SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
ASSÉDIO MORAL, O QUE É?
Caracteriza-se por ser uma conduta (seja por ação ou por omis-
são) abusiva e lesiva, praticada de forma repetitiva e prolongada. Tem
natureza psicológica e interfere diretamente no ambiente do trabalho, mi-
nando a autoestima do/a trabalhador/a. O as-
sédio moral atenta contra a dignidade moral,
física e psíquica do/a trabalhador/a, expon-
do-o/a situações de humilhação, isolamento
e constrangimento. Em suma, ofende a sua
dignidade, a personalidade ou a integridade
psíquica.
Ainda que regularmente praticado, o
assédio moral foi confundido com outros
problemas do trabalho, como conflito pontu-
al entre os colegas e estresse tornando difícil
sua conceituação e o problema foi ignorado
por muito tempo.
A prática do assédio moral pode ter diferentes finalidades um dos
principais é a exclusão do/ trabalhador/a do emprego pela critica constante
ao seu desempenho profissional ou a sua forma de pensar e agir princi-
palmente por parte de seus superiores imediatos. Pode ocorrer também
quando os/as trabalhadores/as são obrigados a exercer suas funções em
um ambiente de trabalho deteriorado onde as condições são precárias e
inadequadas, uma situação muito frequente no ambiente escolar.
A psiquiatra francesa Marie Frace Hirigoyen, na obra Mal Estar no
Trabalho, definiu o assédio moral como: “Qualquer conduta abusiva que
atente, por sua repetição ou sistematização, contra a dignidade e inte-
gridade psíquica ou física de uma pessoa, ameaçando seu emprego, ou
degradando o clima de trabalho”.
COMO ACONTECE?
No ambiente de trabalho, o assédio moral, segundo a psiquiatra,
pode se dar pela recusa da comunicação direta, desqualificação, des-
crédito, isolamento, obrigatoriedade ao ócio, vexame, indução ao erro,
mentira, desprezo; abuso de poder, rivalidade, ou ainda pela omissão da
empresa em resolver o problema ou pela ação da empresa em estimular
métodos perversos. São problemas que ferem o âmago da pessoa e
sua dignidade, gerando a perda da confiança que se tinha depositado na
empresa, na hierarquia ou nos/as colegas.
O assédio moral pode ser individual ou coletivo. Exemplos: as
pressões que ocorrem em situações de greve; as práticas antissindicais;
intimidações para que os/as trabalhadores/as
aceitem condições de trabalho consideradas
pelo grupo como sendo prejudiciais, dentre
outros casos.
Nos casos mais frequentes, ou seja,
nas hipóteses de assédio praticado pelo su-
perior/a hierárquico/a, nas instituições de
ensino, o diretor/a (ou supervisor/a ou coor-
denador/a de ensino) cria, sistematicamente,
uma série de situações constrangedoras, ve-
xatórias e de pressão insustentável contra a
vítima (o/a professor/a).
A caracterização de assédio moral se dá
pela humilhação repetitiva e de longa duração
interfere na vida do trabalhador e trabalhadora de modo direto, comprome-
tendo sua identidade, dignidade e relações afetivas e sociais, ocasionando
graves danos à saúde física e mental*, que podem evoluir para a incapa-
cidade laborativa, desemprego ou mesmo a morte, constituindo um risco
invisível, porém concreto, nas relações e condições de trabalho.
Em resumo: um ato isolado de humilhação não é assédio moral.
Este pressupõe:
1. Repetição sistemática
2. Intencionalidade (forçar o outro a abrir mão do emprego)
3. Direcionalidade (uma pessoa do grupo é escolhida
como bode expiatório)
4. Temporalidade (durante a jornada, por dias e meses).
5. Degradação deliberada das condições de trabalho
E O/A TRABALHADOR/A, O QUE SENTE?
A dor e a humilhação decorrentes do assédio moral se constituem
em riscos invisíveis, porém, são concretos nas relações de trabalho e na
saúde dos/as trabalhadores/as.
Estudos revelam a diferenciação entre homens e mulheres, nas
manifestações dos sentimentos, após experimentarem as situações ve-
xatórias e constrangedoras: as mulheres expressam a sua indignação
com choro, tristeza, ressentimentos e mágoas; já os homens sentem
indignação, revolta, desonra e raiva.
Os/as trabalhadores/as, inde-
pendente de sexo, passam a con-
viver com depressão, distúrbios do
sono, hipertensão, distúrbios diges-
tivos, tremores, palpitações, dores
generalizadas, alteração da libido e
pensamentos ou tentativas de suicí-
dios. É fato que, independentemente do problema de saúde, a prática do
assédio moral leva a vítima ao sofrimento e ao perecimento.
Como já dito, a ausência de harmonia no ambiente de trabalho
conduz o/a trabalhador/a ao adoecimento, sendo certo que estes pro-
blemas de saúde, caso sejam identificados, podem ser caracterizados
como doenças ocupacionais.
QUAIS OS DIREITOS DESSE/A TRABALHADOR/A?
O/a trabalhador/a adoecido/a
tem o direito de se afastar e solicitar
a concessão do benefício previden-
ciário junto ao IPREV no caso dos/
as profissionais pertencentes ao Re-
gime Estatutário e ao INSS para os/
as profissionais do regime Celetista.
Caso seja constatada a doença, o/a
empregado/a será afastado/a pelo
órgão previdenciário, devendo ficar licenciado/a.
A doença, uma vez ocorrida em razão das condições prejudiciais
geradas no ambiente do trabalho, deverá ser caracterizada como aciden-
te de trabalho, e quando do retorno do/a trabalhador/a da licença previ-
denciária, gozará, por força da lei ou da convenção coletiva de trabalho,
de estabilidade no emprego.
Em função dos problemas de saúde, advindos do assédio moral po-
derá levar a exclusão da vítima de seu posto de trabalho. Esta situação
decorre da pressão realizada de forma reiterada que resulta no afastamento
do emprego (pedido de demissão, aposentadoria ou licença médica).
Independente de quem seja o autor do assédio moral, para o pro-
cesso trabalhista, a responsabilidade pelo pagamento da indenização para
reparação do dano causado (dano moral), será do empregador. Há casos
em que além do dano moral, verificam-se danos materiais (despesas com
tratamento da saúde, redução da remuneração por conta do licenciamento
previdenciário, etc.). A Justiça do Trabalho poderá determinar a reparação
do dano causado, tanto sob o aspecto moral como patrimonial (dano mo-
ral e material, respectivamente).
É dever do/a empregador/a manter um
ambientedetrabalhosaudáveleharmônico,sen-
do assim, é dele/a o risco do negócio e, portan-
to, os riscos provenientes da situação formada
num determinado ambiente de trabalho devem
ser assumidos objetivamente pela empresa que
contratou o/a empregado/a (isto é, não importa
se houve dolo ou culpa de sua parte).
O assédio moral permite, também, a
rescisão indireta do contrato de trabalho (rompimento do contrato por
justo motivo contra o/a empregador/a, conforme o artigo 483 da CLT),
sem detrimento do pagamento de indenização por dano moral e material.
O registro com o detalhe das agressões sofridas, a publicidade aos
