Palestra BIM_UNIGRANRIO 2013

1.276 visualizações

Publicada em

Building Information Modeling - Definições e Aplicações

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Palestra BIM_UNIGRANRIO 2013

  1. 1. BIM BUILDING INFORMATION MODELING ARQTO. JULIO CESAR B. SILVA OUTUBRO 2013 MODELAGEM DA INFORMAÇÃO DA CONSTRUÇÃO
  2. 2. Sobre  Graduado pela EAU-UFF em 2005  Atuação em projetos pontuais industriais, corporativos e comerciais até 2009  Estudando BIM desde 2010  Assistente da Comissão de Estudos Especial 134 da ABNT que redige a NBR 15965 – Sistema de Classificação de 2010 a 2011  Ingresso no Mestrado em Eng. Civil na UFF em 2012  Autodesk Revit Architecture 2012 Certified Associate  Atualmente na equipe de projeto do Velódromo Olímpico Rio 2016
  3. 3. Contextualização  MDIC  Modernização da Indústria da Construção Civil  PLANHAB - 2008  Programa MINHA CASA MINHA VIDA  Uso das NTI´s na Construção Civil  Adoção e adaptação ISO 12.006-2 para a realidade brasileira
  4. 4.  Adoção e adaptação de um sistema de classificação para a realidade brasileira  Criação da NBR do Sistema de Classificação  2º Fase de fomento do uso de metodologia BIM para projetos destinados ao Governo Federal Contextualização
  5. 5. Geometria Descritiva  Gaspard Monge  “Geometrie Descriptive”, 1795  “Ciência que permitia (...) resolver os problemas em que se consideram as três dimensões.” - ULBRICHT, 1998
  6. 6. Desenho Técnico Geometria projetiva + Geometria descritiva Linguagem visual de caráter universal Convenções gráficas Padronização SÉCULOXVIII
  7. 7. Integração Transdisciplinar ARTE GEOMETRIA ÓPTICA THUILLER, 1994
  8. 8. Origem da Computação Gráfica Rotinas de traçado e geometria Evolução de desempenho de equipamentos 60´s
  9. 9. Paradigma da Computação Gráfica Espaço Bidimensional: o papel Espaço Virtual: o ambiente 2D com a possibilidade da terceira dimensão Os eixos X, Y e Z
  10. 10. CAD – Computer Aided Design  1960 - ...  Foco na Engenharia Mecânica  1982: criação da Autodesk  Aplicativo CAD mais conhecido no mundo: AutoCAD  1990 - ...  Adoção do software AutoCAD na produção de projetos de Arquitetura
  11. 11. O Ambiente CAD
  12. 12. BIM – Building Information Modeling  1970 - ...  Conceitualmente inovador pelo resgate do ato de projetar em três dimensões, porém, no ambiente virtual  Tecnologia incompatível com a necessidade de processamento das informações.  2000 - ...  Avanço tecnológico permite retomada do conceito a partir a evolução dos processadores de computadores.
