SlideShare uma empresa Scribd logo
PROF. Ms. DELANO CHAVES 1
GESTÃO LOGÍSTICA NO
CANTEIRO DE OBRA
PROF. Ms. DELANO GURGEL DO AMARAL
NOVEMBRO 2015
PROF. Ms. DELANO CHAVES 2
OBJETIVOS
O objetivo deste curso é apresentar uma conceituação da
Logística e da sua contribuição para a construção civil,
combinada com um estudo de caso em empresa construtora
de médio e grande porte do setor de edificações.
O estudo de caso, ao mostrar e discutir como funciona o
Processo Logístico da construtora e as interfaces entre a sua
estrutura corporativa e os canteiros de obra, é usado para
tornar mais claros alguns dos conceitos e confirmar a sua
aplicabilidade.
Em termos de escopo, consideram-se aspectos de Gestão de
custo, prazo, qualidade e segurança do trabalho.
PROF. Ms. DELANO CHAVES
3
PROF. Ms. DELANO CHAVES 4
Capitalismo
Compartilhado
PROF. Ms. DELANO CHAVES 5
Modais
84  slides  gestão  logística  no  canteiro  de  obra  nov 2015
PROF. Ms. DELANO CHAVES 7
PROF. Ms. DELANO CHAVES 8
INTERFACE DA LOGÍSTICA COM AS DEMAIS ÁREAS DA EMPRESA
EMPRESA
INFORMÁTICA
Contabilidade
Pessoal
oControle de Estoque
oManifestos
oFaturamento
oRoteiros
FINANÇAS
Tesouraria
Carteira de Investimento
Contabilidade Fiscal
oCustos
oFluxos de Caixa
oEstoques (Giro)
oNíveis de Serviços
oCanais de Distribuição
oEmbalagem
MARKETING
Pesquisa
Portfólio
Vendas
oSeleção de Modal
oDimencionamento
de Frota
oCustos
TRANSPORTE E
ARMAZENAGEM
Oficina
ADM Pessoal
LOGÍSTICA
INTRODUÇÃO
Ao longo dos anos, a maior preocupação dos gestores
esteve relacionada aos aspectos técnicos, não dando a
devida importância aos desperdícios, prazos e
retrabalhos.
Os investimentos sempre foram aplicados na área técnica
e esquecendo de outras frentes que aparentemente não
impulsionavam a produção, por exemplo a Logística.
Diante do enorme crescimento do mercado da construção
civil, as médias/grandes empresas tentam se modernizar
para se manter competitivas no cenário atual do mercado.10
INTRODUÇÃO
Segundo o conceito da construção enxuta, devemos desenvolver
o ciclo da melhoria continua em nossos canteiros, agilizando os
processos construtivos e reduzindo os desperdícios, não podendo
ser confundido unicamente com redução de custos.
Poderá haver momentos que investindo mais em um setor,
promoverá a redução de custos em outros, na intenção de
melhorar a qualidade de modo que atenda as expectativas finais
do cliente.
Baseado nos conceitos da construção enxuta, abordaremos o
tema de Logística do Canteiro de Obra.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 11
O QUE É LOGISTICA?
“Logística é a parte do Gerenciamento da Cadeia de
Suprimento que Planeja, Implementa e Controla o fluxo e
armazenamento eficiente e econômico de matérias primas,
materiais semiacabados e produtos acabados, bem como
as informações a eles relativas, desde o ponto de origem
até o ponto de consumo, com o propósito de atender às
exigências dos clientes”.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 12
CENTRO NERVOSO DE UMA ORGANIZAÇÃO
 LOGÍSTICA É O:
O CONCEITO DE LOGÍSTICA
 É a atividade que viabiliza negócios, não apenas por aproximar
as partes – os vendedores e os compradores – mas,
essencialmente, para reduzir drasticamente custos com
materiais e sua movimentação.
 A LOGÍSTICA se preocupa em encontrar o caminho mais ágil e
econômico para juntar demanda e oferta, permitindo preços
acessíveis, dentro dos prazos e dos padrões exigidos pelo
cliente.
13
O QUE É LOGISTICA?
A Logística é dividida em dois tipos de atividades - as principais
e as secundárias:
Principais: Transportes, Gerenciar os Estoques, Processamento
de Pedidos.
Secundárias: Armazenagem, Manuseio de materiais,
Embalagem, Obtenção / Compras, Programação de produtos e
Sistema de Informação.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 14
PROF. Ms. DELANO CHAVES 15
EVOLUÇÃO DA LOGÍSTICA
A LOGÍSTICA COMO UM SISTEMA
“Trata de todas atividades de movimentação e
armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos
desde o ponto de aquisição da matéria-prima até
o ponto de consumo final, assim como dos fluxos
de informação que colocam os produtos em
movimento, com o propósito de providenciar
níveis de serviço adequados aos clientes a um
custo razoável.”
16
Logística no Canteiro de Obras
Logística de Suprimento
Serviço ao Cliente
Logística de Produção
Logística de Distribuição
Logística de Transporte
Armazenagem / Estoque
Logística Aduaneira
Logística Reversa
17
O QUE É CONSTRUÇÃO ENXUTA?
É uma Filosofia de Trabalho, que assenta na implementação de um
conjunto de metodologias, ferramentas, Processos, atividades e
ações cooperativas, que permitem reduzir os desperdícios durante a
fase de Projeto e execução de uma obra, maximizando, dessa forma,
o valor para o cliente final.
A Construção Enxuta, conhecida como Lean Construction pretende
garantir:
Processos corretos;
Ferramentas apropriadas;
Recursos corretos;
…para uma entrega rápida e eficiente!
PROF. Ms. DELANO CHAVES 18
O QUE É CONSTRUÇÃO ENXUTA?
Assim a Construção Enxuta:
Reduz Desperdícios;
Aumenta a Produtividade durante a Execução de uma
Obra;
Aumenta a Qualidade da Construção;
Flexibiliza os Requisitos;
Flexibiliza o Calendário de Execução de Obra;
Reduz Custos;
Incrementa a Satisfação do Cliente.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 19
CONSTRUÇÃO ENXUTA
20
PECULIARIDADES DA CONSTRUÇÃO CIVIL
 A construção é uma indústria de caráter nômade, com produtos
únicos e não seriados.
 A produção é centralizada (operários móveis em torno de um
produto fixo), ao invés da produção em cadeia (produtos passando
por operários fixos), como em outras indústrias;
 É uma indústria muito tradicional, com grande inércia às alterações;
 Utiliza mão de obra intensiva e pouco qualificada, sendo que o
emprego dessas pessoas tem caráter eventual e suas possibilidades
de produção são escassas, o que gera baixa motivação no trabalho;
PROF. Ms. DELANO CHAVES 21
PECULIARIDADES DA CONSTRUÇÃO CIVIL
https://www.youtube.com/watch?v=ATGBGiPYbh0 10 min NR 18
A construção, de maneira geral, realiza seus trabalhos a céu aberto;
O Produto é único, ou quase único, na vida do cliente final;
São empregadas especificações complexas muitas vezes confusas;
As responsabilidades são dispersas e pouco definidas dentro da
empresa;
O grau de precisão com que se trabalha na construção é, em geral,
menor do que em outras indústrias, por exemplo, parâmetros
relativos a orçamento, prazo e conformidade (cronograma físico / financeiro).
PROF. Ms. DELANO CHAVES 22
OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA
23
OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA
Arranjando fisicamente o canteiro de obra (layout)
para as “docas”.
Introduzindo uma Logística Interna, minimizando as
distancias entre os materiais, equipamentos e local
de utilização.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 24
OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA
Criação de procedimentos de execução de serviços.
Implantação do Sistema de Qualidade.
Definição de tolerâncias de aceitação de serviços, para
liberação para próxima etapa.
Fazendo reuniões de Planejamento, para garantir a
conclusão da obra no prazo previsto.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 25
OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA
Padronizando os Processos de execução de serviços e
recebimento de materiais com inspeções no momento do
recebimento.
Evitando a falha e erro no Planejamento e execução dos
serviços, como atraso na conclusão das tarefas programadas.
Evitando a superestimação da Produção das equipes de
trabalho.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 26
OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA
Reduzindo o tempo que envolve o processamento,
inspeção, espera e movimentação de uma
atividade.
Redução das atividades que não Agregam Valores.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 27
OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA
Disponibilizando kits de material no local de
trabalho.
Concentrando os trabalhadores, no mesmo posto
de trabalho.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 28
OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA
Gerando valor ao produto, possibilitando
mudanças rápidas , para satisfazer as exigências do
consumidor.
Possibilitando a flexibilidade, nas mudanças de lay
out dos apartamentos.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 29
OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA
Criando um Planejamento adequado, permitindo ao gestor da
obra, supervisionar e fiscalizar o andamento dos serviços,
coordenando ações Estratégicas para Redução de Custo.
Utilizando dispositivos de visualização e comunicação no
Canteiro de Obra, como mural para divulgação de indicadores,
prazos, metas.
Identificando o local de armazenamento de materiais.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 30
OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA
Utilizando de parcerias com fornecedores e avaliação dos
mesmos.
Identificação da Cadeia de Valores do produto,
possibilitando uma visão mais ampla do percurso do
produto até chegar ao consumidor.
Identificação de possíveis desperdícios que venham
ocorrer. PROF. Ms. DELANO CHAVES 31
OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA
Introduzindo os procedimentos de ação corretiva e
preventiva, identificando os problemas e suas
prováveis causas.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 32
OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA
Organizando os Estoques e fluxo de materiais.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 33
OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA
Conhecendo os Processos, para que possam ser
melhorados, através do aprendizado de práticas de
outras empresas.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 34
OS DESPERDÍCIOS NA FILOSOFIA LEAN
PROF. Ms. DELANO CHAVES 35