demais colegas e a denuncia são essenciais. O silêncio do/a trabalhador/a,
além de aumentar a dor, gerando outros problemas de saúde, estimula de
forma indireta, o prosseguimento da conduta pelo/a agressor/a.
O assédio moral, por tudo que foi dito, é um ato perverso praticado
contra o/a trabalhador/a que, além de gerar uma infinidade de problemas
de saúde, conduz o empregado ao isolamento, que poderá resultar no
seu afastamento em definitivo do trabalho.
facebook.com/unidospelaeducacao • secretaria@sinte-sc.org.br • Fone: 48 3212 0300
Confederação Nacional dos
Trabalhadores em Educação
www.cnte.org.br
Filiado à
MAIO - 2014
EDITORIAL “Assédio moral ou
violência moral no
trabalho não é um
fenômeno novo.
Pode-se dizer que
ele é tão antigo
quanto o trabalho”.
“Segundo a OIT - Organização Mundial da Saúde as perspectivas são sombrias para as
duas próximas décadas, pois serão as décadas do ‘mal estar na globalização”, onde predomi-
nará depressões, angustias e outros danos psíquicos, relacionados com as novas políticas de
gestão na organização de trabalho e que estão vinculadas as políticas neoliberais”. No caso
da educação a implementação de projetos meritcráticos que premiam alguns e excluem outros
vem de encontro a estas políticas e é por isto que o SINTE/SC não concorda com elas.
A reflexão e o debate sobre o tema são recentes no Brasil, tendo ganhado força após a
divulgação da pesquisa brasileira realizada por Dra. Margarida Barreto em sua dissertação de
Mestrado em Psicologia Social, na PUC/ SP, sob o título “Uma jornada de humilhações”.
A novidade reside na intensificação, gravidade, amplitude e banalização do fenômeno
e na abordagem que tenta estabelecer o problema de forma casual dentro da organização do
trabalho e tratá-lo como não inerente ao trabalho. O assunto vem sendo discutido amplamente
pela sociedade, em particular pelo movimento sindical.
Preocupado com os fatos e devido ao grande número de denuncias recebidas o SINTE/
SC vem de público externar sua posição de repudio a qualquer ato que leve à exposição dos tra-
balhadores e trabalhadoras a situações humilhantes e constrangedoras, repetitivas e prolonga-
das em que predominam condutas negativas, relações desumanas e aéticas de longa duração,
dirigidas a um/a ou mais trabalhador/a no exercício de suas funções, desestabilizando a relação
da vítima com o ambiente de trabalho, por seus/as superiores hierárquicos/as forçando-o/a ao
abstenseísmo e nos casos mais extremos desistir do emprego.
“A humilhação repetitiva e de longa duração interfere na vida do trabalhador e trabalha-
dora de modo direto, comprometendo sua identidade, dignidade e relações afetivas e sociais,
ocasionando graves danos à saúde física e mental, que podem evoluir para a incapacidade
laborativa, desemprego ou mesmo a morte, constituindo um risco invisível, porém concreto,
nas relações e condições de trabalho”.
Lembramos que os/as colegas frequentemente reproduzem e reatualizam ações e atos
do agressor no ambiente de trabalho. Por isso precisamos estar atentos/as e combater firme-
mente tais atitudes, pois se constituem uma violência psicológica, causadora de danos à saúde
física e mental, não somente daquele que é excluído, mas de todo o coletivo que testemunha e
compactua com esses atos.
Não podemos tolerar este tipo de ação dentro das unidades escolares, que na figura de
seus superiores busca responsabilizar os trabalhadores pela formação/qualificação e culpa-
bilizá-los pela situação precária do ambiente de trabalho. Esta visão desfocada não reflete a
realidade e impõe aos/as trabalhadores/as um sofrimento perverso.
Lembramos que o responsável pela gestão do Patrimônio Público é o governo, portanto
cabe a ele zelar pela preservação do espaço físico das escolas bem como pelo bem estar inte-
gridade dos/as trabalhadores/as e alunos/as, oferecendo-lhes um ambiente seguro e saudável
para que possam desempenhar suas funções de forma produtiva e agradável.
PERFIS DOS ASSEDIADORES
De acordo com observação de traba-
lhadores, Martha Halfeld Furtado de
Mendonça Schmidt, na obra “O assédio
moral no Direito do Trabalho”, traça os
seguintes perfis dos/as assediadores:
PROFETA: Para ele/a demitir é “gran-
de realização”. Gosta de humilhar com
cautela, reserva e elegância.
PITBULL: Humilha os/as subordinados/
as por prazer. É agressivo/a, violento/a
e até perverso/a no que fala e em suas
ações.
TROGLODITA: É aquele/a que sempre
tem razão!
TIGRÃO/TIGRESA: Quer ser temido(a)
para esconder sua incapacidade e ne-
cessita de público para sentir-se respei-
tado(a).
MALA-BABÃO: É um “capataz moder-
no” – embora seja um/a assediador/a
de quinta categoria -, que controla e
persegue os/as subordinados/as com
“mão de ferro”. Geralmente é um em-
pregado/a que foi promovido/a, que faz
de tudo para se manter no cargo, é ca-
paz de transigir a própria honra como
o/a assediador/a Piranha.
GRANDE IRMÃO(Ã): Finge ser amigo(a)
do/a trabalhador/a, mas depois de co-
nhecer seus problemas particulares
manipula-o/a na primeira oportunidade.
GARGANTA: Vive contando vantagens e
não admite que seus/as subordinados/
as saibam mais que ele/a.
TASSEA (“TÁ SE ACHANDO”): É confu-
so/a e inseguro/a. Dá ordens contraditó-
rias. Se forem feitos elogios ao trabalho,
está sempre pronto para recebê-los;
contudo se é criticado, coloca a culpa
nos/as subordinados/as.
Outros perfis podem ser enumerados,
também baseados nas observações
dos(as) trabalhadores(as) da educação:
CAROLA: Arrasta-se nas barras de uma
batina, é bajulador(a) e não tem escrú-
pulos. É hipócrita. Finge pregar o bem e
usa a religião como capa para escon-
der a violência moral que pratica contra
seus/as subordinados/as.
MARQUETEIRO(A): Geralmente vem
de fora da empresa, só assumindo a
chefia por ter sido indicado/a por um(a)
parente ou agregado(a). Gosta de se fa-
zer passar por magnânimo(a), de estar
sempre em evidência e, principalmente,
de auferir vantagens em tudo o que faz.
Utiliza luz alheia para brilhar.
Tem uma maneira pragmática de exer-
cer a chefia da empresa, onde o lucro
está acima de tudo. Não admite que
ninguém conteste ou aponte defeitos da
sua ‘hábil’ administração. Se isso acon-
tece, passa sorrateiramente a assediar
o/a trabalhador/a, direta ou por meio de
outras pessoas.
PIRANHA: É um/a profissional frustra-
do(a), capaz de transigir a sua própria
honra em prol dos caprichos do(a) ‘che-
fe’. Obriga, ameaça, constrange e chan-
tageiam moralmente seus/as colegas
de trabalho, sujeitando-os/as às mais
diversas humilhações, provocando-lhes
doenças psicológicas e/ou físicas.
ESPECIAL ASSÉDIO MORAL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Assédio moral no ambiente de ttrabalho
Assédio moral no ambiente de ttrabalhoAssédio moral no ambiente de ttrabalho
Assédio moral no ambiente de ttrabalhoAndreia Silva
 
