SlideShare uma empresa Scribd logo
Free Powerpoint Templates Ciências Naturais 8º ano Teresa Condeixa AGRUPAMENTO CIDADE DE CASTELO BRANCO 2010/2011 Adaptado de Isabel Lopes
Ecossistemas ALGA LAPA ESTRELA-DO-MAR GAIVOTA
Sol – Fonte de Energia Modelo de uma célula vegetal Células vegetais observadas ao microscópio Esquema de um cloroplasto Clorofila no interior Separação de pigmentos por cromatografia “ O saber não ocupa espaço”
Fotossíntese Matéria orgânica Luz Dióxido de carbono Oxigénio Água Sais minerais Transformação  de  matéria inorgânica  (água, sais minerais e dióxido de carbono) em  matéria orgânica . Transformação de energia luminosa em energia química, que fica armazenada, nos compostos orgânicos. ENERGIA LUMINOSA ENERGIA QUÍMICA
Fotossíntese 6CO 2  + 6H 2 O  ->  C 6 H 12 O 6  + 6O 2   oxigénio dióxido  de carbono água  com minerais luz matéria orgânica + + Equação simplificada da fotossíntese “ O saber não ocupa espaço” GLICOSE Molécula  orgânica altamente energética (Energia química)
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Orgânico / Inorgânico
Ecossistemas ALGA LAPA ESTRELA-DO-MAR GAIVOTA Com base na capacidade de produzirem ou não os compostos orgânicos, a partir de compostos inorgânicos, os seres vivos podem ser: AUTOTRÓFICOS HETEROTRÓFICOS
Seres Autotróficos Plantas Algas Protistas Bactérias fotossintéticas SERES AUTOTRÓFICOS FOTOSSINTÉTICOS
“ Black smokers” Seres Autotróficos “ O saber não ocupa espaço” Bactérias quimiossintéticas Fontes hidrotermais SERES AUTOTRÓFICOS QUIMIOSSINTÉTICOS As chaminés vulcânicas submarinas onde vivem estas bactérias libertam grandes quantidades de água quente rica em enxofre.
Plantas  C apazes de produzir a sua própria matéria orgânica , a partir de matéria mineral, água e CO2 utilizando a luz solar como fonte de energia. Do grego auto  = o próprio trophos  = alimento Seres Autotróficos Produzem o seu próprio alimento. PRODUTORES Bactérias fotossintéticas Algas
Seres Heterotróficos Protozoários Animais Fungos Do grego hetero  = outros trophos  = alimento
Animais  Obtém matéria orgânica e energia,  alimentando-se de outros seres vivos . Consomem  directamente ou indirectamente  a matéria orgânica produzida pelos produtores.  CONSUMIDORES Seres Heterotróficos Do grego hetero  = outros trophos  = alimento Protozoários Efectuam a decomposição da matéria orgânica morta.  DECOMPOSITORES Fungos
Ecossistemas ALGA LAPA ESTRELA-DO-MAR GAIVOTA Com base na capacidade de produzirem ou não os compostos orgânicos, a partir de compostos inorgânicos, os seres vivos podem ser: AUTOTRÓFICOS HETEROTRÓFICOS PRODUTORES CONSUMIDORES DECOMPOSITORES
ALGA LAPA ESTRELA-DO-MAR GAIVOTA Cadeia alimentar  ou cadeia trófica Sequência de seres vivos interligados por relações de alimentação. Cada ser vivo alimenta-se do anterior e serve de alimento ao seguinte. As setas representam o sentido de transferência de matéria e energia.
ALGA LAPA ESTRELA-DO-MAR GAIVOTA Níveis tróficos Posição ocupada por cada ser vivo numa cadeia alimentar de acordo com a fonte de alimento. Do grego  trophos  - alimento 1º Nível Trófico 2º Nível Trófico 3º Nível Trófico 4º Nível Trófico