PROF. Ms. DELANO CHAVES 36
LOGÍSTICA NA CONSTRUÇÃO ENXUTA
A concepção de um Canteiro de Obras é definida,
segundo Saurin (1997), como “o Planejamento do
layout e da Logística das instalações provisórias,
instalações de movimentação e armazenamento de
materiais e instalações de segurança”.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 37
LOGÍSTICA NA CONSTRUÇÃO ENXUTA
A otimização de um Canteiro de Obras significa setorizar e
organizar, espacialmente, a maneira de dispor os materiais, os
funcionários, equipamentos e instalações necessárias ao
Processo de Produção, objetivando a realização das tarefas
diárias, segundo um cronograma físico/financeiro de
execução, no menor tempo possível, com a racionalização dos
recursos disponíveis, ou seja, recursos materiais (insumos,
equipamentos, e ferramentas), e recursos humanos (mão de
obra).
PROF. Ms. DELANO CHAVES 38
LOGÍSTICA NA CONSTRUÇÃO ENXUTA
A mentalidade Enxuta (lean thinking), em Canteiros de Obra,
possibilita criar um ambiente ideal para o recebimento,
transporte e armazenagem dos insumos, numa obra de
edificações, bem como no processamento inicial de corte e
montagem das matérias primas, além de auxiliar na
concepção do layout dos Canteiros, de forma a minimizar a
adoção de critérios subjetivos, para a disposição física dos
setores, tornando o Processo mais ágil, sistemático,
criterioso e de menor custo. 39
40
ENGENHEIRO DE LOGÍSTICA
MEIO AMBIENTE NO CANTEIRO DE OBRA
Essa categoria é composta pelos indicadores ambientais
que permitem identificar e mensurar todos os impactos das
atividades relacionadas à obra, deixando-a dentro dos
parâmetros legais.
Uma obra que cause um impacto baixo terá pouca geração
de resíduos, alto aproveitamento de materiais e pouco
desperdício.
O incentivo da reciclagem de materiais também pode ser
uma ferramenta útil para companhias que procuram
melhorar a sua gestão de recursos.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 41
LAYOUT DO CANTEIRO DE OBRAS: ISSO FAZ MESMO
DIFERENÇA?
• Não tenha dúvida de que a resposta a essa pergunta é
positiva. O arranjo correto no canteiro de obras é tão
importante que deve ser a primeira coisa a ser pensada, antes
mesmo da própria obra!
• Layout nada mais é que a disposição física de pessoas,
equipamentos e materiais de maneira mais eficiente possível,
um Mapa de Trabalho preciso que possibilita reduzir ao
mínimo os movimentos dos trabalhadores.
• Dessa forma, eles gastam o mínimo de tempo possível em
deslocamentos para buscar materiais ou usar equipamentos
(reduzindo seu nível de estafa e aumentando sua
produtividade). PROF. Ms. DELANO CHAVES 42
COLOCANDO EM PRÁTICA
PROF. Ms. DELANO CHAVES 43
http://www.mobus
sconstrucao.com.br
/category/case-de-
sucesso/
 ESTUDO DE CASO
 UTILIZAR ESPAÇO PÚBLICO PELO CANTEIRO DE OBRA PODE SER CONSIDERADO LEGAL? É
AMBIENTALMENTE CORRETO?
 COMO SE PODE MENSURAR OS IMPACTOS AMBIENTAIS DAS ATIVIDADES
RELACIONADAS À OBRA UTILIZANDO ESPAÇO PÚBLICO?
CASO PRÁTICO
Imagine que os sacos de cimento fiquem armazenados em um determinado
ponto da obra, distante da área de trabalho e no lado oposto ao das
betoneiras. A areia está alocada em outro local, distante do cimento, das
mangueiras e também desconectada das betoneiras.
O resultado dessa péssima Logística no controle de processos é que as
empilhadeiras darão um “passeio” maior pelo canteiro (fluxo de serviços
mais longo e descontínuo).
Se tudo estivesse agregado, se essa junção tivesse sido previamente
pensada, muito menos tempo seria ocupado e a exposição dos materiais
seria bem menor. Perceba que trazer resultados para sua obra não exige
grandes investimentos. Exige foco nos detalhes.
44
Necessidade e possibilidade de se Desenhar o Processo do Planejamento
Estratégico
1º Estágio
Análise Interna Análise Externa
(pontos fortes, pontos fracos) (oportunidades e ameaças)
Análise Interna SWOT Análise Externa
(pontos fortes, pontos fracos) (oportunidades e ameaças)
Definição de Objetivos e Metas
Formulação de Estratégias
Alternativas
Estabelecimentos de Critérios
Seleção de Estratégias
2º Estágio
Implantação da
Estratégia
Execução do Plano
Estratégico
Avaliação e
Controle
STRENGTHS – Forças
WEAKNESSES – Fraquezas
OPPORTUNITIES –
THREATS – Ameaças
PLANEJAMENTO
• Devemos avaliar os caminhos e criar um referencial futuro, para
alcançarmos, da melhor maneira possível, os objetivos pré-
definidos.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 46
PLANEJAMENTO
47
CANTEIRO DE OBRAS
PROF. Ms. DELANO CHAVES 48
RACIONALIZAÇÃO DOS MATERIAIS
PROF. Ms. DELANO CHAVES 49
CONTROLE DE ESTOQUE
PROF. Ms. DELANO CHAVES 50
PROJETOS OTIMIZADOS – DOCAS NO CANTERIO DE OBRA
PROF. Ms. DELANO CHAVES 51
PROJETOS OTIMIZADOS
PROF. Ms. DELANO CHAVES 52
GERENCIANDO O EMPREENDIMENTO
Como gerenciar tanta informação?
Como não perder o controle da obra?
PROF. Ms. DELANO CHAVES 53
GESTÃO VIRTUAL
PROF. Ms. DELANO CHAVES 54
A N D O N
PROF. Ms. DELANO CHAVES 55
ANDON
PROF. Ms. DELANO CHAVES 56
A N D O N
HEIJUNKA BOX
PROF. Ms. DELANO CHAVES 57
KIT’S DE MATERIAIS
PROF. Ms. DELANO CHAVES 58
QUADRO DE INFORMAÇÕES
PROF. Ms. DELANO CHAVES 59
RASTREAMENTO DAS EQUIPES
PROF. Ms. DELANO CHAVES 60
EXECUÇÃO DOS SERVÇOS
PROF. Ms. DELANO CHAVES 61
LOGÍSTICA
https://www.youtube.com/watch?v=SY86LgHjf5Y 10 min
Temos que raciocinar de acordo com o tipo de serviços
e nos Planejarmos para tal.
Nos slides a seguir alguns exemplos de Planejamento e
da Logística de fachadas dos edifícios.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 62
LOGÍSTICA
63
COMPARATIVO JIC X JIT
PROF. Ms. DELANO CHAVES 64
LIMPEZA DO AMBIENTE
PROF. Ms. DELANO CHAVES 65
INDICADORES À VISTA
PROF. Ms. DELANO CHAVES 66
GANHO MÉDIO DAS EMPRESAS
PROF. Ms. DELANO CHAVES 67
RESULTADOS OBTIDOS NOS EXEMPLOS
PROF. Ms. DELANO CHAVES 68
RESULTADOS OBTIDOS NOS EXEMPLOS
PROF. Ms. DELANO CHAVES 69
RESULTADOS OBTIDOS NOS EXEMPLOS
RESULTADOS OBTIDOS NO EXEMPLO
PROF. Ms. DELANO CHAVES 70
RESULTADOS OBTIDOS NO EXEMPLO
RESULTADOS OBTIDOS NO EXEMPLO
PROF. Ms. DELANO CHAVES 71
RESULTADOS OBTIDOS NOS EXEMPLOS
RESULTADOS OBTIDOS NO EXEMPLO
PROF. Ms. DELANO CHAVES 72
RESULTADOS OBTIDOS NOS EXEMPLOS
RESULTADOS OBTIDOS NO EXEMPLO
PROF. Ms. DELANO CHAVES 73
RESULTADOS OBTIDOS NOS EXEMPLOS
CONSTRUÇÃO ENXUTA
PROF. Ms. DELANO CHAVES 74
CONSTRUÇÃO ENXUTA
PROF. Ms. DELANO CHAVES 75
CONSTRUÇÃO ENXUTA
A IMPLEMENTAÇÃO É UM PROCESSO FÁCIL?
PROF. Ms. DELANO CHAVES 76
PROF. Ms. DELANO CHAVES 77
CONCEITO ÚTIL
PROF. Ms. DELANO CHAVES 78
PROF. Ms. DELANO CHAVES 79
CONCLUSÃO
Pouco adianta investir apenas nos Processos de
Produção na Construção Civil, deve-se investir também
no Sistema de Gestão, através da utilização de um novo
modelo de Gestão baseado em aspectos
organizacionais modernos e numa Logística
eficiente onde se procure aperfeiçoar os fluxos físicos e
das informações, levando em consideração as
atividades essenciais para o seu desenvolvimento.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 80
CONCLUSÃO
As evidências coletadas de melhorias no Processo de Produção
são analisadas abrangendo cada um dos onze princípios da Lean
Construction.
Conclui-se, ainda, que é um grande desafio a utilização da
nova Filosofia de Produção.
Nesse sentido, é preciso fazer uma mudança de paradigma
atual da Construção, baseado nos princípios da Produção no
antigo modelo de conversões, que quando comparados as novas
Filosofias de Produção emergentes, como a Construção Enxuta,
apresentam-se ineficientes e incapazes de gerar melhorias nos
fluxos. PROF. Ms. DELANO CHAVES 81
CONCLUSÃO
Um fator relevante, para a implantação das diretrizes
propostas, depende tanto de características
comportamentais e organizacionais das empresas,
quanto de características conjuntas da obra.
Aspectos como o comprometimento da alta Gerência, a
priorização das necessidades da obra e o Treinamento
dos funcionários, revelam-se essenciais ao sucesso na
implantação dos princípios da Construção Enxuta.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 82
BIBLIOGRAFIA
• BALLOU, R. H. Logística empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição física. Trad.
Hugo Yoshzaki. São Paulo: Atlas, 1993, 390 p.
• BALLOU, R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos: planejamento, organização e logística
empresarial. Porto Alegre: Ed. Bookman, 2001.
• CHRISTOPHER, M. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimento: estratégia para redução de
custos e melhoria dos serviços. São Paulo: Pioneira, 1999, 240 p.
• CORRÊA, H. L ; GIANESI, I. C. N. Just-ln-Tíme, MRP, OPT: um enfoque estratégico. São Paulo: Atlas, 1993,
186 p.
• COUTINHO, L.; FERRAZ, J. C. et al. Estudo da competitividade da indústria brasileira. São Paulo: Editora
Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 1994.
• FABRÍCIO, M. M.; MELHADO, S. B. Gestão integrada do desenvolvimento de produto na construção de
edifícios. In: Simpósio Brasileiro de Gestão e Economia da Construção - SIBRAGEC, 3, 2003, São Carlos.
Anais SIBRAGEC/UFSCar, 2003, p.10.
• FARAH, M. F. S. Tecnologia, processo de trabalho e construção habitacional. São Paulo: Tese de
Doutorado. Departamento de Ciências Sociais da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP,
1992, 296 p.
• FERREIRA, E. A. M. Metodologia para elaboração do projeto do canteiro de obras de edifício. São Paulo,
1998. Tese (Doutorado) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, 338 p. Disponível em:
chttp://vvww.publicacoes.pcc.usp.br/PDF/BT263.pdf >. Acesso em: 13 mar. 2003.
• VIEIRA, Hélio Flavio. Logística aplicada à construção civil : como melhorar o fluxo de produção nas
obras— São Paulo : Editora Pini, 2006.
PROF. Ms. DELANO CHAVES 83
“A Inteligência é a Simplificação para Resiliência”
PROF. Ms. DELANO GURGEL DO AMARAL
delaneychaves@gmail.com
http://delanoy.blogspot.com.br
http://pt.slideshare.net/delanochavesgurgelamaral
85 98696-0237 ou 85 3879-0222
PROF. Ms. DELANO CHAVES 84

