Academia Brasileira de Arte e Ciência Oriental
CRISTINE KELLER SILVA DE LIMA COTA
Alívio Imediato da Dor em Paciente com N...
Academia Brasileira de Arte e Ciência Oriental
CRISTINE KELLER SILVA DE LIMA COTA
Alívio Imediato da Dor em Paciente com N...
2
Alívio Imediato da Dor em Paciente com Neuralgia do Trigêmeo utilizando a
Acupuntura e a Carboxiterapia
Cristine Keller ...
3
presenting an excruciating pain of short duration, that may last from seconds to
minutes, interspersed by short periods ...
2
1 INTRODUÇÃO
A Neuralgia do Trigêmeo é uma síndrome de dor crônica, caracterizada por
paroxismos de dor intensa, ocorren...
3
mg/dia) e a oxcarbazepina (600–1800 mg/dia) mostram-se eficazes no controle da
dor (ALVES, 2004; CRUCCU, 2008).
Nos caso...
4
subcutânea é feita diretamente nas áreas afetadas através de um equipamento
capaz de controlar o fluxo injetado por minu...
5
(Taichong) bilateral. As agulhas foram inseridas perpendicularmente nos pontos F3 e
IG4, em profundidade aproximada de 0...
6
para o alívio da dor, trazendo um conforto para a paciente que nenhum tratamento
havia conseguido até o momento.
Yintang...
7
5 CONCLUSÃO
No caso relatado, a acupuntura e a carboxiterapia em ponto de acupuntura se
mostraram eficazes no alívio da ...
8
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1. ALVES, T.C.A.; AZEVEDO; G.S.; CARVALHO, E.S. Tratamento Famacoló-
gico da Neuralgia do Tri...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Alívio imediato da dor em paciente com neuralgia do trigêmeo utilizando a acupuntura e a carboxiterapia

449 visualizações

Publicada em

Relato de caso de alívio imediato (1 sessão) da dor causada pela neuralgia do nervo trigêmeo pelo uso da carboxiterapia em pontos de acupuntura

Publicada em: Saúde
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
449
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alívio imediato da dor em paciente com neuralgia do trigêmeo utilizando a acupuntura e a carboxiterapia

  1. 1. Academia Brasileira de Arte e Ciência Oriental CRISTINE KELLER SILVA DE LIMA COTA Alívio Imediato da Dor em Paciente com Neuralgia do Trigêmeo utilizando a Acupuntura e a Carboxiterapia Rio de Janeiro 2010
  2. 2. Academia Brasileira de Arte e Ciência Oriental CRISTINE KELLER SILVA DE LIMA COTA Alívio Imediato da Dor em Paciente com Neuralgia do Trigêmeo utilizando a Acupuntura e a Carboxiterapia Proposta apresentada como exigência final do curso de Formação em Acupuntura Eletroacupuntura da ABACO – Academia Brasileira de Arte e Ciência Oriental, como parte do requisito necessário para a construção do artigo científico. Rio de Janeiro 2010
  3. 3. 2 Alívio Imediato da Dor em Paciente com Neuralgia do Trigêmeo utilizando a Acupuntura e a Carboxiterapia Cristine Keller Silva De Lima Cota* e-mail para correspondência: cristine.cota@gmail.com RESUMO A Neuralgia do Trigêmeo é uma síndrome de dor crônica, caracterizada por paroxismos de dor intensa, ocorrendo, na maioria das vezes, em áreas de maior sensibilidade da face como ao redor das narinas, da boca e da mandíbula. A neuralgia do trigêmeo é mais debilitante forma de neuralgia facial, apresentando dor lancinante de curta duração, desde alguns segundos até minutos, intercalada por pequenos períodos de alívio. A causa mais comum da neuralgia do trigêmeo é a compressão focal da raiz do nervo trigêmeo. A farmacoterapia é a primeira escolha de tratamento para a dor da neuralgia do trigêmeo. Nos casos onde a terapia