Trabalho de filosofia 3 °b- Copa do Mundo.

333 visualizações

Publicada em

Trabalho realizado pelos alunos do 3° ano do ensino médio.
EE Lourival Gomes Machado
Matéria Filosofia.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
333
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
39
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho de filosofia 3 °b- Copa do Mundo.

  1. 1.  Introdução .........................03  A primeira copa do mundo .........................04  Desafio da modernização ..........................05  Significado das palavras diferentes ............08  Conclusão ..........................09  Bibliografia ..........................10
  2. 2.  Na primeira Copa do Mundo sediada pelo Brasil, em 1950, o país ainda estava em construção, ou seja, as exigências em infraestrutura eram menores, e os ideais da modernização ainda se delineavam até mesmo no âmbito mundial. Entretanto, hodiernamente, sediar a Copa do Mundo de 2014 para o Brasil significa demonstrar a superação da condição histórica do processo de expropriação, da condição de ex- colônia e de país "subdesenvolvido", e revelar-se um país moderno. O grande desafio será modernizar o país seguindo os padrões exigidos pelo modelo hegemônico para sediar o maior evento esportivo mundial. O processo modernizador exige remodelação dos estádios, modernização de instalações, equipamentos e serviços; principalmente no que se refere à segurança e ao sistema de transporte terrestre e aéreo. Em última instância, esse cenário poderá simbolizar uma mudança em diversas dimensões sociais, políticas e econômicas do país, bem como no próprio imaginário de construção da identidade nacional.
  3. 3. Copa do Mundo em 2014: O duplo desafio brasileiro Sediar o campeonato mundial de 2014 significa, para o Brasil, demonstrar a superação da condição histórica do processo de expropriação, da condição de ex-colônia e de país "subdesenvolvido", e revelar-se um país moderno.
  4. 4.  A ideia da modernização e seus desdobramentos tornaram- se pensamento fulcral para os países descolonizados, como um caminho de resgate de um passado de exploração, principalmente com o objetivo de superar o atraso do período colonial. O cabedal teórico do Ocidente, desde o período Iluminista, construiu um imaginário de progresso como base da concepção da sociedade moderna que desde meados do século XX vem-se apropriando da concepção de "desenvolvimento" como pressuposto do processo de modernização. Partindo desse princípio, faremos aqui uma breve análise crítica sobre a construção teórica dos pressupostos da ideia de modernização, refletindo sobre o impasse que o Brasil enfrenta para constituir-se enquanto sociedade moderna, adequando-se ao modelo idealizado.
  5. 5. O conceito de modernização aparece somente no pós-guerra, inserido em um contexto de profundas transformações sociais, políticas, econômicas e culturais mundiais. A partir da década de 1950, a palavra passa a ser utilizada como termo técnico de análises socioeconômicas e tecnológicas. A ideia de modernização, segundo Sztompka (1998), é empregada frequentemente em três sentidos: a) um que denota a mudança social progressiva; b) outro que está atrelado à ideia de modernidade; e um terceiro c) que se refere ao esforço dos países "subdesenvolvidos" para alcançar os países "avançados". Todas estas acepções, mesmo que empregadas sob enfoques diferenciados, remetem à idéia de um modelo ideal de sociedade moderna como sinônimo de ocidentalização ou americanização. Ou ainda, em semelhante contexto histórico- social, "modernização significa europeização", como expressa Florestan Fernandes (2008). Para Habermas (2002) modernização significa "um conjunto de processos cumulativos e de reforço mútuo" no sentido de formação de capital e mobilização de recursos, de desenvolvimento e aumento da produtividade do trabalho, de formação de identidades nacionais, bem como da "expansão dos direitos de participação política".
  6. 6.  No mesmo sentido, Berman (2006) trata o termo como uma multidão de processos sociais que geram o "turbilhão da modernidade". O turbilhão da modernização, na análise de Berman, é alimentado por processos sociais como as descobertas científicas, a industrialização da produção, a descomunal explosão demográfica, as formas de expansão urbana, os Estados nacionais poderosos, os movimentos de massa. Como impulso para esse conjunto de processos, aparece o mercado mundial capitalista, "drasticamente flutuante, em permanente expansão". Resumindo, o imaginário ideológico de "desenvolvimento" aparece como um movimento planetário de racionalização, urbanização, democratização, tecnologia e expansão do capitalismo. Para a teoria vigente, a sociedade latino- americana é dividida em duas partes distintas: a sociedade moderna, urbana e capitalista e a rural, atrasada e feudal
  7. 7.  Americanização: Termo empregado para descrever a influência que os Estados Unidos exercem sobre a cultura de outros países, resultando no fenômeno da substituição de uma determinada cultura pela cultura estadunidense. Quando tal se dá contra a vontade da cultura afetada ou pelo uso da força, o termo tem uma conotação negativa; quando é buscada voluntariamente, possui uma conotação positiva.
  8. 8. A modernização tecnológica e o desenvolvimento econômico são os princípios norteadores do ideal da sociedade moderna. Entretanto, os séculos de exploração representaram e representam um obstáculo aos países colonizados no que se refere à possibilidade de propagação desse ideal. O Brasil, neste contexto histórico, como país sede da Copa do Mundo de 2014, encontra-se em um duplo desafio: primeiro criar condições estruturais para sediar o evento; segundo, apresentar uma excelente seleção para fazer jus à condição de país do futebol e receber o título de campeão mundial em casa.
  9. 9.  http://sociologiacienciaevida.uol.com.br/ESSO /Edicoes/43/artigo271724-1.asp

×