Clipping marketing de seguros

4.149 visualizações

Publicada em

Arquivo referente ao clippling solicitado pelo professor Manoel Marcondes, através da disciplina Fundamento de Marketing na UERJ em 2011.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.149
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
49
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Clipping marketing de seguros

  1. 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS FUNDAMENTOS DE MARKETING MERCADO SEGURADOR PATRÍCIA MARIA JARDIM BARROS Rio de Janeiro 2011
  2. 2. O mercado seguradorAo longo dos três últimos meses de análise do comportamento do mercadosegurador, pude observar primeiramente que este mercado está em largaexpansão. Grandes seguradoras estão ampliando seus portfólios de produtos eoferecendo mais ao consumidor do que um simples produto que ele “pagariapra não usar”.Ao contrário do famoso dito popular, o seguro tem se diversificado e cada vezmais as seguradoras querem que o cliente perceba o valor do seguro comoalgo bom, que vai lhes assegurar no futuro e não só na hora da morte. Diversasações tem sido tomadas para que a cultura do seguro seja cada vez maisabsorvida pelo consumidor. Um bom exemplo é a campanha publicitária daBradesco Seguros, que lançou inclusive um jargão: “Vai que...” Outrasempresas têm caminhado para este lado e lançado campanhas com humorpara atrai o público e desmistificar o que realmente é a contratação de umseguro. Além disso, a Bradesco Seguros lançou uma cartilha explicativa eampliou suas vendas através da telefonia móvel. O objetivo é difundir a culturado seguro para classes mais baixas e aumentar o acesso na hora dacontratação.Outra ação que tem atraído o consumidor é a ampliação do portfólio paraoutras necessidades. Seguros contra doenças graves como o câncer, AVC,ossos quebrados em idosos, têm atraído o consumidor, que tem sua percepçãode valor aumentada em relação ao seguro, já que o valor do capital pago podeser usado como o cliente desejar, no caso de diagnósticos dessas doenças.Podemos citar também como evolução o acirramento da concorrência noâmbito das classes. Recentemente a American Life lançou um seguro paraadvogados, com renda até R$3mil no valor mínimo de R$10 de contribuição.Empresas como Mongeral Aegon, líder no ramo de seguros para entidadesfechadas, terão suas vendas impactadas por este tipo de ação.A fiscalização da Susep tem se mostrado acirrada no combate a fraudes porparte de seguradoras estrangeiras e na contratação de apólices ilegais. Alémde aplicar multa para a empresa, a última no valor de R$11 milhões, a Suseptem tentado difundir o conhecimento de que na hora de contratar um seguro ostatus de contratar com seguradoras estrangeiras não deve falar mais alto, poiso risco de não receber indenização é grande.Ocorreram também por estes meses congressos de valorização dosprofissionais de seguros, encontro de corretores e premiações. O objetivo foi ode valorizar cada vez mais estes profissionais que atuam no mercado deseguros. Apesar do crescimento nas vendas, o percentual de atingimento ainda
  3. 3. é baixo em relação ao PIB brasileiro, se comparado com mercados como oeuropeu e o americano.A valorização da profissão de corretor de seguros tem contribuído para atrairpessoas que se interessem por esta profissão. Diversas seguradoras têmampliado os canais de comunicação com estes profissionais e proporcionadomaior acessibilidades sobre pagamentos de comissões e angariação,regulamentação e registro junto a entidades reguladoras.Um marco recente na história do mercado segurador é a regulamentação davenda do microsseguro. Este terá valor de prêmio acessível e um capitalsegurado menor. Seu foco é a classe de baixa renda. Recentemente a Susepautorizou a comercialização direta deste tipo de seguro. E espera com isso nãosó aumentar as vendas mas permitir que correspondentes bancárioscomercializem-no.Podemos concluir que a expansão deste mercado tem recebido generosascontribuições por parte de grandes instituições financeiras como o Bradesco.As seguradoras de risco individual têm conseguido também ampliar sua fatiade mercado adotando melhores práticas do mercado interno e externo. Aindaassim, há muito o que desenvolver no que tange a seguros de vida. Um dosprincipais problemas que ainda persistem é a falta de cultura do brasileiro emadquirir uma apólice de seguros.Outro fato é que os líderes destes mercados são bancos e não seguradoras,visto que a venda casada nestas instituições é prática constante econsideradas “vendas certas”. Prática que está inclusive para ser proibida porlei.As fraudes também estão entre os maiores problemas deste mercado. Barrar acomercialização ilegal por instituições estrangeiras e disciplinar o corretor deseguros, estão entre os maiores desafios das entidades reguladoras.A seguir, pode-se conferir as principais notícias sobre o mercado segurador,divulgadas nos últimos três meses.
  4. 4. Rio, 01/12/2011 – Clipping do dia01 de dezembro de 2011Seguros de Vida | Valor Econômico | Finanças | BRSai regulamentação de microsseguroSegurosPara reduzir custos, exigência de capital para o ramo será um quinto doseguro tradicionalThais Folego e Felipe MarquesSerá publicada entre hoje e amanhã no Diário Oficial a tão aguardadaregulamentação de microsseguro, apólice que cobre valores pequenos, voltadapara a baixa renda. Além desse tema, o Conselho Nacional de SegurosPrivados (CNSP) aprovou na reunião de terça-feira disposições sobreresseguros, sanções administrativas e autorregulação de corretores.Para reduzir o custo do microsseguro, a regulação diminui a exigência decapital para as seguradoras que vão atuar no ramo para um quinto o capitalexigido para os seguros tradicionais. "Se uma seguradora tradicional que atuaem todo o país precisa de R$ 15 milhões, para microsseguro será exigido R$ 3milhões. Isso já está no texto que será publicado e não será preciso circularadicional", adianta Luciano Portal Santanna, superintendente da Susep, quepresidiu a reunião do CNSP. "O escopo do texto é reduzir o custo e ampliar oscanais de distribuição", resume.A Susep também vai simplificar as regras de cálculos técnicos e exigência deenvio de dados pelas seguradoras para diminuir o "custo regulatório" dasempresas.Quanto à definição objetiva do que é microsseguro, Santanna diz que o critériodefinido no texto é o valor da indenização (valor segurado, no jargão domercado) e não o valor cobrado pelo seguro (prêmio). Será definido em circularou instrução normativa da Susep, até o meio do ano que vem, o valor seguradopara cada ramo de microsseguros.Para seguro de vida, a estimativa é que o valor máximo de indenização sejade R$ 100 mil, projeta Eugênio Velasques, diretor executivo do GrupoBradesco Seguros e presidente da comissão de microsseguros e segurospopulares da CNSeg (Confederação Nacional de Seguros).Outro avanço da regulação é ampliar os canais de distribuição, com apermissão do uso de correspondentes e meios remotos, como o celular. Embom português, a Susep vai permitir que os microsseguros sejam vendidos emcorrespondentes bancários, o que não é permitido para os seguros tradicionaisaté agora.
  5. 5. A entrada dos correspondentes bancários na venda de microsseguros traz umexército de cerca de 150 mil novos postos de venda. A estimativa é doprofessor Lauro Gonzalez, da Fundação Getulio Vargas, que destaca aimportância do canal nas regiões Norte e Nordeste do país. "Esse é um canalde distribuição extremamente privilegiado, com acesso à população pobre eexcluída do sistema bancário tradicional, e que é subaproveitado no país", diz."O alcance dele é muito maior que o de qualquer banco ou seguradora."Hoje, os correspondentes bancários oferecem apenas serviços financeirossimples, como pagamento de contas, e não podem vender produtos de créditoe de seguro. Com a nova regulação, eles passam a poder comercializarmicrosseguros. Santanna, da Susep, adianta que há planos para que o canaltambém seja usado para a venda seguro tradicionais.Para as seguradoras, o mercado potencial de microsseguro é de 128 milhõesde brasileiros. A estimativa é do Centro para Regulação e Inclusão Financeira(Cenfri), da África do Sul, que considera pessoas com renda de até trêssalários mínimos. De olho nesse potencial, algumas seguradoras começaram,no último ano, a estudar e testar esse mercado.Uma iniciativa conjunta foi o projeto Estou Seguro, na comunidade SantaMarta, na zona sul carioca. A iniciativa da CNSeg teve a adesão de 17seguradoras que instalaram quiosques móveis para venda e orientação sobreseguros. No primeiro ano foram vendidas 120 apólices num universo de 1.600famílias. A maior procura foi por seguros de vida e funeral.Umas das seguradoras do projeto é o Bradesco, com coberturas de vida,residencial e de acidentes pessoais. A seguradora, inclusive, lançourecentemente um sistema que usa o celular para ajudar o corretor na venda doseguro, com objetivo de acelerar a venda e reduzir custos.Quem também atua nesse mercado é a Zurich, em parceria com o InstitutoPalmas. Juntos, oferecem seguros de vida e assistência funeral, com sorteios,por de R$ 10 a R$ 35 a anuidade.Rio, 28/11/2011 – Clipping do dia28 de novembro de 2011Seguros de Vida | Valor Econômico | Especial - Previdência Privada | BRMultifundos permitem alteração de investimentoOs planos de previdência privada multifundos passaram a atender umanecessidade que pode parecer contraditória às características do produto:facilitar a mudança dos ativos investidos. Visto como um produto para acumularrecursos no longo prazo, a recomendação mais frequente é para que não
  6. 6. sejam feitas transferências no curto prazo em função de mudanças pontuais deconjuntura, para evitar a realização de perdas.No entanto, a experiência da indústria percebeu que havia a necessidade deatender a uma parte dos clientes que queriam fazer este tipo de movimentaçãode forma mais simples ou, pelo menos, ter esta possibilidade.Hoje os multifundos são uma opção e algumas seguradoras colocam o produtocomo base para toda a sua linha. Se o cliente quiser, ele estará disponível commenos formalidades para todos e menos custos para a administradora doplano.Nos planos que não são multifundos, não há restrições para que um clientemude o perfil dos ativos onde são investidos os recursos de seu plano. Elepode transferir seus valores de um plano com um fundo mais concentrado emrenda variável para um fundo mais conservador, com foco em renda fixa. Masessa operação, realizada por meio de portabilidade, exige uma formalidade,mesmo que seja feita dentro de uma mesma instituição.Ao realizar a portabilidade, é necessário abrir um procedimento, para transferirrecursos para um outro plano. Não há custos para o cliente, mas para aseguradora, sim. É solicitada a abertura de um outro plano, com um novocertificado, e há uma carência de 60 dias para que possa ser feita uma outratransferência dos recursos portados, mesmo se a mudança foi feita na própriainstituição.Com a oferta dos multifundos, o plano é registrado com a possibilidade dedirecionar os recursos para diferentes perfis de fundos, a critério do cliente,sem precisar realizar nenhuma portabilidade. Na Sul América Seguros, todosos planos de previdência privada individuais já têm a opção de multifundos,segundo Fabiano Lima, superintendente técnico de vida e previdência daseguradora.Mas a possibilidade de mudar o perfil dos ativos a qualquer momento nãosignifica transferências bruscas de recursos. "Até porque, quando a variação émuito forte e repentina, como aconteceu em alguns momentos neste ano nomercado de ações, os clientes não mudam, pois sabem que, se realizarem atransferência, terão prejuízos", afirma LimaO superintendente da Porto Seguro Vida e Previdência, Silas Kasahaya, avaliaque os multifundos dão mais flexibilidade aos clientes que quiserem fazer amovimentação de forma simplificada. Já a Icatu Seguros ainda não tem planosmultifundos, mas entende que esta é uma tendência e está se preparando paraoferecer esta linha de produtos. De acordo com Plínio Sales, diretor deprevidência da seguradora, hoje os clientes que querem mudar o perfil dosativos investidos fazem por meio de portabilidade interna, sem custo. (A.H.)
