SlideShare uma empresa Scribd logo
NORMALIZAÇÃO BIM
Especificação do Nível de Desenvolvimento e
Modelação por Objetivos
2015/2016MIEC
João Pedro Costa Oliveira
- Julho de 2016 -
1
COLABORAÇÃO
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
Organização
 Introdução
 Contextualização
 Enquadramento / Motivação
 Objetivos
 Desenvolvimento
 Normalização existente
 Estrutura
 Desenvolvimento Colaborativo
 Resultados
 Matriz de Definição BIM PT
 Participação Pública
 Conclusões
 Resultados do Trabalho
 Desenvolvimentos Futuros
2
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
Contextualização
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
3
CEN/TC 442
Ineficiência
do
Sector AEC
BIM
como
Solução
Aumento da
Utilização
Normalização
Sincronização
de
Métodos
Necessidadede…
SC4
ModelaçãoeObjetosBIM
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
Enquadramento / Motivação
O estudo da interoperabilidade é um tema de vasta
abrangência, o qual é possível dividir em três principais
campos de atuação:
 Interoperabilidade entre aplicações;
 Interoperabilidade entre diferentes intervenientes e
especialidades;
 Interoperabilidade entre pessoas com níveis de
formação e/ou conhecimento da área bastante
distintos.
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
4
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
Enquadramento / Motivação
O estudo da interoperabilidade é um tema de vasta
abrangência, o qual é possível dividir em três principais
campos de atuação:
 Interoperabilidade entre aplicações;
 Interoperabilidade entre diferentes intervenientes e
especialidades;
 Interoperabilidade entre pessoas com níveis de
formação e/ou conhecimento da área bastante
distintos.
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
5
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
Objetivos
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
6
 Desenvolver um documento organizado de acordo com a estrutura de um sistema de classificação
internacional ou nele inspirado.
 Definir, para cada serviço, o nível de detalhe geométrico de cada objeto e as propriedades não
geométricas a incluir de acordo com os objetivos do modelo e a fase do ciclo de vida do empreendimento.
 Relacionar cada um dos níveis de desenvolvimento com a utilização última do modelo, contribuindo para
uma modelação racional e por objetivos.
 Validar a matriz segundo os standards de interoperabilidade internacionais, nomeadamente os ficheiros
IFC extraídos de softwares autoritários.
 Tecer considerações sobre o melhor processo de implementação de iniciativas de normalização BIM,
nomeadamente ao nível da metodologia de difusão escolhida.
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
Organização
 Introdução
 Contextualização
 Enquadramento / Motivação
 Objetivos
 Desenvolvimento
 Normalização existente
 Estrutura
 Desenvolvimento Colaborativo
 Resultados
 Matriz de Definição BIM PT
 Participação Pública
 Conclusões
 Resultados do Trabalho
 Desenvolvimentos Futuros
7
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
Normalização Existente
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
8
 BIMForum LOD Specification 2015
 NATSPEC BIM National Guide
 BIM Object/Element Matrix
 NBS BIM Object Standard
 NBS BIM Toolkit
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
Normalização Existente: [1] Benefícios
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
9
 Descrição transparente dos conteúdos incluídos no
modelo;
 Definição dos LOD pretendido em cada etapa do
processo;
 Garantia, a jusante, da fiabilidade da informação
produzida a montante.
 Padrão para referência em contratos e BEPs.
 Normalização dos objetos BIM, transversal a toda a
indústria.
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
Normalização Existente: Limitações
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
10
 Processo extensivo e demorado;
 Exige conhecimento aprofundado dos intervenientes sobre
todos os elementos e a sua relação com o BIM;
 Definições cumulativas, resultando frequentemente, em
modelação excessiva e consequentemente em modelos
pesados;
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
Estrutura
Caracterização do Modelo
Fase
do
Ciclo de vida
Objetivos
do
Modelo
Documento Estruturado e
pronto para impressão.
Modelação adequada à
fase do projeto.
Informação necessária aos
objetivos definidos.
Sistema de Classificação
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
11
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
Estrutura
Caracterização do Modelo
Fase
do
Ciclo de vida
Objetivos
do
Modelo
Documento Estruturado e
pronto para impressão.
Modelação adequada à
fase do projeto.
Informação necessária aos
objetivos definidos.
Sistema de Classificação
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
12
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
Desenvolvimento Colaborativo
Discussão Pública
Ronda (n)
DiscussãoPública
Fase01
Lista de Especialidades
Lista de Objetivos por Especialidade
Lista de Elementos/Sistemas Construtivos
por Especialidade
DiscussãoPública
Fase02
Caracterização Geométrica dos
Elementos/Sistemas Listados
Caracterização da Informação dos
Elementos/Sistemas Listados
Discussão Pública
Ronda (n+1)
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
13
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