medicamentosa é contra- indicada ou não funciona satisfatoriamente, o tratamento cirúrgico pode ser cogitado. Uma alternativa não farmacológica e não cirúrgica para tratamento da neuralgia do trigêmeo é a acupuntura, técnica que utiliza agulhas finas inseridas em pontos específicos do corpo. A carboxiterapia é uma técnica onde se utiliza o gás carbônico (CO2) em seu estado gasoso, injetado no tecido subcutâneo através de uma agulha muito fina, resultando em importantes efeitos fisiológicos como a melhora da circulação e oxigenação dos tecidos. Este trabalho se propôs a relatar os efeitos imediatos da acupuntura tradicional chinesa adjunto à carboxiterapia no tratamento álgico da Neuralgia do Trigêmeo. Palavras-chave: Acupuntura. Neuralgia do trigêmeo. Carboxiterapia. Carboxipuntura. Abstract Trigeminal neuralgia is a chronic pain syndrome characterized by paroxysmal pain, mostly occurring in face areas of greater sensitivity such as around the nostrils, mouth and jaw. Trigeminal neuralgia is the most debilitating form of facial neuralgia, * Fisioterapeuta – FRASCE -1990 Aluna do curso de Pós Graduação em Acupuntura pela ABACO, 2010
  4. 4. 3 presenting an excruciating pain of short duration, that may last from seconds to minutes, interspersed by short periods of relief. The most common cause of trigeminal neuralgia is the focal compression of trigeminal nerve root. Pharmacotherapy is the first choice of treatment for trigeminal neuralgia pain. In cases where drug therapy is contraindicated or not enough satisfactory, surgical treatment may be considered. A non-pharmacological and non- surgical alternative treatment of trigeminal neuralgia is acupuncture, technique that uses fine needles inserted into specific body points. Carboxitherapy is a technique which uses the carbon dioxide (CO2) in gaseous state, injected into the subcutaneous tissue through a tiny needle, resulting in significant physiological effects as improved circulation and tissue oxygenation. This study aimed to report the immediate effects of traditional Chinese acupuncture with adjunct carboxitherapy in the treatment of trigeminal neuralgia pain. Keywords: Acupuncture. Trigeminal neuralgia. Carboxytherapy. Carboxypuncture.
  5. 5. 2 1 INTRODUÇÃO A Neuralgia do Trigêmeo é uma síndrome de dor crônica, caracterizada por paroxismos de dor intensa, ocorrendo, na maioria das vezes, em áreas de maior sensibilidade da face como ao redor das narinas, da boca e da mandíbula, fazendo com que o paciente evite tocar a face, lavar o rosto, morder, mastigar, falar ou qualquer outra manobra que estimule essas áreas (LEWIS, 2007; NOGUEIRA, 2002). A dor é descrita como “pontada”, “latejante”, “queimação” ou “choque elétrico” e costuma apresentar duração curta, desde alguns segundos até minutos, intercalada por pequenos períodos de alívio. Este período de remissão da dor pode decrescer gradualmente, gerando um aumento da freqüência das crises e da intensidade da dor (FRIZZO, 2004; NOGUEIRA, 2002). A dor geralmente é unilateral, acometendo com maior freqüência o ramo maxilar (V2), que atravessa o forame redondo e carreia sensibilidade da pele e tecido subcutâneo do lábio superior, asa do nariz, bochecha, pálpebra inferior, região temporal, mucosa do véu do palato, abóbada palatina, tonsila, seio maxilar, fossa nasal, gengiva, polpas dentárias superiores, periósteo da órbita e dura-máter da fossa cerebral média (FRIZZO, 2004). A neuralgia do trigêmeo é mais debilitante forma