção do CC
  • 5. A incisão cirúrgica pode ser definida como sendo o corte ou abertura realizada para abordagem e acesso aos órgãos ou segmentos corpóreos para realização de uma cirurgia, também chamada de ferida operatória, incisão cutânea intencional, que está aparente na pele, porém, trata-se de uma ferida mais profunda que se estende por minimamente três camadas até alcançar as cavidades e estruturas de órgãos internos. CUIDADO S COM A INCISÃO CIRÚRGICA Fonte:https:/ / shutr.bz/ 31j6VLO Acesso:20/ 08/ 22
  • 6. Cuidados com ferida cirúrgica • A meta no cuidado das feridas é obter um resultado funcional e estético. • Para alcançar essa meta, é necessário o entendimento dos princípios científicos envolvidos na cicatrização e dos fatores que podem afetar o fechamento da ferida cirúrgica. Fonte: Shutterstock. ID 187687526
  • 7. Tipos de cicatrização PRIMEIRA INTENÇÃO • As bordas da ferida são apostas ou aproximadas. SEGUNDA INTENÇÃO • As bordas da ferida não estão aproximadas e existe infecção TERCEIRA INTENÇÃO • Ocorre após uma limpeza mais profunda, deiscência, ressutura ou enxerto para restabelecer as condições de cicatrização. Fonte: https://goo.gl/images/nX7QjT. Acesso em 22/08/22
  • 8. Fatores que interferem na cicatrização • Localização da ferida • Umidade da ferida • Suprimento sanguíneo • Infecção • Temperatura • Oxigenação • Corpo estranho Fonte: Flaticon. Disponível: https://www.flaticon.com
  • 9. Fatores sistêmicos • Nutrição • Idade • Medicação • Obesidade • Alcoolismo • Fumo • Estado psicológico • Dor • Doenças Fonte: Flaticon. Disponível: https://www.flaticon.com
  • 10. Deiscência • A deiscência é caracterizada pela abertura ou pela ruptura da ferida,que costuma acontecer entre o 5 ̊ e o 8 ̊ dia do pós-operatório. • Frequentemente ocorre em condições em que a infecção está presente. • Outros fatores podem contribuir para essa complicação, como obesidade, medicações, má nutrição,estresse e hipoperfusão local Fonte: Shutterstock. ID 1623367003
  • 12. "As infecções de sítio cirúrgico (ISC) são infecções relacionadas aprocedimentos cirúrgicos, com ou sem colocação de implantes,em pacientes internados e ambulatoriais,sendo classificados conforme os planos acometidos." Fonte: Shutterstock. ID 1600725589
  • 13. Infecção de sítio cirúrgico Complicação após uma cirurgia, que pode comprometer a incisão, tecidos, órgãos ou cavidades manipuladas durante a cirurgia.
  • 14. Por que prevenir? 15% do total das infecções adquiridas durante à assistência à saúde A terceira complicação infecciosa mais frequente adquirida no ambiente hospitalar. Fonte: Flaticon. Disponível: https://www.flaticon.com
  • 15. Fisiopatogenia Propicia um ambiente de proliferação Quebra barreira epitelial Incisão cirúrgica
  • 16. Epidemiologia - Caderno ANVISA/ Agência Nacional de Vigilância Sanitária • 3º lugar entre as Infecções Relacionadas àAssistência à Saúde (IRAS) -> 31% no geral • 14 a 16% das infecções encontradas em pacientes hospitalizados • Taxa de mortalidade de 3% e 75% dessas mortes são decorrências de procedimentos cirúrgicos • Podem ser evitadas em até 60% dos casos por medidas preventivas e de controle
  • 17. ISC INCISIONAL SUPERFICIAL • Ocorre nos primeiros 30 dias; • Envolve apenas a pele e subcutâneo; • Exsudato purulento; • Microrganismos identificados por cultura; • Incisão superficial deliberadamente aberta com ao menos um dos sintomas:  Dor  Edema  Sensibilidade  Eritema Fonte: Shutterstock. ID 755870248
  • 18. ISC INCISIONAL PROFUNDA • Ocorre nos primeiros 30 dias ou até um anos; • Exsudato purulento; • Deiscência espontânea ou deliberada abertura e drenagem da incisão; • Febre,dor ou sensibilidade localizada; • Abcesso ou outra evidência de ISC, comprovado por exame histopatológico ou de imagem. Fonte: Shutterstock. ID 1623367003
  • 19. ISC EM ÓRGÃOSCAVIDADES • Ocorre nos primeiros 30 dias ou até um ano após a cirurgia • Exsudato purulento proveniente de um dreno • Cultura positiva • Abcesso ou evidência de ISC envolvendo um órgão ou espaço
