SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
PINTURA
É a técnica de empregar pigmento a uma superfície, para colori-la, dando-
lhe matizes, tons e texturas. Mais especificamente é a arte de pintar uma
superfície, como papel, tela ou uma parede. Essa arte diferencia-se do de-
senho pelo uso dos pigmentos líquidos e do uso constante da cor, já que o
mesmo utiliza-se principalmente de materiais secos. Entretanto, existem
controvérsias quanto a essa definição de pintura. Com a variedade de ex-
periências entre diferentes meios e o uso da tecnologia digital, a ideia de
pintura não necessita se restringir à aplicação “do pigmento em forma
líquida”. A pintura é uma forma de manifestação artística existente há mui-
to tempo na História da humanidade, como revelam as pinturas rupestres,
feitas por homens pré-históricos em rochas ou cavernas. Existem vários
tipos de pintura, como os afrescos, pintura a óleo, por meio de pigmentos
diluídos em um solvente; pintura mural, feita ou aplicada sobre uma pare-
de; pintura a têmpera, pigmentos dissolvidos em um adstringente, como a
cola. Muitos consideram a pintura a óleo como um dos suportes artísticos
tradicionais mais importantes. Essa foi usada na criação de muitas obras de
arte, como a Mona Lisa. A pintura pode ser ligada à produção de imagens
decorativas ou imagens de representação, seja esta figurativa ou abstrata.
Uma pintura figurativa é essencialmente a representação pictórica de um
tema, ou seja, quando o artista reproduz em seu quadro uma realidade
que lhe é familiar. O tema pode ser uma paisagem, uma natureza morta,
uma cena mitológica ou cotidiana. Já a pintura abstrata não procura retra-
tar objetos ou paisagens, pois está inserida em uma realidade própria.
          ESCULTURA
      Considerada a terceira das artes clássicas, a escultura é a técnica de
      representar objetos e seres através da reprodução de formas. Utili-
      za-se de materiais como gesso, pedra, madeira, resinas sintéticas,
      aço, ferro, mármore e das seguintes técnicas: cinzelação, fundição,
      moldagem ou a aglomeração de partículas. Sua origem baseia-se na
      imitação da natureza, com o intuito maior de representar o corpo
      humano. A escolha do material envolve a técnica utilizada. Novas
      técnicas como dobra e solda de chapas metálicas, moldagens com
      resinas, plásticos, materiais tridimensionais tem sido empregadas. A
      escultura na Pré-História foi associada à magia e à religião. No perío-
      do paleolítico, o objetivo era moldar animais e figuras humanas,
      geralmente femininas. A escultura, como é conhecida atualmente,
      surgiu no Oriente Médio, foi uma das últimas artes a serem desen-
      volvidas durante a Idade Média, talvez pelo apelo sensual. A Grécia
      Clássica é o berço ocidental da arte de esculpir, desde os seus pri-
      meiros artefatos em mármore ou bronze a partir do século 10 a.C.,
      até o apogeu da era de Péricles, com as esculturas da Acrópole de
      Atenas. Posteriormente, os romanos aderiram à cultura clássica e
      continuaram a produzir esculturas até o fim do império, difundindo o
      trabalho em mármore por todo o império. Foi no Renascimento que
      a escultura se destacou, com a famosa estátua de Davi, de Michelan-
      gelo. Donatello e Verocchio foram outros mestres importantes do
      período. Entre os séculos XIX e XX, destacam-se os artistas Constan-
      tin Brancuse e August Rodin, dois mestres da escultura que influen-
      ciaram vários outros artistas.
MÚSICA
 É a combinação artística dos sons. A música, como arte, é uma forma de
 produzir ou transmitir o que é belo. É uma forma de expressão que utiliza
 os sons como matéria prima, assim como a linguagem convencional utiliza
 palavras. Definimos por SOM, ao resultado audível da vibração dos corpos.
 Quando um corpo vibra, todo ar ao seu redor vibra na mesma velocidade
 (frequência) e intensidade (amplitude). Essa vibração se propaga por todos
 os lados perdendo força de acordo com a distância que percorre. Quando
 uma vibração audível (entre 20 e 22.000 vibrações por segundo, aproxima-
 damente) chega aos nossos ouvidos, faz vibrar nossos tímpanos, transmi-
 tindo essa informação ao cérebro, que a entende como som.



               CINEMA
O cinema, abreviação de cinematógrafo, é a técnica de projetar fotogramas
(quadros) de forma rápida e sucessiva para criar a impressão de movimento
("kino" em grego significa movimento e "grafos" escrever ou gravar), bem
como a arte de se produzir obras estéticas, narrativas ou não, com esta técni-
ca. Como registro de imagens e som em comunicação, o Cinema também é
uma mídia.