Assédio Moral no Trabalho em perguntas e respostas
Assédio Moral no Trabalho em perguntas e respostasAssédio Moral no Trabalho em perguntas e respostas
Assédio Moral no Trabalho em perguntas e respostasConsultor Independente
 
Assédio moral final
Assédio moral finalAssédio moral final
Assédio moral finalIone Milhomem
 
Clube de rh assédio moral no ambiente de trabalho - 16 06 11 - site
Clube de rh   assédio moral no ambiente de trabalho - 16 06 11 - siteClube de rh   assédio moral no ambiente de trabalho - 16 06 11 - site
Clube de rh assédio moral no ambiente de trabalho - 16 06 11 - siteClube de RH de Extrema e Região
 
O assédio moral nas relações do trabalho
O assédio moral nas relações do trabalhoO assédio moral nas relações do trabalho
O assédio moral nas relações do trabalhoFellipe Siqueira
 
Psicossociologia do trabalho trabalho de avaliacao - versao final
Psicossociologia do trabalho   trabalho de avaliacao - versao finalPsicossociologia do trabalho   trabalho de avaliacao - versao final
Psicossociologia do trabalho trabalho de avaliacao - versao finalmagdapreis
 
Apresentação assedio moral no trabalho
Apresentação assedio moral no trabalhoApresentação assedio moral no trabalho
Apresentação assedio moral no trabalhoNiraldo Nogueira Junior
 
Assédio moral no trabalho
Assédio moral no trabalhoAssédio moral no trabalho
Assédio moral no trabalhoSandro Moraes
 
Cartilhaassediomoralesexual web
Cartilhaassediomoralesexual webCartilhaassediomoralesexual web
Cartilhaassediomoralesexual webFlavio Mendes
 
Cartilha Assédio Moral e Sexual
Cartilha Assédio Moral e SexualCartilha Assédio Moral e Sexual
Cartilha Assédio Moral e SexualRobson Peixoto
 
Cartilha assedio moral
Cartilha assedio moralCartilha assedio moral
Cartilha assedio moralCosmo Palasio
 
Tcc orientandos 2010 2 tania - sindrome de burnout
Tcc orientandos 2010 2  tania - sindrome de burnoutTcc orientandos 2010 2  tania - sindrome de burnout
Tcc orientandos 2010 2 tania - sindrome de burnoutAntonio Silva
 
Assédio moral no trabalho power point
Assédio moral no trabalho power pointAssédio moral no trabalho power point
Assédio moral no trabalho power pointnilsonbelvio
 

Mais procurados (18)

Assédio moral no ambiente de ttrabalho
Assédio moral no ambiente de ttrabalhoAssédio moral no ambiente de ttrabalho
Assédio moral no ambiente de ttrabalho
 
Assédio[1]
Assédio[1]Assédio[1]
Assédio[1]
 
Assédio Moral no Trabalho em perguntas e respostas
Assédio Moral no Trabalho em perguntas e respostasAssédio Moral no Trabalho em perguntas e respostas
Assédio Moral no Trabalho em perguntas e respostas
 
Assédio moral final
Assédio moral finalAssédio moral final
Assédio moral final
 
Curso online assédio moral no trabalho
Curso online assédio moral no trabalhoCurso online assédio moral no trabalho
Curso online assédio moral no trabalho
 
Clube de rh assédio moral no ambiente de trabalho - 16 06 11 - site
Clube de rh   assédio moral no ambiente de trabalho - 16 06 11 - siteClube de rh   assédio moral no ambiente de trabalho - 16 06 11 - site
Clube de rh assédio moral no ambiente de trabalho - 16 06 11 - site
 
O assédio moral nas relações do trabalho
O assédio moral nas relações do trabalhoO assédio moral nas relações do trabalho
O assédio moral nas relações do trabalho
 
Psicossociologia do trabalho trabalho de avaliacao - versao final
Psicossociologia do trabalho   trabalho de avaliacao - versao finalPsicossociologia do trabalho   trabalho de avaliacao - versao final
Psicossociologia do trabalho trabalho de avaliacao - versao final
 
Apresentação assedio moral no trabalho
Apresentação assedio moral no trabalhoApresentação assedio moral no trabalho
Apresentação assedio moral no trabalho
 
Assédio moral no trabalho
Assédio moral no trabalhoAssédio moral no trabalho
Assédio moral no trabalho
 
Cartilhaassediomoralesexual web
Cartilhaassediomoralesexual webCartilhaassediomoralesexual web
Cartilhaassediomoralesexual web
 
Cartilha Assédio Moral e Sexual
Cartilha Assédio Moral e SexualCartilha Assédio Moral e Sexual
Cartilha Assédio Moral e Sexual
 
Mobbing -slides
Mobbing  -slidesMobbing  -slides
Mobbing -slides
 
2007003
20070032007003
2007003
 
Cartilha assedio moral
Cartilha assedio moralCartilha assedio moral
Cartilha assedio moral
 
