SlideShare uma empresa Scribd logo
HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
Quando começou....
Será que foi assim?
Códigos numéricos para cada País
As primeiras escritas deixadas por nossos antepassados.
Foi por volta de 1600 a.C. que os egípcios desenvolveram a técnica de fabricar folhas de
papiro, considerado o precursor do papel. Para confeccionar o papiro, corta-se o miolo
esbranquiçado e poroso do talo em finas lâminas. Depois de secas, estas lâminas são
mergulhadas em água com vinagre para ali permanecerem por seis dias, com propósito de
eliminar o açúcar. Outra vez secas, as lâminas são ajeitadas em fileiras horizontais e
verticais, sobrepostas umas às outras. A seqüência do processo exige que as lâminas
sejam colocadas entre dois pedaços de tecido de algodão, sendo então mantidas e
prensadas por seis dias. E é com o peso da prensa que as finas lâminas se misturam
homogeneamente para formar o papel amarelado, pronto para ser usado. O papiro
pronto era, então, enrolado a uma vareta de madeira ou marfim para criar o rolo que
seria usado na escrita.
AS VIAGENS EM BUSCA DE
NOVAS DESCOBERTAS
As primeiras “máquinas” criadas pelo homem para se fazer Calculos.
Os textos matemáticos (em escrita cuneiforme) mais antigos foram encontrados na Mesopotâmia.
Na China, é inventado o ábaco, primeiro instrumento mecânico para calcular. São criadas as
tabuadas e o cálculo de área é desenvolvido. Estas coisas aconteceram entre 3000 e 2500 a.C.
Mais ACONTECIMENTOS HISTÓRICOS
De 550 até 450 a.C., é estabelecida a era pitagórica, caracterizada por grandes conhecimentos na
geometria elementar, como o teorema de Pitágoras. Os pitagóricos foram os primeiros a analisar a
noção de número e estabelecer as relações de correspondência entre a aritmética e a geometria.
Definiram os números primos, algumas progressões e a teoria das proporções.
Entre os anos 300 e 600 a.c, o povo hindu cria o sistema numérico
decimal que usamos até hoje.
No ano 1100 d.C, Omar Khayyam desenvolve um método para desenhar um segmento cuja
longitude fosse a raiz real positiva de um polinômio cúbico dado. Em 1525, o matemático
alemão emprega o atual símbolo da raiz quadrada. Em 1545, Gerolamo Cardano publica o método
geral para a resolução de equações do 3º grau. Em 1550, Ferrari torna público o método de resolver
equações do 4º grau. Em 1591, François Viète aplica, pela primeira vez, a álgebra à geometria. Em
1614, os logaritmos são inventados por Napier. Em 1619, Descartes cria a geometria analítica.
Não esquecer que bem antes
disso, la´em 2500 a.C, já se
havia usado a Àlgebra sem o
famoso X., mas sim como
resolução de problemas.
Ex. Tenho o dobro da idade do
meu filho. Se meu filho tem 15.
Quantos anos eu tenho.
No ano 1642, Blaise Pascal constrói a primeira maquina de
calcular, com a qual podia-se somar ou subtrair com números de
até seis dígitos. Em 1684, é criado, ao mesmo tempo, por Newton
e Leibniz o cálculo infinitesimal. Em 1746, D’Alembert enuncia e
demonstra parcialmente que qualquer polinômio de grau n tem n
raízes reais.
Leibniz
Blaise Pascal
A Evolução das
Calculadoras
1800 aproximadamente
1900 Aproximadamente
Ano 2000 –século XXI
Historia do primeiro computador
Charles Babbage, considerado o pai do computador atual, construiu em 1830 o primeiro
computador do mundo, cem anos antes de se tornar realidade. O projeto de Babbage
apresentava desvantagens; uma delas era o fato de que o seu computador deveria ser
mecânico, e a outra era a precariedade da engenharia da época. Apesar dos problemas, Charles
Babbage construiu um aparelho que impressionou o governo inglês.