                DANÇA
A dança, arte de movimentar o corpo em certo ritmo, é uma das três princi-
pais artes cênicas da Antiguidade, ao lado do teatro e da música. Caracteri-
za-se tanto pelos movimentos previamente estabelecidos (coreografia), ou
improvisados (dança livre). Pode existir como expressão artística ou como
forma de divertimento. Enquanto arte, a dança se expressa por meio dos
signos de movimento, com ou sem ligação musical, para um determinado
público. As danças em grupo foram praticadas desde as primeiras civiliza-
ções, em rituais religiosos. Aperfeiçoaram-se até possuir ritmo, passos e
roupas determinados. No Egito, por volta de 2000 a.C., dançava-se em ho-
menagem aos deuses. Na Grécia Clássica, a dança era relacionada aos jogos
olímpicos. Os tratados sobre dança surgiram a partir do século XVI. Cada
país europeu criou suas próprias danças. Primeiro eram coletivas, depois
foram adaptadas aos pares. No século XIX começaram a aparecer danças
mais sensuais, como o maxixe e o tango. Assim como vários outros aspectos
culturais, a dança foi se transformando na proporção em que os povos fo-
ram se misturando. A dança é uma arte. É um conjunto de regras para reali-
zar algo com perfeição. Exige habilidade e compromisso ao dedicar-se, toda-
via é uma forma de expressão artística coordenada, que carece de senti-
mentos e ideias através do movimento corporal. Na maior parte dos casos, a
dança, com passos cadenciados é acompanhada ao som e compasso de mú-
sica e envolve a expressão de sentimentos potenciados por ela.
TEATRO
Surgiu na Grécia Antiga, no séc. IX a.C. Consiste em representar uma situação e estimu-
lar sentimentos na audiência. A tríade: quem vê, o que se vê e o imaginado é o apoio do
drama, pois ele exige reflexão propiciada através do ator ou conjunto de atores inter-
pretando uma história. A palavra teatro pode significar tanto o prédio em que se exi-
bem as diferentes formas de arte como a delimitada arte. A arte de representar prospe-
rou em terrenos sagrados na Índia, Egito, Grécia, China e nas Igrejas da Idade Média. O
modo pelo qual o homem descobriu para revelar seus sentimentos de amor e ódio. As
primeiras sociedades primitivas acreditavam que a dança imitativa influenciava os fatos
necessários à sobrevivência através de poderes sobrenaturais, por isso alguns historia-
dores assinalam a origem do teatro a partir deste ritual. Os principais gêneros dramáti-
cos conhecidos são: a tragédia nascida na Grécia, a comédia que representa os ridículos
da humanidade, a tragicomédia que é a transição da comédia para o drama e o drama
(melodrama), ao ser representado é acompanhado por música. O Padre José de Anchi-
eta evidenciou a implantação do teatro no Brasil com o interesse de catequizar os índios
para o catolicismo e impedir os hábitos condenáveis dos colonizadores portugueses,
sendo assim uma ideia mais religiosa do que artística.
                        DESENHO
             O desenho é a arte de representar, ou criar formas, utilizando materiais
             como lápis, carvão, pincel. Diferencia-se da pintura e da gravura, por ser
             considerado tanto como processo quanto como resultado artístico, uma
             obra bidimensional composta por linhas, pontos e formas. Na pintura a
             superfície é marcada por lápis, caneta, pincel, os movimentos dão origem
             aos pontos, linhas e formas planas. Outro aspecto que diferencia o dese-
             nho da pintura, é que no primeiro não há mistura de cores antes da aplica-
             ção, essas são utilizadas puras, enquanto na pintura as cores são mistura-
             das para dar origem a outras novas. Existem várias técnicas de desenho, e
             a escolha dos materiais utilizados está relacionada com a mesma. O dese-
             nho existe desde a Pré-História, como forma de manifestação estética e
             linguagem expressiva, porém obteve status de arte durante a Idade Mé-
             dia. O desenho possibilitou o estudo da figura humana. Desde o final do
             século XIX, os desenhos eram bastante utilizados em publicidade. As pos-
             sibilidades técnicas da arte do desenho foram ampliadas nas últimas déca-
             das do século XX, com o computador que disponibiliza programas como o
             Corel Draw, Adobe Illustrator, Photoshop e outros.
                         GRAFITE
            Manifestação artística surgida em Nova York (EUA), na década de 1970.
            Consiste em um movimento organizado nas artes plásticas, em que o artis-
            ta cria uma linguagem intencional para interferir na cidade, aproveitando
            os espaços públicos da mesma para a crítica social. No Brasil, o grafite che-
            gou ao final dos anos de 1970, em São Paulo. Hoje o estilo desenvolvido
            pelos brasileiros é reconhecido entre os melhores do mundo. O movimento
            apareceu quando um grupo de jovens começou a fazer desenhos nas pare-
            des da cidade, ao invés de apenas escrever. É considerado por muitos co-
            mo um ato de vandalismo, por sujar as paredes. Nesse caso são chamados
            de pichação, vistas apenas como diversão para provocar as pessoas. As
            primeiras expressões apareceram nos muros de Paris em maio de 1968,
            com a revolução contracultural. O grafite está ligado a movimentos como o
            hip hop. A tinta mais usada pelos grafiteiros é o spray em lata. O látex é
            aplicado sobre máscaras vazadas, para demarcar a região a ser pintada.
ARTESANATO
        consiste no próprio trabalho manual ou criação de um artesão. Com
        a mecanização da indústria, o artesão é visto como aquele que pro-
        duz objetos que fazem parte da cultura popular. Geralmente os obje-
        tos utilitários ou decorativos que são feitos, possuem em sua estéti-
        ca características da cultura da comunidade ou da região onde são
        criados. Por tradição, o artesanato é a produção de especificidade
        familiar, onde o artesão é o proprietário dos meios de produção e
        trabalha em conjunto com a família em sua própria casa. Os primei-
        ros objetos feitos pelo homem eram artesanais. No período neolítico
        (6.000 a.C.) o homem aprendeu a polir a pedra, a fabricar a cerâmica
        como utensílio para armazenar e cozer alimentos, e descobriu a téc-
        nica de tecelagem das fibras animais e vegetais. Historicamente o
        artesão é responsável pela seleção da matéria-prima a ser usada,
        pelo projeto do produto a ser executado, transformação da matéria-
        prima em produto acabado. As técnicas do artesanato brasileiro que
        se sobressaem são a cerâmica, as rendas, a cestaria, a tecelagem e
        os trabalhos em madeira, pedra e couro. A cerâmica utiliza dois in-
        gredientes básicos: argila e água. A partir disso se fabrica vasos, lou-
        ças, imagens de santos, bonecas e figuras de bichos. A cestaria é
        feita com fibras vegetais, como o buriti, a carnaúba, a piaçava e o
        babaçu. As técnicas do artesanato que receberam forte influência
        indígena são comumente encontradas nos estados do Ceará, Piauí,
        Maranhão, Bahia, Rio Grande do Norte, Tocantins, Roraima e Ama-
        zonas. O trabalho com a madeira é muito empregado pelos santeiros
        de Ibimirim (PE) e de várias cidades do Piauí que aplicaram um estilo
        próprio para representar cenas religiosas.