Tcc orientandos 2010 2 tania - sindrome de burnout
Tcc orientandos 2010 2  tania - sindrome de burnoutTcc orientandos 2010 2  tania - sindrome de burnout
Tcc orientandos 2010 2 tania - sindrome de burnout
 
Sindrome de burnout
Sindrome de burnoutSindrome de burnout
Sindrome de burnout
 
Assédio moral no trabalho power point
Assédio moral no trabalho power pointAssédio moral no trabalho power point
Assédio moral no trabalho power point
 

Destaque

Destaque (20)

Folha de apresentação Shoptech (português)
Folha de apresentação Shoptech (português)Folha de apresentação Shoptech (português)
Folha de apresentação Shoptech (português)
 
Sexualidadeeafetos2015 2escolas
Sexualidadeeafetos2015 2escolasSexualidadeeafetos2015 2escolas
Sexualidadeeafetos2015 2escolas
 
Questões wallmart
Questões wallmartQuestões wallmart
Questões wallmart
 
Oficio 73 2014 perguntas cso mackenzie (1)
Oficio 73 2014 perguntas cso mackenzie (1)Oficio 73 2014 perguntas cso mackenzie (1)
Oficio 73 2014 perguntas cso mackenzie (1)
 
CARTA DE PRESENTACION
CARTA DE PRESENTACIONCARTA DE PRESENTACION
CARTA DE PRESENTACION
 
414 conhecimentos especificos-ufrn
414 conhecimentos especificos-ufrn414 conhecimentos especificos-ufrn
414 conhecimentos especificos-ufrn
 
Cm bragança 2fever
Cm bragança 2feverCm bragança 2fever
Cm bragança 2fever
 
DIABETES
DIABETESDIABETES
DIABETES
 
Revista de agencia
Revista de agenciaRevista de agencia
Revista de agencia
 
RESOLUÇÃO SEDS Nº 1528 DE 30 DE JANEIRO 2015 - Dispõe sobre a ordenação de de...
RESOLUÇÃO SEDS Nº 1528 DE 30 DE JANEIRO 2015 - Dispõe sobre a ordenação de de...RESOLUÇÃO SEDS Nº 1528 DE 30 DE JANEIRO 2015 - Dispõe sobre a ordenação de de...
RESOLUÇÃO SEDS Nº 1528 DE 30 DE JANEIRO 2015 - Dispõe sobre a ordenação de de...
 
Carta do Projeto Mediunidade Sem Tabu
Carta do Projeto Mediunidade Sem TabuCarta do Projeto Mediunidade Sem Tabu
Carta do Projeto Mediunidade Sem Tabu
 
Calendario-Veteranos
Calendario-VeteranosCalendario-Veteranos
Calendario-Veteranos
 
carratula
carratulacarratula
carratula
 
315 cpc 27 termo de aprovacao
315 cpc 27 termo de aprovacao315 cpc 27 termo de aprovacao
315 cpc 27 termo de aprovacao
 
Ejercicio 1
Ejercicio 1Ejercicio 1
Ejercicio 1
 
Ciclotron ctpr480
Ciclotron   ctpr480Ciclotron   ctpr480
Ciclotron ctpr480
 
Exercicio 1 cii
Exercicio 1 ciiExercicio 1 cii
Exercicio 1 cii
 
PARQUE DE CAMPISMO DE ALCOBAÇA
PARQUE DE CAMPISMO DE ALCOBAÇAPARQUE DE CAMPISMO DE ALCOBAÇA
PARQUE DE CAMPISMO DE ALCOBAÇA
 
Invitacin para boda
Invitacin para bodaInvitacin para boda
Invitacin para boda
 
Forme frases com as imagens
Forme frases com as imagensForme frases com as imagens
Forme frases com as imagens
 

Semelhante a Jornal SINTE/SC - mês de maio

Apresenta..(assédio moral)administração
Apresenta..(assédio moral)administraçãoApresenta..(assédio moral)administração
Apresenta..(assédio moral)administraçãoEnelirs
 
Campanha assédio moral e sexual - a5 - 12092022.pdf
Campanha assédio moral e sexual - a5 - 12092022.pdfCampanha assédio moral e sexual - a5 - 12092022.pdf
Campanha assédio moral e sexual - a5 - 12092022.pdfAgenildoAlvesSoares1
 
Campanha assédio moral e sexual - a5 - 12092022.pdf
Campanha assédio moral e sexual - a5 - 12092022.pdfCampanha assédio moral e sexual - a5 - 12092022.pdf
Campanha assédio moral e sexual - a5 - 12092022.pdfAgenildoAlvesSoares1
 
Cartilha-assédio-moral-TST.pdf
Cartilha-assédio-moral-TST.pdfCartilha-assédio-moral-TST.pdf
Cartilha-assédio-moral-TST.pdfCid Oliveira
 
ASSÉDIO MORAL E SEXUAL.pptx
ASSÉDIO MORAL E SEXUAL.pptxASSÉDIO MORAL E SEXUAL.pptx
ASSÉDIO MORAL E SEXUAL.pptxCatarinaJacinto6
 
gestao_stress_profissional.pptx
gestao_stress_profissional.pptxgestao_stress_profissional.pptx
gestao_stress_profissional.pptxCarlos Dias
 
Saúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalhoSaúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalhoAroldo Gavioli
 
manual-contra-o-assedio-cartilha-boxnet.pdf
manual-contra-o-assedio-cartilha-boxnet.pdfmanual-contra-o-assedio-cartilha-boxnet.pdf
manual-contra-o-assedio-cartilha-boxnet.pdfFLAMARIONDEPAULA2
 
Treinamento - Assédio Moral 02.pptx
Treinamento - Assédio Moral 02.pptxTreinamento - Assédio Moral 02.pptx
Treinamento - Assédio Moral 02.pptxELTONARAUJORAMOS2
 
Portugal mobbing
Portugal mobbingPortugal mobbing
Portugal mobbingEdma Simão
 
Fundacao-Libertas_Ebook_Assedio.pdf
Fundacao-Libertas_Ebook_Assedio.pdfFundacao-Libertas_Ebook_Assedio.pdf
Fundacao-Libertas_Ebook_Assedio.pdfPris57
 
manual-contra-o-assedio-cartilha.pptx
manual-contra-o-assedio-cartilha.pptxmanual-contra-o-assedio-cartilha.pptx
manual-contra-o-assedio-cartilha.pptxHailtonJose1
 