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pavimentação apresentação
Pavimentação   apresentaçãoPavimentação   apresentação
Pavimentação apresentação
halyssonmafra
 
Aulas de concreto armado
Aulas de concreto armadoAulas de concreto armado
Aulas de concreto armado
Luciana Paixão Arquitetura
 
Aula 05 Planejamento e Controle de Obras
Aula 05 Planejamento e Controle de ObrasAula 05 Planejamento e Controle de Obras
Aula 05 Planejamento e Controle de Obras
Gabriel Do Nascimento Pereira
 
Planejamento de obra aula 01 e 02
Planejamento de obra   aula 01 e 02Planejamento de obra   aula 01 e 02
Planejamento de obra aula 01 e 02
Aline Cristina Souza dos Santos
 
Planejamento de obra aula 31 a 34
Planejamento de obra   aula 31 a 34Planejamento de obra   aula 31 a 34
Planejamento de obra aula 31 a 34
Aline Cristina Souza dos Santos
 
Modais de transporte logística
Modais de transporte logísticaModais de transporte logística
Modais de transporte logística
MAYKON89
 
Administração de materiais
Administração de materiaisAdministração de materiais
Administração de materiais
Denis Carlos Sodré
 
Cronograma de Obras em 4 Passos
Cronograma de Obras em 4 PassosCronograma de Obras em 4 Passos
Cronograma de Obras em 4 Passos
Engenheiro No Canteiro
 
01 aula introdução a logística
01 aula introdução a logística01 aula introdução a logística
01 aula introdução a logística
Homero Alves de Lima
 
R.U.P. - Razão Unitária de Produção na Construção Civil
R.U.P. - Razão Unitária de Produção na Construção CivilR.U.P. - Razão Unitária de Produção na Construção Civil
R.U.P. - Razão Unitária de Produção na Construção Civil
Bruno Ferreira
 
Aula 1 de Canteiro de Obras.pptx
Aula 1 de Canteiro de Obras.pptxAula 1 de Canteiro de Obras.pptx
Aula 1 de Canteiro de Obras.pptx
Jose Azevedo
 
Aula 04 Planejamento e Controle de Obras
Aula 04 Planejamento e Controle de ObrasAula 04 Planejamento e Controle de Obras
Aula 04 Planejamento e Controle de Obras
Gabriel Do Nascimento Pereira
 
Patologia das construções
Patologia das construçõesPatologia das construções
Patologia das construções
charlessousa192
 
Seminário sobre Canteiro de Obras
Seminário sobre Canteiro de ObrasSeminário sobre Canteiro de Obras
Seminário sobre Canteiro de Obras
Lincoln Cesar
 
Logística e distribuição
Logística e distribuiçãoLogística e distribuição
Logística e distribuição
Gilberto Freitas
 
Construção de edifícios
Construção de edifíciosConstrução de edifícios
Construção de edifícios
Astenio Araujo
 
Planejamento de obra aula 45 e 46
Planejamento de obra   aula 45 e 46Planejamento de obra   aula 45 e 46
Planejamento de obra aula 45 e 46
Aline Cristina Souza dos Santos
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
Mayra de Souza
 
Aula 01 Planejamento e Controle de Obras
Aula 01 Planejamento e Controle de ObrasAula 01 Planejamento e Controle de Obras
Aula 01 Planejamento e Controle de Obras
Gabriel Do Nascimento Pereira
 
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPSistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Mauro Enrique
 

Mais procurados (20)

Pavimentação apresentação
Pavimentação   apresentaçãoPavimentação   apresentação
Pavimentação apresentação
 
Aulas de concreto armado
Aulas de concreto armadoAulas de concreto armado
Aulas de concreto armado
 
Aula 05 Planejamento e Controle de Obras
Aula 05 Planejamento e Controle de ObrasAula 05 Planejamento e Controle de Obras
Aula 05 Planejamento e Controle de Obras
 
Planejamento de obra aula 01 e 02
Planejamento de obra   aula 01 e 02Planejamento de obra   aula 01 e 02
Planejamento de obra aula 01 e 02
 
Planejamento de obra aula 31 a 34
Planejamento de obra   aula 31 a 34Planejamento de obra   aula 31 a 34
Planejamento de obra aula 31 a 34
 
Modais de transporte logística
Modais de transporte logísticaModais de transporte logística
Modais de transporte logística
 
Administração de materiais
Administração de materiaisAdministração de materiais
Administração de materiais
 
Cronograma de Obras em 4 Passos
Cronograma de Obras em 4 PassosCronograma de Obras em 4 Passos
Cronograma de Obras em 4 Passos
 
01 aula introdução a logística
01 aula introdução a logística01 aula introdução a logística
01 aula introdução a logística
 
R.U.P. - Razão Unitária de Produção na Construção Civil
R.U.P. - Razão Unitária de Produção na Construção CivilR.U.P. - Razão Unitária de Produção na Construção Civil
R.U.P. - Razão Unitária de Produção na Construção Civil
 
Aula 1 de Canteiro de Obras.pptx
Aula 1 de Canteiro de Obras.pptxAula 1 de Canteiro de Obras.pptx
Aula 1 de Canteiro de Obras.pptx
 
