SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 103
Baixar para ler offline
por Profª Míriam Regina de Freitas Zelmikaitis
Introdução à
A linguagem da ARTE
A LINGUAGEM – O mais importante
patrimônio da humanidade:
- interação com as pessoas
- expressão de ideias, pensamentos, emoções, opiniões;
- expressa a cultura de um povo.
A ARTE – possui duas funções:
- Hedonística – proporcionar prazer, retratando o belo;
- Catártica – efeito moral e purificador após o despertar do
sentimento de terror e piedade.
Assim, proporciona prazer e fruição estética e alivia tensões da
alma = estranhamento em face da realidade (visão do mundo
com outros olhos)
O que é
LITERATURA ?
Assim como a música, a pintura e a dança, a
Literatura é considerada uma arte.
Leva a sensações, estranhamento.
Instaura o real numa nova dimensão, distinta
da consagrada.
O que é
LITERATURA ?
Através dela temos contato com um conjunto
de experiências vividas pelo homem sem que
seja preciso vive-las.
O que é
LITERATURA ?
É um instrumento de comunicação, pois
transmite os conhecimentos e a cultura de
um povo.
O texto literário nos permite identificar as
marcas do momento em que foi escrito.
O que é
LITERATURA ?
É A ARTE QUE SE MANIFESTA
ATRAVÉS DA PALAVRA, SEJA ELA
FALADA OU ESCRITA.
A Literatura teoricamente desempenha quatro
funções:
Catártica
Cognitiva
Estética
Político-social.
Funções da
LITERATURA ?
CATÁRTICA
Lemos para que a palavra nos traga algum alento,
consolo. Como é gostoso quando lemos a Bíblia,
uma frase ou um livro que nos estimula quando
estamos abatidos, nesse momento a Literatura está
desempenhando sua função catártica.
Funções da
LITERATURA ?
COGNITIVA
Um dos objetivos da Literatura é transmitir
conhecimento, quando lemos , sempre estamos
aprendendo algo, nesse caso encontramos a
função cognitiva da Literatura.
Funções da
LITERATURA ?
ESTÉTICA
Quando lemos e percebemos o belo, um texto, um
poema bem escrito, o belo, a Literatura
desempenha a sua função estética.
Funções da
LITERATURA ?
Funções da
LITERATURA ?
POLÍTICO-SOCIAL
A Literatura também tem o seu lado que nos faz
sermos mais críticos, a pensarmos se realmente
estamos cumprindo nosso dever como cidadãos,
então encontramos a função político-social.
IDADE ANTIGA
UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA
IDADE ANTIGA
UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA
Também conhecida como de Idade Clássica é o primeiro
período da História humana. Começa com surgimento da
escrita (3.000 a.C) e termina com a queda do Império
Romano (Século III d.C).
Três civilizações se destacam nesse período:
- a grega (do PENSADOR),
- a romana (do RELIGIOSO)
- a egípcia (do GUERREIRO).
IDADE ANTIGA
UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA
Um período de intensa produção cultural. Na ciência, na
literatura, no teatro, na arquitetura, na escultura, na
filosofia, na política, na religião.
A literatura expressava o culto aos deuses e tentava
explicar e orientar a vida da humanidade.
A principal expressão literária na antiguidade é a
Mitologia Grega, porém vários povos possuíam seu grau
de expressividade para época, Egito, Macedônia, Roma,
China, Povos Árabes.
IDADE ANTIGA
UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA
Todas são culturas ANTROPOCÊNTRICAS, ou seja, o
HOMEM é O CENTRO DA VIDA HUMANA - buscando
beleza e perfeição em tudo o que fazem.
BELEZA E PERFEIÇÃO, no conceito dos Antigos, são