  13. 13. O Ambiente BIM
  14. 14. Conceito  Modelagem 3D paramétrica avançada, orientada a objetos, promovendo benefícios a todos os envolvidos em um empreendimento imobiliário. - Eastman et al, 2008
  15. 15. O Projeto Integrado
  16. 16. Ciclo de Vida do Empreendimento VIABILIDADE BRIEFING PROJ.BÁSICO PROJ.APROV. PROJ.EXEC. IMPLEMENTAÇÃO PLANEJAMENTO ENTREGA OPERAÇÃO MANUTENÇÃO RETROFIT BIM = BASE DE DADOS IDEALIZAÇÃO CONSTRUÇÃO USO ± 5% ± 25% ± 70%APLICAÇÃO DE RECURSOS AMORIM, 2010
  17. 17. BIM como Inovação na Indústria AEC  Fluxo do processo de projeto  Ferramentas de produção de projetos  Processo de documentação dos projetos  Processo de compatibilização dos projetos  Funções profissionais  Remuneração dos profissionais ALTERAÇÃO
  18. 18. Processo de Projeto Que Conhecemos PROJETODEARQUITETURA CAD PROJETOSCOMPLEMENTARES PROJETOSEXECUTIVOS ARQUIT.+COMPLEMENT. ESCRITÓRIODEARQUITETURA ESCRITÓRIODEGERENCIAMENTO ESCRITÓRIODAOBRA ESCRITÓRIODEPROJ. COMPLEMENTARES ( Adaptado de TOLEDO, 2008 )
  19. 19. Processo Interno de Escritório de Projetos com uso do CAD Arqto. Sr. Arqto. Pl.Arqto. Pl. Arqto. Jr. Estagiário Estagiário maior custo na área de produção
  20. 20. Características do Processo de Projeto com uso do CAD  Foco nos documentos de projeto ( as plantas )  Funções profissionais individualizadas  Responsabilidade recai no profissional – chefe  Documentação excessiva ao longo do processo
  21. 21. Processo Interno do Escritório de Projetos com uso do BIM Arqto. Sr. Arqto. Pl.Arqto. Pl. Arqto. Jr. Estagiário Estagiário maior custo na área de concepção
  22. 22. Características do Processo de Projeto com uso do BIM  Foco no projeto (modelo)  Funções profissionais colaborativas  Responsabilidade recai no profissional responsável pelo seu workset/teamwork  Documentação adequada ao final do processo
  23. 23. Perfil Profissional na Plataforma BIM
  24. 24. Perfil Profissional do BIM Manager  Desenvolvimento do conceito dos projetos  Coordenação na integração entre os modelos de Arquitetura, Estrutura, Instalações e Sistemas  Controle dos acessos ao modelo virtual 3D, da integração dos agentes do processo e dos ‘clash- detections’  Definição dos escopos de cada etapa do processo
  25. 25. Perfil Profissional na Plataforma BIM BIM Software Jobs
  26. 26. Perfil Profissional do Projetista BIM  Foco nas ferramentas de modelagem (software)  Desenvolvimento de simulações e análises através das ferramentas de apoio aos projetos  Modelagem de famílias  Configuração de ‘templates’
  27. 27. Gestão Colaborativa do Processo de Projeto na Web  BIM Server  Serviço gratuito  Permite centralizar as informações de um modelo de determinado projeto em um servidor central através de servidores locais  Baseado no padrão aberto IFC
  28. 28. Gestão Colaborativa do Processo de Projeto na Web  Revit Server  Serviço pago  Permite centralizar as informações de um modelo de determinado projeto em um servidor central através de servidores locais  Baseado no padrão proprietário da Suíte Revit da Autodesk
  29. 29. Gestão Colaborativa do Processo de Projeto na Web – Caso BIMStorm
  30. 30. Difusão do BIM: EUA e Europa  Implantação em bases sólidas  BIM sob demanda do maior contratante de obras: ESTADO – GSA (General Services Administration exige BIM em todos os projetos acima de US$2mi) AMORIM, 2010
  31. 31. Difusão do BIM: EUA e Europa  Na Europa a estimativa é a de que em torno de 68% dos escritórios voltados para indústria AEC estejam utilizando BIM.