               ORIGAMI
A arte da dobradura de papel tem a palavra oriunda do japonês ori, que signi-
fica dobrar, e kami, que significa papel. A arte milenar consiste na criação de
objetos e formas a partir de um pedaço de papel quadrado, sem cortá-lo,
onde as faces podem ser de cores diferentes. Muito praticada no Japão, a
cultura do Origami japonês, que se desenvolveu desde o período Edo, dife-
rencia-se das outras por cortar o papel durante a criação do modelo ou iniciar
com outras formas de papel que não a quadrada, podendo ser retangular,
circular, etc. De acordo com a cultura japonesa a pessoa que fizer mil origamis
pode ter um pedido realizado. O origami popularizou-se na proporção em que
o papel tornou-se menos caro, com o desenvolvimento de métodos mais
simples para sua criação. O origami difundiu-se como atividade recreativa no
Japão com a publicação do livro Kan no mado, em 1845, que continha uma
coleção de aproximadamente 150 modelos de origami que estabeleceu o
modelo do sapo, muito conhecido atualmente. Os estudiosos acreditam que a
arte do origami tenha originado junto com o papel. Os primeiros registros do
surgimento do papel vêm da China, no ano de 105 d.C. Em 1950, ocorreu a
grande divisão entre a antiga e a nova dobragem do papel, período que o
trabalho de Akira Yoshizaka tornou-se conhecido. Yoshizaka foi responsável
pela criação da idéia da dobragem criativa e pela invenção de todo um con-
junto de métodos que permitia dobrar uma série de animais e pássaros que
em nada tinha haver com o origami do passado.
ARTE DIGITAL
Arte digital ou Arte de computador é aquela produzida em ambiente
gráfico computacional. Utiliza-se de processos digitais e virtuais. Inclui
experiências com net arte, web arte, vídeo-arte, etc. Tem o objetivo de
dar vida virtual as coisas e mostrar que a arte não é feita só a mão.
Existem diversas categorias de arte digital tais como pintura digital,
gravura digital, programas de modelação 3D, edição de fotografias e
imagens, animação, entre outros. Os resultados podem ser apreciados
em impressões em papéis especiais ou no próprio ambiente gráfico
computacional. Vários artistas usam estas técnicas. Ao contrário dos
meios tradicionais, o trabalho é produzido por meios digitais. A apreci-
ação da obra de arte pode ser feita nos ambientes digitais ou em mí-
dias tradicionais. Existem diversas comunidades virtuais voltadas à
divulgação da Arte Digital, entre elas, Deviantart e CGsociety.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As linguagens da arte
As linguagens da arteAs linguagens da arte
As linguagens da artedpport
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!Mary Lopes
 
Releitura de obras de arte
Releitura de obras de arteReleitura de obras de arte
Releitura de obras de artelisneia2012
 
Arte ensino médio slide 1
Arte ensino médio  slide 1Arte ensino médio  slide 1
Arte ensino médio slide 1Eponina Alencar
 
Arte e água
Arte e águaArte e água
Arte e águaLelaUdesc
 
1) o que é arte -Texto
1)  o que é arte -Texto1)  o que é arte -Texto
1) o que é arte -TextoArtesElisa
 
1 o que é arte- Texto-
1 o que é arte- Texto-1 o que é arte- Texto-
1 o que é arte- Texto-ArtesElisa
 
O Conceito De Arte Ao Longo Dos Tempos
O Conceito De Arte Ao Longo Dos TemposO Conceito De Arte Ao Longo Dos Tempos
O Conceito De Arte Ao Longo Dos TemposRaposoEFA
 
Nsps 4 arte em geral Pe. Jozef Grzywacz
Nsps 4  arte em geral Pe. Jozef GrzywaczNsps 4  arte em geral Pe. Jozef Grzywacz
Nsps 4 arte em geral Pe. Jozef GrzywaczPe. José Grzywacz
 
Criação do humano maquina
Criação do humano maquinaCriação do humano maquina
Criação do humano maquinaVenise Melo
 
A paisagem na história da arte
A paisagem na história da arteA paisagem na história da arte
A paisagem na história da arteSandro Bottene
 
A arte na história aula inaugural
A arte na história   aula inauguralA arte na história   aula inaugural
A arte na história aula inauguralDaniella Cincoetti
 

Mais procurados (20)

As linguagens da arte
As linguagens da arteAs linguagens da arte
As linguagens da arte
 
Evolução da Arte
Evolução da ArteEvolução da Arte
Evolução da Arte
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!
 