sinônimos de complexidade, de detalhismo, de
obediência a modelos (conjunto de normas) a serem
seguidas na elaboração de poemas (VERSIFICAÇÃO),
de textos escritos (GRAMÁTICA), de discursos
filosóficos, políticos, morais (ORATÓRIA), etc;
Literatura Egípcia
UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA
A literatura no Egito Antigo
está diretamente ligada a sua religião que era marcada por
várias crenças, mitos e simbolismos.
O Hieróglifo é um termo originário de duas palavras gregas:
(hierós) "sagrado", e (glýphein) "escrita". Apenas os
sacerdotes, membros da realeza, altos cargos, e escribas
conheciam a arte de ler e escrever esses sinais sagrados,.
Era uma escrita religiosa, ligada ao culto a eternidade.
Os hieróglifos foram usados durante um quatro milênios.
Literatura Egípcia
UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA
Com o tempo os hieróglifos
evoluíram para formas mais
simples, como o Hierático,
uma variante mais cursiva que se podia pintar em papiros ou
placas de barro, e mais tarde, a escrita evoluiu para o
Demótico, mais estilizados.
Para os usos mais mundanos eram utilizados principalmente
hieróglifos cursivos.
Literatura Egípcia
UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA
Livro dos mortos - Principal obra literária egípcia
Nome original Egito Antigo era Livro de Sair Para a
Luz, uma coletânea de feitiços, fórmulas mágicas,
orações, hinos, escritos em rolos de papiro e
colocado no túmulo junto à múmia, para que o
morto pudesse passar livrar-se de ser devorado
pelo terrível deus Ammut no Tribunal de Osires.
O conhecendo o Livro dos Mortos temos um resumo
de toda a crença e literatura egípcia antiga.
Literatura Egípcia
UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA
Trecho de uma poesia egípcia,
aprox.1340 AC
Há sete dias que não vejo a minha bem-amada.
O desalento se abateu sobre mim.
Meu coração tornou-se pesado.
Esqueci até minha vida.
Quando os médicos vêm à minha casa,
Seus remédios não me satisfazem...
Ninguém descobre minha doença.
Mas se me dizem: "Olha! Ei-la",
Isso me restitui a vida.
Classicismo greco-romano:
Visão pagã do homem, apresentado como um ser perfeito,
quase um super-herói.
Busca da expressão perfeita, preocupação com a beleza.
Culto da objetivamente.
Antropocentrismo, isto é, o homem no centro dos
interesses e objetivos (da arte).
Apego aos bens do mundo
Liberdade de criação
Mitologia como fonte de assuntos
Literatura Greco-Romana
Séculos VIII a.C. a II d.C
UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA
Sua origem está vinculada aos rituais em homenagem a
Baco ou Dionísio - deus do vinho e da fertilidade -
realizados pelos cultivadores dos vinhedos, que colorem
seus rostos de vermelho com a própria uva e vestem-se de
BODE, símbolo de Dionísio. Essas vestes são chamadas
TRAGOS (= pele de bode, em grego), por isso, esses rituais
passam a ser chamados de TRAGOÉDIA.
No século VI a.C. são incluídos os DIÁLOGOS e as
MÁSCARAS e com elas surgem as PERSONAGENS do
espetáculo (Persona= máscara, em grego).
Literatura Greco-Romana
Teatro Grego
UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA
Segundo Platão (428 a.C – 347 a.C) a
comédia e a tragédia se constrói por
imitação.
Para Aristóteles (385 a.C – 323 a.C.), a
tragédia é a modalidade poética mais
perfeita que existe, pois ela retrata seres
humanos “melhores” do que os que
existem na realidade, e a comédia ocupa-
se de homens piores.