Seres que produzem o seu próprio alimento. Ocupam sempre o 1º nível trófico Produtores
Consumidores Herbívoros  - 2º Nível trófico Consumidores primários ou consumidores de 1ª ordem Seres vivos (heterotróficos) que se alimentam directamente ou indirectamente da matéria orgânica produzida pelos produtores.
Consumidores Seres vivos (heterotróficos) que se alimentam directamente ou indirectamente da matéria orgânica produzida pelos produtores. Carnívoros - 3º Nível trófico Consumidores secundários ou de 2ª ordem (alimentam-se de herbívoros) 4º Nível trófico Consumidores de 3ª ordem (5º, 6º,…)
Decompositores Seres vivos (heterotróficos) que transformam a matéria orgânica de que se alimentam (cadáveres, fezes…), em matéria mineral que é devolvida ao solo. Podem pertencer a qualquer nível trófico, à excepção do 1º . Por este motivo não são, em geral, representados nas cadeias tróficas Fungos
Os seres vivos que estão envolvidos na decomposição são os decompositores -  bactérias ,  fungos  e animais detritívoros.  http://curlygirl.naturlink.pt/fungi.htm Decompositores Diversos aspectos que os fungos podem ter: a-e) cogumelos;  f) leveduras;  g-h) bolores. Bactérias As  bactérias  são os principais decompositores dos cadáveres de animais. os  fungos  são os principais decompositores das plantas.
Os seres vivos que estão envolvidos na decomposição são os decompositores - bactérias, fungos e  animais detritívoros.  http://curlygirl.naturlink.pt/fungi.htm Decompositores Os  animais detritívoros  são responsáveis pela fragmentação dos detritos - excrementos, cadáveres e restos de seres vivos. Aranha Milípede Centípede Ácaro Bicho-de-conta Escaravelho Bicho-de-conta Minhoca
Possuem um sistema de enzimas digestivas que segregam sobre os seus alimentos, absorvendo depois os produtos solúveis directamente através das hifas. Fungos http://curlygirl.naturlink.pt/fungi.htm Decompositores http://www.youtube.com/watch?v=5kG18FYISaY
Decompositores
ALGA LAPA ESTRELA-DO-MAR GAIVOTA Níveis tróficos /  produtores / consumidores Posição ocupada por cada ser vivo numa cadeia alimentar de acordo com a fonte de alimento. 1º Nível Trófico 2º Nível Trófico 3º Nível Trófico 4º Nível Trófico PRODUTOR CONSUMIDOR DE 1ª ORDEM CONSUMIDOR DE 2ª ORDEM CONSUMIDOR DE 3ª ORDEM HERBÍVORO CARNÍVORO CARNÍVORO
Teias alimentares Interligação de várias cadeias alimentares São raros os seres vivos que se alimentam apenas de  uma única espécie, isto é, o mesmo ser vivo faz parte de várias cadeias.
Teias alimentares ACTIVIDADE PAG. 58
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],O que penso saber…  indica as falsas
Reinos-classificação seres vivos
Reinos-classificação seres vivos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aulão a origem da vida
Aulão a origem da vidaAulão a origem da vida
Aulão a origem da vida
César Milani
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria iiFluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Cristina Vitória
 
