( 3 )
Análise das Demonstrações
Financeiras
Renata Ferreira
Um gestor financeiro deve orientar suas decisões
visando maximizar a riqueza dos acionistas e, para tanto,...
78
Gestãofinanceira
atividades da empresa em “números objetivos que forne-
cem informações sobre o desempenho, problemas e...
AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras
79
•	 A análise das demonstrações financeiras para os
administradores da empresa é vist...
80
Gestãofinanceira
avaliado de forma rigorosa e os principais instrumen-
tos de informação para tais avaliações são os de...
AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras
81
de setores estratégicos da economia (como por exem-
plo, o setor financeiro e o de s...
82
Gestãofinanceira
Os principais demonstrativos financeiros são:
O Relatório da Administração
“É a mensagem descritiva qu...
AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras
83
jurídicas, padronizando a classificação e distribuição dos
dados e facilitando as an...
84
Gestãofinanceira
podem ser utilizados a qualquer momento (caixa, ban-
cos, aplicações de liquidez imediata etc.) ou que...
AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras
85
4.	 Intangível: Os ativos intangíveis compreen-
dem os bens incorpóreos destinados à...
86
Gestãofinanceira
a DRE é um demonstrativo importante, porque reflete os
aumentos e reduções causados no Patrimônio Líqu...
AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras
87
Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido
(DMPL)
AlegislaçãodasSociedadesAnôni...
88
Gestãofinanceira
a DLPA, pois, além de demonstrar a movimentação ocor-
rida com os lucros ou prejuízos acumulados, apre...
AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras
89
Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC)
A Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC), por for...
90
Gestãofinanceira
Demonstração do Valor Adicionado (DVA)
Com a alteração apresentada pela Lei n° 11.638, foi imple-
ment...
AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras
91
de depreciação, amortização e exaustão, de consti-
tuição de provisões para encargos...
92
Gestãofinanceira
(MATARAZZO, 2010). Assim, os auditores verificam os con-
troles interno da empresa, conferem lançament...
AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras
93
•	 Calcula-se o percentual de cada conta em relação
a um valor-base;
•	 No Balanço:
...
94
Gestãofinanceira
o percentual do lucro líquido em relação às
vendas é pequeno, o controle das despesas é
de grande rele...
AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras
95
com a utilização de um indexador que reflita ade-
quadamente as variações de preço p...
96
Gestãofinanceira
Empresa Primeiros Passos S/A
(Reais Mil)
Ativo 2010 AV AH 2009 AV AH
Ativo circulante
Disponibilidades...
AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras
97
Análise Horizontal - Dividir cada conta de 2010 pela sua cor-
respondente de 2009 (a...
98
Gestãofinanceira
Análise Vertical - Dividir todas as contas pela receita
líquida. Exemplo:
Custos = -300.000/600.000 = ...
AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras
99
Análise Horizontal - dividir cada conta de 2010 pela
sua correspondente de 2009 (ano...
100
Gestãofinanceira
Uma empresa com bons índices de liquidez tem capaci-
dade de pagar suas dívidas, mas não estará, obri...
AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras
101
de curto prazo suficientes para quitar seus compromissos de
curto prazo, ou seja, i...
102
Gestãofinanceira
Exemplo: Calculando os indicadores de liquidez para a
empresa “Primeiros Passos S/A”.
Índices de Endi...
AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras
103
Participação de Capitais de Terceiros
Indica quanto a empresa possui de dívidas em ...
104
Gestãofinanceira
Índices de Rentabilidade
Os índices deste grupo mostram qual a rentabilidade
dos capitais investidos,...
AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras
105
•	 Índice de lucratividade líquida: é o indicador mais
usado da eficiência global d...
106
Gestãofinanceira
Exemplo: Calculando os índices de Rentabilidade para
a empresa “Primeiros Passos S/A”
Índices de Ativ...
AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras
107
Mensura o período médio necessário para a completa
renovação dos estoques, ou seja,...
108
Gestãofinanceira
Assim, quanto mais elevado o prazo médio de paga-
mento, maior a fatia da atividade da empresa que é ...
AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras
109
Em vermelho colocaremos algumas observações que
não pertecem a um relatório comum, ...
110
Gestãofinanceira
Apesar deste crescimento, a representatividade dentro do
ativo total sofreu uma ligeira redução, pass...
AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras
111
que mostra que as operações da empresa trouxeram aumento
na rentabilidade). O aumen...
112
Gestãofinanceira
tabilidade.com.br/tematicas/ademonstracaodosfluxos.htm.
Acesso em out.2010.
ZANLUCA, J. C. Demonstraç...
AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras
113
 gestao_financeira
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

gestao_financeira

464 visualizações

Publicada em

Gestão de Custos

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
464
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

gestao_financeira

  1. 1. ( 3 ) Análise das Demonstrações Financeiras
  2. 2. Renata Ferreira Um gestor financeiro deve orientar suas decisões visando maximizar a riqueza dos acionistas e, para tanto, precisa de informações precisas e atualizadas. Essas informa- ções podem ser internas ou externas. As internas são obtidas nas demonstrações financeiras, que fornecem, por exemplo, informações sobre volume de vendas, contas a receber, contas a pagar, tributos a recolher, outras receitas possíveis, dívidas contraídas, possibilidades de captação e aplicações de recur- sos. Já as informações externas abrangem os dados sobre o mercado (nacional e internacional), ações da empresa e da concorrência, política econômica, entre outras. Os demonstrativos financeiros são produzidos pela Contabilidade, “ela é o placar das empresas”, pois traduz as
  3. 3. 78 Gestãofinanceira atividades da empresa em “números objetivos que forne- cem informações sobre o desempenho, problemas e as pers- pectivas futuras” (HIGGINS, 2007). Cabe à administração financeira interpretar estes valores contábeis para avaliar o desempenho e planejar ações futuras. A análise das demonstrações financeiras é importante para o diagnóstico empresarial, cuja finalidade é determi- nar os pontos fortes e pontos críticos da empresa, permi- tindo a apresentação de um esboço das prioridades para a solução dos problemas. Além disso, através da análise das demonstrações financeiras podemos conhecer os objetivos da empresa e identificar sua política financeira, ou seja, permite uma visão da estratégia e dos planos traçados pela empresa. O objetivo desta unidade é apresentar as ferramentas de análise dos principais demonstrativos financeiros e sua importância para a gestão financeira de uma empresa. UsuáriosdaAnálisedasDemonstraçõesFinanceiras Dada sua importância, a análise das demonstrações financeiras interessa a diversos agentes, que interpretarão as informações com objetivos distintos. Os principais agentes são: Gestores da empresa Empregados Governo Concorrentes Acionistas Credores Fornecedores e clientes Demonstrações financeiras