  7. 7. Rio, 27/11/2011 – Clipping do dia27 de novembro de 2011Mongeral Aegon | Institucional | Revista Veja | Especial - Seguros | BRDestes ninguém escapaOs tipos de seguro que nos fazem viver mais tranquilos, e que se tornaramcompulsórios em um cotidiano de muitos riscosDenise Bueno____SAÚDEA saúde pode não ter preço, mas tem custo e uma avalanche de reclamações.O setor está entre os líderes de queixas nos órgãos de defesa do consumidor.O cenário é o seguinte: clientes sem atendimento, empresas de saúde embusca de lucro para manter o acionista no negócio, fornecedores que fazemgreve e governo que busca equilibrar as relações para desafogar o SUS.COMO ESCOLHER. Quem trabalha em uma empresa tem a sorte de ter umplano de saúde com custos mais acessíveis que os dos planos individuais.Porém, o medo de perder o emprego faz com que as pessoas estejam semprepreocupadas com o que fazer caso isso aconteça. Pacotes de livre escolha demédicos e hospitais costumam ter um preço médio 30% acima do praticadopelas empresas de medicina de grupo ou de assistência médica, queconseguem controlar custos por permitirem apenas o uso de rede credenciadanos planos mais básicos, sem direito a reembolso e muitas vezes limitadosgeograficamente. Alberto Dabus Filho, superintendente de benefícios da ADCorretora de Seguros, revela que há planos para todos os gostos e bolsos. Osvalores dos planos podem variar muito, começando dos mais simples, em tornode 100 reais, com internação em enfermaria de hospitais selecionados, echegando aos mais sofisticados, com mensalidades de 4 000 reais. Essesúltimos, entre os quais se inclui o da Omint, oferecem até a possibilidade de ocliente passar por cirurgia plástica nos melhores hospitais do país. Nos planoscomuns, plástica só se for reparadora de danos causados por um acidente. Osefeitos do tempo, só mesmo em planos caros.Os preços variam não só pela forma de contratação, mas também pelaabrangência do contrato e coberturas capilaridade e qualidade da rede deatendimento, limites de reembolso, região faixa etária do segurado e tipo deplano (completo ou apenas com cobertura hospitalar). Também contam pontosno preço a idade do cliente, o histórico de saúde e os hábitos de vida (fumantepaga mais e quem pratica esporte tem desconto).CUIDADOS. Olho vivo nas letras miúdas. A Lei 9.956 obriga as empresas dosetor a ofertar um rol de procedimentos básicos. Mesmo assim, é preciso ficaratento às mudanças, pois as empresas podem excluir prestadores sem aviso
  8. 8. prévio. Com certeza, a melhor opção é procurar um corretor especializado emsaúde para ter um plano sob medida para as suas necessidades.____CARROO seguro de automóveis é um dos mais difundidos no Brasil, e, no entanto,apenas 30% da frota é protegida por contrato. Em países com legislação maisrígida, esse porcentual se aproxima de 100%."Se todo dono de automóvelpensasse que, com seu carro de 30 000 reais, pode causar prejuízos da ordemde 100 000 reais, ou mais, certamente não circularia sem seguro", diz MarceloBlay, proprietário da corretora Minuto Seguros.COMO ESCOLHER. Se o bolso está apertado, é possível comprar coberturaapenas para incêndio, roubo e colisão - e não incluir quebra de vidros, carroextra assistência 24 horas. Hoje é quase possível fazer uma comparação depreços entre as seguradoras, tamanha a variedade de coberturas e tantos osdiferenciais na formação do preço final. Por isso, recomenda-se uma boaavaliação de cada produto antes de fechar a compra. Todas as seguradoraslevam em conta o perfil do condutor, local de residência, hábitos de uso doveículo e o histórico financeiro, como segurado, como motorista e até mesmocomo cidadão responsável. Na BB Mapfre, por exemplo, se o carro passar navistoria veicular, há um desconto de 113 reais. No HSBC, o seguro Verde Autocompensa a emissão anual de dióxido de carbono do veículo do cliente, aorepassar uma parte do valor para entidades ambientais.Além de cobrirem reparos e ressarcirem o segurado em caso de roubo ouperda total, as apólices embutem serviços cada vez mais sofisticados. A PortoSeguro, a maior do setor, tem uma infinidade de mordomias, desde descontopara quem não tem pontos na carteira de habilitação até envio de especialistaem informática para ajudar em eventuais panes no computador. Asseguradoras oferecem outros serviços muito úteis, embora já tradicionais,incluídos em assistências 24 horas: carro reserva, serviço de troca de pneu,guincho e a famosa "chupeta", que religa a bateria do veículo, são os mais.básicos. Há também mimos e facilidades, como poder consertareletrodomésticos ou mesmo receber desconto em pet shops. Na SulAmérica,as mulheres têm um . benefício interessante: franquia zero. Se a seguradabater o carro; o primeiro conserto será por conta da companhia mesmo que avalor seja.menor que o da franquia indicada na apólice.CUIDADOS. Pesquise o preço do seguro antes de comprar um carro. Osmodelos mais visados pelos ladrões podem ter um custo inviável. E ficar sem oseguro de um objeto de desejo da malandragem não é uma boa decisão.Atenção aos veículos zero-quilômetro. Muitos acidentes acontecem logo que ocomprador pega o carro, por ainda estar se adaptando às novas dimensões doveículo. Por isso é fundamental verificar se, em caso de acidente, o seguro vaipagar o valor da nota fiscal ou o valor da tabela Fipe, geralmente com 20% dedepreciação logo depois que o veículo deixa a concessionária.
  9. 9. ____VIDAO seguro de vida faz parte quase obrigatória do pacote de benefíciosoferecidos a funcionários de empresas. Mas cresce muito o filão do seguroindividual, desenhado para profissional liberais e autônomos, além de clientesque querem uma apólice mais completa.COMO ESCOLHER. O primeiro passo é saber quanto o seguro de vida écrucial no orçamento familiar. Para quem tem filhos, a resposta é praticamentecerta: inevitável. Ainda mais se o patrimônio acumulado ainda não é suficientepara bancar as despesas por pelo menos dois anos. Caso não tenha umseguro-educação ou plano de previdência para custear os estudos dascrianças, é bom acrescentar um valor maior ao capital segurado.Há seguros que cobrem invalidez temporária ou definitiva - a maior procura, noentanto, é pelo seguro de morte mesmo, aquele que garante um valor para afamília se organizar sem o responsável financeiro. A Mongeral Aegon lançouneste ano um seguro de vida com capital garantido de 2 milhões de reais."Háuma grande demanda por valores mais elevados, que antes não eramoferecidos no Brasil", diz Helder Molina, presidente da seguradora.CUIDADOS. É fundamental saber se o seguro contratado cobre morte naturalou morte acidental. Geralmente, apenas a morte e a invalidez acidentais sãogarantidas. Quem morrer de uma doença como o câncer, por exemplo, nãoreceberá nada do seguro. Somente se tiver cobertura para morte natural. E,mesmo assim, se for uma doença que apareceu depois da compra da apólice.Antes de aceitar o cliente, a seguradora pede que o consumidor preencha umaproposta de adesão. Os problemas de saúde crônicos e preexistentes, comodiabetes, câncer, doenças cardíacas, precisam ser informados. Caso contrário,a companhia pode negar o pagamento da indenização.____RESIDÊNCIAEstimativas revelam que, no país, 40 milhões de lares não possuem seguroresidencial, conforme cálculos do setor. Ao mapearem os motivos que afastamo brasileiro dessa proteção, as seguradoras desenvolveram pacotes fáceis deentender e acessíveis ao bolso do público.COMO ESCOLHER. Por 300 reais ao ano é possível proteger o seuapartamento de estragos causados por incêndio, explosão e danos elétricos,além de obter coberturas acessórias, como em casos de inadimplência comaluguel, vendaval, roubo e furto, responsabilidade civil familiar e quebra devidros. Se você morar em uma casa, o preço do seguro dobrará. Geralmente ocusto vai de 0,05% do valor da cobertura principal (raio, incêndio e explosão) a0,5% nas apólices mais completas. Se incêndio, explosão e impacto de
  10. 10. veículos são riscos pouco prováveis, o mesmo não acontece com danoselétricos e roubo. O Brasil está entre os campeões em incidência de raios.A concorrência tem feito a disputa ir muito além dos serviços de chaveiro, trocade vidros, encanador, conserto de eletrodomésticos e limpeza de caixa-dágua.Tudo isso já se tomou praticamente uma obrigação. Portanto, a inovação é ocaminho. Em outubro, os clientes do seguro residencial Itaú passaram a ter àdisposição uma série de serviços ambientais, com destaque para descarte deeletroeletrônicos, eletrodomésticos e móveis sem uso ou quebrados, incluindoa coleta residencial dos materiais, que serão destinados a descarteambientalmente correto. Na SulAmérica, o cliente pode solicitar o Check-UpSul Kids - por meio dele, um profissional é enviado para verificar instalações,móveis e objetos que representem perigo para as crianças da casa, incluindo acolocação de protetores de tomada.CUIDADOS. Uma dica da Harmonia Corretora de Seguros é atentar para o tipode assistência que está sendo oferecido."Se você mora em apartamento, não énecessário contratar assistência que ofereça limpeza de caixa-dágua ousubstituição de telhas."A corretora AD faz um lembrete importante: "Se você forse ausentar por um período superior a trinta dias, deverá comunicar esse fatoformalmente à seguradora, para não perder o direito à indenização". Asresidências em condomínios fechados têm desconto no seguro.____Proteções (muito) modernasRISCOS FINANCEIROSQuando o assunto é risco financeiro, o ideal é consultar especialistas, paraevitar prejuízos. Entre os seguros mais comuns há o seguro garantia, o de riscode crédito e o de risco político.COMO ESCOLHER. O seguro garantia é exigido pelas entidadesfinanciadoras, públicas ou privadas, para certificar-se que o contrato sejahonrado nas condições e prazos acertados. Nesse contrato, o contratantereceberá a indenização caso o tomador do crédito, responsável por pagar oseguro e apresentar garantias, não cumprir o que prometeu. Tais garantiasserão executadas pela seguradora para se ressarcir das perdas financeirascausadas pelo descumprimento do contrato. O seguro de crédito se divide emdoméstico e para exportação.Trata-se de uma ferramenta de gestão etransferência do risco de inadimplência das empresas para as seguradoras. Noseguro de crédito doméstico, a cobertura visa a proteger o faturamento dasempresas, mesmo que seus fornecedores entrem em falência. Já no de créditoà exportação, a apólice garante os casos de inadimplência. Com a crisefinanceira mundial, ambos têm apresentado forte demanda.O seguro de risco político, atualmente ofertado no Brasil apenas pelaseguradora Zurich, cobre investimentos de companhias multinacionaisbrasileiras em outros países. O mercado de seguro de risco político no mundo
  11. 11. movimenta cerca de 1 bilhão de dólares em prêmios. No Brasil, a ofertacomeçou neste ano, e por isso o setor carece de estatísticas. As principaiscoberturas do seguro são para expropriação, como aquelas que Hugo Chávezfez na Venezuela recentemente, apropriando-se do patrimônio de empresasprivadas. Ele também cobre prejuízos devido a declaração de calote, como aGrécia ameaçou fazer neste ano.RESIDÊNCIACUIDADOS. A impossibilidade de conversão de moedas é umrisco. Se isso acontecer, o prejuízo correrá por conta da seguradora até o limiteda indenização estipulada no contrato. Nos diferenciais da Zurich, os corretorescitam a vigência do contrato por até quinze anos, com limite de cobertura deaté 150 milhões de dólares e indenização de até 100% do investimento.RESPONSABILIDADE CIVILO seguro de responsabilidade civil existe para proteger o patrimônio daspessoas e empresas. Caso você se envolva em um acidente e seja condenadona Justiça a indenizar alguém pelos prejuízos que causou, a seguradora será aresponsável por pagar a quantia determinada no processo até o valor máximocontratado por você na apólice. No Brasil, pagar pelos danos causados aterceiros é uma realidade que começa a ganhar força. Nos Estados Unidos,essa é uma das maiores carteiras das seguradoras em razão da agilidade daJustiça em julgar processos por perdas e danos.COMO ESCOLHER. A Allianz oferece o Tranquilidade Familiar, um misto deseguro de responsabilidade civil e seguro de roubo. A apólice cobre danoscausados pelo segurado, cônjuge, filhos menores quando na companhia dospais, animais domésticos, bem como queda ou lançamento de objetos doimóvel o segurado que machuquem alguém. Se o amigo do filho cair na festado bufê infantil, por exemplo o seguro indenizará os prejuízos causados ao paida vítima. Se o cachorro da família morder o vizinho, também. O segurado temainda cobertura durante a prática de esportes como golfe, tênis, surfe, pesca eciclismo. Caso ele circule de bicicleta e atropele um pedestre, por exemplo oseguro indenizará os danos a terceiros. Se a bola de golfe acertar a testa dealguém, idem.No mundo corporativo, a responsabilidade civil é mais disputada. Os segurosmais difundidos são conhecidos como Directors & Officers (D&O) e Errors &Omissions (E&O). "Segundo nossa legislação, o gestor está sujeito aresponder com seu patrimônio pessoal pelas reclamações que podem vir aocorrer contra a empresa e sua administração", diz Maura Leite, executivo daMarsh & McLennan do Brasil. Para mitigar o risco da gestão dos executivos, oD&O cobre desde práticas trabalhistas indevidas, como processos por assédioe constrangimento, discriminação racial, demissão injusta, até a tomada deuma decisão errada que tenha provocado prejuízo financeiro. Obviamente,casos dolosos e fraudes não são cobertos pelo seguro. Já o seguro de erros eomissões é indicado para quem presta serviço de conteúdo intelectual, comoconsultor, profissional liberal ou fornecedor de serviços especializados. Oobjetivo da apólice é indenizar valores provenientes de reclamações deterceiros prejudicados por erros e omissões do segurado.