Organização
 Introdução
 Contextualização
 Enquadramento / Motivação
 Objetivos
 Desenvolvimento
 Normalização existente
 Estrutura
 Desenvolvimento Colaborativo
 Resultados
 Matriz de Definição BIM PT
 Participação Pública
 Conclusões
 Resultados do Trabalho
 Desenvolvimentos Futuros
14
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
Matriz de Definição BIM PT
2
3
1
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
15
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
Resultados da Participação Pública
 Número de Inscritos nas Sessões de
Esclarecimento 3,1 vezes superior ao número de
membros da CT197.
 Taxa de Presenças Estimada entre 70 – 75 [%].
 43% dos inscritos nas Sessões de
Esclarecimento, deram seguimento aos
trabalhos, inscrevendo-se no processo de
Discussão Pública.
 19% participaram dos inscritos ativamente na
produção dos documentos
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
16
42
131
56
25
Nº DE PARTICIPANTES
Membros de Plenário da CT197 *
Inscrição nas Sessões de Esclarecimento
Inscrição no Processo de Discussão Pública
Envolvimento Efetivo na Discussão Pública
* Fonte: ct197.pt
[~57% Empresas/Profissionais]
[86% Empresas/Profissionais]
[~100% Empresas/Profissionais]
[~100% Empresas/Profissionais]
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
Organização
 Introdução
 Contextualização
 Enquadramento / Motivação
 Objetivos
 Desenvolvimento
 Normalização existente
 Estrutura
 Desenvolvimento Colaborativo
 Resultados
 Matriz de Definição BIM PT
 Participação Pública
 Conclusões
 Resultados do Trabalho
 Desenvolvimentos Futuros
17
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
Conclusões
Constatou-se que a Matriz de Definição BIM PT promove as vantagens e colmata as
desvantagens identificadas em documentos internacionais de cariz semelhante,
permitindo:
 Descrição transparente dos conteúdos a incluir no modelo;
 Garantia de fiabilidade a jusante, perante a informação produzida a
montante;
 Utilização simples e célere, sem que seja fundamental a compreensão de
conhecimentos técnicos afetos a todas as áreas envolvidas;
 Racionalização dos processos de modelação, através da especificação de
necessidades em função dos objetivos definidos para o modelo.
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
18
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
19
Resultados do Trabalho [1]
 A normalização, através da uniformização de processos, assume
protagonismo na elevação do nível de maturidade da tecnologia
BIM.
 A criação de instrumentos padronizados que permitam a
caracterização das exigências pretendidas para o modelo apresenta-
se essencial à garantia da completa interoperabilidade e
integração de todos os agentes. Possibilitando não só a clarificação
das necessidades do requerente como igualmente o seu emprego na
referenciação e proteção legal.
 As variáveis IFC definidas são, até ao momento, insuficientes para o
alojamento de todas as propriedades necessárias aos elementos
construtivos.
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
20
Resultados do Trabalho [2]
 O sucesso de iniciativas no âmbito da normalização encontra-
se subordinado ao nível de aceitação por parte da
comunidade técnica envolvida, consequência da congruência
com os costumes correntes e estratégias definidas para o
sector. Com efeito, a adoção de processos de
desenvolvimento colaborativo é facilmente aceite pelos
envolvidos.
 Os agentes do sector AEC nacional apresentam abertura
perante a ideia de que o BIM dispõe das características
necessárias para o aumento de eficiência do sector. Como tal,
manifestam vontade de participação na produção de
documentos que regulamentem a sua utilização.
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
21
Resultados do Trabalho [3]
 O principal entrave ao desenvolvimento de iniciativas
de carácter colaborativo, do tipo Bottom-Up ou
Middle-Out prende-se com os problemas de
cooperação inerentes ao sector AEC que se
traduzem em taxas de participação efetiva reduzidas.
 As medidas de fomento à utilização de tecnologias
BIM, designadamente a nível governamental
(iniciativas Top-Down), assumem-se cruciais na
agilização da evolução da sua implementação e
consequente desenvolvimento.
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
NORMALIZAÇÃO BIM
ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS
JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA
22
Desenvolvimentos Futuros
 Dinamização de novas iterações da discussão pública;
 Introdução da definição da evolução das exigências segundo as fases de
ciclo de vida de empreendimentos;
 Acompanhar os trabalhos da Subcomissão 2 para as Trocas e Requisitos de
Informação da CT 197.
 Seguir a evolução de standards internacionais em torno da normalização
de objetos;
 Conceber uma proposta estruturada contendo as propriedades propostas
sem correspondência perante as variáveis IFC existentes.
 Desenvolvimento de extensões para softwares de modelação;
ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
NORMALIZAÇÃO BIM
Especificação do Nível de Desenvolvimento e
Modelação por Objetivos
2015/2016MIEC
João Pedro Costa Oliveira
- Julho de 2016 -
23
COLABORAÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão por processos
Gestão por processosGestão por processos
Gestão por processos
toni984
 