  • 20. Infecção de sítio cirúrgico em pós- operatório de cirurgias limpas Como a enfermeira Cristina deve agir nesta situação? Como minimizar a ocorrência destes casos? CRISTINA FONTE: https:/ / shutr.bz/ 31myHah Acesso em:20/ 08/ 22
  • 21. Protocolos de controle de prevenção de infecção Dentre as infecções relacionadas a assistência à saúde (IRAS), a infecção de sítio cirúrgico é uma das mais importantes entre os pacientes internados. Fonte: https://goo.gl/images/nKkpK4. Acesso em: 22/08/22
  • 22. Levantamento de informações sobre as ISC Descrição das características relevantes Identificação de possíveis eventos adversos Participação da equipe de CCIH Rastreio da origem da ISC Elaboração de indicadores e estratégias p/controle dos eventos adversos
  • 24. PRÉ-OPERATÓRIO • Banho • Tricotomia (duas horas antes) • Descontaminação nasal • Interromper o uso de imunossupressores • Dieta Fonte: Flaticon. Disponível: https://www.flaticon.com
  • 25. INTRAOPERATÓRIO • Controle de temperatura • Preparo da equipe  Degermação das mãos  EPI  Paramentação  Controle do ambiente (ex.ausência de adornos)  Respeitar técnica asséptica Fonte: Flaticon. Disponível: https://www.flaticon.com
  • 26. INTRAOPERATÓRIO • Preparo para o paciente: • Degermação • Antissepsia adequada do sítio cirúrgico • Implementar controle glicêmico • Realizar atricotomia apenas quando necessário e não utilizar lâminas de barbear/ bisturi • Utilizar profilaxia antimicrobiana quando necessário, seguindo orientações corretas quanto ao tempo de uso
  • 27. PÓS OPERATÓRIO • Verificação da incisão cirúrgica,bem como o aspecto do curativo • Realizar o controle glicêmico • Manutenção da normotermia Fonte: Flaticon. Disponível: https://www.flaticon.com
  • 28. Monitorização das ISC - A instituição deve programar e supervisionar normas e rotinas técnico operacionais - CCIH - Uso racional de antimicrobianos e observar as reações do organismo no combate a infecção - Manter contato com o paciente mesmo pós-alta para analisar a evolução da infecção - Desenvolver relatórios de evolução e divulga-los regularmente a equipe multiprofissional
  • 29. Fonte: Flaticon. Disponível: https://www.flaticon.com Quais os tipos de limpeza e desinfecção são realizadas no Centro Cirúrgico?
  • 30. Limpeza e desinfecção do centro cirúrgico LIMPEZA OPERATÓRIA Realizada durante o ato cirúrgico, com a remoção mecânica da sujidade em excesso LIMPEZA CONCORRENTE Realizada ao término de cada procedimento cirúrgico, com a retirada dos artigos sujos da sala, limpeza de móveis e equipamentos LIMPEZATERMINAL Após aúltima cirurgia programada do dia;deve-se realizar os procedimentos da limpeza concorrente, paredes e pisos e a limpeza de todos os equipamentos,acessórios e mobília
  • 31. Complicações do paciente cirúrgico e Cuidados com cateteres,drenos e sondas
  • 32. Complicações do paciente cirúrgico- intraoperatório • Deslocamento de articulações • Dor musculoesquelético • Deslocamento e danos aos nervos periféricos • Lesões de pele • Danos cardiovasculares e pulmonares • Queimaduras elétricas
  • 33. COMPLICAÇÕES NO PÓS-OPERATÓRIO Sonolência Sede Dor Náuseas /vômitos Retenção urinária Distensão abdominal
  • 35. Fonte: https://shutr.bz/3j8loQN https://shutr.bz/3gdub1O https://shutr.bz/34kAUoe D REN O • Artigos introduzidos em uma ferida ou cavidade • T em a finalidade de possibilitar a saída de fluidos ou ar , evitar acúmulos e drenar coleções e secreções
  • 36. Fonte: https://shutr.bz/2CREgnA https://shutr.bz/2CO2LSB https://shutr.bz/2YlSaWD CATETERES O U SONDAS • Semelhantes a tubos e com diferentes calibres • Tem a finalidade de infundir e/ou retirar líquidos, ou dilatar e/ou desobstruir órgãos ocos ou tubulares
  • 38. Recapitulando... Cuidados com feridas cirúrgicas Infecção do sítio cirúrgico Medidas preventivas para ISC Limpeza e desinfecção do CC Complicações do paciente cirúrgico Cuidados com cateteres,drenos e sondas