Sessão Introdução ao BIM: Eng. Sergio Pinho

1.366 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.366
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
914
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sessão Introdução ao BIM: Eng. Sergio Pinho

  1. 1. O MODELO IFC COMO AGENTE DE INTEROPERABILIDADE :: Sérgio Pinho :: Dec 2013 © ::
  2. 2. O MODELO IFC COMO AGENTE DE INTEROPERABILIDADE :: Sérgio Pinho :: Nov 2013 © ::
  3. 3. O IFC (Industry Foundation Classes) é um formato aberto que permite a permuta de informação entre aplicações BIM. Este é um formato desenvolvido a cargo da buildingSMART. Por interoperabilidade entende-se a capacidade de gerir, trocar e comunicar produtos e informação electrónica por via computacional.
  4. 4. aaaa
  5. 5. aaaa
  6. 6. Compreender se o IFC é um bom agente de interoperabilidade; Desenvolvimento de um procedimento para a realização de testes de interoperabilidade; Expôr o funcionamento interno do código IFC; Estudar entidades IFC para a tradução de elementos de estruturas;
  7. 7. Evolução gradual ao longo, com acrescimo de entidades para a tradução de elementos. São já 766 entidades no novo esquema IFC4 Espera-se que este esquema represente uma evolução mais significativa no ramo da definição analítica e estrutural de elementos. http://www.buildingsmart.org
  8. 8. Evolução gradual ao longo, com acrescimo de entidades para a tradução de elementos. São já 766 entidades no novo esquema IFC4 Espera-se que este esquema represente uma evolução mais significativa no ramo da definição analítica e estrutural de elementos. http://www.buildingsmart.org
  9. 9. Os testes concluiram que o modelo IFC tem debilidades pois foram detectadas grandes perdas de informação. A classificação foi distinguida entre: T – Transferida; P – Parcialmente transferida ou modificada; N – Não transferida; S – Sem aplicação prática; X – Incompatibilidade; / – Não aplicável;
  10. 10. Os testes concluiram que o modelo IFC tem debilidades pois foram detectadas grandes perdas de informação. A classificação foi distinguida entre: T – Transferida; P – Parcialmente transferida ou modificada; N – Não transferida; S – Sem aplicação prática; X – Incompatibilidade; / – Não aplicável; A maioria dos programas apenas fornecem uma compatibilidade parcial com o formato IFC.
  11. 11. A wild Structure appeared! Student used IFC encoding. It was very effective!
  12. 12. A wild Structure appeared! Student used IFC encoding. It was very effective!
  13. 13. aaaa
  14. 14. aaaa
  15. 15. Solibri Model Viewer Constructivity Model Viewer
  16. 16. Modelo: É um modelo já que possui informações que fazem a tradução de elementos de um ambiente real para um ambiente virtual. Formato: É um formato porque os ficheiros IFC são criados com uma extensão própria (*.ifc, *.ifcxml, *.ifczip), i. e., com conteudo próprio. Especificação ou standard: É um standard porque se encontra regulamentada pela ISO 16739:2013 e é gerida pela buildingSMART.
  17. 17. Modelo: É um modelo já que possui informações que fazem a tradução de elementos de um ambiente real para um ambiente virtual. Formato: É um formato porque os ficheiros IFC são criados com uma extensão própria (*.ifc, *.ifcxml, *.ifczip), i. e., com conteudo próprio. Especificação ou standard: É um standard porque se encontra regulamentada pela ISO 16739:2013 e é gerida pela buildingSMART.
  18. 18. ec11060@fe.up.pt Dezembro 2013 FEUP

×