  4. 4. AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras 79 • A análise das demonstrações financeiras para os administradores da empresa é vista como um ins- trumento complementar à tomada de decisão, já que é usada como auxiliar na formulação das estratégias da empresa e no suporte para o controle gerencial. Através desta análise, os gestores identificam os fato- res que afetaram a evolução do patrimônio da empresa, avaliam o efeito das decisões anteriores, comparam o desempenho com os concorrentes, confrontam resulta- dos atuais com as metas projetadas, detectam pontos fortes e críticos, estabelecem o que deve ser corrigido, explorado e investido, entre outros. • Para os acionistas, a análise das demonstrações financeiras associada à avaliação do comportamento das ações no mercado de capitais possibilita a ava- liação do retorno do investimento (determinado pela valorização das ações nas bolsas e pela distribuição dos dividendos) e a decisão pela compra de venda de ações. Também serve para avaliar a atuação dos ges- tores que integram o quadro de diretores da empresa. • Os credores podem ser fornecedores, instituições financeiras, debenturistas etc. Estão preocupados com a situação atual da empresa e procuram obter alguma informação sobre a situação futura, para avaliar a capa- cidade de pagamento na concessão de crédito. O foco, geralmente, é o grau de endividamento e a liquidez da empresa. Bancos comerciais, que trabalham mais com créditos de curto prazo, dão maior peso para a situ- ação atual. Já os bancos de investimento concedem financiamentos de longo prazo e a concessão destes valores depende da situação futura da empresa toma- dora. Nestas operações de crédito, o risco precisa ser
  5. 5. 80 Gestãofinanceira avaliado de forma rigorosa e os principais instrumen- tos de informação para tais avaliações são os demons- trativos financeiros. • Os fornecedores utilizam a análise das demonstra- ções financeiras associadas às perspectivas de seu ramo de negócios para avaliar a capacidade de produção e venda de seu cliente como subsídio para o fornecimento de seus produtos (ou serviços). Também analisam a situ- ação financeira da empresa para a concessão de prazo para pagamento destes produtos (ou serviços). • Já os clientes não utilizam a análise das demons- trações financeiras de forma rigorosa, mas em alguns casos analisam a situação de seus principais forne- cedores como garantia para a manutenção do supri- mento de matérias-primas. • A análise das demonstrações financeiras dos prin- cipais concorrentes permite extrair informações sobre faturamento, margem de rentabilidade das vendas, prazo médio concedido aos clientes, prazo médio obtido pelos fornecedores, giro de estoques, investi- mentos, endividamento, liquidez etc. Além de poder analisar a sua situação em relação aos concorrentes, é possível identificar as potencialidades e limitações dos concorrentes, o que é de extrema importância para definir as estratégias de uma empresa. • Os órgãos governamentais utilizam a análise das demonstrações financeiras em diversas situações: na fiscalização fazendária das empresas, no con- trole de preços, no julgamento das qualificações das empresas participantes de concorrências públicas, no acompanhamento do desempenho de empresas con- cessionárias de serviços públicos, no acompanhamento
  6. 6. AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras 81 de setores estratégicos da economia (como por exem- plo, o setor financeiro e o de seguros) etc. • Os empregados de uma empresa podem usar a análise das demonstrações financeiras para verificar a capacidade de crescimento da empresa, visando a esta- bilidade no emprego, possíveis promoções e aumentos de salários. Também é interessante conhecer a situação financeira de uma empresa em que se está ingressando ou candidatando-se a uma vaga. • Além dos empregados, os sindicatos e associações de classe se interessam pela análise de demonstrativos financeiros. Os sindicatos, em especial, utilizam esta análise para negociar novos benefícios, aumentos de salários para a categoria etc. As associações de classe, geralmente, utilizam tais análises para elaborar estu- dos específicos e estabelecimento de padrões e relató- rios para as próprias empresas. Estrutura das Demonstrações Financeiras As demonstrações financeiras são elaboradas seguindo as práticas contábeis do regime de competência, ou seja, as receitas e gastos são contabilizados quando ocorre o fato gerador e não quando há a efetiva entrada ou saída de caixa. São relatórios anuais obrigatórios, porém sua publicação é obrigatória somente às empresas S/As, o que não impede que toda e qualquer empresa apresente seus relatórios quando necessário. As publicações destes demonstrativos para as empre- sas S/As são no mínimo anuais, porém as empresas de capi- tal aberto também divulgam trimestralmente. Os resultados apresentados nestes demonstrativos, geralmente, afetam a cotação das ações da empresa na bolsa de valores.
  7. 7. 82 Gestãofinanceira Os principais demonstrativos financeiros são: O Relatório da Administração “É a mensagem descritiva que apresenta a companhia” (LEMES JR et al, 2010). Através deste relatório, a diretoria presta conta aos acionistas sobre o desempenho da empresa, sendo que em alguns casos apresenta as estratégias de crescimento para a empresa, a política de recursos humanos, os investi- mentos destinados à pesquisa e desenvolvimento, investimen- tos para expansão, política financeira, planos, previsões etc. O relatório da administração é um direito do acionista, pois lhe possibilita conhecer o desempenho da companhia por meio das informações detalhadas e fidedignas e, assim, avaliar a relação com os objetivos da empresa. Balanço Patrimonial É uma demonstração financeira estática e sintética destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, em uma determinada data, a posição patrimonial e financeira da empresa. Conforme a Lei nº 6.404/76, que regulamenta a Sociedade por Ações, o Balanço Patrimonial é constituído pelo Ativo, pelo Passivo e pelo Patrimônio Líquido. O Ativo é a parte positiva do balanço e representa o conjunto de bens e direitos do patrimônio e permite analisar como os recur- sos estão aplicados na empresa, a parte negativa do balanço, denominada Passivo, é representada pelas obrigações que a empresa tem junto a terceiros. O diferencial entre a parte positiva e a negativa é desig- nada de Patrimônio Líquido, o qual representa os recursos próprios da empresa. Quando o valor do Passivo for maior que o valor do Ativo, o resultado é denominado Passivo a Descoberto. Portanto, a expressão Patrimônio Líquido deve ser substituída por Passivo a Descoberto. Com o Decreto-Lei nº 1598/77, as normas para elabo- ração do Balanço foram estendidas para as demais pessoas
  8. 8. AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras 83 jurídicas, padronizando a classificação e distribuição dos dados e facilitando as análises. Em 2007, foi promulgada a Lei nº 11.638 que representa um importante avanço na atualiza- ção da Lei das Sociedades por Ações e harmonização da lei societária em vigor com os princípios fundamentais e melho- res práticas contábeis internacionais, visando a inserção do Brasil no atual contexto de globalização econômica. O total das contas registradas no lado esquerdo do balanço patri- monial é equivalente ao total das contas registradas no lado direito do balanço, ou seja: Segundo a Lei 11.638/2007, a estrutura sintética do balanço patrimonial é apresentada no quadro a seguir: • Ativo Circulante: Também denominado de capital de giro ou capital circulante; constitui-se no grupo de maior liquidez que se apresenta no ativo da empresa, possuindo duas características: curta duração e rápida conversão de seus elementos. O ativo circulante abrange valores realizáveis no exercício social subse- quente, ou seja, é composto pelos bens e direitos que Equação de equivalência ATIVO PASSIVO PATRIMÔNIO LÍQUIDO = + Ativo Passivo Ativo Circulante Ativo Não Circulante Ativo Realizável a Longo Prazo Investimentos Imobilizado Intangível Passivo Circulante Passivo Não Circulante Patrimômio Líquido