  32. 32. Difusão do BIM: Brasil  Em 2009, Souza entrevista 30 empresas de projetos ligados à indústria AEC  IMPLANTAÇÃO:  15 utilizam em projetos pilotos  6 utilizam na maioria dos projetos  6 utilizam em todos os projetos  3 não utilizam ainda SOUZA, 2009
  33. 33. Análise Geral sobre a Implantação do BIM em escritórios brasileiros SOUZA, 2009  Facilidade na geração de mais elementos de projeto em cada etapa  Geração de novos produtos que antes não eram oferecidos  Etapas mais completas com antecipação de info disponibilizada em etapas posteriores
  34. 34. Resultados decorrentes da Implantação do BIM em escritórios brasileiros  EQUIPE DE PROJETO  Em 67% não teve alteração  Em 22% redução de equipe p/ mesma carga de projeto  Em11% redução de estagiários SOUZA, 2009
  35. 35. Resultados decorrentes da Implantação do BIM em escritórios brasileiros  PRAZO DE PROJETO  Em 88% não apresentou alteração nos prazos  Em 12% apresentou redução dos prazos SOUZA, 2009
  36. 36. Benefícios do BIM SOUZA, 2009  Facilidade nas modificações de projeto  Possibilidade de simulações  Visualização 3D facilitada  Geração automática de quantitativos  Foco no projeto e não nas representações gráficas  Projeto apresentado com mais qualidade  Antecipações de problemas
  37. 37. Compatibilização
  38. 38. Detecção de Conflitos  “CLASH-DETECTION”
  39. 39. Dificuldades do BIM SOUZA, 2009  Custo elevado do software  Curva de aprendizado  Dificuldades no software  Tamanho dos arquivos gerados  Falta de interoperabilidade  Softwares com padrões estrangeiros de construção
  40. 40. Investimentos - Custos Custos imediatos ocasionados pela implementação da Plataforma BIM:  Aquisição de hardwares mais potentes com melhor capacidade de processamento  Aquisição das licenças de software  Financiamento de treinamento dos profissionais destacados para o projeto-piloto  Re-adequação da estrutura organizacional
  41. 41. Investimento - ROI O investimento se paga na medida que:  Menor tempo de projeto = maior rentabilidade do processo  Aumento da qualidade do projeto em virtude de maior foco na projetação, análise e simulação do que nas rotinas de documentação para a entrega  Maior carga horária é de profissionais sêniores, com mais experiência e dinamismo para apontar soluções, elevando as remunerações
  42. 42. Interoperabilidade  Capacidade de dois ou mais sistemas dialogarem informações (necessárias e disponíveis) para determinado fim IFC: modelo IFD: biblioteca IDM: processo OPEN BIM Padrões e fluxos de trabalho de livre acesso
  43. 43. Interoperabilidade
  44. 44. Objetos Paramétricos  PARAMETRIZAÇÃO  FAMÍLIA é um grupo de elementos com um conjunto de propriedades comuns e uma representação gráfica relacionada
  45. 45.  FAMÍLIAS:  tipos de família  parâmetros de tipo  Parâmetros de instância São vitais para a criação do modelo e permitem a variação e alteração nos elementos que são criados Objetos Paramétricos
  46. 46. Classificação dos Objetos Construtivos  A interoperabilidade entre aplicativos BIM de diferentes desenvolvedoras através do arquivo de extensão *.ifc, só é possível a partir do momento em que esses aplicativos “falem” e “entendam” a mesma linguagem semântica de seus objetos construtivos.
  47. 47. Classificação dos Objetos Construtivos  Para isso, faz-se necessária a prévia classificação desses objetos de forma a suportar essa interação.
