SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
ANTEPROJETO DE LEI

                             “Dispõe sobre incentivo fiscal para a realização de
                             projetos culturais no âmbito do município de Araçatuba”



                             A CÂMARA            MUNICIPAL        DE    ARAÇATUBA
                             DECRETA:

Art. 1º - Fica instituído, no âmbito do Município de Araçatuba, incentivo fiscal para a
realização de projetos culturais, a ser concedido a pessoas físicas ou jurídicas que
desenvolvam atividades culturais no Município e nele estejam legalmente constituídas
e domiciliadas há, no mínimo, 12 (doze) meses.
         § 1º - O incentivo fiscal referido no "caput" deste artigo corresponderá ao
recebimento, por parte do empreendedor de qualquer projeto cultural no Município,
seja através de doação ou patrocínio, de Certificados de Incentivo Fiscal expedidos
pelo Poder Público, correspondentes ao valor de incentivo autorizado pelo Executivo.
         § 2º - Os portadores de Certificados de Incentivo poderão utilizá-los para
pagamentos dos impostos Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISSQN e sobre a
Propriedade Predial e Territorial Urbana - IPTU, até o limite de 50% (cinquenta por
cento) do valor devido a cada incidência dos tributos.
         § 3º - Para o pagamento referido no parágrafo anterior, o valor de face dos
certificados sofrerá desconto de 20% (vinte por cento), nos casos de patrocínio,
enquanto que os casos de doação estarão livres de desconto.
         § 4º - A Câmara Municipal de Araçatuba fixará, anualmente, na Lei
Orçamentária, o valor que deverá ser usado como incentivo cultural, que não poderá
ser inferior a 1% (um por cento) da receita proveniente do ISSQN e do IPTU.

Art. 2º - O poder Executivo poderá propor a redução ou eliminação da alíquota do
Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza incidente sobre as atividades culturais
mencionadas no Art. 1º, estabelecendo ainda, com base em parecer do Conselho
Municipal de Políticas Culturais, da Secretaria Municipal de Cultura e da Secretaria da
Fazenda, o montante e a forma da contrapartida devida nesses casos, a ser utilizado
em benefício da maior participação dos setores carentes no processo de produção e
na fruição de seus resultantes e produtos.
        § 1º - O Executivo, a cada exercício, deverá fixar o limite máximo de incentivo a
ser concedido por projeto, individualmente.
§ 2º - O projeto a ser beneficiado com o incentivo previsto nesta lei deverá,
quando aplicável, prever a contrapartida através de ingressos a serem repassados ao
incentivador, que será responsável por sua distribuição.
        § 3º - O incentivador que fizer uso dos benefícios previstos nesta lei poderá
destinar os ingressos recebidos na forma de contrapartida ao Poder Público, cabendo,
neste caso, à Secretaria Municipal de Cultura definir a sua destinação, privilegiando a
população cujo acesso a eventos culturais seja mais restrito.

Art. 3º - É vedada a utilização do incentivo fiscal nos projetos em que sejam beneficiários os
próprios incentivadores, seus sócios ou titulares e suas coligadas ou controladas, cônjuges,
parentes ascendentes, descendentes, colaterais ou afins em primeiro grau.
        § 1º - Entende-se por controlada qualquer entidade que estiver sob a vinculação
direta ou indireta da empresa que fizer a doação ou patrocínio ou cujo titular o tenha feito,
bem como as fundações ou entidades culturais por elas criadas ou mantidas.
        § 2º - Quando da assinatura do Termo de Compromisso, o empreendedor deverá
apresentar documento no qual declare não possuir parentesco algum com o incentivador.

Art. 4º - São abrangidas por esta Lei as seguintes áreas:
        I – produção, realização e circulação de projetos de música, dança, teatro,
circo, ópera, fotografia, cinema, vídeo, espetáculos folclóricos e artes populares,
exposição de artes plásticas, artes gráficas, artes digitais, artesanato e outras
coleções.
        II - criação literária e publicação de livros, revistas e catálogos de arte;
        VI - produção e apresentação de espetáculos folclóricos e exposição de artesanato;
        VII - preservação do patrimônio histórico e cultural;
        VIII - construção, conservação e manutenção de museus, arquivos, bibliotecas
e centros culturais;
        IX - concessão de bolsas de estudos na área cultural e artística;
        X - levantamentos, estudos e pesquisa na área cultural e artística;
        XI - realização de cursos de caráter cultural ou artístico destinados à formação,
especialização e aperfeiçoamento de pessoal na área de cultura.

Art. 5º - Os projetos culturais que reivindicarem incentivo fiscal do Município, de
acordo com a presente Lei, serão submetidos à apreciação do Conselho Municipal de
Políticas Culturais de Araçatuba, através de suas Câmaras Temáticas, que fica
incumbido da averiguação e da avaliação dos mesmos, cabendo-lhe analisar tanto o
mérito quanto os aspectos orçamentários dos projetos.
        § 1º - O Conselho Municipal de Políticas Culturais fixará o prazo de validade
dos Certificados de Incentivo Fiscal.
        § 2º - O Conselho Municipal de Políticas Culturais fixará os prazos para a
execução dos projetos aprovados.

Art. 6º - Para obtenção do incentivo referido no art. 1º desta Lei, deverá o
empreendedor apresentar ao Conselho Municipal de Políticas Culturais cópia do
projeto cultural, explicitando os objetivos e recursos financeiros e humanos envolvidos,
para fins de fixação do valor do incentivo e ulterior fiscalização.
        § único - Os projetos aprovados pelas Câmaras Temáticas do Conselho
Municipal de Políticas Culturais receberão o Certificado de Enquadramento.

Art. 7º - A Secretaria Municipal da Fazenda receberá da Secretaria Municipal de
Cultura todas as informações necessárias ao procedimento tributário pertinente para
fins da renúncia fiscal instituída por esta Lei.
        § 1º - Para efeitos de organização e fiscalização da aplicação desta Lei, a
Secretaria Municipal de Cultura criará, manterá e se responsabilizará pela ininterrupta
atualização de um Cadastro de Patrocinadores de Cultura - CPat.
        § 2º - Caberá, ainda, à Secretaria Municipal de Cultura a criação, manutenção
e ininterrupta atualização de um Cadastro de Projetos Certificados, que tenham
recebido o Certificado de Enquadramento das Câmaras Temáticas do Conselho
Municipal de Cultura e estejam aptos a pleitear o Certificado de Incentivo Fiscal.

Art. 8º - Para efeito do que é fixado no artigo anterior, fica estabelecido que:
        a) Empreendedor: a pessoa física ou jurídica, domiciliada e registrada no
município de Araçatuba há pelo menos 12 (doze meses), diretamente responsável
pela realização do projeto cultural para o qual pleiteie a concessão de incentivo
previsto nesta lei.
        b) Incentivador: o contribuinte do Imposto Sobre Serviços de Qualquer
Natureza – ISS e do Imposto Predial e Territorial Urbano – IPTU, no Município de
Araçatuba, que transfira recursos para a realização de um projeto cultural incentivado.
        c) Doação ou Patrocínio: transferência, em caráter definitivo e livre de ônus,
feita pelo incentivador ao empreendedor, de recursos para a realização do projeto
cultural, com ou sem finalidades promocionais e publicitárias;
        d) Certificado de Enquadramento: documento que será emitido pelo Conselho
Municipal de Políticas Culturais, através de suas Câmaras Temáticas, para efeito de
captação de recursos pelos empreendedores junto aos incentivadores, especificando
dados relativos ao projeto cultural incentivado e ao montante da doação ou patrocínio,
com a discriminação dos recursos transferidos, dos recursos próprios, da contrapartida
social, prazo de validade e demais especificações necessárias;
        e) Certificado de Incentivo Fiscal: Certificado nominal e intransferível emitido
pela Secretaria Municipal da Fazenda que especificará as importâncias que o
incentivador poderá utilizar para abater dos valores devidos a título de ISSQN e IPTU;
f) Termo de Compromisso: documento firmado juntamente pelo empreendedor
e pelo incentivador perante o Município de Araçatuba, através do qual o primeiro se
compromete a realizar o projeto incentivado na forma e condições propostas e o
segundo a destinar recursos transferidos necessários à realização do projeto nos
valores e prazos estabelecidos;
        g) Recursos Transferidos: parcela dos recursos transferidos que poderá ser
deduzida do valor do ISSQN ou IPTU devido pelo incentivador para aplicação em
projeto cultural incentivado;
        h) Recursos Próprios: parcela de recursos do empreendedor, ou doada pelo
incentivador, destinada a complementar o custo total do projeto, não podendo, em
hipótese alguma, ser objeto de dedução fiscal do Município de Araçatuba;
        i) Contrapartida Social: ação a ser desenvolvida pelo projeto como
contrapartida ao benefício fiscal, relacionada à descentralização cultural e/ou à
universalização e democratização do acesso a bens culturais.