  9. 9. 84 Gestãofinanceira podem ser utilizados a qualquer momento (caixa, ban- cos, aplicações de liquidez imediata etc.) ou que podem ser realizados no curto prazo (prazo inferior a 360 dias – duplicatas/títulos a receber, duplicatas/títulos des- contadas, estoques etc.). • Ativo Não Circulante: São incluídos neste grupo todos os bens de permanência duradoura, destina- dos ao funcionamento normal da sociedade e do seu empreendimento, assim como os direitos exercidos com essa finalidade. O Ativo Não Circulante é com- posto pelos seguintes subgrupos: 1. Ativo realizável a longo prazo: Inclui as con- tas representadas pelos bens e direitos realizá- veis após o término do exercício seguinte (prazo superior a 360 dias). Incluem-se também nesta categoria os direitos não derivados de vendas, as operações realizadas com coligadas, controla- das, proprietários, sócios, acionistas e diretores. 2. Investimentos: participações em outras socie- dades (aquisição de ações e outros títulos de participação societária) com a intenção de mantê-las em caráter permanente, seja para se obter o controle societário, seja por interes- ses econômicos, entre eles, como fonte perma- nente de renda. 3. Imobilizado: bens destinados à manutenção da atividade da empresa, caracterizados por apresentar-se na forma tangível (como imó- veis, veículos, maquinários e equipamen- tos, instalações, entre outros). O imobilizado abrange, também, os custos das benfeitorias realizadas em bens locados ou arrendados.
  10. 10. AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras 85 4. Intangível: Os ativos intangíveis compreen- dem os bens incorpóreos destinados à manu- tenção da companhia ou exercidos com essa finalidade, inclusive o fundo de comércio adquirido. Como exemplos de intangíveis, os direitos de exploração de serviços públicos mediante concessão ou permissão do Poder Público, marcas e patentes, softwares e o fundo de comércio adquirido (ASSAF NETO, 2010). • Passivo Circulante: Composto de todas as obri- gações vencíveis no exercício social seguinte (prazo inferior a 360 dias), como empréstimos, encargos finan- ceiros a pagar, fornecedores, impostos a recolher, entre outros. Também é denominado de capital de terceiros de curto prazo. • Passivo Não Circulante: Obrigações com venci- mento após o término do exercício social seguinte, ou seja, com prazo superior a 360 dias. Também denomi- nado de capital de terceiros de longo prazo. • Patrimônio Líquido: É a diferença entre o valor dos ativos e dos passivos. Representa os recursos próprios da empresa, é dividido em: Capital Social, Reservas de Capital, Ajustes de Avaliação Patrimonial, Reservas de Lucros, Ações em Tesouraria e Prejuízos Acumulados. Demonstração do Resultado de Exercício (DRE) A demonstração de resultado do exercício apresenta o desempenho da empresa no período, possibilitando ava- liar se houve lucro ou prejuízo. O lucro (ou prejuízo) apu- rado na DRE é transferido para a conta “Lucros ou Prejuízos Acumulados”, pertencente ao Patrimônio Líquido, com isso,
  11. 11. 86 Gestãofinanceira a DRE é um demonstrativo importante, porque reflete os aumentos e reduções causados no Patrimônio Líquido pelas operações da empresa. A DRE acumula as receitas, os custos e as despe- sas relativas a um período de tempo a fim de apresentar o resultado líquido. Como os lançamentos seguem o regime de competência, esse demonstrativo retrata apenas o fluxo econômico e não o fluxo monetário (entrada ou saída efetiva do dinheiro), razão pela qual é importante confrontar a DRE com o demonstrativo do fluxo de caixa (DFC). Enquanto o primeiro aponta a capacidade de realiza- ção de receita, o segundo permite avaliar a capacidade do caixa em honrar os compromissos (entradas - saídas). A Estrutura da Demonstração do Resultado do Exercício segundo Lei 6404/76, atualizada pela Lei 11.638/07 e Lei 11.941/09 é a seguinte: Demonstração do Resultado do Exercício Receita bruta de vendas e serviços (-) Dedução, descontos concedidos, devoluções (-) Impostos sobre vendas = Receita Líquida (-) Custos dos produtos vendidos e dos serviços prestados = Resultado bruto (-) Despesas de vendas (-) Despesas gerais e administrativas (-) Despesas financeiras líquidas (-) Outras receitas operacionais = Resultado operacional (-) Outras despesas (+) Outras receitas = Resultado do exercício antes dos impostos, contribuições e participações (-) Contribuição social (-) Provisão para imposto de renda (-) Participações (-) Contribuições = Lucro líquido do exercício = Lucro por ação
  12. 12. AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras 87 Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL) AlegislaçãodasSociedadesAnônimasnãoexigeapubli- cação desse demonstrativo, porém ele é um importante instru- mento de análise que demonstra a movimentação de todas as contas do Patrimônio Líquido ocorridas entre dois balanços independente da origem da variação, seja ela proveniente de aumento de capital, de reavaliações do ativo, de lucros, de cor- reção monetária, ou de simples transferência de contas dentro do próprio Patrimônio Líquido (MATARAZZO, 2010). Sua elaboração é simples e seu conteúdo é mais abrangente que a Demonstração dos Lucros e Prejuízos Acumulados (DLPA), mas como seu objetivo é apenas mos- trar a variação nas contas do Patrimônio Líquido, serve muito mais como um instrumento complementar, o que justifica a sua não obrigatoriedade de publicação. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) A DLPA evidencia as alterações ocorridas no saldo da conta de lucros ou prejuízos acumulados, no Patrimônio Líquido, integrando o Balanço Patrimonial e a Demonstração de Resultado. Esse demonstrativo deve discriminar: o saldo do início do período e os ajustes de exercícios anteriores; as reversões de reservas e o lucro líquido do exercício; e as trans- ferências para reservas, os dividendos, a parcela dos lucros incorporada ao capital e o saldo ao fim do período. Segundo legislação do Imposto de Renda (art. 274 do RIR/99), a demonstração dos lucros ou prejuízos acumu- lados é obrigatória para as limitadas e outras sociedades. Já para as companhias abertas, a CVM estabelece a obri- gatoriedade da demonstração das mutações do patrimô- nio líquido (IUDÍCIBUS, 2010). A DMPL pode substituir
  13. 13. 88 Gestãofinanceira a DLPA, pois, além de demonstrar a movimentação ocor- rida com os lucros ou prejuízos acumulados, apresenta a movimentação das demais contas que integram o patri- mônio líquido. Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) A demonstração das origens e aplicações de recursos mostra de onde vieram os recursos financeiros utilizados na empresa e onde foram aplicados (qual o seu destino). Este demonstrativo permite avaliar se a empresa fez novos finan- ciamentos, se houve aporte de capital dos sócios ou se gerou recursos próprios, ou seja, a DOAR tem a finalidade de apre- sentar a posição financeira da empresa no curto prazo, pois demonstra a variação do Capital Circulante Líquido (CCL) em determinado período (IUDÍCIBUS, 2010). O Capital Circulante Líquido é a diferença entre o ativo circulante (disponível, contas a receber, estoques e despesas pagas antecipadamente) e o passivo circulante (fornecedores, contas a pagar e outras exigibilidades do exercício seguinte) em determinada data. As informações para elaboração do DOAR são extraí- das do balanço patrimonial e da demonstração do resultado do exercício, porém a DMPL também é de grande utilidade, pois as mutações do patrimônio líquido afetam as origens e aplicações de recursos. Até 31.12.2007, a Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) era obrigatória para as com- panhias abertas e para as companhias fechadas com patri- mônio líquido superior a R$ 1.000.000 (limite este atualizado pela Lei nº 9.457/97). A partir de 01.01.2008, a DOAR deixou de ser obrigatória com a edição da Lei n° 11.638, de 28 de dezembro de 2007.