Entretanto, a história da computação começou muito antes. Como sabemos, o computador é
uma máquina capaz de efetuar cálculos com um grupo de números e ainda adaptável para
efetuar novos cálculos com um outro grupo de números. O primeiro "modelo" foi o ábaco,
usado desde 2000 a.C. Ele é um tipo de computador em que se pode ver claramente a soma nos
fios.
Blaise Pascal, matemático, físico e filósofo francês, inventou a primeira calculadora mecânica em
1642. A calculadora trabalhava perfeitamente, ela transferia os números da coluna de unidades
para a coluna de dezenas por um dispositivo semelhante a um velocímetro do automóvel. Pascal
chamou sua invenção de Pascalina.
Primeiro Computador da História
EVOLUÇÃO DOS COMPUTADORES
Bit é a sigla para Binary Digit, que em português significa dígito binário, ou seja, é a
menor unidade de informação que pode ser armazenada ou transmitida, e é
geralmente usada na computação e teoria da informação. Um bit pode assumir
somente 2 valores, como 0 ou 1.
Linguagem de Máquina
Toda máquina, deve possuir o sistema operacional: Windows - Linux
A equação do segundo Grau
• A equação quadrática é, antes de tudo, um
polinômio do segundo grau, isto é, tem como
termo de maior grau (valor do expoente mais
alto) um termo de expoente 2. A definição
"a diferente de zero" é o que caracteriza a
equação de segundo grau, visto que a
incógnita é diretamente multiplicada pelo
coeficiente a, e portanto se a fosse igual a
zero, anular-se-ia o e assim a equação
passaria a ser linear.
Sugestão de Um livro: Historia da equação do segundo Grau,
De Oscar Guelli.
• No século XII, o matemático Bhaskara Akaria se dispôs a
resolver esta equação e publicar ao mundo suas descobertas.
O maior problema dos matemáticos que tentavam achar
valores para equação era o fato de haver um x de expoente 2
junto a um x de expoente 1. Sabiamente, Bhaskara aplicou
princípios básicos, porém inteligentes, para finalmente achar
um valor definitivo de x. A partir da descoberta de sua fórmula,
diversas outras fórmulas se derivaram, como as fórmulas
de Soma e Produto, Relações entre as Raízes ou os valores
dos Vértices de uma função quadrática.
• Paralela à evolução dos estudos matemáticos da equação de
segundo grau, cresceu também sua representação gráfica a
chamada função quadrática. Nela, foi possível nitidamente,
observar que há sempre um cume, valor máximo que a
incógnita pode ter (chamada de Vértice), assim como a direção
para a qual os valores crescem, etc.
AKARIA BHASKARA 1114-1185
Fórmula de Bhaskara
Um pouco sobre AKARIA BHASKARA
O mais importante matemático do século XII e último matemático medieval
importante da Índia. Filho de um astrólogo .
Tornou-se chefe do observatório astronômico a Ujjain, cidade onde ficou até
morrer e o principal centro matemático da Índia na sua época
Os seis comprovados são Lilavati, Bijaganita, Siddhantasiromani,
Vasanabhasya of Mitaksara, Karanakutuhala ou Brahmatulya e
Vivarana.
A palavra Lilavati é um nome próprio de mulher NOME
DE SUA FILHA ( a tradução é Graciosa )
Gráficos da Equação 2º Grau
Para explorar e visualizar Graficos, existem Programas como Wimplot e Geogebra
E tambem o Graphmatic.
.
FONTES DE PESQUISA
http://profmarcellocosta.blogspot.com.br/2008/06/bhaskara-akaria.html
http://www.google.com.br/
Trabalho Desenvolvido por:
Professora Maria Luziene Garcia
Professora da rede pública de ensino á 5 anos ,
atualmente curso Pedagogia pela FALC . Já
trabalhei em empresa privada , fiz um curso de
Gestão de RH , e resolvi fazer Faculdade de
Matemática por amor a matéria. Adoro viajar ,
conhecer lugares novos , fazer amigos , curtir a
família .