Assédio moral no trabalho
Assédio moral no trabalhoAssédio moral no trabalho
Assédio moral no trabalhorenatasbk
 
cartilha_assedio_compressed_1_1c.pdf
cartilha_assedio_compressed_1_1c.pdfcartilha_assedio_compressed_1_1c.pdf
cartilha_assedio_compressed_1_1c.pdfTardelliFuad1
 

Semelhante a Jornal SINTE/SC - mês de maio (20)

Cartilha mppr
Cartilha mpprCartilha mppr
Cartilha mppr
 
Apresenta..(assédio moral)administração
Apresenta..(assédio moral)administraçãoApresenta..(assédio moral)administração
Apresenta..(assédio moral)administração
 
CIPA ASSÉDIO.pptx
CIPA ASSÉDIO.pptxCIPA ASSÉDIO.pptx
CIPA ASSÉDIO.pptx
 
Campanha assédio moral e sexual - a5 - 12092022.pdf
Campanha assédio moral e sexual - a5 - 12092022.pdfCampanha assédio moral e sexual - a5 - 12092022.pdf
Campanha assédio moral e sexual - a5 - 12092022.pdf
 
Campanha assédio moral e sexual - a5 - 12092022.pdf
Campanha assédio moral e sexual - a5 - 12092022.pdfCampanha assédio moral e sexual - a5 - 12092022.pdf
Campanha assédio moral e sexual - a5 - 12092022.pdf
 
Cartilha-assédio-moral-TST.pdf
Cartilha-assédio-moral-TST.pdfCartilha-assédio-moral-TST.pdf
Cartilha-assédio-moral-TST.pdf
 
Assedio moral troca
Assedio moral trocaAssedio moral troca
Assedio moral troca
 
ASSÉDIO MORAL E SEXUAL.pptx
ASSÉDIO MORAL E SEXUAL.pptxASSÉDIO MORAL E SEXUAL.pptx
ASSÉDIO MORAL E SEXUAL.pptx
 
gestao_stress_profissional.pptx
gestao_stress_profissional.pptxgestao_stress_profissional.pptx
gestao_stress_profissional.pptx
 
Saúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalhoSaúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalho
 
manual-contra-o-assedio-cartilha-boxnet.pdf
manual-contra-o-assedio-cartilha-boxnet.pdfmanual-contra-o-assedio-cartilha-boxnet.pdf
manual-contra-o-assedio-cartilha-boxnet.pdf
 
Atualizacao burnout
Atualizacao burnoutAtualizacao burnout
Atualizacao burnout
 
Treinamento - Assédio Moral 02.pptx
Treinamento - Assédio Moral 02.pptxTreinamento - Assédio Moral 02.pptx
Treinamento - Assédio Moral 02.pptx
 
Portugal mobbing
Portugal mobbingPortugal mobbing
Portugal mobbing
 
Fundacao-Libertas_Ebook_Assedio.pdf
Fundacao-Libertas_Ebook_Assedio.pdfFundacao-Libertas_Ebook_Assedio.pdf
Fundacao-Libertas_Ebook_Assedio.pdf
 
manual-contra-o-assedio-cartilha.pptx
manual-contra-o-assedio-cartilha.pptxmanual-contra-o-assedio-cartilha.pptx
manual-contra-o-assedio-cartilha.pptx
 
Assédio moral no trabalho
Assédio moral no trabalhoAssédio moral no trabalho
Assédio moral no trabalho
 
cartilha_assedio_compressed_1_1c.pdf
cartilha_assedio_compressed_1_1c.pdfcartilha_assedio_compressed_1_1c.pdf
cartilha_assedio_compressed_1_1c.pdf
 
O stress no_ambiente_de_trabalho
O stress no_ambiente_de_trabalhoO stress no_ambiente_de_trabalho
O stress no_ambiente_de_trabalho
 
Manual 7229
Manual 7229Manual 7229
Manual 7229
 

Mais de sinteimp

Jornal do SINTE/SC - Especial Carreira - Fevereiro/2015
Jornal do SINTE/SC - Especial Carreira - Fevereiro/2015Jornal do SINTE/SC - Especial Carreira - Fevereiro/2015
Jornal do SINTE/SC - Especial Carreira - Fevereiro/2015sinteimp
 
Financeiro de dezembro de 2014
Financeiro de  dezembro de 2014Financeiro de  dezembro de 2014
Financeiro de dezembro de 2014sinteimp
 
Financeiro de novembro de 2014
Financeiro de novembro de 2014Financeiro de novembro de 2014
Financeiro de novembro de 2014sinteimp
 
Proposta governo
Proposta   governoProposta   governo
Proposta governosinteimp
 
Texto das Propostas de Emendas do PEE ao Fórum
Texto das Propostas de Emendas do PEE ao FórumTexto das Propostas de Emendas do PEE ao Fórum
Texto das Propostas de Emendas do PEE ao Fórumsinteimp
 
Diário Catarinense
Diário CatarinenseDiário Catarinense
Diário Catarinensesinteimp
 
Sobre Calendário Escolar
Sobre Calendário EscolarSobre Calendário Escolar
Sobre Calendário Escolarsinteimp
 
Sobre Pauta Salarial
Sobre Pauta SalarialSobre Pauta Salarial
Sobre Pauta Salarialsinteimp
 
Tabela salarial com reajuste de 4,5%
Tabela salarial com reajuste de 4,5%Tabela salarial com reajuste de 4,5%
Tabela salarial com reajuste de 4,5%sinteimp
 
Exames médicos valores - União Sindical
Exames médicos   valores - União SindicalExames médicos   valores - União Sindical
Exames médicos valores - União Sindicalsinteimp
 
Convênios médicos - valores - União Sindical
Convênios médicos - valores - União SindicalConvênios médicos - valores - União Sindical
Convênios médicos - valores - União Sindicalsinteimp
 
Carta compromisso-candidatos-a-governador-2014-ok
Carta compromisso-candidatos-a-governador-2014-okCarta compromisso-candidatos-a-governador-2014-ok
Carta compromisso-candidatos-a-governador-2014-oksinteimp
 
Requerimento Imposto Sindical 2014
Requerimento Imposto Sindical 2014Requerimento Imposto Sindical 2014
Requerimento Imposto Sindical 2014sinteimp
 
PNE PME Cadeno de Orientações
PNE PME Cadeno de OrientaçõesPNE PME Cadeno de Orientações
PNE PME Cadeno de Orientaçõessinteimp
 
Exames médicos - valores - União Sindical
Exames médicos - valores - União SindicalExames médicos - valores - União Sindical
Exames médicos - valores - União Sindicalsinteimp
 