Art. 9º - É facultado ao Empreendedor inscrever um ou mais projetos, desde que não
exista pendência na prestação de contas de projetos aprovados anteriormente.
        § 1º – É vedada a aprovação de projeto de Empreendedor que se encontre
inadimplente perante a Prefeitura do Município de Araçatuba, valendo também esta
norma para o Incentivador.
        § 2º – Projetos que visem obter incentivo para a aquisição, construção, reforma
ou ampliação de imóveis, de equipamentos e de material permanente, ou de algum
modo, para acréscimo de patrimônio, serão aceitos quando os Empreendedores forem
entidades sem fins lucrativos e cujo patrimônio tenha comprovada destinação pública
em caso de virem a ser dissolvidas.
        § 3º – O Empreendedor que não esteja enquadrado no item anterior poderá
propor no projeto a aquisição de equipamentos ou de materiais permanentes, desde
que comprometa-se, através de Termo de Compromisso e Doação, a doar, ao final do
projeto, esses bens para órgão público ou entidades sem fins lucrativos, cujo
patrimônio tenha comprovada destinação pública em caso de dissolução desta.

Art. 10 - A inscrição dos projetos que pleiteiem autorização para captação de recursos
através desta Lei se dará mediante apresentação do Formulário Padrão, a ser
elaborado em conjunto pela Secretaria Municipal de Cultura e pelo Conselho Municipal
de Políticas Culturais.
       § 1º – O preenchimento do Formulário Padrão deverá ser obrigatoriamente
através de processo mecânico ou eletrônico.
       § 2º – É facultado juntar ao Formulário Padrão textos contendo informações
adicionais sobre o projeto, sobre os profissionais envolvidos, bem como outros
documentos que o Empreendedor julgue elucidativos.
§ 3º – O Formulário Padrão e os documentos adicionais deverão ser
apresentados com todas as folhas rubricadas.
       § 4º – Nos casos de os produtos culturais resultantes se constituírem de livros,
periódicos, discos, fitas magnéticas de som e vídeo ou mídias equivalentes, deverão
ser apresentados necessariamente:
               1. Plano de fornecimento gratuito de parte significativa da tiragem ou de
               sua totalidade, que deverá contemplar, obrigatoriamente, bibliotecas,
               casas de cultura, escolas municipais, universidades, na cidade de
               Araçatuba e/ou municípios da região administrativa.
               2. Plano de comercialização da tiragem, quando assim couber, com vistas a
               colocar o produto cultural ao alcance de outros interessados, a preços
               reduzidos, devendo, nesses casos, apresentar o preço final do produto com
               incentivo, cotejando-o com o preço que ele teria sem incentivo.
               3. Nos casos do item anterior, a critério da Secretaria Municipal de
               Cultura e do Conselho Municipal de Políticas Culturais, serão indicadas
               instituições e profissionais que deverão receber, necessariamente, a
               doação do(s) produto(s) resultante(s) do projeto.

Art. 11 - Para requerer os Certificados de Incentivo Fiscal, os interessados deverão
assinar Termo de Compromisso, encaminhando à Secretaria Municipal de Cultura
requerimento contendo os seguintes dados:
              a) Denominação do projeto
              b) Nome do Incentivador
              c) CGC e/ou CPF do Incentivador
              d) Inscrição Municipal do Incentivador
              e) Valor do Incentivo captado
              f) Forma e prazo do repasse do incentivo
              g) Certidão Negativa de Débitos do Incentivador, junto a Prefeitura
              Municipal de Araçatuba.
              h) Documento comprobatório de abertura de conta vinculada ao projeto
              i) Cópia do Certificado de Enquadramento.

Art. 12 - Os Certificados de Incentivo Fiscal referidos nesta Lei terão prazo de
validade, para sua utilização, de 180 (cento e oitenta) dias, a contar de sua expedição,
corrigidos mensalmente pelos mesmos índices aplicáveis na correção do imposto,
dentro do ano fiscal.

Art. 13 - Toda transferência ou movimentação de recursos relativos ao projeto cultural
será feita por meio de conta bancária vinculada, aberta pelo empreendedor
especialmente para os fins previstos nesta Lei, em agência do Banco do Brasil ou
Caixa Econômica Federal.

Art. 14 - As transferências de que trata esta Lei deverão ser previamente autorizadas
pelo Prefeito Municipal, com base em parecer elaborado pelas Câmaras Temáticas do
Conselho Municipal de Políticas Culturais de Araçatuba, devidamente certificados e
cadastrados junto à Secretaria Municipal de Cultura.
       § 1º - O Prefeito Municipal, através da Secretaria da Fazenda, emitirá as
respectivas Autorizações de Transferência, de forma a garantir o controle financeiro
indispensável ao atendimento dos limites fixados anualmente pela lei orçamentária.

Art. 15 - O Empreendedor que se beneficiar da presente Lei prestará contas no prazo
máximo de 60 (sessenta) dias após a conclusão do projeto.
        § 1º - Projetos com prazo de execução de mais de 60 (sessenta) dias deverão
prestar contas mensalmente, de forma simplificada, e ao final de forma detalhada.
        § 2º - Ao final do projeto, deverá o Empreendedor apresentar Guia de
Recolhimento dos tributos e taxas municipais pertinentes.
        § 3º - O Empreendedor deverá prestar contas dos recursos transferidos ao
projeto através de: extrato bancário da conta vinculada, notas fiscais e/ou recibos,
devidamente acompanhados de cópias de RG, CPF e/ou carimbo do CNPJ, com
explicitação do serviço prestado, conforme previsão apresentada no projeto.
        § 4º - O Empreendedor deverá ainda, na prestação de contas, anexar amostra
de todo material de divulgação utilizado no projeto.
        § 5º - Será de inteira responsabilidade do Empreendedor o pagamento dos
impostos e taxas que venham a incidir sobre suas operações.

Art. 16 - Não será concedido incentivo para ressarcimento de despesas referentes a
fases do projeto em execução cujo desembolso tenham ocorrido antes da data da
publicação, da aprovação do projeto para recebimento de incentivo previsto nesta Lei,
em órgão de imprensa responsável pela publicação dos atos oficiais.

Art. 17 - Se o Empreendedor, por motivos justificados e alheios à sua vontade, não
puder dar continuidade ao projeto incentivado, este deverá indicar empreendedor
capaz de substitui-lo na execução do projeto incentivado.
       § 1º - Fica facultada à Secretaria Municipal da Cultura e ao Conselho Municipal
de Políticas Culturais a requisição de perícia, a ser feita por técnicos devidamente
capacitados, para comprovar os motivos que justifiquem a transferência da execução
do projeto beneficiado por esta lei para um novo Empreendedor.
       § 2º - Em caso de comprovação de fraude ou tentativa de ludibriar os mecanismos
fixados nesta lei, caberá à Secretaria Municipal da Cultura acionar os setores
competentes, para que sejam tomadas as medidas civis e penais cabíveis.
a) A punição ao Empreendedor que infringir o que é fixado nesta Lei, dentro do
Sistema Municipal de Cultura, será fixada pela Secretaria Municipal de Cultura, sob
aprovação do Conselho Municipal de Cultura, e será de impedimento de beneficiar-se
desta Lei pelo período de 3 (três) a 5 (cinco) anos, conforme a gravidade do ato praticado.
        § 3º - Caberá à Secretaria Municipal de Cultura, sob aprovação do Conselho
Municipal de Políticas Culturais e com anuência do(s) incentivador(es), aceitar ou não
a transferência ao Empreendedor indicado.
        § 4º - Em caso de a transferência ser aprovada, estando o novo Empreendedor
enquadrado nas exigências fixadas nesta lei e cumpridos todos os quesitos fixados no
caput deste artigo e no parágrafo anterior, o novo Empreendedor sucederá ao primeiro
nos seus direitos e obrigações, com clara manifestação deste.
        § 5º - Em caso de óbito do Empreendedor proponente do projeto beneficiado por
esta lei ou de sua impossibilidade real de manifestação, caberá à Secretaria Municipal de
Cultura, sob aprovação do Conselho Municipal de Políticas Culturais e com anuência do(s)
incentivador(es), determinar a transferência da execução do projeto beneficiado a um novo
Empreendedor capacitado para sua execução.
        § 6º - Em caso de não haver Empreendedor capacitado para prosseguir na
execução do projeto beneficiado por esta lei, caberá à Secretaria Municipal da Cultura,
sob aprovação do Conselho Municipal de Políticas Culturais e da Secretaria Municipal
da Fazenda, e em acordo com o(s) incentivador(es), determinar como e em que
percentual os valores fixados no Certificado de Incentivo Fiscal serão devolvidos aos
cofres públicos, em casos de projetos em andamento.
        § 7º - Definidos os valores mencionados no parágrafo anterior, os Certificados
de Incentivo Fiscal emitidos pela Secretaria Municipal da Fazenda serão devidamente
corrigidos, quando necessário, com a competente ressalva lançada em documentos
específicos, apensados aos arquivos referentes ao Certificado específico relativo ao
projeto em questão, para o correspondente controle contábil.
        § 8º - Se o projeto beneficiado por esta lei, cujo Empreendedor vier a óbito,
ainda não estiver em fase de execução e em caso de não haver Empreendedor capaz
de prosseguir em sua execução, os valores fixados a título de incentivo serão
bloqueados, com a extinção dos Certificados de Incentivo Fiscal emitidos e a anulação
de sua numeração junto ao cadastro competente, mantido pela Secretaria Municipal
da Fazenda.