Aula Biologia: Origem da Vida [1° Ano Ensino Médio]
Aula Biologia: Origem da Vida [1° Ano Ensino Médio]Aula Biologia: Origem da Vida [1° Ano Ensino Médio]
Aula Biologia: Origem da Vida [1° Ano Ensino Médio]
Ronaldo Santana
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
emanuel
 
Fluxo de energia e ciclo da matéria
Fluxo de energia e ciclo da matériaFluxo de energia e ciclo da matéria
Fluxo de energia e ciclo da matéria
Carlos Priante
 
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Leonardo Kaplan
 

Mais procurados (20)

Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Aulão a origem da vida
Aulão a origem da vidaAulão a origem da vida
Aulão a origem da vida
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria iiFluxos de energia e ciclo de matéria ii
Fluxos de energia e ciclo de matéria ii
 
Fluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistemaFluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistema
 
Capítulo 2 a adaptação dos seres vivos
Capítulo 2   a adaptação dos seres vivosCapítulo 2   a adaptação dos seres vivos
Capítulo 2 a adaptação dos seres vivos
 
Ecologia para 6º ano
Ecologia para 6º anoEcologia para 6º ano
Ecologia para 6º ano
 
Adaptações dos seres vivos
Adaptações dos seres vivosAdaptações dos seres vivos
Adaptações dos seres vivos
 
Aula Biologia: Origem da Vida [1° Ano Ensino Médio]
Aula Biologia: Origem da Vida [1° Ano Ensino Médio]Aula Biologia: Origem da Vida [1° Ano Ensino Médio]
Aula Biologia: Origem da Vida [1° Ano Ensino Médio]
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
 
Transformações químicas
Transformações químicasTransformações químicas
Transformações químicas
 
_ciclos biogeoquímicos ppt.pptx
_ciclos biogeoquímicos ppt.pptx_ciclos biogeoquímicos ppt.pptx
_ciclos biogeoquímicos ppt.pptx
 
Plano de aula 2
Plano de aula 2Plano de aula 2
Plano de aula 2
 
Seleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptaçãoSeleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptação
 
Fluxo de energia e ciclo da matéria
Fluxo de energia e ciclo da matériaFluxo de energia e ciclo da matéria
Fluxo de energia e ciclo da matéria
 
Ecologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organizaçãoEcologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organização
 
Cadeia e teia alimentar
Cadeia e teia alimentarCadeia e teia alimentar
Cadeia e teia alimentar
 
Ecologia 3º ano
Ecologia 3º anoEcologia 3º ano
Ecologia 3º ano
 
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
 
Pirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasPirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicas
 
A importância da água
A importância da águaA importância da água
A importância da água
 

Semelhante a 00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc

Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
8ºC
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
8ºC
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
8ºC
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
8ºC
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
8ºC
 
Capítulo 3 a diversidade da vida
Capítulo 3 a diversidade da vidaCapítulo 3 a diversidade da vida
Capítulo 3 a diversidade da vida
Sarah Lemes
 
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentaresFicha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Angela Boucinha
 
Biosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosferaBiosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosfera
Rita Pereira
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria i
Fluxos de energia e ciclo de matéria iFluxos de energia e ciclo de matéria i
Fluxos de energia e ciclo de matéria i
Cristina Vitória
 
Fluxo de energia e ciclos de materia
Fluxo de energia e ciclos de materiaFluxo de energia e ciclos de materia
Fluxo de energia e ciclos de materia
Rita Pereira
 
Biosfera power point
Biosfera  power point Biosfera  power point
Biosfera power point
margaridabt
 

Semelhante a 00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc (20)

Ppt6.1_Ciclo de matéria e fluxo de energia_8ºano (1).pptx
Ppt6.1_Ciclo de matéria e fluxo de energia_8ºano (1).pptxPpt6.1_Ciclo de matéria e fluxo de energia_8ºano (1).pptx
Ppt6.1_Ciclo de matéria e fluxo de energia_8ºano (1).pptx
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
 
Capítulo 3 a diversidade da vida
Capítulo 3 a diversidade da vidaCapítulo 3 a diversidade da vida
Capítulo 3 a diversidade da vida
 
Ciências transferência de matéria e energia em um ecossistema
Ciências transferência de matéria e energia em um ecossistemaCiências transferência de matéria e energia em um ecossistema
Ciências transferência de matéria e energia em um ecossistema
 
8º 7.1.
8º 7.1. 8º 7.1.
8º 7.1.
 
www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas - Biologia - Cadeias Alimentares
www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas - Biologia - Cadeias Alimentareswww.CentroApoio.com - Vídeo Aulas - Biologia - Cadeias Alimentares
www.CentroApoio.com - Vídeo Aulas - Biologia - Cadeias Alimentares
 
Cadeias e teias
Cadeias e teiasCadeias e teias
Cadeias e teias
 
Ecologia 1º ano
Ecologia 1º anoEcologia 1º ano
Ecologia 1º ano
 
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentaresFicha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
 
Fluxo de energia e ciclos e de matéria
Fluxo de energia e ciclos e de matériaFluxo de energia e ciclos e de matéria
Fluxo de energia e ciclos e de matéria
 
Biosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosferaBiosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosfera
 
Fluxos de energia e ciclo de matéria i
Fluxos de energia e ciclo de matéria iFluxos de energia e ciclo de matéria i
Fluxos de energia e ciclo de matéria i
 