Aula 04 Planejamento e Controle de Obras
Aula 04 Planejamento e Controle de ObrasAula 04 Planejamento e Controle de Obras
Aula 04 Planejamento e Controle de Obras
 
Patologia das construções
Patologia das construçõesPatologia das construções
Patologia das construções
 
Seminário sobre Canteiro de Obras
Seminário sobre Canteiro de ObrasSeminário sobre Canteiro de Obras
Seminário sobre Canteiro de Obras
 
Logística e distribuição
Logística e distribuiçãoLogística e distribuição
Logística e distribuição
 
Construção de edifícios
Construção de edifíciosConstrução de edifícios
Construção de edifícios
 
Planejamento de obra aula 45 e 46
Planejamento de obra   aula 45 e 46Planejamento de obra   aula 45 e 46
Planejamento de obra aula 45 e 46
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Aula 01 Planejamento e Controle de Obras
Aula 01 Planejamento e Controle de ObrasAula 01 Planejamento e Controle de Obras
Aula 01 Planejamento e Controle de Obras
 
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPSistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
 

Destaque

Estudo de caso obra
Estudo de caso   obraEstudo de caso   obra
Estudo de caso obra
Jairo L. Matoso
 
Gestão de Projetos na Construção Civil
Gestão de Projetos na Construção CivilGestão de Projetos na Construção Civil
Gestão de Projetos na Construção Civil
Fabricio Henrique
 
Impactos do planejamento no custo final de uma obra
Impactos do planejamento no custo final de uma obraImpactos do planejamento no custo final de uma obra
Impactos do planejamento no custo final de uma obra
Crissio Costa
 
Gerenciamento de riscos em projetos de construção civil.
Gerenciamento de riscos em projetos de construção civil.Gerenciamento de riscos em projetos de construção civil.
Gerenciamento de riscos em projetos de construção civil.
Eduardo Pasquotto Orsolini
 
Projeto de Construção de Casa
Projeto de Construção de CasaProjeto de Construção de Casa
Projeto de Construção de Casa
Marco Coghi
 
Gerenciamento de Obras e Projetos
Gerenciamento de Obras e ProjetosGerenciamento de Obras e Projetos
Gerenciamento de Obras e Projetos
farmacoterapiacpg
 

Destaque (6)

Estudo de caso obra
Estudo de caso   obraEstudo de caso   obra
Estudo de caso obra
 
Gestão de Projetos na Construção Civil
Gestão de Projetos na Construção CivilGestão de Projetos na Construção Civil
Gestão de Projetos na Construção Civil
 
Impactos do planejamento no custo final de uma obra
Impactos do planejamento no custo final de uma obraImpactos do planejamento no custo final de uma obra
Impactos do planejamento no custo final de uma obra
 
Gerenciamento de riscos em projetos de construção civil.
Gerenciamento de riscos em projetos de construção civil.Gerenciamento de riscos em projetos de construção civil.
Gerenciamento de riscos em projetos de construção civil.
 
Projeto de Construção de Casa
Projeto de Construção de CasaProjeto de Construção de Casa
Projeto de Construção de Casa
 
Gerenciamento de Obras e Projetos
Gerenciamento de Obras e ProjetosGerenciamento de Obras e Projetos
Gerenciamento de Obras e Projetos
 

Semelhante a 84 slides gestão logística no canteiro de obra nov 2015

Seminariol
SeminariolSeminariol
Seminariol
PIJOANINHA
 
Lean Construction
Lean ConstructionLean Construction
Lean Construction
CLT Valuebased Services
 
Logística Aula 2
Logística Aula 2Logística Aula 2
Logística Aula 2
robsonnasc
 
Aula 2 cã³pia
Aula 2   cã³piaAula 2   cã³pia
Aula 2 cã³pia
Jordeilson Amaral
 
09 slides curso logística operacional no canteiro de obras out 2015
09 slides  curso  logística  operacional  no  canteiro  de  obras  out 201509 slides  curso  logística  operacional  no  canteiro  de  obras  out 2015
09 slides curso logística operacional no canteiro de obras out 2015
delano chaves gurgel do amaral
 
Contrato Turnkey na Construção de um Centro de Distribuição
Contrato Turnkey na Construção de um Centro de DistribuiçãoContrato Turnkey na Construção de um Centro de Distribuição
Contrato Turnkey na Construção de um Centro de Distribuição
Felipe de Oliveira Santos
 
Pp1 f8 02 - projeto de produtos, serviços e processos
Pp1 f8   02 - projeto de produtos, serviços e processosPp1 f8   02 - projeto de produtos, serviços e processos
Pp1 f8 02 - projeto de produtos, serviços e processos
Luciana C. L. Silva
 
Artigo sobre práticas de gerenciamento de projetos
Artigo sobre práticas de gerenciamento de projetosArtigo sobre práticas de gerenciamento de projetos
Artigo sobre práticas de gerenciamento de projetos
Flávia Pereira MBA,PMP,Prince2,ICYB,CobiT,CSM e CSPO
 
Artigo gp
Artigo gpArtigo gp
TCC_GNICC05_BeloHorizonte_SabrinaSantosMarins
TCC_GNICC05_BeloHorizonte_SabrinaSantosMarinsTCC_GNICC05_BeloHorizonte_SabrinaSantosMarins
TCC_GNICC05_BeloHorizonte_SabrinaSantosMarins
Sabrina Marins
 
Doc31110
Doc31110Doc31110
lc
lclc
Portfolio unopar administração 7º periodo conceito excelente!
Portfolio unopar administração 7º periodo   conceito excelente!Portfolio unopar administração 7º periodo   conceito excelente!
Portfolio unopar administração 7º periodo conceito excelente!
Rogerio Sena
 
Unidade ii.3 estrategias e terceirização
Unidade ii.3 estrategias e terceirizaçãoUnidade ii.3 estrategias e terceirização
Unidade ii.3 estrategias e terceirização
Daniel Moura
 
LOGÍSTICA EM IMPLANTAÇÃO DE OBRA
LOGÍSTICA EM IMPLANTAÇÃO DE OBRALOGÍSTICA EM IMPLANTAÇÃO DE OBRA
LOGÍSTICA EM IMPLANTAÇÃO DE OBRA
Marcelo Oliveira
 
Método de Monte Carlo – elaboração de um modelo em Excel para planejamento fí...
Método de Monte Carlo – elaboração de um modelo em Excel para planejamento fí...Método de Monte Carlo – elaboração de um modelo em Excel para planejamento fí...
Método de Monte Carlo – elaboração de um modelo em Excel para planejamento fí...
Carlos Alberto Alves
 
Análise de Aplicabilidade do Sistema Last Planner em Projeto de Telecomunicaç...
Análise de Aplicabilidade do Sistema Last Planner em Projeto de Telecomunicaç...Análise de Aplicabilidade do Sistema Last Planner em Projeto de Telecomunicaç...
Análise de Aplicabilidade do Sistema Last Planner em Projeto de Telecomunicaç...
Renato Santoro
 
Especialização em Gerenciamento e Execução de Obras Instituto IDD - Seminário...
Especialização em Gerenciamento e Execução de Obras Instituto IDD - Seminário...Especialização em Gerenciamento e Execução de Obras Instituto IDD - Seminário...
Especialização em Gerenciamento e Execução de Obras Instituto IDD - Seminário...
PauloBarbosa595463
 
LOGÍSTICA
LOGÍSTICALOGÍSTICA
Cartilha bdi internet
Cartilha bdi internetCartilha bdi internet
Cartilha bdi internet
Ana Nascimento
 

Semelhante a 84 slides gestão logística no canteiro de obra nov 2015 (20)

Seminariol
SeminariolSeminariol
Seminariol
 
Lean Construction
Lean ConstructionLean Construction
Lean Construction
 
Logística Aula 2
Logística Aula 2Logística Aula 2
Logística Aula 2
 
Aula 2 cã³pia
Aula 2   cã³piaAula 2   cã³pia
Aula 2 cã³pia
 
09 slides curso logística operacional no canteiro de obras out 2015
09 slides  curso  logística  operacional  no  canteiro  de  obras  out 201509 slides  curso  logística  operacional  no  canteiro  de  obras  out 2015
09 slides curso logística operacional no canteiro de obras out 2015
 
Contrato Turnkey na Construção de um Centro de Distribuição
Contrato Turnkey na Construção de um Centro de DistribuiçãoContrato Turnkey na Construção de um Centro de Distribuição
Contrato Turnkey na Construção de um Centro de Distribuição
 
Pp1 f8 02 - projeto de produtos, serviços e processos
Pp1 f8   02 - projeto de produtos, serviços e processosPp1 f8   02 - projeto de produtos, serviços e processos
Pp1 f8 02 - projeto de produtos, serviços e processos
 
Artigo sobre práticas de gerenciamento de projetos
Artigo sobre práticas de gerenciamento de projetosArtigo sobre práticas de gerenciamento de projetos
Artigo sobre práticas de gerenciamento de projetos
 
Artigo gp
Artigo gpArtigo gp
Artigo gp
 
TCC_GNICC05_BeloHorizonte_SabrinaSantosMarins
TCC_GNICC05_BeloHorizonte_SabrinaSantosMarinsTCC_GNICC05_BeloHorizonte_SabrinaSantosMarins
TCC_GNICC05_BeloHorizonte_SabrinaSantosMarins
 
Doc31110
Doc31110Doc31110
Doc31110
 
lc
lclc
lc
 
Portfolio unopar administração 7º periodo conceito excelente!
Portfolio unopar administração 7º periodo   conceito excelente!Portfolio unopar administração 7º periodo   conceito excelente!
Portfolio unopar administração 7º periodo conceito excelente!
 