Art. 18 - Além das sanções penais cabíveis, o empreendedor que não comprovar a correta
aplicação dos recursos resultantes de projetos culturais ficará sujeito a multa equivalente a 3
(três) vezes o valor incentivado, corrigido pela variação aplicável aos tributos municipais,
ficando ele ainda excluído da participação de quaisquer projetos culturais abrangidos por
esta Lei por 5 (cinco) anos, sem prejuízo das penalidades criminais e civis cabíveis.
Art. 19 - As entidades de classe representativas dos diversos segmentos da Cultura
poderão ter acesso, em todos os níveis, a toda documentação referente aos projetos
culturais beneficiados por esta Lei, através do Conselho Municipal de Políticas Culturais.
        § 1º - Qualquer segmento cultural poderá solicitar fiscalização específica a
projeto beneficiário desta Lei, através de representação encaminhada ao Conselho
Municipal de Políticas Culturais.
        § 2º - Recebida a representação, o Conselho Municipal de Políticas Culturais
notificará a Secretaria Municipal de Cultura sobre as razões alegadas e estabelecerá
os moldes como se dará a fiscalização requerida.
        § 3º - Fica facultada ao Conselho Municipal de Políticas Culturais e à Secretaria
Municipal de Cultura a requisição e/ou contratação de profissionais especializados,
cujos trabalhos sejam necessários à fiscalização de que trata este artigo.

Art. 20 - As obras resultantes dos projetos culturais beneficiados por esta Lei, serão
apresentadas, prioritariamente, no âmbito territorial do Município, devendo constar da
divulgação o apoio institucional da Prefeitura do Município de Araçatuba, Lei Municipal
de Incentivo à Cultura, Secretaria Municipal de Cultura e Conselho Municipal de
Políticas Culturais.

Art. 21 - Os saldos finais das contas-correntes vinculadas e os resultados financeiros
das aplicações das sanções pecuniárias, de que tratam, respectivamente, os arts. 7º e
8º, serão recolhidos ao Tesouro Municipal e acrescentados ao orçamento anual.

Art. 22 - As despesas decorrentes da presente Lei correrão à conta do Orçamento do
Município a partir do exercício de 2011.

Art. 23 - Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as
disposições em contrário.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

4144 aut. 3989 - Cria o Fundo Municipal de Cultura do município de tangará ...
4144   aut. 3989 - Cria o Fundo Municipal de Cultura do município de tangará ...4144   aut. 3989 - Cria o Fundo Municipal de Cultura do município de tangará ...
4144 aut. 3989 - Cria o Fundo Municipal de Cultura do município de tangará ...imprensa-semec2013
 
Jornada ProAC - AULA 3 | Sistema | Elainy Mota - Setembro de 2014 - Rede Cemec
Jornada ProAC - AULA 3 | Sistema | Elainy Mota - Setembro de 2014 - Rede CemecJornada ProAC - AULA 3 | Sistema | Elainy Mota - Setembro de 2014 - Rede Cemec
Jornada ProAC - AULA 3 | Sistema | Elainy Mota - Setembro de 2014 - Rede CemecCultura e Mercado
 
Pró-Cultura/Esporte Feira de Santana 2017
Pró-Cultura/Esporte Feira de Santana 2017Pró-Cultura/Esporte Feira de Santana 2017
Pró-Cultura/Esporte Feira de Santana 2017Feirenses
 
Jornada Proac - Funcionamento da Lei - Inti Queiroz (Fevereiro 2015)
Jornada Proac - Funcionamento da Lei - Inti Queiroz (Fevereiro 2015)Jornada Proac - Funcionamento da Lei - Inti Queiroz (Fevereiro 2015)
Jornada Proac - Funcionamento da Lei - Inti Queiroz (Fevereiro 2015)Cultura e Mercado
 
Cemec jornada pro ac - aula 2 - camila alves - funcionamento da lei
Cemec   jornada pro ac - aula 2 - camila alves - funcionamento da leiCemec   jornada pro ac - aula 2 - camila alves - funcionamento da lei
Cemec jornada pro ac - aula 2 - camila alves - funcionamento da leiCultura e Mercado
 
1599234907instru_o_normativa_sedac_n05_2020.pdf
1599234907instru_o_normativa_sedac_n05_2020.pdf1599234907instru_o_normativa_sedac_n05_2020.pdf
1599234907instru_o_normativa_sedac_n05_2020.pdfOscarDeLima3
 
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - CemecJornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - CemecCultura e Mercado
 
OFICINA LEI FEDERAL.pdf
OFICINA LEI FEDERAL.pdfOFICINA LEI FEDERAL.pdf
OFICINA LEI FEDERAL.pdfOscarDeLima3
 
Gestão de projetos - LIC RS
Gestão de projetos - LIC RSGestão de projetos - LIC RS
Gestão de projetos - LIC RSrafaelballe
 
Jornada ProAC - Prestação de Contas - Sirlene Ciampi (Fevereiro 2015)
Jornada ProAC - Prestação de Contas - Sirlene Ciampi (Fevereiro 2015)Jornada ProAC - Prestação de Contas - Sirlene Ciampi (Fevereiro 2015)
Jornada ProAC - Prestação de Contas - Sirlene Ciampi (Fevereiro 2015)Cultura e Mercado
 
Lei1130 lei orgância de jequié
Lei1130 lei orgância de jequiéLei1130 lei orgância de jequié
Lei1130 lei orgância de jequiéAlessandro Veloso
 

Mais procurados (17)

4144 aut. 3989 - Cria o Fundo Municipal de Cultura do município de tangará ...
4144   aut. 3989 - Cria o Fundo Municipal de Cultura do município de tangará ...4144   aut. 3989 - Cria o Fundo Municipal de Cultura do município de tangará ...
4144 aut. 3989 - Cria o Fundo Municipal de Cultura do município de tangará ...
 