Literatura Greco-Romana
Teatro Grego
UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA
Após a invasão dos bárbaros germânicos, a
Europa se isola, forma-se o feudalismo e a Igreja
Católica começa a controlar a produção cultural.
A língua (latim) e a civilização latina são
preservadas pelos monges nos mosteiros.
A partir do século X começam a surgir poemas,
principalmente narrando guerras e fatos de
heroísmo
Séculos III a X
UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA
Visão cristã.
Religiosidade e subjetivismo.
Teocentrismo (Deus passa a ser o centro de tudo);
Homem voltado para o céu e para Deus;
Preocupação com a salvação da alma;
Submissão a igreja e senhor feudal
O Evangelho fonte de inspiração artística
Predomínio dos sentimentos sobre a razão;
Predomínio das poesias trovadorescas.
Medievalismo
Século XI - XV
A HISTÓRIA DA LITERATURA
É a época das Canções de Gesta, narrativas anônimas, de
tradição oral, que contam aventuras de guerra vividas nos
séculos VIII e IX , o período do Império Carolíngio.
Prosa na Idade Média, destacam-se as novelas de
cavalaria, como as que contam as aventuras em busca do
Santo Graal (Cálice Sagrado) e as lendas do rei Artur e dos
Cavaleiros da Távola Redonda.
Medievalismo - Século XI
A HISTÓRIA DA LITERATURA
As Canções de Gesta e
as Lendas Arturianas
LITERATURA
PORTUGUESA
As origens da literatura portuguesa
confunde-se com o início da Língua
Portuguesa;
Portugal – um dos menores países
da Europa, território aprox. 90.000
km2; empurrado para o mar -
particularidade literária: fuga ou apelo à terra;
Idade Média: luta contra os mouros, D. Afonso Henriques
ficou com a Península Portugália: 1ª ideia de nacionalidade;
LITERATURA
PORTUGUESA
Castelhano e Galego Português
(antecessor da língua portuguesa) =
dialeto da língua neolatina
(românica ou romanço) – derivação
do latim usado pelo Império
Romano
Lenda: D. Henrique invocou o nome de Cristo e este lhe
aparecera orientando a vencer a batalhar e dar soberania
portuguesa: gosto pelo misticismo e religiosidade
(inconsciente coletivo)
Idade Média: início da literatura portuguesa.
ESTILOS E PERÍODOS LITERÁRIOS
Estilo individual é a maneira peculiar com que
cada escritor manipula a linguagem literária.
Refere-se à capacidade de usar técnicas para
obter um melhor resultado estético.
Estilo de época é uma série de procedimentos
estéticos que caracterizam determinado período
histórico porque foram usados repetitiva e
constantemente, por uma ou mais geração de
escritores.
Estilos Literários
Escola ou período literário:
é o conjunto de obras e autores com semelhanças
estilísticas e temáticas que predominam durante
um determinado período.
Períodos Literários
O critério para dividir os períodos varia:
Publicação de uma obra revolucionária que se
torna o marco inicial de um determinado
período,
Um fato histórico influencia várias obras que
darão origem a um determinado movimento
literário.
Períodos Literários
Os períodos (datas) são apenas recursos didáticos
= impossível estabelecer precisamente o início e o
fim de um período.
Um estilo não “morre” por completo e a
passagem de um estilo para outro é lenta.
Muitas ideias adotadas em um período podem
ser aproveitadas por outros estilos literários que
fazem uma releitura ou uma reinterpretação de
textos já escritos.
Períodos Literários
O entendimento sobre cada estilo é importante para
compreensão da Literatura e da sociedade que a produziu.