de neuralgia facial, mas é relativamente incomum, com uma incidência anual de 4,3 por 100.000 pessoas, com discreta predominância no sexo feminino (3:2). Manifesta-se geralmente em pacientes com mais de 30 anos, sendo que o pico de aparecimento é de 60 a 70 anos de idade (ALVES, 2004; OLIVEIRA, 2009). A causa mais comum da neuralgia do trigêmeo é a compressão focal da raiz do nervo trigêmeo, responsável por 80 a 90% dos casos. Em poucos casos, a neuralgia do trigêmeo é causada por doenças desmielinizantes e em casos raros é causada por infiltração tumoral. Restam alguns casos onde a etiologia é desconhecida (LOVE, 2001). A farmacoterapia é a primeira escolha de tratamento para a dor da neuralgia do trigêmeo. Medicamentos anticonvulsivantes como a carbamazepina (200–1200
  6. 6. 3 mg/dia) e a oxcarbazepina (600–1800 mg/dia) mostram-se eficazes no controle da dor (ALVES, 2004; CRUCCU, 2008). Nos casos onde a terapia medicamentosa é contra-indicada ou não funciona satisfatoriamente, o tratamento cirúrgico pode ser cogitado. Apesar de existirem várias técnicas cirúrgicas, ainda não há evidência clínica suficiente sobre sua efetividade (CRUCCU, 2008). Uma alternativa não farmacológica e não cirúrgica para tratamento da neuralgia do trigêmeo é a acupuntura (TIAN, 2010). A acupuntura é uma técnica de tratamento por inserção de agulhas finas em pontos específicos do corpo – pontos de acupuntura. É parte integrante da Medicina Tradicional Chinesa, baseada na teoria do Qi (VANDERPLOEG, 2009). De acordo com a Medicina Tradicional Chinesa, a Neuralgia do trigêmeo pode ser ocasionada pela invasão externa do Vento-Calor ou Vento-Frio na região da face. O Vento Perverso pode alojar-se nos canais e colaterais da face, impedindo o fluxo livre do Qi e Xue, desencadeando a neuralgia do trigêmeo. Também pode ter origem interna pela dieta inadequada, pelas sete emoções e pela deficiência causada pelo envelhecimento. O tratamento envolve o uso de pontos locais e sistêmicos com o uso de técnica de sedação ou tonificação, de acordo com cada caso (FLAWS, 2005). A carboxiterapia é uma técnica onde se utiliza o anidro carbônico (gás carbônico ou CO2) em seu estado gasoso, injetado no tecido subcutâneo através de uma agulha muito fina, resultando em importantes efeitos fisiológicos como a melhora da circulação e oxigenação dos tecidos (GOLDMAN, 2006). O uso medicinal do CO2 teve início na década de 30, na França, onde banhos secos ou de imersão em água carbonada foram usados para o tratamento de arteriopatias periféricas. Em 1953, o cardiologista Jean Baptiste Romuef publicou um estudo sobre seus 20 anos de experiência em tratamentos com injeções subcutâneas de CO2. Desde então, a carboxiterapia vem sendo amplamente pesquisada e utilizada em medicina estética, cirurgia plástica, angiologia, reumatologia, urologia e dermatologia (GOLDMAN, 2006; SCORZA, 2008). O CO2 é um gás inodoro, incolor, e atóxico, presente no organismo humano como resultado do metabolismo oxidativo celular, sendo sua maior parte eliminada pelos pulmões durante a respiração. Atualmente, a administração do CO2 pela via