Regulamento do Edital de Pontos de Cultura de Rondônia
Regulamento do Edital de Pontos de Cultura de RondôniaRegulamento do Edital de Pontos de Cultura de Rondônia
Regulamento do Edital de Pontos de Cultura de Rondônia
 
Jornada ProAC - AULA 3 | Sistema | Elainy Mota - Setembro de 2014 - Rede Cemec
Jornada ProAC - AULA 3 | Sistema | Elainy Mota - Setembro de 2014 - Rede CemecJornada ProAC - AULA 3 | Sistema | Elainy Mota - Setembro de 2014 - Rede Cemec
Jornada ProAC - AULA 3 | Sistema | Elainy Mota - Setembro de 2014 - Rede Cemec
 
Pró-Cultura/Esporte Feira de Santana 2017
Pró-Cultura/Esporte Feira de Santana 2017Pró-Cultura/Esporte Feira de Santana 2017
Pró-Cultura/Esporte Feira de Santana 2017
 
Jornada Proac - Funcionamento da Lei - Inti Queiroz (Fevereiro 2015)
Jornada Proac - Funcionamento da Lei - Inti Queiroz (Fevereiro 2015)Jornada Proac - Funcionamento da Lei - Inti Queiroz (Fevereiro 2015)
Jornada Proac - Funcionamento da Lei - Inti Queiroz (Fevereiro 2015)
 
D.O. Mesquita/RJ - 04/09/2014
D.O. Mesquita/RJ - 04/09/2014D.O. Mesquita/RJ - 04/09/2014
D.O. Mesquita/RJ - 04/09/2014
 
Cemec jornada pro ac - aula 2 - camila alves - funcionamento da lei
Cemec   jornada pro ac - aula 2 - camila alves - funcionamento da leiCemec   jornada pro ac - aula 2 - camila alves - funcionamento da lei
Cemec jornada pro ac - aula 2 - camila alves - funcionamento da lei
 
1599234907instru_o_normativa_sedac_n05_2020.pdf
1599234907instru_o_normativa_sedac_n05_2020.pdf1599234907instru_o_normativa_sedac_n05_2020.pdf
1599234907instru_o_normativa_sedac_n05_2020.pdf
 
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - CemecJornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - Cemec
 
OFICINA LEI FEDERAL.pdf
OFICINA LEI FEDERAL.pdfOFICINA LEI FEDERAL.pdf
OFICINA LEI FEDERAL.pdf
 
OFICINA LIC.pdf
OFICINA LIC.pdfOFICINA LIC.pdf
OFICINA LIC.pdf
 
Aula cemec pc leis federais
Aula cemec pc leis federaisAula cemec pc leis federais
Aula cemec pc leis federais
 
Gestão de projetos - LIC RS
Gestão de projetos - LIC RSGestão de projetos - LIC RS
Gestão de projetos - LIC RS
 
Jornada ProAC - Prestação de Contas - Sirlene Ciampi (Fevereiro 2015)
Jornada ProAC - Prestação de Contas - Sirlene Ciampi (Fevereiro 2015)Jornada ProAC - Prestação de Contas - Sirlene Ciampi (Fevereiro 2015)
Jornada ProAC - Prestação de Contas - Sirlene Ciampi (Fevereiro 2015)
 
Edital Ponto de Cultura - Araçatuba
Edital Ponto de Cultura - AraçatubaEdital Ponto de Cultura - Araçatuba
Edital Ponto de Cultura - Araçatuba
 
Lei1130 lei orgância de jequié
Lei1130 lei orgância de jequiéLei1130 lei orgância de jequié
Lei1130 lei orgância de jequié
 
Mecenas
MecenasMecenas
Mecenas
 

Destaque

Municipal Middle School,Thankavelnagar,Pattukkottai Thanjaavur dt, "Safety W...
Municipal  Middle School,Thankavelnagar,Pattukkottai Thanjaavur dt, "Safety W...Municipal  Middle School,Thankavelnagar,Pattukkottai Thanjaavur dt, "Safety W...
Municipal Middle School,Thankavelnagar,Pattukkottai Thanjaavur dt, "Safety W...designtn
 
Why Clinical Leaders Must Climb Mountains?
Why Clinical Leaders Must Climb Mountains?Why Clinical Leaders Must Climb Mountains?
Why Clinical Leaders Must Climb Mountains?Mutaz Shegewi
 
Institute of Hospitality Malta Re Launch event
Institute of Hospitality Malta Re Launch event Institute of Hospitality Malta Re Launch event
Institute of Hospitality Malta Re Launch event IohMalta
 
TJ Tee - Anatomy of an iPhone App
TJ Tee - Anatomy of an iPhone AppTJ Tee - Anatomy of an iPhone App
TJ Tee - Anatomy of an iPhone Appgiconf
 
Puzzle DISC participant mtrl English
Puzzle DISC participant mtrl EnglishPuzzle DISC participant mtrl English
Puzzle DISC participant mtrl EnglishAnders Jansson
 
subduing earnshaw theorem in permanenet magnets
subduing earnshaw theorem in permanenet magnetssubduing earnshaw theorem in permanenet magnets
subduing earnshaw theorem in permanenet magnetsLama Rulz
 
ACPET LMS Session - Moodle
ACPET LMS Session - MoodleACPET LMS Session - Moodle
ACPET LMS Session - MoodleYum Studio
 
Rationale for Implementing Corporate Learning Management Systems
Rationale for Implementing Corporate Learning Management SystemsRationale for Implementing Corporate Learning Management Systems
Rationale for Implementing Corporate Learning Management SystemsDurant Torres
 
Idea Market: Bid Your Future
Idea Market: Bid Your FutureIdea Market: Bid Your Future
Idea Market: Bid Your FutureAlice Fang
 
Microlearning: Der Instant Learning Server
Microlearning: Der Instant Learning ServerMicrolearning: Der Instant Learning Server
Microlearning: Der Instant Learning ServerJoern
 
Reflections on a Jr. High Wiki Project
Reflections on a Jr. High Wiki ProjectReflections on a Jr. High Wiki Project
Reflections on a Jr. High Wiki ProjectErica Roberts
 
TURKISH UNDERWATER SPORTS FEDERATION AND ILS LIFE SAVING SAILORS KNOTS ( LANG...
TURKISH UNDERWATER SPORTS FEDERATION AND ILS LIFE SAVING SAILORS KNOTS ( LANG...TURKISH UNDERWATER SPORTS FEDERATION AND ILS LIFE SAVING SAILORS KNOTS ( LANG...
TURKISH UNDERWATER SPORTS FEDERATION AND ILS LIFE SAVING SAILORS KNOTS ( LANG...underwater and salvage
 

Destaque (18)

what i live for
what i live forwhat i live for
what i live for
 
Municipal Middle School,Thankavelnagar,Pattukkottai Thanjaavur dt, "Safety W...
Municipal  Middle School,Thankavelnagar,Pattukkottai Thanjaavur dt, "Safety W...Municipal  Middle School,Thankavelnagar,Pattukkottai Thanjaavur dt, "Safety W...
Municipal Middle School,Thankavelnagar,Pattukkottai Thanjaavur dt, "Safety W...
 
Power of Edge
Power of EdgePower of Edge
Power of Edge
 
Tie institute
Tie instituteTie institute
Tie institute
 
Why Clinical Leaders Must Climb Mountains?
Why Clinical Leaders Must Climb Mountains?Why Clinical Leaders Must Climb Mountains?
Why Clinical Leaders Must Climb Mountains?
 
People Profits & Palestine
People Profits & PalestinePeople Profits & Palestine
People Profits & Palestine
 
Institute of Hospitality Malta Re Launch event
Institute of Hospitality Malta Re Launch event Institute of Hospitality Malta Re Launch event
Institute of Hospitality Malta Re Launch event
 
TJ Tee - Anatomy of an iPhone App
TJ Tee - Anatomy of an iPhone AppTJ Tee - Anatomy of an iPhone App
TJ Tee - Anatomy of an iPhone App
 
Puzzle DISC participant mtrl English
Puzzle DISC participant mtrl EnglishPuzzle DISC participant mtrl English
Puzzle DISC participant mtrl English
 
subduing earnshaw theorem in permanenet magnets
subduing earnshaw theorem in permanenet magnetssubduing earnshaw theorem in permanenet magnets
subduing earnshaw theorem in permanenet magnets
 
Accident prevention and risk management
Accident prevention and risk managementAccident prevention and risk management
Accident prevention and risk management
 
ACPET LMS Session - Moodle
ACPET LMS Session - MoodleACPET LMS Session - Moodle
ACPET LMS Session - Moodle
 
Rationale for Implementing Corporate Learning Management Systems
Rationale for Implementing Corporate Learning Management SystemsRationale for Implementing Corporate Learning Management Systems
Rationale for Implementing Corporate Learning Management Systems
 
Idea Market: Bid Your Future
Idea Market: Bid Your FutureIdea Market: Bid Your Future
Idea Market: Bid Your Future
 
IESN
IESNIESN
IESN
 
Microlearning: Der Instant Learning Server
Microlearning: Der Instant Learning ServerMicrolearning: Der Instant Learning Server
Microlearning: Der Instant Learning Server
 
Reflections on a Jr. High Wiki Project
Reflections on a Jr. High Wiki ProjectReflections on a Jr. High Wiki Project
Reflections on a Jr. High Wiki Project
 
TURKISH UNDERWATER SPORTS FEDERATION AND ILS LIFE SAVING SAILORS KNOTS ( LANG...
TURKISH UNDERWATER SPORTS FEDERATION AND ILS LIFE SAVING SAILORS KNOTS ( LANG...TURKISH UNDERWATER SPORTS FEDERATION AND ILS LIFE SAVING SAILORS KNOTS ( LANG...
TURKISH UNDERWATER SPORTS FEDERATION AND ILS LIFE SAVING SAILORS KNOTS ( LANG...
 