  14. 14. AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras 89 Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC) A Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC), por força da Lei 11.638/2007, passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto ou com patrimônio líquido superior a R$ 2.000.000 (dois milhões de reais), substituindo a DOAR. A DFC expõe as informações sobre recebimentos e pagamentos da empresa, em dinheiro, em um dado período de tempo. A DFC compreende principalmente as disponibi- lidades da empresa, representadas por caixa, bancos e apli- cações financeiras de curto prazo (IUDÍCIBUS, 2010). Assim como a Demonstração de Resultados de Exercícios, a DFC é uma demonstração dinâmica e também está contida no balanço patrimonial. Segundo o Portal de Contabilidade (2010), basica- mente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: 1. Atividades Operacionais (são explicadas pelas receitas e gastos decorrentes da industrializa- ção, comercialização ou prestação de serviços da empresa. Estas atividades têm ligação com o capi- tal circulante líquido da empresa); 2. Atividades de Investimento (são os gastos efe- tuados no Realizável a Longo Prazo ou no Ativo Permanente, bem como as entradas por venda de ativos imobilizados); 3. Atividades de Financiamento (são os recursos obti- dos do Exigível a Longo Prazo e do Patrimônio Líquido. Devem ser incluídos aqui os empréstimos e financiamentos de curto prazo. As saídas corres- pondem à amortização destas dívidas e os valores pagos aos acionistas a título de dividendos, distri- buição de lucros).
  15. 15. 90 Gestãofinanceira Demonstração do Valor Adicionado (DVA) Com a alteração apresentada pela Lei n° 11.638, foi imple- mentada a Demonstração do Valor Adicionado (DVA) como complemento à Demonstração do Resultado do Exercício. Essa nova demonstração tem o objetivo de demonstrar a riqueza gerada pelas entidades e sua distribuição entre fun- cionários, governo, acionistas e credores. A riqueza gerada pela empresa, medida no conceito de valor adicionado é cal- culada a partir da diferença entre o valor de sua produção e o dos bens e serviços produzidos por terceiros utilizados no processo de produção da empresa. Segundo Zanluca (2010), a utilização do DVA como ferramenta gerencial pode ser resumida da seguinte forma: i) como índice de avaliação do desempenho na geração da riqueza, ao medir a eficiência da empresa na utilização dos fatores de produção, comparando o valor das saídas com o valor das entradas, e ii) como índice de avaliação do desem- penho social à medida que demonstra, na distribuição da riqueza gerada, a participação dos empregados, do Governo, dos Agentes Financiadores e dos Acionistas. Notas Explicativas São dados e informações que complementam as demonstrações financeiras para esclarecimento da situação patrimonial e dos resultados do exercício, ou seja, fornecem informações sobre determinada conta, saldo ou transação, ou de valores relativos aos resultados do exercício, ou para menção de fatos que podem alterar futuramente tal situação patrimonial (IUDÍCIBUS, 2010). Segundo Lemes Jr. et al (2010) e Assaf Neto (2010), as notas devem indicar: 1. os principais critérios de avaliação dos elementos patrimoniais, especialmente estoques, dos cálculos
  16. 16. AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras 91 de depreciação, amortização e exaustão, de consti- tuição de provisões para encargos ou riscos, e dos ajustes para atender a perdas prováveis na realiza- ção de elementos do ativo; 2. detalhamento dos investimentos relevantes em outras empresas; 3. o aumento de valor de elementos do ativo resul- tante de novas avaliações; 4. os ônus reais constituídos sobre elementos do ativo, as garantias prestadas a terceiros e outras responsabilidades eventuais ou contingentes; 5. a taxa de juros, as datas de vencimento e as garan- tias das obrigações a longo prazo; 6. o número, espécies e classes das ações do capital social; 7. os ajustes de exercícios anteriores; 8. detalhamento de contas agrupadas no balanço, tais como despesas financeiras líquidas, ativo imo- bilizado etc.; 9. cálculo do lucro e do dividendo por ação, e do divi- dendo mínimo obrigatório; e 10. os eventos subsequentes à data de encerramento do exercício que tenham, ou possam vir a ter, efeito relevante sobre a situação financeira e os resulta- dos futuros da companhia. Parecer dos Auditores Independentes Todas as empresas de capital aberto são obrigadas a publicar, com suas demonstrações financeiras, o parecer dos auditores independentes. Os Auditores independentes são contadores que, sem vínculo empregatício, são contratados para emitir opiniões sobre a correção e veracidade das demonstrações financeiras
  17. 17. 92 Gestãofinanceira (MATARAZZO, 2010). Assim, os auditores verificam os con- troles interno da empresa, conferem lançamentos e con- ciliações contábeis e financeiras, de modo a atestar se as demonstrações estão dentro dos princípios contábeis em uti- lização no país e se esses princípios foram aplicados de forma consistente em relação ao período anterior. Análise de Desempenho Empresarial A análise das demonstrações financeiras, ou “análise de Balanços”, visa o estudo do desempenho econômico-finan- ceiro de uma empresa em determinado momento e é desen- volvida mediante a aplicação de técnicas simples e bastante difundidas, como: Os principais demonstrativos utilizados na aná- lise econômico-financeira de uma empresa são o Balanço Patrimonial e a Demonstração do Resultado do Exercício. Análise Vertical e Horizontal “É uma das técnicas mais simples de aplicação e, ao mesmo tempo, mais importante no que se refere à riqueza das informações geradas para a avaliação do desempenho empresarial refere-se à análise horizontal e vertical” (ASSAF NETO, 2010). Análise Vertical • Baseia-se em valores percentuais das demonstra- ções financeiras; Análise das demonstrações financeiras Análise vertical e horizontal Índices Econômico-financeiros