CONTEXTO LITERÁRIO:
Ideologia dominante do período;
Realidade Social do período;
Realidade Política do período;
Realidade Econômica do período;
Cultura dominante no período;
Períodos Literários
Classicismo e Renascimento:
Negação dos princípios medievais e valorização da
estética greco-romana.
Super-homens, símbolos do predomínio da terra e do
corpo sobre o céu e alma.
Culto da perfeição, da objetividade.
Espírito de independência e curiosidade cientifica
Vontade de glórias terrenas
Clareza
Períodos Literários
Barroquismo:
Tentativa de combater a volta ao espírito pagão,
dominante no Renascimento.
Procura a fusão céu + terra, espírito + matéria, alma +
corpo.
Esta fusão impossível cria angústia, contradições,
aparência de confusão e imperfeição.
É o estilo da Contra-Reforma.
Períodos Literários
Arcadismo, Neoclassicismo
Busca a calma e a simplicidade, perdidas durante o
Barroco.
Procura-se o ideal da vida no contato com a terra, o
campo (Arcadismo)
ou no culto das ciências e na volta ao Classicismo
(Iluminismo e Neoclassicismo).
Períodos Literários
Romantismo
É o estilo da revolução Francesa, que, por si mesma, é
o símbolo do ideal nacionalista, popular e da negação
do passado clássico elitizante.
É o culto do amor, do mistério, do exótico, do passado
medieval como berço da nacionalidade.
É a fuga do meio social, através da “viagem” ao próprio
Eu, ao passado, à natureza.
É o estilo da liberdade.
Períodos Literários
Realismo, Parnasianismo,
Naturalismo
Negação da fuga romântica, valorizando-se o real, o
contemporâneo.
Negação do sonho, do subjetivismo
culto do retrato fidedigno, do relato da “vida como ela
é” (Realismo) ou, mesmo, do enfoque de tipos e fatos
os mais torpes e podres (Naturalismo).
Ideal da perfeição e da objetividade.
Períodos Literários
Simbolismo
O homem, saturado do real-material, procura, no
sonho, a perfeição.
Culto do inconsciente, do Exótico, do Indizível.
Períodos Literários
Modernismo
Tentativa de renovação total através do combate
violento de quase todo o passado.
Busca da nova maneira de expressar o que jamais foi
enfocado.
Diversas e contraditórias correntes, algumas com o
propósito implícito de escandalizar o burguês.
Pesquisa de novas expressões e de expressão de novas
“realidades”, muitas até então inexploradas.
É uma libertação maior ainda que a romântica
Períodos Literários
Períodos Literários
em Portugal
TROVADORISMO
HUMANISMO
CLASSICISMO
BARROCO
ARCADISMO/
NEOCLASSICISMO
ROMANTISMO
REALISMO
NATURALISMO
SIMBOLISMO
MODERNISMO
CONTEMPORÂNEA
ERA MEDIEVAL
Séc. XI a XV
Portugal
ERA CLÁSSICA
Séc. XVI a XVIII
ERA MODERNA
Séc. XIX a XXI
RENASCIMENTO
REVOLUÇÃOINDUSTRIAL/FRANCESA
• Teocentrismo;
• Feudalismo;
• Descentralização
política;
• Misticismo;
• Irracionalismo.
• Renascentismo;
• Antropocentrismo;
• Mercantilismo;
• Absolutismo Monárquico;
• Cientificismo;
• Racionalismo;
• Reforma e Contra Reforma.
• Queda da Monarquia;
• Ascensão da Burguesia;
• Individualismo;
• Visão comercial da Arte;
• Ruptura e Experimentação
Artística;
• Psicanálise;
• Investigação Existencial.
Períodos Literários
no Brasil
BARROCO
ARCADISMO
ROMANTISMO
REALISMO
NATURALISMO
PARNASIANISMO
SIMBOLISMO
PRÉ-MODERNISMO
MODERNISMO
CONTEMPORÂNEA
PERIODO COLONIAL
Séc. XVI a XVII
PERÍODO NACIONAL
Séc. XVIII a XXI
COLONIZAÇÃO
INDEPENDÊNCIA
Profª Míriam Regina de Freitas Zelmikaitis
BOA VIAGEM A ESSE
MUNDO MARAVILHO DA
LITERATURA !