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Numeros racionais
Numeros racionaisNumeros racionais
Numeros racionais
Rosana.Parolisi
 
Porcentagem
PorcentagemPorcentagem
Porcentagem
Letinha47
 
Historia da-matematica
Historia da-matematicaHistoria da-matematica
Historia da-matematica
João Braz
 
Sistemas numéricos: Evolução
Sistemas numéricos: EvoluçãoSistemas numéricos: Evolução
Sistemas numéricos: Evolução
CDuque - freelancer Student Mentoring & Coaching
 
História dos números decimais
História dos números decimaisHistória dos números decimais
História dos números decimais
kov0901
 
ApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãO
ApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãOApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãO
ApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãO
guest3b0191
 
A história da matemática
A história da matemáticaA história da matemática
A história da matemática
Samantha Solano
 
Apresentação surgimento dos números
Apresentação surgimento dos númerosApresentação surgimento dos números
Apresentação surgimento dos números
susanaleonorfernandesesteves
 
Oficina de Fração
Oficina de FraçãoOficina de Fração
Oficina de Fração
Eliane
 
Um pouco da história do Sistema de Númeração Decimal - PNAIC
Um pouco da história do Sistema de Númeração Decimal - PNAICUm pouco da história do Sistema de Númeração Decimal - PNAIC
Um pouco da história do Sistema de Númeração Decimal - PNAIC
Vera Marlize Schröer
 
A história da matemática
A história da matemáticaA história da matemática
A história da matemática
Genilda Santos de Araújo
 
Números primos
Números primosNúmeros primos
Números primos
earana
 
Aula 12 multiplicação e divisão
Aula 12   multiplicação e divisãoAula 12   multiplicação e divisão
Aula 12 multiplicação e divisão
Ana Caroline
 
Números.reais.introdução
Números.reais.introduçãoNúmeros.reais.introdução
Números.reais.introdução
Filipa Guerreiro
 
Classes E Ordens
Classes E OrdensClasses E Ordens
Classes E Ordens
guest9ba0ae
 
01 números naturais
01 números naturais01 números naturais
01 números naturais
Carla Gomes
 
Sistema de Numeração Maia
Sistema de Numeração MaiaSistema de Numeração Maia
Sistema de Numeração Maia
Vera Sezões
 
Slide divisão completo
Slide divisão completoSlide divisão completo
Slide divisão completo
wagneregiselly10
 
MPEMC AULA 3: Sistema de Numeração Decimal
MPEMC AULA 3: Sistema de Numeração DecimalMPEMC AULA 3: Sistema de Numeração Decimal
MPEMC AULA 3: Sistema de Numeração Decimal
profamiriamnavarro
 
Plano cartesiano ppt
Plano cartesiano pptPlano cartesiano ppt
Plano cartesiano ppt
Newton Sérgio Lima
 

Mais procurados (20)

Numeros racionais
Numeros racionaisNumeros racionais
Numeros racionais
 
Porcentagem
PorcentagemPorcentagem
Porcentagem
 
Historia da-matematica
Historia da-matematicaHistoria da-matematica
Historia da-matematica
 
Sistemas numéricos: Evolução
Sistemas numéricos: EvoluçãoSistemas numéricos: Evolução
Sistemas numéricos: Evolução
 
História dos números decimais
História dos números decimaisHistória dos números decimais
História dos números decimais
 
ApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãO
ApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãOApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãO
ApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãO
 
A história da matemática
A história da matemáticaA história da matemática
A história da matemática
 
Apresentação surgimento dos números
Apresentação surgimento dos númerosApresentação surgimento dos números
Apresentação surgimento dos números
 
Oficina de Fração
Oficina de FraçãoOficina de Fração
Oficina de Fração
 
Um pouco da história do Sistema de Númeração Decimal - PNAIC
Um pouco da história do Sistema de Númeração Decimal - PNAICUm pouco da história do Sistema de Númeração Decimal - PNAIC
Um pouco da história do Sistema de Númeração Decimal - PNAIC
 