  12. 12. CUIDADOS. Somente as empresas podem comprar o D&O para seusexecutivos, explica Leandro Martinez, diretor de linhas financeiras da ACE.Chegar ao valor ideal de cobertura requer auxílio de um corretor especializado,que ajudará a avaliar a abrangência da cobertura, as franquias e os principaisriscos. Com a sofisticação do mercado de capitais, as seguradorasimportaram também o Investment Management Insurance (IMI), que indenizaterceiros prejudicados por atos de gestão de administradores e gestores defundos de investimentos, e o Banker Blanket Bond (BBB), que indeniza aprópria instituição financeira tomadora do seguro em razão de perdasrelacionadas a fraudes cometidas por empregados. É claro que, diantede,tamanha crise financeira mundial, o custo desses seguros está salgado.Rio, 24/11/2011 – Clipping do dia24 de novembro de 2011Mongeral Aegon | Institucional | CQCS - Centro de Qualificação do Corretor deSeguros | BRMongeral remodela produtoA Mongeral Aegon remodelou a sua linha de seguros para a cobertura dediária por incapacidade temporária (DIT) e espera aumentar as vendas em20%. Hoje, dos 600 mil clientes da companhia, cerca de 15% já possuem essetipo de garantia. O propósito é tornar-se mais competitiva entre as pessoas dealta renda. As coberturas foram ampliadas com a inclusão de doençasconhecidas como do trabalho , como Lesão por Esforço Repetitivo (LER),Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho (DORT) e hérnias. Oproduto oferece renda mensal coberta de até R$ 20 mil.24 de novembro de 2011Seguros de Vida | Concorrentes | Revista Fator Brasil | BRPrudential do Brasil promove encontros entre os funcionários e oPresidente da CompanhiaO programa Café com o Presidente visa à integração de toda a equipe .Rio de Janeiro, RJ Uma equipe em sintonia, alinhada por uma eficiente rede decomunicação, é fundamental para o sucesso de qualquer empresa. Com oobjetivo de estimular a integração de seus funcionários e o desenvolvimentoprofissional, a seguradora Prudential do Brasil desenvolveu o Café com oPresidente , programa de encontros mensais entre funcionários de diferentesáreas da Companhia e o Presidente & CEO, Fabio Lins.A cada encontro, dez profissionais se reúnem com o Presidente para debaternão apenas assuntos internos e de ordem prática, mas também sobre o
  13. 13. mercado de seguros de uma forma geral. Os participantes expõem suasdúvidas e são estimulados a fazer sugestões e críticas. A troca de experiênciase o contato direto e menos formal com o executivo são capazes de promoverum ambiente de trabalho ainda mais agradável e produtivo.O programa acontece desde 2007 e propõe maior aproximação com aslideranças. Os profissionais percebem que, apesar da hierarquia, a opiniãodeles é muito importante para o bom andamento da Companhia. Osprofissionais se sentem valorizados ao serem ouvidos pelo Presidente que, porsua vez, percebe os problemas sob um ângulo diferente , explica Paulo Leão,Vice-Presidente de RH e Administração de Franquia & Compensation.Rafael Castro, Analista da área de Planejamento & Investimento, já participouduas vezes do programa e considera a experiência uma importante ferramentapara o desenvolvimento profissional. Participei do programa pela primeira vezem 2008, ainda como estagiário, logo que entrei na seguradora. Fazer partedisso foi de extrema importância para o meu desenvolvimento profissional. Tiveo privilégio de ouvir a história de um profissional de grande sucesso. Asimplicidade com que sua trajetória foi exposta serviu de estímulo e me fezacreditar que, com persistência e empenho, todos nós podemos alcançar umaalta posição na hierarquia da Companhia , diz Castro.O Analista de Administração de Marketing, Rafael Sá, diz que se sentiu maisvalorizado e motivado ao participar do programa: Eu já tenho bastante contatocom o Presidente devido à minha função de apoio estratégico. Aproveitei esteencontro para tirar algumas dúvidas relacionadas ao plano de carreira. Asquestões e sugestões levantadas no encontro foram bem recebidas eesclarecidas pelo Presidente , contou.Já Juliana Scherz, Analista Jurídico, ficou feliz com o contato direto com oPresidente da Companhia: Nunca tive um contato tão direto com executivos naoutra empresa em que trabalhei. Quando participei do café, no ano passado,aprendi que não teremos sucesso sem esforço, e que precisamos manter avida profissional em equilíbrio com a vida pessoal. Além disso, aprendi queriscos e desafios estão aí para serem assumidos. A oportunidade pode vir aqualquer momento e se você não estiver pronto para ela, outro estará ,completou.A Prudential do Brasil Seguros de Vida S.A. é uma subsidiária da PrudentialFinancial Inc., uma das maiores companhias de serviços financeiros do mundo,a qual tem operado por mais de 130 anos de existência. A Companhia tem feitonegócios no Brasil desde 1998 e estabeleceu 15 agências e três escritórioscomerciais localizados nos estados de Rio de Janeiro, São Paulo, MinasGerais, Rio Grande do Sul e Paraná.[www.prudentialdobrasil.com.br].A Controladora da Prudential do Brasil -A Prudential Financial, Inc. (NYSE:PRU), líder em serviços financeiros com aproximadamente US$ 883 bilhões deativos sob sua gestão em 30 de junho de 2011, possui operações nos EstadosUnidos, Ásia, Europa e América Latina. A Prudential Financial, através dotalento e da diversidade de seus funcionários, está comprometida em ajudar
  14. 14. clientes individuais e institucionais a crescer e proteger seu patrimônio atravésde uma variedade de produtos e serviços, incluindo seguro de vida, annuities,serviços relacionados à aposentadoria, fundos mútuos, investmentmanagement e serviços no ramo imobiliário. Nos Estados Unidos, o Rochedo,símbolo ícone da Prudential, tem significado força, estabilidade, experiência einovação há mais de um século. [www.newsprudential.com].24 de novembro de 2011Mongeral Aegon | Institucional | Revista Seguro Total - Últimas Notícias | BRMongeral Aegon luta pelo consumo conscienteA seguradora Mongeral Aegon promove a campanha Criança Feliz, inseridadentro do programa de Responsabilidade Social da companhia. A açãopretende impactar 1.200 crianças em seis capitais do Brasil Rio de Janeiro,Brasília, Recife, Belo Horizonte, São Paulo e Porto Alegre, com a apresentaçãoda peça Planeta Água em Cena .Em São Paulo, o espetáculo será para alunos do Centro Educacional DomOrione, na Bela Vista. A encenação mostra, de forma lúdica, a importância deevitar o desperdício de água.A campanha quer mobilizar crianças de 5 a 12 anos para o consumoconsciente. A mudança nos hábitos de consumo é uma necessidade urgente.Já executamos o programa Novos Hábitos para os colaboradores e resolvemosestender o tema também para as nossas ações sociais , explica MárciaLagrotta, superintendente de Recursos Humanos da Mongeral Aegon.Rio, 23/11/2011 – Clipping do dia23 de novembro de 2011Temas de Interesse | Segs - Portal Nacional dos Corretores de Seguros |Notícias | BRLIBERTY divulga campanha de vendas no XVII Congresso Brasileirodos Corretores de SegurosPaulo FlorêncioMarcos Machini, Vice-Presidente Comercial da Liberty Seguros ALiberty Seguros, seguradora oficial da Copa do Mundo da FIFA 2014™,está presente no XVII Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros queacontece a partir de hoje em Brasília. A seguradora apresentará no
  15. 15. congresso a sua campanha de incentivo às vendas. Intitulada ArtilheirosLiberty, a ação que vai até 30 de junho de 2012, é direcionada a todos oscorretores registrados na SUSEP que possuírem pelo menos uma apóliceativa e vigente dos produtos do Liberty e Indiana válidos durante acampanha. A ação tem como objetivo reconhecer os corretores que tiveremo melhor desempenho de vendas, estimulando o crescimento dos negóciose a expansão das carteiras. Pela dinâmica da campanha, os corretoresserão divididos em chaves, conforme produção e potencial, e concorrerãoentre si dentro das Confederações - representadas pelas regionais.Cada produto Liberty vendido valerá determinado número de pontos. Oscorretores com maior número de pontos dentro de cada grupo levarão osprêmios, que incluem vouchers de viagem no valor de R$ 2.000,00 eviagens com acompanhante para a Europa e América do Sul, incluindopasseios. Um desses passeios será assistir um jogo das eliminatórias daCopa 2014. Os corretores interessados em participar da campanhaArtilheiros Liberty devem acessar o site Liberty Web, Extranet Indiana ouentrar em contato com o gerente regional Liberty Seguros. Ações especiaisna ExpoSeg No estande de 64m² preparado para a ExpoSeg, feira denegócios que acontece paralela ao congresso, a Liberty Seguros preparouum estande com o tema Copa do Mundo. Como seguradora oficial da Copado Mundo da FIFA 2014™, foi preparado um espaço com atrações ligadasao futebol, a paixão dos brasileiros. Haverá um jogo interativo por meio doqual os corretores poderão testar suas habilidades futebolísticas e concorrera prêmios."Os visitantes do estande também irão aproveitar a oportunidade paracompartilhar experiências e análises sobre o setor de seguros com o time deprofissionais da Liberty que estará presente no evento", diz Marcos Machini,vice presidente comercial da Liberty Seguros. Sobre a Liberty Seguros Nomercado brasileiro desde 1996, quando adquiriu a tradicional CompanhiaPaulista de Seguros, a seguradora figura entre os dez maiores gruposseguradores, com prêmios de R$ 1,9 bilhão e uma carteira com mais de 1milhão de segurados. Tem 1,5 mil funcionários, em 75 Filiais em todo Brasil.Com mais de 12 mil corretores em todo o território nacional, é pioneira eespecialista em seguros personalizados para funcionários de empresas, oseguro de afinidade (affinity). Também atua com uma linha de segurosdiversificada, com produtos para automóveis, residências, comércio eserviços, transporte, educação e vida.Em maio de 2010, a companhia assinou contrato com a FIFA tornando-se aSeguradora Oficial da Copa do Mundo da FIFA 2014™.23 de novembro de 2011Seguros de Vida | Revista Seguro Total - Últimas Notícias | BR