Fluxo de energia e ciclos de materia
Fluxo de energia e ciclos de materiaFluxo de energia e ciclos de materia
Fluxo de energia e ciclos de materia
 
Apresentação cadeias
Apresentação cadeiasApresentação cadeias
Apresentação cadeias
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Biosfera power point
Biosfera  power point Biosfera  power point
Biosfera power point
 

Mais de Teresa Monteiro

03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012
03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_201203_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012
03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012
Teresa Monteiro
 
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_2011201202_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
Teresa Monteiro
 
01_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_2012
01_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_201201_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_2012
01_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_2012
Teresa Monteiro
 
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
Teresa Monteiro
 
Factores bioticos TC_20102011
Factores  bioticos TC_20102011Factores  bioticos TC_20102011
Factores bioticos TC_20102011
Teresa Monteiro
 
Gravidez na adolescência Gravidez e agora!
Gravidez na adolescência   Gravidez e agora!Gravidez na adolescência   Gravidez e agora!
Gravidez na adolescência Gravidez e agora!
Teresa Monteiro
 
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_2010201103 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
Teresa Monteiro
 
04 factores abióticos_solo_tc_20102011
04 factores abióticos_solo_tc_2010201104 factores abióticos_solo_tc_20102011
04 factores abióticos_solo_tc_20102011
Teresa Monteiro
 
Gravidez na adolescência namoro relações sexuais
Gravidez na adolescência   namoro relações sexuaisGravidez na adolescência   namoro relações sexuais
Gravidez na adolescência namoro relações sexuais
Teresa Monteiro
 
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_2010201102 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
Teresa Monteiro
 
01 factores abióticos_luz_20102011_tc
01 factores abióticos_luz_20102011_tc01 factores abióticos_luz_20102011_tc
01 factores abióticos_luz_20102011_tc
Teresa Monteiro
 
00 factores abióticos_temperatura_tc_20102011
00 factores abióticos_temperatura_tc_2010201100 factores abióticos_temperatura_tc_20102011
00 factores abióticos_temperatura_tc_20102011
Teresa Monteiro
 
Estrutura da Terra_modelos_ 20102011 Tc
Estrutura da Terra_modelos_ 20102011 TcEstrutura da Terra_modelos_ 20102011 Tc
Estrutura da Terra_modelos_ 20102011 Tc
Teresa Monteiro
 
Estrutura da Terra_metodos_20102011_TC
Estrutura da Terra_metodos_20102011_TCEstrutura da Terra_metodos_20102011_TC
Estrutura da Terra_metodos_20102011_TC
Teresa Monteiro
 
01 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc0910
01 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc091001 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc0910
01 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc0910
Teresa Monteiro
 
03 Fosseis Passeios Pais 0910
03 Fosseis Passeios Pais 091003 Fosseis Passeios Pais 0910
03 Fosseis Passeios Pais 0910
Teresa Monteiro
 
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 091002 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
Teresa Monteiro
 

Mais de Teresa Monteiro (20)

03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012
03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_201203_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012
03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012
 
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_2011201202_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
 
01_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_2012
01_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_201201_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_2012
01_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_2012
 
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
 
Factores bioticos TC_20102011
Factores  bioticos TC_20102011Factores  bioticos TC_20102011
Factores bioticos TC_20102011
 
Gravidez na adolescência Gravidez e agora!
Gravidez na adolescência   Gravidez e agora!Gravidez na adolescência   Gravidez e agora!
Gravidez na adolescência Gravidez e agora!
 