  7. 7. 4 subcutânea é feita diretamente nas áreas afetadas através de um equipamento capaz de controlar o fluxo injetado por minuto e o volume total injetado. Devido ao seu alto poder de difusão, o CO2 é rapidamente absorvido e eliminado, reduzindo o risco de embolia gasosa fatal. Os efeitos colaterais relatados em literatura são: dor durante o tratamento, sensação de crepitação no local da aplicação e pequenos hematomas decorrentes da punção (GOLDMAN, 2006; SCORZA, 2008. Este trabalho se propôs a relatar os efeitos imediatos da acupuntura tradicional chinesa adjunto à carboxiterapia no tratamento álgico da Neuralgia do Trigêmeo. 2 MATERIAIS E MÉTODOS 2.1 Relato do Caso Uma paciente de 38 anos, diagnosticada com neuralgia do trigêmeo por neurologista há 3 meses e tratada com fenitoína, carbamazepina, morfina e fentanila, sem sucesso no alívio da dor. Procurou a acupuntura para tratamento de uma crise aguda de dor. A paciente queixava-se de dor na região maxilar com sensação de pontada constante, com sensibilidade à palpação, principalmente no ponto de acupuntura E6 (JIACHE), no lado direito. A avaliação da intensidade da dor foi feita usando-se uma escala verbal- numérica, onde o paciente classifica sua dor quanto à intensidade da sensação, variando de 0 (sem dor) até 10 (a pior dor possível). A paciente relatou a dor como sendo 10. No momento do atendimento fazia uso de carbamazepina 200 mg/dia. Seu diagnóstico, segundo os princípios da medicina tradicional chinesa, foi severa Estagnação de Qi, agravada pela invasão de vento-frio, acometendo o meridiano do estômago. O tratamento por acupuntura foi realizado em uma única sessão, com o uso de 5 agulhas descartáveis de aço inoxidável de 25mm x 30mm (HANSOL®, Coréia do Sul). Os pontos sistêmicos utilizados foram Yintang, IG4 (Hegu) bilatral e F3
  8. 8. 5 (Taichong) bilateral. As agulhas foram inseridas perpendicularmente nos pontos F3 e IG4, em profundidade aproximada de 0,5 a 1 cun. Em Yintang a inserção foi obliqua a aproximadamente 0,5 cun. Após a inserção, as agulhas foram manipulas obtendo- se a sensação do deqi, relatado pela paciente como um “choque irradiado, em IG4 e F3. Um estímulo de sedação foi aplicado em todas as agulhas, com giro rápido repetidas vezes em sentido anti-horário. Agulhas foram deixadas por 20 minutos e então, retiradas. Com as agulhas ainda inseridas, foi injetado localmente CO2 no ponto E6 do lado direito por 10 segundos, com fluxo de 60 mg, através do aprarelho CARBOXIDE CONTROL®. (Biosani indústria e comércio de produtos médicos e odontológicos ltda, 2009, Brasil, registro ANVISA 8028600000). O diagnóstico energético e o tratamento foram feitos por uma acupuntora com um ano de experiência em acupuntura e em carboxiterapia. 3 RESULTADOS A paciente foi liberada para casa e contatada por telefone após 6 horas apresentava melhora, relatando dor de grau 5 na escala verbal-numérica. Após 12 horas do tratamento, relatou não sentir dor alguma (grau 0 na escala verbal- numérica). Novo contato telefônico foi feito oito meses após o tratamento, por questão de acompanhamento, no qual a paciente relatou que não sentiu mais a dor da neuralgia do trigêmeo nesse período, tendo, inclusive parado com a medicação. 4 DISCUSSÃO O ponto E6, além de ser o ponto Ashi na paciente, foi eleito para uso da carboxiterapia por ser um ponto gatilho no masseter; ser ponto de cruzamento com canal de energia da VB; beneficiar o maxiliar e os dentes; dispersar o vento, acalmar a dor e, principalmente por tornar permeável o canal de energia. Sendo assim, a aplicação do gás carbônico neste ponto, reuniu todas as indicações necessárias