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Linguagem e comunicação I
Linguagem e comunicação ILinguagem e comunicação I
Linguagem e comunicação I
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
Análise de (do) discurso
Análise de (do) discursoAnálise de (do) discurso
Análise de (do) discurso
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Literatura.ppt
Literatura.pptLiteratura.ppt
Literatura.ppt
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 

Semelhante a A linguagem da arte e a literatura

Semelhante a A linguagem da arte e a literatura (20)

História da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universalHistória da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universal
 
Revisão literatura
Revisão   literaturaRevisão   literatura
Revisão literatura
 
Escola literaria.ppt
Escola literaria.pptEscola literaria.ppt
Escola literaria.ppt
 
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.pptESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
 
revisc3a3o-literc3a1ria.ppt
revisc3a3o-literc3a1ria.pptrevisc3a3o-literc3a1ria.ppt
revisc3a3o-literc3a1ria.ppt
 
Revisão literária
Revisão literária Revisão literária
Revisão literária
 
Lit humanismo-renasc-classicismo português - profª katty
Lit  humanismo-renasc-classicismo português - profª kattyLit  humanismo-renasc-classicismo português - profª katty
Lit humanismo-renasc-classicismo português - profª katty
 
Apresentacào literatura 1001-a\ntonio houaiss
Apresentacào literatura 1001-a\ntonio houaissApresentacào literatura 1001-a\ntonio houaiss
Apresentacào literatura 1001-a\ntonio houaiss
 
Movimentos Literários
Movimentos LiteráriosMovimentos Literários
Movimentos Literários
 
Linha de tempo
Linha de tempo Linha de tempo
Linha de tempo
 
Linha de tempo 1
Linha de tempo 1Linha de tempo 1
Linha de tempo 1
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
 
Aula classicismo
Aula classicismoAula classicismo
Aula classicismo
 
Literatura ( Sônia Guedes)
Literatura   ( Sônia Guedes)Literatura   ( Sônia Guedes)
Literatura ( Sônia Guedes)
 
Estilos literarios
Estilos literariosEstilos literarios
Estilos literarios
 
Estilos literarios
Estilos literariosEstilos literarios
Estilos literarios
 
Literatura revisão
Literatura   revisãoLiteratura   revisão
Literatura revisão
 
Épocas literárias
Épocas literáriasÉpocas literárias
Épocas literárias
 
Épocas literárias
Épocas literáriasÉpocas literárias
Épocas literárias
 

Último

Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 

Último (20)

Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 

A linguagem da arte e a literatura

  • 1. por Profª Míriam Regina de Freitas Zelmikaitis Introdução à
  • 2. A linguagem da ARTE A LINGUAGEM – O mais importante patrimônio da humanidade: - interação com as pessoas - expressão de ideias, pensamentos, emoções, opiniões; - expressa a cultura de um povo. A ARTE – possui duas funções: - Hedonística – proporcionar prazer, retratando o belo; - Catártica – efeito moral e purificador após o despertar do sentimento de terror e piedade. Assim, proporciona prazer e fruição estética e alivia tensões da alma = estranhamento em face da realidade (visão do mundo com outros olhos)
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49.
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59.
  • 60.
  • 61.
  • 62. O que é LITERATURA ? Assim como a música, a pintura e a dança, a Literatura é considerada uma arte. Leva a sensações, estranhamento. Instaura o real numa nova dimensão, distinta da consagrada.
  • 63. O que é LITERATURA ? Através dela temos contato com um conjunto de experiências vividas pelo homem sem que seja preciso vive-las.
  • 64. O que é LITERATURA ? É um instrumento de comunicação, pois transmite os conhecimentos e a cultura de um povo. O texto literário nos permite identificar as marcas do momento em que foi escrito.
  • 65. O que é LITERATURA ? É A ARTE QUE SE MANIFESTA ATRAVÉS DA PALAVRA, SEJA ELA FALADA OU ESCRITA.
  • 66. A Literatura teoricamente desempenha quatro funções: Catártica Cognitiva Estética Político-social. Funções da LITERATURA ?
  • 67. CATÁRTICA Lemos para que a palavra nos traga algum alento, consolo. Como é gostoso quando lemos a Bíblia, uma frase ou um livro que nos estimula quando estamos abatidos, nesse momento a Literatura está desempenhando sua função catártica. Funções da LITERATURA ?
  • 68. COGNITIVA Um dos objetivos da Literatura é transmitir conhecimento, quando lemos , sempre estamos aprendendo algo, nesse caso encontramos a função cognitiva da Literatura. Funções da LITERATURA ?
  • 69. ESTÉTICA Quando lemos e percebemos o belo, um texto, um poema bem escrito, o belo, a Literatura desempenha a sua função estética. Funções da LITERATURA ?
  • 70. Funções da LITERATURA ? POLÍTICO-SOCIAL A Literatura também tem o seu lado que nos faz sermos mais críticos, a pensarmos se realmente estamos cumprindo nosso dever como cidadãos, então encontramos a função político-social.
  • 71. IDADE ANTIGA UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA
  • 72. IDADE ANTIGA UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA Também conhecida como de Idade Clássica é o primeiro período da História humana. Começa com surgimento da escrita (3.000 a.C) e termina com a queda do Império Romano (Século III d.C). Três civilizações se destacam nesse período: - a grega (do PENSADOR), - a romana (do RELIGIOSO) - a egípcia (do GUERREIRO).
  • 73. IDADE ANTIGA UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA Um período de intensa produção cultural. Na ciência, na literatura, no teatro, na arquitetura, na escultura, na filosofia, na política, na religião. A literatura expressava o culto aos deuses e tentava explicar e orientar a vida da humanidade. A principal expressão literária na antiguidade é a Mitologia Grega, porém vários povos possuíam seu grau de expressividade para época, Egito, Macedônia, Roma, China, Povos Árabes.
  • 74. IDADE ANTIGA UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA Todas são culturas ANTROPOCÊNTRICAS, ou seja, o HOMEM é O CENTRO DA VIDA HUMANA - buscando beleza e perfeição em tudo o que fazem. BELEZA E PERFEIÇÃO, no conceito dos Antigos, são sinônimos de complexidade, de detalhismo, de obediência a modelos (conjunto de normas) a serem seguidas na elaboração de poemas (VERSIFICAÇÃO), de textos escritos (GRAMÁTICA), de discursos filosóficos, políticos, morais (ORATÓRIA), etc;
  • 75. Literatura Egípcia UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA A literatura no Egito Antigo está diretamente ligada a sua religião que era marcada por várias crenças, mitos e simbolismos. O Hieróglifo é um termo originário de duas palavras gregas: (hierós) "sagrado", e (glýphein) "escrita". Apenas os sacerdotes, membros da realeza, altos cargos, e escribas conheciam a arte de ler e escrever esses sinais sagrados,. Era uma escrita religiosa, ligada ao culto a eternidade. Os hieróglifos foram usados durante um quatro milênios.