Semelhante a Incentivo fiscal projetos culturais Araçatuba

D e c r e t o n° 5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
D e c r e t o n°  5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...D e c r e t o n°  5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
D e c r e t o n° 5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...cmpcangradosreis
 
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - CemecJornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - CemecCultura e Mercado
 
Jornad ProAC - Sirlene Ciampi - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Sirlene Ciampi - Jul 2014 - CemecJornad ProAC - Sirlene Ciampi - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Sirlene Ciampi - Jul 2014 - CemecCultura e Mercado
 
Fic Augusto-dos-anjos-lei
Fic Augusto-dos-anjos-leiFic Augusto-dos-anjos-lei
Fic Augusto-dos-anjos-leiProjetocultural
 
Jornada ProAC AULA 2 | Funcionamento da Lei | Camila Alves | Setembro de 201...
Jornada ProAC AULA 2 | Funcionamento da Lei  | Camila Alves | Setembro de 201...Jornada ProAC AULA 2 | Funcionamento da Lei  | Camila Alves | Setembro de 201...
Jornada ProAC AULA 2 | Funcionamento da Lei | Camila Alves | Setembro de 201...Cultura e Mercado
 
Edital da Fundação de Cultura de Blumenau destinada a projetos culturais
Edital da Fundação de Cultura de Blumenau destinada a projetos culturaisEdital da Fundação de Cultura de Blumenau destinada a projetos culturais
Edital da Fundação de Cultura de Blumenau destinada a projetos culturaisOBlumenauense Notícias de Blumenau
 
Minuta de Decreto que Regulamenta o Programa Estadual de Fomento e Incentivo ...
Minuta de Decreto que Regulamenta o Programa Estadual de Fomento e Incentivo ...Minuta de Decreto que Regulamenta o Programa Estadual de Fomento e Incentivo ...
Minuta de Decreto que Regulamenta o Programa Estadual de Fomento e Incentivo ...Eduardo Carneiro
 
Sureño - O que é Incentivo Fiscal?
Sureño - O que é Incentivo Fiscal?Sureño - O que é Incentivo Fiscal?
Sureño - O que é Incentivo Fiscal?SurenoCultural
 
Cemec - Jornada ProAC - Aula 3 - Felipe G. de Souza - Sistema
Cemec - Jornada ProAC - Aula 3 - Felipe G. de Souza - SistemaCemec - Jornada ProAC - Aula 3 - Felipe G. de Souza - Sistema
Cemec - Jornada ProAC - Aula 3 - Felipe G. de Souza - SistemaCultura e Mercado
 
Prot. 2834 16 pl 44 - revoga a lei nº 5.562-2014, e cria o fundo de cultura...
Prot. 2834 16   pl 44 - revoga a lei nº 5.562-2014, e cria o fundo de cultura...Prot. 2834 16   pl 44 - revoga a lei nº 5.562-2014, e cria o fundo de cultura...
Prot. 2834 16 pl 44 - revoga a lei nº 5.562-2014, e cria o fundo de cultura...Claudio Figueiredo
 
Prestação de Contas (leis federais) - Cemec Agosto 2014
Prestação de Contas (leis federais) - Cemec Agosto 2014Prestação de Contas (leis federais) - Cemec Agosto 2014
Prestação de Contas (leis federais) - Cemec Agosto 2014Cultura e Mercado
 
Pl sic-atualizado-02.12
Pl sic-atualizado-02.12Pl sic-atualizado-02.12
Pl sic-atualizado-02.12Marcela Assis
 
SEFAZ Incentivo a cultura e ao esporte - Fernando Resende.pdf
SEFAZ Incentivo a cultura e ao esporte - Fernando Resende.pdfSEFAZ Incentivo a cultura e ao esporte - Fernando Resende.pdf
SEFAZ Incentivo a cultura e ao esporte - Fernando Resende.pdfLeonardo de Arruda Delgado
 
Prot. 3052 13 pl 040 - institui o fundo de desenvolvimento municipal – fdm
Prot. 3052 13   pl 040 - institui o fundo de desenvolvimento municipal – fdmProt. 3052 13   pl 040 - institui o fundo de desenvolvimento municipal – fdm
Prot. 3052 13 pl 040 - institui o fundo de desenvolvimento municipal – fdmramonpeyroton
 
BO-118 DECRETO N 5.513 DE 02 DE JANEIRO DE 2008 ESTATUTO DA FUNDAÇÃO CULTURAL...
BO-118 DECRETO N 5.513 DE 02 DE JANEIRO DE 2008 ESTATUTO DA FUNDAÇÃO CULTURAL...BO-118 DECRETO N 5.513 DE 02 DE JANEIRO DE 2008 ESTATUTO DA FUNDAÇÃO CULTURAL...
BO-118 DECRETO N 5.513 DE 02 DE JANEIRO DE 2008 ESTATUTO DA FUNDAÇÃO CULTURAL...Alex Faria Faria
 
Lei 214 2013 - Criação do Fundo Municipal de Cultura
Lei 214 2013  - Criação do Fundo Municipal de CulturaLei 214 2013  - Criação do Fundo Municipal de Cultura
Lei 214 2013 - Criação do Fundo Municipal de Culturaimprensa-semec2013
 

Semelhante a Incentivo fiscal projetos culturais Araçatuba (20)

D e c r e t o n° 5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
D e c r e t o n°  5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...D e c r e t o n°  5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
D e c r e t o n° 5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
 
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - CemecJornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - Cemec
 
Sistema municipal de_cultura_-_anteprojeto_de_lei__revisado_
Sistema municipal de_cultura_-_anteprojeto_de_lei__revisado_Sistema municipal de_cultura_-_anteprojeto_de_lei__revisado_
Sistema municipal de_cultura_-_anteprojeto_de_lei__revisado_
 
Jornad ProAC - Sirlene Ciampi - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Sirlene Ciampi - Jul 2014 - CemecJornad ProAC - Sirlene Ciampi - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Sirlene Ciampi - Jul 2014 - Cemec
 
Fic Augusto-dos-anjos-lei
Fic Augusto-dos-anjos-leiFic Augusto-dos-anjos-lei
Fic Augusto-dos-anjos-lei
 
Jornada ProAC AULA 2 | Funcionamento da Lei | Camila Alves | Setembro de 201...
Jornada ProAC AULA 2 | Funcionamento da Lei  | Camila Alves | Setembro de 201...Jornada ProAC AULA 2 | Funcionamento da Lei  | Camila Alves | Setembro de 201...
Jornada ProAC AULA 2 | Funcionamento da Lei | Camila Alves | Setembro de 201...
 
Fundo Municipal de Cultura
Fundo Municipal de CulturaFundo Municipal de Cultura
Fundo Municipal de Cultura
 
Edital da Fundação de Cultura de Blumenau destinada a projetos culturais
Edital da Fundação de Cultura de Blumenau destinada a projetos culturaisEdital da Fundação de Cultura de Blumenau destinada a projetos culturais
Edital da Fundação de Cultura de Blumenau destinada a projetos culturais
 
Minuta de Decreto que Regulamenta o Programa Estadual de Fomento e Incentivo ...
Minuta de Decreto que Regulamenta o Programa Estadual de Fomento e Incentivo ...Minuta de Decreto que Regulamenta o Programa Estadual de Fomento e Incentivo ...
Minuta de Decreto que Regulamenta o Programa Estadual de Fomento e Incentivo ...
 
Sureño - O que é Incentivo Fiscal?
Sureño - O que é Incentivo Fiscal?Sureño - O que é Incentivo Fiscal?
Sureño - O que é Incentivo Fiscal?
 
Cemec - Jornada ProAC - Aula 3 - Felipe G. de Souza - Sistema
Cemec - Jornada ProAC - Aula 3 - Felipe G. de Souza - SistemaCemec - Jornada ProAC - Aula 3 - Felipe G. de Souza - Sistema
Cemec - Jornada ProAC - Aula 3 - Felipe G. de Souza - Sistema
 
Prot. 2834 16 pl 44 - revoga a lei nº 5.562-2014, e cria o fundo de cultura...
Prot. 2834 16   pl 44 - revoga a lei nº 5.562-2014, e cria o fundo de cultura...Prot. 2834 16   pl 44 - revoga a lei nº 5.562-2014, e cria o fundo de cultura...
Prot. 2834 16 pl 44 - revoga a lei nº 5.562-2014, e cria o fundo de cultura...
 