  16. 16. Zurich Seguros investe em campanha publicitária nacionalEstreou neste domingo (20/11), no intervalo do Fantástico, a campanhapublicitária nacional da Zurich Seguros, multinacional suíça e um dos maioresgrupos seguradores do mundo. Voltada diretamente ao consumidor final,especialmente pessoas físicas, a campanha contará com anúncios nasprincipais redes de TV aberta, rádio, revista e Internet. A Zurich Seguros veminvestindo maciçamente no Brasil nos últimos dois anos. Neste período,realizou a aquisição da Companhia de Seguros Minas Brasil e da Minas BrasilVida & Previdência, a joint venture com o Banco Santander, a contratação deexecutivos-chave do mercado, o investimento de R$ 100 milhões na aberturade uma resseguradora local e o lançamento de produtos inovadores como oAuto+Desemprego e o Seguro de Vida Melhor Idade.A campanha de marketing vem coroar estas iniciativas e abrir caminho paranovos movimentos. A Zurich Seguros já dispõe de uma estrutura sólida noBrasil e está pronta para ser uma excelente alternativa tanto para clientes comopara seus parceiros de negócio. Nesta etapa da campanha, nosso objetivoprincipal é aumentar sensivelmente o conhecimento da marca Zurich no Brasil,fortalecendo, assim, nossas outras ações , afirma Marcus Vinícius, CEO deAuto e Seguros Gerais da Zurich Seguros. O Grupo Zurich tem uma propostade valor muito forte: estar junto ao cliente no momento em que ele maisnecessita. Com esta campanha, queremos também difundir nossos valorescorporativos, posicionando a marca Zurich no Brasil de maneira mais próxima esemelhante ao que desenvolvemos em outros países, nos quais a marca figuraentre as 100 mais valiosas do mundo, segundo a Interbrand , completa RichardVinhosa, CEO de Vida & Previdência da Zurich Seguros.Para o desenvolvimento da campanha, realizada pela agência 141 SohoSquare, a Zurich promoveu uma pesquisa de mercado, com a realização detrês focus groups. Identificamos que havia uma abertura no mercado deseguros para as empresas trabalharem com humor junto ao público. Destaforma, desenvolvemos peças bem- humoradas na qual buscamos uma maiorlembrança da marca e uma abordagem mais humana, destacando osdiferenciais da companhia frente à concorrência , disse Ivan Ferrando, ChiefMarketing Officer da Zurich na América Latina. O Chief Marketing Officer daZurich no Brasil, Armando Castro, explica que a campanha surpreende ao fazero caminho inverso do tradicional. Os anúncios irão mostrar várias situaçõesinusitadas, às quais qualquer pessoa está sujeita e para as quais ainda nãoexiste a proteção de um seguro. Ainda não inventamos seguro contra tudo,mas você pode contar com a Zurich Seguros sempre que precisar, para cuidardos seus bens, da sua vida e do seu futuro . Com este slogan, a seguradoraquer se posicionar como uma nova e provocativa alternativa no mercado deseguros nacional e, ao mesmo tempo, mostrar que está ao lado de seusegurado nos momentos em que ele mais necessita.Desde o planejamento à execução de nossa estratégia, o fio condutor que vemnos norteando é sempre entender e atender as necessidades dos nossosclientes. Nossa estrutura e organização reflete este nosso valor. Com essaação, coroamos os resultados expressivos que nossa equipe talentosa e
  17. 17. capacitada tem conseguido ao longo do ano, utilizando sempre esse mesmo fiocondutor, o cliente , reforça Richard Vinhosa.A primeira etapa da campanha (flight) terá duração de três semanas. Em 2012,a Zurich planeja também novas investidas na área de comunicação, incluindoações mais voltadas a produtos e patrocínios. O maior conhecimento da marcaZurich irá potencializar nossas relações comerciais. Este ano abrimos diversasnovas unidades de atendimento ao corretor e atualmente cobrimos mais de70% do território nacional. Em breve, cobriremos todo o país. O lançamento deprodutos inovadores e os investimentos em plataformas tecnológicas, somadosà campanha publicitária, irão propiciar também suporte aos nossos principaisparceiros, os corretores. Isso nos ajudará no plano de expansão acelerada esustentável, levando a Zurich nos próximos três anos a figurar entre as maioresseguradoras do Brasil , completa Marcus Vinícius.As peças da campanha podem ser conferidas no sitewww.zurichseguros.com.br.23 de novembro de 2011Previdência Privada | Revista Fator Brasil | BRParaenses vivem mais e investem em seguros de vida e planos deprevidência para garantir futuroEm Belém, interesse por planos de previdência e seguros de vida cresceu37% no ano, reflexo das transformações sociais no país.A Bradesco Vida e Previdência empresa líder de mercado em seu segmentoconstatou, de janeiro a outubro de 2011, um crescimento total de 37% nacomercialização de seguros de vida e planos de previdência privada emBelém, comparado ao mesmo período de 2010.Segundo Eugênio Velasques, diretor executivo da empresa, apenas emprevidência, o aumento da receita foi de 37,6%, com total acumulado de R$127 milhões, também de janeiro a outubro de 2011. Já no segmento vida, ocrescimento foi de 23,6%, com prêmios no valor de R$ 5,2 milhões.Os primeiros resultados do questionário mais completo do Censo 2010,divulgados na quinta-feira passada, 17/11, pelo Instituto Brasileiro de Geografiae Estatística (IBGE), confirmam que está caindo significativamente a taxa defecundidade da mulher brasileira. Entre 2000 e 2010, esse dado foi reduzido de2,38 filhos por mulher para 1,86."A população brasileira está envelhecendo rapidamente, o que muda o cenáriopara as próximas décadas. E, sem dúvida, cresce a preocupação com umfuturo de qualidade", explica Velasques, que veio a Belém para participar,
  18. 18. nesta terça-feira, de Encontro Empresarial sobre Longevidade e Planejamentodo Futuro."Belém tem vivido nos últimos anos grande desenvolvimento, com grandesinvestimentos de diversas indústrias, que apostam na previdênciacomplementar como um benefício capaz de reter, em seus quadros,funcionários talentosos", completa Velasques.Rio, 22/11/2011 – Clipping do dia22 de novembro de 2011Seguros de Vida | Brasil Econômico | Especial -Previdência Privada | BRPreocupação com o futuro reflete nas vendas deplanos para jovensINCLUSÃO Nascimento: famíliasSegmento de previdência para juniores ainda aderem aos planos cadaengatinha no mercado brasileiro, mas Brasilprev, vez mais cedoBradesco, Itaú Unibanco e HSBC sabem que o potencial é imenso e lançamprodutos novosTEXTOS CAMILA MORGADOSeja para garantir a educação no futuro, proporcionar uma vida melhor, acompra do primeiro carro ou apartamento, ou para investir no primeiro negócio,pais, avós e tios recorrem cada vez mais aos planos de previdência parapresentear os jovens. Afinal, esta é uma maneira de poupar a longo prazo e,ainda, obter abatimento no imposto de renda (seja por meio de um planoPGBL, que permite dedução das contribuições mensais quando o contribuinteutiliza o modelo completo de declaração do Imposto de Renda, seja via VGBL,que isenta de IR os ganhos do investimento). Muitos planos também oferecembenefícios complementares.O produto ainda engatinha no Brasil - das quatro instituições ouvidas, apioneira Brasilprev é a que tem os números mais expressivos.Mas as perspectivas são animadoras.Por várias razões: a ascensão de brasileiros à classe média tem aumentado aquantidade de consumidores potenciais, cada vez mais preocupados com ofuturo dos filhos (principalmente com educação); as próprias instituições têminvestido em estratégias nesse sentido, desde marketing até adequação doscanais de distribuição ao público emergente; e o tema "educação financeira"
  19. 19. vem ganhando espaço na mídia, e consequentemente, a atenção dapopulação.Nesta época do ano, particularmente - entre o Dia das Crianças e o Natal - aprocura cresce em média 10% a 20%, segundo os entrevistados.Outra razão, detectada pelo diretor executivo do Itaú-Unibanco, Osvaldo doNascimento, é que pais e avós da nova classe média muitas vezes preferemcomprar planos para os jovens membros da família do que para eles mesmos."Já os clientes das classes A e B investem primeiro para si, depois para osfilhos", diz. O executivo revela, ainda, que as famílias estão fazendo planospara seus dependentes cada vez mais cedo: "Na nossa carteira, a média é 7 a11 anos, mas nos planos vendidos recentemente a faixa caiu para 3 a 6 anos."Lucio Flavio de Oliveira, diretor da Bradesco Vida e Previdência, confirma atendência de crescimento, mas lembra, no entanto, que nem todo plano feitoem beneficio de jovens - filhos, netos, sobrinhos ou afilhados- entra na carteirado grupo com essa classificação. "Por motivos pessoais, muitos colocam omenor como beneficiário, mas fazem o plano em seu próprio nome." Oexecutivo do Bradesco também nota uma maior procura por planos para jovenspor parte da nova classe média, mas segundo ele, a prioridade ainda é, pelaordem, seguro saúde e seguro de vida-a previdência vem a seguir. No casodo Bradesco, diz, há uma preocupação em dar consultoria aos clientes,entender suas necessidades e oferecer a melhor alternativa. Ele admite que omercado, de forma geral, ainda precisa trabalhar para melhorar a qualificaçãoda oferta do produto.Os planos para jovens são semelhantes aos tradicionais, mas muitos agregambenefícios específicos. O plano Prev Educar, do Santander, oferece, porexemplo, remoção da escola em caso de a criança sofrer um acidente; epagamento de aulas particulares se houver afastamento da escola por motivode doença.Além disso, a taxa de carregamento do plano pode cair de 3% para zero, deacordo com o prazo de permanência e patrimônio acumulado- o mesmo valepara as taxas de administração cobradas pelos fundos de investimento onde odinheiro do plano é aplicado.Richard Seegerer, gerente executivo de produtos de previdência privada(para pessoas físicas e empresas) do Santander, informa que o Prev Educar,nas opções PGBL e VGBL, oferece tíquetes de entrada baixos, a partir de R$50 por mês. "Os planos são muito flexíveis, a criança pode tanto fazer oresgate para pagar estudos quanto comprar seu primeiro carro ou montar seuprimeiro consultório dentário, por exemplo. Mas também pode levá-lo para suaprópria aposentadoria", diz o executivo.---------------------"No conjunto da carteira, a média está entre 7 e 11 anos, mas nos planosvendidos recentemente a média já caiu para 3 a 6 anos"
  20. 20. Osvaldo Nascimento, Diretor executivo do Itaú Unibanco--------------------"Por motivos pessoais, muitos colocam o menor como beneficiário mas abremos planos em seus próprios nomes"Lucio Flavio de Oliveira, Diretor da Bradesco Vida e Previdência---------------------18 de novembro de 2011Seguros de Vida | CVG Notícias - Clube Vida em Grupo | SPEconomia e classe média impulsionam crescimento dos seguros depessoasSomos 7 bilhões de pessoas. Como será este mundo apertado? , questionouCláudio Leão, superintendente regional da Bradesco Vida e Previdência,durante III Workshop Seg News Seguro de Pessoas - O Seguro de Vida e aPrevidência Privada em Crescimento no Brasil , realizado em 10 denovembro, no Blue Tree Towers Paulista, em São Paulo (SP). Mas, emseguida, ele apontou que este não é o único desafio.No Brasil, a fecundidade está em queda, mas em compensação a longevidadeestá aumentando. A pirâmide etária está com sua base cada vez menor e otopo cada vez maior. Isso significa que no futuro haverá menos jovens e maisidosos. Para além das mudanças demográficas, há também as mudançassociais. A estabilização econômica e o aumento de renda foram responsáveispela migração de mais de 29,5 milhões de indivíduos para a classe C, nosúltimos seis anos.Essa evolução de classes sociais, de acordo com estudo do Instituto dePesquisa Econômica Aplicada (Ipea), tornará o país menos pobre nos próximos20 anos. As classes sociais de maior poder aquisitivo também vão elevar oconsumo na próxima década. A população com mais dinheiro no bolso podeser um indicativo de maior nível de poupança e abertura de oportunidades paraprodutos como previdência privada , disse.Mas o segmento de seguro de pessoas deve ficar atento a outrastransformações em curso. A queda dos regimes ditatoriais no mundo árabeestá redesenhando o cenário político mundial. Os líderes de amanhã, hojepertencentes às gerações X, Y e Z, que nasceram sob égide da internet,dominam as novas tecnologias, são mais imediatistas e implantaram novasformas de relações sociais e corporativas. Para Cláudio Leão, entender asmudanças e as novas gerações como parte delas é fundamental paraidentificar quais produtos de seguros podem proteger os colaboradores detodas as empresas contra riscos.
