SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 64
Baixar para ler offline
11
2
3
Fé e Política:
para que todos
tenham vida
4
5
APRESENTAÇÃO
Irmãos e irmãs, Paz e Bem.
Chega até vocês um novo material de formação de Fé e Política, cuja
finalidade é ser uma iniciação a este assunto; infelizmente, não muito
discutido entre nós, cristãos católicos.
Os encontros visam, minimamente, responder a uma demanda
constatada durante as visitas do Secretariado de Missão e Evangelização
às paróquias confiadas aos frades franciscanos da Província Santa Cruz
(Minas Gerais e extremo sul da Bahia).
Estamos num ano muito importante no cenário político brasileiro.
Teremos eleições para vários cargos de governo e em setembro haverá
o Plebiscito Popular sobre a Reforma Política. Como cristãos, não
podemos nos omitir perante esses acontecimentos. Muitos irmãos e
irmãs nossos, – ou nós mesmos, às vezes, – estão em situação precária
devido às escolhas políticas mal feitas. Queremos vida em abundância,
para nós e para todos.
Ao todo são seis encontros, os quais sugerimos que sejam refletidos
em pequenos grupos, a fim de facilitar a participação das pessoas.
Cada encontro está estruturado sobre dois eixos: um olhar em Jesus
e um olhar em nós, e busca confrontar os discípulos e discípulas do
Ressuscitado a se abrirem à causa pública. Como Jesus, queremos que
todos tenham vida e socorreram os que estão à margem do caminho.
Os grupos tenham toda liberdade para adaptar o roteiro conforme a
realidade local. Os cantos e a dinamização dos leitores são meramente
sugeridos.
Que Francisco de Assis, irmão universal, cantor da paz e do cuidado
para com a criação nos inspire nessa caminhada.
Que Maria, Mãe da Igreja, nos ensine a fazer tudo o que Ela nos disser.
Que o Espírito do Ressuscitado nos conduza pelos caminhos da
Justiça e da Vida.
Fraternalmente,
Frei Oton da Silva Araújo Júnior, ofm
Pela equipe de redação
6
Equipe responsável
Frei Felipe Marcelino da Silva Sousa, ofm
Frei José Roney de Freitas Machado, ofm
Frei Oton da Silva Araújo Júnior, ofm
Ilustrações: José Vitor Rabelo
Iniciativa: Secretariado de Missão e Evangelização,
Província Santa Cruz.
7
ORAÇÃO INICIAL PARA TODOS OS DIAS
Senhor nosso Deus, Tu nos acompanhas em nossa vida, estamos
reunidos, como irmãos e irmãs, em torno da Tua Palavra. É o Senhor
quem nos dá forças, não nos deixa desanimar. Assim como Jesus,
queremos que a vida prevaleça, que a paz reine no mundo. Iniciamos
nosso encontro, colocando-nos na presença da Trindade Santa: em
nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
Diz o Senhor: “eu vim para que todos tenham vida e a tenham em
abundância” (Jo 10,10). Como cristãos, somos anunciadores do
Evangelho, promotores da vida, amantes da justiça, irmãos de todas
as criaturas. Envia sobre nós o Teu Espírito, capaz de inflamar o nosso
coração, e de nos fazer misericordiosos, segundo a Tua Palavra.
Cantemos: envia Teu Espírito Senhor e renova a face da Terra.
Rezemos juntos o salmo 15
Lado A: Senhor, quem morará em vossa casa e no vosso
monte santo habitará?
Lado B: É aquele que caminha sem pecado e pratica a
justiça fielmente.
Lado A: Que pensa a verdade no seu íntimo e não solta em
calúnias sua língua.
Lado B: Que em nada prejudica o seu irmão, que não cobre
de insultos seu vizinho.
Lado A: Que não dá valor algum ao homem ímpio, mas honra
os que respeitam o Senhor.
Lado B: Que sustenta o que jurou, mesmo com dano, não
empresta seu dinheiro com usura.
Todos: Nem se deixa subornar contra o inocente jamais
vacilará quem vive assim.
Neste encontro, trazemos presentes todas as pessoas de nossas
comunidades, sobretudo as que estão passando por momentos difíceis
em suas vidas. Estamos em comunhão com todos os injustiçados da
Terra, todas as crianças e jovens sem sonhos e sem brilho nos olhos.
8
Cantemos:
Levanta-te, chega pra cá e vem para o meio! Levanta-te, une
teu canto a nosso cantar! Levanta-te, chega pra cá e vem
para o meio! Levanta-te, vem companheiro(a) à vida brindar!
Rezemos pelos nossos governantes, para que se deixem inspirar pelo
Deus de Justiça e bondade. Rezemos por todo o povo brasileiro, que
este ano irá escolher seus novos representantes. Por todas as pessoas
da Terra, de todas as raças e línguas, culturas e religiões, que saibamos
construir um mundo justo e fraterno, melhor de se viver e para deixarmos
de herança para nossos filhos.
Rezemos o Salmo 45 (46) (alternado, em grupo ou cada pessoa lendo
um tracinho)
– O Senhor para nós é refúgio e vigor, *
sempre pronto, mostrou-se um socorro na angústia;
– assim não tememos, se a terra estremece, *
se os montes desabam, caindo nos mares,
– se as águas trovejam e as ondas se agitam, *
se, em feroz tempestade, as montanhas se abalam:
– Os braços de um rio vêm trazer alegria *
à Cidade de Deus, à morada do Altíssimo.
– Quem a pode abalar? Deus está no seu meio! *
Já bem antes da aurora, ele vem ajudá-la.
– Os povos se agitam, os reinos desabam; *
troveja sua voz e a terra estremece.
– Conosco está o Senhor do universo! *
O nosso refúgio é o Deus de Jacó!
– Vinde ver, contemplai os prodígios de Deus *
9
e a obra estupenda que fez no universo:
– reprime as guerras na face da terra, †
ele quebra os arcos, as lanças destrói, *
e queima no fogo os escudos e as armas:
– ‘Parai e sabei, conhecei que eu sou Deus, *
que domino as nações, que domino a terra!’
– Conosco está o Senhor do universo! *
O nosso refúgio é o Deus de Jacó!
Todos: Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.
10
Primeiro Encontro
AS EXIGÊNCIAS DE NOSSA FÉ
Motivação
Queridos irmãos e irmãs, sejamos todos bem-vindos a este nosso
encontro. Iniciamos hoje um caminho muito importante. Nele vamos
refletir sobre a relação estreita que há entre nossa fé e a política.
Queremos um mundo novo, mais justo, com oportunidades para todos.
Isso não vai cair do céu, passará pelas instâncias da política.
Neste primeiro encontro, vamos refletir sobre as exigências de nossa
fé. Antes de tudo, temos de nos lembrar de que a primeira exigência
da fé se dá na síntese dos Mandamentos: amar a Deus sobre todas as
coisas e ao próximo como a nós mesmos. Ter fé é entregar o coração a
Deus, e agir em favor dos irmãos e irmãs à nossa volta.
Canto
1. Eu venho do Sul e do Norte, do leste do oeste, de todo lugar.
Estradas da vida eu percorro, levando socorro a quem precisar.
Assunto de paz é meu forte, eu cruzo montanhas e vou aprender:
o mundo não me satisfaz, o que eu quero é a paz, o que eu quero é
viver.
No peito eu levo uma cruz, no meu coração o que disse Jesus
(2x)
2. Eu sei que não tenho idade da maturidade de quem já viveu.
Mas sei que já tenho a idade de ver a verdade o que quero é ser eu.
O mundo ferido e cansado de um triste passado de guerras sem fim,
tem medo da bomba que fez e da fé que desfez, mas aponta pra mim.
11
Um olhar em Jesus
Leitor 1: Somos discípulos e discípulas de Jesus. Em sua vida, o
Mestre de Nazaré foi sinal de vida e esperança para muitos que se
aproximaram dele. Aqueles que estavam jogados à margem da vida,
Jesus fez caminhar, fez ver um mundo diferente, escutar outras vozes.
Saciou os famintos e deu água viva aos sedentos.
Leitor 2: Para Jesus a vida estava em primeiro lugar, antes mesmo que
as práticas religiosas e os arranjos políticos. Mas nem todos aceitaram
o jeito de Jesus. Era estranho vê-lo convivendo com os pecadores,
interessando-se por aqueles pelos quais ninguém ligava.
Leitor 3: No início de sua vida pública, Jesus tomou para si a passagem
do profeta Isaías: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me
ungiu; e enviou-me para anunciar a boa-nova aos pobres, para sarar os
contritos de coração, para anunciar aos cativos a redenção, aos cegos
a restauração da vista, para pôr em liberdade os cativos, para publicar
o ano da graça do Senhor” (Lc 4,18-19).
Leitor 4: A missão de Jesus é voltada, de maneira especial, para
aquelas realidades mais gritantes de humanidade. Em seu projeto não
cabem exclusões, abandonos, considerar-se melhor que os demais, o
menosprezo. O projeto de Jesus quer integrar a todos.
No Sermão da Montanha (cf. Mt 5), Jesus inverte uma lógica, assim
como o Cântico de Maria também faz (cf. Lc 1,46-55): aqueles que hoje
são desprezados pelo mundo são os preferidos de Deus. Aqueles que
choram serão consolados, os primeiros hoje serão os últimos no Reino.
Leitor 5: No capítulo 15 do evangelho de São Lucas, aparecem
algumas figuras muito importantes: a ovelha, a moeda perdida e o filho
pródigo. Estas parábolas mostram que os valores do Reino nem sempre
coincidem com os nossos. Na conhecida parábola do bom samaritano
(Lc 10, 30-37), Jesus nos faz um importante alerta: nossas práticas
religiosas não podem nos afastar dos caídos do caminho, e que muitas
vezes a ajuda vem de onde menos esperamos (os samaritanos eram
rivais do povo judeu).
Leitor 6: Seguir Jesus é percorrer os seus caminhos, fazer nossas as
opções que eram dele. Nossa fé é uma fé exigente, que nos impulsiona
em direção às pessoas. Ele quer que todos tenham vida, e não qualquer
vida, mas uma vida transbordante, plena (Jo 10,10). Mãos à obra.
12
Vamos aclamar a Palavra de Deus
Eu vim para escutar
Tua Palavra, tua Palavra, tua Palavra de amor.
2. Eu gosto de escutar tua Palavra...
3. Eu quero entender melhor...
4. O mundo ainda vai viver...
Ler na Bíblia: Lc 10, 30-37 (Bom samaritano)
Um olhar em nós
Leitor 1: Não nos basta ter fé em Jesus, é preciso ter a fé de Jesus:
o coração voltado para Deus e as mãos voltadas para os irmãos. Uma
fé que nos faz próximos, companheiros de estrada, de sonhos e lutas.
Diariamente vemos notícias que nos entristecem, nos preocupam:
a violência, a falta de oportunidade, os privilégios, as exclusões e
tantas outras coisas fazem parte de nosso cotidiano. O risco é de nos
acostumarmos com isso, de achar que nada pode ser feito. Que tudo
isso é normal.
Leitor 2: Se quisermos que as coisas mudem em nosso meio, não
podemos esperar que caiam do céu. As mudanças veem graças às
organizações do povo. Muitas coisas já mudaram no Brasil, para melhor,
13
e muitas outras têm de melhorar, porém, nada será feito sem que o povo
se interesse e se organize.
Leitor 3: Como seguidores de Jesus, somos chamados a continuar
sua obra de salvação. De nada nos adiantam nossas orações se não
fazemos aquilo que Jesus nos mandou fazer. Podemos lembrar o alerta
da Carta de Tiago: “Se a um irmão ou a uma irmã faltarem roupas e o
alimento cotidiano, e algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquecei-
vos e fartai-vos, mas não lhes der o necessário para o corpo, de que
lhes aproveitará? Assim também a fé: se não tiver obras, é morta em
si mesma. Mas alguém dirá: Tu tens fé, e eu tenho obras. Mostra-me a
tua fé sem obras e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras” (Tg
2,15-18).
Leitor 4: Em nossos dias, corremos o risco de alimentar uma fé
individualista, que não se preocupa com os outros, que não quer nem
mesmo se encontrar com os outros. Cada um por si, Deus por todos. Mas
para o cristianismo, a dimensão comunitária é um elemento fundamental
para a vivência da fé. Cada um deve fazer sua experiência pessoal com
Deus, sentir-se amado (a) por Ele, mas isso nunca será motivo para
desviar dos irmãos e irmãs que estão à nossa volta. Pelo contrário, como
resumo do Decálogo, aprendemos que devemos amar a Deus sobre
todas as coisas e ao próximo, como a nós mesmos.
Leitor 5: Em 1999, surgia o Grupo de Fé e Política. Uma das
características deste movimento é que as pessoas que dele participam
“assumem a causa dos pobres, dos oprimidos e dos excluídos;
conferem prioridade à conscientização e organização popular; recusam
a manipulação das bases; afirmam as classes populares como principal
sujeito da própria história; rejeitam todos os valores calcados no
individualismo e na absolutização do mercado e reafirmam, como valores
fundamentais para o ser humano, a solidariedade, a cooperação e o
direito de todos à vida em plenitude. Comprometem-se com o exercício
da cidadania ativa e a construção de uma sociedade democrática, plural
e planetária” (Carta de Princípios).
Nossa fé exige de nós uma plena adesão ao projeto de Jesus, um
empenho em favor da vida de nossos irmãos e irmãs, sobretudo aqueles
que a lógica do Mercado tem deixado de lado.
14
Vamos conversar
O que o evangelho do Bom Samaritano tem a nos dizer hoje?
Temos sabido relacionar bem a nossa fé com as nossas ações
de cristãos?
Temos o costume de acompanhar os políticos aqui onde
moramos? Por quê?
Canto
Sou bom pastor, ovelhas guardarei, não tenho outro ofício,
nem terei: quantas vidas eu tiver, eu lhes darei.
1. Maus pastores, num dia de sombra, não cuidaram, e o
rebanho se perdeu. Vou sair pelo campo, reunir o que é meu;
conduzir e salvar.
2. Verdes prados e belas montanhas, hão de ver o pastor,
rebanho atrás. Junto a mim, as ovelhas terão muita paz;
poderão descansar.
A Palavra da Igreja
Ouçamos o que a CNBB diz nas Diretrizes atuais de sua Ação
Evangelizadora:
Consciente de que precisa enfrentar as urgências que decorrem da
miséria e da exclusão, o discípulo missionário também sabe que não
pode restringir sua solidariedade ao gesto imediato da doação caritativa.
Embora importante e mesmo indispensável, a doação imediata do
necessário à sobrevivência não abrange a totalidade da opção pelos
pobres. Antes de tudo, esta implica convívio, relacionamento fraterno,
atenção, escuta, acompanhamento nas dificuldades, buscando, a partir
dos próprios pobres, a mudança de sua situação. Os pobres e excluídos
são sujeitos da evangelização e da promoção humana integral.
Em tudo isso, a Igreja reconhece a importância da atuação no mundo
da política e assim incentiva os leigos e leigas à participação ativa e
efetiva nos diversos setores diretamente voltados para a construção de
um mundo mais justo, fraterno e solidário (Doc. 94, n. 71).
15
Preces espontâneas
Pai-Nosso (podem-se incluir pedidos particulares. Nunca se esquecer
de rezar pelo mundo da política, os governantes)
Bênção final
O Senhor nos abençoe e nos guarde.
O Senhor nos mostre Sua face e tenha misericórdia de nós.
O Senhor volva para nós o Seu rosto e nos dê a Paz.
O Senhor nos abençoe, em nome do Pai...
Canto final
Maria, Mãe dos caminhantes, ensina-nos a caminhar. Nós
somos todos viandantes, mas é difícil sempre andar.
1. Fizeste longa caminhada, para servir a Isabel, sabendo-te
de Deus morada, após teu “sim” a Gabriel.
2. Depois de dura caminhada, para a cidade de Belém, não
encontraste lá pousada, mandaram-te passar além.
3. Com fé fizeste a caminhada, levando ao templo teu Jesus.
Mas lá ouviste da espada, da longa estrada para a cruz.
4. Vitoriosa caminhada, fez finalmente te chegar ao céu, a
meta da jornada, dos que caminham sem parar.
O que é um Plebiscito Popular? É uma consulta
à população, em que se vota aprovando ou não uma
questão. Um plebiscito popular não tem valor legal,
mas exerce uma forte pressão política nos governantes,
pois mostra a vontade do povo sobre certo assunto.
De 1º. a 07 de setembro vamos mostrar a nossa
vontade: queremos a Reforma Política!
16
Segundo Encontro
POLÍTICA: ADMINISTRAR A COISA PÚBLICA
Motivação
Irmãos e irmãs, sejamos bem-vindos. Neste nosso segundo encontro,
queremos refletir sobre a origem da palavra política, a arte de governar
as coisas que são públicas. Em nossas casas, sabemos que o dinheiro
de nosso salário deverá ser aplicado no bem de todos, pagar as contas,
e ainda sobrar para outros gastos da família. Aquilo que entra vem
aplicado em benefício de todos. No corpo humano, o estômago é o
responsável por distribuir as energias dos alimentos para todo o corpo.
Quando há má digestão, significa que o que foi ingerido está demorando
para ser absorvido. Se a digestão for muito rápida ou se o estômago não
aceitar o que foi ingerido, todo o corpo será prejudicado. O estômago
é uma boa comparação para o que acontece com as arrecadações do
Estado. Como Jesus, queremos que todos tenham o acesso a tudo de
bom que a sociedade tem.
Canto
Javé, o Deus dos pobres, do povo sofredor, aqui nos reuniu
pra cantar o seu louvor. Pra nos dar esperança e contar com
sua mão, na construção do reino: reino novo, povo irmão.
1. Sua mão sustenta o pobre, ninguém fica ao desabrigo: Dá
sustento a quem tem fome com a fina flor de trigo.
2. Alimenta os nossos sonhos, mesmo dentro da prisão; ouve
o grito do oprimido, que lhe toca o coração.
3. Cura os corações feridos, mostra ao forte o seu poder. Dos
pequenos é a defesa: deixa a vida florescer.
17
Um Olhar em Jesus
Leitor 1: Na época de Jesus, a sociedade se organizava de maneira
diferente da nossa. Havia uma hierarquia de poder que compreendia
vários grupos religiosos e políticos, desde os Fariseus, Saduceus e
Escribas, como também os “radicais” Zelotes e os “puritanos” Essênios;
todos submetidos ao domínio Romano. Quanto maior era o prestígio de
um determinado grupo, maior era a sua influência na sociedade. Os
que gozavam de pouco ou nenhum reconhecimento estavam fadados à
exploração e à marginalidade.
Leitor 2: Não é sem razão que a atividade pública de Jesus tenha
incomodado aqueles que detinham o poder em suas mãos, pois seus
ensinamentos referentes à justiça, ao bem comum e a tantas outras
dimensões de caráter social desestabilizavam todo sistema sócio-
político-econômico e religioso de dominação.
Leitor 3: A parábola dos trabalhadores da vinha (Mt 20, 1-16) ilustra
quais seriam as concepções de Jesus acerca do poder, especialmente
quando enfatiza que “os últimos serão os primeiros” (Mt 20, 16); o que
significa dizer que, na lógica de seu Reino, todos devem ser igualmente
favorecidos, não apenas um ou outro grupo específico.
Leitor 4: Nesta mesma direção, o livro dos Atos dos Apóstolos
faz questão de frisar que “os cristãos tinham tudo em comum” (At 4),
sugerindo que a partilha e a solidariedade são dois gestos concretos de
fé que podem nivelar e reajustar todo e qualquer tipo de desigualdade
social.
Leitor 5: Jesus viu as contradições e injustiças de seu tempo,
escandalizou-se diante delas e procurou remediá-las. Inclusive, há
quem acredite que ele tenha proposto duas éticas diferenciadas a fim
responder a tais exigências: uma individual, e outra social, sendo a
primeira um apelo à conversão do coração; e a segunda, uma revolução
baseada no amor que se doa.
Leitor 6: De fato, a atividade de Jesus passa por esses dois níveis,
porém, é preciso entender que, para ele, essas duas éticas não
caminham separadas, ao contrário, confundem-se, complementam-se.
Isso porque, o mestre de Nazaré estava convencido de que o individual
reflete o social, de que o todo se estrutura por meio de suas partes, de
que a sociedade não é algo abstrato, um conceito vazio, mas sim, uma
realidade composta de pessoas expostas a uma rede de relações.
18
Leitor 7: Deste modo, jamais se poderia pensar o coletivo sem o
individual, mesmo porque, uma conversão particular, a adesão à pessoa
de Jesus, ao seu projeto, automaticamente implicaria comprometimento
para com a causa da justiça e das minorias, uma vez que, no final das
contas, o Reino de Deus é uma terra sem males.
Vamos ouvir a Palavra de Deus
Aleluia! Aleluia! Como o Pai me amou, assim também eu vos
amei. Aleluia! Aleluia! Como estou no Pai, permanecei em mim.
Vós todos que sofreis aflitos, vinde a Mim! Repouso encontrarão
os vossos corações. Dou graças a meu Pai que revelou ao
pobre, ao pequenino, seu grande amor.
Ler na Bíblia: Mt 20, 1-16 (os trabalhadores da vinha)
Um Olhar em Nós
Leitor 1: No ocidente, o sistema predominante é a república. O termo
deriva do latim res publica, traduzido literalmente por “coisa pública”, no
sentido de interesse comum. Diferente das monarquias, na república, os
governantes exercem o poder por período determinado.
Leitor 2: Embora a república como sistema político tenha tido sua
origem na Roma antiga, com o surgimento do senado, os gregos
também se enquadram neste sistema de governo, mas num sentido bem
diferente do que conhecemos hoje.
19
Leitor 3: Os gregos se agrupavam em pequenas cidades
independentes uma das outras, chamadas Polis. Dentro da Polis,
todas as decisões referentes ao bem-estar social eram decididas por
assembleias, nas quais os cidadãos livres tinham plena participação.
Entendiam que o homem era um ser político por natureza, logo, não
poderia se isentar de suas responsabilidades.
Leitor 4: Embora haja grandes diferenças entre o modelo grego e
o nosso atual, a forma de governo exercida pelos gregos inspirou
as repúblicas e democracias ocidentais que, a partir do Século 18,
substituíram os regimes monárquicos (governo de um único líder
supremo). Daí veio o chamado Estado Liberal, em contraposição ao
Estado absolutista de antes.
Leitor 5: O Estado tem por obrigação salvaguardar, garantir e fazer
valer os direitos de toda pessoa. Porém, parece-nos mais confortável
culparasinstituições,enquantonosisentamosdenossaresponsabilidade
social para fazer acontecer o novo. Por esta razão, buscamos algum tipo
de justificativa para o nosso comodismo, em vez de lutar por uma res
publica mais adequada às necessidades do povo. Assim, acabamos
traindo nossos ideais de justiça e a nossa própria fé.
Vamos conversar
Para os gregos, o homem é um ‘animal político’. Por que temos
tão pouco interesse pelas coisas que são públicas?
O que podemos aprender da parábola dos trabalhadores da
vinha?
Como estão sendo administradas as coisas públicas aqui onde
moramos?
Canto
1. Povo que és peregrino em busca da salvação (bis)
Ergue teus olhos ao alto, vê tua libertação! (bis)
2. A terra que te prometo, ei-la a manar leite e mel! (bis)
Lembra-te disso, meu povo, tua promessa é fiel! (bis)
20
3. Atravessando o deserto, faz da tua sede esperança, (bis)
Vence o cansaço, a fadiga, grande será tua herança! (bis)
4. Se a noite for prolongada e não houver mais luar, (bis)
Pensa que são como estrelas os passos do teu andar! (bis)
5. Povo que tens como guia Cristo que ressuscitou, (bis)
Rompe as correntes do medo, já novo sol despontou! (bis)
A palavra da Igreja
Vejamos um importante trecho do Documento de Aparecida:
Os bispos, reunidos na 5ª. Conferência, queremos acompanhar
os construtores da sociedade, visto que é a vocação fundamental
da Igreja neste setor formar as consciências, ser advogada da
justiça e da verdade e educar nas virtudes individuais e políticas.
Queremos chamar ao sentido de responsabilidade dos leigos para
que estejam presentes na vida pública, e mais concretamente
na formação dos consensos necessários e na oposição contra a
injustiça.
Este trabalho político não é competência imediata da Igreja.
O respeito de uma sã laicidade – até mesmo com a pluralidade
das posições políticas – é essencial na tradição cristã autêntica.
Se a Igreja começasse a se transformar diretamente em sujeito
político, não faria mais pelos pobres e pela justiça, mas faria
menos, porque perderia sua independência e sua autoridade
moral, identificando-se com uma única via política e com
posições parciais opináveis. A Igreja é advogada da justiça e
dos pobres, precisamente ao não identificar-se com os políticos
nem com os interesses de partido. Só sendo independente pode
ensinar os grandes critérios e os valores irrevogáveis, orientar as
consciências e oferecer uma opção de vida que vai além do âmbito
político. Formar as consciências, ser advogada da justiça e da
verdade, educar nas virtudes individuais e políticas, é a vocação
fundamental da Igreja neste setor. E os leigos católicos devem
ser conscientes de sua responsabilidade na vida pública; devem
estar presentes na formação dos consensos necessários e na
oposição contra as injustiças (Documento de Aparecida, n. 508).
21
Preces espontâneas
Pai-Nosso (podem-se incluir os pedidos particulares. Nunca se
esquecer de rezar pelo mundo da política, os governantes)
Bênção final
O Senhor nos abençoe e nos guarde.
O Senhor nos mostre Sua face e tenha misericórdia de nós.
O Senhor volva para nós o Seu rosto e nos dê a Paz.
O Senhor nos abençoe, em nome do Pai...
Canto
1. Um pouco além do presente,
Alegre, o futuro anuncia
A fuga das sombras da noite,
A luz de um bem novo dia.
Venha o teu Reino, Senhor!
A festa da vida recria!
A nossa espera e a dor
Transforma em plena alegria!
Aiê - eia - aiê - ae - ae.
2. Botão de esperança se abre,
Prenúncio da flor que se faz.
Promessa de tua presença
Que a vida abundante nos traz.
3. Saudade da terra sem males,
Do Édem de plumas e flores,
Da paz e justiça irmanadas,
Num mundo sem ódio nem dores.
22
4. Saudade de um mundo sem guerras,
Anelos de paz e inocência:
De corpos e mãos que se encontram,
Sem armas, sem morte e violência.
5. Saudade de um mundo sem donos:
Ausência de fortes e fracos,
Derrota de todos os sistemas
Que criam palácios, barracos.
6. Já temos preciosa semente,
Penhor do teu Reino agora.
Futuro ilumina o presente,
Tu vens e virás sem demora.
O Plebiscito por um Novo Sistema Político é um mecanismo
que o povo brasileiro usará para pressionar nossos go-
vernantes para que realizem a necessária Reforma Política,
garantindo maior representatividade da população no poder
e combatendo práticas de corrupção e abuso do poder
econômico.
De 1º. a 07 de setembro vamos mostrar a nossa vontade:
queremos a Reforma Política!
23
Terceiro encontro
A POLÍTICA NO NOSSO DIA A DIA
Motivação
Irmãos e irmãs, sejam bem-vindos a este nosso novo encontro.
Queremos, como cristãos, mostrar que nossa fé nos abre em direção
às pessoas que precisam de nós. Jesus é para nós o Salvador e nossa
inspiração, modelo de ser humano. Nós queremos vida digna, ter
acesso às melhores coisas da sociedade, queremos educação, saúde,
transporte e tantas outras coisas. Tudo isso nos vem mediante a ação
política. Com os impostos arrecadados, o governo dos municípios, dos
Estados e do país devem investir o máximo em benefício da população.
Sabemos que infelizmente nem sempre isso acontece.
Canto
1. Quando o Espírito de Deus soprou, o mundo inteiro se
iluminou. A esperança da terra brotou, e um povo deu-se as
mãos e caminhou!
Lutar e crer, vencer a dor, louvar o Criador. Justiça e paz hão
de reinar. E viva o amor!
2. Quando Jesus a terra visitou, a Boa-Nova da justiça
anunciou. O cego viu, o surdo escutou, e os oprimidos da
corrente libertou.
3. Nosso poder está na união: o mundo novo vem de Deus e
dos irmãos. Vamos lutando contra a divisão, e preparando a
festa da libertação!
4. Cidade e campo se transformarão, jovens unidos na
esperança gritarão. A força nova é o poder do amor, nossa
fraqueza é a força em Deus libertador.
24
Um Olhar em Jesus
Leitor 1: A dimensão sociopolítica da atividade de Jesus sempre fez
despertar a atenção de muitos ao longo da história, desde altruístas
(solidários) que viam em suas ações um singular exemplo de amor ao
próximo, aos ativistas e revolucionários que, quase sempre, o viam como
um grande líder comunitário, de cunho socialista.
É compreensível que cada grupo humano se identifique com um ou
outro aspecto da vida de Jesus, especialmente, com aquele que melhor
corresponde às suas expectativas, bem como as suas representações de
mundo e de si próprio.
Leitor 2: No entanto, não é tão simples querer enquadrar Jesus em
nossos esquemas atuais. Ele se autodefinia “Filho do Homem”, seguindo
a tradição profética, o que significa dizer que ele assumiu definitivamente
tal condição, tornou-se um de nós, na alegria e na tristeza, para a vida
e para a morte. “Porque, pela sua encarnação, Ele, o Filho de Deus,
uniu-se de certo modo a cada homem. Trabalhou com mãos humanas,
pensou com uma inteligência humana, agiu com uma vontade humana,
amou com um coração humano. Nascido da Virgem Maria, tornou-se
verdadeiramente um de nós, semelhante a nós em tudo, exceto no
pecado” (GS 22).
Leitor 3: Embora inserido neste mundo, Jesus jamais se conformou
com o mesmo, e isso, não somente pelo fato de “seu reino” não ser
daqui, mas sim, por este ser um mundo de contradições, marcado pela
violência, no qual as pessoas exploram e dominam umas às outras,
sobretudo aquelas que se julgam superiores às demais.
Leitor 4: Por esta razão, Jesus aposta em um projeto alternativo, em
uma organização humana com alicerce nas rochas firmes do serviço,
da partilha, da gratuidade e da solidariedade. O Mestre propõe algo
completamente distinto daquilo que se entendia por sociedade, política,
economia e religião em sua época. Neste sentido, a máxima do “dar a
César o que é de César” (Mt 22, 21) foi como um alerta a todos aqueles
que projetavam sua segurança no dinheiro e no poder estabelecido.
Leitor 5: Jesus tinha plena consciência de que os tributos pagos
ao Imperador não eram justos, tampouco retornavam em forma de
benefícios para a população, especialmente os mais pobres. Portanto,
Jesus jamais quis que os seus fechassem os olhos diante de prática tão
cruel e desonesta, mas, sim, que eles compreendessem que dar ou não