Unidade ii.3 estrategias e terceirização
Unidade ii.3 estrategias e terceirizaçãoUnidade ii.3 estrategias e terceirização
Unidade ii.3 estrategias e terceirização
 
LOGÍSTICA EM IMPLANTAÇÃO DE OBRA
LOGÍSTICA EM IMPLANTAÇÃO DE OBRALOGÍSTICA EM IMPLANTAÇÃO DE OBRA
LOGÍSTICA EM IMPLANTAÇÃO DE OBRA
 
Método de Monte Carlo – elaboração de um modelo em Excel para planejamento fí...
Método de Monte Carlo – elaboração de um modelo em Excel para planejamento fí...Método de Monte Carlo – elaboração de um modelo em Excel para planejamento fí...
Método de Monte Carlo – elaboração de um modelo em Excel para planejamento fí...
 
Análise de Aplicabilidade do Sistema Last Planner em Projeto de Telecomunicaç...
Análise de Aplicabilidade do Sistema Last Planner em Projeto de Telecomunicaç...Análise de Aplicabilidade do Sistema Last Planner em Projeto de Telecomunicaç...
Análise de Aplicabilidade do Sistema Last Planner em Projeto de Telecomunicaç...
 
Especialização em Gerenciamento e Execução de Obras Instituto IDD - Seminário...
Especialização em Gerenciamento e Execução de Obras Instituto IDD - Seminário...Especialização em Gerenciamento e Execução de Obras Instituto IDD - Seminário...
Especialização em Gerenciamento e Execução de Obras Instituto IDD - Seminário...
 
LOGÍSTICA
LOGÍSTICALOGÍSTICA
LOGÍSTICA
 
Cartilha bdi internet
Cartilha bdi internetCartilha bdi internet
Cartilha bdi internet
 

Mais de delano chaves gurgel do amaral

03 slides apresentação barras access consciousness apresentação1
03 slides  apresentação barras  access consciousness  apresentação103 slides  apresentação barras  access consciousness  apresentação1
03 slides apresentação barras access consciousness apresentação1
delano chaves gurgel do amaral
 
71 slides controladoria e economia parte ii 28 ago 2015
71 slides  controladoria e economia  parte ii  28 ago 201571 slides  controladoria e economia  parte ii  28 ago 2015
71 slides controladoria e economia parte ii 28 ago 2015
delano chaves gurgel do amaral
 
48 slides rh gestão das competências e habilidades dos ativos intangíveis
48 slides  rh gestão das competências e habilidades dos ativos intangíveis48 slides  rh gestão das competências e habilidades dos ativos intangíveis
48 slides rh gestão das competências e habilidades dos ativos intangíveis
delano chaves gurgel do amaral
 
15 slides consultoria e treinamento unilog metodologias
15 slides  consultoria e treinamento unilog metodologias15 slides  consultoria e treinamento unilog metodologias
15 slides consultoria e treinamento unilog metodologias
delano chaves gurgel do amaral
 
18 slides palestra idj gerenciamento de projetos 02 jun 2015
18 slides  palestra idj gerenciamento de projetos  02 jun 201518 slides  palestra idj gerenciamento de projetos  02 jun 2015
18 slides palestra idj gerenciamento de projetos 02 jun 2015
delano chaves gurgel do amaral
 
16 slides logistic supply chain finance 14 mai 2015
16 slides  logistic  supply  chain  finance   14 mai 201516 slides  logistic  supply  chain  finance   14 mai 2015
16 slides logistic supply chain finance 14 mai 2015
delano chaves gurgel do amaral
 
12 slides como desenvolver projeto logístico em dez áreas 13 mai 2015
12 slides  como desenvolver projeto logístico em dez áreas  13 mai 201512 slides  como desenvolver projeto logístico em dez áreas  13 mai 2015
12 slides como desenvolver projeto logístico em dez áreas 13 mai 2015
delano chaves gurgel do amaral
 
07 slids portfólio consultoria unilog 10 abr 2015
07 slids  portfólio consultoria  unilog   10 abr 201507 slids  portfólio consultoria  unilog   10 abr 2015
07 slids portfólio consultoria unilog 10 abr 2015
delano chaves gurgel do amaral
 
20 slides canadá tecnologia portos 05 mai 2015
20 slides  canadá tecnologia portos  05 mai 201520 slides  canadá tecnologia portos  05 mai 2015
20 slides canadá tecnologia portos 05 mai 2015
delano chaves gurgel do amaral
 
32 slides gestão de custos logístico 31 mar 2015
32 slides  gestão de custos logístico  31 mar 201532 slides  gestão de custos logístico  31 mar 2015
32 slides gestão de custos logístico 31 mar 2015
delano chaves gurgel do amaral
 
22 slides cadeia de valor baseada em processo 25 mar 2015
22 slides cadeia  de  valor  baseada  em  processo  25 mar 201522 slides cadeia  de  valor  baseada  em  processo  25 mar 2015
22 slides cadeia de valor baseada em processo 25 mar 2015
delano chaves gurgel do amaral
 
42 slides logística aduaneira e portos secos 30 mar 2015
42 slides  logística  aduaneira e  portos  secos  30 mar 201542 slides  logística  aduaneira e  portos  secos  30 mar 2015
42 slides logística aduaneira e portos secos 30 mar 2015
delano chaves gurgel do amaral
 
26 slides porto seco 24 horas 20 mar 2015
26 slides  porto seco 24 horas  20 mar 201526 slides  porto seco 24 horas  20 mar 2015
26 slides porto seco 24 horas 20 mar 2015
delano chaves gurgel do amaral
 
11 slides como a logística operacional contribui para indústria da construção...
11 slides como a logística operacional contribui para indústria da construção...11 slides como a logística operacional contribui para indústria da construção...
11 slides como a logística operacional contribui para indústria da construção...
delano chaves gurgel do amaral
 
32 slides soluções logísticas no agronegócio do brasil 2015 2025 fev
32  slides  soluções  logísticas  no  agronegócio  do  brasil  2015 2025  fev32  slides  soluções  logísticas  no  agronegócio  do  brasil  2015 2025  fev
32 slides soluções logísticas no agronegócio do brasil 2015 2025 fev
delano chaves gurgel do amaral
 
96 slides tópicos avançados lean manufacturing 16 fev 2015
96 slides  tópicos avançados lean manufacturing  16 fev 201596 slides  tópicos avançados lean manufacturing  16 fev 2015
96 slides tópicos avançados lean manufacturing 16 fev 2015
delano chaves gurgel do amaral
 
36 slides wms 09 fev 2015
36 slides wms  09 fev 201536 slides wms  09 fev 2015
36 slides wms 09 fev 2015
delano chaves gurgel do amaral
 
35 slides ecologística palestra a ecologística gera receita 05 fev 2015
35 slides  ecologística   palestra  a ecologística gera receita  05 fev 201535 slides  ecologística   palestra  a ecologística gera receita  05 fev 2015
35 slides ecologística palestra a ecologística gera receita 05 fev 2015
delano chaves gurgel do amaral
 
22 slides metodologia de projeto logística operacional lean 01 fev2015
22 slides  metodologia  de  projeto  logística operacional lean  01 fev201522 slides  metodologia  de  projeto  logística operacional lean  01 fev2015
22 slides metodologia de projeto logística operacional lean 01 fev2015
delano chaves gurgel do amaral
 
03 slides curso 16 horas gestão do planejamento logístico 09 dez 2014
03 slides curso  16  horas gestão do planejamento logístico 09 dez 201403 slides curso  16  horas gestão do planejamento logístico 09 dez 2014
03 slides curso 16 horas gestão do planejamento logístico 09 dez 2014
delano chaves gurgel do amaral
 

Mais de delano chaves gurgel do amaral (20)

03 slides apresentação barras access consciousness apresentação1
03 slides  apresentação barras  access consciousness  apresentação103 slides  apresentação barras  access consciousness  apresentação1
03 slides apresentação barras access consciousness apresentação1
 
71 slides controladoria e economia parte ii 28 ago 2015
71 slides  controladoria e economia  parte ii  28 ago 201571 slides  controladoria e economia  parte ii  28 ago 2015
71 slides controladoria e economia parte ii 28 ago 2015
 
48 slides rh gestão das competências e habilidades dos ativos intangíveis
48 slides  rh gestão das competências e habilidades dos ativos intangíveis48 slides  rh gestão das competências e habilidades dos ativos intangíveis
48 slides rh gestão das competências e habilidades dos ativos intangíveis
 