  21. 21. Nesse aspecto, as empresas e os próprios colaboradores já seconscientizaram dos benefícios que os produtos de vida e previdência podemoferecer. Tanto que, as empresas que oferecem esses produtos conseguemnão apenas motivar seus colaboradores, como retê-los. Segundo levantamentoda Hay Group, a previdência privada deixou de ser restrita aos altos escalõesda empresas, para atingir outros níveis hierárquicos. Em 1996, 55% dospresidentes de empresas possuíam previdência privada. Em 2005, já eram76%. Na alta gerência, passou de 55% para 82%, nesse mesmo período.Concorrência na corretagemCom base nas mudanças demográficas e sociais e nas novas tecnologiasdisponíveis para comunicação, Márcio Magnaboschi, diretor ExecutivoComercial da Metlife, se propôs a analisar a importância do corretor de segurosna venda consultiva dos planos de seguro de vida. Ele iniciou a tarefa peladefinição da cadeia de valor do corretor na concorrência, identificando como osnovos entrantes no segmento as corretoras internacionais, as consultorias, osbancos, os cartões de afinidade e de crédito, as lojas de departamentos eoutros. A entrada no mercado de corretagem é possível, porém, difícil, devido aalta diversificação dos novos entrantes e concorrentes , disse.Magnaboschi identificou entre os fornecedores diversos segmentos, comoseguradoras, resseguradoras, empresas de assistência, operadoras de saúdee de planos odontológicos, empresas de serviços, crédito consignado, folha depagamento e outros. Mas a concorrência nessa área é acirrada. Além dogrande número de profissionais atualmente, mais de 60 mil corretores atuamno país -, o canal bancário ainda é muito forte, as afinidades estão crescendomuito e o consumidor não é fiel à marca. Para piorar, o mercado ainda é muitofocado em preços e custos, as novas tecnologias deverão crescer muito e osprodutos e serviços de seguros são muito semelhantes. Isso sem contar abaixa penetração de seguros.Por outro lado, Magnaboschi ressalta que há um universo de novosconsumidores a ser explorado. Entre as pessoas físicas estão os novosconsumidores que migraram para a classe C e os das classes A e B, quetiveram o poder de consumo aumentado. Há, ainda, o microsseguro quedeverá representar uma grande oportunidade de vendas. Embora seja baixa apenetração nas pequenas empresas, entre as médias o seguro estáconquistando mercado. As associações, sindicatos e entidades de classetambém oferecem oportunidades de vendas.O diretor da Metlife identificou um grupo que nomeou de substitutos , compostopor investimentos, poupança, imóveis, autogestão de risco e serviços em geral.O ambiente apresenta desafios, como novos entrantes e concorrência muitoacirrada. Daí porque os substitutos estão se tornando cada vez mais relevantesno processo de venda. Isso deve ser encarado com seriedade. Mas, mesmoassim, ainda há muito espaço para o trabalho qualificado , analisou.Concluindo sua análise, Magnaboschi traçou um panorama positivo para oscorretores. Sob o ponto de vista de potencial de mercado, estamos vivendo um
  22. 22. momento único , disse. Ele acredita que, embora o seguro ainda possua poucapenetração na sociedade, na medida em que as novas classes passarem aconsumir mais bens, mais se darão conta de que devem protegê-los.O corretor especialistaPara Renato Gonçalves, diretor presidente da multinacional francesa Prévoir-Movida Consultoria e Corretagem de Seguros, o Brasil tem um grande mercadode seguros de vida e previdência a ser conquistado. As oportunidades paraesse segmento foram criadas pela economia aquecida, pelo crescimento deobras de infraestrutura, pelos eventos esportivos mundiais que o país sediaráe, principalmente, pela evolução das classes populares. A baixa renda dopassado virou a classe C de ontem, que virou a nova classe média , observou.Em 2010, de acordo com o Instituto Ipsos, a classe média era composta pormais de 100 milhões de pessoas. Segundo Renato Gonçalves, essa faixa dapopulação possui renda entre R$ 1,1 mil e R$ 4,5 mil. Mas, quem é essa novaclasse média? O estudo do Kantar Worldpanel, realizado em 2010, identificouque 48% das famílias possuem crianças pequenas; 31% têm filho único; 27%das donas de casa estão na faixa dos 30 aos 39 anos; 12% das famílias vivemcom a renda da aposentadoria.Em reportagem do jornal DCI, veiculada em setembro de 2011, foi apontadoque a classe C atrai bancos, seguros e chocolates, ou seja, está consumindonovos serviços, produtos e alimentos. Para Renato Gonçalves, essa populaçãode emergentes começará a se preocupar com a proteção dos riscos de vida,doença grave, invalidez, morte e aposentadoria.É neste momento que entra em campo o corretor especialista em seguro devida e previdência, cuja formação, além de continuada, deverá ser focada emcomportamento, ciência e cultura do seguro e técnicas de venda. O corretorprecisará analisar o mercado e definir seu público-alvo; conhecer asnecessidades e perfil de consumo; e relacionar-se para formar uma carteira declientes , disse.A prospecção de clientes, segundo Renato Gonçalves, deve ser realizada pormeio de visitas pessoais, previamente agendadas. A seu ver, trata-se de umaquebra de paradigmas, em que o corretor precisa ter espírito empreendedor,investir em sua especialização e ter a iniciativa para desenvolver novosprodutos e canais de venda. Parte dessa tarefa ele divide com as seguradoras,que deverão investir em novos produtos, melhorar a qualidade na gestão doscontratos individuais e dar maior apoio aos corretores especializados emseguros de pessoas.Oportunidades para os corretoresO presidente do CVG-SP, Osmar Bertacini, acredita que os corretores deseguros que passarem a comercializar seguros de pessoas aumentarãobastante seus rendimentos. O seguro de pessoas deve crescer muito daqui pordiante, e se corretor não estiver atento perderá a oportunidade , disse.
  23. 23. Além das novas gerações X, Y e Z, Bertacini aponta as condições que tornamo ambiente propicio para o crescimento do seguro de pessoas, como aeconomia aquecida, os seguros obrigatórios por convenções coletivas detrabalho, a cobertura em tempo integral e em todo o globo terrestre, a nãotributação e a proteção que os produtos desse ramo oferecem para os riscosde invalidez e morte.O dirigente elenca, ainda, outras vantagens dos seguros pessoais para oscorretores, como o sinistro certo em data aleatória, a rapidez na indenizaçãocom a aplicação de correção monetária, a ausência de vinculo com inventárioou dívidas do segurado, a falta de restrição para número de apólices e valorescontratados. Outra vantagem é a comissão vitalícia , acrescentou.O corretor não precisa deixar de vender seguro de automóvel, mas deveoferecer também aos seus clientes os seguros pessoais, que são o grandemercado do momento e do futuro. Se ele não perceber isso, perderá o bonde ,disse.Fotos: Antranik PhotosFonte: CVG-SPAutor: Márcia AlvesRio, 17/11/2011 – Clipping do dia17 de novembro de 2011Mongeral Aegon | Institucional | Revista Cobertura Mercado de Seguros | BRMongeral Aegon na luta pelo consumo consciente- REVISTA COBERTURAMongeral Aegon na luta pelo consumo conscienteA seguradora Mongeral Aegon promove a campanha Criança Feliz, inseridadentro do programa de Responsabilidade Social da companhia. A açãopretende impactar 1.200 crianças em seis capitais do Brasil - Rio de Janeiro,Brasília, Recife, Belo Horizonte, São Paulo e Porto Alegre, com a apresentaçãoda peça Planeta Água em Cena .O espetáculo será para alunos da Escola Municipal Ignácio de Andrade Melo,no bairro São José, no próximo dia 19 de novembro (sábado), às 14h. Aencenação mostra, de forma lúdica, a importância do ser humano evitar odesperdício de água.