Convênios médicos - valores - União Sindical
Convênios médicos - valores - União SindicalConvênios médicos - valores - União Sindical
Convênios médicos - valores - União Sindicalsinteimp
 
Cartilha Plebiscito Popular
Cartilha Plebiscito PopularCartilha Plebiscito Popular
Cartilha Plebiscito Popularsinteimp
 
CONVÊNIO UNIÃO SINDICAL CHAPECÓ E REGIÃO
CONVÊNIO UNIÃO SINDICAL CHAPECÓ E REGIÃOCONVÊNIO UNIÃO SINDICAL CHAPECÓ E REGIÃO
CONVÊNIO UNIÃO SINDICAL CHAPECÓ E REGIÃOsinteimp
 
Cartilha Plebiscito Popular
Cartilha Plebiscito PopularCartilha Plebiscito Popular
Cartilha Plebiscito Popularsinteimp
 
Brasil de Fato - Edição 05-11/06/2014
Brasil de Fato - Edição 05-11/06/2014Brasil de Fato - Edição 05-11/06/2014
Brasil de Fato - Edição 05-11/06/2014sinteimp
 

Mais de sinteimp (20)

Jornal do SINTE/SC - Especial Carreira - Fevereiro/2015
Jornal do SINTE/SC - Especial Carreira - Fevereiro/2015Jornal do SINTE/SC - Especial Carreira - Fevereiro/2015
Jornal do SINTE/SC - Especial Carreira - Fevereiro/2015
 
Financeiro de dezembro de 2014
Financeiro de  dezembro de 2014Financeiro de  dezembro de 2014
Financeiro de dezembro de 2014
 
Financeiro de novembro de 2014
Financeiro de novembro de 2014Financeiro de novembro de 2014
Financeiro de novembro de 2014
 
Proposta governo
Proposta   governoProposta   governo
Proposta governo
 
Texto das Propostas de Emendas do PEE ao Fórum
Texto das Propostas de Emendas do PEE ao FórumTexto das Propostas de Emendas do PEE ao Fórum
Texto das Propostas de Emendas do PEE ao Fórum
 
Diário Catarinense
Diário CatarinenseDiário Catarinense
Diário Catarinense
 
Sobre Calendário Escolar
Sobre Calendário EscolarSobre Calendário Escolar
Sobre Calendário Escolar
 
Sobre Pauta Salarial
Sobre Pauta SalarialSobre Pauta Salarial
Sobre Pauta Salarial
 
Tabela salarial com reajuste de 4,5%
Tabela salarial com reajuste de 4,5%Tabela salarial com reajuste de 4,5%
Tabela salarial com reajuste de 4,5%
 
Exames médicos valores - União Sindical
Exames médicos   valores - União SindicalExames médicos   valores - União Sindical
Exames médicos valores - União Sindical
 
Convênios médicos - valores - União Sindical
Convênios médicos - valores - União SindicalConvênios médicos - valores - União Sindical
Convênios médicos - valores - União Sindical
 
Carta compromisso-candidatos-a-governador-2014-ok
Carta compromisso-candidatos-a-governador-2014-okCarta compromisso-candidatos-a-governador-2014-ok
Carta compromisso-candidatos-a-governador-2014-ok
 
Requerimento Imposto Sindical 2014
Requerimento Imposto Sindical 2014Requerimento Imposto Sindical 2014
Requerimento Imposto Sindical 2014
 
PNE PME Cadeno de Orientações
PNE PME Cadeno de OrientaçõesPNE PME Cadeno de Orientações
PNE PME Cadeno de Orientações
 
Exames médicos - valores - União Sindical
Exames médicos - valores - União SindicalExames médicos - valores - União Sindical
Exames médicos - valores - União Sindical
 
Convênios médicos - valores - União Sindical
Convênios médicos - valores - União SindicalConvênios médicos - valores - União Sindical
Convênios médicos - valores - União Sindical
 
Cartilha Plebiscito Popular
Cartilha Plebiscito PopularCartilha Plebiscito Popular
Cartilha Plebiscito Popular
 
CONVÊNIO UNIÃO SINDICAL CHAPECÓ E REGIÃO
CONVÊNIO UNIÃO SINDICAL CHAPECÓ E REGIÃOCONVÊNIO UNIÃO SINDICAL CHAPECÓ E REGIÃO
CONVÊNIO UNIÃO SINDICAL CHAPECÓ E REGIÃO
 
Cartilha Plebiscito Popular
Cartilha Plebiscito PopularCartilha Plebiscito Popular
Cartilha Plebiscito Popular
 
Brasil de Fato - Edição 05-11/06/2014
Brasil de Fato - Edição 05-11/06/2014Brasil de Fato - Edição 05-11/06/2014
Brasil de Fato - Edição 05-11/06/2014
 

Último

Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Susana Stoffel
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptxthaisamaral9365923
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?Rosalina Simão Nunes
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSlides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSilvana Silva
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
COMPETÊNCIA 1 DA REDAÇÃO DO ENEM - REDAÇÃO ENEM
COMPETÊNCIA 1 DA REDAÇÃO DO ENEM - REDAÇÃO ENEMCOMPETÊNCIA 1 DA REDAÇÃO DO ENEM - REDAÇÃO ENEM
COMPETÊNCIA 1 DA REDAÇÃO DO ENEM - REDAÇÃO ENEMVanessaCavalcante37
 
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxPedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxleandropereira983288
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 

Último (20)

Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSlides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
COMPETÊNCIA 1 DA REDAÇÃO DO ENEM - REDAÇÃO ENEM
COMPETÊNCIA 1 DA REDAÇÃO DO ENEM - REDAÇÃO ENEMCOMPETÊNCIA 1 DA REDAÇÃO DO ENEM - REDAÇÃO ENEM
COMPETÊNCIA 1 DA REDAÇÃO DO ENEM - REDAÇÃO ENEM
 
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxPedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 