15 slides consultoria e treinamento unilog metodologias
15 slides  consultoria e treinamento unilog metodologias15 slides  consultoria e treinamento unilog metodologias
15 slides consultoria e treinamento unilog metodologias
 
18 slides palestra idj gerenciamento de projetos 02 jun 2015
18 slides  palestra idj gerenciamento de projetos  02 jun 201518 slides  palestra idj gerenciamento de projetos  02 jun 2015
18 slides palestra idj gerenciamento de projetos 02 jun 2015
 
16 slides logistic supply chain finance 14 mai 2015
16 slides  logistic  supply  chain  finance   14 mai 201516 slides  logistic  supply  chain  finance   14 mai 2015
16 slides logistic supply chain finance 14 mai 2015
 
12 slides como desenvolver projeto logístico em dez áreas 13 mai 2015
12 slides  como desenvolver projeto logístico em dez áreas  13 mai 201512 slides  como desenvolver projeto logístico em dez áreas  13 mai 2015
12 slides como desenvolver projeto logístico em dez áreas 13 mai 2015
 
07 slids portfólio consultoria unilog 10 abr 2015
07 slids  portfólio consultoria  unilog   10 abr 201507 slids  portfólio consultoria  unilog   10 abr 2015
07 slids portfólio consultoria unilog 10 abr 2015
 
20 slides canadá tecnologia portos 05 mai 2015
20 slides  canadá tecnologia portos  05 mai 201520 slides  canadá tecnologia portos  05 mai 2015
20 slides canadá tecnologia portos 05 mai 2015
 
32 slides gestão de custos logístico 31 mar 2015
32 slides  gestão de custos logístico  31 mar 201532 slides  gestão de custos logístico  31 mar 2015
32 slides gestão de custos logístico 31 mar 2015
 
22 slides cadeia de valor baseada em processo 25 mar 2015
22 slides cadeia  de  valor  baseada  em  processo  25 mar 201522 slides cadeia  de  valor  baseada  em  processo  25 mar 2015
22 slides cadeia de valor baseada em processo 25 mar 2015
 
42 slides logística aduaneira e portos secos 30 mar 2015
42 slides  logística  aduaneira e  portos  secos  30 mar 201542 slides  logística  aduaneira e  portos  secos  30 mar 2015
42 slides logística aduaneira e portos secos 30 mar 2015
 
26 slides porto seco 24 horas 20 mar 2015
26 slides  porto seco 24 horas  20 mar 201526 slides  porto seco 24 horas  20 mar 2015
26 slides porto seco 24 horas 20 mar 2015
 
11 slides como a logística operacional contribui para indústria da construção...
11 slides como a logística operacional contribui para indústria da construção...11 slides como a logística operacional contribui para indústria da construção...
11 slides como a logística operacional contribui para indústria da construção...
 
32 slides soluções logísticas no agronegócio do brasil 2015 2025 fev
32  slides  soluções  logísticas  no  agronegócio  do  brasil  2015 2025  fev32  slides  soluções  logísticas  no  agronegócio  do  brasil  2015 2025  fev
32 slides soluções logísticas no agronegócio do brasil 2015 2025 fev
 
96 slides tópicos avançados lean manufacturing 16 fev 2015
96 slides  tópicos avançados lean manufacturing  16 fev 201596 slides  tópicos avançados lean manufacturing  16 fev 2015
96 slides tópicos avançados lean manufacturing 16 fev 2015
 
36 slides wms 09 fev 2015
36 slides wms  09 fev 201536 slides wms  09 fev 2015
36 slides wms 09 fev 2015
 
35 slides ecologística palestra a ecologística gera receita 05 fev 2015
35 slides  ecologística   palestra  a ecologística gera receita  05 fev 201535 slides  ecologística   palestra  a ecologística gera receita  05 fev 2015
35 slides ecologística palestra a ecologística gera receita 05 fev 2015
 
22 slides metodologia de projeto logística operacional lean 01 fev2015
22 slides  metodologia  de  projeto  logística operacional lean  01 fev201522 slides  metodologia  de  projeto  logística operacional lean  01 fev2015
22 slides metodologia de projeto logística operacional lean 01 fev2015
 
03 slides curso 16 horas gestão do planejamento logístico 09 dez 2014
03 slides curso  16  horas gestão do planejamento logístico 09 dez 201403 slides curso  16  horas gestão do planejamento logístico 09 dez 2014
03 slides curso 16 horas gestão do planejamento logístico 09 dez 2014
 