Tabela do CST e CSOSN - ICMS
Tabela do CST e CSOSN - ICMSTabela do CST e CSOSN - ICMS
Tabela do CST e CSOSN - ICMS
Fernando Oliveira
 
Estrutura Organizacional - Conceito e Tipos
Estrutura Organizacional - Conceito e TiposEstrutura Organizacional - Conceito e Tipos
Estrutura Organizacional - Conceito e Tipos
Matheus Inácio
 
Teoria Burocrática
Teoria BurocráticaTeoria Burocrática
Teoria Burocrática
admetz01
 
Desenvolvimento Organizacional
Desenvolvimento OrganizacionalDesenvolvimento Organizacional
Desenvolvimento Organizacional
Aldo Pereira Costa
 

Mais procurados (20)

Aula 2 estrutura organizacional
Aula 2   estrutura organizacionalAula 2   estrutura organizacional
Aula 2 estrutura organizacional
 
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
Prof Ricardo Bulgari - Slides Curso Contabilidade Pública PARTE 1
 
Gestão por processos
Gestão por processosGestão por processos
Gestão por processos
 
Noções de Arquivologia
Noções de ArquivologiaNoções de Arquivologia
Noções de Arquivologia
 
Tabela do CST e CSOSN - ICMS
Tabela do CST e CSOSN - ICMSTabela do CST e CSOSN - ICMS
Tabela do CST e CSOSN - ICMS
 
Elaboração de Organograma e Estruturação Organizacional
Elaboração de Organograma e Estruturação OrganizacionalElaboração de Organograma e Estruturação Organizacional
Elaboração de Organograma e Estruturação Organizacional
 
Organograma 2012_01
Organograma 2012_01Organograma 2012_01
Organograma 2012_01
 
07. Teoria Neoclássica
07. Teoria Neoclássica07. Teoria Neoclássica
07. Teoria Neoclássica
 
Aula 1 planejamento estratégico
Aula 1   planejamento estratégicoAula 1   planejamento estratégico
Aula 1 planejamento estratégico
 
Estrutura Organizacional - Conceito e Tipos
Estrutura Organizacional - Conceito e TiposEstrutura Organizacional - Conceito e Tipos
Estrutura Organizacional - Conceito e Tipos
 
Lean Principios
Lean PrincipiosLean Principios
Lean Principios
 
Custos padrão e meta grupo 5
Custos padrão e meta   grupo 5Custos padrão e meta   grupo 5
Custos padrão e meta grupo 5
 
Teoria Burocrática
Teoria BurocráticaTeoria Burocrática
Teoria Burocrática
 
Contabilidade internacional
Contabilidade internacionalContabilidade internacional
Contabilidade internacional
 
Desenvolvimento Organizacional
Desenvolvimento OrganizacionalDesenvolvimento Organizacional
Desenvolvimento Organizacional
 
Capítulo 1 contextualizando pequenas e médias empresas
Capítulo 1   contextualizando pequenas e médias empresasCapítulo 1   contextualizando pequenas e médias empresas
Capítulo 1 contextualizando pequenas e médias empresas
 
ERP.pptx
ERP.pptxERP.pptx
ERP.pptx
 
Teoria burocrática
Teoria burocráticaTeoria burocrática
Teoria burocrática
 
Aula 2 TO - Abordagem Clássica da Administração
Aula 2   TO - Abordagem Clássica da AdministraçãoAula 2   TO - Abordagem Clássica da Administração
Aula 2 TO - Abordagem Clássica da Administração
 
Henri Fayol - Apresentação
Henri Fayol - ApresentaçãoHenri Fayol - Apresentação
Henri Fayol - Apresentação
 

Destaque

Destaque (11)

Sessão Introdução ao BIM: Eng. Sergio Pinho
Sessão Introdução ao BIM: Eng. Sergio PinhoSessão Introdução ao BIM: Eng. Sergio Pinho
Sessão Introdução ao BIM: Eng. Sergio Pinho
 
Sessão Introdução ao BIM: Eng. José Carlos Lino
Sessão Introdução ao BIM: Eng. José Carlos LinoSessão Introdução ao BIM: Eng. José Carlos Lino
Sessão Introdução ao BIM: Eng. José Carlos Lino
 
Aplicações BIM - Building Information Modeling - Wladmir Araujo
Aplicações BIM - Building Information Modeling - Wladmir AraujoAplicações BIM - Building Information Modeling - Wladmir Araujo
Aplicações BIM - Building Information Modeling - Wladmir Araujo
 
Apresentação da Construção Civil & BIM aos Aspirantes para Construção Civil
Apresentação da Construção Civil & BIM aos Aspirantes para Construção CivilApresentação da Construção Civil & BIM aos Aspirantes para Construção Civil
Apresentação da Construção Civil & BIM aos Aspirantes para Construção Civil
 
Caderno de Apresentacao de Projetos BIM
Caderno de Apresentacao de Projetos BIMCaderno de Apresentacao de Projetos BIM
Caderno de Apresentacao de Projetos BIM
 
Apresentanção de Monografia - Tecnologia BIM na Construção Civil
Apresentanção de Monografia - Tecnologia BIM na Construção CivilApresentanção de Monografia - Tecnologia BIM na Construção Civil
Apresentanção de Monografia - Tecnologia BIM na Construção Civil
 
Palestra BIM_UNIGRANRIO 2013
Palestra BIM_UNIGRANRIO 2013Palestra BIM_UNIGRANRIO 2013
Palestra BIM_UNIGRANRIO 2013
 
Coordenacao de Projetos com BIM - Palestra PINI Abril 2014
Coordenacao de Projetos com BIM - Palestra PINI Abril 2014Coordenacao de Projetos com BIM - Palestra PINI Abril 2014
Coordenacao de Projetos com BIM - Palestra PINI Abril 2014
 
Bim Presentation
Bim PresentationBim Presentation
Bim Presentation
 
Revit and Building Information Modeling (BIM) Presentation
Revit and Building Information Modeling (BIM) PresentationRevit and Building Information Modeling (BIM) Presentation
Revit and Building Information Modeling (BIM) Presentation
 
Building Information Modeling (BIM)
Building Information Modeling (BIM)Building Information Modeling (BIM)
Building Information Modeling (BIM)
 

Semelhante a Normalização BIM Especificação do Nível de Desenvolvimento e Modelação por Objetivos