  48. 48. Contribuição do Sistema de Classificação para o BIM  Criar classes de objetos e relacioná-las aos objetos em si  Ordenar um conjunto de terminologias específicas de modo a facilitar o acesso à elas  Padronizar nomenclaturas facilitando a interoperabilidade  NBR-ISO 12.006-2:2010 Construção de Edificação – Organização e Informação da Construção – Parte 2: Estrutura para Classificação da Informação
  49. 49. Contribuição do Sistema de Classificação para o BIM  NBR 15965-X:20XX  “Sistema de Classificação da Informação da Construção” (publicação em partes) -Parte 1: Terminologia e Estrutura (2011) -Parte 2: Característica dos Objetos da Construção (2012)
  50. 50. Proposta Nacional x OMNICLASS M T41 P T49 F T31 S T32 D T33 O T34 Q T35 C T23 E T21 R T22 U T11,12 A T13,14 T36I Característica dos Objetos Materiais Propriedades Fases Serviços Informação da Construção 0 1 2 4 Disciplinas Processos Funções Equipamentos Componentes 5 Recursos 3 Unidades Espaços Elementos Resultados Resultados Unidades da Construção e Espaços Informação OMNICLASS
  51. 51. Estrutura do Sistema de Classificação GRUPO NÍVEL 1 NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5 NÍVEL 6 _______ . _______ . _______ . _______ . _______ . _______ . _______ M P F 0 0 0 0 0 S D O Q C E R U A 99 99 99 99 99 AAA 0 1 2 4 I5 3 AA
  52. 52. Exemplo de Aplicação do SCIC
  53. 53. Exemplo de Aplicação do SCIC
  54. 54. Exemplo de Aplicação do SCIC
  55. 55. Exemplo de Aplicação do SCIC
  56. 56. Exemplo de Aplicação do SCIC Workflow BIM Software BIM Base de Dados no MS Access Composição de Custos SINAPI no MS Excel
  57. 57. Aplicativos de Suporte ao Workflow BIM
  58. 58. DESDOBRAMENTOS DOS NOVOS PROCESSOS DE PROJETO EM BIM Modelagem da Informação da Construção
  59. 59. Softwares BIM via PINI
  60. 60. BIM 4D  MODELO 3D + TEMPO
  61. 61. BIM 5D  MODELO 3D + TEMPO + CUSTO
  62. 62. BIM + Sustentabilidade  Interface com certificações  Análise e simulação de eficiência energética da edificação  Economia de recursos  Menores impactos da implantação em função de melhores práticas de projeto
  63. 63. Desdobramentos dos Novos Processos de Projeto  ONDE ESTÁVAMOS? PROJETAÇÃO MANUAL EM 2D
  64. 64.  ONDE ESTAMOS? PROJETAÇÃO VIRTUAL EM 2D E MODELAGEM 3D Desdobramentos dos Novos Processos de Projeto
  65. 65.  QUAL O PRÓXIMO PASSO? COLABORAÇÃO Desdobramentos dos Novos Processos de Projeto
  66. 66.  Mudanças das estruturas organizacionais e adequação dos profissionais à essas mudanças  Ensino e ensaio das práticas colaborativas na Academia Desdobramentos dos Novos Processos de Projeto
  67. 67.  ONDE QUEREMOS CHEGAR? INTEGRAÇÃO Desdobramentos dos Novos Processos de Projeto
  68. 68.  Padronização dos sistemas quanto às classificações voltadas para a indústria AEC  Melhoria dos padrões IFC para a interoperabilidade entre sistemas e intercambialidade dos projetos Desdobramentos dos Novos Processos de Projeto
  69. 69. BIM: Aposta no Futuro
  70. 70. Considerações  PDP (Política de Desenvolvimento Produtivo) visa processo de modernização até 2023  Arquitetura é o ponto de partida para a utilização pelas demais disciplinas  Setor de Instalações precisa de suporte para o desenvolvimento de suas aplicações e projetos para que haja de fato a integração entre as disciplinas  Algumas das vantagens do BIM já são passíveis de utilização
  71. 71. Considerações  O BIM oferecerá um leque de oportunidades dentro da cadeia da construção, porém, os profissionais devem estar inclinados à adotarem novas ferramentas  As dificuldades que venham a surgir na implantação não podem ser usadas como desculpa para retornar ao ‘modus operandi’ estabelecido  Clientes, fornecedores e prestadores precisam estar articulados para cada um, dentro de suas responsabilidades, elaborarem seus respectivos planos de transição para o BIM
  72. 72. Obrigado  Arq. Julio Cesar Bastos Silva  pastabim@gmail.com  www.pastabim.com.br

×