  18. 18. AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras 93 • Calcula-se o percentual de cada conta em relação a um valor-base; • No Balanço: 1. Calcula-se o percentual de cada conta em relação ao total do Ativo; 2. Fornece indicadores que facilitam a avalia- ção da estrutura do ativo e das suas fontes de financiamento. 3. No Ativo permite analisar a política da empresa em relação a estoques, duplicatas a receber, imobilizado e no Passivo permite visualizar a política financeira de obtenção dos recursos. 4. Mostra qual o percentual dos recursos totais foi destinado ao Ativo Circulante e quanto ao Ativo Permanente, permitindo comparar a empresa com seus concorrentes e identificar se a alocação dos recursos é típica do setor ou ramos de atividade. Exemplo: No comércio é maior o investimento em Ativo Circulante do que em Imobilizado, se uma empresa comer- cial apresentar situação inversa é preciso investigar as causas desta situação. • No Demonstrativo de Resultados: 1. Calcula-se o percentual de cada conta em relação às vendas (receita operacional líquida). 2. Possibilita avaliar a participação de cada ele- mento na formação do lucro ou prejuízo da empresa. 3. Cada item pode ser controlado em função do seu percentual em relação às vendas. Como
  19. 19. 94 Gestãofinanceira o percentual do lucro líquido em relação às vendas é pequeno, o controle das despesas é de grande relevância, pois qualquer alteração afeta o lucro gerado (qualquer aumento per- centual nas despesas é indesejável). Por isso, muitas empresas controlam rigorosamente estes percentuais através do estabelecimento de metas. Análise Horizontal • Mostra a evolução no tempo de cada elemento específico. É realizada a partir de um conjunto de balanços e demonstrações de resultados consecuti- vos. • Análise Horizontal Encadeada: 1. Calculada em relação a uma demonstração financeira básica (geralmente a mais antiga da série - técnica dos números-índices. Neste caso, todas as contas do ano-base são iguais a 100 e através da regra de três calcula-se os valores para os anos seguintes. • Análise Horizontal Anual: 1. Calculada em relação à demonstração ante- rior. Não substitui o processo encadeado, ape- nas pode ser usada como complementação. • No Balanço mostra em quais itens do Ativo a empresa vem dando ênfase na alocação de seus recursos e, comparativamente, de quais recursos adicionais se vem valendo, já que permite identifi- car o crescimento de cada componente do Ativo e do Passivo. • Sob condições inflacionárias, os dados da análise horizontal estarão distorcidos e deverão ser ajustados
  20. 20. AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras 95 com a utilização de um indexador que reflita ade- quadamente as variações de preço para a empresa. A homogeneização pode ser realizada para que ocorra uma deflação dos valores para a data-base. ATENÇÃO! Isoladamente estas duas técnicas poderão indu- zir a erros de avaliação ou encobrir fatos importantes. Conjuntamente, essas técnicas se completam e permitem identificar os elementos merecedores de uma investigação mais profunda. Por exemplo, uma conta pode ter apresentado uma variação de 200% pela análise horizontal e continuar sendo um item irrelevante dentro da demonstração financeira, já que na análise vertical representa apenas 1% do total do seu grupo. Ao contrário, um aumento de 20% em uma conta que representa 80% do seu grupo é um fato relevante. As duas análises em questão permitem localizar pontos específicos de falhas, problemas e características da empresa. A regularidade de comportamento de diversos itens das demonstrações financeiras é sinal de estabilidade e segurança. A excessiva flutuação representa elevação no risco empresarial e a análise vertical/horizontal pode detectar isso. Exemplo: Considere o Balanço Patrimonial e o Demonstrativo de Resultado da Empresa “Primeiros Passos S/A” para os exercícios de 2009 e 2010. Análise Vertical - Dividir todas as contas pelo total do Ativo. Exemplo: Disponibilidades = 50.000/1.500.00 = 0,0333 = 3,33%
  21. 21. 96 Gestãofinanceira Empresa Primeiros Passos S/A (Reais Mil) Ativo 2010 AV AH 2009 AV AH Ativo circulante Disponibilidades 50.000 3,33% 125,00 40.000 3,33% 100 Créditos/contas a receber 500.000 33,33% 131,58 380.000 31,67% 100 Estoques 220.000 14,67% 122,22 180.000 15,00% 100 Outros ativos 20.000 1,33% 133,33 15.000 1,25% 100 Subtotal 790.000 52,67% 128,46 615.000 51,25% 100 Ativo Não circulante Realizável a longo prazo Contas a receber 110.000 7,33% 129,41 85.000 7,08% 100 Investimentos 150.000 10,00% 125,00 120.000 10,00% 100 Imobilização 350.000 23,33% 126,00 280.000 23,33% 100 Intangível 100.000 6,67% 100,00 100.000 8,33% 100 Subtotal 710.000 47,33% 121,37 585.000 48,75% 100 Ativo Total 1500000 100,00% 125,00 1200000 100,00% 100
  22. 22. AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras 97 Análise Horizontal - Dividir cada conta de 2010 pela sua cor- respondente de 2009 (ano-base) Exemplo: Fornecedores = 300.000/250.000 = 1,20 = 120 2009 = 100 - 2010 = 120 - Indica um crescimento de 20% na conta fornecedor no período. Empresa Primeiros Passos S/A (Reais Mil) Passivo 2010 AV AH 2009 AV AH Ativo circulante Empréstimos e financiamentos 100.000 6,67% 222,22 45.000 3,75% 100 Fornecedores 300.000 20,00% 120,00 250.000 20,83% 100 Contas apagar 220.000 14,67% 110,00 200.000 16,67% 100 Impostos, taxas e contribuições 1200.00 8,00% 114,00 105.000 8,75% 100 Subtotal 740.000 49,33% 123,33 600.000 50,00% 100 Passivo Não circulante Empréstimos e Financiamentos 200000 13,33% 160,00 125000 10,42% 100 Subtotal 200.000 13,33% 160,00 125000 10,42% 100 Patrimônio Líquido Capital social realizado 300.000 20,00% 100,00 300.000 25,00% 100 Reservas de capi- tal e de lucros 100.000 6,67% 133,33 75.000 6,26% 100 Lucros e Prejuízos acumu- lados 160.000 10,67% 160,00 100.000 8,33% 100 560.000 37,33% 117,89 475.000 39,58% 100 Passivo total 1500000 100,00% 125,00 12000000 100,00% 100