Guia_Bim_AsBEA_Fasciculo_2.pdf
Guia_Bim_AsBEA_Fasciculo_2.pdfGuia_Bim_AsBEA_Fasciculo_2.pdf
Guia_Bim_AsBEA_Fasciculo_2.pdf
cesarcarlos20
 
relatorio_mapeamento_de_maturidade_bim_brasil.pdf
relatorio_mapeamento_de_maturidade_bim_brasil.pdfrelatorio_mapeamento_de_maturidade_bim_brasil.pdf
relatorio_mapeamento_de_maturidade_bim_brasil.pdf
ssuserf9dc88
 
Slides - Gestão de Projetos Atuliazação PMBoK 7 Edição.pdf
Slides - Gestão de Projetos Atuliazação PMBoK 7 Edição.pdfSlides - Gestão de Projetos Atuliazação PMBoK 7 Edição.pdf
Slides - Gestão de Projetos Atuliazação PMBoK 7 Edição.pdf
Jairo Garcia
 
Análise Estatística do Estado de Implementação da Tecnologia BIM no Setor da ...
Análise Estatística do Estado de Implementação da Tecnologia BIM no Setor da ...Análise Estatística do Estado de Implementação da Tecnologia BIM no Setor da ...
Análise Estatística do Estado de Implementação da Tecnologia BIM no Setor da ...
João Poças Martins
 
Curso preparatorio para a certificacao COBIT 4.1 Foundation
Curso preparatorio para a certificacao COBIT 4.1 Foundation Curso preparatorio para a certificacao COBIT 4.1 Foundation
Curso preparatorio para a certificacao COBIT 4.1 Foundation
Grupo Treinar
 
Análise da Maturidade dos Processos de Negócio do CPD da UFS através do Estud...
Análise da Maturidade dos Processos de Negócio do CPD da UFS através do Estud...Análise da Maturidade dos Processos de Negócio do CPD da UFS através do Estud...
Análise da Maturidade dos Processos de Negócio do CPD da UFS através do Estud...
Kharylim Machado Sea
 

Semelhante a Normalização BIM Especificação do Nível de Desenvolvimento e Modelação por Objetivos (20)

GTI - Aula 09.pdf
GTI - Aula 09.pdfGTI - Aula 09.pdf
GTI - Aula 09.pdf
 
Guia_Bim_AsBEA_Fasciculo_2.pdf
Guia_Bim_AsBEA_Fasciculo_2.pdfGuia_Bim_AsBEA_Fasciculo_2.pdf
Guia_Bim_AsBEA_Fasciculo_2.pdf
 
Gestão de Operações
Gestão de OperaçõesGestão de Operações
Gestão de Operações
 
relatorio_mapeamento_de_maturidade_bim_brasil.pdf
relatorio_mapeamento_de_maturidade_bim_brasil.pdfrelatorio_mapeamento_de_maturidade_bim_brasil.pdf
relatorio_mapeamento_de_maturidade_bim_brasil.pdf
 
Slides - Gestão de Projetos Atuliazação PMBoK 7 Edição.pdf
Slides - Gestão de Projetos Atuliazação PMBoK 7 Edição.pdfSlides - Gestão de Projetos Atuliazação PMBoK 7 Edição.pdf
Slides - Gestão de Projetos Atuliazação PMBoK 7 Edição.pdf
 
P3
P3P3
P3
 
Análise Estatística do Estado de Implementação da Tecnologia BIM no Setor da ...
Análise Estatística do Estado de Implementação da Tecnologia BIM no Setor da ...Análise Estatística do Estado de Implementação da Tecnologia BIM no Setor da ...
Análise Estatística do Estado de Implementação da Tecnologia BIM no Setor da ...
 
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
 
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
 
Relatorio bim brasil_e_uniao_europeia
Relatorio bim brasil_e_uniao_europeiaRelatorio bim brasil_e_uniao_europeia
Relatorio bim brasil_e_uniao_europeia
 
Gestão de Projetos
Gestão de ProjetosGestão de Projetos
Gestão de Projetos
 
LIVRETO ESTRATÉGIA BIM-BR-2.pdf
LIVRETO ESTRATÉGIA BIM-BR-2.pdfLIVRETO ESTRATÉGIA BIM-BR-2.pdf
LIVRETO ESTRATÉGIA BIM-BR-2.pdf
 
Guia de implementação e quantificação em BIM
Guia de implementação e quantificação em BIMGuia de implementação e quantificação em BIM
Guia de implementação e quantificação em BIM
 
Curso preparatorio para a certificacao COBIT 4.1 Foundation
Curso preparatorio para a certificacao COBIT 4.1 Foundation Curso preparatorio para a certificacao COBIT 4.1 Foundation
Curso preparatorio para a certificacao COBIT 4.1 Foundation
 
Goal-Driven Software Process
Goal-Driven Software ProcessGoal-Driven Software Process
Goal-Driven Software Process
 
Plano de execução de TI
Plano de execução de TIPlano de execução de TI
Plano de execução de TI
 
Análise da Maturidade dos Processos de Negócio do CPD da UFS através do Estud...
Análise da Maturidade dos Processos de Negócio do CPD da UFS através do Estud...Análise da Maturidade dos Processos de Negócio do CPD da UFS através do Estud...
Análise da Maturidade dos Processos de Negócio do CPD da UFS através do Estud...
 