Jornal SINTE/SC - mês de maio

  • 1. ASSÉDIO MORAL, O QUE É? Caracteriza-se por ser uma conduta (seja por ação ou por omis- são) abusiva e lesiva, praticada de forma repetitiva e prolongada. Tem natureza psicológica e interfere diretamente no ambiente do trabalho, mi- nando a autoestima do/a trabalhador/a. O as- sédio moral atenta contra a dignidade moral, física e psíquica do/a trabalhador/a, expon- do-o/a situações de humilhação, isolamento e constrangimento. Em suma, ofende a sua dignidade, a personalidade ou a integridade psíquica. Ainda que regularmente praticado, o assédio moral foi confundido com outros problemas do trabalho, como conflito pontu- al entre os colegas e estresse tornando difícil sua conceituação e o problema foi ignorado por muito tempo. A prática do assédio moral pode ter diferentes finalidades um dos principais é a exclusão do/ trabalhador/a do emprego pela critica constante ao seu desempenho profissional ou a sua forma de pensar e agir princi- palmente por parte de seus superiores imediatos. Pode ocorrer também quando os/as trabalhadores/as são obrigados a exercer suas funções em um ambiente de trabalho deteriorado onde as condições são precárias e inadequadas, uma situação muito frequente no ambiente escolar. A psiquiatra francesa Marie Frace Hirigoyen, na obra Mal Estar no Trabalho, definiu o assédio moral como: “Qualquer conduta abusiva que atente, por sua repetição ou sistematização, contra a dignidade e inte- gridade psíquica ou física de uma pessoa, ameaçando seu emprego, ou degradando o clima de trabalho”. COMO ACONTECE? No ambiente de trabalho, o assédio moral, segundo a psiquiatra, pode se dar pela recusa da comunicação direta, desqualificação, des- crédito, isolamento, obrigatoriedade ao ócio, vexame, indução ao erro, mentira, desprezo; abuso de poder, rivalidade, ou ainda pela omissão da empresa em resolver o problema ou pela ação da empresa em estimular métodos perversos. São problemas que ferem o âmago da pessoa e sua dignidade, gerando a perda da confiança que se tinha depositado na empresa, na hierarquia ou nos/as colegas. O assédio moral pode ser individual ou coletivo. Exemplos: as pressões que ocorrem em situações de greve; as práticas antissindicais; intimidações para que os/as trabalhadores/as aceitem condições de trabalho consideradas pelo grupo como sendo prejudiciais, dentre outros casos. Nos casos mais frequentes, ou seja, nas hipóteses de assédio praticado pelo su- perior/a hierárquico/a, nas instituições de ensino, o diretor/a (ou supervisor/a ou coor- denador/a de ensino) cria, sistematicamente, uma série de situações constrangedoras, ve- xatórias e de pressão insustentável contra a vítima (o/a professor/a). A caracterização de assédio moral se dá pela humilhação repetitiva e de longa duração interfere na vida do trabalhador e trabalhadora de modo direto, comprome- tendo sua identidade, dignidade e relações afetivas e sociais, ocasionando graves danos à saúde física e mental*, que podem evoluir para a incapa- cidade laborativa, desemprego ou mesmo a morte, constituindo um risco invisível, porém concreto, nas relações e condições de trabalho. Em resumo: um ato isolado de humilhação não é assédio moral. Este pressupõe: 1. Repetição sistemática 2. Intencionalidade (forçar o outro a abrir mão do emprego) 3. Direcionalidade (uma pessoa do grupo é escolhida como bode expiatório) 4. Temporalidade (durante a jornada, por dias e meses). 5. Degradação deliberada das condições de trabalho E O/A TRABALHADOR/A, O QUE SENTE? A dor e a humilhação decorrentes do assédio moral se constituem em riscos invisíveis, porém, são concretos nas relações de trabalho e na saúde dos/as trabalhadores/as. Estudos revelam a diferenciação entre homens e mulheres, nas manifestações dos sentimentos, após experimentarem as situações ve- xatórias e constrangedoras: as mulheres expressam a sua indignação com choro, tristeza, ressentimentos e mágoas; já os homens sentem indignação, revolta, desonra e raiva. Os/as trabalhadores/as, inde- pendente de sexo, passam a con- viver com depressão, distúrbios do sono, hipertensão, distúrbios diges- tivos, tremores, palpitações, dores generalizadas, alteração da libido e pensamentos ou tentativas de suicí- dios. É fato que, independentemente do problema de saúde, a prática do assédio moral leva a vítima ao sofrimento e ao perecimento. Como já dito, a ausência de harmonia no ambiente de trabalho conduz o/a trabalhador/a ao adoecimento, sendo certo que estes pro- blemas de saúde, caso sejam identificados, podem ser caracterizados como doenças ocupacionais. QUAIS OS DIREITOS DESSE/A TRABALHADOR/A? O/a trabalhador/a adoecido/a tem o direito de se afastar e solicitar a concessão do benefício previden- ciário junto ao IPREV no caso dos/ as profissionais pertencentes ao Re- gime Estatutário e ao INSS para os/ as profissionais do regime Celetista. Caso seja constatada a doença, o/a empregado/a será afastado/a pelo órgão previdenciário, devendo ficar licenciado/a. A doença, uma vez ocorrida em razão das condições prejudiciais geradas no ambiente do trabalho, deverá ser caracterizada como aciden- te de trabalho, e quando do retorno do/a trabalhador/a da licença previ- denciária, gozará, por força da lei ou da convenção coletiva de trabalho, de estabilidade no emprego. Em função dos problemas de saúde, advindos do assédio moral po- derá levar a exclusão da vítima de seu posto de trabalho. Esta situação decorre da pressão realizada de forma reiterada que resulta no afastamento do emprego (pedido de demissão, aposentadoria ou licença médica). Independente de quem seja o autor do assédio moral, para o pro- cesso trabalhista, a responsabilidade pelo pagamento da indenização para reparação do dano causado (dano moral), será do empregador. Há casos em que além do dano moral, verificam-se danos materiais (despesas com tratamento da saúde, redução da remuneração por conta do licenciamento previdenciário, etc.). A Justiça do Trabalho poderá determinar a reparação do dano causado, tanto sob o aspecto moral como patrimonial (dano mo- ral e material, respectivamente). É dever do/a empregador/a manter um ambientedetrabalhosaudáveleharmônico,sen- do assim, é dele/a o risco do negócio e, portan- to, os riscos provenientes da situação formada num determinado ambiente de trabalho devem ser assumidos objetivamente pela empresa que contratou o/a empregado/a (isto é, não importa se houve dolo ou culpa de sua parte). O assédio moral permite, também, a rescisão indireta do contrato de trabalho (rompimento do contrato por justo motivo contra o/a empregador/a, conforme o artigo 483 da CLT), sem detrimento do pagamento de indenização