A história da matemática
A história da matemáticaA história da matemática
A história da matemática
 
Números primos
Números primosNúmeros primos
Números primos
 
Aula 12 multiplicação e divisão
Aula 12   multiplicação e divisãoAula 12   multiplicação e divisão
Aula 12 multiplicação e divisão
 
Números.reais.introdução
Números.reais.introduçãoNúmeros.reais.introdução
Números.reais.introdução
 
Classes E Ordens
Classes E OrdensClasses E Ordens
Classes E Ordens
 
01 números naturais
01 números naturais01 números naturais
01 números naturais
 
Sistema de Numeração Maia
Sistema de Numeração MaiaSistema de Numeração Maia
Sistema de Numeração Maia
 
Slide divisão completo
Slide divisão completoSlide divisão completo
Slide divisão completo
 
MPEMC AULA 3: Sistema de Numeração Decimal
MPEMC AULA 3: Sistema de Numeração DecimalMPEMC AULA 3: Sistema de Numeração Decimal
MPEMC AULA 3: Sistema de Numeração Decimal
 
Plano cartesiano ppt
Plano cartesiano pptPlano cartesiano ppt
Plano cartesiano ppt
 

Destaque

Plano de aula 01
Plano de aula 01Plano de aula 01
Plano de aula 01
Maria Garcia
 
História da matemática - 1
História da matemática - 1História da matemática - 1
História da matemática - 1
Gabriel De Paula Santos
 
A história dos Números
A história dos NúmerosA história dos Números
A história dos Números
melquisedec Fardin
 
A história dos números blog
A história dos números   blogA história dos números   blog
A história dos números blog
Thamiris Santos
 
Renascimento.
Renascimento.Renascimento.
Renascimento.
Victor Souza
 
Plano de aula 02
Plano de aula 02Plano de aula 02
Plano de aula 02
Maria Garcia
 
Introdução a microinformática
Introdução a microinformáticaIntrodução a microinformática
Introdução a microinformática
Fausto Tadeu Nogueira Alves
 
A História da Matemática
A História da Matemática A História da Matemática
A História da Matemática
Karinag2012
 
História da Matemática - fundamentos
História da Matemática - fundamentosHistória da Matemática - fundamentos
História da Matemática - fundamentos
Simoni Vincula
 
História da álgebra
História da álgebraHistória da álgebra
História da álgebra
Gian Nunes
 
A história da matemática
A história da matemáticaA história da matemática
A história da matemática
Genilda Santos de Araújo
 
Noções de Escala
Noções de EscalaNoções de Escala
Noções de Escala
brenohsouza
 
00 pasado presente_y_futuro
00 pasado presente_y_futuro00 pasado presente_y_futuro
00 pasado presente_y_futuro
soportecni
 
Linha do Tempo Matemática
Linha do Tempo MatemáticaLinha do Tempo Matemática
Linha do Tempo Matemática
Patricia
 
Plano de aula china e Índia
Plano de aula china e Índia Plano de aula china e Índia
Plano de aula china e Índia
Luciana Vieira Dos Santos
 
A Cultura Matemática
A Cultura MatemáticaA Cultura Matemática
A Cultura Matemática
Geordano Roveda
 
Sevila história da matemática
Sevila   história da matemáticaSevila   história da matemática
Sevila história da matemática
Turma5A
 
História dos números do natural ao racional
História dos números   do natural ao racionalHistória dos números   do natural ao racional
História dos números do natural ao racional
sandraprof
 

Destaque (18)

Plano de aula 01
Plano de aula 01Plano de aula 01
Plano de aula 01
 
História da matemática - 1
História da matemática - 1História da matemática - 1
História da matemática - 1
 
A história dos Números
A história dos NúmerosA história dos Números
A história dos Números
 
A história dos números blog
A história dos números   blogA história dos números   blog
A história dos números blog
 
Renascimento.
Renascimento.Renascimento.
Renascimento.
 