  9. 9. 6 para o alívio da dor, trazendo um conforto para a paciente que nenhum tratamento havia conseguido até o momento. Yintang, IG4 (bilateral) e F3 (bilateral) foram usados para promover a circulação de Qi. O quadro de Estagnação de Qi severa, foi agravada pela invasão de vento frio devido ao fato de a paciente ser médica de Centro de Terapia Intensiva e estar exposta ao frio por muitas horas. A paciente tem hábitos de sono irregular por excesso de trabalho devido a diversos plantões semanais em CTI. O seu ambiente de trabalho contribui para um excesso de atividade mental por lidar com diversos pacientes em estado grave. Devido a esse quadro, a paciente possui deficiência de Qi e Xue que causou uma estagnação severa. Dentro do material pesquisado, O efeito energético do CO2 (gás yang) promove a circulação local, demonstrado por calor e rubor. A promoção de circulação de sangue, fisiologicamente promove o aumento da circulação local, facilitando a liberação d Uma possível explicação para os efeitos da Carboxi seria alívio por descompressão local, Do ponto de vista da Medicina Tradicional Chinesa a carboxi pode ser calor e rubor comparável a moxa, de forma profunda, promovendo a expulsão do vento frio através de um mecanismo mais profundo. Isto se mostrou amplamente satisfatório, mostrando que o efeito foi muito melhor do que os artigos amplamente pesquisados em literatura em que em nenhum deles foi mostrado que o paciente pode ter melhorado em apenas uma sessão. Contudo, a utilização da carboxipuntura (utilização de CO2 em pontos de e Os resultados foram promissores
  10. 10. 7 5 CONCLUSÃO No caso relatado, a acupuntura e a carboxiterapia em ponto de acupuntura se mostraram eficazes no alívio da dor da neuralgia do trigêmeo a curto e longo prazo.
  11. 11. 8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. ALVES, T.C.A.; AZEVEDO; G.S.; CARVALHO, E.S. Tratamento Famacoló- gico da Neuralgia do Trigêmeo: Revisão Sistemática e Metanálise. Revista Brasileira de Anestesiologia, v.54, n.6, p.836-849, novembro-dezembro 2004. 2. CRUCCU, G. et al. AAN-EFNS guidelines on trigeminal neuralgia management. European Journal of Neurology, v.15, n.10, p.1013–1028, oct. 2008. 3. FLAWS, B.; SIONNEAU, P. The Treatment of Modern Wester Medical Diseases with Chinese Medicine. 2nd ed. Boulder: Blue Poppy Press, 2005, cap.77, p.539-546. 4. FRIZZO, H.M.; HASSE, P.N.; VERONESE; R.M. Neuralgia do trigêmeo: revisão bibliográfica analítica. Revista de Cirurgia e Traumatologia Buco- Maxilo-Facial, v.4, n.4, p.212-217, out./dez. 2004. 5. GOLDMAN, M.P. et al. Cellulite – Pathophysiology and Treatment. New York: Taylor & Francis, 2006, cap.13, P.197-208. 6. LEWIS, M.A.O. et al. Management of neuropathic orofacial pain. Oral. Surg. Oral. Med. Oral. Pathol. Oral. Radiol. Endod., v.103, suplemento, p.S32.e1- S32.e24, mar. 2007. 7. LOVE, S.; COAKHAM, H.B. Trigeminal neuralgia pathology and pathogenesis. Brain, v.124, n.12, p.2347-2360, dec. 2001. 8. NOGUEIRA, R.L.M.; COSTA, F.W.G. Neuralgia trigeminal: revisão da literatura e relato de caso clínico. Jornal Brasileiro de Oclusão, ATM e Dor Orofacial, Curitiba, v.2, n.5, p.70-74, jan./mar. 2002. 9. OLIVEIRA, C.M.B. et al. Neuralgia do trigêmeo bilateral. Relato de caso. Revista Brasileira de Anestesiologia. v.59, n.4, julho-agosto 2009. 10.SCORZA, F.A.; BORGES, F.S. Carboxiterapia: uma revisão. Revista Fisioterapia Ser, v.3, n.4, out/nov/dez, 2008. 11.TIAN, L.F. A survey on acupuncture treatment of trigeminal neuralgia. J. Tradit. Chin. Med. v.30, n.1, p.68-76, mar. 2010. 12.VANDERPLOEG, K.; YI, X. Acupuncture in Modern Society. J. Acupunct. Meridian Stud. v.2, n., p.26−33, mar. 2009.

×