O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Apresentação Evento de Seguros 2016 - Ricardo Viveiros

464 visualizações

Publicada em

Comunicação Segura

Publicada em: Negócios
  • Entre para ver os comentários

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Apresentação Evento de Seguros 2016 - Ricardo Viveiros

  1. 1. Comunicação e mídias sociais em seguros
  2. 2. Evolução do mercado Segundo dados da Susep, o faturamento do setor, excluído o ramo saúde, foi de R$ 178,01 bilhões em 2013; R$ 198,57 bilhões em 2014; e R$ 218,69 bilhões em 2015. Crescimento nominal entre 2013 e 2014 foi de 11,5%, com expansão real em torno de 5%, considerando a inflação. Em 2015, ante o ano anterior, aumento nominal foi de 10,1%, empatado com o IPCA.
  3. 3. Faturamento do mercado de seguros privados (em R$ milhões)
  4. 4. Desenvolvimento do mercado entre 2001 e 2013 Tempestade político-econômica brasileira à parte, o setor de seguros tem potencial para crescer muito mais no País. Já houve grandes avanços, conforme pode se observar no quadro seguinte. Fonte: Susep
  5. 5. • No Brasil, participação do setor no PIB é inferior a 4%. Nos mercados de países desenvolvidos, arrecadação anual de prêmios situa-se acima de 8% do PIB. • Portanto, o Brasil tem potencial para expandir os seguros, previdência complementar aberta e capitalização. Seguros x PIB
  6. 6. Tendências do mercado, segundo a KPMG (2014) • Crescimento médio anual de 10% ao ano para seguros e 14% em resseguros. • Mercado de seguros no Brasil mantém- se bastante concentrado, com os dez maiores grupos representando cerca de 85% dos prêmios diretos em 2013. Expectativa do mercado é de que esta concentração mantenha-se nos próximos anos. • A participação dos seguros, apesar de ter ganho relevância no PIB, ainda é pouco representativa, quando comparada a economias mais maduras, como Estados Unidos ou países da Europa.
  7. 7. O que agentes do mercado acham importante para melhorar eficiência e reduzir custos • Otimização das relações contratuais com os intermediadores: 54% • Ampliação da rede de corretores cadastrados: 54% • Desenvolvimento dos canais diretos: 46% • Desenvolvimento de vendas pela Internet: 38% Esses fatores têm total relação com a eficácia da política de comunicação com o mercado, stakeholders, corretores, consumidor final e web.
  8. 8. Estratégia em comunicação é decisiva Para que o mercado segurador avance, além do marketing, propaganda e da competência das seguradoras, corretoras e suas entidades de classe nas ações mercadológicas, será decisivo melhorar, ampliar e conferir caráter estratégico à comunicação setorial.
  9. 9. Identificação dos públicos • Proprietários de automóveis. • Arrimos de famílias (vida e acidentes pessoais). • Empresas e condomínios (ramos de seguros compreensivos). • Agronegócio (seguro rural deve crescer, devido ao aumento da produção. • Agropecuária. É fundamental a comunicação customizada para os diferentes públicos com os quais se relaciona o mercado. Isso requer estudo mais aprofundado, mas é possível identificar alguns exemplos desses grupos de consumidores:
  10. 10. Jovens profissionais em começo de carreira são público importante a ser atingido para o crescimento do mercado de seguros Há, ainda, ação especial a ser desenvolvida perante os jovens profissionais, potenciais compradores dos planos de aposentadoria privada: a população brasileira de mais de 65 anos, que se manteve em torno dos 3% do total até 1970, deverá alcançar 13% em 2020, e índice equivalente ao da União Europeia em 2050. Os jovens de hoje precisam ser lembrados de que serão aposentados daqui a 30 anos, num país onde a previdência estatal é irrisória e deficitária.
  11. 11. Mídia espontânea do setor de seguros continua baixa no Brasil
  12. 12. Pautas de economia e resultados do setor predominam. Isso é positivo, mas não basta!
  13. 13. É necessária abordagem conceitual dos seguros, sua importância para a economia, pessoas, famílias e empresas.
  14. 14. Ações para ampliar presença do setor na mídia • Conscientizar a população sobre a importância do seguro para proteção da família, residência, empresas, veículos, responsabilidade civil, previdência e mais segurança na vida. • Emitir opiniões sobre o setor e temas relevantes do Brasil e do mundo. • Os seguros precisam ter voz à altura de sua importância. • Entidades devem abordar análises econômicas setoriais. • Também devem falar sobre economia, decisões governamentais e legislativas que afetam a atividade, direta ou indiretamente. • Divulgar melhor as ações realizadas em prol do fortalecimento do setor.