  24. 24. A campanha quer mobilizar crianças de 5 a 12 anos para o consumoconsciente. A mudança nos hábitos de consumo é uma necessidade urgente.Já executamos o programa Novos Hábitos para os colaboradores e resolvemosestender o tema também para as nossas ações sociais , explica MárciaLagrotta, superintendente de Recursos Humanos da MONGERAL AEGON.A MONGERAL AEGON está entre as dez maiores seguradoras independentesdo país, sem vínculos com instituições financeiras. Sua carteira de clientes écomposta por 600 mil vidas seguradas, atendidas por 55 unidades deprodução, incluindo três endereços em Minas Gerais. Em 2010, pagou R$ 100milhões em benefícios. Registrou um crescimento de 15% das receitasoperacionais e de 22% das reservas técnicas, líquidas de resseguro. Opatrimônio líquido cresceu 20%, encerrando o ano em R$ 84,5 milhões. (CDNComunicação/Mongeral Aegon)Rio, 16/11/2011 – Clipping do dia16 de novembro de 2011Mongeral Aegon | Institucional | Segs - Portal Nacional dos Corretores deSeguros | Notícias | BRDelegacia da Região Sul prepara sua festa de final de anoPaulo BurdEstá tudo pronto para um dos mais importantes eventos sociais do mercadosegurador gaúcho, a oitava edição da festa de fim de ano da DelegaciaRegional do Sincor-RS na Zona Sul, dia 18 de novembro (amanhã, sexta-feira),a partir das 21 horas, na Churrascaria Lobão, em Pelotas. O delegado regionalLuis Bernardes afirma: - Vamos confirmar a nossa tradição de bem recebernossos convidados. A festa de 2011 vai superar em qualidade a do anopassado. Será o momento de, após um ano inteiro de trabalho,confraternizarmos e desejarmos uns aos outros os votos de um 2012 cheio desaúde e grandes realizações. Os convites estão praticamente esgotados equem não se apressar vai ficar fora desta comemoração que une corretores,seguradores, prestadores de serviços, autoridades do mercado segurador daRegião Sul do Estado. A festa conta com os seguintes patrocínios: Allianz,Bradesco, Capemisa, Confiança, GBOEX, HDI, ICATU, Liberty, MAPFRE,Marítima, Mongeral, Porto Seguro, Sul América e Zurich e das empresasFirenze Informática, Mecânica de Vidros e Oficina Caprice e apoio da JRSComunicação. Reservas e informações nos telefones 53-8402.9157 com LuisBernardes, delegado do Sincor-RS, ou 53-8125.0584, com Emilio, subdelegadodo Sincor-RS.16 de novembro de 2011Seguros de Vida | Viver Seguro - Notícias | BR
  25. 25. Seguros: executivos brasileiros assumem mais postos de comando noexteriorO crescimento da indústria de seguros brasileira também contribui para colocaros profissionais de mercado em evidência em todo o mundo. O executivobrasileiro Fernando Moreira, por exemplo, foi contratado para desenvolver omercado de seguros de vida e saúde na China. Ele deixa a presidência doHSBC Seguros para encarar um grande desafio: CEO da operação de vida esaúde da Cigna na China. Recentemente, o brasileiro Marcelo Teixeira,responsável pela operação de seguros da América Latina, assumiu a operaçãomundial de seguros do HSBC, tendo sob sua responsabilidade a administraçãode 8 mil pessoas.Para Moreira, no entanto, essa é uma etapa natural da sua carreiraprofissional. Aprendi muito nesses quase quatro anos como CEO de segurosdo HSBC no Brasil, onde cheguei proveniente da China, pais em que viviquatro anos e meio, conta.A Cigna, uma das maiores seguradoras em vida e saúde nos Estados Unidos epresente em 29 países, quer ser considerada a melhor companhia em proteçãode qualidade de vida para as pessoas. Difundir essa estratégia está entre asresponsabilidades do novo CEO da Cigna China. Como conseqüência, outrameta ousada: elevar o faturamento atual de US$ 250 milhões para US$ 1bilhão até 2015.Hoje, a operação chinesa é a maior da seguradora americana fora dos EstadosUnidos, com três grandes unidades de negócios (vida, saúde, planoscorporativos e benefícios para expatriados). São 3 mil funcionários em noveprovíncias, nas quais atua em parceria com o China Merchants Bank. Segundoa regulamentação chinesa, estrangeiros só podem atuar no setor de segurospor meio de joint venture.O formato da operação brasileira é referência em seguros para o HSBC. Omodelo aqui adotado assume as operações de vida e previdência e atua emparceria com seguradoras especializadas em riscos patrimoniais, seráimplementado no mundo. Atualmente, o grupo negocia a venda mundial dasoperações de seguros gerais.No Brasil, isso foi feito anos atrás, quando a carteira foi vendida para a alemãHDI. Alem da HDI, Allianz e SulAmérica são parceiras do banco inglês, querecentemente anunciou a possibilidade de mudar a sua sede da Inglaterra, emrazão dos custos com as novas regras de Basileia, caso a regulamentação emdiscussão seja realmente implementada.Rio, 14/11/2011 – Clipping do dia14 de novembro de 2011
  26. 26. Previdência Privada | Folha de S. Paulo | Poder | BRSeguradoras bancam evento para cúpula daJustiça em resortMinistros do STF, STJ e TST participaram deseminário em hotel de luxo com diária de até R$8 mil, no GuarujáAssociação de juízes diz que o encontro ajudoua aperfeiçoar a administração do Judiciário no paísFrederico VasconcelosGiuliana ValloneInara ChayamitiA convite da Confederação Nacional de Seguros, instituição privada, ministrosdo STF (Supremo Tribunal Federal), do STJ (Superior Tribunal de Justiça) e doTST (Tribunal Superior do Trabalho) participaram de seminário em hotel deluxo no Guarujá (SP), no início de outubro.O evento, que aconteceu num hotel cinco estrelas, o Sofitel Jequitimar Guarujá,começou numa quinta-feira e prolongou-se até domingo.No período, as diárias variavam de R$ 688 a R$ 8.668. Além dos ministros,desembargadores e juízes de tribunais estaduais participaram do seminário.O congresso teve o apoio da AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros) eda Apamagis (Associação Paulista de Magistrados), mas não foi divulgado nossites dessas entidades.Foram discutidos assuntos de interesse dos anfitriões, como o julgamento deprocessos sobre previdência complementar e a boa-fé nos contratos deseguros.O presidente da AMB, Henrique Nelson Calandra, diz que o semináriopromovido pelas seguradoras "colaborou para o aperfeiçoamento daadministração da Justiça do país" e que contou com o "debate de temaspolêmicos".Mas o diretor-executivo da Transparência Brasil, Claudio Weber Abramo, vêconflito de interesses na presença de juízes nesses eventos."No Executivo federal, ninguém pode receber presentes acima de R$ 100. Osmagistrados também deveriam adotar esse critério", defende Abramo.HISTÓRICO
  27. 27. Em 2009, a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) pagou as despesas demagistrados do Trabalho acompanhados de suas mulheres em congresso emresort na Bahia.Na ocasião, o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) foi questionado sobre a faltade normas para juízes aceitarem convites desse tipo.O tema viria novamente à tona no início deste mês, quando 320 juízes doTrabalho disputaram provas esportivas em Porto de Galinhas (PE). O luxuosoencontro foi patrocinado por empresas públicas e privadas.Foi anunciado, então, que a corregedora nacional de Justiça, ministra ElianaCalmon, pretendia apresentar no CNJ uma proposta para regulamentar aparticipação de juízes nesse tipo de evento.A Folha apurou que se trata de uma ideia ainda não colocada no papel.14 de novembro de 2011Seguros de Vida | Valor Econômico | Finanças | BRFora dos EUA, Metlife investe na melhora dadistribuiçãoSeguros - Nova classe média mundial emergentejustifica estratégia Toppeta, da Metlife:Thais Folego seguradora espera manutenção doA centenária seguradora americana Metlife passou os crescimento em paísesúltimos cinco anos fazendo aquisições fora dos da Europa central eEstados Unidos. A última, da Alico (operação de vida orientalda AIG) há um ano, aumentou substancialmente a presença da companhia nomundo, para cerca de 60 países. O foco, agora, é investir em outros canais dedistribuição para alcançar a nova classe média mundial emergente que veiocom a operação internacional. "Distribuição é a chave do crescimento", diz BillToppeta, presidente internacional da Metlife. "Agora estamos em países comgrande classe média afluente e com população jovem. Para alcançar umgrande número de pessoas estamos investindo em venda direta, com produtosde baixo valor e coberturas simples", diz Graham Cox, vice-presidenteinternacional de produtos e operações.Esse novo posicionamento começa a chegar no Brasil, onde a Metlife temcomo maior desafio distribuir produtos de vida para o varejo, uma vez que essemercado é dominado pelos grandes bancos nacionais, com milhares deagências espalhadas pelo país. Houve mudanças, inclusive, no primeiroescalão da companhia por conta da nova estratégia de expandir a venda diretano país. Em agosto, o vice-presidente de estratégia, distribuição e marketing
  28. 28. para a América Latina, Mario Traverso, foi promovido a presidente da operaçãono Brasil. Para a cadeira de diretor de marketing direto e canal bancário,Verônica Basco, proveniente da operação da Alico, foi trazida da Argentinacom a missão de dar foco na venda direta e solidificar as parcerias com bancoe varejo.A ideia é buscar oportunidades de venda direta, com canais alternativos eprodutos para necessidades pontuais, conta Oscar Schmidt, presidenteexecutivo da Metlife para a América Latina. No momento, a seguradora estáem processo de aprovação na Superintendência de Seguros Privados (Susep)de dois produtos com essas características: seguro de câncer feminino e deossos quebrados para pessoas de idade avançada. Apesar da gravidadedessas ocorrências, são produtos simples do ponto de vista atuarial, pois têmvalores baixos de cobertura se comparados ao seguro de vida, e obeneficiário recebe a indenização para utilizar como bem entender."Este é um exemplo de novas formas de vendas e soluções de produtos queestamos trazendo da aquisição da Alico agora para o Brasil", diz Veronica.Sem abrir os detalhes da estratégia de canais, ela dá pistas de que estariamligados a vendas por meio de telemarketing, online e por celular. A BradescoSeguros anunciou semana passada que vai vender seguros por meio do celulare POS (máquinas de captura de transações de cartões de crédito e débito) apartir de janeiro de 2012.Segundo Verônica, os planos da seguradora consideram um aumento naparticipação de mercado, em especial no segmento de marketing direto, o quesupõe um crescimento superior aos 20% ou 25% do mercado. Hoje, a Metlifetem 4% do mercado de seguros de vida no país e tem sua distribuiçãoconcentrada em corretores e parceria com bancos, como o Citibank,responsável por 1/3 das vendas.Com a aquisição da Alico, a operação internacional da Metlife (fora dosEstados Unidos) já responde por 41% do lucro da companhia. No ano passadoera de 20% e há cinco anos de 15%. "A operação internacional cresce a taxasde dois dígitos, enquanto a americana, de um", pontua Schmidt.Na Europa, mesmo com as novas regras de maior requerimento de capital doSolvência II, que entram em vigor em 2013, os executivos da seguradoraesperam a manutenção do crescimento, principalmente em países da Europacentral e oriental, com destaque para a Polônia e Rússia, pontua Bill Topeta.Para James Hom, vice-presidente sênior e CFO de negócios internacional daMetlife, as novas regras podem gerar um movimento de consolidação ecentralização no mercado de seguros europeu. "Vemos as novas exigências decapital do Solvência II como oportunidade de sermos mais eficientes ecompetitivos."A repórter viajou a convite da Metlife