Artes visuais e Ateliê
Artes visuais e AteliêArtes visuais e Ateliê
Artes visuais e Ateliê
 
2ª aula
2ª aula2ª aula
2ª aula
 
Releitura de obras de arte
Releitura de obras de arteReleitura de obras de arte
Releitura de obras de arte
 
DEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTEDEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTE
 
Mundo da arte - 5º Ano
Mundo da arte - 5º AnoMundo da arte - 5º Ano
Mundo da arte - 5º Ano
 
Arte ensino médio slide 1
Arte ensino médio  slide 1Arte ensino médio  slide 1
Arte ensino médio slide 1
 
Arte e água
Arte e águaArte e água
Arte e água
 
A arte na história
A arte na históriaA arte na história
A arte na história
 
1) o que é arte -Texto
1)  o que é arte -Texto1)  o que é arte -Texto
1) o que é arte -Texto
 
1 o que é arte- Texto-
1 o que é arte- Texto-1 o que é arte- Texto-
1 o que é arte- Texto-
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
O Conceito De Arte Ao Longo Dos Tempos
O Conceito De Arte Ao Longo Dos TemposO Conceito De Arte Ao Longo Dos Tempos
O Conceito De Arte Ao Longo Dos Tempos
 
Nsps 4 arte em geral Pe. Jozef Grzywacz
Nsps 4  arte em geral Pe. Jozef GrzywaczNsps 4  arte em geral Pe. Jozef Grzywacz
Nsps 4 arte em geral Pe. Jozef Grzywacz
 
Historia do desenho
Historia do desenhoHistoria do desenho
Historia do desenho
 
Criação do humano maquina
Criação do humano maquinaCriação do humano maquina
Criação do humano maquina
 
A paisagem na história da arte
A paisagem na história da arteA paisagem na história da arte
A paisagem na história da arte
 
A arte na história aula inaugural
A arte na história   aula inauguralA arte na história   aula inaugural
A arte na história aula inaugural
 

Semelhante a Arte linha tempo_02_divisão da arte

Educação Pelas Artes
Educação Pelas ArtesEducação Pelas Artes
Educação Pelas Artesfmac121839
 
Nery; maria edilze falbot nômades
Nery; maria edilze falbot   nômadesNery; maria edilze falbot   nômades
Nery; maria edilze falbot nômadesAcervo_DAC
 
Artes - Area de projecto :)
Artes - Area de projecto :)Artes - Area de projecto :)
Artes - Area de projecto :)4Pessoas
 
Artes 01 gênesis 1º ano diretrizes e pré-história
Artes 01 gênesis 1º ano  diretrizes e  pré-históriaArtes 01 gênesis 1º ano  diretrizes e  pré-história
Artes 01 gênesis 1º ano diretrizes e pré-históriahbilinha
 
Panorama Momentos Artísticos da História
Panorama Momentos Artísticos da HistóriaPanorama Momentos Artísticos da História
Panorama Momentos Artísticos da HistóriaAntonio Abreu
 
Ap
ApAp
Apsjbj
 
Artes 01 gênesis 1º ano diretrizes e pré-história
Artes 01 gênesis 1º ano  diretrizes e  pré-históriaArtes 01 gênesis 1º ano  diretrizes e  pré-história
Artes 01 gênesis 1º ano diretrizes e pré-históriahbilinha
 
Arte. 1. 2. 3 ano 2021 atual (1)
Arte. 1. 2. 3 ano 2021   atual (1)Arte. 1. 2. 3 ano 2021   atual (1)
Arte. 1. 2. 3 ano 2021 atual (1)Pedriane Torres
 
História da Arte: Pintura mural
História da Arte: Pintura muralHistória da Arte: Pintura mural
História da Arte: Pintura muralRaphael Lanzillotte
 
Resumo da história das artes visuais.pptx
Resumo da história das artes visuais.pptxResumo da história das artes visuais.pptx
Resumo da história das artes visuais.pptxSabrinaMarinho8
 
Arte linha tempo_01_história da arte
Arte linha tempo_01_história da arteArte linha tempo_01_história da arte
Arte linha tempo_01_história da arteSor Sergio Flores
 
Educação visual e tecnológica a arte
Educação visual e tecnológica   a arteEducação visual e tecnológica   a arte
Educação visual e tecnológica a artep337
 
Arte a partir dos anos 1950 contemporânea
Arte  a partir dos anos 1950  contemporânea Arte  a partir dos anos 1950  contemporânea
Arte a partir dos anos 1950 contemporânea CLEBER LUIS DAMACENO
 
Arte literária 2012 nota de aula 1 mast
Arte literária 2012 nota de aula 1 mastArte literária 2012 nota de aula 1 mast
Arte literária 2012 nota de aula 1 mastPéricles Penuel
 
ARTES e LINGUAGENS NAS CIÊNCIAS HUMANAS
ARTES e LINGUAGENS  NAS CIÊNCIAS HUMANASARTES e LINGUAGENS  NAS CIÊNCIAS HUMANAS
ARTES e LINGUAGENS NAS CIÊNCIAS HUMANASHisrelBlog
 

Semelhante a Arte linha tempo_02_divisão da arte (20)

Educação Pelas Artes
Educação Pelas ArtesEducação Pelas Artes
Educação Pelas Artes
 
Educação+..
Educação+..Educação+..
Educação+..
 