  15. 15. 0 1 2 3 4 5 Jornais Revistas Rádios Televisões Seria importante fazer estudo aprofundado, para se entender melhor a abordagem do setor de seguros pela grande imprensa. Assim, seria possível estabelecer nova e mais eficaz estratégia de comunicação. Estudo de mídia
  16. 16. A importância das redes sociais Trata-se de mídias relevantes para as seguradoras, ainda exploradas aquém de seu potencial. Nossa agência realizou estudo em 2015 para diagnosticar seu uso no setor de seguros.
  17. 17. Os seguros nas redes sociais Levantamento que realizamos sobre o setor de seguros nas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram) mostrou que as empresas mais presentes nessas importantes mídias são as seguintes: • HDI Seguros • Allianz Brasil • Porto Seguro • Liberty • SulAmérica • Bradesco Seguros
  18. 18. Temas relevantes Empresas do setor abordam temas interessantes nas redes sociais: • Dicas de segurança no trânsito. • Segurança no momento de viajar. • Patrocínios esportivos e culturais, como Allianz e Porto Seguro. • Informações sobre futuro do seguro, de acordo com as novas tecnologias. • Sustentabilidade. • A Porto Seguro tem uma página mais voltada aos produtos.
  19. 19. • HDI: 353 mil seguidores. • Allianz: 353 mil seguidores. • Porto Seguro: 1,2 milhão de seguidores. • Liberty: 703 mil seguidores. • SulAmérica: 1,3 milhão de seguidores. • Bradesco: 466 mil seguidores. Números relativos à interação das empresas nas redes sociais
  20. 20. • HDI: 10,3 mil seguidores. • Allianz: 6,3 mil seguidores. • Porto Seguro: 26,8 mil seguidores • Liberty: 5,9 mil seguidores. • SulAmérica: 11,3 mil seguidores. • Bradesco: 11,8 mil seguidores.
  21. 21. Porto Seguro: 3,51 mil seguidores. HDI: 677 seguidores Allianz, Liberty, SulAmérica e Bradesco não têm essa rede.
  22. 22. Há espaço para abordagem mais ampla dos seguros nas redes sociais!
  23. 23. Embora as companhias, focando patrocínios, espetáculos, esportes e ações preventivas, tenham presença significativa nas redes sociais, entendemos haver espaço para que usem essas mídias para abordar os seguros mais diretamente e de maneira mais ampla. Essa seria uma estratégia importante para disseminar ainda mais a cultura dos seguros e ampliar a sua participação no PIB nacional.
  24. 24. • Assim como ocorre com a maioria das empresas, as mídias sociais ainda são vistas apenas como plataformas de publicação e, por isso, não costumam estar no plano de negócios. • A maior parte das seguradoras apenas repete posts do Facebook em outras redes, como Twitter, Instagram e LinkedIn. Com isso, perdem engajamento. • Apenas metade delas entendem sites como o “Reclame Aqui” como mídia social. Com isso, pelo menos 30% têm má reputação, o que pode pesar na escolha dos consumidores. • Respostas-padrão são as mais comuns, trazendo uma brand voice robotizada. Impressão é que o atendimento não será adequado. Análise de mídias sociais
  25. 25. • Utilizar as mídias sociais como fonte relevante de dados do público- alvo das seguradoras, evoluindo o trabalho desenvolvido de plataforma de publicação para rede de mobilização de quem se quer atingir. • Aprender, conhecer e utilizar linguagem própria de cada uma das mídias sociais, para melhorar o engajamento positivo das marcas. Soluções em mídias sociais
  26. 26. • Cuidar para que sites com avaliação tenham respostas satisfatórias, para não causar problemas de reputação. • Humanizar as brand voices, evitando respostas-padrão que não atendam ao público. • Usar resultados de monitoramentos para insights sobre conteúdos e campanhas voltadas para mídias on e offline. Soluções em mídias sociais
  27. 27. Tweet de Chris Brogan e Julien Smith, autores do best seller “Trust Agents”. Livro mostra como usar a Web para construir influência, melhorar a reputação e ganhar credibilidade. “A Internet é como os agentes de Hollywood: falam por você sempre que você não está por perto para comentar”.
  28. 28. Obrigado! (11) 3675-5444 Rua Capote Valente, 176, Pinheiros São Paulo — SP Ricardo Viveiros & Associados www.viveiros.com.br

×