Prestação de Contas (leis federais) - Cemec Agosto 2014
Prestação de Contas (leis federais) - Cemec Agosto 2014Prestação de Contas (leis federais) - Cemec Agosto 2014
Prestação de Contas (leis federais) - Cemec Agosto 2014
 
Módulo II - Felipe Amado
Módulo II - Felipe AmadoMódulo II - Felipe Amado
Módulo II - Felipe Amado
 
Pl sic-atualizado-02.12
Pl sic-atualizado-02.12Pl sic-atualizado-02.12
Pl sic-atualizado-02.12
 
SEFAZ Incentivo a cultura e ao esporte - Fernando Resende.pdf
SEFAZ Incentivo a cultura e ao esporte - Fernando Resende.pdfSEFAZ Incentivo a cultura e ao esporte - Fernando Resende.pdf
SEFAZ Incentivo a cultura e ao esporte - Fernando Resende.pdf
 
Edital de artes populares definitivo
Edital de artes populares   definitivoEdital de artes populares   definitivo
Edital de artes populares definitivo
 
Prot. 3052 13 pl 040 - institui o fundo de desenvolvimento municipal – fdm
Prot. 3052 13   pl 040 - institui o fundo de desenvolvimento municipal – fdmProt. 3052 13   pl 040 - institui o fundo de desenvolvimento municipal – fdm
Prot. 3052 13 pl 040 - institui o fundo de desenvolvimento municipal – fdm
 
BO-118 DECRETO N 5.513 DE 02 DE JANEIRO DE 2008 ESTATUTO DA FUNDAÇÃO CULTURAL...
BO-118 DECRETO N 5.513 DE 02 DE JANEIRO DE 2008 ESTATUTO DA FUNDAÇÃO CULTURAL...BO-118 DECRETO N 5.513 DE 02 DE JANEIRO DE 2008 ESTATUTO DA FUNDAÇÃO CULTURAL...
BO-118 DECRETO N 5.513 DE 02 DE JANEIRO DE 2008 ESTATUTO DA FUNDAÇÃO CULTURAL...
 
Lei 214 2013 - Criação do Fundo Municipal de Cultura
Lei 214 2013  - Criação do Fundo Municipal de CulturaLei 214 2013  - Criação do Fundo Municipal de Cultura
Lei 214 2013 - Criação do Fundo Municipal de Cultura
 

Mais de Secretaria da Cultura de Araçatuba-SP

Edital nº 02 completo - música - circulação de espetáculos musicais
Edital nº 02 completo - música - circulação de espetáculos musicaisEdital nº 02 completo - música - circulação de espetáculos musicais
Edital nº 02 completo - música - circulação de espetáculos musicaisSecretaria da Cultura de Araçatuba-SP
 

Mais de Secretaria da Cultura de Araçatuba-SP (20)

O livro
O livroO livro
O livro
 
Edital de teatro
Edital de teatroEdital de teatro
Edital de teatro
 
Projeto da sede xv de novembro - 21042013
Projeto da sede   xv de novembro - 21042013Projeto da sede   xv de novembro - 21042013
Projeto da sede xv de novembro - 21042013
 
Edital nº 02 completo - música - circulação de espetáculos musicais
Edital nº 02 completo - música - circulação de espetáculos musicaisEdital nº 02 completo - música - circulação de espetáculos musicais
Edital nº 02 completo - música - circulação de espetáculos musicais
 
Edital completo de livros_2013
Edital completo de livros_2013Edital completo de livros_2013
Edital completo de livros_2013
 
Livro experimentanea 10_2012
Livro experimentanea 10_2012Livro experimentanea 10_2012
Livro experimentanea 10_2012
 
Guia gastroonômico do Buteco Legal - Araçatuba
Guia gastroonômico do Buteco Legal - AraçatubaGuia gastroonômico do Buteco Legal - Araçatuba
Guia gastroonômico do Buteco Legal - Araçatuba
 
Livro Contos Selecionados 2012
Livro Contos Selecionados 2012Livro Contos Selecionados 2012
Livro Contos Selecionados 2012
 
Edital completo definitivo - memória
Edital completo   definitivo - memóriaEdital completo   definitivo - memória
Edital completo definitivo - memória
 
Edital de artes visuais completo
Edital de artes visuais   completoEdital de artes visuais   completo
Edital de artes visuais completo
 
Edital de dança completo
Edital de dança completoEdital de dança completo
Edital de dança completo
 
Edital de literatura publicação de livros
Edital de  literatura   publicação de livrosEdital de  literatura   publicação de livros
Edital de literatura publicação de livros
 
Edital música
Edital músicaEdital música
Edital música
 
Edital de teatro
Edital de teatroEdital de teatro
Edital de teatro
 
Receitas de comidas de boteco
Receitas de comidas de botecoReceitas de comidas de boteco
Receitas de comidas de boteco
 
Festara 2011
Festara 2011Festara 2011
Festara 2011
 
Bruno Zago
Bruno ZagoBruno Zago
Bruno Zago
 
Livro Experimentânea 9
Livro Experimentânea 9Livro Experimentânea 9
Livro Experimentânea 9
 
Livro contos premiados 2011
Livro contos premiados 2011Livro contos premiados 2011
Livro contos premiados 2011
 