BIM_processos - guia 01.pdf
BIM_processos - guia 01.pdfBIM_processos - guia 01.pdf
BIM_processos - guia 01.pdf
 
Apresentação BIM.pdf
Apresentação BIM.pdfApresentação BIM.pdf
Apresentação BIM.pdf
 
FDWS - Apresentação Projeto Final de Curso
FDWS - Apresentação Projeto Final de CursoFDWS - Apresentação Projeto Final de Curso
FDWS - Apresentação Projeto Final de Curso
 

Mais de João Poças Martins

Mais de João Poças Martins (8)

Virtual Reality in the architecture, engineering and construction industry: P...
Virtual Reality in the architecture, engineering and construction industry: P...Virtual Reality in the architecture, engineering and construction industry: P...
Virtual Reality in the architecture, engineering and construction industry: P...
 
Desenvolvimento de processos de interação entre tecnologia BIM e equipamentos...
Desenvolvimento de processos de interação entre tecnologia BIM e equipamentos...Desenvolvimento de processos de interação entre tecnologia BIM e equipamentos...
Desenvolvimento de processos de interação entre tecnologia BIM e equipamentos...
 
Apresentacao mjoao
Apresentacao mjoaoApresentacao mjoao
Apresentacao mjoao
 
Utilização de Modelos BIM para a Verificação Automática de Projetos - Plano d...
Utilização de Modelos BIM para a Verificação Automática de Projetos - Plano d...Utilização de Modelos BIM para a Verificação Automática de Projetos - Plano d...
Utilização de Modelos BIM para a Verificação Automática de Projetos - Plano d...
 
Aplicação da metodologia BIM na gestão de edifícios
Aplicação da metodologia BIM na gestão de edifíciosAplicação da metodologia BIM na gestão de edifícios
Aplicação da metodologia BIM na gestão de edifícios
 
Apresentação dissertação Alexandre Fontes FEUP
Apresentação dissertação Alexandre Fontes FEUPApresentação dissertação Alexandre Fontes FEUP
Apresentação dissertação Alexandre Fontes FEUP
 
João Calheiros. Tese de Mestrado. FEUP 2014. BIM, Modelação Paramétrica, Rhin...
João Calheiros. Tese de Mestrado. FEUP 2014. BIM, Modelação Paramétrica, Rhin...João Calheiros. Tese de Mestrado. FEUP 2014. BIM, Modelação Paramétrica, Rhin...
João Calheiros. Tese de Mestrado. FEUP 2014. BIM, Modelação Paramétrica, Rhin...
 
Princípios para o Desenvolvimento de Projetos com Recurso a Ferramentas BIM. ...
Princípios para o Desenvolvimento de Projetos com Recurso a Ferramentas BIM. ...Princípios para o Desenvolvimento de Projetos com Recurso a Ferramentas BIM. ...
Princípios para o Desenvolvimento de Projetos com Recurso a Ferramentas BIM. ...
 

Último

AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdfATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
Colaborar Educacional
 

Último (7)

Checklist de renovação de AVCB -Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros.pdf
Checklist de renovação de AVCB -Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros.pdfChecklist de renovação de AVCB -Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros.pdf
Checklist de renovação de AVCB -Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros.pdf
 
AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
AE01 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL RELACOES DE CONSUMO E SUSTENTABILI...
AE01 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  RELACOES DE CONSUMO E SUSTENTABILI...AE01 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  RELACOES DE CONSUMO E SUSTENTABILI...
AE01 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL RELACOES DE CONSUMO E SUSTENTABILI...
 
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
 
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdfATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
 
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VFST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
 
Aula 03 - Gestão da Manutenção - OS e Software de Gerenciamento de Manutenção...
Aula 03 - Gestão da Manutenção - OS e Software de Gerenciamento de Manutenção...Aula 03 - Gestão da Manutenção - OS e Software de Gerenciamento de Manutenção...
Aula 03 - Gestão da Manutenção - OS e Software de Gerenciamento de Manutenção...
 

Normalização BIM Especificação do Nível de Desenvolvimento e Modelação por Objetivos