25
a César seria menos importante, se no íntimo de seu coração eles não
fossem capazes de amar uns aos outros e de se libertarem mutuamente.
Leitor 6: Jesus sempre acreditou no poder dos pequenos e nos
verdadeiros gestos de generosidade, insistia nisso, ora ao associar
o Reino a um grão de mostarda, ora ao compará-lo ao fermento na
massa (Mt 13,31-33), ou mesmo ao realizar prodígios tais como o da
multiplicação dos pães no deserto (Mt 14, 13-21), ensinando-nos que,
onde existe a partilha, o milagre acontece e ninguém passa necessidade.
Leitor 7: Jesus foi um altruísta ou um revolucionário? É difícil dizer
friamente. O certo é que sua figura continua a nos questionar, a nos
tirar de nossa zona de conforto. Faz-nos ir ao encontro dos outros. Um
Deus humano, plenamente humano, que quis regatar a humanidade das
pessoas. Denunciou toda desumanidade de sua época e nos motiva
para que façamos o mesmo.
Vamos ouvir a Palavra do Senhor
A vossa Palavra, Senhor, é sinal de interesse por nós:
1. Como o Pai ao redor de sua mesa, revelando seus planos
de amor.
2. É feliz quem escuta a Palavra, e a guarda no seu coração.
Ler na Bíblia: Mt 14, 13-21 (multiplicação dos pães)
26
Um Olhar em Nós
Leitor 1: Dentre os muitos significados da palavra ‘Política’, um
nos chama particular intenção: é o que se refere ao ato de governar,
de administrar a coisa pública. Mas, em que consiste, de fato, tal
administração? A resposta é simples, basta lembrar de que todos nós
pagamos impostos, tributos ao governo. Diante disso, o que se espera é
que tais recursos financeiros possam beneficiar a todos dentro de uma
sociedade; o que nem sempre acontece.
Leitor 2: Não é raro ouvirmos nos noticiários televisivos e nas mídias
em geral informações a respeito do descaso por parte de muitos
governantes para com as instituições públicas. É estranho o fato de
que se arrecade tanto dinheiro com os pagamentos de impostos, e,
ainda sim, tenha que se viver em uma sociedade na qual a saúde, a
educação, o transporte, a segurança, as estradas, as remunerações, as
oportunidades de trabalho são tão precárias.
Leitor 3: Os governos – enquanto representantes oficiais do Estado
– são ágeis para fazer valer leis e normas que esclareçam sobre os
deveres a serem cumpridos por cada cidadão. Porém, quando o assunto
diz respeito aos direitos do povo, a situação se inverte, e o que se tem
é uma chuva de desculpas que evidencia a falta de compromisso, de
responsabilidade e de caráter daqueles que foram escolhidos pela
própria população para representá-la.
Leitor 4: Nas sociedades contemporâneas marcadas pelo sistema
neoliberal, a lógica do lucro se encontra ainda mais acentuada que
em outros períodos da história; e como bem sabemos, o lucro quase
sempre implica corrupção, exploração, dominação e desigualdade.
Em outros termos, para que alguns tenham cada vez mais e gozem de
determinados privilégios e poderes, outros devem ter menos, e devem
contentar-se com as migalhas que lhes são oferecidas, quase como
esmolas dadas pelo Estado.
Leitor 5: No capitalismo, estamos diante de um sistema poderoso
e influente, tanto no que diz respeito à sua infraestrutura (base
econômica), quanto à sua superestrutura (base ideológica). Pior é saber
que o sistemas não se mantêm por si próprios, o que significa dizer que
27
sestruturas corruptíveis são o reflexo da ação humana no mundo, daquilo
que realmente tem sido o homem em seu íntimo: egoísta, mesquinho e
individualista; afinal, é ele quem faz política, é ele quem tece relações, é
ele quem escreve a história.
Leitor 6: Falar de uma nova política, de uma nova ética, de educação
e saúde de qualidade, de direitos e deveres que devam ser respeitados
é falar de uma nova humanidade. Falar de justiça, paz e honestidade é
falar de um novo homem que não se deixa corromper, que denuncia as
incoerências do sistema, capaz de ver para além de si, que se articule
politicamente em benefício de todos.
Vamos conversar
Jesus foi um homem solidário. Durante sua vida, diversas vezes
se voltou para a necessidade das pessoas. Que fatos da vida de
Jesus mais nos chamam a atenção neste sentido?
No evangelho, ouvimos o episódio da multiplicação dos pães.
O que nós hoje, aqui onde vivemos, podemos fazer para que haja
pão para todos?
Há sinais de esperança no mundo da política atual? Quais?
Canto
Pelos caminhos da América (3x), Latino-América.
1. Pelos caminhos da América, há tanta dor, tanto pranto,
nuvens, mistérios e encantos, que envolvem o caminhar. Há
cruzes beirando a estrada, pedras manchadas de sangue,
apontando como setas, que a liberdade é pra lá...
2. Pelos caminhos da América, há um índio tocando flauta,
recusando a velha pauta, que o sistema lhe impôs. No violão
um menino, e um negro tocando tambores. Há sobre a mesa
umas flores, pra festa que vem depois...
28
A Palavra da Igreja
Ouçamos um trecho do Documento de Aparecida:
Depois de uma época de enfraquecimento dos Estados devido
à aplicação de ajustes estruturais na economia, por recomendação
de organismos financeiros internacionais, vê-se atualmente com
bons olhos um esforço dos Estados em definir e aplicar políticas
públicas nos campos da saúde, educação, seguridade alimentar,
previdência social, acesso à terra e à moradia, promoção eficaz
da economia para a criação de empregos e leis que favorecem
as organizações solidárias. Tudo isso mostra que não pode existir
democracia verdadeira e estável sem justiça social, sem divisão
real de poderes e sem a vigência do Estado de direito (Documento
de Aparecida, n.76).
Preces espontâneas
Pai-Nosso (podem-se incluir os pedidos particulares. Nunca se
esquecer de rezar pelo mundo da política, os governantes)
Bênção final
O Senhor nos abençoe e nos guarde.
O Senhor nos mostre Sua face e tenha misericórdia de nós.
O Senhor volva para nós o Seu rosto e nos dê a Paz.
O Senhor nos abençoe, em nome do Pai...
Canto final (salmo 146)
1. Aleluia, eu vou louvar,
ó minh’alma, bendize ao Senhor,
toda a vida eu vou tocar,
ao meu Deus vou cantar meu louvor!
29
Quero cantar ao Senhor
sempre enquanto eu viver,
hei de provar seu amor,
seu valor e seu poder!
2. Não confiem nos poderosos,
são de barro e não podem salvar;
quando expiram, voltam ao chão,
seus projetos vão logo acabar!
3. Feliz quem se apoia em Deus,
no Senhor põe a sua esperança;
Ele fez o céu e a terra,
quem fez tudo mantém sua aliança:
O Plebiscito por um Novo Sistema Político terá uma
única pergunta: “Você é a favor de uma constituinte
exclusiva e soberana sobre o sistema político?”.
Queremos, sim, a convocação de uma constituinte
exclusiva, com candidatos escolhidos pelo povo, para
que façam a desejada Reforma Política.
De 1º. a 07 de setembro, vamos mostrar a nossa
vontade: queremos a Reforma Política!
30
Quarto encontro
OS PODERES DA REPÚBLICA
Motivação
Irmãos e irmãs, bem-vindos a este nosso quarto encontro. Hoje
seremos confrontados pela maneira de Jesus de exercer o poder e a
autoridade e o modo como nossos políticos o fazem. O poder do serviço
muitas vezes é exercido como privilégios, como favorecimento de
poucos. Aqueles que deveriam zelar pelo povo pensam mais em si que
nas reais necessidades da população. Queremos um país melhor, um
Estado melhor, um município melhor. Para isso, devemos aprender que
poder é serviço, não privilégio.
Canto
A nós descei, Divina Luz, em nossas almas acendei o amor,
o amor de Jesus.
Vinde, Santo Espírito, e do céu mandai dessa Luz um raio:
Vinde, Pai dos pobres, doador dos dons, Luz dos corações.
Grão consolador, nossa alma habitais e nos confortais: Na
fadiga, pouso, e no ardor, brandura, e na dor, ternura.
31
Um olhar em Jesus
Leitor 1: Jesus nos ensina a servir. Toda sua vida foi de doação, de
entrega, de preocupação, de socorro da fraqueza humana. Se muitos
pensavam que o Filho de Deus viria com glória, poder e majestade, se
enganaram. Jesus nasceu de uma família simples, viveu vida simples e
indicou-a para seus seguidores.
Leitor 2: Quando quiseram aclamá-lo Rei, ele deixou claro que seu
modo de ser em nada se parecia com os reinos deste mundo. O poder
que ele dá a seus discípulos é sempre em benefício dos outros: dá-lhes
o poder de perdoar os pecados (Mt 9,6); poder de expulsar os maus
espíritos e de curar as enfermidades (Mt 10, 1).
Leitor 3: Mas, infelizmente, entre nós, nem sempre é assim. Nem
sempre o poder é exercido como serviço. Jesus alerta igualmente que
os filhos das trevas costumam ser mais espertos que os filhos da luz
(Lc 16,8). “Eu vos envio como ovelhas no meio de lobos. Sede, pois,
prudentes como as serpentes, mas simples como a pombas (Mt 10,16).
Leitor 4: A autoridade de Jesus é exercida com firmeza, mas sem
humilhar ninguém. Ele falava como quem tem autoridade, não como os
mestres (Mt 7,29), que muitas vezes usavam de seus conhecimentos
para impor pesados fardos às pessoas. O fardo de Jesus é leve, seu
jugo é suave (cf. Mt 11,28).
Leitor 5: No julgamento perante Pilatos, Jesus lhe desconcerta,
dizendo que a autoridade de Pilatos era delegada por alguém, ele
mesmo estava submetido a outros poderes (cf. Jo 19,10-11), não como
Jesus, cujo poder é plenamente exercido: “Toda autoridade me foi dada
na terra e no céu” (Mt 28,18)
Leitor 6: Os discípulos logo entenderam que seguir Jesus correspon-
dia a outra forma se poder, não desejosa de aplausos, sucesso, mas de
grande preocupação e empenho pela vida das pessoas. Para são Paulo,
a melhor comparação era o corpo: cada membro deverá fazer bem sua
função. Se um membro sofrer, todo o restante sofrerá junto. Para que
o corpo esteja bem, é preciso que os membros estejam em harmonia.
(cf.1Cor 12).
32
Vamos aclamar o Evangelho
Chegou a hora da alegria. Vamos ouvir esta Palavra que nos
guia!
Tua Palavra vem chegando bem veloz. Por todo canto, hoje
se escuta a tua voz! Nada se cria sem a força e o calor que
sai da boca de Deus, nosso Criador! Aleluia, aleluia.
Ler na Bíblia: Mt 20, 20-28 (eu vim para servir)
Um olhar em nós
Leitor 1: Vivemos num regime democrático, republicano. Na
organização do Estado Brasileiro, há três poderes que deverão, como
num corpo, exercer bem suas funções. Vejamos quais as atribuições de
cada poder da República: a) Em primeiro lugar, temos o PODER EXECUTIVO,
constituído pelo Presidente da República, pelo Governador do Estado e
o Prefeito da cidade.
Leitor 2: Qual o papel do(a) Presidente da República? Dentre os
principais, podemos lembrar que cabe a ele nomear e demitir os Ministros
de Estado; conduzir a política econômica; exercer, com o auxílio dos
33
Ministros de Estado, a direção da administração federal; editar medidas
provisórias com força de lei em caráter de urgência; manter relações
com Estados estrangeiros e indicar seus representantes diplomáticos;
exercer comando supremo das Forças Armadas, declarar guerra
quando autorizado pelo Congresso Nacional; exercer outras atribuições
previstas na Constituição da República Federativa do Brasil.
Leitor 3: E qual o papel do Governador do Estado? Cabe ao
governador as funções de exercer a direção da administração estadual
e a representação do Estado em suas relações jurídicas, políticas e
administrativas, defendendo seus interesses junto à Presidência e
buscando investimentos e obras federais.
O governador também é o responsável por fazer nomeações nos
cargos de presidência e diretoria das empresas controladas pelo
governo estadual.
Leitor 4: E qual o papel do Prefeito? É o prefeito quem encabeça a
administração da cidade, empreendendo a gestão da coisa pública,
do controle dos gastos ao planejamento e concretização de obras,
sejam elas de construção civil ou da área social. O poder executivo
é de fato aquele que coloca em prática um conjunto de intenções
do governo, realiza determinada obra, projeto, programa ou política
pública. Além disso, cabe ao prefeito não apenas sancionar as leis
aprovadas em votação pela câmara, mas vetar e elaborar propostas
de leis quando achar necessário.
Leitor 5: b) Em segundo lugar, temos o PODER LEGISLATIVO, do qual
fazem parte os senadores, deputados e vereadores. Sua principal
função é fazer as leis que conduzirão a população. É a instância
de representação do povo, trabalhando na fiscalização do poder
executivo e na apresentação e votação de leis e projetos.
Leitor 6: O que faz um Senador? Cabe a ele processar e julgar o
vice-presidente, o presidente da República, os ministros de Estado, os
ministrosdoSupremoTribunalFederal,oprocuradorgeraldaRepública
e o advogado geral da União, por crimes de responsabilidade;
aprovar a escolha presidencial de magistrados, ministros do Tribunal
de Contas, governadores de territórios, presidente e diretores do
Banco Central, procurador geral da República e diplomatas; propor,
debater e aprovar leis de interesse nacional; autorizar operações
34
financeiras externas e condições de crédito; elaborar, em conjunto com
o presidente da República, o orçamento nacional; suspender a execução
de lei declarada inconstitucional.
Cada Estado é representado por três senadores, havendo, assim,
uma representação igualitária; a cada quatro anos renovam-se um terço
ou dois terços dos senadores, uma vez que o mandato é de oito anos.
Leitor 7: O que faz um Deputado Federal? Ele deve fiscalizar os
atos do Poder Executivo; autorizar, por dois terços de seus membros,
a formação de processo contra o Presidente e o Vice-Presidente da
República e os Ministros de Estado; proceder à tomada de contas do
Presidente da República, quando não apresentadas ao Congresso
Nacional dentro de sessenta dias após a abertura da sessão legislativa.
Leitor 8:O que faz o Deputado Estadual? Ele é membro da Assembleia
Legislativa. Elabora e vota as leis estaduais. Segundo a Constituição do
Estado, compete a ele, com a aprovação do governador, dispor sobre
todas as matérias de competência do Estado. E ainda: elaborar projetos
de lei, decretos e emendas à Constituição Estadual; emitir pareceres;
votar projetos de lei estadual; fiscalizar as finanças e o orçamento
do Estado; participar das sessões plenárias; Instaurar comissões
parlamentares de inquérito, em âmbito estadual; elaborar, em conjunto
com o governo do Estado, o orçamento estadual.
Leitor 9: E o que faz um vereador? É membro da Câmara Municipal.
Elabora e vota as leis municipais. Cabe ao vereador mostrar os problemas
da comunidade e buscar providências junto aos órgãos competentes.
Mas não é só isso. Cabe-lhe também a função de fiscalizar as contas do
Poder Executivo Municipal e do próprio Legislativo.
Leitor 10: c) Em terceiro lugar, temos o PODER JUDICIÁRIO. Enquanto
o Poder Legislativo ocupa-se em elaborar as leis e o Poder Executivo
em executá-las, o Poder Judiciário tem a obrigação de julgar quaisquer
conflitos que possam surgir no País, baseando-se nas Leis que se
encontram em vigor. Cabe-lhe a função de aplicar as Leis, julgando
de maneira imparcial e isenta, determinada situação e as pessoas nela
envolvidas, determinando quem tem razão e se alguém deve ou não ser
punido por infração à Lei.
35
Vamos conversar
Nosso modo de exercer a autoridade é parecido com o de
Jesus?
O evangelho nos alerta para um modo de fazer política. Em
sua opinião, a política, aqui onde moramos, melhorou nos últimos
anos?
Temos consciência das funções dos poderes Executivo,
Legislativo e Judiciário, ou achamos que é tudo a mesma coisa?
Já viu pessoas pedindo favores pessoais a algum político, em vez
de reivindicar em favor de toda a população?
Canto
“Eu vim para que todos tenham vida, que todos tenham vida
plenamente.”
1. Reconstrói a tua vida em comunhão com teu Senhor;
reconstrói a tua vida em comunhão com teu irmão. Onde
está o teu irmão, Eu estou presente nele.
2. Quem comer o Pão da vida viverá eternamente. Tenho
pena deste povo que não tem o que comer. Onde está um
irmão com fome, Eu estou com fome nele.
3. Eu passei fazendo o bem, Eu curei todos os males. Hoje
és minha presença junto a todo sofredor: onde sofre o teu
irmão, Eu estou sofrendo nele.
A Palavra da Igreja
Ouçamos um trecho do Documento de Aparecida
Cabe assinalar, como grande fator negativo em boa parte da
região, o agravamento da corrupção na sociedade e no Estado,
envolvendo os poderes legislativos e executivos em todos os níveis,
alcançando também o sistema judiciário que, muitas vezes, inclina
36
seu juízo a favor dos poderosos e gera impunidade, o que coloca
em sério risco a credibilidade das instituições públicas e aumenta
a desconfiança do povo, fenômeno que se une a um profundo
desprezo pela legalidade. Em amplos setores da população, e
especialmente entre os jovens, cresce o desencanto pela política
e particularmente pela democracia, pois as promessas de uma
vida melhor e mais justa não se cumpriram ou se cumpriram só
pela metade. Nesse sentido, esquece-se de que a democracia e
a participação política são fruto da formação que se faz realidade
somente quando os cidadãos são conscientes de seus direitos
fundamentais e de seus deveres correspondentes (Documento de
Aparecida, n.77).
Preces espontâneas
Pai-Nosso (podem-se incluir os pedidos particulares. Nunca se
esquecer de rezar pelo mundo da política, os governantes).
Bênção final
O Senhor nos abençoe e nos guarde.
O Senhor nos mostre Sua face e tenha misericórdia de nós.
O Senhor volva para nós o Seu rosto e nos dê a Paz.
O Senhor nos abençoe, em nome do Pai...
Canto
Em coro a Deus louvemos: eterno é seu amor.
Pois Deus é admirável:
Por nós fez maravilhas, louvemos o Senhor!
Criou o céu e a terra:
Criou o sol e a lua:
Fez águas, nuvens, chuvas:
Fez pedras, terras, montes:
37
Distribuiu a vida:
Na planta, peixe e ave:
E fez à sua imagem:
O homem livre e forte:
Na história que fazemos:
Deus vai à nossa frente:
E quando nós pecamos:
Perdoa e fortalece:
O Plebiscito é uma iniciativa dos Movimentos Sociais
e de grupos eclesiais, que, atentos à atual situação
política, decidiram organizar uma grande consulta
popular no Brasil inteiro sobre a Reforma Política. É
nosso dever participar!
De 1º. a 07 de setembro vamos mostrar a nossa
vontade: queremos a Reforma Política!
38
Quinto encontro
A REFORMA POLÍTICA
Motivação
Irmãos e irmãs, sintam-se acolhidos aqui. Nos encontros anteriores,
refletimos sobre alguns temas importantes para nossa vida cristã:
as exigências da nossa fé, a importância da política no dia a dia e a
organização do nosso governo. Eles nos permitiram conhecer um pouco
mais da organização política do nosso Brasil. No entanto, podemos
perceber que as coisas não estão muito boas. Alguns sérios problemas
estão impedindo que tenhamos uma política justa, que beneficie todos
nós, cidadãos brasileiros. Neste encontro, queremos entender a tão
falada Reforma Política, que busca consertar os defeitos e melhorar
nosso sistema político. Além disso, nos informaremos sobre o Plebiscito
Popular por um novo sistema político, um importante meio para
conseguirmos realizar a reforma necessária.
Canto
1. O teu povo, Senhor, está sofrendo,
caminhando de um lado para outro.
Uma vida mais justa está querendo,
pois senão vai migrar até estar morto.
Estr.: Animados pela fé e bem certos da vitória,
vamos fincar nosso pé e fazer a nossa história.
E fazer a nossa história, animados pela fé.
39
2. Deste jeito que a coisa está andando
o sistema escraviza e nos domina.
Ele é o mal que está nos desviando
da verdade que Cristo hoje ensina.
Um olhar em Jesus
Leitor 1: Vamos compreender um pouco do lugar, do país de Jesus
de Nazaré, da sua postura diante dos problemas e incoerências dos
governantes da época. Como sabemos, Jesus é o enviado do Pai com
a missão de anunciar e tornar presente o Reino de Deus. Ele veio trazer
uma novidade, uma Boa Notícia que convida, principalmente, para a
conversão, para a mudança, não só de cada pessoa, mas também a
transformação de estruturas da sociedade, para que sua missão de dar
vida plena para todos pudesse acontecer de fato (cf. Jo 10,10).
Leitor 2: Jesus consegue perceber os grandes problemas e dramas
do seu tempo. Ele vê a situação dos pobres, a marginalização da mulher,
dos doentes e dos leprosos. Conhece o desespero do seu povo diante
das situações de fome, de enfermidades, de falta de amparo, de injustiça
e da falta de esperança em algo melhor. Ele também sabe que uma
das causas disso são as estruturas de poder e de governo. Nelas havia
muita corrupção, exploração do povo com altos impostos, governantes
desinteressados dos problemas do povo, alianças entre os poderosos
para a manutenção do poder opressor, entre outras tristes realidades.
Leitor 3: É neste contexto que Jesus, além de anunciar a esperança,
a novidade do Reino de Deus, ele também denuncia tudo aquilo que vai
contra o bem e a dignidade do seu povo. Ele evidencia em suas palavras
a prática da corrupção, o descaso e a dominação dos governantes da
época. O sistema e suas relações de poder, daquela forma, não podia
mais continuar: era preciso a conversão das estruturas, era urgente
acontecer profundas transformações.
Leitor 4: Na leitura que ouvimos, Jesus usa as imagens do pano e
do vinho para mostrar a incoerência entre duas realidades: o velho e o
40
novo. O sistema antigo, de realidades contra o ideal de vida para todos;
e a novidade, um projeto novo baseado na justiça e na solidariedade. O
velho e a novidade não podem existir juntos. É preciso superar o velho e
construir o novo. Deve-se abandonar uma política, uma prática velha e
assumir uma nova postura, uma nova forma de agir.
Vamos aclamar o Evangelho
Tua palavra é Luz do meu caminho!
Luz do meu caminho, meu Deus!
Tua Palavra é!
Tua palavra está, nas ondas do mar!
Tua palavra está, no Sol a brilhar!
Tua palavra está, no pensamento, no sentimento.
Tua palavra está!
Ler na Bíblia: Mt 9, 14-17 (vinho novo em odres novos)
41
Um olhar em nós
Leitor 1: Em junho de 2013, milhões de brasileiros tomaram as ruas,
gritando por mudanças no Brasil. Em especial, pediam a Reforma do
nosso sistema político por reconhecerem nele graves problemas que
atrapalham a existência de uma política e de um governo a serviço
do bem da população. Um deles é a força do poder econômico. Isso
significa que nossos políticos e o seu trabalho foram corrompidos pelos
interesses de quem tem dinheiro, empresas e bancos, que “compram”
os nossos representantes.
Leitor 2: Nossos governantes devem buscar atender as demandas
do povo e gerir tudo aquilo que o município, o estado e a nação têm de
recursos para beneficiar todos os cidadãos. São nossos representantes,
isto é, nós os escolhemos para que, em nosso nome, defendam e
atendam aos nossos interesses e administrem os bens públicos.
No entanto, no processo eleitoral, um fator se mostra decisivo para
ganhar as eleições: quem tem mais dinheiro para gastar com campanhas,
em propaganda e com os apoios.
Leitor 3: E são campanhas bem caras! E de onde sai tanto dinheiro?
Do financiamento privado das grandes empresas e bancos, que des-
pejam dinheiro nos seus candidatos, para que gastem nas campanhas
milionárias deles. E isso não é feito de graça. Após vencerem, os
empresários vão até os políticos e pressionam para defenderem somente
os seus interesses.
Atualmente, em nossas casas legislativas (câmara de vereadores,
assembleias estaduais, câmara de deputados e senado) grande parte
dos que lá estão são frutos dessa “compra” política. Confira o quadro a
seguir referente ao Congresso Nacional, em Brasília:
42
Leitor 4: Atenção para o detalhe: 273 defendem os empresários + 160
defendem os ruralistas = 473 deputados a serviço do poder econômico.
Resultado: os segmentos mais necessitados e carentes da população
(trabalhadores, jovens, pobres e mulheres) por não terem poder
econômico, são sub-representados, ficam sem força para defender
seus interesses. Assim fica fácil entender, por exemplo, por que os
trabalhadores não têm grandes conquistas no governo, como o aumento
do salário mínimo ou revisão das pequenas aposentadorias. Muita coisa
no Brasil podia ser diferente!
Leitor 5: Esse é um dos principais problemas. E há muitos outros que
precisam ser solucionados, melhorando nosso governo. É urgente uma
reforma!
Para concretizar essa Reforma Política, vários movimentos sociais,
inclusive a Igreja, através dos seus grupos, decidiram organizar um
“Plebiscito popular por uma constituinte exclusiva do sistema político”.
E esse plebiscito tem por objetivo pressionar o governo a convocar uma
43
constituinte exclusiva, isto é, com representantes eleitos só para elaborar
leis e mecanismos para uma verdadeira e legítima Reforma Política.
Leitor 6: O Plebiscito vai acontecer entre os dias 1°. e 07 de setembro
deste ano. Seu objetivo é consultar a população para saber se ela é a
favor de uma constituinte exclusiva para a Reforma Política. Cabe a nós
nos preparar e aproveitar essa forma de participar e pressionar nossos
governantes para a mudança dessa politicagem que está aí. Assim
como Jesus, nós, seus discípulos, não podemos ficar parados, como
se nada estivesse acontecendo. Vamos começar a tecer o pano novo, a
fabricar o vinho novo, a construir um Brasil novo.
Mais informações sobre a Reforma Política vide a Cartilha do
Plebiscito em www.cut.org.brcut-em-acao98cartilha-plebiscito-por-um-
novo-sistema-politico; e os textos no final do roteiro.
Vamos conversar:
Conseguimos compreender a necessidade da Reforma Política?
Que outros problemas encontramos na política brasileira?
Como podemos nos comprometer com a realização do Plebiscito
da Reforma Política?
Canto
1. Com Maria em Deus exultemos
Neste canto de amor-louvação.
Escolhida dentre os pequenos
Mãe-profeta da libertação. (bis)
Maria de Deus, Maria da gente,
Maria da singeleza da flor!
Vem caminhar, vem com teu povo
De quem provaste a dor!
44
És a imagem da “nova cidade”,
Sem domínio dos grandes ou nobres,
O teu canto nos mostra a verdade
Que teu Deus é do lado dos pobres. (bis)
A palavra da Igreja
Ouçamos o Papa João Paulo II, na exortação Christifideles Laici, n. 42:
Para animar de maneira cristã a ordem social, os fiéis leigos não
podem absolutamente renunciar a participar da política, ou seja,
da ação econômica, social, legislativa, administrativa e cultural,
destinada a promover orgânica e institucionalmente o bem comum.
Todos e cada um têm o direito e o dever de participar na política,
embora em diversidade e complementaridade de formas, níveis,
funções e responsabilidades.
As acusações de idolatria de poder, egoísmo e corrupção que
muitas vezes são dirigidas aos homens do governo, do parlamento,
da classe dominante ou partido político, bem como a opinião muito
difusa de que a política é um lugar de necessário perigo moral, não
justificam minimamente nem a descrença nem o afastamento dos
cristãos pela coisa pública.
Pelo contrário, é muito significativa a palavra do Concílio Vaticano
II: A Igreja louva e aprecia o trabalho de quantos se dedicam ao
bem da nação e tomam sobre si o peso de tal cargo, ao serviço
dos homens. [...]
No exercício do poder político é fundamental o espírito de serviço,
único capaz de, ao lado da necessária competência e eficiência,
tornar transparente ou limpa a atividade dos homens políticos,
como aliás o povo justamente exige. Isso pressupõe a luta aberta
e a decidida superação de certas tentações, tais como, o recurso
à deslealdade e à mentira, o desperdício do dinheiro público em
vantagem de uns poucos e com miras de clientela, o uso de meios
equívocos ou ilícitos para a todo o custo conquistar, conservar e
aumentar o poder.
Preces espontâneas
Pai-Nosso (podem-se incluir os pedidos particulares. Nunca se
esquecer de rezar pelo mundo da política, os governantes)
45
Bênção final
O Senhor nos abençoe e nos guarde.
O Senhor nos mostre Sua face e tenha misericórdia de nós ti.
O Senhor volva para nós o Seu rosto e nos dê a Paz.
O Senhor nos abençoe, em nome do Pai...
Canto
1. Senhor, meu Deus, quando eu maravilhado,
Fico a pensar nas obras de tuas mãos:
O céu azul, de estrelas pontilhado,
O teu poder, mostrando a criação.
Então minha alma canta a ti, Senhor:
Quão grande és Tu! Quão grande és Tu! (bis)
2. Quando a vagar por matas e florestas,
A passarada, alegre, ouço a cantar,
Olhando os montes, vales e campinas,
Em tudo vejo teu poder sem par.
Devemos participar do Plebiscito, organizando a
votação em nossa comunidade.
Disponibilizaremos as cédulas de votação,
formulários e folhas de assinaturas para a realização
do Plebiscito, que acontece entre os dias 1º. e 07 de
setembro. Participem!
*Em caso de dúvidas, entre em contato conosco:
epcpsc@gmail.com.
46
Sexto Encontro
PARTICIPAÇÃO POLÍTICA:
É HORA DE NOS COMPROMETERMOS
Motivação
Irmãos e irmãs, sejam todos bem-vindos. Chegamos ao último encontro
da nossa caminhada, na qual pudemos, com nosso Mestre Jesus e da
sua Palavra, conhecer mais sobre um tema tão importante para nós: a
política. Neste encontro, vamos refletir sobre nossa participação como
cristãos e cidadãos na vida política. Somos convocados a ser “fermento