Último

Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 

84 slides gestão logística no canteiro de obra nov 2015

  • 1. PROF. Ms. DELANO CHAVES 1 GESTÃO LOGÍSTICA NO CANTEIRO DE OBRA PROF. Ms. DELANO GURGEL DO AMARAL NOVEMBRO 2015
  • 2. PROF. Ms. DELANO CHAVES 2
  • 3. OBJETIVOS O objetivo deste curso é apresentar uma conceituação da Logística e da sua contribuição para a construção civil, combinada com um estudo de caso em empresa construtora de médio e grande porte do setor de edificações. O estudo de caso, ao mostrar e discutir como funciona o Processo Logístico da construtora e as interfaces entre a sua estrutura corporativa e os canteiros de obra, é usado para tornar mais claros alguns dos conceitos e confirmar a sua aplicabilidade. Em termos de escopo, consideram-se aspectos de Gestão de custo, prazo, qualidade e segurança do trabalho. PROF. Ms. DELANO CHAVES 3
  • 4. PROF. Ms. DELANO CHAVES 4 Capitalismo Compartilhado
  • 5. PROF. Ms. DELANO CHAVES 5 Modais
  • 7. PROF. Ms. DELANO CHAVES 7
  • 8. PROF. Ms. DELANO CHAVES 8
  • 9. INTERFACE DA LOGÍSTICA COM AS DEMAIS ÁREAS DA EMPRESA EMPRESA INFORMÁTICA Contabilidade Pessoal oControle de Estoque oManifestos oFaturamento oRoteiros FINANÇAS Tesouraria Carteira de Investimento Contabilidade Fiscal oCustos oFluxos de Caixa oEstoques (Giro) oNíveis de Serviços oCanais de Distribuição oEmbalagem MARKETING Pesquisa Portfólio Vendas oSeleção de Modal oDimencionamento de Frota oCustos TRANSPORTE E ARMAZENAGEM Oficina ADM Pessoal LOGÍSTICA
  • 10. INTRODUÇÃO Ao longo dos anos, a maior preocupação dos gestores esteve relacionada aos aspectos técnicos, não dando a devida importância aos desperdícios, prazos e retrabalhos. Os investimentos sempre foram aplicados na área técnica e esquecendo de outras frentes que aparentemente não impulsionavam a produção, por exemplo a Logística. Diante do enorme crescimento do mercado da construção civil, as médias/grandes empresas tentam se modernizar para se manter competitivas no cenário atual do mercado.10
  • 11. INTRODUÇÃO Segundo o conceito da construção enxuta, devemos desenvolver o ciclo da melhoria continua em nossos canteiros, agilizando os processos construtivos e reduzindo os desperdícios, não podendo ser confundido unicamente com redução de custos. Poderá haver momentos que investindo mais em um setor, promoverá a redução de custos em outros, na intenção de melhorar a qualidade de modo que atenda as expectativas finais do cliente. Baseado nos conceitos da construção enxuta, abordaremos o tema de Logística do Canteiro de Obra. PROF. Ms. DELANO CHAVES 11
  • 12. O QUE É LOGISTICA? “Logística é a parte do Gerenciamento da Cadeia de Suprimento que Planeja, Implementa e Controla o fluxo e armazenamento eficiente e econômico de matérias primas, materiais semiacabados e produtos acabados, bem como as informações a eles relativas, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o propósito de atender às exigências dos clientes”. PROF. Ms. DELANO CHAVES 12
  • 13. CENTRO NERVOSO DE UMA ORGANIZAÇÃO  LOGÍSTICA É O: O CONCEITO DE LOGÍSTICA  É a atividade que viabiliza negócios, não apenas por aproximar as partes – os vendedores e os compradores – mas, essencialmente, para reduzir drasticamente custos com materiais e sua movimentação.  A LOGÍSTICA se preocupa em encontrar o caminho mais ágil e econômico para juntar demanda e oferta, permitindo preços acessíveis, dentro dos prazos e dos padrões exigidos pelo cliente. 13
  • 14. O QUE É LOGISTICA? A Logística é dividida em dois tipos de atividades - as principais e as secundárias: Principais: Transportes, Gerenciar os Estoques, Processamento de Pedidos. Secundárias: Armazenagem, Manuseio de materiais, Embalagem, Obtenção / Compras, Programação de produtos e Sistema de Informação. PROF. Ms. DELANO CHAVES 14
  • 15. PROF. Ms. DELANO CHAVES 15 EVOLUÇÃO DA LOGÍSTICA
  • 16. A LOGÍSTICA COMO UM SISTEMA “Trata de todas atividades de movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matéria-prima até o ponto de consumo final, assim como dos fluxos de informação que colocam os produtos em movimento, com o propósito de providenciar níveis de serviço adequados aos clientes a um custo razoável.” 16
  • 17. Logística no Canteiro de Obras Logística de Suprimento Serviço ao Cliente Logística de Produção Logística de Distribuição Logística de Transporte Armazenagem / Estoque Logística Aduaneira Logística Reversa 17
  • 18. O QUE É CONSTRUÇÃO ENXUTA? É uma Filosofia de Trabalho, que assenta na implementação de um conjunto de metodologias, ferramentas, Processos, atividades e ações cooperativas, que permitem reduzir os desperdícios durante a fase de Projeto e execução de uma obra, maximizando, dessa forma, o valor para o cliente final. A Construção Enxuta, conhecida como Lean Construction pretende garantir: Processos corretos; Ferramentas apropriadas; Recursos corretos; …para uma entrega rápida e eficiente! PROF. Ms. DELANO CHAVES 18
  • 19. O QUE É CONSTRUÇÃO ENXUTA? Assim a Construção Enxuta: Reduz Desperdícios; Aumenta a Produtividade durante a Execução de uma Obra; Aumenta a Qualidade da Construção; Flexibiliza os Requisitos; Flexibiliza o Calendário de Execução de Obra; Reduz Custos; Incrementa a Satisfação do Cliente. PROF. Ms. DELANO CHAVES 19
  • 21. PECULIARIDADES DA CONSTRUÇÃO CIVIL  A construção é uma indústria de caráter nômade, com produtos únicos e não seriados.  A produção é centralizada (operários móveis em torno de um produto fixo), ao invés da produção em cadeia (produtos passando por operários fixos), como em outras indústrias;  É uma indústria muito tradicional, com grande inércia às alterações;  Utiliza mão de obra intensiva e pouco qualificada, sendo que o emprego dessas pessoas tem caráter eventual e suas possibilidades de produção são escassas, o que gera baixa motivação no trabalho; PROF. Ms. DELANO CHAVES 21
  • 22. PECULIARIDADES DA CONSTRUÇÃO CIVIL https://www.youtube.com/watch?v=ATGBGiPYbh0 10 min NR 18 A construção, de maneira geral, realiza seus trabalhos a céu aberto; O Produto é único, ou quase único, na vida do cliente final; São empregadas especificações complexas muitas vezes confusas; As responsabilidades são dispersas e pouco definidas dentro da empresa; O grau de precisão com que se trabalha na construção é, em geral, menor do que em outras indústrias, por exemplo, parâmetros relativos a orçamento, prazo e conformidade (cronograma físico / financeiro). PROF. Ms. DELANO CHAVES 22
  • 23. OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA 23
  • 24. OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA Arranjando fisicamente o canteiro de obra (layout) para as “docas”. Introduzindo uma Logística Interna, minimizando as distancias entre os materiais, equipamentos e local de utilização. PROF. Ms. DELANO CHAVES 24
  • 25. OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA Criação de procedimentos de execução de serviços. Implantação do Sistema de Qualidade. Definição de tolerâncias de aceitação de serviços, para liberação para próxima etapa. Fazendo reuniões de Planejamento, para garantir a conclusão da obra no prazo previsto. PROF. Ms. DELANO CHAVES 25
  • 26. OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA Padronizando os Processos de execução de serviços e recebimento de materiais com inspeções no momento do recebimento. Evitando a falha e erro no Planejamento e execução dos serviços, como atraso na conclusão das tarefas programadas. Evitando a superestimação da Produção das equipes de trabalho. PROF. Ms. DELANO CHAVES 26
  • 27. OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA Reduzindo o tempo que envolve o processamento, inspeção, espera e movimentação de uma atividade. Redução das atividades que não Agregam Valores. PROF. Ms. DELANO CHAVES 27
  • 28. OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA Disponibilizando kits de material no local de trabalho. Concentrando os trabalhadores, no mesmo posto de trabalho. PROF. Ms. DELANO CHAVES 28
  • 29. OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA Gerando valor ao produto, possibilitando mudanças rápidas , para satisfazer as exigências do consumidor. Possibilitando a flexibilidade, nas mudanças de lay out dos apartamentos. PROF. Ms. DELANO CHAVES 29
  • 30. OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA Criando um Planejamento adequado, permitindo ao gestor da obra, supervisionar e fiscalizar o andamento dos serviços, coordenando ações Estratégicas para Redução de Custo. Utilizando dispositivos de visualização e comunicação no Canteiro de Obra, como mural para divulgação de indicadores, prazos, metas. Identificando o local de armazenamento de materiais. PROF. Ms. DELANO CHAVES 30
  • 31. OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA Utilizando de parcerias com fornecedores e avaliação dos mesmos. Identificação da Cadeia de Valores do produto, possibilitando uma visão mais ampla do percurso do produto até chegar ao consumidor. Identificação de possíveis desperdícios que venham ocorrer. PROF. Ms. DELANO CHAVES 31
  • 32. OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA Introduzindo os procedimentos de ação corretiva e preventiva, identificando os problemas e suas prováveis causas. PROF. Ms. DELANO CHAVES 32
  • 33. OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA Organizando os Estoques e fluxo de materiais. PROF. Ms. DELANO CHAVES 33
  • 34. OS 11 PRINCÍPIOS DA CONSTRUÇÃO ENXUTA Conhecendo os Processos, para que possam ser melhorados, através do aprendizado de práticas de outras empresas. PROF. Ms. DELANO CHAVES 34
  • 35. OS DESPERDÍCIOS NA FILOSOFIA LEAN PROF. Ms. DELANO CHAVES 35
  • 36. PROF. Ms. DELANO CHAVES 36