Plano de aula 02
Plano de aula 02Plano de aula 02
Plano de aula 02
 
Introdução a microinformática
Introdução a microinformáticaIntrodução a microinformática
Introdução a microinformática
 
A História da Matemática
A História da Matemática A História da Matemática
A História da Matemática
 
História da Matemática - fundamentos
História da Matemática - fundamentosHistória da Matemática - fundamentos
História da Matemática - fundamentos
 
História da álgebra
História da álgebraHistória da álgebra
História da álgebra
 
A história da matemática
A história da matemáticaA história da matemática
A história da matemática
 
Noções de Escala
Noções de EscalaNoções de Escala
Noções de Escala
 
00 pasado presente_y_futuro
00 pasado presente_y_futuro00 pasado presente_y_futuro
00 pasado presente_y_futuro
 
Linha do Tempo Matemática
Linha do Tempo MatemáticaLinha do Tempo Matemática
Linha do Tempo Matemática
 
Plano de aula china e Índia
Plano de aula china e Índia Plano de aula china e Índia
Plano de aula china e Índia
 
A Cultura Matemática
A Cultura MatemáticaA Cultura Matemática
A Cultura Matemática
 
Sevila história da matemática
Sevila   história da matemáticaSevila   história da matemática
Sevila história da matemática
 
História dos números do natural ao racional
História dos números   do natural ao racionalHistória dos números   do natural ao racional
História dos números do natural ao racional
 

Semelhante a História da matemática e Introdução as Equações de Segundo Grau

A História dos Computadores
A História dos ComputadoresA História dos Computadores
A História dos Computadores
Diogo Neves
 
Historia da informatica_i
Historia da informatica_iHistoria da informatica_i
Historia da informatica_i
Jamiles Andrade
 
Logaritmos
LogaritmosLogaritmos
Logaritmos
Isabel
 
I s o fundamental
I s o fundamentalI s o fundamental
I s o fundamental
Ilton Prandi
 
Historia dos computadores
Historia dos computadoresHistoria dos computadores
Historia dos computadores
Andre ProfMate
 
Evolução dos computadores
Evolução dos computadoresEvolução dos computadores
Evolução dos computadores
Marcos Victor
 
Evolução do computador
Evolução do computadorEvolução do computador
Evolução do computador
Marcos Victor
 
Nada passa a ser um numero
Nada passa a ser um numeroNada passa a ser um numero
Nada passa a ser um numero
Alex Neto
 
A história do computador completa
A história do computador completaA história do computador completa
A história do computador completa
Jéssika Leitao
 
Trabalho De Aic LUCAS FERNANDES
Trabalho De Aic LUCAS FERNANDESTrabalho De Aic LUCAS FERNANDES
Trabalho De Aic LUCAS FERNANDES
guest41aaff
 
Trabalho De Aic LUCAS FERNANDES
Trabalho De Aic LUCAS FERNANDESTrabalho De Aic LUCAS FERNANDES
Trabalho De Aic LUCAS FERNANDES
guest41aaff
 
HM_Parte2.pdf
HM_Parte2.pdfHM_Parte2.pdf
Aula história dos comput.
Aula história dos comput.Aula história dos comput.
Aula história dos comput.
lanzinirodrigo
 
Estudar trigonometria com o uso da tecnologia
Estudar trigonometria com o uso da tecnologiaEstudar trigonometria com o uso da tecnologia
Estudar trigonometria com o uso da tecnologia
veranat0209
 
Estudar trigonometria com o uso da tecnologia
Estudar trigonometria com o uso da tecnologiaEstudar trigonometria com o uso da tecnologia
Estudar trigonometria com o uso da tecnologia
veranat0209
 
Informática - Evolução
Informática - EvoluçãoInformática - Evolução
Informática - Evolução
glocked
 
Aula 02 - Fundamentos de Computadores
Aula 02  - Fundamentos de ComputadoresAula 02  - Fundamentos de Computadores
Aula 02 - Fundamentos de Computadores
William Silva
 