  23. 23. 98 Gestãofinanceira Análise Vertical - Dividir todas as contas pela receita líquida. Exemplo: Custos = -300.000/600.000 = -0,5 = -50% O Custo do produto vendido ou do serviço prestado consumiu 50% da receita líquida da empresa em 2010. Empresa Primeiros Passos S/A (Reais Mil) Demonstrativo de resultado 2010 AV AH 2009 AV AH Receita bruta de vendas e serviços 800.000 133,33% 123,08 650.000 131,58% 100 (-) Impostos sobre vendas (200000) -33,33% 128,21 (156000) -31,58% (100) (=) Receita líquida 600.000 100,00 121,46 494.000 100,00% 100 (-) Custos de bens e serviços (300000) -50,00% 115,38 (260000) -52,63% (100) (=) Resultado bruto 300.000 50,00 128,21 234.000 47,37% (100) (-) Despesas/recei- tas operacionais (220000) -36,67% 129,41 (170000) -34,41% (100) Com vendas (60.000) -10,00% 120,00 (50.000) -10,12% (100) Gerais e adm. (50000) -8,33% 125,00 (40.000) -8,10% (100) Finaceiras 80.000 -13,33% 133,33 (60.000) -12,15% (100) Outras despesas Operacionais (30.000) -5,00% 150,00 (20.000) -4,05% (100) (=) Resultado operacional 80.000 13,33% 125,00 64.000 12,15% 100 (+) Resultado não operacional 20.000 3,33% 200,00 10.000 2,02% 100 (-) Resultado antes tributação 100.000 16,67% 135,14 74.000 14,98% 100 (-) Provisão para IR e contribuição (15.000) -2,50% 135,14 (11.100) -2,25% (100) Lucro/prejuízo do exercício 85.000 14,17% 135,135 62.900 12,73% 100
  24. 24. AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras 99 Análise Horizontal - dividir cada conta de 2010 pela sua correspondente de 2009 (ano-base) Exemplo: Lucro Líquido = 85.000/62.900 = 1,35135 = 135,135 2009 = 100 - 2010 = 135,135 Indica um crescimento do lucro da empresa de 35,135% Índices Econômico-Financeiros “Índice é a relação entre contas ou grupos de con- tas das Demonstrações Financeiras, que visa evidenciar determinado aspecto da situação econômica ou financeira de uma empresa” (MATARAZZO, 2010). Os índices consti- tuem a técnica de análise mais empregada em ‘Análise das Demonstrações Financeiras’. Podemos dividir a análise através dos índices em grupos: Índices de Liquidez Estes índices permitem avaliar a capacidade da empresa de honrar os seus compromissos, ou seja, em cons- tituir fundos que sejam capazes de amortizar as despesas no curto e longo prazo. Os índices de liquidez não são extraídos do fluxo de caixa que comparam entradas e saídas de dinheiro; são índi- ces que, a partir do confronto de ativos com dívidas, procu- ram medir quão sólida é a base financeira da empresa. Índices Liquidez Situação financeira Situação econômica Gestão de caixa ou ativos Endividamento Rentabilidade Atividade
  25. 25. 100 Gestãofinanceira Uma empresa com bons índices de liquidez tem capaci- dade de pagar suas dívidas, mas não estará, obrigatoriamente, pagando suas dívidas em dia em função de outras variáveis como prazo, renovação de dívidas etc. (MATARAZZO, 2010). Os principais indicadores são: Liquidez Geral Retrata a saúde financeira a longo prazo da empresa. Um índice de liquidez geral superior a 1 indica que a empresa consegue pagar todas as suas dívidas (de curto e de longo prazos) e ainda dispõe de uma “folga” de recursos, entre- tanto, um índice inferior a 1 revela que a empresa não conse- guiria pagar, naquela data, a totalidade de suas dívidas; para quitar suas dívidas terá que utilizar recursos investidos em outras contas do Ativo, como, por exemplo, em Imobilizado. Isto não significa que a empresa esteja em insolvência, já que as dívidas de longo prazo não vencem de imediato e que até o seu vencimento a empresa poderá gerar recursos. Liquidez Corrente Verifica a capacidade da empresa em honrar seus com- promissos de curto prazo por meio de suas disponibilidades financeiras, de contas a receber e dos estoques. Um índice de liquidez corrente superior a 1 indica que a empresa consegue pagar todas as suas dívidas de curto com os investimentos de curto prazo, ou seja, indica a exis- tência de um capital circulante (capital de giro). Um indicador inferior a 1 revela que a empresa não possui investimentos Ativo circulante + Realizável a longo prazo Passivo circulante + Passivo não circulante LG = Ativo circulante Passivo circulante LC =
  26. 26. AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras 101 de curto prazo suficientes para quitar seus compromissos de curto prazo, ou seja, indica a existência de um capital de giro líquido negativo. Liquidez Seca Os estoques não apresentam, normalmente, liquidez compatível com os demais itens do grupo circulante, afinal, nem sempre é tão rápido vender os estoques. Visando extrair a baixa liquidez dos estoques (item de maior risco no ativo circulante), criou-se o indicador de liquidez seca. O risco dos estoques deriva da possibilidade de roubo, obsolescên- cia, deterioração e de não serem vendidos e, portanto, de não serem convertidos em dinheiro, não servindo para o paga- mento das dívidas. É um risco que depende da empresa, do mercado e da conjuntura econômica. Assim, a liquidez seca mede o volume de dívidas de curto prazo que pode ser pago mediante o uso de ativos cir- culantes de alta liquidez. Liquidez Imediata Também chamado de índice de caixa, reflete o volume de dívidas de curto prazo que pode ser saldado imediatamente pela empresa, utilizando suas disponibilidades de caixa. É o menos importante dos indicadores de liquidez. Ativo circulante - Estoques Passivo circulante LS = Disponibilidade Passivo circulante LI =
  27. 27. 102 Gestãofinanceira Exemplo: Calculando os indicadores de liquidez para a empresa “Primeiros Passos S/A”. Índices de Endividamento Os índices deste grupo mostram as grandes linhas de decisões financeiras em termos de obtenção de recursos. Os principais indicadores são: Endividamento Geral Mostra o percentual de dependência de recursos de terceiros para financiar o ativo. É um bom indicador de risco para a empresa. Elevadas proporções neste índice revelam que a empresa se encontra excessivamente endividada. Podemos desmembrar este indicador em dois: • Endividamento de Curto Prazo: Mostra a porcenta- gem dos recursos totais da empresa que é financiada por recursos de terceiros de curto prazo. • Endividamento de Longo Prazo: Mostra o percen- tual do patrimônio da empresa que é financiada por recursos de terceiros de longo prazo. Índices de Liquidez Fórmula 2010 2009 Variação Liquidez geral (AC+RLP)/(PC+PNC) 0,957 0,966 -0,84% Liquidez corrente AC/PC 1,068 1,025 4,15% Liquidez Seca (AC-estoque)/PC 0,770 0,725 6,24% Liquidez imediata Disponibilidades/PC 0,068 0,067 1,35% Capital de terceiros x 100 Ativo total EG = Capital de terceiros = Passivo circulante + Passivo não circulante Passivo Circulante x 100 Ativo total EGcp =