por dano moral e material. O registro com o detalhe das agressões sofridas, a publicidade aos demais colegas e a denuncia são essenciais. O silêncio do/a trabalhador/a, além de aumentar a dor, gerando outros problemas de saúde, estimula de forma indireta, o prosseguimento da conduta pelo/a agressor/a. O assédio moral, por tudo que foi dito, é um ato perverso praticado contra o/a trabalhador/a que, além de gerar uma infinidade de problemas de saúde, conduz o empregado ao isolamento, que poderá resultar no seu afastamento em definitivo do trabalho. facebook.com/unidospelaeducacao • secretaria@sinte-sc.org.br • Fone: 48 3212 0300 Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação www.cnte.org.br Filiado à MAIO - 2014 EDITORIAL “Assédio moral ou violência moral no trabalho não é um fenômeno novo. Pode-se dizer que ele é tão antigo quanto o trabalho”. “Segundo a OIT - Organização Mundial da Saúde as perspectivas são sombrias para as duas próximas décadas, pois serão as décadas do ‘mal estar na globalização”, onde predomi- nará depressões, angustias e outros danos psíquicos, relacionados com as novas políticas de gestão na organização de trabalho e que estão vinculadas as políticas neoliberais”. No caso da educação a implementação de projetos meritcráticos que premiam alguns e excluem outros vem de encontro a estas políticas e é por isto que o SINTE/SC não concorda com elas. A reflexão e o debate sobre o tema são recentes no Brasil, tendo ganhado força após a divulgação da pesquisa brasileira realizada por Dra. Margarida Barreto em sua dissertação de Mestrado em Psicologia Social, na PUC/ SP, sob o título “Uma jornada de humilhações”. A novidade reside na intensificação, gravidade, amplitude e banalização do fenômeno e na abordagem que tenta estabelecer o problema de forma casual dentro da organização do trabalho e tratá-lo como não inerente ao trabalho. O assunto vem sendo discutido amplamente pela sociedade, em particular pelo movimento sindical. Preocupado com os fatos e devido ao grande número de denuncias recebidas o SINTE/ SC vem de público externar sua posição de repudio a qualquer ato que leve à exposição dos tra- balhadores e trabalhadoras a situações humilhantes e constrangedoras, repetitivas e prolonga- das em que predominam condutas negativas, relações desumanas e aéticas de longa duração, dirigidas a um/a ou mais trabalhador/a no exercício de suas funções, desestabilizando a relação da vítima com o ambiente de trabalho, por seus/as superiores hierárquicos/as forçando-o/a ao abstenseísmo e nos casos mais extremos desistir do emprego. “A humilhação repetitiva e de longa duração interfere na vida do trabalhador e trabalha- dora de modo direto, comprometendo sua identidade, dignidade e relações afetivas e sociais, ocasionando graves danos à saúde física e mental, que podem evoluir para a incapacidade laborativa, desemprego ou mesmo a morte, constituindo um risco invisível, porém concreto, nas relações e condições de trabalho”. Lembramos que os/as colegas frequentemente reproduzem e reatualizam ações e atos do agressor no ambiente de trabalho. Por isso precisamos estar atentos/as e combater firme- mente tais atitudes, pois se constituem uma violência psicológica, causadora de danos à saúde física e mental, não somente daquele que é excluído, mas de todo o coletivo que testemunha e compactua com esses atos. Não podemos tolerar este tipo de ação dentro das unidades escolares, que na figura de seus superiores busca responsabilizar os trabalhadores pela formação/qualificação e culpa- bilizá-los pela situação precária do ambiente de trabalho. Esta visão desfocada não reflete a realidade e impõe aos/as trabalhadores/as um sofrimento perverso. Lembramos que o responsável pela gestão do Patrimônio Público é o governo, portanto cabe a ele zelar pela preservação do espaço físico das escolas bem como pelo bem estar inte- gridade dos/as trabalhadores/as e alunos/as, oferecendo-lhes um ambiente seguro e saudável para que possam desempenhar suas funções de forma produtiva e agradável. PERFIS DOS ASSEDIADORES De acordo com observação de traba- lhadores, Martha Halfeld Furtado de Mendonça Schmidt, na obra “O assédio moral no Direito do Trabalho”, traça os seguintes perfis dos/as assediadores: PROFETA: Para ele/a demitir é “gran- de realização”. Gosta de humilhar com cautela, reserva e elegância. PITBULL: Humilha os/as subordinados/ as por prazer. É agressivo/a, violento/a e até perverso/a no que fala e em suas ações. TROGLODITA: É aquele/a que sempre tem razão! TIGRÃO/TIGRESA: Quer ser temido(a) para esconder sua incapacidade e ne- cessita de público para sentir-se respei- tado(a). MALA-BABÃO: É um “capataz moder- no” – embora seja um/a assediador/a de quinta categoria -, que controla e persegue os/as subordinados/as com “mão de ferro”. Geralmente é um em- pregado/a que foi promovido/a, que faz de tudo para se manter no cargo, é ca- paz de transigir a própria honra como o/a assediador/a Piranha. GRANDE IRMÃO(Ã): Finge ser amigo(a) do/a trabalhador/a, mas depois de co- nhecer seus problemas particulares manipula-o/a na primeira oportunidade. GARGANTA: Vive contando vantagens e não admite que seus/as subordinados/ as saibam mais que ele/a. TASSEA (“TÁ SE ACHANDO”): É confu- so/a e inseguro/a. Dá ordens contraditó- rias. Se forem feitos elogios ao trabalho, está sempre pronto para recebê-los; contudo se é criticado, coloca a culpa nos/as subordinados/as. Outros perfis podem ser enumerados, também baseados nas observações dos(as) trabalhadores(as) da educação: CAROLA: Arrasta-se nas barras de uma batina, é bajulador(a) e não tem escrú- pulos. É hipócrita. Finge pregar o bem e usa a religião como capa para escon- der a violência moral que pratica contra seus/as subordinados/as. MARQUETEIRO(A): Geralmente vem de fora da empresa, só assumindo a chefia por ter sido indicado/a por um(a) parente ou agregado(a). Gosta de se fa- zer passar por magnânimo(a), de estar sempre em evidência e, principalmente, de auferir vantagens em tudo o que faz. Utiliza luz alheia para brilhar. Tem uma maneira pragmática de exer- cer a chefia da empresa, onde o lucro está acima de tudo. Não admite que ninguém conteste ou aponte defeitos da sua ‘hábil’ administração. Se isso acon- tece, passa sorrateiramente a assediar o/a trabalhador/a, direta ou por meio de outras pessoas. PIRANHA: É um/a profissional frustra- do(a), capaz de transigir a sua própria honra em prol dos caprichos do(a) ‘che- fe’. Obriga, ameaça, constrange e chan- tageiam moralmente seus/as colegas de trabalho, sujeitando-os/as às mais diversas humilhações, provocando-lhes doenças psicológicas e/ou físicas. ESPECIAL ASSÉDIO MORAL