TRABALHO CIENTÍFICO - FICHAMENTOS
TRABALHO CIENTÍFICO - FICHAMENTOSTRABALHO CIENTÍFICO - FICHAMENTOS
TRABALHO CIENTÍFICO - FICHAMENTOS
CECIERJ
 
A Matemática na Índia antiga, na China, nas Amaricas e na África.pdf
A Matemática na Índia antiga, na China, nas Amaricas e na África.pdfA Matemática na Índia antiga, na China, nas Amaricas e na África.pdf
A Matemática na Índia antiga, na China, nas Amaricas e na África.pdf
JssicaGoulart17
 
Apresentaofinaldemodulo grupo6-fbiocorreia-110630091700-phpapp01
Apresentaofinaldemodulo grupo6-fbiocorreia-110630091700-phpapp01Apresentaofinaldemodulo grupo6-fbiocorreia-110630091700-phpapp01
Apresentaofinaldemodulo grupo6-fbiocorreia-110630091700-phpapp01
sidinei pereira
 

Semelhante a História da matemática e Introdução as Equações de Segundo Grau (20)

A História dos Computadores
A História dos ComputadoresA História dos Computadores
A História dos Computadores
 
Historia da informatica_i
Historia da informatica_iHistoria da informatica_i
Historia da informatica_i
 
Logaritmos
LogaritmosLogaritmos
Logaritmos
 
I s o fundamental
I s o fundamentalI s o fundamental
I s o fundamental
 
Historia dos computadores
Historia dos computadoresHistoria dos computadores
Historia dos computadores
 
Evolução dos computadores
Evolução dos computadoresEvolução dos computadores
Evolução dos computadores
 
Evolução do computador
Evolução do computadorEvolução do computador
Evolução do computador
 
Nada passa a ser um numero
Nada passa a ser um numeroNada passa a ser um numero
Nada passa a ser um numero
 
A história do computador completa
A história do computador completaA história do computador completa
A história do computador completa
 
Trabalho De Aic LUCAS FERNANDES
Trabalho De Aic LUCAS FERNANDESTrabalho De Aic LUCAS FERNANDES
Trabalho De Aic LUCAS FERNANDES
 
Trabalho De Aic LUCAS FERNANDES
Trabalho De Aic LUCAS FERNANDESTrabalho De Aic LUCAS FERNANDES
Trabalho De Aic LUCAS FERNANDES
 
HM_Parte2.pdf
HM_Parte2.pdfHM_Parte2.pdf
HM_Parte2.pdf
 
Aula história dos comput.
Aula história dos comput.Aula história dos comput.
Aula história dos comput.
 
Estudar trigonometria com o uso da tecnologia
Estudar trigonometria com o uso da tecnologiaEstudar trigonometria com o uso da tecnologia
Estudar trigonometria com o uso da tecnologia
 
Estudar trigonometria com o uso da tecnologia
Estudar trigonometria com o uso da tecnologiaEstudar trigonometria com o uso da tecnologia
Estudar trigonometria com o uso da tecnologia
 
Informática - Evolução
Informática - EvoluçãoInformática - Evolução
Informática - Evolução
 
Aula 02 - Fundamentos de Computadores
Aula 02  - Fundamentos de ComputadoresAula 02  - Fundamentos de Computadores
Aula 02 - Fundamentos de Computadores
 
TRABALHO CIENTÍFICO - FICHAMENTOS
TRABALHO CIENTÍFICO - FICHAMENTOSTRABALHO CIENTÍFICO - FICHAMENTOS
TRABALHO CIENTÍFICO - FICHAMENTOS
 
A Matemática na Índia antiga, na China, nas Amaricas e na África.pdf
A Matemática na Índia antiga, na China, nas Amaricas e na África.pdfA Matemática na Índia antiga, na China, nas Amaricas e na África.pdf
A Matemática na Índia antiga, na China, nas Amaricas e na África.pdf
 