  • 1. NORMALIZAÇÃO BIM Especificação do Nível de Desenvolvimento e Modelação por Objetivos 2015/2016MIEC João Pedro Costa Oliveira - Julho de 2016 - 1 COLABORAÇÃO
  • 2. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução Organização  Introdução  Contextualização  Enquadramento / Motivação  Objetivos  Desenvolvimento  Normalização existente  Estrutura  Desenvolvimento Colaborativo  Resultados  Matriz de Definição BIM PT  Participação Pública  Conclusões  Resultados do Trabalho  Desenvolvimentos Futuros 2
  • 3. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA Contextualização ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução 3 CEN/TC 442 Ineficiência do Sector AEC BIM como Solução Aumento da Utilização Normalização Sincronização de Métodos Necessidadede… SC4 ModelaçãoeObjetosBIM
  • 4. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA Enquadramento / Motivação O estudo da interoperabilidade é um tema de vasta abrangência, o qual é possível dividir em três principais campos de atuação:  Interoperabilidade entre aplicações;  Interoperabilidade entre diferentes intervenientes e especialidades;  Interoperabilidade entre pessoas com níveis de formação e/ou conhecimento da área bastante distintos. ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução 4
  • 5. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA Enquadramento / Motivação O estudo da interoperabilidade é um tema de vasta abrangência, o qual é possível dividir em três principais campos de atuação:  Interoperabilidade entre aplicações;  Interoperabilidade entre diferentes intervenientes e especialidades;  Interoperabilidade entre pessoas com níveis de formação e/ou conhecimento da área bastante distintos. ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução 5
  • 6. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA Objetivos ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução 6  Desenvolver um documento organizado de acordo com a estrutura de um sistema de classificação internacional ou nele inspirado.  Definir, para cada serviço, o nível de detalhe geométrico de cada objeto e as propriedades não geométricas a incluir de acordo com os objetivos do modelo e a fase do ciclo de vida do empreendimento.  Relacionar cada um dos níveis de desenvolvimento com a utilização última do modelo, contribuindo para uma modelação racional e por objetivos.  Validar a matriz segundo os standards de interoperabilidade internacionais, nomeadamente os ficheiros IFC extraídos de softwares autoritários.  Tecer considerações sobre o melhor processo de implementação de iniciativas de normalização BIM, nomeadamente ao nível da metodologia de difusão escolhida.
  • 7. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução Organização  Introdução  Contextualização  Enquadramento / Motivação  Objetivos  Desenvolvimento  Normalização existente  Estrutura  Desenvolvimento Colaborativo  Resultados  Matriz de Definição BIM PT  Participação Pública  Conclusões  Resultados do Trabalho  Desenvolvimentos Futuros 7
  • 8. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA Normalização Existente ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução 8  BIMForum LOD Specification 2015  NATSPEC BIM National Guide  BIM Object/Element Matrix  NBS BIM Object Standard  NBS BIM Toolkit
  • 9. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA Normalização Existente: [1] Benefícios ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução 9  Descrição transparente dos conteúdos incluídos no modelo;  Definição dos LOD pretendido em cada etapa do processo;  Garantia, a jusante, da fiabilidade da informação produzida a montante.  Padrão para referência em contratos e BEPs.  Normalização dos objetos BIM, transversal a toda a indústria.
  • 10. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA Normalização Existente: Limitações ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução 10  Processo extensivo e demorado;  Exige conhecimento aprofundado dos intervenientes sobre todos os elementos e a sua relação com o BIM;  Definições cumulativas, resultando frequentemente, em modelação excessiva e consequentemente em modelos pesados;
  • 11. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA Estrutura Caracterização do Modelo Fase do Ciclo de vida Objetivos do Modelo Documento Estruturado e pronto para impressão. Modelação adequada à fase do projeto. Informação necessária aos objetivos definidos. Sistema de Classificação ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução 11
  • 12. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA Estrutura Caracterização do Modelo Fase do Ciclo de vida Objetivos do Modelo Documento Estruturado e pronto para impressão. Modelação adequada à fase do projeto. Informação necessária aos objetivos definidos. Sistema de Classificação ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução 12
  • 13. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA Desenvolvimento Colaborativo Discussão Pública Ronda (n) DiscussãoPública Fase01 Lista de Especialidades Lista de Objetivos por Especialidade Lista de Elementos/Sistemas Construtivos por Especialidade DiscussãoPública Fase02 Caracterização Geométrica dos Elementos/Sistemas Listados Caracterização da Informação dos Elementos/Sistemas Listados Discussão Pública Ronda (n+1) ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução 13