Nery; maria edilze falbot nômades
Nery; maria edilze falbot   nômadesNery; maria edilze falbot   nômades
Nery; maria edilze falbot nômades
 
Artes - Area de projecto :)
Artes - Area de projecto :)Artes - Area de projecto :)
Artes - Area de projecto :)
 
Aula de Met da Arte.pdf
Aula de Met da Arte.pdfAula de Met da Arte.pdf
Aula de Met da Arte.pdf
 
Artes 01 gênesis 1º ano diretrizes e pré-história
Artes 01 gênesis 1º ano  diretrizes e  pré-históriaArtes 01 gênesis 1º ano  diretrizes e  pré-história
Artes 01 gênesis 1º ano diretrizes e pré-história
 
Ilustração
IlustraçãoIlustração
Ilustração
 
Panorama Momentos Artísticos da História
Panorama Momentos Artísticos da HistóriaPanorama Momentos Artísticos da História
Panorama Momentos Artísticos da História
 
Ap
ApAp
Ap
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
 
Artes 01 gênesis 1º ano diretrizes e pré-história
Artes 01 gênesis 1º ano  diretrizes e  pré-históriaArtes 01 gênesis 1º ano  diretrizes e  pré-história
Artes 01 gênesis 1º ano diretrizes e pré-história
 
Arte. 1. 2. 3 ano 2021 atual (1)
Arte. 1. 2. 3 ano 2021   atual (1)Arte. 1. 2. 3 ano 2021   atual (1)
Arte. 1. 2. 3 ano 2021 atual (1)
 
História da Arte: Pintura mural
História da Arte: Pintura muralHistória da Arte: Pintura mural
História da Arte: Pintura mural
 
Resumo da história das artes visuais.pptx
Resumo da história das artes visuais.pptxResumo da história das artes visuais.pptx
Resumo da história das artes visuais.pptx
 
Arte linha tempo_01_história da arte
Arte linha tempo_01_história da arteArte linha tempo_01_história da arte
Arte linha tempo_01_história da arte
 
Oq que e arte
Oq que e arteOq que e arte
Oq que e arte
 
Educação visual e tecnológica a arte
Educação visual e tecnológica   a arteEducação visual e tecnológica   a arte
Educação visual e tecnológica a arte
 
Arte a partir dos anos 1950 contemporânea
Arte  a partir dos anos 1950  contemporânea Arte  a partir dos anos 1950  contemporânea
Arte a partir dos anos 1950 contemporânea
 
Arte literária 2012 nota de aula 1 mast
Arte literária 2012 nota de aula 1 mastArte literária 2012 nota de aula 1 mast
Arte literária 2012 nota de aula 1 mast
 
ARTES e LINGUAGENS NAS CIÊNCIAS HUMANAS
ARTES e LINGUAGENS  NAS CIÊNCIAS HUMANASARTES e LINGUAGENS  NAS CIÊNCIAS HUMANAS
ARTES e LINGUAGENS NAS CIÊNCIAS HUMANAS
 

Mais de Sor Sergio Flores

Trabalhos cooperativos com uso da informática e mídias: tics na escola
Trabalhos cooperativos com uso da informática e mídias: tics na escolaTrabalhos cooperativos com uso da informática e mídias: tics na escola
Trabalhos cooperativos com uso da informática e mídias: tics na escolaSor Sergio Flores
 
Mitologias da avaliação: Pedro Demo em capítulos
Mitologias   da avaliação: Pedro Demo em capítulosMitologias   da avaliação: Pedro Demo em capítulos
Mitologias da avaliação: Pedro Demo em capítulosSor Sergio Flores
 
Aula de construção da história da arte: projeto de construção de vídeos para ...
Aula de construção da história da arte: projeto de construção de vídeos para ...Aula de construção da história da arte: projeto de construção de vídeos para ...
Aula de construção da história da arte: projeto de construção de vídeos para ...Sor Sergio Flores
 
Artes e mídias o mundo além da sala de aula: o mundo das mídias invade a sala...
Artes e mídias o mundo além da sala de aula: o mundo das mídias invade a sala...Artes e mídias o mundo além da sala de aula: o mundo das mídias invade a sala...
Artes e mídias o mundo além da sala de aula: o mundo das mídias invade a sala...Sor Sergio Flores
 
Evolução tecnológica e educação: a invasão das tecnologias na escola
Evolução tecnológica e educação: a invasão das tecnologias na escolaEvolução tecnológica e educação: a invasão das tecnologias na escola
Evolução tecnológica e educação: a invasão das tecnologias na escolaSor Sergio Flores
 
As mídias no processo educativo: convergência, mobilidade, ...
As mídias no processo educativo: convergência, mobilidade, ...As mídias no processo educativo: convergência, mobilidade, ...
As mídias no processo educativo: convergência, mobilidade, ...Sor Sergio Flores
 
MÍDIAS NA ESCOLA: projeto de rádio e tv e o emprego na escola.
MÍDIAS NA ESCOLA: projeto de rádio e tv e o emprego na escola.MÍDIAS NA ESCOLA: projeto de rádio e tv e o emprego na escola.
MÍDIAS NA ESCOLA: projeto de rádio e tv e o emprego na escola.Sor Sergio Flores
 
Arquitetura na história da arte
Arquitetura na história da arteArquitetura na história da arte
Arquitetura na história da arteSor Sergio Flores
 
Modelo apresentação de trabalhos
Modelo apresentação de trabalhosModelo apresentação de trabalhos
Modelo apresentação de trabalhosSor Sergio Flores
 

Mais de Sor Sergio Flores (13)

Trabalhos cooperativos com uso da informática e mídias: tics na escola
Trabalhos cooperativos com uso da informática e mídias: tics na escolaTrabalhos cooperativos com uso da informática e mídias: tics na escola
Trabalhos cooperativos com uso da informática e mídias: tics na escola
 
Mitologias da avaliação: Pedro Demo em capítulos
Mitologias   da avaliação: Pedro Demo em capítulosMitologias   da avaliação: Pedro Demo em capítulos
Mitologias da avaliação: Pedro Demo em capítulos
 
Aula de construção da história da arte: projeto de construção de vídeos para ...
Aula de construção da história da arte: projeto de construção de vídeos para ...Aula de construção da história da arte: projeto de construção de vídeos para ...
Aula de construção da história da arte: projeto de construção de vídeos para ...
 