Reportagem da fr 2
Reportagem da fr 2Reportagem da fr 2
Reportagem da fr 2
 

Último

Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 

Incentivo fiscal projetos culturais Araçatuba

  • 1. ANTEPROJETO DE LEI “Dispõe sobre incentivo fiscal para a realização de projetos culturais no âmbito do município de Araçatuba” A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAÇATUBA DECRETA: Art. 1º - Fica instituído, no âmbito do Município de Araçatuba, incentivo fiscal para a realização de projetos culturais, a ser concedido a pessoas físicas ou jurídicas que desenvolvam atividades culturais no Município e nele estejam legalmente constituídas e domiciliadas há, no mínimo, 12 (doze) meses. § 1º - O incentivo fiscal referido no "caput" deste artigo corresponderá ao recebimento, por parte do empreendedor de qualquer projeto cultural no Município, seja através de doação ou patrocínio, de Certificados de Incentivo Fiscal expedidos pelo Poder Público, correspondentes ao valor de incentivo autorizado pelo Executivo. § 2º - Os portadores de Certificados de Incentivo poderão utilizá-los para pagamentos dos impostos Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISSQN e sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana - IPTU, até o limite de 50% (cinquenta por cento) do valor devido a cada incidência dos tributos. § 3º - Para o pagamento referido no parágrafo anterior, o valor de face dos certificados sofrerá desconto de 20% (vinte por cento), nos casos de patrocínio, enquanto que os casos de doação estarão livres de desconto. § 4º - A Câmara Municipal de Araçatuba fixará, anualmente, na Lei Orçamentária, o valor que deverá ser usado como incentivo cultural, que não poderá ser inferior a 1% (um por cento) da receita proveniente do ISSQN e do IPTU. Art. 2º - O poder Executivo poderá propor a redução ou eliminação da alíquota do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza incidente sobre as atividades culturais mencionadas no Art. 1º, estabelecendo ainda, com base em parecer do Conselho Municipal de Políticas Culturais, da Secretaria Municipal de Cultura e da Secretaria da Fazenda, o montante e a forma da contrapartida devida nesses casos, a ser utilizado em benefício da maior participação dos setores carentes no processo de produção e na fruição de seus resultantes e produtos. § 1º - O Executivo, a cada exercício, deverá fixar o limite máximo de incentivo a ser concedido por projeto, individualmente.
  • 2. § 2º - O projeto a ser beneficiado com o incentivo previsto nesta lei deverá, quando aplicável, prever a contrapartida através de ingressos a serem repassados ao incentivador, que será responsável por sua distribuição. § 3º - O incentivador que fizer uso dos benefícios previstos nesta lei poderá destinar os ingressos recebidos na forma de contrapartida ao Poder Público, cabendo, neste caso, à Secretaria Municipal de Cultura definir a sua destinação, privilegiando a população cujo acesso a eventos culturais seja mais restrito. Art. 3º - É vedada a utilização do incentivo fiscal nos projetos em que sejam beneficiários os próprios incentivadores, seus sócios ou titulares e suas coligadas ou controladas, cônjuges, parentes ascendentes, descendentes, colaterais ou afins em primeiro grau. § 1º - Entende-se por controlada qualquer entidade que estiver sob a vinculação direta ou indireta da empresa que fizer a doação ou patrocínio ou cujo titular o tenha feito, bem como as fundações ou entidades culturais por elas criadas ou mantidas. § 2º - Quando da assinatura do Termo de Compromisso, o empreendedor deverá apresentar documento no qual declare não possuir parentesco algum com o incentivador. Art. 4º - São abrangidas por esta Lei as seguintes áreas: I – produção, realização e circulação de projetos de música, dança, teatro, circo, ópera, fotografia, cinema, vídeo, espetáculos folclóricos e artes populares, exposição de artes plásticas, artes gráficas, artes digitais, artesanato e outras coleções. II - criação literária e publicação de livros, revistas e catálogos de arte; VI - produção e apresentação de espetáculos folclóricos e exposição de artesanato; VII - preservação do patrimônio histórico e cultural; VIII - construção, conservação e manutenção de museus, arquivos, bibliotecas e centros culturais; IX - concessão de bolsas de estudos na área cultural e artística; X - levantamentos, estudos e pesquisa na área cultural e artística; XI - realização de cursos de caráter cultural ou artístico destinados à formação, especialização e aperfeiçoamento de pessoal na área de cultura. Art. 5º - Os projetos culturais que reivindicarem incentivo fiscal do Município, de acordo com a presente Lei, serão submetidos à apreciação do Conselho Municipal de Políticas Culturais de Araçatuba, através de suas Câmaras Temáticas, que fica incumbido da averiguação e da avaliação dos mesmos, cabendo-lhe analisar tanto o mérito quanto os aspectos orçamentários dos projetos. § 1º - O Conselho Municipal de Políticas Culturais fixará o prazo de validade dos Certificados de Incentivo Fiscal. § 2º - O Conselho Municipal de Políticas Culturais fixará os prazos para a
  • 3. execução dos projetos aprovados. Art. 6º - Para obtenção do incentivo referido no art. 1º desta Lei, deverá o empreendedor apresentar ao Conselho Municipal de Políticas Culturais cópia do projeto cultural, explicitando os objetivos e recursos financeiros e humanos envolvidos, para fins de fixação do valor do incentivo e ulterior fiscalização. § único - Os projetos aprovados pelas Câmaras Temáticas do Conselho Municipal de Políticas Culturais receberão o Certificado de Enquadramento. Art. 7º - A Secretaria Municipal da Fazenda receberá da Secretaria Municipal de Cultura todas as informações necessárias ao procedimento tributário pertinente para fins da renúncia fiscal instituída por esta Lei. § 1º - Para efeitos de organização e fiscalização da aplicação desta Lei, a Secretaria Municipal de Cultura criará, manterá e se responsabilizará pela ininterrupta atualização de um Cadastro de Patrocinadores de Cultura - CPat. § 2º - Caberá, ainda, à Secretaria Municipal de Cultura a criação, manutenção e ininterrupta atualização de um Cadastro de Projetos Certificados, que tenham recebido o Certificado de Enquadramento das Câmaras Temáticas do Conselho Municipal de Cultura e estejam aptos a pleitear o Certificado de Incentivo Fiscal. Art. 8º - Para efeito do que é fixado no artigo anterior, fica estabelecido que: a) Empreendedor: a pessoa física ou jurídica, domiciliada e registrada no município de Araçatuba há pelo menos 12 (doze meses), diretamente responsável pela realização do projeto cultural para o qual pleiteie a concessão de incentivo previsto nesta lei. b) Incentivador: o contribuinte do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza – ISS e do Imposto Predial e Territorial Urbano – IPTU, no Município de Araçatuba, que transfira recursos para a realização de um projeto cultural incentivado. c) Doação ou Patrocínio: transferência, em caráter definitivo e livre de ônus, feita pelo incentivador ao empreendedor, de recursos para a realização do projeto cultural, com ou sem finalidades promocionais e publicitárias; d) Certificado de Enquadramento: documento que será emitido pelo Conselho Municipal de Políticas Culturais, através de suas Câmaras Temáticas, para efeito de captação de recursos pelos empreendedores junto aos incentivadores, especificando dados relativos ao projeto cultural incentivado e ao montante da doação ou patrocínio, com a discriminação dos recursos transferidos, dos recursos próprios, da contrapartida social, prazo de validade e demais especificações necessárias; e) Certificado de Incentivo Fiscal: Certificado nominal e intransferível emitido pela Secretaria Municipal da Fazenda que especificará as importâncias que o incentivador poderá utilizar para abater dos valores devidos a título de ISSQN e IPTU;
  • 4. f) Termo de Compromisso: documento firmado juntamente pelo empreendedor e pelo incentivador perante o Município de Araçatuba, através do qual o primeiro se compromete a realizar o projeto incentivado na forma e condições propostas e o segundo a destinar recursos transferidos necessários à realização do projeto nos valores e prazos estabelecidos; g) Recursos Transferidos: parcela dos recursos transferidos que poderá ser deduzida do valor do ISSQN ou IPTU devido pelo incentivador para aplicação em projeto cultural incentivado; h) Recursos Próprios: parcela de recursos do empreendedor, ou doada pelo incentivador, destinada a complementar o custo total do projeto, não podendo, em hipótese alguma, ser objeto de dedução fiscal do Município de Araçatuba; i) Contrapartida Social: ação a ser desenvolvida pelo projeto como contrapartida ao benefício fiscal, relacionada à descentralização cultural e/ou à universalização e democratização do acesso a bens culturais. Art. 9º - É facultado ao Empreendedor inscrever um ou mais projetos, desde que não exista pendência na prestação de contas de projetos aprovados anteriormente. § 1º – É vedada a aprovação de projeto de Empreendedor que se encontre inadimplente perante a Prefeitura do Município de Araçatuba, valendo também esta norma para o Incentivador. § 2º – Projetos que visem obter incentivo para a aquisição, construção, reforma ou ampliação de imóveis, de equipamentos e de material permanente, ou de algum modo, para acréscimo de patrimônio, serão aceitos quando os Empreendedores forem entidades sem fins lucrativos e cujo patrimônio tenha comprovada destinação pública em caso de virem a ser dissolvidas. § 3º – O Empreendedor que não esteja enquadrado no item anterior poderá propor no projeto a aquisição de equipamentos ou de materiais permanentes, desde que comprometa-se, através de Termo de Compromisso e Doação, a doar, ao final do projeto, esses bens para órgão público ou entidades sem fins lucrativos, cujo patrimônio tenha comprovada destinação pública em caso de dissolução desta. Art. 10 - A inscrição dos projetos que pleiteiem autorização para captação de recursos através desta Lei se dará mediante apresentação do Formulário Padrão, a ser elaborado em conjunto pela Secretaria Municipal de Cultura e pelo Conselho Municipal de Políticas Culturais. § 1º – O preenchimento do Formulário Padrão deverá ser obrigatoriamente através de processo mecânico ou eletrônico. § 2º – É facultado juntar ao Formulário Padrão textos contendo informações adicionais sobre o projeto, sobre os profissionais envolvidos, bem como outros documentos que o Empreendedor julgue elucidativos.