na massa”, ou seja, levar os valores cristãos de solidariedade, justiça, de
vida plena para os ambientes onde se tomam as decisões importantes
para nossa sociedade.
Canto
Somos gente nova vivendo a união
Somos povo semente de uma nova nação ê, ê
Somos gente nova vivendo o amor
Somos comunidade, povo do senhor, ê, ê
Vou convidar os meus irmãos trabalhadores
Operários, lavradores, biscateiros e outros mais
E juntos vamos celebrar a confiança
Nossa luta na esperança de ter terra, pão e paz, ê, ê
47
Convido os negros, irmãos no sangue e na sina
Seu gingado nos ensina a dança da redenção
De braços dados, no terreiro da irmandade
Vamos sambar de verdade enquanto chega a razão, ê, ê
Vamos chamar Oneide, Rosa, Ana e Maria
A mulher que noite e dia luta e faz nascer o amor
E reunidas no altar da liberdade
Vamos cantar de verdade, vamos pisar sobre a dor, ê, ê
Vou convidar a criançada e a juventude
Tocadores, me ajudem, vamos cantar por aí
O nosso canto vai encher todo o país
Velho vai dançar feliz, quem chorou vai ter que rir, ê, ê
Um olhar em Jesus
Leitor 1: Jesus, ao exercer seu ministério, contou com a colaboração
de muitas pessoas. São os discípulos e discípulas, que, ao ouvirem
sua palavra, verem sua ação transformadora e respondendo ao seu
convite, se colocaram a serviço do anúncio do Evangelho. Foram, em
sua maioria, homens e mulheres do povo, gente simples, que sofriam os
males de uma realidade injusta e se sentiam desesperançados.
Leitor 2: Todos eles, no entanto, passaram por algo transformador
em suas vidas: o encontro com a pessoa de Jesus Cristo. A partir
desse momento e ao acolher a sua Boa-Nova, eles encontram uma
nova esperança e se colocam prontamente a serviço do anúncio e do
testemunho da vontade de Deus.
Leitor 3 :Jesus quis compartilhar a responsabilidade da sua missão.
Ele sempre convocava as pessoas a segui-lo, e a se comprometerem
48
com o seu projeto. Nos Evangelhos encontramos vários convites para
o discipulado de Jesus. Há também recomendações e orientações
para os discípulos no exercício de sua missão. O mestre conhecia
muito bem os desafios, os perigos que corriam os seus enviados.
Sabia das perseguições, das incompreensões, de toda a maldade
que existia na sua época e que entraria em conflito com os seus
discípulos.
Leitor 4:Elemesmo,aolongodesuavidapública,sofreudifamações,
acusações, perseguições, sendo inclusive, preso, torturado e morto
por causa de sua palavra e de sua ação. Ao buscar uma vida mais
digna para o seu povo, entrou em conflito com os poderes governantes
de seu tempo.
Leitor 5: Jesus, ao enviar os seus discípulos, sempre recomendava:
“não tenham medo”, “coragem”. Assim também nós, ao nos tornarmos
seguidores de Jesus, não podemos ter medo, timidez; pelo contrário,
devemos, sim, ter coragem e ousadia.
Ouçamos agora a Palavra de Deus. Nela Jesus envia os discípulos
ao mundo e os fortalece com palavras de ânimo e coragem. Ouçamos
com atenção.
Palavra de salvação somente o céu tem pra dar
Por isso meu coração se abre para escutar
Por mais difícil que seja seguir
Tua palavra queremos ouvir
Por mais difícil de se praticar
Tua palavra queremos guardar
Ler na Bíblia: Mt 10, 26-33 (não tenham medo)
49
Um olhar em nós
Leitor 1: Hoje Jesus também nos chama a ser continuadores da sua
missão. Nós, como seus discípulos, devemos assumir esse chamado
e ser anunciadores e testemunhas do Evangelho. Esse anúncio e esse
testemunho também devem acontecer no mundo da política. Não
podemos nos ausentar dos espaços de decisão e de governo, com os
valores éticos e cristãos.
Leitor 2: Muitos podem dizer: “Igreja e política não combinam.
Devemos tratar das coisas de Deus e os políticos tratam das coisas
deles. Política é coisa suja.” Esse pensamento não está em sintonia com
a missão da Igreja. Como vimos nos encontros anteriores, tudo aquilo
que perpassa a nossa vida tem uma implicação política. Sendo missão
da Igreja promover a libertação integral do homem (Documento de
Aparecida 62), o caráter político deve estar incluído. Evangelizar possui
uma dimensão social que exige a mediação política e dos governantes.
Leitor 3: Exemplos não faltam de atuação e participação política
de cristãos, que trouxeram grandes vitórias para a população. A
Campanha da Fraternidade é um exemplo bem conhecido disso. Várias
comunidades, após as reflexões da Campanha, conseguiram muitas
vitórias junto ao poder público. Podemos lembrar a Campanha da
Fraternidade 2003: “Fraternidade e as pessoas idosas”. Graças a ela
foi aprovado o Estatuto do Idoso. Os próprios governantes reconhecem
50
que, sem o apelo das comunidades do Brasil, o Estatuto do Idoso não
teria sido aprovado tão rápido. Uma grande conquista da Igreja e do
povo brasileiro.
Leitor 4: Outro bonito exemplo foi o movimento Ficha Limpa, em
2010. O projeto reuniu mais de 1,3 milhões de assinaturas e tornou-se
uma grande referência durante as eleições. Nas eleições de 2012, para
termos uma ideia, houve mais de 1500 casos de cassação de candidatos
que não estavam conformes à Ficha Limpa.
Leitor 5: Devemos nos engajar no campo político, seja no nosso
bairro, na nossa cidade, estado ou país, e lá defender a dignidade
humana e a justiça social, elementos intrínsecos da proposta cristã.
Como? Possuímos várias formas e instâncias de participação. Aqui
apresentaremos algumas:
Leitor 6: Os Movimentos Sociais e as ONGs possuem um trabalho
que tem dado certo no país. Defendem, principalmente, os interesses
dos mais excluídos e esquecidos pelo poder público. São formados,
geralmente, por voluntários que buscam de alguma forma melhorar as
situações sociais da população. Esses exemplos podem muito bem ter
acontecido, aqui, em nossa cidade. Em algumas cidades, ONGs ligadas
à promoção da paz conseguiram a aprovação de leis e medidas de
combate à violência. Associações de moradores conseguiram, junto ao
poder público, escola e creches para seus moradores.
Leitor 7: Outra forma de participar é o partido político. Os partidos
existem para representar os diversos interesses do povo. Apesar do
desgaste e da corrupção da maior parte dos partidos, no nosso atual
sistema, só através deles é possível concorrer em uma eleição e assumir
um cargo como governante. Logo, a presença nos partidos é algo
fundamental para que, de fato, ocorram mudanças sociais e políticas
no país.
Leitor 8: Outra forma de participação é o acompanhamento da
vida política. Isso significa estar atento ao que acontece em nossas
instâncias de governo, exercendo o direito cidadão de fiscalizar. Esse
é um importante papel da população, que infelizmente não exercemos.
A corrupção dos governos se deve, muitas vezes, à falta de fiscalização
e do acompanhamento do que anda acontecendo neles. O dinheiro
desviado, o salário dos políticos e os recursos disponíveis para
51
investimento vêm dos nossos impostos, que cada vez estão mais altos.
É dinheiro nosso!
Leitor 9: Quem se lembra dos candidatos nos quais votou nas
duas últimas eleições? Quem sabe o que eles estão fazendo, que leis
e projetos estão apresentando? Estão cumprindo o que prometeram na
campanha? Se a nossa resposta for “não sei”, estamos cometendo uma
grave falta. Se não acompanhamos, não exigimos, não fiscalizamos, não
adianta reclamar. Vamos reclamar para quem? Outro detalhe importante:
se não acompanhamos os governantes, numa nova eleição podemos
reeleger todos os políticos corruptos e omissos. Atenção: isso é o que
mais acontece no Brasil.
E nós aqui, conhecemos alguma importante conquista? Que tal
lembrarmos uma, fruto dos apelos da Igreja junto ao poder público?
Vamos conversar
Citamos o Estatuto do Idoso e o Movimento Ficha Limpa como
conquistas vindas pela união das comunidades. Quem se lembra
de outras conquistas vindas através da organização do povo? (no
município, no país...)
Que tal se nós participássemos das reuniões dos vereadores,
buscássemos informações sobre o que vai ser votado e discutido.
Podemos nos organizar?
Que gestos concretos podemos assumir como cristãos ao final
dessa nossa formação sobre Fé e Política aqui onde vivemos?
Canto
1. Deus chama a gente pra um momento novo
De caminhar junto com seu povo.
É hora de transformar o que não dá mais:
Sozinho, isolado, ninguém é capaz.
Por isso vem! Entra na roda com a gente, também! Você é
muito importante! (Vem!) (bis)
52
2. Não é possível crer que tudo é fácil,
Há muita força que produz a morte,
gerando dor, tristeza e desolação.
É necessário unir o cordão.
3. A força que hoje faz brotar a vida
Atua em nós pela sua graça
É Deus que nos convida pra trabalhar,
O amor repartir e as forças juntar.
A Palavra da Igreja
Ouçamos hoje o papa Francisco, em sua primeira Exortação
Apostólica, Evangelii Gaudium (A alegria do Evangelho), n. 183.
Ninguém pode exigir-nos que deixemos a religião para a
intimidade secreta das pessoas, sem qualquer influência na vida
social e nacional, sem nos preocupar com a saúde das instituições
da sociedade civil, sem nos pronunciar sobre os acontecimentos
que interessam aos cidadãos. Quem ousaria encerrar num
templo e silenciar a mensagem de São Francisco de Assis e da
Beata Teresa de Calcutá? Eles não o poderiam aceitar. Uma fé
autêntica – que nunca é cômoda nem individualista – comporta
sempre um profundo desejo de mudar o mundo, transmitir valores,
deixar a terra um pouco melhor depois da nossa passagem por
ela. Amamos este magnífico planeta, onde Deus nos colocou, e
amamos a humanidade que o habita, com todos os seus dramas
e cansaços, com os seus anseios e esperanças, com os seus
valores e fragilidades.
A terra é a nossa casa comum e todos somos irmãos. Embora
a justa ordem da sociedade e do Estado seja dever central da
política, a Igreja não pode nem deve ficar à margem na luta pela
justiça (...), sendo um sinal de esperança que brota do coração
amoroso de Jesus Cristo.
Preces espontâneas
Pai-Nosso (podem-se incluir os pedidos particulares. Nunca se
esquecer de rezar pelo mundo da política, os governantes)
53
Bênção final
O Senhor nos abençoe e nos guarde.
O Senhor nos mostre Sua face e tenha misericórdia de nós.
O Senhor volva para nós o Seu rosto e nos dê a Paz.
O Senhor nos abençoe, em nome do Pai...
Canto final
1. O Senhor me chamou a trabalhar, a messe é grande a
ceifar. A ceifar o Senhor me chamou, Senhor aqui estou.
Vai trabalhar pelo mundo afora, eu estarei até o fim contigo.
Está na hora, o Senhor me chamou: Senhor aqui estou!
2. Dom de amor é a vida entregar, falou Jesus, assim o fez,
dom de amor é a vida entregar: chegou a minha vez.
3. Todo bem que na terra alguém fizer, Jesus no céu vai
premiar, cem por um, já na terra Ele vai dar, no céu vai premiar.
4. Teu irmão à tua porta vem bater, não vai fechar teu coração.
Teu irmão a teu lado vem sofrer, vai logo socorrer.
A data da votação do Plebiscito está chegando.
Já estamos organizados? Não podemos perder essa
grande oportunidade de pressionarmos nossos
governantes e realizar as transformações necessárias
no nosso sistema político.
De 1º. a 07 de setembro vamos mostrar a nossa
vontade: queremos a Reforma Política!
54
ANEXOS
TEXTOS PARA APROFUNDAMENTO
1 - Sobre a Constituinte Exclusiva e Soberana para
mudar o sistema político
De acordo com a cartilha “Plebiscito por um Novo Sistema Político”,
a Assembleia Nacional Constituinte, ou simplesmente Constituinte, é
a realização de uma assembleia de representantes eleitos pelo povo
para modificar a economia e a política do país e definir as regras,
instituições e o funcionamento das instituições de um Estado, com o
governo o Congresso e o Judiciário. Suas decisões resultam em uma
Constituição.
A Constituição brasileira atual é de 1988, mas, apesar dos avanços
nos direitos sociais, ela preservou muitas instituições criadas ou
aprofundadas pelo regime militar, como a polícia militarizada, a
manutenção da estrutura fundiária e o pagamento da dívida pública. A
proposta de uma Constituinte Exclusiva e Soberana do sistema político é
para que a mesma alcance os problemas do povo brasileiro, realizando
reformas política, agrária, urbana, tributária e outras mudanças, que
não foram contempladas em 1988, e que assegurem a igualdade de
direitos econômicos, sociais e civis.
Representações no Congresso Nacional
Segundo dados do Departamento Intersindical de Assessoria
Parlamentar (Diap), dos 594 parlamentares (513 são deputados e 81
senadores) eleitos há três anos, 273 são empresários, 160 são ruralistas,
66 fazem parte da bancada evangélica e apenas 91 são da bancada
sindical. Além dos representantes dos trabalhadores e trabalhadoras no
Brasil representarem uma minoria, esse quadro revela uma distorção no
sistema eleitoral.
55
A maioria das cadeiras do Congresso Nacional está sendo ocupada
por homens brancos, representantes de uma elite econômica, com
interesses privatistas. O atual parlamento exclui segmentos de grande
expressividade no país como, por exemplo, os afrodescendentes.
A Reforma Política
A reforma política, só se pode dar este nome a ela se ela trata e
pensa o sistema político como um todo: a organização do Estado
Brasileiro, como se dá a disputa do poder, como se distribui o poder
no país, como se articulam os poderes do Estado... portanto, é uma
questão muito mais estrutural do que este ou aquele ponto. Inclusive,
os parlamentares insistem em tratar desta forma, que é para poder
inviabilizar uma autêntica reforma política. A questão da votação em
lista é um dos aspectos do sistema político. A lista pré-ordenada é
um modelo e prática no mundo inteiro da democracia. A votação
uni-nominal, candidato por candidato, é uma visão que não ajuda a
fortalecer e a criar uma consciência política coletiva e de projetos
políticos. E por falta de entendimento, as pessoas dizem ter orgulho
de votar em pessoas e não em partidos. É verdade que os partidos
que existem hoje não têm muita identidade. E esse é um dos temas da
reforma política, que é reconstruir o quadro partidário. Hoje, existem 30
partidos e outros mais na fila para serem criados e ter acesso ao fundo
partidário, porque, no fundo, é isto que eles querem. Querem partido
para disputar poder e ter um projeto de poder. Entendo que a lista
pré-ordenada relacionada com o financiamento público e exclusivo e
com o fim das coligações avança. E defendo também a alternância
de gênero. O Brasil tem menos de 9% na Câmara e menos de 10%
no Senado, de mandatos de mulheres. Falta uma política efetiva
de estímulo à participação das mulheres, mesmo nos partidos de
esquerda, se é que ainda existe partido de esquerda neste país. É uma
distorção da nossa política a participação tão pequena das mulheres.
O machismo predomina na política também. Só há democracia plena
quando há igualdade de direitos, entre homens e mulheres, entre
negros e brancos, entre jovens e idosos...”
56
2 - Os Candidatos são todos iguais? Frei Betto
Época de eleição é época de emoção. A razão entra em férias, a
sensibilidade fica à flor da pele. Em família e no trabalho, todos
manifestam opiniões sobre eleições e candidatos.
O tom das opiniões varia do palavrão (a desqualificar toda a árvore
genealógica do candidato) à veneração acrítica de quem o julga perfeito.
Marido briga com a mulher, pai com o filho, amigo com amigo, cada um
convencido de que possui a melhor análise sobre os candidatos...
Um terceiro grupo insiste em se manter indiferente ao período
eleitoral, embora não o consiga em relação aos candidatos, todos eles
considerados corruptos, mentirosos, aproveitadores e/ou demagogos.
Não há saída: estamos todos sujeitos ao Estado. E este é governado
pelo partido vitorioso nas eleições. Portanto, ficar indiferente é passar
cheque em branco, assinado e de valor ilimitado, a quem governa.
Governo e Estado são indiferentes à nossa indiferença e aos nossos
protestos individuais.
É compreensível uma pessoa não gostar de ópera, jiló ou cor marrom.
E mesmo de política. Impossível é ignorar que todos os aspectos de
nossa existência, do primeiro respiro ao último suspiro, têm a ver com
política.
A classe social em que cada um de nós nasceu decorre da política
vigente no país. Houvesse menos injustiça e mais distribuição da riqueza,
ninguém nasceria entre a miséria e a pobreza. Como nenhum de nós
escolheu a família e a classe social em que veio a este mundo, somos
todos filhos da loteria biológica. O que não deveria ser considerado
privilégio por quem nasceu nas classes média e rica, e sim dívida social
para com aqueles que não tiveram a mesma sorte.
Somos ministeriados do nascimento à morte. Ao nascer, o registro
segue para o Ministério da Justiça. Vacinados, ao da Saúde; ao ingressar
na escola, ao da Educação; ao arranjar emprego, ao do Trabalho; ao tirar
habilitação, ao das Cidades; ao aposentar-se, ao da Previdência Social;
ao morrer, retorna-se ao Ministério da Justiça. E nossas condições de
vida, como renda e alimentação, dependem dos ministérios da Fazenda
e do Planejamento.
57
Em tudo há política. Para o bem ou para o mal. A política se faz
presente até no calendário. Já reparou: dezembro, último mês do ano,
deriva de dez? Novembro de nove, outubro de oito, setembro de sete?
Outrora o ano tinha dez meses. O imperador Júlio César decidiu
acrescentar um mês em sua homenagem. Criou julho. Seu sucessor,
Augusto, não quis ficar atrás. Criou agosto. Como os meses se sucedem
na alternância 31/30, Augusto não admitiu que seu mês tivesse menos
dias que o do antecessor. Obrigou os astrônomos da corte a equipararem
agosto e julho em 31 dias. Eles não se fizeram de rogados: arrancaram
um dia de fevereiro e resolveram a questão.
O Brasil é o resultado das eleições de outubro. Para melhor ou para
pior. E os que o governam são escolhidos pelo voto de cada eleitor.
Faça como o Estado: deixe de lado a emoção e pense com a razão.
As instituições públicas são movidas por políticos e pessoas indicadas
por eles. Todos os funcionários são nossos empregados. A nós devem
prestar contas. Temos o direito de cobrar, exigir, reivindicar, e eles o
dever de responder às nossas expectativas.
A autoridade é a sociedade civil. Exerça-a. Não dê seu voto a
corruptos nem se deixe enganar pela propaganda eleitoral. Vote no
futuro melhor de seu município. Vote na justiça social, na qualidade de
vida da população, na cidadania plena.
3 - Nota da CNBB (trechos escolhidos, 2013)
Lei da Ficha Limpa
Uma campanha vitoriosa foi a da Ficha Limpa. Trata-se da Lei
Complementar n°. 135 de 2010, uma emenda à Lei das Condições de
Inelegibilidade ou Lei Complementar n°. 64 de 1990, originada de um
projeto de lei de iniciativa popular idealizado por integrantes do MCCE,
destacando-se a CNBB, a CBJP, o Conselho Nacional do Laicato do
Brasil (CNLB), a Cáritas e a OAB Nacional. O projeto da Ficha Limpa
reuniu cerca de 1,3 milhões de assinaturas com o objetivo de aumentar
a idoneidade dos candidatos. A participação ativa das comunidades
católicas na campanha pelas assinaturas foi fundamental.
58
Nas eleições de 2012, a primeira sob o efeito da Lei da Ficha Limpa,
tivemos mais de 1500 casos de cassação de candidaturas no país.
Desta forma, a Igreja vem dando sua significativa contribuição para
uma política mais ética e voltada para os reais interesses da população.
Mais do que uma lei, vem se impondo em diversos lugares uma
espécie de “cultura da ficha limpa”, onde outros setores, por analogia,
têm procurado aplicar o sentido da lei, ou seja, usam o conceito de ficha
limpa para montar secretariado, contratar empresas e pessoas.
Posição oficial da Igreja
Já é explícito e claro que a Igreja reserva a atuação direta na vida
partidária aos leigos.
0 papa Bento XVI afirmou que os padres devem ficar afastados do
compromisso pessoal na política partidária para não comprometer
a unidade e a comunhão de todos os fiéis. Disse que é bom evitar a
secularização dos padres e a clericalização dos leigos. Os fiéis leigos
devem empenhar-se em exprimir na realidade, inclusive através do
empenho político, a visão antropológica cristã e a Doutrina Social da
Igreja, uma vez que todas as ações sociopolíticas da Igreja têm como
objetivo o bem comum.
Esse ensinamento está em profunda sintonia com o Direito Canônico
que prescreve: “Os clérigos se abstenham completamente de tudo o
que não convém a seu estado, de acordo com as prescrições do direito
particular. Os clérigos evitem tudo o que, embora não inconveniente, é,
no entanto, impróprio ao estado clerical. Os clérigos são proibidos de
assumir cargos públicos que impliquem participação no exercício do
poder civil.” (Cân. 285 §1°, 2o e 3o). “Os clérigos promovam sempre e
o mais possível a manutenção, entre os homens, da paz e da concórdia
fundamentada na justiça. Não tenham parte ativa nos partidos políticos e
na direção de associações sindicais a não ser que, a juízo da competente
autoridade eclesiástica, o exijam a defesa dos direitos a Igreja ou a
promoção do bem comum” (Cân. 287 § Io e 2o).
A política partidária está em contraste com o ministério ordenado,
porque este deve estar acima das facções políticas e servir a todos
indistintamente. “Fora de sua expressão teológica, de seu primado
59
espiritual, de seu discurso ético, a Igreja perderia sua própria identidade
e, portanto, a possibilidade de atuação em qualquer outro nível”.
Com essas diretrizes, o episcopado nacional tem instado junto aos
seus padres no sentido de que obedeçam às normas da Igreja.
Superação do divórcio entre fé e dever temporal
Por outro lado, isso não exime qualquer fiel, incluindo os clérigos, de
seu dever para com a transformação da realidade social. A Constituição
Pastoral do Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, já alertava: “O
divórcio entre a fé professada e a vida cotidiana de muitos deve ser
enumerado entre os erros mais graves do nosso tempo” (GS 43). E mais:
“Ao negligenciar os seus deveres temporais o cristão negligencia os
seus deveres para com o próximo e o próprio Deus e coloca em perigo
a sua salvação eterna” (GS 43).
Assim como se tem claro que não cabe ao clérigo assumir diretamente
um cargo político, é preciso ter claro que é dever da Igreja, portanto, a
todos os clérigos, a formação de leigos para que estejam aptos para
essa missão. Nada justifica a omissão nesta fundamental tarefa eclesial.
Dessa forma, a Igreja Católica, significativamente atuante em todos os
campos da vida do povo brasileiro, faz-se presente na política partidária
e no serviço à sociedade através de cargos políticos, não pelo seu clero,
mas pelos seus leigos. Para isso eles devem ser formados, encorajados,
respaldados e acompanhados no exercício de suas funções e do seu
mandato, quando eleitos. A presença qualificada de católicos no mundo
da política tomará a fé cristã ainda mais relevante na organização da
sociedade democrática, pois não há contradição entre democracia e
religião. A fé católica, coerentemente vivida, não só não é obstáculo
como pode ser uma das melhores defesas da democracia contra sua
possível decomposição interna.
A pobreza, a democracia e a atuação do cristão no meio social
Ao assumir a opção preferencial pelos pobres, na perspectiva
levantada pelo discurso inaugural da 5a
Conferência do Episcopado
Latino-americano e Caribenho, proferido pelo Papa Bento XVI: “A opção
preferencial pelos pobres está implícita na fé cristológica naquele Deus
60
que se fez pobre por nós, para enriquecer-nos com sua pobreza” (cf.
2Cor 8,9), a “Igreja pobre, para os pobres”, como é o desejo evangélico
do Papa Francisco, se engaja na defesa dos interesses dos mais
desprezados na história. Esse engajamento decorre de sua fé em Jesus
Cristo e não por questões meramente ideológicas. Isso tem implicações
claras nos períodos eleitorais, pois não se pode praticar a indiferença
quando candidatos a cargos políticos são claramente contrários à
promoção dos pobres, quer por uma posição elitista, quer por estar
envolvido em processos de corrupção, que atentam contra os interesses
dos pobres e aviltam a convivência social e cristã.
Campanha confessional
A comunidade cristã se sente verdadeiramente solidária com o gênero
humano e com sua história, portanto, os seus interesses coincidem com
os interesses dos homens e mulheres de boa vontade, que desejam
uma sociedade justa e fraterna. Para a consecução deste objetivo, a
Igreja sempre estará como uma sentinela pronta a defender os direitos,
sobretudo dos pobres, da família, dos pais a educar os filhos, da luta
contraacorrupção,daexigênciadeplenatransparêncianaadministração
pública, e a vida em todas as situações, desde a fecundação até a
morte natural. Porém, não cairá na tentação de buscar constituir uma
bancada parlamentar católica, que tenha feições confessionais. Pautar-
se-á sempre pela conduta ética, em todas as campanhas, trabalhando
para que os fiéis tenham plena consciência de seus deveres mais
amplos com a sociedade e não se limitará a defender seus interesses
institucionais. Também evitará emitir notas e pareceres que defendam
ou atinjam diretamente este ou aquele candidato, por causa de filiação
partidária ou identificação com esta ou aquela denominação cristã, mas
não se fartará a defender os valores emanados da sua fé no Evangelho
de Nosso Senhor.
Autonomia da realidade política
A conveniente consideração da relação entre a comunidade política
e a Igreja é bem pertinente, sobretudo onde vigora uma sociedade
pluralista como a brasileira. De modo algum, a Igreja se confunde com
a comunidade política e nem pode ser identificada com um sistema
61
político. Ambas as instâncias devem respeitar a independência e
autonomia de cada uma, mesmo que trabalhem, muitas vezes, tendo
por escopo as mesmas aspirações, ou seja, o bem-estar da comunidade
humana. Guardadas as devidas proporções e natureza de cada uma,
devem agir em cooperação, levando-se em conta as circunstâncias
dos tempos e lugares. “A Igreja, sem dúvida, alicerçada no amor do
Redentor, contribui para que a justiça e a caridade floresçam mais
amplamente no seio de cada nação e entre as nações. Pregando a
verdade evangélica, e iluminando todos os setores da atividade
humana pela sua doutrina, pelo testemunho dos fiéis cristãos, a Igreja
respeita e promove também a liberdade política e a responsabilidade
dos cristãos” (GS 76).
Não obstante o desejo de colaborar no que promove o bem
comum, a Igreja não abrirá mão, justificada pela mesma autonomia,
de ser instância crítica e profética e de fazer seu caminho próprio,
sem se identificar com as pessoas que exercem as funções políticas
nem com as que exercem o poder econômico. Por isto cuidará, com
sabedoria, que sua proximidade do poder não seja entendida como
alinhamento e sua distância do poder não seja entendida como
indiferença política.
Teocracia e alienação
Vivemos, hoje, um fenômeno crescente de participação de muitas
denominações cristãs ou não no mundo da política. Aqui é preciso
aprender da história. Nesse campo, há experiências no mundo
que vão desde a teocracia até a total alienação; há experiência de
envolvimento político partidário e direto por interesses corporativistas
e experiência de envolvimento direto pelo bem da coletividade. Como
discernir o momento exato de atuar ou se omitir? Deve-se evitar, por
certo, toda e qualquer atitude oportunista, isto é, aproximar-se ou
afastar-se segundo os interesses meramente institucionais. Seria um
comportamento por demais pragmático e antiético. A Igreja não pode
se transformar numa instância colaboracionista do poder político nem
tampouco se identificar como a oposição cega e irracional. Há que se
buscar a medida exata em cada momento histórico.
62
Conclusão
Enfim, buscar o justo equilíbrio na participação da comunidade cristã
nos momentos em que as campanhas políticas ganham as ruas do país
é dever de todos os que acreditam na eficácia do fermento evangélico
na transformação das realidades sociais e políticas. Imiscuindo-se na
política partidária, a Igreja pode não dar a sua real contribuição, porém,
omitindo-se da participação na política, sobretudo, da preparação
concreta dos fiéis leigos para nela atuarem, negligencia parte significativa
de sua missão evangelizadora.
Avaliação do material de Fé e Política
Pedimos que, ao terminar o percurso dos grupos, façam a seguinte
avaliação e a enviem para nós:
epcpsc@gmail.com ou
Secretariado de Missão e Evangelização
Av. Gabriel de Rezende Passos, 178
CEP 32 603-246
Betim, MG
Quantas pessoas participaram de seu grupo de reflexão? _________
O material foi esclarecedor para vocês?
( ) muito ( ) pouco ( ) razoavelmente
Como vocês avaliam a parte “Um olhar em Jesus”?
( ) muito bom ( ) bom ( ) razoável
Como vocês avaliam a parte “Um olhar em nós”?
( ) muito bom ( ) bom ( ) razoável
Qual encontro lhes chamou mais a atenção? _______________________
Qual encontro foi mais difícil de ser entendido? ___________________
Sugestões e outros comentários para a equipe responsável.
6363
64
Secretariado de Missão
e Evangelização