  • 76. Literatura Egípcia UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA Com o tempo os hieróglifos evoluíram para formas mais simples, como o Hierático, uma variante mais cursiva que se podia pintar em papiros ou placas de barro, e mais tarde, a escrita evoluiu para o Demótico, mais estilizados. Para os usos mais mundanos eram utilizados principalmente hieróglifos cursivos.
  • 77.
  • 78. Literatura Egípcia UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA Livro dos mortos - Principal obra literária egípcia Nome original Egito Antigo era Livro de Sair Para a Luz, uma coletânea de feitiços, fórmulas mágicas, orações, hinos, escritos em rolos de papiro e colocado no túmulo junto à múmia, para que o morto pudesse passar livrar-se de ser devorado pelo terrível deus Ammut no Tribunal de Osires. O conhecendo o Livro dos Mortos temos um resumo de toda a crença e literatura egípcia antiga.
  • 79. Literatura Egípcia UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA Trecho de uma poesia egípcia, aprox.1340 AC Há sete dias que não vejo a minha bem-amada. O desalento se abateu sobre mim. Meu coração tornou-se pesado. Esqueci até minha vida. Quando os médicos vêm à minha casa, Seus remédios não me satisfazem... Ninguém descobre minha doença. Mas se me dizem: "Olha! Ei-la", Isso me restitui a vida.
  • 80. Classicismo greco-romano: Visão pagã do homem, apresentado como um ser perfeito, quase um super-herói. Busca da expressão perfeita, preocupação com a beleza. Culto da objetivamente. Antropocentrismo, isto é, o homem no centro dos interesses e objetivos (da arte). Apego aos bens do mundo Liberdade de criação Mitologia como fonte de assuntos Literatura Greco-Romana Séculos VIII a.C. a II d.C UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA
  • 81. Sua origem está vinculada aos rituais em homenagem a Baco ou Dionísio - deus do vinho e da fertilidade - realizados pelos cultivadores dos vinhedos, que colorem seus rostos de vermelho com a própria uva e vestem-se de BODE, símbolo de Dionísio. Essas vestes são chamadas TRAGOS (= pele de bode, em grego), por isso, esses rituais passam a ser chamados de TRAGOÉDIA. No século VI a.C. são incluídos os DIÁLOGOS e as MÁSCARAS e com elas surgem as PERSONAGENS do espetáculo (Persona= máscara, em grego). Literatura Greco-Romana Teatro Grego UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA
  • 82. Segundo Platão (428 a.C – 347 a.C) a comédia e a tragédia se constrói por imitação. Para Aristóteles (385 a.C – 323 a.C.), a tragédia é a modalidade poética mais perfeita que existe, pois ela retrata seres humanos “melhores” do que os que existem na realidade, e a comédia ocupa- se de homens piores. Literatura Greco-Romana Teatro Grego UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA
  • 83. Após a invasão dos bárbaros germânicos, a Europa se isola, forma-se o feudalismo e a Igreja Católica começa a controlar a produção cultural. A língua (latim) e a civilização latina são preservadas pelos monges nos mosteiros. A partir do século X começam a surgir poemas, principalmente narrando guerras e fatos de heroísmo Séculos III a X UMA BREVE HISTÓRIA DA LITERATURA
  • 84. Visão cristã. Religiosidade e subjetivismo. Teocentrismo (Deus passa a ser o centro de tudo); Homem voltado para o céu e para Deus; Preocupação com a salvação da alma; Submissão a igreja e senhor feudal O Evangelho fonte de inspiração artística Predomínio dos sentimentos sobre a razão; Predomínio das poesias trovadorescas. Medievalismo Século XI - XV A HISTÓRIA DA LITERATURA
  • 85. É a época das Canções de Gesta, narrativas anônimas, de tradição oral, que contam aventuras de guerra vividas nos séculos VIII e IX , o período do Império Carolíngio. Prosa na Idade Média, destacam-se as novelas de cavalaria, como as que contam as aventuras em busca do Santo Graal (Cálice Sagrado) e as lendas do rei Artur e dos Cavaleiros da Távola Redonda. Medievalismo - Século XI A HISTÓRIA DA LITERATURA As Canções de Gesta e as Lendas Arturianas
  • 86. LITERATURA PORTUGUESA As origens da literatura portuguesa confunde-se com o início da Língua Portuguesa; Portugal – um dos menores países da Europa, território aprox. 90.000 km2; empurrado para o mar - particularidade literária: fuga ou apelo à terra; Idade Média: luta contra os mouros, D. Afonso Henriques ficou com a Península Portugália: 1ª ideia de nacionalidade;
  • 87. LITERATURA PORTUGUESA Castelhano e Galego Português (antecessor da língua portuguesa) = dialeto da língua neolatina (românica ou romanço) – derivação do latim usado pelo Império Romano Lenda: D. Henrique invocou o nome de Cristo e este lhe aparecera orientando a vencer a batalhar e dar soberania portuguesa: gosto pelo misticismo e religiosidade (inconsciente coletivo) Idade Média: início da literatura portuguesa.