  • 5. § 3º – O Formulário Padrão e os documentos adicionais deverão ser apresentados com todas as folhas rubricadas. § 4º – Nos casos de os produtos culturais resultantes se constituírem de livros, periódicos, discos, fitas magnéticas de som e vídeo ou mídias equivalentes, deverão ser apresentados necessariamente: 1. Plano de fornecimento gratuito de parte significativa da tiragem ou de sua totalidade, que deverá contemplar, obrigatoriamente, bibliotecas, casas de cultura, escolas municipais, universidades, na cidade de Araçatuba e/ou municípios da região administrativa. 2. Plano de comercialização da tiragem, quando assim couber, com vistas a colocar o produto cultural ao alcance de outros interessados, a preços reduzidos, devendo, nesses casos, apresentar o preço final do produto com incentivo, cotejando-o com o preço que ele teria sem incentivo. 3. Nos casos do item anterior, a critério da Secretaria Municipal de Cultura e do Conselho Municipal de Políticas Culturais, serão indicadas instituições e profissionais que deverão receber, necessariamente, a doação do(s) produto(s) resultante(s) do projeto. Art. 11 - Para requerer os Certificados de Incentivo Fiscal, os interessados deverão assinar Termo de Compromisso, encaminhando à Secretaria Municipal de Cultura requerimento contendo os seguintes dados: a) Denominação do projeto b) Nome do Incentivador c) CGC e/ou CPF do Incentivador d) Inscrição Municipal do Incentivador e) Valor do Incentivo captado f) Forma e prazo do repasse do incentivo g) Certidão Negativa de Débitos do Incentivador, junto a Prefeitura Municipal de Araçatuba. h) Documento comprobatório de abertura de conta vinculada ao projeto i) Cópia do Certificado de Enquadramento. Art. 12 - Os Certificados de Incentivo Fiscal referidos nesta Lei terão prazo de validade, para sua utilização, de 180 (cento e oitenta) dias, a contar de sua expedição, corrigidos mensalmente pelos mesmos índices aplicáveis na correção do imposto, dentro do ano fiscal. Art. 13 - Toda transferência ou movimentação de recursos relativos ao projeto cultural será feita por meio de conta bancária vinculada, aberta pelo empreendedor especialmente para os fins previstos nesta Lei, em agência do Banco do Brasil ou
  • 6. Caixa Econômica Federal. Art. 14 - As transferências de que trata esta Lei deverão ser previamente autorizadas pelo Prefeito Municipal, com base em parecer elaborado pelas Câmaras Temáticas do Conselho Municipal de Políticas Culturais de Araçatuba, devidamente certificados e cadastrados junto à Secretaria Municipal de Cultura. § 1º - O Prefeito Municipal, através da Secretaria da Fazenda, emitirá as respectivas Autorizações de Transferência, de forma a garantir o controle financeiro indispensável ao atendimento dos limites fixados anualmente pela lei orçamentária. Art. 15 - O Empreendedor que se beneficiar da presente Lei prestará contas no prazo máximo de 60 (sessenta) dias após a conclusão do projeto. § 1º - Projetos com prazo de execução de mais de 60 (sessenta) dias deverão prestar contas mensalmente, de forma simplificada, e ao final de forma detalhada. § 2º - Ao final do projeto, deverá o Empreendedor apresentar Guia de Recolhimento dos tributos e taxas municipais pertinentes. § 3º - O Empreendedor deverá prestar contas dos recursos transferidos ao projeto através de: extrato bancário da conta vinculada, notas fiscais e/ou recibos, devidamente acompanhados de cópias de RG, CPF e/ou carimbo do CNPJ, com explicitação do serviço prestado, conforme previsão apresentada no projeto. § 4º - O Empreendedor deverá ainda, na prestação de contas, anexar amostra de todo material de divulgação utilizado no projeto. § 5º - Será de inteira responsabilidade do Empreendedor o pagamento dos impostos e taxas que venham a incidir sobre suas operações. Art. 16 - Não será concedido incentivo para ressarcimento de despesas referentes a fases do projeto em execução cujo desembolso tenham ocorrido antes da data da publicação, da aprovação do projeto para recebimento de incentivo previsto nesta Lei, em órgão de imprensa responsável pela publicação dos atos oficiais. Art. 17 - Se o Empreendedor, por motivos justificados e alheios à sua vontade, não puder dar continuidade ao projeto incentivado, este deverá indicar empreendedor capaz de substitui-lo na execução do projeto incentivado. § 1º - Fica facultada à Secretaria Municipal da Cultura e ao Conselho Municipal de Políticas Culturais a requisição de perícia, a ser feita por técnicos devidamente capacitados, para comprovar os motivos que justifiquem a transferência da execução do projeto beneficiado por esta lei para um novo Empreendedor. § 2º - Em caso de comprovação de fraude ou tentativa de ludibriar os mecanismos fixados nesta lei, caberá à Secretaria Municipal da Cultura acionar os setores competentes, para que sejam tomadas as medidas civis e penais cabíveis.
  • 7. a) A punição ao Empreendedor que infringir o que é fixado nesta Lei, dentro do Sistema Municipal de Cultura, será fixada pela Secretaria Municipal de Cultura, sob aprovação do Conselho Municipal de Cultura, e será de impedimento de beneficiar-se desta Lei pelo período de 3 (três) a 5 (cinco) anos, conforme a gravidade do ato praticado. § 3º - Caberá à Secretaria Municipal de Cultura, sob aprovação do Conselho Municipal de Políticas Culturais e com anuência do(s) incentivador(es), aceitar ou não a transferência ao Empreendedor indicado. § 4º - Em caso de a transferência ser aprovada, estando o novo Empreendedor enquadrado nas exigências fixadas nesta lei e cumpridos todos os quesitos fixados no caput deste artigo e no parágrafo anterior, o novo Empreendedor sucederá ao primeiro nos seus direitos e obrigações, com clara manifestação deste. § 5º - Em caso de óbito do Empreendedor proponente do projeto beneficiado por esta lei ou de sua impossibilidade real de manifestação, caberá à Secretaria Municipal de Cultura, sob aprovação do Conselho Municipal de Políticas Culturais e com anuência do(s) incentivador(es), determinar a transferência da execução do projeto beneficiado a um novo Empreendedor capacitado para sua execução. § 6º - Em caso de não haver Empreendedor capacitado para prosseguir na execução do projeto beneficiado por esta lei, caberá à Secretaria Municipal da Cultura, sob aprovação do Conselho Municipal de Políticas Culturais e da Secretaria Municipal da Fazenda, e em acordo com o(s) incentivador(es), determinar como e em que percentual os valores fixados no Certificado de Incentivo Fiscal serão devolvidos aos cofres públicos, em casos de projetos em andamento. § 7º - Definidos os valores mencionados no parágrafo anterior, os Certificados de Incentivo Fiscal emitidos pela Secretaria Municipal da Fazenda serão devidamente corrigidos, quando necessário, com a competente ressalva lançada em documentos específicos, apensados aos arquivos referentes ao Certificado específico relativo ao projeto em questão, para o correspondente controle contábil. § 8º - Se o projeto beneficiado por esta lei, cujo Empreendedor vier a óbito, ainda não estiver em fase de execução e em caso de não haver Empreendedor capaz de prosseguir em sua execução, os valores fixados a título de incentivo serão bloqueados, com a extinção dos Certificados de Incentivo Fiscal emitidos e a anulação de sua numeração junto ao cadastro competente, mantido pela Secretaria Municipal da Fazenda. Art. 18 - Além das sanções penais cabíveis, o empreendedor que não comprovar a correta aplicação dos recursos resultantes de projetos culturais ficará sujeito a multa equivalente a 3 (três) vezes o valor incentivado, corrigido pela variação aplicável aos tributos municipais, ficando ele ainda excluído da participação de quaisquer projetos culturais abrangidos por esta Lei por 5 (cinco) anos, sem prejuízo das penalidades criminais e civis cabíveis.
  • 8. Art. 19 - As entidades de classe representativas dos diversos segmentos da Cultura poderão ter acesso, em todos os níveis, a toda documentação referente aos projetos culturais beneficiados por esta Lei, através do Conselho Municipal de Políticas Culturais. § 1º - Qualquer segmento cultural poderá solicitar fiscalização específica a projeto beneficiário desta Lei, através de representação encaminhada ao Conselho Municipal de Políticas Culturais. § 2º - Recebida a representação, o Conselho Municipal de Políticas Culturais notificará a Secretaria Municipal de Cultura sobre as razões alegadas e estabelecerá os moldes como se dará a fiscalização requerida. § 3º - Fica facultada ao Conselho Municipal de Políticas Culturais e à Secretaria Municipal de Cultura a requisição e/ou contratação de profissionais especializados, cujos trabalhos sejam necessários à fiscalização de que trata este artigo. Art. 20 - As obras resultantes dos projetos culturais beneficiados por esta Lei, serão apresentadas, prioritariamente, no âmbito territorial do Município, devendo constar da divulgação o apoio institucional da Prefeitura do Município de Araçatuba, Lei Municipal de Incentivo à Cultura, Secretaria Municipal de Cultura e Conselho Municipal de Políticas Culturais. Art. 21 - Os saldos finais das contas-correntes vinculadas e os resultados financeiros das aplicações das sanções pecuniárias, de que tratam, respectivamente, os arts. 7º e 8º, serão recolhidos ao Tesouro Municipal e acrescentados ao orçamento anual. Art. 22 - As despesas decorrentes da presente Lei correrão à conta do Orçamento do Município a partir do exercício de 2011. Art. 23 - Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.