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ap. pré matrimonio
Ap. pré matrimonioAp. pré matrimonio
Ap. pré matrimonioWalter Unger
 
1 doutrina social da igreja que é a dsi
1 doutrina social da igreja  que é a dsi1 doutrina social da igreja  que é a dsi
1 doutrina social da igreja que é a dsiJorge Eduardo Brandán
 
EBD Jovens - Aula 04 Paulo e o Caracter Cristão
EBD Jovens - Aula 04 Paulo e o Caracter CristãoEBD Jovens - Aula 04 Paulo e o Caracter Cristão
EBD Jovens - Aula 04 Paulo e o Caracter Cristãofa.sodre
 
Evangelização e missão profética da igreja
Evangelização e missão profética da igrejaEvangelização e missão profética da igreja
Evangelização e missão profética da igrejaOswaldo Michaelano
 
SINODALIDADE - CAMINHADA HISTÓRICA
SINODALIDADE - CAMINHADA HISTÓRICASINODALIDADE - CAMINHADA HISTÓRICA
SINODALIDADE - CAMINHADA HISTÓRICAPaulo David
 
Pregação crescimento Espiritual
Pregação crescimento EspiritualPregação crescimento Espiritual
Pregação crescimento Espiritualsuzyanne2010
 
Plano de-salvação
Plano de-salvaçãoPlano de-salvação
Plano de-salvaçãoDavi Leite
 
Reconhecendo a paternidade de deus
Reconhecendo a paternidade de deusReconhecendo a paternidade de deus
Reconhecendo a paternidade de deusDamaris Vieira
 
Curso de evangelismo
Curso de evangelismoCurso de evangelismo
Curso de evangelismoadnacoes
 
Como dirigir um culto
Como dirigir um cultoComo dirigir um culto
Como dirigir um cultoPaulo Roberto
 
A CONFISSÃO Retiro Primeira Eucaristia 2014
A CONFISSÃO Retiro Primeira Eucaristia 2014A CONFISSÃO Retiro Primeira Eucaristia 2014
A CONFISSÃO Retiro Primeira Eucaristia 2014fernandomoloche
 
Disciplina: a terceira marca da igreja
Disciplina: a terceira marca da igrejaDisciplina: a terceira marca da igreja
Disciplina: a terceira marca da igrejaRobson Santana
 
2013 1 tri - lição 5 - conflitos na família
2013   1 tri - lição 5 - conflitos na família2013   1 tri - lição 5 - conflitos na família
2013 1 tri - lição 5 - conflitos na famíliaNatalino das Neves Neves
 
1 l4 a caminho da maturidade
1 l4   a caminho da maturidade1 l4   a caminho da maturidade
1 l4 a caminho da maturidadeClaudinei Dias
 
Apostila Treinamento de Líderes de Células - Pequenos Grupos
Apostila Treinamento de Líderes de Células - Pequenos GruposApostila Treinamento de Líderes de Células - Pequenos Grupos
Apostila Treinamento de Líderes de Células - Pequenos GruposChristian Lepelletier
 

Mais procurados (20)

O culto cristão a forma
O culto cristão   a formaO culto cristão   a forma
O culto cristão a forma
 
Ap. pré matrimonio
Ap. pré matrimonioAp. pré matrimonio
Ap. pré matrimonio
 
Evangelismo infantil
Evangelismo infantilEvangelismo infantil
Evangelismo infantil
 
1 doutrina social da igreja que é a dsi
1 doutrina social da igreja  que é a dsi1 doutrina social da igreja  que é a dsi
1 doutrina social da igreja que é a dsi
 
EBD Jovens - Aula 04 Paulo e o Caracter Cristão
EBD Jovens - Aula 04 Paulo e o Caracter CristãoEBD Jovens - Aula 04 Paulo e o Caracter Cristão
EBD Jovens - Aula 04 Paulo e o Caracter Cristão
 
Evangelização e missão profética da igreja
Evangelização e missão profética da igrejaEvangelização e missão profética da igreja
Evangelização e missão profética da igreja
 
SINODALIDADE - CAMINHADA HISTÓRICA
SINODALIDADE - CAMINHADA HISTÓRICASINODALIDADE - CAMINHADA HISTÓRICA
SINODALIDADE - CAMINHADA HISTÓRICA
 
Pregação crescimento Espiritual
Pregação crescimento EspiritualPregação crescimento Espiritual
Pregação crescimento Espiritual
 
Plano de-salvação
Plano de-salvaçãoPlano de-salvação
Plano de-salvação
 
O Evangelismo e a igreja.ppt
O Evangelismo e a igreja.pptO Evangelismo e a igreja.ppt
O Evangelismo e a igreja.ppt
 
Reconhecendo a paternidade de deus
Reconhecendo a paternidade de deusReconhecendo a paternidade de deus
Reconhecendo a paternidade de deus
 
Curso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismoCurso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismo
 
LIÇÃO 07 - A BELEZA DO SERVIÇO CRISTÃO
LIÇÃO 07 - A BELEZA DO SERVIÇO CRISTÃOLIÇÃO 07 - A BELEZA DO SERVIÇO CRISTÃO
LIÇÃO 07 - A BELEZA DO SERVIÇO CRISTÃO
 
Curso de evangelismo
Curso de evangelismoCurso de evangelismo
Curso de evangelismo
 
Como dirigir um culto
Como dirigir um cultoComo dirigir um culto
Como dirigir um culto
 
A CONFISSÃO Retiro Primeira Eucaristia 2014
A CONFISSÃO Retiro Primeira Eucaristia 2014A CONFISSÃO Retiro Primeira Eucaristia 2014
A CONFISSÃO Retiro Primeira Eucaristia 2014
 
Disciplina: a terceira marca da igreja
Disciplina: a terceira marca da igrejaDisciplina: a terceira marca da igreja
Disciplina: a terceira marca da igreja
 
2013 1 tri - lição 5 - conflitos na família
2013   1 tri - lição 5 - conflitos na família2013   1 tri - lição 5 - conflitos na família
2013 1 tri - lição 5 - conflitos na família
 
1 l4 a caminho da maturidade
1 l4   a caminho da maturidade1 l4   a caminho da maturidade
1 l4 a caminho da maturidade
 
Apostila Treinamento de Líderes de Células - Pequenos Grupos
Apostila Treinamento de Líderes de Células - Pequenos GruposApostila Treinamento de Líderes de Células - Pequenos Grupos
Apostila Treinamento de Líderes de Células - Pequenos Grupos
 

Destaque

Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892
Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892
Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892Aniel Wagner Cruz
 
Caderno de Reflexões Para o Congresso ALEF 2014
Caderno de Reflexões Para o Congresso ALEF 2014 Caderno de Reflexões Para o Congresso ALEF 2014
Caderno de Reflexões Para o Congresso ALEF 2014 Marcos Aurélio
 
Introdução a teologia sistemática
Introdução a teologia sistemática Introdução a teologia sistemática
Introdução a teologia sistemática Aniel Wagner Cruz
 
Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892
Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892
Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892Aniel Wagner Cruz
 
Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia  aula 1Introdução a teologia  aula 1
Introdução a teologia aula 1Aniel Wagner Cruz
 
Apostila de Introduçaõ à Teologia
  Apostila de Introduçaõ à Teologia  Apostila de Introduçaõ à Teologia
Apostila de Introduçaõ à TeologiaMarcos Aurélio
 
Missão holística
Missão holísticaMissão holística
Missão holísticaEduardo Melo
 
Paulo – O ApóStolo
Paulo – O ApóStoloPaulo – O ApóStolo
Paulo – O ApóStoloPetula
 
Apostila de Escola Bíblica/Discipulado.Minicurso - 2012
Apostila de Escola Bíblica/Discipulado.Minicurso - 2012Apostila de Escola Bíblica/Discipulado.Minicurso - 2012
Apostila de Escola Bíblica/Discipulado.Minicurso - 2012Manoel Júnior
 
Slides o que é teologia
Slides o que é teologiaSlides o que é teologia
Slides o que é teologiaManoel Júnior
 
Trabalho de teologia fundamentos e doutrinas
Trabalho de teologia fundamentos e doutrinas Trabalho de teologia fundamentos e doutrinas
Trabalho de teologia fundamentos e doutrinas marcelo olegario
 
Vista o Sobretudo, Meu Filho!
Vista o Sobretudo, Meu Filho!Vista o Sobretudo, Meu Filho!
Vista o Sobretudo, Meu Filho!Tiago Vieira
 
Tomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporanea
Tomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporaneaTomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporanea
Tomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporaneaLELO
 
Análise de Conjuntura - José Marcos Silva
Análise de Conjuntura - José Marcos Silva  Análise de Conjuntura - José Marcos Silva
Análise de Conjuntura - José Marcos Silva Marcos Aurélio
 

Destaque (20)

Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892
Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892
Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892
 
Caderno de Reflexões Para o Congresso ALEF 2014
Caderno de Reflexões Para o Congresso ALEF 2014 Caderno de Reflexões Para o Congresso ALEF 2014
Caderno de Reflexões Para o Congresso ALEF 2014
 
Introdução a teologia sistemática
Introdução a teologia sistemática Introdução a teologia sistemática
Introdução a teologia sistemática
 
Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892
Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892
Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892
 
Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia  aula 1Introdução a teologia  aula 1
Introdução a teologia aula 1
 
Apostila de Introduçaõ à Teologia
  Apostila de Introduçaõ à Teologia  Apostila de Introduçaõ à Teologia
Apostila de Introduçaõ à Teologia
 
Missão holística
Missão holísticaMissão holística
Missão holística
 
A Plenitude do Reino de Deus
A Plenitude do Reino de DeusA Plenitude do Reino de Deus
A Plenitude do Reino de Deus
 
Paulo – O ApóStolo
Paulo – O ApóStoloPaulo – O ApóStolo
Paulo – O ApóStolo
 
Apostila de Escola Bíblica/Discipulado.Minicurso - 2012
Apostila de Escola Bíblica/Discipulado.Minicurso - 2012Apostila de Escola Bíblica/Discipulado.Minicurso - 2012
Apostila de Escola Bíblica/Discipulado.Minicurso - 2012
 
Slides o que é teologia
Slides o que é teologiaSlides o que é teologia
Slides o que é teologia
 
Limitações e especulações
Limitações e especulaçõesLimitações e especulações
Limitações e especulações
 
O processo de secularização
O processo de secularizaçãoO processo de secularização
O processo de secularização
 
Definindo teologia capitulo i
Definindo teologia   capitulo iDefinindo teologia   capitulo i
Definindo teologia capitulo i
 
Os Jovens E A SecularizaçãO
Os Jovens E A SecularizaçãOOs Jovens E A SecularizaçãO
Os Jovens E A SecularizaçãO
 
Trabalho de teologia fundamentos e doutrinas
Trabalho de teologia fundamentos e doutrinas Trabalho de teologia fundamentos e doutrinas
Trabalho de teologia fundamentos e doutrinas
 
Vista o Sobretudo, Meu Filho!
Vista o Sobretudo, Meu Filho!Vista o Sobretudo, Meu Filho!
Vista o Sobretudo, Meu Filho!
 