  • 88. ESTILOS E PERÍODOS LITERÁRIOS
  • 89. Estilo individual é a maneira peculiar com que cada escritor manipula a linguagem literária. Refere-se à capacidade de usar técnicas para obter um melhor resultado estético. Estilo de época é uma série de procedimentos estéticos que caracterizam determinado período histórico porque foram usados repetitiva e constantemente, por uma ou mais geração de escritores. Estilos Literários
  • 90. Escola ou período literário: é o conjunto de obras e autores com semelhanças estilísticas e temáticas que predominam durante um determinado período. Períodos Literários
  • 91. O critério para dividir os períodos varia: Publicação de uma obra revolucionária que se torna o marco inicial de um determinado período, Um fato histórico influencia várias obras que darão origem a um determinado movimento literário. Períodos Literários
  • 92. Os períodos (datas) são apenas recursos didáticos = impossível estabelecer precisamente o início e o fim de um período. Um estilo não “morre” por completo e a passagem de um estilo para outro é lenta. Muitas ideias adotadas em um período podem ser aproveitadas por outros estilos literários que fazem uma releitura ou uma reinterpretação de textos já escritos. Períodos Literários
  • 93. O entendimento sobre cada estilo é importante para compreensão da Literatura e da sociedade que a produziu. CONTEXTO LITERÁRIO: Ideologia dominante do período; Realidade Social do período; Realidade Política do período; Realidade Econômica do período; Cultura dominante no período; Períodos Literários
  • 94. Classicismo e Renascimento: Negação dos princípios medievais e valorização da estética greco-romana. Super-homens, símbolos do predomínio da terra e do corpo sobre o céu e alma. Culto da perfeição, da objetividade. Espírito de independência e curiosidade cientifica Vontade de glórias terrenas Clareza Períodos Literários
  • 95. Barroquismo: Tentativa de combater a volta ao espírito pagão, dominante no Renascimento. Procura a fusão céu + terra, espírito + matéria, alma + corpo. Esta fusão impossível cria angústia, contradições, aparência de confusão e imperfeição. É o estilo da Contra-Reforma. Períodos Literários
  • 96. Arcadismo, Neoclassicismo Busca a calma e a simplicidade, perdidas durante o Barroco. Procura-se o ideal da vida no contato com a terra, o campo (Arcadismo) ou no culto das ciências e na volta ao Classicismo (Iluminismo e Neoclassicismo). Períodos Literários
  • 97. Romantismo É o estilo da revolução Francesa, que, por si mesma, é o símbolo do ideal nacionalista, popular e da negação do passado clássico elitizante. É o culto do amor, do mistério, do exótico, do passado medieval como berço da nacionalidade. É a fuga do meio social, através da “viagem” ao próprio Eu, ao passado, à natureza. É o estilo da liberdade. Períodos Literários
  • 98. Realismo, Parnasianismo, Naturalismo Negação da fuga romântica, valorizando-se o real, o contemporâneo. Negação do sonho, do subjetivismo culto do retrato fidedigno, do relato da “vida como ela é” (Realismo) ou, mesmo, do enfoque de tipos e fatos os mais torpes e podres (Naturalismo). Ideal da perfeição e da objetividade. Períodos Literários
  • 99. Simbolismo O homem, saturado do real-material, procura, no sonho, a perfeição. Culto do inconsciente, do Exótico, do Indizível. Períodos Literários
  • 100. Modernismo Tentativa de renovação total através do combate violento de quase todo o passado. Busca da nova maneira de expressar o que jamais foi enfocado. Diversas e contraditórias correntes, algumas com o propósito implícito de escandalizar o burguês. Pesquisa de novas expressões e de expressão de novas “realidades”, muitas até então inexploradas. É uma libertação maior ainda que a romântica Períodos Literários
  • 101. Períodos Literários em Portugal TROVADORISMO HUMANISMO CLASSICISMO BARROCO ARCADISMO/ NEOCLASSICISMO ROMANTISMO REALISMO NATURALISMO SIMBOLISMO MODERNISMO CONTEMPORÂNEA ERA MEDIEVAL Séc. XI a XV Portugal ERA CLÁSSICA Séc. XVI a XVIII ERA MODERNA Séc. XIX a XXI RENASCIMENTO REVOLUÇÃOINDUSTRIAL/FRANCESA • Teocentrismo; • Feudalismo; • Descentralização política; • Misticismo; • Irracionalismo. • Renascentismo; • Antropocentrismo; • Mercantilismo; • Absolutismo Monárquico; • Cientificismo; • Racionalismo; • Reforma e Contra Reforma. • Queda da Monarquia; • Ascensão da Burguesia; • Individualismo; • Visão comercial da Arte; • Ruptura e Experimentação Artística; • Psicanálise; • Investigação Existencial.
  • 103. Profª Míriam Regina de Freitas Zelmikaitis BOA VIAGEM A ESSE MUNDO MARAVILHO DA LITERATURA !