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_2010201103 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
 
04 factores abióticos_solo_tc_20102011
04 factores abióticos_solo_tc_2010201104 factores abióticos_solo_tc_20102011
04 factores abióticos_solo_tc_20102011
 
Gravidez na adolescência namoro relações sexuais
Gravidez na adolescência   namoro relações sexuaisGravidez na adolescência   namoro relações sexuais
Gravidez na adolescência namoro relações sexuais
 
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_2010201102 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
 
01 factores abióticos_luz_20102011_tc
01 factores abióticos_luz_20102011_tc01 factores abióticos_luz_20102011_tc
01 factores abióticos_luz_20102011_tc
 
00 factores abióticos_temperatura_tc_20102011
00 factores abióticos_temperatura_tc_2010201100 factores abióticos_temperatura_tc_20102011
00 factores abióticos_temperatura_tc_20102011
 
Estrutura da Terra_modelos_ 20102011 Tc
Estrutura da Terra_modelos_ 20102011 TcEstrutura da Terra_modelos_ 20102011 Tc
Estrutura da Terra_modelos_ 20102011 Tc
 
Estrutura da Terra_metodos_20102011_TC
Estrutura da Terra_metodos_20102011_TCEstrutura da Terra_metodos_20102011_TC
Estrutura da Terra_metodos_20102011_TC
 
Beleza Verde
Beleza VerdeBeleza Verde
Beleza Verde
 
00 Historia Da Terra
00 Historia Da Terra00 Historia Da Terra
00 Historia Da Terra
 
01 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc0910
01 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc091001 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc0910
01 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc0910
 
03 Fosseis Passeios Pais 0910
03 Fosseis Passeios Pais 091003 Fosseis Passeios Pais 0910
03 Fosseis Passeios Pais 0910
 
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 091002 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
 
01 Fosseis Tc 0910
01 Fosseis Tc 091001 Fosseis Tc 0910
01 Fosseis Tc 0910
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 

Último (20)

Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 

00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc

  • 1. Free Powerpoint Templates Ciências Naturais 8º ano Teresa Condeixa AGRUPAMENTO CIDADE DE CASTELO BRANCO 2010/2011 Adaptado de Isabel Lopes
  • 2. Ecossistemas ALGA LAPA ESTRELA-DO-MAR GAIVOTA
  • 3. Sol – Fonte de Energia Modelo de uma célula vegetal Células vegetais observadas ao microscópio Esquema de um cloroplasto Clorofila no interior Separação de pigmentos por cromatografia “ O saber não ocupa espaço”
  • 4. Fotossíntese Matéria orgânica Luz Dióxido de carbono Oxigénio Água Sais minerais Transformação de matéria inorgânica (água, sais minerais e dióxido de carbono) em matéria orgânica . Transformação de energia luminosa em energia química, que fica armazenada, nos compostos orgânicos. ENERGIA LUMINOSA ENERGIA QUÍMICA
  • 5. Fotossíntese 6CO 2 + 6H 2 O -> C 6 H 12 O 6 + 6O 2 oxigénio dióxido de carbono água com minerais luz matéria orgânica + + Equação simplificada da fotossíntese “ O saber não ocupa espaço” GLICOSE Molécula orgânica altamente energética (Energia química)
  • 6.
  • 7. Ecossistemas ALGA LAPA ESTRELA-DO-MAR GAIVOTA Com base na capacidade de produzirem ou não os compostos orgânicos, a partir de compostos inorgânicos, os seres vivos podem ser: AUTOTRÓFICOS HETEROTRÓFICOS
  • 8. Seres Autotróficos Plantas Algas Protistas Bactérias fotossintéticas SERES AUTOTRÓFICOS FOTOSSINTÉTICOS
  • 9. “ Black smokers” Seres Autotróficos “ O saber não ocupa espaço” Bactérias quimiossintéticas Fontes hidrotermais SERES AUTOTRÓFICOS QUIMIOSSINTÉTICOS As chaminés vulcânicas submarinas onde vivem estas bactérias libertam grandes quantidades de água quente rica em enxofre.
  • 10. Plantas C apazes de produzir a sua própria matéria orgânica , a partir de matéria mineral, água e CO2 utilizando a luz solar como fonte de energia. Do grego auto = o próprio trophos = alimento Seres Autotróficos Produzem o seu próprio alimento. PRODUTORES Bactérias fotossintéticas Algas
  • 11. Seres Heterotróficos Protozoários Animais Fungos Do grego hetero = outros trophos = alimento
  • 12. Animais Obtém matéria orgânica e energia, alimentando-se de outros seres vivos . Consomem directamente ou indirectamente a matéria orgânica produzida pelos produtores. CONSUMIDORES Seres Heterotróficos Do grego hetero = outros trophos = alimento Protozoários Efectuam a decomposição da matéria orgânica morta. DECOMPOSITORES Fungos
  • 13. Ecossistemas ALGA LAPA ESTRELA-DO-MAR GAIVOTA Com base na capacidade de produzirem ou não os compostos orgânicos, a partir de compostos inorgânicos, os seres vivos podem ser: AUTOTRÓFICOS HETEROTRÓFICOS PRODUTORES CONSUMIDORES DECOMPOSITORES
  • 14. ALGA LAPA ESTRELA-DO-MAR GAIVOTA Cadeia alimentar ou cadeia trófica Sequência de seres vivos interligados por relações de alimentação. Cada ser vivo alimenta-se do anterior e serve de alimento ao seguinte. As setas representam o sentido de transferência de matéria e energia.
  • 15. ALGA LAPA ESTRELA-DO-MAR GAIVOTA Níveis tróficos Posição ocupada por cada ser vivo numa cadeia alimentar de acordo com a fonte de alimento. Do grego trophos - alimento 1º Nível Trófico 2º Nível Trófico 3º Nível Trófico 4º Nível Trófico
  • 16. Seres que produzem o seu próprio alimento. Ocupam sempre o 1º nível trófico Produtores
  • 17. Consumidores Herbívoros - 2º Nível trófico Consumidores primários ou consumidores de 1ª ordem Seres vivos (heterotróficos) que se alimentam directamente ou indirectamente da matéria orgânica produzida pelos produtores.
  • 18. Consumidores Seres vivos (heterotróficos) que se alimentam directamente ou indirectamente da matéria orgânica produzida pelos produtores. Carnívoros - 3º Nível trófico Consumidores secundários ou de 2ª ordem (alimentam-se de herbívoros) 4º Nível trófico Consumidores de 3ª ordem (5º, 6º,…)
  • 19. Decompositores Seres vivos (heterotróficos) que transformam a matéria orgânica de que se alimentam (cadáveres, fezes…), em matéria mineral que é devolvida ao solo. Podem pertencer a qualquer nível trófico, à excepção do 1º . Por este motivo não são, em geral, representados nas cadeias tróficas Fungos
  • 20. Os seres vivos que estão envolvidos na decomposição são os decompositores - bactérias , fungos e animais detritívoros. http://curlygirl.naturlink.pt/fungi.htm Decompositores Diversos aspectos que os fungos podem ter: a-e) cogumelos; f) leveduras; g-h) bolores. Bactérias As bactérias são os principais decompositores dos cadáveres de animais. os fungos são os principais decompositores das plantas.
  • 21. Os seres vivos que estão envolvidos na decomposição são os decompositores - bactérias, fungos e animais detritívoros. http://curlygirl.naturlink.pt/fungi.htm Decompositores Os animais detritívoros são responsáveis pela fragmentação dos detritos - excrementos, cadáveres e restos de seres vivos. Aranha Milípede Centípede Ácaro Bicho-de-conta Escaravelho Bicho-de-conta Minhoca
  • 22. Possuem um sistema de enzimas digestivas que segregam sobre os seus alimentos, absorvendo depois os produtos solúveis directamente através das hifas. Fungos http://curlygirl.naturlink.pt/fungi.htm Decompositores http://www.youtube.com/watch?v=5kG18FYISaY
  • 24. ALGA LAPA ESTRELA-DO-MAR GAIVOTA Níveis tróficos / produtores / consumidores Posição ocupada por cada ser vivo numa cadeia alimentar de acordo com a fonte de alimento. 1º Nível Trófico 2º Nível Trófico 3º Nível Trófico 4º Nível Trófico PRODUTOR CONSUMIDOR DE 1ª ORDEM CONSUMIDOR DE 2ª ORDEM CONSUMIDOR DE 3ª ORDEM HERBÍVORO CARNÍVORO CARNÍVORO
  • 25. Teias alimentares Interligação de várias cadeias alimentares São raros os seres vivos que se alimentam apenas de uma única espécie, isto é, o mesmo ser vivo faz parte de várias cadeias.
  • 27.