Apresentaofinaldemodulo grupo6-fbiocorreia-110630091700-phpapp01
Apresentaofinaldemodulo grupo6-fbiocorreia-110630091700-phpapp01Apresentaofinaldemodulo grupo6-fbiocorreia-110630091700-phpapp01
Apresentaofinaldemodulo grupo6-fbiocorreia-110630091700-phpapp01
 

Último

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 

História da matemática e Introdução as Equações de Segundo Grau

  • 1. HISTÓRIA DA MATEMÁTICA Quando começou.... Será que foi assim?
  • 3. As primeiras escritas deixadas por nossos antepassados.
  • 4. Foi por volta de 1600 a.C. que os egípcios desenvolveram a técnica de fabricar folhas de papiro, considerado o precursor do papel. Para confeccionar o papiro, corta-se o miolo esbranquiçado e poroso do talo em finas lâminas. Depois de secas, estas lâminas são mergulhadas em água com vinagre para ali permanecerem por seis dias, com propósito de eliminar o açúcar. Outra vez secas, as lâminas são ajeitadas em fileiras horizontais e verticais, sobrepostas umas às outras. A seqüência do processo exige que as lâminas sejam colocadas entre dois pedaços de tecido de algodão, sendo então mantidas e prensadas por seis dias. E é com o peso da prensa que as finas lâminas se misturam homogeneamente para formar o papel amarelado, pronto para ser usado. O papiro pronto era, então, enrolado a uma vareta de madeira ou marfim para criar o rolo que seria usado na escrita.
  • 5. AS VIAGENS EM BUSCA DE NOVAS DESCOBERTAS
  • 6. As primeiras “máquinas” criadas pelo homem para se fazer Calculos. Os textos matemáticos (em escrita cuneiforme) mais antigos foram encontrados na Mesopotâmia. Na China, é inventado o ábaco, primeiro instrumento mecânico para calcular. São criadas as tabuadas e o cálculo de área é desenvolvido. Estas coisas aconteceram entre 3000 e 2500 a.C.
  • 7. Mais ACONTECIMENTOS HISTÓRICOS De 550 até 450 a.C., é estabelecida a era pitagórica, caracterizada por grandes conhecimentos na geometria elementar, como o teorema de Pitágoras. Os pitagóricos foram os primeiros a analisar a noção de número e estabelecer as relações de correspondência entre a aritmética e a geometria. Definiram os números primos, algumas progressões e a teoria das proporções. Entre os anos 300 e 600 a.c, o povo hindu cria o sistema numérico decimal que usamos até hoje.
  • 8. No ano 1100 d.C, Omar Khayyam desenvolve um método para desenhar um segmento cuja longitude fosse a raiz real positiva de um polinômio cúbico dado. Em 1525, o matemático alemão emprega o atual símbolo da raiz quadrada. Em 1545, Gerolamo Cardano publica o método geral para a resolução de equações do 3º grau. Em 1550, Ferrari torna público o método de resolver equações do 4º grau. Em 1591, François Viète aplica, pela primeira vez, a álgebra à geometria. Em 1614, os logaritmos são inventados por Napier. Em 1619, Descartes cria a geometria analítica. Não esquecer que bem antes disso, la´em 2500 a.C, já se havia usado a Àlgebra sem o famoso X., mas sim como resolução de problemas. Ex. Tenho o dobro da idade do meu filho. Se meu filho tem 15. Quantos anos eu tenho.
  • 9. No ano 1642, Blaise Pascal constrói a primeira maquina de calcular, com a qual podia-se somar ou subtrair com números de até seis dígitos. Em 1684, é criado, ao mesmo tempo, por Newton e Leibniz o cálculo infinitesimal. Em 1746, D’Alembert enuncia e demonstra parcialmente que qualquer polinômio de grau n tem n raízes reais. Leibniz Blaise Pascal
  • 10. A Evolução das Calculadoras 1800 aproximadamente 1900 Aproximadamente Ano 2000 –século XXI