  29. 29. 14 de novembro de 2011Temas de Interesse | O Dia Online | Imóveis | RJNovo seguro vai garantir o pagamento do imóvelCaixa cria garantia para proteger comprador que financia casa direto comconstrutoraRio - A Caixa Seguros acaba de lançar uma modalidade indicada para quemcompra imóvel financiado diretamente pela construtora ou pelo sistema de obrapor administração, a preço de custo. O seguro prestamista Dívida Zero protegeo dono do imóvel e as construtoras, em caso de morte e invalidez permanentetotal por acidente.A modalidade prevê que, se ocorrer qualquer um dos imprevistos cobertos peloseguro, a seguradora quita o saldo devedor do financiamento. E deixa a famíliado segurado livre de dívidas.O novo modelo beneficia também as construtoras, que terão a certeza de que oorçamento da obra não vai ser prejudicado em virtude de algum imprevisto. Emgeral, o prazo de pagamento pode chegar a 84 meses.Segundo a Caixa Seguros, o capital segurado é calculado pelo preço do imóvele o prazo do financiamento estabelecido pela construtora, seguindo o perfil docliente.Para uma cobertura de, por exemplo, R$ 150 mil, a parcela do seguro será deR$82. A despesa pode ser cobrada no mesmo boleto do financiamento. Oreajuste da proteção é calculado mensalmente, aplicando uma taxa sobre osaldo devedor. Dessa forma, há tendência de redução gradual com o tempo.De acordo com o diretor da Martinelli Imóveis, André Moreira, o modelo vaiagregar valor na hora da negociação. "O seguro da Caixa será bem-vindo",afirma.Moreira cita a Barra da Tijuca e o Recreio dos Bandeirantes, onde muitoscompradores financiam com a construtoras, como potenciais beneficiados."Todos os envolvidos na operação ficam protegidos", afirma o diretor.Ele prevê que o seguro vai impulsionar também lançamentos pelo sistema deobra por administração. Nesse modelo, não há a figura do incorporador, o quecontribui para reduzir o preço final de cada unidade. Também não há saldodevedor, pois, quando o comprador recebe as chaves, o imóvel já estaráquitado.Seguro para operário da construção
  30. 30. Os trabalhadores da construção civil podem contar com seguro de vidaexclusivo. A Caixa Seguros lançou o Vida Construção, seguro com coberturasespecífica para empregados de construtoras e empreiteiras.Rosana Techima, diretora da Caixa, diz que a empresa já tinha grandevariedade de seguros de vida, mas sentiu necessidade de um específico paraos trabalhadores desse setor.Além da cobertura de morte, o produto oferece garantias adicionais comoinvalidez permanente por acidente, serviço de assistência funeral e coberturapara morte de cônjuges ou filhos dos trabalhadores.A contratação do seguro é feita pela empresa. De acordo com uma simulaçãoda Caixa, para uma indenização de R$ 35 mil, em caso de morte de qualquercausa, para 60 empregados, a despesa é de R$ 675,33 por mês.Rio, 11/11/2011 – Clipping do dia11 de novembro de 2011Seguros de Vida | Revista Cobertura Mercado de Seguros | BRCaixa de Assistência oferece aos advogados nova opção de seguro devidaREVISTA COBERTURA MERCADO DE SEGUROS Caixa de Assistênciaoferece aos advogados nova opção de seguro de vida Produto daAmerican Life adequa-se ao perfil de quem ganha até R$ 3 mil mensais Umnovo seguro de vida já pode ser contratado pelos advogados porintermédio da CAASP (Caixa de Assistência dos Advogados de São Paulo),entidade ligada à OAB-SP. Trata-se de um produto concebidoexclusivamente para a advocacia pela American Life Companhia deSeguros e comercializado pela MDS, corretora parceira da Caixa deAssistência. A novidade em relação aos demais seguros de vida é o preço:trata-se de uma modalidade mais barata, adequada aos advogados comrenda mensal de até R$3 mil reais.Há meses estávamos negociando com nossos parceiros da área de segurospara que desenvolvessem um produto acessível a toda a advocacia. Agora,os colegas têm a chance de contratar um seguro de vida por menos deR$10,00 mensais , comemora o presidente da CAASP, Fábio RomeuCanton Filho.O valor a ser segurado varia de R$10 mil a R$50 mil reais, garantido pormensalidades entre R$9,87 e R$177,58. Há inúmeras opções. Umadvogado de 25 anos, por exemplo, que desejar um seguro de vida de R$50mil, poderá contratá-lo por R$17,90 mensais. Já um advogado de 38 anos
  31. 31. que pretenda fazer um seguro de vida no valor de R$40 mil pagará peloproduto da American Life apenas R$19,59 por mês. Se um profissionalinscrito na OAB-SP, aos 47 anos, quiser contratar um seguro de vida deR$20 mil, arcará com uma despesa mensal de R$23,76. Já um advogado de60 anos que optar pela cobertura de R$50 mil, terá de desembolsar a cadamês R$118,02. Ao todo, há 180 faixas de preço, obedecendo ao critério deidade.Segundo Vivian Ramos, coordenadora de Seguros Pessoais da MDS,qualquer plano contratado é acrescido de assistência residencial. Não hácarência em caso de morte provocada por acidente , afirma. No caso defalecimento do segurado por causa natural, são estabelecidas carênciaspara limitação do capital segurado proporcionais ao tempo de vigência doseguro. Há ainda um importante diferencial: não se exige DPS (DeclaraçãoPessoal de Saúde).Para informações completas sobre o novo seguro de vidaCAASP/MDS/American Life, telefone para (11) 3292-4456, 32924457 ou32924580. Outros seguros Os inscritos na OAB-SP podem fazer seguros devárias modalidades por meio da Caixa de Assistência dos Advogados deSão Paulo. O fato de integrarem os quadros da Ordem já lhes garante umseguro de vida gratuito de R$5 mil, fruto de uma iniciativa da própria CAASPe da Seccional tomada anos atrás e renovada no ano passado.Consideramos o seguro de vida gratuito um benefício de extremaimportância, cujo teor condiz com a finalidade assistencial da Caixa. Basta afamília do advogado falecido procurar a entidade para receber o benefício ,observa o presidente da Caixa de Assistência, Fábio Romeu Canton Filho.Além do seguro de vida gratuito, a CAASP oferece, em parceria com acorretora MDS, opções de seguros de vida de valores maiores, deautomóvel, de residência ou escritório, de acidentes pessoais, empresarial,de equipamentos e uma modalidade ainda nova no Brasil o seguro deresponsabilidade civil. Por intermédio da Caixa, os preços e as condições depagamento são diferenciadas e incluem produtos das seguradoras Mapfre,Porto Seguro, Marítima, Sul América, Alianz e, agora, American Life.Rio, 10/11/2011 – Clipping do dia10 de novembro de 2011Seguros de Vida | Revista Cobertura Mercado de Seguros | BRZurich entra no nicho de previdência corporativaPor Felipe Marques e Thais Folego
  32. 32. A Zurich fechou seu primeiro contrato de previdência corporativa. A seguradorade origem suíça atuava, até então, timidamente com previdência abertaindividual desde que adquiriu a Minas Brasil e, agora, está expandindo seusnegócios em previdência e seguro de vida.A companhia estava terminando de adequar seus sistemas operacionais paracomeçar a divulgar comercialmente o produto quando surgiu a oportunidade defechar o primeiro negócio, conta Richard Vinhosa, presidente da Zurich Vida ePrevidência, que não revela o nome do cliente.O investimento da Zurich no segmento começou no ano passado com acontratação de pessoal dedicado à área: a equipe passou de 20 para 177profissionais. "Começamos praticamente do zero", diz Vinhosa, que veio para aseguradora há um ano para assumir a divisão, na época recém-criada.Conhecida por sua atuação especialista em seguros patrimoniais corporativos,a investida da Zurich no seguros de pessoas - que é mais rentável que osseguros patrimoniais - faz parte da estratégia de diversificar seus ramos deatuação. O páreo, porém, será duro. O segmento, que inclui vida, acidentespessoais, prestamista, educacional, perda de renda e previdência aberta, éamplamente dominado pelas seguradoras de bancos de varejo, com Banco doBrasil, Bradesco, Itaú e Santander nas primeiras posições, seguido pelaMetLife, especializada em seguros de vida.No primeiro semestre, esses segmentos faturaram juntos R$ 14,766 bilhões,segundo dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep). Com umabase ainda pequena, a Zurich obteve R$ 103,7 milhões em receitas nessasáreas, um crescimento de 47% em relação ao mesmo período de 2010, jámostrando os resultados do investimento. O segmento responde por 22% dareceita da operação da Zurich no Brasil e a meta é chegar a uma fatia de 40%.O aquecimento da economia e do mercado de trabalho tem impulsionado ademanda por seguros e previdência, principalmente pelas empresas, que têmcorrido em busca de benefícios para reter os funcionários em seus quadros.Para se ter uma ideia, os planos de previdência empresariais arrecadaram R$3,6 bilhões até julho, alta de 22,29% em comparação ao mesmo período doano passado, segundo dados da Fenaprevi.Para brigar com os grandões, a Zurich aposta em novos produtos. Aseguradora promete, no médio prazo, lançar um pacote que combine produtosde vida e de previdência. Popular nos Estados Unidos, esse tipo de fusãoencontra entraves na legislação brasileira, que não permite um produto híbrido.A Zurich porém, quer contornar esse problema lançando dois produtosseparados, um de vida e outro de previdência, mas que tenham um "link"."Seria um produto em que o investimento variaria conforme a fase da vida dapessoa. Quando se é jovem, uma maior parcela da contribuição vai para ocomponente vida do produto. Conforme a idade avança, a proporção muda",diz Vinhosa. A Metlife também prepara um produto semelhante.
  33. 33. Além da criação de produtos, a empresa aposta em mudanças nos canais dedistribuição para crescer. A seguradora tem trabalhado com três pilares:bancos, corretores e afinidades - empresas parceiras que dão acesso ao bancode dados de clientes - criando estratégias específicas para cada um.No campo dos bancos, a Zurich firmou, no começo do ano, uma parceria com oSantander, operação avaliada em US$ 3,3 bilhões e válida para toda AméricaLatina. A Zurich ganhou exclusividade na oferta de seguros no balcão dobanco, exceto para a apólice de veículos. A seguradora também mantémparcerias com instituições de menor porte, como Mercantil, BicBanco, Pine eFicsa. Fora do universo financeiro, a Zurich tem acordos com redes de varejo,entre elas a Riachuelo. Para os corretores, o plano é expandir a base de 11 milque a empresa dispõe atualmente.10 de novembro de 2011Mongeral Aegon | Institucional | Revista Seguro Total - Últimas Notícias | BRMongeral Aegon amplia cobertura de segurosA Mongeral Aegon remodelou sua linha de seguros para Diária porIncapacidade Temporária (DIT). O DIT garante o pagamento de uma quantiapor dia de afastamento do trabalho, causado por acidente ou doença. O valorda diária é calculado de acordo com a renda informada pelo contratante. Aexpectativa da seguradora é aumentar em 20% as vendas com a nova linha eser mais competitiva entre pessoas de alta renda. Entre os 600 mil clientes daempresa, 15% possuem este tipo de seguro.Além do acréscimo das coberturas e da inclusão de doenças conhecidas comodo trabalho , como Lesão por Esforço Repetitivo (LER), DoençasOsteomusculares Relacionadas ao Trabalho (DORT) e hérnias, a linha oferecerenda mensal coberta, de até R$ 20 mil. O DIT é um plano muito adquirido porprofissionais liberais.DIT - Diária por Incapacidade TemporáriaPúblico: Pessoas entre 16 e 65 anosRenda coberta: Até R$ 20 milNova coberturaLesão por Esforços Repetitivos LERDoenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho DORTLesão por Trauma Continuado ou Contínuo LTC, ou similares
  34. 34. Qualquer tipo de hérnia e suas consequênciasDiálise/Hemodiálise;Cirrose hepática;Doenças progressivas como fibromialgia, artritereumatóide, osteoartrose, dormiofascial, esclerose múltipla, Alzheimer e ParkinsonRio, 09/11/2011 – Clipping do dia09 de novembro de 2011Seguros de Vida | Fenacor | BRSeguradora texana não autorizada a operar no País vendia apólices parabrasileirosFonte: O Estado de S. Paulo | Economia | BRA Superintendência de Seguros Privados (Susep) acaba de aplicar a maiormulta da história do mercado brasileiro, de R$ 11 bilhões, contra umaseguradora norte - americana não autorizada a operarem seguros no Brasil.É fato inédito. Na história do seguro nacional foi a primeira multa aplicadacontra uma seguradora estrangeira não autorizada a operar no País, com baseem venda de seguros para brasileiros sem a devida autorização.A prática é proibida por lei. E o ilícito legal se dá nas duas pontas. Tanto aseguradora não pode comercializar suas apólices sem autorização, como ossegurados brasileiros não podem contratar seguros fora do País, exceto sepreencher em uma série de requisitos que configuram a exceção à regra.Faz tempo que seguradoras estrangeiras, na maioria das vezes norte-americanas, vendem seguros de vida para brasileiros.Não há nada de novo debaixo do sol.O que mudou foi a ação da Susep, que decidiu ir para cima e atuar umaseguradora com sede no estado do Texas.Pelo que parece, a história começou porque uma beneficiária reclamou aindenização a que tinha direito, recebeu uma negativa da seguradora, entroucom uma ação na justiça brasileira, que a mandou procurar seus direitos najustiça norte americana, onde perdeu o processo porque a contratação doseguro fora ilegal.