Artes e mídias o mundo além da sala de aula: o mundo das mídias invade a sala...
Artes e mídias o mundo além da sala de aula: o mundo das mídias invade a sala...Artes e mídias o mundo além da sala de aula: o mundo das mídias invade a sala...
Artes e mídias o mundo além da sala de aula: o mundo das mídias invade a sala...
 
Evolução tecnológica e educação: a invasão das tecnologias na escola
Evolução tecnológica e educação: a invasão das tecnologias na escolaEvolução tecnológica e educação: a invasão das tecnologias na escola
Evolução tecnológica e educação: a invasão das tecnologias na escola
 
As mídias no processo educativo: convergência, mobilidade, ...
As mídias no processo educativo: convergência, mobilidade, ...As mídias no processo educativo: convergência, mobilidade, ...
As mídias no processo educativo: convergência, mobilidade, ...
 
MÍDIAS NA ESCOLA: projeto de rádio e tv e o emprego na escola.
MÍDIAS NA ESCOLA: projeto de rádio e tv e o emprego na escola.MÍDIAS NA ESCOLA: projeto de rádio e tv e o emprego na escola.
MÍDIAS NA ESCOLA: projeto de rádio e tv e o emprego na escola.
 
História da arte_desenho
História da arte_desenhoHistória da arte_desenho
História da arte_desenho
 
História da arte__ pintura
História da arte__ pinturaHistória da arte__ pintura
História da arte__ pintura
 
Arquitetura na história da arte
Arquitetura na história da arteArquitetura na história da arte
Arquitetura na história da arte
 
Arte na linha_do_tempo
Arte na linha_do_tempoArte na linha_do_tempo
Arte na linha_do_tempo
 
Modelo apresentação de trabalhos
Modelo apresentação de trabalhosModelo apresentação de trabalhos
Modelo apresentação de trabalhos
 
Regras De Futsal 2008
Regras De Futsal 2008Regras De Futsal 2008
Regras De Futsal 2008
 

Último

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 

Último (20)