Agenda Anual 2012
Agenda Anual 2012Agenda Anual 2012
Agenda Anual 2012
 
Tomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporanea
Tomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporaneaTomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporanea
Tomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporanea
 
Análise de Conjuntura - José Marcos Silva
Análise de Conjuntura - José Marcos Silva  Análise de Conjuntura - José Marcos Silva
Análise de Conjuntura - José Marcos Silva
 

Semelhante a Fé e politica - para que todos tenham vida

Beume jun 14
Beume jun 14Beume jun 14
Beume jun 14Ume Maria
 
Boletim informativo da Igreja Presbiteriana Jardim de Oração - 07/06/20
Boletim informativo da Igreja Presbiteriana Jardim de Oração - 07/06/20Boletim informativo da Igreja Presbiteriana Jardim de Oração - 07/06/20
Boletim informativo da Igreja Presbiteriana Jardim de Oração - 07/06/20Igreja Presbiteriana Jardim de Oração
 
Missões no setor 2 das ce bs paróquia coração de jesus - diocese de sjcampo...
Missões no setor 2 das ce bs   paróquia coração de jesus - diocese de sjcampo...Missões no setor 2 das ce bs   paróquia coração de jesus - diocese de sjcampo...
Missões no setor 2 das ce bs paróquia coração de jesus - diocese de sjcampo...Bernadetecebs .
 
Missa do Dia Mundial das Comunicações Sociais 2015/Ascensão do Senhor
Missa do Dia Mundial das Comunicações Sociais 2015/Ascensão do SenhorMissa do Dia Mundial das Comunicações Sociais 2015/Ascensão do Senhor
Missa do Dia Mundial das Comunicações Sociais 2015/Ascensão do SenhorIEE Wilcam
 
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Novemb...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Novemb...Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Novemb...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Novemb...ParoquiaDeSaoPedro
 
Via Sacra da Campanha da Fraternidade 2013. Eis-me aqui, envia-me.
Via Sacra da Campanha da Fraternidade 2013. Eis-me aqui, envia-me.Via Sacra da Campanha da Fraternidade 2013. Eis-me aqui, envia-me.
Via Sacra da Campanha da Fraternidade 2013. Eis-me aqui, envia-me.Bernadetecebs .
 
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Setemb...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Setemb...Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Setemb...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Setemb...ParoquiaDeSaoPedro
 
Novos horizontes ed. janeiro 2017 pdf
Novos horizontes ed. janeiro 2017 pdfNovos horizontes ed. janeiro 2017 pdf
Novos horizontes ed. janeiro 2017 pdfPascom Paroquia Nssc
 
Jornal Balada da União
Jornal Balada da UniãoJornal Balada da União
Jornal Balada da UniãoLili Nabais
 
Todos santos e fieis defuntos nov 2015
Todos santos e fieis defuntos nov 2015Todos santos e fieis defuntos nov 2015
Todos santos e fieis defuntos nov 2015Cdjp Aveiro
 
Novena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Novena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SPNovena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Novena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SPBernadetecebs .
 
Jornal Aliança - Edição Especial VI ECJ
Jornal Aliança - Edição Especial VI ECJJornal Aliança - Edição Especial VI ECJ
Jornal Aliança - Edição Especial VI ECJCIP2014
 
Livreto 3 2015 ce bs (1)
Livreto 3   2015 ce bs (1)Livreto 3   2015 ce bs (1)
Livreto 3 2015 ce bs (1)Bernadetecebs .
 
JORMI - Jornal Missionário n° 93
JORMI - Jornal Missionário n° 93JORMI - Jornal Missionário n° 93
JORMI - Jornal Missionário n° 93Almir Rodrigues
 
Jornal novembro 2017
Jornal novembro 2017Jornal novembro 2017
Jornal novembro 2017Luca Bueno
 

Semelhante a Fé e politica - para que todos tenham vida (20)

Beume jun 14
Beume jun 14Beume jun 14
Beume jun 14
 
Boletim informativo da Igreja Presbiteriana Jardim de Oração - 07/06/20
Boletim informativo da Igreja Presbiteriana Jardim de Oração - 07/06/20Boletim informativo da Igreja Presbiteriana Jardim de Oração - 07/06/20
Boletim informativo da Igreja Presbiteriana Jardim de Oração - 07/06/20
 
Missões no setor 2 das ce bs paróquia coração de jesus - diocese de sjcampo...
Missões no setor 2 das ce bs   paróquia coração de jesus - diocese de sjcampo...Missões no setor 2 das ce bs   paróquia coração de jesus - diocese de sjcampo...
Missões no setor 2 das ce bs paróquia coração de jesus - diocese de sjcampo...
 
Missa do Dia Mundial das Comunicações Sociais 2015/Ascensão do Senhor
Missa do Dia Mundial das Comunicações Sociais 2015/Ascensão do SenhorMissa do Dia Mundial das Comunicações Sociais 2015/Ascensão do Senhor
Missa do Dia Mundial das Comunicações Sociais 2015/Ascensão do Senhor
 
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Novemb...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Novemb...Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Novemb...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Novemb...
 
Via Sacra da Campanha da Fraternidade 2013. Eis-me aqui, envia-me.
Via Sacra da Campanha da Fraternidade 2013. Eis-me aqui, envia-me.Via Sacra da Campanha da Fraternidade 2013. Eis-me aqui, envia-me.
Via Sacra da Campanha da Fraternidade 2013. Eis-me aqui, envia-me.
 
VIA SACRA ENCONTRO 5 150324.pp t
VIA SACRA ENCONTRO 5 150324.pp                       tVIA SACRA ENCONTRO 5 150324.pp                       t
VIA SACRA ENCONTRO 5 150324.pp t
 
Jornal outubro 2015
Jornal outubro 2015Jornal outubro 2015
Jornal outubro 2015
 
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Setemb...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Setemb...Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Setemb...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Setemb...
 
Novos horizontes ed. janeiro 2017 pdf
Novos horizontes ed. janeiro 2017 pdfNovos horizontes ed. janeiro 2017 pdf
Novos horizontes ed. janeiro 2017 pdf
 
Jornal Balada da União
Jornal Balada da UniãoJornal Balada da União
Jornal Balada da União
 
Todos santos e fieis defuntos nov 2015
Todos santos e fieis defuntos nov 2015Todos santos e fieis defuntos nov 2015
Todos santos e fieis defuntos nov 2015
 
31 10 10 colorido
31 10 10 colorido31 10 10 colorido
31 10 10 colorido
 
Novena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Novena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SPNovena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Novena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
 
Jornal Aliança - Edição Especial VI ECJ
Jornal Aliança - Edição Especial VI ECJJornal Aliança - Edição Especial VI ECJ
Jornal Aliança - Edição Especial VI ECJ
 
Livreto 3 2015 ce bs (1)
Livreto 3   2015 ce bs (1)Livreto 3   2015 ce bs (1)
Livreto 3 2015 ce bs (1)
 
JORMI - Jornal Missionário n° 93
JORMI - Jornal Missionário n° 93JORMI - Jornal Missionário n° 93
JORMI - Jornal Missionário n° 93
 
Jornal novembro 2017
Jornal novembro 2017Jornal novembro 2017
Jornal novembro 2017
 
Folha informativa 01-01-2017
Folha informativa 01-01-2017Folha informativa 01-01-2017
Folha informativa 01-01-2017
 
Nossa Alta Vocação (AV)
Nossa Alta Vocação (AV)Nossa Alta Vocação (AV)
Nossa Alta Vocação (AV)
 

Mais de Marcos Aurélio

Encontro FEED - Natal, RN
Encontro FEED - Natal, RN Encontro FEED - Natal, RN
Encontro FEED - Natal, RN Marcos Aurélio
 
Cartilha - Eleições 2016
Cartilha - Eleições 2016 Cartilha - Eleições 2016
Cartilha - Eleições 2016 Marcos Aurélio
 
Liderança Integral Servidora
Liderança Integral Servidora Liderança Integral Servidora
Liderança Integral Servidora Marcos Aurélio
 
Introdução à Teologia
Introdução à TeologiaIntrodução à Teologia
Introdução à TeologiaMarcos Aurélio
 
A Igreja e a sua missão transformadora
A Igreja e a sua missão transformadora A Igreja e a sua missão transformadora
A Igreja e a sua missão transformadora Marcos Aurélio
 
Teologia Bíblica da Justiça e Pobreza
Teologia Bíblica da Justiça e Pobreza Teologia Bíblica da Justiça e Pobreza
Teologia Bíblica da Justiça e Pobreza Marcos Aurélio
 
Uma Igreja Relevante Para a Comunidade
Uma Igreja Relevante Para a ComunidadeUma Igreja Relevante Para a Comunidade
Uma Igreja Relevante Para a ComunidadeMarcos Aurélio
 
Texto Base do Congresso Alef 2013
Texto Base do Congresso Alef 2013Texto Base do Congresso Alef 2013
Texto Base do Congresso Alef 2013Marcos Aurélio
 
Reforma e Contra Reforma
Reforma e Contra ReformaReforma e Contra Reforma
Reforma e Contra ReformaMarcos Aurélio
 
Resgatando o Prazer da Oração
Resgatando o Prazer da Oração Resgatando o Prazer da Oração
Resgatando o Prazer da Oração Marcos Aurélio
 
Bibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da BíbliaBibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da BíbliaMarcos Aurélio
 
Porque Devo Estudar Teologia
Porque Devo Estudar TeologiaPorque Devo Estudar Teologia
Porque Devo Estudar TeologiaMarcos Aurélio
 
Missão Integral - Apostila
Missão Integral - Apostila Missão Integral - Apostila
Missão Integral - Apostila Marcos Aurélio
 

Mais de Marcos Aurélio (17)

Encontro FEED - Natal, RN
Encontro FEED - Natal, RN Encontro FEED - Natal, RN
Encontro FEED - Natal, RN
 
Teologia Negra
Teologia NegraTeologia Negra
Teologia Negra
 
Cartilha - Eleições 2016
Cartilha - Eleições 2016 Cartilha - Eleições 2016
Cartilha - Eleições 2016
 
Liderança Integral Servidora
Liderança Integral Servidora Liderança Integral Servidora
Liderança Integral Servidora
 
Igreja e Comunidade
Igreja e ComunidadeIgreja e Comunidade
Igreja e Comunidade
 
Introdução à Teologia
Introdução à TeologiaIntrodução à Teologia
Introdução à Teologia
 
A Igreja e a sua missão transformadora
A Igreja e a sua missão transformadora A Igreja e a sua missão transformadora
A Igreja e a sua missão transformadora
 
Teologia Bíblica da Justiça e Pobreza
Teologia Bíblica da Justiça e Pobreza Teologia Bíblica da Justiça e Pobreza
Teologia Bíblica da Justiça e Pobreza
 
Uma Igreja Relevante Para a Comunidade
Uma Igreja Relevante Para a ComunidadeUma Igreja Relevante Para a Comunidade
Uma Igreja Relevante Para a Comunidade
 
Texto Base do Congresso Alef 2013
Texto Base do Congresso Alef 2013Texto Base do Congresso Alef 2013
Texto Base do Congresso Alef 2013
 
Reforma e Contra Reforma
Reforma e Contra ReformaReforma e Contra Reforma
Reforma e Contra Reforma
 
Resgatando o Prazer da Oração
Resgatando o Prazer da Oração Resgatando o Prazer da Oração
Resgatando o Prazer da Oração
 
Homilética
Homilética Homilética
Homilética
 
Hermenêutica Bíblica
Hermenêutica Bíblica Hermenêutica Bíblica
Hermenêutica Bíblica
 
Bibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da BíbliaBibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da Bíblia
 
Porque Devo Estudar Teologia
Porque Devo Estudar TeologiaPorque Devo Estudar Teologia
Porque Devo Estudar Teologia
 
Missão Integral - Apostila
Missão Integral - Apostila Missão Integral - Apostila
Missão Integral - Apostila
 

Último

prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 

Último (20)

prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 

Fé e politica - para que todos tenham vida

  • 1. 11
  • 2. 2
  • 3. 3 Fé e Política: para que todos tenham vida
  • 4. 4
  • 5. 5 APRESENTAÇÃO Irmãos e irmãs, Paz e Bem. Chega até vocês um novo material de formação de Fé e Política, cuja finalidade é ser uma iniciação a este assunto; infelizmente, não muito discutido entre nós, cristãos católicos. Os encontros visam, minimamente, responder a uma demanda constatada durante as visitas do Secretariado de Missão e Evangelização às paróquias confiadas aos frades franciscanos da Província Santa Cruz (Minas Gerais e extremo sul da Bahia). Estamos num ano muito importante no cenário político brasileiro. Teremos eleições para vários cargos de governo e em setembro haverá o Plebiscito Popular sobre a Reforma Política. Como cristãos, não podemos nos omitir perante esses acontecimentos. Muitos irmãos e irmãs nossos, – ou nós mesmos, às vezes, – estão em situação precária devido às escolhas políticas mal feitas. Queremos vida em abundância, para nós e para todos. Ao todo são seis encontros, os quais sugerimos que sejam refletidos em pequenos grupos, a fim de facilitar a participação das pessoas. Cada encontro está estruturado sobre dois eixos: um olhar em Jesus e um olhar em nós, e busca confrontar os discípulos e discípulas do Ressuscitado a se abrirem à causa pública. Como Jesus, queremos que todos tenham vida e socorreram os que estão à margem do caminho. Os grupos tenham toda liberdade para adaptar o roteiro conforme a realidade local. Os cantos e a dinamização dos leitores são meramente sugeridos. Que Francisco de Assis, irmão universal, cantor da paz e do cuidado para com a criação nos inspire nessa caminhada. Que Maria, Mãe da Igreja, nos ensine a fazer tudo o que Ela nos disser. Que o Espírito do Ressuscitado nos conduza pelos caminhos da Justiça e da Vida. Fraternalmente, Frei Oton da Silva Araújo Júnior, ofm Pela equipe de redação
  • 6. 6 Equipe responsável Frei Felipe Marcelino da Silva Sousa, ofm Frei José Roney de Freitas Machado, ofm Frei Oton da Silva Araújo Júnior, ofm Ilustrações: José Vitor Rabelo Iniciativa: Secretariado de Missão e Evangelização, Província Santa Cruz.
  • 7. 7 ORAÇÃO INICIAL PARA TODOS OS DIAS Senhor nosso Deus, Tu nos acompanhas em nossa vida, estamos reunidos, como irmãos e irmãs, em torno da Tua Palavra. É o Senhor quem nos dá forças, não nos deixa desanimar. Assim como Jesus, queremos que a vida prevaleça, que a paz reine no mundo. Iniciamos nosso encontro, colocando-nos na presença da Trindade Santa: em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Diz o Senhor: “eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância” (Jo 10,10). Como cristãos, somos anunciadores do Evangelho, promotores da vida, amantes da justiça, irmãos de todas as criaturas. Envia sobre nós o Teu Espírito, capaz de inflamar o nosso coração, e de nos fazer misericordiosos, segundo a Tua Palavra. Cantemos: envia Teu Espírito Senhor e renova a face da Terra. Rezemos juntos o salmo 15 Lado A: Senhor, quem morará em vossa casa e no vosso monte santo habitará? Lado B: É aquele que caminha sem pecado e pratica a justiça fielmente. Lado A: Que pensa a verdade no seu íntimo e não solta em calúnias sua língua. Lado B: Que em nada prejudica o seu irmão, que não cobre de insultos seu vizinho. Lado A: Que não dá valor algum ao homem ímpio, mas honra os que respeitam o Senhor. Lado B: Que sustenta o que jurou, mesmo com dano, não empresta seu dinheiro com usura. Todos: Nem se deixa subornar contra o inocente jamais vacilará quem vive assim. Neste encontro, trazemos presentes todas as pessoas de nossas comunidades, sobretudo as que estão passando por momentos difíceis em suas vidas. Estamos em comunhão com todos os injustiçados da Terra, todas as crianças e jovens sem sonhos e sem brilho nos olhos.
  • 8. 8 Cantemos: Levanta-te, chega pra cá e vem para o meio! Levanta-te, une teu canto a nosso cantar! Levanta-te, chega pra cá e vem para o meio! Levanta-te, vem companheiro(a) à vida brindar! Rezemos pelos nossos governantes, para que se deixem inspirar pelo Deus de Justiça e bondade. Rezemos por todo o povo brasileiro, que este ano irá escolher seus novos representantes. Por todas as pessoas da Terra, de todas as raças e línguas, culturas e religiões, que saibamos construir um mundo justo e fraterno, melhor de se viver e para deixarmos de herança para nossos filhos. Rezemos o Salmo 45 (46) (alternado, em grupo ou cada pessoa lendo um tracinho) – O Senhor para nós é refúgio e vigor, * sempre pronto, mostrou-se um socorro na angústia; – assim não tememos, se a terra estremece, * se os montes desabam, caindo nos mares, – se as águas trovejam e as ondas se agitam, * se, em feroz tempestade, as montanhas se abalam: – Os braços de um rio vêm trazer alegria * à Cidade de Deus, à morada do Altíssimo. – Quem a pode abalar? Deus está no seu meio! * Já bem antes da aurora, ele vem ajudá-la. – Os povos se agitam, os reinos desabam; * troveja sua voz e a terra estremece. – Conosco está o Senhor do universo! * O nosso refúgio é o Deus de Jacó! – Vinde ver, contemplai os prodígios de Deus *
  • 9. 9 e a obra estupenda que fez no universo: – reprime as guerras na face da terra, † ele quebra os arcos, as lanças destrói, * e queima no fogo os escudos e as armas: – ‘Parai e sabei, conhecei que eu sou Deus, * que domino as nações, que domino a terra!’ – Conosco está o Senhor do universo! * O nosso refúgio é o Deus de Jacó! Todos: Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. * Como era no princípio, agora e sempre. Amém.
  • 10. 10 Primeiro Encontro AS EXIGÊNCIAS DE NOSSA FÉ Motivação Queridos irmãos e irmãs, sejamos todos bem-vindos a este nosso encontro. Iniciamos hoje um caminho muito importante. Nele vamos refletir sobre a relação estreita que há entre nossa fé e a política. Queremos um mundo novo, mais justo, com oportunidades para todos. Isso não vai cair do céu, passará pelas instâncias da política. Neste primeiro encontro, vamos refletir sobre as exigências de nossa fé. Antes de tudo, temos de nos lembrar de que a primeira exigência da fé se dá na síntese dos Mandamentos: amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos. Ter fé é entregar o coração a Deus, e agir em favor dos irmãos e irmãs à nossa volta. Canto 1. Eu venho do Sul e do Norte, do leste do oeste, de todo lugar. Estradas da vida eu percorro, levando socorro a quem precisar. Assunto de paz é meu forte, eu cruzo montanhas e vou aprender: o mundo não me satisfaz, o que eu quero é a paz, o que eu quero é viver. No peito eu levo uma cruz, no meu coração o que disse Jesus (2x) 2. Eu sei que não tenho idade da maturidade de quem já viveu. Mas sei que já tenho a idade de ver a verdade o que quero é ser eu. O mundo ferido e cansado de um triste passado de guerras sem fim, tem medo da bomba que fez e da fé que desfez, mas aponta pra mim.
  • 11. 11 Um olhar em Jesus Leitor 1: Somos discípulos e discípulas de Jesus. Em sua vida, o Mestre de Nazaré foi sinal de vida e esperança para muitos que se aproximaram dele. Aqueles que estavam jogados à margem da vida, Jesus fez caminhar, fez ver um mundo diferente, escutar outras vozes. Saciou os famintos e deu água viva aos sedentos. Leitor 2: Para Jesus a vida estava em primeiro lugar, antes mesmo que as práticas religiosas e os arranjos políticos. Mas nem todos aceitaram o jeito de Jesus. Era estranho vê-lo convivendo com os pecadores, interessando-se por aqueles pelos quais ninguém ligava. Leitor 3: No início de sua vida pública, Jesus tomou para si a passagem do profeta Isaías: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu; e enviou-me para anunciar a boa-nova aos pobres, para sarar os contritos de coração, para anunciar aos cativos a redenção, aos cegos a restauração da vista, para pôr em liberdade os cativos, para publicar o ano da graça do Senhor” (Lc 4,18-19). Leitor 4: A missão de Jesus é voltada, de maneira especial, para aquelas realidades mais gritantes de humanidade. Em seu projeto não cabem exclusões, abandonos, considerar-se melhor que os demais, o menosprezo. O projeto de Jesus quer integrar a todos. No Sermão da Montanha (cf. Mt 5), Jesus inverte uma lógica, assim como o Cântico de Maria também faz (cf. Lc 1,46-55): aqueles que hoje são desprezados pelo mundo são os preferidos de Deus. Aqueles que choram serão consolados, os primeiros hoje serão os últimos no Reino. Leitor 5: No capítulo 15 do evangelho de São Lucas, aparecem algumas figuras muito importantes: a ovelha, a moeda perdida e o filho pródigo. Estas parábolas mostram que os valores do Reino nem sempre coincidem com os nossos. Na conhecida parábola do bom samaritano (Lc 10, 30-37), Jesus nos faz um importante alerta: nossas práticas religiosas não podem nos afastar dos caídos do caminho, e que muitas vezes a ajuda vem de onde menos esperamos (os samaritanos eram rivais do povo judeu). Leitor 6: Seguir Jesus é percorrer os seus caminhos, fazer nossas as opções que eram dele. Nossa fé é uma fé exigente, que nos impulsiona em direção às pessoas. Ele quer que todos tenham vida, e não qualquer vida, mas uma vida transbordante, plena (Jo 10,10). Mãos à obra.
  • 12. 12 Vamos aclamar a Palavra de Deus Eu vim para escutar Tua Palavra, tua Palavra, tua Palavra de amor. 2. Eu gosto de escutar tua Palavra... 3. Eu quero entender melhor... 4. O mundo ainda vai viver... Ler na Bíblia: Lc 10, 30-37 (Bom samaritano) Um olhar em nós Leitor 1: Não nos basta ter fé em Jesus, é preciso ter a fé de Jesus: o coração voltado para Deus e as mãos voltadas para os irmãos. Uma fé que nos faz próximos, companheiros de estrada, de sonhos e lutas. Diariamente vemos notícias que nos entristecem, nos preocupam: a violência, a falta de oportunidade, os privilégios, as exclusões e tantas outras coisas fazem parte de nosso cotidiano. O risco é de nos acostumarmos com isso, de achar que nada pode ser feito. Que tudo isso é normal. Leitor 2: Se quisermos que as coisas mudem em nosso meio, não podemos esperar que caiam do céu. As mudanças veem graças às organizações do povo. Muitas coisas já mudaram no Brasil, para melhor,
  • 13. 13 e muitas outras têm de melhorar, porém, nada será feito sem que o povo se interesse e se organize. Leitor 3: Como seguidores de Jesus, somos chamados a continuar sua obra de salvação. De nada nos adiantam nossas orações se não fazemos aquilo que Jesus nos mandou fazer. Podemos lembrar o alerta da Carta de Tiago: “Se a um irmão ou a uma irmã faltarem roupas e o alimento cotidiano, e algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquecei- vos e fartai-vos, mas não lhes der o necessário para o corpo, de que lhes aproveitará? Assim também a fé: se não tiver obras, é morta em si mesma. Mas alguém dirá: Tu tens fé, e eu tenho obras. Mostra-me a tua fé sem obras e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras” (Tg 2,15-18). Leitor 4: Em nossos dias, corremos o risco de alimentar uma fé individualista, que não se preocupa com os outros, que não quer nem mesmo se encontrar com os outros. Cada um por si, Deus por todos. Mas para o cristianismo, a dimensão comunitária é um elemento fundamental para a vivência da fé. Cada um deve fazer sua experiência pessoal com Deus, sentir-se amado (a) por Ele, mas isso nunca será motivo para desviar dos irmãos e irmãs que estão à nossa volta. Pelo contrário, como resumo do Decálogo, aprendemos que devemos amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo, como a nós mesmos. Leitor 5: Em 1999, surgia o Grupo de Fé e Política. Uma das características deste movimento é que as pessoas que dele participam “assumem a causa dos pobres, dos oprimidos e dos excluídos; conferem prioridade à conscientização e organização popular; recusam a manipulação das bases; afirmam as classes populares como principal sujeito da própria história; rejeitam todos os valores calcados no individualismo e na absolutização do mercado e reafirmam, como valores fundamentais para o ser humano, a solidariedade, a cooperação e o direito de todos à vida em plenitude. Comprometem-se com o exercício da cidadania ativa e a construção de uma sociedade democrática, plural e planetária” (Carta de Princípios). Nossa fé exige de nós uma plena adesão ao projeto de Jesus, um empenho em favor da vida de nossos irmãos e irmãs, sobretudo aqueles que a lógica do Mercado tem deixado de lado.
  • 14. 14 Vamos conversar O que o evangelho do Bom Samaritano tem a nos dizer hoje? Temos sabido relacionar bem a nossa fé com as nossas ações de cristãos? Temos o costume de acompanhar os políticos aqui onde moramos? Por quê? Canto Sou bom pastor, ovelhas guardarei, não tenho outro ofício, nem terei: quantas vidas eu tiver, eu lhes darei. 1. Maus pastores, num dia de sombra, não cuidaram, e o rebanho se perdeu. Vou sair pelo campo, reunir o que é meu; conduzir e salvar. 2. Verdes prados e belas montanhas, hão de ver o pastor, rebanho atrás. Junto a mim, as ovelhas terão muita paz; poderão descansar. A Palavra da Igreja Ouçamos o que a CNBB diz nas Diretrizes atuais de sua Ação Evangelizadora: Consciente de que precisa enfrentar as urgências que decorrem da miséria e da exclusão, o discípulo missionário também sabe que não pode restringir sua solidariedade ao gesto imediato da doação caritativa. Embora importante e mesmo indispensável, a doação imediata do necessário à sobrevivência não abrange a totalidade da opção pelos pobres. Antes de tudo, esta implica convívio, relacionamento fraterno, atenção, escuta, acompanhamento nas dificuldades, buscando, a partir dos próprios pobres, a mudança de sua situação. Os pobres e excluídos são sujeitos da evangelização e da promoção humana integral. Em tudo isso, a Igreja reconhece a importância da atuação no mundo da política e assim incentiva os leigos e leigas à participação ativa e efetiva nos diversos setores diretamente voltados para a construção de um mundo mais justo, fraterno e solidário (Doc. 94, n. 71).
  • 15. 15 Preces espontâneas Pai-Nosso (podem-se incluir pedidos particulares. Nunca se esquecer de rezar pelo mundo da política, os governantes) Bênção final O Senhor nos abençoe e nos guarde. O Senhor nos mostre Sua face e tenha misericórdia de nós. O Senhor volva para nós o Seu rosto e nos dê a Paz. O Senhor nos abençoe, em nome do Pai... Canto final Maria, Mãe dos caminhantes, ensina-nos a caminhar. Nós somos todos viandantes, mas é difícil sempre andar. 1. Fizeste longa caminhada, para servir a Isabel, sabendo-te de Deus morada, após teu “sim” a Gabriel. 2. Depois de dura caminhada, para a cidade de Belém, não encontraste lá pousada, mandaram-te passar além. 3. Com fé fizeste a caminhada, levando ao templo teu Jesus. Mas lá ouviste da espada, da longa estrada para a cruz. 4. Vitoriosa caminhada, fez finalmente te chegar ao céu, a meta da jornada, dos que caminham sem parar. O que é um Plebiscito Popular? É uma consulta à população, em que se vota aprovando ou não uma questão. Um plebiscito popular não tem valor legal, mas exerce uma forte pressão política nos governantes, pois mostra a vontade do povo sobre certo assunto. De 1º. a 07 de setembro vamos mostrar a nossa vontade: queremos a Reforma Política!
  • 16. 16 Segundo Encontro POLÍTICA: ADMINISTRAR A COISA PÚBLICA Motivação Irmãos e irmãs, sejamos bem-vindos. Neste nosso segundo encontro, queremos refletir sobre a origem da palavra política, a arte de governar as coisas que são públicas. Em nossas casas, sabemos que o dinheiro de nosso salário deverá ser aplicado no bem de todos, pagar as contas, e ainda sobrar para outros gastos da família. Aquilo que entra vem aplicado em benefício de todos. No corpo humano, o estômago é o responsável por distribuir as energias dos alimentos para todo o corpo. Quando há má digestão, significa que o que foi ingerido está demorando para ser absorvido. Se a digestão for muito rápida ou se o estômago não aceitar o que foi ingerido, todo o corpo será prejudicado. O estômago é uma boa comparação para o que acontece com as arrecadações do Estado. Como Jesus, queremos que todos tenham o acesso a tudo de bom que a sociedade tem. Canto Javé, o Deus dos pobres, do povo sofredor, aqui nos reuniu pra cantar o seu louvor. Pra nos dar esperança e contar com sua mão, na construção do reino: reino novo, povo irmão. 1. Sua mão sustenta o pobre, ninguém fica ao desabrigo: Dá sustento a quem tem fome com a fina flor de trigo. 2. Alimenta os nossos sonhos, mesmo dentro da prisão; ouve o grito do oprimido, que lhe toca o coração. 3. Cura os corações feridos, mostra ao forte o seu poder. Dos pequenos é a defesa: deixa a vida florescer.
  • 17. 17 Um Olhar em Jesus Leitor 1: Na época de Jesus, a sociedade se organizava de maneira diferente da nossa. Havia uma hierarquia de poder que compreendia vários grupos religiosos e políticos, desde os Fariseus, Saduceus e Escribas, como também os “radicais” Zelotes e os “puritanos” Essênios; todos submetidos ao domínio Romano. Quanto maior era o prestígio de um determinado grupo, maior era a sua influência na sociedade. Os que gozavam de pouco ou nenhum reconhecimento estavam fadados à exploração e à marginalidade. Leitor 2: Não é sem razão que a atividade pública de Jesus tenha incomodado aqueles que detinham o poder em suas mãos, pois seus ensinamentos referentes à justiça, ao bem comum e a tantas outras dimensões de caráter social desestabilizavam todo sistema sócio- político-econômico e religioso de dominação. Leitor 3: A parábola dos trabalhadores da vinha (Mt 20, 1-16) ilustra quais seriam as concepções de Jesus acerca do poder, especialmente quando enfatiza que “os últimos serão os primeiros” (Mt 20, 16); o que significa dizer que, na lógica de seu Reino, todos devem ser igualmente favorecidos, não apenas um ou outro grupo específico. Leitor 4: Nesta mesma direção, o livro dos Atos dos Apóstolos faz questão de frisar que “os cristãos tinham tudo em comum” (At 4), sugerindo que a partilha e a solidariedade são dois gestos concretos de fé que podem nivelar e reajustar todo e qualquer tipo de desigualdade social. Leitor 5: Jesus viu as contradições e injustiças de seu tempo, escandalizou-se diante delas e procurou remediá-las. Inclusive, há quem acredite que ele tenha proposto duas éticas diferenciadas a fim responder a tais exigências: uma individual, e outra social, sendo a primeira um apelo à conversão do coração; e a segunda, uma revolução baseada no amor que se doa. Leitor 6: De fato, a atividade de Jesus passa por esses dois níveis, porém, é preciso entender que, para ele, essas duas éticas não caminham separadas, ao contrário, confundem-se, complementam-se. Isso porque, o mestre de Nazaré estava convencido de que o individual reflete o social, de que o todo se estrutura por meio de suas partes, de que a sociedade não é algo abstrato, um conceito vazio, mas sim, uma realidade composta de pessoas expostas a uma rede de relações.
  • 18. 18 Leitor 7: Deste modo, jamais se poderia pensar o coletivo sem o individual, mesmo porque, uma conversão particular, a adesão à pessoa de Jesus, ao seu projeto, automaticamente implicaria comprometimento para com a causa da justiça e das minorias, uma vez que, no final das contas, o Reino de Deus é uma terra sem males. Vamos ouvir a Palavra de Deus Aleluia! Aleluia! Como o Pai me amou, assim também eu vos amei. Aleluia! Aleluia! Como estou no Pai, permanecei em mim. Vós todos que sofreis aflitos, vinde a Mim! Repouso encontrarão os vossos corações. Dou graças a meu Pai que revelou ao pobre, ao pequenino, seu grande amor. Ler na Bíblia: Mt 20, 1-16 (os trabalhadores da vinha) Um Olhar em Nós Leitor 1: No ocidente, o sistema predominante é a república. O termo deriva do latim res publica, traduzido literalmente por “coisa pública”, no sentido de interesse comum. Diferente das monarquias, na república, os governantes exercem o poder por período determinado. Leitor 2: Embora a república como sistema político tenha tido sua origem na Roma antiga, com o surgimento do senado, os gregos também se enquadram neste sistema de governo, mas num sentido bem diferente do que conhecemos hoje.
  • 19. 19 Leitor 3: Os gregos se agrupavam em pequenas cidades independentes uma das outras, chamadas Polis. Dentro da Polis, todas as decisões referentes ao bem-estar social eram decididas por assembleias, nas quais os cidadãos livres tinham plena participação. Entendiam que o homem era um ser político por natureza, logo, não poderia se isentar de suas responsabilidades. Leitor 4: Embora haja grandes diferenças entre o modelo grego e o nosso atual, a forma de governo exercida pelos gregos inspirou as repúblicas e democracias ocidentais que, a partir do Século 18, substituíram os regimes monárquicos (governo de um único líder supremo). Daí veio o chamado Estado Liberal, em contraposição ao Estado absolutista de antes. Leitor 5: O Estado tem por obrigação salvaguardar, garantir e fazer valer os direitos de toda pessoa. Porém, parece-nos mais confortável culparasinstituições,enquantonosisentamosdenossaresponsabilidade social para fazer acontecer o novo. Por esta razão, buscamos algum tipo de justificativa para o nosso comodismo, em vez de lutar por uma res publica mais adequada às necessidades do povo. Assim, acabamos traindo nossos ideais de justiça e a nossa própria fé. Vamos conversar Para os gregos, o homem é um ‘animal político’. Por que temos tão pouco interesse pelas coisas que são públicas? O que podemos aprender da parábola dos trabalhadores da vinha? Como estão sendo administradas as coisas públicas aqui onde moramos? Canto 1. Povo que és peregrino em busca da salvação (bis) Ergue teus olhos ao alto, vê tua libertação! (bis) 2. A terra que te prometo, ei-la a manar leite e mel! (bis) Lembra-te disso, meu povo, tua promessa é fiel! (bis)
  • 20. 20 3. Atravessando o deserto, faz da tua sede esperança, (bis) Vence o cansaço, a fadiga, grande será tua herança! (bis) 4. Se a noite for prolongada e não houver mais luar, (bis) Pensa que são como estrelas os passos do teu andar! (bis) 5. Povo que tens como guia Cristo que ressuscitou, (bis) Rompe as correntes do medo, já novo sol despontou! (bis) A palavra da Igreja Vejamos um importante trecho do Documento de Aparecida: Os bispos, reunidos na 5ª. Conferência, queremos acompanhar os construtores da sociedade, visto que é a vocação fundamental da Igreja neste setor formar as consciências, ser advogada da justiça e da verdade e educar nas virtudes individuais e políticas. Queremos chamar ao sentido de responsabilidade dos leigos para que estejam presentes na vida pública, e mais concretamente na formação dos consensos necessários e na oposição contra a injustiça. Este trabalho político não é competência imediata da Igreja. O respeito de uma sã laicidade – até mesmo com a pluralidade das posições políticas – é essencial na tradição cristã autêntica. Se a Igreja começasse a se transformar diretamente em sujeito político, não faria mais pelos pobres e pela justiça, mas faria menos, porque perderia sua independência e sua autoridade moral, identificando-se com uma única via política e com posições parciais opináveis. A Igreja é advogada da justiça e dos pobres, precisamente ao não identificar-se com os políticos nem com os interesses de partido. Só sendo independente pode ensinar os grandes critérios e os valores irrevogáveis, orientar as consciências e oferecer uma opção de vida que vai além do âmbito político. Formar as consciências, ser advogada da justiça e da verdade, educar nas virtudes individuais e políticas, é a vocação fundamental da Igreja neste setor. E os leigos católicos devem ser conscientes de sua responsabilidade na vida pública; devem estar presentes na formação dos consensos necessários e na oposição contra as injustiças (Documento de Aparecida, n. 508).
  • 21. 21 Preces espontâneas Pai-Nosso (podem-se incluir os pedidos particulares. Nunca se esquecer de rezar pelo mundo da política, os governantes) Bênção final O Senhor nos abençoe e nos guarde. O Senhor nos mostre Sua face e tenha misericórdia de nós. O Senhor volva para nós o Seu rosto e nos dê a Paz. O Senhor nos abençoe, em nome do Pai... Canto 1. Um pouco além do presente, Alegre, o futuro anuncia A fuga das sombras da noite, A luz de um bem novo dia. Venha o teu Reino, Senhor! A festa da vida recria! A nossa espera e a dor Transforma em plena alegria! Aiê - eia - aiê - ae - ae. 2. Botão de esperança se abre, Prenúncio da flor que se faz. Promessa de tua presença Que a vida abundante nos traz. 3. Saudade da terra sem males, Do Édem de plumas e flores, Da paz e justiça irmanadas, Num mundo sem ódio nem dores.
  • 22. 22 4. Saudade de um mundo sem guerras, Anelos de paz e inocência: De corpos e mãos que se encontram, Sem armas, sem morte e violência. 5. Saudade de um mundo sem donos: Ausência de fortes e fracos, Derrota de todos os sistemas Que criam palácios, barracos. 6. Já temos preciosa semente, Penhor do teu Reino agora. Futuro ilumina o presente, Tu vens e virás sem demora. O Plebiscito por um Novo Sistema Político é um mecanismo que o povo brasileiro usará para pressionar nossos go- vernantes para que realizem a necessária Reforma Política, garantindo maior representatividade da população no poder e combatendo práticas de corrupção e abuso do poder econômico. De 1º. a 07 de setembro vamos mostrar a nossa vontade: queremos a Reforma Política!
  • 23. 23 Terceiro encontro A POLÍTICA NO NOSSO DIA A DIA Motivação Irmãos e irmãs, sejam bem-vindos a este nosso novo encontro. Queremos, como cristãos, mostrar que nossa fé nos abre em direção às pessoas que precisam de nós. Jesus é para nós o Salvador e nossa inspiração, modelo de ser humano. Nós queremos vida digna, ter acesso às melhores coisas da sociedade, queremos educação, saúde, transporte e tantas outras coisas. Tudo isso nos vem mediante a ação política. Com os impostos arrecadados, o governo dos municípios, dos Estados e do país devem investir o máximo em benefício da população. Sabemos que infelizmente nem sempre isso acontece. Canto 1. Quando o Espírito de Deus soprou, o mundo inteiro se iluminou. A esperança da terra brotou, e um povo deu-se as mãos e caminhou! Lutar e crer, vencer a dor, louvar o Criador. Justiça e paz hão de reinar. E viva o amor! 2. Quando Jesus a terra visitou, a Boa-Nova da justiça anunciou. O cego viu, o surdo escutou, e os oprimidos da corrente libertou. 3. Nosso poder está na união: o mundo novo vem de Deus e dos irmãos. Vamos lutando contra a divisão, e preparando a festa da libertação! 4. Cidade e campo se transformarão, jovens unidos na esperança gritarão. A força nova é o poder do amor, nossa fraqueza é a força em Deus libertador.
  • 24. 24 Um Olhar em Jesus Leitor 1: A dimensão sociopolítica da atividade de Jesus sempre fez despertar a atenção de muitos ao longo da história, desde altruístas (solidários) que viam em suas ações um singular exemplo de amor ao próximo, aos ativistas e revolucionários que, quase sempre, o viam como um grande líder comunitário, de cunho socialista. É compreensível que cada grupo humano se identifique com um ou outro aspecto da vida de Jesus, especialmente, com aquele que melhor corresponde às suas expectativas, bem como as suas representações de mundo e de si próprio. Leitor 2: No entanto, não é tão simples querer enquadrar Jesus em nossos esquemas atuais. Ele se autodefinia “Filho do Homem”, seguindo a tradição profética, o que significa dizer que ele assumiu definitivamente tal condição, tornou-se um de nós, na alegria e na tristeza, para a vida e para a morte. “Porque, pela sua encarnação, Ele, o Filho de Deus, uniu-se de certo modo a cada homem. Trabalhou com mãos humanas, pensou com uma inteligência humana, agiu com uma vontade humana, amou com um coração humano. Nascido da Virgem Maria, tornou-se verdadeiramente um de nós, semelhante a nós em tudo, exceto no pecado” (GS 22). Leitor 3: Embora inserido neste mundo, Jesus jamais se conformou com o mesmo, e isso, não somente pelo fato de “seu reino” não ser daqui, mas sim, por este ser um mundo de contradições, marcado pela violência, no qual as pessoas exploram e dominam umas às outras, sobretudo aquelas que se julgam superiores às demais. Leitor 4: Por esta razão, Jesus aposta em um projeto alternativo, em uma organização humana com alicerce nas rochas firmes do serviço, da partilha, da gratuidade e da solidariedade. O Mestre propõe algo completamente distinto daquilo que se entendia por sociedade, política, economia e religião em sua época. Neste sentido, a máxima do “dar a César o que é de César” (Mt 22, 21) foi como um alerta a todos aqueles que projetavam sua segurança no dinheiro e no poder estabelecido. Leitor 5: Jesus tinha plena consciência de que os tributos pagos ao Imperador não eram justos, tampouco retornavam em forma de benefícios para a população, especialmente os mais pobres. Portanto, Jesus jamais quis que os seus fechassem os olhos diante de prática tão cruel e desonesta, mas, sim, que eles compreendessem que dar ou não