  35. 35. Aqui também não há nada de novo. Há mais de 20 anos quem conhece omercado sabe que parte das companhias de seguros com sede no Texas, quevendem seguros de vida no Brasil, são arapucas e que o risco de não sereceber a indenização é alto.A moda de contratar seguro fora é antiga.Ganhou velocidade na época da inflação alta e manteve o atrativo porque oprêmio destas apólices costuma ser mais baixo do que o dos segurosbrasileiros.Além disto, tem brasileiro que gosta de dizer que tem seguro fora, carro caro,iate enorme etc. São símbolos do seu sucesso e do seu poder, os quais ele fazquestão de mostrar. A mania é habilmente explorada por estas companhias,que o convencem que o seguro fora é um diferencial a mais na lista que o fazum cidadão especial.Grande parte das pessoas que me consultam a respeito de contratar segurosfora do País toma um susto ao saber que, mais grave do que infringir alegislação de seguros, pode estar incidindo nos crimes de evasão de divisas eformação de quadrilha, cuja pena é cadeia.Como isto acontece? É simples. O dinheiro para o pagamento do seguro não éregistrado no Banco Central. Aliás, nem pode ser, já que este tipo de contrato évedado pela lei.Mas o pior é o segurado, ou seus beneficiários, não receberem a indenização aque teriam direito. Como o segurado recebe a indenização de um seguro devida? Estas apólices são muito parecidas com os nossos planos deprevidência privada aberta.Uma parte do prêmio é utilizada para pagar a cobertura de morte e outra servepara fazer uma poupança, que é paga ao segurado depois de um períodopredeterminado.Não me perguntem o porquê, mas o fato é que seguradoras com sede noTexas descobriram o filão e começaram a vender seguros de vida para latino-americanos em geral, e brasileiros em particular, sabendo que dificilmentepagariam as indenizações por conta da ilegalidade da operação.De um lado os segurados e seus beneficiários não teriam como provar oseguro sem mostrar o crime cometido no Brasil e, de outro lado, a justiça norteamericana não aceitaria o processo por ser um negócio originalmente ilegal.Parece que este foi o caso que deu origem à investigação da Susep e queculminou com a multa milionária contra a seguradora do Texas.Onze bilhões de reais é muito dinheiro, mas não acredito que a multa venha aser paga. Sua aplicação nos Estados Unidos não é automática e não vejo ajustiça do Texas autorizando sua cobrança.
  36. 36. Mas mais importante que isto é que o aviso está dado. E ele acende todas asluzes vermelhas. Contratar seguros nos exterior é ilegal, pode ser crime eainda tem a alta chance de você não receber a indenização.Pense nisto na hora de contratar seu seguro.09 de novembro de 2011Seguros de Vida | CNSeg Online | BRBradesco Seguros cria cartilha para difundir seguro de vidaA Bradesco Seguros lançou uma cartilha para difundir a cultura do seguro devida. De forma simples, o elegante livreto explica à população como obter maisproteção para que um simples acidente não mude o rumo do sonho traçado navida das pessoas. Segundo Eugenio Velásquez, diretor da seguradora que vemse especializando em microssseguros, a ideia foi fazer uma cartilha queatendesse a curiosidade de todas as pessoas, sejam elas da classe A como daclasse D.O lançamento oficial da cartilha será amanhã, após a participação do executivona 7ª Conferência Internacional de Microsseguros, que começou ontem etermina amanhã, no Rio de Janeiro. Vamos distribuir nas agências do Bradescoque estão dentro das comunidades mais carentes, no Rio de Janeiro e em SãoPaulo, num primeiro momento, para depois ter a cartilha em todos os nossospontos de vendas, disse. Uma frase importante da cartilha é o seguro não tema capacidade de repor totalmente o que foi perdido, mas tem a capacidade deamparar a família financeiramente, para que ela possa reconstruir a vida quecontinua...09 de novembro de 2011Mongeral Aegon | Institucional | SKWEB.com.br - Portal de Notícias de Seguros| SPMongeral Aegon amplia cobertura de seguros para Diária porIncapacidade TemporáriaMongeral Aegon amplia cobertura de seguros para Diária por IncapacidadeTemporária Doenças causadas pelo trabalho foram incluídas, aumentandosegurança financeira para profissionais liberais A MONGERAL AEGONremodelou sua linha de seguros para Diária por Incapacidade Temporária(DIT). O DIT garante o pagamento de uma quantia por dia de afastamento dotrabalho, causado por acidente ou doença. O valor da diária é calculado deacordo com a renda informada pelo contratante. A expectativa da seguradora éaumentar em 20% as vendas com a nova linha e ser mais competitiva entre
  37. 37. pessoas de alta renda. Entre os 600 mil clientes da MONGERAL AEGON, 15%possuem este tipo de seguro.Além do acréscimo das coberturas e da inclusão de doenças conhecidas comodo trabalho, como Lesão por Esforço Repetitivo (LER), DoençasOsteomusculares Relacionadas ao Trabalho (DORT) e hérnias, a linha oferecerenda mensal coberta, de até R$ 20 mil. O DIT é um plano muito adquirido porprofissionais liberais.DIT - Diária por Incapacidade TemporáriaPúblicoPessoas entre 16 e 65 anosNova cobertura · Lesão por Esforços Repetitivos LER· Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho DORT· Lesão por Trauma Continuado ou Contínuo LTC, ou similares· Qualquer tipo de hérnia e suas consequências· Diálise/Hemodiálise;· Cirrose hepática;· Doenças progressivas como fibromialgia, artritereumatóide, osteoartrose, dormiofascial, esclerose múltipla, Alzheimer e ParkinsonRenda cobertaAté R$ 20 milSobre a MONGERAL AEGONA MONGERAL AEGON é especialista no desenvolvimento de soluçõespersonalizadas em seguros de vida e planos de previdência individuais ecorporativos, com atuação na iniciativa privada e entre funcionários públicos,civis ou militares, nas esferas municipal, estadual e federal. Resultado daassociação entre duas importantes seguradoras: a Mongeral seguradora maisantiga do Brasil, fundada em 1835, pioneira no mercado de seguros eprevidência, e a Aegon um dos maiores grupos seguradores do mundo,presente em mais de 20 países, a MONGERAL AEGON está entre as dezmaiores seguradoras independentes do país e é líder no mercado de fundosde pensão instituídos planos de previdência criados por entidades de classepara atender aos seus filiados.Atualmente, a companhia conta com mais de 55 escritórios comerciaisespalhados por todo o território brasileiro. Quatro mil consultores de benefícios
  38. 38. atuam com a MONGERAL AEGON, sendo dois mil formados pela própriaempresa, por meio da parceria com a Escola Nacional de Seguros (Funenseg).São mais de 600 mil clientes, 1.600 autorizações para comercialização edesconto em folha de pagamento, R$ 25 bilhões em capital segurado e R$ 100milhões em benefícios pagos em 2010. (CDN ComunicaçãoCorporativa/Mongeral Aegon)09 de novembro de 2011Temas de Interesse | SKWEB.com.br - Portal de Notícias de Seguros | SPSulAmérica recebe reconhecimento internacional de Relacionamento como Cliente09/11/2011 REVISTA COBERTURA MERCADO DE SEGUROSSulAmérica recebe reconhecimento internacional de Relacionamento com oCliente. Seguradora é vencedora do Best Consumer ExperienceIberoamericano em duas categorias A SulAmérica Seguros, Previdência eInvestimentos recebeu o prêmio Best Consumer Experience Iberoamericano,nas categorias de Saúde e Vida e Previdência. A companhia concorreu comempresas de países da América Latina e Espanha. O reconhecimento foiconcedido pela Associação IberoAmericana de Relacionamento EmpresaCliente (AIAREC) durante seu encontro anual.É um orgulho muito grande para a SulAmérica estar entre as melhores emRelacionamento com o Cliente. Este prêmio mostra que apostar em agilidade etransparência é o caminho certo para obter a satisfação de nossos mais de seismilhões de segurados , comemora o diretor de Atendimento, Tecnologia eOperações, Edison Kinoshita.O prêmio Best Consumer Experience Iberoamericano analisou 130 empresaslíderes na América Latina em sete setores de atividade. Mais de 15 milconsumidores participaram da pesquisa comandada pela IZO, consultoria Líderna América Latina em Experiência do Cliente. (SulAmérica)09 de novembro de 2011Mongeral Aegon | Institucional | O Globo | Negócios &Cia | BRNegócios & CiaFlávia OliveiraSeguro
  39. 39. A Mongeral Aegon redesenhou a linha de seguros de Diária por IncapacidadeTemporária (DIT). Espera faturar 20% mais. A demanda é alta entreprofissionais liberais, que ficam sem renda se param de trabalhar porproblemas de saúde. A cobertura passa a incluir doenças do trabalho, comoLER. O rendimento mensal sai de até R$12 mil para R$20 mil. Dos 600 milcliente, 15% têm o seguro.E-mail: colunanegocios@oglobo.com.brCOM GLAUCE CAVALCANTI e PILAR MAGNAVITARio, 08/11/2011 – Clipping do dia08 de novembro de 2011Seguros de Vida | CNSeg Online | BRXIV Prêmio Cobertura entrega troféus aos Melhores de 2011A XIV edição do Prêmio Cobertura Performance 2011, realizada no CentroFecomercio de Eventos, em São Paulo, ontem à noite, reuniu cerca de 550profissionais do mercado segurador para assistir à entrega de 59 troféus aempresas e profissionais que se destacaram, ao longo do ano, nodesenvolvimento de soluções inovadoras e na prestação de serviços.Armando Vergílio dos Santos Júnior, deputado federal e presidente daFenacor, a Entidade do Ano, sentiu-se honrado em receber a homenagem,devido ao trabalho para criação das Autorreguladoras na Corretagem deSeguros. Agora teremos condições de fazer uma supervisão preventiva, ouseja, os 70 mil corretores de seguros que estão localizados em quase 3 milmunicípios brasileiros terão condições de extirpar os maus profissionais. Comisso, o segurado ganhará, o mercado de seguros como um todo e, porconseguinte, os corretores serão muito beneficiados, afirmou Armando Vergílio.Por dois anos consecutivos, a Bradesco Seguros e Previdência foi eleita aSeguradora do Ano, com destaque para os resultados obtidos no primeirosemestre. Com cerca de 38 milhões de clientes, a companhia obteve umfaturamento de R$ 17,5 bilhões nos seis primeiros meses de 2011 e somou R$11,2 bilhões em indenizações e benefícios pagos, 10% a mais que no mesmoperíodo do ano anterior.Américo Pinto Gomes, diretor da Bradesco Vida e Previdência, creditou apremiação à equipe de funcionários e aos corretores parceiros. Todos elestrabalham muito e se aperfeiçoam todos os dias, levando qualidade aos nossosprodutos e às vendas aos clientes. Isso faz parte da nossa conquista,comemorou, acrescentando que o foco da companhia no cliente, com um fortetrabalho de pós-venda, faz que a Bradesco Vida e Previdência busque semprequalidade e performance maravilhosas na parte de seguros.

×