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 

Arte linha tempo_02_divisão da arte

  • 1. PINTURA É a técnica de empregar pigmento a uma superfície, para colori-la, dando- lhe matizes, tons e texturas. Mais especificamente é a arte de pintar uma superfície, como papel, tela ou uma parede. Essa arte diferencia-se do de- senho pelo uso dos pigmentos líquidos e do uso constante da cor, já que o mesmo utiliza-se principalmente de materiais secos. Entretanto, existem controvérsias quanto a essa definição de pintura. Com a variedade de ex- periências entre diferentes meios e o uso da tecnologia digital, a ideia de pintura não necessita se restringir à aplicação “do pigmento em forma líquida”. A pintura é uma forma de manifestação artística existente há mui- to tempo na História da humanidade, como revelam as pinturas rupestres, feitas por homens pré-históricos em rochas ou cavernas. Existem vários tipos de pintura, como os afrescos, pintura a óleo, por meio de pigmentos diluídos em um solvente; pintura mural, feita ou aplicada sobre uma pare- de; pintura a têmpera, pigmentos dissolvidos em um adstringente, como a cola. Muitos consideram a pintura a óleo como um dos suportes artísticos tradicionais mais importantes. Essa foi usada na criação de muitas obras de arte, como a Mona Lisa. A pintura pode ser ligada à produção de imagens decorativas ou imagens de representação, seja esta figurativa ou abstrata. Uma pintura figurativa é essencialmente a representação pictórica de um tema, ou seja, quando o artista reproduz em seu quadro uma realidade que lhe é familiar. O tema pode ser uma paisagem, uma natureza morta, uma cena mitológica ou cotidiana. Já a pintura abstrata não procura retra- tar objetos ou paisagens, pois está inserida em uma realidade própria. ESCULTURA Considerada a terceira das artes clássicas, a escultura é a técnica de representar objetos e seres através da reprodução de formas. Utili- za-se de materiais como gesso, pedra, madeira, resinas sintéticas, aço, ferro, mármore e das seguintes técnicas: cinzelação, fundição, moldagem ou a aglomeração de partículas. Sua origem baseia-se na imitação da natureza, com o intuito maior de representar o corpo humano. A escolha do material envolve a técnica utilizada. Novas técnicas como dobra e solda de chapas metálicas, moldagens com resinas, plásticos, materiais tridimensionais tem sido empregadas. A escultura na Pré-História foi associada à magia e à religião. No perío- do paleolítico, o objetivo era moldar animais e figuras humanas, geralmente femininas. A escultura, como é conhecida atualmente, surgiu no Oriente Médio, foi uma das últimas artes a serem desen- volvidas durante a Idade Média, talvez pelo apelo sensual. A Grécia Clássica é o berço ocidental da arte de esculpir, desde os seus pri- meiros artefatos em mármore ou bronze a partir do século 10 a.C., até o apogeu da era de Péricles, com as esculturas da Acrópole de Atenas. Posteriormente, os romanos aderiram à cultura clássica e continuaram a produzir esculturas até o fim do império, difundindo o trabalho em mármore por todo o império. Foi no Renascimento que a escultura se destacou, com a famosa estátua de Davi, de Michelan- gelo. Donatello e Verocchio foram outros mestres importantes do período. Entre os séculos XIX e XX, destacam-se os artistas Constan- tin Brancuse e August Rodin, dois mestres da escultura que influen- ciaram vários outros artistas.
  • 2. MÚSICA É a combinação artística dos sons. A música, como arte, é uma forma de produzir ou transmitir o que é belo. É uma forma de expressão que utiliza os sons como matéria prima, assim como a linguagem convencional utiliza palavras. Definimos por SOM, ao resultado audível da vibração dos corpos. Quando um corpo vibra, todo ar ao seu redor vibra na mesma velocidade (frequência) e intensidade (amplitude). Essa vibração se propaga por todos os lados perdendo força de acordo com a distância que percorre. Quando uma vibração audível (entre 20 e 22.000 vibrações por segundo, aproxima- damente) chega aos nossos ouvidos, faz vibrar nossos tímpanos, transmi- tindo essa informação ao cérebro, que a entende como som. CINEMA O cinema, abreviação de cinematógrafo, é a técnica de projetar fotogramas (quadros) de forma rápida e sucessiva para criar a impressão de movimento ("kino" em grego significa movimento e "grafos" escrever ou gravar), bem como a arte de se produzir obras estéticas, narrativas ou não, com esta técni- ca. Como registro de imagens e som em comunicação, o Cinema também é uma mídia. DANÇA A dança, arte de movimentar o corpo em certo ritmo, é uma das três princi- pais artes cênicas da Antiguidade, ao lado do teatro e da música. Caracteri- za-se tanto pelos movimentos previamente estabelecidos (coreografia), ou improvisados (dança livre). Pode existir como expressão artística ou como forma de divertimento. Enquanto arte, a dança se expressa por meio dos signos de movimento, com ou sem ligação musical, para um determinado público. As danças em grupo foram praticadas desde as primeiras civiliza- ções, em rituais religiosos. Aperfeiçoaram-se até possuir ritmo, passos e roupas determinados. No Egito, por volta de 2000 a.C., dançava-se em ho- menagem aos deuses. Na Grécia Clássica, a dança era relacionada aos jogos olímpicos. Os tratados sobre dança surgiram a partir do século XVI. Cada país europeu criou suas próprias danças. Primeiro eram coletivas, depois foram adaptadas aos pares. No século XIX começaram a aparecer danças mais sensuais, como o maxixe e o tango. Assim como vários outros aspectos culturais, a dança foi se transformando na proporção em que os povos fo- ram se misturando. A dança é uma arte. É um conjunto de regras para reali- zar algo com perfeição. Exige habilidade e compromisso ao dedicar-se, toda- via é uma forma de expressão artística coordenada, que carece de senti- mentos e ideias através do movimento corporal. Na maior parte dos casos, a dança, com passos cadenciados é acompanhada ao som e compasso de mú- sica e envolve a expressão de sentimentos potenciados por ela.