  • 25. 25 a César seria menos importante, se no íntimo de seu coração eles não fossem capazes de amar uns aos outros e de se libertarem mutuamente. Leitor 6: Jesus sempre acreditou no poder dos pequenos e nos verdadeiros gestos de generosidade, insistia nisso, ora ao associar o Reino a um grão de mostarda, ora ao compará-lo ao fermento na massa (Mt 13,31-33), ou mesmo ao realizar prodígios tais como o da multiplicação dos pães no deserto (Mt 14, 13-21), ensinando-nos que, onde existe a partilha, o milagre acontece e ninguém passa necessidade. Leitor 7: Jesus foi um altruísta ou um revolucionário? É difícil dizer friamente. O certo é que sua figura continua a nos questionar, a nos tirar de nossa zona de conforto. Faz-nos ir ao encontro dos outros. Um Deus humano, plenamente humano, que quis regatar a humanidade das pessoas. Denunciou toda desumanidade de sua época e nos motiva para que façamos o mesmo. Vamos ouvir a Palavra do Senhor A vossa Palavra, Senhor, é sinal de interesse por nós: 1. Como o Pai ao redor de sua mesa, revelando seus planos de amor. 2. É feliz quem escuta a Palavra, e a guarda no seu coração. Ler na Bíblia: Mt 14, 13-21 (multiplicação dos pães)
  • 26. 26 Um Olhar em Nós Leitor 1: Dentre os muitos significados da palavra ‘Política’, um nos chama particular intenção: é o que se refere ao ato de governar, de administrar a coisa pública. Mas, em que consiste, de fato, tal administração? A resposta é simples, basta lembrar de que todos nós pagamos impostos, tributos ao governo. Diante disso, o que se espera é que tais recursos financeiros possam beneficiar a todos dentro de uma sociedade; o que nem sempre acontece. Leitor 2: Não é raro ouvirmos nos noticiários televisivos e nas mídias em geral informações a respeito do descaso por parte de muitos governantes para com as instituições públicas. É estranho o fato de que se arrecade tanto dinheiro com os pagamentos de impostos, e, ainda sim, tenha que se viver em uma sociedade na qual a saúde, a educação, o transporte, a segurança, as estradas, as remunerações, as oportunidades de trabalho são tão precárias. Leitor 3: Os governos – enquanto representantes oficiais do Estado – são ágeis para fazer valer leis e normas que esclareçam sobre os deveres a serem cumpridos por cada cidadão. Porém, quando o assunto diz respeito aos direitos do povo, a situação se inverte, e o que se tem é uma chuva de desculpas que evidencia a falta de compromisso, de responsabilidade e de caráter daqueles que foram escolhidos pela própria população para representá-la. Leitor 4: Nas sociedades contemporâneas marcadas pelo sistema neoliberal, a lógica do lucro se encontra ainda mais acentuada que em outros períodos da história; e como bem sabemos, o lucro quase sempre implica corrupção, exploração, dominação e desigualdade. Em outros termos, para que alguns tenham cada vez mais e gozem de determinados privilégios e poderes, outros devem ter menos, e devem contentar-se com as migalhas que lhes são oferecidas, quase como esmolas dadas pelo Estado. Leitor 5: No capitalismo, estamos diante de um sistema poderoso e influente, tanto no que diz respeito à sua infraestrutura (base econômica), quanto à sua superestrutura (base ideológica). Pior é saber que o sistemas não se mantêm por si próprios, o que significa dizer que
  • 27. 27 sestruturas corruptíveis são o reflexo da ação humana no mundo, daquilo que realmente tem sido o homem em seu íntimo: egoísta, mesquinho e individualista; afinal, é ele quem faz política, é ele quem tece relações, é ele quem escreve a história. Leitor 6: Falar de uma nova política, de uma nova ética, de educação e saúde de qualidade, de direitos e deveres que devam ser respeitados é falar de uma nova humanidade. Falar de justiça, paz e honestidade é falar de um novo homem que não se deixa corromper, que denuncia as incoerências do sistema, capaz de ver para além de si, que se articule politicamente em benefício de todos. Vamos conversar Jesus foi um homem solidário. Durante sua vida, diversas vezes se voltou para a necessidade das pessoas. Que fatos da vida de Jesus mais nos chamam a atenção neste sentido? No evangelho, ouvimos o episódio da multiplicação dos pães. O que nós hoje, aqui onde vivemos, podemos fazer para que haja pão para todos? Há sinais de esperança no mundo da política atual? Quais? Canto Pelos caminhos da América (3x), Latino-América. 1. Pelos caminhos da América, há tanta dor, tanto pranto, nuvens, mistérios e encantos, que envolvem o caminhar. Há cruzes beirando a estrada, pedras manchadas de sangue, apontando como setas, que a liberdade é pra lá... 2. Pelos caminhos da América, há um índio tocando flauta, recusando a velha pauta, que o sistema lhe impôs. No violão um menino, e um negro tocando tambores. Há sobre a mesa umas flores, pra festa que vem depois...
  • 28. 28 A Palavra da Igreja Ouçamos um trecho do Documento de Aparecida: Depois de uma época de enfraquecimento dos Estados devido à aplicação de ajustes estruturais na economia, por recomendação de organismos financeiros internacionais, vê-se atualmente com bons olhos um esforço dos Estados em definir e aplicar políticas públicas nos campos da saúde, educação, seguridade alimentar, previdência social, acesso à terra e à moradia, promoção eficaz da economia para a criação de empregos e leis que favorecem as organizações solidárias. Tudo isso mostra que não pode existir democracia verdadeira e estável sem justiça social, sem divisão real de poderes e sem a vigência do Estado de direito (Documento de Aparecida, n.76). Preces espontâneas Pai-Nosso (podem-se incluir os pedidos particulares. Nunca se esquecer de rezar pelo mundo da política, os governantes) Bênção final O Senhor nos abençoe e nos guarde. O Senhor nos mostre Sua face e tenha misericórdia de nós. O Senhor volva para nós o Seu rosto e nos dê a Paz. O Senhor nos abençoe, em nome do Pai... Canto final (salmo 146) 1. Aleluia, eu vou louvar, ó minh’alma, bendize ao Senhor, toda a vida eu vou tocar, ao meu Deus vou cantar meu louvor!
  • 29. 29 Quero cantar ao Senhor sempre enquanto eu viver, hei de provar seu amor, seu valor e seu poder! 2. Não confiem nos poderosos, são de barro e não podem salvar; quando expiram, voltam ao chão, seus projetos vão logo acabar! 3. Feliz quem se apoia em Deus, no Senhor põe a sua esperança; Ele fez o céu e a terra, quem fez tudo mantém sua aliança: O Plebiscito por um Novo Sistema Político terá uma única pergunta: “Você é a favor de uma constituinte exclusiva e soberana sobre o sistema político?”. Queremos, sim, a convocação de uma constituinte exclusiva, com candidatos escolhidos pelo povo, para que façam a desejada Reforma Política. De 1º. a 07 de setembro, vamos mostrar a nossa vontade: queremos a Reforma Política!
  • 30. 30 Quarto encontro OS PODERES DA REPÚBLICA Motivação Irmãos e irmãs, bem-vindos a este nosso quarto encontro. Hoje seremos confrontados pela maneira de Jesus de exercer o poder e a autoridade e o modo como nossos políticos o fazem. O poder do serviço muitas vezes é exercido como privilégios, como favorecimento de poucos. Aqueles que deveriam zelar pelo povo pensam mais em si que nas reais necessidades da população. Queremos um país melhor, um Estado melhor, um município melhor. Para isso, devemos aprender que poder é serviço, não privilégio. Canto A nós descei, Divina Luz, em nossas almas acendei o amor, o amor de Jesus. Vinde, Santo Espírito, e do céu mandai dessa Luz um raio: Vinde, Pai dos pobres, doador dos dons, Luz dos corações. Grão consolador, nossa alma habitais e nos confortais: Na fadiga, pouso, e no ardor, brandura, e na dor, ternura.
  • 31. 31 Um olhar em Jesus Leitor 1: Jesus nos ensina a servir. Toda sua vida foi de doação, de entrega, de preocupação, de socorro da fraqueza humana. Se muitos pensavam que o Filho de Deus viria com glória, poder e majestade, se enganaram. Jesus nasceu de uma família simples, viveu vida simples e indicou-a para seus seguidores. Leitor 2: Quando quiseram aclamá-lo Rei, ele deixou claro que seu modo de ser em nada se parecia com os reinos deste mundo. O poder que ele dá a seus discípulos é sempre em benefício dos outros: dá-lhes o poder de perdoar os pecados (Mt 9,6); poder de expulsar os maus espíritos e de curar as enfermidades (Mt 10, 1). Leitor 3: Mas, infelizmente, entre nós, nem sempre é assim. Nem sempre o poder é exercido como serviço. Jesus alerta igualmente que os filhos das trevas costumam ser mais espertos que os filhos da luz (Lc 16,8). “Eu vos envio como ovelhas no meio de lobos. Sede, pois, prudentes como as serpentes, mas simples como a pombas (Mt 10,16). Leitor 4: A autoridade de Jesus é exercida com firmeza, mas sem humilhar ninguém. Ele falava como quem tem autoridade, não como os mestres (Mt 7,29), que muitas vezes usavam de seus conhecimentos para impor pesados fardos às pessoas. O fardo de Jesus é leve, seu jugo é suave (cf. Mt 11,28). Leitor 5: No julgamento perante Pilatos, Jesus lhe desconcerta, dizendo que a autoridade de Pilatos era delegada por alguém, ele mesmo estava submetido a outros poderes (cf. Jo 19,10-11), não como Jesus, cujo poder é plenamente exercido: “Toda autoridade me foi dada na terra e no céu” (Mt 28,18) Leitor 6: Os discípulos logo entenderam que seguir Jesus correspon- dia a outra forma se poder, não desejosa de aplausos, sucesso, mas de grande preocupação e empenho pela vida das pessoas. Para são Paulo, a melhor comparação era o corpo: cada membro deverá fazer bem sua função. Se um membro sofrer, todo o restante sofrerá junto. Para que o corpo esteja bem, é preciso que os membros estejam em harmonia. (cf.1Cor 12).
  • 32. 32 Vamos aclamar o Evangelho Chegou a hora da alegria. Vamos ouvir esta Palavra que nos guia! Tua Palavra vem chegando bem veloz. Por todo canto, hoje se escuta a tua voz! Nada se cria sem a força e o calor que sai da boca de Deus, nosso Criador! Aleluia, aleluia. Ler na Bíblia: Mt 20, 20-28 (eu vim para servir) Um olhar em nós Leitor 1: Vivemos num regime democrático, republicano. Na organização do Estado Brasileiro, há três poderes que deverão, como num corpo, exercer bem suas funções. Vejamos quais as atribuições de cada poder da República: a) Em primeiro lugar, temos o PODER EXECUTIVO, constituído pelo Presidente da República, pelo Governador do Estado e o Prefeito da cidade. Leitor 2: Qual o papel do(a) Presidente da República? Dentre os principais, podemos lembrar que cabe a ele nomear e demitir os Ministros de Estado; conduzir a política econômica; exercer, com o auxílio dos
  • 33. 33 Ministros de Estado, a direção da administração federal; editar medidas provisórias com força de lei em caráter de urgência; manter relações com Estados estrangeiros e indicar seus representantes diplomáticos; exercer comando supremo das Forças Armadas, declarar guerra quando autorizado pelo Congresso Nacional; exercer outras atribuições previstas na Constituição da República Federativa do Brasil. Leitor 3: E qual o papel do Governador do Estado? Cabe ao governador as funções de exercer a direção da administração estadual e a representação do Estado em suas relações jurídicas, políticas e administrativas, defendendo seus interesses junto à Presidência e buscando investimentos e obras federais. O governador também é o responsável por fazer nomeações nos cargos de presidência e diretoria das empresas controladas pelo governo estadual. Leitor 4: E qual o papel do Prefeito? É o prefeito quem encabeça a administração da cidade, empreendendo a gestão da coisa pública, do controle dos gastos ao planejamento e concretização de obras, sejam elas de construção civil ou da área social. O poder executivo é de fato aquele que coloca em prática um conjunto de intenções do governo, realiza determinada obra, projeto, programa ou política pública. Além disso, cabe ao prefeito não apenas sancionar as leis aprovadas em votação pela câmara, mas vetar e elaborar propostas de leis quando achar necessário. Leitor 5: b) Em segundo lugar, temos o PODER LEGISLATIVO, do qual fazem parte os senadores, deputados e vereadores. Sua principal função é fazer as leis que conduzirão a população. É a instância de representação do povo, trabalhando na fiscalização do poder executivo e na apresentação e votação de leis e projetos. Leitor 6: O que faz um Senador? Cabe a ele processar e julgar o vice-presidente, o presidente da República, os ministros de Estado, os ministrosdoSupremoTribunalFederal,oprocuradorgeraldaRepública e o advogado geral da União, por crimes de responsabilidade; aprovar a escolha presidencial de magistrados, ministros do Tribunal de Contas, governadores de territórios, presidente e diretores do Banco Central, procurador geral da República e diplomatas; propor, debater e aprovar leis de interesse nacional; autorizar operações
  • 34. 34 financeiras externas e condições de crédito; elaborar, em conjunto com o presidente da República, o orçamento nacional; suspender a execução de lei declarada inconstitucional. Cada Estado é representado por três senadores, havendo, assim, uma representação igualitária; a cada quatro anos renovam-se um terço ou dois terços dos senadores, uma vez que o mandato é de oito anos. Leitor 7: O que faz um Deputado Federal? Ele deve fiscalizar os atos do Poder Executivo; autorizar, por dois terços de seus membros, a formação de processo contra o Presidente e o Vice-Presidente da República e os Ministros de Estado; proceder à tomada de contas do Presidente da República, quando não apresentadas ao Congresso Nacional dentro de sessenta dias após a abertura da sessão legislativa. Leitor 8:O que faz o Deputado Estadual? Ele é membro da Assembleia Legislativa. Elabora e vota as leis estaduais. Segundo a Constituição do Estado, compete a ele, com a aprovação do governador, dispor sobre todas as matérias de competência do Estado. E ainda: elaborar projetos de lei, decretos e emendas à Constituição Estadual; emitir pareceres; votar projetos de lei estadual; fiscalizar as finanças e o orçamento do Estado; participar das sessões plenárias; Instaurar comissões parlamentares de inquérito, em âmbito estadual; elaborar, em conjunto com o governo do Estado, o orçamento estadual. Leitor 9: E o que faz um vereador? É membro da Câmara Municipal. Elabora e vota as leis municipais. Cabe ao vereador mostrar os problemas da comunidade e buscar providências junto aos órgãos competentes. Mas não é só isso. Cabe-lhe também a função de fiscalizar as contas do Poder Executivo Municipal e do próprio Legislativo. Leitor 10: c) Em terceiro lugar, temos o PODER JUDICIÁRIO. Enquanto o Poder Legislativo ocupa-se em elaborar as leis e o Poder Executivo em executá-las, o Poder Judiciário tem a obrigação de julgar quaisquer conflitos que possam surgir no País, baseando-se nas Leis que se encontram em vigor. Cabe-lhe a função de aplicar as Leis, julgando de maneira imparcial e isenta, determinada situação e as pessoas nela envolvidas, determinando quem tem razão e se alguém deve ou não ser punido por infração à Lei.
  • 35. 35 Vamos conversar Nosso modo de exercer a autoridade é parecido com o de Jesus? O evangelho nos alerta para um modo de fazer política. Em sua opinião, a política, aqui onde moramos, melhorou nos últimos anos? Temos consciência das funções dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, ou achamos que é tudo a mesma coisa? Já viu pessoas pedindo favores pessoais a algum político, em vez de reivindicar em favor de toda a população? Canto “Eu vim para que todos tenham vida, que todos tenham vida plenamente.” 1. Reconstrói a tua vida em comunhão com teu Senhor; reconstrói a tua vida em comunhão com teu irmão. Onde está o teu irmão, Eu estou presente nele. 2. Quem comer o Pão da vida viverá eternamente. Tenho pena deste povo que não tem o que comer. Onde está um irmão com fome, Eu estou com fome nele. 3. Eu passei fazendo o bem, Eu curei todos os males. Hoje és minha presença junto a todo sofredor: onde sofre o teu irmão, Eu estou sofrendo nele. A Palavra da Igreja Ouçamos um trecho do Documento de Aparecida Cabe assinalar, como grande fator negativo em boa parte da região, o agravamento da corrupção na sociedade e no Estado, envolvendo os poderes legislativos e executivos em todos os níveis, alcançando também o sistema judiciário que, muitas vezes, inclina
  • 36. 36 seu juízo a favor dos poderosos e gera impunidade, o que coloca em sério risco a credibilidade das instituições públicas e aumenta a desconfiança do povo, fenômeno que se une a um profundo desprezo pela legalidade. Em amplos setores da população, e especialmente entre os jovens, cresce o desencanto pela política e particularmente pela democracia, pois as promessas de uma vida melhor e mais justa não se cumpriram ou se cumpriram só pela metade. Nesse sentido, esquece-se de que a democracia e a participação política são fruto da formação que se faz realidade somente quando os cidadãos são conscientes de seus direitos fundamentais e de seus deveres correspondentes (Documento de Aparecida, n.77). Preces espontâneas Pai-Nosso (podem-se incluir os pedidos particulares. Nunca se esquecer de rezar pelo mundo da política, os governantes). Bênção final O Senhor nos abençoe e nos guarde. O Senhor nos mostre Sua face e tenha misericórdia de nós. O Senhor volva para nós o Seu rosto e nos dê a Paz. O Senhor nos abençoe, em nome do Pai... Canto Em coro a Deus louvemos: eterno é seu amor. Pois Deus é admirável: Por nós fez maravilhas, louvemos o Senhor! Criou o céu e a terra: Criou o sol e a lua: Fez águas, nuvens, chuvas: Fez pedras, terras, montes:
  • 37. 37 Distribuiu a vida: Na planta, peixe e ave: E fez à sua imagem: O homem livre e forte: Na história que fazemos: Deus vai à nossa frente: E quando nós pecamos: Perdoa e fortalece: O Plebiscito é uma iniciativa dos Movimentos Sociais e de grupos eclesiais, que, atentos à atual situação política, decidiram organizar uma grande consulta popular no Brasil inteiro sobre a Reforma Política. É nosso dever participar! De 1º. a 07 de setembro vamos mostrar a nossa vontade: queremos a Reforma Política!
  • 38. 38 Quinto encontro A REFORMA POLÍTICA Motivação Irmãos e irmãs, sintam-se acolhidos aqui. Nos encontros anteriores, refletimos sobre alguns temas importantes para nossa vida cristã: as exigências da nossa fé, a importância da política no dia a dia e a organização do nosso governo. Eles nos permitiram conhecer um pouco mais da organização política do nosso Brasil. No entanto, podemos perceber que as coisas não estão muito boas. Alguns sérios problemas estão impedindo que tenhamos uma política justa, que beneficie todos nós, cidadãos brasileiros. Neste encontro, queremos entender a tão falada Reforma Política, que busca consertar os defeitos e melhorar nosso sistema político. Além disso, nos informaremos sobre o Plebiscito Popular por um novo sistema político, um importante meio para conseguirmos realizar a reforma necessária. Canto 1. O teu povo, Senhor, está sofrendo, caminhando de um lado para outro. Uma vida mais justa está querendo, pois senão vai migrar até estar morto. Estr.: Animados pela fé e bem certos da vitória, vamos fincar nosso pé e fazer a nossa história. E fazer a nossa história, animados pela fé.
  • 39. 39 2. Deste jeito que a coisa está andando o sistema escraviza e nos domina. Ele é o mal que está nos desviando da verdade que Cristo hoje ensina. Um olhar em Jesus Leitor 1: Vamos compreender um pouco do lugar, do país de Jesus de Nazaré, da sua postura diante dos problemas e incoerências dos governantes da época. Como sabemos, Jesus é o enviado do Pai com a missão de anunciar e tornar presente o Reino de Deus. Ele veio trazer uma novidade, uma Boa Notícia que convida, principalmente, para a conversão, para a mudança, não só de cada pessoa, mas também a transformação de estruturas da sociedade, para que sua missão de dar vida plena para todos pudesse acontecer de fato (cf. Jo 10,10). Leitor 2: Jesus consegue perceber os grandes problemas e dramas do seu tempo. Ele vê a situação dos pobres, a marginalização da mulher, dos doentes e dos leprosos. Conhece o desespero do seu povo diante das situações de fome, de enfermidades, de falta de amparo, de injustiça e da falta de esperança em algo melhor. Ele também sabe que uma das causas disso são as estruturas de poder e de governo. Nelas havia muita corrupção, exploração do povo com altos impostos, governantes desinteressados dos problemas do povo, alianças entre os poderosos para a manutenção do poder opressor, entre outras tristes realidades. Leitor 3: É neste contexto que Jesus, além de anunciar a esperança, a novidade do Reino de Deus, ele também denuncia tudo aquilo que vai contra o bem e a dignidade do seu povo. Ele evidencia em suas palavras a prática da corrupção, o descaso e a dominação dos governantes da época. O sistema e suas relações de poder, daquela forma, não podia mais continuar: era preciso a conversão das estruturas, era urgente acontecer profundas transformações. Leitor 4: Na leitura que ouvimos, Jesus usa as imagens do pano e do vinho para mostrar a incoerência entre duas realidades: o velho e o
  • 40. 40 novo. O sistema antigo, de realidades contra o ideal de vida para todos; e a novidade, um projeto novo baseado na justiça e na solidariedade. O velho e a novidade não podem existir juntos. É preciso superar o velho e construir o novo. Deve-se abandonar uma política, uma prática velha e assumir uma nova postura, uma nova forma de agir. Vamos aclamar o Evangelho Tua palavra é Luz do meu caminho! Luz do meu caminho, meu Deus! Tua Palavra é! Tua palavra está, nas ondas do mar! Tua palavra está, no Sol a brilhar! Tua palavra está, no pensamento, no sentimento. Tua palavra está! Ler na Bíblia: Mt 9, 14-17 (vinho novo em odres novos)
  • 41. 41 Um olhar em nós Leitor 1: Em junho de 2013, milhões de brasileiros tomaram as ruas, gritando por mudanças no Brasil. Em especial, pediam a Reforma do nosso sistema político por reconhecerem nele graves problemas que atrapalham a existência de uma política e de um governo a serviço do bem da população. Um deles é a força do poder econômico. Isso significa que nossos políticos e o seu trabalho foram corrompidos pelos interesses de quem tem dinheiro, empresas e bancos, que “compram” os nossos representantes. Leitor 2: Nossos governantes devem buscar atender as demandas do povo e gerir tudo aquilo que o município, o estado e a nação têm de recursos para beneficiar todos os cidadãos. São nossos representantes, isto é, nós os escolhemos para que, em nosso nome, defendam e atendam aos nossos interesses e administrem os bens públicos. No entanto, no processo eleitoral, um fator se mostra decisivo para ganhar as eleições: quem tem mais dinheiro para gastar com campanhas, em propaganda e com os apoios. Leitor 3: E são campanhas bem caras! E de onde sai tanto dinheiro? Do financiamento privado das grandes empresas e bancos, que des- pejam dinheiro nos seus candidatos, para que gastem nas campanhas milionárias deles. E isso não é feito de graça. Após vencerem, os empresários vão até os políticos e pressionam para defenderem somente os seus interesses. Atualmente, em nossas casas legislativas (câmara de vereadores, assembleias estaduais, câmara de deputados e senado) grande parte dos que lá estão são frutos dessa “compra” política. Confira o quadro a seguir referente ao Congresso Nacional, em Brasília:
  • 42. 42 Leitor 4: Atenção para o detalhe: 273 defendem os empresários + 160 defendem os ruralistas = 473 deputados a serviço do poder econômico. Resultado: os segmentos mais necessitados e carentes da população (trabalhadores, jovens, pobres e mulheres) por não terem poder econômico, são sub-representados, ficam sem força para defender seus interesses. Assim fica fácil entender, por exemplo, por que os trabalhadores não têm grandes conquistas no governo, como o aumento do salário mínimo ou revisão das pequenas aposentadorias. Muita coisa no Brasil podia ser diferente! Leitor 5: Esse é um dos principais problemas. E há muitos outros que precisam ser solucionados, melhorando nosso governo. É urgente uma reforma! Para concretizar essa Reforma Política, vários movimentos sociais, inclusive a Igreja, através dos seus grupos, decidiram organizar um “Plebiscito popular por uma constituinte exclusiva do sistema político”. E esse plebiscito tem por objetivo pressionar o governo a convocar uma
  • 43. 43 constituinte exclusiva, isto é, com representantes eleitos só para elaborar leis e mecanismos para uma verdadeira e legítima Reforma Política. Leitor 6: O Plebiscito vai acontecer entre os dias 1°. e 07 de setembro deste ano. Seu objetivo é consultar a população para saber se ela é a favor de uma constituinte exclusiva para a Reforma Política. Cabe a nós nos preparar e aproveitar essa forma de participar e pressionar nossos governantes para a mudança dessa politicagem que está aí. Assim como Jesus, nós, seus discípulos, não podemos ficar parados, como se nada estivesse acontecendo. Vamos começar a tecer o pano novo, a fabricar o vinho novo, a construir um Brasil novo. Mais informações sobre a Reforma Política vide a Cartilha do Plebiscito em www.cut.org.brcut-em-acao98cartilha-plebiscito-por-um- novo-sistema-politico; e os textos no final do roteiro. Vamos conversar: Conseguimos compreender a necessidade da Reforma Política? Que outros problemas encontramos na política brasileira? Como podemos nos comprometer com a realização do Plebiscito da Reforma Política? Canto 1. Com Maria em Deus exultemos Neste canto de amor-louvação. Escolhida dentre os pequenos Mãe-profeta da libertação. (bis) Maria de Deus, Maria da gente, Maria da singeleza da flor! Vem caminhar, vem com teu povo De quem provaste a dor!
  • 44. 44 És a imagem da “nova cidade”, Sem domínio dos grandes ou nobres, O teu canto nos mostra a verdade Que teu Deus é do lado dos pobres. (bis) A palavra da Igreja Ouçamos o Papa João Paulo II, na exortação Christifideles Laici, n. 42: Para animar de maneira cristã a ordem social, os fiéis leigos não podem absolutamente renunciar a participar da política, ou seja, da ação econômica, social, legislativa, administrativa e cultural, destinada a promover orgânica e institucionalmente o bem comum. Todos e cada um têm o direito e o dever de participar na política, embora em diversidade e complementaridade de formas, níveis, funções e responsabilidades. As acusações de idolatria de poder, egoísmo e corrupção que muitas vezes são dirigidas aos homens do governo, do parlamento, da classe dominante ou partido político, bem como a opinião muito difusa de que a política é um lugar de necessário perigo moral, não justificam minimamente nem a descrença nem o afastamento dos cristãos pela coisa pública. Pelo contrário, é muito significativa a palavra do Concílio Vaticano II: A Igreja louva e aprecia o trabalho de quantos se dedicam ao bem da nação e tomam sobre si o peso de tal cargo, ao serviço dos homens. [...] No exercício do poder político é fundamental o espírito de serviço, único capaz de, ao lado da necessária competência e eficiência, tornar transparente ou limpa a atividade dos homens políticos, como aliás o povo justamente exige. Isso pressupõe a luta aberta e a decidida superação de certas tentações, tais como, o recurso à deslealdade e à mentira, o desperdício do dinheiro público em vantagem de uns poucos e com miras de clientela, o uso de meios equívocos ou ilícitos para a todo o custo conquistar, conservar e aumentar o poder. Preces espontâneas Pai-Nosso (podem-se incluir os pedidos particulares. Nunca se esquecer de rezar pelo mundo da política, os governantes)
  • 45. 45 Bênção final O Senhor nos abençoe e nos guarde. O Senhor nos mostre Sua face e tenha misericórdia de nós ti. O Senhor volva para nós o Seu rosto e nos dê a Paz. O Senhor nos abençoe, em nome do Pai... Canto 1. Senhor, meu Deus, quando eu maravilhado, Fico a pensar nas obras de tuas mãos: O céu azul, de estrelas pontilhado, O teu poder, mostrando a criação. Então minha alma canta a ti, Senhor: Quão grande és Tu! Quão grande és Tu! (bis) 2. Quando a vagar por matas e florestas, A passarada, alegre, ouço a cantar, Olhando os montes, vales e campinas, Em tudo vejo teu poder sem par. Devemos participar do Plebiscito, organizando a votação em nossa comunidade. Disponibilizaremos as cédulas de votação, formulários e folhas de assinaturas para a realização do Plebiscito, que acontece entre os dias 1º. e 07 de setembro. Participem! *Em caso de dúvidas, entre em contato conosco: epcpsc@gmail.com.