  • 11. Historia do primeiro computador Charles Babbage, considerado o pai do computador atual, construiu em 1830 o primeiro computador do mundo, cem anos antes de se tornar realidade. O projeto de Babbage apresentava desvantagens; uma delas era o fato de que o seu computador deveria ser mecânico, e a outra era a precariedade da engenharia da época. Apesar dos problemas, Charles Babbage construiu um aparelho que impressionou o governo inglês. Entretanto, a história da computação começou muito antes. Como sabemos, o computador é uma máquina capaz de efetuar cálculos com um grupo de números e ainda adaptável para efetuar novos cálculos com um outro grupo de números. O primeiro "modelo" foi o ábaco, usado desde 2000 a.C. Ele é um tipo de computador em que se pode ver claramente a soma nos fios. Blaise Pascal, matemático, físico e filósofo francês, inventou a primeira calculadora mecânica em 1642. A calculadora trabalhava perfeitamente, ela transferia os números da coluna de unidades para a coluna de dezenas por um dispositivo semelhante a um velocímetro do automóvel. Pascal chamou sua invenção de Pascalina.
  • 14. Bit é a sigla para Binary Digit, que em português significa dígito binário, ou seja, é a menor unidade de informação que pode ser armazenada ou transmitida, e é geralmente usada na computação e teoria da informação. Um bit pode assumir somente 2 valores, como 0 ou 1. Linguagem de Máquina Toda máquina, deve possuir o sistema operacional: Windows - Linux
  • 15. A equação do segundo Grau • A equação quadrática é, antes de tudo, um polinômio do segundo grau, isto é, tem como termo de maior grau (valor do expoente mais alto) um termo de expoente 2. A definição "a diferente de zero" é o que caracteriza a equação de segundo grau, visto que a incógnita é diretamente multiplicada pelo coeficiente a, e portanto se a fosse igual a zero, anular-se-ia o e assim a equação passaria a ser linear. Sugestão de Um livro: Historia da equação do segundo Grau, De Oscar Guelli.
  • 16. • No século XII, o matemático Bhaskara Akaria se dispôs a resolver esta equação e publicar ao mundo suas descobertas. O maior problema dos matemáticos que tentavam achar valores para equação era o fato de haver um x de expoente 2 junto a um x de expoente 1. Sabiamente, Bhaskara aplicou princípios básicos, porém inteligentes, para finalmente achar um valor definitivo de x. A partir da descoberta de sua fórmula, diversas outras fórmulas se derivaram, como as fórmulas de Soma e Produto, Relações entre as Raízes ou os valores dos Vértices de uma função quadrática. • Paralela à evolução dos estudos matemáticos da equação de segundo grau, cresceu também sua representação gráfica a chamada função quadrática. Nela, foi possível nitidamente, observar que há sempre um cume, valor máximo que a incógnita pode ter (chamada de Vértice), assim como a direção para a qual os valores crescem, etc.
  • 18. Um pouco sobre AKARIA BHASKARA O mais importante matemático do século XII e último matemático medieval importante da Índia. Filho de um astrólogo . Tornou-se chefe do observatório astronômico a Ujjain, cidade onde ficou até morrer e o principal centro matemático da Índia na sua época Os seis comprovados são Lilavati, Bijaganita, Siddhantasiromani, Vasanabhasya of Mitaksara, Karanakutuhala ou Brahmatulya e Vivarana. A palavra Lilavati é um nome próprio de mulher NOME DE SUA FILHA ( a tradução é Graciosa )
  • 19. Gráficos da Equação 2º Grau Para explorar e visualizar Graficos, existem Programas como Wimplot e Geogebra E tambem o Graphmatic. .
  • 21. Trabalho Desenvolvido por: Professora Maria Luziene Garcia Professora da rede pública de ensino á 5 anos , atualmente curso Pedagogia pela FALC . Já trabalhei em empresa privada , fiz um curso de Gestão de RH , e resolvi fazer Faculdade de Matemática por amor a matéria. Adoro viajar , conhecer lugares novos , fazer amigos , curtir a família .