  • 3. TEATRO Surgiu na Grécia Antiga, no séc. IX a.C. Consiste em representar uma situação e estimu- lar sentimentos na audiência. A tríade: quem vê, o que se vê e o imaginado é o apoio do drama, pois ele exige reflexão propiciada através do ator ou conjunto de atores inter- pretando uma história. A palavra teatro pode significar tanto o prédio em que se exi- bem as diferentes formas de arte como a delimitada arte. A arte de representar prospe- rou em terrenos sagrados na Índia, Egito, Grécia, China e nas Igrejas da Idade Média. O modo pelo qual o homem descobriu para revelar seus sentimentos de amor e ódio. As primeiras sociedades primitivas acreditavam que a dança imitativa influenciava os fatos necessários à sobrevivência através de poderes sobrenaturais, por isso alguns historia- dores assinalam a origem do teatro a partir deste ritual. Os principais gêneros dramáti- cos conhecidos são: a tragédia nascida na Grécia, a comédia que representa os ridículos da humanidade, a tragicomédia que é a transição da comédia para o drama e o drama (melodrama), ao ser representado é acompanhado por música. O Padre José de Anchi- eta evidenciou a implantação do teatro no Brasil com o interesse de catequizar os índios para o catolicismo e impedir os hábitos condenáveis dos colonizadores portugueses, sendo assim uma ideia mais religiosa do que artística. DESENHO O desenho é a arte de representar, ou criar formas, utilizando materiais como lápis, carvão, pincel. Diferencia-se da pintura e da gravura, por ser considerado tanto como processo quanto como resultado artístico, uma obra bidimensional composta por linhas, pontos e formas. Na pintura a superfície é marcada por lápis, caneta, pincel, os movimentos dão origem aos pontos, linhas e formas planas. Outro aspecto que diferencia o dese- nho da pintura, é que no primeiro não há mistura de cores antes da aplica- ção, essas são utilizadas puras, enquanto na pintura as cores são mistura- das para dar origem a outras novas. Existem várias técnicas de desenho, e a escolha dos materiais utilizados está relacionada com a mesma. O dese- nho existe desde a Pré-História, como forma de manifestação estética e linguagem expressiva, porém obteve status de arte durante a Idade Mé- dia. O desenho possibilitou o estudo da figura humana. Desde o final do século XIX, os desenhos eram bastante utilizados em publicidade. As pos- sibilidades técnicas da arte do desenho foram ampliadas nas últimas déca- das do século XX, com o computador que disponibiliza programas como o Corel Draw, Adobe Illustrator, Photoshop e outros. GRAFITE Manifestação artística surgida em Nova York (EUA), na década de 1970. Consiste em um movimento organizado nas artes plásticas, em que o artis- ta cria uma linguagem intencional para interferir na cidade, aproveitando os espaços públicos da mesma para a crítica social. No Brasil, o grafite che- gou ao final dos anos de 1970, em São Paulo. Hoje o estilo desenvolvido pelos brasileiros é reconhecido entre os melhores do mundo. O movimento apareceu quando um grupo de jovens começou a fazer desenhos nas pare- des da cidade, ao invés de apenas escrever. É considerado por muitos co- mo um ato de vandalismo, por sujar as paredes. Nesse caso são chamados de pichação, vistas apenas como diversão para provocar as pessoas. As primeiras expressões apareceram nos muros de Paris em maio de 1968, com a revolução contracultural. O grafite está ligado a movimentos como o hip hop. A tinta mais usada pelos grafiteiros é o spray em lata. O látex é aplicado sobre máscaras vazadas, para demarcar a região a ser pintada.
  • 4. ARTESANATO consiste no próprio trabalho manual ou criação de um artesão. Com a mecanização da indústria, o artesão é visto como aquele que pro- duz objetos que fazem parte da cultura popular. Geralmente os obje- tos utilitários ou decorativos que são feitos, possuem em sua estéti- ca características da cultura da comunidade ou da região onde são criados. Por tradição, o artesanato é a produção de especificidade familiar, onde o artesão é o proprietário dos meios de produção e trabalha em conjunto com a família em sua própria casa. Os primei- ros objetos feitos pelo homem eram artesanais. No período neolítico (6.000 a.C.) o homem aprendeu a polir a pedra, a fabricar a cerâmica como utensílio para armazenar e cozer alimentos, e descobriu a téc- nica de tecelagem das fibras animais e vegetais. Historicamente o artesão é responsável pela seleção da matéria-prima a ser usada, pelo projeto do produto a ser executado, transformação da matéria- prima em produto acabado. As técnicas do artesanato brasileiro que se sobressaem são a cerâmica, as rendas, a cestaria, a tecelagem e os trabalhos em madeira, pedra e couro. A cerâmica utiliza dois in- gredientes básicos: argila e água. A partir disso se fabrica vasos, lou- ças, imagens de santos, bonecas e figuras de bichos. A cestaria é feita com fibras vegetais, como o buriti, a carnaúba, a piaçava e o babaçu. As técnicas do artesanato que receberam forte influência indígena são comumente encontradas nos estados do Ceará, Piauí, Maranhão, Bahia, Rio Grande do Norte, Tocantins, Roraima e Ama- zonas. O trabalho com a madeira é muito empregado pelos santeiros de Ibimirim (PE) e de várias cidades do Piauí que aplicaram um estilo próprio para representar cenas religiosas. ORIGAMI A arte da dobradura de papel tem a palavra oriunda do japonês ori, que signi- fica dobrar, e kami, que significa papel. A arte milenar consiste na criação de objetos e formas a partir de um pedaço de papel quadrado, sem cortá-lo, onde as faces podem ser de cores diferentes. Muito praticada no Japão, a cultura do Origami japonês, que se desenvolveu desde o período Edo, dife- rencia-se das outras por cortar o papel durante a criação do modelo ou iniciar com outras formas de papel que não a quadrada, podendo ser retangular, circular, etc. De acordo com a cultura japonesa a pessoa que fizer mil origamis pode ter um pedido realizado. O origami popularizou-se na proporção em que o papel tornou-se menos caro, com o desenvolvimento de métodos mais simples para sua criação. O origami difundiu-se como atividade recreativa no Japão com a publicação do livro Kan no mado, em 1845, que continha uma coleção de aproximadamente 150 modelos de origami que estabeleceu o modelo do sapo, muito conhecido atualmente. Os estudiosos acreditam que a arte do origami tenha originado junto com o papel. Os primeiros registros do surgimento do papel vêm da China, no ano de 105 d.C. Em 1950, ocorreu a grande divisão entre a antiga e a nova dobragem do papel, período que o trabalho de Akira Yoshizaka tornou-se conhecido. Yoshizaka foi responsável pela criação da idéia da dobragem criativa e pela invenção de todo um con- junto de métodos que permitia dobrar uma série de animais e pássaros que em nada tinha haver com o origami do passado.
  • 5. ARTE DIGITAL Arte digital ou Arte de computador é aquela produzida em ambiente gráfico computacional. Utiliza-se de processos digitais e virtuais. Inclui experiências com net arte, web arte, vídeo-arte, etc. Tem o objetivo de dar vida virtual as coisas e mostrar que a arte não é feita só a mão. Existem diversas categorias de arte digital tais como pintura digital, gravura digital, programas de modelação 3D, edição de fotografias e imagens, animação, entre outros. Os resultados podem ser apreciados em impressões em papéis especiais ou no próprio ambiente gráfico computacional. Vários artistas usam estas técnicas. Ao contrário dos meios tradicionais, o trabalho é produzido por meios digitais. A apreci- ação da obra de arte pode ser feita nos ambientes digitais ou em mí- dias tradicionais. Existem diversas comunidades virtuais voltadas à divulgação da Arte Digital, entre elas, Deviantart e CGsociety.