  • 46. 46 Sexto Encontro PARTICIPAÇÃO POLÍTICA: É HORA DE NOS COMPROMETERMOS Motivação Irmãos e irmãs, sejam todos bem-vindos. Chegamos ao último encontro da nossa caminhada, na qual pudemos, com nosso Mestre Jesus e da sua Palavra, conhecer mais sobre um tema tão importante para nós: a política. Neste encontro, vamos refletir sobre nossa participação como cristãos e cidadãos na vida política. Somos convocados a ser “fermento na massa”, ou seja, levar os valores cristãos de solidariedade, justiça, de vida plena para os ambientes onde se tomam as decisões importantes para nossa sociedade. Canto Somos gente nova vivendo a união Somos povo semente de uma nova nação ê, ê Somos gente nova vivendo o amor Somos comunidade, povo do senhor, ê, ê Vou convidar os meus irmãos trabalhadores Operários, lavradores, biscateiros e outros mais E juntos vamos celebrar a confiança Nossa luta na esperança de ter terra, pão e paz, ê, ê
  • 47. 47 Convido os negros, irmãos no sangue e na sina Seu gingado nos ensina a dança da redenção De braços dados, no terreiro da irmandade Vamos sambar de verdade enquanto chega a razão, ê, ê Vamos chamar Oneide, Rosa, Ana e Maria A mulher que noite e dia luta e faz nascer o amor E reunidas no altar da liberdade Vamos cantar de verdade, vamos pisar sobre a dor, ê, ê Vou convidar a criançada e a juventude Tocadores, me ajudem, vamos cantar por aí O nosso canto vai encher todo o país Velho vai dançar feliz, quem chorou vai ter que rir, ê, ê Um olhar em Jesus Leitor 1: Jesus, ao exercer seu ministério, contou com a colaboração de muitas pessoas. São os discípulos e discípulas, que, ao ouvirem sua palavra, verem sua ação transformadora e respondendo ao seu convite, se colocaram a serviço do anúncio do Evangelho. Foram, em sua maioria, homens e mulheres do povo, gente simples, que sofriam os males de uma realidade injusta e se sentiam desesperançados. Leitor 2: Todos eles, no entanto, passaram por algo transformador em suas vidas: o encontro com a pessoa de Jesus Cristo. A partir desse momento e ao acolher a sua Boa-Nova, eles encontram uma nova esperança e se colocam prontamente a serviço do anúncio e do testemunho da vontade de Deus. Leitor 3 :Jesus quis compartilhar a responsabilidade da sua missão. Ele sempre convocava as pessoas a segui-lo, e a se comprometerem
  • 48. 48 com o seu projeto. Nos Evangelhos encontramos vários convites para o discipulado de Jesus. Há também recomendações e orientações para os discípulos no exercício de sua missão. O mestre conhecia muito bem os desafios, os perigos que corriam os seus enviados. Sabia das perseguições, das incompreensões, de toda a maldade que existia na sua época e que entraria em conflito com os seus discípulos. Leitor 4:Elemesmo,aolongodesuavidapública,sofreudifamações, acusações, perseguições, sendo inclusive, preso, torturado e morto por causa de sua palavra e de sua ação. Ao buscar uma vida mais digna para o seu povo, entrou em conflito com os poderes governantes de seu tempo. Leitor 5: Jesus, ao enviar os seus discípulos, sempre recomendava: “não tenham medo”, “coragem”. Assim também nós, ao nos tornarmos seguidores de Jesus, não podemos ter medo, timidez; pelo contrário, devemos, sim, ter coragem e ousadia. Ouçamos agora a Palavra de Deus. Nela Jesus envia os discípulos ao mundo e os fortalece com palavras de ânimo e coragem. Ouçamos com atenção. Palavra de salvação somente o céu tem pra dar Por isso meu coração se abre para escutar Por mais difícil que seja seguir Tua palavra queremos ouvir Por mais difícil de se praticar Tua palavra queremos guardar Ler na Bíblia: Mt 10, 26-33 (não tenham medo)
  • 49. 49 Um olhar em nós Leitor 1: Hoje Jesus também nos chama a ser continuadores da sua missão. Nós, como seus discípulos, devemos assumir esse chamado e ser anunciadores e testemunhas do Evangelho. Esse anúncio e esse testemunho também devem acontecer no mundo da política. Não podemos nos ausentar dos espaços de decisão e de governo, com os valores éticos e cristãos. Leitor 2: Muitos podem dizer: “Igreja e política não combinam. Devemos tratar das coisas de Deus e os políticos tratam das coisas deles. Política é coisa suja.” Esse pensamento não está em sintonia com a missão da Igreja. Como vimos nos encontros anteriores, tudo aquilo que perpassa a nossa vida tem uma implicação política. Sendo missão da Igreja promover a libertação integral do homem (Documento de Aparecida 62), o caráter político deve estar incluído. Evangelizar possui uma dimensão social que exige a mediação política e dos governantes. Leitor 3: Exemplos não faltam de atuação e participação política de cristãos, que trouxeram grandes vitórias para a população. A Campanha da Fraternidade é um exemplo bem conhecido disso. Várias comunidades, após as reflexões da Campanha, conseguiram muitas vitórias junto ao poder público. Podemos lembrar a Campanha da Fraternidade 2003: “Fraternidade e as pessoas idosas”. Graças a ela foi aprovado o Estatuto do Idoso. Os próprios governantes reconhecem
  • 50. 50 que, sem o apelo das comunidades do Brasil, o Estatuto do Idoso não teria sido aprovado tão rápido. Uma grande conquista da Igreja e do povo brasileiro. Leitor 4: Outro bonito exemplo foi o movimento Ficha Limpa, em 2010. O projeto reuniu mais de 1,3 milhões de assinaturas e tornou-se uma grande referência durante as eleições. Nas eleições de 2012, para termos uma ideia, houve mais de 1500 casos de cassação de candidatos que não estavam conformes à Ficha Limpa. Leitor 5: Devemos nos engajar no campo político, seja no nosso bairro, na nossa cidade, estado ou país, e lá defender a dignidade humana e a justiça social, elementos intrínsecos da proposta cristã. Como? Possuímos várias formas e instâncias de participação. Aqui apresentaremos algumas: Leitor 6: Os Movimentos Sociais e as ONGs possuem um trabalho que tem dado certo no país. Defendem, principalmente, os interesses dos mais excluídos e esquecidos pelo poder público. São formados, geralmente, por voluntários que buscam de alguma forma melhorar as situações sociais da população. Esses exemplos podem muito bem ter acontecido, aqui, em nossa cidade. Em algumas cidades, ONGs ligadas à promoção da paz conseguiram a aprovação de leis e medidas de combate à violência. Associações de moradores conseguiram, junto ao poder público, escola e creches para seus moradores. Leitor 7: Outra forma de participar é o partido político. Os partidos existem para representar os diversos interesses do povo. Apesar do desgaste e da corrupção da maior parte dos partidos, no nosso atual sistema, só através deles é possível concorrer em uma eleição e assumir um cargo como governante. Logo, a presença nos partidos é algo fundamental para que, de fato, ocorram mudanças sociais e políticas no país. Leitor 8: Outra forma de participação é o acompanhamento da vida política. Isso significa estar atento ao que acontece em nossas instâncias de governo, exercendo o direito cidadão de fiscalizar. Esse é um importante papel da população, que infelizmente não exercemos. A corrupção dos governos se deve, muitas vezes, à falta de fiscalização e do acompanhamento do que anda acontecendo neles. O dinheiro desviado, o salário dos políticos e os recursos disponíveis para
  • 51. 51 investimento vêm dos nossos impostos, que cada vez estão mais altos. É dinheiro nosso! Leitor 9: Quem se lembra dos candidatos nos quais votou nas duas últimas eleições? Quem sabe o que eles estão fazendo, que leis e projetos estão apresentando? Estão cumprindo o que prometeram na campanha? Se a nossa resposta for “não sei”, estamos cometendo uma grave falta. Se não acompanhamos, não exigimos, não fiscalizamos, não adianta reclamar. Vamos reclamar para quem? Outro detalhe importante: se não acompanhamos os governantes, numa nova eleição podemos reeleger todos os políticos corruptos e omissos. Atenção: isso é o que mais acontece no Brasil. E nós aqui, conhecemos alguma importante conquista? Que tal lembrarmos uma, fruto dos apelos da Igreja junto ao poder público? Vamos conversar Citamos o Estatuto do Idoso e o Movimento Ficha Limpa como conquistas vindas pela união das comunidades. Quem se lembra de outras conquistas vindas através da organização do povo? (no município, no país...) Que tal se nós participássemos das reuniões dos vereadores, buscássemos informações sobre o que vai ser votado e discutido. Podemos nos organizar? Que gestos concretos podemos assumir como cristãos ao final dessa nossa formação sobre Fé e Política aqui onde vivemos? Canto 1. Deus chama a gente pra um momento novo De caminhar junto com seu povo. É hora de transformar o que não dá mais: Sozinho, isolado, ninguém é capaz. Por isso vem! Entra na roda com a gente, também! Você é muito importante! (Vem!) (bis)
  • 52. 52 2. Não é possível crer que tudo é fácil, Há muita força que produz a morte, gerando dor, tristeza e desolação. É necessário unir o cordão. 3. A força que hoje faz brotar a vida Atua em nós pela sua graça É Deus que nos convida pra trabalhar, O amor repartir e as forças juntar. A Palavra da Igreja Ouçamos hoje o papa Francisco, em sua primeira Exortação Apostólica, Evangelii Gaudium (A alegria do Evangelho), n. 183. Ninguém pode exigir-nos que deixemos a religião para a intimidade secreta das pessoas, sem qualquer influência na vida social e nacional, sem nos preocupar com a saúde das instituições da sociedade civil, sem nos pronunciar sobre os acontecimentos que interessam aos cidadãos. Quem ousaria encerrar num templo e silenciar a mensagem de São Francisco de Assis e da Beata Teresa de Calcutá? Eles não o poderiam aceitar. Uma fé autêntica – que nunca é cômoda nem individualista – comporta sempre um profundo desejo de mudar o mundo, transmitir valores, deixar a terra um pouco melhor depois da nossa passagem por ela. Amamos este magnífico planeta, onde Deus nos colocou, e amamos a humanidade que o habita, com todos os seus dramas e cansaços, com os seus anseios e esperanças, com os seus valores e fragilidades. A terra é a nossa casa comum e todos somos irmãos. Embora a justa ordem da sociedade e do Estado seja dever central da política, a Igreja não pode nem deve ficar à margem na luta pela justiça (...), sendo um sinal de esperança que brota do coração amoroso de Jesus Cristo. Preces espontâneas Pai-Nosso (podem-se incluir os pedidos particulares. Nunca se esquecer de rezar pelo mundo da política, os governantes)
  • 53. 53 Bênção final O Senhor nos abençoe e nos guarde. O Senhor nos mostre Sua face e tenha misericórdia de nós. O Senhor volva para nós o Seu rosto e nos dê a Paz. O Senhor nos abençoe, em nome do Pai... Canto final 1. O Senhor me chamou a trabalhar, a messe é grande a ceifar. A ceifar o Senhor me chamou, Senhor aqui estou. Vai trabalhar pelo mundo afora, eu estarei até o fim contigo. Está na hora, o Senhor me chamou: Senhor aqui estou! 2. Dom de amor é a vida entregar, falou Jesus, assim o fez, dom de amor é a vida entregar: chegou a minha vez. 3. Todo bem que na terra alguém fizer, Jesus no céu vai premiar, cem por um, já na terra Ele vai dar, no céu vai premiar. 4. Teu irmão à tua porta vem bater, não vai fechar teu coração. Teu irmão a teu lado vem sofrer, vai logo socorrer. A data da votação do Plebiscito está chegando. Já estamos organizados? Não podemos perder essa grande oportunidade de pressionarmos nossos governantes e realizar as transformações necessárias no nosso sistema político. De 1º. a 07 de setembro vamos mostrar a nossa vontade: queremos a Reforma Política!
  • 54. 54 ANEXOS TEXTOS PARA APROFUNDAMENTO 1 - Sobre a Constituinte Exclusiva e Soberana para mudar o sistema político De acordo com a cartilha “Plebiscito por um Novo Sistema Político”, a Assembleia Nacional Constituinte, ou simplesmente Constituinte, é a realização de uma assembleia de representantes eleitos pelo povo para modificar a economia e a política do país e definir as regras, instituições e o funcionamento das instituições de um Estado, com o governo o Congresso e o Judiciário. Suas decisões resultam em uma Constituição. A Constituição brasileira atual é de 1988, mas, apesar dos avanços nos direitos sociais, ela preservou muitas instituições criadas ou aprofundadas pelo regime militar, como a polícia militarizada, a manutenção da estrutura fundiária e o pagamento da dívida pública. A proposta de uma Constituinte Exclusiva e Soberana do sistema político é para que a mesma alcance os problemas do povo brasileiro, realizando reformas política, agrária, urbana, tributária e outras mudanças, que não foram contempladas em 1988, e que assegurem a igualdade de direitos econômicos, sociais e civis. Representações no Congresso Nacional Segundo dados do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), dos 594 parlamentares (513 são deputados e 81 senadores) eleitos há três anos, 273 são empresários, 160 são ruralistas, 66 fazem parte da bancada evangélica e apenas 91 são da bancada sindical. Além dos representantes dos trabalhadores e trabalhadoras no Brasil representarem uma minoria, esse quadro revela uma distorção no sistema eleitoral.
  • 55. 55 A maioria das cadeiras do Congresso Nacional está sendo ocupada por homens brancos, representantes de uma elite econômica, com interesses privatistas. O atual parlamento exclui segmentos de grande expressividade no país como, por exemplo, os afrodescendentes. A Reforma Política A reforma política, só se pode dar este nome a ela se ela trata e pensa o sistema político como um todo: a organização do Estado Brasileiro, como se dá a disputa do poder, como se distribui o poder no país, como se articulam os poderes do Estado... portanto, é uma questão muito mais estrutural do que este ou aquele ponto. Inclusive, os parlamentares insistem em tratar desta forma, que é para poder inviabilizar uma autêntica reforma política. A questão da votação em lista é um dos aspectos do sistema político. A lista pré-ordenada é um modelo e prática no mundo inteiro da democracia. A votação uni-nominal, candidato por candidato, é uma visão que não ajuda a fortalecer e a criar uma consciência política coletiva e de projetos políticos. E por falta de entendimento, as pessoas dizem ter orgulho de votar em pessoas e não em partidos. É verdade que os partidos que existem hoje não têm muita identidade. E esse é um dos temas da reforma política, que é reconstruir o quadro partidário. Hoje, existem 30 partidos e outros mais na fila para serem criados e ter acesso ao fundo partidário, porque, no fundo, é isto que eles querem. Querem partido para disputar poder e ter um projeto de poder. Entendo que a lista pré-ordenada relacionada com o financiamento público e exclusivo e com o fim das coligações avança. E defendo também a alternância de gênero. O Brasil tem menos de 9% na Câmara e menos de 10% no Senado, de mandatos de mulheres. Falta uma política efetiva de estímulo à participação das mulheres, mesmo nos partidos de esquerda, se é que ainda existe partido de esquerda neste país. É uma distorção da nossa política a participação tão pequena das mulheres. O machismo predomina na política também. Só há democracia plena quando há igualdade de direitos, entre homens e mulheres, entre negros e brancos, entre jovens e idosos...”
  • 56. 56 2 - Os Candidatos são todos iguais? Frei Betto Época de eleição é época de emoção. A razão entra em férias, a sensibilidade fica à flor da pele. Em família e no trabalho, todos manifestam opiniões sobre eleições e candidatos. O tom das opiniões varia do palavrão (a desqualificar toda a árvore genealógica do candidato) à veneração acrítica de quem o julga perfeito. Marido briga com a mulher, pai com o filho, amigo com amigo, cada um convencido de que possui a melhor análise sobre os candidatos... Um terceiro grupo insiste em se manter indiferente ao período eleitoral, embora não o consiga em relação aos candidatos, todos eles considerados corruptos, mentirosos, aproveitadores e/ou demagogos. Não há saída: estamos todos sujeitos ao Estado. E este é governado pelo partido vitorioso nas eleições. Portanto, ficar indiferente é passar cheque em branco, assinado e de valor ilimitado, a quem governa. Governo e Estado são indiferentes à nossa indiferença e aos nossos protestos individuais. É compreensível uma pessoa não gostar de ópera, jiló ou cor marrom. E mesmo de política. Impossível é ignorar que todos os aspectos de nossa existência, do primeiro respiro ao último suspiro, têm a ver com política. A classe social em que cada um de nós nasceu decorre da política vigente no país. Houvesse menos injustiça e mais distribuição da riqueza, ninguém nasceria entre a miséria e a pobreza. Como nenhum de nós escolheu a família e a classe social em que veio a este mundo, somos todos filhos da loteria biológica. O que não deveria ser considerado privilégio por quem nasceu nas classes média e rica, e sim dívida social para com aqueles que não tiveram a mesma sorte. Somos ministeriados do nascimento à morte. Ao nascer, o registro segue para o Ministério da Justiça. Vacinados, ao da Saúde; ao ingressar na escola, ao da Educação; ao arranjar emprego, ao do Trabalho; ao tirar habilitação, ao das Cidades; ao aposentar-se, ao da Previdência Social; ao morrer, retorna-se ao Ministério da Justiça. E nossas condições de vida, como renda e alimentação, dependem dos ministérios da Fazenda e do Planejamento.
  • 57. 57 Em tudo há política. Para o bem ou para o mal. A política se faz presente até no calendário. Já reparou: dezembro, último mês do ano, deriva de dez? Novembro de nove, outubro de oito, setembro de sete? Outrora o ano tinha dez meses. O imperador Júlio César decidiu acrescentar um mês em sua homenagem. Criou julho. Seu sucessor, Augusto, não quis ficar atrás. Criou agosto. Como os meses se sucedem na alternância 31/30, Augusto não admitiu que seu mês tivesse menos dias que o do antecessor. Obrigou os astrônomos da corte a equipararem agosto e julho em 31 dias. Eles não se fizeram de rogados: arrancaram um dia de fevereiro e resolveram a questão. O Brasil é o resultado das eleições de outubro. Para melhor ou para pior. E os que o governam são escolhidos pelo voto de cada eleitor. Faça como o Estado: deixe de lado a emoção e pense com a razão. As instituições públicas são movidas por políticos e pessoas indicadas por eles. Todos os funcionários são nossos empregados. A nós devem prestar contas. Temos o direito de cobrar, exigir, reivindicar, e eles o dever de responder às nossas expectativas. A autoridade é a sociedade civil. Exerça-a. Não dê seu voto a corruptos nem se deixe enganar pela propaganda eleitoral. Vote no futuro melhor de seu município. Vote na justiça social, na qualidade de vida da população, na cidadania plena. 3 - Nota da CNBB (trechos escolhidos, 2013) Lei da Ficha Limpa Uma campanha vitoriosa foi a da Ficha Limpa. Trata-se da Lei Complementar n°. 135 de 2010, uma emenda à Lei das Condições de Inelegibilidade ou Lei Complementar n°. 64 de 1990, originada de um projeto de lei de iniciativa popular idealizado por integrantes do MCCE, destacando-se a CNBB, a CBJP, o Conselho Nacional do Laicato do Brasil (CNLB), a Cáritas e a OAB Nacional. O projeto da Ficha Limpa reuniu cerca de 1,3 milhões de assinaturas com o objetivo de aumentar a idoneidade dos candidatos. A participação ativa das comunidades católicas na campanha pelas assinaturas foi fundamental.
  • 58. 58 Nas eleições de 2012, a primeira sob o efeito da Lei da Ficha Limpa, tivemos mais de 1500 casos de cassação de candidaturas no país. Desta forma, a Igreja vem dando sua significativa contribuição para uma política mais ética e voltada para os reais interesses da população. Mais do que uma lei, vem se impondo em diversos lugares uma espécie de “cultura da ficha limpa”, onde outros setores, por analogia, têm procurado aplicar o sentido da lei, ou seja, usam o conceito de ficha limpa para montar secretariado, contratar empresas e pessoas. Posição oficial da Igreja Já é explícito e claro que a Igreja reserva a atuação direta na vida partidária aos leigos. 0 papa Bento XVI afirmou que os padres devem ficar afastados do compromisso pessoal na política partidária para não comprometer a unidade e a comunhão de todos os fiéis. Disse que é bom evitar a secularização dos padres e a clericalização dos leigos. Os fiéis leigos devem empenhar-se em exprimir na realidade, inclusive através do empenho político, a visão antropológica cristã e a Doutrina Social da Igreja, uma vez que todas as ações sociopolíticas da Igreja têm como objetivo o bem comum. Esse ensinamento está em profunda sintonia com o Direito Canônico que prescreve: “Os clérigos se abstenham completamente de tudo o que não convém a seu estado, de acordo com as prescrições do direito particular. Os clérigos evitem tudo o que, embora não inconveniente, é, no entanto, impróprio ao estado clerical. Os clérigos são proibidos de assumir cargos públicos que impliquem participação no exercício do poder civil.” (Cân. 285 §1°, 2o e 3o). “Os clérigos promovam sempre e o mais possível a manutenção, entre os homens, da paz e da concórdia fundamentada na justiça. Não tenham parte ativa nos partidos políticos e na direção de associações sindicais a não ser que, a juízo da competente autoridade eclesiástica, o exijam a defesa dos direitos a Igreja ou a promoção do bem comum” (Cân. 287 § Io e 2o). A política partidária está em contraste com o ministério ordenado, porque este deve estar acima das facções políticas e servir a todos indistintamente. “Fora de sua expressão teológica, de seu primado
  • 59. 59 espiritual, de seu discurso ético, a Igreja perderia sua própria identidade e, portanto, a possibilidade de atuação em qualquer outro nível”. Com essas diretrizes, o episcopado nacional tem instado junto aos seus padres no sentido de que obedeçam às normas da Igreja. Superação do divórcio entre fé e dever temporal Por outro lado, isso não exime qualquer fiel, incluindo os clérigos, de seu dever para com a transformação da realidade social. A Constituição Pastoral do Concílio Vaticano II, Gaudium et Spes, já alertava: “O divórcio entre a fé professada e a vida cotidiana de muitos deve ser enumerado entre os erros mais graves do nosso tempo” (GS 43). E mais: “Ao negligenciar os seus deveres temporais o cristão negligencia os seus deveres para com o próximo e o próprio Deus e coloca em perigo a sua salvação eterna” (GS 43). Assim como se tem claro que não cabe ao clérigo assumir diretamente um cargo político, é preciso ter claro que é dever da Igreja, portanto, a todos os clérigos, a formação de leigos para que estejam aptos para essa missão. Nada justifica a omissão nesta fundamental tarefa eclesial. Dessa forma, a Igreja Católica, significativamente atuante em todos os campos da vida do povo brasileiro, faz-se presente na política partidária e no serviço à sociedade através de cargos políticos, não pelo seu clero, mas pelos seus leigos. Para isso eles devem ser formados, encorajados, respaldados e acompanhados no exercício de suas funções e do seu mandato, quando eleitos. A presença qualificada de católicos no mundo da política tomará a fé cristã ainda mais relevante na organização da sociedade democrática, pois não há contradição entre democracia e religião. A fé católica, coerentemente vivida, não só não é obstáculo como pode ser uma das melhores defesas da democracia contra sua possível decomposição interna. A pobreza, a democracia e a atuação do cristão no meio social Ao assumir a opção preferencial pelos pobres, na perspectiva levantada pelo discurso inaugural da 5a Conferência do Episcopado Latino-americano e Caribenho, proferido pelo Papa Bento XVI: “A opção preferencial pelos pobres está implícita na fé cristológica naquele Deus
  • 60. 60 que se fez pobre por nós, para enriquecer-nos com sua pobreza” (cf. 2Cor 8,9), a “Igreja pobre, para os pobres”, como é o desejo evangélico do Papa Francisco, se engaja na defesa dos interesses dos mais desprezados na história. Esse engajamento decorre de sua fé em Jesus Cristo e não por questões meramente ideológicas. Isso tem implicações claras nos períodos eleitorais, pois não se pode praticar a indiferença quando candidatos a cargos políticos são claramente contrários à promoção dos pobres, quer por uma posição elitista, quer por estar envolvido em processos de corrupção, que atentam contra os interesses dos pobres e aviltam a convivência social e cristã. Campanha confessional A comunidade cristã se sente verdadeiramente solidária com o gênero humano e com sua história, portanto, os seus interesses coincidem com os interesses dos homens e mulheres de boa vontade, que desejam uma sociedade justa e fraterna. Para a consecução deste objetivo, a Igreja sempre estará como uma sentinela pronta a defender os direitos, sobretudo dos pobres, da família, dos pais a educar os filhos, da luta contraacorrupção,daexigênciadeplenatransparêncianaadministração pública, e a vida em todas as situações, desde a fecundação até a morte natural. Porém, não cairá na tentação de buscar constituir uma bancada parlamentar católica, que tenha feições confessionais. Pautar- se-á sempre pela conduta ética, em todas as campanhas, trabalhando para que os fiéis tenham plena consciência de seus deveres mais amplos com a sociedade e não se limitará a defender seus interesses institucionais. Também evitará emitir notas e pareceres que defendam ou atinjam diretamente este ou aquele candidato, por causa de filiação partidária ou identificação com esta ou aquela denominação cristã, mas não se fartará a defender os valores emanados da sua fé no Evangelho de Nosso Senhor. Autonomia da realidade política A conveniente consideração da relação entre a comunidade política e a Igreja é bem pertinente, sobretudo onde vigora uma sociedade pluralista como a brasileira. De modo algum, a Igreja se confunde com a comunidade política e nem pode ser identificada com um sistema
  • 61. 61 político. Ambas as instâncias devem respeitar a independência e autonomia de cada uma, mesmo que trabalhem, muitas vezes, tendo por escopo as mesmas aspirações, ou seja, o bem-estar da comunidade humana. Guardadas as devidas proporções e natureza de cada uma, devem agir em cooperação, levando-se em conta as circunstâncias dos tempos e lugares. “A Igreja, sem dúvida, alicerçada no amor do Redentor, contribui para que a justiça e a caridade floresçam mais amplamente no seio de cada nação e entre as nações. Pregando a verdade evangélica, e iluminando todos os setores da atividade humana pela sua doutrina, pelo testemunho dos fiéis cristãos, a Igreja respeita e promove também a liberdade política e a responsabilidade dos cristãos” (GS 76). Não obstante o desejo de colaborar no que promove o bem comum, a Igreja não abrirá mão, justificada pela mesma autonomia, de ser instância crítica e profética e de fazer seu caminho próprio, sem se identificar com as pessoas que exercem as funções políticas nem com as que exercem o poder econômico. Por isto cuidará, com sabedoria, que sua proximidade do poder não seja entendida como alinhamento e sua distância do poder não seja entendida como indiferença política. Teocracia e alienação Vivemos, hoje, um fenômeno crescente de participação de muitas denominações cristãs ou não no mundo da política. Aqui é preciso aprender da história. Nesse campo, há experiências no mundo que vão desde a teocracia até a total alienação; há experiência de envolvimento político partidário e direto por interesses corporativistas e experiência de envolvimento direto pelo bem da coletividade. Como discernir o momento exato de atuar ou se omitir? Deve-se evitar, por certo, toda e qualquer atitude oportunista, isto é, aproximar-se ou afastar-se segundo os interesses meramente institucionais. Seria um comportamento por demais pragmático e antiético. A Igreja não pode se transformar numa instância colaboracionista do poder político nem tampouco se identificar como a oposição cega e irracional. Há que se buscar a medida exata em cada momento histórico.
  • 62. 62 Conclusão Enfim, buscar o justo equilíbrio na participação da comunidade cristã nos momentos em que as campanhas políticas ganham as ruas do país é dever de todos os que acreditam na eficácia do fermento evangélico na transformação das realidades sociais e políticas. Imiscuindo-se na política partidária, a Igreja pode não dar a sua real contribuição, porém, omitindo-se da participação na política, sobretudo, da preparação concreta dos fiéis leigos para nela atuarem, negligencia parte significativa de sua missão evangelizadora. Avaliação do material de Fé e Política Pedimos que, ao terminar o percurso dos grupos, façam a seguinte avaliação e a enviem para nós: epcpsc@gmail.com ou Secretariado de Missão e Evangelização Av. Gabriel de Rezende Passos, 178 CEP 32 603-246 Betim, MG Quantas pessoas participaram de seu grupo de reflexão? _________ O material foi esclarecedor para vocês? ( ) muito ( ) pouco ( ) razoavelmente Como vocês avaliam a parte “Um olhar em Jesus”? ( ) muito bom ( ) bom ( ) razoável Como vocês avaliam a parte “Um olhar em nós”? ( ) muito bom ( ) bom ( ) razoável Qual encontro lhes chamou mais a atenção? _______________________ Qual encontro foi mais difícil de ser entendido? ___________________ Sugestões e outros comentários para a equipe responsável.
  • 63. 6363
  • 64. 64 Secretariado de Missão e Evangelização