  28. 28. AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras 103 Participação de Capitais de Terceiros Indica quanto a empresa possui de dívidas em relação aos recursos próprios pertencentes aos acionistas. Em geral, um índice superior a 100% evidencia desequilíbrio entre as duas fontes de financiamento do Ativo, mostrando o risco ou a dependência a terceiros, ou seja, do ponto de vista finan- ceiro quanto maior este índice, maior a dependência do capi- tal de terceiros. Composição do Endividamento Representa o volume de dívidas que deve ser pago no curto prazo. Subtraindo esse índice de 100% encontra-se a par- ticipação das dívidas de longo prazo. Por exemplo, se o índice for de 40%, indica que 40% das exigibilidades deverão ser pagas no próximo exercício e 60% são dívidas de longo prazo. Exemplo: Calculando os indicadores de endividamento para a empresa “Primeiros Passos S/A” Passivo não circulante x 100 Ativo total EGlp = Passivocirculante+Passivonãocirculante x100 Patrimônio líquido PCT = Passivocirculante Passivocirculante+Passivonãocirculante CE = x100 Índices de endividamento Fórmula 2010 2009 Variação Endividamento geral (PC+PNC)/AT 62,67% 60,42% 3,72% Endiv. de curto prazo PC/AT 49,33% 50,00% -1,33% Endiv. de longo prazo PNC/AT 13,33% 10,42% 28,00% Participação de cap. de terc. (PC+PNC)/PL 167,86% 152,63% 9,98% Composição do endiv. PC/(PC+PNC) 78,72% 82,76% -4,88%
  29. 29. 104 Gestãofinanceira Índices de Rentabilidade Os índices deste grupo mostram qual a rentabilidade dos capitais investidos, ou seja, visam medir o quão eficiente- mente a empresa usa seus ativos e administra suas operações. Segundo Assaf Neto (2010), “uma análise baseada exclusiva- mente no valor absoluto do lucro líquido traz normalmente sério viés de interpretação ao não se refletir se o resultado gerado no exercício é condizente ou não com o potencial eco- nômico da empresa”, daí a importância de se trabalhar com os indicadores de rentabilidade. Índice de Lucratividade Também chamado de Margem de Lucro ou Rentabilidade das Vendas. Mede a eficiência da empresa em produzir lucro por meio de suas vendas. Pode ser apurado em termos de lucratividade, bruta, operacional e líquida. • Índice de lucratividade bruta: Permite avaliar, percentualmente, o lucro bruto em relação à receita líquida da empresa, ou seja, qual o percentual de sobra após descontados os custos dos produtos ou serviços vendidos. • Índice de lucratividade operacional: mede o percen- tual do lucro operacional em relação à receita operacio- nal da empresa, permitindo conhecer a lucratividade antes da incidência do imposto de renda e da contri- buição social. Lucro bruto Receita líquida ILb = x100 Lucro operacional Receita líquida Lop = x100
  30. 30. AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras 105 • Índice de lucratividade líquida: é o indicador mais usado da eficiência global da empresa. Indica quanto a empresa obtém de lucro para cada R$ 100 vendidos, ou seja, quanto realmente restou para a empresa depois de descontados todos os gastos e tributos. Rentabilidade do Ativo (ou Retorno sobre o Investimento Total) Também conhecido como ROA, do inglês Return on total assets. Este índice mostra quanto a empresa obteve de lucro líquido em relação ao Ativo. É uma medida do poten- cial de geração do lucro da parte da empresa, ou seja, mede a capacidade que os ativos apresentam de gerar lucros. Rentabilidade do Patrimônio Líquido Também conhecido como ROE, do inglês Return on Equity. Mede a relação do lucro líquido em relação ao patri- mônio líquido (capital próprio investido). O papel deste indicador é mostrar qual a taxa de rendimento do capital pró- prio, e por isso é de grande importância para o acionista da empresa, já que pode ser comparado com a taxa de outros rendimentos alternativos no mercado, como Caderneta de Poupança, CDBs, Ações, Aluguéis etc. Pode-se avaliar se a empresa oferece rentabilidade superior ou inferior a essas opções. Lucro líquido Receita líquida IL = x100 Lucro líquido Ativo total ROA = x100 Lucro líquido Patrimônio líquido ROE = x100
  31. 31. 106 Gestãofinanceira Exemplo: Calculando os índices de Rentabilidade para a empresa “Primeiros Passos S/A” Índices de Atividade Os indicadores de atividade visam “a mensuração das diversas durações de um ciclo operacional, o qual envolve todas as fases operacionais típicas de uma empresa, que vão desde a aquisição de insumos básicos ou mercadorias até o recebimento das vendas realizadas” (ASSAF NETO, 2010). Ciclo Operacional = Prazo Médio dos Estoques + Prazo Médio Contas a Receber Ciclo Financeiro = Ciclo Operacional - Prazo Médio Fornecedor Prazo Médio de Estoque (PME) Índices de rentabilidade Fórmula 2010 2009 Variação Lucratividade bruta LB/LR 50,00% 47,37% 5,56% Lucratividade operacional LO/LR 13,33% 12,96% 2,92% Lucratividade líquida LL/LR 14,47% 12,73% 11,26% Retorno sobre ativo (ROA) LL/AT 5,67% 5,24% 8,11% Retorno sobre patrimônio LL/PL 15,18% 13,24% 14,62% Ciclo operacional Ciclo financeiro Compra Vende Recebe Paga Dias Prazo médio estoque Prazo médio fornecedor Prazo médio contas a receber
  32. 32. AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras 107 Mensura o período médio necessário para a completa renovação dos estoques, ou seja, mede o tempo médio em que os estoques se transformam em vendas. Obs.: Estoque médio = (estoque final ano 1 + estoque final ano anterior)/2 Um prazo maior de estocagem acarreta na necessidade de maiores investimentos no ativo, o que representa um fator redutor de seu retorno. Prazo Médio de Recebimento (PMR) Destaca a administração das contas a receber de uma empresa, visto que revela o tempo médio que a empresa des- pende em receber suas vendas a prazo. É um prazo bastante importante, na medida em que enquanto uma empresa vende e não recebe, está gerando um crédito ao cliente, e esse crédito é, na ótica da empresa, algo que tem que ser financiado. Assim, quanto mais baixo o prazo médio de recebimento, maior a eficiência da empresa na sua cobrança. Prazo Médio de Pagamento (PMP) Mensura o período médio de pagamento das dívidas (compras a prazo) de fornecedores. Compras = Custo das Mercadorias Vendidas - Estoque Inicial + Estoque Final Estoque Médio Custo dos produtos vendidos PME = x 360 Contas a receber Receita bruta de vendas PMR = x 360 Fornecedores Compras PMP = x 360