  • 14. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução Organização  Introdução  Contextualização  Enquadramento / Motivação  Objetivos  Desenvolvimento  Normalização existente  Estrutura  Desenvolvimento Colaborativo  Resultados  Matriz de Definição BIM PT  Participação Pública  Conclusões  Resultados do Trabalho  Desenvolvimentos Futuros 14
  • 15. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA Matriz de Definição BIM PT 2 3 1 ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução 15
  • 16. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA Resultados da Participação Pública  Número de Inscritos nas Sessões de Esclarecimento 3,1 vezes superior ao número de membros da CT197.  Taxa de Presenças Estimada entre 70 – 75 [%].  43% dos inscritos nas Sessões de Esclarecimento, deram seguimento aos trabalhos, inscrevendo-se no processo de Discussão Pública.  19% participaram dos inscritos ativamente na produção dos documentos ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução 16 42 131 56 25 Nº DE PARTICIPANTES Membros de Plenário da CT197 * Inscrição nas Sessões de Esclarecimento Inscrição no Processo de Discussão Pública Envolvimento Efetivo na Discussão Pública * Fonte: ct197.pt [~57% Empresas/Profissionais] [86% Empresas/Profissionais] [~100% Empresas/Profissionais] [~100% Empresas/Profissionais]
  • 17. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução Organização  Introdução  Contextualização  Enquadramento / Motivação  Objetivos  Desenvolvimento  Normalização existente  Estrutura  Desenvolvimento Colaborativo  Resultados  Matriz de Definição BIM PT  Participação Pública  Conclusões  Resultados do Trabalho  Desenvolvimentos Futuros 17
  • 18. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA Conclusões Constatou-se que a Matriz de Definição BIM PT promove as vantagens e colmata as desvantagens identificadas em documentos internacionais de cariz semelhante, permitindo:  Descrição transparente dos conteúdos a incluir no modelo;  Garantia de fiabilidade a jusante, perante a informação produzida a montante;  Utilização simples e célere, sem que seja fundamental a compreensão de conhecimentos técnicos afetos a todas as áreas envolvidas;  Racionalização dos processos de modelação, através da especificação de necessidades em função dos objetivos definidos para o modelo. ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução 18
  • 19. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA 19 Resultados do Trabalho [1]  A normalização, através da uniformização de processos, assume protagonismo na elevação do nível de maturidade da tecnologia BIM.  A criação de instrumentos padronizados que permitam a caracterização das exigências pretendidas para o modelo apresenta- se essencial à garantia da completa interoperabilidade e integração de todos os agentes. Possibilitando não só a clarificação das necessidades do requerente como igualmente o seu emprego na referenciação e proteção legal.  As variáveis IFC definidas são, até ao momento, insuficientes para o alojamento de todas as propriedades necessárias aos elementos construtivos. ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
  • 20. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA 20 Resultados do Trabalho [2]  O sucesso de iniciativas no âmbito da normalização encontra- se subordinado ao nível de aceitação por parte da comunidade técnica envolvida, consequência da congruência com os costumes correntes e estratégias definidas para o sector. Com efeito, a adoção de processos de desenvolvimento colaborativo é facilmente aceite pelos envolvidos.  Os agentes do sector AEC nacional apresentam abertura perante a ideia de que o BIM dispõe das características necessárias para o aumento de eficiência do sector. Como tal, manifestam vontade de participação na produção de documentos que regulamentem a sua utilização. ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
  • 21. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA 21 Resultados do Trabalho [3]  O principal entrave ao desenvolvimento de iniciativas de carácter colaborativo, do tipo Bottom-Up ou Middle-Out prende-se com os problemas de cooperação inerentes ao sector AEC que se traduzem em taxas de participação efetiva reduzidas.  As medidas de fomento à utilização de tecnologias BIM, designadamente a nível governamental (iniciativas Top-Down), assumem-se cruciais na agilização da evolução da sua implementação e consequente desenvolvimento. ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
  • 22. NORMALIZAÇÃO BIM ESPECIFICAÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO E MODELAÇÃO POR OBJETIVOS JOÃO PEDRO COSTA OLIVEIRA 22 Desenvolvimentos Futuros  Dinamização de novas iterações da discussão pública;  Introdução da definição da evolução das exigências segundo as fases de ciclo de vida de empreendimentos;  Acompanhar os trabalhos da Subcomissão 2 para as Trocas e Requisitos de Informação da CT 197.  Seguir a evolução de standards internacionais em torno da normalização de objetos;  Conceber uma proposta estruturada contendo as propriedades propostas sem correspondência perante as variáveis IFC existentes.  Desenvolvimento de extensões para softwares de modelação; ConclusõesResultadosDesenvolvimentoIntrodução
  • 23. NORMALIZAÇÃO BIM Especificação do Nível de Desenvolvimento e Modelação por Objetivos 2015/2016MIEC João Pedro Costa Oliveira - Julho de 2016 - 23 COLABORAÇÃO