  • 37. LOGÍSTICA NA CONSTRUÇÃO ENXUTA A concepção de um Canteiro de Obras é definida, segundo Saurin (1997), como “o Planejamento do layout e da Logística das instalações provisórias, instalações de movimentação e armazenamento de materiais e instalações de segurança”. PROF. Ms. DELANO CHAVES 37
  • 38. LOGÍSTICA NA CONSTRUÇÃO ENXUTA A otimização de um Canteiro de Obras significa setorizar e organizar, espacialmente, a maneira de dispor os materiais, os funcionários, equipamentos e instalações necessárias ao Processo de Produção, objetivando a realização das tarefas diárias, segundo um cronograma físico/financeiro de execução, no menor tempo possível, com a racionalização dos recursos disponíveis, ou seja, recursos materiais (insumos, equipamentos, e ferramentas), e recursos humanos (mão de obra). PROF. Ms. DELANO CHAVES 38
  • 39. LOGÍSTICA NA CONSTRUÇÃO ENXUTA A mentalidade Enxuta (lean thinking), em Canteiros de Obra, possibilita criar um ambiente ideal para o recebimento, transporte e armazenagem dos insumos, numa obra de edificações, bem como no processamento inicial de corte e montagem das matérias primas, além de auxiliar na concepção do layout dos Canteiros, de forma a minimizar a adoção de critérios subjetivos, para a disposição física dos setores, tornando o Processo mais ágil, sistemático, criterioso e de menor custo. 39
  • 41. MEIO AMBIENTE NO CANTEIRO DE OBRA Essa categoria é composta pelos indicadores ambientais que permitem identificar e mensurar todos os impactos das atividades relacionadas à obra, deixando-a dentro dos parâmetros legais. Uma obra que cause um impacto baixo terá pouca geração de resíduos, alto aproveitamento de materiais e pouco desperdício. O incentivo da reciclagem de materiais também pode ser uma ferramenta útil para companhias que procuram melhorar a sua gestão de recursos. PROF. Ms. DELANO CHAVES 41
  • 42. LAYOUT DO CANTEIRO DE OBRAS: ISSO FAZ MESMO DIFERENÇA? • Não tenha dúvida de que a resposta a essa pergunta é positiva. O arranjo correto no canteiro de obras é tão importante que deve ser a primeira coisa a ser pensada, antes mesmo da própria obra! • Layout nada mais é que a disposição física de pessoas, equipamentos e materiais de maneira mais eficiente possível, um Mapa de Trabalho preciso que possibilita reduzir ao mínimo os movimentos dos trabalhadores. • Dessa forma, eles gastam o mínimo de tempo possível em deslocamentos para buscar materiais ou usar equipamentos (reduzindo seu nível de estafa e aumentando sua produtividade). PROF. Ms. DELANO CHAVES 42
  • 43. COLOCANDO EM PRÁTICA PROF. Ms. DELANO CHAVES 43 http://www.mobus sconstrucao.com.br /category/case-de- sucesso/  ESTUDO DE CASO  UTILIZAR ESPAÇO PÚBLICO PELO CANTEIRO DE OBRA PODE SER CONSIDERADO LEGAL? É AMBIENTALMENTE CORRETO?  COMO SE PODE MENSURAR OS IMPACTOS AMBIENTAIS DAS ATIVIDADES RELACIONADAS À OBRA UTILIZANDO ESPAÇO PÚBLICO?
  • 44. CASO PRÁTICO Imagine que os sacos de cimento fiquem armazenados em um determinado ponto da obra, distante da área de trabalho e no lado oposto ao das betoneiras. A areia está alocada em outro local, distante do cimento, das mangueiras e também desconectada das betoneiras. O resultado dessa péssima Logística no controle de processos é que as empilhadeiras darão um “passeio” maior pelo canteiro (fluxo de serviços mais longo e descontínuo). Se tudo estivesse agregado, se essa junção tivesse sido previamente pensada, muito menos tempo seria ocupado e a exposição dos materiais seria bem menor. Perceba que trazer resultados para sua obra não exige grandes investimentos. Exige foco nos detalhes. 44
  • 45. Necessidade e possibilidade de se Desenhar o Processo do Planejamento Estratégico 1º Estágio Análise Interna Análise Externa (pontos fortes, pontos fracos) (oportunidades e ameaças) Análise Interna SWOT Análise Externa (pontos fortes, pontos fracos) (oportunidades e ameaças) Definição de Objetivos e Metas Formulação de Estratégias Alternativas Estabelecimentos de Critérios Seleção de Estratégias 2º Estágio Implantação da Estratégia Execução do Plano Estratégico Avaliação e Controle STRENGTHS – Forças WEAKNESSES – Fraquezas OPPORTUNITIES – THREATS – Ameaças
  • 46. PLANEJAMENTO • Devemos avaliar os caminhos e criar um referencial futuro, para alcançarmos, da melhor maneira possível, os objetivos pré- definidos. PROF. Ms. DELANO CHAVES 46
  • 48. CANTEIRO DE OBRAS PROF. Ms. DELANO CHAVES 48
  • 49. RACIONALIZAÇÃO DOS MATERIAIS PROF. Ms. DELANO CHAVES 49
  • 50. CONTROLE DE ESTOQUE PROF. Ms. DELANO CHAVES 50
  • 51. PROJETOS OTIMIZADOS – DOCAS NO CANTERIO DE OBRA PROF. Ms. DELANO CHAVES 51
  • 52. PROJETOS OTIMIZADOS PROF. Ms. DELANO CHAVES 52
  • 53. GERENCIANDO O EMPREENDIMENTO Como gerenciar tanta informação? Como não perder o controle da obra? PROF. Ms. DELANO CHAVES 53
  • 54. GESTÃO VIRTUAL PROF. Ms. DELANO CHAVES 54
  • 55. A N D O N PROF. Ms. DELANO CHAVES 55
  • 56. ANDON PROF. Ms. DELANO CHAVES 56 A N D O N
  • 57. HEIJUNKA BOX PROF. Ms. DELANO CHAVES 57
  • 58. KIT’S DE MATERIAIS PROF. Ms. DELANO CHAVES 58
  • 59. QUADRO DE INFORMAÇÕES PROF. Ms. DELANO CHAVES 59
  • 60. RASTREAMENTO DAS EQUIPES PROF. Ms. DELANO CHAVES 60
  • 61. EXECUÇÃO DOS SERVÇOS PROF. Ms. DELANO CHAVES 61
  • 62. LOGÍSTICA https://www.youtube.com/watch?v=SY86LgHjf5Y 10 min Temos que raciocinar de acordo com o tipo de serviços e nos Planejarmos para tal. Nos slides a seguir alguns exemplos de Planejamento e da Logística de fachadas dos edifícios. PROF. Ms. DELANO CHAVES 62
  • 64. COMPARATIVO JIC X JIT PROF. Ms. DELANO CHAVES 64
  • 65. LIMPEZA DO AMBIENTE PROF. Ms. DELANO CHAVES 65
  • 66. INDICADORES À VISTA PROF. Ms. DELANO CHAVES 66
  • 67. GANHO MÉDIO DAS EMPRESAS PROF. Ms. DELANO CHAVES 67
  • 68. RESULTADOS OBTIDOS NOS EXEMPLOS PROF. Ms. DELANO CHAVES 68
  • 69. RESULTADOS OBTIDOS NOS EXEMPLOS PROF. Ms. DELANO CHAVES 69 RESULTADOS OBTIDOS NOS EXEMPLOS
  • 70. RESULTADOS OBTIDOS NO EXEMPLO PROF. Ms. DELANO CHAVES 70 RESULTADOS OBTIDOS NO EXEMPLO
  • 71. RESULTADOS OBTIDOS NO EXEMPLO PROF. Ms. DELANO CHAVES 71 RESULTADOS OBTIDOS NOS EXEMPLOS
  • 72. RESULTADOS OBTIDOS NO EXEMPLO PROF. Ms. DELANO CHAVES 72 RESULTADOS OBTIDOS NOS EXEMPLOS
  • 73. RESULTADOS OBTIDOS NO EXEMPLO PROF. Ms. DELANO CHAVES 73 RESULTADOS OBTIDOS NOS EXEMPLOS
  • 74. CONSTRUÇÃO ENXUTA PROF. Ms. DELANO CHAVES 74
  • 75. CONSTRUÇÃO ENXUTA PROF. Ms. DELANO CHAVES 75 CONSTRUÇÃO ENXUTA
  • 76. A IMPLEMENTAÇÃO É UM PROCESSO FÁCIL? PROF. Ms. DELANO CHAVES 76
  • 77. PROF. Ms. DELANO CHAVES 77
  • 78. CONCEITO ÚTIL PROF. Ms. DELANO CHAVES 78
  • 79. PROF. Ms. DELANO CHAVES 79
  • 80. CONCLUSÃO Pouco adianta investir apenas nos Processos de Produção na Construção Civil, deve-se investir também no Sistema de Gestão, através da utilização de um novo modelo de Gestão baseado em aspectos organizacionais modernos e numa Logística eficiente onde se procure aperfeiçoar os fluxos físicos e das informações, levando em consideração as atividades essenciais para o seu desenvolvimento. PROF. Ms. DELANO CHAVES 80
  • 81. CONCLUSÃO As evidências coletadas de melhorias no Processo de Produção são analisadas abrangendo cada um dos onze princípios da Lean Construction. Conclui-se, ainda, que é um grande desafio a utilização da nova Filosofia de Produção. Nesse sentido, é preciso fazer uma mudança de paradigma atual da Construção, baseado nos princípios da Produção no antigo modelo de conversões, que quando comparados as novas Filosofias de Produção emergentes, como a Construção Enxuta, apresentam-se ineficientes e incapazes de gerar melhorias nos fluxos. PROF. Ms. DELANO CHAVES 81
  • 82. CONCLUSÃO Um fator relevante, para a implantação das diretrizes propostas, depende tanto de características comportamentais e organizacionais das empresas, quanto de características conjuntas da obra. Aspectos como o comprometimento da alta Gerência, a priorização das necessidades da obra e o Treinamento dos funcionários, revelam-se essenciais ao sucesso na implantação dos princípios da Construção Enxuta. PROF. Ms. DELANO CHAVES 82
  • 83. BIBLIOGRAFIA • BALLOU, R. H. Logística empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição física. Trad. Hugo Yoshzaki. São Paulo: Atlas, 1993, 390 p. • BALLOU, R. H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos: planejamento, organização e logística empresarial. Porto Alegre: Ed. Bookman, 2001. • CHRISTOPHER, M. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimento: estratégia para redução de custos e melhoria dos serviços. São Paulo: Pioneira, 1999, 240 p. • CORRÊA, H. L ; GIANESI, I. C. N. Just-ln-Tíme, MRP, OPT: um enfoque estratégico. São Paulo: Atlas, 1993, 186 p. • COUTINHO, L.; FERRAZ, J. C. et al. Estudo da competitividade da indústria brasileira. São Paulo: Editora Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 1994. • FABRÍCIO, M. M.; MELHADO, S. B. Gestão integrada do desenvolvimento de produto na construção de edifícios. In: Simpósio Brasileiro de Gestão e Economia da Construção - SIBRAGEC, 3, 2003, São Carlos. Anais SIBRAGEC/UFSCar, 2003, p.10. • FARAH, M. F. S. Tecnologia, processo de trabalho e construção habitacional. São Paulo: Tese de Doutorado. Departamento de Ciências Sociais da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP, 1992, 296 p. • FERREIRA, E. A. M. Metodologia para elaboração do projeto do canteiro de obras de edifício. São Paulo, 1998. Tese (Doutorado) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, 338 p. Disponível em: chttp://vvww.publicacoes.pcc.usp.br/PDF/BT263.pdf >. Acesso em: 13 mar. 2003. • VIEIRA, Hélio Flavio. Logística aplicada à construção civil : como melhorar o fluxo de produção nas obras— São Paulo : Editora Pini, 2006. PROF. Ms. DELANO CHAVES 83
  • 84. “A Inteligência é a Simplificação para Resiliência” PROF. Ms. DELANO GURGEL DO AMARAL delaneychaves@gmail.com http://delanoy.blogspot.com.br http://pt.slideshare.net/delanochavesgurgelamaral 85 98696-0237 ou 85 3879-0222 PROF. Ms. DELANO CHAVES 84