  33. 33. 108 Gestãofinanceira Assim, quanto mais elevado o prazo médio de paga- mento, maior a fatia da atividade da empresa que é financia- das pelos fornecedores. Exemplo: Calculando os indicadores de atividade para a empresa “Primeiros Passos S/A”: Obs.: considere o estoque final de 2008 de $ 150.000 Matarazzo (2010) destaca que a análise através de índices financeiros é genérica, relaciona grandes itens das demonstrações financeiras e permite dar uma avaliação à empresa. A análise vertical e horizontal dá um detalhamento que permite localizar pontos específicos de falhas, proble- mas, características da empresa e explicar os motivos de a empresa estar em determinada situação. Daí a importância de se trabalhar com todas essas técnicas em conjunto. Aviso Importante Como nosso objetivo é analisar os demonstrativos financeiros como um todo, nosso relatório será descritivo e por ser o primeiro, detalhado. Procuraremos descrever as principais contas. Índices de atividade Fórmula 2010 2009 Variação Prazo médio de estoque (estoque médio/CPV) x360 240 228 5,05% Prazo médio de contas a receber (contas rec/ RB)x360 225 210 6,91% Prazo médio de fornecedores (fornecedor/ compras)x360 318 310 2,35% OBS: estoque médio = (est. inicial + est. final)/2 200.000 165.000 compras = custo produto vendido - est. inicial + est. final 340.000 290.000
  34. 34. AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras 109 Em vermelho colocaremos algumas observações que não pertecem a um relatório comum, mas que estão aponta- das no exercício para facilitar a localização das informações para estudo. É HORA DE FIXAR Considere a análise vertical, análise horizontal e os índices econômico-financeiros da empresa nos anos de 2010 e 2009 calculados ao longo desta unidade para a empresa “Primeiros Passos S/A”. Produza um relatório destacando os principais pontos observados na análise dos demonstrativos desta empresa. Obs.: Não existe um modelo padrão de relatório. Cada analista o confecciona conforme seus objetivos (conceder cré- dito, por exemplo). Alguns fazem na forma de texto, outros na forma de tópicos, podem considerar todos os índices ou apenas os índices mais relevantes para o objetivo da análise. RESOLUÇÃO: Sugestão de relatório Houve um crescimento de 25% no Ativo Total da Empresa (passando de 1.200.000 em 2009 para 1.500.000 em 2010). O Ativo circulante cresceu 28,46% (passando de 615.000 para 790.000), elevando sua participação no total do patri- mônio da empresa (antes correspondia a 51,25% e em 2010 passou para 52,67%). Os créditos/contas a receber são a conta mais significativa do Ativo circulante, visto que correspon- dem a 33,33% do total do patrimônio. Os estoques, apesar do crescimento de 22,22% (antes eram 180.000 e passaram para 220.000) tiveram uma pequena queda na representatividade dentro patrimônio da empresa, passando de 15% em 2009 para 14,67% em 2010. O Ativo Não Circulante também contribuiu para o aumento no patrimônio, visto que sofreu uma elevação de 21,37% (em 2009 era 585.000 e em 2010 passou para 710.000).
  35. 35. 110 Gestãofinanceira Apesar deste crescimento, a representatividade dentro do ativo total sofreu uma ligeira redução, passando de 48,75% para 47,33%. Esta redução ocorreu pela queda da participa- ção do Intangível (mesmo com a manutenção do seu valor monetário em 100.000, a participação passou de 8,33% em 2009 para 6,67% em 2010). O Passivo Circulante sofreu queda, passando de 50% para 49,33% do total do Passivo, em decorrência da redução na participação das contas a pagar. O nível de endividamento geral da empresa aumentou em virtude da elevação nos empréstimos de curto e de longo prazos (ver indicadores de endividamento). O endividamento geral da empresa mostra que 62,67% dos recursos foram obtidos de terceiros, enquanto o capital próprio financia apenas 37,33% do ativo total (mos- trado pelo Patrimônio Líquido que em 2009 era 39,58% e em 2010 passou para 37,33%). Além disso, cabe ressaltar que a empresa possui um Capital Circulante Líquido (Ativo Circulante - Passivo Circulante) positivo, o que mostra que a empresa é capaz de saldar suas dívidas de curto prazo com seus recursos dispo- níveis também no curto prazo (perceptível pelos indicadores de liquidez, especialmente a liquidez corrente). As vendas brutas cresceram 23,08% no período e ocor- reu uma pequena e importante redução nos custos dos pro- dutos vendidos, os quais passaram de 52,63% para 50% de absorção das vendas, fatos que levaram a um aumento no lucro bruto (índice de lucratividade bruta – em 2009 era 47,37% e em 2010 passou para 50%). As despesas operacionais, por sua vez, sofreram um aumento de 29,41%, passando a consu- mir 36,67% das vendas líquidas. Mesmo com o aumento nas despesas, a lucratividade operacional sofreu elevação (índice de lucratividade operacional: 2009 = 12,96%; 2010 = 13,33%, o
  36. 36. AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras 111 que mostra que as operações da empresa trouxeram aumento na rentabilidade). O aumento na rentabilidade operacional, associado à ampliação das receitas não operacionais, resul- tou .em um aumento na margem líquida de lucro, que passou de 12,73% em 2009 para 14,17% em 2010. Merece destaque o aumento na rentabilidade do ativo e dos acionistas (ver ROA e ROE). Referências ASSAF NETO, A. Finanças Corporativas e Valor. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010. GITMAN, L. Princípios de Administração Financeira. 12. ed. São Paulo: Addison Wesley Brasil, 2010. HIGGINS, R.C. Análise para Administração Financeira. 8. ed. Rio de Janeiro: Mc Graw Hill, 2007. IUDÍCIBUS, S. Análise de Balanços. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2009. LEMES JR., A. B. et al. Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras. 3. ed. Rio de Janeiro: Cam- pus, 2010. MATARAZZO, D. C. Análise Financeira de Balanços – abor- dagem básica e gerencial. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010. PORTAL DE CONTABILIDADE. A DFC – Demonstração dos Fluxos de Caixa. Disponível em: http://www.portaldecon-
  37. 37. 112 Gestãofinanceira tabilidade.com.br/tematicas/ademonstracaodosfluxos.htm. Acesso em out.2010. ZANLUCA, J. C. Demonstração do Valor Adicionado. Dis- ponível em: http://www.portaldecontabilidade.com.br/temat- icas/demonstracaodovalor.htm. Acesso em out.2010.
  38. 38. AnálisedasDemonstraçõesFinanceiras 113

×