Notas do Editor

  1. Boa tarde. Começo por cumprimentar o júri e a assistência, agradecendo a vossa presença. Não posso iniciar esta apresentação sem agradecer: À CT197, na pessoa do Prof. Aguiar Costa, pela oportunidade de dar o meu contributo para a normalização BIM em Portugal; Ao Eng.º António Meireles, que por motivos profissionais não pôde estar presente, por me receber na ndBIM e permitido ser parte ativa da Subcomissão 4; Ao meu orientador, Prof. Poças Martins, por todo o apoio. Passo então à apresentação da minha dissertação, intitulada “Normalização BIM – Especificação do Nível de Desenvolvimento e Modelação por Objetivos”.
  2. Em termos de organização, esta apresentação divide-se em 4 partes principais: Introdução; Desenvolvimento; Resultados; Conclusões; Começarei portanto por: Contextualizar este trabalho na atual conjetura do sector AEC; Aclarando a motivação inerente à escolha do tema; Terminando com a apresentação dos objetivos propostos.
  3. Apesar da relevância apresentada, um pouco por todo o mundo, nas economias dos diferentes países, a Indústria da Construção é frequentemente classificada como ineficiente. Nesse sentido, a metodologia BIM como tecnologia de informação e comunicação, é apontada por muitos como solução para os aumentos de competitividade e sustentabilidade exigidos ao sector. Fruto deste reconhecimento, a implementação de tecnologias BIM vive um momento de elevado fulgor, ao longo dos últimos anos. Revelando a necessidade de: Sincronização de Métodos Operativos; Criação de Normalização. Como tal, o CEN (Comité Europeu de Normalização) criou a TC 442 inteiramente dedicada ao BIM. Em sequência o IPQ (Instituto Português da Qualidade) criou: Em Março de 2015, a Comissão Técnica 197; A cargo do Organismo de Normalização Setorial do IST; Com o objetivo de: Produzir normalização nacional no âmbito do BIM; E, acompanhar os desenvolvimentos da TC442. Como já referi, a presente dissertação enquadra-se: Nos trabalhos a Subcomissão 4 para os Objetos BIM e Modelação da CT 197; Uma das 4 subcomissões definidas.
  4. Posto isto, importa perceber a motivação inerente a este trabalho, e como tal é essencial aflorar o tema da interoperabilidade: A interoperabilidade assume-se essencial à completa coordenação das tecnologias BIM. Podendo ser dividida em três principais campos.
  5. Sendo que este trabalho se inclui no estudo da interoperabilidade entre pessoas com níveis distintos de conhecimento da metodologia, que em virtude dos aumentos de utilização se deparam com a necessidade de interagir com a metodologia. Assim, esta dissertação vai de encontro ao referido na Diretiva Europeia de Contratos Públicos: Exigindo a garantia de que a introdução de uma nova tecnologia não culmine na marginalização dos agentes envolvidos em processos de construção e operação de empreendimentos.
  6. Assim, os objetivos propostos passavam: Pelo desenvolvimento de um documento estruturado; Que para cada serviço e objetivo do modelo; Transmita os níveis de detalhe e informação exigidos; Contribuindo para a racionalização dos processos de modelação; O desenvolvimento deste trabalho permitiu ainda tecer considerações sobre o processo de implementação mais favorável a iniciativas deste tipo.
  7. Conhecidas as características do trabalho, importa agora perceber o processo de desenvolvimento adotado.
  8. Na base deste trabalho está a convicção de que uma ferramenta deste tipo deve: Ter por orientação os documentos internacionais existentes; Ainda que materializando uma abordagem distinta: Que fomentando a adoção de hábitos de modelação por objetivos; Evitando a aplicação de esforço e tempo de modelação excessivos. Para tal, foram estudados os três documentos internacionais de referência: A LOD Specification do BIMForum Americano; A Matriz de Elementos BIM do NATSPEC - Austrália; E, o NBS BIM Toolkit – Britânico;
  9. A análise destes documentos permitiu conhecer os benefícios da sua utilização, nomeadamente: Descrição transparente dos conteúdos; Garantia de fiabilidade da informação; Transversalidade perante toda a indústria.
  10. No campo das limitações, estas especificações traduzem-se em: Processos extensivos; Exigindo conhecimento aprofundado de todos as matérias; E, a utilização de definições cumulativas, contribuindo para modelação excessiva e modelos pesados.
  11. Conhecidas as características adotadas por iniciativas internacionais semelhantes, o objetivo passava por potenciar os benefícios e colmatar as limitações dos documentos estudados. Para tal, a estrutura escolhida para este trabalho: Permite reduzir o papel do utilizador ao estritamente necessário; Caracterizando o modelo segundo: A fase do ciclo de vida do empreendimento; E os objetivos que pretende para o modelo; Com estas informações o algoritmo definido em backoffice produz: Um Documento estruturado segundo um sistema de classificação; Descrevendo as características geométricas e de informação exigidas.
  12. De referir que a recolha dos dados necessários à programação da ferramenta foi efetuada com recurso a um processo de desenvolvimento colaborativo com o contributo dos profissionais do sector, a fim de garantir congruência com as necessidades do sector. Devido a uma decisão estratégica baseada na opinião dos profissionais inquiridos, optou-se por, na primeira versão da ferramenta, não incluir a caracterização segundo as fases de ciclo de vida.
  13. O arranque dos trabalhos, ocorreu no início de Maio através de duas sessões de esclarecimento, realizadas uma em Lisboa e outra no Porto. E o esquema que agora vos apresento traduz a metodologia adotada no desenvolvimento colaborativo que lhes sucedeu: Representa um método iterativo; Do tipo “Focus Group”; Composto por duas Fases: A primeira com caráter de listagem; A segunda relativa à caracterização dos elementos. Terminado o processo inicia-se uma nova ronda de inquérito. Neste trabalho apenas foram utilizados os contributos na Ronda 1.
  14. Conhecidas as especificidades do processo desenvolvimento escolhido, é tempo de apresentar os resultados obtidos.
  15. Desde logo, o aspeto final da ferramenta produzida: Construída: Em Microsoft Office Excel; Com recurso a Macros VBA. É composta por um menu inicial de caracterização do modelo, solicitando ao utilizador: A fase de Ciclo de Vida; E, os objetivos pretendidos. Posteriormente, gerando a especificação; Surge um documento estruturado e preparado para impressão que corporiza a Matriz de Definição BIM PT.
  16. É igualmente importante conhecer os resultados do processo de discussão pública: O número de inscritos nas sessões de esclarecimento ultrapassou em muito o número de membros com representação nas reuniões de Plenário da CT197; Apesar isso, a taxa de participação fixou-se nos 71%; Sendo que apenas 43% se inscreveu no processo; E somente 19% efetivaram a sua participação.
  17. Percorridos os capítulos anteriores, interessa expor as conclusões retiradas.
  18. No que concerne à Matriz de Definição BIM PT, o resultado final promove as principais vantagens dos métodos alternativos e colmata as suas limitações, contribuindo assim para a promoção da racionalização dos processos de modelação.
  19. Este trabalho permitiu concluir que: A normalização é essencial ao aumento do nível de maturidade do BIM; Sendo igualmente importante na garantia da completa interoperabilidade; E, o formato IFC ainda apresenta limitações;
  20. Do ponto de vista do processo de desenvolvimento escolhido: Iniciativas do tipo Bottom-Up, incluindo o desenvolvimento colaborativo é facilmente aceite pelos agentes do sector; Daí que manifestem vontade de participar no processo;
  21. No entanto a indústria apresenta problemas de cooperação, que dificultam a prossecução destas iniciativas. Daí que as iniciativas TOP-Down são aquelas que melhor contribuem para a agilização dos processos de implementação de iniciativas BIM.
  22. O trabalho que vos apresentei possui um elevado potencial de desenvolvimento, desde logo: A dinamização de novas rondas da discussão pública permitirá aumentos do nível de maturidade da ferramenta. A introdução das fases como input definidor será fundamental à maturação progressiva da informação ao longo do ciclo de vida. O acompanhamento dos trabalhos da Subcomissão 2 será importante, nomeadamente sobre a possibilidade de integração do PRONIC. O acompanhamento dos passos dados por organizações internacionais garantirão a validade internacional da Matriz. Enviar à BuildingSMART uma proposta de variáveis a incluir no IFC. Desenvolver extensões que permitam ao utilizador acesso em tempo real às exigências associadas aos elementos.
  23. Dou então por concluída a apresentação do meu trabalho.